SOMESTESIA. Ed. Física

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOMESTESIA. Ed. Física"

Transcrição

1 SOMESTESIA DOR Ed. Física

2

3 SOMESTESIA CONCEITOS Somestesia: capacidade que as pessoas e animais têm de receber informações sobre as diferentes partes do corpo. Do latim soma = corpo; aesthesia = sensibilidade. Somestesia se divide em quatro submodalidades principais: Tato- percepção das características dos objetos; Propriocepção- capacidade de distinguir a posição estática e dinâmica do corpo e suas partes; Termossensibilidade- percepção da temperatura; Dor- capacidade de identificar estímulos fortes, potenciais ou reais causadores de lesões nos tecidos. Sistema Somestésico: cadeia sequencial de neurônios, fibras nervosas e sinapses que codificam as informações provenientes do corpo. SISTEMA SOMESTÉSICO (Sub)sistema Epicrítico- preciso, rápido, discriminativo e com detalhada representação espacial (tato fino e propriocepção). (Sub)sistema Protopático- grosseiro, lento e espacialmente impreciso (termossensibilidade, dor, fibras táteis de sensibilidade grosseira).

4 Epicrítico Protopático O plano geral dos três subsistemas somestésicos é ligeiramente diferente um do outro, mudando em geral a posição do neurônio de segunda ordem (em vermelho), e portanto o nível do cruzamento através da linha média. O neurônio primário é sempre ganglionar, mas as vias ascendentes diferem quanto ao seu trajeto na medula e acima dela. A propriocepção inconsciente é veiculada pelos feixes espinocerebelares, cujo trajeto é ipsolateral.

5 RECEPTORES SENSORIAIS LOCALIZAÇÕES, CLASSIFICAÇÃO E FUNÇÕES Tipo morfológico Transdução Tipo de fibra* Localização Função Adaptação Terminações livres Mecanoelétrica, Termoelétrica, Quimioelétrica C, Aδ Toda a pele, órgãos internos, vasos sangüíneos, articulações Dor, temperatura, tato grosseiro, propriocepção Lenta Corpúsculos de Meissner Mecanoelétrica Aβ Epiderme glabra Tato, pressão vibratória Rápida Corpúsculos de Pacini Mecanoelétrica Aβ Derme, periósteo, paredes das visceras Pressão vibratória Rápida Corpúsculos de Ruffini Mecanoelétrica Aβ Toda a derme Indentação da pele Lenta Discos de Merkel Mecanoelétrica Aβ Toda a epiderme glabra e pilosa Tato, pressão estática Lenta Bulbos de Krause Mecanoelétrica? Termoelétrica? Aβ Bordas da pele com as mucosas Tato? Temperatura? Lenta? Folículos pilosos Mecanoelétrica Aβ Pele pilosa Tato Rápida OTG Mecanoelétrica Ib Tendões Propriocepção Lenta Fusos musculares Mecanoelétrica Ia e II Músculos esqueléticos Propriocepção Lenta e rápida

6 TIPOS DE FIBRAS SOMATOSENSORIAIS

7 TOPOGRAFIA SEGMENTAR MEDULAR - DERMÁTOMOS Organização segmentar da coluna: Cada par de raízes dorsais contém fibras originadas de uma área restrita da superfície Corporal. Dermátomo: área da superfície corporal que é inervada por um segmento medular. Podem ser delineados quando ocorre lesão.

8 PARA MELHOR ENTENDER OS DERMÁTOMOS E O QUE SERIAM MIÓTOMOS?

9 TOPOGRAFIA DAS LESÕES MEDULARES

10 Epicrítico Protopático O plano geral dos três subsistemas somestésicos é ligeiramente diferente um do outro, mudando em geral a posição do neurônio de segunda ordem (em vermelho), e portanto o nível do cruzamento através da linha média. O neurônio primário é sempre ganglionar, mas as vias ascendentes diferem quanto ao seu trajeto na medula e acima dela. A propriocepção inconsciente é veiculada pelos feixes espinocerebelares, cujo trajeto é ipsolateral.

11 -Código de linhas marcadas: Sub-modalidades sensoriais se projetam para o SNC por vias paralelas, independentes

12 VIAS ANATÔMICAS MEDULARES COLUNA DORSAL LEMNISCO MEDIAL ANTERO LATERAL OU FEIXE ESPINO-TALÂMICO EPICRÍTICO SISTEMA SOMESTÉSICO PROTOPÁTICO (Sub)sistema Epicrítico- preciso, rápido, discriminativo e com detalhada representação espacial (tato fino e propriocepção). (Sub)sistema Protopático- grosseiro, lento e espacialmente impreciso (termossensibilidade, dor, fibras táteis de sensibilidade grosseira).

13 ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA EPICRÍTICO Abeta VIA DORSAL- LEMNISCO MEDIAL Estímulo no pé: -estímulo tátil em mecanorreceptores - geração de potenciais receptores - disparo de potenciais de ação - propagação - fibras seguem medula acima - atingem o bulbo (no tronco encefálico) onde estão neurônios de segunda ordem - axônios desses neurônios cruzam a linha média, e projetam ao tálamo - daí seguem projeções para o córtex Sensação tátil e propriocepção dos membros bulbo (VP) Estímulo na cabeça: - potencias de ação trafegam pelo ramo maxilar do trigêmeo e estabelecem sinapse com neurônios do núcleo principal do trigêmeo, no tronco encefálico (neurônios de segunda ordem) - feixes desses cruzam a linha média, se projetam ao tálamo - daí seguem projeções para o córtex

14 ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA PROTOPÁTICO VIA ANTERO LATERAL (via do feixe espinotalâmico) (alguns dividem em duas: espinotalâmico ventral e lateral) Do pé: - fibras são menores e de condução mais lenta (Adelta e C) - estabelecem sinapse com neurônios de segunda ordem no corno dorsal da medula. - cruzam a linha média - formam feixe espinotalâmico que se projeta ao tálamo - segue projeção de neurônios de terceira ordem ao córtex. Da cabeça: - Seguem pelo n. trigêmeo mas terminam no núcleo espinhal do trigêmeo. - neurônios de segunda ordem se projetam ao tálamo - neurônios de terceira ordem se projetam para o córtex. Fibras de sensibilidade térmica e fibras de sensibilidade dolorosa Feixe espinotalâmico

15 ÁREAS SOMESTÉSICAS

16 O conceito da Organização Topográfica dita que : Pontos próximos na superfície sensorial se projetam para pontos próximos no S.N.C. (mapas contínuos de representação) O conceito de Amplificação dita que: Regiões com maior número de receptores por área da superfície sensorial (funcionalmente mais importantes) são mais representadas. Portanto os mapas são contínuos mas distorcidos.

17 HOMÚNCULO DE PENFIELD

18 SOMATOTOPIA Representação da superfície cutânea ou do interior do corpo nas vias e núcleos somestésicos. Inversão médio lateral. Como se estabelece o mapa somatotópico? Ordenação das fibras que entram na medula, que se mantém no tronco encefálico e tálamo. Inversão médio lateral. * Somatotopia Tátil é a mais precisa.

19 MAPAS SOMATOTÓPICOS NOS DIFERENTES NÍVEIS SOMESTÉSICOS HOMÚNCULO SOMATOTÓPICO Tato- muito preciso Dor- pouco preciso

20 MAPAS SOMATOTÓPICOS EM OUTROS ANIMAIS COELHO GATO MACACO Porém os mapas são dinâmicos! Ex. membro fantasma.

21 PLASTICIDADE PÓS-LESÃO E MEMBRO FANTASMA

22 Tronco encefálico (para as vias espinhais e trigeminais) e medula (vias espinocereberales).

23 Somestesia se divide em quatro submodalidades principais: Tato- percepção das características dos objetos; Propriocepção- capacidade de distinguir a posição estática e dinâmica do corpo e suas partes; Termossensibilidade- percepção da temperatura; Dor- capacidade de identificar estímulos fortes, potenciais ou reais causadores de lesões nos tecidos.

24 PROPRIOCEPÇÃO COMPREENDE RECEPTORES SENSORIAIS LOCALIZADOS NOS MÚSCULOS, TENDÕES E ARTICULAÇÕES E SUAS CONEXÕES COM O SNC; INFORMAÇÕES GERAM INFORMAÇÕES USADAS PARA PLANEJAMENTO MOTOR E TAMBÉM GERAM RESPOSTAS E AJUSTES MOTORES DIRETAMENTE. FUSO MUSCULAR ÓRGÃO TENDINOSO DE GOLGI

25 Epicrítico Protopático O plano geral dos três subsistemas somestésicos é ligeiramente diferente um do outro, mudando em geral a posição do neurônio de segunda ordem (em vermelho), e portanto o nível do cruzamento através da linha média. O neurônio primário é sempre ganglionar, mas as vias ascendentes diferem quanto ao seu trajeto na medula e acima dela. A propriocepção inconsciente é veiculada pelos feixes espinocerebelares, cujo trajeto é ipsolateral.

26 TERMOSSENSIBILIDADE Possibilita o controle da temperatura corporal; Componente consciente e inconsciente; receptores distribuídos pela superfície cutânea, mucosas e vísceras; Sistema protopático: fibras Aδ e C.

27 Possui receptores e vias aferentes específicas. DOR Mecanismo de alerta sobre a ocorrência de estímulos lesivos provenientes do meio externo e interno. (doenças!) Há nociceptores para diferentes estímulos: - mecânicos - térmicos -Químicos -( polimodais) DOR rápida ou aguda- cessa com a interrupção do estímulo. lenta ou crônica- não cessa com a interrupção do estímulo. Maior quanto maior a gravidade da lesão.

28 Componentes da Dor 1) Sensitivo- lida com a intensidade fisiológica do estímulo Nocicepção ativação de receptores da dor 2)Afetivos-lida com os aspectos psicológicosda dor (não agradável, ansiedade, reação emocional) Genética; aspecto cognitivo(atenção, distração, expectativa), humor (depressão, ansiedade); lesão (sensibilização, amplificação) Nociceptores diferenciados com base no tipo de estimulo: Mecânicos- pinçamento, objetos pontiagudos sensação de dor aguda e pontadas térmicos -T extremas (>45 o C <5 o C) polimodais variedade de S nociceptivas, principal inervação da polpa dentária

29 Receptores e vias próprias de sinalização Nociceptor termorreceptor

30 DOR LENTA OU CRÔNICA Aδ C - envolve diversos fenômenos - sangramento leva a anóxia; lesão celular e inflamação - diversas células produzem substâncias algogênicas (que provocam dor). - qualquer estímulo leve na área causa dor extrema (hiperalgesia) - reação inflamatória neurogênica * aspirina: inibe a síntese de prostaglandina.

31 VIAS ASCENDENTES DE DOR

32 CONFLUÊNCIA DE VIAS SOMÁTICAS E VISCERAIS

33 DOR REFERIDA Figura A dor referida do infarto do miocárdio é uma das mais conhecidas. A dor é sentida no tórax e no braço esquerdo ( A), mas a lesão que provoca a dor fica no coração ( B). A explicação está na convergência das fibras nociceptivas da pele e do coração sobre os mesmos neurônios secundários na medula.

34 TIPOS DE DORES REFERIDAS LOCALIZAÇÕES Fígado e Vesícula biliar Pulmão e diafragma Coração Fígado e Vesícula biliar Rim

35 DOR É CONTROLÁVEL??? 1- Teoria da comporta da dor. Fibras táteis ativam circuitos inibitórios.

36 DOR É CONTROLÁVEL??? VIAS ANALGÉSICAS ENDÓGENAS 2- Controle Central da Dor por vias descendentes Vias descendentes moduladoras da dor são provenientes do córtex somestésico e do hipotálamo. Inibição da via nociceptiva na medula. Ação de Opióides.

MAPAS SOMATOTÓPICOS NOS DIFERENTES NÍVEIS SOMESTÉSICOS HOMÚNCULO SOMATOTÓPICO. Tato- muito preciso Dor- pouco preciso

MAPAS SOMATOTÓPICOS NOS DIFERENTES NÍVEIS SOMESTÉSICOS HOMÚNCULO SOMATOTÓPICO. Tato- muito preciso Dor- pouco preciso MAPAS SOMATOTÓPICOS NOS DIFERENTES NÍVEIS SOMESTÉSICOS HOMÚNCULO SOMATOTÓPICO Tato- muito preciso Dor- pouco preciso MAPAS SOMATOTÓPICOS EM OUTROS ANIMAIS COELHO GATO MACACO Porém os mapas são dinâmicos!

Leia mais

SISTEMA EPICRÍTICO X SISTEMA PROTOPÁTICO CARACTERÍSTICAS GERAIS

SISTEMA EPICRÍTICO X SISTEMA PROTOPÁTICO CARACTERÍSTICAS GERAIS SISTEMA EPICRÍTICO X SISTEMA PROTOPÁTICO CARACTERÍSTICAS GERAIS Características Sistema epicrítico Sistema protopático Submodalidades Tato fino, propriocepção consciente Tato grosseiro, termossensibilidade,

Leia mais

SOMESTESIA. Professor Alfred Sholl Programa de Neurobiologia IBCCF

SOMESTESIA. Professor Alfred Sholl  Programa de Neurobiologia IBCCF SOMESTESIA Professor Alfred Sholl neurofisiologia@ufrj.br http://ltc.nutes.ufrj.br/constructore/ Programa de Neurobiologia IBCCF RECEPTORES SENSORIAIS LOCALIZAÇÕES, CLASIFICAÇÃO E FUNÇÕES Tipo morfológico

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA SENSORIAL

INTRODUÇÃO AO SISTEMA SENSORIAL INTRODUÇÃO AO SISTEMA SENSORIAL INTRODUÇÃO -COR -SABOR -SOM CONCEITOS - Sensação: capacidade de alguns seres vivos codificarem energia química e física do ambiente na forma de impulsos nervosos. - Percepção:

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA SENSORIAL

INTRODUÇÃO AO SISTEMA SENSORIAL INTRODUÇÃO AO SISTEMA SENSORIAL INTRODUÇÃO -COR -SABOR -SOM CONCEITOS - Sensação: capacidade de alguns seres vivos codificarem energia química e física do ambiente na forma de impulsos nervosos. - Percepção:

Leia mais

Sistema sensorial. Sistema motor

Sistema sensorial. Sistema motor Estímulos ambientais Sistema sensorial Sistema nervoso Resposta Sistema motor Divisão funcional do Sistema Nervoso Sensorial CATEGORIA ORIGEM ORGANIZAÇÃO SENSIBILIDADE Geral (SOMESTESIA) Calor e Frio Dor

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA SENSORIAL

INTRODUÇÃO AO SISTEMA SENSORIAL INTRODUÇÃO AO SISTEMA SENSORIAL INTRODUÇÃO -COR -SABOR -SOM CONCEITOS - Sensação: capacidade de alguns seres vivos codificarem energia química e física do ambiente na forma de impulsos nervosos. - Percepção:

Leia mais

TRATOS ASCENDENTES E DESCENDENTES DA MEDULA ESPINAL

TRATOS ASCENDENTES E DESCENDENTES DA MEDULA ESPINAL TRATOS ASCENDENTES E DESCENDENTES DA MEDULA ESPINAL DEFINIÇÕES: FUNÍCULO: regiões da substância branca da medula espinal que formam tratos por onde trafegam informações ascendentes (da periferia para o

Leia mais

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função dos Nervos Periféricos Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

Grandes Vias Aferentes

Grandes Vias Aferentes Grandes Vias Aferentes M.Sc. Profª Viviane Marques Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar UVA Docente do mestrado de HIV/AIDS e Hepatites Virais UNIRIO Tutora da Residência Multiprofissional

Leia mais

RECEPTORES SENSORIAS. Professor Alfred Sholl Programa de Neurobiologia IBCCF

RECEPTORES SENSORIAS. Professor Alfred Sholl  Programa de Neurobiologia IBCCF RECEPTORES SENSORIAS Professor Alfred Sholl neurofisiologia@ufrj.br http://ltc.nutes.ufrj.br/constructore/ Programa de Neurobiologia IBCCF IMPORTÂNCIA SENSORIAL Interação organismo-meio Adaptação SISTEMA

Leia mais

Sensações e processamento sensitivo

Sensações e processamento sensitivo Sensações e processamento sensitivo Sistema somatossensorial Detecção de estímulos mecânicos Toque Vibração Pressão Tensão cutânea Identificar formas e texturas de objectos; Monitorizar forças internas

Leia mais

Sistema Somatossensorial

Sistema Somatossensorial CURSO DE EXTENSÃO Sistema Somatossensorial Prof. Patrick Türck Sistema Sensorial Porção do SN diretamente relacionada com a recepção, transdução, transmissão e processamento inicial das informações originárias

Leia mais

Proprioceptores. Proprioceptores

Proprioceptores. Proprioceptores Proprioceptores São órgãos sensoriais encontrados nos músculos e articulações. Sua função é conduzir informações sensoriais para o SNC a partir dos músculos, tendões,articulações e ligamentos. Estão relacionados

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Visão Geral do Sistema Nervoso Central O Sistema Nervoso Central - SNC

Leia mais

Módulo interação com o Ambiente - Sentidos I: sentidos somáticos: dor, temperatura, tato

Módulo interação com o Ambiente - Sentidos I: sentidos somáticos: dor, temperatura, tato ACH 4106 - Biologia do Corpo Humano Módulo interação com o Ambiente - Sentidos I: sentidos somáticos: dor, temperatura, tato Profa Dra Patricia Targon Campana 2016 Sentidos Especiais: olfato, gustação,

Leia mais

1) Introdução. 2) Organização do sistema nervoso humano. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro Cerebelo.

1) Introdução. 2) Organização do sistema nervoso humano. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro Cerebelo. 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do

Leia mais

Neurociências Sensorial

Neurociências Sensorial Minicurso de Neurociências Neurociências Sensorial Prof. Dr. Leonardo Crema OBJETIVOS Processamento da informação sensorial; Receptores sensoriais; Vias e circuitos sensoriais; Centros superiores de integração.

Leia mais

SENSAÇÕES SOMÁTICAS: Tato e Propriocepção

SENSAÇÕES SOMÁTICAS: Tato e Propriocepção SENSAÇÕES SOMÁTICAS: Tato e Propriocepção O código de comunicação entre as células Vias Sensoriais 4ª ordem 3ª ordem 2ª ordem 1ª ordem Tansmissão Somatossensorial Informação Sensorial Penetram na medula

Leia mais

Neuroanatomia. UBM 4 Anatomia Dentária 15 de Dezembro de 2009 Octávio Ribeiro

Neuroanatomia. UBM 4 Anatomia Dentária 15 de Dezembro de 2009 Octávio Ribeiro Neuroanatomia UBM 4 Anatomia Dentária 15 de Dezembro de 2009 Octávio Ribeiro UBM 4 Anatomia Dentária ANATOMIA E FUNÇÃO DO SISTEMA NEUROMUSCULAR Músculos unidade motora Músculos unidade motora O componente

Leia mais

Ana Maria da Silva Curado Lins, M.Sc.

Ana Maria da Silva Curado Lins, M.Sc. A pele é constituída por inúmeras estruturas que dotam os indivíduos com a sensação do tacto, da pressão, do calor, do frio e da dor. Estes receptores encontram-se por toda a superfície da pele, em concentrações

Leia mais

Ana Maria da Silva Curado Lins, M.Sc.

Ana Maria da Silva Curado Lins, M.Sc. Ana Maria da Silva Curado Lins, M.Sc. A pele é constituída por inúmeras estruturas que dotam os indivíduos com a sensação do tacto, da pressão, do calor, do frio e da dor. Estes receptores encontram-se

Leia mais

MEDULA ESPINHAL FUNÇÃO. Prof. João M. Bernardes. A medula desempenha duas funções principais:

MEDULA ESPINHAL FUNÇÃO. Prof. João M. Bernardes. A medula desempenha duas funções principais: MEDULA ESPINHAL Prof. João M. Bernardes FUNÇÃO A medula desempenha duas funções principais: Conduz os impulsos nervosos do encéfalo para a periferia e vice-versa; Processa informações sensitivas de forma

Leia mais

INTRODUÇÃO À FISIOPATOLOGIA DA DOR

INTRODUÇÃO À FISIOPATOLOGIA DA DOR INTRODUÇÃO À FISIOPATOLOGIA DA DOR Histórico da dor e conceitos Profa. Dra. Marucia Chacur Instituto de Ciências Biomédicas III- ICB/USP Departamento de Anatomia Educação Continuada em Fisiopatologia e

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

TÁLAMO E HIPOTÁLAMO TÁLAMO 04/11/2010. Características Gerais

TÁLAMO E HIPOTÁLAMO TÁLAMO 04/11/2010. Características Gerais TÁLAMO E HIPOTÁLAMO Características Gerais TÁLAMO - localizado no diencéfalo, acima do sulco hipotalâmico - constituído de 2 grandes massas ovóides de tecido nervoso: tubérculo anterior do tálamo e pulvinar

Leia mais

Sistema Nervoso. BIOLOGIA YES, WE CAN! Prof. Thiago Moraes Lima

Sistema Nervoso. BIOLOGIA YES, WE CAN! Prof. Thiago Moraes Lima BIOLOGIA YES, WE CAN! Prof. Thiago Moraes Lima 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento CINESIOLOGIA Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009 Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento Estímulo sensitivo Medula Resposta Aula 4 1 ESTRUTURA FUNCIONAL DO SISTEMA

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Do ponto de vista funcional pode-se dividir o sistema nervoso em SN somático e SN visceral. Sistema Nervoso somático

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais.

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central Sidney Sato, MSC Encéfalo Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. 1 Áreas de Brodmann Obs: Áreas 1,2,3 : área

Leia mais

ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda

ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda FISIOLOGIA DA DOR EXPERIÊNCIA SENSORIAL E EMOCIONAL DESAGRADÁVEL ASSOCIADA COM UM DANO TISSULAR REAL OU POTENCIAL Merskey, 1990 Resumo

Leia mais

Subdivide-se em: Sistema Nervoso Central (SNC) Encéfalo e medula espinal. Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos e gânglios

Subdivide-se em: Sistema Nervoso Central (SNC) Encéfalo e medula espinal. Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos e gânglios O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do próprio corpo

Leia mais

ÁREAS CORTICAIS ENVOLVIDAS NO CONTROLE DE MOVIMENTOS: Areas de Brodmann

ÁREAS CORTICAIS ENVOLVIDAS NO CONTROLE DE MOVIMENTOS: Areas de Brodmann ÁREAS CORTICAIS ENVOLVIDAS NO CONTROLE DE MOVIMENTOS: Areas de Brodmann COMANDO MOTOR SUPERIOR: CÓRTEX Planejamento e comando motor. Experimentos de estimulação elétrica de áreas cerebrais estabeleceram

Leia mais

Organização e Estrutura Geral do Sistema Nervoso

Organização e Estrutura Geral do Sistema Nervoso Curso de Pós-graduação - IPUB Neurociências Aplicadas Ciclo Básico Núcleo Comum Disciplina de Neuroanatomia Prof: Alfred Sholl Organização e Estrutura Geral do Sistema Nervoso 08/04/2010 Ementa: Conceitos

Leia mais

Fisiologia do Sistema Motor Somático

Fisiologia do Sistema Motor Somático Fisiologia do Sistema Motor Somático Controle Motor Efetores executam o trabalho (músculos); Ordenadores transmitem aos efetores o comando para a ação (ME, TE e CC); Controladores garantem a execução adequada

Leia mais

Neurofisiologia do Movimento. Dr. Fábio Agertt

Neurofisiologia do Movimento. Dr. Fábio Agertt Neurofisiologia do Movimento Dr. Fábio Agertt Córtex Motor Planejamento, iniciação, direcionamento do movimento Núcleos da base Ajuste da iniciação Centros do tronco cerebral Movimentos básicos e controle

Leia mais

Sistema Nervoso. 1) Introdução

Sistema Nervoso. 1) Introdução 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: Uma experiência sensorial e emocional desagradável associada a lesão tecidual real ou potencial, ou descrita nestes termos Associação Internacional para

Leia mais

Células da Glia Funções das células da Glia

Células da Glia Funções das células da Glia Estrutura e Função do Sistema Nervoso Controle Nervoso do Movimento Células do Sistema Nervoso Células da glia (gliais ou neuróglias) Células neurais (neurônios) 2 Células da Glia Funções das células da

Leia mais

Sistema Nervoso Periférico Ciências Morfofuncionais II

Sistema Nervoso Periférico Ciências Morfofuncionais II Sistema Nervoso Periférico Ciências Morfofuncionais II http://www.auladeanatomia.com/neurologia/nervoscranianos.htm Aspectos da Morfológicos do SNP Divisão do SNP: - Nervos - Gânglios Cranianos Espinhais

Leia mais

Fisiologia. Iniciando a conversa. Percebendo o mundo. Sistema Nervoso

Fisiologia. Iniciando a conversa. Percebendo o mundo. Sistema Nervoso Fisiologia 2 Sistema Nervoso Iniciando a conversa Percebendo o mundo Na aula desta semana, vamos abordar um dos sistemas mais relacionados ao processo ensino-aprendizagem: o sistema nervoso. Iniciaremos

Leia mais

Introdução ao estudo de neurofisiologia

Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Peixe Réptil Ave Boi Humano Por que os cérebros são diferentes entre as espécies? Introdução ao estudo de neurofisiologia

Leia mais

Estrutura e Função do Córtex Cerebral

Estrutura e Função do Córtex Cerebral FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função do Córtex Cerebral Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Córtex Cerebral

Leia mais

Fisiologia Humana Sistema Nervoso. 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia

Fisiologia Humana Sistema Nervoso. 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia Fisiologia Humana Sistema Nervoso 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia ! Função: processamento e integração das informações.! Faz a integração do animal ao meio ambiente! Juntamente com

Leia mais

CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL -

CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL - CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA HUMANA TURMA 11-2014 CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL - PROFª DRª VILMA G. 1. NÍVEL DE CONTROLE LOCAL A MEDULA ESPINAL:

Leia mais

Acupuntura e Fisiologia da Dor. CESAC 2012 Dr. Roberto Caron

Acupuntura e Fisiologia da Dor. CESAC 2012 Dr. Roberto Caron Acupuntura e Fisiologia da Dor CESAC 2012 Dr. Roberto Caron Dor Dor é uma sensação desprazerosa e uma experiência emocional associada a uma lesão real ou potencial, ou descrita em termos de uma lesão.

Leia mais

REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO

REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO SISTEMA NERVOSO REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO Sistema nervoso x Sistema hormonal Interpretar estímulos e gerar respostas Percepção das variações do meio (interno e externo) Homeostase = equilíbrio Tecido nervoso

Leia mais

Fisiologia. Vias aferentes. Sistema Nervoso

Fisiologia. Vias aferentes. Sistema Nervoso Fisiologia 2 Sistema Nervoso Vias aferentes Os sistemas sensoriais Os sistemas sensoriais compõem parte das vias aferentes do sistema nervoso periférico e podem ser classificados em três funções principais:

Leia mais

Módulo: Neuroanatomofisiologia da Deglutição e da Comunicação Verbal Conteúdo: Tronco Encefálico

Módulo: Neuroanatomofisiologia da Deglutição e da Comunicação Verbal Conteúdo: Tronco Encefálico Módulo: Neuroanatomofisiologia da Deglutição e da Comunicação Verbal Conteúdo: Tronco Encefálico M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. Cláudia Minazaki

Fisiologia do Sistema Nervoso. Cláudia Minazaki Fisiologia do Sistema Nervoso Cláudia Minazaki Conteúdo para estudar: 1. SNC e SNP 2. Classificação fisiológica: sistema nervoso somático e visceral (órgãos e estruturas de constituição e funções) 3. Organização

Leia mais

Sensações somáticas. Classificação dos sentidos somáticos. Profa Geanne Matos de Andrade. Receptores sensoriais

Sensações somáticas. Classificação dos sentidos somáticos. Profa Geanne Matos de Andrade. Receptores sensoriais a Classificação dos sentidos somáticos Sensações somáticas Profa Geanne Matos de Andrade Depto de Fisiologia e Farmacologia- UFC Mecanorreceptivos- - tato, pressão, vibração e cócegas - posição (estática

Leia mais

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP DOR E CEFALEIA Profa. Dra. Fabíola Dach Divisão de Neurologia FMRP-USP Dor Experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos. Cada indivíduo

Leia mais

TRONCO ENCEFÁLICO FUNÇÃO. Prof. João M. Bernardes

TRONCO ENCEFÁLICO FUNÇÃO. Prof. João M. Bernardes TRONCO ENCEFÁLICO Prof. João M. Bernardes FUNÇÃO O tronco encefálico funciona como uma área de passagem para muitas vias descendentes e ascendentes; Está envolvido no controle da respiração, funções do

Leia mais

Capítulo 15: CIRCUITOS DO NEURÓNIO MOTOR INFERIOR E CONTROLO MOTOR

Capítulo 15: CIRCUITOS DO NEURÓNIO MOTOR INFERIOR E CONTROLO MOTOR BSN UP4 Autor: Francisco Cubal Capítulo 15: CIRCUITOS DO NEURÓNIO MOTOR INFERIOR E CONTROLO MOTOR Os neurónios motores inferiores de: medula espinal + tronco cerebral são neurónios motores α. Estes neurónios

Leia mais

Organização do sistema motor

Organização do sistema motor A organizaç organização bá básica do Sistema Motor Organizaç Organização do sistema motor Figura 11.1. Diagrama de blocos descritivo do sistema motor. As cores de cada bloco diferenciam as estruturas efetoras,

Leia mais

Estrutura e Funções do. Telencéfalo PROF. MUSSE JEREISSATI

Estrutura e Funções do. Telencéfalo PROF. MUSSE JEREISSATI EURO ANATOMIA Estrutura e Funções do Telencéfalo PROF. MUSSE JEREISSATI mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote AGORA, NÃO! 3 O Cérebro (Encéfalo) Está dividido

Leia mais

Unidade I Neurociência básica. Divisão do sistema nervoso: Citologia e histologia.

Unidade I Neurociência básica. Divisão do sistema nervoso: Citologia e histologia. Unidade I Neurociência básica. Divisão do sistema nervoso: Citologia e histologia. Prof a : Norma M. S. Franco Organizador: André Mendonça I - Divisão anatômica do Sistema Nervoso. Cérebro Telencéfalo

Leia mais

Fonte: Anatomia Humana 5 edição: Johannes W. Rohen

Fonte: Anatomia Humana 5 edição: Johannes W. Rohen Prof. Bruno Pires MORFOLOGIA Divisões: Sistema Nervoso Central: formado por encéfalo e medula espinhal Encéfalo: Massa de tecido nervoso presente na região do crânio. Composta por tronco encefálico, cérebro

Leia mais

Tronco Encefálico. M.Sc. Profª Viviane Marques

Tronco Encefálico. M.Sc. Profª Viviane Marques Tronco Encefálico M.Sc. Profª Viviane Marques Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar UVA Docente do mestrado de HIV/AIDS e Hepatites Virais UNIRIO Tutora da Residência Multiprofissional

Leia mais

Síndromes medulares. Amilton Antunes Barreira Departamento de Neurologia, Psiquiatria e Psicologia Médica FMRP - USP

Síndromes medulares. Amilton Antunes Barreira Departamento de Neurologia, Psiquiatria e Psicologia Médica FMRP - USP Síndromes medulares Amilton Antunes Barreira Departamento de Neurologia, Psiquiatria e Psicologia Médica FMRP - USP Transsecção completa da medula espinal *Interrupção dos tratos motores e sensitivos

Leia mais

SISTEMA NERVOSO TECIDO NERVOSO IMPULSO NERVOSO SINAPSE

SISTEMA NERVOSO TECIDO NERVOSO IMPULSO NERVOSO SINAPSE SISTEMA NERVOSO TECIDO NERVOSO IMPULSO NERVOSO SINAPSE DIVISÕES DO SISTEMA NERVOSO: Processamento e integração de informações O ENCEFALO ESTÁ LIGADO À MEDULA ESPINAL. Condução de informações entre órgãos

Leia mais

Fundamentos de Saúde SISTEMAS DO CORPO HUMANO

Fundamentos de Saúde SISTEMAS DO CORPO HUMANO Fundamentos de Saúde 1º bimestre/2012 SISTEMAS DO CORPO HUMANO Escola Técnica - MÚLTIPLA Estrutura do tegumento (pele). O tegumento humano, mais conhecido como pele, é formado por duas camadas distintas,

Leia mais

Organização geral. Organização geral SISTEMA NERVOSO. Organização anatómica. Função Neuromuscular. Noções Fundamentais ENDÓCRINO ENDÓCRINO

Organização geral. Organização geral SISTEMA NERVOSO. Organização anatómica. Função Neuromuscular. Noções Fundamentais ENDÓCRINO ENDÓCRINO TP0 Função Neuromuscular TP1 Apresentação T1 (29/IX) Aspectos fundamentais da estrutura e funcionamento do sistema nervoso TP2 Aspectos fundamentais da estrutura e funcionamento do sistema nervoso (cont.)

Leia mais

SENSIBILIDADE SOMÁTICA

SENSIBILIDADE SOMÁTICA SENSIBILIDADE SOMÁTICA Sensibilidade é a capacidade de detectar e processar a informação sensorial que é gerada por um estímulo proveniente do ambiente interno ou externo ao corpo. Profa. Cláudia Herrera

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO https://www.youtube.com/watch?v=nvd1xbnamou Classificação SNC corpos celulares dos neurônios (substância cinzenta) prolongamentos (substância branca) SNP Nervos sensitivos (aferentes)

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO Classificação SNC corpos celulares dos neurônios (substância cinzenta) prolongamentos (substância branca) SNP Nervos sensitivos (aferentes) Entrada Saída Nervos cranianos e nervos

Leia mais

Sistema Nervoso Cap. 13. Prof. Tatiana Setembro / 2016

Sistema Nervoso Cap. 13. Prof. Tatiana Setembro / 2016 Sistema Nervoso Cap. 13 Prof. Tatiana Setembro / 2016 Função Responsável pela comunicação entre diferentes partes do corpo e pela coordenação de atividades voluntárias ou involuntárias. Neurônios A célula

Leia mais

Aula 8. Reflexos Ajustes Posturais Vias Descendentes

Aula 8. Reflexos Ajustes Posturais Vias Descendentes Aula 8 Reflexos Ajustes Posturais Vias Descendentes FONTES SENSORIAIS PROPRIOCEPTIVAS SISTEMA VISUAL SISTEMA VESTIBULAR SISTEMA SOMATOSENSORIAL INFORMAÇÕES DE ORIGEM MUSCULAR QUE CONTRIBUEM PARA OS MOVIMENTOS

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SNA Via motora autônoma neurovegetativa nível subcortical simpática e parassimpática SNA SNA opera por reflexos viscerais sinais sensitivos de partes do corpo enviam impulsos ao

Leia mais

O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais.

O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais. INTRODUÇÃO O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais. Atua na coordenação das múltiplas atividades do organismo, na integração das diversas partes

Leia mais

Tronco Encefálio e Formação Reticular. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tronco Encefálio e Formação Reticular. Msc. Roberpaulo Anacleto Tronco Encefálio e Formação Reticular Msc. Roberpaulo Anacleto TRONCO ENCEFÁLICO -Área do encéfalo que estende-se desde a medula espinhal até o diencéfalo TRONCO ENCEFÁLICO = BULBO + PONTE + MESENCÉFALO

Leia mais

COLEÇÃO MONOGRAFIAS NEUROANATÔMICAS MORFO-FUNCIONAIS

COLEÇÃO MONOGRAFIAS NEUROANATÔMICAS MORFO-FUNCIONAIS COLEÇÃO MONOGRAFIAS NEUROANATÔMICAS MORFO-FUNCIONAIS VOLUME 4 MEDULA ESPINHAL:SUAS GRANDES VIAS ASCENDENTES E DESCENDENTES, A SISTEMATIZAÇÃO DE SUA SUBSTÂNCIA BRANCA, SEUS CENTROS CINZENTOS OPERACIONAIS

Leia mais

Sistema Nervoso. Prof. TOSCANO. Biologia. Tema: SISTEMA NERVOSO

Sistema Nervoso. Prof. TOSCANO. Biologia. Tema: SISTEMA NERVOSO Prof. TOSCANO Biologia Tema: SISTEMA NERVOSO TECIDO NERVOSO PRINCIPAL TECIDO do sistema nervoso Tipos celulares: - NEURÔNIOS condução de impulsos nervosos - CÉLULAS DA GLIA manutenção dos neurônios NEURÔNIOS

Leia mais

Áreas de Domínio da MO

Áreas de Domínio da MO 1 2 O uso dos Pontos e Zonas Motoras da Face O complexo orofacial é um sistema de órgãos, formado pelo conjunto de vários elementos anatomofisiológicos e serve para desenvolver ou cooperar com as seguintes

Leia mais

Células do Sistema Nervoso, Fibras, Nervos, Terminações e Dermátomos

Células do Sistema Nervoso, Fibras, Nervos, Terminações e Dermátomos Curso de Pós-graduação - IPUB Neurociências Aplicadas Ciclo Básico Núcleo Comum Disciplina de Neuroanatomia Prof: Alfred Sholl Células do Sistema Nervoso, Fibras, Nervos, Terminações e Dermátomos 20/04/2010

Leia mais

Controla funções orgânicas e é responsável pela interação do animal com o meio ambiente.

Controla funções orgânicas e é responsável pela interação do animal com o meio ambiente. Sistema Nervoso Controla funções orgânicas e é responsável pela interação do animal com o meio ambiente. Muitas funções dependem da vontade e muitas são inconscientes. Divisão Sistema Nervoso Central constituído

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A FLEXIBILIDADE

DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A FLEXIBILIDADE DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES FÍSICAS A 1. Contributo Para a Definição da Capacidade - Flexibilidade 2. Factores Condicionantes do Desenvolvimento da Flexibilidade 3. Conclusões Metodológicas 1 1. Contributo

Leia mais

PERCEBEMOS O MUNDO PARA AGIR SOBRE ELE

PERCEBEMOS O MUNDO PARA AGIR SOBRE ELE Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Ciências Fisiológicas FISIOLOGIA PSICOLOGIA NEROFISIOLOGIA Introdução ao sistema sensorial Receptores sensoriais Prof. Leonardo dos Santos PERCEBEMOS

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Origem de alguns reflexos Os seres vivos devem se ajustar ao meio; Existem três propriedades fundamentais para esta adaptação: Irritabilidade Condutibilidade

Leia mais

Sistema nervoso: visão geral e SNC

Sistema nervoso: visão geral e SNC ACH 4106 - Biologia do Corpo Humano Sistema nervoso: visão geral e SNC Profa Dra Patricia Targon Campana 2016 1. Membranas e passagem de sinal 1.1. membrana celular: noções básicas 1.2. transporte através

Leia mais

Axônios motores somáticos (eferentes somáticos gerais): Axônios motores branquiais (eferentes viscerais especiais):

Axônios motores somáticos (eferentes somáticos gerais): Axônios motores branquiais (eferentes viscerais especiais): Nervos Cranianos: Função: Axônios motores somáticos (eferentes somáticos gerais): Axônios motores branquiais (eferentes viscerais especiais): Axônios motores viscerais (eferentes viscerais gerais): Fibras

Leia mais

Nervos Cranianos. Prof. Gerardo Cristino. Nervios Craneanos - Anatomía y clínica - Pauwels, Akesson, Stewart

Nervos Cranianos. Prof. Gerardo Cristino.  Nervios Craneanos - Anatomía y clínica - Pauwels, Akesson, Stewart Nervos Cranianos Prof. Gerardo Cristino www.gerardocristino.com.br Classificação das fibras dos Nervos Cranianos AFERENTES Fibras aferentes somáticas Dor, temperatura, tato, pressão, propriocepção Fibras

Leia mais

Os motoneurônios inferiores estão localizados somente na medula espinhal?

Os motoneurônios inferiores estão localizados somente na medula espinhal? Os motoneurônios inferiores estão localizados somente na medula espinhal? 1 NÚCLEOS MOTORES DO TRONCO ENCEFÁLICO MESENCÉFALO Núcleos do III e IV Áreas integrativas visuais, auditivas e pupilares PONTE

Leia mais

ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO

ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO Ciências Morfofuncionais II ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO Professora: Ms. Grazielle V. P. Coutinho Qual a importância de tantos estudos sobre o Sistema Nervoso? DIVISÕES PARA O ESTUDO DO SN

Leia mais

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR NEUROFISIOLOGIA Prof. Hélder Mauad DOR - Mecanismo de proteção do organismo Ocorre quando um tecido está sendo lesado Faz com que o indivíduo reaja para remover o estímulo lesivo

Leia mais

Aula 20 Sistema nervoso

Aula 20 Sistema nervoso Aula 20 Sistema nervoso O sistema nervoso coordena o funcionamento dos diversos sistemas dos animais; permite reações dos animais quando são estimulados pelo meio ambiente. Ele integra todas as partes

Leia mais

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função dos Nervos Periféricos Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

Composição Celular do Músculo

Composição Celular do Músculo Tecido Muscular Composição Celular do Músculo Células alongadas com grande quantidade de filamentos citoplasmáticos de proteínas contráteis (geradoras de força para contração) = miofibrilas Células musculares

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professor: Msc. Fabrício de Melo Garcia Siga-me: Proffabriciog (Twitter)

SISTEMA NERVOSO. Professor: Msc. Fabrício de Melo Garcia  Siga-me: Proffabriciog (Twitter) SISTEMA NERVOSO Professor: Msc. Fabrício de Melo Garcia www.cienciadasaude.com.br garciameloltda@hotmail.com Siga-me: Proffabriciog (Twitter) Sistema Nervoso - Funções Receber informações do meio interno

Leia mais

CLASSES DE MOVIMENTOS

CLASSES DE MOVIMENTOS CLASSES DE MOVIMENTOS ATOS REFLEXOS - considerados involuntários, simples (poucos músculos), estereotipados, em geral ocorrem automaticamente em resposta a um estímulo sensorial. Ex. resposta ao toque

Leia mais

13/08/2016. Movimento. 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor

13/08/2016. Movimento. 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor Movimento 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor 1 Movimento Componentes Celulares e Funcionamento do Sistema Nervoso 2 O Sistema nervoso desempenha importantes funções, como controlar funções orgânicas

Leia mais

Introdução ao estudo da. Neuroanatomia. Prof. Musse Jereissati

Introdução ao estudo da. Neuroanatomia. Prof. Musse Jereissati Introdução ao estudo da Neuroanatomia Prof. Musse Jereissati mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote você deverá ser capaz de: Ao final Identificar as principais

Leia mais

Sistema Nervoso Somático ou voluntário

Sistema Nervoso Somático ou voluntário Sistema Nervoso periférico Divisão e organização Constituintes Função Prof. A.Carlos Centro de Imagens e Física Médica - FMRP Aferente Nervos, raízes e gânglios da raiz dorsal SNP Somático Sistema nervoso

Leia mais

FISIOLOGIA DA VISÃO PERCEPÇÃO VISUAL. Le2cia Veras Costa- Lotufo

FISIOLOGIA DA VISÃO PERCEPÇÃO VISUAL. Le2cia Veras Costa- Lotufo FISIOLOGIA DA VISÃO Le2cia Veras Costa- Lotufo PERCEPÇÃO VISUAL Localização Espacial Medida de Intensidade Discriminação das Formas Detecção do Movimento Visão a Cores 1 9/22/10 FUNÇÃO RECEPTORA E NEURAL

Leia mais

FUNÇÕES HIPOTALÂMICAS

FUNÇÕES HIPOTALÂMICAS Os mecanismos hipotalâmicos agem em conjunto, no sentido de preservar a homeostasia. ANATOMIA FUNCIONAL DO HIPOTÁLAMO O hipotálamo exerce sua influência sobre o meio interno através de três sistemas: Sistema

Leia mais

Psicofisiologia da visão

Psicofisiologia da visão Psicologia Percepção Visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Psicofisiologia da visão O olho A retina O nervo óptico O núcleo geniculado lateral O córtex visual Dos neurónios à percepção

Leia mais

Elementos do córtex cerebral

Elementos do córtex cerebral Elementos do córtex cerebral Antonio C. Roque Universidade de São Paulo Ribeirão Preto, SP Baseado no capítulo 1 do livro de Moshe Abeles, Corticonics: Neural Circuits of the Cerebral Cortex, Cambridge

Leia mais

Classes de Dor DOR. Estímulos Algogênicas

Classes de Dor DOR. Estímulos Algogênicas Classes de Dor DOR Experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos. Cada indivíduo aprende a utilizar esse termo através das suas experiências

Leia mais