MP E MAGISTRATURA DO TRABALHO Direito Administrativo Fernanda Marinela Material de apoio elaborado por Djane Dias.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MP E MAGISTRATURA DO TRABALHO Direito Administrativo Fernanda Marinela Material de apoio elaborado por Djane Dias."

Transcrição

1 MP E MAGISTRATURA DO TRABALHO Disciplina: Direito Administrativo. Professora: Fernanda Marinela. Aula nº: MATERIAL DE APOIO MONITORIA I. Anotação de Aula BENS PÚBLICOS E RESPONSABILIDADE CIVIL BENS PÚBLICOS: Domínio Público: (Seguem o regime de bens públicos - aqueles bens pertencentes à pessoa jurídica de direito público); é aqueles bens que se forem retirados vai comprometer a continuidade dos serviços públicos; Classificação dos Bens Públicos: I) quanto à titularidade: a) são aqueles pertencentes à união e pertencentes aos entes federais Art. 20, da Constituição Federal rol dos bens da união; rol não taxativo, pois no decorrer dos próprios dispositivos da constituição existem outros bens pertencentes a união; Art. 20. São bens da União: I - os que atualmente lhe pertencem e os que lhe vierem a ser atribuídos; II - as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras, das fortificações e construções militares, das vias federais de comunicação e à preservação ambiental, definidas em lei; III - os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam de limites com outros países, ou se estendam a território estrangeiro ou dele provenham, bem como os terrenos marginais e as praias fluviais; IV as ilhas fluviais e lacustres nas zonas limítrofes com outros países; as praias

2 marítimas; as ilhas oceânicas e as costeiras, excluídas, destas, as que contenham a sede de Municípios, exceto aquelas áreas afetadas ao serviço público e a unidade ambiental federal, e as referidas no art. 26, II; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 46, de 2005) V - os recursos naturais da plataforma continental e da zona econômica exclusiva; VI - o mar territorial; VII - os terrenos de marinha e seus acrescidos; VIII - os potenciais de energia hidráulica; IX - os recursos minerais, inclusive os do subsolo; X - as cavidades naturais subterrâneas e os sítios arqueológicos e pré-históricos; XI - as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios. 1º - É assegurada, nos termos da lei, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, bem como a órgãos da administração direta da União, participação no resultado da exploração de petróleo ou gás natural, de recursos hídricos para fins de geração de energia elétrica e de outros recursos minerais no respectivo território, plataforma continental, mar territorial ou zona econômica exclusiva, ou compensação financeira por essa exploração. 2º - A faixa de até cento e cinquenta quilômetros de largura, ao longo das fronteiras terrestres, designada como faixa de fronteira, é considerada fundamental para defesa do território nacional, e sua ocupação e utilização serão reguladas em lei. b) bens estaduais Art. 26 da Constituição Federal; c) bens distritais Art.26 da Constituição Federal; Competência somatória tem os bens que pertencem ao estado e bens que pertencem os municípios; Art. 26. Incluem-se entre os bens dos Estados: I - as águas superficiais ou subterrâneas, fluentes, emergentes e em depósito, ressalvadas, neste caso, na forma da lei, as decorrentes de obras da União;

3 II - as áreas, nas ilhas oceânicas e costeiras, que estiverem no seu domínio, excluídas aquelas sob o domínio da União, Municípios ou terceiros; III - as ilhas fluviais e lacustres não pertencentes à União; IV - as terras devolutas não compreendidas entre as da União. d) municipais Bens que fazem parte do município; Não temos na constituição uma lista dos bens dos municípios, porém existem indicações de quais são estes bens; II) Quanto à destinação: a) bens de uso comum do povo Também chamado de bem de domínio público; São os bens com destinação do uso geral; Pode ser bem: federais municipais e distritais; Ex: ruas, praças, praias, rios, estradas; O poder público poderá impedir o uso desse bem; O poder público pode regulamentar o uso desse bem; Vai depender do interesse público para que ele regulamente; Uso comum x Direito de reunião (Já caiu no concurso!) Art. 5, XVI todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente; De forma justificada, o poder público pode proibir a reunião no local, mas o poder público é obrigado a colocar essa reunião em outro local que dê a mesma repercussão; b) bem de uso especial São bens destinados à prestação ou execução de serviços públicos; Também chamados de patrimônios administrativos ou instrumentos do serviço público ou aparelhamento material do Estado;

4 Ex: Repartições públicas, Escolas públicas, mercados municipais, teatros, hospitais, cemitérios, aeroportos, veículos oficiais; navios militares. c) bem dominical Bem dominial ou bem do patrimônio disponível; São aqueles bens que não estão ligados a destinação pública; Não tem destinação pública; O conceito é feito por exclusão: residual, o que não é do uso do povo e o que não tem destinação é o bem dominical; É aquele que o poder público conserva como se fosse um particular, pelo fato de não ter destinação pública; Ex: Prédios desativados, terras devolutas, bens móveis e inservíveis, dívida ativa; Para Cretela Junior diferenciava bem dominical de bem dominial, bem dominial é aquele bem sobre domínio público e dominical é aquele que o estado conserva como se particular fosse; Regime Jurídico dos Bens Públicos: I) Alienabilidade Em regra os bens públicos são inalienáveis; É a inalienabilidade relativa ou alienabilidade condicionada, ou seja, em algumas condições é possível alienar; Uso comum do povo, uso especial destinação pública, são inalienáveis; Bens dominicais não tem destinação pública, são alienáveis; Eu posso modificar a condição de alienabilidade? Para alienar eu preciso fazer: Afetação x Desafetação: Saudoso Alfredo Gasparini chamava afetação e desafetação de Consagração ou desconsagração; Ex: prédio da prefeitura bem de uso especial- inalienável; já um bem doado por alguém de bom coração e sendo este bem sem nenhuma destinação, este bem

5 está sujeito a penhora; Se o prefeito decide mudar a prefeitura para o outro prédio, torna-se o novo prédio ocupado um bem afetado e o bem antigo desafetado, pois perdeu destinação pública; Afetação de bem: Bem de uso comum ou de uso especial são inalienáveis; Destinação (simples uso de lei); atos administrativos, lei; Desafetação do bem: Uso comum do povo para bem dominical essa desafetação é mais grave e deve ser previamente autorizada por lei; Bem de uso especial transformado em bem dominical tem que ser por lei, ato administrativo, fato da natureza; O simples não uso, não vai desafetar o bem. Tem que ser um ato administrativo; Nesse ponto há divergência doutrinária; Requisitos para alienação ( art.17, lei 8.666): A primeira condição é que o bem não pode ter finalidade pública; Sendo bem imóvel pertencente à pessoa jurídica de direito público: Ele vai precisar de autorização legislativa; Declaração de interesse púbico; Avaliação prévia; Preciso de licitação na modalidade concorrência (como regra); Exceção: Se o imóvel for oriundo de decisão judicial ou dação em pagamento será concorrência ou leilão (art. 19, lei de licitação); Art. 19. Os bens imóveis da Administração Pública, cuja aquisição haja derivado de procedimentos judiciais ou de dação em pagamento, poderão ser alienados por ato da autoridade competente, observadas as seguintes regras: I - avaliação dos bens alienáveis;

6 II - comprovação da necessidade ou utilidade da alienação; III - adoção do procedimento licitatório, sob a modalidade de concorrência ou leilão. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994) Sendo bem móvel: Declaração de interesse público; Avaliação prévia; Licitação - modalidade leilão- inservível- até mil reais; Licitação é dispensada quando: Doação; Permuta; Dação em pagamento; II) Impenhorabilidade Os bens públicos são impenhoráveis, pois não pode ser objeto de penhora; São também inalienáveis; Penhora é aquela garantia que vai acontecer dentro de uma ação judicial de execução; Bem público não pode ser objeto de arresto (cautelares típicas de bens indeterminados e determinados), seqüestro e penhora (ação de execução); Se eles são impenhoráveis nada vai adiantar fazer o arresto e o seqüestro; Regime de Precatório (art.100, Constituição Federal): É um crédito que foi gerado através de um transito em julgado = aguardar o pagamento numa fila; Existe a fila geral e a fila especial; III) Sofrem impossibilidade de oneração: Bem público não pode ser objeto de direito real de garantia; Direito real de garantia penhor, hipoteca e anticrese; penhor garantia sobre bens móveis; hipoteca garantia sobre bens imóveis; anticrese o credor explora o pagamento do devedor para que com o resultado quite o débito; IV) Imprescritíveis: Não podem ser objeto de prescrição aquisitiva Aquisição pelo decurso do tempo, ou seja, usucapião;

7 art.183, 3º da Constituição Federal; 3º - Os imóveis públicos não serão adquiridos por usucapião. art. 191, parágrafo único, da Constituição Federal; Parágrafo único. Os imóveis públicos não serão adquiridos por usucapião. Sumula 340 do STF; Formas de Utilização: - UTILIZAÇÃO ESPECIAL: A) Autorização de uso de bem público: Eventos ocasionais / temporários Interesse particular Ato administrativo: Unilateral (a administração faz só) Discricionário (de acordo com a oportunidade) Precário (desfazer a qualquer tempo sem indenização) B) Permissão de uso de bem público Permanente e pode ser desfeita com facilidade Interesse público + interesse privado Ato administrativo unilateral /discricionário / precário C) Concessão de uso de bem público + permanentes Interesse público Contrato administrativo com licitação RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Hoje o Estado aparece no mundo como sujeito responsável; Hoje no Brasil e no mundo o Estado se apresenta como sujeito responsável; O Estado tem obrigação de indenizar a vítima (vai ressarcir a vítima); Responsabilidade do Estado x Responsabilidade do Particular;

8 A responsabilidade civil do Estado tem regras próprias (é diferente da responsabilidade privada); A responsabilidade civil do Estado tem princípios mais rigorosos, ela tem princípios próprios mais exigentes; Protege mais a vítima com princípios mais rigorosos para o Estado; A atuação estatal é uma imposição, ou seja, o estado responde com mais rigor e a vítima merece mais proteção; Evolução da Responsabilidade Civil do Estado A ideia é proteger cada vez mais a vítima; - Teoria da Irresponsabilidade do Estado (1 fase) Principio da irresponsabilidade do Estado, ou seja, o estado era sujeito irresponsável; Nessa época o Rei, o Monarca era dono da verdade (o Rei não erra nunca, logo o Estado não respondia nada); - Estado como sujeito da responsabilidade (2 fase) Ele aparece como sujeito responsável em situações pontuais, ou seja, em situações específicas; Essa responsabilidade não era completa como hoje; A responsabilidade nesse momento é pela teoria subjetiva; Teoria subjetiva do Estado- para que se caracterize é preciso de algumas condições; - Teoria subjetiva do estado É preciso de quatro elementos para que essa responsabilidade aconteça; A) conduta lesiva Para ter responsabilidade civil tem que ter a conduta lesiva; B) Dano Tem que ter prejuízo, caso não esteja caracterizado o dano isso poderá caracterizar enriquecimento sem causa (ou enriquecimento ilícito); Só posso pensar em reparação civil se houver dano; C) Nexo de causalidade A conduta gera o dano, o dano nasceu dessa conduta; Conduta e dano estão interligados; Entre conduta e dano eu preciso de nexo causal, tenho que ter nexo de causalidade;

9 D) Culpa ou Dolo A vítima tem que demonstrar a culpa ou dolo (o elemento subjetivo); A responsabilidade subjetiva exigia no primeiro momento culpa ou dolo do agente A vítima tinha que indicar qual foi o agente(a pessoa do agente) que causou aquela culpa ou dolo; Ex: Na região de uma determinada casa o Estado constrói um muro de arrimo, a construção do muro desaba, quem indeniza os donos da casa? Resposta: Antes era complicado de provar, pois tinha que indicar a pessoa do agente; Mais uma vez a responsabilidade evoluiu -Saímos da culpa do agente e passamos para a culpa do serviço; Para a culpa do serviço a vitima precisa provar que o serviço não foi prestado, que o serviço foi prestado de forma ineficiente ou o serviço foi prestado de forma atrasada; O serviço não foi prestado, o serviço foi prestado de forma atrasada; A culpa do serviço também é chamada de culpa anônima (pois, não precisa mais indicar o agente que foi responsável); Esse teoria surgiu na França faute du service ; Era inicialmente culpa do agente e depois virou culpa do serviço; A responsabilidade subjetiva só gera dever para o Estado indenizar se a conduta for ilícita; Sendo a responsabilidade subjetiva, como podemos excluir? Resposta: para excluir eu afasto qualquer um dos elementos que é exigível para a responsabilidade subjetiva; Mais uma vez a responsabilidade do Estado: Teoria objetiva (responsabilidade do estado): Elementos que devem ser reunidos nessa teoria: A) conduta lesiva B)dano Caso não tenha dano pode se caracterizar o enriquecimento ilícito; C) nexo de causalidade Entre a conduta e o dano gera o nexo causal; Pode gerar dever de indenizar nas condutas lícitas e também nas condutas ilícitas (o estado responde nas condutas licitas e ilícitas); Ex: delegado que prende uma vitima e da uma surra;

10 Como fazer para derrubar a responsabilidade objetiva do Estado (a excludente da responsabilidade)? Resposta: Basta tirar um dos elementos e descaracteriza a responsabilidade objetiva do estado; Teoria do risco integral: Teve dano o Estado vai ter que indenizar; É aquela que não admite excludente (o Estado responde e ponto final); Teoria do risco administrativo É aquela teoria que admite excludente, aqui eu posso ter exclusão da responsabilidade; Se a responsabilidade pode ser excluída nos excluímos a responsabilidade excluindo apenas um dos elementos; Exclui-se a responsabilidade objetiva excluindo o nexo causal? Reposta: sim, mas posso excluir a responsabilidade tirando qualquer um dos elementos não sendo necessário para a exclusão a retirada do nexo causal; Ex: a culpa exclusiva da vítima; caso fortuito; força maior (esses são exemplos de excludentes); Culpa exclusiva da vítima é diferente de culpa concorrente: Culpa exclusiva: sujeito dirigindo corretamente e vítima pula em cima do carro para se matar; Culpa concorrente: alguém resolve pular em cima do carro e o motorista dirigiu que nem um maluco O Estado responde pois os dois contribuíram para que isso acontecer a indenização é reduzida ideia é que cada um pague a sua parte se não for possível definir racha a indenização em 50%; Excludentes: o Brasil adota como regra teoria do risco administrativo (afastando os elementos), excepcionalmente eu posso ter risco integral (é admitido em caso de material bélico, substância nuclear e dano ambiental); Responsabilidade Civil no Brasil Prevalece na doutrina à responsabilidade civil do estado no Brasil, não tivemos a teoria da irresponsabilidade; O Código Civil reconhece a teoria da responsabilidade subjetiva; Constituição Federal teoria da objetividade do estado; Constituição Federal, regra geral a teoria objetiva (até antes dessa Constituição Federal não admitia dano moral e sim a material); Hoje no Brasil, tanto no dano material, como no dano moral; Art.37, 6, Responsabilidade extracontratual, aquela que não decorre de contrato;

11 6º - As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa. Decorreu do contrato vai para a lei n.8666; Elementos definidores da responsabilidade civil do Estado Sujeito da responsabilidade Art.37,.6 pessoa jurídica de direito público (entes políticos, autarquias, fundações públicas de direito público; Pessoas jurídicas de direito privado Desde que prestadora de serviços públicos (empresas publicas, concessionárias, permissionárias); Entendimento que prevalece hoje no Brasil é que quem responde é a pessoa jurídica; O entendimento decorre recurso extraordinário RE quem responde é a pessoa jurídica pelo seu agente quem vai pagar a conta é a pessoa jurídica justificativa do STF primeiro vale a teoria da imputação(ou teoria do órgão, o agente manifesta a sua vontade se confunde com a vontade da pessoa jurídica as vontades se confundem; Os atos praticados pelos agentes são impessoais os atos são praticados pela pessoa jurídica a que o agente pertence; Nos iremos ajuizar a ação contra a pessoa jurídica e não contra o agente (segundo o STF); A responsabilidade pode ser: Primária quando a pessoa jurídica é chamada para pagar algo feito pelo seu agente; Se autarquia não tem dinheiro o Estado é chamado ao processo para responder (é a chamada à responsabilidade subsidiária o Estado aqui é chamado a responsabilidade por agente de outra pessoa jurídica que presta serviço público); O Estado só é chamado se a autarquia não tiver dinheiro, patrimônio, aí o Estado vai ser chamado para a responsabilidade; Responsabilidade solidária não tem ordem eu cobro dos dois ao mesmo tempo; Responsabilidade subsidiária responde um de cada vez; Os processualistas entendem que o estado não pode ser chamado no processo de execução, pois o Estado não participou do processo de conhecimento; A saída é entrar após o processo contra a autarquia entra-se contra o estado mais geralmente o processo já prescreveu; DICA: danos decorrentes de atividades notariais e de registro eu irei ajuizar a ação contra o Estado ou contra o dono do cartório? Serviço notarial no Brasil art 236 Constituição Federal delegação de função e o serviço é transferido ao particular;

12 A responsabilidade pelos danos é do titular da serventia, ou seja, dos notários equiparando-se as pessoas jurídicas de direito privado prestadora de serviço público nesse caso o estado só responde subsidiariamente; RESP ; RESP ; STF= RE ; Se a vítima é usuário ou não do serviço, hoje não faz diferença, usuário ou não usuário o Estado responde o Estado responde objetivamente; RE repercussão geral tema da repercussão 130; Quem responde é o estado; conduta lesiva A) conduta comissiva Ação o que se aplica é a teoria da responsabilidade objetiva do estado; A responsabilidade objetiva vai punir condutas licitas e ilícitas; Ex: conduta ilícita tortura princípio da legalidade; Se a conduta é lícita o fundamento dessa responsabilidade vale o princípio da isonomia; Omissiva- Prevalece na jurisprudência teoria subjetiva- caminha-se para mudança no Brasil para teoria objetiva no Brasil; RE foi matéria julgada pelo STF (matéria de repercussão geral segundo o STF); Responsabilidade de conduta ilícita pelo descumprimento de dever legal; Para ter responsabilidade por omissão esse dano tem que ser um dano evitável dentro de um padrão normal; Nesse caso o estado vai responder porque é substancia nuclear e logo o estado responde; Princípio da reserva do possível se o estado prestou o que era possível o estado não responde; ADPF-45; Informativo 579; situações de risco produzidas pelo estado Se o estado cria o risco ele está responsável pela teoria objetiva; Ex : cruzamento defeito semafórico o estado responde objetivamente;

13 Ex 2: um preso fugiu do presídio assaltou casa, mata duas pessoas rouba o estado esta assumindo o risco logo a teoria adotada e a teoria objetiva; Ex3: o preso resolve praticar suicídio com os lençóis do presídio o estado responde? Não! 3. Dano Esse dano precisa ser um dano jurídico (tem que ter lesão a um direito); O dano é jurídico e não econômico; Dano tem que ser certo é aquele dano que pode ser determinável; Para as condutas lícitas o dano além de jurídico, além de certo, ele precisa ser ainda especial (particularizado ter vítima certa); Anormal se é normal não tem direito de indenização; Ex: poluição na cidade grande trânsito. Ação judicial de Reparação Civil Sujeito passivo? STF pessoa jurídica que responde. O Estado é chamado à responsabilidade e depois entra com a ação de regresso se o agente agir com culpa ou dolo; Pode fazer denunciação da lide e chamar o agente para essa ação? Para a doutrina é impossível fato novo esse fato vai procrastinar o feito e vai prejudicar a vitima; STJ- CPC- é possível denunciação da lide representa a celeridade do processo a decisão é facultativa do estado- ele assumi a culpa e portanto não pode ser obrigado; Não denunciar não gera nulidade e não prejudica a ação de regresso; Prescrição-5 anos-quinquenal-aplicando o decreto 20910/32; STJ E STF 5 anos. Divergência sobre o supracitado- art. 10, art. 206,. 3 NCC; Ação de regresso é imprescritível- art.37, 5 cf.

14

BENS PÚBLICOS. Roteiro de aula Direito Administrativo II DES0312 Diurno

BENS PÚBLICOS. Roteiro de aula Direito Administrativo II DES0312 Diurno BENS PÚBLICOS Roteiro de aula Direito Administrativo II DES0312 Diurno Introdução: noção e histórico Sumário Classificação Afetação e desafetação A moldura constitucional Características frequentes Uso

Leia mais

BENS PÚBLICOS MSC RICARDO LOZANO

BENS PÚBLICOS MSC RICARDO LOZANO BENS PÚBLICOS MSC RICARDO LOZANO BEM PÚBLICO Segundo Samuelson (1954), um bem público pode ser definido quando o consumo de cada indivíduo de um determinado bem não leva a subtração do consumo de qualquer

Leia mais

IUS RESUMOS. Bens públicos Parte I. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Bens públicos Parte I. Organizado por: Samille Lima Alves Bens públicos Parte I Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. BENS PÚBLICOS PARTE 1... 3 1. Caracterizando os bens públicos... 3 1.1. Conceito... 3 1.2. Classificação dos bens públicos... 4 1.3 Características

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela Direito Administrativo UNISO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela Bens Públicos Bens públicos. Conceito. Classificação. Características. Uso dos bens públicos por particular. Bens públicos

Leia mais

Bens da União no litoral. Novembro 2015

Bens da União no litoral. Novembro 2015 Bens da União no litoral Novembro 2015 Histórico da propriedade no Brasil regime das sesmarias Lei de Terras (Lei nº 601/1850) Repartição Geral de Terras Públicas Bens Públicos Município, Estado, Distrito

Leia mais

Aula 16. Bens Públicos I. Prof. Wander Garcia

Aula 16. Bens Públicos I. Prof. Wander Garcia Aula 16 Bens Públicos I Prof. Wander Garcia 1. Conceito: são os bens pertencentes às pessoas jurídicas de direito público (art. 98 do CC) - Bens pertencentes aos entes políticos (União, Estados, DF e Municípios),

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Hoje, no Brasil e no mundo, é pacífico que o Estado, como pessoa jurídica de Direito Público, é sujeito responsável, devendo arcar com os prejuízos que causar aos administrados.

Leia mais

PROFESSOR: SILMAR LOPES

PROFESSOR: SILMAR LOPES PROFESSOR: SILMAR LOPES SILMAR LOPES @drsilmarlopes RESPONSABILIDADE: É A OBRIGAÇÃO DE REPARAR DANOS RESPONSABILIDADE CIVIL Responsabilidade que surge em relação a danos patrimoniais (responsabilidade

Leia mais

AULA 08: RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO. Professor Thiago Gomes

AULA 08: RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO. Professor Thiago Gomes AULA 08: RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Professor Thiago Gomes Considerações Preliminares Obrigação de reparar danos patrimoniais em decorrência de atos de agentes públicos causados a terceiros Exaure-se

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO BENS PÚBLICOS

DIREITO ADMINISTRATIVO BENS PÚBLICOS DIREITO ADMINISTRATIVO BENS PÚBLICOS Atualizado em 16/10/2015 BENS PÚBLICOS São públicos os bens do domínio nacional pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros são particulares,

Leia mais

2. CLASSIFICAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS I - E

2. CLASSIFICAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS I - E 1. CONCEITO Para a Prof. MSZP são bens públicos especiais não só os bens das entidades de direito público, mas também os das entidades de direito privado prestadoras de serviço público, desde que afetados

Leia mais

Bens Públicos. RAD Profa. Dra. Emanuele Seicenti de Brito

Bens Públicos. RAD Profa. Dra. Emanuele Seicenti de Brito Bens Públicos Conceito Classificação Atributos Requisitos para alienação dos bens públicos Afetação e desafetação Uso privativo de bens públicos por particulares mediante autorização, permissão e concessão

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO II: APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA, SISTEMAS DE AVALIAÇÃO, REGRAS E INTRODUÇÃO AO DIREITO ADMINISTRATIVO II. Prof.

DIREITO ADMINISTRATIVO II: APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA, SISTEMAS DE AVALIAÇÃO, REGRAS E INTRODUÇÃO AO DIREITO ADMINISTRATIVO II. Prof. : APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA, SISTEMAS DE AVALIAÇÃO, REGRAS E INTRODUÇÃO AO DIREITO ADMINISTRATIVO II Prof. Thiago Gomes Apresentação da Disciplina 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Direito Administrativo

Leia mais

dano Ação (Ato comissivo) Lícito ou Ilícito O fundamento é o princípio da IGUALDADE ou da ISONOMIA

dano Ação (Ato comissivo) Lícito ou Ilícito O fundamento é o princípio da IGUALDADE ou da ISONOMIA dano Ação (Ato comissivo) Lícito ou Ilícito O fundamento é o princípio da IGUALDADE ou da ISONOMIA dano Omissão (Ato omissivo) Ilícito dano Dano Material ou Moral dano Conduta Dolosa ou Culposa Com intenção

Leia mais

BENS PÚBLICOS. I - os de uso comum do povo, tais como rios, mares, estradas, ruas e praças;

BENS PÚBLICOS. I - os de uso comum do povo, tais como rios, mares, estradas, ruas e praças; BENS PÚBLICOS 1. Código Civil arts. 98 a 103: 1.1 Conceito: Art. 98. São públicos os bens do domínio nacional pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros são particulares,

Leia mais

BENS PÚBLICOS CONCEITO DE BEM PÚBLICO

BENS PÚBLICOS CONCEITO DE BEM PÚBLICO BENS PÚBLICOS CONCEITO DE BEM PÚBLICO - São todos os bens pertencentes às pessoas jurídicas de direito público, isto é, Administração direta, autarquias e fundações públicas de direito público, bem como

Leia mais

Profa. Me. Larissa Castro

Profa. Me. Larissa Castro Vedações constitucionais impostas à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios Profa. Me. Larissa Castro Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: I -

Leia mais

é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de

é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual do Estado. I irresponsabilidade

Leia mais

Responsabilidade civil do Estado

Responsabilidade civil do Estado Responsabilidade civil do Estado Responsabilidade civil Conduta Dano Nexo de causalidade Dolo/Culpa Para configurar a responsabilidade civil essencialmente deve-se demonstrar QUATRO COISAS: 1 - CONDUTA

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO AULA 2/4 Ato Administrativo, Responsabilidade Civil do Estado E Bens Públicos 2 ATO ADMINISTRATIVO 3 Requisitos( Art. 2º da Lei 4.717/65): Elementos constitutivos do Ato Administrativo.

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO Segunda Fase Prof. José Aras BENS PÚBLICOS 1. Generalidades: - Constitui os bens das pessoas de direito público; - Domínio Eminente é DIFERENTE de Bens Públicos; - Domínio Eminente

Leia mais

BENS PÚBLICOS ARTIGO 20 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

BENS PÚBLICOS ARTIGO 20 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL BENS PÚBLICOS ARTIGO 20 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Bens Públicos são aqueles que fazem parte do domínio da União, dos Estados e dos Municípios (uso público) e divide-se em três grandes grupos: Os terrestres

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO Superintendência do Patrimônio da União no Estado de Alagoas

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO Superintendência do Patrimônio da União no Estado de Alagoas Julho 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO Superintendência do Patrimônio da União no Estado de Alagoas BENS PÚBLICOS São Bens os que Pertecem á União,

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO III. ADMINISTRADOR PÚBLICO Noções Gerais Poderes Administrativos Poder discricionário...

SUMÁRIO CAPÍTULO III. ADMINISTRADOR PÚBLICO Noções Gerais Poderes Administrativos Poder discricionário... SUMÁRIO CAPÍTULO I O DIREITO ADMINISTRATIVO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA...1 1. Conceito... 1 2. Objeto do Direito Administrativo... 1 2.1. Princípios que ajudam a interpretar a atividade administrativa...

Leia mais

Parecer sobre a Proposta de Emenda Constitucional - PEC nº 39-A/2011

Parecer sobre a Proposta de Emenda Constitucional - PEC nº 39-A/2011 Audiência Pública Comissão Especial da Câmara dos Deputados Parecer sobre a Proposta de Emenda Constitucional - PEC nº 39-A/2011 Dulce Bentes dubentes@gmail.com Fernando Costa (*) fernando.costa@abea.org.br

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Responsabilidade objetiva do Estado Elaine Rodrigues de Paula Reis A responsabilidade do Poder Público não existirá ou será atenuada quanto a conduta da Administração Pública não

Leia mais

Direito Administrativo: Bens Públicos

Direito Administrativo: Bens Públicos Direito Administrativo: Bens Públicos Material Didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Bases Procedimentais da Administração Pública Publicação no Semestre 2015.1 Autor: Alberico

Leia mais

ADM PUBLICA IV -LOZANO

ADM PUBLICA IV -LOZANO BENS PÚBLICOS - PRIVATIZAÇÃO E DELEGAÇÂO Prof.MSc. José Ricardo Leal Lozano 1 A Privatização de Bens Públicos De forma abrangente o processo de privatização compreende a transferência da propriedade e

Leia mais

Responsabilidade do Estado Pelo Dano Ambiental. Insuficiência das fórmulas tradicionais.

Responsabilidade do Estado Pelo Dano Ambiental. Insuficiência das fórmulas tradicionais. Responsabilidade do Estado Pelo Dano Ambiental Insuficiência das fórmulas tradicionais. Danos Ambientais derivados de condutas comissivas do Estado Na hipótese de conduta comissiva do Estado o direito

Leia mais

Direito Civil. Bens Públicos. Professora Tatiana Marcello.

Direito Civil. Bens Públicos. Professora Tatiana Marcello. Direito Civil Bens Públicos Professora Tatiana Marcello www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Aula Civil XX LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002 Institui o Código Civil. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 Dispõe sobre o Regime de Concessão e Permissão da Prestação de Serviços Públicos previsto no art. 175 da Constituição Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

I - O ESTADO, A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, O DIREITO ADMINISTRATIVO E O REGIME JURÍDICO- ADMINISTRATIVO

I - O ESTADO, A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, O DIREITO ADMINISTRATIVO E O REGIME JURÍDICO- ADMINISTRATIVO Direito Administrativo Sumário Capítulo I - O ESTADO, A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, O DIREITO ADMINISTRATIVO E O REGIME JURÍDICO- ADMINISTRATIVO 1. Estado: conceito, evolução e transformações... 17 2. Administração

Leia mais

Prof. Me. Edson Guedes. Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO

Prof. Me. Edson Guedes. Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO Prof. Me. Edson Guedes Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO 5. Direito Civil Unidade II 5.1 Da validade dos negócios jurídicos; 5.2 Responsabilidade civil e ato ilícito; 5. Direito Civil 5.1 Da validade

Leia mais

Nota, xi Nota à 9a edição, xiii

Nota, xi Nota à 9a edição, xiii Nota, xi Nota à 9a edição, xiii 1 Direito Administrativo, 1 1.1 Introdução ao estudo do Direito Administrativo, 1 1.2 Ramo do direito público, 3 1.3 Conceito de Administração Pública e de Direito Administrativo,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 571 PROCURADOR MUNICIPAL EDITAL 37 ANEXO III

CONCURSO PÚBLICO 571 PROCURADOR MUNICIPAL EDITAL 37 ANEXO III CONCURSO PÚBLICO 571 PROCURADOR MUNICIPAL EDITAL 37 ANEXO III 1. Pontos para a Prova Oral. DIREITO CONSTITUCIONAL TEORIA 1. Noções de Teoria da Constituição e do Direito Constitucional. Objeto. Métodos.

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos Direito Ambiental Constitucional Inclui Princípios constitucionais correlatos Constituição de 1988 Conceito jurídico de meio ambienteconstituição Art. 3º. Para os fins previstos nesta Lei, entende-se por:

Leia mais

Capítulo 1 Direito Administrativo e Administração Pública...1

Capítulo 1 Direito Administrativo e Administração Pública...1 S u m á r i o Capítulo 1 Direito Administrativo e Administração Pública...1 1.1. Introdução e Conceito de Direito Administrativo... 1 1.2. Taxinomia do Direito Administrativo... 2 1.3. Fontes do Direito

Leia mais

SEMINÁRIO CAPACIDADE DE SUPORTE PLANO DIRETOR DE FLORIANÓPOLIS

SEMINÁRIO CAPACIDADE DE SUPORTE PLANO DIRETOR DE FLORIANÓPOLIS SEMINÁRIO CAPACIDADE DE SUPORTE PLANO DIRETOR DE FLORIANÓPOLIS BLOCO 1 O AMBIENTE E A PRESERVAÇÃO Florianópolis/SC, 06 de agosto de 2016. BENS DA UNIÃO Constituição Federal de 1988: Art. 20. São bens da

Leia mais

GABARITO DEFINITIVO - Analista Legislativo da Câmara dos Deputados - Consultor Legislativo - Área VIII

GABARITO DEFINITIVO - Analista Legislativo da Câmara dos Deputados - Consultor Legislativo - Área VIII GABARITO DEFINITIVO - Analista Legislativo da Câmara dos Deputados - Consultor Legislativo - Área VIII Conhecimentos Específicos 1 E. Uma sociedade de economia mista só pode ser instituída sob a forma

Leia mais

Constituição Federal de TÍTULO II Dos Direitos e Garantias Fundamentais CAPÍTULO I DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS

Constituição Federal de TÍTULO II Dos Direitos e Garantias Fundamentais CAPÍTULO I DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS Constituição Federal de 1988 TÍTULO II Dos Direitos e Garantias Fundamentais CAPÍTULO I DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer

Leia mais

Direito das Obrigações

Direito das Obrigações Direito das Obrigações Kauísa Carneiro ZANFOLIN RESUMO: Trata-se de obrigações das quais acarretam consequências jurídicas, são tratadas pela parte especial do Código Civil. Corresponde a uma relação de

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Introdução. - O Estado é o sujeito responsável. - Na responsabilidade civil do Estado os princípios próprios são mais rigorosos (atuação Estatal é uma imposição, devendo o Estado ser responsabilizado de

Leia mais

RESPONSABILIDADE OBJETIVA

RESPONSABILIDADE OBJETIVA RESPONSABILIDADE DO ESTADO 1. EVOLUÇÃO 1.1. Primeira Fase Princípio da Irresponsabilidade do Estado 1.2. Segunda Fase Responsabilidade Subjetiva do Estado 1.3. Terceira Fase Responsabilidade objetiva do

Leia mais

Risco da Fauna: a Responsabilidade Civil à luz do direito brasileiro

Risco da Fauna: a Responsabilidade Civil à luz do direito brasileiro Risco da Fauna: a Responsabilidade Civil à luz do direito brasileiro OBJETIVO Conhecer a responsabilidade civil do transportador e do Estado no Risco da Fauna sob a ótica da legislação brasileira ROTEIRO

Leia mais

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público Diana Pinto e Pinheiro da Silva 1. Execução de Serviço Público Execução de serviço público Dificuldade de definição [...] o conceito de serviço público

Leia mais

S u m á r i o. Capítulo 1 Noções Preliminares...1

S u m á r i o. Capítulo 1 Noções Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Noções Preliminares...1 1. Direito...1 2. Direito Administrativo...2 2.1. Conceito...2 2.2. Relação com outros ramos do Direito...6 2.3. Fontes do Direito Administrativo...8 2.4.

Leia mais

PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos

PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos PHD 2538 Gerenciamento de Recursos Hídricos Política e Sistema Nacional de Gestão de Recursos Hídricos. Aspectos Legais e Institucionais da Gestão de Recursos Hídricos. Gestão de Recursos Hídricos Retrospectiva

Leia mais

Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade

Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade Organização Estatal Vedação aos entes federativos: I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles

Leia mais

Conceitos Sentidos subjetivo e objetivo. Serviços Públicos. Classificação Individuais (uti singuli) Classificação Gerais (uti universi)

Conceitos Sentidos subjetivo e objetivo. Serviços Públicos. Classificação Individuais (uti singuli) Classificação Gerais (uti universi) Serviços Públicos Direito Administrativo Prof. Armando Mercadante Nov/2009 Sentidos subjetivo e objetivo 1) Sentido subjetivo serviço público é aquele prestado pelo Estado; 2) Sentido objetivo o serviço

Leia mais

Parte Geral: domicílio e bens

Parte Geral: domicílio e bens Parte Geral: domicílio e bens Domicílio O domicílio pode ser voluntário, legal (ou necessário) e convencional. O domicílio voluntário da pessoa natural é o lugar onde ela fixa sua residência (elemento

Leia mais

BENS PÚBLICOS PARTE II ROTEIRO DE AULA

BENS PÚBLICOS PARTE II ROTEIRO DE AULA BENS PÚBLICOS PARTE II ROTEIRO DE AULA 5. REGIME JURÍDICO - CONTINUAÇÃO 5.1. INALIENABILIDADE RELATIVA - preenchidas algumas condições, é possível alienar o bem. Exige-se autorização legislativa quando

Leia mais

O ESTADO E SUA ATIVIDADE FINANCEIRA. Nívea Cordeiro 2012

O ESTADO E SUA ATIVIDADE FINANCEIRA. Nívea Cordeiro 2012 O ESTADO E SUA ATIVIDADE FINANCEIRA Nívea Cordeiro 2012 www.cordeiroeaureliano.com.br nivea@cordeiroeaureliano.com.br 2012 2 A existência de um Estado se deve ao fato de que uma sociedade para sobreviver

Leia mais

S u m á r i o. Capítulo 1 Noções Preliminares...1

S u m á r i o. Capítulo 1 Noções Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Noções Preliminares...1 1. Direito...1 2. Direito Administrativo...2 2.1. Conceito...2 2.2. Relação com outros ramos do Direito...6 2.3. Fontes do Direito Administrativo...8 2.4.

Leia mais

Capítulo 1 Noções Preliminares Direito Direito Administrativo...2

Capítulo 1 Noções Preliminares Direito Direito Administrativo...2 S u m á r i o Capítulo 1 Noções Preliminares... 1 1. Direito...1 2. Direito Administrativo...2 2.1. Conceito... 2 2.2. Relação com outros ramos do direito... 6 2.3. Fontes do Direito Administrativo...

Leia mais

SUMÁRIO. 3 PODERES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Poder-dever... 57

SUMÁRIO. 3 PODERES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Poder-dever... 57 SUMÁRIO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO... 15 1.1 Introdução ao estudo do Direito Administrativo... 15 1.2 Ramo do direito público... 17 1.3 Conceito de Administração Pública e de Direito Administrativo... 19

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO,

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO, RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO, POR ATO PRATICADO POR TABELIÃO. RESUMO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO. Ato Praticado por Serventuário de Cartório de Registro de Imóveis. Alegação de não se Tratar de

Leia mais

BENS PÚBLICOS ROTEIRO DE AULA

BENS PÚBLICOS ROTEIRO DE AULA BENS PÚBLICOS ROTEIRO DE AULA 1. CONCEITO DE DOMÍNIO PÚBLICO: em sentido amplo é o poder de dominação ou de regulamentação que o Estado exerce sobre todos os bens (públicos, privados e insuscetíveis de

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 15

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 15 18 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 15 QUESTÃO 41 Dentre as ações apontadas abaixo, assinale aquela que NÃO constitui ação judicial destinada à proteção do meio ambiente: a) Ação popular. b) Ação civil

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO. Professor Emerson Caetano

DIREITO ADMINISTRATIVO. Professor Emerson Caetano DIREITO ADMINISTRATIVO Professor Emerson Caetano 1. Acerca de ato administrativo e de procedimento de licitação, julgue o item seguinte. Caso seja necessário, a administração pública poderá revogar ato

Leia mais

Aula 07. II - comprovação da necessidade ou utilidade da alienação;

Aula 07. II - comprovação da necessidade ou utilidade da alienação; Turma e Ano: Turma Regular Master B (2015) Matéria / Aula: Direito Administrativo Professor: Luiz Jungstedt Monitora: Fernanda Helena Aula 07 Bens públicos (continuação) Alienação de bem público imóvel

Leia mais

Prof. Mariana M Neves DIREITO AMBIENTAL

Prof. Mariana M Neves DIREITO AMBIENTAL Prof. Mariana M Neves DIREITO AMBIENTAL A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E O MEIO AMBIENTE Art. 225 CF Estabelece como direito fundamental um meio ambiente ecologicamente equilibrado. - Concepção antropocêntrica:

Leia mais

DOMÍNIO PÚBLICO. De acordo com o CC, são públicos os bens das Pessoas Jurídicas de Direito Público. Todos os demais são privados.

DOMÍNIO PÚBLICO. De acordo com o CC, são públicos os bens das Pessoas Jurídicas de Direito Público. Todos os demais são privados. DOMÍNIO PÚBLICO 1 INTRODUÇÃO Domínio Público Eminente - Natureza Patrimonial Não Patrimonial - Bens de propriedade das Pessoas Jurídicas de Direito - Todos os bens encontrados no território de um Estado

Leia mais

Questão Discursiva 00503

Questão Discursiva 00503 Questão Discursiva 00503 Com fundamento na Constituição, na jurisprudência dos Tribunais Superiores e na doutrina especializada, discorra sobre a responsabilidade civil do Estado nas hipóteses apresentadas.

Leia mais

PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO

PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO 1.1 CONCESSÃO A concessão é um contrato

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO: EVOLUÇÃO LEGISLATIVA E JURISPRUDENCIAL NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO RESUMO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO: EVOLUÇÃO LEGISLATIVA E JURISPRUDENCIAL NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO RESUMO 1 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO: EVOLUÇÃO LEGISLATIVA E JURISPRUDENCIAL NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Marcos Gabriel de Oliveira Rezende 1 RESUMO O presente trabalho visa demonstrar a evolução

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Direito Administrativo Professor André Barbieri Amplie seu conhecimento! Aproveite para revisar e reforçar o estudo da disciplina de Direito Administrativo através deste material complementar às aulas

Leia mais

Direito Constitucional Organização do Estado Banco Central

Direito Constitucional Organização do Estado Banco Central Direito Constitucional Organização do Estado Banco Central Prof. Giuliano Tamagno 15 09 DIVISÃO DA AULA CONCEITOS INICIAIS FEDERALISMO ENTES DA FEDERAÇÃO ORIGEM DO FEDERALISMO FEDERALISMO NO BRASIL CARACTERISTICAS

Leia mais

Direito. Administrativo. Serviços públicos

Direito. Administrativo. Serviços públicos Direito Administrativo Serviços públicos Serviços Públicos - Constituição Federal Art. 175. Incumbe ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, sempre através

Leia mais

Observação. Empresa pública. Conceitos: Distinção. Sociedade de economia mista 12/11/2012 EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA

Observação. Empresa pública. Conceitos: Distinção. Sociedade de economia mista 12/11/2012 EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA Observação EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA Nem toda empresa estatal é empresa pública ou sociedade de economia mista. Para que seja empresa pública ou sociedade de economia mista, é necessário

Leia mais

DIMENSÕES DOS DANOS AMBIENTAIS, JURIDICIDADE E FORMAS DE REPARAÇÃO

DIMENSÕES DOS DANOS AMBIENTAIS, JURIDICIDADE E FORMAS DE REPARAÇÃO DIMENSÕES DOS DANOS AMBIENTAIS, JURIDICIDADE E FORMAS DE REPARAÇÃO Fernanda Luiza Fontoura de Medeiros Pesquisadora do CNPq Doutora em Direito (UFSC/Coimbra) Mestre em Direito (PUCRS) Professora Adjunta

Leia mais

SumáriO Direito tributário...2 O Direito tributário e as demais Ciências Jurídicas...5 O Direito tributário e os Limites ao poder de tributar...

SumáriO Direito tributário...2 O Direito tributário e as demais Ciências Jurídicas...5 O Direito tributário e os Limites ao poder de tributar... sumário Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas Públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

1. CONCEITO DE BEM PÚBLICO

1. CONCEITO DE BEM PÚBLICO BENS PÚBLICOS 1. CONCEITO DE BEM PÚBLICO - São todos os bens pertencentes às pessoas jurídicas de direito público, isto é, Administração direta, autarquias e fundações públicas de direito público, bem

Leia mais

Direito Administrativo II: Bens Públicos

Direito Administrativo II: Bens Públicos Direito Administrativo II: Bens Públicos PROF. GUSTAVO JUSTINO DE OLIVEIRA Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) São Paulo (SP), novembro de 2017. Sumário de aula 1. Bens públicos I.

Leia mais

Direito Processual Civil. Da Execução por Quantia Certa

Direito Processual Civil. Da Execução por Quantia Certa Direito Processual Civil Da Execução por Quantia Certa Da Execução Por Quantia Certa A citação do devedor: Art. 827: Ao despachar a inicial, o juiz fixará, de plano, os honorários advocatícios de dez por

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO ADMINISTRATIVO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO ADMINISTRATIVO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO ADMINISTRATIVO QUESTÃO 1 - Quanto aos princípios constitucionais da Administração Pública, assinale a alternativa correta. A. O princípio da supremacia

Leia mais

Natureza: incorpora-se ao solo naturalmente. Ex: árvore. Acessão Física: incorpora-se ao solo de forma artificial. Ex.: construções.

Natureza: incorpora-se ao solo naturalmente. Ex: árvore. Acessão Física: incorpora-se ao solo de forma artificial. Ex.: construções. Bens Jurídicos: são coisas dotadas de valor econômico. Classificação: a. Bem imóvel (art. 79) Bem de Raiz: é o solo e tudo que nele se incorporar, natural ou artificialmente. Subdivide-se em várias espécies

Leia mais

Responsabilidade civil do empreiteiro e do projetista. Mario Rui Feliciani

Responsabilidade civil do empreiteiro e do projetista. Mario Rui Feliciani civil do empreiteiro e do projetista Mario Rui Feliciani Este, que pode parecer um tema de pouca importância, é na verdade tema que envolve vários conceitos fundamentais de direito: O primeiro artigo de

Leia mais

Direito Ambiental. Competências Legislativa e Material. Professor Mateus Silveira.

Direito Ambiental. Competências Legislativa e Material.  Professor Mateus Silveira. Direito Ambiental Competências Legislativa e Material Professor Mateus Silveira www.acasadoconcurseiro.com.br direito ambiental COMPETÊNCIAS LEGISLATIVA E MATERIAL COMPETÊNCIA EM MATÉRIA AMBIENTAL: COMPETÊNCIA

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO 1. Introdução: - O Estado responde pelos danos civis (materiais, morais e estéticos) praticados pelos seus agentes públicos a particulares, em decorrência da função administrativa.

Leia mais

XIII Congresso Goiano de Direito Administrativo. Direito Urbanístico e Mobilidade Urbana Responsabilidade do Estado e planejamento urbanístico

XIII Congresso Goiano de Direito Administrativo. Direito Urbanístico e Mobilidade Urbana Responsabilidade do Estado e planejamento urbanístico XIII Congresso Goiano de Direito Administrativo Direito Urbanístico e Mobilidade Urbana Responsabilidade do Estado e planejamento urbanístico Goiânia, 13 de maio de 2014 Letícia Queiroz de Andrade Política

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 09. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 09. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 09 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva BENS O tema é tratado nos artigos 79 a 103 do Código

Leia mais

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA Meio ambiente na CF/88 A Constituição Federal reconhece e declara: O meio ambiente ecologicamente equilibrado é essencial à sadia qualidade de

Leia mais

Assegurar que a parte executada em um processo realize o pagamento do valor discutido, caso venha a ser comprovado que esse é devido.

Assegurar que a parte executada em um processo realize o pagamento do valor discutido, caso venha a ser comprovado que esse é devido. GARANTIAS JUDICIAIS 1 OBJETIVO DA GARANTIA JUDICIAL Assegurar que a parte executada em um processo realize o pagamento do valor discutido, caso venha a ser comprovado que esse é devido. 2 Código de Processo

Leia mais

9/26/17. Contratos. ! Conceito: Contrato. Fontes obrigacionais no direito civil brasileiro. - Direito obrigacional

9/26/17. Contratos. ! Conceito: Contrato. Fontes obrigacionais no direito civil brasileiro. - Direito obrigacional Fontes obrigacionais no direito civil brasileiro! Lei! *! Atos ilícitos e o abuso de direito! Atos unilaterais! Títulos de crédito! Conceito: Contrato - Direito obrigacional - Relação jurídica transitória:

Leia mais

Seguro de automóveis facultativo: novas Súmulas 529 e 537 do STJ. Por Alice Saldanha Villar (*)

Seguro de automóveis facultativo: novas Súmulas 529 e 537 do STJ. Por Alice Saldanha Villar (*) Seguro de automóveis facultativo: novas Súmulas 529 e 537 do STJ Por Alice Saldanha Villar (*) O seguro de automóveis no Brasil pode ser dividido em dois grupos, a saber: o seguro obrigatório (DPVAT Danos

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Introdução ao Direito Administrativo... 1

Sumário. Capítulo 1 Introdução ao Direito Administrativo... 1 Sumário Capítulo 1 Introdução ao Direito Administrativo... 1 1.1. Conceito... 1 1.2. Histórico do Direito Administrativo... 4 1.3. Objeto... 4 1.4. Fontes... 4 1.5. Sistemas Administrativos ou Mecanismos

Leia mais

Improbidade Administrativa

Improbidade Administrativa Direito Administrativo Improbidade Administrativa Noção de probidade Agir com probidade é o que se espera do agente público. Probidade é um conceito ligado à honestidade, honradez, retidão de conduta,

Leia mais

LEGISLAÇÃO MINERÁRIA BRASILEIRA: Avaliação e Perspectivas. ANA SALETT MARQUES GULLI Procuradora-Chefe/DNPM

LEGISLAÇÃO MINERÁRIA BRASILEIRA: Avaliação e Perspectivas. ANA SALETT MARQUES GULLI Procuradora-Chefe/DNPM LEGISLAÇÃO MINERÁRIA BRASILEIRA: Avaliação e Perspectivas ANA SALETT MARQUES GULLI Procuradora-Chefe/DNPM Junho/2010 Relevância da atividade mineral A atividade mineral apresenta-se como uma atividade

Leia mais

1 Direito processual constitucional, 7

1 Direito processual constitucional, 7 1 Direito processual constitucional, 7 1.1 Esclarecimentos iniciais, 7 1.2 Direito processual constitucional: objeto de estudo, 8 1.3 Jurisdição, processo, ação e defesa, 10 1.4 Constituição e processo,

Leia mais

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar...

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar... SUMÁRIO Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 263 ACÓRDÃO Registro: 2015.0000917209 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2120654-60.2015.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante BANCO BRADESCO S/A,

Leia mais

Associações Públicas. F. Públicas de direito privado Empresas Públicas Sociedade de Economia Mista

Associações Públicas. F. Públicas de direito privado Empresas Públicas Sociedade de Economia Mista 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Introdução - Administração Pública PONTO 2: Associações Públicas PONTO 3: Pessoas Jurídicas de Direito Público PONTO 4: As Pessoas Jurídicas de Direito Privado 1. Introdução

Leia mais

NOTA À DÉCIMA QUINTA EDIÇÃO...

NOTA À DÉCIMA QUINTA EDIÇÃO... SUMÁRIO NOTA À DÉCIMA QUINTA EDIÇÃO... 5 Capítulo I O DIREITO ADMINISTRATIVO, A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E O REGIME JURÍDICO-ADMINISTRATIVO... 21 1. O direito administrativo... 21 1.1. Origem e desenvolvimento

Leia mais

LIVRO: MANUAL DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA EDITORA: GEN MÉTODO EDIÇÃO: 1ªED., 2012 SUMÁRIO

LIVRO: MANUAL DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA EDITORA: GEN MÉTODO EDIÇÃO: 1ªED., 2012 SUMÁRIO LIVRO: MANUAL DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA EDITORA: GEN MÉTODO EDIÇÃO: 1ªED., 2012 SUMÁRIO LIVRO I - DIREITO MATERIAL Rafael Carvalho Rezende Oliveira 1. Introdução 1.1. A importância do combate à corrupção

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Definição... 21

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Definição... 21 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 Capítulo I Direito Tributário... 13 1. Definição... 13 2. Relação com outros ramos do direito... 13 3. Fontes do direito tributário... 14 4. Legislação tributária... 20 Capítulo

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL.

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Aula Ministrada pelo Prof. Durval Salge Jr. 1-) Promessa de Compra e Venda: a) Conceito: São direitos reais de aquisição os adquiridos em favor do compromissário

Leia mais

SUMÁRIO LIVRO I IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. Parte 1 Direito Material Rafael Carvalho Rezende Oliveira

SUMÁRIO LIVRO I IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. Parte 1 Direito Material Rafael Carvalho Rezende Oliveira SUMÁRIO LIVRO I IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Parte 1 Direito Material Rafael Carvalho Rezende Oliveira 1. INTRODUÇÃO 1.1. A importância do combate à corrupção 1.2. Conceito de improbidade administrativa

Leia mais

Responsabilidade Civil. Prof. Antonio Carlos Morato

Responsabilidade Civil. Prof. Antonio Carlos Morato Responsabilidade Civil Prof. Antonio Carlos Morato Dano Estético Dano à imagem / Dano Estético (art. 5o, V e X da CF) Imagem-retrato e Imagem-Atributo V - é assegurado o direito de resposta, proporcional

Leia mais

LEI Nº 9.478, DE 6 DE AGOSTO DE 1997

LEI Nº 9.478, DE 6 DE AGOSTO DE 1997 LEI Nº 9.478, DE 6 DE AGOSTO DE 1997 Dispõe sobre a política energética nacional, as atividades relativas ao monopólio do petróleo, institui o Conselho Nacional de Política Energética e a Agência Nacional

Leia mais