DINÂMICA DO SISTEMA SOLAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DINÂMICA DO SISTEMA SOLAR"

Transcrição

1 ASTRONOMIA DO SISTEMA SOLAR Enos Picazzio (IAGUSP 2006) DINÂMICA DO SISTEMA SOLAR NÃO HÁ PERMISSÃO DE USO PARCIAL OU TOTAL DESTE MATERIAL PARA OUTRAS FINALIDADES.

2 Até o final do século XVII eram conhecidos: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter e Saturno. Urano foi descoberto em 1781, Netuno em 1846 (baseados em previsões teóricas de Adams (1845) e Leverrier (1846) e Plutão em 1930 (também por previsões teóricas). Enos Picazzio IAGUSP (2006)

3 União Astronômica Internacional (IAU) (Proposta a ser votada) Planeta: corpo celeste que (a) tenha massa suficiente para que sua autogravitação supere a rigidez de seu material e estabeleça o regime de equilíbrio hidrostático - responsável pela forma aproximadamente esférica -, e (b) que orbite uma estrela, sem ser estrela ou satélite. Pela nova classificação, haveria 12 planetas: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Ceres, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno, Plutão-Caronte e Xena (2003UB313). Porém, há uma lista de quase uma dezena de candidatos a planetas. Enos Picazzio IAGUSP (2006) O que são s o planeta, planeta duplo e satélite? Um corpo com massa superior a kg (1.400 vezes menor que a da Lua) e diâmetro mínimo de 800 km (4 vezes menor que o da Lua) satisfaz essa condição.

4 O que são s o planeta, planeta duplo e satélite? União Astronômica Internacional (IAU) (Proposta a ser votada) Planeta duplo: quando o baricentro (centro de massa) do sistema está fora do corpo maior. O baricentro da dupla Plutão e Caronte está cerca de km acima da superfície de Plutão. S/2005P2 S/2005P1 Plutão Diâmetros aproximados em km: Plutão: 2.400, Caronte:1.200, P1: 60 a 165, P2: 40 a 140 Caronte Enos Picazzio IAGUSP (2006)

5 O que são s o planeta, planeta duplo e satélite? União Astronômica Internacional (IAU) (Proposta a ser votada) Satélite: corpo celeste girando em torno de um baricentro localizado no interior do planeta que órbita. Esta condição vale independentemente de o corpo satisfazer a condição de planeta (massa e diâmetro mínimos). No caso da dupla Terra e Lua, o baricentro do sistema está cerca de km abaixo da superfície terrestre, apesar de a Lua satisfazer a condição de planeta. Os baricentros dos satélites Ganimedes (Júpiter) e Titã (Saturno), que são maiores que Mercúrio, estão fora dos seus planetas. Enos Picazzio IAGUSP (2006)

6 Parâmetros orbitais Inclinação (i) - é o ângulo formado entre a órbita do planeta e o plano da eclíptica. Se i > 90 º, o corpo orbita o Sol em sentido contrário ao movimento da Terra (movimento retrógrado). Longitude do nodo ascendente (Ω) - é o ângulo entre o ponto Vernal (γ) e o nodo ascendente do corpo. (0 Ω 360 º ) Argumento do periélio (ω) - é o ângulo, medido sobre o plano orbital do corpo, entre o periélio P e o nodo ascendente, contado no sentido do movimento do corpo.(0 ω 360 º ) Semi-eixo maior da órbita (a) - distância média do astro ao Sol. Excentricidade da órbita (e) - relação entre a semi -distância focal e o semi-eixo maior. Instante (época) de passagem pelo periélio (t0) - é a época de uma determinada passagem pelo periélio. Período sideral (P) - é o tempo necessário para o objeto orbitar uma vez em torno do Sol. Longitude do periélio (ϖ) - é definido como a soma algébrica entre a longitude do nodo ascendente (Ω) e o argumento do periélio (ω): ϖ = Ω + ω 2π Movimento médio (n) - é a velocidade angular média do corpo em torno do Sol: n = P Enos Picazzio IAGUSP (2006)

7 Leis de Kepler Obtidas empiricamente no século XVII, através da redução das observações de Tycho Brahe. Resultados obtidos só foram ajustados a órbitas elípticas. Enos Picazzio IAGUSP (2006)

8

9

10 Lei de Gravitaçã ção o Universal Galileu Galilei: estudando as leis do movimento procurava a resposta à pergunta básica: Por que os planetas estão em movimento? Princípio da Inércia: Se um corpo não for perturbado, permanecerá em MRU. Newton: Interpretou esse Princípio da seguinte maneira: A única maneira de modificar o movimento de um corpo é utilizar o conceito de força. Como? Direção do movimento Direção da força Então: deve existir uma força lateral, aplicada ao planeta, para mantê-lo em órbita fechada.

11

12 Lei de Gravitaçã ção o Universal

13

14

15

16

17

18

19

20 Problema de 3 corpos Neste caso existem 5 soluções estacionárias Æ 5 pontos Lagrangianos. Soluções estáveis: L4 e L5. Havendo perturbação, o corpo pode voltar à posição de equilíbrio dependendo da relação entre as massas envolvidas. Exemplo típico: asteróides Troianos de Júpiter. Enos Picazzio IAGUSP (2006)

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40 Planetas: Classificaçã ção o e Configuraçã ção clássicos anão duplo Ceres Xena -Caronte Plútons Enos Picazzio IAGUSP (2007)

41 Planetas: Classificaçã ção o e Configuraçã ção clássicos anão duplo (PERUDSUHVHQWHVQDOLWHUDWXUDRVWHUPRV LQIHULRUHVLQWHULRUHVWHUUHVWUHV VXSHULRUHVH[WHULRUHVMRYLDQRVDQmR Ceres JLJDQWHVVyOLGRVJDVRVRVJHODGRVQmR VmRWHUPRVRILFLDOL]DGRVSHOD8QLmR $VWURQ{PLFD,QWHUQDFLRQDO Xena -Caronte Plútons Enos Picazzio IAGUSP (2007)

42 Planetas: Classificaçã ção o e Configuraçã ção Configuraçõ ções planetárias Planetas internos: I 1 - conjunção inferior I 2 - máxima elongação ocidental (O) I 3 - conjunção superior I 4 - máxima elongação oriental (L) Planetas exteriores: E 1 - oposição E 2 - quadratura ocidental (O) E 3 conjunção E 4 - quadratura oriental (L) S Sol T Terra I planeta interno E planeta externo Enos Picazzio IAGUSP (2006)

43 Planeta Superior D d A duração do ano ; T período sideral (orbital) ; S período sinódico (aparente) Enos Picazzio IAGUSP (2006)

44 Planeta Superior D d A duração do ano ; T período sideral (orbital) ; S período sinódico (aparente) S período sinódico entre 2 oposições S = t(t3 ) t(t1 ) planeta Terra percorreu percorreu α 360º + α Para a Terra : Para o planeta : Enos Picazzio IAGUSP (2006) 360º A 360º + α S 360º T α S α = T = 360S A 360S α T = 1 A 1 S

45 Planeta Superior D d A duração do ano ; T período sideral (orbital) ; S período sinódico (aparente) Seja t = t(t2 ) t(t1 ) Intervaloentre uma oposição e quadratura mais próxima : Para a Terra : Para o planeta : 360º A α t 360º T β t α = β = 360t A 360t T Da figura (B) : D d = cos γ onde γ = α - β Enos Picazzio IAGUSP (2006)

46 Planeta Inferior ST SP 1 1 = ST = SP 2 2 = ST = SP 3 3 = d = D Distância heliocêntrica D = d senβ do planeta : Período sinódico: tempo decorrido entre duas posições idênticas sucessivas S t( T ) t( ) t = 3 T1 instantes de elongação máxima A duração do ano T período sideral (orbital) S período sinódico (aparente) Enos Picazzio IAGUSP (2006)

47 Planeta Inferior No intervalo de tempo S : 1.Terra deslocou - se de um ângulo ou 360º A (A α S α = 360S A 365,256 d) " α " 2. Planeta foi de P 1 P, ou deslocou - se de 3 360º + α S 360º + α ou T = 360S α = 360S ( 360S / A) T 360º A duração do ano T período sideral (orbital) S período sinódico (aparente) logo : 1 T = 1 A + 1 S Enos Picazzio IAGUSP (2006)

48 Mercúrio: rio: período Período orbital em torno do Sol: ~ 116 d (M 1 ÆM 2 ÆM 3 ); portanto o intervalo entre elongações máximas é ~ 58 d Terra : 365 d 360º 58 d 57º (T ST ˆ 1 2 ) A duração do ano T período sideral (orbital) S período sinódico (aparente) * 1 T Mercúrio :116 d mesma posição de elong. máx. em116 d então : = 1 A + 1 S descreve 474º 116 d 360º 88 d * 1 = + 365, º + 2 x 57º = 474º = = 1 88 (M T 1, M = 3 ) 88d Enos Picazzio IAGUSP (2006)

49 Mercúrio: rio: distância relativa Aproximando a órbita para circular: a distância heliocêntrica da Terra : ST1, ST2,... da observação: STˆ 1M1 = STˆ 2M2 = STˆ 3M3 23º da órbita circular: SMˆ T = SMˆ T = SMˆ T = 90º SM 1 = ST sen23º 0.39ST Enos Picazzio IAGUSP (2006)

50 4XHWDOID]HUDVSDVVDJHQVGDV HTXDo}HVQDPmR" 6HUiPDLVGLYHUWLGRTXHLUDXPD EDODGD Enos Picazzio IAGUSP (2007)

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento dos Planetas eclipse.txt Rogemar A. Riffel e-mail: rogemar@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~rogemar Sala: N101 Livro texto: Astronomia e Astrofísica Kepler

Leia mais

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento dos Planetas eclipse.txt Rogério Riffel e-mail: riffel@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~riffel Sala: N106 Livro texto: Astronomia e Astrofísica Kepler

Leia mais

Introdução. Aula 5 - Movimento dos planetas: o modelo heliocêntrico de Copérnico.

Introdução. Aula 5 - Movimento dos planetas: o modelo heliocêntrico de Copérnico. Aula 5 - Movimento dos planetas: o modelo heliocêntrico de Copérnico. Área 1, Aula 5 Alexei Machado Müller, Maria de Fátima Oliveira Saraiva & Kepler de Souza Oliveira Filho Simulação do movimento aparente

Leia mais

Capítulo 6. Gravitação Universal

Capítulo 6. Gravitação Universal Capítulo 6 Gravitação Universal Os céus manifestam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem,

Leia mais

A TERRA, UM PLANETA MUITO ESPECIAL

A TERRA, UM PLANETA MUITO ESPECIAL A TERRA, UM PLANETA MUITO ESPECIAL Sol Planetas principais (giram diretamente à volta do Sol) Planetas secundários ou satélites (giram à volta de outros planetas) Planetas anões (Plutão, Ceres, Xena)

Leia mais

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP Movimentos da Terra e da Lua e eclipses Gastão B. Lima Neto IAG/USP AGA 210 2 semestre/2006 Nascer do Sol Movimento aparente do Sol Movimento aparente dos astros frequência quotidiana. Interpretação? (1)

Leia mais

FEP-111 Fisica I para Oceanograa. Márcio Katsumi Yamashita. Lista de Exercícios 6 Gravitação

FEP-111 Fisica I para Oceanograa. Márcio Katsumi Yamashita. Lista de Exercícios 6 Gravitação FEP- Fisica I para Oceanograa Márcio Katsumi Yamashita Lista de Exercícios 6 Gravitação . Kepler determinou distâncias no sistema solar, a partir de suas observações. Por exemplo, ele encontrou a distância

Leia mais

Uma Visão Geral do Sistema Solar

Uma Visão Geral do Sistema Solar Uma Visão Geral do Sistema Solar DESCOBRINDO O SISTEMA SOLAR Desde os gregos: Sol 5 planetas: Mercúrio Vênus Marte Júpiter Saturno Cometas (visíveis por algumas semanas) Meteoros ou estrelas cadentes Uma

Leia mais

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino Gravitação Universal Física_9 EF Profa. Kelly Pascoalino Nesta aula: Introdução; Modelos planetários; As leis de Kepler; Lei da gravitação universal. INTRODUÇÃO Denomina-se gravitação, a área da Física

Leia mais

Profº Carlos Alberto

Profº Carlos Alberto Gravitação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: As leis que descrevem os movimentos dos planetas, e como trabalhar com

Leia mais

I Curso Introdução à Astronomia Jan A Terra e a Lua. Daniel R. C. Mello. Observatório do Valongo - UFRJ

I Curso Introdução à Astronomia Jan A Terra e a Lua. Daniel R. C. Mello. Observatório do Valongo - UFRJ I Curso Introdução à Astronomia Jan 2017 A Terra e a Lua Daniel R. C. Mello Observatório do Valongo - UFRJ Nesta aula veremos: O sistema Terra-Lua (dimensões e distâncias) Os Movimentos da Terra, da Lua

Leia mais

Astronomia de posição (II)

Astronomia de posição (II) Sistema de coordenadas horizontal, equatorial, eclíptico e galáctico. Determinação de distâncias (métodos clássicos): Eratostenes, Hiparco, Aristarco e Copérnico. Astronomia de posição (II) Gastão B. Lima

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

UNIDADE GRAVITAÇÃO

UNIDADE GRAVITAÇÃO UNIDADE 1.5 - GRAVITAÇÃO 1 MARÍLIA PERES 010 DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL DE NEWTON Cada partícula no Universo atraí qualquer outra partícula com uma força que é directamente proporcional ao produto das suas

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Curso de Formação continuada em Astronomia Para professores de Educação Básica Prof. Dr. Tibério Borges Vale Projeto de Extensão O uso da Astronomia como elemento didático

Leia mais

NOTAS DE AULA Marta F. Barroso 2006/2 Introdução à Física UNIDADE 4 - NOTAS DE AULA

NOTAS DE AULA Marta F. Barroso 2006/2 Introdução à Física UNIDADE 4 - NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA Marta F. Barroso 006/ UNIDADE 4 - NOTAS DE AULA O Sistema Solar A observação do mundo ao nosso redor é um dos interesses mais antigos da humanidade. Os movimentos do Sol e da Lua, os dois

Leia mais

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da final nacional PROVA EÓRICA 17 de abril de 2015 16H45 Duração máxima 120 minutos Notas: Leia atentamente todas as questões. odas as respostas devem ser

Leia mais

Movimentos da Terra. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP. Agradecimento ao Prof. Roberto Boczko pelo material cedido

Movimentos da Terra. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP. Agradecimento ao Prof. Roberto Boczko pelo material cedido Movimento aparente diurno e anual Sistemas geocêntrico e heliocêntrico Leis de Kepler Rotação e translação da Terra Definição de dia e ano Precessão e nutação Estações do ano Movimentos da Terra Gastão

Leia mais

Maré alta. Nível do mar. Maré baixa

Maré alta. Nível do mar. Maré baixa Introdução à Astronomia Semestre: 2014.1 1 Sergio Scarano Jr 19/05/2014 Observando o Nível do Mar O efeito observado de maré alta e maré baixa. Maré alta Nível do mar Maré baixa Intervalo de Tempo Entre

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES

SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES Mundo antes dos telescópios Terra não era contada como um planeta... Estrelas (6000) S l Lua Mercúrio Vênus Marte Júpiter Saturno Planetas estrelas :

Leia mais

Planetas são:

Planetas são: Características dos planetas (Pp. 71 a 78) Planetas do Sistema Solar Planeta Planeta anão Mercúrio Vénus Terra Marte Júpiter Saturno Úrano Neptuno Atenção às Páginas do MANUAL Manual Espaço Manual Pg.

Leia mais

4.1 INTRODUÇÃO Geodésia Celeste - Objetivo científico e operacional Métodos geométricos e dinâmicos

4.1 INTRODUÇÃO Geodésia Celeste - Objetivo científico e operacional Métodos geométricos e dinâmicos 4 MECÂNICA CELESTE E GEODÉSIA 4. INTRODUÇÃO 4.. Geodésia Celeste - Objetivo científico e operacional 4.. Métodos geométricos e dinâmicos 4. MOVIMENTO ORBITAL 4.. Forças centrais. O problema dos dois corpos

Leia mais

Dinâmica de Sistemas Planetários

Dinâmica de Sistemas Planetários Dinâmica de Sistemas Planetários Wladimir Lyra Sagan Fellow NASA/JPL-Caltech Prova de Aula OV, Rio de Janeiro, Maio 2014 Outline Problema de 2 corpos Leis de Kepler Tipos de órbita Elementos orbitais Problema

Leia mais

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO AULA 1 ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO CONSTELAÇÃO DE Orion Estrelas são os componentes mais básicos do universo. O universo observável contém tantas estrelas quanto grãos de areia somando

Leia mais

d)cheia 10. Existe relação entre umbra,penumbra,eclipse e sombra?

d)cheia 10. Existe relação entre umbra,penumbra,eclipse e sombra? 1ª aula : Questões 1. Por quê não acontece eclipse em todo lugar no Brasil na mesma hora? 2. O que é umbra? 3. O que é penumbra? 4. O que é sombra? 5. O que é eclipse? 6. Qual a diferença entre eclipse

Leia mais

O Sistema Solar. Os Astros do Sistema Solar. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Unidade 2 O SISTEMA SOLAR

O Sistema Solar. Os Astros do Sistema Solar. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Unidade 2 O SISTEMA SOLAR Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 2 O SISTEMA SOLAR O Sistema Solar 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Os Astros do Sistema Solar 2 1 Competências a desenvolver:

Leia mais

Como para o caso demedidas lineares, medidas angulares podem assumir diferentes referências:

Como para o caso demedidas lineares, medidas angulares podem assumir diferentes referências: Introdução à Astronomia Semestre: 2014.1 1 Sergio Scarano Jr 19/05/2014 Unidades de Medida de Ângulos ou Arcos Como para o caso demedidas lineares, medidas angulares podem assumir diferentes referências:

Leia mais

Céu aparente, sistema solar e exoplanetas TEMPO E COORDENADAS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Enos Picazzio. 3.1 Tempo

Céu aparente, sistema solar e exoplanetas TEMPO E COORDENADAS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Enos Picazzio. 3.1 Tempo 3.1 Tempo 3.1.1 Dia sideral, dia solar aparente e dia solar médio 3.1.2 Hora local, fuso horário e linha internacional de data 3.1.3 Mês sinódico e mês sideral 3.1.4 Ano sideral e ano trópico 3.2 Sistemas

Leia mais

A Lei de Planck: a matemática das estrelas (entre outros)

A Lei de Planck: a matemática das estrelas (entre outros) A Lei de Planck: a matemática das estrelas (entre outros) João Fernandes Departamento Matemática UC Observatório Geofísico e Astronómico UC Centro de Investigação da Terra e do Espaço UC (jmfernan@mat.uc.pt)

Leia mais

SISTEMAS DE COORDENDAS CELESTES

SISTEMAS DE COORDENDAS CELESTES SISTEMAS DE COORDENDAS CELESTES Prof. Dr. Carlos Aurélio Nadal Distância angular e diâmetro aparente Diâmetro aparente da Lua Medidas angulares com o auxilio das mãos Ângulo medido a partir do centro da

Leia mais

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler.

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler. Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Oliveira Filho & Alexei Machado Müller Introdução O trabalho de Nicolau Copérnico iniciou uma mudança dramática

Leia mais

2. Observe atentamente o mapa PLANISFÉRIO FUSOS HORÁRIOS.

2. Observe atentamente o mapa PLANISFÉRIO FUSOS HORÁRIOS. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 6ª Ano

Leia mais

Quando um corpo extenso (não pontual) é iluminado por outro corpo extenso definem-se duas regiões de sombra:

Quando um corpo extenso (não pontual) é iluminado por outro corpo extenso definem-se duas regiões de sombra: Eclipses Um eclipse acontece sempre que um corpo entra na sombra de outro. Assim, quando a Lua entra na sombra da Terra, acontece um eclipse lunar. Quando a Terra é atingida pela sombra da Lua, acontece

Leia mais

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Oliveira Filho & Alexei Machado Müller Introdução O trabalho de Nicolau Copérnico iniciou uma mudança dramática

Leia mais

Introdução à astronomia O Sistema Solar

Introdução à astronomia O Sistema Solar Introdução à astronomia O Sistema Solar Introdução a astronomia A Lua A Terra Viver na Terra Introdução a Astronomia Astronomia é a ciência que estuda os astros e os fenômenos celestes. Universo é o conjunto

Leia mais

AGA Introdução à Astronomia Resolução da Lista 1

AGA Introdução à Astronomia Resolução da Lista 1 AGA0210 - Introdução à Astronomia Resolução da Lista 1 Prof. Dr. Alex Cavaliéri Carciofi Monitor: Bruno C. Mota (Dated: 9 de outubro de 2012) I. QUESTÃO 1 Suponha que você esteja em um planeta estranho

Leia mais

As tabelas desta seção contém as efemérides do Sol, Lua e grandes planetas.

As tabelas desta seção contém as efemérides do Sol, Lua e grandes planetas. EXPLICAÇÕES DA SEÇÃO C 1 C As tabelas desta seção contém as efemérides do Sol, Lua e grandes planetas. Essas efemérides fundamentais foram preparadas com base nos dados da integração numérica DE200/LE200,

Leia mais

FÍSICO-QUÍMICA 7.º ANO TERCEIRO CICLO ALEXANDRA COUTINHO ANDREIA SERRASQUEIRO TANAGRA LINO

FÍSICO-QUÍMICA 7.º ANO TERCEIRO CICLO ALEXANDRA COUTINHO ANDREIA SERRASQUEIRO TANAGRA LINO FÍSICO-QUÍMICA 7.º ANO TERCEIRO CICLO ALEXANDRA COUTINHO ANDREIA SERRASQUEIRO TANAGRA LINO ÍNDICE DOMÍNIO Espaço 1 UNIVERSO Constituição do Universo 4 Evolução das estrelas 6 Observação dos astros 6 Evolução

Leia mais

Problemas com o modelo de Ptolomeu.

Problemas com o modelo de Ptolomeu. Problemas com o modelo de Ptolomeu. - Apesar do seu imenso sucesso, o sistema de Ptolomeu teve que ser adaptado à medida que observações mais precisas eram feitas. - Uma saída comum era adicionar epiciclos

Leia mais

2.2 Os planetas e as características que os distinguem

2.2 Os planetas e as características que os distinguem Período de rotação O tempo que um planeta demora para realizar uma rotação completa em torno do seu eixo chama-se período de rotação e corresponde a um dia nesse planeta. Mercúrio Vénus Saturno 59 dias

Leia mais

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Um pouco de História Grécia antiga: Determinação da diferença entre as estrelas fixas e errantes (planetas) Primeiros modelos planetários explicando o movimento

Leia mais

GALILEU GALILEI ( )

GALILEU GALILEI ( ) GALILEU GALILEI (1564-1642) Um dos principais defensores do modelo heliocêntrico de Copérnico. Acreditava na perfeição geométrica. Por isso, não aceitava que as órbitas dos planetas eram elípticas, mesmo

Leia mais

1. Mecânica do Sistema Solar (I)

1. Mecânica do Sistema Solar (I) 1. Mecânica do Sistema Solar (I) AGA 215 Elisabete M. de Gouveia Dal Pino Astronomy: A Beginner s Guide to the Universe, E. Chaisson & S. McMillan (Caps. 0 e 1) Introductory Astronomy & Astrophysics, M.

Leia mais

O Sistema Solar. Uma viagem pelas histórias da formação do Sistema Solar, desde a Nebulosa Planetária de Laplace até os dias de hoje.

O Sistema Solar. Uma viagem pelas histórias da formação do Sistema Solar, desde a Nebulosa Planetária de Laplace até os dias de hoje. 1 Uma viagem pelas histórias da formação do Sistema Solar, desde a Nebulosa Planetária de Laplace até os dias de hoje Sumário Características gerais de um sistema planetário A força da gravidade e as Leis

Leia mais

Ondas & Mecânica MEEC/IST Aula # 14

Ondas & Mecânica MEEC/IST Aula # 14 Ondas & Mecânica MEEC/IST Aula # 14 Sumário Prof. Pedro T. Abreu abreu@lip.pt Atrito e Rolamento As Leis de Kepler e a sua dedução a partir do Movimento num campo de Forças central. O Universo está escrito

Leia mais

Astronomia. O nosso Universo

Astronomia. O nosso Universo Astronomia O nosso Universo O sistema solar Distância entre a Lua e a Terra: 384.000 Km (aprox. 1 seg-luz Velocidade da luz (c) : 300.000 Km/s Distância média entre a Terra e o Sol: 146 milhões Km (aprox.

Leia mais

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V 1. Desde a antiguidade, existiram teorias sobre a concepção do universo. Por exemplo, a teoria Aristotélica propunha que a Terra seria o centro do universo e todos os astros descreveriam órbitas circulares

Leia mais

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP Modelos do Sistema Solar Roberto Ortiz EACH/USP Grécia antiga (750 a.c. 146 a.c.) Desenvolvimento da Matemática, Geometria, Astronomia, Filosofia, Política, etc. Em sua obra Metafísica, Aristóteles (384

Leia mais

Geodésia II. Gabriel Oliveira Jerez Prof. Dra. Daniele Barroca Marra Alves

Geodésia II. Gabriel Oliveira Jerez Prof. Dra. Daniele Barroca Marra Alves Geodésia II Órbitas dos Satélites Gabriel Oliveira Jerez Prof. Dra. Daniele Barroca Marra Alves Posicionamento por satélites Relembr rando... Órbitas Efemérides Princípio?? [ X Y Z ] + t [ X Y Z ] + t

Leia mais

Questões Conceituais

Questões Conceituais Questões em Sala de Aula Módulo 3 Parte B Questões Conceituais QC.1) Num oscilador harmônico simples, massa-mola, a velocidade do bloco oscilante depende (a) da constante elástica k da mola e da amplitude;

Leia mais

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA AS LEIS DE KEPLER NO ENSINO MÉDIO

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA AS LEIS DE KEPLER NO ENSINO MÉDIO XVII Simpósio Nacional de Ensino de Física 1 UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA AS LEIS DE KEPLER NO ENSINO MÉDIO Carla de Souza Lucas a [cslucas@if.ufrj.br] Vitorvani Soares a [vsoares@if.ufrj.br] a Instituto

Leia mais

I. Movimento Aparente e o Sistema Solar. 1º Simpósio do Ensino Médio, Etec Vasco Antonio Venchiarutti, Jundiaí-SP, 21-22/07/2010

I. Movimento Aparente e o Sistema Solar. 1º Simpósio do Ensino Médio, Etec Vasco Antonio Venchiarutti, Jundiaí-SP, 21-22/07/2010 I. Movimento Aparente e o Sistema Solar 1º Simpósio do Ensino Médio, Etec Vasco Antonio Venchiarutti, Jundiaí-SP, 21-22/07/2010 Enos Picazzio IAGUSP / Jul.2010 Devido à infinitude, tudo parece estar à

Leia mais

Astronomia A MÃE DE TODAS AS CIENCIAS

Astronomia A MÃE DE TODAS AS CIENCIAS Astronomia A MÃE DE TODAS AS CIENCIAS O que é Astronomia? Astronomia é uma ciência exata que se preocupa com a origem, evolução, composição, classificação e dinâmica dos corpos celestes todos eles. (zênite.nu)

Leia mais

O Universo e o Sistema Solar

O Universo e o Sistema Solar O Universo e o Sistema Solar 1 O cientista não estuda a natureza porque ela é útil; ele a estuda porque tem prazer nisso, e ele tem prazer nisso porque ela é linda. Se a natureza não fosse linda, não valeria

Leia mais

SLC ASTRONOMIA. Aula 5. Profa. Dra. Manuela Vecchi 2o semestre 2015

SLC ASTRONOMIA. Aula 5. Profa. Dra. Manuela Vecchi 2o semestre 2015 SLC0654 - ASTRONOMIA Aula 5 Profa. Dra. Manuela Vecchi 2o semestre 2015 Sistema Solar Modelos do Sistema Solar Caracterísitcas dos Planetas Dados Físico e Orbitais Mercúrio Vênus Terra e a Lua Marte Asteróides

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 7 ÓRBITA DOS PLANETAS. LEIS DE KEPLER E DE NEWTON. Movimento dos Planetas. O Modelo Geocêntrico. O Modelo Heliocêntrico. Leis de Kepler. Isaac Newton e Suas Leis. Recapitulando as aulas anteriores:

Leia mais

o módulo da quantidade de movimento do satélite, em kg m s, é, aproximadamente, igual a: a) b) c) d) e)

o módulo da quantidade de movimento do satélite, em kg m s, é, aproximadamente, igual a: a) b) c) d) e) 1. Considere que um satélite de massa m 5,0 kg seja colocado em órbita circular ao redor da Terra, a uma altitude h 650 km. Sendo o raio da Terra igual a 6.350 km, sua massa igual a 4 5,98 10 kg e a constante

Leia mais

1. A teoria do Big Bang é a teoria científica hoje mais aceite acerca da origem do Universo Quando terá ocorrido o Big Bang?

1. A teoria do Big Bang é a teoria científica hoje mais aceite acerca da origem do Universo Quando terá ocorrido o Big Bang? Escola Físico-Química 7. Ano Data Nome N.º Turma Professor Classificação 1. A teoria do Big Bang é a teoria científica hoje mais aceite acerca da origem do Universo. 1.1. Quando terá ocorrido o Big Bang?

Leia mais

Cap 1. A Terra: Planeta do sistema solar

Cap 1. A Terra: Planeta do sistema solar Cap 1. A Terra: Planeta do sistema solar 1.1 Introdução A Terra, tal como os outros planetas do sistema solar, tem uma órbita quase circular e coplanar, rodando no mesmo sentido do Sol. Se compararmos

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 02: Noções de Astronomia

Astrofísica Geral. Tema 02: Noções de Astronomia ma 02: Noções de Astronomia Outline 1 Forma e movimentos da rra 2 Constelações 3 Estações do ano 4 Esfera celeste 5 Medidas de tempo 6 Bibliografia 2 / 48 Outline 1 Forma e movimentos da rra 2 Constelações

Leia mais

Planetas fora do Sistema Solar

Planetas fora do Sistema Solar Planetas fora do Sistema Solar José Eduardo Costa Dep. Astronomia Instituto de Física UFRGS (2016-2) O Sistema Solar Massa do Sol = 2 x 1030 Kg (333 000x a massa da Terra; 1 000x a massa de Júpiter) Diâmetro

Leia mais

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Um pouco de história da Astronomia A regularidade dos movimentos do Sol e das outras estrelas, da Lua, o aparecimento

Leia mais

Considera-se que o Sistema Solar teve origem há cerca de 5 mil milhões de anos.

Considera-se que o Sistema Solar teve origem há cerca de 5 mil milhões de anos. Sumário 3 - Como se formou o Sistema Solar? Constituição do Sistema Solar. - Os planetas do Sistema Solar. - Outros astros do Sistema Solar. Formação do Sistema Solar Considera-se que o Sistema Solar teve

Leia mais

O Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP

O Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP O Sistema Solar Roberto Ortiz EACH/USP Formação e evolução Há 4,6 bilhões de anos, uma nuvem de gás (basicamente hidrogênio) se contraiu e formou estrelas, entre elas o Sol. Uma parte residual do gás,

Leia mais

OBA Astronomia. Prof. MSc. Elton Dias Jr.

OBA Astronomia. Prof. MSc. Elton Dias Jr. OBA-2011 -Astronomia Prof. MSc. Elton Dias Jr. Astronomia de Posição 1. Astronomia de Posição 1.1. Coordenadas Celestes Devemos imaginar que as estrelas estão fixas na superfície de uma esfera oca, cujo

Leia mais

2º ano E ESTUDO PARA OBA OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA

2º ano E ESTUDO PARA OBA OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA 2º ano E ESTUDO PARA OBA OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA Wesley e Victor ASTRONAUTA BRASILEIRO Marcos Pontes é um astronauta brasileiro e foi o primeiro a ir ao espaço. Ele foi para o espaço no dia

Leia mais

Pensar criativamente e colocar as coisas em perspectiva pode ajudar. Aqui está um pouco de astronomia para ajudá-lo a colocar sua vida em perspectiva

Pensar criativamente e colocar as coisas em perspectiva pode ajudar. Aqui está um pouco de astronomia para ajudá-lo a colocar sua vida em perspectiva Pensar criativamente e colocar as coisas em perspectiva pode ajudar Aqui está um pouco de astronomia para ajudá-lo a colocar sua vida em perspectiva Hubble O telescópio Hubble está localizado fora de nossa

Leia mais

Aula 1b Tipos de Órbitas

Aula 1b Tipos de Órbitas Aula 1b Tipos de Órbitas Profa. Jane Gregorio-Hetem & Prof. Annibal Hetem AGA0521 Manobras Orbitais 1 Um tiro de canhão Newtoniano Transição de trajetórias parabólicas para órbitas elípticas. 2 Uma órbita

Leia mais

Introdução. Aula 4: Fases da Lua e Eclipses

Introdução. Aula 4: Fases da Lua e Eclipses Aula 4: Fases da Lua e Eclipses Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Souza Oliveira Filho & Alexei Machado Müller, As duas figuras são fotografias da Lua cheia tiradas em lugares do hemisfério sul

Leia mais

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL. CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS FÍSICA Prof Wildson W de Aragão

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL. CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS FÍSICA Prof Wildson W de Aragão GRAVIAÇÃO UNIVERSAL CIÊNCIAS DA NAUREZA E SUAS ECNOLOGIAS FÍSICA Prof Wildson W de Araão Sempre curioso, o homem observa desde os primórdios os fenômenos que acontecem, tanto ao seu redor, quanto lone,

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos Programa de Educação Tutorial - PET

Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos Programa de Educação Tutorial - PET Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos Programa de Educação Tutorial - PET Monografia: Sol suas origens e seus elementos químicos Alunos: Ana Paula Brumann Clemente, Gabriela Ribeiro

Leia mais

Matheus e Ana Clara 2º ano Estrela

Matheus e Ana Clara 2º ano Estrela Matheus e Ana Clara 2º ano Estrela O sistema solar é um conjunto de planetas, asteroides e cometas que giram ao redor do Sol. O nosso sistema solar é constituído por oito planetas: Mercúrio, Terra, Marte,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE Curso de Educação e Formação de Adultos (nível secundário) FICHA DE TRABALHO Nº13

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE Curso de Educação e Formação de Adultos (nível secundário) FICHA DE TRABALHO Nº13 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE Curso de Educação e Formação de Adultos (nível secundário) FICHA DE TRABALHO Nº13 Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 7: SABERES

Leia mais

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico Sumário 2- Estudo do Universo - Modelos de organização do Universo: Teoria Geocêntrica e Teoria Heliocêntrica. - Da Astronomia a olho nu às lunetas e telescópios. Explorando o espaço. - Teoria do Big Bang

Leia mais

Introdução. Aula 4: Fases da Lua e Eclipses

Introdução. Aula 4: Fases da Lua e Eclipses Aula 4: Fases da Lua e Eclipses Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Souza Oliveira Filho & Alexei Machado Müller, As duas figuras são fotografias da Lua cheia tiradas em lugares do hemisfério sul

Leia mais

Beatriz e Alexandre 2º ano Diamante

Beatriz e Alexandre 2º ano Diamante 2º ano D Beatriz e Alexandre 2º ano Diamante A Terra é o terceiro planeta do Sistema Solar a contar a partir do Sol e o quinto em diâmetro. Os oitos planetas que compõe o Sistema Solar são Mercúrio, Vênus,

Leia mais

Fases e Movimentos Aparentes da Lua

Fases e Movimentos Aparentes da Lua Fases e Movimentos Aparentes da 20 e 26 10 2011 Jorge Melendez, baseado/r. Boczko IAG - USP Fases da Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Cheia 22 23 24 25

Leia mais

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 18 de março de 2015 15:00 (Continente e Madeira) / 14:00 (Açores) Duração máxima 120 minutos Notas: Leia atentamente todas as questões.

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO:

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 1 Essa prova destina-se exclusivamente a alunos da 1ª e 2ª Séries e contém dezesseis (16) questões. 2 Os alunos da 1ª Série devem escolher livremente oito (8) questões

Leia mais

RESSONÂNCIA ORBITAL: A SINCRONIZAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DOS CORPOS CELESTES

RESSONÂNCIA ORBITAL: A SINCRONIZAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DOS CORPOS CELESTES RESSONÂNCIA ORBITAL: A SINCRONIZAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DOS CORPOS CELESTES RESUMO Este artigo visa explicar amplamente a Ressonância orbital que foi primeiramente estudado por Simon Laplace, estudioso que

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS. Nesta bela e curiosa estrofe, os astros aparecem em versos sucessivos. Essa passagem revela que:

QUESTÕES OBJETIVAS. Nesta bela e curiosa estrofe, os astros aparecem em versos sucessivos. Essa passagem revela que: QUESTÕES OBJETIVAS Questão 9: Em uma passagem do poema Os lusíadas (canto X, 89) de Luís de Camões (1525-1580), brilharam os astros. Um belo exemplo da influência do pensamento científico nas artes. O

Leia mais

Colégio Santa Cruz - Profª Beth

Colégio Santa Cruz - Profª Beth 1 Andreas Cellarius (1660) 2 3 Aristóteles (sec. IV ac): Tratado Do Céu: Mundo terrestre (sublunar): 4 elementos fundamentais (terra, água, fogo e ar) Não é descrito com a matemática Mundo celeste (supra-lunar):

Leia mais

Observatório Didático de Astronomia Lionel José Andriatto UNESP / Bauru Lon: Lat: Alt: 562m

Observatório Didático de Astronomia Lionel José Andriatto UNESP / Bauru Lon: Lat: Alt: 562m Observatório Didático de Astronomia Lionel José Andriatto UNESP / Bauru Lon: -49 07 02 Lat: -22 19 12 Alt: 562m http://www.fc.unesp.br/observatorio AGENDA 2015 LEGENDA Eventos (internos e externos) Episódios

Leia mais

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como?

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como? Atividade: Vida Entregar dia: 11/02/2016 (2 feira) Manuscrito Cabeçalho; Data; Nome O que é vida? O que significa para você estar vivo? O que é um ser vivo? Você acha que só no nosso planeta há vida? Como

Leia mais

ESTUDO PARA OBA OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA NÍVEL 1. 2º ano C

ESTUDO PARA OBA OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA NÍVEL 1. 2º ano C ESTUDO PARA OBA OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA NÍVEL 1 2º ano C CONSTELAÇÕES Rafael Eiras Marina de Palma As constelações são agrupamentos de estrelas que os astrônomos imaginaram ser figuras de pessoas,

Leia mais

O que são exoplanetas?

O que são exoplanetas? EXOPLANETAS O que são exoplanetas? Um exoplaneta (ou planeta extra-solar) é um planeta que orbita uma estrela que não seja o Sol e, portanto, pertence a um sistema planetário diferente do nosso. Hipotetizados

Leia mais

Terra Marte Júpiter Saturno. O Sistema Solar. Introdução à Astronomia Fundamental. O Sistema Solar

Terra Marte Júpiter Saturno. O Sistema Solar. Introdução à Astronomia Fundamental. O Sistema Solar Introdução à Astronomia Fundamental Lua Distância média da Terra: 384 400 km Diâmetro equatorial: 3480 km Massa: 0,012 massa terrestre Gravidade: 1,62 m/s 2 Densidade: 3340 kg/m 3 Rotação: 27,32 dias Período

Leia mais

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA MARATONA PISM I PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA TÓPICO 1 - MECÂNICA 1.1 CINEMÁTICA CINEMÁTICA ESCALAR VETORIAL MU MUV ANGULAR MCU MU v = CONSTANTE V = Δs Δt s = s 0 + v. t ESCALAR s = s 0 + v 0 t +

Leia mais

Curso de Introdução à Astronomia e Utilização de Telescópios

Curso de Introdução à Astronomia e Utilização de Telescópios Curso de à Astronomia e Utilização de Telescópios Esta acção de formação destina-se a utilizadores de telescópios com pouca experiência prática de observação ou amadores que queiram saber mais sobre o

Leia mais

R θ. Linha de visada. Procedimento: 1. Inicializar o programa e entrar as informações do estudante

R θ. Linha de visada. Procedimento: 1. Inicializar o programa e entrar as informações do estudante MOVIMENTO DE REVOLUÇÃO DAS LUAS DE JÚPITER 1 Objetivos: 1. Aplicar as leis do movimento (ou 3 a lei de Kepler) para calcular a massa de Júpiter. 2. Estimar o período orbital e o raio orbital para as luas

Leia mais

Astro distante e gélido é forte candidato a décimo planeta do sistema solar

Astro distante e gélido é forte candidato a décimo planeta do sistema solar Um irmão maior ASTROFÍSICA Astro distante e gélido é forte candidato a décimo planeta do sistema solar MARCOS PIVETTA Representação'artística de Xena e sua lua ao fundo: astro é o maior objeto encontrado

Leia mais

INTRODUÇÃO. Um pouco de História...

INTRODUÇÃO. Um pouco de História... INTRODUÇÃO Um pouco de História... Mundo na Antigüidade Estrelas (6000) Lua Marte Mercúrio Júpiter Vênus Saturno S l Esfera das estrelas fixas Sistema Geocêntrico ( Ptolomeu, séc. II ) Neste sistema, tudo

Leia mais

Os planetas Extrassolares

Os planetas Extrassolares Os planetas Extrassolares Daniel R. C. Mello Observatório do Valongo - UFRJ I Curso de extensão Introdução à Astronomia - 2017 Planetas Extrassolares Como esta aventura começou? Há um infinito número de

Leia mais

SATÉLITES PLANETÁRIOS

SATÉLITES PLANETÁRIOS SATÉLITES PLANETÁRIOS Othon Cabo Winter Grupo de Dinâmica Orbital e Planetologia DMA - UNESP - Campus de Guaratinguetá ocwinter@feg.unesp.br 1. Introdução Os satélites planetários são de um modo geral

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos a física Uniae Capítulo 7 Gravitação Universal esoluções os exercícios propostos.0 a) velociae orbital o planeta aumenta à meia que ele se aproxima o ol e iminui à meia que se afasta, e acoro com a seguna

Leia mais

1Colégio Santa Cruz - Profª Beth

1Colégio Santa Cruz - Profª Beth 1 2 3 - Lei dos Períodos (de revolução) COMPARAÇÃO DE ASTROS QUE ORBITAM O MESMO CENTRO 2 T Terra r 3 = T 2 Marte Terra r 3 = T 2 Vênus Marte r 3... Vênus T 2 Tempo para dar uma volta r 3 = K Raio da órbita

Leia mais

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Atividade Avaliativa: entregar a resolução de todas as questões. 1. (Ita 016) A partir do repouso,

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA

CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA INTRODUÇÃO TEÓRICA E OBSERVACIONAL 1 Introdução Este curso destina-se a todas as pessoas interessadas por observações astronômicas, sendo adequado a qualquer pessoa. Estudantes

Leia mais