PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ADMISSÃO DISCENTE Processo Seletivo 2015/2 - Social INSTRUÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ADMISSÃO DISCENTE Processo Seletivo 2015/2 - Social INSTRUÇÕES"

Transcrição

1 O início da prova está previsto para as 13h e o seu encerramento para as 16h30. Você somente poderá sair duas horas após o início da prova. Não se comunique, em hipótese alguma, com outros candidatos. Não é permitido consulta a apontamentos, livros ou dicionários. Solicite a presença do fiscal apenas em caso de extrema necessidade. A Prova 1 é objetiva, com 20 questões de múltipla escolha, com quatro alternativas cada. Dessas quatro, apenas uma é correta. A Prova 2 Redação em Língua Portuguesa é discursiva, portanto deverá ser manuscrita, com letra legível, sendo obrigatória a utilização de caneta esferográfica de tinta azul ou preta. Ao utilizar o Cartão-Resposta, primeiro confira o número de sua inscrição e o seu nome. Depois, assine no retângulo adequado (não faça outras anotações ou marcas). PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ADMISSÃO DISCENTE Processo Seletivo 2015/2 - Social Edital 26/ PROGRAD - 16/05/2015 PROVA 1 Linguagens e Códigos Ciências Sociais Ciências da Natureza Matemática Língua Estrangeira PROVA 2 Redação em Língua Portuguesa INSTRUÇÕES Para marcar as respostas no Cartão-Resposta, utilize caneta esferográfica azul ou preta. A resposta final de cada questão deverá ser transportada para o Cartão-Resposta, sem rasuras. Não serão consideradas as respostas que não forem transportadas para o Cartão-Resposta. Em nenhuma hipótese será distribuída duplicata do Cartão-Resposta, cuja numeração é única, personalizada e gerada automaticamente. Ao terminar as provas, o candidato terá de devolver para o fiscal: 1) o Cartão-Resposta; 2) a Folha de Redação definitiva. Apenas os candidatos que saírem após as 16h poderão levar o Caderno de Provas. RESULTADO -26/05/ publicação na internet (www.pucgoias.edu.br). MATRÍCULA - A matrícula da primeira chamada poderá ser efetuada em 29/05, 1 e 2/06/2015 pelo próprio aluno ou por seu procurador legal, que deverá dirigir-se à Secretaria Departamental do curso. ENTREVISTA SOCIOECONÔMICA - O candidato aprovado em 1 a chamada e matriculado deverá comparecer à Coordenação de Assuntos Estudantis (CAE), para entrevista socioeconômica, de 29/05 a 26/06/2015, conforme item 1.5 do Edital 26/ PROGRAD, de posse dos documentos listados no Anexo I do referido Edital. Candidatos aprovados em 2 a chamada, ou chamadas posteriores, de 30/06 a 10/07/2015. RESULTADO FINAL - O resultado da entrevista socioeconômica será publicado no dia 30/06/2015, para os candidatos aprovados em 1 a chamada, e 15/07/2015, para os aprovados em 2 a chamada, ou chamadas posteriores, no site Documentos - O aluno deverá apresentar, na matrícula, os seguintes documentos: 1 foto 5x7 recente; 1 fotocópia da carteira de identidade; 1 fotocópia do título eleitoral; 1 foto cópia do certificado de reservista; 1 fotocópia da certidão de nascimento ou de casamento; 1 fotocópia do CPF; 1 fotocópia autenticada do certificado ou do diploma de conclusão do Ensino Médio devidamente registrado; 1 fotocópia autenticada do histórico escolar do Ensino Médio e 1 fotocópia de comprovante de endereço. Para o curso de Educação Física: o candidato deverá apresentar, no ato da matrícula, um relatório médico atestando sua saúde física. Em caso de Ensino Médio cursado no exterior: 1 fotocópia autenticada do diploma ou do certificado e 1 fotocópia autenticada do histórico escolar, ambos com legalização da embaixada ou do consulado brasileiro no país de origem, bem como 1 fotocópia autenticada de sua tradução oficial; 1 fotocópia autenticada da revalidação desses documentos emitida pelo Conselho Estadual de Educação (CEE).

2 2 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL Tendo em vista a característica desta prova a integração das áreas de conhecimento, você encontrará questões de diferentes disciplinas explorando um eixo temático ou uma referência inicial comum. ATENÇÃO As questões com numeração repetida são de Língua Estrangeira e estarão incluídas no decorrer da prova. Você deverá resolver APENAS as questões da Língua Estrangeira que assinalou como opção em sua ficha de inscrição. TEXTO 1 Canto da desaparição I Aqui é o fim do mundo, aqui é o fim do mundo em que até aves vêm cantar para encerrá-lo. Em cada poço, dorme um cadáver, no fundo, e nos vastos areais ossadas de cavalo. Entre as aves do céu: igual carnificina: se dormires cansado, à face do deserto, quando acordares hás de te assustar. Por certo, corvos te espreitarão sobre cada colina. E, se entoas teu canto a essas aves (teu canto que é debaixo dos céus a mais triste canção) vem das aves a voz repetindo teu pranto. E, entre teu angustiado e surpreendido espanto, tangê-las-ás de ti, de ti mesmo, em que estão esses corvos fatais. E esses corvos não vão. II Heróis existem os como: meninos, lírios, pomares, bonanças de vário tomo, calmos montes, doces ares, naves, mãos, mesas unidas, berços, ninhos, mansas lidas: heróis existem os como: esse ladrão que precisa, esse operário que luta, essa luta que se igniza, essa santa prostituta, esses simples puros sóis, precisar esses heróis esse poema precisa enforcar quem hoje enforca quem destruiu continentes: essa Lídice, esse Lorca, quem inventou as sementes das estrelas venenosas uranadas rubras rosas, enforcar quem hoje enforca não só com laços de corda, mas apagar esse mundo do mundo que hoje acorda, e dar-lhe um canto jocundo de guerra contra guerreiros, de poetas e cordeiros, cordeiros que fazem corda para unir os corações, cordeiros das horas calmas, ponteiros de carrilhões, cordas perenes das almas, almas em Cristo acordadas, prudentes chamas moldadas em forma de corações; corações existem como os pomos desses pomares da forma de um mesmo pomo nascido nos mesmos ares servido numa só mesa, um só pomo com certeza, comemos, comeste, como. (LIMA, Jorge de. Melhores poemas. São Paulo: Global, p ) QUESTÃO 01 O Texto 1 fala de cadáveres, ossadas de animais, carnificina e desaparições. Isso nos remete a pensar o cenário traumático da Segunda Guerra Mundial para muitos povos e nações. Sobre esse conflito da história mundial do século XX, marque a alternativa correta: A ( ) A América Latina, assim como todos os países independentes do mundo, participou de forma efetiva dos episódios da Segunda Guerra, com inúmeras baixas nos seus exércitos nacionais nos campos de batalha. B ( ) O Tratado de Versalhes, defendendo o argumento de que o Estado alemão era o único responsável pela guerra e todas as suas consequências, impôs àquele país uma paz vigiada e punitiva. C ( ) A grande mortandade de milhares de homens durante as batalhas da Segunda Guerra Mundial foi o resultado da grande inovação da época: a guerra de trincheiras. D ( ) Os soldados franceses, devido à superioridade humana e militar do seu exército, saíram da guerra com poucas baixas de vidas.

3 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL 3 QUESTÃO 02 Na terceira estrofe da parte II do Texto 1, os versos quem inventou as sementes / das estrelas venenosas fazem alusão a sementes, importantes estruturas reprodutivas das plantas, obtidas pela fecundação dos gametas. As plantas que possuem sementes são conhecidas como espermatófitas. Nos itens a seguir, identifique os que se referem a grupos de plantas que possuem sementes: I - Angiospermas. II - Pteridófitas. III - Briófitas. IV - Gimnospermas. Marque a alternativa correta: A ( ) I e IV. B ( ) II e III. C ( ) II e IV. D ( ) III e IV. TEXTO 2 XXII Na planície desolada do meu ser, há muito um anjo me incomoda no seu modo de alar o verbo a plumagem e transmutar-se a duras penas; há muito questiono absolto na descomunal paisagem dos conflitos; e meu coração, tambor ribombando à luz da esfera, a tudo diz que não é tudo nem primavera, mas apenas o se (lenço) de um assombro explodindo na janela! (VIEIRA, Delermando. Os tambores da tempestade. Goiânia: Poligráfica, p. 45.) QUESTÃO 03 Considere as seguintes afirmações sobre os aspectos linguísticos do Texto 2: I - o adjunto adverbial na planície desolada do meu ser delimita um espaço metafórico que se traduz no estado de espírito do enunciador. II - o tambor ribombando à luz da esfera tem a função de esclarecer no texto o significado de descomunal paisagem dos conflitos. III - a partícula se, seguida da palavra lenço entre parênteses, cria no texto um jogo sonoro com a palavra silêncio. Em relação às proposições analisadas, assinale a única alternativa cujos itens estão todos corretos: A ( ) I e II. B ( ) I, II e III. C ( ) I e III. D ( ) II e III. QUESTÃO 04 O trecho Na planície desolada do meu ser, / há muito um anjo me incomoda [...], constante do Texto 2, faz uma analogia da profundeza solitária do ser humano com uma das formas do relevo da superfície terrestre: a planície. A respeito das características dessa e de outras formas do relevo, marque o item correto entre os apresentados a seguir: A ( ) As formas de relevo são resultado de processos externos que agem sobre a superfície terrestre, como a tectônica de placas, a epirogênese, a orogênese, os vulcanismos, os terremotos. B ( ) As principais formas do relevo são: montanhas, planícies, depressões, inundações e erosões. C ( ) Nos planaltos predominam os processos de sedimentação, porque eles funcionam como uma barreira orográfica ao transporte de sedimentos pelos ventos. D ( ) As formas de relevo caracterizadas como planície e depressão tendem a apresentar as menores altitudes, inclusive com depressões encontradas abaixo do nível do mar. QUESTÃO 05 Em O arco e a lira (1982), Octavio Paz expõe a propriedade que tem o discurso literário no desvelamento das dores do homem: A poesia é conhecimento, salvação, poder, abandono. Operação capaz de transformar o mundo, a atividade poética é revolucionária por natureza; exercício espiritual é um método de libertação interior. A poesia revela este mundo; cria outro. Pão dos eleitos; alimento maldito. [...]. Oração, litania, epifania, presença. Exorcismo, conjuro, magia. Sublimação, compensação, condensação do inconsciente (PAZ, 1982, p. 15). A reflexão de Paz aplica-se bem à poesia de Delermando Vieira, poeta representante da melhor poesia produzida em Goiás, de um lirismo existencial que mostra o estar no mundo e a consciência da fugacidade das coisas e da vida. No Texto 2, o instante é sentido e a poesia reflete as sensações do existir com seus conflitos, suas dores e sua finitude. Sobre o texto selecionado, marque a alternativa correta: (PAZ, Octavio. O arco e a lira. Rio de Janeiro: Agir, 1982, p. 15.) A ( ) O poema apresenta uma dúvida suprassensível que filosofa sobre a essência dos seres. B ( ) Esses versos fazem uma pintura impressionista da dor do homem inserido na modernidade. C ( ) Ao filosofar sobre a existência, o eu poético transfigura as mudanças, transformações e constatações que estão expressas na relatividade dos acontecimentos e nas incertezas do mundo.

4 4 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL D ( ) O eu lírico mergulha no reino infinito do espírito, que é o objeto da poesia e, nessa inclinação sobre a linguagem literária, encontra imagens, lembranças e fica marcado por incertezas acerca da realidade de um fato ou da verdade de uma asserção. TEXTO 3 Olhar vítreo Durante toda a conferência seus olhos se mantiveram fixados na minha figura. Não estou falando do olhar de quem ouve uma conferência e se mantém ligado ao que está sendo dito. Esse olhar é um olhar comum, situacional, que faz corresponder a que veio. É de aluno, se está numa sala de aula; é de secretária se está no escritório; é de vendedor se pretende vender um produto. Mas aquele olhar era vítreo. Não se alterava com a situação. Não se expressava como os olhares dos demais ouvintes. Não sorria quando era para sorrir, não se manifestava insatisfeito, não demonstrava impaciência ou raiva. E começava a interferir na minha fala. Em princípio, tentei eliminar mentalmente sua presença, mas o que ocorre de fato, é o contrário. Passamos a olhar mais para ele do que para os outros. Tornamo-nos presas de um inferno vítreo do qual não conseguimos nos livrar. E ele estava lá me dizendo alguma coisa que não conseguia decifrar. Sua impassibilidade forçava a minha mobilidade insegura. Sua constância ia interferindo nas minhas oscilações de tom de voz e de movimento dos gestos. Conforme foi passando o tempo, foram evoluindo as consequências desastrosas daquele fenômeno. Fui me sentindo oco, com intervalos sensoriais que me atormentavam. Parece que fui deixando de acreditar na veridicção do que falava. E eu estava sozinho, sem testemunha ocular. A não ser aqueles olhos que geravam tudo aquilo e geriam meus procedimentos. Em momento algum acompanhou o movimento do auditório. A impressão que eu tinha é de que ele sabia de tudo. Sabia que estava me deteriorando pouco a pouco. Que estava triturando o último fio de segurança que me restava. Esquálido, fui perdendo o gosto pelo que falava, tentei arrumar uma conclusão e diminuí uns bons minutos para me livrar daquilo. Mal encerrei a última fala, antes dos aplausos de praxe, ele se levantou e saiu. (GONÇALVES, Aguinaldo. Das estampas. São Paulo: Nankin Editorial, p Adaptado.) QUESTÃO 06 No Texto 3, o enunciador (assinale a alternativa correta): A ( ) narra, por meio de verbos de ilocução, as intenções de uma pessoa desconhecida que lhe fixou um olhar de condenação. B ( ) descreve, por meio de signos linguísticos diversos, as impressões e o desconforto deixados por um olhar profundo durante uma conferência. C ( ) avalia, por meio de adjetivos, o comportamento inadequado de pessoas que vão a eventos formais para perturbar o sossego dos palestrantes. D ( ) aponta, por meio de construções contrastivas, a diferença entre personalidades, revelada pelo olhar que as pessoas têm em situações específicas. QUESTÃO 07 Mas aquele olhar era vítreo. Não se alterava com a situação. Não se expressava como os olhares dos demais ouvintes. (fragmento do Texto 3). A matéria prima para a fabricação do vidro é o SiO 2. Ele é fundido a altas temperaturas e nele podem ser adicionadas outras substâncias, como CaCO 3, B 2 O 3, Al 2 O 3, PbO e P 2 O 5. Após ser moldado e resfriado, o vidro ganha forma rígida. Os vidros mais comuns em nosso cotidiano são materiais amorfos com a superfície repleta de grupos hidroxila. Dependendo da necessidade, pode- -se adicionar outros produtos químicos no processo de fabricação, dando origem a materiais com outras características e aplicações. Analise as afirmativas a seguir: I - A água terá maior interação com a superfície do vidro (devido aos grupos hidroxila) que o querosene. II - A molécula de PbO apresenta ligações covalentes de geometria angular. III - Os íons cálcio e alumínio apresentam número de oxidação +2 e +3, respectivamente. IV - A nomenclatura de SiO 2, B 2 O 3 e P 2 O 5 é: dióxido de silício, trióxido de diboro e óxido de potássio V, respectivamente. Em relação às proposições analisadas, assinale a única alternativa cujos itens estão todos corretos: A ( ) I e III. B ( ) I e IV. C ( ) II e III. D ( ) II e IV. RASCUNHO

5 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL 5 QUESTÃO 08 A linguagem de Olhar vítreo (Texto 3) reflete o trabalho realizado pelo autor de Das estampas: em sua diversidade temática, revela o cotidiano em seus detalhes pouco palpáveis. Nesse sentido: I - As marcas de subjetividade e a presença da função emotiva da linguagem encerram em Olhar vítreo uma singular percepção acerca da alteridade. II - Olhar vítreo pode ser compreendido como metáfora de um sentimento único vivido pelo narrador personagem em momento de angústia existencial. III - O olhar do outro, como forma de construção do ser, é temática recorrente em Das estampas. Assinale a alternativa que apresenta todos os itens corretos: A ( ) I e II. B ( ) I, II e III. C ( ) I e III. D ( ) II e III. TEXTO 4 Remédio?! Que mané remédio que nada, já fui dependente, venci o medo que leva ao vício. A cura está na disposição de dar o salto nas trevas, no mergulho interior. Depois de ter sido obrigada a renunciar ao Vítor pela segunda vez, pensei que talvez fosse sensato procurar refúgio na sabedoria, a genuína, aquela que nasce do sofrimento compreendido, aceito. Meu remédio, Aninha, é a solidão. A solidão positiva, porque vem da decisão. Se, durante esses anos todos de isolamento, eu não tivesse aprendido a me conhecer, a administrar meus sentimentos, de que teria me servido a reclusão? Já fui dada como louca completa, hoje deixaram pela metade, agora sou a velha meio louca. Não posso afirmar com toda certeza, mas acho que encontrei o troféu cobiçado pela humanidade: a paz. A paz possível para um temperamento arrebatado feito o meu. O sofrimento acabou. A paixão. Quanto ao amor, não sei o que dizer. O amor é calmo, é passivo, livre de arrebatamentos. Vítor é e será sempre minha lembrança mais querida. Talvez, Aninha, ainda seja muito cedo pra você compreender e, principalmente, aceitar que o desgaste, o desbotamento que leva à decomposição total é parte intrínseca das coisas. Tudo, tudo o que um dia existiu acaba em pó, sem que isso necessariamente resulte em sofrimento. Mudanças ocorrem em todos os segmentos da vida, quer queiramos quer não. O que ainda me incomoda espero que, depois da confissão, deixe de me aborrecer é a pira renitente do crime inconfesso. Falar não só com o rio, mas com alguém de carne, osso e defeitos feito a gente, ajuda. Lançar no impulso incontrolável do vômito as cinzas do que um dia foi vulcão. Vomitar a ira, a revolta. Tudo aquilo que apodreceu e continuava guardado dentro de mim. Foi para isso que eu a esperei. Sabia que você vinha. Desde que soube de seu casamento, tenho esperado sua vinda, tinha certeza de que a cobrança, o dedo em riste, viria de você. Temia não por mim, mas por você, tinha pena, sofria com a demora, mas a iniciativa só podia vir de sua parte, por isso esperei. Pena de mim?! a senhora é mesmo abusada, retruquei raivosa. Quer dizer que pra senhora eu não passo de uma pobre coitada, digna de piedade? (BARROS, Adelice da Silveira. Mesa dos inocentes. Goiânia: Kelps, p Adaptado.) QUESTÃO 09 O fragmento do Texto 4 tudo, tudo o que um dia existiu acaba em pó, sem que isso necessariamente resulte em sofrimento, no contexto em que aparece, refere-se mais especificamente (assinale a alternativa correta): A ( ) à presença de Aninha, que deveria ser aproveitada de forma intensa, uma vez que em breve ela não estaria mais lá. B ( ) à dependência química de remédios, vencida pela enunciadora e à vitória sobre o medo que leva ao vício. C ( ) aos anos de reclusão vividos pela narradora para conhecer a si mesma e para administrar melhor seus sentimentos. D ( ) ao fim da relação com Vítor, que resultou na compreensão de que a solidão é necessária para se encontrar a paz e preservar as lembranças. TEXTO 5 Coisas estúpidas acontecem, mas como aquela, da década de setenta, Rodolfo, que nem havia nascido, não havia visto ainda. Quanto mais ele estudava a recente história da Amazônia, mais indignado ficava. Levar terra sem homens para homens sem terra foi o começo da desgraça pra toda essa gente balbuciava, socando o ar com veemência. O presidente da época, Emílio Médici, em grandes poses, oferecia lotes da Amazônia a quem chegasse de outros cantos do país desempregados e sem terra, vindos do Nordeste, do Sudeste, ou a especuladores egressos especialmente do Espírito Santo, da Bahia, de Minas Gerais e do Sul. Todos sedentos por terra nova e de graça. A massa humana avançou pela fronteira da mata, os sonhos de riqueza fácil florescendo na cabeça.

6 6 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL Quem chegava primeiro? Os madeireiros, já capitalizados com a destruição quase completa da Mata Atlântica. Saqueavam toda a madeira que encontravam pela frente, verdadeiros gafanhotos famintos. Árvores milenares tombavam, as motosserras gemiam, os índios fugiam atônitos. Em seguida, queimado o que restava e acomodando os bois, os criadores de nelore entravam, semeando o capim, criando imensas cercas, com palanques e piquetes de madeira de lei. Peões e vaqueiros circulavam pelos povoados recém-formados, com botas e chapéus de couro, armados, sujos de terra, bebericando cachaça e olhando as meninas que circulavam pelas ruelas quase nuas. Aquilo parecia mais um faroeste verde. Depois, quando as pastagens enfraqueciam, as áreas davam lugar à agricultura intensiva. Veio, então, o reino da soja. Tratores e colheitadeiras urraram nos campos planos. Novos ricos circulavam em caminhonetes caras, com chapelões e música sertaneja para estourar os tímpanos. Havia outra estupidez: um quarto do território era de áreas griladas. Mais ou menos o equivalente da área da Itália. A grilagem passava pela corrupção de cartórios, pela conivência dos institutos de terras federais e estaduais e pela pistolagem. Bandidos enriqueceram e também andavam de caminhonetes, arrotando ganhos e novas posições sociais. Pistoleiros de aluguel não tinham vergonha de mostrar sua profissão. Todo mundo na região sabia de seu ofício. Os processos se amontoavam nos fóruns: uma única área era reivindicada por vários donos. Quem vencia a batalha? Quem tinha mais poder de fogo. Mas a coisa não parava por aí: depois de legalizar a terra, os grileiros, cada vez mais famintos, costumavam aumentar o seu tamanho. A cobiça crescia como se tivesse fermento. Por que não estender as divisas para além do horizonte? (GONÇALVES, David. Sangue verde. Joinville: Sucesso Pocket, p ) QUESTÃO 10 Uma das principais características do Texto 5 é a associação da descrição do processo de ocupação de uma região a um contexto histórico. Isso ocorre graças à descrição das reações de um personagem frente à leitura dos fatos e às atitudes tomadas pelos governantes da época, que culminavam em resultados desastrosos para o ambiente em questão. Acerca desse processo, analise as alternativas a seguir: I - O que se depreende do texto, bem como da história de ocupação da região amazônica, é a ocupação planejada, tendo em vista as várias formas de distribuição e, principalmente, dos tipos de uso. II - Embora pareça contraditória, a integração da região Amazônica às demais regiões brasileiras tem-se mostrado necessária, tendo em vista as constantes disputas territoriais que ocorrem no mundo. III - Após a intensificação da ocupação do Cerrado na década de 1980, o que se cogita atualmente é a transformação da região amazônica na próxima fronteira agrícola. IV - Entre os fatores que contribuem para a ocupação da região amazônica destacam-se o clima e o solo favoráveis à agricultura, bem como a proximidade dos grandes centros de consumo e distribuição. Dos itens apresentados, assinale a alternativa em que todos estão corretos: A ( ) I e II. B ( ) I, II e III. C ( ) II e III. D ( ) II, III e IV. QUESTÃO 11 No Texto 5, afirma-se que as terras griladas equivaliam à área do território da Itália. Sabe-se que a área da Itália é de km². Então, as terras griladas correspondem a (assinale a única alternativa correta): A ( ) hectares. B ( ) hectares. C ( ) hectares. D ( ) hectares. RASCUNHO RASCUNHO

7 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL 7 TEXTO 6 [...] Selminha (um pouco contagiada pelo medo) No vizinho! (com súbito desespero, agarrando o marido) Mas que piadinhas? Arandir (de costas para a mulher e com a voz nítida e vibrante) Eles me chamaram de viúvo! Selminha De quê? Arandir (com desesperado cinismo) Viúvo! Do rapaz que morreu! Entende? Você acha que depois disso? Selminha (atônita) E você? Arandir Eu? Selminha (fora de si) Você reagiu? Arandir Eu não podia! Eu não! Selminha (furiosa) Você devia lhe ter quebrado a cara! Arandir Até o chefe. Falou comigo, e olhava para mim. Estava espantado. Espantado. Eu tive a impressão. É um bom sujeito. Um homem de bem. Não sei, mas tive a impressão de que tinha nojo de mim, como se eu! Selminha (segurando-o com energia) Arandir! Arandir Querida! Selminha Como tua mulher, eu te peço. Você vai lá amanhã e quebra. Quebra mesmo! A cara do sujeito! Arandir Eu acho, entende? Acho que, nunca mais, em emprego nenhum. Acho que em todos os empregos, os caras vão me olhar como se. As mesmas piadinhas, em toda a parte. Selminha (frenética) Ao menos, responde! Arandir Senta comigo. Selminha É verdade que? Arandir Um beijo. Selminha (com surda irritação) Primeiro, responde. Preciso saber. O jornal botou que você beijou. Arandir Pensa em nós. Selminha Com outra mulher. Eu sou tua mulher. Você beijou na... Arandir (sôfrego) Eu te contei. Propriamente, eu não. Escuta. Quando eu me abaixei. O rapaz me pediu um beijo. Um beijo. Quase sem voz. E passou a mão por trás da minha cabeça, assim. E puxou. E, na agonia, ele me beijou. Selminha Na boca? Arandir Já respondi. Selminha (recuando) E por que é que você, ontem! Arandir Selminha. [...] (RODRIGUES, Nelson. O beijo no asfalto. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p ) QUESTÃO 12 Arandir e Selminha são duas personagens que, na trama (Texto 6), enfrentam grandes transformações. Embora seja uma esposa dedicada e amorosa, ela se sente insegura diante das notícias sobre o marido, o que encerra, na obra, a temática da dúvida. No excerto em estudo, isso fica evidenciado nos seguintes fragmentos selecionados: I - Selminha (fora de si) Você reagiu? Arandir Eu não podia! Eu não! Selminha (furiosa) Você devia lhe ter quebrado a cara! II - Selminha É verdade que? Arandir Um beijo. Selminha (com surda irritação) Primeiro, responde. Preciso saber. O jornal botou que você beijou. III - Selminha (recuando) E por que é que você, ontem! Arandir Selminha. Assinale o item que apresenta todas as respostas corretas: A ( ) I e II. B ( ) I, II e III. C ( ) I e III. D ( ) II e III. TEXTO 7 A vaca Numa noite de temporal, um navio naufragou ao largo da costa africana. Partiu-se ao meio, e foi ao fundo em menos de um minuto. Passageiros e tripulantes pereceram instantaneamente. Salvou-se apenas um marinheiro, projetado a distância no momento do desastre. Meio afogado, pois não era bom nadador, o marinheiro orava e despedia-se da vida, quando viu a seu lado, nadando com presteza e vigor, a vaca Carola. A vaca Carola tinha sido embarcada em Amsterdam. Excelente ventre, fora destinada a uma fazenda na América do Sul. Agarrado aos chifres da vaca, o marinheiro deixou-se conduzir; e assim, ao romper do dia, chegaram a uma ilhota arenosa, onde a vaca depositou o infeliz rapaz, lambendo-lhe o rosto até que ele acordasse. Notando que estava numa ilha deserta, o marinheiro rompeu em prantos: Ai de mim! Esta ilha está fora de todas as rotas! Nunca mais verei um ser humano!. Chorou muito, prostrado na areia, enquanto a vaca Carola fitava-o com os grandes olhos castanhos.

8 8 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL Finalmente, o jovem enxugou as lágrimas e pôs- -se de pé. Olhou ao redor: nada havia na ilha, a não ser rochas pontiagudas e umas poucas árvores raquíticas. Sentiu fome; chamou a vaca: Vem, Carola!, ordenhou-a e bebeu leite bom, quente e espumante. Sentiu-se melhor; sentou-se e ficou a olhar o oceano. Ai de mim gemia de vez em quando, mas já sem muita convicção; o leite fizera-lhe bem. Naquela noite dormiu abraçado à vaca. Foi um sono bom, cheio de sonhos reconfortantes; e quando acordou ali estava o ubre a lhe oferecer o leite abundante. Os dias foram passando e o rapaz cada vez mais se apegava à vaca. Vem, Carola! Ela vinha, obediente. Ele cortava um pedaço de carne tenra gostava muito de língua e devorava-o cru, ainda quente, o sangue escorrendo pelo queixo. A vaca nem mugia. Lambia as feridas, apenas. O marinheiro tinha sempre o cuidado de não ferir órgãos vitais; se tirava um pulmão, deixava o outro; comeu o baço, mas não o coração etc. Com pedaços de couro, o marinheiro fez roupas e sapatos e um toldo para abrigá-lo do sol e da chuva. Amputou a cauda de Carola e usava-a para espantar as moscas. Quando a carne começou a escassear, atrelou a vaca a um tosco arado, feito de galhos, e lavrou um pedaço de terra mais fértil, entre as árvores. Usou o excremento do animal como adubo. Como fosse escasso, triturou alguns ossos, para usá- -los como fertilizante. Semeou alguns grãos de milho, que tinham ficado nas cáries da dentadura de Carola. Logo, as plantinhas começaram a brotar e o rapaz sentiu renascer a esperança. Na festa de São João, comeu canjica. A primavera chegou. Durante a noite uma brisa suave soprava de lugares remotos, trazendo sutis aromas. Olhando as estrelas, o marinheiro suspirava. Uma noite, arrancou um dos olhos de Carola, misturou-o com água do mar e engoliu esta leve massa. Teve visões voluptuosas, como nenhum mortal jamais experimentou... Transportado de desejo, aproximou-se da vaca... E ainda desta vez, foi Carola quem lhe valeu. [ ] (SCLIAR, Moacyr. Melhores contos. Seleção de Regina Zilbermann. São Paulo: Global, p ) QUESTÃO 13 [...] Sentiu fome; chamou a vaca: Vem, Carola!, ordenhou-a e bebeu leite bom, quente e espumante.[...] (fragmento do Texto 7). Entre as diversas substâncias químicas presentes no leite de vaca, encontram-se: caseína, albuminas e globulinas. Tais compostos são biomoléculas formadas pela união de grande quantidade de aminoácidos. Com base nessas informações, assinale a única alternativa correta: A ( ) O grupo básico de um aminoácido é capaz de doar H +. B ( ) Os chamados aminoácidos essenciais se unem por ligações glicosídicas para formar as moléculas de proteína. C ( ) Caseína, albuminas e globulinas são exemplos de proteínas que têm função de transporte de oxigênio para as células. D ( ) Ao ferver uma amostra de leite com excesso de acidez, dá-se a coagulação, devido ao processo de desnaturação proteica. QUESTÃO 14 Which of these statements is correct according to Text 7? A ( ) The ship split in two and sank in one minute. B ( ) All passengers and crew perished in the accident. C ( ) Carola and the sailor helped each other all the time. D ( ) Carola was able to help the sailor in all his needs. QUESTÃO 14 En el texto de Scliar, se encuentran diversos sintagmas en el plural, algunos con apenas un sustantivo, otros con sustantivo y determinante, otros con sustantivo y adjetivos y otros con los tres elementos juntos. Sobre las reglas de formación de plural en español, es correcto afirmar que (señale la alternativa correcta): A ( ) en los sustantivos, se forma el plural añadiéndose el sufijo -s ; en los adjetivos, el sufijo pasa a ser -es y los determinantes conservan en el plural la misma forma del singular. B ( ) cualquier vocablo, independientemente de su categoría gramatical, puede ser pluralizado, bastando para eso la añadidura del sufijo -s. C ( ) hay dos sufijos para formar el plural de los sustantivos y adjetivos: -s y -es. Además, hay la posibilidad de que algunas palabras permanezcan invariables. D ( ) las palabras terminadas en n, s o vocal hacen plural con el sufijo -s y las terminadas en consonante, excepto n y s, reciben el sufijo -es en su pluralización. RASCUNHO

9 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL 9 QUESTÃO 15 Uma passagem do Texto 7 diz: Esta ilha está fora de todas as rotas. A determinação de uma rota pode ser feita através de uma soma de vetores. Na figura a seguir, temos, destacado em um mapa de parte da cidade de Goiânia, um trecho da rota da linha de ônibus 015 (Terminal Praça A/Flamboyant - Via Terminal Isidória), compreendido entre o ponto da Avenida T-63, de frente para a Rua 1.034, no Setor Pedro Ludovico, e a Praça Santos, no Jardim América, com um comprimento total de 4,2 km. Também se destaca um segmento reto, traçado entre os extremos desse trecho da rota, com comprimento total de 3,2 km. Supondo-se que houvesse um túnel ligando diretamente esses dois pontos, formando um trajeto hipotético, teríamos: I - Se um ônibus dessa linha percorrer o trecho do trajeto real em 16 minutos, então o módulo da velocidade escalar média será igual a 15,75 km/h e o módulo da velocidade vetorial média será igual a 12 km/h. II - Se o ônibus se deslocar a uma velocidade escalar média de 15,75 km/h no túnel, o tempo total desse percurso será algo entre 12 min 06 s e 12 min 16 s. III - Se o ônibus partir do ponto da Rua 1.034, seguindo até a Praça Santos, pelo seu trajeto real, e retornar ao ponto de partida pelo túnel hipotético, o módulo da velocidade vetorial média será igual a zero. IV - Se o ônibus partir do ponto da Rua 1.034, seguindo até a Praça Santos pelo seu trajeto real, e retornar a esse ponto pelo túnel hipotético com velocidade escalar média de 15,75 km/h, o tempo total do percurso será algo entre 38 min 10 s e 38 min 13 s. Com base nas sentenças anteriores, marque a alternativa em que todos os itens estão corretos: A ( ) I, II e III. B ( ) I, II e IV. C ( ) I, III e IV. D ( ) II, III e IV. Fonte: Google Maps QUESTÃO 16 No Texto 7, a vaca Carola vinha de Amsterdam para a América do Sul. No século XVII, esse roteiro foi feito continuamente por homens e mulheres que vieram se estabelecer no Nordeste brasileiro. Os holandeses dominaram inicialmente a Bahia, por um período curto, e depois estabeleceram a capital de seus domínios em Recife. Acerca da guerra para expulsá-los da América portuguesa, indique a alternativa que está historicamente correta: A ( ) Os portugueses logo organizaram um poderoso exército, ao qual se somaram grupos oriundos de diversos estados brasileiros. Os holandeses não tiveram apoio dos espanhóis, que colonizavam os demais países da América Latina, e essa guerra durou um quarto de século. B ( ) No conflito contra os holandeses, o motivo religioso foi importante para mobilizar forças militares. Têm destaque, inclusive, os sermões do Padre Antonio Vieira contra aqueles flamengos hereges que haviam tomado injustamente terras e igrejas pertencentes aos católicos lusitanos. C ( ) Os portugueses tentaram resolver o conflito por meio da diplomacia, mas depois de quase duas décadas de negociação infrutífera, optaram por invadir militarmente o Nordeste e reconquistar o Recife, o que ocorreu de maneira rápida. D ( ) A questão econômica foi importante para que os brasileiros não guerreassem diretamente com os holandeses. Contudo, quando estes quiseram impedir a escravidão dos negros, uma ampla rebelião se formou, terminando na expulsão definitiva dos flamengos da América do Sul.

10 10 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL QUESTÃO 17 Com o couro da vaca (Texto 7), nosso personagem fez um toldo para se proteger. Supondo-se que esse toldo tenha a forma de uma calota esférica de 0,4 m de raio e 0,2 m de altura, nessas condições, a área do toldo em questão seria de (assinale a única resposta correta): A ( ) 0,2π. B ( ) 0,3π. C ( ) 0,4π. D ( ) 0,5π. QUESTÃO 18 O Texto 7 narra uma história na qual um dos protagonistas é a vaca Carola. Os bovinos são mamíferos herbívoros que desempenham importante papel como fonte de alimento. Sobre os bovinos, marque a alternativa correta: A ( ) São denominados monogástricos por apresentarem estômago com uma única cavidade rica em bactérias que auxiliam a digestão de nutrientes das pastagens. B ( ) Apresentam um sistema enzimático próprio, secretor de celulase, importante na digestão da celulose. C ( ) O olfato dos ruminantes não desempenha qualquer papel na reprodução, uma vez que a fêmea não produz secreções indicativas do seu período de fertilidade D ( ) Os ruminantes constituem uma peça importante na cadeia alimentar dos ecossistemas em que vivem, pois regulam o crescimento da vegetação nas amplas planícies herbáceas que frequentam e servem de alimento para considerável número de predadores. TEXTO 8 Capítulo CXCIX Capítulos CXCIX-CCI Foi a comadre do Rubião que o agasalhou e mais ao cachorro, vendo-os passar defronte da porta. Rubião conheceu-a, aceitou o abrigo e o almoço. Mas que é isso, seu compadre? Como foi que chegou assim? Sua roupa está toda molhada. Vou dar-lhe umas calças de meu sobrinho. Rubião tinha febre. Comeu pouco e sem vontade. A comadre pediu-lhe contas da vida que passara na Corte, ao que ele respondeu que levaria muito tempo, e só a posteridade a acabaria. Os sobrinhos de seu sobrinho, concluiu ele magnificamente, é que hão de ver-me em toda a minha glória. Começou, porém, um resumo. No fim de dez minutos, a comadre não entendia nada, tão desconcertados eram os fatos e os conceitos; mais cinco minutos, entrou a sentir medo. Quando os minutos chegaram a vinte, pediu licença e foi a uma vizinha dizer que Rubião parecia ter virado o juízo. Voltou com ela e um irmão, que se demorou pouco tempo e saiu a espalhar a nova. Vieram vindo outras pessoas, às duas e às quatro, e, antes de uma hora, muita gente espiava da rua. Ao vencedor, as batatas! bradava Rubião aos curiosos. Aqui estou imperador! Ao vencedor, as batatas! Esta palavra obscura e incompleta era repetida na rua, examinada, sem que lhe dessem com o sentido. Alguns antigos desafetos do Rubião iam entrando, sem cerimônia, para gozá-lo melhor; e diziam à comadre que não lhe convinha ficar com um doido em casa, era perigoso; devia mandá-lo para a cadeia, até que a autoridade o remetesse para outra parte. Pessoa mais compassiva lembrou a conveniência de chamar o doutor. Doutor para quê? acudiu um dos primeiros. Este homem está maluco. Talvez seja delírio de febre; já viu como está quente? Angélica, animada por tantas pessoas, tomou- -lhe o pulso, e achou-o febril. Mandou vir o médico, o mesmo que tratara o finado Quincas Borba. Rubião conheceu-o também; e respondeu-lhe que não era nada. Capturara o rei da Prússia, não sabendo ainda se o mandaria fuzilar ou não; era certo, porém, que exigiria uma indenização pecuniária enorme, cinco bilhões de francos. Ao vencedor, as batatas! concluiu rindo. Capítulo CC Poucos dias depois morreu... Não morreu súbdito nem vencido. Antes de principiar a agonia, que foi curta, pôs a coroa na cabeça, uma coroa que não era, ao menos, um chapéu velho ou uma bacia, onde os espectadores palpassem a ilusão. Não, senhor; ele pegou em nada, levantou nada e cingiu nada; só ele via a insígnia imperial, pesada de ouro, rútila de brilhantes e outras pedras preciosas. O esforço que fizera para erguer meio corpo não durou muito; o corpo caiu outra vez; o rosto conservou porventura uma expressão gloriosa. Guardem a minha coroa, murmurou. Ao vencedor... A cara ficou séria, porque a morte é séria; dois minutos de agonia, um trejeito horrível, e estava assinada a abdicação. Capítulo CCI Queria dizer aqui o fim do Quincas Borba, que adoeceu também, ganiu infinitamente, fugiu desvairado em busca do dono, e amanheceu morto na rua, três dias depois. Mas, vendo a morte do cão narrada em capítulo especial, é possível que me perguntes se

11 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL 11 ele, se o seu defunto homônimo é que dá o título ao livro, e por que antes um que outro, questão prenhe de questões, que nos levariam longe... Eia! chora os dois recentes mortos, se tens lágrimas. Se só tens riso ri-te! É a mesma coisa. O Cruzeiro, que a linda Sofia não quis fitar, como lhe pedia Rubião, está assaz alto para não discernir os risos e as lágrimas dos homens. (ASSIS, Machado de. Quincas Borba. São Paulo: Ática, p ) QUESTÃO 19 In Text 8, we are able to note various direct and indirect references to the mental instability of Rubião. Read the following passage on the presence of mentally unstable or mad characters present in many works of literature, then answer the question below: Writers endow their characters with strange behaviors for a variety of reasons. The creative artist has frequently examined contradictory motivations, inner unrest and the highly emotional impulses of mankind. Pathological experience has long obsessed writers. Some characters like Hamlet, Antigone, the Underground Man, Gregor Samsa and Edna Pontellier of Kate Chopin s The Awakening were defined as mad by their own cultural milieu. Some writers like Poe, Dostoyevsky, Browning and Beckett have adopted an abnormal voice and experimented with mad monologues. Since characters are sometimes considered mad, some readers, by means of the autobiographical fallacy, assume that artists are also demented. There are at least three ways in which mad characters can operate in a literary milieu. First, a character can become mad, like an Ophelia, Lady Macbeth, King Lear [ ] Second, non-conformist characters can rebel against a restrictive society by either appearing to be mad or actually going mad [ ] Third, characters can also experience a kind of anomie in which society seems intent on crushing their personalities, which results in the separation from the human community, as experienced by the woman narrator of Charlotte Perkins Gilman s short story, The Yellow Wallpaper, by Emma in Flaubert s Madame Bovary or by Hamlet. (Rieger, Branimir M. Dionysus in literature: essays on literary madness. Ohio: Bowling Green State University Popular Press, p. 7-8.) In the above text, Branimir Rieger uses the terms cultural milieu and literary milieu when describing literature and literary characters that are labeled as mad. The following terms are possible synonyms for milieu : I - Surroundings. II - History. III - Setting. IV - Environment. From the following options, choose the one in which all of the words are synonyms for the term milieu : A ( ) I and II. B ( ) I and III. C ( ) I, III and IV. D ( ) II and IV. QUESTÃO 19 Observe las palabras relacionadas a los campos semánticos de familiares y de amistad, sacadas del fragmento del texto de Quincas Borba: comadre, compadre, sobrinho, vizinha, irmão. Señale, a seguir, la opción que presenta tales palabras traducidas correctamente al español: A ( ) comadre, compadre, sobrino, vecina, hermano. B ( ) conmadre, compadre, sobriño, viciña, irmano. C ( ) conmadre, compadre, subrino, veciña, hirmano. D ( ) comadre, compadre, sobriño, vicina, ermano. QUESTÃO 20 No trecho do Texto 8, Talvez seja delírio de febre; já viu como está quente?, temos referência à temperatura de uma pessoa. Na Física, a temperatura de um corpo pode estar relacionada à transformação de energia elétrica em térmica por meio de circuitos elétricos. Analise os itens a seguir: I - Um chuveiro com potência de 4000 W ligado durante 30 minutos consome uma energia elétrica de 2 kwh. II - Uma lâmpada com potência de 40 W ligada em uma tensão elétrica de 220 V será percorrida por uma corrente elétrica de 5,5 A. III - Aumentando o fluxo de água que passa por um chuveiro, podemos diminuir a temperatura da água; portanto, o consumo de energia elétrica no chuveiro diminui quando aumentamos o fluxo de água que passa por ele. Considere que a resistência do chuveiro e a tensão elétrica permaneçam constantes durante a variação do fluxo de água. IV - A potência de um chuveiro elétrico depende do valor de sua resistência. Para diminuir a potência do chuveiro devemos aumentar o valor de sua resistência. Considere que a tensão elétrica e o fluxo de água permanecem constantes. Assinale a alternativa em que todos os itens são corretos: A ( ) I e II. B ( ) I e IV. C ( ) II e III. D ( ) III e IV. RASCUNHO

12 12 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL

13 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL 13 Redação EM LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES GERAIS Há, a seguir, duas propostas de produção de texto escrito, a partir da concepção de gêneros textuais. Escolha uma delas e desenvolva o seu texto, em prosa, observando atentamente as orientações que acompanham cada proposta. Você deverá se valer das ideias presentes na coletânea desta Prova de Redação (mas sem fazer cópia), bem como de seu conhecimento de mundo e dos fatos da atualidade. Observe que cada proposta se direciona para um gênero específico de texto (artigo de opinião e carta argumentativa). Sua Prova de Redação deverá ter no máximo 30 linhas. Se a sua redação não corresponder ao gênero textual exigido, ela será penalizada. Você pode utilizar o espaço destinado para rascunho, mas, ao final, deve transcrever o texto para a folha definitiva da Prova de Redação em Língua Portuguesa no local apropriado, pois não serão avaliados fragmentos de texto escritos em locais indevidos. ATENÇÃO Esta prova receberá pontuação ZERO caso a redação apresente: Fuga ao tema; Extensão inferior a sete linhas (incluindo o título); Transcrição para a folha definitiva a lápis; Letra ilegível/incompreensível; Problemas sistemáticos e graves de domínio da norma padrão ou total comprometimento na produção de sentido do texto; Sinais inequívocos de que seja cópia da coletânea apresentada ou de outros textos, exceto se usados como recurso de intertextualidade; Outra identificação do candidato, senão a codificada, previamente impressa na prova; Presença de marcas ou sinais que possam levar à identificação do candidato: nome; prenome; sobrenome; denominação genérica (O Editor, Leitor, Seu fã etc.); apelido; pseudônimo; codinome; rubrica; patronímico; heterônimo; alcunha; epíteto; vulgo; vocatório; cognome; agnome; siglas e/ou formas gráficas de sinalização: números; letras; símbolos; cores; manchas etc. Coletânea TEXTO 1 A escassez de água no Brasil e sua distribuição no mundo Leonardo Boff A atual situação de grave escassez de água potável, afetando boa parte do Sudeste brasileiro, onde se situam grandes cidades, como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, nos obriga, como nunca antes, a repensar a questão da água e a desenvolver uma cultura do cuidado, acolitado por seus famosos erres (r): reduzir, reusar, reciclar, respeitar e reflorestar. Nenhuma questão hoje é mais importante do que a da água. Dela depende a sobrevivência de toda a cadeia da vida e, consequentemente, o nosso próprio futuro. Ela pode ser motivo de guerra como de solidariedade social e cooperação entre os povos. Especialistas e grupos humanistas já sugeriram um pacto social mundial ao redor daquilo que é vital para todos: a água. Ao redor da água se criaria um consenso mínimo entre todos, povos e governos, em vista de um bem comum, nosso e do sistema- -vida. Independentemente das discussões que cercam o tema da água, podemos fazer uma afirmação segura e indiscutível: a água é um bem natural, vital, insubstituível e comum. Nenhum ser vivo, humano ou não humano, pode viver sem a água. A ONU, no dia 21 de julho de 2010, aprovou esta resolução: a água potável e segura e o saneamento básico constituem um direito humano essencial. Consideremos rapidamente os dados básicos sobre a água no planeta Terra: ela já existe há 500 milhões de anos; 97,5% são águas dos mares e oceanos, e são salgadas. Somente 2,5% são doces. Mais de 2/3 dessas águas doces encontram-se nas calotas polares e geleiras e no cume das montanhas (68,9%); quase todo o restante (29,9%) são águas subterrâneas. Sobram 0,9% nos pântanos e apenas 0,3% nos rios e lagos. Destes 0,3%, 70% se destina à irrigação na agricultura, 20% à indústria e sobram apenas 10% destes 0,3% para uso humano e dessedentação dos animais. [...] A renovação das águas é da ordem de 43 mil quilômetros cúbicos por ano, enquanto o consumo total é estimado em 6 mil quilômetros cúbicos por ano. Portanto, não há falta de água. O problema é que ela se encontra desigualmente distribuída: 60% em apenas nove países, enquanto 80 outros enfrentam escassez. Pouco menos de um bilhão de pessoas consome 86% da água existente, enquanto para 1,4 bilhões, ela é insuficiente (em 2020 serão três bilhões) e para dois bilhões, não é tratada, o que gera 85% das doenças, segundo a OMS. Presume-se que em 2032 cerca de 5 bilhões de pessoas serão afetadas pela escassez de água.

14 14 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL O Brasil é a potência natural das águas, com 12% de toda água doce do planeta, perfazendo 5,4 trilhões de metros cúbicos. Mas é desigualmente distribuída: 72% na região amazônica, 16% no Centro-Oeste, 8% no Sul e no Sudeste e 4% no Nordeste. Apesar da abundância, não sabemos usar a água, pois 37% da tratada é desperdiçada, o que daria para abastecer toda a França, a Bélgica, a Suíça e o Norte da Itália. É urgente, portanto, um novo padrão cultural em relação a esse bem tão essencial [...]. [...] Há uma corrida mundial para privatização da água. Aí, surgem grandes empresas multinacionais como as francesas Vivendi e Suez-Lyonnaise, a alemã RWE, a inglesa Thames Water e a americana Bechtel. Criou-se um mercado das águas que envolve mais de 100 bilhões de dólares. Aí estão fortemente presentes na comercialização de água mineral a Nestlé e a Coca-Cola, que estão buscando comprar fontes de água por toda parte no mundo, inclusive no Brasil. Mas há também fortes reações das populações, como ocorreu no ano 2000, em Cochabamba, na Bolívia. A empresa América Bechtel comprou as águas e elevou os preços em 35%. A reação organizada da população botou a empresa para correr do país. O grande debate hoje se trava nestes termos: A água é fonte de vida, ou fonte de lucro? A água é um bem natural, vital, comum e insubstituível, ou um bem econômico a ser tratado como recurso hídrico e cotizado nas bolsas do mercado? Ambas as dimensões não se excluem, mas devem ser retamente relacionadas. Fundamentalmente, a água pertence ao direito à vida, como insiste o grande especialista em águas Ricardo Petrella (O Manifesto da Água, Vozes, 2002). Nesse sentido, a água de beber, para uso na alimentação e para higiene pessoal e dessedentação dos animais deve ser gratuita. Como, porém, ela é escassa e demanda uma complexa estrutura de captação, conservação, tratamento e distribuição, implica uma inegável dimensão econômica. Esta, entretanto, não deve prevalecer sobre a outra; ao contrário, deve torná-la acessível a todos. Mesmo os altos custos econômicos devem ser cobertos pelo Poder Publico. Não há espaço para discutir as causas da atual seca. [...] Uma fome zero mundial, prevista pelas Metas do Milênio da ONU, deve incluir a sede zero, pois não há alimento que possa existir e ser consumido sem água. A água é vida, geradora de vida e um dos símbolos mais poderosos da natureza da Última Realidade. Sem ela não viveríamos. (BOFF, Leonardo. A escassez da água no Brasil e sua distribuição no mundo. Jornal do Brasil. 9 fev Disponível em: noticias/2015/02/09/a-escassez-de-agua-no-brasil-e-sua- -distribuicao-no-mundo. Acesso em 18 fev Adaptado.) TEXTO 2 Crise da água? Eureca! Ana Paula Padrão Alguém aí tem alguma ideia de quanto a Sabesp desperdiça em água no caminho entre os reservatórios e a sua casa? Só em 2013 foram 31,2%! Isso significa que de cada 100 litros de água que saíram das represas de São Paulo, apenas 70 chegaram às nossas torneiras! Essa conta não é minha, é da Agência Reguladora de Saneamento e Energia de São Paulo (Arsesp). E por acaso você sabia que há pelo menos uma década a Sabesp tem informações precisas de que a demanda por água na região metropolitana de São Paulo cresce muito mais do que a capacidade do Sistema Integrado de Abastecimento, que opera oito sistemas de produção? E que para atender os 20 milhões de consumidores seria necessário aumentar em pelo menos 500 litros por segundo ao ano essa entrega de água? Esses números também não foram calculados por mim. Eles são da Seade, a Fundação Estadual de Análise de Dados. Se há tanto desperdício na distribuição e se há anos se produz menos água do que a demanda efetiva da população, você sabe por que não se faz, já há bastante tempo, uma campanha de conscientização para reduzir o consumo na região metropolitana de São Paulo? A conclusão, essa sim, é minha mas poderia ser de qualquer um dos senhores leitores: a Sabesp é uma empresa de economia mista, com ações negociadas em bolsa. Do ponto de vista de resultados, portanto, menos consumo significa faturamento menor e consequentemente menor lucratividade e piores balanços financeiros para a empresa. Eureca! Agora estamos aqui, comprando galões de água por R$10, tomando banhos cronometrados de dois minutos e ainda assim sob a iminência de um racionamento radical. Imaginem a situação de uma indústria que depende de água para produzir e da venda da produção para pagar seus funcionários. Imagine os restaurantes obrigados a comprar água de caminhões-pipa para não fechar as portas. Todo mundo defende que não se deveria usar detergente em excesso nem jogar óleo na pia para não prejudicar o reúso, que não se deveria deixar a torneira aberta ou lavar as calçadas etc., etc. Ok, faz todo sentido ter cidadãos conscientes dos excessos no consumo de água. Mas cada um desses cidadãos, constantemente patrulhado para economizar o líquido precioso e permanentemente bombardeado diante de qualquer deslize no tema, tem o direito de perguntar: por que as ocupações em áreas de mananciais não foram controladas no Estado de São Paulo? Por que há tanto despejo de esgoto in natura em córregos e rios? Por que não há um planejamento urbano mínimo? Por que tudo o que poderia nos poupar do vexame das torneiras estéreis não foi planejado há tempo e de maneira eficiente pelo poder público, que dispunha de todas as informações necessárias, mas

15 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL 15 parece ter feito pouco mais do que rezar para que as chuvas continuassem em ritmo abundante? E se assim é, gostaria de pelo menos botar os pingos nos is. Se falta água, a culpa não é apenas da falta de chuvas. A culpa não é unicamente do excesso de calor. E, muito menos ainda, a culpa não é minha. Nem sua. Nem de nenhum de nós que está fazendo o possível para reduzir o gasto de água. A culpa, enfim, não é de quem consome o que precisa e paga por isso. TEXTO 3 (PADRÃO, Ana Paula. Crise da água? Eureca! Istoé. n , p. 74, 11 fev Adaptado.) O problema não é só falta de chuva Milton Correia Jr. e Ricardo Arnt A grande seca que assola o Sudeste do País, a mais severa dos últimos 50 anos, reduziu a 15% a capacidade do reservatório Cantareira, o maior do sistema de abastecimento da região metropolitana de São Paulo, responsável por 47% da água consumida pela população. [...] São Paulo virou o exemplo da crise de abastecimento no Brasil país que detém 12% da água de superfície do planeta. Medidas emergenciais não serão suficientes para superar o cenário de escassez diante de um aumento permanente da demanda. O alerta já foi dado há tempo. Benedito Braga, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e presidente do Conselho Mundial da Água, lamenta que na crise de 2004, quando os reservatórios caíram a 20%, a cidade não tenha se engajado num programa de economia de água. Nos últimos 15 anos o sistema vem recebendo menos água dos rios da sua bacia, e não consegue se recuperar. Entretanto, depois que a crise passa, todo mundo esquece. Quando começa a chover, o risco de desabastecimento é posto de lado e todos voltam a gastar água de forma inconsequente. Marcelo Nakagawa, professor do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), ressalta que estamos acostumados com o uso da água em abundância porque pagamos pouco por ela. Toda mudança de hábito só ocorre a partir de uma crise aguda. Para evitar o trauma numa conjuntura de complicações climáticas crescentes, o consumo deveria ser reduzido em até 50%, induzido por campanhas de mídia e por uma legislação que aplicasse multas para desperdício. A mentalidade de que o Brasil é um país com fontes naturais inesgotáveis precisa ser mudada, pois a ampliação permanente da oferta e a água tratada custam caro. A última grande ampliação do abastecimento em São Paulo foi feita em 1993, com a implantação dos reservatórios do Sistema Alto Tietê. A próxima, a do Sistema São Lourenço, só estará pronta 25 anos depois, em 2018, e custará R$ 2,2 bilhões. Desperdício espaçoso Na cabeça dos brasileiros, seca só acontece no Semiárido nordestino. A seca no Sudeste evidencia o limite do uso do recurso, nas cidades onde o crescimento populacional e industrial não é acompanhado pelo aumento da oferta de água tratada. Dados da ONU mostram que o uso da água cresceu a uma taxa duas vezes maior do que o aumento da população ao longo do último século. Enquanto a população global evoluirá dos atuais 7 bilhões para 9 bilhões em 2030, até 2025 o gasto de água deverá ser elevado em cerca de 50% nos países em desenvolvimento, e em 18% nos países desenvolvidos. Ainda existem 780 milhões de pessoas no mundo sem acesso a água potável. E até 2025, 2 milhões viverão em regiões com absoluta escassez. Como muitos já sabem, 70% da água disponível no planeta é utilizada para irrigação. No Brasil, o índice chega a 72%, com uma área irrigável de 29,6 milhões de hectares. Mas de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), quase 60% da água em projetos de irrigação é perdida por fenômenos como a evaporação. Uma redução de 10% no desperdício já poderia abastecer o dobro da população atual. O que poucos sabem é que o Brasil é um caso desastroso de desperdício agrícola, uma das maiores ineficiências na irrigação, diz Giulio Boccaletti, autor do relatório Charting Our Water Future, publicado pela International Finance Corporation. O Brasil gasta 14,5 milhões de metros cúbicos de água para cada mil hectares irrigados, muito mais do que a Índia, a África do Sul e a China. Só 11% das terras irrigadas brasileiras usam tecnologias eficientes, diz o especialista. O crescimento das cidades está engolindo os mananciais e poluindo as águas tanto de superfície quanto subterrâneas. Na imensa maioria dos municípios brasileiros com menos de 50 mil habitantes, os sistemas de abastecimento são precários, ressalta Sérgio Ayrimoraes, coordenador do Atlas Brasil de Abastecimento Urbano de Água. Cerca de 73% dos municípios são abastecidos por águas superficiais sujeitas a todo tipo de poluentes. Soluções práticas Não é possível depender só das chuvas. É preciso recarregar as bacias hidrográficas e implementar programas de proteção às nascentes. O planejamento tem que anteceder a crise, diz Frederico Fábio Maud, professor da Escola de Engenharia da USP de São Carlos, Temos tecnologia avançada e técnicos. A questão é de prioridade pública. Vemos o crescimento econômico da cidade e da população, mas não vemos medidas que deveriam ser tomadas sempre, não durante crises. O racionamento é o pior e último recurso. Significa que tudo o que foi planejado e feito deu errado, critica. Para especialistas estrangeiros, como Giulio Boccaletti, a solução requer o amadurecimento da sociedade. Há três campos de ação. Primeiro, é preciso fomentar

16 16 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL a economia no uso, usando incentivos e taxação para reduzir o desperdício de água. Em segundo lugar, é preciso expandir a produção de água de reúso industrial, como faz o Projeto Aquapolo, da Sabesp e da Odebrecht Ambiental, que converte água de esgoto do rio Tietê em insumo para as indústrias do polo petroquímico de Capuava, em Mauá. No Rio de Janeiro, a Estação de Tratamento de Alegria, da Companhia Estadual de Águas, Cedae, também vai converter esgoto em água de reúso para abastecer as obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, e a reurbanização do Porto Maravilha. O uso de água reciclada aumenta a disponibilidade de água tratada para o consumo da população e gera lucros para as empresas. Um terceiro foco de atuação é reduzir as perdas por vazamento nas redes. Em todos os estados há desperdício. [...] Em média, o país perde 37,57% da água que circula pelas redes. Se essas perdas fossem reduzidas, não se cogitaria em racionamento. (CORREIA JR, Milton; ARNT, Ricardo. O problema não é só falta de chuva. Revista Planeta. Ano 42, n. 497, p , abril de Adaptado.) TEXTO 4 PROPOSTA 1 ARTIGO DE OPINIÃO Artigo de opinião é um gênero do discurso argumentativo em que o autor expressa a sua opinião sobre determinado tema, deixando bem marcada uma argumentação que sustente a defesa do ponto de vista apresentado. Imagine que você é articulista de uma revista de circulação nacional que está discutindo a polêmica da crise de água no Brasil. Escreva um artigo de opinião sobre o tema: Água: fonte de vida ou de lucro? em que apresente o seu ponto de vista. Você deverá usar argumentos convincentes e persuasivos. Não se identifique no texto PROPOSTA 2 CARTA ARGUMENTATIVA A carta argumentativa é um gênero textual que permite ao cidadão se manifestar em relação aos problemas sociais. Possui como característica fundamental a persuasão, dada a intenção de o emissor convencer o interlocutor (normalmente uma pessoa responsável ou uma autoridade) a tomar uma atitude para tentar solucionar um determinado problema. Imagine que você seja presidente da associação de moradores de seu bairro, que está enfrentando o racionamento de água. Na tentativa de resolver o problema, você resolve se manifestar perante as autoridades sobre o tema Água: fonte de vida ou fonte de lucro? Como representante de seus vizinhos, posicione-se sobre o assunto e escreva uma carta argumentativa que será enviada ao Presidente da Companhia Estadual de Recursos Hídricos, apresentando o seu ponto de vista. Considere as marcas de interlocução peculiares ao gênero carta na construção do seu texto e apresente argumentos convincentes. Utilize a coletânea e seus conhecimentos prévios sobre o tema. Não identifique o remetente da carta (NANI. Crise hídrica. 23 jan Disponível em: html. Acesso em: 18 fev )

17 RASCUNHO - Redação EM LÍNGUA PORTUGUESA

18 18 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL

19 PROCESSO SELETIVO 2015/2 - SOCIAL 19

20

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira Aluno: Camila Aparecida Pinto Serie: 7º ano A política brasileira Na política brasileira, existe uma grande chaga aberta e crescente já se tornou grande praga. Doença maldita, domina e contamina a toda

Leia mais

Nome: N.º: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs

Nome: N.º: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 6 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões 1 e 2. PLANETA sustentável QUANTO SE GASTA DE ÁGUA

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor da prova: 2.0 Nota: Data: / /2015 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 6º 4º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Violeiro afina a viola Começando a cantoria Faz ferver sua cachola Ferver do povo a alegria

Violeiro afina a viola Começando a cantoria Faz ferver sua cachola Ferver do povo a alegria Violeiro afina a viola Começando a cantoria Faz ferver sua cachola Ferver do povo a alegria A história que eu vou contar É verdadeira, acontecida Não é preciso pensar Por nada nada da vida O tema cantado

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso Água do Espírito De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso EXISTE O DEUS PODEROSO QUE DESFAZ TODO LAÇO DO MAL QUEBRA A LANÇA E LIBERTA O CATIVO ELE MESMO ASSIM FARÁ JESUS RIO DE ÁGUAS LIMPAS QUE NASCE

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa 2013. Ano: 6 Turma: 61

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa 2013. Ano: 6 Turma: 61 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: Ciências Professor (a): Felipe Cesar Ano: 6 Turma: 61 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e 1 Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de dizer

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

QUESTÃO 1 Nessa charge, o autor usou três pontos de exclamação, na fala da personagem, para reforçar o sentimento de

QUESTÃO 1 Nessa charge, o autor usou três pontos de exclamação, na fala da personagem, para reforçar o sentimento de Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português desafio nota: Texto para a questão 1. (Disponível em: )

Leia mais

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente De entre todas as coisas que podem entupir os canos lá em casa, um mamífero do Ártico com excesso de peso é provavelmente a pior. Isto porque, embora

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org Evangelhos 1. Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 5, 1-12a) ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-se. Rodearam-n O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

Encontros de vida que se faz vivendo.

Encontros de vida que se faz vivendo. Encontros de vida que se faz vivendo. Thatiane Veiga Siqueira 1 A menina do coração de chocolate. Juliana tem nove anos, é uma menina de olhos esbugalhados, com sorriso fácil, ao primeiro olhar já se vê

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana:

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: 9º Plano de aula 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: Enraizando e criando raiz (CD-Visualização Criativa faixa 2) 3-História da semana: Persistência X

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Músicos, Ministros de Cura e Libertação

Músicos, Ministros de Cura e Libertação Músicos, Ministros de Cura e Libertação João Paulo Rodrigues Ferreira Introdução Caros irmãos e irmãs; escrevo para vocês não somente para passar instruções, mas também partilhar um pouco da minha experiência

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

1º Plano de Aula. 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão

1º Plano de Aula. 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão 1º Plano de Aula 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão 3- História Perdoar Sempre 4- Música Uma Luz Dentro de mim. Vol:

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Introdução. Observando o ambiente

Introdução. Observando o ambiente Introdução A curiosidade natural do homem, o leva a explorar o ambiente que o cerca, observando, analisando, realizando experiências, procurando saber o porquê das coisas. Nesta atividade, exploradora

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda)

eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda) eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda) propósito Viver pouco mas viver muito Ser todo o pensamento Toda a esperança Toda a alegria ou angústia mas ser Nunca morrer enquanto

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Vamos fazer um mundo melhor?

Vamos fazer um mundo melhor? Vamos fazer um mundo melhor? infanto-junvenil No mundo em que vivemos há quase 9 milhões de espécies de seres vivos, que andam, voam, nadam, vivem sobre a terra ou nos oceanos, são minúsculos ou enormes.

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos:

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos: A UU L AL A Cerrado e caatinga Compare estas duas fotos: cerrado caatinga Observando as duas figuras, a característica que mais nos chama a atenção é que os dois ambientes parecem muito secos. Nesta aula,

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

Vai ao encontro! de quem mais precisa!

Vai ao encontro! de quem mais precisa! Vai ao encontro! 2ª feira, 05 de outubro: Dos mais pobres Bom dia meus amigos Este mês vamos tentar perceber como podemos ajudar os outros. Vocês já ouviram falar das muitas pessoas que estão a fugir dos

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros ???????? Apoio: Rica Eu quero ser... Um guia para encontrar a rota da prosperidade por Mara Luquet 81 Era uma vez... Era uma vez uma princesa, dessas que passeiam pelos campos e bosques e são muito bonitas

Leia mais

Prova bimestral. Língua portuguesa. A água. 4 o Bimestre 3 o ano. 1. Leia um trecho do texto A água, de Millôr Fernandes.

Prova bimestral. Língua portuguesa. A água. 4 o Bimestre 3 o ano. 1. Leia um trecho do texto A água, de Millôr Fernandes. Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2011 Prova bimestral 4 o Bimestre 3 o ano Língua portuguesa Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia um trecho do texto A água,

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo São Paulo-SP, 20 de outubro de 2004 Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

GRUPO VI 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO VI 2 o BIMESTRE PROVA A Sistema de Ensino Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 24/6/2009 PROVA GRUPO GRUPO VI 2 o BIMESTRE PROVA A Nome: Turma: Valor da prova: 4,0 Nota: Sou água cristalina Sou água

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL 1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL LUGAR: EUNÁPOLIS(BA) DATA: 05/11/2008 ESTILO: VANEIRÃO TOM: G+ (SOL MAIOR) GRAVADO:16/10/10 PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL VOCÊ É O BERÇO DO NOSSO PAIS. PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS?

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? Ensino Fundamental II e Ensino Médio O sistema capitalista move a nossa sociedade, sendo um modelo econômico atual que pressupõe uma

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Projeto de Educação Ambiental

Projeto de Educação Ambiental Apresenta Projeto de Educação Ambiental A água é o recurso natural mais abundante do planeta. Porém, apenas 0,007% da água de rios e lagos é disponível para consumo, dos quais grande parte está poluída.

Leia mais

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES IMPORTÃNCIA DA ÁGUA PARA OS SERES VIVOS

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES IMPORTÃNCIA DA ÁGUA PARA OS SERES VIVOS CIÊNCIAS 6º Ano do Ensino Fundamental Professora: Stella Maris Nome: Nº. Turma: LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES IMPORTÃNCIA DA ÁGUA PARA OS SERES VIVOS Questão 1- A água é a substância que se encontra

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

A minha missão é... Proteger o meu planeta!

A minha missão é... Proteger o meu planeta! A minha missão é... Proteger o meu planeta! Energia A energia que utilizas todos os dias não nasce nos eletrodomésticos lá de casa nem nos postes de iluminação da rua. É transformada a partir do petróleo,

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais