Físico-Química Experimental Exp. 10. Cinética Química

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Físico-Química Experimental Exp. 10. Cinética Química"

Transcrição

1 Cinética Química 1. Introdução Cinética química é o estudo da progressão das reações químicas, o que determina suas velocidades e como controlá-las. Ao estudar a termodinâmica de uma reação, leva-se em conta apenas os estados inicial e final do sistema, ignorando o que acontece nos estados intermediários. Na cinética química, estuda-se o processo em si, ou seja, os detalhes das mudanças que os átomos e moléculas sofrem durante as reações e as velocidades de cada etapa. Desta maneira, o principal parâmetro a ser definido na cinética química é a velocidade da reação. De maneira geral, uma reação é considerada rápida quando os produtos são formados quase instantaneamente; enquanto que uma reação é lenta quando os produtos levam um tempo longo para se formarem. Entretanto, para um estudo mais preciso, é necessário estabelecer uma relação quantitativa. Na química, o termo velocidade de reação é análogo à velocidade de movimento, dada pela razão variação da distância percorrida pelo tempo, sendo que a distância percorrida numa reação é análoga à quantidade de reagentes consumidos ou formados. Desta maneira, a velocidade de uma reação é definida como a variação da concentração de um dos reagentes ou produtos dividida pelo tempo que esta mudança leva para ocorrer. Como a velocidade pode mudar com o tempo, a Equação 1 define a velocidade média da reação (v R ), como a variação da concentração molar de um reagente R, onde, durante um intervalo de tempo. Como os reagentes são consumidos em uma reação, a concentração molar de R decresce com o tempo e [R] é negativo. O sinal negativo na Eq. 1 torna a velocidade positiva, que é a convenção normal da cinética química. Se, por outro lado, for acompanhada a variação na concentração do produto P, a velocidade média (v P ) é expressa como: (1) Para evitar ambiguidades associadas com as várias maneiras de registrar uma velocidade de reação, pode-se usar a velocidade média única de uma reação, sem especificar o reagente ou produto. A velocidade média única da reação aa + bb cc + dd é qualquer uma das quatro quantidades iguais descritas na Equação 3: (2) A divisão pelos coeficientes estequiométricos leva em conta as relações estequiométricas entre reagentes e produtos. Não é necessário especificar as espécies quando se usa a velocidade média única porque o valor da velocidade é o mesmo para todas as espécies. Entretanto, a velocidade média única depende dos coeficientes usados na equação balanceada, e a equação química tem de ser especificada. A maior parte das reações desacelera à medida que os reagentes são consumidos. Para determinar a velocidade da reação em um determinado instante no decurso de uma reação, deve-se utilizar a variação da concentração num tempo infinitesimal. Em outras palavras, a velocidade instantânea de uma reação é dada por: (3)

2 (4) 1.1 Leis de velocidade e ordem de reação As tendências das velocidades de reações são normalmente estudadas a partir da velocidade inicial da reação (v 0 ), definida como a velocidade instantânea no início da reação (onde t = 0). A vantagem de usar a velocidade inicial é que a presença de produtos durante a reação pode afetar a velocidade e a interpretação dos resultados torna-se mais complicada. Como não existem produtos no início da reação, é mais fácil encontrar as eventuais tendências produzidas pelos reagentes. Para muitas reações encontra-se que a velocidade v no tempo t está experimentalmente relacionada com as concentrações das espécies presentes no tempo t através da Equação 5: Na Eq. 5, os expoentes,,..., são geralmente inteiros ou semi-inteiros (½,¼,...). A constante de proporcionalidade, k, é denominada constante de velocidade e varia com a temperatura e pressão em que ocorre a reação. A reação é chamada de ordem em relação a A, de ordem em relação a B, etc. Os expoentes e também são denominados ordens parciais, enquanto que a soma é a ordem global, ou simplesmente ordem da reação. Uma vez que a velocidade da reação tem unidade de concentração por tempo, k tem unidades de concentração (1-n).tempo -1. Expressões como a da Eq. 5, que relacionam v em função das concentrações em uma temperatura constante é denominada lei de velocidade de reação. Algumas leis de velocidade a temperatura constante, juntamente com as respectivas constantes de velocidade, são apresentadas na Tabela 1: Tabela 1: Leis de velocidade e constantes de velocidade para algumas reações químicas. Reação Lei de velocidade T / K Constante de velocidade (k) 500 4, L.mol -1.s -1 (5) 298 3, s , s -1 A maior parte das reações químicas são de primeira ou segunda ordem em cada reagente, mas algumas reações tem ordens diferentes. A amônia, por exemplo, se decompõe em nitrogênio e hidrogênio em um fio de platina quente de acordo com a reação: Experimentos mostram que a reação acima ocorre com velocidade constante até toda a amônia ter desaparecido. Sua lei de velocidade é, portanto: * (6) Esta decomposição é um exemplo de ordem zero, uma reação em que a velocidade não depende da concentração. A Tabela 2 mostra um resumo para as três ordens de reação mais comuns:

3 Tabela 2: Leis de velocidade para diferentes ordens de reação em relação a um reagente A. Ordem em A Leis de velocidade 1.2 Leis de velocidade integradas Frequentemente é importante conhecer como a concentração de um reagente ou produto varia com o tempo, como por exemplo: quando tempo leva para um poluente se decompor. Isso pode ser respondido com o auxílio de fórmulas derivadas das leis de velocidade das reações medidas experimentalmente. Uma lei de velocidade integrada dá a concentração de reagentes ou produtos em qualquer instante após o início da reação. Desenvolver a lei de velocidade integrada de uma reação é encontrar uma expressão para a concentração de um reagente A no instante t, sabendo que a concentração inicial de A é [A] 0. Para uma reação de primeira ordem, escreve-se a lei de velocidade para o consumo A na forma: Como a velocidade instantânea é a derivada da concentração em relação ao tempo, utiliza-se o cálculo integral para encontrar a variação de [A] em função do tempo. Primeiro, divide-se ambos os lados da Eq. 7 por [A] e multiplica-se por dt: (7) Em seguida, integra-se os dois lados da equação entre os limites t = 0 (quando [A] = [A] 0 ) e o instante de interesse, t (quando [A] = [A] t ): (8) (9) Tanto a Equação 9 e 10 são duas formas da lei de velocidade integrada de uma reação de primeira ordem. A lei de velocidade integrada pode ser utilizada para determinar as concentrações de reagentes (ou produtos) em instantes diferentes, após o início da reação. Uma aplicação importante da lei de velocidade integrada é a confirmação de que uma reação é efetivamente de primeira ordem e a medida da constante de velocidade. A partir da Eq. 9, pode-se escrever: A expressão dada pela Equação 11 é a equação de uma reta. Portanto, se for construído um gráfico de ln [A] em função de t, deve-se obter uma reta de inclinação k e intersecção ln [A] 0. (10) (11)

4 Para uma reação de segunda ordem, a lei de velocidade integrada é obtida de maneira semelhante. (12) (13) Novamente, a Eq. 13 pode ser reescrita na forma da equação de uma reta. Ou seja, para determinar se uma reação é de segunda ordem em um reagente (ou produto), verifica-se se o gráfico do inverso da concentração em função do tempo é uma reta, onde a inclinação será igual a k e a intersecção igual a. A Figura 1 mostra os testes para uma reação de primeira ordem e uma reação de segunda ordem. (14) Figura 1: Gráficos que permitem a determinação da ordem de reação. (a) Reação de primeira ordem. (b) Reação de segunda ordem. 2. Objetivos Obter a constante de velocidade e a energia de ativação da reação de oxidação do iodeto de potássio pelo persulfato de potássio. Estudar a cinética de uma reação química através do método das concentrações para uma reação que pode ser aproximada por um mecanismo de pseudo-primeira ordem. Verificar a variação da energia de ativação de uma reação química de cinética conhecida

5 3. Metodologia: método do isolamento e pseudo ordem de reação A determinação da lei de velocidade pode ser simplificada pelo método do isolamento. Neste caso, as concentrações de todos os reagentes, exceto a de um deles, estão em grande excesso. Por exemplo, se a concentração de B for muito grande, então pode-se considerar esta concentração como constante durante toda a reação. Assim, embora a lei de velocidade seja, pode-se aproximar que e escrever: (15) (16) A Equação 15 tem a forma de uma lei de velocidade de primeira ordem. Como a verdadeira lei de velocidade foi forçada a ter a forma de uma lei de velocidade de primeira ordem, admitindo-se que a concentração de B seja constante, a Eq. 15 é denominada lei de velocidade de pseudo primeira ordem. Desta maneira, pode-se achar a dependência entre a velocidade e a concentração de cada reagente isolando sucessivamente cada um deles, chegando, no final, à lei de velocidade global. A oxidação do íon iodeto pelo persulfato pode ser representada pela reação: Esta reação é de segunda ordem, com uma lei de velocidade determinada por: A concentração de íons I - pode ser mantida praticamente constante se for adicionado iodeto de potássio (KI) ao meio reacional, numa concentração, por exemplo, cerca de cem vezes maior que a de persulfato; de maneira que: (17) Se Juntando as Eq. 17 e 18, a lei de velocidade para a reação pode ser simplificada para uma reação de pseudo primeira ordem, conforme apresentado abaixo: (18) Se (19) Logo: (20) Assim, se conhecermos os diferentes tempo de reação para diferentes concentrações de persulfato, é possível determinar a constante de velocidade da reação de pseudo primeira ordem (k ) pelo método gráfico. Conhecendo-se as concentrações dos íons iodeto, pode-se calcular a constante de velocidade de segunda ordem (k). Para medir o tempo de reação em diferentes concentrações de persulfato, a velocidade da reação é acompanhada de modo indireto, através da adição de tiosulfato de sódio (Na 2 S 2 O 3 ) e solução de amido ao meio reacional. O tiosulfato reage com o iodo molecular liberado na reação, regenerando o iodeto: 2 S 2 O I 2 2I - + S 4 O 6 2- Essa reação é muito rápida e, por isso, o tiosulfato é consumido com a mesma velocidade de formação do iodo, ou seja, com a mesma velocidade da reação que se deseja

6 estudar. Quando todo o tiosulfato tiver reagido, o iodo que continua a se formar atribui à solução uma coloração azul, graças à presença de amido. O intervalo de tempo que decorre entre o início da reação e o aparecimento desta coloração corresponde ao tempo necessário para que seja reduzida uma quantidade de persulfato equivalente à quantidade de tiosulfato adicionada. Um simples cálculo estequiométrico permite calcular a concentração de persulfato presente no tempo t: para cada mol de persulfato que reage, são consumidos dois mols de tiosulfato. Logo, a concentração de persulfato no tempo t é dada pela concentração inicial menos a quantidade que reagiu, dada pelo dobro da concentração de tiosulfato presente no meio. (21) 4. Experimental Materiais Cronômetro Solução de KI 0,1 mol/l Agitador magnético Solução de Na 2 S 2 O 3 5 mmol/l 5 erlenmeyers de 50 ml Solução de K 2 S 2 O 8 10 mmol/l 2 pipetas (vol.) de 10 ml Solução de amido indicador 1 pipeta (graduada) de 10 ml Água destilada Procedimento Numere cada erlenmeyer de 1 a 5 e adicione 10 ml da solução de KI e 2 ml da solução de amido indicador em todos eles. Em cada frasco numerado adicione as soluções de tiosulfato de sódio (Na 2 S 2 O 3 ) e complete com água seguindo as quantidades indicadas na Tabela 3. Coloque o frasco 1 sob agitação e, controlando o tempo, adicione 10 ml da solução de persulfato de potássio (K 2 S 2 O 8 ). Faça a medida de tempo entre a adição de persulfato e a variação de cor da solução. Repita a operação para os frascos 2, 3, 4 e 5. Tabela 3: Composição de cada frasco utilizado para o estudo da cinética de oxidação do iodeto pelo persulfato. Frasco KI / ml Amido / ml Na 2 S 2 O 3 / ml Água K 2 S 2 O 8 / ml Calcule as concentrações de persulfato de potássio presente no tempo da mudança de cor da solução a partir da concentração de Na 2 S 2 O 3 em cada frasco.

7 5. Discussão dos Resultados Para estudar a cinética da reação de oxidação do íon iodeto pelo íon persulfato, foi proposto um mecanismo baseado na relação estequiométrica da reação: Partindo da Eq. 17, foi suposto que a reação é de primeira ordem em relação ao íon [S 2 O 8 - ] e de primeira ordem em relação ao íon [I - ], sendo uma reação de segunda ordem global. Para confirmar esta hipótese, é preciso testar experimentalmente a relação entre a variação da concentração dos reagentes e o tempo de reação esperada para a reação, de acordo com a lei das velocidades integradas. Como determinar a variação da concentração de dois reagentes não é trivial, utiliza-se o método do isolamento. Neste caso, o íon iodeto está presente no meio reacional em grande excesso, de modo que sua concentração é praticamente constante em relação à variação de concentração do persulfato que reagiu, e a Eq. 19 pode ser utilizada. As Eqs. 19 e 20 relacionam a variação da concentração do íon persulfato com o tempo de reação, considerando que esta é uma relação de primeira ordem. Para confirmar que a reação é realmente de primeira ordem em relação ao persulfato, deve-se medir a concentração do íon em diferentes tempos reação e verificar se a Eq. 20 coincide com os dados experimentais. Em caso afirmativo, a Eq. 20 ainda permite calcular a constante de velocidade para o caso da reação de pseudo primeira ordem (k ) e para a reação global (k).

8 Cinética Química Resultados Experimentais Nomes: Físico-Química Experimental Tabela 1: Tempo de reação até a variação de cor e concentração de persulfato em cada frasco. Frasco t / s n(na 2S 2O 3)/ mol n(k 2S 2O 8) / mol [K 2 S 2 O 8 ] / mol.l -1 ln [K 2 S 2 O 8 ] Observações:

9 Utilize esta folha e mais quantas forem necessárias para apresentar os cálculos efetuados para responder os dados na Tabela 1.

10 Construa um gráfico mostrando a variação de [K 2 S 2 O 8 ] com o tempo de reação e de ln [K 2 S 2 O 8 ] pelo tempo de reação. Observe se a reação pode ser considerada como de pseudo primeira ordem e calcule a constate de velocidade (k ) para esse caso. Utilizando a [I - ], calcule a constante de velocidade (k) da reação global.

11 Cinética Química Pré-Laboratório Nome: Físico-Química Experimental 1. Pesquise o que é tempo de meia vida e indique algumas aplicações. 2. Deduza as equações para determinação dos tempos de meia vida para o caso de uma reação de primeira ordem e de segunda ordem.

Cinética de Reações Químicas

Cinética de Reações Químicas Experiência 4: Cinética de Reações Químicas 1. Introdução A Cinética Química é a área da química que está relacionada com as velocidades das reações. A velocidade de uma reação química representa a variação

Leia mais

Neste caso, diz-se que a reação é de primeira ordem, e a equação pode ser resolvida conforme segue abaixo:

Neste caso, diz-se que a reação é de primeira ordem, e a equação pode ser resolvida conforme segue abaixo: 1. Introdução Cinética Química A termodinâmica indica a direção e a extensão de uma transformação química, porém não indica como, nem a que velocidade, uma reação acontece. A velocidade de uma reação deve

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 O QUE É CINÉTICA QUÍMICA? É a área da química que estuda a velocidade das reações

Leia mais

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos 1. Conceitue colisão efetiva, colisão não-efetiva, energia de ativação e complexo

Leia mais

2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados;

2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados; CINÉTICA QUÍMICA 1. Trata das velocidades das reações; 2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados; 3. A dependência da velocidade; 4. Estudo do mecanismo de reação.

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 CINÉTICA E VELOCIDADES DAS REAÇÕES QUÍMICAS

EXPERIÊNCIA 8 CINÉTICA E VELOCIDADES DAS REAÇÕES QUÍMICAS 1. OBJETIVOS EXPERIÊNCIA 8 CINÉTICA E VELOCIDADES DAS REAÇÕES QUÍMICAS No final desta experiência, esperase que o aluno seja capaz de determinar a variação da velocidade de uma reação em função da variação

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 CINÉTICA E VELOCIDADES DAS REAÇÕES QUÍMICAS

EXPERIÊNCIA 8 CINÉTICA E VELOCIDADES DAS REAÇÕES QUÍMICAS 1. OBJETIVOS EXPERIÊNCIA 8 CINÉTICA E VELOCIDADES DAS REAÇÕES QUÍMICAS No final desta experiência, esperase que o aluno seja capaz de determinar a variação da velocidade de uma reação em função da variação

Leia mais

ATIVIDADES SOBRE LEIS DE VELOCIDADE CINÉTICA

ATIVIDADES SOBRE LEIS DE VELOCIDADE CINÉTICA ATIVIDADES SOBRE LEIS DE VELOCIDADE CINÉTICA Camilo Andrea Angelucci META Compreender os conceitos relacionados as leis de velocidade e seus modelos matematicos. compreender as aplicações conjuntas dessas

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. CINÉTICA QUÍMICA Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Estudo da velocidade das reações químicas. REAGENTES PRODUTOS Cinética Tempo necessário

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA.

ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA. ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA. Glauber Silva Godoi Aula 14 META Desenvolver no aluno a capacidade de extrair informações quanto aos parâmetros cinéticos de uma reação a partir

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. CINÉTICA QUÍMICA Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Cinética Química Lei de Velocidade Integrada Mostra a variação das concentrações

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ. Imagens de Rorschach

CQ110 : Princípios de FQ. Imagens de Rorschach Imagens de Rorschach 1 Leis de velocidade Velocidade de uma reação química: Variação de reagentes / produtos em função do tempo: a A+ b B produtos v = k [A] x [B] y Lei de velocidade k: constante de velocidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO.

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO. AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO. Aula 11 Glauber Silva Godoi META Desenvolver no aluno a capacidade de avaliar

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Obs.: a variação da quantidade deverá ser sempre um valor positivo, então ela deverá ser em módulo. 1.

CINÉTICA QUÍMICA. Obs.: a variação da quantidade deverá ser sempre um valor positivo, então ela deverá ser em módulo. 1. CINÉTICA QUÍMICA 1. Introdução O Conhecimento e o estudo da velocidade das reações, além de ser muito importante em termos industriais, também está relacionado ao nosso dia-adia, verificamos que há algumas

Leia mais

Experimento 03: Cinética Química

Experimento 03: Cinética Química Experimento 03: Cinética Química 1 OBJETIVO - Verificar alguns fatores que influenciam na velocidade das reações químicas: temperatura, superfície de contato e efeito do catalisador. 2 INTRODUÇÃO A cinética

Leia mais

C n i é n t é i t c i a

C n i é n t é i t c i a Cinética Velocidade Média A velocidade média de consumo de um reagente ou de formação de um produto é calculada em função da variação da quantidade de reagentes e produtos pela variação do tempo. Vm =

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 05/12/12

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 05/12/12 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 05/12/12 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e equações: 273,15 K = 0 C R = 0,0821

Leia mais

Prática 15 Alguns fatores que influenciam a velocidade de reação química

Prática 15 Alguns fatores que influenciam a velocidade de reação química UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 15 Alguns fatores que influenciam a velocidade

Leia mais

Físico-química Farmácia 2014/02

Físico-química Farmácia 2014/02 Físico-química Farmácia 2014/02 1 Decomposição Química Cinética de decomposição Lei de velocidade Ordem de reação Tempo de meia vida e prazo de validade Fatores que influenciam a estabilidade Equação de

Leia mais

Prática 15 Alguns fatores que influenciam a velocidade de reação química

Prática 15 Alguns fatores que influenciam a velocidade de reação química UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 15 Alguns fatores que influenciam a velocidade

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. CINÉTICA QUÍMICA Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Estudo da velocidade das reações químicas. REAGENTES PRODUTOS Termodinâmica Estado

Leia mais

PAG Química Cinética 1.

PAG Química Cinética 1. 1. 2. 3. errata: a reação é em mais de uma etapa, os gráficos devem apresentar pelo menos duas!! 4. 5. Explique se cada uma das alternativas abaixo é correta ou não, para reações químicas que ocorrem

Leia mais

7- Lista de exercícios Cinética

7- Lista de exercícios Cinética 7- Lista de exercícios Cinética 1) Para cada uma das seguintes reações em fase gasosa, indique como a velocidade de desaparecimento de cada reagente está relacionada à velocidade de aparecimento de cada

Leia mais

Equilíbrio Químico. É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa.

Equilíbrio Químico. É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa. Equilíbrio Químico É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES Uma reação química diz-se completa quando leva ao esgotamento

Leia mais

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação.

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação. Setor 3306 Aula 20 Lei da velocidade das reações Complemento. As reações químicas podem ocorrer nas mais diferentes velocidades. Existem reações tão lentas que levam milhares de anos para ocorrer, como

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS CINÉTICOS DA REAÇÃO DE DECOMPOSIÇÃO DO PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO.

DETERMINAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS CINÉTICOS DA REAÇÃO DE DECOMPOSIÇÃO DO PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO. DETERMINAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS CINÉTICOS DA REAÇÃO DE DECOMPOSIÇÃO DO PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO. Glauber Silva Godoi Aula 13 META Desenvolver no aluno a capacidade de extrair informações quanto aos parâmetros

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

Cinética Química. c) A opção (C) está correta. B 3+ e B 4+ não aparecem na reação global, portanto, são intermediários da reação.

Cinética Química. c) A opção (C) está correta. B 3+ e B 4+ não aparecem na reação global, portanto, são intermediários da reação. Capítulo 6 Cinética Química 1. (ITA) Considere o seguinte mecanismo de reação genérica: A 4+ + B 2+ A 3+ + B 3+ (etapa lenta) A 4+ + B 3+ A 3+ + B 4+ (etapa rápida) C + + B 4+ C 3+ + B 2+ (etapa rápida)

Leia mais

ESTUDO CINÉTICO DE UMA REAÇÃO: ORDEM DE REAÇÃO E CONSTANTE DE VELOCIDADE

ESTUDO CINÉTICO DE UMA REAÇÃO: ORDEM DE REAÇÃO E CONSTANTE DE VELOCIDADE ESTUDO CINÉTICO DE UMA REAÇÃO: ORDEM DE REAÇÃO E CONSTANTE DE VELOCIDADE Suellen Cristine Meira (1) ; Jéssica Machado Amaral (2), Alisson Galvão Silva (3) ; Renata Luciana Domingues (4) ; Sarah Arvelos

Leia mais

Cinética. Módulo I - Físico Química Avançada. Profa. Kisla P. F. Siqueira

Cinética. Módulo I - Físico Química Avançada. Profa. Kisla P. F. Siqueira Cinética Módulo I - Físico Química vançada Profa. Introdução Estudo das velocidades das reações químicas; Velocidade em função das concentrações das espécies presentes; Leis de velocidade: equações diferenciais;

Leia mais

LCE0182 Química Analítica Quantitativa. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos

LCE0182 Química Analítica Quantitativa. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos LCE0182 Química Analítica Quantitativa Equilíbrio Químico Wanessa Melchert Mattos Equilíbrio Químico Estalactites: CaCO 3 (s) + CO 2 (aq) + H 2 O (l) Ca 2+ (aq) + 2 HCO 3- (aq) Estalagmites: Ca 2+ (aq)

Leia mais

VELOCIDADES DE REAÇÕES QUÍMICAS (I)

VELOCIDADES DE REAÇÕES QUÍMICAS (I) VELOCIDADES DE REAÇÕES QUÍMICAS (I) INFORMAÇÃO A velocidade de uma reação química depende da rapidez com que um reagente é consumido, isto é, a taxa de consumo, ou alternativamente, como sendo a rapidez

Leia mais

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 14 CINÉTICA QUÍMICA: LEI DA VELOCIDADE

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 14 CINÉTICA QUÍMICA: LEI DA VELOCIDADE QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 14 CINÉTICA QUÍMICA: LEI DA VELOCIDADE V V [ A ] [ B ] Como pode cair no enem Considerem-se a reação A + B C e as informações contidas no quadro abaixo: Experimentos [A] (mol/l)

Leia mais

Cinética Química. Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade.

Cinética Química. Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade. Cinética Química IV Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade. Mecanismos reacionais. Catálise. Cinética Química Cinética Química é a

Leia mais

Cinética Parte A. Introdução à Química II. Prof. Edson Nossol

Cinética Parte A. Introdução à Química II. Prof. Edson Nossol Cinética Parte A Introdução à Química II Prof. Edson Nossol Uberlândia, 03/11/2017 Cinética química Estuda as velocidades das reações e os fatores que a influencia tempo Termodinâmica x cinética G = H

Leia mais

Cinética Química 17/04/17. V m h. Prof. Xuxu. Velocidade das reações químicas. Velocidade das reações químicas. Velocidade Média. Hora da saída: 11:45

Cinética Química 17/04/17. V m h. Prof. Xuxu. Velocidade das reações químicas. Velocidade das reações químicas. Velocidade Média. Hora da saída: 11:45 Seja Bem-indo a Goiânia elocidade Média Cinética Química Hora da saída: 11:45 Δd 40km m 40 km Δt 1h h Distância Hidrolândia: 40 km Seja Bem-indo a Hidrolândia Prof. Xuxu Hora da chegada: 12:45 elocidade

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação CINÉTICA QUÍMICA 1 1. Conceito de velocidade de reação Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições e quais os mecanismos de desenvolvimento

Leia mais

Fabio Rodrigo da Costa Dias. 2. Velocidade média e instantânea das Reações Químicas

Fabio Rodrigo da Costa Dias. 2. Velocidade média e instantânea das Reações Químicas Cinética Química Fabio Rodrigo da Costa Dias 1. Introdução Cinética química é a área da química responsável pelo estudo das velocidades das reações químicas, bem como dos fatores que influenciam nessas

Leia mais

LEIA ANTES DE INICIAR AS ATIVIDADES

LEIA ANTES DE INICIAR AS ATIVIDADES LEIA ANTES DE INICIAR AS ATIVIDADES As atividades aqui propostas para auxiliar na compreensão dos assuntos discutidos em classe (Cinética Química e Termodinâmica) são traduções/adaptações feitas do texto

Leia mais

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam.

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam. Cinética Química...? Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciência e Tecnologia groalimentar Profª Roberlucia Candeia Disciplina: Química geral É o estudo da velocidade das reações químicas

Leia mais

cas AULA 5 es Quími rmaçõ o sfo Tr C0307

cas AULA 5 es Quími rmaçõ o sfo Tr C0307 BC0307 Transfo ormaçõe es Químicas AULA 5 - Combustíveis (Termodinâmica x Cinética); - Por que uma reação ocorre? - Qual a velocidade d da reação? - Cinética: leis de velocidade, ordem de reação e sua

Leia mais

Lista de exercícios - Bloco 2 - Aula 25 a 28 - Equilíbrio Químico - Conceitos gerais e cálculo (Kc e Kp) 1. (Unicid - Medicina 2017) Considere os equilíbrios: 1. 2 SO 2 (g) + O 2 (g) 2 SO 3 (g) 25 Kc =

Leia mais

Química Geral e Experimental II: Cinética Química. Prof. Fabrício Ronil Sensato

Química Geral e Experimental II: Cinética Química. Prof. Fabrício Ronil Sensato Química Geral e Experimental II: Cinética Química Prof. Fabrício Ronil Sensato Resolução comentada de exercícios selecionados. Versão v2_2005 2 1) Para a reação em fase gasosa N 2 + 3H 2 2NH 3, 2) A decomposição,

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Cinética química David P. White Fatores que afetam a velocidade de reações A cinética é o estudo da velocidade na qual as reações químicas ocorrem. Existem quatro fatores

Leia mais

MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF

MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF Parte da química que estuda a rapidez das reações Este estudo é importante para o nosso dia-a-dia, pois

Leia mais

Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica

Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica 1) A entalpia da reação (I) não pode ser medida diretamente em um calorímetro porque a reação de carbono com excesso

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 8/11/09 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão Dados gerais: 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 G o = H o - T S o G = - n F E o RT E =

Leia mais

FCAV/ UNESP. Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água. Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran

FCAV/ UNESP. Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água. Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran FCAV/ UNESP Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran 1 1. Introdução Existem dois tipos de reações: a) aquelas em que, após determinado tempo, pelo menos

Leia mais

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 4 ESTEQUIOMETRIA

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 4 ESTEQUIOMETRIA E-books PCNA Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 4 ESTEQUIOMETRIA 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 4 SUMÁRIO Apresentação -------------------------------------------- 2 Capítulo 4 ------------------------------------------------

Leia mais

Condutividade Elétrica

Condutividade Elétrica FQE1 Exp. 1 Condutividade Elétrica 1. Introdução A condução elétrica é um fenômeno de transporte em que a carga elétrica (elétrons ou íons) se move através do sistema. A condutividade elétrica, também

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO. Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação. Sabemos que:

DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO. Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação. Sabemos que: Química 3 ano Décio fev/08 2 DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação Sabemos que: Quanto maior o número de choques entre as partículas

Leia mais

ocorridas na concentração dos participantes das reações em função do tempo:

ocorridas na concentração dos participantes das reações em função do tempo: CINÉTICA QUÍMICA Fala Gás Nobre! Preparado para reagir? Então vamos para mais um resumo de química! Você já parou pra pensar, que a velocidade com que as reações químicas acontecem, podem estar relacionadas

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA Estuda a velocidade (rapidez) das reações. Exemplo a síntese do HCl: H 2 (g) + Cl 2 (g) 2HCl(g)

CINÉTICA QUÍMICA Estuda a velocidade (rapidez) das reações. Exemplo a síntese do HCl: H 2 (g) + Cl 2 (g) 2HCl(g) CINÉTICA QUÍMICA Estuda a velocidade (rapidez) das reações. Exemplo a síntese do HCl: H 2 (g) + Cl 2 (g) 2HCl(g) TEORIA DAS COLISÕES Para que ocorra uma reação química, os reagentes devem ter uma certa

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 19/11/11

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 19/11/11 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 19/11/11 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados gerais: G = - n F E G = G o + RT ln Q F = 96500

Leia mais

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins Cinética Química Mestrado integrado em Engenharia Biológica Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10 Professsora Ana Margarida Martins Usamos atermodinâmica para saber se uma reacção é favorecida no

Leia mais

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar:

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar: LISTA DE EXERCÍCIOS CINÉTICA QUÍMICA 1) O NO 2 proveniente dos escapamentos dos veículos automotores é também responsável pela destruição da camada de ozônio. As reações que podem ocorrer no ar poluído

Leia mais

LCE-108 Química Inorgânica e Analítica. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos

LCE-108 Química Inorgânica e Analítica. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos LCE-108 Química Inorgânica e Analítica Equilíbrio Químico Wanessa Melchert Mattos Equilíbrio Químico Estalactites: CaCO 3 (s) + CO 2 (aq) + H 2 O (l) Ca 2+ (aq) + 2 HCO 3- (aq) Estalagmites: Ca 2+ (aq)

Leia mais

Determinar a constante de velocidade, k, a energia de. Se a reação de saponificação for de segunda ordem a

Determinar a constante de velocidade, k, a energia de. Se a reação de saponificação for de segunda ordem a LABORATÓRIO DE FÍSICO-QUÍMICA SAPONIFICAÇÃO DO ACETATO DE ETILA: MÉTODO CONDUTIMÉTRICO OBJETIVO Determinar a constante de velocidade, k, a energia de ativação,e a, para a reação de saponificação do acetato

Leia mais

as concentrações dos reagentes, a temperatura na qual a reação ocorre e a presença de um catalisador.

as concentrações dos reagentes, a temperatura na qual a reação ocorre e a presença de um catalisador. CINÉTICA QUÍMICA A cinética é o estudo da velocidade na qual as reações químicas ocorrem. Existem quatro fatores importantes que afetam as velocidades das reações: o estado físico do reagente, as concentrações

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Equilíbrio químico David P. White Conceito de equilíbrio Considere o N 2 O 4 congelado e incolor. À temperatura ambiente, ele se decompõe em NO 2 marrom: N 2 O 4 (g)

Leia mais

Velocidade inicial (mol L -1 s -1 ) 1 0,0250 0,0250 6,80 x ,0250 0,0500 1,37 x ,0500 0,0500 2,72 x 10-4.

Velocidade inicial (mol L -1 s -1 ) 1 0,0250 0,0250 6,80 x ,0250 0,0500 1,37 x ,0500 0,0500 2,72 x 10-4. P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 31/05/14 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = - n F E G = G o + RT Q ΔE RT ΔE nf Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E.E. ARACY EUDOCIAK

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E.E. ARACY EUDOCIAK Conteúdo 14 Cinética Química CINÉTICA QUÍMICA É à parte da química que estuda a maior ou menor rapidez com que uma reação química ocorre e os fatores que a influenciam. Este estudo é importante para o

Leia mais

Prática 10 Determinação da constante de equilíbrio entre íons Fe 3+ e SCN -

Prática 10 Determinação da constante de equilíbrio entre íons Fe 3+ e SCN - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 10 Determinação da constante de equilíbrio

Leia mais

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 7 CINÉTICA QUÍMICA

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 7 CINÉTICA QUÍMICA E-books PCNA Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 7 CINÉTICA QUÍMICA 2 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 7 APRESENTAÇÃO... 4 CAPÍTULO 7... 5 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1. VELOCIDADE MÉDIA DA REAÇÃO... 5 1.2. A VELOCIDADE

Leia mais

FCAV/ UNESP. Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água. Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran

FCAV/ UNESP. Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água. Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran FCAV/ UNESP Assunto: Equilíbrio Químico e Auto-ionização da Água Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran 1 1. Introdução Existem dois tipos de reações: a) aquelas em que, após determinado tempo, pelo menos

Leia mais

META Compreender os conceitos relacionado a lei de arrhenius e seus modelos matematicos. Compreender as aplicações catálise e seus fundamentos.

META Compreender os conceitos relacionado a lei de arrhenius e seus modelos matematicos. Compreender as aplicações catálise e seus fundamentos. ATIVIDADS SOBR LI D ARHHNIUS CATÁLIS Aula 7 MTA Compreender os conceitos relacionado a lei de arrhenius e seus modelos matematicos. Compreender as aplicações catálise e seus fundamentos. OBJTIVOS Ao fi

Leia mais

TAREFA DA SEMANA DE 31 DE MARÇO A 04 DE ABRIL

TAREFA DA SEMANA DE 31 DE MARÇO A 04 DE ABRIL TAREFA DA SEMANA DE 31 DE MARÇO A 04 DE ABRIL QUÍMICA 3ª SÉRIE 1. (Udesc) Considere que um prego é fabricado apenas com o metal Fe. Se este prego entrar em contato com uma solução aquosa de HC, irá acontecer

Leia mais

Figura 1: Equilíbrio químico entre as espécies glicose, manose e frutose em meio alcalino

Figura 1: Equilíbrio químico entre as espécies glicose, manose e frutose em meio alcalino 4º Módulo de Química - 2º Sem 2012 Procedimento de Prática Experimental Introdução Um açúcar redutor (AR) pode ser identificado pelo reagente de Benedict porque o grupo aldeído, presente no açúcar, reduz

Leia mais

Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues

Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues Equilíbrio Químico Todas as reações tendem alcançar o equilíbrio químico Quando as velocidades das reações directa e inversa forem

Leia mais

Volume Parcial Molar

Volume Parcial Molar Volume Parcial Molar 1. Introdução O volume molar é definido como o volume ocupado por 1 mol de uma substância pura. Por exemplo, o volume molar da água pura é 18 cm 3 /mol, conforme mostrado no cálculo

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 03

2005 by Pearson Education. Capítulo 03 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas David P. White Equações químicas Lavoisier: a massa é conservada em uma reação química. Equações

Leia mais

Estudo da cinética Química

Estudo da cinética Química Estudo da cinética Química Rui Pedro Lousa das Neves Bioquímica Grupo 3 Coimbra 14 /04/99 Introdução A realização deste trabalho tem como objectivo principal o estudo da cinética de uma reacção segundo

Leia mais

Resolução de Química UFRGS / 2012

Resolução de Química UFRGS / 2012 26. Resposta C Resolução de Química UFRGS / 2012 Água super-resfriada é água líquida em temperatura abaixo do seu ponto de congelamento. Geralmente ocorre num resfriamento lento e sem agitação onde qualquer

Leia mais

Copyright McGraw-Interamericana de España. Autorização necessária para reprodução ou utilização. Cinética Química

Copyright McGraw-Interamericana de España. Autorização necessária para reprodução ou utilização. Cinética Química Capítulo 3 Cinética Química Velocidade de Uma Reacção Lei de Velocidades Relação Entre a Concentração de Reagente e o Tempo Energia de Activação e Dependência das Constantes de Velocidade com a Temperatura

Leia mais

Equilíbrios químicos homogêneos

Equilíbrios químicos homogêneos Equilíbrios químicos homogêneos O que é um equilíbrio químico? Algumas (muitas) reações químicas são ditas reversíveis, isto é: tanto os reagentes transformam-se em produtos como os produtos em reagentes.

Leia mais

1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s. Reação: A B

1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s. Reação: A B Físico-Química Prof. José Ginaldo Silva Jr. Lista de Exercícios de Cinética Química 1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s.

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL

ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL 1- Objetivo 1. Estimar o ph de água destilada e de soluções aquosas usando indicadores ácidobase. 2. Diferenciar o comportamento de uma solução tampão. 2 Introdução Eletrólitos

Leia mais

Figura 1: Equilíbrio químico entre as espécies glicose, manose e frutose em meio alcalino

Figura 1: Equilíbrio químico entre as espécies glicose, manose e frutose em meio alcalino Introducão Um açúcar redutor (AR) pode ser identificado pelo reagente de Benedict 1 porque o grupo aldeído, presente no açúcar, reduz o íon cúprico (Cu 2+ ) formando um precipitado de óxido de cobre (I),

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA PROFª SIMONE

CINÉTICA QUÍMICA PROFª SIMONE elocidade das reações e os fatores que a influenciam CINÉTICA QUÍMICA PROFª SIMONE 2 NaN 3(s) 2 Na (s) + 3 N 2(g) 2 Fe (s) + 3/2 O 2(g) Fe 2 O 3 (s) Gás que infla o airbag ELOCIDADE MÉDIA Ferrugem Tempo=

Leia mais

Exercícios sobre Equilíbrio químico

Exercícios sobre Equilíbrio químico Exercícios sobre Equilíbrio químico 01 - (Ueg GO) Baseado na charge e em seus conhecimentos sobre Química, responda ao que se pede. a) Caso o cientista tivesse misturado quantidades adequadas de ácido

Leia mais

Ba 2+ (aq) + CrO 4. 2 (aq)

Ba 2+ (aq) + CrO 4. 2 (aq) Experiência 9: ESTUDO DO EQUILÍBRIO CROMATO-DICROMATO 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - A partir da equação química de um sistema em equilíbrio escrever

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Equilíbrio Químico EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-RS) Dada a expressão da constante de equilíbrio em termos de concentração de produtos e reagentes a equação química que pode ser representada por essa

Leia mais

Estequiometria. 1. Em termos de partículas

Estequiometria. 1. Em termos de partículas Estequiometria A estequiometria trata das quantidades relativas de reagentes e produtos em uma reação química, a partir de uma equação química balanceada. A palavra estequiometria tem origem grega e significa

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: PRESENÇA

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: PRESENÇA AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: PRESENÇA DE CATALISADOR E SUPERFÍCIE DE CONTATO. Aula 12 Glauber Silva Godoi META Desenvolver no aluno a capacidade de avaliar os

Leia mais

Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio.

Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio. EQUILÍBRIO QUÍMICO Metas Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio. Objetivos Ao final desta aula, o

Leia mais

4/6/2010. Lavoisier: a massa é conservada em uma reação química. Equações químicas: descrições de. Equações químicas

4/6/2010. Lavoisier: a massa é conservada em uma reação química. Equações químicas: descrições de. Equações químicas QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas Lavoisier: a massa é conservada em uma reação química. : descrições de reações químicas. Duas partes

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127. Cinética Química

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127. Cinética Química UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127 Cinética Química Prof. Antonio Guerra Departamento de Química Geral e Inorgânica - DQI Cinética Química Definição e Objetivo Estudar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Seleção para o Mestrado em Química-2015.1 PROVA DE QUÍMICA CÓDIGO DO CANDIDATO: COLE AQUI SUA ETIQUETA INSTRUÇÕES:

Leia mais

1. (Fuvest modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química:

1. (Fuvest modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química: Química Avaliação Mensal 3 os anos Décio e Vivian mar/12 Nome: Nº: Turma: GABARITO PROVA MENSAL 1º BIMESTRE 1. (Fuvest 2012 - modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação

Leia mais

MECANISMOS a descrição microscópica da reação; são propostos com base na lei de velocidade.

MECANISMOS a descrição microscópica da reação; são propostos com base na lei de velocidade. MECANISMOS a descrição microscópica da reação; são propostos com base na lei de velocidade. 1 Mecanismo: como os reagentes são convertidos em produtos, no nível molecular. LEI DE VELOCIDADE ----> MECANISMO

Leia mais

Estequiometria. Índice. Por Victor Costa

Estequiometria. Índice. Por Victor Costa Estequiometria Por Victor Costa Índice 1. Massa atômica 2. Mol 3. Massa molar 4. Massa molecular 5. Composição percentual 6. Reação química 7. Balanceamento 8. Reagente limitante 9. Rendimento Essa aula

Leia mais

a) Escreva os nomes das substâncias presentes nos frascos A, B e C. A B C

a) Escreva os nomes das substâncias presentes nos frascos A, B e C. A B C PROVA DE QUÍMICA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006 (cada questão desta prova vale até cinco pontos) Questão 01 Foram encontrados, em um laboratório, três frascos A, B e C, contendo soluções incolores e sem rótulos.

Leia mais

Faculdade de Educação, Ciências e Letras dos Inhamuns FECLIN Coordenação de Química Disciplina Química Geral II Professor: NOTA DE AULA

Faculdade de Educação, Ciências e Letras dos Inhamuns FECLIN Coordenação de Química Disciplina Química Geral II Professor: NOTA DE AULA Faculdade de Educação, Ciências e Letras dos Inhamuns FECLIN Coordenação de Química Disciplina Química Geral II Professor: NOTA DE AULA CINETICA QUÍMICA Velocidade média de uma reação Ex.1. Um balão contendo

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alexandre D. Marquioreto

Cinética Química. Prof. Alexandre D. Marquioreto Prof. Alexandre D. Marquioreto Estuda as velocidades, mecanismos e os fatores que podem interferir nas reações químicas. Lentas Reações Químicas Rápidas Reação Rápida Cinética Química Faísca 2 H 2(g) +

Leia mais

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Cinética Química Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Fatores que afetam a velocidade da reação: Concentração dos reagentes.

Leia mais

Cinética Química II. Cinética Química II Monitor: Gabriel dos Passos 14 e 15/05/2014. Material de apoio para Monitoria

Cinética Química II. Cinética Química II Monitor: Gabriel dos Passos 14 e 15/05/2014. Material de apoio para Monitoria 1. (IME-02) Considere a seguinte reação: 2A+B C A partir dos dados fornecidos na tabela abaixo, calcule a constante de velocidade da reação e o valor da concentração X. Considere que as ordens de reação

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ELETROQUÍMICA

EXERCÍCIOS DE ELETROQUÍMICA Aula EXERCÍCIOS DE ELETROQUÍMICA META Apresentar os conceitos relacionados a misturas de substâncias simples através da resolução de exercícios comentados. OBJETIVOS Ao nal desta aula, o aluno deverá:

Leia mais