PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DA REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DA REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL"

Transcrição

1 PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DA REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 METODOLOGIA... 5 CAPÍTULO I SUMÁRIO CONCLUSIVO... 6 CAPÍTULO II EIXOS PRIORITARIOS DE INTERVENÇÃO EMPREGABILIDADE ESCOLARIDADE ENVELHECIMENTO SOCIAL COMPORTAMENTOS DE RISCO CAPÍTULO III DIMENSÕES DE ANÁLISE ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO DO CONCELHO DEMOGRAFIA E POPULAÇÃO PROTECÇÃO E ACÇÃO SOCIAL ACTIVIDADES ECONÓMICAS E EMPREGO EDUCAÇÃO SAÚDE HABITAÇÃO E AMBIENTE ASSOCIAÇÕES DESPORTIVAS, RECREATIVAS E CULTURAIS OUTROS EQUIPAMENTOS/ SERVIÇOS DE APOIO À POPULAÇÃO 131 SEGURANÇA GLOSSÁRIO Diagnóstico Social 2

3 INTRODUÇÃO Em 1997 foi criado o Programa Rede Social, através de uma Resolução de Conselho de Ministros, visando o combate à pobreza e exclusão social, com base em políticas sociais activas, procurando responsabilizar e mobilizar a sociedade em geral e cada indivíduo em particular como um fórum de articulação e congregação de esforços. Após a aprovação da candidatura apresentada pela Câmara Municipal de Ponte de Lima ao Programa de Implementação da Rede Social, foi criado o Conselho Local de Acção Social de Ponte de Lima, em Julho de 2003, que conta com 57 entidades parceiras, de âmbito público e privado. Paralelamente foi constituído o Núcleo Executivo, órgão responsável pela operacionalização do programa, do qual fazem parte as seguintes entidades: Câmara Municipal de Ponte de Lima; Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social de Viana do Castelo; Centro de Emprego de Viana do Castelo; Centro de saúde de Ponte de Lima; Escola Secundária de Ponte de Lima; Junta de Freguesia de Arcos (representando as Juntas de Freguesia do concelho); Casa da Caridade Nossa Senhora da Conceição (representando as Instituições Privadas de Solidariedade Social do concelho). Diagnóstico Social 3

4 Sendo a pobreza e a exclusão social resultantes de fenómenos sociais de natureza complexa e transversal, a sua erradicação e a promoção do desenvolvimento social, obrigam a uma correcta identificação dos problemas e dos recursos para a intervenção. Este documento, elaborado pelo Núcleo Executivo, com a participação dos parceiros do Conselho Local de Acção Social de Ponte de Lima, tem uma dupla finalidade. Por um lado, tratando-se do Diagnóstico Social do concelho, pretende identificar os problemas sociais do concelho, a sua relação de causalidade e principais tendências, bem como conhecer os recursos e meios, existentes e potenciais. Esta fase é o culminar de um trabalho de análise e interpretação dos dados recolhidos no Pré-Diagnóstico do concelho já elaborado, que permitiu contextualizar os problemas locais e estabelecer prioridades, procurando ir de encontro aos princípios e orientações do Plano Nacional de Acção para a Inclusão e Plano Nacional de Prevenção do Abandono Escolar. Por outro lado, este documento constitui um alicerce fundamental para a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, instrumento de intervenção destinado à produção de efeitos reparadores e preventivos, geradores de processos de mudança e melhoria das condições de vida das populações. Relativamente à organização deste documento, ele está estruturado em três capítulos: - Capítulo I, é um sumário conclusivo que reflecte as debilidades e potencialidades do concelho; - Capítulo II, evidencia os eixos prioritários de intervenção para o concelho, seleccionados numa lógica de exequibilidade; - Capítulo III, retrata as várias dimensões de análise, numa lógica sectorial. Diagnóstico Social 4

5 METODOLOGIA Com vista à identificação dos principais problemas e recursos, optou-se por uma abordagem sectorial, consensualizada entre os parceiros e o Núcleo executivo, uma vez que este órgão é composto por elementos representativos dos vários sectores, conhecedores da realidade local e possuidores de informação pertinente. Para a recolha de informação quantitativa, recorreu-se, essencialmente, aos dados censitários e indicadores sociais do Instituto Nacional de Estatística e às Fichas Concelhias da Comissão de Coordenação da Região Norte. A análise documental foi a técnica utilizada para a recolha de informação qualitativa sobre documentos já elaborados e publicados pelas instituições locais e sobre planos de incidência territorial, como o Plano Director Municipal. Paralelamente, foi solicitado às Instituições Privadas de Solidariedade Social do concelho, o preenchimento de um questionário com o objectivo de conhecer o conjunto das respostas sociais e a sua distribuição geográfica. A informação recolhida foi organizada com o recurso à análise SWOT (Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças), que permitiu definir as principais debilidades e potencialidades do concelho, e, posteriormente, os eixos prioritários de intervenção. Os contactos informais com os informadores privilegiados e a percepção e experiência dos parceiros sociais contribuíram para consolidar a interpretação dos problemas e o estabelecimento de prioridades. Diagnóstico Social 5

6 Capítulo I SUMÁRIO CONCLUSIVO DEBILIDADES E POTENCIALIDADES DO CONCELHO DEBILIDADES DO CONCELHO Diagnóstico Social 6

7 A dinâmica demográfica que caracteriza o Concelho de Ponte de Lima, apresenta-o como um município de transição para uma área a norte em perda, representada, especialmente, pelos municípios de Arcos de Valdevez, Paredes de Coura, Melgaço e Monção, onde se verificam taxas de mortalidade superiores ás de natalidade, saldos naturais negativos, baixas concentrações populacionais, envelhecimento demográfico, acentuada erosão dos escalões etários correspondentes à população em idade activa e menores intensidades de ocupação urbana. O carácter ainda incipiente do processo de urbanização no concelho é demonstrado pela clara dominância da superfície florestal e superfície agrícola. Verifica-se uma reduzida percentagem da área concelhia vinculada à ocupação industrial. A área urbana de expansão prevista torna-se insuficiente face ao aumento da população previsto pelas projecções demográficas. O constrangimento ao nível das áreas urbanizáveis tem tido efeitos prejudiciais na necessária retenção da população residente. A qualidade da rede viária de ordem inferior (estradas nacionais, regionais e municipais), essencial para a circulação interna do território e para a sua plena integração no espaço regional envolvente (bem como para atracção de investimento externo), apresenta alguns troços algo deficitários em termos de conforto de circulação. Os níveis de qualificações escolares e profissionais da população activa são ainda baixos, decorrentes não só da transição directa da mão de obra do sector primário para outros ramos e sectores de actividade, mas também porque muitos destes exigem poucas qualificações profissionais, para além da fraca participação na formação contínua. A taxa de desemprego no concelho é de 6%, incidindo especialmente na população feminina. Ponte de Lima é um concelho com uma base económica pouco diversificada, verificando-se a ausência de especialização no seu tecido económico, pelo equilíbrio na distribuição da população activa pelos três sectores de actividade, embora o sector secundário apresente um ligeiro destaque. A agricultura perdeu o carácter de actividade principal da população, constituindo hoje, uma actividade complementar, de auto-consumo. A indústria é incipiente, com capacidade para retenção da população residente e sem capacidade Diagnóstico Social 7

8 atractiva da população exterior. O único pólo de especialização das actividades terciárias, coincide com a centralidade da sede do concelho. A taxa de analfabetismo no concelho é de 12%. Embora tenha vindo a baixar gradualmente, existem ainda indivíduos analfabetos, maioritariamente mulheres. As taxas de abandono escolar e saída antecipada, são respectivamente de 3,7% e 41,3%, o que reflecte a opção dos jovens pela inserção precoce no mercado de trabalho. Nos últimos dez anos, o número de matrículas tem vindo a baixar significativamente. No ensino básico esta redução está evidentemente relacionada com a redução da taxa de natalidade. Contudo, o reduzido número de alunos matriculados no ensino secundário reflecte uma óbvia realidade de saída precoce da escola, que atinge no Concelho de Ponte de Lima 63,1% dos indivíduos entre os 18 e 24 anos, ou seja, em cada 100 indivíduos deste grupo etário, 63 não tinham completado o ensino secundário e não se encontravam a frequentar a escola, verificando-se uma maior incidência deste fenómeno na população masculina. A diminuição da taxa de natalidade e o aumento da percentagem da população idosa no concelho, que registou uma subida no índice de envelhecimento de 60,6% para 93,6%, em dez anos, fazem prever o gradual envelhecimento da estrutura da população. O aumento do Índice de dependência daquele grupo de 22,9% para 26,1%, reflectem o aumento da dependência dos idosos sobre a população activa e, consequentemente, os encargos que pesam sobre esta. O apoio a este grupo etário que antes se alicerçava, quase exclusivamente, nas redes de solidariedade informal e familiar, foi dando lugar ao apoio institucional, cobrindo apenas uma parte da dimensão dos problemas deste grupo da população. A alteração da estrutura das famílias modernas e a subversão de valores que esta vinculava, as reduzidas expectativas e alternativas, a dificuldade de resistência a factores de risco e à frustração, têm constituído, entre outros, alguns dos factores que fragilizam as competências pessoais, especialmente dos jovens, assistindo-se ao aparecimento de comportamentos de risco como o excessivo consumo do álcool e das drogas. POTENCIALIDADES DO CONCELHO Diagnóstico Social 8

9 O Concelho de Ponte de Lima, dista da capital de distrito, Viana do Castelo, 24 km; da capital da província, Braga, 31 km; do Porto, cerca de 73 km, e, da fronteira com Espanha, cerca de 40 km. Este posicionamento, confere-lhe, hoje como no passado, uma posição privilegiada em termos de centralidade. Todo este território beneficia de um importante nó de comunicações rodoviário: a A3 Auto-estrada Porto/Braga/Valença, com ligação a Espanha (Vigo), a IC1 Viana do Castelo/Porto, a 18 km de Ponte de Lima e a IC28 Ponte de Lima/Arcos/Barca. A breve prazo, com a conclusão do IP9, que irá ligar Ponte de Lima ao IC1, as suas acessibilidades ver-se-ão incrementadas. É de salientar ainda, em termos de acessibilidades, a proximidade das infraestruturas portuárias de Viana do Castelo, Leixões e Vigo, bem como dos Aeroportos de Porto e de Vigo. Esta melhoria das acessibilidades confere ao concelho uma invejada centralidade no contexto do noroeste peninsular, o que motivou a definição de uma política estratégica de desenvolvimento com base nos seguintes objectivos: Reforçar a centralidade de Ponte de Lima com base num modelo de vida urbana, com elevados padrões de qualidade, entendido como um instrumento de dinamização de todo o território concelhio; Animar o espaço concelhio através de uma rede dinâmica de pequenos aglomerados, constituído por freguesias circundantes da Vila, que podem desempenhar um papel fortemente activo no processo de desenvolvimento local; Reforçar a capacidade de fixação da população local em idade activa, assegurando áreas urbanizáveis suficientes e promovendo o aumento da oferta local de emprego; Promover eficazmente o ajustamento do sistema produtivo local às novas condições de competitividade, criando um canal de escoamento para a comercialização de produtos hortícolas e frutícolas, salvaguardado os produtos de denominação de origem e promovendo uma dinâmica industrial competitiva e compatível com a salvaguarda das vocações do município; Reforço da visibilidade e notoriedade externa de Ponte de Lima, valorizando os seus recursos patrimoniais de ordem ambiental e cultural e afirmando Ponte de Lima como destino turístico de qualidade, reforçando a sua posição de protagonismo nacional e europeu; Diagnóstico Social 9

10 Promover e incentivar as iniciativas de âmbito social, cultural e desportivo, criando redes de sociabilidade através de formas de ocupação dos tempos livres. O Concelho de Ponte de Lima apresenta uma qualidade ambiental e natural fortemente apreciada, que se expressa ao nível do Rio Lima, dos campos de vinha, dos sistemas ecológicos de montanha bem preservados, da Lagoa de Bertiandos enquanto biótopo identificado pelo Programa CORINE. A área foi classificada como Reserva Ecológica Nacional, incluída na Rede Natura A Paisagem Protegida das Lagoas de Bertiandos e São Pedro de Arcos, situada no concelho de Ponte de Lima, foi criada pelo Decreto Regulamentar n.º 19/2000, de 11 de Dezembro, constituindo uma zona de elevado interesse conservacionista. As lagoas de Bertiandos e São Pedro de Arcos possuem um variado conjunto de valores de ordem paisagística e biológica, sendo possível destacar a existência de um interessante mosaico de habitats, desde zonas húmidas, bosquetes florestais de vegetação natural, pastagens e áreas agrícolas, desenvolvendo-se ao longo de um sistema lacustre permanente, irrigado por canais naturais e atravessado pelo rio Estorãos, exibindo apreciável diversidade e originalidade paisagísticas. As acções integradas no Projecto de Valorização das Margens do Rio Lima, enquanto instrumento de ordenamento, têm contribuído de uma forma mais global e integrada, para a prossecução dos eixos estratégicos do Plano de Acção definidos no Plano Estratégico de Desenvolvimento do Vale do Lima, mais concretamente no que toca à Qualificação do Território e Equipamentos. Os objectivos que se pretendem atingir são de uma forma geral os seguintes: - Promover novos domínios de competitividade nas fileiras do comércio, turismo-lazer-ambiente, cultura, sistema urbano ; - Consolidar o valor estratégico da preservação e qualificação ambiental e do ordenamento do território ; - Promoção de uma nova imagem do Lima com base nos valores da excelência ambiental e de ordenamento territorial/urbano e da vivência urbana ; - Promover níveis acrescidos de integração de intervenções nos espaço público e de âmbito social Diagnóstico Social 10

11 Este é um projecto que passa necessariamente pela valorização ambiental e requalificação urbana realizada em torno de dois valores incontestáveis da Vila de Ponte de Lima: o rio Lima, salvaguardando-o das agressões biofísicas e paisagísticas a que está sujeito, e o Centro Histórico, valorizando-o enquanto um conjunto urbano de valor patrimonial incalculável. Das zonas projectadas e já concluídas salientam-se o Parque da Guia, o Açude, o Clube Náutico e Marina, o Passeio Ribeirinho, o Parque do Arnado, o Parque de Merendas do Campo do Arnado, a Recuperação e Ampliação do Mercado Municipal, a Valorização dos Jardins dos Terceiros e os Jardins dos Labirintos e Piscinas. Em fase inicial de implementação, encontram-se os projectos do Parque da Vila, Supressão do Estacionamento do Areal através da construção de uma Rede de Parques de Estacionamento, o Arranjo Paisagístico da Avenida dos Plátanos e o arranjo Paisagístico da Margem Direita do Rio Lima entre a Ponte Romana e o Festival dos Jardins. Ponte de Lima apresenta grande expressão de valores culturais tradicionais e genuínos, que constituem um grande atractivo turístico do concelho e que se expressa ao nível da hospitalidade das suas gentes, das festas e romarias populares, da qualidade da gastronomia local, da grande diversidade de produtos de artesanato (cestaria, cantaria, tanoaria, luminária, bordados, tecelagem, madeira, cerâmica etc.) e de outras vertentes de afirmação da tradição popular. Ponte de Lima tem conseguido vocacionar a sua oferta para um turismo de qualidade, por via do seu protagonismo nacional ao nível do desenvolvimento do produto TER (em especial, os SOLARES DE PORTUGAL, a principal imagem de marca para a projecção exterior do Vale do Lima), das acções de animação turística de nível superior (golfe, provas hípicas, clube náutico ) e do próprio desenvolvimento da restauração, que consegue responder localmente aos clientes com padrões de exigência mais elevados, na qualidade gastronómica, do atendimento e do serviço prestado. Por outro lado, o importante dinamismo de actores locais permitiu a inserção de Ponte de Lima nas principais redes europeias de valorização do turismo em espaço rural. Diagnóstico Social 11

12 Verifica-se também, uma forte aposta na qualificação do centro histórico, com acções de pavimentação, introdução de sinalética, iluminação e mobiliário urbano qualificante e potenciador do conforto no uso do espaço público. Contam-se ainda as acções de modernização do comércio tradicional ao abrigo do URBCOM e de reabilitação habitacional para fins turísticos no âmbito do Programa Village d Europe. Ponte de Lima beneficia do facto de neste concelho se cruzarem importantes itinerários históricos, como o Caminho português para Santiago ou o Caminho do Romântico da Ribeira Lima, que constituem actualmente um importante chamariz para o turista de qualidade, com padrões de exigência mais elevados e com maior poder económico. O desenvolvimento da fileira do Turismo em Espaço Rural e a procura de segunda habitação por populações oriundas de grandes formações urbanometropolitanas, constituem uma forma de recuperação e manutenção da utilização do património edificado (com a dinamização da construção civil) e da possível geração de rendimentos complementares para as populações residentes. Na prossecução da estratégia definida para o desenvolvimento económico e social das aldeias de montanha, serão implementadas um conjunto de acções previstas no âmbito das candidaturas aprovadas pelo Programa AGRIS, nas freguesias de Vilar do Monte e Cabração, através da execução e conclusão de obras públicas. Através do recurso a este financiamento, com a devida contrapartida por parte da Câmara Municipal, será possível concretizar um conjunto de intervenções estruturantes em ambos os núcleos rurais, qualificando-os e valorizando-os, contribuindo desta forma para o incremento da fileira turismo/ambiente/mundo rural já assumida para o concelho. Paralelamente e tendo em conta a necessidade de melhoria das acessibilidades rurais, verificou-se um incremento significativo ao nível da beneficiação de caminhos agrícolas e rurais, tendo a Autarquia, para além dos apoios técnicos e financeiros atribuídos às Juntas de Freguesia, realizado ela própria, obras com esse fim. Como incentivo, a Câmara Municipal dará continuidade ao programa Subsídios de Montanha, através da redução significativa das taxas de urbanização e da majoração dos apoios prestados às Juntas de Freguesia e outros actores que intervêm e dinamizam esses espaços. Diagnóstico Social 12

13 A actividade turística no concelho tem grande relevância, não só ao nível do aumento da oferta de emprego e da dinamização de actividades complementares (como o comércio e a restauração), mas também ao nível do acréscimo da sua visibilidade e imagem externa (favorável por exemplo, para a captação de iniciativas de investimento empresarial). A criação de espaços de acolhimento industrial, como os pólos industriais da Queijada e Gemieira, associados à melhoria das acessibilidades e ao incentivo da Autarquia na isenção do pagamento da Derrama Autárquica, têm constituído factores atractivos ao investimento empresarial e, consequentemente, geradores de emprego e de crescimento económico. O desafio tem-se colocado ao nível do ordenamento dos espaços para localização das actividades industriais, em zonas devidamente infraestruturadas, para que o impacto ambiental seja minimizado, criando-se, paralelamente, condições atractivas para o seu acolhimento. A Autarquia tem apostado numa estratégia clara de selecção que permita a instalação de empresas que apresentem alguma solidez financeira e que permitam a criação de postos de trabalho qualificado e de quadros médios/superiores que premeiem a formação contínua dos seus trabalhadores, destacando-se, entre outras, empresas que estejam ligadas às novas tecnologias. Paralelamente e em conjunto com a VALIMAR, a Câmara Municipal irá desenvolver várias acções de promoção do concelho, com vista a potenciar investimentos empresariais no futuro, através da criação de um Centro de Negócios e Serviços Transfronteiriços CNST, através de uma candidatura no âmbito do INTERREG II A. A criação deste CNST e a necessária articulação com a Associação Empresarial de Ponte de Lima e com os Gabinetes de Apoio ao Investidor, perspectivam a promoção de elementos dinamizadores de referência para a coordenação de iniciativas transfronteiriças relacionadas com a actividade empresarial. Será um factor impulsionador do desenvolvimento, na medida em que irá promover a troca de experiências, o acesso à informação, à formação e criação de serviços de apoio às empresas em ambas as regiões, numa perspectiva organizacional necessária à existência de condições de maior atractividade para a fixação das empresas. Numa outra vertente e ao nível da promoção da actividade agro-pecuária, a obra do Mercado e Feira do Gado que terá início no próximo ano, sendo parcialmente financiada pelo INTERREG III A, vem colmatar a necessidade da existência de um equipamento com estas valências que sirva todo o concelho, Diagnóstico Social 13

14 dotando-o das condições de higiene e salubridade exigíveis ao seu funcionamento. Este equipamento deverá permitir, para além da realização das feiras quinzenais, o prolongamento dessa actividade fora da periodicidade normal, constituindo um verdadeiro mercado de gado, valorizando e promovendo as actividades económicas com ele relacionadas, características das zonas rurais. Esta acção, para além de se enquadrar nas estratégias de desenvolvimento definidas para o concelho, integra-se no Projecto de Valorização das Margens do Rio Lima. Foi formalizado junto do Ministério da Ciência e do Ensino Superior a intenção de se criar em Ponte de Lima um Centro de Ciência Viva. Este projecto prevê a criação de um espaço interactivo para o conhecimento, para a investigação e divulgação científica com base na temática Preservação do Ambiente/Mundo Rural, funcionando como plataformas de desenvolvimento regional cientifico, cultural e económico através da dinamização dos actores regionais mais activos nestas áreas. Pretende-se, de uma forma atractiva e com recurso às novas tecnologias (sistemas de informação geográfica, Internet, sistematização de base de dados, criação de modelos virtuais, etc.), dar a conhecer o passado e apontar caminhos futuros de desenvolvimento da actividade e preservação da paisagem agrícola, em consonância com as formas mais tradicionais de exemplificação de processos produtivos (permitindo aos visitantes observar/experimentar as práticas utilizadas, com especial incidência nos produtos de maior relevância local como, por exemplo, o vinho verde). Diagnóstico Social 14

15 Capítulo II EIXOS PRIORITÁRIOS DE INTERVENÇÃO EMPREGABILIDADE Diagnóstico Social 15

16 ENQUADRAMENTO - De 1991 para 2001, verificou-se um aumento pouco significativo da população activa e empregada do concelho, de para , que corresponde a 287 indivíduos. A sua distribuição por sectores de actividade revela uma diminuição substancial da população activa empregada no sector primário que corresponde aos aumentos verificados nos sectores secundário e terciário, continuando, no entanto, a verificar-se que é o sector secundário que emprega mais população. Estas alterações surgem num quadro de mutações sociais e económicas de ruptura da economia agrícola e do aparecimento de novas alternativas noutras áreas e sectores de actividade mais prósperos no concelho. - A população masculina representa 60% da população economicamente activa, contra 40% da população feminina. - A taxa de actividade manifestou também um aumento pouco significativo, de 0,4%, de 1991 para 2001, cuja incidência se verificou na população do sexo masculino, que apresentou um aumento de 1,8%, enquanto que na população do sexo feminino, diminuiu 1%. Constata-se uma maior fragilidade das mulheres no acesso ao emprego, na medida em que estas continuam a assumir, em larga medida, a assistência aos filhos, idosos e outros dependentes (a taxa de cobertura de amas e creches no concelho era de 6%, em 2001). Diagnóstico Social 16

17 - Os níveis de qualificações escolares e profissionais da população activa são ainda baixos, decorrentes não só da transição directa da mão de obra do sector primário para outros ramos e sectores de actividade, mas também porque muitos destes exigem poucas qualificações profissionais, para além da fraca participação na formação contínua. Daqui decorrem situações de empregos instáveis e precários, mal remunerados e consequentemente mais vulneráveis face ao desemprego e/ou reintegração profissional, factores produtores de situações de pobreza e instabilidade social. - Em dez anos, verificou-se um aumento da população sem actividade económica, constituída na sua maioria por pensionistas, pessoas incapacitadas para trabalhar, pessoas dependentes do subsídio de desemprego e outras dependentes de alguma forma de apoio social, que reflectem o peso sobre a população empregada. Estas situações ocorrem, muitas vezes, do desajustamento e desadequação entre a oferta e procura de trabalho. - De 1991 para 2001, a taxa de desemprego subiu 1,4%, ou seja, aumentou de 4,6% para 6%, com maior incidência na população feminina que registou uma subida de 3,4%. Em 2002, estavam inscritos no Centro de Emprego de Viana do Castelo, desempregados do Concelho de Ponte de Lima, sendo 67,3% mulheres, 88,8% desempregados à procura de novo emprego, 57,9% pertenciam ao grupo etário entre os 25 e 49 anos e 67,7% apresentavam um nível de escolaridade igual ou inferior a 6 anos. O peso dos desempregados de longa duração no desemprego total era de 26%. Constata-se que o desemprego afecta especialmente as mulheres, os jovens e indivíduos com baixas qualificações académicas. Diagnóstico Social 17

18 RECURSOS ACTIVADOS - Plano de Formação - Iniciativas Locais de Emprego - Programas Ocupacionais - Empresas de Inserção - PEPS Programa de Emprego e Protecção Social - Programa de Estimulo à Oferta de Emprego - Projectos Promovidos por Beneficiários das Prestações de Desemprego RECURSOS A ACTIVAR - Programas para Professores Desempregados RESPOSTAS/PARCEIROS - Centro de Emprego de Viana do Castelo - Associação Empresarial de Ponte de Lima/UNIVA - Associação Industrial do Minho - Câmara Municipal de Ponte de Lima - Juntas de Freguesia - Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural - Associação dos Jovens Agricultores do Minho - Instituições Privadas de Solidariedade Social e Sta. Casa da Misericórdia Diagnóstico Social 18

19 TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO - Promover condições de acesso à formação profissional; - Criar condições para facilitar o acesso ao emprego para os desempregados de longa duração; - Criar condições para facilitar o acesso ao emprego a pessoas em situação de exclusão social e mulheres; - Desenvolver uma estratégia de educação e formação ao longo da vida; - Promover os sistemas de reconhecimento, validação e certificação de competências adquiridas. PRIORIDADES - Criar condições para facilitar o acesso ao emprego para os desempregados de longa duração; - Criar condições para facilitar o acesso ao emprego para mulheres e pessoas em situação de exclusão social. IMPACTO - Diminuir o número de desempregados de longa duração; - Aumentar o número de empregos para mulheres e pessoas em situação de exclusão social. INDICADORES ESCOLARIDADE - Número de desempregados de longa duração, empregados; - Número de pessoas em situação de exclusão social e mulheres, empregadas. Diagnóstico Social 19

20 ENQUADRAMENTO - Em 2001, indivíduos, ou seja, 33% da população do concelho não possuía qualquer - Dos grau de indivíduos instrução com completo, qualificação com maior académica, incidência em 2001, na população , feminina, ou seja, 37,7%, 87,3%, contra tinham 27,7% atingido na um população dos três masculina. ciclos do ensino básico, como grau de instrução No completo, grupo sendo etário entre que 48% os 15 completaram e 29 anos, o abrangidos 1º ciclo, 35,8% pela completaram adopção da escolaridade o 2º ciclo e obrigatória, 16,2% completaram é reduzido o 3º o ciclo. número dos que completaram o 1º ciclo, correspondendo apenas Apenas a %. indivíduos, ou seja, 12,7% atingiram como grau de instrução completo, o ensino Constata-se secundário, que o médio número ou superior. de indivíduos sem qualificação profissional académica aumenta na proporção do grupo etário. - Constata-se que em todos os ciclos do ensino básico se verifica uma superioridade no número de homens em relação às mulheres, passando a inverter-se esta tendência, a partir do ensino secundário, em que as mulheres continuam o seu percurso académico e os homens optam pela inserção no mercado de trabalho, precocemente. - O 1º ciclo é o grau de instrução completo mais atingido em todos os grupos etários, com excepção dos grupos etários mais baixos, abrangidos pelo sucessivo alargamento da escolaridade obrigatória. Em consequência de um conjunto de factores de ordem económica e social, verifica-se que é também nos grupos etários mais baixos, entre os 20 e os 39 anos, que se encontra a maioria dos indivíduos com graus de instrução secundário, médio e superior completos. De facto, em 2001, acentua-se o fosso geracional no seio da população, entre um pólo juvenil mais escolarizado e mais propenso a uma formação continuada ao longo da vida e um pólo mais envelhecido, com uma escolarização rudimentar e manifestando Diagnóstico uma menor Social disposição em apostar em formação. 20

21 - Entre 1991 e 2001, registou-se uma ligeira redução da taxa de analfabetismo no Concelho de Ponte de Lima, em 2,3%. No momento censitário, o concelho ainda apresentava indivíduos analfabetos, que correspondem a uma taxa de analfabetismo de 12% e que permanecia maioritariamente feminina. - Em 2001, a taxa de abandono escolar era de 3,7%, encontrando-se um ponto percentual acima da taxa homóloga nacional. As taxas de saída antecipada e de saída precoce, eram de 41,3% e 63,1%, respectivamente, ou seja, 16,7 e 18,3 pontos percentuais acima das taxas homólogas nacionais. A conjugação de vários factores, alguns internos à escola como a inadequação dos currículos escolares e, outros externos, como a pertença a famílias disfuncionais, pertencentes a estratos socio-económicos baixos, conduzem a situações de insucesso, absentismo e, consequentemente ao abandono escolar precoce. - Constata-se uma elevada percentagem de saídas antecipadas nas escolas do concelho, ou seja, em cada 100 indivíduos entre os 18 e os 24 anos, 41 abandonaram a escola sem concluírem o ensino básico obrigatório. - Nos últimos dez anos (1994/2004), o número de matrículas tem vindo a baixar significativamente. No ensino básico esta redução está evidentemente relacionada com a redução da taxa de natalidade. Contudo, o reduzido número de alunos matriculados no ensino secundário reflecte uma óbvia realidade de saída precoce da escola, que atinge, no Concelho de Ponte de Lima, 63,1% dos indivíduos entre os 18 e os 24 anos, ou seja, em cada 100 indivíduos deste grupo etário, 63 não tinham completado o ensino Diagnóstico secundário Social e não se encontravam a frequentar a escola. 21

OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA

OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA M. A. P. Dinis Professora Auxiliar CIAGEB, Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal madinis@ufp.edu.pt RESUMO A gestão de

Leia mais

Será o Diagnóstico Social o instrumento de um bom plano, ao permitir uma

Será o Diagnóstico Social o instrumento de um bom plano, ao permitir uma Diagnóstico Social do Concelho de Ponte de Lima Apresentação A intervenção social em rede exige um referencial de leitura e interpretação dos problemas existentes, numa perspectiva analítica comum, geradora

Leia mais

Diagnóstico Social. Conselho Local de Acção Social de Ponte de Lima

Diagnóstico Social. Conselho Local de Acção Social de Ponte de Lima Diagnóstico Social Conselho Local de Acção Social de Ponte de Lima 2013 I ÍNDICE I INDICE... 2 II INTRODUÇÃO... 8 III METODOLOGIA... 11 IV ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO... 13 V CAPÍTULOS POR PROBLEMÁTICAS...

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 2 ÍNDICE NOTA PRÉVIA Enquadramento e contextualização geográfica e temporal 3 Percurso dos documentos estratégicos 3 Metodologias utilizadas

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO

Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO Melhorar a Comunicação entre as unidades orgânicas do Agrupamento de Arcozelo Manuel Fernandes de Amorim Agrupamento de Escolas

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005)

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005) V Articulação O PDS deve integrar orientações de outros programas a nível nacional, regional e localmente com os diversos planos, projectos, serviços e sectores específicos do Município, criando sinergias

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA ÍNDICE 1- DIAGNÓSTICO SÍNTESE: IDEIAS-CHAVE 1.1 - DINÂMICA POPULACIONAL 1.2 EDUCAÇÃO

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

CARTA DESPORTIVA DO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA

CARTA DESPORTIVA DO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA 1 ÍNDICE Nota Prévia... 1 Instalações Desportivas - Definição... 2 Instalações Desportivas de Base Recreativa... 2 Instalações Desportivas de Base Formativa... 3 Instalações Desportivas Especializadas

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

4. Visão e objectivos estratégicos

4. Visão e objectivos estratégicos A visão que se propõe para o futuro do Município da Sertã consubstancia-se em VENCER O FUTURO, CONSTRUINDO UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Esta visão, sustentada na contextualização sócio-económica e ambiental

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

E s t r u t u r a V e r d e

E s t r u t u r a V e r d e Estrutura Verde A. Introdução O conceito de Estrutura Verde insere-se numa estratégia de desenvolvimento sustentado, objecto fundamental das políticas do ordenamento do território. A Estrutura Verde é

Leia mais

R e l a t ó r i o d a c o n s u l ta p ú b l i c a. C o m o a p o i o d e :

R e l a t ó r i o d a c o n s u l ta p ú b l i c a. C o m o a p o i o d e : R e l a t ó r i o d a c o n s u l ta p ú b l i c a C o m o a p o i o d e : D e z e m b r o d e 2011 Página 2 de 50 Ficha Técnica E n t i d a d e s p r o m o t o r a s P r o j e t o c o - f i n a n c i

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Teatro com Teias e Histórias

Teatro com Teias e Histórias Teatro com Teias e Histórias 3 em Pipa Associação de Criação Teatral e Animação Cultural Organização de um grupo de voluntários que, integrados num projecto comunitário de vertente artística, actuam junto

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

INDICADORES TERRITORIAIS

INDICADORES TERRITORIAIS Nº de Freguesias: 24 INDICADORES TERRITORIAIS Tipologia das Freguesias (segundo a Tipologia de Áreas Urbanas): * Amares - Área Predominantemente Urbana * Barreiros - Área Medianamente Urbana * Besteiros

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

Estratégia Local de Desenvolvimento (ELD)

Estratégia Local de Desenvolvimento (ELD) (ELD) O diagnóstico realizado na fase precedente, aponta para um conjunto de fragilidades comuns aos espaços rurais do interior do país, nomeadamente o esvaziamento e envelhecimento da população; despovoamento

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide. Programa Rede Social.

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide. Programa Rede Social. Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide Programa Rede Social Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo de Vide (período 2006-2009) Julho de 2006 Projecto co-financiado pelo Fundo

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

RELAÇÃO DOS PROBLEMAS IDENTIFICADOS PELOS PARCEIROS SOCIAIS/ PRIORIDADES ESTABELECIDAS NO PNAI PRIORIDADES DO PNAI

RELAÇÃO DOS PROBLEMAS IDENTIFICADOS PELOS PARCEIROS SOCIAIS/ PRIORIDADES ESTABELECIDAS NO PNAI PRIORIDADES DO PNAI RELAÇÃO DOS PROBLEMAS IDENTIFICADOS PELOS PARCEIROS SOCIAIS/ PRIORIDADES ESTABELECIDAS NO PNAI PRIORIDADES DO PNAI Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que assegurem

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

DELIBERA(;AO. 3.1 - APOIOS FINANCEIROS E NAO FINANCEIROS As JUNTAS DE FREGUESIA. A Camara Municipal deliberou por maioria com seis votos a favor e

DELIBERA(;AO. 3.1 - APOIOS FINANCEIROS E NAO FINANCEIROS As JUNTAS DE FREGUESIA. A Camara Municipal deliberou por maioria com seis votos a favor e TERRA RICA DA HUMANIDADE DELIBERA(;AO 3.1 - APOIOS FINANCEIROS E NAO FINANCEIROS As JUNTAS DE FREGUESIA. A Camara Municipal deliberou por maioria com seis votos a favor e urn voto contra do Senhor Vereador

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social)

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) 1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) O estudo até aqui realizado mostra-nos que o concelho de Pinhel segue a mesma tendência do resto do País,

Leia mais

Diagnóstico do Território Análise SWOT

Diagnóstico do Território Análise SWOT Recursos Endógenos e Património Natural Condições edafo-climáticas adequadas para o incremento de determinado tipo de produções, nomeadamente, a vinha e a produção extensiva de carne; Região inserida na

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas Desenvolvimento Temático: São bem conhecidos os problemas com que

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL 1. TERRITORIAL 2. DEMOGRÁFICO 3. VIÁRIO Revisão do Plano Director Municipal de Vila Nova de Famalicão - II. Enquadramento Regional - DEZEMBRO 2004 1 Índice de Figuras Figura

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

O Turismo no Mundo Actual Uma Indústria Globalizante 28 37 4 abril 24 maio TOTAIS 114 152. Competências Sistematizar técnicometodológicas

O Turismo no Mundo Actual Uma Indústria Globalizante 28 37 4 abril 24 maio TOTAIS 114 152. Competências Sistematizar técnicometodológicas ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 11º ANO ANO 2014/2015 COMPONENTE DE FORMAÇÃO CIENTÍFICA 1- Elenco Modular Número Designação Duração

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 Índice Introdução Metodologia Pág. 1 I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 1. Caracterização Física e Administrativa 2. Património Histórico, Cultural e Natural do Concelho 2.1. Património

Leia mais

INTRODUÇÃO. Localização geográfica. Grande Lisboa. Grande Porto

INTRODUÇÃO. Localização geográfica. Grande Lisboa. Grande Porto INTRODUÇÃO presente trabalho pretende mostrar uma caracterização geral de duas sub-regiões de Portugal: as NUTE III (Numencleatura de Unidade Territorial Estatística) da Grande Lisboa e do Grande Porto,

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA Mestrado em Geografia, Esp. em Urbanização e Ordenamento do Território O planeamento urbano e o ordenamento territorial estratégico: O papel das politicas de

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Capital Humano Sara Estudante Relvas Posicionamento da Região Autónoma da Madeira no contexto nacional e europeu

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO A SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo

Leia mais

ENQUADRAMENTO OBJETIVOS ESTRATÉGIA

ENQUADRAMENTO OBJETIVOS ESTRATÉGIA PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA EMPREGABILIDADE - PAPE ENQUADRAMENTO OBJETIVOS ESTRATÉGIA PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA EMPREGABILIDADE - PAPE Enquadramento PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA EMPREGABILIDADE

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide

Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide Outubro 2010 Nota Introdutória O presente documento é uma adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide. No âmbito do Programa

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P i n h a l N o v o

Departamento de Administração e Desenvolvimento Organizacional Divisão de Recursos Humanos e Organização F r e g u e s i a d e P i n h a l N o v o Mapa 1. Freguesia de Pinhal Novo Área 54,4 km 2 Fonte: DGT, CAOP 213 População 25.3 habitantes 211 Fonte: CMP, DRHO-SIG População e Famílias Quadro 1. População residente 1991 21 211 Variação (%) 43.857

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO

PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO ANO ECONÓMICO DE 2010 GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO 2009 2013 É tempo de um novo mandato autárquico, resultante das eleições do passado

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»?

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? No actual cenário económico-financeiro do Mundo e do País, é obrigação de todas as entidades públicas, à sua escala, promoverem medidas de apoio às empresas e às famílias

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII.

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII. ÍNDICE Capitulo I A Rede Social em 3 Plano de Desenvolvimento Social 5 Capítulo II Metodologia 7 Capítulo III Diagnóstico da situação 10 Diagnóstico Social Síntese 21 Capítulo IV Definição de Estratégias

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais