Neoplasias de células melanocíticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Neoplasias de células melanocíticas"

Transcrição

1 Neoplasias de células melanocíticas PATOLOGIA II Aula Prática nº10 O termo NEVO é normalmente usado na linguagem médica com dois significados: I - O mais comum refere-se à lesão cutânea resultante da hiperplasia focal de melanócitos, muitas vezes pigmentados, que se dispõem em ninhos ou tecas. Correspondem ao que na linguagem comum se designa por sinais e que em inglês se designa por moles. Embora de localização cutânea na maioria das vezes, os nevos melânicos também podem aparecer noutros órgãos: mucosa digestiva, vulva, vagina, próstata, etc. Nesta perspectiva, o nevo pode ser olhado como neoplasia benigna de melanócitos

2 II - O termo nevo também pode ser usado em sentido mais lato e abrangente como significando qualquer alteração cutânea, localizada, que resulte de proliferação aumentada e malformativa de tecidos normalmente presentes nesse local: nevos sebáceos, nevos angiomatosos, nevos fibrosos. Nevos melânicos

3 Nevos melânicos múltiplos Características dos nevos melânicos comuns Pequenos (< 6 mm) Pigmentação castanha uniforme Maculares (planos) ou papulares (elevados) Bordos regulares e bem definidos

4 Diferentes formas de nevos melânicos. O assinalado com seta é acrómico. A B C D Epiderme Derme Tecido celular subcutâneo NEVOS MELÂNICOS: Classificação de acordo com a localização A Nevo intraepidérmico; C Nevo composto B Nevo juncional; D Nevo intradérmico

5 Nevos melânicos - variantes Nevo melânico intradérmico, acrómico

6 Nevo melânico intradérmico (observar na derme ninhos de células névicas tecas) Nevo melânico: células névicas a crescer entre os anexos cutâneos (indica uma possível origem congénita)

7 Nevo melânico composto pigmentado Características dos nevos melânicos displásicos / atípicos Maiores que os NMC (> 5 mm) Múltiplos Forma macular ou ligeiramente elevados, por vezes com aspecto em alvo (zona central mais elevada e pigmentada) Coloração heterogénea Bordo irregular

8 Nevos displásicos Identificar as cicatrizes cirúrgicas de exéreses anteriores. Biótipo susceptível, com muitas lesões melânicas Nevo displásico

9 Fases evolutivas do melanoma Fase de crescimento radial Crescimento das células neoplásicas na epiderme e junção dermo-epidérmica (melanoma in situ) ou com invasão superficial da derme papilar (mas sem capacidade de proliferação neste compartimento) Fase de crescimento vertical Formação de um nódulo tumoral que traduz a aquisição de capacidade proliferativa por parte das células neoplásicas, sendo este um pré-requisito para a progressão da lesão (invasão em profundidade e metastização).

10 Tipos clínicopatológicos de melanoma (segundo o padrão de crescimento radial) Melanoma de disseminação superficial Melanoma lentiginoso Próprio da pele acral, com padrão de disseminação de tipo lentiginoso Melanoma nodular Células neoplásicas justapostas, sem formar ninhos Melanoma acral Ninhos de células na junção dermo-epidérmica Sem fase de crescimento radial identificável Tipos especiais (desmoplásico, de células balonizantes, etc) Melanoma de disseminação superficial Melanoma acral Melanoma lentiginoso Melanoma nodular

11 A B A Melanoma de crescimento superficial: Contornos irregulares, crescimento infiltrativo, pigmentação desigual B Melanoma com nódulo saliente, polipoide e irregular sobre uma mancha pigmentada de crescimento superficial Melanoma de disseminação superficial

12 Melanoma: ver pigmentação, infiltração linfoide crescimento superficial e profundo, atipia citológica Epiderme I II III IV V (a) (b) Derme Tecido celular subcutâneo MELANOMA: Níveis de Clark a) Derme papilar b) Derme reticular

13 Espessura tumoral (Breslow) Lâminas para observar P2-A10-L1 P2-A10-L2 P2-A10-L3 P2-A10-L4 P2-A10-L5 P2-A10-L6 P2-A10-L7 P2-A10-L8 P2-A10-L9 Nevo melânico juncional Nevo melânico composto Nevo melânico intradérmico Nevo azul Nevo melânico atípico Melanoma lentiginoso Melanoma de disseminação superficial Melanoma acral Melanoma nodular

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO AOS TUMORES DE

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar

Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar Sistema esquelético Sistema ósseo Conceito de esqueleto: conjunto de ossos e cartilagens que se interligam para formar o arcabouço do corpo Funções do esqueleto

Leia mais

tumores de pele não melanoma C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC

tumores de pele não melanoma C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC tumores de pele não melanoma SELINALDO AMORIM BEZERRA C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC 2 0 1 0 Orlando Parise e col. Diagnóstico e Tratamento Câncer de Cabeça e Pescoço São Paulo:

Leia mais

Histopathological criteria for cutaneous malignant melanoma: comparative analysis between benign and thin malignant lesions (< 2 mm)

Histopathological criteria for cutaneous malignant melanoma: comparative analysis between benign and thin malignant lesions (< 2 mm) J Bras Patol Med Lab v. 43 n. 5 p. 363-368 outubro 2007 ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL PAPER Critérios histopatológicos para diagnóstico de melanoma maligno cutâneo: análise comparativa de sua freqüência em

Leia mais

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Hemangioma Típico Prevalência: 1 a 20%. F: M até 5:1 Assintomático. Hiperecogênico bem definido

Leia mais

Neoplasias do sistema endócrino

Neoplasias do sistema endócrino Neoplasias do sistema endócrino PATOLOGIA II Aula Prática nº8 PATOLOGIA TIREOIDEIA (I) Hiperplasias Difusas Nodulares da tireoide Um n ódulo Multinodular Tumores de células foliculares Diferenciados: Adenoma

Leia mais

Introdução. Graduandos do Curso de Medicina Veterinária FACISA/UNIVIÇOSA.

Introdução. Graduandos do Curso de Medicina Veterinária FACISA/UNIVIÇOSA. MELANOMA LÍMBICO EM CÃO: RELATO DE CASO André de Paula Monteiro Resende 1, Fabíola Carolina de Almeida 2, Gustavo Carvalho Cobucci 3, João Paulo Machado 4, Kelly Cristina de Souza Pontes 5 Resumo: O melanoma

Leia mais

Gilles Landman DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA

Gilles Landman DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA ARMADILHAS NO DIAGNÓSTICO DE LESÕES PIGMENTADAS DA PELE Pitfalls in cutaneous pigmented lesions Gilles Landman DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA 1 Que tipo de lesão pode ser uma armadilha

Leia mais

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL Predominância de alterações discarióticas em células intermediárias e superficiais Aumento nuclear, variação na forma Bi/multinucleação Rabelo,S.H./UFG

Leia mais

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral PARTE Parte 12 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 2012 LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA

Leia mais

HISTOLOGIA Parte da biologia que estuda os tecidos Prof. Junior (www.apcbio.com.br)

HISTOLOGIA Parte da biologia que estuda os tecidos Prof. Junior (www.apcbio.com.br) HISTOLOGIA Parte da biologia que estuda os tecidos Prof. Junior (www.apcbio.com.br) Tipos de tecidos Tecido Epitelial TECIDO EPITELIAL Características: avascular, formado por células justapostas, com pouca

Leia mais

Capítulo 2 Aspectos Histológicos

Capítulo 2 Aspectos Histológicos 5 Capítulo 2 Aspectos Histológicos Alguns conceitos básicos sobre histologia humana, a caracterização dos tecidos, a regeneração e reparação dos mesmos em lesões e a cicatrização de feridas são aspectos

Leia mais

Gabarito. Medicina Especialização Dermatologia em Oncologia

Gabarito. Medicina Especialização Dermatologia em Oncologia CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009 Medicina Especialização Dermatologia em Oncologia Este Caderno contém as questões discursivas de Conhecimentos Específicos correspondente ao curso descrito acima.

Leia mais

Rio de Janeiro, Brasil

Rio de Janeiro, Brasil Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial ISSN: 1676-2444 jbpml@sbpc.org.br,adagmar.andriolo@g mail.com Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial Brasil Maion, Victor

Leia mais

Tumores da mão parte III: Tumores de pele da mão

Tumores da mão parte III: Tumores de pele da mão ARTIGO DE REVISÃO Tumores da mão parte III: Tumores de pele da mão Tumors of the hand, Part III: Skin tumors of the hand Jorge Diego Valentini 1, Daniela Feijó de Aguiar 2, Márcio Pereira Lima Ferdinando

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE TUMORES DE MAMA: PARTE II

DIAGNÓSTICO DE TUMORES DE MAMA: PARTE II DIAGNÓSTICO DE TUMORES DE MAMA: PARTE II EXAME HISTOPATOLÓGICO O exame histopatológico de biópsias incisionais ou excisionais é o método de diagnóstico mais seguro. Além de facilitar a classificação da

Leia mais

Tecido conjuntivo de preenchimento. Pele

Tecido conjuntivo de preenchimento. Pele Tecido conjuntivo de preenchimento Pele derme epiderme Pele papila dérmica crista epidérmica corte histológico da pele observado em microscopia de luz Camadas da Epiderme proliferação e diferenciação dos

Leia mais

NEVO DE REED: LESÃO MELANOCÍTICA BENIGNA COM FEIÇÕES MALIGNAS

NEVO DE REED: LESÃO MELANOCÍTICA BENIGNA COM FEIÇÕES MALIGNAS NEVO DE REED 455 RELATO DE CASO NEVO DE REED: LESÃO MELANOCÍTICA BENIGNA COM FEIÇÕES MALIGNAS NEVUS OF REED: BENIGN MELANOCYTIC LESION WITH MALIGNANT FEATURES Denise LAGE 1 Thaís Prota HUSSEIN 1 Amilcar

Leia mais

Os distintos tipos de melanoma cutâneo e o que esperar deles

Os distintos tipos de melanoma cutâneo e o que esperar deles Os distintos tipos de melanoma cutâneo e o que esperar deles Selma S Cernea Hospital do Servidor Municipal de São Paulo Hospital Israelita Albert Einstein Definição Estimativa de casos novos 2016 INCA

Leia mais

Pele e Anexos. CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, REPRODUTOR E LOCOMOTOR Profa. Msc. Ângela C. Ito

Pele e Anexos. CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, REPRODUTOR E LOCOMOTOR Profa. Msc. Ângela C. Ito Pele e Anexos CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, REPRODUTOR E LOCOMOTOR Profa. Msc. Ângela C. Ito Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar Estruturas anexas da pele músculos e nervos. Pele

Leia mais

ONCOLOGIA. Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br)

ONCOLOGIA. Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) ONCOLOGIA Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) CLASSIFICAÇÃO DAS CÉLULAS Lábeis Estáveis Perenes CLASSIFICAÇÃO DAS CÉLULAS Células lábeis: São aquelas em constante renovação

Leia mais

AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS LÂMINA Nº 91 - PELE GROSSA (PELE DE DEDO) - HE

AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS LÂMINA Nº 91 - PELE GROSSA (PELE DE DEDO) - HE AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS A pele ou tegumento cutâneo reveste externamente o corpo variando em cor e espessura nas diferentes regiões, assim como também na presença de pêlos, glândulas e unhas.

Leia mais

Câncer de Pele. Faculdade de Medicina UFC. Catharine Louise Melo Araújo

Câncer de Pele. Faculdade de Medicina UFC. Catharine Louise Melo Araújo Câncer de Pele Faculdade de Medicina UFC Catharine Louise Melo Araújo Data: 25/10/2011 Camadas da Pele Câncer de Pele Os carcinomas cutâneos são as neoplasias malignas mais comuns. O principal fator para

Leia mais

PATOLOGIA GERAL, DP-301, FOP/UNICAMP ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA LESÕES AMARELADAS

PATOLOGIA GERAL, DP-301, FOP/UNICAMP ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA LESÕES AMARELADAS 41 LESÕES AMARELADAS GRÂNULOS DE FORDYCE Grânulos de Fordyce são glândulas sebáceas que ocorrem na mucosa oral. Como as glândulas sebáceas são consideradas tipicamente estruturas anexas da pele, aquelas

Leia mais

Lesões tumoriformes/tumores do tecido conjuntivo

Lesões tumoriformes/tumores do tecido conjuntivo Anatomia Patológica Tumores de Tecidos Moles 18/05/2011 Tumores do tecido adiposo Lipoma Lipossarcoma Lipoma Tumor de tecidos moles mais comum no adulto Localização subcutânea, mais nas extremidades proximais

Leia mais

RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E CÂNCER DE PELE

RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E CÂNCER DE PELE UNIFESP UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIRURGIA PLÁSTICA REPARADORA Coordenadora e Professora Titular: Profa.Dra.Lydia Masako Ferreira RADIAÇÃO

Leia mais

Artigo Original NEVOS RECORRENTES UMA REVISÃO DE 5 ANOS RECURRENT NEVUS A 5-YEAR REVIEW

Artigo Original NEVOS RECORRENTES UMA REVISÃO DE 5 ANOS RECURRENT NEVUS A 5-YEAR REVIEW NEVOS RECORRENTES UMA REVISÃO DE 5 ANOS Paula Maio 1, Joana Antunes 2, David Pacheco 2, Luís Soares de Almeida 3, Manuel Sacramento Marques 4 1 Interna do Internato Complementar de Dermatologia e Venereologia/Resident,

Leia mais

Mariana Gontijo Diretora Sênior de Vendas Independente

Mariana Gontijo Diretora Sênior de Vendas Independente Mariana Gontijo Diretora Sênior de Vendas Independente 16% peso corporal Células Epiderme Melanócitos: melanina Proteção UV e coloração Células de Langerhans: Imunológica Epiderme Basal/Germinativa: Renovação

Leia mais

Avaliação de hiperpigmentação em cicatrizes de melanomas e nevos melanocíticos através da microscopia confocal

Avaliação de hiperpigmentação em cicatrizes de melanomas e nevos melanocíticos através da microscopia confocal 200 Artigo Original Avaliação de hiperpigmentação em cicatrizes de melanomas e nevos melanocíticos através da microscopia confocal Evaluation of hyperpigmentation in melanomas and melanocytic nevi scars

Leia mais

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos Funções. Pele e anexos 5/5/2012

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos Funções. Pele e anexos 5/5/2012 SISTEMA TEGUMENTAR SISTEMA TEGUMENTAR Origem: Ectodérmica Epiderme Mesodérmica Derme Hipoderme Pele: epiderme, derme e hipoderme Anexos: pêlos; unhas, cascos e garras; glândulas sudoríparas e sebáceas.

Leia mais

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol.

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Cicatrização Após uma lesão, o processo de cicatrização é iniciado. O tecido lesionado passa por 4 fases de reparo da ferida: hemostasia, inflamação, proliferação

Leia mais

Papilomavirus humanos (HPV)

Papilomavirus humanos (HPV) Papilomavirus humanos (HPV) - Capsídio icosaédrico de 55-60 nm, sem envoltório - 72 capsômeros pentaméricos formados por 2 proteínas (cinco cópias de L1 fora, 1 L2 dentro) - Família Papillomaviridae, gênero

Leia mais

Tecido Epitelial e Conjuntivo

Tecido Epitelial e Conjuntivo Tecido Epitelial e Conjuntivo Objetivos os estudantes deverão ser capazes de... - descrever as características (constituintes e sua organização) e funções gerais do epitélio de revestimento e do epitélio

Leia mais

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA Período de Seleção 31 de outubro a 04 de dezembro de 2016 Taxa de Inscrição R$ 250,00 Taxa de Matrícula R$ 450,00 Mensalidade R$ 950,00 Forma(s)

Leia mais

Sistema Tegumentar. É o maior órgão sensorial do corpo humano, e o principal componente do sistema tegumentar.

Sistema Tegumentar. É o maior órgão sensorial do corpo humano, e o principal componente do sistema tegumentar. Sistema Tegumentar Acadêmica de Odontologia Thaiane Testa Introdução: O sistema tegumentar recobre o corpo, assim, protegendo-o contra o atrito, a perda de água, a invasão de microrganismos e a radiação

Leia mais

Prof. Ms. Marcelo Lima. Site:

Prof. Ms. Marcelo Lima.   Site: Prof. Ms. Marcelo Lima E-mail: profmarcelolima@yahoo.com.br Site: www.profmarcelolima.webnode.com.br INTRODUÇÃO 1. Funções: Proteção abrasões, perda de líquido, substâncias nocivas e microorganismos. Regulação

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

PAULO ROBERTO FORTUNATO DO NASCIMENTO MELANOMA MALIGNO CONGÊNITO: RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA

PAULO ROBERTO FORTUNATO DO NASCIMENTO MELANOMA MALIGNO CONGÊNITO: RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA PAULO ROBERTO FORTUNATO DO NASCIMENTO MELANOMA MALIGNO CONGÊNITO: RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do

Leia mais

Peeling Químico - Médio

Peeling Químico - Médio Peeling Químico - Médio Os peelings químicos são um dos procedimentos cosméticos não invasivos mais populares realizados para rejuvenescer a aparência da pele. Com o tempo, fatores como danos causados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS: CLÍNICA MÉDICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS: CLÍNICA MÉDICA 128 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS: CLÍNICA MÉDICA Alterações Clínicas, Dermatoscópicas, Histopatológicas e Imuno-histoquímicas

Leia mais

Mapeamento digital e avaliação dos padrões globais dermatoscópicos de nevos melanocíticos durante a gestação Gabriela Mynarski Martins-Costa

Mapeamento digital e avaliação dos padrões globais dermatoscópicos de nevos melanocíticos durante a gestação Gabriela Mynarski Martins-Costa Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde: Ciências Médicas Mapeamento digital e avaliação dos padrões globais dermatoscópicos de nevos

Leia mais

Caso clínico. Homem, 50 anos, desempregado, casado, sem filhos, Gondomar. parestesias diminuição da força muscular. astenia anorexia emagrecimento

Caso clínico. Homem, 50 anos, desempregado, casado, sem filhos, Gondomar. parestesias diminuição da força muscular. astenia anorexia emagrecimento Caso clínico Homem, 50 anos, desempregado, casado, sem filhos, Gondomar Setembro 2002 dor dorso-lombar esquerda parestesias diminuição da força muscular astenia anorexia emagrecimento tumefacção braço

Leia mais

Melanoma maligno cutâneo: sistema de pontos (scoring system) para auxílio no diagnóstico histopatológico

Melanoma maligno cutâneo: sistema de pontos (scoring system) para auxílio no diagnóstico histopatológico J Bras Patol Med Lab v. 42 n. 5 p. 375-383 outubro 2006 ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL PAPER Melanoma maligno cutâneo: sistema de pontos (scoring system) para auxílio no diagnóstico histopatológico Primeira

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Celular - As células podem evoluir num de dois caminhos:

Crescimento e Desenvolvimento Celular - As células podem evoluir num de dois caminhos: RESUMO DE AULA - NEOPLASIAS Introdução A renovação celular é fundamental para a vida. Os tecidos produzem constantemente células novas, normais, para substituir as que morreram ou foram danificadas. Deste

Leia mais

Palavras-Chave: Melanoma; Diagnóstico; Brasil; Epidemiologia. Keywords: Melanoma; Diagnosis; Brazil; Epidemiology.

Palavras-Chave: Melanoma; Diagnóstico; Brasil; Epidemiologia. Keywords: Melanoma; Diagnosis; Brazil; Epidemiology. THESOLIM et al. International Journal of Environmental Research and Public Health, v.7, p.1392-1431, 2010. SZANTO, K.; GILDENGERS, A.; MULSANT, B.H.; BROWN, G.; ALEXOPOULOS, G.S.; REYNOLDS, C.F. III Identification

Leia mais

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme epiderme derme 10/6/2011 Histologia da Pele Considerações Gerais Maior órgão do corpo: 16% do peso total e 1,2 a 2,3 m 2 de superfície Composto por duas regiões: epiderme e derme Funções proteção: atrito,

Leia mais

Múltiplos nódulos pulmonares, que diagnóstico?

Múltiplos nódulos pulmonares, que diagnóstico? Múltiplos nódulos pulmonares, que diagnóstico? Cecília Pacheco, João F Cruz, Daniela Alves, Rui Rolo, João Cunha 44º Curso Pneumologia para Pós-Graduados Lisboa, 07 de Abril de 2011 Identificação -A.F.O,

Leia mais

Melanoma tipo animal: relato de dois casos

Melanoma tipo animal: relato de dois casos J Bras Patol Med Lab v. 46 n. 4 p. 323-328 agosto 2010 Relato de Caso Case Report Melanoma tipo animal: relato de dois casos Animal type melanoma: a report of two cases Primeira submissão em 19/04/10 Última

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA Ubiranei Oliveira Silva INTRODUÇÃO Conceitos de Lesão e Condição Cancerizável Lesão cancerizável (pré-câncer, prémalignidade)

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2. CONSTITUINTES 2.1. Ovários 2.2. Tubas Uterinas 2.3. Útero 2.4. Cérvix 2.5. Vagina 2.6. Vulva 2.7. Clitóris 2.8 Uretra Ovários Glândula Exócrina e

Leia mais

TUMORES CONGÊNITOS EM CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Dr. Mário Sérgio R. Macêdo Dr. Luís Alberto Albano

TUMORES CONGÊNITOS EM CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Dr. Mário Sérgio R. Macêdo Dr. Luís Alberto Albano TUMORES CONGÊNITOS EM CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO Dr. Mário Sérgio R. Macêdo Dr. Luís Alberto Albano Fases do Desenvolviento Embrionário Destino dos Folhetos Embrionário Ectoderma Epiderme e Anexos Encéfalo

Leia mais

FIBROMA OSSIFICANTE DA MANDIBULA

FIBROMA OSSIFICANTE DA MANDIBULA FIBROMA OSSIFICANTE DA MANDIBULA PRESENTAÇÃO DE UM CASO AUTOR: Dr. Pedro Rafael Machava. Otorrinolaringología Hospital Central de Beira INTRODUÇÃO O fibroma ossificante da mandibula (FOM) é designado como

Leia mais

Biologia da célula neoplásica e interacção com o hospedeiro (I)

Biologia da célula neoplásica e interacção com o hospedeiro (I) Biologia da célula neoplásica e interacção com o hospedeiro (I) Rui Henrique Departamento de Patologia e Imunologia Molecular Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar Universidade do Porto & Serviço

Leia mais

DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS

DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA! Disciplina: Patologia Bucal 4º e 5º períodos DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 DESORDENS POTENCIALMENTE

Leia mais

Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic Masses

Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic Masses Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic

Leia mais

Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário.

Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário. Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário. 1 - Um homem de 50 anos com queixas de fadiga muito acentuada fez um exame médico completo que incluiu RX do tórax. Identificaram-se lesões

Leia mais

PLANILHA GERAL - CIRURGIA I - 1º 2014

PLANILHA GERAL - CIRURGIA I - 1º 2014 PLANILHA GERAL - CIRURGIA I - 1º 2014 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo 7:05 FERNANDA 204 D Apresentação da Disciplina - Formação de Grupos Ambiente cirúrgico, instalações e equipamentos, paramentação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA ORAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA ORAL ANGÉLICA LOPES CORDEIRO MANDÚ EXPRESSÃO IMUNO-HISTOQUÍMICA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE lesões de tireóide, citologia, ultrassonografia, epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE lesões de tireóide, citologia, ultrassonografia, epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Peeling Químico - Profundo

Peeling Químico - Profundo Peeling Químico - Profundo Os peelings químicos são um dos procedimentos cosméticos não invasivos mais populares realizados para rejuvenescer a aparência da pele. Com o tempo, fatores como danos causados

Leia mais

PELE. Informe-se. Previna-se.

PELE. Informe-se. Previna-se. PELE Informe-se. Previna-se. Sobre o câncer de pele Tumores de pele são os mais frequentes na população brasileira e, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são estimados no Brasil mais de 180

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICA

AVALIAÇÃO CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICA _. - 1998 - Medicina ` ' ' 1._ ' A Íl _ CHARLES ALBERTO NEDEL _ ~z=»_ A AVALIAÇÃO CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICA A DA INCIDENCIA DE MELANOMA MALIGNO. CUTÃNEO No HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ~ POLYDOROD ERNANI DE SÃO

Leia mais

Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina.

Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina. GUSTAVO KNOBLAUCH BORGES DE FIGUEIREDO USO DE MATRIZ DE REGENERAÇÃO DÉRMICA NO TRATAMENTO CIRÚRGICO DO NEVUS MELANOCÍTICO CONGÊNITO GIGANTE RELATO DE 3 CASOS Trabalho apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Protocolos e Indicações Clínicas do Laser de Diodo Cirúrgico

Protocolos e Indicações Clínicas do Laser de Diodo Cirúrgico s e Indicações Clínicas do Laser de Diodo Cirúrgico Nu Profa. Dra. Luciana Almeida Lopes e Prof. Dr. Hermes Pretel São Carlos 2009 Visite nosso site: www.nupen.com.br Nu Melanoplastia Melanoplastia, também

Leia mais

Palavras-chave: Câncer de Pele; Radiação Ultravioleta; Metástases; Pigmentação da Pele.

Palavras-chave: Câncer de Pele; Radiação Ultravioleta; Metástases; Pigmentação da Pele. INCIDÊNCIA DE MELANOMA CUTÂNEO, CARCINOMAS BASOCELULAR E ESPINOCELULAR NA CIDADE DE ITAPERUNA E REGIÃO 1 Tierre Aguiar Gonçales ; 2 Hudson Dutra Rezende; 3 Relber Aguiar Gonçales; 4 Margarete Z. T. de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA X INTEGRAL NOTURNO PLANO DE ENSINO Disciplina: Departamento:

Leia mais

Fig. 18. Leptodactylus lineatus. Ultraestrutura das glândulas granulosas do tipo G1.

Fig. 18. Leptodactylus lineatus. Ultraestrutura das glândulas granulosas do tipo G1. Fig. 18. Leptodactylus lineatus. Ultraestrutura das glândulas granulosas do tipo G1. G grânulos de secreção maduros; m mitocôndria; mio - camada mioepitelial; N núcleo; RER - retículo endoplasmático rugoso.

Leia mais

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PATOLOGIA Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo SÃO PAULO/SP Departamento de Patologia, 1º andar, sala 1154 20 e 21 de MAIO DE 2016 GABARITO PROVA TEÓRICA

Leia mais

Distúrbios do Desenvolvimento, Crescimento e Diferenciação Celulares. Distúrbios do Desenvolvimento, Distúrbios do Desenvolvimento Celular.

Distúrbios do Desenvolvimento, Crescimento e Diferenciação Celulares. Distúrbios do Desenvolvimento, Distúrbios do Desenvolvimento Celular. Distúrbios do Desenvolvimento, Crescimento e Diferenciação Celulares Prof. Raimundo A. Tostes, M.Sc., D.M.V. Distúrbios do Desenvolvimento, Crescimento e Diferenciação Celulares Alterações do desenvolvimento

Leia mais

Graduação em Odontologia LESÕES FUNDAMENTAIS. Disciplina: Estomatologia 3º Período.

Graduação em Odontologia LESÕES FUNDAMENTAIS. Disciplina: Estomatologia 3º Período. Graduação em Odontologia LESÕES FUNDAMENTAIS Disciplina: Estomatologia 3º Período http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 LESÕES FUNDAMENTAIS São como as letras de um alfabeto

Leia mais

Tecidos estrutura geral

Tecidos estrutura geral Tecido Epitelial Tecidos estrutura geral Célula Meio extracelular Os tecidos em geral apresentam na sua organização básica: (1) células e (2) meio extracelular. Órgãos estrutura geral Componentes: Parênquima:

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DO GBM

BOLETIM INFORMATIVO DO GBM BOLETIM INFORMATIVO DO GBM - ANO V - No. 22 JULHO AGOSTO E SETEMBRO 2003 Editorial Anunciamos nas últimas edições do Boletim a V Conferência Brasileira sobre Melanoma, ocorrida em agosto, em São Paulo.

Leia mais

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem Disciplina: Patologia Geral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 ALTERAÇÕES DO CRESCIMENTO ALTERAÇÕES DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR

Leia mais

PIGMENTAÇÃO EXÓGENA FACULDADE GUARAÍ / INSTITUTO EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA BHRUNA KAMILLA DOS SANTOS

PIGMENTAÇÃO EXÓGENA FACULDADE GUARAÍ / INSTITUTO EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA BHRUNA KAMILLA DOS SANTOS 0 FACULDADE GUARAÍ / INSTITUTO EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA BHRUNA KAMILLA DOS SANTOS PIGMENTAÇÃO EXÓGENA Trabalho requisitado pela professora Esp. Mara Soares De Almeida Mota para obtenção de nota na

Leia mais

Aluno: Alfredo Carlos Janke Filho Orientador: Aurélio Faustino Hoppe

Aluno: Alfredo Carlos Janke Filho Orientador: Aurélio Faustino Hoppe Aluno: Alfredo Carlos Janke Filho Orientador: Aurélio Faustino Hoppe Motivação Objetivo Fundamentação teórica Trabalhos correlatos Desenvolvimento o Requisitos o Especificação o Implementação Resultados

Leia mais

FASES DA ANGIOGRAFIA FLUORESCEÍNICA:

FASES DA ANGIOGRAFIA FLUORESCEÍNICA: 6) TUMORS NVO OROI É o tipo de tumor intraocular benigno mais comum, com uma prevalência entre 11 a 20%. m 50% dos casos apresentam drusens na sua superfície. rterial: Hipofluorescência relativa da lesão.

Leia mais

Neoplasia: conceitos, classificação e diagnóstico

Neoplasia: conceitos, classificação e diagnóstico Mestrado em Oncologia Unidade Curricular: BIOPATOLOGIA Neoplasia: conceitos, classificação e diagnóstico Rui Henrique Serviço de Anatomia Patológica e Centro de Investigação Instituto Português de Oncologia

Leia mais

Fundamentos de Saúde SISTEMAS DO CORPO HUMANO

Fundamentos de Saúde SISTEMAS DO CORPO HUMANO Fundamentos de Saúde 1º bimestre/2012 SISTEMAS DO CORPO HUMANO Escola Técnica - MÚLTIPLA Estrutura do tegumento (pele). O tegumento humano, mais conhecido como pele, é formado por duas camadas distintas,

Leia mais

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos:

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos: Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Os vírus do papiloma humano são classificados na família Papillomaviridae, gênero Papilomavírus. São vírus envelopados, de simetria icosaédrica, com 72 capsômeros

Leia mais

PROCESSOS PATOLÓGICOS GERAIS. Prof. Archangelo P. Fernandes

PROCESSOS PATOLÓGICOS GERAIS. Prof. Archangelo P. Fernandes PROCESSOS PATOLÓGICOS GERAIS Prof. Archangelo P. Fernandes www.profbio.com.br Aula 1: Conceitos gerais para o estudo de Patologia. Grego: pathos = sofrimento e logos = estudo Investigação das causas das

Leia mais

15/10/2010. Pele: um dos maiores órgãos do corpo humano = 16% do peso corporal.

15/10/2010. Pele: um dos maiores órgãos do corpo humano = 16% do peso corporal. Recobre cerca de 75000 cm²; Peso de 3/4.5 kg; Recebe 1/3 do sangue; Mede de 1 a 2 mm de espessura; É impermeável, elástica, áspera e regenerativa. EPIDERME DERME TECIDO SUBCUTÂNEO ANEXOS: Glândulas sebáceas

Leia mais

TECIDO EPITELIAL 13/10/2014. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso. Tecido epitelial: Origem ECTODERMA MESODERMA

TECIDO EPITELIAL 13/10/2014. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso. Tecido epitelial: Origem ECTODERMA MESODERMA TECIDO EPITELIAL Mamíferos: Tipos de tecidos Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Origem ECTODERMA MESODERMA ENDODERMA 1 Tecido epitelial Ectoderma: epitélios sensoriais dos olhos; aparelho auditivo e

Leia mais

MANUAL DE CLASSIFICAÇÃO VISUAL

MANUAL DE CLASSIFICAÇÃO VISUAL MANUAL DE CLASSIFICAÇÃO VISUAL Convênio Racional Engenharia S/A e IBRAMEM CALIL JR, C. OKIMOTO, F.S. PFISTER, G. M. SUMÁRIO I. DEFINIÇÕES II. TIPOS DE CORTES III. CLASSIFICAÇÃO POR DEFEITOS 1. Defeitos

Leia mais

Citopatologia I Aula 3

Citopatologia I Aula 3 Ciências Biomédicas Laboratoriais Citopatologia I Aula 3 2016/17 João Furtado jfurtado@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Sumário Citologia Hormonal Ciclo menstrual Gravidez Menopausa Constituintes de um esfregaço

Leia mais

Indicações de tratamento paliativo em pacientes oncológicos

Indicações de tratamento paliativo em pacientes oncológicos Indicações de tratamento paliativo em pacientes oncológicos Dra Ana Paula de O Ramos Setor de Cuidados Paliativos Disciplina de Clínica Médica UNIFESP/EPM 2009 O que é câncer??? Definição - câncer É uma

Leia mais

ESTUDO CLÍNICO DOS NEVOS MELANOCÍTICOS CONGÊNITOS NA CRIANÇA E ADOLESCENTE. José Leonardo Rodrigues Machado

ESTUDO CLÍNICO DOS NEVOS MELANOCÍTICOS CONGÊNITOS NA CRIANÇA E ADOLESCENTE. José Leonardo Rodrigues Machado ESTUDO CLÍNICO DOS NEVOS MELANOCÍTICOS CONGÊNITOS NA CRIANÇA E ADOLESCENTE José Leonardo Rodrigues Machado Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Medicina (Dermatologia), Faculdade

Leia mais

Avaliação do Doente Oncológico. José Alberto Fonseca Moutinho

Avaliação do Doente Oncológico. José Alberto Fonseca Moutinho Avaliação do Doente Oncológico José Alberto Fonseca Moutinho A determinação do tratamento oncológico depende da gravidade da doença Evitar: - Sub-tratamento (risco de recidiva) - Hipertratamento (aumento

Leia mais

HOSPITAL DO CÂNCER DE BARRETOS FUNDAÇÃO PIO XII CATALOGAÇÃO FOTOGRÁFICA DE TUMORES CUTÂNEOS MALIGNOS - ATLAS

HOSPITAL DO CÂNCER DE BARRETOS FUNDAÇÃO PIO XII CATALOGAÇÃO FOTOGRÁFICA DE TUMORES CUTÂNEOS MALIGNOS - ATLAS HOSPITAL DO CÂNCER DE BARRETOS FUNDAÇÃO PIO XII CATALOGAÇÃO FOTOGRÁFICA DE TUMORES CUTÂNEOS MALIGNOS - ATLAS Iniciação Científica 2016 - Voluntário Orientador: Dr. Vinicius de Lima Vazquez Pesquisadores

Leia mais

Respostas gerais da pela à injuria. Priscyla Taboada

Respostas gerais da pela à injuria. Priscyla Taboada Respostas gerais da pela à injuria Priscyla Taboada Alterações epidérmicas Hiperplasia epidérmica(acantose) Acantose irregular Acantose regular Acantose papilada Acantose pseudocarcinomatosa Alterações

Leia mais

muscular circular interna serosa mesotélio adventícia

muscular circular interna serosa mesotélio adventícia HISTOLOGIA DOS ÓRGÃOS E SISTEMAS Organização tecidual dos órgãos tubulares: OBJETIVOS PARA O TÓPICO: - descrever a organização das diferentes túnicas e suas camadas nos órgãos tubulares ou ocos - explicar

Leia mais

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial

HISTOLOGIA. Tecido Epitelial HISTOLOGIA Tecido Epitelial Geralmente avascularizado Características Escassez de matriz extracelular Membrana basal: separa e prende o epitélio ao tecido conjuntivo Células justapostas com junções intercelulares

Leia mais

19/11/2009. Doenças Neoplásicas. Doença de Marek. Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose. 1907, Marek:

19/11/2009. Doenças Neoplásicas. Doença de Marek. Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose. 1907, Marek: DOENÇAS NEOPLÁSICAS Tatiana Brognolli d Aquino de Sousa Programa de Pós-graduação - UFPR Mestrado Ciências Veterinárias 2009 Doenças Neoplásicas Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose Causam alta

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21/10/11 DOU de 24/10/11

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21/10/11 DOU de 24/10/11 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21/10/11 DOU de 24/10/11 Componente Curricular: Afecções da Pele Código: --- Pré-requisito: --- Período Letivo:

Leia mais

Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes

Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Reparo Tecidual Ferida (lesão) 3 processos envolvidos no reparo: 1.Hemostasia

Leia mais

Citopatologia I Aula 7

Citopatologia I Aula 7 Ciências Biomédicas Laboratoriais Citopatologia I Aula 7 2016/17 João Furtado jffurtado@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Sumário Anomalias das células epiteliais Alteração de significado indeterminado não

Leia mais

RECIST. Dr. Jefferson Mazzei Radiologista

RECIST. Dr. Jefferson Mazzei Radiologista RECIST Dr. Jefferson Mazzei Radiologista RECIST Response Evaluation Criteria in Solid Tumours; Importância do exame de imagem na prática clínica Monitorização da resposta tumoral; Final dos anos 70 Necessidade

Leia mais

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais