Diagnóstico Social. Conselho Local de Acção Social de Trancoso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico Social. Conselho Local de Acção Social de Trancoso"

Transcrição

1 Diagnóstico Social Conselho Local de Acção Social de Trancoso Julho de 2006

2 NOTA DE APRESENTAÇÃO O presente documento constitui-se como o primeiro Diagnóstico Social do Município de Trancoso, elaborado de acordo com o levantamento de dados relativos às Áreas Temáticas definidas no Pré-Diagnóstico e aprofundado nas várias reuniões estabelecidas com os Parceiros Sociais, amplamente participadas e que permitiram consensualizar o diagnóstico e encontrar as prioridades concelhias passíveis de Intervenção. 1

3 ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE QUADROS... 4 ÍNDICE DE GRÁFICOS... 7 ÍNDICE DE FIGURAS... 8 INTRODUÇÃO... 9 METODOLOGIA CONTEXTUALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Enquadramento do Concelho Localização e Caracterização Geográfica Área Total e Localização das Freguesias Demografia Ordenamento Urbano Condições de Habitabilidade Infra-Estruturas Viárias Rede de Estradas Rede de Transportes Actividade Económica Emprego Saúde Educação e Formação Profissional Educação Escola Profissional Educação e Formação de Adultos Ensino Recorrente Formação Raia Histórica AENEBeira Associação Empresarial do Nordeste da Beira Acção Social Segurança, Justiça e Criminalidade Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) Alcoolismo Justiça Segurança Associativismo

4 1.8. Património Turismo Ambiente Resíduos Incêndios (Desflorestação) Risco de Incêndio Perigo de Propagação Meios de Prevenção Cursos de Água ANÁLISE ESTRATÉGICA Análise SWOT...94 Área-Problema 1 Educação/Formação Área-Problema 2 Cuidados de Saúde Área-Problema 3 Empregabilidade Área-Problema 4 Acção Social Área-Problema 5 Cultura Associativa Área-Problema 6 Turismo Área-Problema 7 Ambiente EIXOS DE INTERVENÇÃO Educação/Formação Cuidados de Saúde Empregabilidade/Actividade Económica Acção Social Cultura Associativa Turismo Ambiente CONSIDERAÇÕES FINAIS

5 ÍNDICE DE QUADROS Quadro nr. 1 Freguesia/Anexas Quadro nr. 2 Evolução da População Residente Quadro nr. 3 Variação da População Residente/Grupos Etários ( ) Quadro nr. 4 Índice de Envelhecimento (2002) Quadro nr. 5 Freguesia/População Residente (2001) Quadro nr. 6 Época de Construção Edifícios (Tipo Alojamentos Clássicos) Quadro nr. 7 Instalações nos Alojamentos Quadro nr. 8 Empresa Transportes/Trajectos Quadro nr. 9 Nr. Táxis por Freguesia Quadro nr. 10 Sociedades/Sector de Actividade Quadro nr Sociedades com sede na Região (CAE - Rev.2) 2002 Quadro nr Empresas com sede na Região (CAE - Rev.2) 2002 Quadro nr Pessoal nas Sociedades com sede na Região (CAE - Rev.2) 2002 Quadro nr. 14 Superfície Total Quadro nr. 15 SAU (Superfície Agrícola Utilizada) Quadro nr Natureza Jurídica do Produtor Quadro nr Tempo de Actividade Agrícola Quadro nr. 18 Situação na Profissão Exterior à Exploração Quadro nr. 19 Actividade Exterior à Exploração Quadro nr. 20 Acções de formação no Âmbito do Programa Foral Quadro nr. 21 Taxa de Actividade em % ( ) Quadro nr. 22 Taxa de Desemprego em % ( ) Quadro nr. 23 Programa Saúde Escolar Saúde Oral (População Escolar) Quadro nr. 24 Centro de Saúde/Acções de Formação Quadro nr. 25 Caracterização das Crianças Alvo de Intervenção Precoce Quadro nr. 26 Beneficiários do RSI/Acordos de Inserção (Área da Saúde) Quadro nr. 27 Taxa de Analfabetismo ( ) Quadro nr. 28 População Residente/Nível de Instrução (2001) Quadro nr Nr. Total de Alunos do Jardim de Infância (Evolução) Quadro nr. 30 Evolução do Nr. Total de Alunos em Trancoso Quadro nr. 31 Evolução do Nr. Total de Alunos em Vila Franca das Naves Quadro nr Acções de Formação/Data/Nr. Formandos (2004/2005) Quadro nr Acções de Formação/Data/Nr. Formandos (2005/2006) Quadro nr Acções de Formação/Data/Nr. Formandos (2005/2006) Quadro nr. 35 Curso de Alfabetização e 2º Ciclo (Valdujo) Ensino Recorrente 4

6 Quadro nr. 36 Curso de Alfabetização e 1º Ciclo (Trancoso) Ensino Recorrente Quadro nr. 37 Curso de Alfabetização e 1º Ciclo (Valdujo) Ensino Recorrente Quadro nr. 38 Acções de Formação 2006 Raia Histórica Quadro nr. 39 Acções de Formação 2006 AENEBeira Quadro nr. 40 Cursos/Nr. Acções AENEBeira Quadro nr. 41 Cursos/Nr. Acções AENEBeira Quadro nr Apoio a Idosos/Freguesia/Nr. Utentes Quadro nr Apoio a Crianças/Freguesia/Nr. Utentes Quadro nr. 44 Instituições/Freguesias/Valências (Nr. Utentes) Quadro nr. 45 Nr. Indivíduos em Lista de Espera/Valência Lar (Junho 2006) Quadro nr. 46 Número de Indivíduos em Lista de Espera/Valência Creche e Jardim de Infância (Junho 2006) Quadro nr. 47 Situação dos Processos RSI Quadro nr. 48 Áreas dos Acordos de Inserção RSI Quadro nr. 49 Caracterização dos Beneficiários, por grupos etários e sexo, a Frequentar Acções de Inserção Quadro nr. 50 Nr. Processos Instaurados e Transitados - CPCJ Quadro nr. 51 Nr. de Crianças por Motivo de Intervenção Quadro nr. 52 Nr. de Crianças/Grupo Etário/Processos Instaurados Quadro nr. 53 Nr. Bebedores Excessivos/Nr. Alcoólicos Quadro nr Nr. Bebedores Excessivos/% da População Quadro nr. 55 Nr. Doentes Alcoólicos/% da População Quadro nr. 56 Processos de Justiça Cível (2003) Quadro nr. 57 Processos de Justiça Cível (2004) Quadro nr. 58 Justiça Penal - Processos para Julgamento (2003) Quadro nr. 59 Justiça Penal - Processos para Julgamento (2004) Quadro nr. 60 Processos Tutelares Cíveis (2003) Quadro nr. 61 Processos Tutelares Cíveis (2004) Quadro nr. 62 Outros Processos (2003) Quadro nr. 63 Outros Processos (2004) Quadro nr. 64 Designação das Associações/Freguesias Quadro nr. 65 Nr. de Efectivos dos Bombeiros de Trancoso Quadro nr. 66 Associações/Apoio Financeiro Quadro nr. 67 Monumentos Nacionais/Freguesias Quadro nr. 68 Imóveis de Interesse Público/Freguesias Quadro nr. 69 Outro Património/Freguesias Quadro nr. 70 Afluência de Visitantes Quadro nr. 71 Relação Habitantes/Ecoponto e Área/Ecoponto 5

7 Quadro nr. 72 Resíduos Recolhidos nos Ecopontos Quadro nr. 73 Actividades de Educação/Sensibilização Ambiental Quadro nr. 74 Ocorrências/Áreas Ardidas no Concelho ( ) Quadro nr Ocorrências/Áreas Ardidas por Freguesias ( ) Quadro nr. 76 Área Total e Área Total Ardida do Concelho Quadro nr Área Total e Área Total Ardida do Distrito e do País Quadro nr. 78 Nr. Efectivos do Posto Territorial de Trancoso 6

8 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico nr. 1 Evolução da População Residente Gráfico nr. 2 Variação da População Residente/Grupo Etários ( ) Gráfico nr. 3 Pirâmide Etária Gráfico nr. 4 Taxa de Distribuição Água/População Gráfico nr. 5 Taxa de Saneamento/População Gráfico nr. 6 Utentes Inscritos/Grupos Etários Gráfico nr. 7 Evolução População Residente/Nível de Instrução Gráfico nr. 8 Evolução do Número de Alunos da EPT Gráfico nr. 9 Afluência de Visitantes Gráfico nr. 10 Recolha Indiferenciada (Novembro de 2003 a Junho de 2006) Gráfico nr. 11 Resíduos Recolhidos Ecopontos (Novembro 2003/Junho de 2005) Gráfico nr. 12 Áreas Ardidas no Concelho de Trancoso ( ) Gráfico nr. 13 Ocorrências/Área Total Ardida no Concelho ( ) 7

9 ÍNDICE DE FIGURAS Fig. 1 Mapa de Portugal/Distrito Fig. 2 Mapa do Concelho Fig. 3 Mapa do Concelho/Freguesias Fig. 4 Rede Viária Nacional Fig. 5 Rede Viária Municipal Fig. 6 Mapa dos Concelhos AENEBeira Fig. 7 Centro de Saúde e Extensões Fig. 8 Mapa dos Concelhos Raia Histórica Fig. 9 Mapa das Valências Santa Casa da Misericórdia de Trancoso Fig Mapa das Valências IPSS s do Concelho Fig. 11 Evolução do Consumo de Bebidas Alcoólicas e Álcool Puro Fig. 12 Hábitos de Beber dos Portugueses Fig. 13 Mapa das Aldeias Históricas de Portugal Fig. 14 Mapa da Localização dos Ecopontos no Concelho Fig. 15 Mapa do Risco de Incêndio do Concelho Fig Mapa das Áreas Ardidas do Concelho Fig. 17 Mapa dos Principais Cursos de Água do Concelho de Trancoso 8

10 INTRODUÇÃO O Programa Rede Social aposta numa estratégia singular de intervenção social, na medida em que pressupõe que esta seja definida de forma participada por todos os agentes sociais que actuam localmente. Da mesma forma, impõe que o estabelecimento do Desenvolvimento Social a nível concelhio, se baseie num Plano de Acção e numa estratégia elaborada com a participação de todos os Parceiros Sociais, integrando de forma consensual as propostas das Entidades Públicas e Privadas, numa atitude de criação de sinergias que evidenciam as potencialidades existentes, de forma a que constituam reais oportunidades de desenvolvimento 1. Considera-se que só através de uma orientação estruturada para a acção é possível delimitar/definir o que se designa de Plano de Desenvolvimento Social, que se torna o instrumento que descreve todos os objectivos comuns e permite a sistematização das problemáticas identificadas no Diagnóstico Social. O Diagnóstico Social é assim o primeiro instrumento de um bom Plano, ao permitir uma compreensão da realidade social, que inclui a identificação das necessidades e detecção dos problemas prioritários e respectivas causalidades, bem como dos recursos e potencialidades locais 2. O documento agora apresentado estrutura-se do seguinte modo: Contextualização do Município Caracterização e definição da realidade social, com recurso à consulta de variada documentação, nomeadamente, recolha e tratamento de dados estatísticos, tendo sido possível orientar a reflexão sobre a realidade social local, definindo-se áreas-problema (necessidades locais) e sistematizando-se os vários problemas; Análise Estratégica Capítulo dedicado à sistematização das problemáticas (Áreas- Problema) definidas pelos agentes sociais locais, através da respectiva análise Swot; Eixos de Intervenção Identificação de propostas para a intervenção, através da definição de Linhas Orientadoras para a Acção. 1 Programa Rede Social 2 Programa Rede Social 9

11 METODOLOGIA O Diagnóstico Social apresentado tem como principal finalidade constituir uma análise da situação presente do Município de Trancoso, pelo que se trata de um documento em permanente actualização, fazendo parte do processo de intervenção social. A esta forma de investigação aplicada subjaz uma intenção clara de intervenção: não se elaboram diagnósticos sem uma expressa finalidade práctica 3. Tendo como principal objectivo a análise da realidade social local, e consequentemente a definição dos problemas existentes mais preocupantes, com o intuito de elaborar objectivos concretos de intervenção, o presente documento foi elaborado de acordo com a seguinte metodologia: Reuniões com Presidentes de Junta de Freguesia e Representantes das Entidades (IPSS s) a desenvolver actividade no Concelho, para um levantamento dos problemas reais existentes; Realização de Sessões de Trabalho, onde todas as Entidades constataram as necessidades locais sentidas, definindo-se as Problemáticas que revelaram os problemas prioritários; Utilização da técnica de análise SWOT por forma a equacionar as Forças e Fraquezas existentes no Concelho, relativamente às Problemáticas identificadas e priorizadas. Tendo-se identificado as Àreas-Problemas, definiram-se os Eixos de Intervenção prioritários, valorizando-se os recursos existentes e definindo-se linhas orientadoras para uma acção estruturada e concertada (estratégias de acção). 3 Unidade Modular: Diagnóstico Social, Módulos PROFISS, IEFP/IGFSS, MTS/SEEF,

12 1. Contextualização do Município 11

13 1.1. Enquadramento do Concelho Localização e Caracterização Geográfica Fig. 2 Mapa do Distrito/Concelhos Fig. 1 Mapa de Portugal/Distritos O Município de Trancoso, é parte integrante da região Centro, pertencendo á Terra Fria Beirã ou Riba-Coa, localizando-se na zona interior da Beira Alta Beira Interior Norte NUT III, na parte noroeste do Distrito da Guarda, conforme Fig. 1. Do ponto de vista geográfico, faz fronteira a Norte com os concelhos de Meda e Penedono (Distrito de Viseu), a Sul com os de Fornos de Algodres e Celorico da Beira, a Oeste com os de Aguiar da Beira e Sernancelhe (Distrito de Viseu) e a Este com o Concelho de Pinhel, conforme Fig

14 Em termos morfológicos destaca-se o facto de todo o concelho se integrar numa zona planáltica cortada pelo rio Távora e seus afluentes, variando a sua altitude entre os 500/600m a leste e os 900/950m na metade Ocidental, com terrenos predominantemente graníticos calco-alcalinos, e de a própria sede de concelho se situar num vasto e alto planalto, a cerca de 900m de altitude, nas proximidades da margem direita do rio Távora e a uma distância de 50km a NNO da cidade da Guarda, sede do Distrito. Em termos climatéricos, a altitude, superior aos 800 m, condiciona grandemente o clima, tornando-se extremamente rigoroso, com amplitudes térmicas bastante acentuadas: muito frio de Inverno e muito quente e seco no Verão, tornando-se esta envolvente uma das condicionantes mais importantes do próprio desenvolvimento económico-social Área Total e Localização das Freguesias O Concelho abrange uma área de cerca de 364 km² e está repartido por 29 Freguesias conforme Fig. 3, nomeadamente: Aldeia Nova, Carnicães, Castanheira, Cogula, Cótimos, Feital, Fiães, Freches, Granja, Guilheiro, Moimentinha, Moreira de Rei, Palhais, Póvoa do Concelho, Reboleiro, Rio de Mel, Santa Maria (Trancoso), São Pedro (Trancoso), Sebadelhe da Serra, Souto Maior, Valdujo, Vale do Seixo, Tamanhos, Terrenho, Torre do Terrenho, Torres, Vila Garcia, Vila Franca das Naves, Vilares; algumas Freguesias possuem Anexas e alguns Lugares e/ou Quintas (Quadro nr. 1). Fig. 3 Mapa do Concelho/Freguesias 13

15 Quadro nr. 1 Freguesias/Anexas Freguesias Aldeia Nova Anexas Aldeia Velha Alcudra Carnicães Castanheira Cogula Cótimos Feital Fiães A-dos-Ferreiros Garcia Joanes Barrocal Quinta das Seixas Freches Granja Dominga Chã Vendinha Guilheiro Moimentinha A-do-Cavalo Casas Esporões Golfar Moreira de Rei Moinhos das Cebolas Moreirinhas Pisão Valcovo Zabro Palhais Benvende Póvoa do Concelho Reboleiro Rio de Mel Santa Maria (Trancoso) Batocais Vila Novinha Castaíde Heras Miguel Choco Montes 14

16 Rio de Moinhos Sintrão Venda do Cepo Amial Avelar São Pedro (Trancoso) Courelas São Martinho Souto Maior - Aldeia de Santo Inácio Sebadelhe da Serra Corças Souto Maior Tamanhos Falachos Vale de Mouro Terrenho Torre do Terrenho Torres Valdujo Vale do Seixo Mendo Gordo Chafariz do Vento Frechão Moitas Carigas Ribeira do Freixo Vila Franca das Naves Vila Garcia Vilares Freixial Broca Maçal da Ribeira Total de Anexas 44 Fonte: Santos Costa, Breve Monografia de Trancoso Demografia Tendo em atenção a Evolução da População Residente (Quadro nr. 2) entre os anos de 1991 e 2001 é de destacar o decréscimo populacional observável; contudo, considerando o Gráfico nr. 1, há que salientar o facto de, no total do número de habitantes do Concelho de Trancoso se observar uma tendência para a estabilidade desde o ano de 2000, justificando-se pelo aumento das infra-estruturas sociais de apoio à população, e de condições para a promoção de uma maior qualidade de vida para os habitantes do Município. 15

17 Quadro nr. 2 Evolução da População Residente Anos População Residente Fonte: INE/Infoline Gráfico nr. 1 Evolução da População Residente Pop. Residente Anos Pop. Residente 16

18 Se tivermos em consideração a Variação da População Residente por Grupos Etários (Quadro nr. 3), a situação demonstra o notório envelhecimento da população, com um aumento de 15,6% dos indivíduos com + 65 anos (entre os anos de 1991 e 2001), agudizado pela diminuição do número de crianças, reflectido-se esta situação no valor negativo de 31,5% da variação da população com menos de 14 anos (Gráfico nr. 2). Quadro nr. 3 Variação da População Residente/Grupos Etários ( ) Grupos Etários Variação População Residente ( ) 0-14 Anos -31,5 % Anos -5,7 % Anos -3,9 % + 65 Anos 15,6 % Fonte: INE/Infoline Gráfico nr. 2 Variação da População Residente/Grupos Etários ( ) Grupos Etários + 65 Anos Anos Anos 0-14 Anos -40% -30% -20% -10% 0% 10% 20% Percentagem Relativamente ao Índice de Envelhecimento apresentado no Quadro nr. 4, verifica-se um valor para Trancoso de 201,8%, valor este bastante superior ao do território nacional, demonstrando e reforçando mais uma vez o problema do envelhecimento populacional das regiões beirãs. 17

19 Quadro nr. 4 Índice de Envelhecimento (2002) Unidade Territorial Índice de Envelhecimento Portugal 105,5 Centro 133,7 Almeida 283,5 Celorico da Beira 202,9 Figueira de Castelo Rodrigo 266,5 Guarda 129,1 Manteigas 152,1 Meda 244,5 Pinhel 233,1 Sabugal 374,3 Trancoso 201,8 Fonte: INE/Infoline A pirâmide etária que em seguida se apresenta espelha a situação do Concelho relativamente aos grupos etários, destacando-se o grupo entre os 0-4 anos, com um valor bastante reduzido, quer em relação ao sexo feminino quer ao sexo masculino; e o grupo anos, que apresenta valores muitos elevados, reforçando uma vez mais o crescente envelhecimento da população. Gráfico nr. 3 Pirâmide Etária (2001) De 75 a 79 anos Grupos Etários De 60 a 64 anos De 45 a 49 anos De 30 a 34 anos De 15 a 19 anos De 0 a 4 anos População Masculino Feminino 18

20 Relativamente ao Índice de Dependência verifica-se que, em relação aos jovens, houve uma diminuição de 33% (1991) para 23,5% (2001), contrapondo-se em proporção inversa ao Índice de Dependência da população idosa, que apresentava em 1991, um valor de 37%, e em 2001, um valor de 45%. Reforça-se uma vez mais a questão do envelhecimento acentuado da população, fenómeno relacionado com o aumento da Esperança Média de Vida, sentido a nível local e com uma maior expressividade em relação ao sexo feminino. Este facto é ainda agravado pela reduzida Taxa de Natalidade, juntamente com a dificuldade de fixação da população mais jovem e em idade activa. Esta última questão prende-se com o facto de, por um lado, os jovens que pretendem prosseguir os estudos, aumentando as suas habilitações, vêem-se obrigados a procurar centros urbanos, onde se encontram as Entidades que lhe podem conferir um grau superior, acabando por se fixar nesses lugares onde existem maiores oportunidades de emprego; por outro lado, os jovens que acabam por possuir menos habilitações escolares, não encontrando resposta no mercado de trabalho local, acabam por optar pela migração/emigração Ordenamento Urbano Tendo em consideração a caracterização do ordenamento do território, importa referir que o Concelho de Trancoso abrange uma área total de 364 km 2, sendo constituído por 29 Freguesias (para além de várias Anexas e de alguns Lugares). A população apresenta um povoamento disperso, tendo vindo a observar-se um gradual abandono das aldeias e uma concentração na sede de Concelho, (nomeadamente as Freguesias de Santa Maria e S. Pedro) e a Freguesia de Vila Franca das Naves (Quadro nr. 5), com implicações sócio-económicas que serão salientadas na apresentação deste Diagnóstico. 19

21 Quadro nr. 5 Freguesia/População Residente (2001) Freguesias População Residente % da População Residente/Freguesia Aldeia Nova 394 3,6 Carnicães 192 1,8 Castanheira 235 2,2 Cogula 228 2,1 Cótimos 194 1,8 Feital 80 0,7 Fiães 263 2,4 Freches 551 5,1 Granja 223 2,0 Guilheiro 242 2,2 Moimentinha 233 2,1 Moreira de Rei 673 6,2 Palhais 187 1,7 Póvoa do Concelho 259 2,4 Reboleiro 304 2,8 Rio de Mel 311 2,9 Sta. Maria (Trancoso) ,1 S. Pedro (Trancoso) ,5 Sebadelhe da Serra 185 1,7 Souto Maior 145 1,3 Tamanhos 323 3,0 Terrenho 137 1,3 Torre do Terrenho 211 1,9 Torres 217 2,0 Valdujo 272 2,5 Vale do Seixo 171 1,6 Vila Franca das Naves ,1 Vila Garcia 198 1,8 Vilares 258 2,4 Total Fonte: INE Censos

22 Analisando o Quadro nr. 5, verificamos que num total de indivíduos (ano de 2001), 3106 indivíduos residem na sede de Concelho (somatório de 12,1% na Freguesia de Santa Maria e de 16,5% da Freguesia de São Pedro), representando este valor perto de 30% da população total. De referir ainda que não existe outra Freguesia que concentre tão elevada percentagem da população, sendo que a que mais se aproxima é Vila Franca das Naves com uma representação de 10,1%, justificando-se este facto e de acordo com dados apurados no Pré-Diagnóstico por ser o segundo maior pólo de desenvolvimento (infra-estruturas existentes). Segue-se a Freguesia de Freches, com um valor de 5,1%, devido à proximidade à sede de Concelho, e provavelmente também a um micro-clima que a caracteriza e favorece a fixação da população. Por outro lado, é relevante salientar a questão de que 12 das Freguesias restantes, não atingem os 2% da % População Residente/Freguesia. Destacam-se os casos do Feital (0,7%), Souto Maior (1,3%), Terrenho (1,3%) e Vale do Seixo (1,6%), comprovando a problemática da desertificação do Interior do País e nomeadamente no Concelho de Trancoso Condições de Habitabilidade Relativamente ao alojamento, convém salientar o facto de que devido à desertificação das Aldeias, que se encontram cada vez mais despovoadas, o número de casas abandonadas e em estado de alguma degradação é cada vez maior, observando-se, no entanto, o inverso nas Freguesias que fazem parte da sede de Concelho, onde a concentração populacional é cada vez maior. 21

23 Quadro nr. 6 Época de Construção Edifícios (Tipo Alojamentos Clássicos) Época de Construção Antiguidade Nr. Alojamentos Percentagem Antes de 86 anos , a 1945 Entre 60 e 85 anos 402 9, a 1960 Entre 46 e 59 anos 264 6, a 1970 Entre 36 e 45 anos 398 9, a 1980 Entre 26 e 35 anos , a 1985 Entre 21 e 25 anos , a 1990 Entre 16 e 20 anos 315 7, a 1995 Entre 11 e 15 anos 354 8, a 2001 Entre 5 e 10 anos 379 9,19 Total Fonte: INE Censos 2001 De acordo com os dados do Quadro nr. 6 podemos apurar que a maioria dos alojamentos do tipo clássico tem mais de 35 anos de construção, demonstrando a necessidade crescente de realização de obras de valorização e/ou conservação. De salientar também o número de alojamentos construídos nos anos 70 e 80, que apresentam um valor considerável, num total de 1520 Alojamentos. Quadro nr. 7 Instalações nos Alojamentos Instalações Sanitárias Instalações Eléctricas c/ Retrete Anos Com Electricidade Sem Electricidade Com Dispositivo Descarga Sistema Rede Outros Particular Pública Casos Esgotos Sem Dispositivo Descarga Sistema Rede Outros Particular Pública Casos Esgotos Retrete fora do Alojamento Sem Retrete Fonte: INE/Infoline 22

24 Por forma a verificar as questões relacionadas com as condições de habitabilidade torna-se importante analisar o Quadro nr. 7, verificando-se que durante o período entre 1991 e 2001, houve uma evolução dos valores apresentados; contudo, existem ainda alojamentos onde as instalações sanitárias não dispõem de retrete e outros de dispositivo de descarga; do mesmo modo que existem alojamentos que não possuem ainda instalações eléctricas ou não estão ligados à rede pública de esgotos. Tendo em consideração o Gráfico nr. 4, que reflecte a taxa de distribuição de água pela população do Concelho, podemos verificar que existe apenas 1% da população que carece ainda de abastecimento de água, sendo que este valor se torna significativo quando traduzido para valores reais indivíduos. Gráfico nr. 4 Taxa Distribuição Água/População 7% 1% 92% População com rede de abastecimento de água População com rede de abastecimento provisória População sem rede de abastecimento de água Gráfico nr. 5 Taxa de Saneamento/População 16% 84% População com saneamento População sem saneamento Fonte : Câmara Municipal de Trancoso (2005) O Gráfico nr. 5, demostra que existe, ainda, cerca de 16% da população sem saneamento, constituindo esta situação, ainda, um problema a solucionar. 23

25 Infra-Estruturas Viárias Rede de Estradas O Município encontra-se relativamente bem servido por vias de comunicação, das quais se destacam a A25, que liga Aveiro a Vilar Formoso e o acesso à A23 (ligação a Lisboa), de acordo com o Mapa da Rede Viária Nacional. Relativamente às Estradas Municipais, preenchem o Concelho e fazem a ligação a todas as Freguesias, estando a maioria em boas condições de circulação. Fig. 5 - Rede Viária Municipal Fig. 4 - Rede Viária Nacional A sede de Concelho situa-se a 15 Km quer da Estação CP de Vila Franca das Naves, quer da Estação CP de Celorico, pertencendo ambas á Linha de Comboios da Beira Alta. 24

26 Rede de Transportes Relativamente ao sistema de transportes, é de salientar o reduzido número de trajectos existentes no Concelho, na medida em que estes não são suficientes, tendo a população de utilizar viatura própria ou o serviço de Táxis, disponíveis em quase todas as Freguesias. Contudo, referem as Empresas de Transportes a inviabilidade de assegurarem mais trajectos, na medida em que estes não são rentáveis e não se justificam tendo em consideração o número de passageiros diários. A população escolar tem assegurada esta questão, sendo a Câmara Municipal a entidade responsável pela logística de transporte dos alunos, durante o período lectivo; a população em geral utiliza também este transporte, pagando um bilhete por cada viagem/deslocação. Quadro nr. 8 Empresa Transportes/Trajectos Designação Empresa Santos Localidades Miranda do Douro-Viseu-Coimbra-Lisboa Trancoso-Mogadouro Rodoviária Nacional Trancoso-Bragança Trancoso-Lisboa Pinhel-Trancoso RODOCÔA-Transportes, Lda. Guilheiro-Trancoso Meda-Trancoso Sta. Eufêmia-Trancoso Moreira de Rei-Trancoso Viúva Carneiro & Filhos Maçal da Ribeira-Trancoso Fonte: Câmara Municipal de Trancoso Celorico da Beira-Trancoso-Freixo de Numão Freches-Trancoso O serviço de Táxis existente é utilizado com relativa frequência, uma vez que a rede de transportes colectivos é diminuta e encontrando-se estes espalhados pelas Freguesias, permite uma deslocação mais fácil, contudo a custos mais elevados. 25

27 Quadro nr. 9 Nr. Táxis/Freguesia Localidade Nr. Táxis Aldeia Nova 1 Cogula 1 Cótimos 1 Freches 2 Guilheiro 1 Moreira de Rei 2 Póvoa do Concelho 1 Reboleiro 1 Terrenho 1 Torre do Terrenho 1 Valdujo 1 Vale do Seixo 1 Vila Garcia 1 Vilares 1 Vila Franca das Naves 9 Trancoso 11 Total 36 Fonte: Câmara Municipal de Trancoso 1.2. Actividade Económica Relativamente aos Sectores de Actividade é de salientar o facto de as sociedades do Sector Terciário representarem 70% do total das sociedades do Concelho, demonstrando o papel preponderante deste sector na actividade económica do Município. (Quadro nr. 10) Quadro nr. 10 Sociedades/Sector de Actividade Unidade Sociedades do Sociedades do Sociedades do Territorial Sector Primário (%) Sector Secundário (%) Sector Terciário (%) Trancoso 5,2 24,0 70,8 Fonte: INE/Infoline 26

28 Relativamente ao número de empresas/sociedades há a considerar que a maioria está ligada aos sectores do comércio (por grosso e a retalho), ás actividades financeiras, assim como à indústria transformadora CAE G, I e D. (Quadro nr. 11 e Quadro nr. 12) Quadro nr. 11 Sociedades com sede na Região (CAE) 2002 Unidade Territorial Total A+B C D E F G H I J K L a Q Trancoso Fonte: INE Recenseamento Geral da Agricultura (1999) Quadro nr. 12 Empresas com sede na Região (CAE) 2002 Unidade Territorial Total A+B C D E F G H I J K L a Q Trancoso Fonte: INE Recenseamento Geral da Agricultura (1999) De igual modo, o Quadro nr. 13 revela o número de indivíduos a trabalhar nas Sociedades com sede na região, demonstrando a importância das mesmas para o desenvolvimento económico e consequentemente social, da população local. Quadro nr. 13 Pessoal nas Sociedades com sede na Região (CAE) 2002 Unidade Territorial Total A+B C D E F G H I J K L a Q Trancoso Fonte: INE Recenseamento Geral da Agricultura (1999) Relativamente à debilidade do Sector Primário é esta demonstrada pelos Quadro nr. 14 e Quadro nr. 15, que demonstram que de 23038ha de área total, devem considerar-se 15334ha (66,56% do total) como superfície utilizada e desta apenas 2035ha (8,83% do total) para exploração. 27

29 Quadro nr. 14 Superfície Total Unidade Superfície Total Territorial Exploração Área Total Trancoso Fonte: INE Recenseamento Geral da Agricultura (1999) Quadro nr. 15 SAU (Superfície Agrícola Utilizada) Unidade Superfície Agrícola Utilizada Territorial Exploração Área Total Trancoso Fonte: INE Recenseamento Geral da Agricultura (1999) A exploração de SAU (Superfície Agrícola Utilizada), num total de 2035ha é efectuada por produtores singulares, sendo que dos 2029 indivíduos apenas 15 se podem classificar como empresários, confirmando que a actividade agrícola no Concelho se estabelece como de subsistência e não enquanto actividade económica, conforme Quadro nr. 16. Quadro nr Natureza Jurídica do Produtor Unidade Produtor Singular Territorial Autónomo Empresário Trancoso Fonte: INE - Recenseamento Geral da Agricultura (1999) Dos 2029 indivíduos produtores singulares, podemos verificar pelo quadro abaixo que o tempo que utilizam para a actividade agrícola é parcial, ou seja, a fonte de rendimento principal é uma outra actividade, conforme Quadro nr

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança Parte 6.6.1 Caracterização da população toxicodependente no concelho de Bragança (Dados

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Estratégia Integrada para as Pessoas Sem Abrigo em Lisboa. Apresentação à CML 11.4.2012 Vereadora Helena Roseta

Estratégia Integrada para as Pessoas Sem Abrigo em Lisboa. Apresentação à CML 11.4.2012 Vereadora Helena Roseta Estratégia Integrada para as Pessoas Sem Abrigo em Lisboa Apresentação à CML 11.4.2012 Vereadora Helena Roseta Estratégia Integrada para as Pessoas Sem Abrigo em Lisboa A Estratégia que se propõe para

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Nome: Centro Social de Cultura e Recreio da Silva Natureza Jurídica: Associação - Instituição

Leia mais

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL 1 Sendo uma IPSS, que: Não tem fins lucrativos; Fornece serviços para melhorar a qualidade de vida dos clientes; Os lucros, se houverem,

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO DE TRABALHO: ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE VALE DA PEDRA PAULA FERREIRA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ANA OLIVEIRA ASSOCIAÇÃO OPERAÇÃO SAMARITANO CARINA CRENA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO. Universidade de Aveiro

Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO. Universidade de Aveiro Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO O relatório foi elaborado pela equipa da UA Celeste Coelho (coordenação) Fátima Alves Filomena Martins Teresa Fidélis Sandra Valente Cristina Ribeiro

Leia mais

Retrato Estatístico do Funchal

Retrato Estatístico do Funchal Retrato Estatístico do Funchal Resultados Definitivos dos Censos 2011 EDUCAÇÃO POPULAÇÃO JUVENTUDE E ENVELHECIMENTO MOVIMENTOS POPULACIONAIS PARQUE HABITACIONAL ECONOMIA E EMPREGO CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO GRANDES OPÇÕES DO PLANO Na continuidade das opções que temos vindo a desenvolver ao longo do nosso mandato, que reflectem nas suas linhas gerais de orientação, uma constante preocupação em proporcionar

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL Medida 3.1 - Diversificação da economia e criação de emprego Objectivos : - Promover

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 2 ÍNDICE NOTA PRÉVIA Enquadramento e contextualização geográfica e temporal 3 Percurso dos documentos estratégicos 3 Metodologias utilizadas

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Centro de Dia. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva

Centro de Dia. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva Centro de Dia (Condições de localização, instalação e funcionamento) Lisboa, Dezembro de

Leia mais

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 5. PONTA DO SOL O concelho de Ponta do Sol foi fundado no início do século XVI, em consequência do elevado desenvolvimento económico resultante da actividade açucareira. Com uma área de 43,80 Km2 e uma

Leia mais

ANEXO A. Carta Educativa do Concelho de Mafra Anexo A, Pág. 305

ANEXO A. Carta Educativa do Concelho de Mafra Anexo A, Pág. 305 ANEXO A Anexo A, Pág. 305 Jardim de Infância (JI) Faixa Etária: 3 aos 5 anos Observações Percursos escola-habitação A pé - preferencial até 15 minutos; Em transporte público - máx. aceitável 20 minutos.

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo 1. A Agricultura da região de LVT 2. O apoio ao Sector Agrícola

Leia mais

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente.

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais