ANÁLISE DA SEGURIDADE SOCIAL. ANFIP, sucesso em sua história, vitória no presente e foco no futuro.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA SEGURIDADE SOCIAL. ANFIP, sucesso em sua história, vitória no presente e foco no futuro."

Transcrição

1 ANÁLISE DA SEGURIDADE SOCIAL 2011 ANFIP, sucesso em sua história, vitória no presente e foco no futuro.

2 ANFIP - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES-FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL & FUNDAÇÃO ANFIP DE ESTUDOS DA SEGURIDADE SOCIAL ANÁLISE DA SEGURIDADE SOCIAL 2011 maio/ ª Edição ANFIP, sucesso em sua história, vitória no presente e foco no futuro.

3 Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (ANFIP) e Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social Também disponível em: Tiragem desta edição: exemplares Impresso no Brasil / Printed in Brazil 12ª edição Revisão ortográfica: Gerson Menezes Capa: Gilmar Eumar Vitalino Editoração eletrônica: Antonio Rubens Equipe Técnica (Assessoria de Estudos Socioeconômicos da ANFIP): Flávio Tonelli Vaz Floriano José Martins Juliano Sander Musse Vanderley José Maçaneiro Nenhuma parte desta obra deverá ser produzida ou divulgada sem que seja citada a fonte Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil Análise da Seguridade Social 2011 / Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil e Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social Brasília: ANFIP, p. ISBN: Seguridade Social. 2. Previdência Social. 3. Saúde. 4. Assistência Social. I. ANFIP. II. Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social III. Vaz, Flávio Tonelli Vaz. IV. Martins, Floriano José. V. Maçaneiro, Vanderley José. VI. Musse, Juliano Sander. CDU =369

4 ANFIP - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES-FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL & FUNDAÇÃO ANFIP DE ESTUDOS DA SEGURIDADE SOCIAL ANÁLISE DA SEGURIDADE SOCIAL 2011 maio/ ª Edição ANFIP, sucesso em sua história, vitória no presente e foco no futuro. 5

5 ANFIP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES-FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL CONSELHO EXECUTIVO Álvaro Sólon de França Presidente Floriano José Martins Vice-Presidente Executivo José Roberto Pimentel Teixeira Vice-presidente de Assuntos Fiscais Maria do Carmo Costa Pimentel Vice-presidente de Política de Classe Benedito Leite Sobrinho Vice-presidente de Política Salarial Roswílcio José Moreira Góis Vice-presidente de Assuntos da Seguridade Social Léa Pereira de Mattos Vice-presidente de Aposentadorias e Pensões Ana Mickelina Barbosa Carreira Vice-presidente de Cultura Profissional e Relações Interassociativas Eucélia Maria Agrizzi Mergar Vice-presidente de Serviços Assistenciais Márcio Humberto Gheller Vice-presidente de Assuntos Jurídicos Miguel Arcanjo Simas Nôvo Vice-presidente de Estudo e Assuntos Tributários Rosana Escudero de Almeida Vice-presidente de Administração, Patrimônio e Cadastro Josemar Jorge Cecatto Santos Vice-presidente de Finanças de Planejamento e Controle Orçamentário José Tibúrcio Tabosa Vice-presidente de Planejamento e Controle Orçamentário Jeziel Tadeu Fior Vice-presidente de Comunicação Social João Laércio Gagliardi Fernandes Vice-presidente de Relações Públicas Jorge Cezar Costa Vice-presidente de Assuntos Parlamentares Marcos Rogério Alves Ribeiro Vice-presidente de Tecnologia da Informação CONSELHO FISCAL Luiz Carlos Correa Braga (2011/2013) Nilo Sergio de Lima (2010 /2012) Jonilson Carvalho de Oliveira (2010 /2012) Durval Azevedo de Sousa (2012/2014) Leila Souza de Barros Signorelli de Andrade (2012/2014) CONSELHO DE REPRESENTANTES AC - Heliomar Lunz AL - André Vilaça dos Santos AP - Emir Cavalcanti Furtado AM - Cleide Almeida Nôvo BA - Raimundo João Duailibe DF - Floriano Martins de Sá Neto CE - Givanildo Aquino da Silva ES - Rozinete Bissoli Guerini GO - Carlos José de Castro MA - Antonio de Jesus Oliveira de Santana MS - Vanderlei Veiga Tessari MT - Wilza do Carmo Pereira Soares MG - Afonso Ligório de Faria PA - Avelina Marinho de Oliveira PB - Lucimar Ramos de Lima Ramalho PR - Ademar Borges PE - Luiz Mendes Bezerra PI - Lourival de Melo Lobo RJ - João Barros Padilha RN - Maria Aparecida Fernandes P. Leme RS - Marville Taffarel RO - Eni Paizanti de Laia Ferreira RR - André Luiz Spagnuolo Andrade SC - Pedro Dittrich Junior SP - Margarida Lopes de Araujo SE - Jorge Lourenço Barros TO - José Carlos Rego Morais ASSESSORIA SOCIOECONÔMICA Vanderley José Maçaneiro Assessor FUNDAÇÃO ANFIP DE ESTUDOS DA SEGURIDADE SOCIAL CONSELHO CURADOR Membros Titulares Álvaro Sólon de França - Presidente Miguel Arcanjo Simas Nôvo Jeziel Tadeu Fior Carlos Roberto Bispo Rosana Escudero de Almeida - Secretária Maria Aparecida Fernandes Paes Leme Maria do Carmo Costa Pimentel Membros Suplentes do Conselho Curador Benedito Leite Sobrinho 1º Suplente Maria Inez Rezende dos Santos Maranhão 2º Suplente José Roberto Pimentel Teixeira 3º Suplente Eurico Cervo 4º Suplente Diretoria Executiva Floriano Martins de Sá Neto Diretor Presidente Vilson Antonio Romero Diretor Administrativo Maria Janeide da Costa Rodrigues e Silva Diretora Financeira Assunta Di Dea Bergamasco Diretora de Planejamento Aurora Maria Miranda Borges Diretora de Eventos e de Cursos Membros Suplentes da Diretoria Executiva Neiva Renck Maciel 1º Suplente Benedito Cerqueira Seba 2º Suplente Maria Beatriz Fernandes Branco 3º Suplente Mariângela Eduarda Braga Binda 4º Suplente CONSELHO FISCAL Membros Titulares Décio Bruno Lopes Paulo Correia de Melo Pedro Augusto Sanchez Membros Suplentes do Conselho Fiscal Reginaldo Marques Botelho 1º Suplente Ercília Leitão Bernardo. 2º Suplente

6 Sumário Apresentação...13 Introdução O Orçamento da Seguridade Social em As receitas da Seguridade Social As contribuições previdenciárias As contribuições sociais que incidem sobre o faturamento A tributação sobre o lucro As contribuições sobre concurso de prognósticos e as receitas próprias dos Órgãos da Seguridade As despesas da Seguridade Social Os programas de benefícios assistenciais de prestação continuada O Bolsa-família e outras transferências de natureza assistencial As despesas com ações e serviços de saúde Assistência Social Geral Previdência Social, pessoal e outras despesas administrativas do MPS Outras ações da Seguridade Social Os benefícios e outras ações de Fundo de Amparo ao Trabalhador - FAT

7 4 A Previdência Social em As receitas e as despesas do Regime Geral de Previdência Social para o subsistema urbano As receitas e as despesas do Regime Geral de Previdência Social para o subsistema rural A perda de recursos da Seguridade Social determinada pela Desvinculação das Receitas da União - DRU Os regimes previdenciários próprios de servidores e de militares O Regime Próprio de Previdência dos Servidores federais Evidências recentes do mercado de trabalho brasileiro Rotatividade e Terceirização Capacitação da mão de obra e melhores salários no contexto do mercado de trabalho Considerações finais Metodologia de apuração dos dados apresentados na Análise da Seguridade Social Metodologia para apuração e classificação das receitas do Orçamento da Seguridade Social Metodologia para apuração e classificação das despesas do Orçamento da Seguridade Social As diversas classificações de despesas utilizadas na Análise da Seguridade Social Anexos

8 Índice de Tabelas e de Gráficos Tabela 1 - Receitas e Despesas da Seguridade Social, 2008 a 2011, em valores correntes e, para 2010 e 2011, em relação ao PIB...32 Tabela 2 - Receitas do Orçamento da Seguridade Social, 2008 a 2011, em valores correntes e em % do PIB...37 Tabela 3 - Receitas da Contribuição previdenciária para o RGPS, por tipo de contribuinte e as diferentes formas de incidência, 2005 a Tabela 4 - Receitas da Cofins, 2005 a 2011, em valores correntes, % do PIB e estimativa de renúncias, em valores nominais e em % da Receita do Principal...46 Tabela 5 - Receitas da Contribuição para o PIS, 2005 a 2011, em valores correntes, em % do PIB e a estimativa de renúncias...48 Tabela 6 - Receitas da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL, 2005 a 2011, em valores correntes, em % do PIB e a estimativa de renúncias...50 Tabela 7 - Receitas de contribuições sobre concursos de prognósticos e de receitas próprias dos órgãos da Seguridade, 2005 a 2011, valores correntes...52 Tabela 8 - Despesas com benefícios da seguridade social entregues às pessoas, em % do PIB, e em proporção da Receita tributária líquida do governo federal, 2005 a Tabela 9 - Evolução do salário mínimo, reajustes nominais e reais, 2002 a

9 Tabela 10 - Benefícios da LOAS e da RMV emitidos e as despesas orçamentárias por exercício, para idosos e para deficientes; 2005 a 2011, valores correntes...60 Tabela 11 - Evolução das despesas com as transferências de renda, com condicionalidades Bolsa Família, 2002 a 2011, em valores correntes, constantes e % do PIB...63 Tabela 12 - Evolução das despesas do Ministério da Saúde, com ações e serviços de saúde pública, de 2005 a 2011, valores correntes...66 Tabela 13 - Evolução das despesas do Ministério da Saúde, com ações e serviços de saúde pública, de 2005 a 2011, valores correntes...67 Tabela 14 - Evolução das despesas do Ministério do Desenvolvimento Social, com ações e serviços de assistência social, em valores correntes...69 Tabela 15 - Evolução das despesas com ações selecionadas do Ministério do Desenvolvimento Social, em valores correntes...70 Tabela 16 - Evolução das despesas do Ministério da Previdência Social...71 Tabela 17 - Evolução das despesas em outras ações da Seguridade Social, realizadas em diversos órgãos, valores correntes, 2005 a Tabela 18 - Evolução dos pagamentos realizados com benefícios do FAT e as despesas das principais ações do Fundo, de 2005 a Tabela 19 - Evolução de indicadores do mercado de trabalho, regiões metropolitanas, 2002 a Tabela 20 - Receitas e despesas do Regime Geral de Previdência Social, valores divulgados, 2004 a Tabela 21 - Receitas e despesas do Regime Geral de Previdência Social, com compensação das renúncias, 2004 a Tabela 22 - Receitas, renúncias e Despesas do Regime Geral de Previdência Social, subsistema urbano, 2005 a Tabela 23 - Evolução de receitas, despesas e renúncias do RGPS, subsistema rural, 2005 a 2011, valores correntes e % do PIB...87 Tabela 24 - Receita de contribuições sociais selecionadas e os efeitos da desvinculação promovidos pela DRU

10 Tabela 25 - Quantitativo de servidores públicos federais do Poder Executivo, por órgãos selecionados, segundo situação de vínculo, dez/ Tabela 26 - Receitas, despesas e necessidade de cobertura, do Regime Próprio de Previdência dos Servidores federais, 2005 a 2011, em valores correntes e % do PIB...99 Tabela 27 - Rendimento médio real do trabalho principal por regiões metropolitanas e número de pessoas desocupadas - dezembro de cada ano em R$ de jan/ Tabela 28 - Taxa de rotatividade do mercado formal de trabalho - anos selecionados (em %) Tabela 29 - As receitas do Orçamento da Seguridade Social de 2005 a 2011 em valores correntes Tabela 30 - As receitas do Orçamento da Seguridade Social de 2005 a 2011 em % do PIB Tabela 31 - As despesas do Orçamento da Seguridade Social de 2005 a 2011 em valores correntes Tabela 32 - As despesas do Orçamento da Seguridade Social de 2005 a 2011 em % do PIB Gráfico 1 - Evolução do saldo de emprego por setor de atividade econômica a Gráfico 2 - Rendimento de trabalho das pessoas ocupadas, valores reais médios a

11 12

12 Apresentação A presente publicação Análise da Seguridade Social em 2011 é resultado do empenho de um grupo de abnegados e visionários abrigados nas lides da ANFIP que, desde a regulamentação do Capítulo da Seguridade Social da Constituição Federal de 1988, no início dos anos 1990, passou a realizar análises sobre o tema, em particular os referentes ao financiamento e à execução orçamentária dos seus programas finalísticos: saúde, Previdência Social e assistência social. Vivíamos naquele momento o auge do movimento conhecido como neoliberalismo e que tinha como alvo preferencial os avanços duramente conquistados na nova Constituição. A ANFIP inseriu-se com destaque nos debates travados no Congresso Nacional e no seio da sociedade civil, e sua maior contribuição foi informar e servir de contraponto ao discurso oficial, justamente na demonstração do Orçamento da Seguridade Social, com amparo constitucional, bem como sua destinação, em programas da Seguridade Social ou desviada para outras finalidades. Passaram-se anos, e os estudos e análises foram condensados na publicação anual que chega às suas mãos, que se transformou em uma referência importante, uma contribuição valorosa a estudiosos, a acadêmicos e à sociedade como um todo. Nesse período foi acrescida de um conjunto de artigos que possibilitou o acompanhamento das políticas públicas ligadas à Seguridade Social. Dessa forma, a publicação tornou-se fundamental para subsidiar diversos movimentos sociais em suas lutas pelos direitos 13

13 sociais e em suas resistências às contra-reformas, especialmente àquelas destinadas à subtração dos direitos sociais e à inversão das finalidades do sistema de Seguridade Social, que passou a financiar as despesas do orçamento fiscal da União. Esta edição também contempla avanços em relação às publicações anteriores. Há o aprofundamento dos temas ligados ao mercado de trabalho brasileiro e a descrição precisa da metodologia de apuração e de classificação dos dados relativos ao resultado da Seguridade Social. Ao longo da série histórica a ANFIP demonstra que a Seguridade Social tem sido superavitária e, em 2011, não foi diferente, apesar dos impactos da Crise do Euro. É importante ressaltar que esse resultado ainda não sofreu as consequências das recentes desonerações efetuadas sobre a folha de pagamentos e que, apesar do baixo crescimento econômico de 2011, o sistema de financiamento continua demonstrando um vigor extraordinário. O modelo de Seguridade Social inserido na Constituição Federal continua a receber críticas e ataques incessantes que visam à redução de direitos. Em um determinado momento foi a ameaça de uma reforma tributária que extinguia os seus fundamentos, e no momento atual assistimos a uma desoneração fatiada de sua principal fonte de financiamento, a folha de pagamentos. A ANFIP e a Fundação Anfip de Estudos da Seguridade Social continuarão a realizar seminários, pesquisas e análises visando demonstrar a viabilidade financeira do sistema e sua abrangência e universalidade, que o transformou em um verdadeiro alicerce social, principalmente para a população mais pobre e para a interiorização da renda. O Brasil vem galgando posições importantes no contexto mundial, destacando-se em meio às economias emergentes. Se a economia do Brasil vai bem, é hora de reconhecer que os direitos sociais, principalmente os inseridos na Seguridade Social, são fundamentais e têm papel vital em todo esse processo. Garantir a sua efetiva implementação e a ampliação de programas é fundamental para demonstrar a importância do fator humano na construção de uma sociedade, de fato, justa e solidária, como prevê a Constituição Cidadã. 14

14 É nesse contexto, eivado de contradições e desafios, que a ANFIP e a Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social apresentam a Análise da Seguridade Social relativa a 2011, visando não só a contribuir para o debate em torno de todas as questões aqui levantadas, mas almejando, sempre, que toda a sociedade tenha uma visão do real significado da Seguridade Social, da sua contribuição e, particularmente, da Previdência Social, ao desenvolvimento com distribuição de renda. ANFIP e Fundação ANFIP 15

15 16

16 Introdução No ano de 2011, o mundo ainda se ressente da grave crise que eclodiu em Problemas econômicos marcam as economias das nações mais desenvolvidas sem ainda apresentarem um horizonte de superação. Os países mais afetados hoje se situam na zona do Euro, nações insolventes, grandes crises sociais, incapacidade dos organismos internacionais de apresentarem soluções, impossibilidade dos diversos governos de adotarem satisfatoriamente as medidas demandadas por uma agenda de matriz estritamente neoliberal. Tudo o que consegue ser receitado são mais e mais cortes em despesas com os serviços públicos, diminuição de direitos e precarização das condições de trabalho para o conjunto dos trabalhadores. Tudo para assegurar mais e mais recursos públicos para os credores financeiros. Em vez de incentivar o crescimento nesses países para a superação da crise, o Banco Central Europeu distribui centenas de bilhões de euros para que os governos endividados possam continuar a honrar seus compromissos com a banca privada e também entregou mais de um trilhão de euros diretamente aos bancos, reforçando os seus ganhos especulativos. Assim, a crise na Europa recrudesce e o desemprego cresce. Entre os jovens (de 15 a 24 anos) esse índice chega a 35,9%. Para o conjunto dos trabalhadores, atingiu 10,9% em março de 2012, um novo recorde em 15 anos, segundo a Eurostat. Entre os 17 países da Eurozona, esse desemprego atingiu 24,1% na Espanha e 21,7% na Grécia. Na Itália, as taxas também são recordes, com 9,8%. 17

17 Essa receita o Brasil conheceu de perto, quando teve que se submeter aos mandamentos do FMI e somente saiu dessas armadilhas quando, em 2006, inverteu pontos importantes das políticas econômicas. O Brasil em 2010 apresentou um resultado econômico surpreendente, com um crescimento de 7,5%. O conjunto de medidas adotadas pelo governo desde 2008 rompeu com as tendências negativas que ainda persistiam no resto do mundo. Mas, em 2011, uma combinação de problemas decorrentes do agravamento da crise com medidas monetárias restritivas, adotadas no Brasil, a partir do segundo semestre de 2010, produziu uma expansão para o PIB de apenas 2,7%. Essa pequena expansão da economia, mas principalmente as políticas restritivas, em especial as contenções dos gastos públicos, determinaram a execução orçamentária em 2011, com diminuta expansão dos gastos e grande elevação da produção de superávits primários. Em 2011, a Seguridade Social, como veremos no primeiro capítulo, refletiu no comportamento de suas receitas e despesas essa mesma dinâmica. E, ao final do ano, garantiu, com R$ 77 bilhões de superávit, 83% do superávit primário verificado em todo o governo central. Para reverter esse quadro de baixo crescimento econômico, o governo, a partir do último trimestre de 2011, iniciou uma nova rodada de incentivos para alavancar a produção, em especial para compensar a indústria nacional pelos problemas que vive em decorrência do câmbio. Além do aumento em benefícios creditícios, determinou uma ampliação dos benefícios tributários que pode representar um grande desajuste na Previdência Social. A desoneração das contribuições patronais sobre a folha de pagamentos (feitos às pessoas por retribuição pelo trabalho), inicialmente proposta para três segmentos do setor industrial e para os serviços de tecnologia em informação e computação, foi amplamente estendida em 2012, abrangendo um grande número de atividades dos setores industriais e de serviços. Não será uma redução de alíquota; será integralmente substituída por uma contribuição sobre o faturamento, descontada a parcela relativa às exportações. Essa desoneração, segundo o governo, custará cerca de R$ 7,2 bilhões, já descontada a nova arrecadação sobre o faturamento. 18

18 Essa diminuição de receitas será compensada orçamentariamente para fins de cálculo do equilíbrio previdenciário. Mas, muito provavelmente, isto se dará com recursos da própria Seguridade Social. Isto porque o governo tem se posicionado contrariamente às emendas apresentadas pelo Congresso para estabelecer que essa compensação seja realizada com recursos fiscais. Caso ela se efetive com recursos da própria Seguridade, não há compensação real, mas apenas um elemento estatístico, com efeitos reduzidos para a Previdência Social. O fato de existirem anotações nos relatórios de receitas e despesas do RGPS, dando conta da existência de renúncias e seus valores, em nada tem diminuído o ruído causado pelas manchetes sobre o chamado déficit da Previdência Social. A grande imprensa e os eternos defensores de reformas para cortes de direitos e de ampliações de requisitos mantêm aceso o falso discurso do déficit, insistindo em ignorar o efeito das renúncias e, naturalmente, do mandamento constitucional de pluralidade das fontes da Seguridade Social. Essas desonerações são inicialmente temporárias, previstas para acabar em Mas, é pouco provável que não sejam prorrogadas indefinidamente. E, naturalmente, com a diminuição das receitas, continue a se pressionar por reformas nos direitos previdenciários dos trabalhadores. Nesta edição, além das avaliações relativas à receita e às despesas da Seguridade Social, publicamos em anexo uma descrição pormenorizada da metodologia utilizada para apuração dos dados aqui apresentados. Com essa metodologia, pode ser identificado cada componente que é considerado em cada um dos grandes grupos de receita e de despesa analisados ao longo deste trabalho. Esse trabalho de sintetização permitiu construirmos e apresentarmos uma extensa série de dados, edificada segundo a mesma referência metodológica. 19

19 20

20 1 O Orçamento da Seguridade Social em 2011 A execução orçamentária do Orçamento da Seguridade Social em 2011 foi determinada por importantes variáveis das políticas monetária e fiscal que resultaram em um pequeno crescimento da economia em Não bastasse o cenário internacional altamente desfavorável, ainda sob os reflexos da crise internacional que remanesce desde , a política monetária adotada no país entre o segundo trimestre de 2010 e o segundo trimestre de 2011 e a política fiscal em curso ao longo do ano passado potencializaram resultados muito desfavoráveis ao ambiente econômico interno. Vale lembrar que, ainda ao longo de 2010, o BC subiu os juros de 8,75% para 10,75% 2. E, em 2011, os juros continuaram subindo em todas as reuniões do COPOM ocorridas até julho, de 11,25% para 12,50% 3. Quando finalmente a política econômica foi afrouxada, com a redução gradual das taxas de juros, a partir de 31 de agosto, não havia mais tempo hábil para que os impactos positivos sobre a economia se fizessem sentir em Espera-se que esses reflexos positivos comecem a aparecer a partir do segundo semestre de A política fiscal adotada, igualmente restritiva, também contribuiu 1 No Brasil, essa crise iniciou-se em setembro de 2008, mas, no plano internacional, o seu início é marcado pela crise do subprime, revelada em As reuniões do COPOM de 27/01, 28/04, 9/6 e 21/7 determinaram aumentos das taxas de juros. 3 As reuniões foram em 19/1, 2/3, 20/4, 8/6 e 20/7. 21

21 significativamente para esse resultado econômico de baixo crescimento. Ao longo do ano, o governo federal produziu um superávit primário muito superior ao mínimo exigido pela Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO de A LDO 2011 estabelecia, como meta, a produção de R$ 81,8 bilhões de superávit primário, mas autorizava que, desse montante, R$ 32,0 bilhões relativos aos investimentos do PAC pudessem ser abatidos. Assim, ao final do exercício, o superávit mínimo real seria de R$ 49,8 bilhões. Um valor já muito alto, se compararmos com os mais diversos países, nesse cenário de crise. Ao longo do ano, inicialmente, o governo abriu mão da prerrogativa de abater a execução do PAC, o que significou ampliar o esforço fiscal em R$ 32 bilhões. E, depois, ainda aumentou esse patamar em mais R$ 10 bilhões, totalizando uma meta de R$ 91,8 bilhões. O resultado final foi um ajuste ainda maior, de R$ 93 bilhões. Na prática foram R$ 43 bilhões acima do mínimo determinado legalmente pela LDO. Ao adotar um comportamento fiscal mais restritivo, o governo justificou-se pela necessidade de contribuir com a política monetária para a redução da taxa de juros. E, realmente, as taxas caíram, mesmo quando os agentes econômicos duvidaram da oportunidade das medidas adotadas e julgavam que a meta de inflação seria rompida. Esse processo de queda das taxas de juros precisa ser valorizado, porque até então o país praticava um dos maiores juros reais dos últimos anos. Ao final de 2011, eles estavam, segundo o Banco Central (BC), em 4,35% 4. No início de maio de 2012, as expectativas já indicavam que a taxa Selic poderia chegar a 8%, depois que o governo alterou as regras da poupança. Apesar de ser um recorde de baixas, é desnecessário reafirmar que essas taxas ainda estão muito altas. O mundo ainda hoje pratica taxas neutras ou mesmo negativas abaixo da inflação dos respectivos países. Será preciso um grande esforço político para que essa nova jornada de redução dos juros não seja interrompida prematuramente, antes de as taxas nacionais convergirem para as praticadas no exterior. O Brasil ain- 4 Para o BC, esse cálculo é feito diminuindo-se da taxa SELIC a expectativa inflacionária para os próximos 12 meses. 22

22 da pratica juros muito acima desse patamar, mesmo agora que os preços indicam uma queda dos níveis inflacionários. A preocupação se justifica, porque os relatórios do BC já apontam para uma estabilidade nas taxas ainda em 2012 e muitos agentes econômicos prevêem uma elevação dessas taxas em Se isso ocorrer, mais uma vez, perderemos a segunda oportunidade para a redução deste que é hoje um grande entrave ao desenvolvimento nacional: os altos custos da política monetária. O primeiro momento foi entre 2008 e Muito embora a crise mundial tenha se iniciado em junho de 2007, um ano depois, em 10 de setembro de 2008, o BC subiu os juros porque enxergava perigo de alta nos preços. Menos de uma semana depois 5, a hecatombe gerada pela quebra do Lehman Brothers paralisava a economia mundial. Instalou-se um cenário muito mais próximo da deflação que do cenário vislumbrado pelo BC. Mas, mesmo assim, o Banco manteve os altos juros de 13,75% por seguidas reuniões do Copom, como se a crise inexistisse. Quando a primeira diminuição dos juros ocorreu em janeiro de 2009, o PIB do 4º Trimestre já havia caído 2,7% e, com a inevitável diminuição do produto no 1º Trimestre de 2009, que caiu 2,4%, o Brasil entrou tecnicamente em recessão. Foi mais um caso de início tardio de um novo ciclo de queda das taxas, hoje considerado um clássico erro da autoridade monetária. E, mesmo assim, ao longo daquele ano, o Brasil foi um dos países que menos baixou os juros como medida de enfrentamento da crise. Foram apenas cinco pontos entre janeiro e julho de 2009 de 13,75% para 8,75%. Após esse período, o país pôde enfim conviver, infelizmente por pouco tempo, com taxas de um dígito, como não ocorria desde dezembro de Entretanto, a diminuição dos juros representou pouco mais de um terço do que era praticado antes da crise. Em países como Suécia, Chile, EUA, Canadá, Suíça e Reino Unido, as reduções superaram a marca de 90%. Em Israel, Japão, Noruega, Zona do Euro e em outros 29 países que também adotam um regime de taxas referenciais de juros, a queda foi superior à praticada no Brasil. 5 No dia 15 de setembro de 2008, o banco americano Lehman Brothers anunciou a concordata, marcando o ápice da crise. 23

23 Faltou ousadia naquele momento para equilibrar as taxas de juros nacionais com as praticadas no resto do mundo. Uma ousadia que falta ainda hoje. É inadmissível que o país continue praticando juros tão altos em relação às demais economias. Com uma taxa em 9% 6, o Brasil encerrou o primeiro quadrimestre de 2012 pagando níveis superiores aos praticados em países que experimentam crises de credibilidade em relação às suas dívidas públicas, como Espanha, que paga 2,2%, e Itália, 1,8% 7. Ao determinar juros tão altos, explodem os custos da dívida pública. Em 2011, com uma taxa média anual de 11,8%, o país gastou R$ 236,7 bilhões em encargos da dívida, 5,8% do PIB. Em 2010, quando a taxa média anual era inferior, 9,9%, foram R$ 195,4 bilhões, 5,2% do PIB. Não bastassem essas repercussões fiscais, os juros altos provocam a depreciação da moeda nacional, pois atraem anualmente dezenas de bilhões de dólares, ávidos pelos ganhos fáceis e garantidos dos juros da dívida pública do governo federal. Esse efeito sobre o câmbio é pernicioso sobre a produção nacional e não conseguirá ser compensado com desonerações, renúncias ou uma infinidade de créditos tributários, nem por reformas trabalhistas ou previdenciárias. Com esses juros, o país ainda cria um intransponível custo para os investimentos das empresas, que preferem manter fortunas em aplicações financeiras a aumentar o ritmo de investimentos produtivos. Ao final do ano passado, somente as empresas de capital aberto tinham em caixa mais de R$ 280 bilhões 8, o que representa 11% do total de ativos dessas empresas. Esse montante é quase o dobro dos 6% hoje praticados nos EUA, onde esse índice, diga-se, é o mais alto em seis décadas. E sempre que o diferencial de juros permite esse ganho, as empresas nacionais e estrangeiras que atuam em nosso país endividam-se no exterior a juros baixíssimos para aplicar nos rentáveis títulos da dívida pública. 6 A Taxa caiu de 9,75% para 9%, na reunião de 18/4/ Relativo a títulos com duração de dois anos, fonte: Bloomberg, em março de Os cálculos são da Econométrica, baseados nos dados das publicações de balanços, obrigatórios para as empresas de capital aberto. Valor Econômico, em 14 de março de

24 Mesmo com demanda interna em alta, empresas mantêm as aplicações financeiras por vários motivos: as incertezas do cenário externo, não há certeza de que o movimento de baixa de juros é realmente estrutural (e não apenas conjuntural) e, principalmente, porque uma taxa próxima de 9% ainda é bastante alta. Somente uma confiança total na queda da taxa de juros e no crescimento econômico estimularia novos investimentos. Reverter esse cenário, colocando as políticas monetária e fiscal a serviço do desenvolvimento, do estímulo à produção nacional, da diminuição das desigualdades sociais e regionais, da valorização do emprego e da distribuição da renda, é uma tarefa a ser abraçada. A execução orçamentária do Orçamento da Seguridade Social em 2011 foi determinada por essas importantes variáveis das políticas monetária e fiscal. Por um lado, o baixo crescimento econômico, a demanda crescente por renúncias e desonerações e, por outro, pelas restrições à expansão das despesas. Na Saúde, por exemplo, o governo conseguiu evitar que as vinculações de recursos ao setor fossem ampliadas, durante a regulamentação da Emenda Constitucional (EC) n.º 29. A seguir, neste primeiro capítulo, serão apresentados os grandes números da Seguridade Social. O detalhamento das Receitas e das Despesas pode ser encontrado nos capítulos seguintes. A Seguridade Social exibiu um resultado surpreendente em Em um ano de baixo crescimento econômico, as receitas totalizaram R$ 528,2 bilhões, superando em R$ 69,9 bilhões a arrecadação de As despesas da Seguridade somaram R$ 451,0 bilhões, com uma variação, frente ao ano anterior, de R$ 49,4 bilhões. Com um aumento de receitas superando o crescimento das despesas, o saldo da Seguridade foi de R$ 77,2 bilhões, superando em R$ 20,5 bilhões o resultado de R$ 56,7 bilhões verificado em Em relação ao PIB, as receitas representaram 12,7%, ligeiramente superior aos 12,2% de Em 2009, esse percentual foi de 12,1% 9, pois, durante a crise, essas receitas caíram com os níveis de produção industrial, salários e lucro e ainda com o efeito de múltiplas desonerações adotadas 9 Em 2008, com o último trimestre já comprometido pela crise, esse índice era de 12,4% e, em 2007, último exercício integralmente antes da crise e ainda com a receita da CPMF, esse percentual chegou a 13,3%. 25

SEGURIDADE SOCIAL 2011

SEGURIDADE SOCIAL 2011 ANFIP - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES-FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL & FUNDAÇÃO ANFIP DE ESTUDOS DA SEGURIDADE SOCIAL ANÁLISE DA SEGURIDADE SOCIAL 2011 maio/2012 12ª Edição ANFIP, sucesso em

Leia mais

ANFIP - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil & Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social

ANFIP - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil & Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social ANFIP - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil & Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social Copyright @ 2011 - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal

Leia mais

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL Subseção DIEESE/CUT-Nacional São Paulo, 02 de agosto de 2014 Sindicato dos Trabalhadores(as) na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo - SINDSEP

Leia mais

A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro

A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro A CONTRA-REFORMA DA PREVIDÊNCIA Denise Lobato Gentil Instituto de Economia/Universidade Federal do Rio de Janeiro Resultado do ajuste fiscal: Dados acumulados de janeiro a agosto/2015 revelam deterioração

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL As conquistas mais definitivas da Previdência Social, como um sistema do trabalhador para o trabalhador, estão ligadas às lições aprendidas com os próprios segurados, no tempo e no espaço Extraído do Livro

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Comentários sobre a Avaliação da Situação Financeira do FAT, anexa ao Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2016 Elisangela Moreira da Silva

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA

A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA Pepe Vargas* Dep. Federal PT-RS Este texto reforça o alerta dos movimentos sociais sobre os riscos que a seguridade social corre caso aprovada sem modificações

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS

DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS Jefferson José da Conceição* Patrícia Toledo Pelatieri** Fausto Augusto Junior*** SUMÁRIO: 1. Introdução

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2010-2013 Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social Apresentação do documento Breve histórico da Fundação ANFIP Diretoria executiva, Conselho Fiscal e Conselho

Leia mais

VI - Sistemas Previdenciários

VI - Sistemas Previdenciários VI - Sistemas Previdenciários Regime Geral de Previdência Social Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Projeto de Lei Orçamentária Mensagem Presidencial Cabe ao Governo Federal a responsabilidade

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

009/2015 DOMINGUEIRA DE 31/05/2015

009/2015 DOMINGUEIRA DE 31/05/2015 Ajuste fiscal e os impactos para o financiamento das ações e serviços públicos de saúde em 2015 e 2016 Francisco R. Funcia 1 O objetivo desta nota é apresentar sinteticamente o conteúdo do ajuste fiscal

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA 2.1 - DESEMPENHO DA ECONOMIA BRASILEIRA E DA POLÍTICA ECONÔMICA-FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL 2.1.1. Panorama Econômico em 2009 O ano de 2009 transcorreu sob os efeitos da crise financeira internacional

Leia mais

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013 1 Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Brasília, agosto de 2012.

Brasília, agosto de 2012. Brasília, agosto de 2012. Contas de Governo Cap. 4 (Análise Setorial) Execução do gasto Orçamentário (OFSS + RPNP) Gasto tributário (renúncia de receita) Resultado da atuação governamental no exercício

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 15 Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 1. Competências de Estados e Municípios e os investimentos em educação no País O sistema educacional

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Seminário Técnico - CPLP Timor Leste, 06 e 07 de fevereiro de 2008 ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005 15 de julho de 2002 O Congresso Nacional (CN) aprovou recentemente seu Projeto Substitutivo para a proposta original do Poder Executivo para a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2003, que estabelece

Leia mais

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO O resultado primário, que exclui das receitas totais os ganhos de aplicações financeiras e, dos gastos totais,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS - PIS/PASEP, COFINS e CSLL

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS - PIS/PASEP, COFINS e CSLL CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS - PIS/PASEP, COFINS e CSLL ANFIP Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil CONSELHO EXECUTIVO Jorge Cezar Costa Presidente do Conselho Executivo Eucélia

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Simpósio UNIMED 2015 Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Mansueto Almeida 28 de agosto de 2015 Indústria: o que aconteceu? Produção Física da Indústria de Transformação 2002-

Leia mais

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012

Resultado do Tesouro Nacional. Brasília 29 de Março, 2012 Resultado do Tesouro Nacional Fevereiro de 2012 Brasília 29 de Março, 2012 Resultado Fiscal do Governo Central Receitas, Despesas e Resultado do Governo Central Brasil 2011/2012 R$ Bilhões 86,8 59,6 65,9

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

A Evolução Recente da Arrecadação Federal

A Evolução Recente da Arrecadação Federal Carta PR 1164 /2015 Brasília, 28 de agosto de 2015 Exmo(a). Senhor(a) Senador(a), O Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil SINDIFISCO NACIONAL oferece a Vossa Excelência um breve

Leia mais

Copyright 2011 - Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil ANFIP

Copyright 2011 - Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil ANFIP Aposentadorias e Pensões - Manual Básico Copyright 2011 - Fundação ANFIP de Estudos da Seguridade Social Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil ANFIP Permitida a divulgação

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA Presidente: Ruy Martins Altenfelder Silva Vice-Presidente: Ivette Senise Ferreira FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011.

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. Brasil esteve entre os países que mais avançaram na crise Variação do PIB, em % média

Leia mais

MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social

MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social Abono Salarial Seguro Desemprego Seguro Defeso Pensão por Morte Auxílio-Doença Transformações Estruturais Nos últimos anos, o processo

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL 25 de setembro de 2015

TÓPICO ESPECIAL 25 de setembro de 2015 Os desafios fiscais do Brasil Thiago Neves Pereira Fernando Honorato Barbosa Resgatar o equilíbrio das contas públicas será crucial para que o Brasil enfrente os desafios recentes que se colocam para a

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, 27 de março de 2012. CONDIÇÕES DE RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS ESTADUAIS 1997/98 1997 Lei 9.496/97 Os entes federados renegociaram suas dívidas contratuais

Leia mais

A Desoneração da Folha e a Reforma Previdenciária

A Desoneração da Folha e a Reforma Previdenciária A Desoneração da Folha e a Reforma Previdenciária Floriano José Martins 1. Princípios Tributários Todos nós sabemos que o Estado precisa de dinheiro para pagar suas contas, e a principal fonte de recursos

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho se propõe

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 2015 1 Cenário Macroeconômico Revisto 2015 2016 2017 2018 PIB (crescimento

Leia mais

Desoneração da folha de pagamentos desconstrói a Seguridade Social

Desoneração da folha de pagamentos desconstrói a Seguridade Social Desoneração da folha de pagamentos desconstrói a Seguridade Social Assim como as pessoas, a Nação tem alma. E a alma da Nação brasileira é a Seguridade Social Álvaro Sólon de França 1 Desde a concepção

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Esclarecimentos quanto aos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social INSS, como também quanto ao montante das receitas previdenciárias. Núcleo Trabalho, Previdência e Assistência Social

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Propostas do Governo para o ICMS

Propostas do Governo para o ICMS Propostas do Governo para o ICMS Audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 11 de março de 2013 Avaliação geral Proposta do Governo vai na direção correta em termos

Leia mais

Resultado nominal X Resultado operacional

Resultado nominal X Resultado operacional RESULTADO DAS CONTAS PÚBLICAS Superávit = Receitas > Despesas X Déficit = Receitas < Despesas Déficit = fluxo em determinado período Dívida= estoque acumulado ao longo do tempo Finanças Públicas Resultado

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Deputado MARCELO NILO Digníssimo Presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia Nesta

Excelentíssimo Senhor Deputado MARCELO NILO Digníssimo Presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia Nesta Mensagem nº 032/2015. Salvador, 29 de setembro de 2015. Senhor Presidente, Tenho a honra de encaminhar a Vossa Excelência, para a apreciação dessa augusta Assembleia Legislativa, o anexo Projeto de Lei

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES www.pepevargas.com.br dep.pepevargas@camara.gov.br AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE FINANÇAS GERÊNCIA GERAL DA CONTABILIDADE DO MUNICÍPIO DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS - CONSOLIDADO - 2013 Demonstrativo das Variações Patrimoniais e Resultado

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

PIS/PASEP na Despesa com Pessoal. De acordo com as discussões realizadas nas últimas reuniões do GTREL, foi elaborada a seguinte síntese:

PIS/PASEP na Despesa com Pessoal. De acordo com as discussões realizadas nas últimas reuniões do GTREL, foi elaborada a seguinte síntese: PIS/PASEP na Despesa com Pessoal O objetivo das discussões deste subgrupo é a definição sobre as contribuições ao PIS/PASEP serem ou não computadas na apuração do montante da despesa com pessoal, para

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

Gestão de Choque. José Roberto R. Afonso. 3 Forum de Economia da FGV - Painel Reforma Administrativa São Paulo, 31/07/2006

Gestão de Choque. José Roberto R. Afonso. 3 Forum de Economia da FGV - Painel Reforma Administrativa São Paulo, 31/07/2006 Gestão de Choque José Roberto R. Afonso 3 Forum de Economia da FGV - Painel Reforma Administrativa São Paulo, 31/07/2006 1 Questões para o debate... Por que políticas e práticas fiscais no Brasil ficam

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Congresso Nacional Setembro/2013. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Câmara dos Deputados

Congresso Nacional Setembro/2013. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Câmara dos Deputados Congresso Nacional Setembro/2013 Informativo Conjunto PLOA 2014 Principais elementos característicos do Projeto de Lei Orçamentária para 2014 PL nº 09/2013-CN, encaminhado por intermédio da Mensagem nº

Leia mais

Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade. Marco Antônio Barros

Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade. Marco Antônio Barros Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade Marco Antônio Barros Previdência Social - histórico Fim do imposto inflacionário Envelhecimento da população: aumento da longevidade

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com.

Actuarial Assessoria e Consultoria Atuarial Ltda Benjamin Constant, 67 Cj.404 CEP 80060 020 Curitiba Pr Fone/Fax (41)3322-2110 www.actuarial.com. Fundação AMAZONPREV Poder Executivo e Assembléia AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2014 Data Base: 31/12/2013 Índice 1. Introdução... 02 2. Participantes e Beneficiários... 02 3. Data Base dos Dados e da Avaliação...

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais