AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERICEIRA EB 2,3 António Bento Franco. Professoras Unidade de Ensino Estruturado (UEE) e professor de EF de apoio à

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERICEIRA EB 2,3 António Bento Franco. Professoras Unidade de Ensino Estruturado (UEE) e professor de EF de apoio à"

Transcrição

1 1 - Professores responsáveis Professoras Unidade de Ensino Estruturado (UEE) e professor de EF de apoio à UEE. 2- Introdução Os alunos que frequentam a UEE, na sua generalidade desenvolvem um Currículo Específico Individual, o qual não contempla todas as disciplinas que fazem parte do currículo comum do nível de ensino em que estão matriculados. No entanto, têm igual carga horária à do grupo/ turma, pelo que se torna necessário reforçar áreas de desenvolvimento que estão em défice, designadamente a actividade motora global. Dentro da actividade motora, a psicomotricidade apresenta-se como aquela que melhor poderá responder ao perfil de funcionalidade de cada um dos alunos, que frequenta a UEE em tempo parcial: os nossos alunos apresentam, na sua maioria, problemas de autocontrolo, adequação do comportamento aos diferentes contextos, dificuldade de atenção/concentração, alienação ao mundo exterior, défices do foro social e comunicativo, e outras características do espectro do autismo. Também défices de coordenação motora, equilíbrio, força e tonicidade muscular. Da experiência do ano lectivo transacto, verificou-se uma melhoria significativa ao nível da relação entre alunos, agilidade física, tonicidade e força muscular e nas actividades de vida diária relacionadas com a higiene, mobilidade e cumprimento de regras, com o reforço diário de actividades de Educação Física. Nesta sequência, apresenta-se-nos como pertinente a promoção de uma actividade semanal, em piscina.

2 3- Conteúdos O contacto com o meio aquático apresenta-se como uma terapia benéfica para crianças de características do espectro do autismo, podendo daí advir uma totalidade geral de dados positivos, melhorias significativas a vários níveis: motricidade geral, da linguagem, da percepção, da adaptação às mudanças, tranquilidade 4 - Objectivos - Atenuar as incapacidades relativas à motricidade global e psicomotricidade; - Melhorar as capacidades gerais das crianças; - Promover a aprendizagem e a aquisição de novas competências e adequação de comportamentos; - Promover o relaxamento, a estabilidade e a diminuição de comportamentos agressivos; - Contribuir para a melhoria ao nível emocional; - Promover a actividade física, através de actividades lúdicas. - Desenvolver actividades básicas de vida diária na área da higiene; - Promover competências de autonomia no âmbito da mobilidade: deslocar-se a pé no meio local, cumprindo com as regras de segurança rodoviária. 5 Número de alunos envolvidos Sete ou oito.

3 6 - Pré-requisitos Recursos Humanos os afectos à Unidade e o professor de E.F. Um bloco de 90 minutos para incluir deslocação, preparação em balneário prática e retorno. Horário de uso da piscina dentro do lectivo e de preferência salvaguardar o período da digestão. Protocolo com Escola / Autarquia. Adequação dos horários dos alunos ao da autorização para uso da piscina. 7 Material No protocolo salvaguardar para que se possa usar o material de apoio à prática de natação. Cada aluno levará o seu equipamento e no início do ano os docentes solicitarão aos encarregados de educação que se responsabilizem pelo equipamento. 8 Transporte/deslocação A deslocação será a pé escola - estacionamento ALDI - piscina, acompanhados pelos docentes e auxiliar. Sempre que as condições climatéricas sejam adversas ficarão na escola. 9 - Orçamento Se houver necessidade de algum pagamento deverá sair da verba atribuída à Unidade da EB2.3 do orçamento da escola.

4 10 Avaliação da actividade Esta ocorrerá trimestralmente entre os intervenientes e será registada em grelha semanal em anexo, que será apresentada em reunião de Departamento e de Conselho de Turma dos alunos circunscritos. Assinatura dos professores intervenientes Recebido em 30/06/2011 O Director Despacho do Conselho Pedagógico Apresentação do Projeto pela coordenadora do Grupo de Educação Especial e o parecer foi favorável. Observações: Todos os elementos que compõem este conselho considerou benícico para os alunos as atividades propostas neste projeto. Ericeira 5 /07/2011 O Presidente do Conselho Pedagógico

5 Avaliação de Actividade Identificação da actividade Designação: Sumário: Local: Data: Actividade promovida por: Professor de Educação Física: Professores de Educação Especial: A actividade foi realizada? Não Sim Motivo: Nº de alunos participaram Presentes Faltas

6 Cumprimento dos Objectivos Insuficiente Regular Bom Muito Bom Excelente Aspectos Positivos: Dificuldades Encontradas: Participação Destinatários Nº Níveis de Participação Insuficiente Regular Bom Muito Bom Excelente Assinaturas Observações/Sugestões: O Responsável Coordenação de Projectos: Data: Data:

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Revisão Ano Letivo 2015/ 2016

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Revisão Ano Letivo 2015/ 2016 PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Revisão Ano Letivo 2015/ 2016 Identificação do Aluno NOME: DATA DE NASCIMENTO: NÍVEL DE EDUCAÇÃO OU ENSINO: PRÉ-ESCOLAR 1ºCEB 2ºCEB

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo / Estabelecimento de Ensino: Agrupamento de Escolas: Nome: Data de Nascimento: Morada: Telefone: Nível de Educação ou Ensino: Pré-Escolar 1ºCEB 2º CEB 3ºCEB E.

Leia mais

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 25-Set-2012 1. FUNDAMENTAÇÃO DO PROJETO Garantir o cumprimento do Currículo do 1º Ciclo, no que respeita à área da Expressão e Educação Físico-Motora;

Leia mais

Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas. Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo

Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas. Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo Regulamento da Equipa de Educação Especial e Apoio Educativo 1.Educação Especial e Apoio Educativo 1.1.

Leia mais

Escola Secundária c/ 3º ciclo de Vendas Novas. +Sucesso Escolar

Escola Secundária c/ 3º ciclo de Vendas Novas. +Sucesso Escolar Escola Secundária c/ 3º ciclo de Vendas Novas +Sucesso Escolar Agrupamento Vertical de Escolas de Vendas Novas Aprender Mais Situações/problemas que justificaram as Candidaturas: Insucesso acentuado num

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei nº 3/2008 de 7 de janeiro Pela 1ª vez: Revisão (final de ciclo) : ESCOLA: Ano Letivo: 1. Identificação do Aluno: Nome: Data de nascimento: / / Ano: Turma: Nível

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

1.7. Número de unidades curriculares em que participou no segundo semestre de 2006/2007:

1.7. Número de unidades curriculares em que participou no segundo semestre de 2006/2007: INQUÉRITO AOS DOCENTES SOBRE CONDIÇÕES E ACTIVIDADES DE ENSINO/APRENDIZAGEM ANO LECTIVO 2006/2007-2º SEMESTRE 1.1. Categoria e Vínculo Doutorado Convidado Tempo Integral Doutorado Convidado Tempo Parcial

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo 2007/2008 Estabelecimento de Ensino: Escola Básica do 1º ciclo Agrupamento de Escolas: Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato Nome: Data de Nascimento: Morada:

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL (Decreto-Lei Nº3/2008) EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR/ CICLO/SECUNDÁRIO Ano Lectivo 2013/2014 Estabelecimento de Ensino: Agrupamento de Escolas: Agrupamento de Escolas Júlio Dantas

Leia mais

377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS

377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS 377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS ÁREAS ORGANI- ZACIONAIS ESCOLARESs - CURRICULAR SUB-ÁREAS ORGANIZACIONAIS Concepção e Desenho do currículo

Leia mais

DECRETO-LEI 3/ de Janeiro

DECRETO-LEI 3/ de Janeiro DECRETO-LEI 3/2008 7 de Janeiro ÂMBITO Define os apoios especializados a prestar na Educação Pré-Escolar e nos ensinos básico b e secundário dos sectores públicos, p particular e cooperativo. Princípios

Leia mais

Departamento de Educação Especial

Departamento de Educação Especial Índice Artigo 1º (Objeto)...2 Artigo 2º (Âmbito)...2 Artigo 3º (Composição)...3 Artigo 4º (Competências)...3 Artigo 5º (Organização)...5 Artigo 6º (Equipas pluridisciplinares)...5 Artigo 7º (Pedido de

Leia mais

PROJECTO DE CRIAÇÃO DE UM GRUPO DE BOMBOS

PROJECTO DE CRIAÇÃO DE UM GRUPO DE BOMBOS PROJECTO DE CRIAÇÃO DE UM GRUPO DE BOMBOS DINAMIZADORES: Rodrigo Barreto / Susana Malaínho / Teresa Barbosa ANO LECTIVO: 2010/2011 Índice 1- Apresentação do projecto: Criação de um Grupo de Bombos 2- Objectivos

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

Índice. Plano de Acção para a Matemática

Índice. Plano de Acção para a Matemática Índice 1 Introdução... 2 2 Identificação do Agrupamento / Escola... 2 3 Coordenador do projecto e professores que integram a equipa responsável pela sua execução:... 2 4 Diagnóstico dos resultados dos

Leia mais

Relatório Circunstanciado

Relatório Circunstanciado Ano Letivo 2015/2016 Relatório Circunstanciado Artigo 13.º do Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro Artigo 31.º-A da Lei n.º 21/2008, de 12 de maio 1. IDENTIFICAÇÃO DO/A ALUNO/A Nome: Data de Nascimento:

Leia mais

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves 5º e 6º ano Professor Hugo Costa 2010/2011 1 Índice Introdução...2 Intervenientes...3 Metodologia:...5 Divulgação...5 Selecção...5 Cronologia...5 Calendarização...6

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Arquiteto Fernando Távora 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS Preâmbulo 1. Caracterização O Centro de Investigação João de Deus é um serviço da Escola Superior de Educação João de Deus, onde se desenvolverá o apoio e o acompanhamento

Leia mais

GUIÃO ORIENTADOR PARA O RESPONSÁVEL PELO GRUPO/TURMA DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS INDIVIDUAIS

GUIÃO ORIENTADOR PARA O RESPONSÁVEL PELO GRUPO/TURMA DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS INDIVIDUAIS GUIÃO ORIENTADOR PARA O RESPONSÁVEL PELO GRUPO/TURMA DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS INDIVIDUAIS De acordo com o previsto no Decreto-Lei nº3/2008 Junho de 2014 Elaboração no âmbito da acção de formação:

Leia mais

Diferenças entre os dois Diplomas

Diferenças entre os dois Diplomas Diferenças entre os dois Diplomas Regime jurídico em vigor (Decreto-lei 319/91) Novo Regime jurídico (Decreto-lei 3/08) Quanto ao âmbito da aplicação O diploma aplica-se aos alunos com necessidades educativas

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Música de Lisboa Licenciatura em Música - Unidade Curricular: Projecto

Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Música de Lisboa Licenciatura em Música - Unidade Curricular: Projecto FICHA DE PROJECTO 1. DADOS (autor do projeto, orientador do projeto e coordenador do curso) Título do Projecto Identificação do autor do projecto e responsável pelo relatório Estudante Nº Nome Variante

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE

AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE Relatório de Reflexão Critica do Plano Anual de Atividades Ano Letivo 2011/2012 1ºPeríodo Índice Índice 2 Introdução 3 Grau execução e de satisfação 4 Participação dos agentes

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Após a aprovação no último Conselho Pedagógico de 13 de Outubro de 2010, das líneas orientadoras para a definição das opções estratégicas do

Leia mais

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO (Anexo I do Regulamento Interno 2009.13) Uma visita de estudo é uma actividade decorrente do Projecto Educativo do Agrupamento e enquadrável no âmbito do desenvolvimento

Leia mais

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro)

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (...) SECÇÃO IV RECURSOS EDUCATIVOS Artigo 102.º Centros de Recursos Educativos 1. O Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL:

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: Domínio Cognitivo e Motor (Código A71) Educadores de Infância e Professores dos 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário Curso de

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

Cursos Profissionais Nível 3

Cursos Profissionais Nível 3 Cursos Profissionais Nível 3 Despacho nº 14758/2004 (2ª série), de 23 de Julho, Portaria nº 550-C/2004, de 21 de Maio e Portaria nº 797/2006, de 10 de Agosto. I ÂMBITO E DEFINIÇÃO A (FCT) é um conjunto

Leia mais

Projecto de Experiências Pré- Profissionais

Projecto de Experiências Pré- Profissionais Projecto de Experiências Pré- Profissionais Introdução 3 1. Suporte Legal.3 2. Conceito de Experiências Pré-Profissionais.4 3. Objectivos...4 a) Gerais...4 b) Específicos.. 4 4. Proposta de realização

Leia mais

Complexo Desportivo Paulo Pinto Rua de Ribes S. João da Madeira Telef E.mail:

Complexo Desportivo Paulo Pinto Rua de Ribes S. João da Madeira Telef E.mail: PROGRAMA ESCOLA DE NATAÇÃO 2013 2014 NATAÇÃO PARA BEBÉS Este processo é caracterizado como uma adaptação a um meio novo, com uma afectividade e desenvolvimento integrador, e não de aprendizagem das técnicas

Leia mais

Ocupação Plena dos Tempos Escolares PLANO ANUAL 2009/2010. prof. [Escolher a data] 1 Projecto Educativo

Ocupação Plena dos Tempos Escolares PLANO ANUAL 2009/2010. prof. [Escolher a data] 1 Projecto Educativo 1 Projecto Educativo Ocupação Plena dos Tempos Escolares PLANO ANUAL 2009/2010 Marinha Grande, 05 de Setembro de 2009 ESPR 2008-2011 prof. [Escolher a data] 2 Critérios de Avaliação Índice I. ENQUADRAMENTO

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR Nº 4 / GGF / 2012

OFÍCIO-CIRCULAR Nº 4 / GGF / 2012 OFÍCIO-CIRCULAR Nº 4 / GGF / 2012 Às / Aos Escolas Básicas e Secundárias..... X Agrupamentos de Escolas......... X DATA: 2012 / 04 / 30 ASSUNTO: ORÇAMENTO PARA 2012 - Fonte de Financiamento 111 1. DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Agrupamento de Escolas Santos Simões

Agrupamento de Escolas Santos Simões Agrupamento de Escolas Santos Simões PLANO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE Biénio 2015/2017 Guimarães - outubro de 2015 Índice Preâmbulo 3 Enquadramento 3 Introdução 4 Objetivos

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO Área de intervenção Resultados escolares: promoção do sucesso e da excelência Objetivos Metas Atividades Indicadores Situação inicial Atingir em 95% os Elaboração dos PDI segundo Cumprimento

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017 Psicólogas do Externato Pré-Escolar Vera Almeida 1º Ciclo Vera Almeida 2º Ciclo Manuela Pires 3º Ciclo Irene Cardoso Ensino Secundário

Leia mais

Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015

Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015 João Adelino Matias Lopes dos Santos Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015 Ciclos de Sábados Porto, 16 de abril de 2016 Índice Enquadramento normativo Fases do processo de transição

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DOS CURSOS PROFISSIONAIS

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DOS CURSOS PROFISSIONAIS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D MANUEL I REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DOS CURSOS PROFISSIONAIS 1 Introdução a) Entende-se por Formação em Contexto de Trabalho, adiante designado por

Leia mais

Plano de Melhoria 2016/2019

Plano de Melhoria 2016/2019 Plano de Melhoria 20162019 Outubro 2016 20162017 Índice INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVO... 4 ÁREAS DE MELHORIA... 4 IMPLEMENTAÇÃO E MONITORIZAÇÃO... 5 PLANO DE MELHORIA... 6 CONCLUSÃO... 18 ANEXOS... 19 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral julho 2015 Introdução O presente Plano de Melhoria insere-se no âmbito do Relatório elaborado pela Equipa de Avaliação Externa da IGEC, em resultado

Leia mais

NOME DO PROJECTO: DESPORTO ESCOLAR. COORDENADOR/A: Mª Fátima Ferraz PLANIFICAÇÃO

NOME DO PROJECTO: DESPORTO ESCOLAR. COORDENADOR/A: Mª Fátima Ferraz PLANIFICAÇÃO NOME DO PROJECTO: DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR/A: Mª Fátima Ferraz PLANIFICAÇÃO ELEMENTOS DA EQUIPA - Prof. Responsável pelo grupo/ equipa de Dança: Fátima Ferraz. - Prof. Responsável pelo grupo/ equipa

Leia mais

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 (Decreto-regulamentar n.º 26/2012, de 21 de Fevereiro) A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço educativo e das

Leia mais

GABINETE DE APOIO AO ALUNO E À FAMÍLIA

GABINETE DE APOIO AO ALUNO E À FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DE APOIO AO ALUNO E À FAMÍLIA Relatório de Actividades do 1º Período Técnica Superior de Educação: Catarina Miranda Oliveira 2010/2011 E S C O L A S E C U N D Á R I A D

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

Plano Trabalho 2016/2017 Alia Raichande Setembro 2016

Plano Trabalho 2016/2017 Alia Raichande Setembro 2016 Plano Trabalho 2016/2017 O que é uma Associação Pais? As associações de pais são organizações de direito privado, autónomas e independentes, sem fins lucrativos, que baseiam o seu trabalho no voluntariado

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL (Ao Abrigo do Artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro) Ano letivo: 2016 / 2017

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL (Ao Abrigo do Artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro) Ano letivo: 2016 / 2017 PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL (Ao Abrigo do Artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro) Ano letivo: 2016 / 2017 Data de Homologação pelo Conselho Pedagógico / / (O Diretor) Estabelecimento de

Leia mais

Divisão Municipal de Cultura, Educação e Turismo :: Câmara Municipal de Benavente. Grau de Ensino Estabelecimentos Turmas N.

Divisão Municipal de Cultura, Educação e Turismo :: Câmara Municipal de Benavente. Grau de Ensino Estabelecimentos Turmas N. Divisão Municipal de Cultura, Educação e Turismo :: Câmara Municipal de Benavente ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA AUTARQUIA Informação 3º período letivo 2013/2014 1.REDE ESCOLAR Grau de Ensino Estabelecimentos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 5)

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 5) Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 5) 2016-2017 Anexo 5 (Regulamento AEC(s)) Considerando a importância do desenvolvimento de atividades de enriquecimento curricular no 1º

Leia mais

PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO

PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Alcácer do Sal PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FESPPR CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE MONITORIA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FESPPR CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE MONITORIA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FESPPR CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º Este regulamento normaliza as Atividades de Monitoria nos Cursos de Graduação da FESPPR. Para efeito do

Leia mais

REGULAMENTO Nº2/IPT/2006

REGULAMENTO Nº2/IPT/2006 REGULAMENTO Nº2/IPT/2006 Relativo à implementação de projectos/acções por Unidades Orgânicas e Unidades Funcionais do IPT Considerando o disposto no n.º 1 do artigo 8.º da lei de autonomia dos estabelecimentos

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania.

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania. Formação Profissional para Pessoas ou Grupos com Necessidades Especiais Práticas do Centro de Reabilitação Profissional da CERCIPENICHE Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de

Leia mais

Projecto - TRADITIONS UNITE US

Projecto - TRADITIONS UNITE US Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida COMENIUS Parcerias Multilaterais Projecto - TRADITIONS UNITE US 2012-2014 A- CONDIÇÕES DE MOBILIDADE DE ALUNOS NO ÂMBITO DO PROJETO COMENIUS O Programa Comenius

Leia mais

Regulamento FCT. (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais

Regulamento FCT. (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais Regulamento Da FCT (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais (Portaria N.º 550-C/2004 de 21 de Maio) (Desp. N.º 14 758/2004 de 23 de Julho) Revisto pela Portaria nº 74-A/2013 de 15 de Fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS. 2º Ano. Anexos

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS. 2º Ano. Anexos 2º Ano Anexos Anexo I Protocolo de Estágio de Formação em Contexto de Trabalho Entre a Fundação Escola Profissional de Setúbal, como Entidade Formadora, adiante designada por FEPS ou Primeira Outorgante,

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DAS ESCOLAS Janeiro 2017 O Orçamento Participativo das Escolas é um processo estruturado em várias etapas e que garante aos alunos a possibilidade de participarem ativamente no

Leia mais

Perguntas e Respostas Frequentes

Perguntas e Respostas Frequentes Perguntas e Respostas Frequentes (Portaria n.º 644-A/2015, de 24 de agosto) Ano letivo 2015/2016 Relativas a AEC: P1: Nos casos em que os agrupamentos/escolas não agrupadas sejam as entidades promotoras

Leia mais

Serviço de Psicologia Externato da Luz

Serviço de Psicologia Externato da Luz Serviço de Psicologia Externato da Luz Índice Apresentação do Programa 3 Estrutura do Programa 4 Portefólio e Blogue Interactivo 5 Implementação do Programa 7 Grupos, horários e respectivos orientadores

Leia mais

Projecto de Actividades na Comunidade

Projecto de Actividades na Comunidade Projecto de Actividades na Comunidade Centro de Actividades Ocupacionais de Machico 1. Projecto de Prestação de Actividades na Comunidade O Centro de Actividades Ocupacionais de Machico, procura desenvolver

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2009 CAO SÃO VICENTE - ÂNGELA MILHO 1.5 - FICHA DE ACTIVIDADE INSERIDA EM PROGRAMAS E PROJECTOS DESIGNAÇÃO DA ACTIVIDADE: DINAMIZAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO /SENSIBILIZAÇÃO CÓDIGO:

Leia mais

Critérios específicos de avaliação

Critérios específicos de avaliação Critérios específicos de 1. Aspetos a considerar na específica A sumativa expressa-se de forma descritiva em todas as áreas curriculares, com exceção das disciplinas de Português e Matemática no 4º ano

Leia mais

Projecto de Apoio à Literacia. Introdução. Pesquisa e tratamento de informação

Projecto de Apoio à Literacia. Introdução. Pesquisa e tratamento de informação Projecto de Apoio à Literacia Pesquisa e tratamento de informação Se não sabemos para onde vamos, arriscamo-nos a nunca mais lá chegar. Provérbio Tuaregue Introdução A sociedade do século XXI exige que,

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA 1 PLANO DE MELHORIA Melhoria. Da avaliação externa a que a escola foi submetida nos dias 7 e 8 de Março de 2012, resulta a obrigatoriedade de

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressão e Educação Físico Motora. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressão e Educação Físico Motora. Introdução s de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressão e Educação Físico Motora A definição de s de Aprendizagem na Área Curricular de Educação Física tem como base os seguintes instrumentos legais: Programas Nacionais

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO MAPA IC1

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO MAPA IC1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO MAPA IC1 O mapa IC1 é um instrumento de trabalho produzido pela IGE no âmbito da actividade «Organização do Ano Lectivo» inscrita no Plano de Actividades para 2006. Com o

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURA REGIMENTO INTERNO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURA REGIMENTO INTERNO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURA REGIMENTO INTERNO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL SETEMBRO DE 2014 1 Regimento Interno do Grupo de Educação Especial 1.1. DEFINIÇÃO O grupo de Educação Especial (GEE) é uma estrutura

Leia mais

Anexo A - REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO A-1

Anexo A - REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO A-1 Anexo A - REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO A-1 ÍNDICE 1. Definição.3 2. Objetivos.3 3. Procedimentos Pedagógicos..3 4. Aprovação e Autorização.4 5. Planificação...5 6. Organização..6 7. Outras situações

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

Avaliação do Desempenho de Docentes

Avaliação do Desempenho de Docentes Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca Avaliação do Desempenho de Docentes Decreto Regulamentar 2/2010 de 23 de Junho Julho/2010 Em Destaque: 1. Objectivos da avaliação do desempenho. 2. Relevância da

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARADAS Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna 2006-2013 Equipa de Avaliação Interna Página 1 [ES C R E V E R O E N D E R E Ç O D A

Leia mais

da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório

da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório Regulamento da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório Capítulo I Generalidades Artigo 1.º Objecto O presente regulamento, editado com base nos artigos 74.º-A a 74.º-C do ECDU,

Leia mais

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES NORMA I ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1. O presente regulamento, em conformidade com

Leia mais

Questionário aos Pais e Encarregados de Educação 2015

Questionário aos Pais e Encarregados de Educação 2015 Questionário aos Pais e Encarregados de Educação Caros Pais e/ou Encarregados de Educação, professores e funcionários da EB Leão de Arroios - este inquérito é da responsabilidade da Associação de Pais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

CIRCULAR N.º 5/2001, de 6 de Novembro. Esclarecimentos sobre o Despacho Normativo N.º 30/2001

CIRCULAR N.º 5/2001, de 6 de Novembro. Esclarecimentos sobre o Despacho Normativo N.º 30/2001 CIRCULAR N.º 5/2001, de 6 de Novembro Esclarecimentos sobre o Despacho Normativo N.º 30/2001 Face a questões e dúvidas que têm sido suscitadas por diversos pontos do Despacho Normativo 30/2001, apresentam-se

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Relatório de Avaliação Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra 2013/2014 1. INTRODUÇÃO Com o objetivo de implementar o Programa de Atividades de Enriquecimento

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ANO LECTIVO 2010/2011 Introdução O Plano do Departamento de Línguas tem como pressupostos o Projecto Educativo em vigor da Escola Secundária da Baixa da Banheira cujos

Leia mais

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS Dispõe sobre a oferta de atividades de Monitoria no curso de graduação da Faculdade Processus e dá outras providências.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA JUNTA DE FREGUESIA DE CHAMUSCA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA JUNTA DE FREGUESIA DE CHAMUSCA. Preâmbulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA JUNTA DE FREGUESIA DE CHAMUSCA Preâmbulo A criação de um programa de ocupação de tempos livres para as crianças da Freguesia de Chamusca, contribui

Leia mais

Currículo Específico Individual (CEI) 20 /20

Currículo Específico Individual (CEI) 20 /20 Programa Educativo Individualizado Cap. III, Art.º 8.º do Decreto-Lei 3/2008 de 7 de janeiro Currículo Específico Individual (CEI) Cap. IV, art.º. 21º, decreto-lei 3/2008, de 7 de janeiro 20 /20 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo Taxa média de retenção no 2.º ano de escolaridade de 12% no ano letivo 2014/2015 e de 11,6% no ano letivo 2015/2016. 1.º e 2.º anos. 3. Designação da Apoio educativo coadjuvante nas turmas de 1.º e 2.º

Leia mais

Regulamento Programa AnimaSénior

Regulamento Programa AnimaSénior Nota Justificativa O Município de Vouzela, ao longo dos anos, tem vindo a implementar programas e atividades destinados à população sénior residente no concelho, no âmbito do programa AnimaSénior, tendo

Leia mais

CONSULTA DE NEURODESENVOLVIMENTO. Miguel Palha PEDIATRA

CONSULTA DE NEURODESENVOLVIMENTO. Miguel Palha PEDIATRA CONSULTA DE NEURODESENVOLVIMENTO Miguel Palha PEDIATRA 2. INVENTÁRIO DE SINTOMAS, SINAIS E OUTRAS VARIÁVEIS 1. HISTÓRIA CLÍNICA (PEDIATRA) 9. CONSULTA DE SEGUIMENTO (PEDIATRA + TÉCNICO) Explicação nos

Leia mais

S. R. CÂMARA MUNICIPAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ REGULAMENTO DO

S. R. CÂMARA MUNICIPAL DE ALFÂNDEGA DA FÉ REGULAMENTO DO REGULAMENTO DO CONCURSO PROFESSOR JOÃO BAPTISTA VILARES INCENTIVO AO SUCESSO ESCOLAR Preâmbulo Considerando a importância da educação no processo de desenvolvimento do concelho; Considerando a necessidade

Leia mais

EDITAL 01/2018 EDITAL DE INSCRIÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR

EDITAL 01/2018 EDITAL DE INSCRIÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR EDITAL 01/2018 EDITAL DE INSCRIÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR Fundamento legal: Resolução SE 75, de 30-12-2014 alterada pela Resolução SE 3, de 12-1-2015 e Resolução SE 6, de 20-01-2017 que dispõe sobre

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO C U RSOS P R O FI SSIONAI S R E GU L AMEN T O DA FORM AÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Artigo 1.º Âmbito e definição 1. A Formação

Leia mais

1ª Medida- Crescer a Comunicar

1ª Medida- Crescer a Comunicar 1ª Medida- Crescer a Comunicar 2- Anos de Escolaridade a 3- Designação da Crescer a Comunicar a da execução da ) Atendendo às orientações curriculares/ metas da educação pré -escolar verifica-se que um

Leia mais

Relatório de auto-avaliação de desempenho 2008

Relatório de auto-avaliação de desempenho 2008 Relatório de auto-avaliação de desempenho 2008 Índice I Introdução 2 Avaliação do cumprimento dos objectivos 2.1. Identificação dos Objectivos Estratégicos 2.2. Apresentação dos resultados do QUAR 2.3.

Leia mais

Artigo 1º Composição

Artigo 1º Composição REGIMENTO INTERNO Artigo 1º Composição 1. O Departamento Curricular do Pré-Escolar é constituído pelos Docentes dos Jardins de Infância de A-dos- Negros, Gracieira, Gaeiras, A-da-Gorda, Óbidos, Usseira,

Leia mais

EDITAL 01/2018 EDITAL DE INSCRIÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR

EDITAL 01/2018 EDITAL DE INSCRIÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR EDITAL 01/2018 EDITAL DE INSCRIÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR Fundamento legal: Resolução SE 75, de 30-12-2014 alterada pela Resolução SE 3, de 12-1-2015 e Resolução SE 6, de 20-01-2017 que dispõe sobre

Leia mais