Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno"

Transcrição

1 Fundo Desenvol vimento Europeu de Regional

2

3 Campos de Férias Parque dos Monges Regulamento Interno O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial do Parque dos Monges, visa definir todos os direitos e deveres a cumprir por toda a equipa técnica, equipa de apoio, participantes e encarregados de educação, para que possa existir um bom funcionamento do Campo de Férias. Artigo 1º Objectivos 1. O Campo de Férias do Parque dos Monges é organizado pela empresa Bosque do Alcôa, Lda., e tem como principal objectivo proporcionar um programa organizado de carácter educativo, cultural, desportivo e recreativo. 2. O Campo de Férias do Parque dos Monges é destinado exclusivamente a crianças e jovens com idades compreendidas entre os 6 e os 15 anos. Artigo 2º Entidade Organizadora 1. São direitos da entidade organizadora: a. Definir os conteúdos e objectivos das actividades a desenvolver durante o Campo de Férias do Parque dos Monges. b. Nomear o Coordenador do Campo de Férias do Parque dos Monges, bem como os monitores e o pessoal de apoio. 2. São deveres da entidade organizadora: a. Proporcionar o devido acompanhamento aos participantes, durante todas as actividades, assegurando permanentemente a presença de monitores. b. Realizar um seguro de acidentes pessoais para todos os participantes, de acordo com a legislação em vigor. c. Disponibilizar aos encarregados de educação, toda a documentação necessária para a inscrição, assim como todas as informações relevantes, nomeadamente o plano de actividades, horários de funcionamento, actividades complementares e refeições.

4 Artigo 3º Inscrições e pagamentos 1. A inscrição de todos os participantes será feita através de ficha própria, de acordo com as datas previstas, e entregue nos Serviços Administrativos do Parque dos Monges. 2. No momento da inscrição será efectuado o pagamento de 50% do valor total da inscrição sendo os restantes 50% liquidados na data inicial do turno inscrito. 3. As inscrições em cada turno estão sujeitas ao limite máximo de 50 participantes e ao limite mínimo de 20 participantes. 4. As vagas existentes serão preenchidas obedecendo à ordem de chegada da inscrição. 5. Esgotando-se as vagas, o participante poderá inscrever-se em lista de espera, ou escolher outro turno. 6. Em caso de desistência de um participante inscrito, será chamado o primeiro participante em lista de espera. Após ser contactado, o participante, num período máximo de 24 horas, deverá dirigir-se aos Serviços Administrativos do Parque dos Monges. 7. Em caso de desistência, não haverá direito a reembolso do valor pago no acto da inscrição. Artigo 4º Documentação 1. Os Encarregados de Educação ou Representantes Legais dos participantes, deverão facultar toda a informação necessária ao processo de inscrição. 2. Os Encarregados de Educação ou Representantes Legais dos participantes, deverão facultar todas as informações necessárias à integração dos participantes. 3. Os Encarregados de Educação ou Representantes Legais dos participantes no acto de inscrição têm o direito de receber informação relativamente a todo o funcionamento, bem como o Regulamento Interno e o Plano de Actividades a desenvolver.

5 Artigo 5º Participantes 1. São direitos do participante: a. Ser respeitado na sua dignidade pessoal. b. Ser-lhe facultada, por escrito, informação detalhada acerca da programação e organização do Campo de Férias do Parque dos Monges. c. Ser respeitada a confidencialidade dos elementos constantes da sua ficha de inscrição. d. Participar em todas as actividades que forem propostas, excepto se houver indicação em contrário do seu Encarregado de Educação ou Representante Legal. e. Ser adequadamente assistido em caso de acidente. f. Ter acesso a este Regulamento Interno. 2. São deveres do participante: a. Respeitar todos os participantes, pessoal técnico e pessoal de apoio. b. Cumprir todas as instruções dadas pelos monitores e/ou coordenadores. c. Responsabilizar-se pelo material que lhe é confiado. d. Utilizar com cuidado todos os materiais que lhe forem concedidos. e. Permanecer no Campo de Férias do Parque dos Monges durante o seu período de funcionamento, excepto quando apresentar autorização do Encarregado de Educação ou Representante Legal. f. Conhecer e cumprir este Regulamento Interno na sua totalidade. Artigo 6º Encarregado de Educação ou Representante Legal Os Encarregados de Educação ou Representantes Legais são responsáveis pela educação dos participantes. 1. São direitos dos Encarregados de Educação ou Representantes Legais ter acesso a informação detalhada sobre: a. A organização do Campo de Férias. b. A identificação da entidade promotora e organizadora.

6 c. O Regulamento Interno. d. O Plano de Actividades. e. O valor da inscrição e de outros eventuais encargos. f. O Livro de Reclamações. g. O Seguro de Acidentes Pessoais. 2. São deveres dos Encarregados de Educação ou Representantes Legais: a. Respeitar o Regulamento Interno. b. Respeitar o desempenho e trabalho realizados pelo pessoal técnico e de apoio. c. Responsabilizar-se pela assiduidade e pontualidade dos participantes. d. Comparecer nas instalações do Parque dos Monges sempre que tal lhe seja solicitado. e. Comunicar a eventual desistência do participante, por escrito. Artigo 7º Monitores 1. Durante o período em que decorram as actividades, é obrigatória, a presença de no mínimo: a. Um Monitor por cada conjunto de 6 participantes, quando a idade destes é inferior a 10 anos. b. Um Monitor por cada conjunto de 10 participantes, quando a idade destes está compreendida entre os 10 e os 15 anos. 2. São direitos dos monitores: a. Receber formação complementar relacionada com as funções que desempenham no Campo de Férias do Parque dos Monges. b. Receber apoio técnico e material necessário ao bom desempenho das suas funções. c. Ser possuidor de um seguro de acidentes pessoais e ter segurança no decorrer das actividades, nomeadamente, através de boas condições de trabalho. 3. São deveres dos Monitores: a. Acompanhar os participantes durante a realização das actividades propostas no plano de actividades e prestar-lhes apoio sempre que necessitem.

7 b. Ajudar o Coordenador na organização e execução das actividades. c. Assegurar o cumprimento, por parte dos participantes, das normas de saúde, higiene e segurança. d. Zelar por uma boa conservação, manutenção e utilização dos equipamentos e do espaço interior e exterior. Artigo 8º Coordenador 1. É responsável pelo funcionamento do Campo de Férias do Parque dos Monges, coordenando a parte técnica, pedagógica e administrativa do mesmo. 2. São direitos do Coordenador: a. Receber formação complementar relacionada com as funções que desempenha. b. Receber apoio técnico e material necessário ao bom desempenho das suas funções. c. Ser possuidor de um seguro de acidentes pessoais e ter segurança no decorrer das actividades, nomeadamente, através de boas condições de trabalho. 3. São deveres dos Coordenador: a. Elaborar e operacionalizar o plano de actividades, assim como acompanhar a sua boa execução. b. Coordenar a equipa de monitores e de apoio. c. Assegurar que o Campo de Férias do Parque dos Monges cumpre todos os requisitos da legislação em vigor, assim como o descrito no presente regulamento interno. d. Garantir o cumprimento das normas de saúde, higiene e segurança. e. Zelar por uma boa conservação, manutenção e utilização dos equipamentos e do espaço interior e exterior. f. Manter disponível toda a documentação do Campo de Férias do Parque dos Monges, sempre que seja solicitado pelo I.P.J.

8 Artigo 9º Pessoal de Apoio 1. São direitos do pessoal de apoio: a. Receber formação complementar relacionada com as funções que desempenham. b. Ser possuidor de um seguro de acidentes pessoais e ter segurança no decorrer das actividades, nomeadamente, através de boas condições de trabalho. c. São deveres do pessoal de apoio: d. Apoiar as actividades sempre que necessário. e. Fazer a manutenção dos espaços utilizados, para que exista um bom funcionamento dos mesmos. Artigo 10º Proibição Expressa 1. É expressamente proibido aos participantes levarem para o Campo de Férias: a. Bebidas alcoólicas e estupefacientes. b. Objectos cortantes ou outros que pela sua perigosidade coloquem em risco a integridade física dos participantes. Artigo 11º Transportes 1. Sempre que se realizarem saídas para o exterior que necessitem de transporte, o mesmo será da responsabilidade da Bosque do Alcôa, Lda. Artigo 12º Seguro 1. As actividades do Campo de Férias do Parque dos Monges incluem seguro de acidentes pessoais dos participantes, de acordo com a Portaria n.º 629/2004, de 12 de Junho. Artigo 13º Livro de Reclamações 1. O Campo de Férias do Parque dos Monges possui um Livro de Reclamações que está ao dispor de todas as pessoas que o solicitem.

9 Artigo 15º Outras disposições 1. O Campo de Férias do Parque dos Monges não aconselha a utilização de objectos de valor durante o funcionamento do Campo de Férias. Caso isso aconteça, será da inteira responsabilidade do participante. 2. O desaparecimento ou deterioração dos objectos de valor trazidos pelos participantes são da responsabilidade dos mesmos. 3. À Bosque do Alcôa, Lda. reserva-se o direito de, após informação e contacto prévio com os Encarregados de Educação ou Representantes Legais, fazer regressar a casa qualquer participante que pelo seu comportamento prejudique de forma significativa o funcionamento do Campo de Férias. Artigo 16º Casos Omissos 1. Nos casos omissos do presente Regulamento Interno, aplicar-se-á a legislação em vigor, nomeadamente os Decretos-Lei n.º 304/2003, de 09 de Dezembro e 32/2011 de 7 de Março de 2011, assim como de todas as portarias que vierem a ser publicadas.

Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013

Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013 Regulamento Interno das Férias Desportivas do Estádio Universitário de Lisboa 2013 Regulamento Interno das Férias Desportivas O presente regulamento tem como objetivo dar a conhecer a todos os intervenientes

Leia mais

Regulamento Interno. Campo de Férias Não Residencial

Regulamento Interno. Campo de Férias Não Residencial Regulamento Interno Campo de Férias Não Residencial O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial da Quinta Pedagógica do Pomarinho visa definir com objectividade todos os Direitos

Leia mais

Regulamento EMPREENDER NAS FÉRIAS!

Regulamento EMPREENDER NAS FÉRIAS! Regulamento EMPREENDER NAS FÉRIAS! Preâmbulo O presente regulamento do EMPREENDER NAS FÉRIAS da ADL Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano, pretende definir os direitos, deveres e regras a

Leia mais

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15

Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 2015 Regulamento Interno Férias Desportivas Verão 15 Junta de Freguesia de Fermentelos Índice NOTA JUSTIFICATIVA... 2 CAPÍTULO I... 3 Missão... 3 Artigo 1º... 3 CAPÍTULO II... 3 Objeto... 3 Artigo 2º...

Leia mais

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER 1. Objetivos Específicos a) Organizar e promover atividades destinadas a crianças que frequentam o 1.º ciclo do ensino básico, com a finalidade

Leia mais

REGULAMENTO Campos de Férias

REGULAMENTO Campos de Férias REGULAMENTO Campos de Férias Aprovação Câmara Municipal: 6 jan 2014 Assembleia Municipal: 28 fev 2014 Entrada em vigor: 26 mar 2014 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS PREÂMBULO O concelho de Arruda dos Vinhos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Festas de Aniversário

REGULAMENTO INTERNO Festas de Aniversário 2013 REGULAMENTO INTERNO Festas de Aniversário I REGULAMENTO INTERNO DAS FESTAS DE ANIVERSÁRIO NO C.C.V. DE CONSTÂNCIA O Centro Ciência Viva de Constância Parque de Astronomia, pretende disponibilizar

Leia mais

Normas do Programa Municipal de Férias e Tempos Livres para Crianças e Jovens do Concelho de Aljustrel

Normas do Programa Municipal de Férias e Tempos Livres para Crianças e Jovens do Concelho de Aljustrel MUNICÍPIO DE ALJUSTREL CÂMARA MUNICIPAL Normas do Programa Municipal de Férias e Tempos Livres para Crianças e Jovens do Concelho de Aljustrel 1- Definição a) O Programa Municipal de Férias e Tempos livres

Leia mais

Férias Desportivas + Verão 2011 PROJECTO FÉRIAS DESPORTIVAS +

Férias Desportivas + Verão 2011 PROJECTO FÉRIAS DESPORTIVAS + Férias s + Verão 2011 PROJECTO FÉRIAS DESPORTIVAS + S. JOÃO DA PESQUEIRA 2011 1 - Entidade Promotora A entidade promotora do projecto FERIAS DESPORTIVAS + (mais) Verão 2011 é o Município de S. João da

Leia mais

CONTACTOS: Divisão de Desenvolvimento Ambiental C.M. Gondomar Centro de Educação Ambiental da Quinta do Passal

CONTACTOS: Divisão de Desenvolvimento Ambiental C.M. Gondomar Centro de Educação Ambiental da Quinta do Passal Colónias Páscoa 2014 CONTACTOS: Divisão de Desenvolvimento Ambiental C.M. Gondomar Centro de Educação Ambiental da Quinta do Passal Telefone: 22 4837065 / 22 4662650 Fax: 22 466 26 69 Email: quintadopassal@cm-gondomar.pt

Leia mais

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS

REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS REGULAMENTO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO No uso da competência prevista pelos artigos 112º, n.º. 8, e 241º da Constituição da República Portuguesa, e conferida pela

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo NATAL EM ATIVIDADE NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO Nota introdutória A Câmara Municipal pretende desenvolver programas

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO. Preâmbulo

PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO. Preâmbulo 1 PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO Preâmbulo A criação de um programa de ocupação de tempos livres para as crianças da Freguesia de Chamusca e Pinheiro Grande,

Leia mais

Regulamento. 4. Direitos e deveres dos participantes

Regulamento. 4. Direitos e deveres dos participantes Regulamento 1. Âmbito O presente documento visa definir as normas de participação nos Cursos de Verão 2016 e facultar todas as informações necessárias ao bom funcionamento das atividades promovidas pela

Leia mais

CEA Quinta Do Passal

CEA Quinta Do Passal Colónias Páscoa 2014 Férias ambientais de Natal 2016 CEA Quinta Do Passal CONTACTOS: Divisão de Desenvolvimento Ambiental C.M. Gondomar Centro de Educação Ambiental da Quinta do Passal Telefone: 22 4837065

Leia mais

Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO

Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar REGULAMENTO INTERNO Verão 2016 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EGOlias ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EGOlias Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

Normas de Funcionamento do Estremoz Férias

Normas de Funcionamento do Estremoz Férias Elaborado Por: Setor de Desporto, Juventude e Apoio ao Movimento Associativo e Gabinete de Apoio Jurídico Data: 29-03-2012 Verificado Por: Vereador do Pelouro Data: 29-03-2012 Aprovado por: Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CAMPO DE FÉRIAS.

REGULAMENTO INTERNO DO CAMPO DE FÉRIAS. REGULAMENTO INTERNO DO CAMPO DE FÉRIAS Artigo 1º Definição, natureza e finalidade 1) O campo de férias CAMPO PATRIMÓNIO compreende um programa organizado de carácter cultural, patrimonial e de ocupação

Leia mais

Projeto de Regulamento Municipal para Funcionamento do Programa SER A BRINCAR - Atividades Complementares e de Apoio à Família. Nota Justificativa

Projeto de Regulamento Municipal para Funcionamento do Programa SER A BRINCAR - Atividades Complementares e de Apoio à Família. Nota Justificativa Projeto de Regulamento Municipal para Funcionamento do Programa SER A BRINCAR - Atividades Complementares e de Apoio à Família Considerando que: Nota Justificativa - A Lei n.º 5/97, de 10 de fevereiro

Leia mais

Regulamento 1. Objetivos 2. Destinatários Verão na ULisboa 3. Direitos e deveres dos participantes Verão na ULisboa Verão na ULisboa

Regulamento 1. Objetivos 2. Destinatários Verão na ULisboa 3. Direitos e deveres dos participantes Verão na ULisboa Verão na ULisboa Regulamento 1. Objetivos 1.1. O Verão na ULisboa é um programa de ocupação de tempos livres para estudantes do 3.º ciclo e do ensino secundário, que pretende divulgar as atividades em curso nas diferentes

Leia mais

Regulamento Campo de Férias

Regulamento Campo de Férias Regulamento Campo de Férias Julho Agosto REGULAMENTO Campo de férias Nos meses de julho e agosto, o Colégio do Castanheiro oferece programas de campos de férias para crianças e jovens a partir dos três

Leia mais

Normas do Programa de Férias Desportivas e Culturais do Município de Ponte de Lima (PROFÉRIAS)

Normas do Programa de Férias Desportivas e Culturais do Município de Ponte de Lima (PROFÉRIAS) Normas do Programa de Férias Desportivas e Culturais do Município de Ponte de Lima (PROFÉRIAS) Um dos princípios estabelecidos pelo Município de Ponte de Lima visa o fortalecimento de hábitos de vida saudável,

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE NATAL 2014

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE NATAL 2014 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE NATAL 2014 A criação do Programa de Mini Férias de Natal 2014 foi pensada para o fortalecimento e melhoramento da qualidade de vida dos seus munícipes,

Leia mais

Intercâmbio em Famílias

Intercâmbio em Famílias Intercâmbio em Famílias Miranda do Douro Aranda de Duero REGULAMENTO Intercâmbio em famílias Miranda do Douro/Aranda de Duero Regulamento O programa Intercâmbio em famílias nasce da vontade das Câmaras

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS SMARTBUS

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS SMARTBUS REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS SMARTBUS ÍNDICE 1. Entidade responsável pela organizac a o dos campos de férias (CF) 2. Objetivos dos CF. 3. Processo de Inscric a o dos Participantes 3.1. Forma

Leia mais

Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural

Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Despacho nº 14758/2004 (2ª série), de 23 de Julho, Portaria nº 550-C/2004, de 21

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno)

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno) REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno) Novembro/2015 Capítulo I Introdução Considerando a importância do desenvolvimento

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de aplicação O Centro de Convívio, é uma das Respostas Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere, Instituição Privada de Direito Canónico com sede

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. PROGRAMAS de TEMPOS LIVRES

REGULAMENTO INTERNO. PROGRAMAS de TEMPOS LIVRES REGULAMENTO INTERNO de CAMPOS de FÉRIAS e PROGRAMAS de TEMPOS LIVRES PREÂMBULO Os Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa, adiante também designados SSCML, são uma associação de direito privado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS 1 NATUREZA E FINALIDADE a) A EDIA, Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva, SA, oferece Campos de Férias abertos a jovens. b) A EDIA oferece programas

Leia mais

O presente regulamento aplica-se às ações de formação, de qualquer tipo e natureza, realizadas no Centro de Formação do Porto de Leixões.

O presente regulamento aplica-se às ações de formação, de qualquer tipo e natureza, realizadas no Centro de Formação do Porto de Leixões. CENTRO DE FORMAÇÃO DO PORTO DE LEIXÕES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO 1. Âmbito O presente regulamento aplica-se às ações de formação, de qualquer tipo e natureza, realizadas no Centro de Formação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO C U RSOS P R O FI SSIONAI S R E GU L AMEN T O DA FORM AÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Artigo 1.º Âmbito e definição 1. A Formação

Leia mais

Programa Pedagógico de Animação e Regulamento Interno. Alvará n 624/2010

Programa Pedagógico de Animação e Regulamento Interno. Alvará n 624/2010 Programa Pedagógico de Animação e Regulamento Interno Alvará n 624/2010 1 1. Programa Pedagógico de Animação Princípios orientadores: Os princípios orientadores do nosso projecto são para além do aumento

Leia mais

Regulamento das visitas de estudo

Regulamento das visitas de estudo Regulamento das visitas de estudo 1. Definição 1.1. Considera-se visita de estudo toda a atividade curricular, intencionalmente planeada e realizada fora do espaço físico da Escola ou da sala de aula,

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIFICAS DE PARTICIPAÇÃO VIVER O VERÃO 2016 OTL CRIANÇAS. PONTO I Objeto

CONDIÇÕES ESPECIFICAS DE PARTICIPAÇÃO VIVER O VERÃO 2016 OTL CRIANÇAS. PONTO I Objeto CONDIÇÕES ESPECIFICAS DE PARTICIPAÇÃO VIVER O VERÃO 2016 OTL CRIANÇAS PONTO I Objeto 1) O OTL Viver o Verão 2016 é promovido pelo Serviço de Juventude e Desporto da Câmara Municipal de Lagos, durante os

Leia mais

Cursos Profissionais Nível 3

Cursos Profissionais Nível 3 Cursos Profissionais Nível 3 Despacho nº 14758/2004 (2ª série), de 23 de Julho, Portaria nº 550-C/2004, de 21 de Maio e Portaria nº 797/2006, de 10 de Agosto. I ÂMBITO E DEFINIÇÃO A (FCT) é um conjunto

Leia mais

Regulamento Ser Cientista

Regulamento Ser Cientista Regulamento Ser Cientista 1- Objetivos 1.1 - "Ser Cientista" é um programa que tem por objetivo proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica pela

Leia mais

Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso. Referencial para organização das Atividades de Enriquecimento Curricular

Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso. Referencial para organização das Atividades de Enriquecimento Curricular Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso Referencial para organização das Atividades de Enriquecimento Curricular 2015 / 2016 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AMADEO DE SOUZA-CARDOSO ENSINO DO INGLÊS AAA

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi)

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Serviço de Psicologia, adiante designado por Serviço, é uma estrutura de caráter permanente

Leia mais

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros.

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros. REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DE GRAU I (Resumo) 1. Carga Horária O Curso de Treinadores de Atletismo de Grau I passa a englobar na sua componente curricular, para além das matérias gerais do treino desportivo

Leia mais

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS Campus Palmas Coordenação do Curso de Licenciatura em Matemática LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LABEMAT REGULAMENTO 01/2015 Regulamento

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DAS CRIANÇAS 3 4 - DIREITOS DOS RESPONSÁVEIS PELAS CRIANÇAS 4 5 - DEVERES DAS CRIANÇAS 5 6 - DEVERES

Leia mais

Academia de Verão 2014 I orientações de funcionamento

Academia de Verão 2014 I orientações de funcionamento Academia de Verão 2014 I orientações de funcionamento 1. Objetivo A Academia de Verão da Universidade de Aveiro tem por objetivo proporcionar a estudantes do ensino secundário a oportunidade de investigarem

Leia mais

CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO

CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO Celebrado no âmbito da Medida Contrato Emprego-Inserção Desempregados Beneficiários das Prestações de Desemprego Entre (Denominação, forma jurídica e actividade da entidade),

Leia mais

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto ROSÁRIO Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES Edição: maio 2016 Capítulo III Dos Educadores Edição maio de 2016 Índice do Capítulo III Secção I Docentes

Leia mais

Cursos Profissionais Nível 4

Cursos Profissionais Nível 4 Cursos Profissionais Nível 4 Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro e demais legislação em vigor I ÂMBITO E DEFINIÇÃO A (FCT) é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob coordenação

Leia mais

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Regulamento Interno da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Capítulo I Natureza e Âmbito Artigo 1º Âmbito 1- O presente regulamento disciplina a criação e funcionamento da Universidade Sénior de Alfândega

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais APPACDM de Braga 2010 Tendo como pano de fundo a Convenção aprovada pelos Estados membros da ONU sobre os Direitos das Pessoas

Leia mais

Regulamento. Interno

Regulamento. Interno CENTRO CULTURAL DESPORTIVO DE SANTA EULÁLIA DEPARTAMENTO DE FUTEBOL DE FORMAÇÃO Regulamento Interno Época 2016-2017 1- INTRODUÇÃO Serve este Regulamento Interno como instrumento de orientação definindo

Leia mais

Regulamento Interno. Centro Ocupacional de São Brás. Capítulo I. Objectivos do Regulamento

Regulamento Interno. Centro Ocupacional de São Brás. Capítulo I. Objectivos do Regulamento Regulamento Interno Centro Ocupacional de São Brás Capítulo I Objectivos do Regulamento 1) O presente regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento do Espaço Educacional de São Brás,

Leia mais

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro. Agrupamento de Escolas de Vouzela e Campia. Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro. Agrupamento de Escolas de Vouzela e Campia. Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular DGEstE Direção de Serviços da Região Centro Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Ano Letivo 2015/2016 Página2 Introdução Considerando: 1. A importância das

Leia mais

Regulamento Interno. Campo de Férias Desportivas da U.Porto

Regulamento Interno. Campo de Férias Desportivas da U.Porto Regulamento Interno Campo de Férias Desportivas da U.Porto Artigo 1º - Objetivos 1. Proporcionar aos jovens a descoberta e o contacto com o mundo do desporto 2. Ocupar parte do período de férias de uma

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL O desporto e a actividade física são elementos que contribuem para o bem-estar, para a saúde e para a qualidade de vida dos cidadãos. Assim,

Leia mais

Página 1 de 5. Anexo VII - Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos Profissionais

Página 1 de 5. Anexo VII - Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos Profissionais Anexo VII - Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos Profissionais Artigo 1.º Âmbito e Definição 1 O presente documento regula a Formação em Contexto de Trabalho (FCT) dos Cursos Profissionais

Leia mais

CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES

CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES CARTA DE DIREITOS DOS CLIENTES Capítulo 1º Objecto e âmbito A Carta de direitos e deveres dos clientes materializa o compromisso da APPACDM de Soure relativamente aos serviços e programas que envolvem

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Ao viajar pela Europa, vais conhecer a magia de uma nova cultura e outra cidadania

REGULAMENTO INTERNO Ao viajar pela Europa, vais conhecer a magia de uma nova cultura e outra cidadania REGULAMENTO INTERNO Ao viajar pela Europa, vais conhecer a magia de uma nova cultura e outra cidadania JANEIRO, 2010 ÍNDICE Regulamento Interno....... 3 Objectivos do Regulamento...... 3 Regras e Funcionamento

Leia mais

1. Princípios e Normas Gerais. As Escolas Academia AROUND THE FUTURE orientam-se pelos seguintes princípios gerais:

1. Princípios e Normas Gerais. As Escolas Academia AROUND THE FUTURE orientam-se pelos seguintes princípios gerais: Regulamento Interno Escolas I. INTRODUÇÃO O regulamento interno das Escolas Academia de Futebol AROUND THE FUTURE é o documento que define o seu regime de funcionamento bem como os direitos e os deveres

Leia mais

REGULAMENTO dos PROGRAMAS MUNICIPAIS

REGULAMENTO dos PROGRAMAS MUNICIPAIS MUNICÍPIO DE MESÃO FRIO Câmara Municipal REGULAMENTO dos PROGRAMAS MUNICIPAIS de ATIVIDADES de FÉRIAS e de OCUPAÇÃO dos TEMPOS LIVRES 6 aos 18 anos - Programa Municipal de Atividades de Férias (AF 6/13)

Leia mais

Capítulo I. Denominação/Natureza/Organização e afins

Capítulo I. Denominação/Natureza/Organização e afins REGULAMENTO Capítulo I Denominação/Natureza/Organização e afins O Lar de São Salvador é uma instituição particular com sede na Rua Joaquim Caetano Frazão n.º 34 A/B em Santarém. O Lar de São Salvador é

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche Entre CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Creche PRIMEIRO OUTORGANTE: Centro Social Rocha Barros, Instituição Particular de Solidariedade Social, pessoa colectiva n.º 501182560 com sede em Góis, devidamente

Leia mais

Campos Sioux Regulamento Interno

Campos Sioux Regulamento Interno Campos Sioux Regulamento Interno Pedra Amarela Campo Base Situado na encosta sul da Serra de Sintra, sobre o concelho de Cascais, o Pedra Amarela Campo Base foi concebido de acordo com o espírito escotista/guidista

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE FUNCIONAMENTO FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO GERAL DE FUNCIONAMENTO FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO GERAL DE FUNCIONAMENTO FORMAÇÃO PROFISSIONAL HighScore, Lda. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º 1. Objecto e âmbito É aprovado o presente Regulamento de Funcionamento da Formação Inter-Empresas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE Regulamento das visitas de estudo 1. Definição 1.1. Considera-se visita de estudo toda a atividade curricular, intencionalmente planeada e realizada fora do espaço físico da Escola ou da sala de aula,

Leia mais

Jardim Zoológico Centro pedagógico - ATL. Registo 68/2011/DRLVT, nos termos do decreto-lei n.º 32/2011 REGULAMENTO INTERNO OBJETO

Jardim Zoológico Centro pedagógico - ATL. Registo 68/2011/DRLVT, nos termos do decreto-lei n.º 32/2011 REGULAMENTO INTERNO OBJETO ANIMAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DO JARDIM ZOOLÓGICO Registo 68/2011/DRLVT, nos termos do decreto-lei n.º 32/2011 REGULAMENTO INTERNO OBJETO O presente regulamento estabelece as regras de funcionamento, os direitos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DOS CURSOS PROFISSIONAIS

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DOS CURSOS PROFISSIONAIS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D MANUEL I REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DOS CURSOS PROFISSIONAIS 1 Introdução a) Entende-se por Formação em Contexto de Trabalho, adiante designado por

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso. Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso. Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA Índice Código de conduta dos alunos Pág.3 digo de conduta de docentes

Leia mais

MANUAL DE VOLUNTARIADO FESTA DO OUTONO

MANUAL DE VOLUNTARIADO FESTA DO OUTONO MANUAL DE VOLUNTARIADO FESTA DO OUTONO O que é a Festa do Outono A Festa do Outono é uma celebração da chegada da nova estação. Com atividades para todos, sobretudo crianças e famílias, a iniciativa tem

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Centro de Convívio de Portimão Capítulo I Disposições Gerais Norma I Âmbito da Aplicação O Centro de Convívio Sénior, estrutura da Câmara Municipal de Portimão, sediada

Leia mais

Obrigação de Informação

Obrigação de Informação Obrigação de Informação Nos termos do disposto no artigo 97º do Código do trabalho a entidade empregadora tem o dever de informar o trabalhador sobre aspectos relevantes do contrato de trabalho. Por outro

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS CIENTÍFICOS

REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS CIENTÍFICOS O regulamento interno a seguir descrito corresponde à actividade de Campos de Férias Científicos organizados pela Ciência Viva - Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica (ANCCT), destinados

Leia mais

Normas. Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Divisão de Desporto e Juventude Núcleo de Actividades Desportivas

Normas. Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Divisão de Desporto e Juventude Núcleo de Actividades Desportivas Normas Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Núcleo de Actividades Desportivas Índice 1 Organização... 3 2 Calendarização e Local de Realização dos Jogos... 3 3 Inscrição... 3 3.1 Período de Inscrição...

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar (33 V4.02) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Projecto de Voluntariado do CSPA

Projecto de Voluntariado do CSPA Projecto de Voluntariado do CSPA Centro Social Paroquial de Atalaia, designado por Organização Promotora, tem por fim a promoção de respostas diversificadas no âmbito da acção social adequadas às necessidades

Leia mais

A Educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida

A Educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida A Educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida in: Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar O Jardim de Infância, local de transição entre a família e a

Leia mais

Os alunos serão admitidos e poderão começar a frequentar o apoio aos tempos livres após completo todo o processo de inscrição:

Os alunos serão admitidos e poderão começar a frequentar o apoio aos tempos livres após completo todo o processo de inscrição: O Colégio Alfa-Beta tem como grande preocupação o crescimento harmonioso e saudável das crianças. Oferecemos apoio aos tempos livres, férias escolares, atividades Lúdico-Pedagógicas e complemento pré -escolar

Leia mais

REGULAMENTO DA COLÓNIA DE FÉRIAS INFANTIL MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DA COLÓNIA DE FÉRIAS INFANTIL MUNICIPAL PREÂMBULO PREÂMBULO Procurar respostas sociais dirigidas a utentes dos diferentes grupos etários e à família, significa responder a necessidades humanas (psicológicas, afectivas, sociais, ) por forma a prevenir,

Leia mais

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento define o regime de estágios curriculares aplicável aos cursos: a) De Especialização Tecnológica; b) De Licenciatura;

Leia mais

REGULAMENTO do GRUPO DISCIPLINAR EDUCAÇÃO FÍSICA. Ano Letivo 2013/2014

REGULAMENTO do GRUPO DISCIPLINAR EDUCAÇÃO FÍSICA. Ano Letivo 2013/2014 REGULAMENTO do GRUPO DISCIPLINAR EDUCAÇÃO FÍSICA Ano Letivo 2013/2014 Tendo como referência as normas que são comuns aos vários sectores que integram a estrutura pedagógica e administrativa da Escola,

Leia mais

CENTRO DE APOIO AO ESTUDO

CENTRO DE APOIO AO ESTUDO CENTRO DE APOIO AO ESTUDO CLUBE JOVEM DO LUMIAR 1 Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1 - O presente regulamento enuncia as normas regulamentares de funcionamento do Centro de Apoio ao Estudo

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO INTRODUÇÃO Cada vez mais, a importância da formação profissional na vida das pessoas e das organizações, é inquestionável. Melhorando competências e conhecimentos dos funcionários,

Leia mais

MANUAL DOS VOLUNTÁRIOS JUNTAR MUNDOS

MANUAL DOS VOLUNTÁRIOS JUNTAR MUNDOS MANUAL DOS VOLUNTÁRIOS JUNTAR MUNDOS Não deixe de participar no Serralves em Festa! JUNTE-SE A NÓS E PARTICIPE COMO VOLUNTÁRIO! Qualquer dúvida ou pedido de informação envie correio eletrónico para voluntariadosef@serralves.pt,

Leia mais

Normativo da Festa da Broa 2016

Normativo da Festa da Broa 2016 ARTIGO 1º (Objeto e Âmbito) O presente Normativo tem por objetivo a definição das condições de realização da 29ª edição da Festa da Broa. ARTIGO 2º (Organização e Fins) 1. A organização da Festa da Broa

Leia mais

Praznik Formação Monitores 2016

Praznik Formação Monitores 2016 Praznik Formação Monitores 2016 Índice: 1 Programa 1.1 Objectivos 1.2 A quem se destina 2 O Formando 2.1 Direitos e deveres 2.2 Assiduidade 2.3 Avaliação 3 Plano de Formação 3.1 Áreas de formação e formador

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS O Atelier de Artes Plásticas é um serviço que se encontra ao dispor de todos os interessados, visando instruí-los e dotá-los das ferramentas básicas

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR Regulamento do Programa de Ocupação Temporária de Jovens. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR Regulamento do Programa de Ocupação Temporária de Jovens. Preâmbulo MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR Regulamento do Programa de Ocupação Temporária de Jovens Preâmbulo A criação de um programa de Ocupação Temporária dos Jovens do Concelho de Vila Pouca de Aguiar visa

Leia mais

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO UniFOA Av. Paulo Erlei Alves Abrantes, 1325, Três Poços Volta Redonda RJ CEP: Fone: (24)

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO UniFOA Av. Paulo Erlei Alves Abrantes, 1325, Três Poços Volta Redonda RJ CEP: Fone: (24) MANUAL DO EXPOSITOR Prezado Expositor, Aqui você encontrará as informações necessárias para a sua participação e para melhor aproveitamento na Feira de Estágios. Para tanto, contamos com sua colaboração

Leia mais

REGULAMENTO CONCENTRAÇÕES MINIBASQUETE

REGULAMENTO CONCENTRAÇÕES MINIBASQUETE REGULAMENTO CONCENTRAÇÕES 2015 / 2016 1 Concentrações de Minibasquete da ABB Regulamento Nota: Os intervenientes, não devem esquecer que estamos a promover uma actividade para jovens praticantes, a qual

Leia mais

Curso de Formação Para. Animadores Científicos

Curso de Formação Para. Animadores Científicos Curso de Formação Para Animadores Científicos AEFCUP - Porto Ficha Informativa Curso de Formação para Cientistas 1. A Empresa A Science4you é uma empresa 100% Nacional que teve origem em Janeiro de 2008.

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM TUPÃ/SP 2016 SUMÁRIO I DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM II DAS DISPOSIÇÕES GERAIS III DO FUNCIONAMENTO IV DOS DIREITOS E DEVERES DOS

Leia mais

Câmara Municipal de Penacova

Câmara Municipal de Penacova Câmara Municipal de Penacova Pen@cova Net.ureza Normas de utilização e funcionamento I Disposições Gerais Norma 1 Definição 1. O Espaço Internet de Penacova define-se como local destinado aos cidadãos

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

REGULAMENTO. Praia de Carcavelos Bar do Moinho / Praia da Cresmina, Guincho (Junto ao Restaurante Meste Zé)

REGULAMENTO. Praia de Carcavelos Bar do Moinho / Praia da Cresmina, Guincho (Junto ao Restaurante Meste Zé) REGULAMENTO 1 Princípios Gerais Este regulamento tem como objectivo definir as principais linhas orientadoras que regem a Wanted Surf School, para que os alunos e pais saibam quais os seus deveres e direitos,

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho, Estágio e outros Apoios à Contratação

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho, Estágio e outros Apoios à Contratação Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho, Estágio e outros Apoios à Contratação Nota de Apresentação O presente regulamento tem como objetivo estandardizar as metodologias de trabalho das equipas

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução

PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução Artigo 1º Definição da formação em contexto de trabalho e suas finalidades 1. A formação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SENHORA DA HORA REGULAMENTO DE VISITAS DE ESTUDO/ATIVIDADES 2014/2018 0/6 Definição 1. Visita de estudo é uma atividade curricular, organizada por professores para alunos, realizada

Leia mais

Campus Universitário de Viseu Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo (Viseu) ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE

Campus Universitário de Viseu Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo (Viseu) ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE Campus Universitário de Viseu ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE Ano Letivo de 2012-2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ARTIGO 1º... 3 FUNÇÕES DO PROVEDOR DO ESTUDANTE... 3 ARTIGO 2º... 3 DESIGNAÇÃO DO PROVEDOR

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais