Comunicação e Mobilização Social em Convivência e Segurança Cidadã

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação e Mobilização Social em Convivência e Segurança Cidadã"

Transcrição

1 Coletânea Convivência e Segurança Cidadã: Guias de Gestão Territorial Participativa Comunicação e Mobilização Social em Convivência e Segurança Cidadã Empoderando vidas. Fortalecendo nações. 1

2 Coletânea Convivência e Segurança Cidadã: Guias de Gestão Territorial Participativa Guia de Comunicação e Mobilização Social em Convivência e Segurança Cidadã 1ª Edição 2

3 Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - Brasil JORGE CHEDIEK Representante Residente Coordenação Érica Mássimo Machado PNUD Brasil Edição Bruna Pegna Hercog e Marialina Côgo Antolini ARNAUD PERAL Representante Residente Adjunto MARISTELA MARQUES BAIONI Representante Residente Assistente Equipe Técnica Alline Pedra, Bruna Pegna Hercog, Cíntia Yoshihara, Cristiano Pereira da Silva, Joselita Frutuoso de Araujo Macêdo Filha, Juliana Mattedi Dalvi, Marialina Côgo Antolini, Paulo Ricardo de Souza e Paiva, Ricardo de Lacerda Ferreira e Rita de Cássia Lima Andrea Textos Bruna Pegna Hercog, Cíntia Yoshihara, Joselita Frutuoso de Araujo Macêdo Filha, Juliana Mattedi Dalvi e Marialina Côgo Antolini Colaboradores Claudia Ocelli, Daniel de Castro, Daniel Luz, Débora Sol, Eugenia Piza-Lopez, Fernanda dos Anjos, Gabriela Dutra, Gerardo Berthin, Hugo Acero, Jairo Matallana, João José Barbosa Sana, José Carlos Arruti Rey, Lina Salazar, Maristela Marques Baioni, Moema Freire, Nicolas Garrigue, Norma Peña Projeto gráfico e editoração Valentina Garcia PREFÁCIO É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. Publicado pelo Programa das Nações Unidas Para o Desenvolvimento (PNUD). PNUD 2013 Projeto Gráfico: Valentina Garcia Primeira edição: dezembro de 2013 Tiragem: 800 exemplares Impressão: Estação Gráfica Ltda Para elaboração dos textos desta Coletânea, optou-se pelo uso de linguagem não discriminatória em relação a gênero, raça, etnia ou classe social. Em muitos casos, foi necessário o uso genérico do masculino, a exemplo do termo ator social, ou de termos neutros como crianças, adolescentes e jovens. Mesmo nesses casos, entende-se que o genérico do masculino refere-se a homem e mulher e que os termos neutros reúnem as especificidades e direitos adquiridos de cada cidadão e cidadã aqui representados. Guia de comunicação e mobilização social em convivência e segurança cidadã. Brasília : PNUD, p. (Coletânea convivência e segurança cidadã : guias de gestão territorial participativa). Incl. bibl. ISBN: Segurança Cidadã 2. Direitos civis e políticos 3. Direitos humanos 4. Tolerância 5. Cultura de paz 6. Segurança humana 7. Participação social 8. Participação comunitária 9. Administração pública 10. Diagnóstico 11. Política de desenvolvimento 12. Desenvolvimento humano 13. Brasil 14. Guias I. PNUD Impresso no Brasil A Redução da Vulnerabilidade e a Promoção da Segurança Cidadã formam um dos pilares da atuação do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no Brasil. São claras as evidências de que os altos índices de criminalidade e de insegurança nos países da América Latina e Caribe têm imposto entraves significativos para o pleno desenvolvimento econômico e social da região, mesmo face às recentes melhorias na governança e na qualidade de vida das populações mais vulneráveis. Neste sentido, o PNUD Brasil compartilha da prioridade brasileira de promover melhorias na segurança pública como caminho necessário ao que chamamos de desenvolvimento humano sustentável. A contribuição a esta área vem da atuação de nossas equipes a partir da perspectiva conceitual da Convivência e Segurança Cidadã, que envolve a adoção de um enfoque integral, local e participativo no tratamento da segurança pública. Isto nos permitiu acumular, nos últimos anos, experiência corporativa relevante na área de Segurança, tanto em âmbito nacional quanto local, como resultado de várias atividades de prevenção do conflito, reforma institucional e construção de capacidades para a governabilidade democrática. Por meio de práticas efetivas em gestão da Segurança Cidadã, o PNUD vem desenvolvendo um conjunto de metodologias, instrumentos e ferramentas que visam apoiar e fortalecer os municípios no âmbito das políticas de prevenção à violência. São instrumentos que recuperam experiências de sucesso da região 5

4 6 em segurança cidadã e também colocam à disposição dos governos suas redes de especialistas certificados, com experiências concretas e exitosas em diversos países. Um dos frutos desta experiência é esta Coletânea: Convivência e Segurança Cidadã: Guias de Gestão Territorial Participativa. As metodologias aqui apresentadas resultam do crescente compartilhamento de responsabilidades na prevenção e no enfrentamento da violência, do âmbito nacional ao local, revelando o quanto a participação das comunidades é fundamental para o sucesso de projetos e programas na área da segurança. A Coletânea foi elaborada a partir da experiência de execução do Programa Conjunto Interagencial da Organização das Nações Unidas (ONU) Segurança com Cidadania: prevenindo a violência e fortalecendo a cidadania, com foco em crianças, adolescentes e jovens em condições vulneráveis nas comunidades brasileiras. Essa experiência de cooperação técnica foi desenvolvida entre os anos de 2010 e 2013, em três unidades territoriais das cidades brasileiras de Contagem (MG), Lauro de Freitas (BA) e Vitória (ES). A Coletânea apresenta não só as metodologias utilizadas, como também fatos e histórias marcantes, que ocorreram ao longo da implementação do Programa nos três municípios e que ilustram a riqueza e a diversidade de experiências bem-sucedidas e o impacto gerado nessas localidades. Dessa forma, nosso objetivo é oferecer a governos, organizações, movimentos sociais, entre outros, materiais de referência para uma atuação local, integral e participativa na construção de uma cultura de prevenção à violência. Desejamos uma excelente leitura a todas e todos bem como nossos votos de que este material encontre uso efetivo na promoção da Convivência e da Segurança Cidadã neste país. Jorge Chediek Coordenador-Residente do Sistema das Nações Unidas no Brasil e Representante-Residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no Brasil SUMÁRIO APRESENTAÇÃo 6 O QUE É E POR QUE IMPLEMENTAR DIRETRIZES 8 DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL DE CONVIVÊNCIA E SEGURANÇA CIDADÃ? Como implementar diretrizes 11 de comunicação e mobilização social de convivência e segurança cidadã? Partilhando a gestão: comissão 12 de comunicação e mobilização social Pegue Visão Cidadão, Pegue Visão Cidadã! 17 Comissão de Comunicação e Mobilização Social Puxaí 18 Entendendo âmbitos e fluxos da comunicação 19 Policial militar escuta notícia no rádio e muda de rumo 22 Definindo atores sociais estratégicos 24 Definindo ferramentas 25 Roda de Diálogo: jovens se expressam 27 e constroem conceitos coletivos Site do Programa Conjunto dinamiza acesso a informações 32 Relacionando-se com a imprensa 37 Na contramão dos fatos: o papel da assessoria de imprensa 38 Dia Internacional da Paz: um exemplo de mobilização da imprensa 43 Monitorando e avaliando os resultados 44 O QUE A PRÁTICA ENSINa 45 Referências bibliográficas 46

5 APRESENTAÇÃO O Guia de Comunicação e Mobilização Social em Convivência e Segurança Cidadã faz parte da Coletânea Convivência e Segurança Cidadã: Guias de Gestão Territorial Participativa governos, organizações e movimentos sociais, entre outros, materiais de referência para a atuação local na construção de uma cultura de prevenção da violência. 8 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), composta por um encarte conceitual e sete Guias: Preparação, Curso de Convivência e Segurança Cidadã, Diagnóstico Integral e Participativo, Plano Integral e Participativo, Intercâmbio de Experiências, Monitoramento e Avaliação e Comunicação e Mobilização Social e o Jogo Fica Seguro, que convida de forma lúdica e dinâmica para a vivência de todas as etapas da implementação de um projeto de Convivência e Segurança Cidadã. O objetivo do PNUD é oferecer a Este Guia apresenta uma metodologia para o desenvolvimento de Diretrizes de Comunicação e Mobilização Social em planos, programas ou projetos de Convivência e Segurança Cidadã. Aborda a importância de se planejar, executar, avaliar e monitorar estas diretrizes, com foco na participação comunitária e na democratização da informação. Neste sentido, são apresentados alguns caminhos, ações, estratégias e ferramentas, além de relatos de experiências, dicas e sugestões para contribuir com o desenvolvimento de uma boa prática em Comunicação e Mobilização Social. Desenho sobre foto de ação do Programa Conjunto da ONU Segurança com Cidadania

6 10 ator social Um determinado indivíduo é um ator social quando representa algo para a sociedade, encarna uma ideia, uma reivindicação, um projeto, uma promessa, uma denúncia. Uma classe social, uma categoria social ou um grupo podem ser atores sociais, assim como instituições: partidos políticos, jornais, igrejas etc. (SOUZA, 1991). Os atores sociais, são portanto, todos aqueles que tenham interesse na questão da convivência e segurança cidadã. São, prioritariamente, aquelas que integram o território trabalhado, podendo se estender a todos que atuam com a temática. (Souza, 1991) e (RGCI, 2007) O QUE É E POR QUE IMPLEMENTAR DIRETRIZES DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL DE CONVIVÊNCIA E SEGURANÇA CIDADÃ? Quando falamos em comunicação, estamos falando, necessariamente, de troca. Comunicar-se é dialogar, escutar, pensar, sentir, falar, organizar e transmitir ideias. Como a própria palavra sugere, comunicação é uma ação comum, é partilhar. Para se comunicar é preciso mobilização: mobilização de ideias, sentidos, diferenças, pessoas, lugares, interesses, processos. Mobilizar é movimentar, articular, envolver para multiplicar, ou, nas palavras do jovem capixaba Ernauro Feijó: mobilizar é despertar o olhar de possibilidade no outro. Comunicação e Mobilização Social, portanto, são indissociáveis e complementares. É preciso mobilização para garantir uma comunicação efetiva e é necessária a comunicação para que a mobilização aconteça de forma estratégica e eficaz. Neste sentido, pode-se afirmar que as políticas e práticas de Comunicação e Mobilização Social desempenham papel fundamental no processo de fortalecimento da identidade social, à medida que contribuem para estimular atores sociais a exercerem o controle democrático e o desempenho de novos papéis nas comunidades onde vivem e atuam. Principalmente, quando aplicadas em projetos de Convivência e Segurança Cidadã, que pressupõem o fortalecimento de pessoas, relações, instituições e governos para o desenvolvimento de um ambiente seguro que incentive a convivência dos diferentes atores sociais e a resolução pacífica dos conflitos. É preciso, portanto, que estes fatores sejam levados em consideração ao se elaborar Diretrizes de Comunicação e Mobilização Social. Pois é na construção dessas diretrizes que se definem missão, princípios, estratégias e públicos, para, que, em seguida, possa ser traçado um plano de ação. O que exige, portanto, o estímulo à formação de redes, para que os fluxos de comunicação sejam constantes e horizontais, bem como o estímulo à participação efetiva dos atores sociais envolvidos no processo. Este exercício de cidadania, que contribui para a garantia do direito fundamental à Comunicação, pode ser proporcionado por uma prática de comunicação e mobilização social baseada nos princípios da Comunicação para o Desenvolvimento e da Educomunicação. É por meio dele, também, que se criam canais diretos com os formadores de opinião da imprensa que se encontram espalhados pelas mais diversas mídias. Por sua vez, a mídia exerce um papel fundamental na formação das pessoas em relação aos seus direitos e deveres enquanto cidadãos. Grande parte dos meios de comunicação no Brasil reforça estereótipos sociais, construindo um senso comum baseado no medo, com interpretações sensacionalistas e equivocadas, que nada contribuem para a promoção da Cidadania e dos Direitos Humanos. Neste contexto, a grande mídia tem um papel fundamental na construção de uma sociedade mais cidadã que busque a garantia desses direitos, embora não seja assim que ela atue na maior parte do tempo. A divulgação de pautas sobre crimes e violência associando negativamente comunidades periféricas reforça a imagem negativa de diversos bairros. A falta de voz diante da sociedade contribui para que estas comunidades se sintam isoladas e pouco empoderadas na construção de um ambiente que promova a Convivência e a Segurança Cidadã. Assim, é preciso gerar pautas, ideias e debates que abordem temas sociais sob a ótica da diversidade, do desenvolvimento local e dos direitos humanos em todas as suas dimensões, gerando reflexões críticas sobre os assuntos divulgados. O papel da imprensa na discussão sobre os dilemas da violência é de fundamental importância para o aprimoramento das políticas públicas nessa área. Apesar das eventuais limitações, observamos que muitos profissionais da mídia têm se esforçado numa cobertura responsável da temática, o que contribui, inclusive, para a difusão de programas, metodologias e projetos de prevenção da violência, implementação da cultura da paz, soluções mediadas de conflitos, criação de redes comunitárias solidárias, etc. Ou seja, a cobertura do fenômeno da violência pode oferecer aos cidadãos soluções que suplantam o medo, a sensação de impotência e de descrédito das instituições, quando o problema é tratado com responsabilidade e sem sensacionalismo. (Observatório da Imprensa, Robson Sávio Reis, 2009). mobilização social É uma reunião de sujeitos que definem objetivos e compartilham sentimentos, conhecimentos e responsabilidades para a transformação de uma dada realidade, movidos por um acordo em relação a determinada causa de interesse público. (BRAGA; HENRIQUES; MAFRA, 2004, p. 36) pauta São temas que podem se tornar notícia. Os repórteres recebem pautas que vão guiar o seu trabalho. Elas apresentam sugestões de como o assunto pode ser abordado e de fontes de entrevistas indicadas para falar sobre o assunto. 11

7 12 Advocacy O termo, ainda sem uma tradução consolidada para o português, se refere à defesa de interesses relacionados a uma causa ou ideia. Com o intuito de estimular mudança de comportamentos e provocar transformações, a advocacy busca suporte para a promoção ou defesa de direitos. Dessa forma, ações de advocacy buscam influenciar a formulação, a execução, a transformação e a implementação de políticas sobre determinada ideia ou causa (CEBDS, 2012; e AMUCC, 2012). Com base nisso, os alicerces escolhidos para guiar as atividades de Comunicação e Mobilização Social dentro dos princípios da Convivência e Segurança Cidadã são: A Comunicação para o Desenvolvimento, que foi definida pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em 1996, como uma comunicação multidirecional que possibilite o diálogo e permita às comunidades manifestar-se, expressar as suas aspirações e preocupações e participar das decisões relacionadas com o seu desenvolvimento. Assim, a Comunicação para o Desenvolvimento encoraja a mobilização social através da promoção do diálogo entre a comunidade e diversos atores responsáveis pelas tomadas de decisão nos diferentes níveis: local, regional e nacional, buscando, dessa forma, a execução de políticas e programas que tragam benefícios e melhore a qualidade de vida de todos (Nações Unidas Cabo Verde, 2012) Comunicação para mudança de comportamento (social e individual) Comunicação para mudança social (indivíduos encontram soluções e são capazes de quebrar paradigmas e promover mudanças sociais e o diálogo entre o público, o privado e a comunidade em geral) Advocacy (mudança de políticas, regras, normas e comportamentos) Criação de um ambiente de comunicação adequado (inclusão digital, acesso à informação, transparência e responsabilidade social dos indivíduos e instituições) A Educomunicação, que pode ser aplicada tanto em espaços de educação formal (escolas) quanto em espaços não formais (ONGs, movimentos sociais, etc.). é apontada como um caminho para envolver crianças, adolescentes, jovens e adultos e estimulá-los a se posicionar criticamente e desenvolver um olhar aprofundado para o contexto social onde estão inseridos. Deste modo, a Educomunicação contribui para a democratização da comunicação e, consequentemente, para a prevenção da violência por meio da reconfiguração de espaços simbólicos. As Diretrizes de Comunicação e Mobilização Social propostas, portanto, têm em vista a ampliação do entendimento com o projeto, bem como a capilaridade das ações, buscando a ampla promoção de uma cultura de paz. O uso educativo da comunicação, neste sentido, é apontado como uma das estratégias possíveis de prevenção da violência e de reconfiguração de espaços simbólicos, tendo em vista que os meios de comunicação estão entre as instituições de socialização da população. Como implementar diretrizes de comunicação e mobilização social de convivência e segurança cidadã? O ato de comunicar é um processo constante e diário, que se dá em diversos níveis e de diferentes maneiras. Para se comunicar de forma institucional, no entanto, é preciso planejamento. Para isso é fundamental conhecer o território de atuação (onde?), definir os públicos (para quem?), construir metodologias, estratégias e ações (como?) e definir os conteúdos que serão comunicados (o quê?). As respostas a estas PASSO A PASSO PARA ELABORAR UM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE COMUNICAÇÃO 1. Realize um Mapeamento Estratégico/Diagnóstico/Análise de Situação 2. Identifique e formule o problema de comunicação e mobilização social (o quê?) 3. Defina: Os objetivos (para que comunicar?) os participantes (quem comunica?) os públicos (para quem comunicar?) a rede de produção dos sentidos e fluxos de comunicação (como comunicar?) perguntas dão início ao processo de Planejamento Estratégico de Comunicação, fundamental para garantir a eficiência e a qualidade das ações. Esse planejamento, no entanto, precisa ser norteado por objetivos bem definidos, bem como por princípios e valores centrais. A este conjunto de elementos que irão orientar a ação chamamos de Diretrizes de Comunicação e Mobilização Social. as responsabilidades institucionais (quem faz o quê?/ quem responde pelo quê?) 4. Trace as principais ações e os instrumentos (como e com que ferramentas comunicar? que atividades desenvolver? onde buscar parcerias? qual o orçamento necessário?) 5. Defina estratégias de avaliação e monitoramento (indicadores/ como medir?) educomunicação Compreende-se a Educomunicação na perspectiva da interrelação entre os campos da comunicação e educação, materializada em quatro áreas de intervenção social: educação para a comunicação; mediação tecnológica na educação; gestão comunicativa; e reflexão epistemológica. (SOARES, 1999). Podese definir, também, a educomunicação como um processo de comunicação com intencionalidade educacional expressa e que envolve a democratização da produção e de gestão da informação nos meios de comunicação em seus diversos formatos, ou na comunicação presencial (TASSARA, 2008). 13

8 14 Equipe Técnica Profissionais responsáveis por implementar as iniciativas no território. Exercem uma função técnica que requer conhecimentos específicos na temática de Convivência e Segurança Cidadã, bem como experiência em mobilização comunitária, trabalho com grupos, mediação de conflitos, análise de dados e da realidade local. Comitê Gestor Local Instância consultiva e deliberativa de acompanhamento das atividades, formada por representantes do governo local, incluindo o Ponto Focal, do poder legislativo e da comunidade local. Em um projeto de Convivência e Segurança Cidadã, as Diretrizes de Comunicação e Mobilização Social devem estar alinhadas com a política de gestão institucional do projeto. Para isso é importante que se estabeleçam instâncias formais de suporte ao processo de comunicação e mobilização social, construídas de forma coletiva por todos os atores sociais diretamente envolvidos com a ação, sob a coordenação da Equipe Técnica, garantindo, assim, Partilhando a gestão: Comissão de Comunicação e Mobilização Social O que é? A Comissão de Comunicação e Mobilização Social é um grupo de trabalho do Comitê Gestor Local, formado para acompanhar as atividades do projeto, contribuindo na difusão, mobilização e divulgação de informações e conceitos. É composta por representantes da comunidade local e outros atores sociais, tais como representantes de diferentes setores do poder público (educação, saúde, cultura, segurança pública, etc.), da sociedade civil organizada (ONGs, movimentos sociais, lideranças juvenis, líderes religiosos, grupos culturais), entre outros. Como em todos os processos participativos de intervenções que sejam de fato participativas. A Equipe Técnica será responsável por fazer a ponte entre as diferentes instâncias de gestão do projeto. Assim, com a prática percebeu-se a necessidade de que se componha dentro da instância gestora do programa no território - o Comitê Gestor Local - um grupo que irá cuidar especificamente das questões de comunicação e mobilização social. A este grupo, chamamos de Comissão de Comunicação e Mobilização Social. gestão, é importante que a Comissão tenha equilíbrio na composição de modo a incluir representação paritária dos diferentes grupos, garantindo a sustentabilidade do processo. Por que é necessária? Diversos são os fatores e contextos que podem suscitar a criação de um grupo articulado para pensar estrategicamente as ações de comunicação e mobilização social com a perspectiva de garantir os processos participativos. É preciso, portanto, ter clareza quanto às problemáticas em questão e estar ciente que, sem um mapeamento e planejamento estratégico em comunicação e mobilização social, não será possível enfrentá-las, pois é este planejamento que apontará as estratégias e os instrumentos necessários para garantir o fortalecimento das capacidades locais. A seguir, apontamos algumas possíveis demandas que poderão ser trabalhadas por uma Comissão de Comunicação e Mobilização Social: Dificuldade de comunicação interna e mobilização entre os integrantes do Comitê Gestor Local Dificuldade de sensibilização e mobilização de liderançasjovens para participação no Comitê Gestor e em atividades do projeto Insuficiência de espaços e atividades lúdicas de convivência comunitária ou de convivência nas comunidades Insuficiência de informações públicas sobre cultura de paz e segurança cidadã Dificuldade de articulação entre atores do Sistema de Garantia de Direitos e os segmentos comunitários Frágil mobilização popular no enfrentamento das diversas formas de violência Processo de estigmatização do território e, consequente, criação de estereótipos de seus moradores, reforçado pelo discurso midiático local e regional Contexto eleitoral, que exige a implementação criteriosa de diretrizes de comunicação e mobilização social, que garantam a sustentabilidade das ações desatrelada de interesses político-partidários Qual o seu papel? A Comissão de Comunicação e Mobilização Social tem como papel central facilitar o diálogo entre os integrantes do Comitê Gestor Local e a sociedade em geral, mediar conflitos e interesses, mobilizar e valorizar desejos, bem como organizar ideias e propostas e garantir visibilidade a elas. Exerce papel fundamental no que se refere à garantia da pluralidade de vozes e da consequente descentralização da informação. Compartilhar informação é descentralizar o poder, é democratizar os fluxos de comunicação. E descentralizar o poder é permitir que ecoem discursos diversos e, muitas vezes, contraditórios, para dar a possibilidade de voz às diversas opiniões sobre determinada questão. 15

9 Leia mais no Guia do Plano Integral e participativo. A Comissão tem um papel importante, também, no que se refere à garantia da sustentabilidade das ações traçadas de forma participativa durante a elaboração do Plano Integral e Participativo de Convivência e Segurança Cidadã, por meio do fortalecimento e da capacitação da sociedade civil organizada. A grande força do Plano está na própria comunidade que participou da sua construção e tem o maior interesse e necessidade de ver as ações propostas sendo executadas. Pensando assim, a apropriação do Plano pela comunidade como um todo, e o empoderamento dela para acompanhar, cobrar e ajudar na sua implementação, tornam-se fundamentais. Desta forma, os atores sociais cumprem seu papel de sujeito político, exercendo o controle social. Diferente do controle social exercido pelo Estado sobre indivíduos e grupos, o controle social, aqui discutido, referese à participação da sociedade e grupos organizados na elaboração de fiscalização de políticas públicas em espaços democráticos. Estes espaços de participação, bem como conselhos setoriais, conferências, dentre outros, são legitimados pela Constituição Brasileira de 1988 que assegura juridicamente a participação e o controle social como mecanismos de democratização dos direitos civis e políticos. O monitoramento e o acompanhamento das políticas públicas são estratégias contínuas de controle social que visam garantir a transparência na definição das prioridades das políticas e aplicação de recursos públicos. A qualidade e efetividade da participação social estão diretamente relacionadas às diretrizes de comunicação e mobilização social traçadas para lhes dar sustento. Afinal, para participar é preciso definir estratégias e instrumentos adequados, que garantam o estabelecimento de fluxos de comunicação e também a circulação e visibilidade das informações. Assim, na elaboração de um instrumento de participação política, a exemplo do Plano Integral e Participativo de Convivência e Segurança Cidadã, é imprescindível que as ações de comunicação e mobilização social estejam contidas no documento, seja por meio de projetos específicos, seja por meio de ações transversais a todos os eixos e projetos previstos. A criação da Comissão de Comunicação e Mobilização Social desde o início do processo de implantação do projeto facilita e consolida as ações e discussões em torno da Convivência e Segurança Cidadã, além de incentivar uma mudança de cultura acerca do papel e das contribuições de todos no nível local para a construção de uma cultura de paz. Leia mais sobre o conceito de Convivência e Segurança Cidadã no Guia de Apresentação. Leia mais no Guia de monitoramento e avaliação. 16 A expressão controle social tem origem na sociologia. De forma geral é empregada para designar os mecanismos que estabelecem a ordem social disciplinando a sociedade e submetendo os indivíduos a determinados padrões sociais e princípios morais. Assim sendo, assegura a conformidade de comportamento dos indivíduos a um conjunto de regras e princípios prescritos e sancionados. (...) No período de democratização do país, em uma conjuntura de mobilização política principalmente na segunda metade da década de 1980, o debate sobre a participação social voltou à tona, com uma dimensão de controle de setores organizados na sociedade civil sobre o Estado. A participação social nas políticas públicas foi concebida na perspectiva do controle social no sentido de os setores organizados da sociedade participarem desde as suas formulações planos, programas e projetos, acompanhamento de suas execuções até a definição da alocação de recursos para que estas atendam aos interesses da coletividade. (CORREIA, 2003 ) PASSO A PASSO PARA CRIAR UMA COMISSÃO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. Identifique no Comitê Gestor Local e na comunidade pessoas que tenham vínculos com o território de atuação e interesse/desejo de aprender/ executar ações de comunicação e mobilização social 2. Realize um encontro de sensibilização para falar sobre comunicação e mobilização social, apresentar a proposta da Comissão e definir seus integrantes 3. Defina um cronograma para as reuniões da Comissão 4. Realize uma Oficina de Mapeamento Estratégico de Comunicação e Mobilização Social para elaboração do Plano de Ação de Comunicação e Mobilização Social do território. 5. Busque parcerias para garantir uma infraestrutura básica para o funcionamento da Comissão: espaço físico para as reuniões, acesso à internet e telefone 17

10 18 Stakeholder Significa público estratégico. É uma palavra muito utilizada nas áreas de comunicação, administração e tecnologia da informação, cujo objetivo é designar as pessoas e os grupos mais importantes para um planejamento estratégico ou plano de negócios, ou seja, as partes interessadas. Para quem comunicar e quem deve ser mobilizado? Estas são perguntas centrais. Sem a definição do para quem, ou seja, do público alvo das ações de comunicação e mobilização social (o stakeholder), é impossível traçar as estratégias adequadas e definir os instrumentos mais apropriados para executá-las. São princípios orientadores da prática: reconhecimento e respeito à diversidade, considerando as diferentes especificidades dos públicos com os quais a Comissão irá se comunicar Realização das ações nos espaços (comunidade), com e para as pessoas No caso de um projeto de Convivência e Segurança Cidadã, é importante que a Comissão dialogue com: o Comitê Gestor Local os líderes comunitários de diversas áreas de atuação (movimentos de mulheres; movimentos religiosos; movimento de jovens, etc.) As associações, ONGs e os sindicatos A comunidade escolar (gestores, professores e alunos) Todas as pessoas inseridas ou não no processo, considerando suas especificidades: geracionais (jovens, crianças, adolescentes, idosos), étnicas, raciais, de gênero (mulheres e homens), de orientação sexual (LGBT) e pessoas com deficiência, entre outros Como se organiza? Para garantir o funcionamento da Comissão de Comunicação e Mobilização Social, é preciso definir sua forma de atuação, estabelecendo quem coordena e quem é o responsável pela gestão do processo, além de se estabelecerem responsabilidades, tanto das representações do poder público quanto da sociedade civil, e elaborar um Plano de Ação Estratégico de Comunicação e Mobilização Social. Este instrumento reúne concepções, estratégias e instrumentos de funcionamento da Comissão. Sua atuação, desta forma, está organizada em três níveis de comunicação: interno, externo e institucional. É, portanto, imprescindível ter clareza para quem a Comissão irá comunicar, ou seja, quais são os seus públicos, seja no nível interno (restrito), ou no nível externo (ampliado). Para que a articulação, o planejamento e a execução das ações da Comissão sejam possíveis, é imprescindível que o projeto disponibilize capacitações para os seus integrantes. As temáticas das formações podem ser definidas juntamente com a Comissão, a partir da identificação da demanda e da escolha das ferramentas que serão utilizadas. comissão Pegue Visão Cidadão, Pegue Visão Cidadã! No bairro de Itinga, Lauro de Freitas (BA) - território integrante do Programa Conjunto da ONU Segurança com Cidadania, no contexto das discussões e dos encontros realizados para a elaboração do Plano Integral e Participativo, começou a despontar nas falas de líderes comunitários e representantes do poder público local a necessidade de se incrementar a comunicação como ferramenta de dinamização do processo participativo e mobilização comunitária para o enfrentamento das diversas formas de violência: Chega de ficarmos falando uns para os outros, precisamos ecoar as nossas vozes ; Comunicar é mobilizar o outro, é passar adiante a informação ; Precisamos gritar para todo o mundo ouvir. Essas foram algumas das falas que demonstraram o desejo do grupo de utilizar a comunicação para transformar suas realidades. A partir desse desejo, foi formada a Comissão de Comunicação e Mobilização Social de Lauro de Freitas. O oxigênio dessa comissão foram as mulheres, a maioria delas ligadas a ONGs e movimentos sociais, outras ligadas a setores governamentais. Mulheres cansadas de verem seus filhos, irmãos, vizinhos perderem a vida, muitas vezes, de forma brutal. Mulheres cansadas de verem outras mulheres sendo violentadas diariamente por seus companheiros. Mulheres cansadas da violência cometida por policiais. Mulheres cansadas de verem seus queridos e queridas morrerem na fila de um hospital, sem atendimento médico. Mulheres cansadas de não terem creches para colocar os seus filhos. Mulheres cansadas da impunidade. Mas, acima de tudo, mulheres com esperança. E, mais ainda, mulheres de atitude. Não é a toa que o lema escolhido pela Comissão foi Pegue visão, cidadão. Pegue visão, cidadã, uma expressão muito usada pelos moradores de Itinga para dizer: preste atenção! A expressão remete à sua missão: facilitar o diálogo no Comitê Gestor e na comunidade, mediar conflitos, animar e entusiasmar; mobilizar e valorizar desejos; e organizar ideias e propostas. E foi exatamente o que a Comissão fez. Entre as suas ações, vale destacar o fortalecimento de uma rede interna de comunicação com o Comitê Local, a partir de uma lista de s, além de envio de torpedos no celular e mensagens no Facebook, para convidar os atores sociais a participarem de reuniões e demais atividades do Programa. A realização de Rodas de Diálogo sobre a temática da Convivência e Segurança Cidadã também foi uma ação de grande impacto realizada pela Comissão. Importante destacar, ainda, que foi a criação da Comissão de Comunicação e Mobilização que impulsionou mudanças nas diretrizes de comunicação do Programa Conjunto como um todo. As premissas, estratégias e metodologias definidas na Comissão passaram a ser incorporadas pelo Programa e a metodologia foi reaplicada nos outros municípios participantes. Este Guia de Comunicação e Mobilização Social, por exemplo, é fruto desse processo, uma vez que representa a sistematização das diretrizes de comunicação e mobilização social criadas e implementadas. 19

11 Comunicação e Mobilização Interna - Comitê Gestor LoCAL comunidade Comissão de Comunicação e Mobilização Social Puxaí Entendendo âmbitos e fluxos da comunicação Para se compreender os fluxos da comunicação, sugere-se, como estratégia didática, que a comunicação seja compreendida a partir de três dimensões: institucional, interna e externa. 20 Em São Pedro, Vitória (ES), a Comissão de Comunicação e Mobilização Social surge com um objetivo definido: dar sustentabilidade ao Plano Local de Convivência e Segurança Cidadã, especialmente após a mudança da gestão municipal. O pontapé inicial para a Comissão foi a realização da Oficina de Comunicação e Mobilização Social, que reuniu jovens lideranças da região, moradores, técnicos da prefeitura que atuam em São Pedro, policiais militares, entre outros. Esses atores locais tiveram a oportunidade de trocar experiências com uma moradora de Lauro de Freitas (BA), integrante da Comissão de Comunicação e Mobilização Social baiana, que veio à Vitória para integrar a oficina. Os participantes puderam discutir ainda questões diversas ligadas à comunicação, à segurança e à cidadania. A partir desse encontro, a Comissão Puxaí foi formada por membros voluntários, composta por moradores da região, policiais militares e integrantes da gestão municipal. A primeira ação foi estudar o Plano Local, para conhecê-lo a fundo, tirar dúvidas e entender as ações propostas. A partir de então, a Comissão deu início ao processo de planejamento de atividades e à construção de objetivos para ações. Uma das atividades já executadas aconteceu durante a festa de fim de ano do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de Santo André, bairro da Grande São Pedro. Na ocasião, mais de 300 moradores atendidos pelo CRAS estavam presentes, principalmente mulheres e crianças. A comissão propôs uma troca aos participantes: um sonho de padaria para saber o sonho daquelas pessoas. A atividade foi toda filmada, para gerar um vídeo. O momento foi importante para a troca de conhecimento e informações com a comunidade e entre os membros da comissão que, pela primeira vez, organizaram e produziram juntos uma ação. C o m u n i c a ç ã o e M o b i l i z a ç ã o A Comunicação Institucional é aquela que define a identidade e imagem do projeto. É o núcleo a partir do qual a comunicação global pode ser realizada em sua plenitude. Como os diversos públicos enxergam e entendem esse projeto? Essa pergunta deve ser respondida pela Comunicação Institucional. Diferentes aspectos comunicacionais estão inseridos nela. Tanto a Comunicação Comunicação Institucional E x t e r n a - C o m u n i d a d e o u t r o s p ú b l e Interna quanto a Comunicação Externa precisam estar alinhadas com a Comunicação Institucional já que têm nela os seus elementos de origem e de inspiração. Esta dimensão da comunicação tem como foco o fortalecimento da imagem institucional do projeto. A programação visual, por exemplo, é um deles. É importante ter cuidado com a apresentação visual do i c o s 21

12 22 logomarca É um conjunto de elementos visuais (gráficos, letras, figuras, etc) que conferem uma identidade a determinada instituição ou projeto. Newsletter ou Boletim Eletrônico Informativo periódico enviado eletronicamente (geralmente por ) para pessoas previamente cadastradas no mailing do projeto. Seu objetivo é divulgar as ações desenvolvidas, a partir de textos jornalísticos com depoimentos e fotografias. Release É um texto para divulgação de determinado assunto e/ou evento, distribuído para os diversos veículos de comunicação. projeto, já que ela se configura em um fator de identificação. Numa comunidade, por exemplo, quando está havendo uma oficina ou palestra, a logomarca do projeto deve estar visível. Dessa forma, os presentes identificarão aquela atividade como integrante de uma ação maior e não como um evento isolado. Assim, a logomarca e uma unidade visual padrão devem estar presentes nas diversas peças comunicacionais: site, s, newsletter e folderes, entre outros. O conceito que está sendo trabalhado também deve ser unificado e amplamente difundido e praticado. Assim, a descrição do projeto, seus parceiros e atividades devem ser os mesmos no site, nos releases enviados para a imprensa e nos folderes entregues à comunidade, entre outros. A Comunicação Interna diz respeito aos fluxos e estratégias de comunicação e mobilização voltados para o público que lida diretamente com o projeto principalmente o Comitê Gestor Local. Assim, esse público está, em alguma medida, familiarizado com o cotidiano do projeto, mas muitas vezes não consegue ter a visão de todo o processo, por ter acesso apenas a informações setorizadas. Um dos pontos chaves de uma comunicação interna eficiente é a transformação dos integrantes da ação em agentes divulgadores do processo. Quando as pessoas que estão inseridas em um determinado projeto começam a entender a importância do que está sendo desenvolvido, passam de participantes a difusores, ajudando na divulgação das atividades e dos conceitos. As estratégias de comunicação interna também visam o fortalecimento dos laços de coesão e motivação da equipe, criando espaços e instrumentos de partilha e alinhamento de propostas, assim como a facilitação dos fluxos de comunicação entre todos os atores institucionais envolvidos na iniciativa. Uma boa comunicação interna permite que seja difundido entre os diferentes envolvidos no projeto as informações gerais, atividades, agenda de encontros e eventos e informações sobre iniciativas semelhantes que estão acontecendo na região, entre outras. As ferramentas da comunicação interna são diversas e podem se constituir, por exemplo, de murais em pontos estratégicos, boletim eletrônico, áreas específicas dentro de um website exclusivas para esse público, entre outras. A Comunicação Externa referese aos processos e às dinâmicas de comunicação para a mobilização comunitária em torno de uma cultura de convivência e segurança cidadã. É aquela que lida com o público que não está diretamente envolvido na execução do projeto. Esse público é formado pelos mais diversos atores sociais, como moradores da região de abrangência das ações, pesquisadores da área e cidadãos que tenham interesse em temas de algumas ações executadas pelo projeto, entre outros. Como o público externo é amplo, este âmbito da comunicação utiliza diversas ferramentas cada qual com uma função e buscando atingir a todos. Aqui, estão inseridas, por exemplo, ações de assessoria de imprensa, divulgação de atividades com carro ou bicicleta de som, folders e site, entre outras. É importante destacar que diversas ferramentas atingem ambos os públicos. Um site ou um blog, por exemplo, pode ser acessado tanto por integrantes do público interno quanto do externo, assim como uma matéria publicada em um jornal impresso ou uma matéria veiculada em uma rádio poderá ser lida ou escutada por ambos os públicos. Ao se planejar e implementar as diretrizes de Comunicação e Mobilização Social em um projeto de Convivência e Segurança Cidadã é importante, também, atentar para os processos de sistematização das experiências e monitoramento e avaliação das estratégias utilizadas e ações realizadas. A sistematização é o encontro da teoria com a prática que promove a organização do conhecimento produzido coletivamente durante o processo de vivência. 23

13 mediação Policial militar escuta notícia no rádio e muda de rumo Um exemplo de como uma ação voltada para o público externo pode atingir (em cheio!) o público interno foi o que aconteceu em Lauro de Freitas (BA). O Soldado Raianderson Neri conta que estava começando um dia normal da sua rotina: vestiu a farda, entrou no seu carro e enquanto dirigia a caminho da Base Comunitária de Segurança de Itinga, resolveu ligar o som. Geralmente eu escuto CD, mas nesse dia deixei na rádio, conta Neri. Bom para ele! Porque foi em um programa de rádio que ele escutou que em algumas horas começaria um Encontro de Mediação para Líderes Religiosos - uma ação do Programa Conjunto da ONU Segurança com Cidadania. Imediatamente, Neri ligou para o seu superior que autorizou a sua participação no evento. Ele já era integrante do Comitê Gestor Local e havia participado de outras capacitações do Programa. Essa, no entanto, foi especial, pois além de soldado, é universitário e estudioso de questões religiosas. Foi um aprendizado incrível. Pastores, representantes de religiões de matrizes africanas, testemunhas de Jeová, todos juntos e dialogando. Fiquei muito feliz de participar, conta. O que são fluxos de comunicação? São os caminhos de diálogo entre os diferentes atores sociais envolvidos no projeto, que se dão nos diferentes âmbitos da comunicação. É o processo de difusão das informações. Para cada contexto será preciso identificar quais são os fluxos mais adequados. Compreendendo os fluxos, compreende-se as relações de poder e os diferentes lugares de fala. Para traçar as estratégias é preciso identificar os fluxos comunicativos. Nesse sentido, é fundamental um Mapa de Comunicação capaz de apontar quais são os diferentes âmbito da gestão institucional comissão de comunicação departamento de comunicação do órgão governamental comitê gestor local discursos, de que maneira eles estão organizados e quais são as relações hierárquicas que estabelecem entre si. Em um projeto dessa natureza, diversos discursos podem estar presentes: do financiador, dos organismos institucionais que executam a ação, do poder público e dos representantes locais. Portanto, para sugerir a democratização da informação e, consequentemente, a pluralidade de vozes, é preciso propor uma configuração de fluxos de comunicação, como exemplifica a figura abaixo: 24 25

14 Definindo atores sociais estratégicos Definindo ferramentas Para fazer chegar uma informação até o público alvo, existem diversas formas e ferramentas de Comunicação e Mobilização Social possíveis. Cada uma delas tem resultados, custos e alcances variados. Para escolher qual delas utilizar, é preciso avaliar uma série de fatores. O primeiro deles é o público. A quem essa informação se destina e que formas de comunicação esse público utiliza de maneira mais frequente? Outra questão é o custo. Quanto há disponível no orçamento do projeto para a comunicação e de que maneira esse recurso deve ser investido ao longo de todo o período de execução? Quais as possíveis parcerias que podem ser firmadas para garantir a realização das atividades? Outro fator determinante é a seleção de qual informação deve ser divulgada e em qual momento. 26 Quando falamos em Convivência e Segurança Cidadã e compreendemos a violência como um fator multicausal, necessariamente temos que levar essa dimensão em consideração no momento atores sociais estratégicos Pontos Focais Equipe Técnica Agentes de segurança (guardas municipais, policiais civis, policiais militares, bombeiros) Órgãos de segurança e justiça Educadores e gestores (escolas e universidades) Crianças, adolescentes e jovens Lideranças religiosas da elaboração de Diretrizes de Comunicação e Mobilização Social do projeto. Ou seja, os atores sociais estratégicos precisam estar ligados às mais diversas áreas de atuação, como ilustra o quadro a seguir. Representantes de movimentos sociais/ culturais e organizações da sociedade civil Chefes do Poder Público Representantes de secretarias diversas (educação, desenvolvimento, saúde, cultura, esporte, segurança pública, assistência social, gestão estratégica, entre outras) Representantes do Sistema de Garantia de Direitos (conselheiros de direitos, conselheiros tutelares, promotores de justiça, etc.) Conselhos de direitos (segurança, educação, cultura, etc.) Todas essas questões devem estar contidas no planejamento de comunicação do projeto, com orçamento e calendário previamente estipulados. É importante, no entanto, trabalhar com a possibilidade de imprevistos. Por isso, o planejamento deve conter folgas de prazos e orçamento que permitam a readequação das ferramentas de comunicação caso seja necessário. Uma dica importante é atentar sempre para os instrumentos e as maneiras de comunicação que já existem e que são utilizadas nas comunidades onde o projeto irá atuar. Por isso, a etapa da realização do Diagnóstico Integral e Participativo de Convivência e Segurança Cidadã é fundamental. É neste momento que se irá identificar se a comunidade costuma utilizar carros de som para divulgar eventos locais, se são os folhetos impressos que têm maior impacto, ou ainda se o maior comunicador da região é o vendedor de botijão de gás ou a vendedora de frutas na barraca da esquina. Para definir as ferramentas, é preciso estar atento e apostar nas especificidades do local, valorizando os recursos que já existem, bem como a criatividade e vivência dos moradores do território onde o projeto vai atuar. A seguir, sugerimos algumas opções de ferramentas de Comunicação e Mobilização Social, umas mais específicas, experimentadas em iniciativas de Convivência e Segurança Cidadã, e outras mais usuais. Leia mais no Guia do Diagnóstico Integral e Participativo. 27

15 28 As ferramentas são algumas das possibilidades existentes de executar as Diretrizes de Comunicação e Mobilização Social. Inspire-se nelas para criar caminhos e maneiras de comunicar e mobilizar que mais se identifiquem com o território. Rodas de Diálogo sobre Convivência e Segurança Cidadã São espaços de escuta direcionada, promovidos para diferentes públicos (agentes de segurança, mulheres, adolescentes, líderes religiosos) que têm como objetivo central sensibilizar os participantes sobre a temática da Convivência e Segurança Cidadã, bem como construir conceitos coletivos sobre o tema. A atividade tem uma duração média de duas horas. São exibidas imagens que estimulam a percepção da segurança para além das forças policiais. Uma dica importante é priorizar quando possível fotografias referentes à realidade da comunidade onde será realizada a Roda de Diálogo (ex: foto de um grupo de capoeira local, de uma rua sem asfalto, etc.). É importante que todas as falas sejam respeitadas, pois é um momento em que os participantes se sentem seguros para falar o que pensam e sentem. O facilitador, portanto, deve ter sensibilidade para saber mediar possíveis confrontos de ideias entre os participantes e, também, para saber o momento certo de cortar uma fala, permitindo, assim, que todos participem. A criação do conceito coletivo é a última etapa e tem como objetivo sistematizar as falas, de forma que todos se sintam contemplados pela definição de Convivência e Segurança Cidadã construída pelo grupo. É importante, também, que as Rodas de Diálogo sejam planejadas e executadas pela Comissão de Comunicação e Mobilização Social do projeto. cidadania Roda de Diálogo: jovens se expressam e constroem conceitos coletivos Uma das Rodas de Diálogo sobre Convivência e Segurança Cidadã aconteceu na sede do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), em Itinga, Lauro de Freitas (BA). Adolescentes do Programa Nacional de Inclusão de Jovens (Projovem) participaram da atividade, promovida pela Comissão de Comunicação e Mobilização Social. O bate-papo começou e os motores foram se aquecendo. No início, os meninos e meninas estavam tímidos. Mas, quando começaram a ver as imagens selecionadas para a atividade, soltaram o verbo! Principalmente, quando a rua de um deles apareceu na tela. Oxe! Aí é perto da minha casa. E esse lixo todo espalhado aí? É assim mesmo, todo dia!, disse um dos adolescentes referindo-se a uma foto que mostrava uma localidade de Itinga sem coleta de lixo. Fotografias em que apareciam policiais militares fazendo a segurança de um bairro nobre foram o estopim para que várias falas sobre abordagens agressivas e preconceituosas aos jovens negros e moradores de comunidades populares fossem disparadas. Já fui abordado de uniforme, voltando da escola. Não tava fazendo nada de errado e o policial já veio logo me chamando de vagabundo, disse um dos participantes. Sobre a pergunta: o que é segurança para você, as respostas foram as mais variadas: autoliberdade, se sentir seguro, não correr risco, se sentir bem, ausência de medo, confiança em Deus, policiamento e saber que as pessoas que fazem o mal não estão por perto foram algumas delas. Sobre cidadania, foram certeiros: é todo mundo junto, fazendo a sua parte; são cidadãos cumprindo seus direitos e deveres na sociedade. Ao final da atividade, construíram coletivamente o conceito: Segurança com cidadania é cada um dar as mãos e se conscientizar de que somos irmãos, independente de raça, cor, sexualidade, se é pobre ou rico. É ter respeito e ajudar uns aos outros a olhar para o nosso próximo com olhar de esperança para um mundo melhor. 29

16 30 Cartilha do Plano Integral e Participativo de Convivência e Segurança Cidadã O Plano Integral e Participativo de Convivência e Segurança Cidadã foi criado, de forma participativa, com o envolvimento da comunidade. No entanto, para que ele se torne de fato uma ferramenta de controle social, é preciso que seja amplamente divulgado e conhecido pelos diversos setores e grupos da comunidade. Assim, a Cartilha foi pensada para difundir o Plano, como instrumento de apropriação do conteúdo e de subsídio para o acompanhamento de sua execução. A Cartilha apresenta os projetos, metas e indicadores do Plano com PASSO A PASSO PARA ELABORAR A CARTILHA DO PLANO E O CADERNO DO TERRITÓRIO 1. Identifique, na Comissão de Comunicação e Mobilização Social, uma equipe para apoiar em todas as etapas da produção da Cartilha e do Caderno do Território: planejamento, produção e distribuição e definam coletivamente as tarefas de cada pessoa 2. Realize oficinas de educomunicação com diferentes linguagens (fotografia, impresso, história em quadrinho, uma linguagem simples e diagramação atrativa, de forma a atingir os diferentes atores sociais que compõem a comunidade local. O livreto traz dados da região, informações sobre o conceito de segurança cidadã, dicas sobre controle social e formas de atuação e cobrança pela sociedade civil, além do próprio Plano. Seu principal objetivo é contribuir com o empoderamento do Plano, por parte da comunidade, estimulando os atores sociais locais a conhecer o documento, para que possam assumir o compromisso de acompanhar a sua execução. design) para envolver a equipe na produção dos textos e da programação visual (diagramação, ilustrações, gráficos,etc.) da Cartilha e do Caderno 3. Planeje e execute a edição final dos produtos 4. Planeje e execute a distribuição da Cartilha e do Caderno do Território em locais e para pessoas consideradas estratégicas Caderno do Território O Caderno do Território conta a história do projeto desenvolvido na comunidade, com uma linguagem lúdica, e com a participação dos atores locais. A ideia é mostrar todos que fizeram parte das atividades e como aquelas ações desenvolvidas fizeram diferença na vida das pessoas, apresentando a identidade do lugar e dando rostos e nomes às informações técnicas. Para a produção de um caderno bonito, criativo e que expresse de fato a identidade do local onde as ações foram desenvolvidas, é fundamental um banco de dados bem completo e organizado. Se esse banco existir, a diagramação desses dados pode certamente render um bom caderno. É importante que ele contenha fotos, depoimentos, vídeos, registros de pessoas, datas, locais e atividades, entre outras informações consideradas relevantes para identificar melhor a comunidade. O ideal, no entanto, é que as informações para o caderno sejam coletadas em um trabalho em parceria com a Comissão de Comunicação e Mobilização Social. Ao longo do desenvolvimento do projeto, e nas ações da Comissão, é importante registrar tudo que o foi executado. As Rodas de Diálogo, por exemplo, geram diversos depoimentos e a construção de conceitos coletivos. Todo esse material pode compor, de alguma forma, o Caderno do Território. Diversas outras atividades dentro da comunidade podem ser executadas para gerar material para o caderno, tais como: caminhadas fotográficas, concurso de redação e festival de desenho com crianças, entre outros. O Caderno é uma ferramenta importante, ainda, para reconhecer o trabalho dos membros do Comitê Local, assim como o de outras pessoas da comunidade que se destacam por sua atuação e participação nas atividades do projeto. Outros projetos que desenvolvem trabalhos interessantes na comunidade e que são parceiros também podem ter destaque. É importante que o Caderno do Território tenha uma diagramação limpa, clara e criativa. Ele é uma ferramenta, tanto de divulgação do que foi realizado quando de memória do projeto, voltada para a comunidade. Assim, é preciso que ela se enxergue 31

17 32 nas páginas do caderno e perceba a diferença que o trabalho realizado fez na vida daquela comunidade. Por isso, a diagramação, os textos e as fotos precisam refletir esse sentimento. Conteúdos que o Caderno pode trazer Explicação simples sobre o que o governo local pode fazer em termos de políticas de segurança, dando uma dimensão sobre o papel e o limite de atuação possível, no âmbito local, por parte do poder público e da sociedade civil Entrevistas com membros do comitê local e pessoas de destaque na comunidade Fotos tiradas ao longo da execução do projeto Depoimentos colhidos nas diversas atividades Artigos e/ou textos dos integrantes do projeto sobre aspectos diversos das ações Conceitos coletivos criados a partir de Rodas de Diálogo Fotografias, redações e/ou desenhos reunidos a partir de gincanas ou concursos com membros da comunidade (em escolas, projetos, entre outros) Site e Blog A internet, na maioria dos casos, é o primeiro lugar ao qual recorremos na busca de informações. Dessa forma, um site sobre o projeto que está sendo executado é uma ferramenta importante para atingir públicos diversos: a comunidade onde as atividades estão acontecendo, os parceiros institucionais, a imprensa, os estudiosos do tema e o público em geral. Pela velocidade e quantidade das informações diárias, o site precisa ser constantemente atualizado e ter informações completas. É importante que a ferramenta tenha a identidade do projeto, para que a comunidade se enxergue nela, percebendo-se como parte atuante do processo. Para isso, é preciso encontrar um equilíbrio entre informações puramente institucionais e aquelas que representam, de fato, o território onde as ações estão sendo executadas: seus moradores, tradições, paisagens, desafios e sucessos. O custo de produção de um site varia muito, de acordo com suas especificidades, podendo inclusive ser produzido gratuitamente usando formatos e Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo (CMS) gratuitos e abertos ao público. Independente do formato escolhido, é preciso planejar bem a ferramenta e suas formas de utilização. Como diversos públicos terão acesso ao portal, ele deve apresentar linguagem simples e ser de fácil navegação. A disponibilização de fotos e vídeos da comunidade ajuda no processo de identificação. O blog também pode ser produzido de maneira gratuita, por meio de diversas ferramentas oferecidas online. Dentre as páginas ou links sugeridos para a composição de um portal, destacamos alguns: Página principal descrição do projeto notícias galeria de fotos galeria de vídeos calendário de eventos contato Durante o processo de planejamento da ferramenta, é importante destacar quem será a pessoa responsável pela atualização das informações e por novas postagens. É importante, a partir da Comissão de Comunicação e Mobilização Social, envolver membros da comunidade na produção de conteúdos para que não seja um espaço totalmente institucional, o que pode ser feito mais facilmente com conteúdos como fotos, vídeos e posts em formato blog de opinião. Porém, é preciso ter em mente que a quantidade de moderadores/ administradores com acesso a área de gerenciamento deve ser reduzida para diminuir a possibilidade de erros. Atualmente, Wordpress, Drupal, Liferay e Joomla! estão entre os Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo (GSC) mais populares. Para construção de um blog podem ser usadas ferramentas como o Wordpress, Blogspot e Blogger, entre outras disponíveis na internet. Página/Link é a ligação entre arquivos digitais publicados online. Pode ser de um texto para uma fotografia ou um vídeo, por exemplo. Ao clicar em um link, automaticamente é aberta uma nova página de navegação da internet com o arquivo citado. 33

18 34 divulgação Site do Programa Conjunto dinamiza acesso a informações O site do Programa Conjunto da ONU Segurança com Cidadania (www. segurancacomcidadania.org) é um importante espaço de divulgação. Nele, são publicadas as matérias relativas às ações realizadas nos três municípios participantes, bem como fotografias de todas as atividades. A ansiedade para se ver nas fotos levou os participantes das oficinas, cursos e outros eventos a acessar o site e a divulgá-lo para a sua rede de contatos. Os jovens muitas vezes utilizam essa ferramenta de forma instantânea. Um exemplo foi uma adolescente que participava de uma Roda de Diálogo sobre Convivência e Segurança Cidadã, ao saber do site, acessou-o imediatamente do seu celular e partilhou com o grupo depoimentos de outros jovens que estavam publicados on-line. Outro destaque do site é o Espaço Cidadão, localizado em sua página principal (home page), que periodicamente homenageia um ator local com sua foto e história. Foi a partir do site, também, que o programa passou a ganhar maior visibilidade na mídia e na sociedade em geral, e os comunicadores passaram a ser acionados com frequência por e telefone para oferecer mais informações sobre as ações executadas. Redes Sociais As redes sociais são uma ferramenta poderosa na difusão rápida de informações. As redes se difundiram e alçaram um público diverso e plural. Existem diversas redes sociais com públicos específicos: redes para relacionamento profissional, amoroso ou pessoal, para pessoas que gostam de leitura, para troca de informações sobre assuntos variados e para compartilhamento de arquivos de música, entre outras. Assim, é preciso buscar aquela que atenda melhor o público alvo. Para muitos, inclusive, essas ferramentas se configuram na principal fonte de informação e forma de compartilhamento. Muitos jovens nem chegam mais a acessar s, comunicando-se online por meio das redes sociais. Assim, para divulgar um projeto ou evento em uma rede, é preciso compartilhar informações direcionadas, buscando e/ou criando grupos de interesse comum, desenvolvendo páginas internas nas redes e diversificando sempre a maneira de compartilhar a informação: imagens, arquivos de áudio, textos e links para outras páginas da internet são alguns exemplos. Newsletter ou Boletim Eletrônico Informativo periódico, enviado eletronicamente (geralmente via ), para pessoas previamente cadastradas na mala direta do projeto. Seu objetivo é divulgar as ações desenvolvidas, a partir de textos jornalísticos, com depoimentos e fotografias, podendo trazer conteúdo inédito de preferência ou um apanhado de notícias e histórias recentes publicadas no site e nas plataformas sociais. Mosquitinho ou Flyer O mosquitinho ou flyer é umas das ferramentas de comunicação com menor custo de produção. Muito utilizado para divulgar informações curtas, ele é uma espécie de folder com tamanho reduzido. Geralmente é impresso em preto e branco, com quatro ou seis dele em uma folha de papel tamanho A4. Dessa forma, pode ser copiado e recortado para ser distribuído em locais e para pessoas estratégicas. Em geral, o flyer é um material publicitário pequeno, sem dobras no papel. fonte Fonte pode ser o local de onde a informação foi extraída ou a pessoa (fonte de informação) que forneceu os dados e/ ou foi entrevistada para construção a de uma notícia. Dentre as Redes Sociais online mais populares atualmente estão: Facebook, Twitter, Instagram, Linkdin, entre outras. A plataforma Ning também merece destaque, já que permite a criação de redes sociais individualizadas, com o compartilhamento de conteúdos específicos. 35

19 36 Convite Convites podem ser impressos ou eletrônicos. De formato simples, podem ou não ter dobras no papel. É criado para divulgação dirigida de um evento específico, com informações claras e diretas, tais como: nome do evento, a quem ele é destinado, data, local, hora e como se inscrever (se for o caso). É importante que a diagramação seja feita de acordo com a identidade visual do projeto e que seja atrativa. Podcast Podcast é a distribuição de arquivos digitais pela internet. Mais popular para arquivos de áudio, o podcast permite a atualização a cada nova versão publicada. Folder Assim como o convite, pode ser eletrônico ou impresso. Pode ser criado para divulgação dirigida de um evento específico, com informações claras e diretas, tais como: nome do evento, a quem ele é dirigido, data, local, hora, como se inscrever (se for o caso). Pode também ter conteúdos atemporais como folderes institucionais ou educativos, com um tema específico. É importante que a diagramação seja feita de acordo com a identidade visual do projeto. O folder geralmente tem um custo de produção mais alto, pois apresenta uma ou mais dobras e possui uma capa. Para divulgar eventos específicos no folder é possível colocar um conteúdo maior, como a programação completa do evento, mini currículo de palestrantes, texto institucional do projeto, etc. Bicicleta ou Carro de Som Muito utilizados em bairros e em cidades do interior, a bicicleta ou o carro de som têm grande alcance, e normalmente, são utilizados para a divulgação de um evento específico. Para isso, é preciso uma gravação em áudio, que traga informações claras e diretas, já que a pessoa que escutar provavelmente não terá como anotar o que está sendo dito. É importante repetir, pelo menos uma vez, as informações chaves, como o nome do evento, data, local e horário. O arquivo de áudio pode ser difundido ainda pela internet, por meio das redes sociais, sites e blogs. Mailing O mailing é uma ferramenta fundamental no processo de mobilização e articulação dos diversos atores sociais envolvidos no projeto. Ele reúne contatos das pessoas que, de alguma forma, possam ter interesse nas atividades executadas. É a agenda de contatos do projeto. Essa é uma ferramenta que deve ser bem organizada e constantemente atualizada. O mailing pode ser dividido por grupos. Por exemplo: uma pasta para líderes comunitários, uma para professores da região, outra para parceiros institucionais, outra para os principais contatos na imprensa, etc. Sempre que houver uma atividade, é importante que os diferentes grupos de interesse sejam notificados, por meio de , convite eletrônico contato telefônico e mensagem de celular, entre outros. Diferentes grupos respondem melhor a diferentes formas de contato. Por exemplo: para grupos de jovens, a melhor forma de comunicação podem ser as redes sociais, enquanto alguns membros da comunidade só recebem a mensagem por meio de uma visita pessoal ou de contato por telefone. Registros de áudio, vídeo e fotos Os registros audiovisuais fotografias, vídeos e depoimentos gravados em áudio são ferramentas comunicacionais versáteis e de fácil assimilação e aceitação. Para apresentação de um conceito para a comunidade, por exemplo, discuti-lo por meio da apresentação de imagens que promovam o debate pode ser mais produtivo do que a utilização de textos e palestras no modelo tradicional. O registro fotográfico deve estar pautado em todas as atividades executadas, com uma pessoa responsável por isso. É, importante, também para a construção do banco de imagens do projeto, o registro do cotidiano da comunidade na qual as atividades estão acontecendo, com fotos que mostrem as diversas faces da realidade local. Outro tipo de imagem bastante útil é aquela que ilustra as questões abordadas. Por exemplo: se está acontecendo uma atividade sobre separação do lixo para reciclagem, uma boa imagem mostra as pessoas com o lixo separado ou alguém utilizando coletores para resíduos recicláveis. Para o registro em vídeo é importante uma pauta previamente pensada. Que imagens serão capturadas? Serão realizadas entrevistas? Com quem? Que perguntas serão feitas? As respostas dependem do objetivo do vídeo. De forma geral, é sempre útil ter imagens gerais dos eventos e entrevistas com os participantes e executores da atividade. Vídeos curtos, com depoimentos, podem ser postados rapidamente em sites e redes sociais. Vídeos mais elaborados dependem de um processo de edição. 37

20 38 Pense sempre em garantir, acima de tudo, boa qualidade de áudio e imagens do contexto em discussão, para serem usadas como ilustrações das mensagens que serão transmitidas. Elas ajudam, por exemplo, a cobrir eventuais problemas (câmara tremida, iluminação ruim, problema de foco, etc.). Atualmente, boa parte das câmeras fotográficas também captura vídeos. Até mesmo celulares e outros dispositivos, como tablets, fazem vídeos com qualidade razoável, que podem automaticamente ser postados online. Assim, o processo se torna ágil e interativo. No entanto, é preciso estar atento ao conteúdo do que é publicado, principalmente quando a divulgação se dá por meios oficiais. É preciso ter em mente que a qualidade é mais importante que a velocidade. Mantenha cópias de segurança dos arquivos para evitar perdas Organize fotos e vídeos em pastas nomeadas, com referência ao evento, data e nome de quem tirou a foto. A organização de pastas temáticas garante mais agilidade ao trabalho, por exemplo: fotos de lideranças locais, fotos de reuniões, fotos de paisagens da comunidade Vídeos e fotografias também podem ser usados como elementos pedagógicos. É possível a partir de uma oficina com jovens da comunidade, realizar um vídeo que poderá ser utilizado para divulgação, ou ainda, organizar uma caminhada fotográfica e utilizar as fotos depois para uma exposição ou em publicações diversas. Sempre que possível, é importante a assinatura de um termo de autorização de uso de imagem. Quando as imagens envolvem crianças e adolescentes é fundamental que os responsáveis autorizem o uso da imagem. Arquivos de áudio também se configuram numa ferramenta comunicacional versátil. Podem ser disponibilizados online, com entrevistas, ou serem editados em podcasts sobre assuntos relativos ao projeto. DICAS PARA A ORGANIZAÇÃO DOS REGISTROS AUDIOVISUAIS registre sempre imagens em alta qualidade, para o caso de precisar imprimi-las, enviá-las para um jornal impresso ou programa de TV ao final de um evento, selecione fotos e vídeos e já elimine imagens repetidas, distorcidas, fora de foco ou mal enquadradas mantenha sempre um back-up desses arquivos em locais diferentes (pendrive, HD externo, etc.) Relacionando-se com a imprensa Para garantir a visibilidade do projeto e, consequentemente, da temática da Convivência e Segurança Cidadã, planejar e definir estratégias de relacionamento com a imprensa é fundamental. Com o planejamento, aumentam-se as chances de se conseguir contribuir para a qualificação da cobertura da imprensa sobre temas relativos à violência, numa perspectiva de estimular os meios de comunicação a promover uma cultura de paz e de convivência cidadã. É importante, portanto, que o projeto conte, desde sua implementação a sua finalização, com um trabalho de assessoria de comunicação - serviço prestado em instituições diversas, que engloba todos os aspectos da comunicação, tais como: jornalismo, relações públicas, publicidade e marketing. Já a assessoria de imprensa é um dos setores da assessoria de comunicação que lida diretamente com as redações, enviando sugestões de pautas e fornecendo fontes de pesquisa e de entrevistas, entre outras atividades. O planejamento da comunicação envolve a assessoria de imprensa e, dessa forma, desde o início do projeto é possível montar um cronograma de intervenções com os veículos de comunicação. Para isso, é preciso analisar as atividades previstas e perceber quais delas têm apelo midiático, que datas comemorativas podem ser utilizadas como ganchos para matérias, que especialistas estão envolvidos e sobre que assuntos eles podem dar entrevistas, entre outras questões. Dessa forma, o jornalista responsável pelo projeto deve sempre responder algumas questões antes de planejar a divulgação das atividades, tais como: o que devo e o que não devo divulgar? Como farei e pra quem? Quando devo divulgar? É preciso atenção e parcimônia na seleção do que será divulgado. Como as redações recebem centenas de sugestões de pauta diariamente, assessorias de imprensa que enviam releases a todo o momento perdem credibilidade com repórteres e editores. 39

Diagnóstico Integral e Participativo em Convivência e Segurança Cidadã

Diagnóstico Integral e Participativo em Convivência e Segurança Cidadã Coletânea Convivência e Segurança Cidadã: Guias de Gestão Territorial Participativa Diagnóstico Integral e Participativo em Convivência e Segurança Cidadã Empoderando vidas. Fortalecendo nações. 1 Coletânea

Leia mais

Plano Integral e Participativo em Convivência e Segurança Cidadã

Plano Integral e Participativo em Convivência e Segurança Cidadã Coletânea Convivência e Segurança Cidadã: Guias de Gestão Territorial Participativa Plano Integral e Participativo em Convivência e Segurança Cidadã Empoderando vidas. Fortalecendo nações. 1 Coletânea

Leia mais

Curso de Convivência e Segurança Cidadã

Curso de Convivência e Segurança Cidadã Coletânea Convivência e Segurança Cidadã: Guias de Gestão Territorial Participativa Curso de Convivência e Segurança Cidadã Empoderando vidas. Fortalecendo nações. Coletânea Convivência e Segurança Cidadã:

Leia mais

Monitoramento e Avaliação do Plano Integral em Convivência e Segurança Cidadã

Monitoramento e Avaliação do Plano Integral em Convivência e Segurança Cidadã Coletânea Convivência e Segurança Cidadã: Guias de Gestão Territorial Participativa Monitoramento e Avaliação do Plano Integral em Convivência e Segurança Cidadã Empoderando vidas. Fortalecendo nações.

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Guia de Intercâmbio de Experiências em Convivência e Segurança Cidadã

Guia de Intercâmbio de Experiências em Convivência e Segurança Cidadã Coletânea Convivência e Segurança Cidadã: Guias de Gestão Territorial Participativa Guia de Intercâmbio de Experiências em Convivência e Segurança Cidadã Empoderando vidas. Fortalecendo nações. Coletânea

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA REDE SOCIAL BRASILEIRA POR CIDADES JUSTAS & SUSTENTÁVEIS

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA REDE SOCIAL BRASILEIRA POR CIDADES JUSTAS & SUSTENTÁVEIS PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA REDE SOCIAL BRASILEIRA POR CIDADES JUSTAS & SUSTENTÁVEIS Brasília, 09 e 10 de abril de 2015 INESC - Sec. Ex. Movimento Nossa Brasília Moderação: TaEana Spíndola Essência

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Companheiras e companheiros de caminhada, nossas sinceras saudações. Há aqueles que lutam um dia; e por isso são

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Missão da FLD Apoiar e acompanhar programas e projetos de grupos organizados da sociedade civil que fortaleçam o protagonismo das pessoas e suas comunidades,

Leia mais

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO ExpedieNte TEXTO Kátia Regina Gonçalves Paulo de Camargo Priscila Cruz COORDENAÇÃO DO PROJETO Sílnia Nunes Martins Prado PROJETO GRÁFICO Linea Creativa ILUSTRAÇÃO

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA Campanha Ponto Final na Violência contra as Mulheres e Meninas SEDE NACIONAL DA CAMPANHA REDE NACIONAL FEMINSTA DE SAÚDE, DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS Avenida Salgado Filho, 28, cj 601. Porto

Leia mais

Assessoria Social: um trabalho com a dimensão da comunicação institucional no universo da mídia comunitária

Assessoria Social: um trabalho com a dimensão da comunicação institucional no universo da mídia comunitária Assessoria Social: um trabalho com a dimensão da comunicação institucional no universo da mídia comunitária O PORQUÊ E A PROPOSTA DA ASSESSORIA SOCIAL Rafaela Lima Movimentos, grupos e entidades de cunho

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região.

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região. Agenda 21 Comperj Iniciativa voluntária de relacionamento da Petrobras para contribuir para que o investimento na região retorne para a população, fomentando a formação de capital social e participação

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Roda de Conversa 30/06/2015

Roda de Conversa 30/06/2015 Aconteceu em Uberaba, na Associação de Bairro São Benedito, no dia 30/06/2015 a décima nona edição da Roda de Conversa. O Evento teve a participação de aproximadamente 50 profissionais de diversos órgãos

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo.

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo. REGIÃO SUL Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Realizar campanhas articuladas entre as políticas para prevenção do turismo sexual (agentes de saúde, professores

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Programa Mediação Conflitos PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS MARCO LÓGICO 2015 Programa Mediação Conflitos A- Intificação do Problema (Árvore problemas): ÁRVORE DE PROBLEMAS CONSEQUÊNCIAS PROBLEMA Homicídios

Leia mais

Política de. [ comunicação] Forluz

Política de. [ comunicação] Forluz Política de [ comunicação] Forluz Índice Apresentação...4 Missão da Forluz...5 Condições para aplicação deste documento...6 Objetivos da Política de Comunicação...7 Diretrizes da Política de Comunicação...8

Leia mais

COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS)

COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS) COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS) 1 A seguir apresentamos o fluxo para a Implantação de um Observatório Social(OS), dentro do Sistema de Franquia Social da Rede

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro 1 Em apoio às campanhas Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro A Universidade Federal de Santa Catarina e a Rede

Leia mais

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia INSTITUTO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA No. 012/2015 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. PROJETO Pontes para o Futuro 2. RECURSOS

Leia mais

Planos estratégicos de comunicação 2013/2014 Programa Áreas Protegidas da Amazônia - ARPA

Planos estratégicos de comunicação 2013/2014 Programa Áreas Protegidas da Amazônia - ARPA 1. Plano de Comunicação interna 1.1 Aspectos estruturantes 1.1.1 Objetivo O objetivo maior do plano de comunicação interna é fortalecer a gestão do Programa Arpa, a coesão entre parceiros e agentes diretamente

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor RH/2013/015

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor RH/2013/015 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor RH/2013/015 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA

FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS E ASSESSORESCAMINHOS DE ESPERANÇA A beleza de ser um eterno aprendiz. (Gonzaguinha) Por que pensar em formação de lideranças e assessores? A Pastoral da Juventude busca potencializar

Leia mais

Comunicação Solidária: um programa de rádio sobre a área social 1

Comunicação Solidária: um programa de rádio sobre a área social 1 Comunicação Solidária: um programa de rádio sobre a área social 1 Bruna Robassa 2 Lamartine Testa 3 Diana Prestes 4 Renata Orsato 5 Anna Carolina Cidade Neiva 6 Jakeline Piantandossi 7 Mônica Kaseker 8

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania A prática consiste em democratizar o acesso à justiça aos catadores de materiais recicláveis dos lixões do Distrito Federal. O problema envolvendo a produção

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Contratação de Consultoria Elaboração de materiais de comunicação sobre o Plano Juventude Viva na perspectiva das/os jovens do Distrito Federal.

Contratação de Consultoria Elaboração de materiais de comunicação sobre o Plano Juventude Viva na perspectiva das/os jovens do Distrito Federal. TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de Consultoria Elaboração de materiais de comunicação sobre o Plano Juventude Viva na perspectiva das/os jovens do Distrito Federal. Data limite para o envio das candidaturas:

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

Processo participativo para planejamento de políticas a nível local em Contagem MG Brasil PROGRAMA CONJUNTO SEGURANÇA COM CIDADANIA

Processo participativo para planejamento de políticas a nível local em Contagem MG Brasil PROGRAMA CONJUNTO SEGURANÇA COM CIDADANIA Processo participativo para planejamento de políticas a nível local em Contagem MG Brasil CONTAGEM / MG População : 603.048 habitantes (2010) Urbanização 99,66% (2010) PIB: 15,4 bilhões (2009) IDH: 0,789

Leia mais

A ESTRUTURAÇÃO DA COMUNICAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO

A ESTRUTURAÇÃO DA COMUNICAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO A ESTRUTURAÇÃO DA COMUNICAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO A transparência, tônico infalível da cidadania, outorga confiabilidade e, por conseguinte, maior respeito. Por sua vez, a população, melhor informada,

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS >>> Rodas de Conversa A SEE, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (unicef) e com a colaboração de ONGs,

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO E AVALIATIVO DAS ATIVIDADES REALIZADAS

RELATÓRIO DESCRITIVO E AVALIATIVO DAS ATIVIDADES REALIZADAS 1. PERÍODO: de _02_/_03_/2009_ a _15_/_08_/2009 2. RESUMO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS PELA INSTITUIÇÃO, DURANTE O PERÍODO, NO AMBITO DO PROJETO CRIANÇA ESPERANÇA: Por meio das ações do Projeto foi possível

Leia mais

O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras. Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011

O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras. Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011 O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011 Resumo Mesa 1 Questão 1 O que dá significado/contribui para a participação do funcionário

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais