REGENERAÇÃO NATURAL EM ÁREAS DEGRADADAS COM ENFOQUE NA CAPACIDADE DE RESILIÊNCIA DAS ESPÉCIES LENHOSAS DO CERRADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGENERAÇÃO NATURAL EM ÁREAS DEGRADADAS COM ENFOQUE NA CAPACIDADE DE RESILIÊNCIA DAS ESPÉCIES LENHOSAS DO CERRADO"

Transcrição

1 REGENERAÇÃO NATURAL EM ÁREAS DEGRADADAS COM ENFOQUE NA CAPACIDADE DE RESILIÊNCIA DAS ESPÉCIES LENHOSAS DO CERRADO Ayuni Larissa Mendes Sena 1, 2, José Roberto Rodrigues Pinto 1, 3 ( 1 Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal, CP 04357, CEP , Brasília DF; 2 Graduando em Engenharia Florestal, 3 Professor, Termos para indexação: recuperação, áreas degradadas, regeneração, reprodução sexuada/vegetativa Introdução Foram necessárias cerca de cinco décadas de ocupação antrópica intensa para que a vegetação nativa do Cerrado fosse reduzida a menos da metade da sua área original (Henriques, 2003). Segundo relatório do Ministério do Meio Ambiente (MMA, 2007a) restam, atualmente, 46,74% de áreas naturais preservadas neste bioma. As pressões exercidas sobre a vegetação do Cerrado são grandes. No Distrito Federal, estas pressões ocorrem principalmente devido à urbanização desordenada, a constantes invasões de terras públicas e à conseqüente expansão da malha viária, além da ocupação agrícola e da ocorrência de queimadas ilegais. De acordo com o MMA (2007b), a recuperação de áreas degradadas é a segunda ação mais recomendada para conservação do Cerrado, sendo que, das 431 áreas prioritárias para conservação, 34% delas necessitam ser recuperadas. Neste contexto, a recuperação de áreas degradadas é de grande importância ambiental e sócio-econômica, sendo necessária devido ao mau uso dos recursos naturais. É preciso que haja mais estudos sobre a dinâmica da regeneração natural visando a entender os processos que envolvem a capacidade de resiliência das espécies lenhosas do Cerrado e assim, aprimorar técnicas empregadas na recuperação de áreas degradadas com o uso de espécies nativas. Resiliência é a capacidade de um ambiente absorver distúrbios sem que mude qualitativamente seu comportamento, enquanto a condição de equilíbrio é modificada (ACIESP, 1997). Estudos têm demonstrado que o grau de resiliência depende das características de cada espécie, estando, portanto, em função, não do desenvolvimento da comunidade em si, mas das espécies em particular (Halpern, 1988). Assim, a resiliência de

2 um ecossistema é avaliada pelo tempo que ele levará para retornar à condição inicial, ou próxima a esta (ACIESP, 1997). O objetivo deste estudo é avaliar a regeneração natural da vegetação nativa do Cerrado, analisando seu comportamento em áreas sob diferentes tipos de interferência antrópica. A partir do conhecimento dos processos de revegetação espontânea e da identificação das espécies com maior potencial de colonização de sítios alterados, espera-se contribuir para a melhoria das técnicas de recuperação das áreas degradadas neste bioma. Material e Métodos O estudo foi realizado em áreas de cerrado sentido restrito, localizadas na Área de Proteção Ambiental (APA) Gama e Cabeça de Veado, Distrito Federal. Foram selecionadas uma área controle (não perturbada) e três áreas com diferentes tipos de distúrbios comuns no DF (fogo, depósito de entulho e empréstimo de subsolo). A área queimada sofreu incêndio no fim da estação seca (setembro/2005). Na área de empréstimo, a camada superficial do solo apresentava alto nível de compactação, assim como a área de deposição de entulho, onde havia invasão por espécies exóticas, principalmente gramíneas, e grande quantidade de lixo e resíduo de construção civil. Em cada tratamento e na área controle foram amostradas quatro parcelas contíguas de m, demarcadas aleatoriamente. Nessas unidades amostrais, fez-se o levantamento das espécies lenhosas em regeneração natural, mensurando o diâmetro da base e a altura total dos indivíduos regenerantes com altura 1,0 m. Para cada área foram calculados o índice de valor de cobertura (densidade e dominância relativas), a riqueza, o índice de diversidade de Shannon (H ) e o de eqüabilidade de Pielou (J ), com auxílio do programa Mata Nativa 2. A forma de regeneração foi classificada em assexuada (rebrota de raízes) e sexuada (formação de plântulas via germinação de sementes), identificada em campo através de diferenciação morfológica, escavação superficial com pá de jardinagem (até 10 cm) e, principalmente, diâmetro do coleto. De acordo com Hoffman (1998) a regeneração natural por rebrota apresenta, em geral, indivíduos de maior tamanho.

3 Resultados e Discussão Foram amostrados indivíduos regenerantes (altura 1,0 m), distribuídos em 64 espécies. A densidade variou de ind.ha -1, na área controle, a 225 ind.ha -1, nas áreas de empréstimo e de deposição de entulho. A área queimada apresentou densidade, riqueza e diversidade de espécies lenhosas semelhantes à área controle. Baixos valores para estes parâmetros foram registrados nos outros dois tratamentos (Tabela 1). Os baixos valores registrados nas áreas de empréstimo e de deposição de entulho provavelmente estão associados a semelhanças nas condições ambientais locais, sobretudo a alta compactação do solo. Por outro lado, na área queimada, a vegetação recuperou riqueza, diversidade de espécies e número de indivíduos em pouco tempo após a passagem do fogo, cerca de seis meses, fato que pode ser explicado pela alta adaptabilidade da vegetação do Cerrado a este tipo de perturbação (Miranda et al., 2004). Tabela 1. Características dos regenerantes (altura 1,0 m) nas áreas controle e tratamentos (fogo, entulho e empréstimo) amostrados em áreas de cerrado sentido restrito (parcelas de m), APA Gama e Cabeça de Veado, DF. N = número de indivíduos, S = número de espécies, H' = índice de diversidade de Shannon e J' = índice de eqüabilidade de Pielou. N S H' J' Controle ,03 0,75 Fogo ,04 0,76 Entulho ,80 0,82 Empréstimo ,02 0,49 Em geral as espécies com maior valor de cobertura (Tabela 2) registradas nas quatro áreas foram semelhantes àquelas descritas por Nunes et al. (2002) para vegetação adulta em áreas de cerrado sentido restrito no Distrito Federal. No entanto, em termos florísticos, estas perturbações causam grande impacto sobre a resiliência da vegetação lenhosa do Cerrado, já que muitas espécies comuns às áreas de cerrado sentido restrito bem preservado (Nunes et al., 2002) ainda não recolonizaram as áreas de empréstimo e de deposição de entulho. Diversos autores têm mencionado como principais empecilhos à regeneração o alto grau de compactação do solo, a retirada da camada superficial rica em matéria orgânica e a invasão por espécies exóticas agressivas, principalmente gramíneas (Pivello et al., 1999; Martins et

4 al., 2004). Segundo Haridasan (2000), devido à baixa fertilidade natural do solo, a vegetação nativa do Cerrado é muito dependente da ciclagem de nutrientes em solos bem estruturados. A reprodução vegetativa foi a principal estratégia de regeneração nas áreas perturbadas, pois 90% das espécies apresentaram mais de 80% dos indivíduos regenerantes a partir de rebrota de raízes (Tabela 2). Nas áreas com histórico de fogo, é comum encontrar maior número de brotações em comparação às áreas preservadas, pois a queima estimula a rebrota de raízes nas plantas do Cerrado (Ramos, 1990), confirmando os resultados encontrados. De acordo com Rizzini (1965), quanto maior o nível de degradação do Cerrado, maior será a ocorrência de reprodução vegetativa. Isto pode justificar o fato de que nos tratamentos deposição de entulho e área de empréstimo, todas as espécies se regeneraram naturalmente apenas por rebrota de raízes. Assim, a reprodução vegetativa parece ser o fator que mais contribui para a resiliência do cerrado sentido restrito, tendo influência significativa no recrutamento das espécies e na manutenção desta vegetação (Hoffman, 1998). As espécies Casearia sylvestris, Dalbergia miscolobium, Kielmeyera coriacea, Ouratea hexasperma e Salacia crassifolia foram consideradas as mais resilientes, por ocorrerem na maioria das condições ambientais avaliadas. Estas espécies podem ser indicadas em projetos de recuperação, face sua alta capacidade de recolonização de áreas perturbadas. Tabela 2. Freqüência do tipo de reprodução (%) e índice de valor de cobertura dos indivíduos regenerantes (altura 1,0 m) amostrados em parcelas de m em áreas de cerrado sentido restrito, APA Gama e Cabeça de Veado, DF. As espécies estão em ordem alfabética do nome científico. Veg. = reprodução vegetativa e Sex. = reprodução sexuada. Espécie Tipo de Reprodução (%) Controle Fogo Entulho Empréstimo Veg. Sex. Acosmium dasycarpum ,98 1,60-4,44 Aegiphila sellowiana ,08 - Agonandra brasiliensis ,46 0, Aspidosperma macrocarpon 98,15 1,85 0,64 2, Aspidosperma tomentosum ,14 7, Blepharocalyx salicifolius ,72 4,16-1,35 Bowdichia virgilioides , Brosimum gaudichaudii ,80 0,45 - -

5 Byrsonima coccolobifolia ,98 1, Byrsonima pachyphylla ,29 1, Byrsonima sp , Byrsonima verbascifolia ,60 1, Caryocar brasiliense 83,68 16,32* 3,10 9, Casearia sylvestris 99,48 0,52 2,74 4,80 21,91 2,22 Connarus suberosus 100 0,47 8,43 4,15-12,97 Dalbergia miscolobium 93,61 6,39* 20,10 17,99 27,58 2,13 Davilla elliptica ,38 1, Dimorphandra mollis 54,54 45,45 0,41 0, Diospyros burchellii 97,15 2,85 2,55 1, Enterolobium gummiferum ,98 0, Eremanthus glomerulatus ,65 0, Eriotheca pubescens ,84 6, Erythroxylum deciduum ,17 1, Erythroxylum suberosum 98,88 1,12 5,57 1, Erythroxylum tortuosum ,71 0, Guapira noxia ,25 0,61 4,19 - Hancornia speciosa , Heteropterys byrsonimifolia , Himatanthus obovatus ,50 0, Hymenaea stigonocarpa ,24 0, Kielmeyera coriacea 96,27 3,73* 29,90 50,78 31,44 - Kielmeyera speciosa 40, , Lafoensia pacari ,64 0, Machaerium acutifolium 98,00 2 6,55 0,56-1,35 Machaerium opacum , Miconia albicans 80, ,10 0, Miconia ferruginata , Miconia ferruginea , Miconia pohliana , Mimosa claussenii ,23 3, Ouratea hexasperma 100 0,26 11,88 22,55 56,50 121,33 Palicourea rigida ,89 1, Piptocarpha rotundifolia 97,06 2,94 0,27 2, Plenckia populnea ,50 0, Pouteria ramiflora ,33 1, Pterodon pubescens ,68 0,48 - -

6 Qualea grandiflora 93,49 3,51 5,12 4, Qualea multiflora ,76 4, Qualea parviflora 100 0,23 14,75 10, Qualea sp , Rapanea guianensis , Roupala montana 97,27 2,73* 27,76 5,56 4,13 - Salacia crassifolia ,37 3,13 29,44 54,22 Schefflera macrocarpa 83,68 16,32 0,35 2, Sclerolobium paniculatum , Solanum lycocarpum ,73 - Strychnos pseudoquina ,04 0, Stryphnodendron adstringens 95,63 4,37 2,72 6, Styrax ferrugineus ,42 2, Tabebuia ochracea ,31 0, Tocoyena formosa ,10 1, Vatairea macrocarpa , Vochysia elliptica ,60 0, Vochysia thyrsoidea , * Inclui as plântulas encontradas na área queimada capazes de rebrotar após o fogo. Conclusões A semelhança florística e estrutural entre as áreas controle e com fogo indica que o cerrado sentido restrito possui alta resiliência a este distúrbio, certamente devido às adaptações das espécies em resposta ao longo histórico de queimadas no bioma. Porém, possuem baixa capacidade de regeneração frente a outros distúrbios mais severos, provavelmente devido à remoção e à compactação do solo. As espécies registradas com freqüência e valor de cobertura altos nas quatro áreas podem ser indicadas para recuperação, devido à sua elevada resiliência. Tais espécies são semelhantes àquelas indicadas por Nunes et al., (2002) para plantios de recuperação, corroborando com os resultados deste estudo. Agradecimentos - Somos gratos ao Sr. Newton Rodrigues pelo acompanhamento e ajuda na identificação botânica, a todos que ajudaram na coleta dos dados no campo, em especial Kennya Mara Oliveira Ramos, e à FINATEC pelo apoio financeiro. Referências Bibliográficas

7 ACIESP. Glossário de ecologia. São Paulo: ACIESP, 2ª Ed., p. (Academia de Ciências do Estado de São Paulo). HALPERN, C.B. Early sucessional pathways and the resistence and resilience of Forest communities. Ecology, v.69, p , HARIDASAN, M. Nutrição mineral de plantas nativas do cerrado. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, v.12, p.54-64, HENRIQUES, R.P.B. O futuro ameaçado do Cerrado brasileiro. Ciência Hoje, v.33, n.195, p.34-39, HOFFMAN, W.A. Post-burn reproduction of woody plants in a neotropical savanna: the relative importance of sexual and vegetative reproduction. Journal of Applied Ecology, v.35, p , MARTINS, C.R; LEITE, L.L.; HARIDASAN, M. Capim-gordura (Melinis minutiflora P. Beauv.), uma gramínea exótica que compromete a recuperação de áreas degradadas em unidades de conservação. Revista Árvore, v.28, n.5, p , MIRANDA, H.S.; SATO, M.N.; ANDRADE, S.M. de A.; HARIDASAN, M.; MORAIS, H.C. de. Queimadas de cerrado: caracterização e impactos. In: AGUIAR, L.M.S.; CAMARGO, A.J.A. (Ed.). Cerrado: ecologia e caracterização. Planaltina: Embrapa- Cerrados, p MMA. Mapa de cobertura vegetal dos biomas brasileiros. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Biodiversidade e Florestas, 2007a. (Ministério do Meio Ambiente). MMA. Áreas prioritárias para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira: atualização da Portaria MMA nº. 9, de 23 de janeiro de Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Biodiversidade e Florestas, 2007b (Ministério do Meio Ambiente, Série Biodiversidade, 31). 300p. NUNES, R.V.; SILVA-JÚNIOR, M.C.; FELFILI, J.M.; WALTER, B.M.T. Intervalos de classe para abundância, dominância e freqüência do componente lenhoso do cerrado sentido restrito no Distrito Federal. Revista Árvore, v.26, n.2, p , PIVELLO, V.R.; CARVALHO, V.M.C.; LOPES, P.F.; PECCININI, A.A.; ROSSO, S. Abundance and distribution of native and alien grasses in a cerrado (Brazilian savannas) Biological Reserve. Biotropica, v.31, n.1, p.72-82, RAMOS, A.E. Efeitos da queima sobre a vegetação lenhosa do cerrado p. Dissertação (Mestrado) Universidade de Brasília, Brasília.

8 RIZZINI, C.T. Experimental studies on seedling development. Annals of Missouri Botanical Graden, v.52, n.3, p , 1965.

EFEITO DO DESMATAMENTO NO ESTABELECIMENTO DE ESPÉCIES LENHOSAS EM UM CERRADO Sensu stricto

EFEITO DO DESMATAMENTO NO ESTABELECIMENTO DE ESPÉCIES LENHOSAS EM UM CERRADO Sensu stricto EFEITO DO DESMATAMENTO NO ESTABELECIMENTO DE ESPÉCIES LENHOSAS EM UM CERRADO Sensu stricto Alba Valéria Rezende *, Carlos Roberto Sanquetta **, Afonso Figueiredo Filho *** * Eng. Florestal, Dr a., Depto.

Leia mais

Fitossociologia de um fragmento de cerrado sensu stricto na APA do Paranoá, DF, Brasil

Fitossociologia de um fragmento de cerrado sensu stricto na APA do Paranoá, DF, Brasil Acta bot. bras. 18(4): 903-909. 2004 Fitossociologia de um fragmento de cerrado sensu stricto na APA do Paranoá, DF, Brasil Sérgio Lelis Assunção 1 e Jeanine Maria Felfili 1,2 Recebido em 01/04/2003. Aceito

Leia mais

EFEITO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NA ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA DE UMA ÁREA DE CERRADO SENSU STRICTO NA FAZENDA ÁGUA LIMPA-DF 1

EFEITO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NA ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA DE UMA ÁREA DE CERRADO SENSU STRICTO NA FAZENDA ÁGUA LIMPA-DF 1 Efeito de incêndios florestais na estrutura e composição... 129 EFEITO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NA ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA DE UMA ÁREA DE CERRADO SENSU STRICTO NA FAZENDA ÁGUA LIMPA-DF 1 Nilton

Leia mais

ESTOQUE DE CARBONO EM CERRADO Sensu stricto DO DISTRITO FEDERAL 1. CARBON STOCK IN CERRADO Sensu stricto IN THE FEDERAL DISTRICT

ESTOQUE DE CARBONO EM CERRADO Sensu stricto DO DISTRITO FEDERAL 1. CARBON STOCK IN CERRADO Sensu stricto IN THE FEDERAL DISTRICT Estoque de carbono em cerrado sensu stricto do... 527 ESTOQUE DE CARBONO EM CERRADO Sensu stricto DO DISTRITO FEDERAL 1 Artur Orelli Paiva 2, Alba Valéria Rezende 3 e Reginaldo Sergio Pereira 3 RESUMO

Leia mais

Flora do Cerrado sensu stricto Parque Estadual de Terra Ronca, Goiás, BRASIL

Flora do Cerrado sensu stricto Parque Estadual de Terra Ronca, Goiás, BRASIL 1 1 Anacardium occidentale ANACARDIACEAE 2 Anacardium occidentale ANACARDIACEAE 3 Annona coriacea 4 Annona coriacea 5 Annona coriacea 6 Annona crassiflora 7 Annona crassiflora 8 Annona crassiflora 9 Annona

Leia mais

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil de Oliveira, Marcela Cristina; Soares Scolforo, José Roberto; de Mello, José Márcio; Donizette de Oliveira, Antônio; Weimar

Leia mais

EFEITO DE QUEIMADAS SOBRE A ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA COMUNIDADE VEGETAL LENHOSA DO CERRADO SENTIDO RESTRITO EM CALDAS NOVAS, GO 1

EFEITO DE QUEIMADAS SOBRE A ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA COMUNIDADE VEGETAL LENHOSA DO CERRADO SENTIDO RESTRITO EM CALDAS NOVAS, GO 1 Efeito de queimadas sobre a estrutura e composição 695 EFEITO DE QUEIMADAS SOBRE A ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA COMUNIDADE VEGETAL LENHOSA DO CERRADO SENTIDO RESTRITO EM CALDAS NOVAS, GO 1 Sérgio de Faria

Leia mais

CAPÍTULO IX TRAJETÓRIAS DE CRESCIMENTO DE ESPÉCIES DO CERRADO

CAPÍTULO IX TRAJETÓRIAS DE CRESCIMENTO DE ESPÉCIES DO CERRADO CAPÍTULO IX TRAJETÓRIAS DE CRESCIMENTO DE ESPÉCIES DO CERRADO José Roberto Scolforo Antônio Carlos Ferraz Filho Charles Plínio de Castro Silva Claudio Roberto Thiersch Maria Zélia Ferreira Com o objetivo

Leia mais

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Faria Lopes, Sérgio de; Vale, Vagner Santiago do; Schiavini, Ivan EFEITO DE QUEIMADAS SOBRE A ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO

Leia mais

Ci. Fl., v. 23, n. 1, jan.-mar., 2013

Ci. Fl., v. 23, n. 1, jan.-mar., 2013 Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 1, p. 29-43, jan.-mar., 2013 ISSN 0103-9954 FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA EM ÁREAS DE CAMPO SUJO E CERRADO SENSU STRICTO NA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DE PIRAPITINGA MG

Leia mais

ESTUDO FITOSSOCIOLÓGICO EM ÁREA DE CERRADO SENSU STRICTO NA ESTAÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL GALHEIRO - PERDIZES, MG

ESTUDO FITOSSOCIOLÓGICO EM ÁREA DE CERRADO SENSU STRICTO NA ESTAÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL GALHEIRO - PERDIZES, MG CAMINHOS DE GEOGRAFIA - REVISTA ON LINE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA Instituto de Geografia UFU ESTUDO FITOSSOCIOLÓGICO EM ÁREA DE CERRADO SENSU STRICTO NA ESTAÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA E DIVERSIDADE DE UMA ÁREA DE CERRADO STRICTU SENSU NO PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO, SÃO GONÇALO DO RIO PRETO, MG

FITOSSOCIOLOGIA E DIVERSIDADE DE UMA ÁREA DE CERRADO STRICTU SENSU NO PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO, SÃO GONÇALO DO RIO PRETO, MG FITOSSOCIOLOGIA E DIVERSIDADE DE UMA ÁREA DE CERRADO STRICTU SENSU NO PARQUE ESTADUAL DO RIO PRETO, SÃO GONÇALO DO RIO PRETO, MG Erik Júnior Paulino, Josiane Silva Bruzinga, Sílvia da Luz Lima Mota, Vinícius

Leia mais

Solos, Florística e Fitossociologia em Áreas de Reserva sob Vegetação de Cerrado Sensu Stricto em Propriedades Rurais de Urutaí, GO

Solos, Florística e Fitossociologia em Áreas de Reserva sob Vegetação de Cerrado Sensu Stricto em Propriedades Rurais de Urutaí, GO Solos, Florística e Fitossociologia em Áreas de Reserva sob Vegetação de Cerrado Sensu Stricto em Propriedades Rurais de Urutaí, GO Álvaro de Oliveira Cardoso 1 Dalilla Cristina Socorro Lemos 2 Carlos

Leia mais

Ciência Florestal Universidade Federal de Santa Maria ISSN (Versión impresa): BRASIL

Ciência Florestal Universidade Federal de Santa Maria ISSN (Versión impresa): BRASIL Ciência Florestal Universidade Federal de Santa Maria cf@ccr.ufsm.br ISSN (Versión impresa): 0103-9954 BRASIL 2002 Ailton Teixera do Vale / Maria Aparecida Mourão Brasil / Alcides Lopes Leão QUANTIFICAÇÃO

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA E ESTRUTURA PARAMÉTRICA DE UMA ÁREA DE CERRADO stricto sensu NA RESERVA LEGAL DA ARCELOR MITTAL (Itamarandiba - MG)

FITOSSOCIOLOGIA E ESTRUTURA PARAMÉTRICA DE UMA ÁREA DE CERRADO stricto sensu NA RESERVA LEGAL DA ARCELOR MITTAL (Itamarandiba - MG) FITOSSOCIOLOGIA E ESTRUTURA PARAMÉTRICA DE UMA ÁREA DE CERRADO stricto sensu NA RESERVA LEGAL DA ARCELOR MITTAL (Itamarandiba - MG) Josiane Silva Bruzinga 1, Sílvia da Luz Lima Mota 1, Israel Marinho Pereira

Leia mais

VAS, GOIÁS. vras-chave florística, fitossociologia, cerrado, Parque Estadual da Serra de Caldas Novas

VAS, GOIÁS. vras-chave florística, fitossociologia, cerrado, Parque Estadual da Serra de Caldas Novas Levantamento florístico e fitossociológico em duas áreas de cerrado 43 LEVANT ANTAMENT AMENTO O FLORÍSTICO E FITOSSOCIOLÓGICO EM DUAS AS ÁREAS DE CERRADO SENSU STRICTO NO PARQ ARQUE UE ESTADU ADUAL AL

Leia mais

DIVERSIDADE E ÍNDICE SUCESSIONAL DE UMA VEGETAÇÃO DE CERRADO SENSU STRICTO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS-UEG, CAMPUS DE ANÁPOLIS 1

DIVERSIDADE E ÍNDICE SUCESSIONAL DE UMA VEGETAÇÃO DE CERRADO SENSU STRICTO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS-UEG, CAMPUS DE ANÁPOLIS 1 81 DIVERSIDADE E ÍNDICE SUCESSIONAL DE UMA VEGETAÇÃO DE CERRADO SENSU STRICTO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS-UEG, CAMPUS DE ANÁPOLIS 1 Adriana Rosa Carvalho 2 e Stéphany Marques-Alves 3 RESUMO A composição

Leia mais

Estudo da estrutura da regeneração natural e da vegetação adulta de um cerrado senso stricto para fins de manejo florestal

Estudo da estrutura da regeneração natural e da vegetação adulta de um cerrado senso stricto para fins de manejo florestal SCIENTIA FORESTALIS n. 61, p. 64-78, jun. 2002 Estudo da estrutura da regeneração natural e da vegetação adulta de um cerrado senso stricto para fins de manejo florestal The study of the natural regeneration

Leia mais

1 Instituto de Biologia UNICAMP Campinas - SP. 2 Instituto de Geociências UNICAMP Campinas - SP

1 Instituto de Biologia UNICAMP Campinas - SP. 2 Instituto de Geociências UNICAMP Campinas - SP 183 Regeneração de espécies lenhosas do cerrado em plantios de Pinus sp e Eucaliptus sp no município de Itirapina, Estado de São Paulo. ALMEIDA, A. C. A 1. CHABES, M.L. 1 KUNIYOSHI, T.M. 1 RODRIGUES, P.E.

Leia mais

Ciência Florestal ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Florestal ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Florestal ISSN: 0103-9954 cf@ccr.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Vale Teixera do, Ailton; Fiedler, Nilton César; Silva Fernandes da, Gilson Avaliação energética da biomassa do

Leia mais

MARCELLO MESSIAS BARBOSA

MARCELLO MESSIAS BARBOSA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: ECOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DE CERRADO SENTIDO

Leia mais

DRY BIOMASS DISTRIBUTION IN A CERRADO SENSU STRICTO SITE IN CENTRAL BRAZIL 1

DRY BIOMASS DISTRIBUTION IN A CERRADO SENSU STRICTO SITE IN CENTRAL BRAZIL 1 661 DRY BIOMASS DISTRIBUTION IN A CERRADO SENSU STRICTO SITE IN CENTRAL BRAZIL 1 Ailton Teixeira do Vale 2 e Jeanine Maria Felfili 2 ABSTRACT The Cerrado has been the main source of firewood and charcoal

Leia mais

Fitossociologia e similaridade florística entre trechos de Cerrado sentido restrito em interflúvio e em vale no Jardim Botânico de Brasília, DF 1

Fitossociologia e similaridade florística entre trechos de Cerrado sentido restrito em interflúvio e em vale no Jardim Botânico de Brasília, DF 1 Acta bot. bras. 18(1): 19-29, 2004 Fitossociologia e similaridade florística entre trechos de Cerrado sentido restrito em interflúvio e em vale no Jardim Botânico de Brasília, DF 1 Mônica Souza da Fonseca

Leia mais

AVALIAÇÃO FITOSSOCIOLÓGICA DA SUCESSÃO AUTOGÊNICA EM ÁREAS CORRÊA, R. S. et al. MINERADAS NO DISTRITO FEDERAL

AVALIAÇÃO FITOSSOCIOLÓGICA DA SUCESSÃO AUTOGÊNICA EM ÁREAS CORRÊA, R. S. et al. MINERADAS NO DISTRITO FEDERAL 406 AVALIAÇÃO FITOSSOCIOLÓGICA DA SUCESSÃO AUTOGÊNICA EM ÁREAS CORRÊA, R. S. et al. MINERADAS NO DISTRITO FEDERAL Rodrigo Studart Corrêa 1, Benício de Melo Filho 2, Gustavo Macedo de Mello Baptista 3 (recebido:

Leia mais

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil Gonçalves Amaral, Aryanne; Fumie Onoyama Pereira, Fernanda; Rodrigues Munhoz, Cássia Beatriz Fitossociologia de uma área de

Leia mais

COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA, RIQUEZA E DIVERSIDADE DE UM CERRADO SENSU STRICTO NO SUDESTE DO ESTADO DE GOIÁS

COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA, RIQUEZA E DIVERSIDADE DE UM CERRADO SENSU STRICTO NO SUDESTE DO ESTADO DE GOIÁS Original Article 64 COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA, RIQUEZA E DIVERSIDADE DE UM CERRADO SENSU STRICTO NO SUDESTE DO ESTADO DE GOIÁS FLORISTIC COMPOSITION, RICHNESS AND DIVERSITY OF A CERRADO SENSU STRICTO IN SOUTHEASTERN

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO E FITOSSOCIOLÓGICO EM CERRADO RUPESTRE E CERRADO TÍPICO CONTÍGUOS DO PARQUE DO BACABA.

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO E FITOSSOCIOLÓGICO EM CERRADO RUPESTRE E CERRADO TÍPICO CONTÍGUOS DO PARQUE DO BACABA. LEVANTAMENTO FLORÍSTICO E FITOSSOCIOLÓGICO EM CERRADO RUPESTRE E CERRADO TÍPICO CONTÍGUOS DO PARQUE DO BACABA. Michele Ribeiro 1, Carla Vitorino 1, Josenilton de Farias 1, Alexandre Portella e Emilia Braga.

Leia mais

Mortalidade pós-fogo em espécies lenhosas de campo sujo submetido a três queimadas prescritas anuais

Mortalidade pós-fogo em espécies lenhosas de campo sujo submetido a três queimadas prescritas anuais Acta bot. bras. 19(3): 493-500. 2005 Mortalidade pós-fogo em espécies lenhosas de campo sujo submetido a três queimadas prescritas anuais Marcelo Brilhante de Medeiros 1,3 e Heloísa Sinátora Miranda 2

Leia mais

DE CERRADO SENTIDO RESTRITO NO NORTE DE MINAS GERAIS

DE CERRADO SENTIDO RESTRITO NO NORTE DE MINAS GERAIS Florística e estrutura FLORÍSTICA da comunidade E ESTRUTURA arbórea... DA COMUNIDADE ARBÓREA DE DUAS ÁREAS DE CERRADO SENTIDO RESTRITO NO NORTE DE MINAS GERAIS 267 Fernanda Vieira da Costa 1, Karla Nunes

Leia mais

Grandes linhas de atuação da Embrapa I. Ordenamento, monitoramento e gestão em territórios

Grandes linhas de atuação da Embrapa I. Ordenamento, monitoramento e gestão em territórios Grandes linhas de atuação da Embrapa I. Ordenamento, monitoramento e gestão em territórios II. Manejo, valorização e valoração de recursos naturais (floresta e recursos hídricos) III. Produção agropecuária

Leia mais

ANÁLISE DE DIVERSIDADE FLORÍSTICA DENTRO E ENTRE TRÊS ÁREAS DE CERRADO S.S. NA REGIÃO CETRAL E NORTE DE MINAS GERAIS

ANÁLISE DE DIVERSIDADE FLORÍSTICA DENTRO E ENTRE TRÊS ÁREAS DE CERRADO S.S. NA REGIÃO CETRAL E NORTE DE MINAS GERAIS ANÁLISE DE DIVERSIDADE FLORÍSTICA DENTRO E ENTRE TRÊS ÁREAS DE CERRADO S.S. NA REGIÃO CETRAL E NORTE DE MINAS GERAIS Thiago José Ornelas Otoni 1, Silvia da Luz Lima Mota 1, Israel Marinho Pereira 1, Erik

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UMA VEGETAÇÃO DE CERRADO SENSU STRICTO SUBMETIDO A DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL FLÁVIA NASCIMENTO DE SOUZA

AVALIAÇÃO DE UMA VEGETAÇÃO DE CERRADO SENSU STRICTO SUBMETIDO A DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL FLÁVIA NASCIMENTO DE SOUZA AVALIAÇÃO DE UMA VEGETAÇÃO DE CERRADO SENSU STRICTO SUBMETIDO A DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL FLÁVIA NASCIMENTO DE SOUZA 2010 FLÁVIA NASCIMENTO DE SOUZA AVALIAÇÃO DE UMA VEGETAÇÃO DE CERRADO

Leia mais

O Cerrado Brasileiro: berço das águas e celeiro do mundo. Felipe Ribeiro Embrapa Cerrados 8 maio de 2017

O Cerrado Brasileiro: berço das águas e celeiro do mundo. Felipe Ribeiro Embrapa Cerrados 8 maio de 2017 O Cerrado Brasileiro: berço das águas e celeiro do mundo Felipe Ribeiro Embrapa Cerrados 8 maio de 2017 Objetivos 1. Identificar as características do bioma Cerrado e avaliar a importância da preservação

Leia mais

Similaridade florística em duas áreas de Cerrado, localizadas no município de Parnarama, Maranhão - Brasil

Similaridade florística em duas áreas de Cerrado, localizadas no município de Parnarama, Maranhão - Brasil Similaridade florística em duas áreas de Cerrado, localizadas no município de Parnarama, Maranhão - Brasil Jaçanan Eloisa Freitas Milani 1 ; Carlos Frederico Lins e Silva Brandão 2 ; Mayara Dalla Lana

Leia mais

Termos para indexação: Cerrado, áreas degradadas, matéria orgânica, Bacia Amazônica.

Termos para indexação: Cerrado, áreas degradadas, matéria orgânica, Bacia Amazônica. COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA, ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO E FERTILIDADE DO SOLO DE ÁREA DE MINERAÇÃO DE OURO A CÉU ABERTO: ESTUDO DE CASO DO GARIMPO DA LAVRINHA, PONTES E LACERDA-MT Tatiani Botini 1, Maria Aparecida

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA DE UMA ÁREA DE CERRADO DENSO NA RECOR-IBGE, BRASÍLIA-DF

FITOSSOCIOLOGIA DE UMA ÁREA DE CERRADO DENSO NA RECOR-IBGE, BRASÍLIA-DF Fitossociologia de uma área de cerrado denso na RECOR-IBGE, Brasília-DF. 225 FITOSSOCIOLOGIA DE UMA ÁREA DE CERRADO DENSO NA RECOR-IBGE, BRASÍLIA-DF Recebido em 24/2/. Aceito em 3/4/2. Luciana A. Z. Andrade

Leia mais

REGENERAÇÃO NATURAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE VEGETAÇÃO DE ENCOSTA NA SERRA DE MARACAJU EM AQUIDAUANA, MS.

REGENERAÇÃO NATURAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE VEGETAÇÃO DE ENCOSTA NA SERRA DE MARACAJU EM AQUIDAUANA, MS. REGENERAÇÃO NATURAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE VEGETAÇÃO DE ENCOSTA NA SERRA DE MARACAJU EM AQUIDAUANA, MS. Minéia Moimáz Anselmo 1 ; Norton Hayd Rêgo 2 1 Estudante do Curso de Engenharia

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA DAS ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS DE CERRADO EM ÁREAS ADJACENTES A DEPÓSITOS DE RESÍDUOS DOMICILIARES

FITOSSOCIOLOGIA DAS ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS DE CERRADO EM ÁREAS ADJACENTES A DEPÓSITOS DE RESÍDUOS DOMICILIARES FITOSSOCIOLOGIA DAS ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS DE CERRADO EM ÁREAS ADJACENTES A DEPÓSITOS DE RESÍDUOS DOMICILIARES Otacílio Antunes Santana 1, José Imaña-Encinas 2 1 Biólogo, Dr., Depto. Geografia, UnB,

Leia mais

Mudanças florísticas e estruturais no cerrado sensu stricto ao longo de 27 anos ( ) na Fazenda Água Limpa, Brasília, DF

Mudanças florísticas e estruturais no cerrado sensu stricto ao longo de 27 anos ( ) na Fazenda Água Limpa, Brasília, DF http://rodriguesia.jbrj.gov.br Mudanças florísticas e estruturais no cerrado sensu stricto ao longo de 27 anos (1985-2012) na Fazenda Água Limpa, Brasília, DF Floristic and structural changes in the cerrado

Leia mais

Estrutura e florística do estrato arbóreo no cerrado. Resumo

Estrutura e florística do estrato arbóreo no cerrado. Resumo Rodriguésia 61(4): 731-747. 2010 http://rodriguesia.jbrj.gov.br Estrutura e florística do estrato arbóreo no cerrado sensu stricto de Buritis, Minas Gerais, Brasil Floristics and structure of the cerrado

Leia mais

Influência de geadas na estrutura de uma comunidade de Cerrado (lato sensu) do município de Itirapina, SP

Influência de geadas na estrutura de uma comunidade de Cerrado (lato sensu) do município de Itirapina, SP Influência de geadas na estrutura de uma comunidade de Cerrado (lato sensu) do município de Itirapina, SP AIRTON DE DEUS C. CAVALCANTI 1, OSMAR J. LUIZ JR. 2 e VINÍCIUS DE LIMA DANTAS 3 RESUMO (Influência

Leia mais

ALEXANDER PAULO DO CARMO BALDUINO

ALEXANDER PAULO DO CARMO BALDUINO ALEXANDER PAULO DO CARMO BALDUINO ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO LENHOSA DE CERRADO STRICTO SENSU E SUA RELAÇÃO COM O SOLO NA ESTAÇÃO FLORESTAL DE EXPERIMENTAÇÃO DE PARAOPEBA-MG Tese apresentada à Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E CONSERVAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS. Livro da Disciplina ECR 03

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E CONSERVAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS. Livro da Disciplina ECR 03 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E CONSERVAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS Livro da Disciplina ECR 03 ECOLOGIA DE CAMPO 2º SEMESTRE DE 2005 Organizadores: Ariovaldo

Leia mais

Fitossociologia e Diversidade

Fitossociologia e Diversidade Fitossociologia e Diversidade Fitossociologia Fitossociologia é um processo relacionado a métodos de reconhecimento e definição de comunidades de plantas. Phyto significa planta e sociologia grupos ou

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA DE SUB-BOSQUE DE CERRADO EM TALHÃO DE Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden NO MUNICÍPIO DE BOM DESPACHO-MG 1

FITOSSOCIOLOGIA DE SUB-BOSQUE DE CERRADO EM TALHÃO DE Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden NO MUNICÍPIO DE BOM DESPACHO-MG 1 Fitossociologia de Sub-Bosque de Cerrado em Talhão... 905 FITOSSOCIOLOGIA DE SUB-BOSQUE DE CERRADO EM TALHÃO DE Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden NO MUNICÍPIO DE BOM DESPACHO-MG 1 Amilcar Walter Saporetti

Leia mais

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Gardenal Fina, Bruna; Monteiro, Reinaldo ANÁLISE DA ESTRUTURA ARBUSTIVO-ARBÓREA DE UMA ÁREA DE CERRADO Sensu Stricto,

Leia mais

COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO ARBUSTIVO- ARBÓREA EM CERRADO SENTIDO RESTRITO NA SERRA DE JARAGUÁ, GOIÁS, BRASIL.

COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO ARBUSTIVO- ARBÓREA EM CERRADO SENTIDO RESTRITO NA SERRA DE JARAGUÁ, GOIÁS, BRASIL. COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO ARBUSTIVO- ARBÓREA EM CERRADO SENTIDO RESTRITO NA SERRA DE JARAGUÁ, GOIÁS, BRASIL. Thiago Ayres Lazzarotti Abreu MSc. em Ciências Florestais, Universidade

Leia mais

Ben Hur Marimon Junior 2,4 e Mundayatan Haridasan 3

Ben Hur Marimon Junior 2,4 e Mundayatan Haridasan 3 Acta bot. bras. 19(4): 913-926. 25 Comparação da vegetação arbórea e características edáficas de um cerradão e um cerrado sensu stricto em áreas adjacentes sobre solo distrófico no leste de Mato Grosso,

Leia mais

ARTIGOP ORIGINAL ESTRUTURA E DIVERSIDADE DOS CERRADOS STRICTO SENSU EM BEIRA DE ESTRADAS

ARTIGOP ORIGINAL ESTRUTURA E DIVERSIDADE DOS CERRADOS STRICTO SENSU EM BEIRA DE ESTRADAS ARTIGOP ORIGINAL ESTRUTURA E DIVERSIDADE DOS CERRADOS STRICTO SENSU EM BEIRA DE ESTRADAS Jéssyca de Fátima Carvalho¹ Dr. Vagner Santiago do Vale² RESUMO: Apesar de representar um impulso para o desenvolvimento

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DA REGENERAÇÃO NATURAL DE UMA ÁREA DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE CURVELO, MG

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DA REGENERAÇÃO NATURAL DE UMA ÁREA DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE CURVELO, MG ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DA REGENERAÇÃO NATURAL DE UMA ÁREA DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE CURVELO, MG Israel Marinho Pereira 1 ; André César Pinheiro 2 ; Marcio Leles Romarco de Oliveira 3 ; Thiago José

Leia mais

ISSN Heringeriana. Brasília. Volume 7 (1): 1-120, julho de 2013.

ISSN Heringeriana. Brasília. Volume 7 (1): 1-120, julho de 2013. ISSN 1983 6996 Heringeriana Brasília Volume 7 (1): 1-120, julho de 2013. FITOSSOCIOLOGIA DO COMPONENTE ARBÓREO E FLORÍSTICA DE UM REMANESCENTE DE CERRADO SENTIDO RESTRITO CONTÍGUO A ÁREAS DE AGRICULTURA

Leia mais

Variação temporal na estrutura da vegetação lenhosa de cerrado sentido restrito sobre Neossolos Quartzarênicos

Variação temporal na estrutura da vegetação lenhosa de cerrado sentido restrito sobre Neossolos Quartzarênicos 1. Introdução O cerrado sentido restrito é a fitofisionomias que melhor caracteriza o aspecto savânico do ISSN 0798 1015 HOME Revista ESPACIOS! ÍNDICES! A LOS AUTORES! Vol. 38 (Nº 04) Año 2017. Pág. 3

Leia mais

Termos para indexação: Cerrado, conservação, extrativismo, Norte de Minas Gerais

Termos para indexação: Cerrado, conservação, extrativismo, Norte de Minas Gerais ANÁLISE DA DIVERSIDADE E FITOSSOCIOLOGIA DE UM CERRADO SENSU STRICTO PARA SUBSIDIAR A CRIAÇÃO DE UMA RESERVA EXTRATIVISTA NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO Galiana da Silveira Lindoso 1,2, Gabriel Damasco

Leia mais

PARQUE ESTADUAL DA SERRA DE CALDAS NOVAS, CALDAS NOVAS, GO

PARQUE ESTADUAL DA SERRA DE CALDAS NOVAS, CALDAS NOVAS, GO UNIVERSIDADE DE BRASILIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA MÉTODOS DE CAMPO EM ECOLOGIA 2 O SEMESTRE DE 2003 PARQUE ESTADUAL DA SERRA DE CALDAS NOVAS, CALDAS NOVAS, GO Aos leitores Temos os prazer de apresentar

Leia mais

Composição florística e estrutura da vegetação arbustivo-arbórea em um cerrado rupestre, Cocalzinho de Goiás, Goiás

Composição florística e estrutura da vegetação arbustivo-arbórea em um cerrado rupestre, Cocalzinho de Goiás, Goiás Revista Brasil. Bot., V.32, n.1, p.1-10, jan.-mar. 2009 Composição florística e estrutura da vegetação arbustivo-arbórea em um cerrado rupestre, Cocalzinho de Goiás, Goiás JOSÉ ROBERTO RODRIGUES PINTO

Leia mais

PRODUTIVIDADE DOS PEQUIZEIROS (CARYOCAR BRASILIENSE CAMBESS.) NO MUNICÍPIO DE DAMIANÓPOLIS, GOIÁS 1

PRODUTIVIDADE DOS PEQUIZEIROS (CARYOCAR BRASILIENSE CAMBESS.) NO MUNICÍPIO DE DAMIANÓPOLIS, GOIÁS 1 PRODUTIVIDADE DOS PEQUIZEIROS (CARYOCAR BRASILIENSE CAMBESS.) NO MUNICÍPIO DE DAMIANÓPOLIS, GOIÁS 1 Ana Paula Soares Machado Gulias 2 ; José Felipe Ribeiro 3 ; Maria Cristina de Oliveira 4 ; Fabiana de

Leia mais

Síndrome de dispersão de diásporos em espécies arbustivo-arbóreas em diferentes fisionomias de. Cerrado no município de Itirapina, São Paulo.

Síndrome de dispersão de diásporos em espécies arbustivo-arbóreas em diferentes fisionomias de. Cerrado no município de Itirapina, São Paulo. Santos, F.A.M., Martins, F.R. & Tamashiro, J.Y. (orgs.). Relatórios da disciplina NE211 - PPG-Ecologia, IB, UNICAMP 1 Síndrome de dispersão de diásporos em espécies arbustivo-arbóreas em diferentes fisionomias

Leia mais

Alunos: Claudinei, Jéssica Fenker Antunes, Lorrainy Bartasson, Luiz Henrique Argolo Camilo, Mariana Caixeta Milhome Viana.

Alunos: Claudinei, Jéssica Fenker Antunes, Lorrainy Bartasson, Luiz Henrique Argolo Camilo, Mariana Caixeta Milhome Viana. Fitossociologia, florística e comparação da riqueza e diversidade da vegetação arbórea entre um cerrado típico, campo limpo e mata ciliar próxima ao Rio Noidori e Rio das Mortes-MT. Alunos: Claudinei,

Leia mais

ESTRUTURA DE UM CERRADO STRICO SENSU NA GLEBA CERRADO PÉ-DE-GIGANTE, SANTA RITA DO PASSA QUATRO, SP

ESTRUTURA DE UM CERRADO STRICO SENSU NA GLEBA CERRADO PÉ-DE-GIGANTE, SANTA RITA DO PASSA QUATRO, SP Acta bot. bras. 17(4): 531-539. 2003 531 ESTRUTURA DE UM CERRADO STRICO SENSU NA GLEBA CERRADO PÉ-DE-GIGANTE, SANTA RITA DO PASSA QUATRO, SP Alessandra Tomaselli Fidelis 1,3 Silvana Aparecida Pires de

Leia mais

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil de Oliveira, Camila Paula; Rocha Francelino, Márcio; Costa Cysneiros, Vinícius; Canto de Andrade, Fernando; Cortopassi Booth,

Leia mais

Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL

Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL Ana Paula Corrêa do Carmo 28/10/09 Reunião Técnica IPEF Silvicultura de Nativas aplicada à restauração: Conceitos e ações prioritárias Restauração

Leia mais

Comparação do método de parcelas com o levantamento rápido para amostragem da vegetação arbórea do Cerrado sentido restrito

Comparação do método de parcelas com o levantamento rápido para amostragem da vegetação arbórea do Cerrado sentido restrito Acta bot. bras. 20(2): 285-297. 2006 Comparação do método de parcelas com o levantamento rápido para amostragem da vegetação arbórea do Cerrado sentido restrito Bruno Machado Teles Walter 1,3 e Ernestino

Leia mais

ESTRUTURA DE DUAS ESPÉCIES VEGETAIS DE CERRADO EM ÁREA QUEIMADA E NÃO QUEIMADA, CALDAS NOVAS GO.

ESTRUTURA DE DUAS ESPÉCIES VEGETAIS DE CERRADO EM ÁREA QUEIMADA E NÃO QUEIMADA, CALDAS NOVAS GO. ESTRUTURA DE DUAS ESPÉCIES VEGETAIS DE CERRADO EM ÁREA QUEIMADA E NÃO QUEIMADA, CALDAS NOVAS GO. Olavo Custódio Dias Neto 1, Sérgio de Faria Lopes 1, Ana Paula de Oliveira 1, Vagner Santiago do Vale 1,

Leia mais

Bragantia ISSN: Instituto Agronômico de Campinas Brasil

Bragantia ISSN: Instituto Agronômico de Campinas Brasil Bragantia ISSN: 0006-8705 editor@iac.sp.gov.br Instituto Agronômico de Campinas Brasil Teixeira Junqueira Garcia, Maria Inês; Araujo Barbosa, Alba Regina; Valeri Valiengo, Sergio; Rodrigues Ribeiro, Ricardo

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia. Instituto de Biologia

Universidade Federal de Uberlândia. Instituto de Biologia Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Biologia ATRIBUTOS ECOLÓGICOS RELACIONADOS AO FOGO DE ESPÉCIES LENHOSAS DO CERRADO SENTIDO RESTRITO Renata Migliorini Cardoso de Oliveira 2013 Renata Migliorini

Leia mais

Boletim de Pesquisa 86 e Desenvolvimento ISSN Setembro, 2005

Boletim de Pesquisa 86 e Desenvolvimento ISSN Setembro, 2005 Boletim de Pesquisa 86 e Desenvolvimento ISSN 1676-1340 Setembro, 2005 FITOSSOCIOLOGIA DE UM TRECHO DE CERRADO SENSU STRICTO NA BACIA DO RIO CORUMBÁ - ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRETA DO APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO

Leia mais

Levantamento florístico e dendrométrico de um hectare de Cerrado sensu stricto em Planaltina, Distrito Federal

Levantamento florístico e dendrométrico de um hectare de Cerrado sensu stricto em Planaltina, Distrito Federal Revista Brasileira de Ciências Agrárias v.2, n.4, p.292-296, out.-dez., 2007 Recife, PE, UFRPE. www.agrariaufrpe.com Protocolo 165-19/07/2007 José E. de Paula 1 José Imaña-Encinas 2 Otacílio A. Santana

Leia mais

ESTRUTURA E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO ARBÓREA- ARBUSTIVA EM CERRADO SENSU STRICTO SUBMETIDO A DISTÚRBIOS ANTRÓPICOS

ESTRUTURA E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO ARBÓREA- ARBUSTIVA EM CERRADO SENSU STRICTO SUBMETIDO A DISTÚRBIOS ANTRÓPICOS Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG / Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal FAEF Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal Re.C.E.F. ISSN: 1678-3867 Ano IX - Volume 18 Número

Leia mais

Phytosociology of the cerrado in inselberg Morro São João, Porto Nacional, Tocantins

Phytosociology of the cerrado in inselberg Morro São João, Porto Nacional, Tocantins Lavor, P. et al. 84 Vol. 4, N.2: pp. 84-90, May 2013 ISSN: 2179-4804 Journal of Biotechnology and Biodiversity Phytosociology of the cerrado in inselberg Morro São João, Porto Nacional, Tocantins Pâmela

Leia mais

Instituto Florestal, Estação Experimental de Assis, Caixa Postal 104, , Assis, SP. 2

Instituto Florestal, Estação Experimental de Assis, Caixa Postal 104, , Assis, SP. 2 Caracterização de dois estratos da vegetação em uma área de Cerrado. 251 CARACTERIZA CTERIZAÇÃ ÇÃO O DE DOIS ESTRATOS OS DA VEGETAÇÃ ÇÃO O EM UMA ÁREA DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE BROTAS, SP,, BRASIL Recebido

Leia mais

MUDANÇA NA COMUNIDADE LENHOSA DE UM CERRADÃO E UM CERRADO STRICTO SENSU NO PARQUE DO BACABA, NOVA XAVANTINA - MT

MUDANÇA NA COMUNIDADE LENHOSA DE UM CERRADÃO E UM CERRADO STRICTO SENSU NO PARQUE DO BACABA, NOVA XAVANTINA - MT UFMT UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ENGENHARIA FLORESTAL Programa de Pós-graduação em Ciências Florestais e Ambientais UFMT MUDANÇA NA COMUNIDADE LENHOSA DE UM CERRADÃO E UM CERRADO STRICTO

Leia mais

LEVANTAMENTO FITOGEOGRÁFICO E CATALOCAÇÃO DAS ESPÉCIES NATIVAS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DE JARAGUÁ- GOIÁS.

LEVANTAMENTO FITOGEOGRÁFICO E CATALOCAÇÃO DAS ESPÉCIES NATIVAS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DE JARAGUÁ- GOIÁS. Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 LEVANTAMENTO FITOGEOGRÁFICO E CATALOCAÇÃO DAS ESPÉCIES NATIVAS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DE JARAGUÁ- GOIÁS. Mayara da Silva Tinoco (*), Agostinho Carneiro

Leia mais

Alexandre Augusto Costa 1 Glein Monteiro de Araújo 2. Recebido em 29/2/2000. Aceito em 19/10/2000

Alexandre Augusto Costa 1 Glein Monteiro de Araújo 2. Recebido em 29/2/2000. Aceito em 19/10/2000 Acta bot. bras. 15(1): 63-72. 2001 63 COMPARA ARAÇÃ ÇÃO O DA VEGETAÇÃ ÇÃO ARBÓREA DE CERRADÃO O E DE CERRADO NA RESERVA A DO PANGA, UBERLÂNDIA, MINAS AS GERAIS Alexandre Augusto Costa 1 Glein Monteiro

Leia mais

Os OITO Elementos da Restauração. Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP

Os OITO Elementos da Restauração. Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP Os OITO Elementos da Restauração Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP COEXISTÊNCIA ENTRE ECOSSISTEMAS NATURAIS E AGROECOSSISTEMAS 1.Diagnóstico 2.Prescrição = Terapias / Cirurgias 3.Acompanhamento O primeiro

Leia mais

Plano De Manejo Florestal Sustentável Da Caatinga Na Região Central Do RN

Plano De Manejo Florestal Sustentável Da Caatinga Na Região Central Do RN Plano De Manejo Florestal Sustentável Da Caatinga Na Região Central Do RN Mayara Freire Paiva da Silva (1) ; Marcelo da Silva Rebouças (2) ; Eduarda Ximenes Dantas (3) ; Paulo Rogério Soares de Oliveira

Leia mais

LEVANTAMENTO QUANTITATIVO EM TRÊS HECTARESDE VEGETAÇÃO DE CERRADO 1

LEVANTAMENTO QUANTITATIVO EM TRÊS HECTARESDE VEGETAÇÃO DE CERRADO 1 LEVANTAMENTO QUANTITATIVO EM TRÊS HECTARESDE VEGETAÇÃO DE CERRADO 1 JOSÉ ELIAS DE PAULA 2, JOSÉ IMAÑA-ENCINAS 3 E NILTON SUGIMOTO 4 RESUMO - Uma investigação foi conduzida com objetivo de quantificar e

Leia mais

ANÁLISE FLORÍSTICA DO ESTRATO ARBUSTIVO-ARBÓREO DA VEGETAÇÃO DE UMA ÁREA DE CERRADO SENSU STRICTO, GURUPI-TO

ANÁLISE FLORÍSTICA DO ESTRATO ARBUSTIVO-ARBÓREO DA VEGETAÇÃO DE UMA ÁREA DE CERRADO SENSU STRICTO, GURUPI-TO ANÁLISE FLORÍSTICA DO ESTRATO ARBUSTIVO-ARBÓREO DA VEGETAÇÃO DE UMA ÁREA DE CERRADO SENSU STRICTO, GURUPI-TO Dayane Pereira Lima¹; Marilia O. Camargo¹; Priscila B. Souza² ¹ Aluna do Curso de Engenharia

Leia mais

COMPORTAMENTO POPULACIONAL DE CUPIÚBA (GOUPIA GLABRA AUBL.) EM 84 HA DE FLORESTA DE TERRA FIRME NA FAZENDA RIO CAPIM, PARAGOMINAS, PA.

COMPORTAMENTO POPULACIONAL DE CUPIÚBA (GOUPIA GLABRA AUBL.) EM 84 HA DE FLORESTA DE TERRA FIRME NA FAZENDA RIO CAPIM, PARAGOMINAS, PA. COMPORTAMENTO POPULACIONAL DE CUPIÚBA (GOUPIA GLABRA AUBL.) EM 84 HA DE FLORESTA DE TERRA FIRME NA FAZENDA RIO CAPIM, PARAGOMINAS, PA. HIRAI, Eliana Harumi ; CARVALHO, João Olegário Pereira de. INTRODUÇÃO

Leia mais

BIODIVERSIDADE ECOLOGIA FLORESTAL

BIODIVERSIDADE ECOLOGIA FLORESTAL BIODIVERSIDADE Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Laboratório de Ecologia Florestal Restauração de Ecosistemas-LAEFRE

Leia mais

VOLUME DE MADEIRA DE UM HECTARE DE CERRADO SENSU STRICTO

VOLUME DE MADEIRA DE UM HECTARE DE CERRADO SENSU STRICTO VOLUME DE MADEIRA DE UM HECTARE DE CERRADO SENSU STRICTO EM PLANALTINA DE GOIÁS José Imaña-Encinas¹, Otacílio Antunes Santana¹, José Elias de Paula², Gustavo Silva Ribeiro¹ (¹Departamento de Engenharia

Leia mais

COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DE COMUNIDADES ARBÓREAS DE CERRADO stricto sensu NO NORTE DO TOCANTINS E SUL DO MARANHÃO 1

COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DE COMUNIDADES ARBÓREAS DE CERRADO stricto sensu NO NORTE DO TOCANTINS E SUL DO MARANHÃO 1 Composição e estrutura de comunidades arbóreas de... 673 COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DE COMUNIDADES ARBÓREAS DE CERRADO stricto sensu NO NORTE DO TOCANTINS E SUL DO MARANHÃO 1 Marcelo Brilhante de Medeiros

Leia mais

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Neri, Andreza Viana; Alves Meira, João Augusto; da Silva, Alexandre Francisco; Martins, Sebastião Venâncio; Batista,

Leia mais

A fitossociologia do cerrado sentido restrito no Parque Recreativo do Gama (Prainha) DF.

A fitossociologia do cerrado sentido restrito no Parque Recreativo do Gama (Prainha) DF. dn UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL A fitossociologia do cerrado sentido restrito no Parque Recreativo do Gama (Prainha) DF. Estudante: Henrique Sarmento

Leia mais

Ecologia de Populações e Comunidades

Ecologia de Populações e Comunidades Ecologia de Populações e Comunidades Maxmiller Cardoso Ferreira Mestrando em Ecologia UnB Restauração Ecológica O que é restauração ecológica na prática? O conceito restauração no sentido amplo: 1º Reparo

Leia mais

FRAGMENTOS FLORESTAIS

FRAGMENTOS FLORESTAIS FRAGMENTOS FLORESTAIS O que sobrou da Mata Atlântica Ciclos econômicos 70% da população Menos de 7,4% e mesmo assim ameaçados de extinção. (SOS Mata Atlânitca, 2008) REMANESCENTES FLORESTAIS MATA ATLÂNTICA

Leia mais

Análise da vegetação arbórea de um remanescente de Cerradão em Bandeirantes, Mato Grosso do Sul, Brasil 1

Análise da vegetação arbórea de um remanescente de Cerradão em Bandeirantes, Mato Grosso do Sul, Brasil 1 Análise da vegetação arbórea de um remanescente... 31 Análise da vegetação arbórea de um remanescente de Cerradão em Bandeirantes, Mato Grosso do Sul, Brasil 1 Dirce Cristiane Camilotti 2, Teresa Cristina

Leia mais

DESFLORESTAMENTO DA MATA ATLÂNTICA

DESFLORESTAMENTO DA MATA ATLÂNTICA IFRJ- CAMPUS NILO PEÇANHA PINHEIRAL DESFLORESTAMENTO DA MATA ATLÂNTICA Profa. Cristiana do Couto Miranda Ecossistema em equilíbrio funções Serviços ambientais Interações meio biótico (organismos vegetais,

Leia mais

Análise Comparativa do Crescimento Inicial de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden (MYRTACEAE) e Guazuma ulmifolia Lam. (Malvaceae)

Análise Comparativa do Crescimento Inicial de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden (MYRTACEAE) e Guazuma ulmifolia Lam. (Malvaceae) Análise Comparativa do Crescimento Inicial de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden (MYRTACEAE) e Guazuma ulmifolia Lam. (Malvaceae) Thaynara Martins de Oliveira¹* (IC). Rayane Rodrigues Ferreira¹ (IC). Jales

Leia mais

Indicadores universais para monitorar áreas em restauração. Pedro H.S. Brancalion UFSCar & Esalq/USP

Indicadores universais para monitorar áreas em restauração. Pedro H.S. Brancalion UFSCar & Esalq/USP Indicadores universais para monitorar áreas em restauração Pedro H.S. Brancalion UFSCar & Esalq/USP Contextualização da definição de indicadores Definição do objetivo do projeto: Restauração ecológica:

Leia mais

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradas. Aula 2. Matas Ciliares: Nomenclatura e Conceito. Contextualização

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradas. Aula 2. Matas Ciliares: Nomenclatura e Conceito. Contextualização Recuperação de Áreas Degradas Aula 2 Prof. Prof. Francisco W. von Hartenthal Organização da Aula Conceito, Importância e Recuperação da Mata Ciliar 1.Conceitos e funções da mata ciliar 2.Cenário de degradação

Leia mais

Renascimento de florestas

Renascimento de florestas Renascimento de florestas regeneração na era do desmatamento Robin L. Chazdon SUMÁRIO 1. Percepções sobre florestas tropicais e regeneração natural... 15 1.1 Visão cíclica das florestas... 15 1.2 A resiliência

Leia mais

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil Brilhante de Medeiros, Marcelo; Machado Teles Walter, Bruno; Pereira Silva, Glocimar Fitossociologia do cerrado stricto sensu

Leia mais

FLORA DOS CERRADOS MARGINAIS DO NORDESTE E ECÓTONOS ASSOCIADOS: FLORACENE

FLORA DOS CERRADOS MARGINAIS DO NORDESTE E ECÓTONOS ASSOCIADOS: FLORACENE FLORA DOS CERRADOS MARGINAIS DO NORDESTE E ECÓTONOS ASSOCIADOS: FLORACENE Antonio Alberto Jorge Farias Castro 1, Ruth Raquel Soares de Farias 2, Samara Raquel de Sousa 3, Joxleide Mendes da Costa 4, Geny

Leia mais

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A DEGRADADOS

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A DEGRADADOS METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A RESTAURAÇÃO DE ECOSSISTEMAS DEGRADADOS Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Departamento

Leia mais

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Módulos demonstrativos de restauração ecológica para ambientes savânicos do bioma Cerrado

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Módulos demonstrativos de restauração ecológica para ambientes savânicos do bioma Cerrado Experiências em Recuperação Ambiental Código Florestal Módulos demonstrativos de restauração ecológica para ambientes savânicos do bioma Cerrado Módulos demonstrativos de restauração ecológica para ambientes

Leia mais

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO 2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO PLANTIO NAS MARGENS DO CORREGO RESTINGA BONITO MS. 1. Apresentação O plantio de 104 mudas nas margens do córrego Restinga, localizado no perímetro

Leia mais

Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP

Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS CAATINGA 844 Mil Km 2 (9,9%) Território Brasileiro = 9,9% Nordeste = 55,6% Cobertura Atual 30% Fonte: IBAMA 2002 Elaboração:

Leia mais

NOTA PRELIMINAR SOBRE EXPERIMENTAÇÃO EM FLORESTAS TROPICAIS *

NOTA PRELIMINAR SOBRE EXPERIMENTAÇÃO EM FLORESTAS TROPICAIS * IPEF n.9, p.83-86, 1974 NOTA PRELIMINAR SOBRE EXPERIMENTAÇÃO EM FLORESTAS TROPICAIS * SUMMARY Jayme Mascarenhas Sobrinho ** It is a synthesis of the programme of research that is being developed by the

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS REBROTA DE INDIVÍDUOS LENHOSOS EM ÁREA DE CERRADO SENTIDO RESTRITO COMO RESPOSTA AO FOGO FABIANE FURLANETO

Leia mais

Comunicado 174 Técnico

Comunicado 174 Técnico Comunicado 174 Técnico ISSN 9192-0099 Abril, 2008 Brasília, DF CONSERVAÇÃO IN SITU DE PEQUI EM UM CERRADO SENSU STRICTO NA TERRA INDÍGENA KRAHÔ (In situ conservation of the pequi in a Cerrado sensu stricto

Leia mais