ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina"

Transcrição

1 ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO AGRÍCOLA DO LODO PRODUZIDO NA ETA BOLONHA - RMB Luiza Carla Girard Teixeira Machado José Almir Rodrigues Pereira Marcos Ximenes Ponte Luiza de Nazaré Almeida Lopes PRÓXIMA Realização: ICTR Instituto de Ciência e Tecnologia em Resíduos e Desenvolvimento Sustentável NISAM - USP Núcleo de Informações em Saúde Ambiental da USP

2 AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO AGRÍCOLA DO LODO PRODUZIDO NA ETA BOLONHA RMB RESUMO Luiza Carla Girard Teixeira Machado (2) José Almir Rodrigues Pereira (3) Marcos Ximenes Ponte (4) Luiza de Nazaré Almeida Lopes (5) No trabalho foi realizada a caracterização do resíduo da Estação de Tratamento de água do Bolonha (ETA Bolonha), situada na Região Metropolitana de Belém, desaguado em leitos de secagem, sendo os resultados obtidos comparados com compostos orgânicos utilizados como insumos agrícolas (composto orgânico de lixo urbano e esterco bovino) e com solos de municípios do estado do Pará. O resíduo desaguado apresentou as seguintes características principais: 0,7% de Nitrogênio, 0,6 % de Fósforo total, 0,7 % de Potássio, 6,3% de matéria orgânica, 2,7 % de Alumínio, 0,2 % de cálcio e relação C/N de 5,1. Comparativamente ao composto orgânico de lixo urbano e ao esterco bovino, o resíduo da ETA Bolonha apresentou baixos valores de matéria orgânica, macronutrientes (nitrogênio, potássio, fósforo, cálcio, magnésio e enxofre) e micronutrientes (boro, cobre, ferro manganês, zinco). No entanto, na composição desse resíduo existem elementos essenciais ao desenvolvimento dos vegetais, o que indica que o mesmo pode ser utilizado para fins agrícolas, apresentando valores de nitrogênio, fósforo, potássio e matéria orgânica superiores aos encontrados em solos da região, não sendo verificadas concentrações de metais que possam ocasionar problemas de contaminação. Essas constatações são uma indicação que esse resíduo pode ainda ser utilizado para recuperar áreas degradadas pela ação antrópica, sem prejuízo ou risco de contaminação do solo. PALAVRAS-CHAVE Resíduo de ETA, Aproveitamento agrícola. (2) Engenheira Civil pela UFPA. Mestre em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - EPUSP. Doutora em Desenvolvimento Sócio-Ambiental pelo NAEA/UFPA. Professora Adjunto do Departamento de Hidráulica e Saneamento e do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal do Pará UFPA. (3) Engenheiro Sanitarista pela UFPA. Mestre em Recursos Hídricos pela UFPB. Doutor em Hidráulica e Saneamento pela EESC/USP. Professor Adjunto do Departamento de Hidráulica e Saneamento e do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal do Pará UFPA. (4) Engenheiro Mecânico. Doutor em Engenharia Mecânica. Professor do Departamento de Engenharia Mecânica e do Doutorado em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido da Universidade Federal do Pará UFPA. (5) Acadêmica de Engenharia Sanitária pela Universidade Federal do Pará. Bolsista Iniciação Tecnológica SECTAM. 917

3 INTRODUÇÃO A descarga de resíduos de ETAs em cursos de água foi por muito tempo uma prática comum em vários países do mundo, e ainda é, até hoje, no Brasil. O resíduo produzido em ETA s é composto de argilas, siltes, areia fina, material húmico e microrganismos, bem como de produtos químicos provenientes do processo de coagulação. Há uma grande dificuldade em se generalizar os impactos que podem ser causados a um corpo receptor quando do lançamento de resíduos de ETAs, uma vez que são dependentes de fatores como as características físicas, químicas e biológicas das águas naturais e do corpo receptor, dos produtos químicos utilizados no tratamento, da forma de remoção e tempo de retenção dos resíduos nos decantadores, e das características hidráulicas do corpo receptor, entre outros (REALI, 1999; AMERICAN WATER WORKS ASSOCIATION, 1996). Os resíduos gerados em ETAs são classificados como resíduos sólidos pela NBR (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 1987) e, dessa forma, não podem ser lançados nos cursos d água sem devido tratamento. O tratamento de resíduos de ETAs consiste em sistemas naturais ou mecânicos que proporcionem a geração da menor quantidade possível de resíduos. Após a etapa de tratamento, os resíduos devem ter destino final adequado para não impactar negativamente o meio ambiente. Atualmente, o desenvolvimento tecnológico já permite que sejam agregados valores aos resíduos, seja pela redução dos custos ou pela oportunidade do aumento de receitas. Assim, muitos estudos tem sido conduzidos no intuito do seu aproveitamento. Nesse sentido, a forma mais usual de aproveitamento dos resíduos de ETAs nos EUA é a sua aplicação em solos agrícolas (25% do total de resíduos produzidos), advindo alguns benefícios como a melhoria da estrutura do solo, ajuste de ph, aumento do número de poros e com isso o aumento da capacidade de retenção de água e condições de aeração do solo (RICHTER, 2001). As principais desvantagens apontadas por Dempsey et al. (1990 apud AMERICAN WATER WORKS ASSOCIATION, 1996) são a possibilidade do aumento da concentração de metais pesados no solo e na água subterrânea, adsorção do fósforo do solo pelos hidróxidos de alumínio e ferro e o decréscimo na produtividade do solo. Dessa forma, neste trabalho foi caracterizado o resíduo produzido na ETA Bolonha, previamente desaguado em leitos de secagem, visando analisar a viabilidade do seu aproveitamento para fins agrícola. MATERIAL E MÉTODOS A ETA Bolonha foi construída dentro dos limites do Parque Ambiental de Belém para o tratamento de cerca de 65 % da água distribuída na RMB, sendo a vazão projetada de 3,2 m 3 /s (1ª fase) e 6,4 m 3 /s (2ª fase futura expansão). Essa ETA apresenta unidades de mistura rápida, floculação, decantação, filtração, desinfecção, correção do ph e fluoretação, estando representado na Figura 1 o fluxograma esquemático do processo de tratamento. O coagulante utilizado é o sulfato de alumínio ferroso, com dosagem variando de 8 a 20 p.p.m., dependendo da qualidade da água bruta. 918

4 Água Bruta Sulfato de Alumínio Calha Parshall 06 Floculadores com 03 Misturadores Cal Flúor Cloro Armazenamento 08 Filtros rápidos 06 Decantadores Distribuição Figura 1 - Fluxograma esquemático do processo de tratamento da ETA Bolonha. De acordo com as características da ETA Bolonha, os resíduos são produzidos em duas etapas do processo: na lavagem dos decantadores e dos filtros. Os resíduos produzidos na ETA foram caracterizados e posteriormente desaguados em leitos de secagem no Sistema experimental de desaguamento de lodo (SEDL) da Universidade Federal do Pará (UFPA), conforme descrito por Machado (2003). O SEDL é constituído por 12 leitos de secagem, sendo 6 cobertos e 6 descobertos, respectivamente, como mostra a Figura 2, sendo no experimento utilizado dois leitos cobertos e dois descobertos. Os leitos de secagem possuem dimensões 1,0 m 2 (1,0 m x 1,0 m) e fundo com declividade de 2 %, para facilitar o escoamento do líquido percolado através do meio drenante até a tubulação de descarga. Figura 2 Leito de secagem coberto e descoberto do sistema experimental UFPA. 919

5 Após o período de secagem (21 dias) foram coletadas amostras do resíduo desaguado em cada leito de secagem (2 cobertos e 2 descobertos), para determinação das características físico-químicas desse resíduo, conforme apresentado na Tabela 1. Tabela 1 Determinações laboratoriais realizadas no resíduo desaguado proveniente do SEDL. Parâmetro Unid. Número de determinações Nitrogênio N % 4 Carbono C % 4 Fósforo Total P 2 O 5 % 4 Potássio K 2 O % 4 Cálcio Ca ++ % 4 Magnésio Mg ++ % 4 Enxofre S % 4 Teor de Umidade Umidade % 4 Matéria Orgânica M.O. % 4 Relação C/N C/N - 4 ph ph - 4 Boro B mg/kg 4 Cobre Cu ++ mg/kg 4 Ferro Fé ++ mg/kg 4 Manganês Mn ++ mg/kg 4 Zinco Zn ++ mg/kg 4 Silício Si % 4 Alumínio Al +++ Cmol/dm 3 4 Hidrogênio H + % 4 Massa específica ρ g/cm 3 4 Sólidos Totais ST % 4 Os resultados obtidos foram comparados com compostos orgânicos já utilizados como insumos agrícolas (composto orgânico de lixo urbano e esterco bovino) e com solos de municípios do estado do Pará, sendo, dessa forma, realizada a análise preliminar da viabilidade de utilização do resíduo da ETA Bolonha para fins agrícolas. RESULTADOS O resíduo desaguado proveniente dos leitos de secagem piloto da UFPA apresentaram as características relacionadas na Tabela 2. Os resultados de todos os parâmetros estão expressos em peso seco, exceto o teor umidade, o teor de sólidos totais e a massa específica. 920

6 Tabela 2 - Resultados analíticos médios, de amostras de resíduo desaguado em leitos de secagem em escala-piloto, proveniente da ETA Bolonha. Parâmetro Amostra C1 D1 C2 D2 Média Unid. Nitrogênio N 0,39 0,50 0,78 1,23 0,7 % Carbono C 2,22 4,05 0,92 6,70 3,5 % Fósforo Total P 2 O 5 0,44 0,43 0,50 1,00 0,6 % Potássio K 2 O 0,54 0,54 0,9 0,96 0,7 % Cálcio Ca ++ 0,27 0,26 0,19 0,17 0,2 % Magnésio Mg ++ 0,14 0,14 0,19 0,24 0,2 % Enxofre S 2,25 2,31 0,24 1,17 1,5 % Teor de Umidade Umidade 80,75 77,6 82,9 71,76 78,3 % Matéria Orgânica M.O. 4,02 7,35 1,66 12,07 6,3 % Relação C/N C/N 5,70 8,10 1,18 5,44 5,1 - ph ph 5,99 5,40 6,47 6,33 5,4 - Boro B 313,28 293, ,28 298,6 mg/kg Cobre Cu ++ 32,00 12,00 1,00 4,00 12,3 mg/kg Ferro Fé ,5 mg/kg Manganês Mn ,3 mg/kg Zinco Zn ++ 46,00 50,00 74,00 121,00 72,8 mg/kg Silício Si 9,3 3,26 6,26 12,18 7,75 % Alumínio Al +++ 0,1 0,1 0,8 0,1 0,3 Cmol/dm 3 Hidrogênio H + 7,49 7,66 13,39 7,99 9,13 % Massa específica ρ 2,31 2,29 2,49 2,20 2,3 g/cm 3 Sólidos Totais ST 19,25 22,4 17,1 28,24 21,7 % DISCUSSÃO Para crescer e produzir adequadamente, as plantas necessitam de 16 elementos químicos considerados essenciais e de outros que, embora não considerados como essenciais, têm efeito sobre o desenvolvimento dos vegetais. O carbono, o hidrogênio e o oxigênio são retirados do ar, na forma de gás carbônico e água. Os elementos nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre, denominados de macronutrientes, pois aparecem na composição do tecido vegetal em maior porcentagem, são extraídos pela plantas principalmente do solo. Os elementos cobre, ferro, manganês, zinco e boro, denominados de micronutrientes, pois aparecem na composição do tecido das plantas em menores proporções, também são retirados em quantidades mais significativas do solo (POTENCIAL...,2003). Na Tabela 3 podem ser observadas as características do resíduo da ETA Bolonha, do argissolo amarelo distrófico do município de Castanhal 1 e do latossolo amarelo (textura média) do município de Belém 2. 1 Resultados analíticos das amostras de argissolo amarelo distrófico típico A moderado, textura arenosa/média, que ocupa 78,32% da área total do município de Castanhal, coletado em camada de 0 a 20 cm (VALENTE et al., 2001). 2 Resultados analíticos de amostra de latossolo amarelo, textura média, coletada na área da Embrapa Amazônia Oriental, Belém PA, em camada de 0 a 20 cm (OLIVEIRA; CRUZ; TEIXEIRA, 2000). 921

7 Tabela 3 - Resultados analíticos do resíduo da ETA Bolonha comparados a solos dos municípios de Belém e Castanhal. Parâmetro Resíduo da ETA- BOLONHA Latossolo amarelo (textura média) BELÉM* Argissolo amarelo distrófico CASTANHAL** Unid Nitrogênio N 0,7 0,12 0,06 % Fósforo Total P 2 O 5 0,6 0,15 0,1 % Potássio K 2 O 0,7 0,1 0,78 % Cálcio Ca ++ 0,2-7,0 % Magnésio Mg ++ 0,2-1,8 % Enxofre S 1,5 1,05 - % Alumínio Al +3 0,3 1,6 0,35 cmol/dm 3 Matéria M.O. Orgânica 6,3 2,4 1,21 ph - 5,4 3,5 5,2 - Boro B 298,6 1,01 - mg/kg Cobre Cu ++ 12,3 0,42 - mg/kg Ferro Fe ,5 364,9 - mg/kg Manganês Mn ,3 2,28 - mg/kg Zinco Zn ++ 72,8 1,22 - mg/kg Fonte: *Oliveira, Cruz e Teixeira (2000). ** Valente et al. (2001). Na composição do resíduo da ETA Bolonha existem elementos essenciais ao desenvolvimento de culturas agrícolas. Os valores apresentados na Tabela 3 mostram que o resíduo pode ser utilizado para fins agrícolas, pois apresenta valores de nitrogênio, fósforo, potássio e matéria orgânica superiores aos encontrados em solos da região, sendo que a concentração de alumínio, que poderia ser o fator limitante, ficou abaixo dos valores verificados nos solos de Belém e Castanhal. A Tabela 4 apresenta resultados analíticos do resíduo da ETA Bolonha comparado a um composto orgânico de unidades de compostagem e reciclagem de Lixo urbano, situada na Vila dos Cabanos PA, e a esterco animal. Na unidade de compostagem e reciclagem de lixo urbano instalada na Vila dos Cabanos, município de Barcarena (PA) são processados cerca de 10 t de lixo por dia. A matéria orgânica é transportada para o pátio de compostagem e é colocada em leiras, junto com outros materiais como capim verde ou seco, folhas e caroço de açaí. O composto produzido pela ação de microrganismos em ambiente aeróbio e na presença de água, que transformam matéria orgânica em composto orgânico. As análises químicas da amostra do composto orgânico apresentaram teores de matéria orgânica de 39,84%, nitrogênio de 3,03%, fósforo de 2,59% e potássio de 3,06 % (os demais resultados estão apresentados na Tabela 62). Os pesquisadores concluíram que o composto pode ser utilizado em propriedades agrícolas, especialmente por produtores que praticam a agricultura familiar na produção de hortaliças e jardinagem, s à unidade de compostagem de lixo urbano (TEIXEIRA et al., 2000). % 922

8 Tabela 4 - Resultados analíticos de resíduo da ETA Bolonha comparados a composto orgânicos de unidades de compostagem e reciclagem de Lixo urbano e a bovino. Parâmetro Resíduo ETA BOLONHA Compostagem de Lixo Urbano Esterco Bovino Unidade Nitrogênio N 0,7 3,03 2,01 % Fósforo Total P 2 O 5 0,6 2,59 0,67 % Potássio K 2 O 0,7 3,06 1,52 % Cálcio Ca ++ 0,2 7,08 0,74 % Magnésio Mg ++ 0,2 1,29 0,56 % Enxofre S 1,5 0,37 0,34 % Teor de 13,61 Umidade Umidade 78,3 12,6 % Matéria M.O. Orgânica 6,3 39,84 42,26 % Relação C/N C/N 5,1 6,87 14,97 - ph ph 5,4 6,62 6,47 - Boro B 298,6 694,3 726 mg/kg Cobre Cu ++ 12, ,50 mg/kg Ferro Fe , mg/kg Manganês Mn ,3 251,50 316,25 mg/kg Zinco Zn ++ 72,8 200,50 99,53 mg/kg Teixeira et al. (2002) citam que o esterco de bovino, em função de sua grande disponibilidade e resposta no crescimento dos vegetais, é considerado importante adubo orgânico, sendo bastante utilizado na região amazônica na produção de hortaliças e mudas frutíferas. O fator limitante do uso é a necessidade de grande quantidade e a distância entre o local de produção e a propriedade agrícola onde o composto será aplicado. O esterco bovino analisado foi proveniente de quatro fontes, sendo duas fazendas no município de Castanhal e duas no município de Santa Maria PA. Comparativamente a esse composto orgânico, o resíduo da ETA Bolonha apresenta baixos valores de matéria orgânica, macronutrientes (nitrogênio, potássio, fósforo, cálcio, magnésio e enxofre) e micronutrientes (boro, cobre, ferro manganês, zinco). Para Andreoli, Pegorini e Fernandes (2001), a matéria orgânica exerce importantes efeitos nas propriedades físicas, químicas e biológicas do solo, servindo como elemento condicionante e contribuindo substancialmente para o crescimento dos vegetais. No entanto, o resíduo da ETA Bolonha apresenta vários elementos que são essenciais ao crescimento dos vegetais, podendo ser usado em qualquer plantação, não sendo verificadas concentrações de metais que possam ocasionar problemas de contaminação, conforme pode ser verificado na Tabela 5 para os valores limites de concentração de metais pesados em compostos orgânicos, em alguns países do mundo e segundo proposta do Estado do Paraná, referência nacional nos estudos de utilização de lodos de estação de tratamento de esgotos na agricultura. 923

9 Tabela 5 - Valor limite de concentração de metais pesados no composto em alguns países do mundo e segundo proposta do Estado do Paraná. País/estado Cu Ni Zn Cr Ano Alemanha EUA Austrália França Espanha Paraná * *Proposta de norma Fonte: Santos (2001). Com base nos resultados da Tabela 4, constatou-se que o resíduo da ETA Bolonha, o composto orgânico e o esterco bovino contêm 20 kg, 86,94 kg, 42,03 kg de N + P 2 O 5 + K 2 O (NPK) por tonelada de adubo orgânico, respectivamente. Para os macronutrientes (N,P, K, Ca, Mg, e S), por tonelada de composto, foram obtidos 39 kg no resíduo em estudo, 174,46 kg no composto orgânico e 58,50 kg no esterco de bovino. Em relação a macronutrientes, cada kg de esterco de bovino corresponde a 1,5 kg do resíduo da ETA Bolonha. No entanto, deve-se ressaltar que o valor de NPK é duas vezes maior e a matéria orgânica é cerca de 7 vezes maior no esterco de bovino do que no resíduo analisado. Esses resultados indicam que poderão ser necessárias maiores quantidades em relação a outros adubos. Outro fator que deve ser analisado com cautela se refere a concentração de alumínio no resíduo desaguado, já que no processo de tratamento de água ocorre a adição de sulfato de alumínio. O teor médio de alumínio obtido no resíduo desaguado foi de 2,7% ou mg/kg, o que está de acordo com os valores observados em resíduos de várias ETAs entre e mg/kg. Esse teor é compatível se for comparado com as concentrações típicas de alumínio nos solos naturais, entre e mg/kg. Esse fato indica que os resíduos de ETAs, não são em geral classificados como resíduos tóxicos, mesmo após ensaios de lixiviação quando os metais, na maioria das vezes, não são detectados por sua baixa concentração (AMERICAN WATER WORKS ASSOCIATION, 1996). CONCLUSÃO De acordo com os resultados obtidos é possível concluir que: O resíduo da ETA Bolonha pode ser utilizado em atividades agrícolas, por conter macro e micronutrientes essenciais ao desenvolvimento de plantas e vegetais; O resíduo apresentou 0,7% de Nitrogênio, 0,6 % de Fósforo total, 0,7 % de Potássio, 6,3% de matéria orgânica, 2,7 % de alumínio, 0,2 % de cálcio e relação C/N de 5,1. Os valores de nitrogênio, fósforo, potássio e matéria orgânica foram superiores aos encontrados em solos da região, não sendo verificadas concentrações de metais que possam ocasionar problemas de contaminação; 924

10 Devido às características dos resíduos, a utilização mais imediata seria a disposição direta em áreas do Parque Ambiental, onde está situada a ETA Bolonha, o que poderia trazer benefícios para o solo local. Recomenda-se que sejam realizados ensaios específicos com plantas para definição da melhor relação a ser disposta no solo, além do tipo de cultura mais adequada ao resíduo. AGRADECIMENTOS Aos Professores Raimundo Freire e Leopoldo Brito, da EMBRAPA, pelas informações e análises de resultados; à COSANPA; ao CEFET/PA,; e à FADESP. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMERICAN WATER WORKS ASSOCIATION. Management of water treatment plant residuals. New York : American Society of Civil Engineers, p. ANDREOLI, Cleverson.V; PEGORINI, Eduardo Sabino; FERNANDES, Fernando Santos. Disposição do lodo no solo. In: ANDREOLI, Cleverson.V; SPERLING, Marcos von; FERNANDES, Fernando. Lodo de esgotos: tratamento e disposição final. [S. l.]: UFMG. Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental; Companhia de Saneamento do Paraná, p. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.Resíduos sólidos: NBR Rio de Janeiro, OLIVEIRA, Raimundo Freire; CRUZ, Emanuel de Souza; TEIXEIRA, Leopoldo Brito. Efeito do composto de Lixo orgânico urbano de Barcarena na produção de matéria seca de milho em casca de vegetação. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, p. (Boletim de Pesquisa, n. 26). MACHADO, Luiza Carla Girard Teixeira. ANÁLISE DE CICLO DE VIDA APLICADA AO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS: O CASO DA ETA BOLONHA - RMB p. Tese (Doutorado em desenvolvimento sustentável do trópico úmido) Núcleo de Altos estudos Amazônicos (NAEA). Universidade federal do Pará. POTENCIAL do Biossólido como fonte de nutrientes para as plantas. Disponível em: < Acesso em: 9 set REALI, Marco Antônio Penalva. Principais características quantitativas e qualitativas do lodo de ETAs. In: REALI, M.A.P. (Coord.). Noções gerais de tratamento e disposição final de lodos de estações de tratamento de água. Rio de Janeiro: Projeto PROSAB; ABES, RICHTER, C. A. Tratamento de Lodos de Estações de Tratamento de Água. São Paulo: E. Blucher,

11 SANTOS, Hilton Felício. Normatização para o uso agrícola dos biossólios no exterior e no Brasil. In: ANDREOLI, Cleverson.V; von SPERLING, Marcos; FERNANDES, Fernando. Lodo de esgotos: tratamento e disposição final. [S. l.]: UFMG. Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental; Companhia de Saneamento do Paraná, p. TEIXEIRA, Leopoldo Brito et al. Comparação de composto orgânico de Barcarena com adubos orgânicos tradicionais quanto a propriedades químicas. Belém: EMBRAPA Amazônia Oriental, (Comunicado Técnico n. 70).. Compostagem de Lixo orgânico no município de Barcarena, Pará. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, p. (Documentos n. 59). VALENTE, Moacir Azevedo et al. Solos e avaliação da aptidão agrícola das terras do município de Castanhal, estado do Pará. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, p. (Documentos n. 119). ABSTRACT In this paper a characterization from Bolonha s Water Treatment Plant (Bolonha WTP) residuals treated in drying sand beds was carried out, being the results compared to composts for agriculture use (urban wastes and bovine excrement) and to soils of Pará State. The treated residuals presented 0,7% of nitrogen, 0,6 % of total phosphorus, 0,7 % de Potassium, 6,3% of organic matter, 2,7 % of aluminum, 0,2 % de calcium and 5,1 of the ratio C/N. The residual also presented a small amount of organic matter, macronutrients and micronutrients compared to the composts mentioned before. The composition of the residual showed that essentials elements for the plants development are presented, indicating that it can be used in agriculture, as it has high amounts of nitrogen, phosphorus, potassium and organic matter than the soils of the region and lower concentration of metals. These results also suggest that this residual can be used to improve degraded areas. KEY- WORDS: WTP residuals, agricultural use. 926

I AVALIAÇÃO DO DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA EM LEITO DE SECAGEM

I AVALIAÇÃO DO DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA EM LEITO DE SECAGEM I-176 - AVALIAÇÃO DO DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA EM LEITO DE SECAGEM Luiza de Nazaré Almeida Lopes (1) Engenheira Sanitarista pela Universidade Federal do Pará. Mestranda em Recursos Hídricos e Saneamento

Leia mais

I CARACTERIZAÇÃO DO LODO GERADO NOS DECANTADORES DA ETA-BOLONHA

I CARACTERIZAÇÃO DO LODO GERADO NOS DECANTADORES DA ETA-BOLONHA I-020 - CARACTERIZAÇÃO DO LODO GERADO NOS DECANTADORES DA ETA-BOLONHA Luiza Carla Girard Teixeira Machado (1) Engenheira Civil pela UFPA. Mestre em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Escola Politécnica

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA DA REGENERAÇÃO DE COAGULANTE POR VIA ÁCIDA A PARTIR DO LODO DA ETA DE UMA INDÚSTRIA DE CORANTES

VIABILIDADE TÉCNICA DA REGENERAÇÃO DE COAGULANTE POR VIA ÁCIDA A PARTIR DO LODO DA ETA DE UMA INDÚSTRIA DE CORANTES VIABILIDADE TÉCNICA DA REGENERAÇÃO DE COAGULANTE POR VIA ÁCIDA A PARTIR DO LODO DA ETA DE UMA INDÚSTRIA DE CORANTES A. B. SOUZA 1, R. MEIRELLES Jr 2, M.F. MENDES 3 e C.S.S. PEREIRA 4 1 Universidade Severino

Leia mais

RESÍDUOS PRODUZIDOS NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DO BOLONHA

RESÍDUOS PRODUZIDOS NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DO BOLONHA RESÍDUOS PRODUZIDOS NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DO BOLONHA Luiza Carla Girard Teixeira Machado (*) Engenheira Civil pela UFPA. Mestre em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Escola Politécnica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL DISCIPLINA Código: ENS 5160 Nome: Tratamento de Águas de Abastecimento Carga Horária: 108 horas/aula

Leia mais

ADUBOS FLUÍDOS (líquidos)

ADUBOS FLUÍDOS (líquidos) Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Volnei Pauletti ADUBOS FLUÍDOS (líquidos) Conceitos Uso Vantagens Matérias primas Fabricação 1 Adubos líquidos ou fluídos: CONCEITOS

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia

AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia Coorientador: Flávio Ferlini Salles RELEVÂNCIA O solo é importante

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA 17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA PRODUTIVIDADE DA SOJA O objetivo deste experimento foi avaliar a resposta do programa nutricional via foliar recomendado pela microquímica na cultura da soja

Leia mais

Corretivos Adubos e Adubações. Prof. ELOIR MISSIO

Corretivos Adubos e Adubações. Prof. ELOIR MISSIO Corretivos Adubos e Adubações Prof. ELOIR MISSIO ADUBAÇÃO ORGÂNICA Fertilidade dos solos e manejo da adubação de culturas. Carlos A. Bissani; Clesio Gianello; Marino J. Tedesco; Flávio A. O. Camargo. Porto

Leia mais

Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, Bom Jesus da Lapa, Bahia

Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, Bom Jesus da Lapa, Bahia Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, om Jesus da Lapa, ahia A utilização de solos de baixa fertilidade e a não manutenção de níveis adequados

Leia mais

4 Reciclagem do lodo para utilização final na agricultura

4 Reciclagem do lodo para utilização final na agricultura 24 4 Reciclagem do lodo para utilização final na agricultura A reciclagem agrícola tem proporcionado inúmeros benefícios tanto para o homem quanto a natureza, logo a reciclagem transforma um simples resíduo

Leia mais

APRESENTAÇÃO: FERTILIZANTE TERRAPLANT

APRESENTAÇÃO: FERTILIZANTE TERRAPLANT APRESENTAÇÃO: FERTILIZANTE TERRAPLANT DESCRIÇÃO DO PRODUTO Fertilizante proveniente de cama de aviário; Fonte de macro e micro nutrientes; Fonte excepcional de matéria orgânica. DESCRIÇÃO DO PRODUTO Para

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental I-14 - CARACTERIZAÇÃO DA ÁGUA BRUTA E AVALIAÇÃO DA CARGA HIDRÁULICA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DO BOLONHA (ETA-BOLONHA)-REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM Rubens Chaves Rodrigues (1) Graduando em Engenharia

Leia mais

O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES

O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES LIQUIDA (SOLUÇÃO DO SOLO) ÍONS INORGÂNICOS E ORGÂNICOS/MICROPOROS SÓLIDA - RESERVATORIO DE NUTRIENTES - SUPERFÍCIE QUE REGULA A CONCENTRAÇÃO DOS ELEMENTOS NA SOLUÇÃO

Leia mais

Estratégias de manejo do solo e fertilidade

Estratégias de manejo do solo e fertilidade Estratégias de manejo do solo e fertilidade Rotação de culturas; Utilização de adubaçao verde; Consorciação entre espécies; Plantio direto; Cobertura morta e viva; Mineralização do solo; Inserção de espécies

Leia mais

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Alexandre de Vicente Ferraz Fábio Poggiani Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais

Leia mais

16 Tratamento e disposição de lodos

16 Tratamento e disposição de lodos 16 Tratamento e disposição de lodos 16.1 Produção de lodo de uma ETE Lagoas de estabilização Grandes áreas acumulação pequena de lodo Lagoas aeradas Lagoas de sedimentação Acumulação por 1 a 2 anos necessidade

Leia mais

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO José C. Cruz 1 ; Israel A. Pereira Filho 1 ;

Leia mais

Solo características gerais. Definição: solo = f(rocha+ clima + relevo+biota)

Solo características gerais. Definição: solo = f(rocha+ clima + relevo+biota) Solo características gerais Definição: solo = f(rocha+ clima + relevo+biota) Constituintes do solo a matéria mineral a matéria orgânica, a água o ar 45% minerais 5% 20% ar 30% água Propriedades físico-químicas

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA EM SANEAMENTO BÁSICOB. Prof. Dr. Sidney Seckler Ferreira Filho

ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA EM SANEAMENTO BÁSICOB. Prof. Dr. Sidney Seckler Ferreira Filho ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANITÁRIA APLICAÇÕES DO DIÓXIDO DE CLORO EM SANEAMENTO BÁSICOB Prof. Dr. Sidney Seckler Ferreira Filho Introdução SUMÁRIO Concepção de

Leia mais

II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO

II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO Cristiano Olinger (1) Engenheiro Civil pela Fundação Universidade Regional

Leia mais

COMPOSICÃO, QUíMICA DOS SUBPRODUTOS DA AGROINDÚSTRIA DO DENDÊ

COMPOSICÃO, QUíMICA DOS SUBPRODUTOS DA AGROINDÚSTRIA DO DENDÊ Documentos Número,119 ISSN 0101-2835 Ministério da Agricultra e do Abastecimento Dezembro, 1998 COMPOSICÃO, QUíMICA DOS SUBPRODUTOS DA AGROINDÚSTRIA DO DENDÊ ~Imasa ISSN 0101-2835 Documentos No 119 Dezembro,

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DE FÁBRICA DE CELULOSE E PAPEL

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DE FÁBRICA DE CELULOSE E PAPEL COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS DE FÁBRICA DE CELULOSE E PAPEL Votorantim Celulose e Papel S.A. Ana Gabriela Monnerat C. Bassa Iraê Amaral Guerrini Celina F. do Valle Lenine Corradini Compostagem O que é? É um

Leia mais

IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO

IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO Flávio Yoshida (1) Companhia de Saneamento do Paraná SANEPAR Engenheiro Civil,

Leia mais

III QUALIDADE DO COMPOSTO ORGÂNICO APÓS A INCORPORAÇÃO DE LODO DE ESGOTO

III QUALIDADE DO COMPOSTO ORGÂNICO APÓS A INCORPORAÇÃO DE LODO DE ESGOTO III-231 - QUALIDADE DO COMPOSTO ORGÂNICO APÓS A INCORPORAÇÃO DE LODO DE ESGOTO Mariza Fernanda Power Reis (1) Engenheira Química pela Universidade Pontifícia Católica (RS). Doutora em Recursos Hídricos

Leia mais

CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO

CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO Prof. Leandro Souza da Silva Prof. Carlos Alberto Ceretta Prof. Danilo R. dos Santos Aula 1 Bases conceituais à fertilidade do solo Fertilidade do solo Solo -Sistema

Leia mais

III-014 APROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS DE PODAS DE ÁRVORES E CAPINAS DO MEIO URBANO PARA A PRODUÇÃO DE COMPOSTO.

III-014 APROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS DE PODAS DE ÁRVORES E CAPINAS DO MEIO URBANO PARA A PRODUÇÃO DE COMPOSTO. III-14 APROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS DE PODAS DE ÁRVORES E CAPINAS DO MEIO URBANO PARA A PRODUÇÃO DE COMPOSTO. Fernando Fernandes (1) Engenheiro Civil pela UNICAMP e doutor pelo Instituto Nacional Politécnico

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari Adubação de Plantas Ornamentais Professora Juliana Ferrari Indícios que a planta pode precisar de nutrientes O crescimento se torna lento; Adubação É o método de corrigir as deficiências de nutrientes

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus Experimental de Dracena Curso de Zootecnia Disciplina: Fertilidade do solo e fertilizantes

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus Experimental de Dracena Curso de Zootecnia Disciplina: Fertilidade do solo e fertilizantes UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus Experimental de Dracena Curso de Zootecnia Disciplina: Fertilidade do solo e fertilizantes FERTILIZANTES E CORRETIVOS: CONCEITOS BÁSICOS E CLASSIFICAÇÃO Prof. Dr.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 15 EFEITO DA APLICAÇÃO FOSFATADA VIA FOLIAR NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o comportamento da cultura da soja mediante adubação complementar de fósforo via aplicação foliar através do produto Free

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO 1. INTRODUÇÃO M = nutriente transportado NUTRIENTE FORMAS NUTRIENTE FORMAS Nitrogênio NO - + 3 e NH 4 Boro H 3 BO 3 Fósforo - H 2 PO 4 Cloro Cl - Potássio K + Cobre Cu

Leia mais

Compostagem de resíduos orgânicos: avaliação de resíduos disponíveis no amapá. Organic Composting: assessment of the available waste in Amapá state

Compostagem de resíduos orgânicos: avaliação de resíduos disponíveis no amapá. Organic Composting: assessment of the available waste in Amapá state Compostagem de resíduos orgânicos: avaliação de resíduos disponíveis no amapá Organic Composting: assessment of the available waste in Amapá state JACARANDA, Daniel 1 ; COSTA, Janayna Santos de Sousa 2

Leia mais

Feijão. 9.3 Calagem e Adubação

Feijão. 9.3 Calagem e Adubação Feijão 9.3 Calagem e Adubação Fonte: Fageria et al. (1996). 1996 CORREÇÃO DO SOLO -CALAGEM -GESSAGEM -SILICATAGEM CALAGEM -Aumento da eficiência dos adubos -Produtividade -Rentabilidade Agropecuária. Lopes

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 4137, DE 2004

PROJETO DE LEI N o 4137, DE 2004 PROJETO DE LEI N o 4137, DE 2004 (Do Sr. Julio Lopes) Estabelece normas gerais para utilização e disposição de biossólidos gerados por estações de tratamento de esgotos e de lixo, e dá outras providências.

Leia mais

Tratamento da Água. João Karlos Locastro contato:

Tratamento da Água. João Karlos Locastro contato: 1 Tratamento da Água João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Vazão 3 Informações pertinentes - A água bruta pode conter compostos como: partículas coloidais, substâncias húmicas e

Leia mais

CENTRAL DE COMPOSTAGEM DE LODO DE ESGOTO DA ETE LAVAPÉS

CENTRAL DE COMPOSTAGEM DE LODO DE ESGOTO DA ETE LAVAPÉS 11 a Audiência de Sustentabilidade 30/09/2008 Tema: Compostagem de Resíduos Orgânicos CENTRAL DE COMPOSTAGEM DE LODO DE ESGOTO DA ETE LAVAPÉS Fernando Carvalho Oliveira Eng. Agrônomo, Ms. Dr. ETE LAVAPÉS

Leia mais

SERVIÇOS DE ANÁLISES DEPARTAMENTO DE SOLOS E RECURSOS AMBIENTAIS

SERVIÇOS DE ANÁLISES DEPARTAMENTO DE SOLOS E RECURSOS AMBIENTAIS SERVIÇOS DE ANÁLISES DEPARTAMENTO DE SOLOS E RECURSOS AMBIENTAIS 1. SOLO 1.1 Química para fins de avaliação de fertilidade SOQ-A ph (CaCl 2 ), MO, H + Al, P-resina, Ca, Mg, K, S B, CTC, V% SOQ-B B, Cu,

Leia mais

ESTUDO SOBRE SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO DE LAVANDERIAS INDUSTRIAIS PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS ACÚSTICOS (RESSOADORES DE HELMHOLTZ)

ESTUDO SOBRE SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO DE LAVANDERIAS INDUSTRIAIS PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS ACÚSTICOS (RESSOADORES DE HELMHOLTZ) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO SOBRE SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO DE LAVANDERIAS INDUSTRIAIS PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS CERÂMICOS ACÚSTICOS (RESSOADORES DE HELMHOLTZ) Paulo

Leia mais

I BALANÇO HÍDRICO DAS MICROBACIAS DA REGIÃO DOS LAGOS ÁGUA PRETA E BOLONHA

I BALANÇO HÍDRICO DAS MICROBACIAS DA REGIÃO DOS LAGOS ÁGUA PRETA E BOLONHA I-178 - BALANÇO HÍDRICO DAS MICROBACIAS DA REGIÃO DOS LAGOS ÁGUA PRETA E BOLONHA Carlos Roberto Palmeira Greidinger (1) Engenheiro Civil pela UFPA. Engenheiro da Companhia de Saneamento do Pará COSANPA

Leia mais

15º Encontro Técnico Internacional de Alto Nível: Compostagem em Escala Industrial

15º Encontro Técnico Internacional de Alto Nível: Compostagem em Escala Industrial 15º Encontro Técnico Internacional de Alto Nível: Compostagem em Escala Industrial Da Torta de Filtro ao Fertilizante Organomineral Estudo de Caso do Setor Sucroalcooleiro. Engª Agrª Camila Martinez Guidi

Leia mais

CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE SISTEMAS DE FILTRAÇÃO DIRETA ASCENDENTE E DESAGUAMENTO DO LODO POR CENTRIFUGAÇÃO

CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE SISTEMAS DE FILTRAÇÃO DIRETA ASCENDENTE E DESAGUAMENTO DO LODO POR CENTRIFUGAÇÃO CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE SISTEMAS DE FILTRAÇÃO DIRETA ASCENDENTE E DESAGUAMENTO DO LODO POR CENTRIFUGAÇÃO Luiz Di Bernardo (1) Professor Titular da Escola de Engenharia de São Carlos

Leia mais

Depende do alimento. Depende do alimento. Método interno. Método interno. Depende do alimento. Depende do alimento. Método interno.

Depende do alimento. Depende do alimento. Método interno. Método interno. Depende do alimento. Depende do alimento. Método interno. analíticos - Matriz alimentar Acidez Volátil Ácido ascórbico (Vitamina C) Ácidos Gordos Saturados Ácidos Gordos Insaturados Açucares Redutores Açucares Totais Adulteração do Leite por Aguamento Alcalinidade

Leia mais

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO 526 Adubos e Adubação CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO Prof.

Leia mais

NÍVEIS DE MICRONUTRIENTES EM SOLOS COM USO INTENSIVO DE FERTILIZANTES.

NÍVEIS DE MICRONUTRIENTES EM SOLOS COM USO INTENSIVO DE FERTILIZANTES. NÍVEIS DE MICRONUTRIENTES EM SOLOS COM USO INTENSIVO DE FERTILIZANTES. Carla Thaisa Mendes de Souza (1) Hugo Rodrigues de Morais (1),Juliana Rosa Braga (1),Vinícius Nascimento Amaral (1), Maurício Antônio

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL GÊNESE DO SOLO. Rochas da Litosfera expostas ao calor, água e ar. Alterações físicas e químicas (intemperismo)

NUTRIÇÃO MINERAL GÊNESE DO SOLO. Rochas da Litosfera expostas ao calor, água e ar. Alterações físicas e químicas (intemperismo) NUTRIÇÃO MINERAL GÊNESE DO SOLO Rochas da Litosfera expostas ao calor, água e ar Alterações físicas e químicas (intemperismo) Físico (Altera o tamanho) Químico (Altera a composição) Intemperismo Físico

Leia mais

A cultura da soja. Recomendação de correção e adubação

A cultura da soja. Recomendação de correção e adubação Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz LSO 526 - Adubos e Adubação A cultura da soja Recomendação de correção e adubação Piracicaba, Junho 2017 Eduardo de Castro Mattos

Leia mais

MANEJO DO SOLO PARA O CULTIVO DE HORTALIÇAS

MANEJO DO SOLO PARA O CULTIVO DE HORTALIÇAS MANEJO DO SOLO PARA O CULTIVO DE HORTALIÇAS Vinícius Macedo Msc. em Agroecologia SOLO Ao longo da história da humanidade, o homem sempre conviveu com o solo. No começo, ele apenas colhia os produtos da

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina COMPORTAMENTO DO PH E DA QUANTIDADE P2O5 SOLÚVEL EM ÁGUA

Leia mais

II PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO ATRAVÉS DE PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS OBJETIVANDO REUSO

II PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO ATRAVÉS DE PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS OBJETIVANDO REUSO II-384 - PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO ATRAVÉS DE PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS OBJETIVANDO REUSO Roque Passos Pivelli (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de São Carlos

Leia mais

DECAIMENTO DE PATÓGENOS EM BIOSSÓLIDOS ESTOCADOS EM VALAS

DECAIMENTO DE PATÓGENOS EM BIOSSÓLIDOS ESTOCADOS EM VALAS DECAIMENTO DE PATÓGENOS EM BIOSSÓLIDOS ESTOCADOS EM VALAS Pedro Alem Sobrinho (*) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo USP. Professor Titular do Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária.

Leia mais

DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DOS SOLOS DA REGIÃO DO MÉDIO ALTO URUGUAI - RS 1

DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DOS SOLOS DA REGIÃO DO MÉDIO ALTO URUGUAI - RS 1 DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DOS SOLOS DA REGIÃO DO MÉDIO ALTO URUGUAI - RS 1 FABBRIS, Cristiano 2 ; CHERUBIN, Maurício Roberto 2 ; WEIRICH, Sidinei Wolnei 2 ; MORAES, Moacir

Leia mais

I - Solução Ambiental para os Rejeitos da ETA Guaíra/SP através de Leito de Drenagem e Sedimentador

I - Solução Ambiental para os Rejeitos da ETA Guaíra/SP através de Leito de Drenagem e Sedimentador I - Solução Ambiental para os Rejeitos da ETA Guaíra/SP através de Leito de Drenagem e Sedimentador Tema I Abastecimento de Água Autores: Adriana Martins Peres Borba (1) DEAGUA Departamento de Esgoto e

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE POLICLORETO DE ALUMÍNIO (PAC) NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ E DQO DE EFLUENTE DE LAVANDERIA TEXTIL.

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE POLICLORETO DE ALUMÍNIO (PAC) NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ E DQO DE EFLUENTE DE LAVANDERIA TEXTIL. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE POLICLORETO DE ALUMÍNIO (PAC) NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ E DQO DE EFLUENTE DE LAVANDERIA TEXTIL. A P. C. SOUZA 1 ; E.A. M. SOUZA 1 ;N. C. PEREIRA 2 11 Universidade

Leia mais

Atividade complementar de Química. Substância pura e mistura de substâncias

Atividade complementar de Química. Substância pura e mistura de substâncias Atividade complementar de Química Substância pura e mistura de substâncias Educação de Jovens e Adultos Sobre as substâncias químicas, é importante que esteja claro, que todas as substâncias são constituídas

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 15 Flotação e Filtração

Saneamento Ambiental I. Aula 15 Flotação e Filtração Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 15 Flotação e Filtração Profª Heloise G. Knapik 1 Conteúdo Módulo 2 Parâmetros de qualidade de água - Potabilização Coagulação

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Curso de Zootecnia Disciplina de Manejo e fertilidade do Solo ADUBAÇÃO ORGÂNICA

Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Curso de Zootecnia Disciplina de Manejo e fertilidade do Solo ADUBAÇÃO ORGÂNICA Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Curso de Zootecnia Disciplina de Manejo e fertilidade do Solo ADUBAÇÃO ORGÂNICA Elisandra Pocojeski Prof. Gustavo Brunetto Santa Maria, 17

Leia mais

2 - Sistema de Esgotamento Sanitário

2 - Sistema de Esgotamento Sanitário 2 - Sistema de Esgotamento Sanitário Sistema Separador Esgoto sanitário Esgoto doméstico Esgoto industrial Água de infiltração Contribuição Pluvial Parasitária Sistema de Esgotamento Sanitário TRATAMENTO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

RESUMO PALAVRAS CHAVE. Tratamento de Água, Resíduos, Sólidos, Lodo, Balanço de massa.

RESUMO PALAVRAS CHAVE. Tratamento de Água, Resíduos, Sólidos, Lodo, Balanço de massa. ESTUDO COMPARATIVO DA GERAÇÃO DE SÓLIDOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CONVENCIONAL DE CICLO COMPLETO E ETA CICLO COMPLETO COM DECANTADOR DE ALTA TAXA Francisco Gláucio Cavalcante de Souza (*) Escola

Leia mais

I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE.

I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE. I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE. Luiz Boaventura da Cruz e Silva (1) Químico bacharel graduado pela Universidade

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE DESAGUAMENTO DE LODOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DESAGUADOS EM BAG S DE MANTA GEOTÊXTIL

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE DESAGUAMENTO DE LODOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DESAGUADOS EM BAG S DE MANTA GEOTÊXTIL ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE DESAGUAMENTO DE LODOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DESAGUADOS EM BAG S DE MANTA GEOTÊXTIL Welliton Leandro de Oliveira Boina (1) Engenheiro Ambiental pela Universidade Estadual

Leia mais

INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES

INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES Solos dos cerrados são originalmente deficientes em micronutrientes; O aumento da produtividade com > remoção de micronutrientes; A incorporação inadequada

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE DECANTADOR DE ETA COMO AUXILIAR DE FLOCULAÇÃO

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE DECANTADOR DE ETA COMO AUXILIAR DE FLOCULAÇÃO UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE DECANTADOR DE ETA COMO AUXILIAR DE FLOCULAÇÃO Leonora M. de SOUZA ( 1 ); Paulo S. SCALIZE ( 2 ) RESUMO As estações de tratamento de água (ETAs) podem gerar impactos negativos ao

Leia mais

Aula 4: Química das Águas Parte 3a

Aula 4: Química das Águas Parte 3a Química Ambiental- 1 semestre 2016 Aula 4: Química das Águas Parte 3a Purificação de águas:tratamento de Água para abastecimento Taimara Polidoro Ferreira Departamento de Química- UFJF Importância da água

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA Ivan Nicoletti Ferari 1, Aline Fernandes 1, Marcelo Hemkemeier 2 1 Centro

Leia mais

EMPREGO DO BALANÇO DE MASSA NA AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

EMPREGO DO BALANÇO DE MASSA NA AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EMPREGO DO BALANÇO DE MASSA NA AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Valderi Duarte Leite (1) Professor - UEPB Graduação: Engenharia Química - UFPB Mestrado: Engenharia

Leia mais

PROCESSO DE TRATAMENTO

PROCESSO DE TRATAMENTO PROCESSO DE TRATAMENTO Consiste em separar a parte líquida da parte sólida do esgoto, e tratar cada uma delas separadamente, reduzindo ao máximo a carga poluidora, de forma que elas possam ser dispostas

Leia mais

João Felipe AMARAL, Laércio Boratto de PAULA.

João Felipe AMARAL, Laércio Boratto de PAULA. Avaliação da composição mineral de morangueiro (Fragaria x ananassa) em cultivos convencional e semi-hidropônico no município de Alfredo Vasconcelos, MG. João Felipe AMARAL, Laércio Boratto de PAULA. Introdução

Leia mais

O que é a fossa Séptica

O que é a fossa Séptica O que é a fossa Séptica A fossa séptica modelo Embrapa é um sistema simples desenvolvido para trata o esgoto dos banheiros de residências rurais com ate sete pessoas. Com essa fossa o esgoto é lançando

Leia mais

O que é a fossa Séptica

O que é a fossa Séptica O que é a fossa Séptica A fossa séptica modelo Embrapa é um sistema simples desenvolvido para trata o esgoto dos banheiros de residências rurais com ate sete pessoas. Com essa fossa o esgoto é lançando

Leia mais

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS 5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS Victor Hugo Alvarez V. 1 Roberto Ferreira de Novais 2 Nairam Félix de Barros 3 Reinaldo Bertola Cantarutti 4 Alfredo Scheid Lopes 5 Os critérios a

Leia mais

Dessecagem de lodo de ETA através de Geofôrmas Lineares

Dessecagem de lodo de ETA através de Geofôrmas Lineares 17 a 20 de Agosto de 2010 -Rio de Janeiro Dessecagem de lodo de ETA através de Geofôrmas Lineares Oliveira FS; Costa ADS; Hillen L. Introdução Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos

Leia mais

Enxofre Nutrição Mineral de Plantas ENXOFRE. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola

Enxofre Nutrição Mineral de Plantas ENXOFRE. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola ENXOFRE Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DOS PRINCIPAIS COMPONENTES E PROCESSOS DO CICLO DO ENXOFRE. Enxofre S -fontes Matéria

Leia mais

SOLUÇÕES EM ENGENHARIA, SANEAMENO E MEIO AMBIENTE

SOLUÇÕES EM ENGENHARIA, SANEAMENO E MEIO AMBIENTE SOLUÇÕES EM ENGENHARIA, SANEAMENO E MEIO AMBIENTE A LUSCHI é líder nacional de mercado em dragagem, destaca-se pela sua expertise técnica e equipamentos próprios aplicados ao setor marítimo, portuário

Leia mais

ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 II CONGRESSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA UTFPR CÂMPUS DOIS VIZINHOS ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Fabio César Bratti 1, Laércio

Leia mais

INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES, NA CONCENTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM FOLHAS DE PIMENTEIRA-DO-REINO ( 1 )

INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES, NA CONCENTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM FOLHAS DE PIMENTEIRA-DO-REINO ( 1 ) INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES, NA CONCENTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM FOLHAS DE PIMENTEIRA-DO-REINO ( 1 ) ONDINO C. BATAGLIA. J. ROMANO GALLO, Seção de Química Analítica, CARDOSO ( 2 ), Seção de Plantas

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 14 Sedimentação e Decantação

Saneamento Ambiental I. Aula 14 Sedimentação e Decantação Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 14 Sedimentação e Decantação Profª Heloise G. Knapik 1 Conteúdo Módulo 2 Parâmetros de qualidade de água - Potabilização

Leia mais

GESTÃO DE DEJETOS DE BOVINOS, CASCA SECA E ÚMIDA DE CAFÉ ( Coffea arabica L.) ATRAVÉS DO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM

GESTÃO DE DEJETOS DE BOVINOS, CASCA SECA E ÚMIDA DE CAFÉ ( Coffea arabica L.) ATRAVÉS DO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM GESTÃO DE DEJETOS DE BOVINOS, CASCA SECA E ÚMIDA DE CAFÉ ( Coffea arabica L.) ATRAVÉS DO PROCESSO DE VERMICOMPOSTAGEM Rildo Araújo Leite 1 Roberta de Castro Pereira 2 João Augusto Ferreira Marques 2 Pedro

Leia mais

IFRN CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

IFRN CICLOS BIOGEOQUÍMICOS IFRN CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Prof. Hanniel Freitas Ciclos biogeoquímicos Elementos químicos tendem a circular na biosfera. Ciclagem de nutrientes - movimento desses elementos e compostos inorgânicos essenciais

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEXTURA DO SOLO SOBRE OS PARÂMETROS DOS MODELOS DE VAN GENUCHTEN E BROOCKS E COREY. Donizete dos Reis Pereira, Danilo Pereira Ribeiro

INFLUÊNCIA DA TEXTURA DO SOLO SOBRE OS PARÂMETROS DOS MODELOS DE VAN GENUCHTEN E BROOCKS E COREY. Donizete dos Reis Pereira, Danilo Pereira Ribeiro INFLUÊNCIA DA TEXTURA DO SOLO SOBRE OS PARÂMETROS DOS MODELOS DE VAN GENUCHTEN E BROOCKS E COREY Donizete dos Reis Pereira, Danilo Pereira Ribeiro Universidade Federal de Viçosa/DEA, Campus Universitário,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE LEITOS DE SECAGEM TRADICIONAL E MODIFICADO NA DESIDRATAÇÃO DE LODOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE LEITOS DE SECAGEM TRADICIONAL E MODIFICADO NA DESIDRATAÇÃO DE LODOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE LEITOS DE SECAGEM TRADICIONAL E MODIFICADO NA DESIDRATAÇÃO DE LODOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA Renato Machado ( ) Engenheiro da Companhia Riograndense de Saneamento - CORSAN,

Leia mais

Tratamento e disposição de lodo de esgoto. TH029 - Saneamento Ambiental II - Prof. Regina Tiemy Kishi

Tratamento e disposição de lodo de esgoto. TH029 - Saneamento Ambiental II - Prof. Regina Tiemy Kishi Tratamento e disposição de lodo de esgoto - Prof. Regina Tiemy Kishi Conceito O lodo é caracterizado como resíduo semisólido e de natureza predominantemente orgânica gerado pelo processo de tratamento

Leia mais

CHORUME DE ATERRO NÃO É ESGOTO PRECISA DE TRATAMENTO ADEQUADO

CHORUME DE ATERRO NÃO É ESGOTO PRECISA DE TRATAMENTO ADEQUADO CHORUME DE ATERRO NÃO É ESGOTO PRECISA DE TRATAMENTO ADEQUADO ambientelegal.com.br/chorume-de-aterro-nao-e-esgoto-precisa-de-tratamento-adequado/ Co-tratamento de chorume dos aterros sanitários em estações

Leia mais

CONTAMINAÇÃO NA ÁGUA SUBTERRÂNEA PROVOCADA PELO LIXIVIADO DE ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

CONTAMINAÇÃO NA ÁGUA SUBTERRÂNEA PROVOCADA PELO LIXIVIADO DE ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONTAMINAÇÃO NA ÁGUA SUBTERRÂNEA PROVOCADA PELO LIXIVIADO DE ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Schueler, A.S. e Mahler, C.F. GETRES - COPPE / UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil RESUMO: O presente trabalho apresenta

Leia mais

TRATAMENTO DE EFLUENTE DOMÉSTICO DE LODOS ATIVADOS POR MEMBRANA DE ULTRAFILTRAÇÃO

TRATAMENTO DE EFLUENTE DOMÉSTICO DE LODOS ATIVADOS POR MEMBRANA DE ULTRAFILTRAÇÃO TRATAMENTO DE EFLUENTE DOMÉSTICO DE LODOS ATIVADOS POR MEMBRANA DE ULTRAFILTRAÇÃO Ricardo Nagamine Costanzi (1) Docente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Doutorando da Escola Politécnica de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA OPERAÇÃO DA ETE DE GOIÂNIA

AVALIAÇÃO DA OPERAÇÃO DA ETE DE GOIÂNIA 1 AVALIAÇÃO DA OPERAÇÃO DA ETE DE GOIÂNIA SILVA, Maura Francisca; CARVALHO, Eraldo Henriques Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Em Engenharia Do Meio Ambiente - PPGEMA PALAVRAS-CHAVE: Tratamento de

Leia mais

III-045 SOLUBILIZAÇÃO DE CROMO PRESENTE EM MATRIZES CONFECCIONADAS COM LODO DE CURTUME E CIMENTO

III-045 SOLUBILIZAÇÃO DE CROMO PRESENTE EM MATRIZES CONFECCIONADAS COM LODO DE CURTUME E CIMENTO III-45 SOLUBILIZAÇÃO DE CROMO PRESENTE EM MATRIZES CONFECCIONADAS COM LODO DE CURTUME E CIMENTO Ana Luiza Ferreira Campos Maragno (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Professora

Leia mais

Contaminação das águas subterrâneas

Contaminação das águas subterrâneas Contaminação das águas subterrâneas i Infiltração de efluentes, irrigação de efluentes líquidos i Depósito de resíduos i Acidentes i Vazamentos em áreas de estocagem e dentro de processos produtivos i

Leia mais

I-091 DESAGUAMENTO MECÂNICO POR FILTRO PRENSA DE PLACAS DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA

I-091 DESAGUAMENTO MECÂNICO POR FILTRO PRENSA DE PLACAS DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA I-091 DESAGUAMENTO MECÂNICO POR FILTRO PRENSA DE PLACAS DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA Ricardo Lazzari Mendes (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE. Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater

EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE. Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater Abordagem Aspectos qualitativos no SPDP; Perdas no sistema (nutrientes); Variabilidade horizontal e vertical;

Leia mais

THUANNE BRAÚLIO HENNIG 1,2*, ARLINDO CRISTIANO FELIPPE 1,2

THUANNE BRAÚLIO HENNIG 1,2*, ARLINDO CRISTIANO FELIPPE 1,2 RECICLAGEM DO ALUMÍNIO ATRAVÉS DA SÍNTESE DO ALÚMEN E OTIMIZAÇÃO DE SEU USO COMO UM NOVO COAGULANTE NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PALMITOS-SC THUANNE BRAÚLIO HENNIG 1,2*, ARLINDO CRISTIANO

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR EM ARROZ. N. K. Fageria EMBRAPA Arroz e Feijão, Caixa Postal 179, Santo Antônio de Goiás

DIAGNOSE FOLIAR EM ARROZ. N. K. Fageria EMBRAPA Arroz e Feijão, Caixa Postal 179, Santo Antônio de Goiás DIAGNOSE FOLIAR EM ARROZ N. K. Fageria EMBRAPA Arroz e Feijão, Caixa Postal 179, Santo Antônio de Goiás Tabela 1. Área, produção e produtividade do arroz no Brasil. Safra 2006/2007. Região Área (10 6

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DOCENTE: Dr. José Ribamar Silva Conceituação: D MATÉRIA ORGÂNICA. Todo material de origem vegetal ou animal que se encontre no solo independentemente de seu estado de decomposição.

Leia mais

APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES

APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES 16º ENCONTRO TÉCNICO DE ALTO NÍVEL : REÚSO DE ÁGUA SÃO PAULO, SP - 7 e 8 de Novembro de 2016 Associação

Leia mais

TRATAMENTO DO EFLUENTES

TRATAMENTO DO EFLUENTES TRATAMENTO DO EFLUENTES Para que serve tratamento de efluente? Remover as impurezas físicas, químicas, biológicas e organismos patogênicos do EFLUENTE AQUELE QUE FLUI Resíduos (impurezas) proveniente das

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DO LODO GERADO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE CAMPO MOURÃO PR

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DO LODO GERADO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE CAMPO MOURÃO PR CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DO LODO GERADO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE CAMPO MOURÃO PR Ana Paula Verona de Almeida Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão E-mail: paulaverona@yahoo.com.br

Leia mais