Química Geral e Experimental II: Cinética Química. Prof. Fabrício Ronil Sensato

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Química Geral e Experimental II: Cinética Química. Prof. Fabrício Ronil Sensato"

Transcrição

1 Química Geral e Experimental II: Cinética Química Prof. Fabrício Ronil Sensato Resolução comentada de exercícios selecionados. Versão v2_2005

2 2 1) Para a reação em fase gasosa N 2 + 3H 2 2NH 3, 2) A decomposição, em fase gasosa, do N 2 O 3 em NO 2 e NO é de primeira ordem com k 1 = 3, s -1. Em uma reação na qual [N 2 O 3 ] inicial é 1,00 mol/l, quanto tempo levará para esta concentração reduzir-se a 0,125 mol/l? 3) Qual é a meia-vida de uma reação de primeira ordem para a qual k = 1, min -1? 4) A 310 o C a decomposição térmica da arsina ocorre de acordo com a equação 2AsH 3 (g) 2As(s) + 3H 2 (g); a essa temperatura foram obtidos os seguintes dados: Tempo, h 0,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 [AsH 3 ] mol/l 0,0216 0,0164 0,0151 0,0137 0,0126 0,0115 0,0105 (a) Qual é a ordem da reação? (b) Qual é a constante de velocidade? 5) Os seguintes dados foram obtidos para a decomposição na fase gasosa de dióxido de nitrogênio (NO 2 (g) NO(g) + ½ O 2 (g)) a 300 o C. Tempo (s) [NO 2 ] (mol/l) 0,0 0, ,50 0, ,0 0, ,0 0, ,0 0,00380 A reação é de primeira ou de segunda ordem em NO 2? 6) Para a reação A + B C foram obtidas as seguintes velocidades iniciais: Exp. [A] inicial (mol/l) [B] inicial (mol/l) Velocidade inicial mol -1 Ls ,245 0,128 1, ,490 0,128 2, ,735 0,256 8, Escreva a equação de velocidade da reação e calcule o valor da constante de velocidade, k.

3 3 7) A velocidade de composição do acetaldeído (CH 3 CHO) foi medida em função da temperatura entre K, e os correspondentes dados experimentais são apresentados abaixo. Determine o valor de E a e A. T (K) K (L mol -1 s -1 ) 0,011 0,035 0,105 0,343 0,789 2,17 20, ) Os dados na tabela referem-se à seguinte reação entre o NO e o O 2, a 660 K 2NO(g) + O 2 (g) 2NO 2 (g) Ensaio Concentração inicial dos reagentes (mol/l) Velocidade do desaparecimento de NO (mol/l s) [NO] [O 2 ] 1 0,010 0,010 2, ,020 0,010 1, ,010 0,020 5, (a) Determine a ordem de reação para cada um dos reagentes/ (b) Escreva a equação de velocidade da reação (c) Calcule a constante de velocidade. (d) Calcule a velocidade (em mol/l s) no instante em que [NO] = 0,015 mol/l e [O 2 } = 0,0050 mol/l. (e) No instante em que o NO está sendo consumido à velocidade de 1, mol/l s, qual a velocidade do consumo de O 2 e de formação de NO 2? 9) Uma amostra de rocha é encontrada e contém 2, g de urânio 238 e 2, g de chumbo 206. Se a meia-vida do urânio 238 é 4, anos, qual a idade da rocha?

4 4 1) Para a reação em fase gasosa N 2 + 3H 2 2NH 3, Para a equação química supracitada, a relação entre a taxa de consumo dos reagentes é: Assim, 2) A decomposição, em fase gasosa, do N 2 O 3 em NO 2 e NO é de primeira ordem com k 1 = 3, s -1. Em uma reação na qual [N 2 O 3 ] inicial é 1,00 mol/l, quanto tempo levará para esta concentração reduzir-se a 0,125 mol/l Para uma reação de primeira ordem, a concentração se relaciona com o tempo segundo a expressão: (1)

5 5 3) Qual é a meia-vida de uma reação de primeira ordem para a qual k = 1, min -1? A meia-vida, t 1/2, de uma reação é o intervalo de tempo necessário para a concentração de um reagente diminuir à metade do seu valor inicial. Para uma reação de primeira ordem: 4) A 310 o C a decomposição térmica da arsina ocorre de acordo com a equação 2AsH 3 (g) 2As(s) + 3H 2 (g); a essa temperatura foram obtidos os seguintes dados: Tempo, h 0,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 [AsH 3 ] mol/l 0,0216 0,0164 0,0151 0,0137 0,0126 0,0115 0,0105 (a) Qual é a ordem da reação? (b) Qual é a constante de velocidade? Resolução É necessário verificar se os dados coletados experimentalmente correspondem a uma relação concentração-tempo de primeira ou de segunda ordem. A lei de velocidade integrada revela que para uma reação de primeira ordem, a dependência concentraçãotempo é dada por enquanto para uma reação de segunda ordem, tal relação assume a seguinte igualdade: (1) (2) Ambas as relação (1 e 2) devem ser testadas. A Eq. 1 releva que para uma reação de primeira ordem, um gráfico de ln[a] em função de t deve ser uma reta, cujo coeficiente angular pode ser identificado com a constante de velocidade k. Assim, se um gráfico de ln[ash 3 ] contra o t resultar em uma reta, significa que a reação proposta segue um regime de primeira ordem, pois este tipo de gráfico resultará em uma reta somente para reações de primeira ordem. A Tabela 1, sumaria os valores de [AsH 3 ], t e ln([ash 3 ])

6 6 Tabela 1. Dados para o teste de reação de primeira ordem Tempo, h [AsH 3 ] mol/l ln([ash 3 ]) 0,0 0,0216-3,8351 3,0 0,0164-4,1105 4,0 0,0151-4,1931 5,0 0,0137-4,2904 6,0 0,0126-4,3741 7,0 0,0115-4,4654 8,0 0,0105-4,5564 O correspondente gráfico de ln([ash 3 ]) contra t é mostrado na Figura 1. ln([ash3]) mol/l -3,7-3,8-3,9-4,0-4,1-4,2-4,3-4,4-4,5-4,6 y = -0,0899x - 3,8367 R 2 = 0,9999 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 Tempo, t Figura 1. Teste de regime de primeira ordem para a reação 2AsH 3 (g) 2As(s) + 3H 2 (g). A dependência linear de ln([ash 3 ]) com o tempo revela que a reação de decomposição do AsH 3 segue um regime de primeira ordem. O valor de k pode ser identificado com o negativo do coeficiente angular, o qual é -0,0899 h -1. Assim, a constante de velocidade, k, é igual a 9, h -1.

7 7 5) Os seguintes dados foram obtidos para a decomposição na fase gasosa de dióxido de nitrogênio (NO 2 (g) NO(g) + ½ O 2 (g)) a 300 o C. Tempo (s) [NO 2 ] (mol/l) 0,0 0, ,50 0, ,0 0, ,0 0, ,0 0,00380 A reação é de primeira ou de segunda ordem em NO 2? A lei de velocidade integrada para uma reação de primeira ordem em NO 2 é enquanto a lei de velocidade integrada para uma reação de segunda ordem é: Se um gráfico de ln[no 2 ] contra o tempo resultar em uma reta, a reação é de primeira ordem em A. Por outro lado, um gráfico de 1/[NO 2 ] contra o tempo deve resultar em uma reta se a reação for de segunda ordem em A. Assim, para verificar se a reação é de primeira ou de segunda ordem em NO 2, deve-se graficar ln[no 2 ] e 1/[NO 2 ] contra o tempo. Os dados são sumariados na Tabela 1 Tabela 1. Dados para a verificação da ordem da reação em relação a concentração de NO 2 Tempo, h [NO 2 ] mol/l ln[no 2 ] 1/[NO 2 ] 0,0 0, , ,0 0, , ,0 0, , ,0 0, , ,0 0, , Os correspondentes gráficos são mostrados na Figura 1.

8 8 ln[no2] -4,6000-4,8000 (a) -5,0000-5,2000 R 2 = 0,9824-5,4000-5, Tempo (h) 1/[NO2] y = 0,5431x + 99,833 R 2 = Tempo (h) (b) Figura 1. Teste de ordem de reação com respeito à concentração de NO 2 : (a) teste de primeira ordem e (b) teste de segunda ordem. Observa-se na Figura 1a que o gráfico de ln[no 2 ] contra o tempo não resulta em uma reta e, portanto, os dados experimentais coletados não se ajustam a lei de velocidade integrada para uma reação de primeira ordem em NO 2. Por outro lado, o gráfico de 1/[NO 2 ] contra o tempo (Figura 1a) resulta em uma reta e, portanto, revela que a reação de decomposição do NO 2 é de segunda ordem. A velocidade da reação é, então, igual a k[no 2 ] 2. Ainda, pode-se determinar o valor da constante de velocidade, k, para o processo reconhecendo-se que este é numericamente igual ao coeficiente angular da reta mostrada da Figura 1b. Assim, k = 0,543 mol -1 Ls -1 6) Para a reação A + B C foram obtidas as seguintes velocidades iniciais: Ensaio [A] inicial (mol/l) [B] inicial (mol/l) Velocidade inicial moll -1 s ,245 0,128 1, ,490 0,128 2, ,735 0,256 8, Escreva a equação de velocidade da reação e calcule o valor da constante de velocidade, k. A equação de velocidade para reação entre A e B é, genericamente, descrita como velocidade = k[a] m [B] n k é a constante de velocidade e m e n é a ordem da reação em relação à espécie A e B, respectivamente. Os valores de k, m e n devem ser determinados. Quando se inspeciona os ensaios 1 e 2 observa-se que quando a concentração de A é dobrada (mantendo a concentração de B constante, 0,128 mol/l) a velocidade inicial da reação também o é. Isto revela que a velocidade da reação é proporcional à concentração da espécie A e, portanto, m = 1 (reação de primeira ordem em relação à espécie A). Para determinar a ordem da reação em relação a B é conveniente comparar a efeito da alteração da concentração de B quando a concentração de A for constante. Os ensaios supracitados, todavia, não contemplam explicitamente tal condição. Entretanto, como já se sabe que a velocidade da reação é proporcional à concentração de A (uma

9 9 vez que a reação é de primeira ordem em relação a A), pode-se prever que para a situação em que [A] fosse igual a 0,735 mol/l e [B] igual a 0,128 mol/l a velocidade da reação seria 3 1, mol L -1 s -1 (já que 0,735/0,245 = 3) e, portanto, 4, mol L -1 s -1. Esta situação ([A] = 0,735 mol/l; [B] = 0,128 mol/l; velocidade inicial = 4, mol L -1 s -1 ) deve, então, ser comparada com o ensaio 3 ([A] = 0,735 mol/l; [B] = 0,256 mol/l; velocidade inicial = 8, mol L -1 s -1 ). Verifica-se que quando a concentração de B é dobrada (de 0,128 mol/l para 0,256 mol/l) mantendo-se a concentração de A constante (0,735 mol/l) a velocidade é dobrada (de 4, mol L -1 s -1 para 8, mol L -1 s -1 ). Isto significa que a velocidade da reação é também proporcional à concentração de B e, portanto, de primeira ordem em relação a B, n = 1. Como conseqüência, a equação de velocidade, torna-se: velocidade = k[a] 1 [B] 1 velocidade = k[a][b] O valor de k pode ser determinado substituindo-se os valores de k, [A] e [B] de um dado ensaio (1, 2 ou 3) na equação de velocidade. Considerando, por exemplo, os dados coletados no ensaio 1, tem-se: velocidade = k[a][b] 1, mol L -1 s -1 = k 0,245 mol/l 0,128 mol/l k = 4, mol L s -1 7) A velocidade de composição do acetaldeído (CH 3 CHO) foi medida em função da temperatura entre K, e os correspondentes dados experimentais são apresentados abaixo. Determine o valor de E a. T (K) K (L mol -1 s -1 ) 0,011 0,035 0,105 0,343 0,789 2,17 20,0 145 Para muitas reações químicas, a constante de velocidade se relaciona com a temperatura através da equação de Arrhenius. Assim, um gráfico de ln k contra 1/T resulta em uma reta com coeficiente angular negativo dado por (-E a /R). Desta maneira, pode-se determinar a energia de ativação, E a, partir dos valores experimentais de k obtidos a várias temperaturas. Os correspondentes valores de ln k e 1/T são sumariados na Tabela 1.

10 10 Tabela 1. Determinação da energia de ativação para a decomposição do acetaldeído k T ln k 1/T (L/mol s) (K) 0, ,51 0, , ,35 0, , ,25 0, , ,07 0, , ,237 0, , ,775 0, ,00 0, ,98 0,00100 O gráfico apresentado da Figura 1 mostra os valores de ln k em função de 1/T. O coeficiente angular da reta pode ser reconhecido como o valor de E a /R. Para determiná-lo pode-se elege dois pontos da reta obtida e, então, calcular ln k / (1/T). ln k y = x + 27,707 R 2 = 0,9986 0, , , , , , /T (/K) Figura 1. Gráfico de ln k contra 1/T para a decomposição do acetaldeído. Setas indicam os pontos considerados para a determinação do coeficiente angular da reta. Por exemplo, considerando-se os pontos (0,775; 0,00119) e (-3,35; 0,00137) (em destaque na Figura 1), tem-se que: Este valor pode, então, ser identificado com E a /R: -E a /R = -2, K -E a /8,3145 J K -1 mol -1 = -2, K Ea = 8,3145 J K -1 mol -1 2, K 190 kj mol -1 Nota: Um valor mais exato para E a seria obtido calculando-se a equação da reta via correlação linear, conforme equação mostrada no canto superior direito da Figura 1.

11 11 8) Os dados na tabela referem-se à seguinte reação entre o NO e o O 2, a 660 K. 2NO(g) + O 2 (g) 2NO 2 (g) Ensaio Concentração inicial dos reagentes (mol/l) Velocidade do desaparecimento de NO (mol/l s) [NO] [O 2 ] 1 0,010 0,010 2, ,020 0,010 1, ,010 0,020 5, (a) Determine a ordem de reação para cada um dos reagentes/ (b) Escreva a equação de velocidade da reação (c) Calcule a constante de velocidade. (d) Calcule a velocidade (em mol/l s) no instante em que [NO] = 0,015 mol/l e [O 2 } = 0,0050 mol/l. (e) No instante em que o NO está sendo consumido à velocidade de 1, mol/l s, qual a velocidade do consumo de O 2 e de formação de NO 2? O enunciado do problema faz referência à velocidade de desaparecimento do NO (ver Tabela no enunciando do problema). As velocidades de desaparecimento de NO e O 2, bem como a da formação de NO 2, estão relacionadas com a velocidade da reação segundo a igualdade: Isto significa que a velocidade da reação não é igual à velocidade de desaparecimento de NO. A velocidade da reação é, segundo a igualdade supracitada, metade da velocidade de desaparecimento de NO. Assim, as velocidades das reações correspondentes aos ensaios 1, 2 e 3 são, v1 = 1, mol/l s, v2 = 0, mol/l s e v3 = 2, mol/l s, respectivamente. (a) Comparando-se os dados coletados nos ensaios 1 e 2, constata-se que quando a concentração do NO é dobrada (de 0,010 para 0,020 mol/l), mantendo-se a concentração de O 2 constante (0,010 mol/l), a velocidade da reação quatriplica (de 1, a 0, mol/l s). Isto revela que a velocidade depende de forma exponencial com a concentração por um expoente de 2. Assim, a ordem da reação em relação ao NO é 2. Uma maneira alternativa de se determinar a ordem de reação em relação à concentração de NO é utilizando a equação de velocidade da reação (ainda não conhecida) da seguinte forma: A forma genérica da equação de velocidade para a reação é: velocidade = k [NO] n [O 2 ] m (1) Substituindo os dados coletados para os experimentos 1 e 2, na Equação 1, tem-se: Para o ensaio 1: 1, = k (0,010 mol/l) n (0,010 mol/l) m Para o ensaio 2

12 12 0, = k (0,020 mol/l) n (0,010 mol/l) m Dividindo-se membro a membro, obtém-se: 0,25 = (0,5) n Aplicando-se o logaritmo em ambos os membros, tem-se: log 0,25 = log (0,5) n log 0,25 = nlog 0,5 n = log 0,25/log 0,5 n = 2 Para determinar a ordem de reação com respeito ao O 2, basta comparar os dados referentes aos ensaios 1 e 3. Observa-se que quando a concentração de O 2 é dobrada (de 0,010 para 0,020 mol/l), mantendo-se a concentração de NO constante (0,010 mol/l). a velocidade da reação também duplica (de 2, para 5, mol/l s). Isto significa que a velocidade da reação é proporcional à concentração de O 2 e, portanto, de primeira ordem em relação a O 2. (b) A equação de velocidade da reação é, portanto, velocidade = k [NO] 2 [O 2 ] (c) Para determinar a constante de velocidade, k, pode-se substituir os dados de qualquer ensaio (1, 2 ou 3) na equação de velocidade da reação. Entretanto, deve-se Considerando, por exemplo, os dados do ensaio 2 e substituindo-os na equação de velocidade da reação, tem-se: velocidade = k [NO] 2 [O 2 ] 0, mol/l s = k (0,020 mol/l) 2 (0,010 mol/l) k = 12,5 L 2 /mol 2 s d) Para calcular a velocidade quando [NO] = 0,015 mol/l e [O 2 ] = 0,0050 mol/l, basta substituir estas concentrações da equação de velocidade da reação: velocidade = k [NO] 2 [O 2 ] velocidade = 12,5 L 2 /mol 2 s (0,015 mol/l) 2 (0,0050 mol/l) velocidade = 1, mol/l s e) Como considerado previamente, a velocidade da reação química se relaciona com a velocidade de consumo de reagentes e formação de produtos segundo a igualdade: Assim, observa-se que a velocidade de consumo de O 2 é (em qualquer instante) metade da velocidade de consumo de NO e, portanto, igual a (1, mol/l s)/2 ou 0, mol/l s. Segundo a mesma igualdade, a velocidade de consumo de NO é igual à velocidade de formação de NO 2. Assim, quando a velocidade de consumo de NO for a de 1, mol/l s, o NO 2 será formado nesta mesma velocidade.

13 13 9) Uma amostra de rocha é encontrada e contém 2, g de urânio 238 e 2, g de chumbo 206. Se a meia-vida do urânio 238 é 4, anos, qual a idade da rocha? O decaimento espontâneo dos núcleos radioativos constitui um processo de primeira ordem: o número de desintegrações por segundo é proporcional ao número de núcleos presentes. Assim, as velocidades de decaimento de certos núcleos podem ser exploradas para a datação de minerais,, fósseis, relíquias antigas, etc. Os métodos baseados no decaimento urânio-chumbo proporcionam testes consistentes e valiosos para datação. Neste caso, o número de átomos de chumbo (o produto estável final) é essencialmente igual ao número de átomos de urânio que se desintegrou. Conhecendo-se a meia vida do urânio 238 (4, anos), a idade das rochas pode ser calculado do número de átomos de urânio presentes em relação ao número original. A lei de primeira ordem para o decaimento radioativo pode ser escrita como: em que N, nesse caso, é o número de núcleos pais (urânio 238) no tempo t e N 0 é o número a t = 0, ou seja, N 0 é a quantidade de urânio 238 presente na formação da rocha e N é a quantidade de urânio atual, remanescente. Assim, faz-se necessário calcular a quantidade inicial de urânio 238 na amostra (N 0 ). N 0 é igual ao urânio 238 remanescente, N, mais o urânio que se desintegrou (se converteu) em chumbo 206. Considerando seus números de massas, constata-se que 238 g de urânio se convertem em 206 gramas de chumbo. Assim, a massa de urânio que se converteu em chumbo é: A massa inicial de urânio é, portanto, 2, g (massa de urânio remanescente) + 2, g (massa de urânio que se converteu em chumbo) = 2, g. Assim, pode-se identificar N com 2, g e N 0 com 2, g (embora N e N 0 estejam rigorosamente associados à quantidade, ambos podem ser considerados em termos de massas uma vez que N e N 0 correspondem ao mesmo elemento (urânio 238) e, portanto, suas massas e correspondentes quantidades são proporcionais). Entretanto, para avaliar t usando a Eq. 1, é necessário conhecer o valor da constante de velocidade, k, do processo de decaimento. Tal grandeza pode ser calculada através da meia-vida do urânio 238. Para um regime de primeira ordem, tem-se que: Substituindo o valor de k em (1), tem-se

14 t = 8, anos. 14

Cinética Química. c) A opção (C) está correta. B 3+ e B 4+ não aparecem na reação global, portanto, são intermediários da reação.

Cinética Química. c) A opção (C) está correta. B 3+ e B 4+ não aparecem na reação global, portanto, são intermediários da reação. Capítulo 6 Cinética Química 1. (ITA) Considere o seguinte mecanismo de reação genérica: A 4+ + B 2+ A 3+ + B 3+ (etapa lenta) A 4+ + B 3+ A 3+ + B 4+ (etapa rápida) C + + B 4+ C 3+ + B 2+ (etapa rápida)

Leia mais

7- Lista de exercícios Cinética

7- Lista de exercícios Cinética 7- Lista de exercícios Cinética 1) Para cada uma das seguintes reações em fase gasosa, indique como a velocidade de desaparecimento de cada reagente está relacionada à velocidade de aparecimento de cada

Leia mais

ATIVIDADES SOBRE LEIS DE VELOCIDADE CINÉTICA

ATIVIDADES SOBRE LEIS DE VELOCIDADE CINÉTICA ATIVIDADES SOBRE LEIS DE VELOCIDADE CINÉTICA Camilo Andrea Angelucci META Compreender os conceitos relacionados as leis de velocidade e seus modelos matematicos. compreender as aplicações conjuntas dessas

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ. Imagens de Rorschach

CQ110 : Princípios de FQ. Imagens de Rorschach Imagens de Rorschach 1 Leis de velocidade Velocidade de uma reação química: Variação de reagentes / produtos em função do tempo: a A+ b B produtos v = k [A] x [B] y Lei de velocidade k: constante de velocidade

Leia mais

Físico-química Farmácia 2014/02

Físico-química Farmácia 2014/02 Físico-química Farmácia 2014/02 1 Decomposição Química Cinética de decomposição Lei de velocidade Ordem de reação Tempo de meia vida e prazo de validade Fatores que influenciam a estabilidade Equação de

Leia mais

Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico Resolução comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R.

Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico Resolução comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R. Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R. Sensato 1) A constante de equilíbrio K c da reação: H 2 (g) + Cl 2 (g)

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. CINÉTICA QUÍMICA Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Cinética Química Lei de Velocidade Integrada Mostra a variação das concentrações

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados;

2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados; CINÉTICA QUÍMICA 1. Trata das velocidades das reações; 2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados; 3. A dependência da velocidade; 4. Estudo do mecanismo de reação.

Leia mais

VELOCIDADES DE REAÇÕES QUÍMICAS (I)

VELOCIDADES DE REAÇÕES QUÍMICAS (I) VELOCIDADES DE REAÇÕES QUÍMICAS (I) INFORMAÇÃO A velocidade de uma reação química depende da rapidez com que um reagente é consumido, isto é, a taxa de consumo, ou alternativamente, como sendo a rapidez

Leia mais

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Cinética Química

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Cinética Química Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Cinética Química Cinética Química É a área da química que está preocupada com a velocidade das reações químicas.

Leia mais

MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF

MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF Parte da química que estuda a rapidez das reações Este estudo é importante para o nosso dia-a-dia, pois

Leia mais

Cinética Química II. Cinética Química II Monitor: Gabriel dos Passos 14 e 15/05/2014. Material de apoio para Monitoria

Cinética Química II. Cinética Química II Monitor: Gabriel dos Passos 14 e 15/05/2014. Material de apoio para Monitoria 1. (IME-02) Considere a seguinte reação: 2A+B C A partir dos dados fornecidos na tabela abaixo, calcule a constante de velocidade da reação e o valor da concentração X. Considere que as ordens de reação

Leia mais

Neste caso, diz-se que a reação é de primeira ordem, e a equação pode ser resolvida conforme segue abaixo:

Neste caso, diz-se que a reação é de primeira ordem, e a equação pode ser resolvida conforme segue abaixo: 1. Introdução Cinética Química A termodinâmica indica a direção e a extensão de uma transformação química, porém não indica como, nem a que velocidade, uma reação acontece. A velocidade de uma reação deve

Leia mais

PAG Química Cinética 1.

PAG Química Cinética 1. 1. 2. 3. errata: a reação é em mais de uma etapa, os gráficos devem apresentar pelo menos duas!! 4. 5. Explique se cada uma das alternativas abaixo é correta ou não, para reações químicas que ocorrem

Leia mais

LEIA ANTES DE INICIAR AS ATIVIDADES

LEIA ANTES DE INICIAR AS ATIVIDADES LEIA ANTES DE INICIAR AS ATIVIDADES As atividades aqui propostas para auxiliar na compreensão dos assuntos discutidos em classe (Cinética Química e Termodinâmica) são traduções/adaptações feitas do texto

Leia mais

Físico-Química Experimental Exp. 10. Cinética Química

Físico-Química Experimental Exp. 10. Cinética Química Cinética Química 1. Introdução Cinética química é o estudo da progressão das reações químicas, o que determina suas velocidades e como controlá-las. Ao estudar a termodinâmica de uma reação, leva-se em

Leia mais

Cinética. Módulo I - Físico Química Avançada. Profa. Kisla P. F. Siqueira

Cinética. Módulo I - Físico Química Avançada. Profa. Kisla P. F. Siqueira Cinética Módulo I - Físico Química vançada Profa. Introdução Estudo das velocidades das reações químicas; Velocidade em função das concentrações das espécies presentes; Leis de velocidade: equações diferenciais;

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/11/13

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/11/13 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 9//3 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = H - TS G = - n F E G = G o + ln Q ΔE ΔE lnq nf kt Questão Valor Grau Revisão kt a,5 a,5 3 a,5 4 a,5

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 19/11/11

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 19/11/11 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 19/11/11 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados gerais: G = - n F E G = G o + RT ln Q F = 96500

Leia mais

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos 1. Conceitue colisão efetiva, colisão não-efetiva, energia de ativação e complexo

Leia mais

Fabio Rodrigo da Costa Dias. 2. Velocidade média e instantânea das Reações Químicas

Fabio Rodrigo da Costa Dias. 2. Velocidade média e instantânea das Reações Químicas Cinética Química Fabio Rodrigo da Costa Dias 1. Introdução Cinética química é a área da química responsável pelo estudo das velocidades das reações químicas, bem como dos fatores que influenciam nessas

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30/06/12

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30/06/12 P4 - POVA DE QUÍMICA GEAL 30/06/ Nome: Nº de Matrícula: GABAITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau evisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 Constantes e equações: 73,5 K = 0 C = 0,08 atm L mol - K - = 8,345

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. CINÉTICA QUÍMICA Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Estudo da velocidade das reações químicas. REAGENTES PRODUTOS Termodinâmica Estado

Leia mais

Faculdade de Educação, Ciências e Letras dos Inhamuns FECLIN Coordenação de Química Disciplina Química Geral II Professor: NOTA DE AULA

Faculdade de Educação, Ciências e Letras dos Inhamuns FECLIN Coordenação de Química Disciplina Química Geral II Professor: NOTA DE AULA Faculdade de Educação, Ciências e Letras dos Inhamuns FECLIN Coordenação de Química Disciplina Química Geral II Professor: NOTA DE AULA CINETICA QUÍMICA Velocidade média de uma reação Ex.1. Um balão contendo

Leia mais

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação.

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação. Setor 3306 Aula 20 Lei da velocidade das reações Complemento. As reações químicas podem ocorrer nas mais diferentes velocidades. Existem reações tão lentas que levam milhares de anos para ocorrer, como

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Obs.: a variação da quantidade deverá ser sempre um valor positivo, então ela deverá ser em módulo. 1.

CINÉTICA QUÍMICA. Obs.: a variação da quantidade deverá ser sempre um valor positivo, então ela deverá ser em módulo. 1. CINÉTICA QUÍMICA 1. Introdução O Conhecimento e o estudo da velocidade das reações, além de ser muito importante em termos industriais, também está relacionado ao nosso dia-adia, verificamos que há algumas

Leia mais

Cinética Química. Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 14, 15, 16 e 18/07/2015. Material de Apoio para Monitoria

Cinética Química. Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 14, 15, 16 e 18/07/2015. Material de Apoio para Monitoria Cinética 1. (PUCMG -2004) A amônia (NH3) é uma substância química muito importante para a indústria. Ela é utilizada na preparação dos produtos de limpeza, dos explosivos, dos fertilizantes, das fibras

Leia mais

Cinética Química 17/04/17. V m h. Prof. Xuxu. Velocidade das reações químicas. Velocidade das reações químicas. Velocidade Média. Hora da saída: 11:45

Cinética Química 17/04/17. V m h. Prof. Xuxu. Velocidade das reações químicas. Velocidade das reações químicas. Velocidade Média. Hora da saída: 11:45 Seja Bem-indo a Goiânia elocidade Média Cinética Química Hora da saída: 11:45 Δd 40km m 40 km Δt 1h h Distância Hidrolândia: 40 km Seja Bem-indo a Hidrolândia Prof. Xuxu Hora da chegada: 12:45 elocidade

Leia mais

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins Cinética Química Mestrado integrado em Engenharia Biológica Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10 Professsora Ana Margarida Martins Usamos atermodinâmica para saber se uma reacção é favorecida no

Leia mais

Aluno(a): COMENTADA. Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016

Aluno(a): COMENTADA. Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016 QUÍMICA AVALIAÇÃO CLAUDI / SARA III UNIDADE Aluno(a): COMENTADA Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016 1. A prova é composta de 07 questões abertas e 03 questões objetivas. 2.

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. CINÉTICA QUÍMICA Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Estudo da velocidade das reações químicas. REAGENTES PRODUTOS Cinética Tempo necessário

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação CINÉTICA QUÍMICA 1 1. Conceito de velocidade de reação Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições e quais os mecanismos de desenvolvimento

Leia mais

ocorridas na concentração dos participantes das reações em função do tempo:

ocorridas na concentração dos participantes das reações em função do tempo: CINÉTICA QUÍMICA Fala Gás Nobre! Preparado para reagir? Então vamos para mais um resumo de química! Você já parou pra pensar, que a velocidade com que as reações químicas acontecem, podem estar relacionadas

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA.

ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA. ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA. Glauber Silva Godoi Aula 14 META Desenvolver no aluno a capacidade de extrair informações quanto aos parâmetros cinéticos de uma reação a partir

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 05/12/12

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 05/12/12 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 05/12/12 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e equações: 273,15 K = 0 C R = 0,0821

Leia mais

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam.

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam. Cinética Química...? Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciência e Tecnologia groalimentar Profª Roberlucia Candeia Disciplina: Química geral É o estudo da velocidade das reações químicas

Leia mais

Velocidade inicial (mol L -1 s -1 ) 1 0,0250 0,0250 6,80 x ,0250 0,0500 1,37 x ,0500 0,0500 2,72 x 10-4.

Velocidade inicial (mol L -1 s -1 ) 1 0,0250 0,0250 6,80 x ,0250 0,0500 1,37 x ,0500 0,0500 2,72 x 10-4. P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 31/05/14 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = - n F E G = G o + RT Q ΔE RT ΔE nf Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0

Leia mais

cas AULA 5 es Quími rmaçõ o sfo Tr C0307

cas AULA 5 es Quími rmaçõ o sfo Tr C0307 BC0307 Transfo ormaçõe es Químicas AULA 5 - Combustíveis (Termodinâmica x Cinética); - Por que uma reação ocorre? - Qual a velocidade d da reação? - Cinética: leis de velocidade, ordem de reação e sua

Leia mais

LINEARIZAÇÃO DE GRÁFICOS

LINEARIZAÇÃO DE GRÁFICOS LINEARIZAÇÃO DE GRÁFICOS Física Básica Experimental I Departamento de Física / UFPR Processo de Linearização de Gráficos O que é linearização? procedimento para tornar uma curva que não é uma reta em uma

Leia mais

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Cinética Química Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Fatores que afetam a velocidade da reação: Concentração dos reagentes.

Leia mais

META Compreender os conceitos relacionado a lei de arrhenius e seus modelos matematicos. Compreender as aplicações catálise e seus fundamentos.

META Compreender os conceitos relacionado a lei de arrhenius e seus modelos matematicos. Compreender as aplicações catálise e seus fundamentos. ATIVIDADS SOBR LI D ARHHNIUS CATÁLIS Aula 7 MTA Compreender os conceitos relacionado a lei de arrhenius e seus modelos matematicos. Compreender as aplicações catálise e seus fundamentos. OBJTIVOS Ao fi

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 O QUE É CINÉTICA QUÍMICA? É a área da química que estuda a velocidade das reações

Leia mais

RC1- A reação abaixo foi feta num reator batelada, obtendo-se os dados da tabela abaixo: 2 N 2 O 4 + O 2

RC1- A reação abaixo foi feta num reator batelada, obtendo-se os dados da tabela abaixo: 2 N 2 O 4 + O 2 33 - Exercícios resolvidos -cinética - reação abaixo foi feta num reator batelada, obtendo-se os dados da tabela abaixo: N O 5 N O + O Ela pode ser de primeira ou segunda ordem alcule a energia de ativação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E.E. ARACY EUDOCIAK

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E.E. ARACY EUDOCIAK Conteúdo 14 Cinética Química CINÉTICA QUÍMICA É à parte da química que estuda a maior ou menor rapidez com que uma reação química ocorre e os fatores que a influenciam. Este estudo é importante para o

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 8/11/09 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão Dados gerais: 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 G o = H o - T S o G = - n F E o RT E =

Leia mais

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 14 CINÉTICA QUÍMICA: LEI DA VELOCIDADE

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 14 CINÉTICA QUÍMICA: LEI DA VELOCIDADE QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 14 CINÉTICA QUÍMICA: LEI DA VELOCIDADE V V [ A ] [ B ] Como pode cair no enem Considerem-se a reação A + B C e as informações contidas no quadro abaixo: Experimentos [A] (mol/l)

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 6/06/ Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = H - TS G= - n F E G = G o + RT ln Q ΔE ΔE [A] [A] 0 Questão Valor Grau Revisão kt a,5 a,5 3 a,5

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS CINÉTICOS DA REAÇÃO DE DECOMPOSIÇÃO DO PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO.

DETERMINAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS CINÉTICOS DA REAÇÃO DE DECOMPOSIÇÃO DO PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO. DETERMINAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS CINÉTICOS DA REAÇÃO DE DECOMPOSIÇÃO DO PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO. Glauber Silva Godoi Aula 13 META Desenvolver no aluno a capacidade de extrair informações quanto aos parâmetros

Leia mais

Qui. Allan Rodrigues (Gabriel Pereira) (Renan Micha)

Qui. Allan Rodrigues (Gabriel Pereira) (Renan Micha) Semana 18 Allan Rodrigues (Gabriel Pereira) (Renan Micha) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados.

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/06/07

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/06/07 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 8/06/07 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão Dados gerais: G = - n F E o a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 RT ΔE = ΔE lnq nf G = G o +

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO. Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação. Sabemos que:

DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO. Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação. Sabemos que: Química 3 ano Décio fev/08 2 DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação Sabemos que: Quanto maior o número de choques entre as partículas

Leia mais

Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica

Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica 1) A entalpia da reação (I) não pode ser medida diretamente em um calorímetro porque a reação de carbono com excesso

Leia mais

Copyright McGraw-Interamericana de España. Autorização necessária para reprodução ou utilização. Cinética Química

Copyright McGraw-Interamericana de España. Autorização necessária para reprodução ou utilização. Cinética Química Capítulo 3 Cinética Química Velocidade de Uma Reacção Lei de Velocidades Relação Entre a Concentração de Reagente e o Tempo Energia de Activação e Dependência das Constantes de Velocidade com a Temperatura

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Cinética química David P. White Fatores que afetam a velocidade de reações A cinética é o estudo da velocidade na qual as reações químicas ocorrem. Existem quatro fatores

Leia mais

Cinética Química. Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade.

Cinética Química. Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade. Cinética Química IV Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade. Mecanismos reacionais. Catálise. Cinética Química Cinética Química é a

Leia mais

as concentrações dos reagentes, a temperatura na qual a reação ocorre e a presença de um catalisador.

as concentrações dos reagentes, a temperatura na qual a reação ocorre e a presença de um catalisador. CINÉTICA QUÍMICA A cinética é o estudo da velocidade na qual as reações químicas ocorrem. Existem quatro fatores importantes que afetam as velocidades das reações: o estado físico do reagente, as concentrações

Leia mais

Vm A = [A] t. Vm B = [B] t. Vm C = [C] t. Vm = Vm A = Vm B = Vm C a b c. 1

Vm A = [A] t. Vm B = [B] t. Vm C = [C] t. Vm = Vm A = Vm B = Vm C a b c.  1 I. INTRODUÇÃO É à parte da química que estuda a maior ou menor rapidez com que uma reação química ocorre e os fatores que a influenciam. Este estudo é importante para o nosso dia-a-dia, pois explica alguns

Leia mais

1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s. Reação: A B

1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s. Reação: A B Físico-Química Prof. José Ginaldo Silva Jr. Lista de Exercícios de Cinética Química 1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s.

Leia mais

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08 P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/1/08 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,314

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05.

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e Fatores de Conversão R = 8,314

Leia mais

A B EQUILÍBRIO QUÍMICO. H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl. % Ach

A B EQUILÍBRIO QUÍMICO. H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl. % Ach A B EQUILÍBRIO QUÍMICO H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl!. % % Ach. Ac 1 Equilíbrio Químico - Reversibilidade de reações químicas A B Exemplo: N 2 (g) + 3H 2 (g) 2NH 3 (g) equilíbrio dinâmico aa + bb yy + zz Constante

Leia mais

QUÍMICA LISTA DE RECUPERAÇÃO 4º BIMESTRE - 3º ANO. 2 SO O 2 SO (Reação A) SO H O H SO (Reação B) Professor: GIL KENNEDY DATA: 03 / 10 / 2016

QUÍMICA LISTA DE RECUPERAÇÃO 4º BIMESTRE - 3º ANO. 2 SO O 2 SO (Reação A) SO H O H SO (Reação B) Professor: GIL KENNEDY DATA: 03 / 10 / 2016 LISTA DE RECUPERAÇÃO 4º BIMESTRE - 3º ANO Professor: GIL KENNEDY DATA: 3 / / 6. (ITA) Uma reação hipotética de decomposição de uma substância gasosa catalisada em superfície metálica tem lei de velocidade

Leia mais

LCE0182 Química Analítica Quantitativa. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos

LCE0182 Química Analítica Quantitativa. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos LCE0182 Química Analítica Quantitativa Equilíbrio Químico Wanessa Melchert Mattos Equilíbrio Químico Estalactites: CaCO 3 (s) + CO 2 (aq) + H 2 O (l) Ca 2+ (aq) + 2 HCO 3- (aq) Estalagmites: Ca 2+ (aq)

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Física e Química A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 715/2.ª Fase Critérios de Classificação 13 Páginas 2015

Leia mais

LCE-108 Química Inorgânica e Analítica. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos

LCE-108 Química Inorgânica e Analítica. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos LCE-108 Química Inorgânica e Analítica Equilíbrio Químico Wanessa Melchert Mattos Equilíbrio Químico Estalactites: CaCO 3 (s) + CO 2 (aq) + H 2 O (l) Ca 2+ (aq) + 2 HCO 3- (aq) Estalagmites: Ca 2+ (aq)

Leia mais

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre.

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. CINÉTICA QUÍMICA FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES 1. O estado físico dos reagentes. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. 4. A presença de um catalisador.

Leia mais

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO EQUILÍBRIO QUÍMICO CONSTANTE DE EQUILÍBRIO A maneira de descrever a posição de equilíbrio de uma reação química é dar as concentrações de equilíbrio dos reagentes e produtos. A expressão da constante de

Leia mais

Determinar a constante de velocidade, k, a energia de. Se a reação de saponificação for de segunda ordem a

Determinar a constante de velocidade, k, a energia de. Se a reação de saponificação for de segunda ordem a LABORATÓRIO DE FÍSICO-QUÍMICA SAPONIFICAÇÃO DO ACETATO DE ETILA: MÉTODO CONDUTIMÉTRICO OBJETIVO Determinar a constante de velocidade, k, a energia de ativação,e a, para a reação de saponificação do acetato

Leia mais

Atividade proposta para a disciplina. Físico-Química Experimental (QFL3402)

Atividade proposta para a disciplina. Físico-Química Experimental (QFL3402) QLF5925-3 - Práticas de Ensino de Química e Bioquímica Profª Denise Freitas Siqueira Petri Atividade proposta para a disciplina Físico-Química Experimental (QFL3402) Nome: Claudio Hanashiro Barbosa Silva

Leia mais

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Escrita de Física e Química A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 715/2.ª Fase. Critérios de Classificação

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Escrita de Física e Química A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 715/2.ª Fase. Critérios de Classificação EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Física e Química A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 715/2.ª Fase Critérios de Classificação 12 Páginas 2015

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Física e Química A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 715/1.ª Fase Critérios de Classificação 11 Páginas 2014

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alexandre D. Marquioreto

Cinética Química. Prof. Alexandre D. Marquioreto Prof. Alexandre D. Marquioreto Estuda as velocidades, mecanismos e os fatores que podem interferir nas reações químicas. Lentas Reações Químicas Rápidas Reação Rápida Cinética Química Faísca 2 H 2(g) +

Leia mais

Cinética de Reações Químicas

Cinética de Reações Químicas Experiência 4: Cinética de Reações Químicas 1. Introdução A Cinética Química é a área da química que está relacionada com as velocidades das reações. A velocidade de uma reação química representa a variação

Leia mais

ENSINO MÉDIO QUÍMICA

ENSINO MÉDIO QUÍMICA ENSINO MÉDIO QUÍMICA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Termoquímica é a parte da química que estuda o calor associado a uma reação química. A unidade usada para medir a energia liberada ou absorvida por um sistema

Leia mais

Volume Parcial Molar

Volume Parcial Molar Volume Parcial Molar 1. Introdução O volume molar é definido como o volume ocupado por 1 mol de uma substância pura. Por exemplo, o volume molar da água pura é 18 cm 3 /mol, conforme mostrado no cálculo

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA Estuda a velocidade (rapidez) das reações. Exemplo a síntese do HCl: H 2 (g) + Cl 2 (g) 2HCl(g)

CINÉTICA QUÍMICA Estuda a velocidade (rapidez) das reações. Exemplo a síntese do HCl: H 2 (g) + Cl 2 (g) 2HCl(g) CINÉTICA QUÍMICA Estuda a velocidade (rapidez) das reações. Exemplo a síntese do HCl: H 2 (g) + Cl 2 (g) 2HCl(g) TEORIA DAS COLISÕES Para que ocorra uma reação química, os reagentes devem ter uma certa

Leia mais

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar:

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar: LISTA DE EXERCÍCIOS CINÉTICA QUÍMICA 1) O NO 2 proveniente dos escapamentos dos veículos automotores é também responsável pela destruição da camada de ozônio. As reações que podem ocorrer no ar poluído

Leia mais

Lista de exercícios - Bloco 2 - Aula 25 a 28 - Equilíbrio Químico - Conceitos gerais e cálculo (Kc e Kp) 1. (Unicid - Medicina 2017) Considere os equilíbrios: 1. 2 SO 2 (g) + O 2 (g) 2 SO 3 (g) 25 Kc =

Leia mais

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 7 CINÉTICA QUÍMICA

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 7 CINÉTICA QUÍMICA E-books PCNA Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 7 CINÉTICA QUÍMICA 2 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 7 APRESENTAÇÃO... 4 CAPÍTULO 7... 5 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1. VELOCIDADE MÉDIA DA REAÇÃO... 5 1.2. A VELOCIDADE

Leia mais

UNIRIO - Disciplina de Química Geral Lista de exercícios 2. 6NiF 2 (s) + 2Cl 2 (g) + 3O 2 (g)

UNIRIO - Disciplina de Química Geral Lista de exercícios 2. 6NiF 2 (s) + 2Cl 2 (g) + 3O 2 (g) UNIRIO - Disciplina de Química Geral Lista de exercícios 1. O trifluoreto de cloro, ClF, é um gás altamente tóxico, que pode ser usado, por exemplo, para converter óxido de níquel, NiO, em fluoreto de

Leia mais

4. Resultados e Discussão

4. Resultados e Discussão Absorbância 4. Resultados e Discussão 4.1. Obtenção da curva de calibração A obtenção da curva de calibração, absorbância vs. concentração de Paraquat, é necessária para a análise química do pesticida.

Leia mais

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Escrita de Física e Química A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 715/2.ª Fase. Critérios de Classificação

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Escrita de Física e Química A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 715/2.ª Fase. Critérios de Classificação EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Física e Química A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 715/2.ª Fase Critérios de Classificação 10 Páginas 2016

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 22/06/13

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 22/06/13 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 22/06/13 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = H - TS G = - n F E G = G o + RT ln Q ΔE ΔE [A] [A] 0 Questão Valor Grau Revisão kt 1 a 2,5 2

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO Equilíbrio químico numa mistura:

EQUILÍBRIO QUÍMICO Equilíbrio químico numa mistura: Equilíbrio químico numa mistura: Considere a seguinte reação: A + B C a) Se G mist < 0 reação expontânea (ocorre até atingir o equilíbrio G min ) b) Se G mist > 0 reação ocorre no sentido inverso. Para

Leia mais

Química Geral e Experimental II Gases Resolução comentada de exercícios selecionados versão gases_v2_2005 Prof. Fabricio R.

Química Geral e Experimental II Gases Resolução comentada de exercícios selecionados versão gases_v2_2005 Prof. Fabricio R. Química Geral e Experimental II Gases Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabricio R. Sensato 1) Imagine que o pneu de uma bicicleta, contendo 0,406 mol de ar arrebente se a pressão interna

Leia mais

Δt = 8. Cinética Química

Δt = 8. Cinética Química Cinética Química Velocidade das Reações A velocidade média de consumo de um reagente ou de formação de um produto é calculada em função da variação da quantidade de reagentes e produtos pela variação do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 1 a Questão (12,0 pontos) A compreensão dos conceitos de acidez e basicidade dos compostos orgânicos são de grande relevância para o entendimento dos mecanismos químicos envolvidos em suas respectivas

Leia mais

Fundamentos de Química

Fundamentos de Química FCiências Fundamentos de Química Apontamentos Equilíbrio químico, Ácido e Bases, Cinética Química Produzido por Filipa França Divulgado e Partilhado por FCiências Equilíbrio Químico FCiências Reações em

Leia mais

QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS

QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS Os cálculos estequiométricos correspondem aos cálculos de massa, de quantidade de matéria e em alguns casos, de volumes das substâncias envolvidas

Leia mais

6ª OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA EXAME 2011

6ª OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA EXAME 2011 Data da prova: 30.07.2011 Data da publicação do gabarito: 01.09.2011 GABARITO QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 1. (Peso 2) Uma vela de massa 34,5g é acesa e encoberta por um bequer. Após algum tempo a chama

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

Cinética Química. Velocidade média em função das substâncias

Cinética Química. Velocidade média em função das substâncias Cinética Química A Cinética Química estuda a velocidade das reações e os fatores que a influenciam, estuda ainda a possibilidade de controlar essa velocidade, tornando as reações mais rápidas ou mais lentas,

Leia mais

USO DA CINETICA DE ORDEM ZERO E PRIMEIRA ORDEM DO CLORETO FERRICO PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA

USO DA CINETICA DE ORDEM ZERO E PRIMEIRA ORDEM DO CLORETO FERRICO PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 USO DA CINETICA DE ORDEM ZERO E PRIMEIRA ORDEM DO CLORETO FERRICO PARA PURIFICAÇÃO DE ÁGUA Joseane D. P.Theodoro 1, Grasiele S. Madrona 1, Paulo S. Theodoro

Leia mais

Alfa Química Série 16 Cinética química

Alfa Química Série 16 Cinética química 01 Pelo gráfico, o volume de O 2 liberado na reação 2 H 2 O 2 2 H 2 O + O 2 aumenta com o decorrer do tempo; portanto, a quantidade de H 2 O 2 decomposta por minuto diminui com o decorrer do tempo. Resposta:

Leia mais

BC Transformações Químicas

BC Transformações Químicas Transformações Químicas BC0307 Prof. Anderson O. Ribeiro http://www.andersonorzari.com BC 0307 Transformações Químicas ANDERSON ORZARI RIBEIRO Bloco B, 10º andar - Sala 1043 www.andersonorzari.com Transformações

Leia mais

Equilíbrios químicos homogêneos

Equilíbrios químicos homogêneos Equilíbrios químicos homogêneos O que é um equilíbrio químico? Algumas (muitas) reações químicas são ditas reversíveis, isto é: tanto os reagentes transformam-se em produtos como os produtos em reagentes.

Leia mais

Soluções dos Problemas do Capítulo 3

Soluções dos Problemas do Capítulo 3 48 Temas e Problemas Soluções dos Problemas do Capítulo 3. A cada período de 5 anos, a população da cidade é multiplicada por,0. Logo, em 0 anos, ela é multiplicada por,0 4 =,084. Assim, o crescimento

Leia mais

SISTEMAS DE COMPOSIÇÃO VARIÁVEL EQUILÍBRIO QUÍMICO

SISTEMAS DE COMPOSIÇÃO VARIÁVEL EQUILÍBRIO QUÍMICO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA EEL/USP TERMODINÂMICA QUÍMICA PROF. ANTONIO CARLOS DA SILVA SISTEMAS DE COMPOSIÇÃO VARIÁVEL EQUILÍBRIO QUÍMICO 1. EQUAÇÃO FUNDAMENTAL DA ENERGIA DE GIBBS Para uma substância

Leia mais