Catálogo Social Juiz de Fora 2012 Juiz de Fora, 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Catálogo Social Juiz de Fora 2012 Juiz de Fora, 2012"

Transcrição

1 Prefeitura de Juiz de Fora Secretaria de Assistência Social Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento da Assistência Social Catálogo Social Juiz de Fora 2012 Juiz de Fora, 2012

2 Fonte do Recurso: IGD Tiragem: exemplares Organizadores: Tammy Claret Monteiro Thiago Augusto Campos Horta Joana D Arc da Silva Talha Carla Salomão Giovana Brito Eduardo Oliveira Santos Maria do Carmo P. de Almeida Alessandra Lopes Toledo João Daniel Neto Colaboradores: Liriane Tenório de Albuquerque Flávia Pancini Érica Cristina Costa Fernandes Sarita das Graças Torres Lucimar Maria de Souza Leandro Barros Ribeiro Simone Coimbra Maria Aparecida da Silva Ana Nery dos Santos Renata S. Barreto Dias Márcia Barroso C. Nocera Gláucia Lopes de Oliveira Sabrina S. Rodrigues de Almeida Maria do Socorro Carneiro Maria Inez Affonso Renata Cristina T. C. Vargas Cíntia Maria Benedito Revisão e Sistematização: Lara Barreto Corrêa Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Maria Helena M. M. Sá Andrade CRB6: 2474 J93c Juiz de Fora - Prefeitura. Secretaria de Assistência Social Catálogo social [Agenda Família 6mil] / Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento de Assistência Social, Thiago Campos Horta e Tammy Claret Monteiro... et al. Juiz de Fora (MG): Funalfa, p. ISBN: Políticas Públicas de Assistência Social Juiz de Fora (MG) Catálogo. 2. Secretaria de Assistência Social Juiz de Fora (MG) Catálogo. 3 Entidades Socioassistênciais Juiz de Fora (MG) Catálogo. I. Horta, Thiago Campos. II. Monteiro, Tammy Claret. III. Título. Catálogo Social 2 CDD:

3 Custódio Mattos Prefeito Tammy Claret Monteiro Secretária da Assistência Social Thiago Augusto Campos Horta Subsecretário de Vigilância e Monitoramento da Assistência Social Flávia Braz Subsecretária de Gestão do SUAS EQUIPE DE ELABORAÇÃO DO PROJETO Tammy Claret Monteiro: Gestora do Projeto Thiago Augusto Campos Horta: Concepção e Coordenação Geral do Projeto Joana D Arc da Silva Talha: Coordenadora de Projeto Giovana Brito: Chefe de Departamento de Avaliação e Gestão da Informação Carla Salomão: Chefe de Departamento de Proteção Básica Eduardo Oliveira Santos: Licenciado em Geografia Alessandra Lopes Toledo: Assistente Social Maria do Carmo P. de Almeida: Assistente Social João Daniel Neto: Cientista Social Antônio Carlos Dias Junior: Colaborador COORDENADORES E TÉCNICOS Flávia Pancini e Renata S. Barreto Dias: CRAS CENTRO Érica Cristina Costa Fernandes e Márcia Barroso C. Nocera: CRAS LESTE - LINHARES Sarita das Graças Torres: CRAS LESTE SÃO - BENEDITO Liriane Tenório de Albuquerque e Gláucia Lopes de Oliveira: CRAS NORDESTE - GRAMA Lucimar Maria de Souza e Sabrina S. Rodrigues de Almeida: CRAS NORTE - BENFICA Leandro Barros Ribeiro e Maria do Socorro Carneiro: CRAS SUDESTE - OLAVO COSTA Simone Coimbra e Maria Inez Affonso: CRAS OESTE - SÃO PEDRO Maria Aparecida da Silva e Renata Cristina T. C. Vargas: CRAS SUDESTE - COSTA CARVALHO Ana Nery dos Santos e Cíntia Maria Benedito: CRAS SUL - IPIRANGA Catálogo Social 3

4 Catálogo Social Juiz de Fora 2012 Este documento configura-se como o Catálogo Social do município de Juiz de Fora, MG, produto da primeira etapa do processo de implementação da Vigilância Social, através do Projeto Agenda Família 6 Mil, denominada de Diagnóstico Territorial. O Catálogo Social foi desenvolvido pela Secretaria de Assistência Social (SAS/PJF), por intermédio da Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento da Assistência Social (SSVM), por meio das oficinas de Territorialização, realizada em conjunto com os coordenadores e os Técnicos SUAS dos Centros de Referencia da Assistência Social (CRAS), no período de setembro a outubro de Catálogo Social 4

5 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 14 INTRODUÇÃO SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS Secretaria de Assistência Social Proteção Social Básica Proteção Social Especial ENTIDADES SOCIOASSISTENCIAIS (REDE SUAS) Entidades Socioassistenciais inscritas no Conselho Municipal de Assistência Social SERVIÇOS VINCULADOS À EDUCAÇÃO SERVIÇOS VINCULADOS À SAÚDE SERVIÇOS POR REGIÃO ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO Região Centro Região Leste Região Nordeste Região Norte Região Oeste Região Rural Região Sudeste Região Sul Consolidado por Regiões Administrativa 188 Catálogo Social 5

6 6. TRANSPORTE PÚBLICO URBANO POR REGIÃO ADMINISTRATIVA Região Centro Região Leste Região Nordeste Região Norte Região Oeste Região Rural Região Sudeste Região Sul 199 ÍNDICE REMISSIVO 200 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 248 Catálogo Social 6

7 LISTA DE TABELAS Prefeitura de Juiz de Fora Secretaria de Assistência Social Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento Tabela 1 Secretaria de Assistência Social 23 Tabela 16 Escolas Municipais 64 Tabela 2 Centro de Referência de Assistência Social - CRAS 25 Tabela 17 Escolas Estaduais 75 Tabela 3 Serviço de Convivência e Fortalecimento de 26 Vínculos para Criança e Adolescente Tabela 18 Escolas Federais 79 Tabela 4 Serviço de Convivência e Fortalecimento de 27 Vínculos para Idosos Tabela 19 Escolas Conveniadas à SE 80 Tabela 5 Inclusão Produtiva 28 Tabela 20 Educação Profissional 82 Tabela 6 Centro de Referência Especializado de Assistência Social - CREAS 30 Tabela 21 Outros Serviços Vinculados à Educação Tabela 7 - Acolhimento Institucional Adulto 31 Tabela 22 Secretaria de Saúde/Departamentos 87 Tabela 8 Acolhimento Institucional Crianças e Adolescentes 32 Tabela 23 UAPS Saúde da Família 88 Tabela 9 Tabela 9 Acolhimento Institucional Idosos 33 Tabela 24 UAPS Tradicional 91 Tabela 10 Entidades Assistenciais Pessoas com Deficiência 34 Tabela 25 UAPS Tradicional (Zona Rural) 92 Tabela 11 Entidades Assistenciais Dependência Tabela 26 UAPS Área Rural Estratégia Saúde 35 Química e Comunidades Terapêuticas da Família 93 Tabela 12 Entidades Socioassistenciais (CMAS) 40 Tabela 27 UAPS Estratégia Saúde da Família Área Rural Volante Móvel 93 Tabela 13 Outros serviços vinculados à Assistência Social 59 Tabela 28 UPA 24h 94 Tabela 14 Secretaria de Educação/Departamentos 60 Tabela 29 Saúde Mental 94 Tabela 15 Creches Conveniadas à Secretaria de Educação 60 Tabela 30 Hospitais / Maternidade Catálogo Social 7

8 LISTA DE TABELAS (Cont.) Tabela 31 Outros Serviços Vinculados à Saúde 97 Tabela 51 São Mateus 116 Tabela 32 Região Centro 101 Tabela 52 Vale do Ipê 116 Tabela 33 Alto dos Passos 102 Tabela 53 Região Leste 117 Tabela 34 Boa Vista 102 Tabela 54 Alto Grajaú 118 Tabela 35 Bom Pastor 102 Tabela 55 Bairú 118 Tabela 36 Centro 103 Tabela 56 Bom Jardim 118 Tabela 37 Democrata 109 Tabela 57 Bonfim 119 Tabela 38 Dom Bosco 110 Tabela 58 Bonsucesso 119 Tabela 39 Fábrica 110 Tabela 59 Borborema 120 Tabela 40 Granbery 111 Tabela 60 Bosque dos Pinheiros 120 Tabela 41 Guaruá 111 Tabela 61 Cesário Alvim 120 Tabela 42 Jardim Glória 111 Tabela 62 Grajaú 120 Tabela 43 Mariano Procópio 112 Tabela 63 Jardim do Sol 121 Tabela 44 Morro da Glória 112 Tabela 64 Ladeira 121 Tabela 45 Mundo Novo 113 Tabela 65 Linhares 122 Tabela 46 Padre Café 113 Tabela 66 Manoel Honório 123 Tabela 47 Paineiras 113 Tabela 67 Marumbi 123 Tabela 48 Santa Catarina 114 Tabela 68 Nossa Senhora Aparecida 124 Tabela 49 Santa Cecília 114 Tabela 69 Progresso 124 Tabela 50 Santa Helena 115 Tabela 70 Santa Cândida 125 Catálogo Social 8

9 LISTA DE TABELAS (Cont.) Tabela 71 Santa Paula 125 Tabela 91 Nova Suissa 135 Tabela 72 Santa Rita 126 Tabela 92 Parque Guarani 135 Tabela 73 Santos Anjos 126 Tabela 93 Parque Independência 135 Tabela 74 São Benedito 127 Tabela 94 Quintas da Avenida 136 Tabela 75 São Bernardo 128 Tabela 95 Recanto dos Lagos 136 Tabela 76 São Sebastião 128 Tabela 96 Santa Terezinha 136 Tabela 77 Três Moinhos 128 Tabela 97 Vila Montanhesa 137 Tabela 78 Vila Alpina 128 Tabela 98 Vista Alegre 137 Tabela 79 Vitorino Braga 129 Tabela 99 Vivendas da Serra 137 Tabela 80 Região Nordeste 130 Tabela 100 Região Norte 138 Tabela 81 Alto Eldorado 131 Tabela 101 Amazônia 139 Tabela 82 Bandeirantes 131 Tabela 102 Araújo 139 Tabela 83 Bom Clima 132 Tabela 103 Barbosa Lage 139 Tabela 84 Centenário 132 Tabela 104 Barreira 141 Tabela 85 Eldorado 132 Tabela 105 Benfica 141 Tabela 86 Filgueiras 132 Tabela 106 BR Tabela 87 Grama 133 Tabela 107 Caiçaras 143 Tabela 88 Granjas Betânia 134 Tabela 108 Carlos Chagas 143 Tabela 89 Granjas Triunfo 134 Tabela 109 Cerâmica 143 Tabela 90 Nossa Senhora das Graças 134 Tabela 110 Cidade do Sol 144 Catálogo Social 9

10 LISTA DE TABELAS (Cont.) Tabela 111 Dias Tavares 144 Tabela 131 Parque das Torres 149 Tabela 112 Distrito Industrial 144 Tabela 132 Pedra Branca 149 Tabela 113 Encosta do Sol 144 Tabela 133 Ponte Preta 150 Tabela 114 Esplanada 144 Tabela 134 Recanto dos Brugger 150 Tabela 115 Fontesville 145 Tabela 135 Santa Amélia 150 Tabela 116 Francisco Bernardino 145 Tabela 136 Santa Cruz 150 Tabela 117 Igrejinha 145 Tabela 137 Santa Lúcia 151 Tabela 118 Industrial 146 Tabela 138 Santa Maria 151 Tabela 119 Jardim Cachoeira 146 Tabela 139 São Dimas 151 Tabela Jardim dos Alfineiros 146 Tabela 140 São Judas Tadeu 152 Tabela 121 Jardim Natal 146 Tabela 141 Vale dos Lírios 152 Tabela 122 Jóquei Clube 147 Tabela 142 Vila Esperança I 152 Tabela 123 Jóquei Clube II 147 Tabela 143 Vila Esperança II 152 Tabela 124 Jóquei Clube III 147 Tabela 144 Região Oeste 153 Tabela 125 Milho Branco 147 Tabela 145 Adolfo Vireque 154 Tabela 126 Monte Castelo 148 Tabela 146 Aeroporto 154 Tabela 127 Náutico 148 Tabela 147 Borboleta 154 Tabela 128 Nova Benfica 148 Tabela 148 Bosque do Imperador 155 Tabela 129 Nova Era 149 Tabela 149 Chácara Passos Del Rey 155 Tabela 130 Novo Triunfo 149 Tabela 150 Dom Orione 155 Catálogo Social 10

11 LISTA DE TABELAS (Cont.) Tabela 151 Jardim Casablanca 155 Tabela 171 Paula Lima 162 Tabela 152 Jardim da Serra 156 Tabela 172 Penido 163 Tabela 153 Marilândia 156 Tabela 173 Rosário de Minas 163 Tabela 154 Morada do Serro 156 Tabela 174 Santa Córdula 163 Tabela 155 Nossa Senhora de Fátima 156 Tabela 175 Sarandira 164 Tabela 156 Nova Califórnia 156 Tabela 176 Toledos 164 Tabela 157 Novo Horizonte 157 Tabela 177 Torreões 164 Tabela 158 Santos Dumont 157 Tabela 178 Valadares 165 Tabela 159 São Pedro 157 Tabela 179 Região Sudeste 166 Tabela 160 Serro Azul 158 Tabela 180 Alto Santo Antônio 167 Tabela 161 UFJF 158 Tabela 181 Aracy 167 Tabela 162 Região Rural 159 Tabela 182 Costa Carvalho 167 Tabela 163 BR Tabela 183 Floresta 168 Tabela 164 BR Tabela 184 Furtado de Menezes 169 Tabela 165 Caeté 160 Tabela 185 Granjas Bethel 170 Tabela 166 Chapéu D uvas 160 Tabela 186 Granjas Primavera 170 Tabela 167 Humaitá 161 Tabela 187 Granjas Santo Antônio 170 Tabela 168 Lagoa 161 Tabela 188 Jardim Esperança 170 Tabela 169 Monte Verde 161 Tabela 189 Niterói 171 Tabela 170 Palmital 162 Tabela 190 Nossa Senhora de Lourdes 172 Catálogo Social 11

12 LISTA DE TABELAS (Cont.) Tabela 191 Olavo Costa 172 Tabela 212 Jardim de Alá 183 Tabela 192 Parque Burnier 173 Tabela 213 Jardim Gaúcho 184 Tabela 193 Parque Serra Verde 174 Tabela 214 Previdenciários 184 Tabela 194 Poço Rico 174 Tabela 215 Sagrado Coração de Jesus 184 Tabela 195 Retiro 175 Tabela 216 Salvaterra 185 Tabela 196 Santa Tereza 175 Tabela 217 Santa Efigênia 185 Tabela 197 Santo Antônio 176 Tabela 218 Santa Luzia 185 Tabela 198 Solidariedade 176 Tabela 219 São Geraldo 186 Tabela 199 Terras Altas 176 Tabela 220 Teixeiras 187 Tabela 200 Usina Quatro 177 Tabela 221 Vale Verde 187 Tabela 201 Vila Ideal 177 Tabela 222 Regiões 188 Tabela 202 Vila Ozanan 178 Tabela 223 Pontos Socioassistenciais por setor 188 Tabela 203 Região Sul 179 Tabela Transporte Público Urbano Região Centro 191 Tabela 204 Arco-íris 180 Tabela Transporte Público Urbano Região Leste 192 Tabela 205 Bela Aurora 180 Tabela Transporte Público Urbano Região Nordeste 193 Tabela 206 Cascatinha 181 Tabela Transporte Público Urbano Região Norte 194 Tabela 207 Cidade Nova 181 Tabela Transporte Público Urbano Região Oeste 196 Tabela 208 Cruzeiro do Sul 181 Tabela Transporte Público Urbano Região Rural 197 Tabela 209 Estrela Sul 181 Tabela Transporte Público Urbano Região Sudeste 198 Tabela 210 Graminha 182 Tabela 231- Transporte Público Urbano Região Sul 199 Tabela 211 Ipiranga 182 Catálogo Social 12

13 LISTA DE ACRÔNIMOS E SIGLAS CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CRAS - Centros de Referência de Assistência Social CREAS - Centros de Referência Especializado de Assistência Social LOAS Lei Orgânica da Assistência Social NOB/SUAS Norma Operacional Básica do SUAS PJF Prefeitura de Juiz de Fora PNAS Política Nacional de Assistência Social SAS Secretária de Assistência Social SE Secretaria de Educação SETTRA - Secretaria de Transporte e Trânsito SS Secretaria de Saúde SSVM Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento da Assistência Social SUAS Sistema Único de Assistência Social SUS Sistema Único de Saúde UAPS Unidades de Atenção Primária à Saúde Catálogo Social 13

14 APRESENTAÇÃO Prefeitura de Juiz de Fora Secretaria de Assistência Social Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento A Secretaria de Assistência Social (SAS) da Prefeitura de Juiz de Fora, vem apresentar o Catálogo Social das entidades, instituições e equipamentos socioassistenciais que, em seu conjunto, representam a rede de serviços para a execução das políticas sociais aos cidadãos juizforanos. Torna-se oportuno esclarecer que o Catálogo Social foi um dos produtos do Projeto Agenda Família 6MIL, que visa a implementação da Vigilância Social, através da promoção, de forma prioritária, de 6 (seis) mil famílias com alto grau de vulnerabilidade social por meio do acesso aos serviços, benefícios, projetos e/ou programas sociais, que de forma integrada, pretende induzir as Redes de Proteção Social e reforçar o exercício dos direitos básicos nas áreas de Educação, Saúde, Habitação, Portanto, o Catálogo Social busca, fundamentalmente, informar tais serviços buscando favorecer o acesso, daqueles que necessitam, a partir da relação ordenada das entidades, instituições e equipamentos socioassistenciais com descrições curtas a respeito de cada uma delas, assim como a localização por território área (bairro). Esperemos, assim, ter prestado um valioso serviço de utilidade pública aos cidadãos de Juiz de Fora, na perspectiva do acesso as informações dos serviços de relevância pública essenciais para a garantia dos direitos de nossas famílias. Catálogo Social 14 Tammy Claret Monteiro Secretária de Assistência Social Prefeitura de Juiz de Fora

15 INTRODUÇÃO Ao produzir e ofertar o Catálogo Social para o município de Juiz de Fora, a Secretaria de Assistência Social (SAS) tem por objetivo geral catalogar os serviços de 835 instituições, entidades e equipamentos sociais 1 no município que integram ou interagem com as instâncias governamentais e/ou sociedade civil. São objetivos específicos do Catálogo Social: A. Identificar e realizar uma caracterização geral das instituições, entidades e equipamentos socioassistencias de Juiz de Fora, delimitando-os por base territorial. B. Gerar novos conhecimentos para a compreensão dos serviços prestados e sua abrangência territorial, assim como suas atividades desenvolvidas. C. Possibilitar o uso técnico-operacional pelas diversas instâncias governamentais. Nesse sentido, a publicação do Catálogo reforça o compromisso da SAS, a fim de subsidiar a sociedade na busca de informações de utilidade pública, ao oferecer dados e conhecimentos sobre o que vem sendo prestado a título de serviços socioassistenciais. Naturalmente, o presente documento não esgota o universo de serviços disponíveis, configurando-se como um produto aberto e inacabado por essência, considerando a dinâmica das organizações que compõe a rede de 1 Em um nível mais abrangente, pode-se entender como universo das entidades, instituições e equipamentos socioassistenciais o seguinte conjunto: serviços socioassistenciais, prestados diretamente pela Secretaria de Assistência Social ou através de relação contratual com entidades; entidades socioassistencias inscritas no Conselho Municipal de Assistência Social de Juiz de Fora (CMAS/JF); serviços de saúde e equipamentos educacionais. Catálogo Social 15

16 serviços socioassistenciais. Para tal, surgirão novos dados subsidiando atualizações necessárias e permanentes, ampliando e qualificando o Catálogo Social de Juiz de Fora 2. No tocante a elaboração desta publicação, a SAS, por intermédio da Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento da Assistência Social (SSVM), coordenou as oficinas de territorializazação realizadas com os 9 (nove) Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) no período de agosto a outubro de A partir do resultado da oficina, a equipe da SSVM analisou os dados visando obter consistência e fidedignidade das informações prestadas, assim como realizou a revisão e sistematização do documento final. Tais oficinas constituíam-se parte integrante ao Projeto Agenda Família 6MIL 3, que busca por meio de diversos instrumentos de planejamento e gerenciamento, promover o desenvolvimento de famílias com alto grau de vulnerabilidade social, articulando três eixos estratégicos: Eixo 1 - delimitação dos territórios socioassistenciais 4, identificação das famílias e suas vulnerabilidades e elaboração das estratégias de enfrentamento; 2 Caso haja necessidade de retificação, procurar a Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento (SSVM) da Secretaria de Assistência Social para as sugestões e críticas, através do 3 O Projeto Agenda Família 6MIL tem como objetivo promover o desenvolvimento, de forma prioritária, de 6 (seis) mil famílias com alto grau de vulnerabilidade social por meio do acesso aos serviços, benefícios, projetos e/ou programas sociais, que de forma integrada, pretende induzir as Redes de Proteção Social e reforçar o exercício dos direitos básicos nas áreas de Educação, Saúde, Habitação, Trabalho e Renda, na perspectiva de rompimento do ciclo de pobreza, tendo a Política de Assistência Social como articuladora do processo. Para maior compreensão do arcabouço teórico metodológico do projeto, ver a publicação Guia de Orientação para Implementação da Vigilância Social em Juiz de Fora, disponibilizada pela Secretaria de Assistência Social. 4 Os territórios socioassistenciais representam a delimitação de áreas no município de Juiz de Fora/MG, que corresponde ao espaço de intervenção da Política de Assistência Social em seus distintos níveis de proteção básica e especial. Os territórios socioassistenciais, conhecidos como bairros, também são territórios de acessibilidade e foram construídos levando-se em consideração o arranjo do Sistema de Transporte Coletivo Urbano (TCU) de Juiz de Fora/MG para que, em cada território, o usuário da Assistência Social tenha meios de acessar os equipamentos da rede de serviços. Essa Catálogo Social 16

17 Eixo 2 - organização do processo de trabalho do Centro de Referência da Assistência Social; e Eixo 3 - indução das Redes de Proteção Social. Os eixos supracitados têm como pressuposto básico o fortalecimento e a efetivação do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), orientada pelos princípios e diretrizes da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) de Este produto, portanto, refere-se a uma das produções iniciais atinentes ao Eixo 1 do Projeto Delimitação do Território, conjuntamente com a construção dos Territórios Socioassistencias e do Diagnóstico Socioeconômico, produtos estes que serão apresentados em publicação específica, intitulada Mapa Social: Análise da Situação do Desenvolvimento Familiar de Juiz de Fora, a ser disponibilizada pela Secretaria de Assistência Social. Nessa perspectiva, o Catálogo Social tem como resultado esperado disseminar informação para a compreensão dos pontos socioassistenciais disponíveis, categorizados pela natureza das atividades e por base territorial, orientando não somente os órgãos diretamente ligados aos dados destacados no catálogo, mas também a sociedade de modo geral. O Catálogo Social foi dividido em seis capítulos, a saber: 1. Serviços Socioassistenciais: neste capítulo encontram-se informações sobre a Secretaria de Assistência Social e as instituições responsáveis em promover a Proteção Básica, como também a Proteção Especial. premissa garante a mobilidade das pessoas, dentro territórios socioassistenciais a partir do Sistema de Transporte Urbano (Instrumento gerencial 1 Caracterização do Território. Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento da Assistência Social/SAS/PJF. Projeto Agenda Família 6MIL, 2011). Catálogo Social 17

18 2. Entidades Socioassitenciais (REDE SUAS): neste momento o Catálogo Social apresenta todas as entidades inscritas no Conselho Municipal de Assistência Social de Juiz de Fora (CMAS/JF). 3 e 4. Serviços Vinculados à Educação e Serviços Vinculados à Saúde: nestes capítulos, como os próprios nomes sugerem, apontam as instituições que formam a rede da Secretaria de Educação e Secretaria de Saúde. 5. Já no capítulo Serviços por Região Administrativa do Município, procura distribuir todos os serviços apresentados nos capítulos anteriores em suas respectivas regiões. 6. E por último correlaciona as linhas de ônibus com os territórios-áreas, os quais foram divididos por Região. O Catálogo Social também é composto por uma Lista de Tabelas e um Índice Remissivo, para facilitar a consulta pelo usuário. Finalizamos, com a certeza inequívoca da contribuição que o Catálogo Social propõe para o fortalecimento da política de Assistência Social no município de Juiz de Fora. Thiago Augusto Campos Horta Subsecretário de Vigilância e Monitoramento Secretaria de Assistência Social Catálogo Social 18

19 1. SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS Catálogo Social 19

20 1. SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS A criação da Secretaria de Assistência Social, pela lei nº /2008, representou um avanço na implementação do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) em Juiz de Fora, na medida em que definiu um órgão público para pensar a gestão da Política de Assistência Social no município. O SUAS tem como principais pressupostos a territorialidade, a descentralização e a intersetorialidade. Entende-se que o paradigma desse sistema articula a descentralização e a intersetorialidade, uma vez que o objetivo visado é promover a inclusão social ou melhorar a qualidade de vida, resolvendo os problemas concretos que incidem sobre a população de um dado território (SIMÕES, 2009). Assistência Social é uma política pública de caráter protetivo e juntamente com o Sistema de Saúde e a Previdência Social formam o tripé da Seguridade Social. Diante disso, ressalta-se que é imprescindível a articulação entre estas políticas públicas para garantir a integralidade na proteção aos sujeitos sociais, ou seja, para que haja a efetividade do princípio da intersetorialidade. Em consonância com a Política Nacional de Assistência Social (PNAS/2004) e com as Normas Operacionais Básicas do SUAS (NOB/SUAS/2005 e NOB/SUAS/2010), a SAS desenvolve seus projetos, programas e serviços na busca pela consolidação do Sistema Único de Assistência Social na perspectiva de tecer uma rede integrada, mediada por relações dialógicas, valorização dos seus trabalhadores, promoção do acesso universal e qualidade na resolutividade das demandas. Catálogo Social 20

21 Os serviços socioassistenciais são previstos no artigo 23 da Lei Orgânica da Assistência Social - LOAS, como atividades continuadas que visam a melhoria de vida da população e cujas ações, voltadas para as necessidades básicas, observem os objetivos e diretrizes previstos nessa lei. Nessa perspectiva, ganham destaque a descentralização político-administrativa, com comando único em cada esfera de governo, a participação da população e a primazia da responsabilidade do Estado. A Política Pública de Assistência Social tem como perspectiva realizar-se de forma integrada às políticas setoriais, considerando as peculiaridades de cada território socioassistencial, efetivando a proteção social a partir da inclusão das famílias e indivíduos que se encontram em situação de vulnerabilidade e/ou em situação de risco, inserindo-os na rede de Proteção Social local. A Proteção Social é hierarquizada em Básica e Especial. Catálogo Social 21

22 1.1. Secretaria de Assistência Social A Secretaria de Assistência Social (SAS) é órgão da Administração Direta, subordinada diretamente ao Chefe do Poder Executivo. E é dotada de autonomia administrativa, orçamentária e financeira e tem por competências: coordenar a formulação, a implementação e articulação das diretrizes da Política Nacional de Assistência Social e do Sistema Único de Assistência Social à Política de Assistência Social no Município de Juiz de Fora; definir os programas, projetos e funções de caráter permanente afetos à Assistência Social; coordenar as atribuições dos departamentos subordinados, visando ao cumprimento de seus objetivos; gerir e manter atualizado o cadastro único dos programas sociais; atuar no controle interno e favorecer o controle externo das atividades da Administração Pública Municipal, na sua esfera de competência; articular-se com órgãos e entidades federais, estaduais e de outros Municípios com vistas à melhor realização dos seus objetivos; assessorar o Prefeito em assuntos relativos à sua área de atuação Disponível em: <http://www.pjf.mg.gov.br/sas/conheca.php> Acesso em: 08 de março de Catálogo Social 22

23 Tabela 1 Secretaria de Assistência Social Prefeitura de Juiz de Fora Secretaria de Assistência Social Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento NOME ENDEREÇO TELEFONE Secretaria de Assistência Social SAS (32) Gabinete GAB (32) Assessoria de Imprensa AI (32) Subsecretaria de Gestão do SUAS - SSGS (32) Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento de Assistência Social SSVM (32) (DPB, DPE, DMSJ) Departamento de Proteção Social Básica DPB Departamento de Proteção Especial DPE Rua Halfeld, 450,6º andar Centro CEP: (32) (32) Departamento de Medidas Sociojurídicas DMSJ (32) Departamento de Regulação de Convênios DRC (32) Departamento de Avaliação e Gestão da Informação DAGI (32) Departamento de Transferência de Renda DTR (32) Programa Bolsa Família - PBF (32) Auditoria do Programa Bolsa Família (32) Departamento da Juventude DJUV Rua Halfeld, 450, 5º andar (32) Programa Poupança Jovem PPJ Centro (32) Curso Preparatório para Concursos CPC CEP: (32) Conselho Municipal da Assistência Social CMAS Rua Halfeld, 450, 7º andar Centro CEP: (32) Catálogo Social 23

24 1.2 Proteção Social Básica A Proteção Social Básica tem como objetivos prevenir situações de risco, através do desenvolvimento de potencialidades e aquisições, e o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. Os serviços, programas, projetos e benefícios de proteção social básica deverão ainda se articular com as demais políticas públicas locais, de forma a garantir a sustentabilidade das ações desenvolvidas e o protagonismo das famílias e indivíduos atendidos, de forma a superar as condições de vulnerabilidade e a prevenir as situações que indicam risco potencial. Deverão, ainda, articular-se aos serviços de proteção especial, garantindo a efetivação dos encaminhamentos necessários. Os serviços de proteção social básica são executados de forma direta nos Centros de Referência de Assistência Social - CRAS, e em outras unidades básicas e públicas de assistência social, bem como de forma indireta nas entidades e organizações de assistência social da área de abrangência dos CRAS. Catálogo Social 24

25 Tabela 2 Centro de Referência de Assistência Social - CRAS CRAS NORTE - SANTA CRUZ* CRAS NORTE - BENFICA NOME ENDEREÇO TELEFONE DESCRIÇÃO CRAS NORTE - BARBOSA LAGE* CRAS CENTRO CRAS LESTE - LINHARES CRAS LESTE - SÃO BENEDITO CRAS NORDESTE - GRAMA CRAS OESTE - SÃO PEDRO CRAS SUDESTE - COSTA CARVALHO CRAS SUDESTE - OLAVO COSTA CRAS SUL- IPIRANGA (*) Em fase final de construção. Rua Doutor Simeão de Faria, s/nº Santa Cruz CEP: Rua Tomé de Souza, 95 Benfica CEP: Rua Antonio da Silva, s/n Barbosa Lage CEP: Rua Espírito Santo, 456 Centro CEP: Rua Diva Garcia, s/nº Linhares CEP: Rua Noêmia Egídia dos Santos, 282 São Benedito CEP: Avenida Juiz de Fora, 667 Grama CEP : Rua Sady Monteiro Boechat,185 São Pedro CEP: Avenida Sete de Setembro, 7 Costa Carvalho CEP: Rua da Esperança, 69 Olavo Costa CEP: Rua Bady Geara, 552 Ipiranga CEP: (32) (32) (32) (32) (32) (32) (32) (32) (32) Principal equipamento da Proteção Básica, o Centro de Referencia da Assistência Social (CRAS) é a porta de entrada para a assistência neste nível de atenção. Atua com famílias e indivíduos em seu contexto comunitário. Contribui na organização de informações sobre o território onde se localiza e articula com a rede socioassistencial e com as demais políticas, para atender as necessidades da família. Catálogo Social 25

26 Tabela 3 Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Criança e Adolescente NOME ENDEREÇO TELEFONE DESCRIÇÃO Associação Atlética Banco do Brasil AABB Comunidade Casa do Pequeno Artista Curumim Benfica Curumim Santa Luzia Curumim Santa Rita Curumim São Benedito Curumim São Pedro Curumim Olavo Costa Curumim Jóquei Clube* Curumim Vila Esperança II* (* ) Em fase final de construção da sede. Avenida Doutor Deusdedith Salgado, 1690 Teixeiras CEP: Rua Espírito Santo, 456 Centro CEP: Rua dos Guararapes, 590 Benfica CEP: Rua Ibitiguaia, 1240 Santa Luzia CEP: Rua Américo Lobo, 2005 Bonfim CEP: Rua Noêmia Egídia dos Santos, 286 São Benedito CEP: Rua Sady Monteiro Boechat, 185 São Pedro CEP: Rua da Esperança, 69 Olavo Costa CEP: Rua Venina Rocha de Almeida, s/n Jóquei Clube CEP: Rua Cinco de Agosto, s/n Vila Esperança II CEP: (32) (32) (32) (32) (32) (32) (32) (32) Serviço de Convivência e Fortalecimento de vínculos: atendimento socioeducativo a crianças e adolescentes de ambos os sexos, na faixa etária de 12 a 17 anos e 11 meses, em situação de vulnerabilidade pessoal e/ou social no contraturno escolar. Utiliza a arte, o esporte e a cultura como ferramentas para formação. Catálogo Social 26

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DAS Norte Campinas/SP ASSISTÊNCIA SOCIAL Constituição de 1988 e LOAS Assistência Social inserida como política da Seguridade Social

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

PLANO DE RACIONAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA TRATADA MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA COMPANHIA DE SANEAMENTO MUNICIPAL CESAMA

PLANO DE RACIONAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA TRATADA MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA COMPANHIA DE SANEAMENTO MUNICIPAL CESAMA PLANO DE RACIONAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA TRATADA MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA COMPANHIA DE SANEAMENTO MUNICIPAL CESAMA 1 - INTRODUÇÃO O ano de 2014 teve como característica o baixo índice pluviométrico,

Leia mais

Desinsetização e Desratização em Instituições da Prefeitura

Desinsetização e Desratização em Instituições da Prefeitura Desinsetização e Desratização em Instituições da Prefeitura Saúde Bucal Desinsetização 09/04/10 Amac banco de leite Desratização 26/04/10 Secretaria de Educação Desratização 06/05/10 PAM Marechal Desinsetização

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

1) Socorro e Desastre Itaóca

1) Socorro e Desastre Itaóca 1) Socorro e Desastre Itaóca A Cruz Vermelha Brasileira Filial do Estado de São Paulo deslocou um grupo de voluntários para prestar ajuda aos moradores da cidade de Itaóca, localizada no interior do estado,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2011 - SMDS O Município de Canoas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, torna público o presente e convida os interessados e as interessadas a apresentar

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

DECRETO Nº 31646. de 20 de fevereiro de 2014.

DECRETO Nº 31646. de 20 de fevereiro de 2014. DECRETO Nº 31646 de 20 de fevereiro de 2014. Reorganiza o detalhamento da estrutura básica da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social. SEBASTIÃO ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS

3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS 3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS 2º SEMESTRE/2009 Organização do Sistema - SUAS A Assistência Social está organizada em Sistema de Proteção Social Básica e Especial: Sistema de

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

Conselho Municipal de Assistência Social Americana - São Paulo

Conselho Municipal de Assistência Social Americana - São Paulo 1 ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS INSCRITAS NO CMAS (2011) 1. ATENDIMENTO SERVIÇOS DE PROTEÇÃO SOCIAL (Conforme Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais) 1.1. PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA SERVIÇO

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Rua Dias Adorno, 367, 6 andar, Bairro Santo Agostinho, CAPITAL CEP: 30 190 100 Telefax: 31 3330 8394 e-mail: caodh@mp.mg.gov.br

Leia mais

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social - CRAS Unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social

Leia mais

FAS. O jeito Curitiba de tecer o futuro.

FAS. O jeito Curitiba de tecer o futuro. FAS. O jeito Curitiba de tecer o futuro. FAS 01 FAS 02 PALAVRA DA PRESIDENTE Em 2005, diante da tarefa de implantar o Sistema Único de Assistência Social em Curitiba junto com toda a equipe da FAS, definimos

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS Porta de entrada dos munícipes que necessitam das ações de assistência social que potencializam a família, a comunidade de referência, fortalecendo seus

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A:

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A: DECRETO N 1.289, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Instrução Operacional nº 01 SNAS/MDS. Brasília, 05 de agosto de 2014. Assunto: Orienta Estados, Municípios

Leia mais

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações;

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações; O Sistema Único de Assistência Social A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade destinada a assegurar os direitos relativos à saúde,

Leia mais

Prefeitura de Juiz de Fora Secretaria de Assistência Social Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento da Assistência Social GUIA DE ORIENTAÇÃO

Prefeitura de Juiz de Fora Secretaria de Assistência Social Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento da Assistência Social GUIA DE ORIENTAÇÃO Prefeitura de Juiz de Fora Secretaria de Assistência Social Subsecretaria de Vigilância e Monitoramento da Assistência Social GUIA DE ORIENTAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DA VIGILÂNCIA SOCIAL Projeto Agenda Família

Leia mais

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Coordenadoria de Proteção Social Especial Março/2014 CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões

SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTENTE SOCIAL CARIDADE? FAVOR? O QUE OS VEREADORES FAZEM?

Leia mais

Gestão e Operacionalização do Sistema Único de Assistência Social- SUAS

Gestão e Operacionalização do Sistema Único de Assistência Social- SUAS 1988 Constituição Federal Política Pública MARCO LEGAL Novos atores 1993 Lei Orgânica da Assistência Social- Novas estratégias Novas práticas LOAS 2004 Política Nacional de Assistência Social- PNAS Reordenamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social. Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social. Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social SUAS SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O QUE É: O SUAS é uma ferramenta de gestão da Política

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO 1 PROJOVEM 1.1 SUPERVISOR REQUISITOS: NÍVEL SUPERIOR ATRIBUIÇÕES: Ser responsável

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

Imagem do incêndio na comunidade de Tribo e famílias recebendo doações da Cruz Vermelha de São Paulo

Imagem do incêndio na comunidade de Tribo e famílias recebendo doações da Cruz Vermelha de São Paulo 1) Socorro e Desastre Incêndio na Brasilândia No dia 26 de setembro, a comunidade conhecida como Tribo, localizada na Brasilândia, Zona Norte de São Paulo, sofreu com um incêndio ocasionado por uma explosão

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Especial Brasília-DF Dezembro de 2011 O Sistema Único de Assistência Social (Suas) é um sistema

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS CRAS Centro de Referência de Assistência Social PÚBLICO-ALVO: A PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA B DO SUAS Famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES:

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES: PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR NOME: DATA: / / INSCRIÇÃO Nº: CPF ou RG: INSTRUÇÕES: 1. Você recebeu sua folha

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS - CPC PROGRAMAÇÃO 2012 1º Semestre

CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS - CPC PROGRAMAÇÃO 2012 1º Semestre CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS - CPC PROGRAMAÇÃO 2012 1º Semestre DEPARTAMENTO DA JUVENTUDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PREFEITURA DE JUIZ DE FORA A Prefeitura de Juiz de Fora, através da apresenta

Leia mais

DIRETORIA DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS, INFORMAÇÕES E DESENVOLVIMENTO URBANO E RURAL DEPARTAMENTO DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES

DIRETORIA DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS, INFORMAÇÕES E DESENVOLVIMENTO URBANO E RURAL DEPARTAMENTO DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome: Associação Atlética Educando pelo Esporte AAEPE CNPJ: 02465949/001-92 Endereço: Rua Benedito Bonzon Penteado, 645 Bairro/Loteamento: Jardim Pacaembu CEP: 13.424-485 Telefone: 3433-5085 Socioeducativo

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina:

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DE MÃOS DADAS COM A REDE Introdução A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS.

REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS. REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS. OFICINA 2 Ofertas da Assistência Social: Serviços por níveis de proteção básica e especial de média

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS A Política Estadual sobre Drogas em Minas Gerais Conferencista: Dr. Cloves Eduardo Benevides

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA

PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA Dra. Tatiana Maria Araújo da Fonseca Licenciada em Serviço

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas

Leia mais

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite.

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite. O SUAS E AS AGENDAS ESTRATÉGICAS DE GOVERNO: O FORTALECIMENTO DO COMBATE À POBREZA, AOS RISCOS E ÀS VULNERABILIDADES SOCIAIS: Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer!

Leia mais

REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL COFINANCIADA EM 2014

REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL COFINANCIADA EM 2014 REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL COFINANCIADA EM 2014 Serviços e Programas Socioassistenciais Cofinanciados através do Fundo Municipal de Assistência Social/FMAS e do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas social.vania@gmail.com Mapeamento e cobertura da rede prestadora de

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO FUNDO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FEAS 2014

AUDIÊNCIA PÚBLICA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO FUNDO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FEAS 2014 AUDIÊNCIA PÚBLICA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO FUNDO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FEAS 2014 AÇÕES E SERVIÇOS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E REDE SOCIOASSISTENCIAL. Proteção Social Básica

Leia mais

Guia de Serviços de Assistência Social de Itapetininga

Guia de Serviços de Assistência Social de Itapetininga versão 2 Guia de Serviços de Assistência Social de Itapetininga SECRETARIA DE PROMOÇÃO SOCIAL PREFEITURA DE ITAPETININGA w w w. i t a p e t i n i n g a. s p. g o v. b r (15) 3376.9600 Praça dos Três Poderes,

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social SUAS

Sistema Único de Assistência Social SUAS 34 A Assistência Social, a partir da Constituição Federal de 1988, passou a integrar o Sistema de Seguridade Social, como política pública não contributiva. Portanto, é direito do cidadão e dever do Estado.

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 NOME DO SERVIÇO Serviço de Acolhimento Institucional para Idosos, classificado como Serviço de proteção Social Especial de Alta Complexidade. DESCRIÇÃO A entidade prestou em

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP Mestre em Serviço Social pela Faculdade de História, Direito e Serviço Social/UNESP

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CRAS JARDIM PARAÍSO: EQUIPAMENTO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CRAS JARDIM PARAÍSO: EQUIPAMENTO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CRAS JARDIM PARAÍSO: EQUIPAMENTO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA DIAS, Jessica Eloise Volski 1 PEREIRA, Aline Dayane 2 RUTHES, Pamela Caroliny

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PESSOAL PARA ATENDER A RECENSEAMENTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A DIVERSOS OUTROS PROGRAMAS E SERVIÇOS

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social!

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! CONSELHEIROS ROSA DE FÁTIMA BARGE HAGE Presidente JOSÉ CARLOS ARAÚJO Vice - Presidente MARA LÚCIA BARBALHO DA CRUZ Corregedora ALCIDES DA SILVA ALCÂNTARA

Leia mais

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 RESUMO Este projeto visa a atender crianças e adolescentes em situação de rua, abandonados ou que necessitam ser

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social SUAS- FNAS SUAS MÉDIA COMPLEXIDADE ALTA COMPLEXIDADE BÁSICO abrigos albergues Cuidado no domicílio CENTRAIS DE

Leia mais

SBE-01-B- SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS

SBE-01-B- SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº SBE-01-B/2014 Data: 20/09/2014 Versão: Original 01 SISTEMA ADMINISTRATIVO SBE SISTEMA DE BEM ESTAR SOCIAL 02 ASSUNTO SBE-01-B- SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM

Leia mais

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 1.948, DE 3 DE JULHO DE 1996. Regulamenta a Lei n 8.842, de 4 de janeiro

Leia mais

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 Página 1 de 11 SUMÁRIO 1. Resumo do projeto... 3 2. Em que realidade

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais