MENSURAÇÃO DO RESULTADO SOCIAL TERCEIRO SETOR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES DO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MENSURAÇÃO DO RESULTADO SOCIAL TERCEIRO SETOR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES DO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Administração TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MENSURAÇÃO DO RESULTADO SOCIAL NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR Rafael Martín Delatorre Orientador: Roy Martelanc São Paulo 2002

2 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Administração MENSURAÇÃO DO RESULTADO SOCIAL NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo Rafael Martín Delatorre Orientador: Roy Martelanc São Paulo 2002

3 Sumário SUMÁRIO... I INTRODUÇÃO... 1 SOBRE O TERCEIRO SETOR Contextualização Uma Conceituação para o Terceiro Setor Áreas de Atuação das Organizações do Terceiro Setor A Forma Jurídica das Organizações Brasileiras... 9 SOBRE A AVALIAÇÃO DE PROJETOS E PROGRAMAS Projetos, Programas e sua Administração Avaliação de Programas e Projetos Objetivos Econômicos versus Objetivos Sociais ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS E AVALIAÇÃO DE PROJETOS Objetivos da Avaliação no Terceiro Setor Aprimoramento da Gestão Causas nobres versus causas econômicas Ferramenta de Captação de Recursos Compromissos das Organizações Compromisso com os Doadores de Recursos Compromisso com os Voluntários Compromisso das Organizações com a Sociedade Dificuldade de Avaliar o Desempenho Social AVALIAÇÃO SOCIAL DE PROJETOS Revisão Histórica dos Métodos de Avaliação de Impacto Orientações para a Definição do Resultado / Impacto i

4 4.3. Métodos de avaliação de impacto Oxfam Indicadores Propriedades dos Indicadores Cost Benefit Analysis Definições Possíveis objetivos a serem perseguidos Avaliação das preferências individuais Questão do Âmbito do Projeto MEDINDO O RESULTADO SOCIAL Benefícios de uma Medida de Impacto Social Características do Processo de Medida do Impacto Social Mensurando o Impacto Social Usando Indicadores para Mensurar o Impacto Social Unindo os Indicadores Através da Análise Conjunta Análise Conjunta Propriedades dos Indicadores para a Análise Conjunta Escolha do Modelo Básico de Composição Aspectos a serem considerados na Análise Conjunta Utilizando os Resultados da Análise Conjunta EXEMPLO DE APLICAÇÃO DO MÉTODO Realização da Pesquisa Resultados do Exemplo Interpretação dos Resultados Aplicação dos Resultados Escolha de Projetos Mensuração do Resultado CONCLUSÕES E PRÓXIMOS PASSOS BIBLIOGRAFIA ANEXOS ii

5 Introdução O Terceiro Setor desempenha um papel de grande relevância na sociedade brasileira. Em alguns casos, sua atuação determina o bem estar de inúmeras pessoas, pessoas que de outra forma teriam problemas sérios. Nos Estados Unidos, onde o setor sem fins lucrativos é mais desenvolvido, o Terceiro Setor é composto por cerca de 1,13 milhões de organizações de diferentes tamanhos, movimentando mais de US$ 400 bilhões e representando cerca de 7,4% do GDP do país. (Salamon in Salamon e Anheier, 1997, p. 302) No Brasil, apesar de não existirem dados confiáveis a respeito do real tamanho do Terceiro Setor no país, como mostrado na Figura 0.1, se reconhece que é um setor que vem ganhando maior expressão a cada momento. Já existem no Brasil organizações de grande porte no Terceiro Setor, atuando em mais de uma área de atuação, com diversos projetos. Em uma simples vista aos portais dessas instituições, entre as quais a Fundação Bradesco, o Instituto Ayrton Senna e a Fundação ABRINQ; é possível ver a grande relevância que o Terceiro Setor vem atingindo no Brasil. Com a crescente importância do Terceiro Setor para a sociedade, outra tendência se torna clara: a profissionalização da atuação social. Busca se cada vez mais conduzir a ação social de maneira racional, de tal forma a se conseguir o máximo de mudança social com os recursos disponíveis. Para tanto, as organizações tentam incorporar técnicas de administração empresarial em suas atividades, adaptando as conforme as peculiaridades 1

6 desse setor não lucrativo. Desse processo surge uma série de novos conceitos, expressões como marketing social, balanço social, contabilidade social, entre outros. Figura 0.1. As indefinições sobre o Terceiro Setor no Brasil (adaptado de Filinto, 2002) Fundações: Associações: Organizações Religiosas: Sindicatos: Federações: Confederações: 425 Total: Secretaria da Receita Federal in LANDIM, Leilah, instituições no Terceiro Setor Jornal O Estado de S.Paulo, julho instituições no Terceiro Setor no Estado de Pernambuco Ministério Público do Estado de Pernambuco, fundações de direito privado no Brasil Fundata/CEFEIS/FIPE, 2000 Não se sabe quantas organizações da sociedade civil existem, e nem como atuam. Não só o número de organizações é desconhecido, como também não se sabe ao certo qual o volume de recursos movimentados pelas ONGs (sua origem e destino) MEREGE, Luiz Carlos. Entrevista ao Jornal Valor, Maio, 2001 O capítulo brasileiro do trabalho realizado pelo John Hopkins Institute for Policy Studies da Universidade John Hopkins USA Estudo Comparativo Internacional sobre o setor sem fins Lucrativos -, foi dificultado pela falta de dados estatísticos e sistematização da área do Brasil. LANDIM, Leilah e BERES, Neide.1999 No decorrer da pesquisa baseada a partir das fontes estatísticas oficiais hoje existentes, evidenciou-se que estas fontes são relativamente imprecisas e limitadas. LANDIM, Leilah. BERES, Neide.1999 Atualmente, existem diversas publicações buscando exatamente atender a essa demanda das organizações por técnicas, procedimentos e orientações vindos do setor privado e aplicáveis ao Terceiro Setor. Exemplos podem ser encontrados em Bernstein (1997), Tenório (org.) (1997) e McKinsey e Ashoka (2001). Apesar dessa tendência, uma área da administração ainda possui sérias lacunas na aplicação ao Terceiro Setor: a avaliação dos projetos e a mensuração do resultado social. Na medida em que as organizações buscam desenvolver se cada vez mais, é importante conseguir obter uma medida de desempenho ou de resultado que oriente as decisões tanto dos financiadores e doadores quanto dos gestores das organizações e dos voluntários. Este trabalho se dispõe a discutir a respeito destas questões associadas à avaliação dos projetos sociais e à mensuração do resultado social e, a partir disso, propor uma forma de se medir efetivamente o resultado social de um projeto, apresentando um exemplo de 2

7 aplicação do método. O Capítulo 1 apresenta o Terceiro Setor, sua definição e abrangência. O Capítulo 2 discute a respeito de projetos e programas, suas definições e principais aspectos, além dos conceitos associados à avaliação. O Capítulo 3 traz reflexões a respeito da avaliação de projetos e programas dentro do contexto do Terceiro Setor. O Capítulo 4 apresenta a metodologia proposta para a mensuração do resultado social, assim como os conceitos associados às técnicas estatísticas utilizadas. O Capítulo 5 apresenta um exemplo prático, através de uma pequena pesquisa realizada com um caso hipotético. 3

8 Capítulo 1 Sobre o Terceiro Setor Se você não puder explicar o conceito de forma simples e clara, pare de falar e continue trabalhando até que você o consiga. Karl Popper, Filósofo 1.1. CONTEXTUALIZAÇÃO Se olharmos para como se organiza a sociedade, veremos que existe uma infinidade de organizações diferentes, com diferentes objetivos e diferentes pessoas. São organizações tão diversas quanto um órgão público, uma empresa transnacional e uma pequena empresa. Apesar desta grande diversidade, podemos classificar as organizações segundo a natureza de suas atividades, em um modelo de três setores. Coelho (2000, p ) descreve os três setores da seguinte forma: Governo, ou primeiro setor As atividades têm por objetivo o atendimento universal das necessidades sociais. Ao contrário do mercado, o governo tem sua ação legitimada por poderes coercitivos, possuindo todo um arcabouço legal que limita, orienta e regula sua atuação. Mercado, ou segundo setor As atividades envolvem a troca de bens e serviços, com o objetivo de produzir lucro. O mercado atua sob o princípio da não coerção legal, ou seja, nenhuma pessoa é 4

9 obrigada a comprar, nem a vender. Os mecanismos do mercado estão ligados a preços e demanda. Terceiro Setor Seria formado por instituições cujas atividades não são coercitivas, ou seja, possuem toda liberdade de atuação, porém seu objetivo não está ligado ao lucro, mas sim ao atendimento das necessidades coletivas. Coelho (2000, 40) torna claro neste ponto a diferença entre interesse público e coletivo. Os interesses coletivos se referem a um determinado grupo, enquanto os interesses públicos necessariamente dizem respeito a toda sociedade. Esses conceitos são importantes para a compreensão da diferença de escopo entre o governo e o Terceiro Setor. Enquanto aquele necessariamente representa os interesses de toda a sociedade, uma organização do Terceiro Setor pode buscar atender às necessidades de um pequeno grupo, dentro de uma região restrita. Fernandes (1994, p. 20) define o Terceiro Setor a partir das possíveis combinações entre os agentes e os fins na sociedade, como o apresentado na Figura 1.1. Com isso a definição de Terceiro Setor seria pura e simplesmente um conjunto de organizações e iniciativas privadas que visam à produção de bens e serviços públicos. Figura 1.1. Combinações entre o Público e o Privado (Fernandes, 1994, p. 21) Agentes Fins Setor privados para privados = mercado públicos para públicos = Estado privados para públicos = terceiro setor públicos para privados = (corrupção) O Terceiro Setor aparece pela primeira vez, na história brasileira, vinculado à Igreja Católica. Na época da Proclamação da República, a Igreja ainda estava muito ligada ao 5

10 Estado, porém as Confrarias, formadas por pessoas religiosas e reconhecidas pela Igreja, realizavam um importante papel filantrópico e de assistência social. Eram organizações voluntárias, que ofereciam serviços como assistência médica e financeira, organizava funerais e oferecia refúgio para mendigos. Essas organizações tinham estatutos que deveriam ser aprovadas pelo governo e pela lei eclesiástica, mantendo no entanto a independência de atuação. Exemplos dessas organizações são as Irmandades de Misericórdia, que estabeleceram no Brasil os primeiros hospitais, hospedarias e asilos. Essas organizações eram financiadas, em sua maior parte, por doações de pessoas ricas da sociedade. (Landim in Salamon e Anheier, 1997) Mais recentemente, o Terceiro Setor vem ganhando cada vez mais importância na sociedade a partir da atuação das chamadas Organizações Não Governamentais (ONG). Trata se de um conceito pouco preciso, porém amplamente usado na sociedade. Landim (1998, p. 24) afirma que a ONG situa se justamente num ponto do caminho que vai da caridade pessoalizada à ação pública governamental, não se confundindo com nenhuma das duas. As origens das ONG remontam à década de 70, quando surgem como uma forma de congregar os esforços de um grupo de pessoas com ideais comuns, notadamente movimentos sociais ou grupos buscando a transformação social. Oliveira Neto (1992) apud Landim (1998) mostra a importância dessas organizações como canais das classes média na esfera pública, exercendo formas de tradução e rearticulação dos interesses e demandas populares nas arenas institucionais de confronto e negociações sociais UMA CONCEITUAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR Os conceitos de Fernandes (1994) e Coelho (2000) ajudam a localizar o Terceiro Setor dentro da sociedade, porém não fornecem um parâmetro forte o suficiente para a pesquisa. Apesar da distinção entre os setores ser de simples compreensão, o resultado é um grupo nada 6

11 homogêneo de organizações com diferentes objetivos, tamanhos e escopo. Como coloca Salamon e Anheier (1997, p. 2) instituições muito diferentes, das que oferecem sopas aos pobres a orquestras sinfônicas, são normalmente colocadas em um mesmo Terceiro Setor, atrapalhando quaisquer estudos que se queira fazer sobre o tema. Salamon e Anheier (1997, p. 33) tentaram preencher esta lacuna teórica, estudando como o setor filantrópico, ou não lucrativo, funcionava em 13 países, inclusive o Brasil. Além disso, foram analisadas as diferentes abordagens que haviam sido propostas até então. A partir deste estudo, ele propõe uma definição estrutural operacional, que enfatiza a estrutura básica das organizações. Com isso, as instituições inseridas no conceito de Terceiro Setor compartilhariam as seguintes características: Organizadas institucionalizadas de alguma forma. Segundo os autores, a realidade institucional não precisa ser necessariamente formal, mas pode demonstrada por reuniões periódicas, representantes reconhecidos, regras de atuação etc. Não são consideradas parte do Terceiro Setor, portanto, iniciativas ad hoc ou grupos informais e temporários de pessoas. Privadas as instituições devem ser formalmente separadas do setor governamental, não fazendo parte nem sendo governadas ou geridas pelo governo. Isto não significa que as instituições não possam receber recursos públicos, nem que nenhum membro do governo possa fazer parte do corpo de diretores. Não distribuidoras de lucros Os eventuais superávits produzidos pela instituição não podem ser repartidos entre os diretores, devendo ser reinvestidos no cumprimento de seus objetivos estabelecidos. Com isso, se diferencia o Terceiro Setor do mercado. 7

12 Auto governadas As organizações devem ser geridas independentemente de outras organizações, com procedimentos e forma de atuação definidos internamente. Voluntárias As organizações devem envolver algum grau de participação voluntária, em funções gerenciais ou operacionais. Uma instituição com um corpo de diretores voluntário pode ser classificada como voluntária. Esta definição do que é e não é considerado organização sem fins lucrativos torna o setor um objeto de estudo passível de ser analisado, o que não acontecia quando se levava em conta apenas a definição do privado com objetivo público ÁREAS DE ATUAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR Salamon e Anheier (1997, p. 92), ainda com o objetivo de se criar uma classificação e definição comum que permitisse o estudo abrangente do Terceiro Setor, analisaram quais eram as atividades realizadas pelas organizações. A partir deste estudo, propuseram a chamada International Classification of Nonprofit Organizations ICNPO, classificando por tipo de atividade as organizações. A Figura 1.2 apresenta as 12 áreas de atuação. 8

13 Figura 1.2. International Classification of Nonprofit Organizations ICNPO (Salamon e Anheier, 1997, p.92 94) 1. Cultura e Recreação 6. Desenvolvimento e Habitação Cultura e Artes Desenvolvimento Econômico, Social e Comunitário Recreação Habitação Clubes de Serviços Emprego e Capacitação 2. Educação e Pesquisa 7. Defesa de Direitos e Atuação Política Educação de Primeiro e Segundo Graus Entidades de Defesa de Direitos Civis Educação Superior Serviços Jurídicos e de Proteção Legal Educação Alternativa e de Adultos Entidades de Atuação Política Pesquisa 3. Saúde Hospitais e Reabilitação Sanatórios e Asilos Saúde Mental e Pronto-Socorro Psiquátrico Outros Serviços de Saúde 8. Intermediários Filantrópicos e Promoção do Voluntariado 9. Atividades Internacionais 10. Religião 4. Assistência Social Assistência Social Emergências Geração e Manutenção de Renda 11. Sindicatos e Associações Profissionais de Empregadores, de Empregados e de Autônomos 12. Outros 5. Ambientalismo Ambientalismo Proteção de Animais Cada uma destas áreas possui características muito diferentes, de tal forma não pode existir forma de avaliação que não leve em conta esse fato A FORMA JURÍDICA DAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS Szazi (2000, p ), apresenta as formas jurídicas que podem tomar as organizações do Terceiro Setor no Brasil. Associação uma pessoa jurídica criada a partir da união de idéia e esforços de pessoas em torno de um propósito que não tenha finalidade lucrativa. (Szazi, 2000) 9

14 Sociedade Civil sem Fins Lucrativos Da mesma forma que as associações, são pessoas jurídicas formadas a partir da união dos esforços de pessoas em prol de algum objetivo comum. (Diniz, 2000, p. 144) Fundações é um conjunto de bens, com um fim determinado, que a lei dá a condição de pessoa. (Resende, 1997 apud Szazi, 2000) A grande diferença, portanto, entre as associações/sociedades civis e as fundações é o objeto cerca do qual elas se constituem, e quem é responsável pela elaboração dos objetivos. Para as associações/sociedades civis, trata se da conjugação de vontades autônomas para chegar ao fim, em outras palavras, o meio são as pessoas e o fim é por elas concebido. No caso das fundações, a conjugação é de bens para alcançar o fim. Nesse caso, o meio são os bens e o fim é concebido pelo instituidor. O patrimônio não é a pessoa jurídica em si, mas o objeto da organização que se instituiu e constituiu. (Diniz, 2000, p. 144) Outras denominações encontradas no Brasil, como os institutos, não possuem uma forma jurídica prevista em lei. Tratam se apenas de nomenclaturas que se utilizam sem grande diferenciação, para formas jurídicas que obrigatoriamente são associação, fundação ou sociedade civil sem fins lucrativos. A distinção entre as formas jurídicas é importante porque elas possuem obrigações diferentes perante a lei. Como será apresentado adiante, as fundações são obrigadas a prestar contas à sociedade de maneira muito mais detalhada do que as associações. Além disso, essas prestações de contas incluem verificar se os objetivos da organização estão sendo cumpridos, tarefa que exige uma avaliação do resultado social dessas organizações. 10

15 Capítulo 2 Sobre a Avaliação de Projetos e Programas 2.1. PROJETOS, PROGRAMAS E SUA ADMINISTRAÇÃO Projeto, segundo a definição do Project Management Institute, é um esforço temporário empreendido para criar um produto ou serviço único. Temporário significa que cada projeto tem um início e um final definido. Único significa que o produto ou serviço é diferente, em alguma forma de distinção, de todos os outros produtos ou serviços similares. (PMI, 1999, p. 4 5) Já um Programa pode ser considerado como um projeto de longa duração, não possuindo um final definido. Trata se de um esforço contínuo com algum objetivo definido. (Meredith e Mantel Jr., 1989 apud Durigan, 2000) Normalmente a atuação das organizações do Terceiro Setor é organizada em torno de projetos e programas. Organizações menores eventualmente não possuem projetos e programas formais, mas certamente sua atuação pode ser vista dessa forma. Com isso, torna se clara a importância dos conceitos de administração de projetos para o estudo das atividades empreendidas por essas organizações. Apesar disso, os conceitos e métodos utilizados para a avaliação de projetos e programas são relativamente semelhantes, com o que, no decorrer deste trabalho, não se faz distinção entre os dois. 11

16 Segundo o PMI (1996, p. 6), Administração de Projetos é a aplicação de conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas a atividades de projeto, com vistas a satisfazer ou exceder às necessidades e expectativas do stakeholder. Satisfazer ou exceder às necessidades e expectativas do stakeholder invariavelmente envolve o equilíbrio entre demandas concorrentes como: 1) escopo, tempo, custo e qualidade; 2) stakeholders com diferentes necessidades e expectativas; 3) exigências identificadas (necessidades) e não identificadas (expectativas). Um dos aspectos importantes mais importantes no contexto da administração é a limitação dos recursos e a demanda por resultados. É óbvio notar que é preferível conseguir o máximo possível de resultado por cada recurso aplicado, seja ele material, financeiro ou humano. Chianca et al (2001, p. 15) colocam, neste sentido, que a escassez de recursos obriga os gestores de organizações da sociedade civil a ter de utilizar de maneira racionalizada cada centavo de que dispõem, o que os leva com freqüência a tomar decisões difíceis, como o cancelamento total ou a eliminação de partes ou componentes de programas. Para conseguir utilizar os recursos da melhor maneira possível é essencial para as organizações contar com informações que as orientem em suas atividades. Analisando com cuidado os resultados obtidos com as atividades da organização será possível ao gestor implementar ações corretivas, ou mesmo mudar a estratégia da organização, com vistas a obter o resultado desejado. A obtenção dessas informações não é tarefa trivial, no entanto. Para isso é necessária a criação de indicadores, processos de medição do resultado etc, que juntos constituem a prática da avaliação de projetos e programas. Chianca et al (2001, p.15) completam afirmando que essas informações incluem, entre outras coisas, respostas a questões como: Que programas estão funcionando bem e quais estão mal? Quais os custos e quais os benefícios que cada programa traz para o público que atende? Há partes do programa que contribuem mais do que as outras? Que adaptações precisam ser feitas para melhorar o 12

17 programa? Buscar respostas adequadas e confiáveis para essas perguntas é a principal função da avaliação AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E PROJETOS Chainca et al (2001, p. 16) sintetizaram uma definição do que seria avaliação, a partir das propostas de Worthen et al (1997) e Patton (1997). Segundo eles, a Avaliação de Programas seria a coleta sistemática de informações sobre as ações, as características e os resultados de um programa, e a identificação, esclarecimento e aplicação de critérios, passíveis de serem defendidos publicamente, para determinar o valor (mérito e relevância), a qualidade, utilidade, efetividade ou importância do programa sendo avaliado em relação aos critérios estabelecidos, gerando recomendações para melhorar o programa e as informações para prestar contas aos públicos interno e externo ao programa do trabalho desenvolvido. Chianca et al (2001, p.19) apresentam ainda as diferentes abordagens que podem ser utilizadas na avaliação sistemática/formal de projetos e programas: Avaliação voltada para objetivos Procura avaliar em que medida os objetivos e metas determinados previamente foram alcançados. O grande problema com essa abordagem é que não leva em conta os benefícios ou limitações que não estejam contemplados no plano traçado inicialmente. Avaliação orientada para a tomada de decisões Está voltada às necessidades que os gestores/gerentes têm de informação. Todo o processo é voltado a julgar a efetividade do tomador de decisões, influenciando diretamente a avaliação. As críticas que se faz a essa abordagem estão relacionadas 1) à dificuldade de trazer à tona questões importantes do 13

18 programa que não estão no rol de preocupações ou de alguma forma vão de encontro às posições do gestor, que controla a avaliação e 2) a preferência que é dada aos gestores que estão no topo das decisões, o que pode tornar o processo pouco democrático. Avaliação voltada para consumidores É aquela realizada junto aos consumidores ou beneficiários da ação social, principalmente através de pesquisas de opinião junto a esse público. Avaliação baseada em opiniões de especialistas É baseada na aplicação de conhecimentos técnico profissionais por especialistas no julgamento da qualidade de um projeto ou programa. Funciona como uma espécie de auditoria, onde os especialistas são convidados a opinar sobre a condução e os resultados obtidos por determinada iniciativa. Um exemplo apresentado por Chianca et al é a contratação de uma equipe de profissionais da área da saúde (médicos, psicólogos, enfermeiros), especializada no atendimento a dependentes químicos, para julgar o mérito e relevância de um programa de tratamento de drogados realizado por um hospital público. A principal limitação dessa abordagem é o grau de subjetividade envolvido na opinião, mesmo de um especialista. Com este método, as avaliações variam segundo as crenças e opiniões, o que pode gerar conflitos. Avaliação baseada em opiniões contrárias É baseada no desenvolvimento de pontos de vista opostos por diferentes avaliadores, de forma semelhante a um tribunal. Sua aplicação na área social é ainda limitada, porém trata se de uma abordagem que pode ser útil quando 1) o objeto avaliado atinge a muitas pessoas; 2) a população está mobilizada, graças a controvérsias relacionados ao objeto avaliado; 3) existe a necessidade de se decidir sobre a continuidade ou o término de um programa; 4) existem avaliadores externos disponíveis para ajudar na avaliação; 5) há clareza sobre os principais aspectos 14

19 relacionados ao objeto avaliado e 6) existem recursos disponíveis para financiar a implantação de uma abordagem como essa. A crítica que se lança sobre essa abordagem está relacionada com o fato de essa avaliação acabará só sendo realizada quando existirem problemas ou crises que precisam de solução, reforçando a prática de se avaliar os projetos somente quando existem problemas. Avaliação baseada na participação Envolve as pessoas interessadas ou influenciadas pelo programa ou projeto avaliado. Essa influência acontece na determinação das necessidades, do tipo de dados a serem coletados e dos critérios e valores a serem utilizados na formação de juízo de valor sobre o objeto avaliado. (Chianca et al, 2001, p. 23) 2.3. OBJETIVOS ECONÔMICOS VERSUS OBJETIVOS SOCIAIS O conceito de projeto e programa surgiu no mercado. Assim, toda a teoria de administração de projetos foi desenvolvida nesse contexto. É óbvio pensar que não é possível utilizar as teorias de administração de projetos da mesma forma no Terceiro Setor e no mercado. No mercado, o objetivo final está quase sempre ligado ao lucro e ao aumento de valor da empresa, de tal forma que o conceito de eficiência sempre aparece como de fundamental relevância. No Terceiro Setor, no entanto, os objetivos estão ligados ao setor público, fato que deve ser considerado ao se pensar em métodos de avaliação. Assim, nos objetivos do Terceiro Setor não aparece o lucro, nem estes estão necessariamente ligados apenas à eficiência. Fuguitt e Wilcox (1999, p ) apresentam os objetivos que um programa do setor público podem perseguir: 15

20 Eficiência No fim do século XIX, Pareto já apresentava um conceito de eficiência. Segundo este conceito, uma política qualquer será superior (ou mais eficiente) se conseguir aumentar os ganhos sociais sem prejudicar ninguém, ou compensando os prejudicados. Essa definição não era totalmente adequada, uma vez que é rara uma política que não prejudique algum grupo e as compensações que existem não são automáticas. Assim, uma nova definição foi desenvolvida e chegou se ao chamado critério de Kaldor Hicks, que diz que a eficiência está sendo atingida quando alguma política gera mais benefícios que custos, não importando quem recebe os benefícios, quem suporta os custos e se os prejudicados são recompensados. Diminuição da desigualdade (distributional equity) O critério da eficiência não diz nada a respeito da igualdade de uma sociedade. Uma política qualquer, dita eficiente, pode trazer benefícios para apenas parte da sociedade, aumentando sua desigualdade. No entanto, os efeitos distributivos de qualquer política não podem ser ignorados pelos tomadores de decisão, sendo que o objetivo de alguma política pode não ser necessariamente a eficiência no uso dos recursos, mas sim a promoção da eqüidade. Sustentabilidade O conceito de sustentabilidade não é unânime entre os estudiosos, mas é normalmente associado com os impactos de determinada política para as gerações futuras. Assim, uma política é dita sustentável quando não impacta negativamente nas gerações futuras. Um exemplo seria uma política de desenvolvimento da Amazônia que incluísse a industrialização maciça da área florestal. Essa política poderia muito bem atender aos anseios da população local, diminuindo a desigualdade. Porém não promoveria a sustentabilidade, uma vez que a destruição da reserva natural certamente prejudicaria a sociedade futura. 16

21 Direitos humanos Existem dois tipos de critérios possíveis no momento de analisar alguma política em particular. O princípio deontológico enfatiza o dever ético do administrador público de proteger os direitos humanos. Assim, uma política que possa causar qualquer malefício a algum indivíduo deve ser evitada. A ética ulititarista base do análise de custo benefício afirma ao contrário que o que é certo é o que irá maximizar o que é bom (Beatley apud Fuguitt e Wilcox, 1999, p. 41), não importando se causa algum prejuízo a alguém neste processo. A idéia é que, desde que no cômputo geral a sociedade saia ganhando, qualquer coisa é permitida. Estes dois critérios oferecem diferentes respostas para os problemas de escolha. Por exemplo, se todos os seres humanos tem direito a respirar ar puro, política de poluição zero devem ser permitidas. Uma análise segundo o critério utilitarista poderia chegar a uma conclusão diferente, priorizando investimentos em outras áreas que possam causar um impacto mais significativo na vida das pessoas. Direitos da natureza Este objetivo diz respeito a responsabilidade do ser humano em relação aos recursos naturais. Apesar de haver algum debate a respeito de se a natureza e seus componentes (animais, pedras, plantas, ecossistemas) possuem direitos, o tomador de decisão deve levar em conta os custos ambientais na sua análise, se não por uma perspectiva deontológica (onde os humanos tem o dever moral de proteger o ambiente), pelo menos pelo impacto que determinada política pode ter na sustentabilidade e nos direitos humanos. 17

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

Contabilidade das Entidades Sem Fins Lucrativos

Contabilidade das Entidades Sem Fins Lucrativos -Curso de Graduação em Ciências Contábeis - Disciplina: Contabilidade das Entidades Sem Fins Lucrativos Prof.. Clovis Grimaldo Couto Jr. clovis@grimaldo.com Cronograma Nº 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Leia mais

- Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada -

- Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada - - Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada - 1 Terceiro Setor Denominação de um setor além governo e do privado/empresas. Define a atuação de organizações não estatais e sem fins lucrativos. Divisão

Leia mais

O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR

O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR RESUMO A informação é a mais poderosa ferramenta de gestão das organizações. Diante dessa constatação, o objetivo deste artigo é demonstrar a importância

Leia mais

Os Convênios Firmados com os Ministérios Públicos Estaduais e o Projeto Fundata 1

Os Convênios Firmados com os Ministérios Públicos Estaduais e o Projeto Fundata 1 Os Convênios Firmados com os Ministérios Públicos Estaduais e o Projeto Fundata 1 I. CONTEXTO Eduardo Marcondes Filinto da Silva Secretário Executivo e Pesquisador FIPE A sociedade, nas últimas décadas,

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO DIFERENCIANDO OS TRÊS SETORES Primeiro Setor A origem e a destinação dos recursos são públicos. Segundo Setor Corresponde ao capital privado, sendo a aplicação

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Gestão e Estrutura Organizacional

Gestão e Estrutura Organizacional Gestão e Estrutura Organizacional I. INTRODUÇÃO Eduardo Marcondes Filinto da Silva Secretário Executivo e Pesquisador FIPE Rafael Martín Delatorre Graduando em Administração pela FEA/USP Um dos fenômenos

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação.

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Gestão e Sustentabilidade para o 3 Setor Orientações Técnicas CONCEITOS No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Pessoa Jurídica:

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social Por Daiane Fontes 1 A preocupação da sociedade com relação aos temas ética, cidadania, direitos humanos, desenvolvimento econômico, Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

O futuro da filantropia no Brasil

O futuro da filantropia no Brasil O futuro da filantropia no Brasil 09/01/06 Criando um setor mais diversificado CANDACE ('CINDY') LESSA Diretora do Programa Brasil do Instituto Synergos FERNANDO ROSSETTI Secretário geral do GIFE (Grupo

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS PO-10/2013 Unidade Responsável: PMO Ponto Focal OBJETIVO: Essas diretrizes visam ajudar a equipe e consultores do Funbio a responder às questões

Leia mais

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DO MONITORAMENTO E

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DO MONITORAMENTO E CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

Roteiro para elaboração de projetos 1

Roteiro para elaboração de projetos 1 1 Roteiro para elaboração de projetos 1 O objetivo aqui é que vocês exercitem a criatividade, a atitude empreendedora, a inteligência emocional (liderar e ser liderado) e a responsabilidade (individual

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

Voluntariado: tendência de crescimento?

Voluntariado: tendência de crescimento? Voluntariado: tendência de crescimento? Walter de Tarso de Campos Pesquisador FIPE Antonio Bara Bresolin Graduando em Economia FEA/USP Desde o período colonial é possível observar no Brasil a presença

Leia mais

Compreendendo o Papel do Conselho Diretor nas Organizações Sem Fins Lucrativos

Compreendendo o Papel do Conselho Diretor nas Organizações Sem Fins Lucrativos Compreendendo o Papel do Conselho Diretor nas Organizações Sem Fins Lucrativos Entrevista com Marla Bobowick - BoardSource* A Revista IntegrAção realizou em primeira mão uma entrevista com Marla Bobowick,

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade III ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Marketing social Atuação das empresas hoje e a Responsabilidade social: Obtenção de insumos e processamento de matéria prima de maneira

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt Disciplina: Governo Eletrônico/EGC/UFSC Professores: Dr. Aires Rover e Dr. Denilson Sell Equipe: David Lemos, Luiza

Leia mais

Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã?

Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã? Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã? Sustentabilidade O que isto significa? Tem implicações nas vidas das pessoas e organizações? Os cidadãos e os executivos estão comprometidos com isto? Surgem muitas organizações

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Doar Faz Bem. Capa. Ações que reverberam. Manual de Doações. nazareuniluz.org.br. Nazaré Uniluz

Doar Faz Bem. Capa. Ações que reverberam. Manual de Doações. nazareuniluz.org.br. Nazaré Uniluz Capa Doar Faz Bem Ações que reverberam Manual de Doações www. - (11) 4597-7109 / 4597-7103 / 96473-2851 www. - (11) 4597-7109 / 4597-7103 / 96473-2851 Este Manual foi criado com o intuito de inspirar,

Leia mais

Algumas tendências gerais da cooperação internacional não governamental

Algumas tendências gerais da cooperação internacional não governamental Como Escrever um Projeto? Por Leandro Lamas Valarelli Estas dicas referem-se ao universo de fundações e agências de cooperação não governamentais, brasileiras ou internacionais. Em grande parte, baseiam-se

Leia mais

PRINCÍPIOS PRÁTICOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

PRINCÍPIOS PRÁTICOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PRINCÍPIOS PRÁTICOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Luiz Carlos Bresser-Pereira Comunicação à Quarta Reunião Anual do Comitê de Especialistas em Administração Pública do Conselho Econômico e Social (Ecosoc) das

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Avaliação de Projetos Sociais

Avaliação de Projetos Sociais Avaliação de Projetos Sociais Alice DiGam alicedigam@gmail.com h"p://www.fatosdesconhecidos.com.br/quantas- cores- sera- que- voce- enxerga- faca- o- teste- e- descubra/ 20 20-32 33-39 Da Avaliação Quando

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI)

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Processo de sua criação no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, com vistas ao estabelecimento de um Código

Leia mais

Introdução ao Terceiro Setor - Características e desafios das organizações. Rafael Vargas Lara Gestor de Projetos Sociais Empreendedor Social

Introdução ao Terceiro Setor - Características e desafios das organizações. Rafael Vargas Lara Gestor de Projetos Sociais Empreendedor Social Introdução ao Terceiro Setor - Características e desafios das organizações Rafael Vargas Lara Gestor de Projetos Sociais Empreendedor Social Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que dá significado

Leia mais

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões novembro 2012 apoio 2 do CEO Carta do CEO A pesquisa levanta questões interessantes relativas à sustentabilidade e à boa

Leia mais

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ. PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO José Orlando Lima de Morais Atividade de Portfólio

Leia mais

Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais

Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais Avaliar é... Emitir juízo de valor sobre algo. Avaliação Econômica é... Quantificar o impacto e o retorno econômico de um projeto, com base em

Leia mais

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa:

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa: 31 6 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Um dos principais objetivos da comunicação institucional é o estabelecimento de relações duradouras com os seus públicos. Isso é possível através de ações personalizadas

Leia mais

Investimento Social Privado: Instrumento de uma sociedade democrática e capitalista

Investimento Social Privado: Instrumento de uma sociedade democrática e capitalista Investimento Social Privado: Instrumento de uma sociedade democrática e capitalista Marcos Kisil PUC 5/11/2015 As parcerias entre Estado, Mercado e Sociedade Civil QUAL O PAPEL DO ESTADO? QUAL O PAPEL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

PROGRAMA EMBRAER DE VOLUNTARIADO Fazer o bem faz bem!

PROGRAMA EMBRAER DE VOLUNTARIADO Fazer o bem faz bem! MAIS INFORMAÇÕES Entre em contato com a equipe do Instituto Embraer: Ramais 2766, 5701 ou 3611 (SJK) E-mail institutoembraer@embraer.com.br Envio de mensagens pelo Fale Conosco do site www.institutoembraer.com.br

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Plano de Ação Participativo para Escolas 2012 Fundamentação Teórica Secretaria de Gestão Pública Secretaria da Educação Índice Plano de Ação Participativo para Escolas Diretrizes para a formulação do PAP

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO INTRODUÇÃO: As empresas corporativas atualmente desenvolvem visões e políticas que se enquadrem no conceito de desenvolvimento sustentável, responsabilidade

Leia mais

ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social DIFERENCIAIS DA ISO 26000 O que são NORMAS? Registro da tecnologia consolidada Regras, diretrizes, características Resultado de um processo de CONSENSO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

HSM Management Update nº 28 - Janeiro 2006

HSM Management Update nº 28 - Janeiro 2006 Em entrevista exclusiva, a consultora de marketing estratégico Kavita Hamza conta o que descobriu sobre a capacidade de comunicação de organizações não-governamentais brasileiras em um estudo com 35 delas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution GTI Solution Código de Ética: GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA 1. INTRODUÇÃO A GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA

Leia mais

Investimento. Privado no Brasil. tendências, desafios e potencialidades. organização: Fábio Deboni

Investimento. Privado no Brasil. tendências, desafios e potencialidades. organização: Fábio Deboni Investimento Social Privado no Brasil tendências, desafios e potencialidades organização: Fábio Deboni 1ª edição Brasília DF 2013 Maria Cecília Prates Rodrigues Aspectos centrais a serem considerados para

Leia mais

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE RECURSOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Entrega valor por meio de uma abordagem de estratégia em primeiro lugar para selecionar o conjunto ideal de investimentos Aproveita

Leia mais

Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social. Prof. Wellington

Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social. Prof. Wellington Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social Prof. Wellington APRESENTAÇÃO AULA 1 Wellington Prof de pós-graduação na USJT desde 2003 Sócio diretor da WP projetos e produções Coordenador

Leia mais

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos Parceria Africana para Segurança do Paciente Melhorar a : primeiros passos Este documento descreve uma abordagem para melhorar a utilizando um modelo de parceria, estruturado em torno do aperfeiçoamento

Leia mais

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão Educacional

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DE ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: UMA ANÁLISE PRELIMINAR DAS INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES

DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DE ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: UMA ANÁLISE PRELIMINAR DAS INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DE ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: UMA ANÁLISE PRELIMINAR DAS INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES FERNANDES, Cristoferson Allison 1 REZENDE, Isabelle Carlos Campos 2 SAEGER, Márcia

Leia mais

Dimensão Econômico-Financeira

Dimensão Econômico-Financeira Dimensão Econômico-Financeira 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO... 3 INDICADOR 2. ATIVOS INTANGÍVEIS... 5 INDICADOR 3. DEFESA DA CONCORRÊNCIA... 6 CRITÉRIO II GESTÃO...

Leia mais

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS O Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o Consumo Consciente. PERFIL DA VAGA: PERFIL GERAL DA FUNÇÃO

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR

GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR (Fonte: artigo do Professor Mário Aquino Alves, da Fundação Getúlio Vargas) Quais são e o que significam os termos mais usados no Terceiro Setor A Altruísmo - "Amor ao próximo";

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

O Que Fizeram as Fundações de Direito Privado de Belo Horizonte/MG em 1999

O Que Fizeram as Fundações de Direito Privado de Belo Horizonte/MG em 1999 O Que Fizeram as Fundações de Direito Privado de Belo Horizonte/MG em 1999 I. ÁREAS COMUNS DE ATUAÇÃO Eduardo Marcondes Filinto da Silva Secretário Executivo e Pesquisador FIPE Marianne Thamm de Aguiar

Leia mais

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Responsabilidade Social Empresarial. Aula 6. Contextualização. Definições, Conceitos e Terminologia

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Responsabilidade Social Empresarial. Aula 6. Contextualização. Definições, Conceitos e Terminologia Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 6 Responsabilidade Social Empresarial Prof. Esp. Felipe Luiz Contextualização Instrumentalização Definições, Conceitos e Terminologia Responsabilidade obrigação

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org

Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org Objetivo Doações por terceiros (pessoa física e pessoa jurídica): Desafios e possibilidades de uma organização

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

Terceiro Setor Buscando uma Conceituação

Terceiro Setor Buscando uma Conceituação Terceiro Setor Buscando uma Conceituação Eduardo Marcondes Filinto da Silva Secretário Executivo e Pesquisador FIPE Marianne Thamm de Aguiar Graduanda em Economia pela FEA/USP Sob o impacto de um Estado

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II custos2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Gerência de Custos em Enfermagem GRECO, Rosangela

Leia mais