METODOLOGIA DE PROJETO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIA DE PROJETO"

Transcrição

1 METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 10: PLANEJAMENTO E PRINCÍPIOS DO DESIGN Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro Data: 16 de abril de 2009 INTRODUÇÃO O design não é desenho, mas o desenho faz parte do design. O design é um processo criativo que utiliza espaço, forma, linhas, texturas, padronagens, luz e cor para solucionar problemas e atingir metas específicas. Então, no processo criativo, devemos considerar alguns princípios básicos. O resultado final será influenciado por sua função, pelos materiais utilizados, suas características próprias e pela tecnologia disponível. A tecnologia é a responsável pela criação, aplicação e utilização de diferentes materiais e processos construtivos, possibilitando soluções diferentes ou até mesmo inusitadas. O primeiro passo para um bom design é a capacidade de alterar O primeiro passo para um bom design é a capacidade de alterar paradigmas, conceitos e preconceitos, mantendo a mente aberta a soluções desconhecidas e inovadoras. 1

2 PRINCÍPIOS BÁSICOS: EQUILÍBRIO Composição equilibrada é uma composição correta. Pode-se ter até a falta de equilíbrio como objetivo do projeto, mas salvo essa exceção, a mete deve ser o equilíbrio compositivo. Há o equilíbrio simétrico, assimétrico, radial e desequilíbrio. PRINCÍPIOS BÁSICOS: EQUILÍBRIO 2

3 PRINCÍPIOS BÁSICOS: EQUILÍBRIO PRINCÍPIOS BÁSICOS: EQUILÍBRIO 3

4 PRINCÍPIOS BÁSICOS: EQUILÍBRIO PRINCÍPIOS BÁSICOS: EQUILÍBRIO 4

5 PRINCÍPIOS BÁSICOS: EQUILÍBRIO PRINCÍPIOS BÁSICOS: EQUILÍBRIO 5

6 È a repetição de elementos. PRINCÍPIOS BÁSICOS: RITMO È o elemento que ajuda a garantir um projeto coerente e a criar movimento. Não exagere muito, pois ela pode gerar uma composição caótica. Pode integrar diferentes espaços de um mesmo projeto. PRINCÍPIOS BÁSICOS: RITMO 6

7 PRINCÍPIOS BÁSICOS: RITMO PRINCÍPIOS BÁSICOS: HARMONIA É a representação de um conjunto de idéias, e não idéias diferentes sem nenhuma associação. Conscientes ou não, buscamos a harmonia em tudo aquilo que fazemos. 7

8 PRINCÍPIOS BÁSICOS: HARMONIA PRINCÍPIOS BÁSICOS: HARMONIA 8

9 PRINCÍPIOS BÁSICOS: HARMONIA PRINCÍPIOS BÁSICOS: UNIDADE È a coerência entre a filosofia do cliente e o espaço onde está representada. Deve haver coerência entre cores e materiais, formas e nos ambientes de um mesmo projeto. Esse elemento é fundamental, pois garante que o cliente seja representado em todos os ambientes da mesma forma, segundo os mesmos princípios que a regem. 9

10 PRINCÍPIOS BÁSICOS: UNIDADE PRINCÍPIOS BÁSICOS: UNIDADE 10

11 PRINCÍPIOS BÁSICOS: UNIDADE PRINCÍPIOS BÁSICOS: TAMANHO, ESCALA E PROPORÇÃO O TAMANHO é relativo. Uma sala pode ter tamanho ideal para sala de aula, mas muito pequena para uma sala de reuniões. A ESCALA refere a relação dos ambientes ou objetos em si. Em interiores, diz-se que a escala é agradável quando os objetos estão em conformidade com o tamanho dos ambientes, quando as dimensões dos móveis estão em conformidade com as dimensões humanas, e quando eles não parecem estar distorcidos quanto às suas dimensões originais. A PROPORÇÃO é a relação entre o tamanho e as dimensões de diferentes objetos de um mesmo projeto. Quando correto, traz harmonia. 11

12 PRINCÍPIOS BÁSICOS: TAMANHO, ESCALA E PROPORÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS: TAMANHO, ESCALA E PROPORÇÃO 12

13 PRINCÍPIOS BÁSICOS: TAMANHO, ESCALA E PROPORÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS: TAMANHO, ESCALA E PROPORÇÃO 13

14 PRINCÍPIOS BÁSICOS: TAMANHO, ESCALA E PROPORÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS: TAMANHO, ESCALA E PROPORÇÃO 14

15 PRINCÍPIOS BÁSICOS: TAMANHO, ESCALA E PROPORÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS: TAMANHO, ESCALA E PROPORÇÃO 15

16 PRINCÍPIOS BÁSICOS: CONTRASTE Sua utilização pode acrescentar mais vida e movimento ao projeto, deixando-o mais interessante, já que um mesmo material escolhido para um local pode causar impressões diferentes dependendo dos materiais dispostos perto dele. Podemos explorar contrastes em cores, texturas, materiais, padronagens, iluminação, antigo e novo ou tecnológico e primário. PRINCÍPIOS BÁSICOS: CONTRASTE 16

17 PRINCÍPIOS BÁSICOS: CONTRASTE PRINCÍPIOS BÁSICOS: CONTRASTE 17

18 PRINCÍPIOS BÁSICOS: CONTRASTE PRINCÍPIOS BÁSICOS: CONTRASTE 18

19 PRINCÍPIOS BÁSICOS: CONTRASTE PRINCÍPIOS BÁSICOS: CONTRASTE 19

20 PRINCÍPIOS BÁSICOS: CONTRASTE PRINCÍPIOS BÁSICOS: CONTRASTE 20

21 PRINCÍPIOS BÁSICOS: CONTRASTE PRINCÍPIOS BÁSICOS: ÊNFASE São os elementos responsãveis pela comunicação direta entre o espaço e seus usuários. São os pontos focais do projeto. 21

22 PRINCÍPIOS BÁSICOS: ÊNFASE PRINCÍPIOS BÁSICOS: ÊNFASE 22

23 PRINCÍPIOS BÁSICOS: ÊNFASE EXERCÍCIO EM SALA Com os levantamentos da aula passada e da teoria de hoje, definir quais são seus princípios do design para seu projeto. Esses exercícios já farão parte da avaliação, que deverá ser entregue no dia 30 de abril. MÃOS (N)A OBRA!!! 23

24 PRÓXIMA AULA TRAZER... Material básico de desenho: lápis, borracha, lápis de cor aquarelado, papel A3 ou A4. Estilete para apontar. Os levantamentos e croquis da aula 8 e 9. ATENÇÃO: AS AULAS 8, 9, 10 e 11 SERÃO IMPRESCINDÍVEIS PARA A REALIZACÃO DA 1ª AVALIAÇÃO (TRABALHO EM GRUPO) PRÓXIMA AULA DIA 23 DE ABRIL DIA 23 DE ABRIL 11- DIMENSÕES DOS MOBILIÁRIOS, CARÁTER, ATMOSFERA E ESTILO DA COMPOSIÇÃO. O PROJETO NO PAPEL. 24

25 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only. This page will not be added after purchasing Win2PDF.

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA Seção I: Receitas decorrentes da venda de mercadorias por elas industrializadas não sujeitas a substituição tributária, exceto as receitas decorrentes

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 06: PERSPECTIVA LINEAR DE 1 PONTO. MÃO LIVRE Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 11: DIMENSÕES DO MOBILIÁRIO. CARÁTER, ATMOSFERA E ESTILO NA COMPOSIÇÃO. O PROJETO NO PAPEL. Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 09: ESPAÇO E ORGANIZAÇÃO. PROJETANDO OS ESPAÇOS Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro

Leia mais

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO FATEC-SP CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO Prof. Me. Francisco Tadeu Degasperi Janeiro de 2005 Agradeço a colaboração do Tecnólogo Alexandre Cândido de Paulo Foi Auxiliar de Docente do LTV da Fatec-SP Atualmente

Leia mais

Cardans de Trat ores

Cardans de Trat ores Cardans de Trat ores Com o código da Montadora ou do Fabricante, montamos qualquer tipo de Cardans e fornecemos seus componentes avulsos. N DA MONTADORA TRATORES JONH DEERE PRODUTO OBS. SERIE DQ44685 CARDAN

Leia mais

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva.

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva. MANUAL DE PROCEDIMENTOS Formulários on-line SISTEMAS INTEGRADOS MANUAL DE PROCEDI MENTOS PADRÃO Formulários on-line Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da

Leia mais

COMUNICAÇÃO. É a capacidade de transmitir uma informação com certeza de que o outro lado entenda a mensagem.

COMUNICAÇÃO. É a capacidade de transmitir uma informação com certeza de que o outro lado entenda a mensagem. NÚCLEO COMUM DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL (DPP) AULA 08 E 09: COMUNICAÇÃO, ELABORAÇÃO E ACEITAÇÃO DE CRÍTICAS Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA E LÓGICA MATEMÁTICA PROF. APARECIDO EDILSON MORCELLI

MATEMÁTICA DISCRETA E LÓGICA MATEMÁTICA PROF. APARECIDO EDILSON MORCELLI MATEMÁTICA DISCRETA E LÓGICA MATEMÁTICA PROF. APARECIDO EDILSON MORCELLI CONSTRUÇÃO DA TABELA- VERDADE Dada a fórmula: {A [C (A C)]} Observamos três ocorrências de conectivos:,,. O último é a primeira

Leia mais

Podemos representar a relação existente entre as entidades de um relacionamento 1:1 através do conjunto abaixo:

Podemos representar a relação existente entre as entidades de um relacionamento 1:1 através do conjunto abaixo: MÓDULO 10 MODELAGEM DE DADOS II Os relacionamentos devem ser enquadrados em três grandes grupos para que possam cumprir a finalidade de expressar a semântica das associações entre as entidades. As três

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 13: ELEMENTOS CONSTRUTIVOS. 1ª PARTE Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro Data: 8

Leia mais

MÓDULO 16 PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO, TESTES E DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA

MÓDULO 16 PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO, TESTES E DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA MÓDULO 16 PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO, TESTES E DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA Quando falamos para os alunos sobre projeto e desenvolvimento de sistemas de informação eles pensam logo em programar. A programação

Leia mais

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração Secretaria de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração Secretaria de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Princípios Orçamentários

Princípios Orçamentários 01. Acerca dos princípios orçamentários aceitos em nosso país, é incorreto afirmar a) a existência da separação do orçamento da União em fiscal, de investimento das estatais e da seguridade social não

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO Amilton Giácomo Tomasi DECF 2007/2 EFETIVO Mestre 40 Estatutário Contabilidade Gerencial ADM/Empresarial (vespertino) 2º 4 ESTÁGIO 02 ADM/Empresarial 7º e 8º 02 Secretário de Comunicação Portaria Reitoria

Leia mais

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração Secretaria de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

AFRF Exercícios Tele-Transmitido. Prof. Sérgio Altenfelder Estatística - 01

AFRF Exercícios Tele-Transmitido. Prof. Sérgio Altenfelder Estatística - 01 01. Para dados agrupados representados por uma curva de freqüências, as diferenças entre os valores da média, da mediana e da moda são indicadores da assimetria da curva. Indique a relação entre essas

Leia mais

As mudanças na política de financiamento da saúde a partir da segunda metade dos anos 90

As mudanças na política de financiamento da saúde a partir da segunda metade dos anos 90 GRUPO DE PESQUISA EM ECONOMIA POLÍTICA DA SAÚDE EVOLUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA MUNICIPAL COM SAÚDE EM PERNAMBUCO DE 2000 A 2007 Antônio Carlos do Espírito Santo - Depto. de Medicina Social da UFPE Virgínia

Leia mais

private void btapresentanomeactionperformed(java.awt.event.actionevent evt) {

private void btapresentanomeactionperformed(java.awt.event.actionevent evt) { Jorge Ferreira 1 NOTAS DE AULA JAVA 5 E NETBEANS 5 Seguindo as configurações iniciais do formulário, devemos definir o comportamento de apresentação da janela quando executarmos o programa. Para tanto,

Leia mais

Ambiente 1: Colônia de Pesca do Rio Vermelho

Ambiente 1: Colônia de Pesca do Rio Vermelho 186 Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia M E S T R A D O E M A R T E S V I S U A I S Linha: Processos Criativos nas Artes Visuais Orientadora: profª drª Sônia Rangel Aluna: Maria Isabel

Leia mais

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ILMO(A). SR.(A) PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração Secretaria de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Veja o gráfico a seguir. Ele mostra o histórico das vendas do produto.

Veja o gráfico a seguir. Ele mostra o histórico das vendas do produto. Módulo 2 Ciclo de Vida do Produto Os produtos são lançados, tendo sucesso começará a vender cada vez mais até atingir um pico de vendas e passará a cair. Usa-se em marketing a imagem de um ser vivo para

Leia mais

Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção. Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli

Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção. Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli Física Geral e Experimental II Engenharia Ambiental e de Produção Prof. Dr. Aparecido Edilson Morcelli TERMOLOGIA A termologia é uma parte da Física que estuda as diversas manifestações de calor. A parte

Leia mais

Capítulo 13 - A Análise SWOT

Capítulo 13 - A Análise SWOT Capítulo 13 - A Análise SWOT O objetivo da SWOT é definir estratégias para manter pontos fortes, reduzir a intensidade de pontos fracos, aproveitando oportunidades e protegendo-se de ameaças.(vana, Monteiro

Leia mais

MEMORIAL EXPLICATIVO

MEMORIAL EXPLICATIVO MEMORIAL EXPLICATIVO O Instituto, por ser destinado a pessoas especiais e planejado para atender suas necessidades, deve apresentar uma linguagem diferenciada e funcional. O prédio que se distribui cerca

Leia mais

Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: Espaço do aluno

Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: Espaço do aluno Es c o la Bá s i c a d o s 2 º e 3 º c i c lo s d e S an t o An t ó n i o Ficha de Avaliação Sumativa M a t e m á t i c a Nome: N.º Professor: Ano / Turma: Data: / / Classificação: Observações: A MINHA

Leia mais

Ar qu it e t u r a a de e Sist e m a s Ope r a cion a is Fa bia n o o Ut iy a m a Ca pít u lo o 9 Ge r ê n cia a de e M e m ór ia

Ar qu it e t u r a a de e Sist e m a s Ope r a cion a is Fa bia n o o Ut iy a m a Ca pít u lo o 9 Ge r ê n cia a de e M e m ór ia Arquitetura de Sistem as Operacionais Fabiano Utiyam a Capítulo 9 Gerência de Mem ória 9/1 I ntrodução Nos sistemas monoprogramáveis a gerência de memória não é muito complexa Nos sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Nota: Este módulo abordará aspectos relacionados à administração do capital intelectual e a relação entre os gestores de linha e o Recursos Humanos.

Nota: Este módulo abordará aspectos relacionados à administração do capital intelectual e a relação entre os gestores de linha e o Recursos Humanos. MÓDULO V Nota: Este módulo abordará aspectos relacionados à administração do capital intelectual e a relação entre os gestores de linha e o Recursos Humanos. A IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO DE TALENTOS

Leia mais

A nossa catedral, concebida na primeira metade do século passado, foi projetada para um número de pessoas hoje não mais compatível quando em grandes

A nossa catedral, concebida na primeira metade do século passado, foi projetada para um número de pessoas hoje não mais compatível quando em grandes Catedral de goiânia TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO II Universidade Católica de Goiás Departamento de artes e Arquitetura TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO II Professor: Antonio LÚCIO ALUNO: igor toscani A nossa

Leia mais

MANUAL DE CADASTRO DE PROJETOS DO ESCOLA DE FÁBRICA

MANUAL DE CADASTRO DE PROJETOS DO ESCOLA DE FÁBRICA MANUAL DE CADASTRO DE PROJETOS DO ESCOLA DE FÁBRICA 2 ÍNDICE 1. Acessando o Sistema...03 2. Cadastrando da Unidade Gestora...05 2.1. Adicionando Curso ao Projeto...07 2.2. Montando a Infra-Estrutura do

Leia mais

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4 IX Encontro Nacional da Associação Nacional de Economia da Saúde, Rio de Janeiro, dez/2009. A posição regional das empresas no mercado de planos privados de assistência à saúde Nilson do Rosário Costa

Leia mais

Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle

Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÂO ELETRÔNICA Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle

Leia mais

Apresentação. Atuando em diversos ramos do direito, nosso Escritório tem como meta oferecer. O Escritório

Apresentação. Atuando em diversos ramos do direito, nosso Escritório tem como meta oferecer. O Escritório Um Escritório de Advocacia, atualmente, tem que estar preparado para atender as mais diversas situações do mundo moderno. Para tanto, focalizamos como nossos preceitos, que os serviços oferecidos sejam:

Leia mais

Ar qu it e t u r a a de e Sist e m a s Ope r a cion a is Fa bia n o o Ut iy a m a Ca pít u lo o 8 Ge r ê n cia a do o Pr oce ssa dor

Ar qu it e t u r a a de e Sist e m a s Ope r a cion a is Fa bia n o o Ut iy a m a Ca pít u lo o 8 Ge r ê n cia a do o Pr oce ssa dor Arquitetura de Sistem as Operacionais Fabiano Utiyam a Capítulo 8 Gerência do Processador 8/1 I ntrodução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, nos quais múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

Informática UFRGS. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) Java Comunicação 1

Informática UFRGS. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) Java Comunicação 1 Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) Java Comunicação 1 Autor Autor Local Cláudio Geyer Instituto de Informática disciplinas: POD e PDP Versão v4 2010-1 Programação com Objetos Distribuídos

Leia mais

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ Nesse módulo iremos estudar o Modelo de Excelência Brasileiro, seus fundamentos, características e especificidades, abordando os critérios

Leia mais

RaciocínioLógico TFC -C G U Tele - Transmitido Teoria Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 Prof.Milton Ueta Data de impressão: 08/02/2008 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas

Leia mais

A diagramação entidade-relacionamento é muito simples, servindo como representação dos conceitos que são manipulados por ela.

A diagramação entidade-relacionamento é muito simples, servindo como representação dos conceitos que são manipulados por ela. MÓDULO 8 MODELAGEM DE DADOS I Em 1976 foi publicado um trabalho que definia uma possível abordagem para o processo de modelagem de dados. O trabalho intitulado de The Entity-Relationship Model passou a

Leia mais

Site: http://www.parcelias.com.br/online/faet. Código da autorizada: Login: master Senha:

Site: http://www.parcelias.com.br/online/faet. Código da autorizada: Login: master Senha: Nosso novo Sistema de Garantia está em funcionamento no endereço abaixo, favor acessar o site e cadastrar as Ordens de Serviços para que possamos encaminhar os seus pedidos de Garantia. Site: http://www.parcelias.com.br/online/faet

Leia mais

O Espaço Geográfico da Ficção

O Espaço Geográfico da Ficção O Espaço Geográfico da Ficção IX Salão de Iniciação Científica PUCRS Audrien de Abreu Maciel, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH), PUCRS (graduando apresentador). Teresinha Maria Furlanetto

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG CALENDÁRIO DE ATIVIDADES ACADÊMICAS PEDAGÓGICAS 2014 MÊS DIA DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE RESPONSÁVEL JANEIRO 01 CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL

Leia mais

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis

Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Gest ão em Cooper at i vi smo Analise Financeira das Demonstrações Contábeis Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial www.dinamicapatrimonial.com.br 1 Serve para uma avaliação

Leia mais

CONHEÇA O GOOGLE APPS

CONHEÇA O GOOGLE APPS CONHEÇA O GOOGLE APPS O QUE É GOOGLE APPS? É um serviço do Google baseada na internet (web), que utiliza o seu domínio de internet (Ex: empresa.com) em diversas aplicações tais como: Google mail Google

Leia mais

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo

Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução. O jogo Quebra Cabeça das Ligações Químicas Autora: Karine Nantes da Silva Veronez Introdução A química estuda as substâncias e suas transformações químicas. Essas substâncias são formadas de átomos de elementos

Leia mais

Dumping, Subsídios e Salvaguardas

Dumping, Subsídios e Salvaguardas Conceito Dumping, Subsídios e Salvaguardas Considera-se haver prática de dumping, isto é, oferta de um produto no comércio de outro país a preço inferior a seu valor normal, no caso de o preço de exportação

Leia mais

O PROGRAMA 5 S. Prof.ª Ghislaine Bonduelle, Drª UFPR

O PROGRAMA 5 S. Prof.ª Ghislaine Bonduelle, Drª UFPR O PROGRAMA 5 S Prof.ª Ghislaine Bonduelle, Drª UFPR SUMÁRIO O PROGRAMA 5 S (PROGRAMA 8 S) O PROGRAMA 8 S IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA 5 S / 8 S MANUTENÇÃO DO PROGRAMA 5 S / 8 S A EDUCAÇÃO E O 5 S / 8 S CONCLUSÃO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000962/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/03/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079283/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46246.000399/2014-51 DATA

Leia mais

A experiência de um Laboratório Regional de Prótese Dentária administrado sob o contrato de gestão celebrado entre a Casa de Saúde Santa Marcelina e a Prefeitura do Município de São Paulo Adoracion de

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E RASTREABILIDADE. Aprovação: Olavo R. Tomasini

IDENTIFICAÇÃO E RASTREABILIDADE. Aprovação: Olavo R. Tomasini Aprovação: Olavo R. Tomasini IDENTIFICAÇÃO E RASTREABILIDADE Código: PR 20 Revisão: 03 Página: 1 de 6 Data: 10/09/09 Arquivo: PR 20_03.doc Rubrica: 1 OBJETIVO Estabelecer a sistemática adotada para identificação

Leia mais

EXMO. SR. PRESI DENTE DO TRI BUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ

EXMO. SR. PRESI DENTE DO TRI BUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ EXMO. SR. PRESI DENTE DO TRI BUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ A ASSOCI AÇÃO DOS SERVI DORES DO TRI BUNAL DE CONTAS DO ESTADO - ASSERTCE, entidade associativa representativa dos servidores desse Tribunal

Leia mais

MANUAL DO WEBSIGOM ÍNDICE

MANUAL DO WEBSIGOM ÍNDICE MANUAL DO WEBSIGOM ÍNDICE 1. Procedimentos de utilização pela empresa cliente... 01 2. Funcionalidades do WebSigom... 02 2.1. Cadastro... 03 2.2. Inserir um novo usuário... 03 2.3. Consultar os dados de

Leia mais

LABORATÓRIO DE GEODÉSIA ESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

LABORATÓRIO DE GEODÉSIA ESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE GEODÉSIA ESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MANUAL DE OPERAÇAO DO EQUIPAMENTO LEICA 900 CS DIRECIONADO A DISCIPLINA DE LEVANTAMENTOS GEODESICOS II Autores: Profa.Dra.Claudia Pereira

Leia mais

IX Encontro Nacional da

IX Encontro Nacional da IX Encontro Nacional da Economia da Saúde Inserção de Sistema Gerencial e o Bahia - Brasil ABrES 20 anos Rio de Janeiro, 2009 Definição: É um sistema gerencial, integrado aos sistemas corporativos do Estado,

Leia mais

Distribuidora s de Gá s Liquefeito de Petróleo. Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo

Distribuidora s de Gá s Liquefeito de Petróleo. Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo Sindicato Nacional das Empresas Distribuidora s de Gá s Liquefeito de Petróleo PROJETO GÁS LEGAL FIM DA CLANDESTINIDADE Não queremos mais nossos produtos expostos de forma equivocada, armazenados de forma

Leia mais

Posicionamento na Terra suposta esférica

Posicionamento na Terra suposta esférica Posicionamento na Terra suposta esférica Primeira imagem da Terra de TV feita do espaço em 1 de abril de 1960 sombra da Terra projetada na Lua Cheia durante o eclipse total Lua mostrava que a forma da

Leia mais

Uma revolução cultural no mundo empresarial do Brasil! (2)

Uma revolução cultural no mundo empresarial do Brasil! (2) Uma revolução cultural no mundo empresarial do Brasil! (2) José Carlos Cavalcanti Professor de Economia da UFPE, ex-secretário executivo de Tecnologia, Inovação e Ensino Superior de Pernambuco (http://jccavalcanti.wordpress.com)

Leia mais

Problema dos Leitores/Escritores

Problema dos Leitores/Escritores Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores Autores Eduardo André Mallmann 0905/96-9 João Paulo Reginatto 1530/96-0 Local Instituto de Informática UFRGS disciplina: Sistemas Operacionais

Leia mais

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA

FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 NIRE nº 413.000.19886 Companhia Aberta FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA Curitiba, 10 de março de 2010 A ALL América Latina Logística S.A. (Bovespa:

Leia mais

(em relação a um referencial no infinito).

(em relação a um referencial no infinito). ELETRICIDADE NA ATMOSFERA DA TERRA O potencial elétrico da Terra A Terra é um grande condutor esférico eletrizado negativamente tom carga avaliada em 580kC (-580 quilocoulombs = -580.000 C). Seu raio é

Leia mais

SOB MEDIDA TEVAH WEB

SOB MEDIDA TEVAH WEB SOB MEDIDA TEVAH WEB Caro usuário, você está tendo acesso a um guia do Sob Medida TEVAH versão WEB. A seguir você poderá verificar as formas de utilização adequadas, para um resultado positivo deste processo.

Leia mais

Reconhecimento do Estado e do governo O reconhecimento do Estado não é ato constitutivo, mas declaratório da qualidade estatal Pode ser expresso ou

Reconhecimento do Estado e do governo O reconhecimento do Estado não é ato constitutivo, mas declaratório da qualidade estatal Pode ser expresso ou Soberania A soberania pressupõe um conjunto de competências que, apesar de não serem ilimitadas, não encontram poder superior no direito internacional 1 Características Reconhecimento do Estado e do governo

Leia mais

1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera?

1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera? 1 - Na eletrosfera de um átomo de magnésio temos 12 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera? 2 - Na eletrosfera de um átomo de carbono temos 6 elétrons. Qual a carga elétrica de sua eletrosfera?

Leia mais

Instalação do Portal PMS Ambiente : Controladoria Data da publicação : 18/11/09 Países : Brasil Autor Wilker Valladares

Instalação do Portal PMS Ambiente : Controladoria Data da publicação : 18/11/09 Países : Brasil Autor Wilker Valladares Instalação do Portal PMS Ambiente : Controladoria Data da publicação : 18/11/09 Países : Brasil Autor Wilker Valladares O objetivo deste documento é capacitar o analista a instalar e configurar o Portal

Leia mais

NÃO. Art.41, 1º,III(avaliação desempenho) Art.169, 4º(excesso despesa pessoal) NÃO Idem anterior NÃO. NÃO Idem anterior SIM SIM.

NÃO. Art.41, 1º,III(avaliação desempenho) Art.169, 4º(excesso despesa pessoal) NÃO Idem anterior NÃO. NÃO Idem anterior SIM SIM. João Dado Deputado Federal PDT/SP Até Junho/98 Reforma Administrativa EC-19/98 - Jun Reforma Previdenciária EC-20/98 - Dez Reforma Previdenciária EC-41/03 Reforma Previdenciária EC-47/05 NÃO Estabilidade

Leia mais

Ana Filipa Fernandes André Aguiar Data de Nascimento 14 de Junho de 1978 BI , emitido pelo arquivo do Porto em

Ana Filipa Fernandes André Aguiar Data de Nascimento 14 de Junho de 1978 BI , emitido pelo arquivo do Porto em Curriculum Vitae D a d o s P e s s o a i s Nome Ana Filipa Fernandes André Aguiar Data de Nascimento 14 de Junho de 1978 BI 11296412, emitido pelo arquivo do Porto em 17.03.2000 Nacionalidade Portuguesa

Leia mais

Manual de Uso APARELHO DE GI NÁSTI CA TOTAL GYM 1000 -------------------------------------------------------DESCRIÇÃO DO PRODUTO

Manual de Uso APARELHO DE GI NÁSTI CA TOTAL GYM 1000 -------------------------------------------------------DESCRIÇÃO DO PRODUTO Manual de Uso APARELHO DE GI NÁSTI CA TOTAL GYM 1000 -------------------------------------------------------DESCRIÇÃO DO PRODUTO ATENÇÃO Mantenha cabelo, dedos, roupa, animais de estimação e crianças longe

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

O Sistema Harmonizado (SH) abrange:

O Sistema Harmonizado (SH) abrange: Sistema Harmonizado O Sistema Harmonizado (SH), é um método internacional de classificação de mercadorias, baseado em uma estrutura de códigos e suas respectivas descrições. Tem como objetivo padronizar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC Exemplo de Aplicação do ABC A indústria de Confecções Pano Bom Ltda produz três tipos de produtos: Camisas, Calças, Blusas. O quadro abaixo apresenta as quantidades produzidas e seus respectivos preços.

Leia mais

Estatuto da Entidade Nacional de Estudantes de Biologia

Estatuto da Entidade Nacional de Estudantes de Biologia Estatuto da Entidade Nacional de Estudantes de Biologia TÍTULO I Da Entidade Nacional de Estudantes de Biologia - ENEBio Art. 1 A ENEBio é a entidade representativa, a partir de suas instâncias horizontais

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 11: DIMENSÕES DO MOBILIÁRIO. CARÁTER, ATMOSFERA E ESTILO NA COMPOSIÇÃO. Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS - faz as coisas antes de solicitado ou antes de ser forçado pelas circunstâncias; - age para expandir o negócio em novas áreas, produtos ou serviços; - aproveita

Leia mais

AVALIACÃO DA POSTURA DOS RETIREIROS DENTRO DE SALAS DE ORDENHA COM OU SEM FOSSO E SUAS IMPLICAÇÕES NO BEM-ESTAR HUMANO E ANIMAL

AVALIACÃO DA POSTURA DOS RETIREIROS DENTRO DE SALAS DE ORDENHA COM OU SEM FOSSO E SUAS IMPLICAÇÕES NO BEM-ESTAR HUMANO E ANIMAL REFERÊNCIA: MADUREIRA, A. P. et al. O efeito do tipo de instalação de sala de ordenha na qualidade da interação retireiro-vaca. In: 42a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia, 2005, Goiânia.

Leia mais

Noções de Morfossintaxe

Noções de Morfossintaxe Noções de Morfossintaxe Orações Substantivas É introduzida pelas conjunções QUE ou SE Aprenda a analisar a oração principal Oração Completiva Nominal Há a orientação de que Há a esperança de que Há o estudo

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA DE SANTA CATARINA LAUDO PERICIAL Nº DO PROCESSO: 0000000 CLASSE: AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: RÉU:, brasileira, solteira, contadora, estabelecida

Leia mais

Determinação do Consumo de Água e Kc para Plantas Isoladas utilizando a Técnica da Lisimetria.

Determinação do Consumo de Água e Kc para Plantas Isoladas utilizando a Técnica da Lisimetria. Determinação do Consumo de Água e Kc para Plantas Isoladas utilizando a Técnica da Lisimetria. José Alves Júnior Cláudio Ricardo da Silva Tonny José Araújo da Silva Marcos Vinícius Folegatti ESALQ-USP

Leia mais

Vejamos agora as características principais de cada um dos tipos de estratégias adaptativas.

Vejamos agora as características principais de cada um dos tipos de estratégias adaptativas. Capítulo 15 - As Estratégias Adaptativas e Competitivas Iniciaremos este módulo esclarecendo que para um melhor aproveitamento de nosso estudo precisamos perceber que estamos num determinado nível de negócio

Leia mais

TRAÇÃO COLHEITADEIRA MODELO EIXO LARGO

TRAÇÃO COLHEITADEIRA MODELO EIXO LARGO CATÁLOGO DE TRAÇÃO COLHEITADEIRA MODELO SLC 00 HIDRO JOHN DEERE HIDRO JOHN DEERE 0 HIDRO Código de Produto = M0.0-B M0.-B M0.-B CARCAÇA 0 U0.0-A J0.00-A S0.0-A F0.-A F0.-A F0.-A F.-A X0.0-A F0.-A F.-A

Leia mais

Expo Crato ACCOA

Expo Crato ACCOA Página: 1 Cabrita Menor Campeã Catálogo: 21 Registro: 05095/08095 Nome: CAROLINA 08095 Pai: 02047 - GROSSOS CACIQUE 02047 Mãe: 06095/06003 - CAROLINA 06003 Expositor: Cond. Anglo Show Criador: Francisco

Leia mais

INSS INFORMÁTICA INSS INFORMÁTICA INSS INFORMÁTICA INSS INFORMÁTICA ENCONTRO 2/7. PROF PAULO MAXIMO, MSc pmaximo@gmail.com

INSS INFORMÁTICA INSS INFORMÁTICA INSS INFORMÁTICA INSS INFORMÁTICA ENCONTRO 2/7. PROF PAULO MAXIMO, MSc pmaximo@gmail.com ENCONTRO 2/7 PROF PAULO MAXIMO, MSc pmaximo@gmail.com 1 Network Network HUB USB WiFi 2 Roteador Backbone Switch WiFi IP Protocolos TCP/IP HTTP FTP SMTP POP3 IP IPV4 a.b.c.d 0 a 255 3 IP REDES ESPECIAIS

Leia mais

DIRETIZES PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETO ARQUITETÔNICO PARA OBRAS EM ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO

DIRETIZES PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETO ARQUITETÔNICO PARA OBRAS EM ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO DIRETIZES PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETO ARQUITETÔNICO PARA OBRAS EM ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO O princípio básico para o Arquiteto projetar em Alvenaria Estrutural é entender que

Leia mais

IV Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações

IV Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações OBJETIVO Conhecer aspectos básicos do uso da Criptografia e da Certificaçã ção o Digital como instrumentos da SIC. Introdução Desde que se inventou o cochicho, a arte de ocultar informações foi desenvolvida.

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

Manual de Aplicação da Marca UEC

Manual de Aplicação da Marca UEC 1 Manual de Aplicação da Marca UEC 2 Apresentação Nossa História...5 Introdução... 6 Introdução à Marca... 7 Elementos Básicos Marca UEC...9 Marca Cor Positiva... 11 Preto e Branco... 12 Negativa... 13-14

Leia mais

INFORMÁTICA 9 ENCONTRO. PROF PAULO MAXIMO

INFORMÁTICA 9 ENCONTRO. PROF PAULO MAXIMO 9 ENCONTRO PROF PAULO MAXIMO pmaximo@gmail.com 1.Analise a planilha e o gráfico a seguir. Considerando a situação apresentada é correto afirmar que: (a) a média de João foi calculada utilizando a fórmula

Leia mais

IV Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações. IV Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações

IV Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações. IV Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações Uma guerra pela internet: O maior ciberataque da história tira a Estônia da rede. O suspeito é a Rússia -Nas últimas três semanas, a Estônia, um dos três estados bálticos, sofreu três ondas sucessivas

Leia mais

As produções e interações ficarão registradas no Moodle.

As produções e interações ficarão registradas no Moodle. Disciplina: Carga Horária: 60horas Modalidade: a distância Regime: semestral Professor: Luís Felipe Schilling Esta disciplina tem por objetivo oportunizar a prática de planejamento, modelagem, implementação

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Faculdade de Tecnologia SENAI de Desenvolvimento Gerencial NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1. Introdução A Iniciação Científica é um instrumento de formação de recursos humanos,

Leia mais

ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai)

ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai) ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai) Renata Freires Lima¹; José Antonio Maior Bono² ¹Acadêmica do Curso de Agronomia da

Leia mais

Aula 4 O desafio da mensuração (2): Tipos de variáveis e níveis (ou escalas) de mensuração. Nadya Araujo Guimarães USP, 2007

Aula 4 O desafio da mensuração (2): Tipos de variáveis e níveis (ou escalas) de mensuração. Nadya Araujo Guimarães USP, 2007 Aula 4 O desafio da mensuração (2): Tipos de variáveis e níveis (ou escalas) de mensuração Nadya Araujo Guimarães USP, 2007 Diferentes formas de medir e tipos de desafios a superar: Segundo o tipo de situação

Leia mais

Biblioteca Professor Sebastião Carlos Fajardo

Biblioteca Professor Sebastião Carlos Fajardo Biblioteca Professor Sebastião Carlos Fajardo As Bibliotecas são agências sociais dinâmicas que oferecem a todo e qualquer indivíduo a informação, o conhecimento e o lazer. Para tanto, utilizam inúmeros

Leia mais

A tabela-verdade...de, É muito fácil...cil, É só lembrar...ar, Do VoVo FeFe, E se Você Foi, se Você Foi, Então Foi. Propriedades da condicional

A tabela-verdade...de, É muito fácil...cil, É só lembrar...ar, Do VoVo FeFe, E se Você Foi, se Você Foi, Então Foi. Propriedades da condicional PROF TABELAS-VERDADE e V F F F V F F F F VoVo FeFe ou V F V F V V F F F Propriedades da condicional Recíprocas(amor,cupido,flecha) flechinha vai, flechinha vem Inversas(inverte VF, FV, ne ga ) nega tudo

Leia mais

ADAPTANDO A CHAVE DO ASTRA C/ 2 BOTÕES NA CHAVE CANIVETE DO GOLF

ADAPTANDO A CHAVE DO ASTRA C/ 2 BOTÕES NA CHAVE CANIVETE DO GOLF ADAPTANDO A CHAVE DO ASTRA C/ 2 BOTÕES NA CHAVE CANIVETE DO GOLF Para começar quero pedir a autorização do uso das fotos do Sr. Denis do Astraclub.com.br, pois a minha chave canivete já estava pronta e

Leia mais

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua.

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua. Balanced Score Card A Tecnologia da Informação é considerada fundamental para os vários setores, tanto no nível operacional como estratégico. Muitas das razões para Tecnologia da Informação fazer parte

Leia mais

A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES. Ana Paula Vitorino. por ocasião do

A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES. Ana Paula Vitorino. por ocasião do INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Ana Paula Vitorino por ocasião do Workshop Livro Verde Para uma nova cultura de Mobilidade Urbana Hotel Sheraton Porto 18 de Fevereiro

Leia mais

/- 0,3 3, /- 0, , ,

/- 0,3 3, /- 0, , , De modo geral, uma escova compreende as seguintes partes: A) Corpo da escova O corpo da escova corresponde à peça de carvão usinada, sendo a parte mais importante, pois uma escova pode ou não ter cordoalhas,

Leia mais

Pressupostos. Variações na composição orçamentária municipal refletem: relações intergovernamentais predominantes;

Pressupostos. Variações na composição orçamentária municipal refletem: relações intergovernamentais predominantes; IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ECONOMIA DA SAÚDE 20 Anos de ABRES, do SUS e a Reafirmação da Proteção Universal Condições de financiamento em saúde nos grandes municípios

Leia mais

Métodos Não Paramétricos

Métodos Não Paramétricos Métodos Não Paramétricos Para todos os testes estatísticos que estudamos até este ponto, assumimos que as populações tinham distribuição normal ou aproximadamente normal. Essa propriedade era necessária

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Nesse módulo abordaremos as duas demonstrações contábeis Balanço Patrimonial BP e Demonstração do Resultado do Exercício DRE,

Leia mais