Suporte Básico de Vida: É Necessário Checar Pulso?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Suporte Básico de Vida: É Necessário Checar Pulso?"

Transcrição

1 CAPÍTULO 141 Suporte Básico de Vida: É Necessário Checar Pulso? Maria Angélica Abrão TSA/SBA* Introdução O diagnóstico de parada cardiorrespiratória (PCR), desde os primeiros consensos em reanimação cardiopulmonar (RCP), é feito através da ausência do pulso arterial em uma grande artéria (circulação central) como a femoral ou carotídea em menos de 10 seg 1. A decisão de iniciar as manobras de reanimação cardiopulmonar e de acoplar um desfibrilador, depende desta avaliação, principalmente nos atendimentos extra-hospitalares. Na era do desfibrilador, um retardo no diagnóstico pode representar a progressão de um ritmo reversível para assistolia. Entretanto, a validade deste conceito vêm sendo questionada, através de estudos publicados na literatura, que comprovam erros e retardos inaceitáveis na avaliação do pulso carotídeo em pacientes inconscientes ou conscientes 1-5. Indubitavelmente o tratamento da PCR depende não apenas do seu correto diagnóstico, mas principalmente da rapidez com que ele é feito, para alcançar o êxito e sobretudo uma sobrevida sem seqüelas. O índice de sobrevida imediata e alta hospitalar dos pacientes em PCR varia de 47,9% a 49% 6,7 e de 5,6% a 16% respectivamente 6,8. Nos Estados Unidos da América do Norte a estatística aponta um índice maior que 60% de morte súbita, entre as mortes anuais ocorridas por doença coronariana. A maior parte ocorreu em ambiente extra-hospitalar e não recebeu o suporte básico de vida ou as manobras de reanimação foram inadequadas 9,10. O diagnóstico seguido da ativação do sistema médico emergencial, da massagem cardíaca externa e da desfibrilação deve ocorrer com a máxima precocidade, constituindo esta seqüência, a cadeia da sobrevivência, que garantirá a sobrevida destes pacientes. O elemento principal desta cadeia é o reanimador leigo que precisa de treinamento e estar disposto a iniciar as medidas de reanimação. * Instrutora do CET Bento Gonçalves da Universidade Federal do Rio de Janeiro

2 Histórico Medicina Perioperatória Embora existam relatos de reanimação cardiopulmonar desde tempos remotos, como as narradas nas descrições da bíblia, foi somente após a invenção da anestesia em meados de 1800 que houve uma maior preocupação com o seu tratamento. Situações como a obstrução das vias aéreas, a apnéia e a ausência de pulso, principalmente após a introdução do clorofórmio, forçaram os estudos na área da reanimação. Um dos fatos que contribuiu para o retardo do desenvolvimento da reanimação cardiopulmonar foi o conceito que entendia a parada cardíaca como morte, pois considerava que o coração parado estava irrecuperável em um infarto extenso 11. Foi depois de um conceito que dizia o coração é muito bom para morrer, que os esforços de recuperação tiveram início, com a aplicação do desfibrilador por Beck, em O atendimento efetivo a PCR, com possibilidade de reversão do quadro clínico, foi abordado primeiro na área intra-hospitalar por volta de O atendimento extra-hospitalar aconteceu mais tardiamente nos anos 60, tendo permanecido até então, os casos extra-hospitalares irrecuperáveis 11. Atualmente há uma grande preocupação com o atendimento extra-hospitalar. A qualidade deste tipo de atendimento depende de um sistema médico emergencial estruturado e de treinamento tanto da equipe de resgate quanto do reanimador leigo. Casos recuperáveis de PCR têm a chance de chegar ao hospital, com a aplicação da seqüência dos três primeiros elos da cadeia da sobrevivência e, sobretudo obter alta hospitalar. A figura I mostra uma representação da três etapas básicas da RCP, publicada por Peter Safar em Nela se observa a palpação do pulso arterial como medida diagnóstica. A história da RCP freqüentemente mostra a repetição de conceitos antigos. A necessidade de reavaliá-los é imprescindível. Assim evita-se repetir como novo, o que já é muito antigo e também estimula a procura de novas soluções 11. Revisões e análises da literatura internacional têm sido feitas regularmente desde o primeiro consenso realizado em 1966, pela National Academy of Sciences e a National Research Council dos Estados Unidos da América do Norte. O objetivo deste e dos outros consensos que o seguiram, 1973, 1979, 1985, 1992, 2000 e 2005, foi traçar diretrizes para novos algoritmos, propondo tratamentos e medidas eficazes que torne o atendimento à PCR o mais simples, eficiente e exeqüível, principalmente para os socorristas leigos. As principais mudanças do novo consenso 1210 A Associação Americana de Cardiologia (American Heart Association), baseada nos estudos da Liga Internacional do Comitê de Ressuscitação (ILCOR), lançou em 2005 o seu último consenso sobre a Reanimação Cardiopulmonar, substituindo o do ano Nele a massagem cardíaca externa (MCE) recebe maior ênfase, sendo considerada medida primordial na sobrevida da RCP. Os novos algoritmos foram então desenvolvidos baseados na MCE com um mínimo de interrupção, o que acarretou algumas alterações em relação aos consensos anteriores. Entre as principais está a recomendação de uma nova proporção de 30: 2 para a relação massagem cardíaca: ventilação com reanimador único para todas as faixas etárias das vítimas (exceção neonato) e diminuição no número dos primeiros três choques seqüenciais da desfibrilação para apenas um, reiniciando imediatamente a MCE. Todas estas recomendações foram feitas baseadas na importância da manutenção de um fluxo sanguíneo efetivo, principalmente cerebral e coronariano. Para o reanimador leigo continua valendo a determinação de 2000 para a palpação do pulso. O reanimador leigo deverá iniciar a RCP verificar inconsciência e ausência de movimentos respiratórios da vítima, excluindo a palpação do pulso (classe IIa). A confirmação da ausência de pulso permanece para o reanimador da área médica, não devendo

3 exceder o tempo de 10seg para iniciar a MCE, mesmo que haja dúvida. Estas últimas propostas visam melhorar a rapidez e a eficácia no diagnóstico3-5,9,13. Suporte Básico de Vida: É Necessário Checar Pulso? Figura I - Reanimação cardiopulmonar. Primeira composição em 1961, Pittsburgh, PA. Safar P: Community-wide CPR, J Iowa Medical Society 1964 (nov); pp

4 A cadeia da sobrevivência Medicina Perioperatória A cadeia da sobrevivência mostra a importância da seqüência do atendimento e a interdependência no cumprimento correto de cada etapa. Três dos quatros elos podem ser aplicados a PCR causada por hipóxia º elo representa o acionamento precoce do Sistema de Emergência Médica Local. 2-2º elo da execução da MCE. 3-3º elo representa a desfibrilação. O choque precordial dentro dos primeiros 3 a 5 min de PC, pode elevar para 40 a 75 % o índice de reversão. 4-4º elo do Suporte Avançado de Vida e dos Cuidados Pós-Ressuscitação. Os três primeiros elos da cadeia podem ser executados por pessoas leigas. A execução do 1º elo irá garantir o suporte básico e avançado de vida, pelo envio da equipe de resgate especializada e equipamentos, principalmente do desfibrilador externo automático (DEA), ao local da parada. Isto significa que nos primeiros minutos de PCR, é o desempenho de pessoas leigas que determina a chance da sobrevivência da vítima, nos atendimentos extra-hospitalares. A MCE garante um pequeno, mas eficiente fluxo sangüíneo ao coração e ao cérebro. Além disto ela também prolonga o tempo da FV, enquanto se espera pelo desfibrilador, evitando a deterioração do ritmo em assistolia. Portanto a MCE aumenta a possibilidade de reversão de uma FV com o choque, permitindo que o coração assuma seu ritmo efetivo no bombeamento de sangue aos tecidos. A ação do reanimador no local da PCR executa-se em função do tempo. Para cada minuto de PCR em FV sem MCE, a chance de reversão diminui em 7 a 10%. Entretanto, em vigência de MCE este índice cai para 3 a 4% do momento do colapso circulatório até a chegada do desfibrilador. Com a MCE o índice de sucesso dobra ou triplica na FV. Os tempos principais da manobra de reanimação cardiopulmonar, estão ilustrados na cadeia da sobrevivência da AHA (American Heart Association) na figura II. Figura II - Cadeia da sobrevivência da AHA (American Heart Association) Checar pulso? 1212 O diagnóstico de parada cardiorrespiratória depende dos sinais da ausência de circulação e respiração. A palpação do pulso sempre foi utilizada, desde as primeiras composições das etapas da RCP como padrão ouro no diagnóstico. A decisão de iniciar a MCE e de acoplar um desfibrilador

5 estaria associada à abordagem correta do pulso arterial. Ela foi preconizada amplamente para reanimadores leigos e não leigos nos algoritmos de atendimento à PCR até o consenso de Foi a partir deste consenso, com os resultados dos trabalhos publicados na literatura, que se observou uma grave falha desta técnica, principalmente com socorristas leigos. Chegou-se a conclusão que a palpação do pulso como método diagnóstico apresenta limitações, não podendo mais ser considerado na seqüência da RCP um sinal imprescindível para se iniciar a MCE 4;13. Não há evidências, entretanto, de superioridade na pesquisa de sinais de respiração, tosse ou movimentos corporais em relação à circulação 14. Vários estudos científicos vêm sendo publicados com conclusões semelhantes. A palpação do pulso não oferece especificidade, sensibilidade e exatidão. Eles usaram simulações em manequins, voluntários sadios, pacientes inconscientes em ventilação mecânica e pacientes submetidos à cirurgia cardíaca em circulação extracorpórea 1,2, Sensibilidade é a habilidade em reconhecer corretamente a ausência de pulso em vigência de PCR, significa o diagnóstico correto de PCR. Indica que a MCE e a desfibrilação devem ser iniciadas imediatamente. Os estudos mostram uma sensibilidade de 90%. Especificidade é a habilidade em reconhecer corretamente a presença de pulso quando não há PCR, indicando ausência de doença. Medidas de suporte básico de vida são desnecessárias neste caso. A especificidade é de 55% 4,13,16,17. O erro tipo II ou falso negativo representa a avaliação de pulso presente quando a vítima está em PCR, sem pulso. É o erro mais grave causando omissão de socorro à vítima em PCR, retirando a sua única chance de sobrevivência. O falso negativo ocorre em 10% dos casos, evidenciando que em 100 PCR 10 não serão reanimadas. No erro tipo I ou falso positivo, menos grave, há uma avaliação incorreta de pulso ausente quando a vítima não está em PCR. Erro menos grave acontece em 40% dos casos. Nesta situação será iniciada a manobra de reanimação sem necessidade, 40 em 100 casos 4,13,16,17. Dick e colaboradores, em um estudo prospectivo, avaliaram a eficiência e o tempo gasto na avaliação do pulso arterial em pacientes inconscientes submetidos a revascularização do miocárdio sob circulação extracorpórea. Comparando com estudos anteriores que utilizaram manequins ou voluntários com pulso, este trabalho simulou uma situação mais semelhante ao da PCR avaliando pacientes tanto em fluxo pulsátil na circulação espontânea quanto em não pulsátil na extracorpórea. Somente 16,5% conseguiram avaliar o pulso em 10 seg. e apenas 2% dos envolvidos no trabalho avaliaram corretamente a ausência de pulso em 10 seg. A avaliação mais correta e rápida foi da presença de pulso em pacientes com fluxo pulsátil e ocorreu em 15% dos pesquisados. O tempo gasto para optar pela ausência de pulso foi maior do que para a presença, 30 e 15 seg respectivamente, sinalizando para uma possível dificuldade maior deste teste diagnóstico em vítimas de PCR 2. Os novos consensos esperam no futuro zerar todo tipo de erro, principalmente através de programas de treinamentos em suporte básico de vida e de desfibrilação externa para o público. É necessário também eliminar todas as falhas no sistema médico emergencial, principalmente no encurtamento do tempo entre o seu acionamento e a sua chegada ao local do socorro, que se estima ser maior que 5 minutos atualmente 18. Suporte Básico de Vida: É Necessário Checar Pulso? A palpação do pulso método Os estudos mostram erros de técnica na abordagem do pulso carotídeo 19. O pulso carotídeo é o pulso de eleição em PCR, em idades maiores que 1 ano, embora o femoral também possa ser utilizado. Deve-se manter a cabeça da vítima hiperextendida com uma das mãos do reanimador. Com a outra mão, palpa-se o pulso deslizando dois ou três dedos da traquéia em direção aos músculos 1213

6 laterais do pescoço, onde se abordam os batimentos da carótida na fenda que separa estas duas estruturas. A palpação homolateral ao reanimador é a mais indicada 13. A técnica está ilustrada na figura III. Outra técnica localiza a artéria carótida pela colocação de dois dedos abaixo da orelha deslizando-os pelo bordo interno do músculo esternocleidomastoideo até sentir o pulso 19. Figura III - A - Localização da traquéia, B - Palpação da artéria carótida Medicina Perioperatória O algoritmo 1214

7 Conclusão As recentes revisões sobre o assunto concluem que o aumento no índice de sobrevidas com alta hospitalar nas RCPs estão mais relacionadas ao melhor desempenho nas etapas do Suporte Básico de Vida (BLS), do que nos avanços tecnológicos dos equipamentos de ventilação e medicações utilizados no Suporte Avançado de Vida (ACLS), com exceção dos novos desfibriladores. Referências Bibliográficas 1. Ochoa FJ, Ramalle-Gómora E, Carpintero JM et al Competence of health care professionals to check the carotid pulse. Resuscitation, 1998;37: Dick WF, Eberle B, Wisser G et al.- The carotid pulse check revisited: what if there is no pulse? Crit Care Med, 2000;28:N183-N International Consensus on CPR and ECC Science with Treatment Recommendations. Part II.- Adult Basic Life Support - Circulation, 2005;112(22):III-5-III American Heart Association Guidelines 2005 for cardiopulmonary resuscitation and emergency cardiac care. Part II. Adult basic life support. Circulation, 2005;112(24):IV-19-IV Samson RA, Berg MD, Berg RA Cardiopulmonary resuscitation algorithms, defibrillation and optimized ventilation during resuscitation. Curr Opin Anaesthesiol, 2006;19: Kette F, Sbrojavacca R, Rellini G et al Epidemiology and survival rate of out-of-hospital cardiac arrest in north-east Italy: the F.A.C.S. study. Friuli Venezia Giulia cardiac arrest cooperative study. Resuscitation, 1998;36: George AL, Folk BP, Crecelius PL et al Pre-arrest morbidity and other correlates of survival after inhospital cardiopulmonary arrest. Am J Med, 1989;87: Kuisma M, Suominen P, Korpela R Paediatric out-of-hospital cardiac arrest- Epidemiology and outcome. Resuscitation, 1995;30: International Consensus on CPR and ECC Science with Treatment Recommendations. Part I Introduction. Circulation, 2005;112 (22):III-1-III Chamberlain AD, Hazinski MF - Education in resuscitation. Resuscitation, 2003;59: Safar P On the history of modern resuscitation. Crit Care Med, 1996;24:S Beck S, Leighninger DS Death after a clean Bill of health. JAMA, 1960;174: American Heart Association in collaboration with International Liaison Committee on Resuscitation. Guidelines 2000 for cardiopulmonary resuscitation and emergency cardiovascular care: international consensus science,part3: Adult Basic Life Support. Circulation, 2000;102(suppl I):I-22-I Perkins GD, Stephenson B, Hulme J et al Birmingham assessment of breathing study (BABS). Resuscitation, 2005;64: Bahr J, Klinger H, Wolfram P et al Skills of lay people in checking the carotid pulse. Resuscitation,1997;35: Cummins RO, Hazinski RN Guidelines based on fear of type II (false negative) erros. Why we dropped the pulse check for lay rescuers. Resuscitation, 200;46: Eberle B, Dick WF, Schneider T et al Checking the carotid pulse check: diagnostic accuracy of first responders in patient with and without a pulse. Resuscitation, 1996;33: American Heart Association Guidelines 2005 for cardiopulmonary resuscitation and emergency cardiac care. Part 3. Overview of CPR. Circulation, 2005;112(24):IV-12-IV Moule P Checking the carotid pulse: diagnostic accuracy in students of the healthcare professions. Resuscitation, 2000;44: Suporte Básico de Vida: É Necessário Checar Pulso? 1215

Destaque das Novas Diretrizes Internacionais para o Suporte Básico de Vida em Pediatria - Parte 2

Destaque das Novas Diretrizes Internacionais para o Suporte Básico de Vida em Pediatria - Parte 2 Destaque das Novas Diretrizes Internacionais para o Suporte Básico de Vida em Pediatria - Parte 2 Francisco Barata Ribeiro: Professor de Anestesia & Sedação; Capacitado em Sedação Oral e Parental University

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

Tipo de PCR Fibrilação Ventricular Desfibrilação Princípios da Desfibrilação Precoce Tipos de Desfibrilador

Tipo de PCR Fibrilação Ventricular Desfibrilação Princípios da Desfibrilação Precoce Tipos de Desfibrilador Qual a importância do Desfibrilador Externo Automático (DEA) em praias e balneários e especialmente em casos de afogamento? (versão datada de 24/03/2013) Aprovado pela Diretoria da Sociedade Brasileira

Leia mais

Recentemente, em novembro de 2010, a American

Recentemente, em novembro de 2010, a American Destaque das Novas Diretrizes Internacionais para o Suporte Básico de Vida em Pediatria - Parte 2 Francisco Barata Ribeiro: Professor de Anestesia & Sedação; Capacitado em Sedação Oral e Parental University

Leia mais

Hugo Fragoso Estevam

Hugo Fragoso Estevam Hugo Fragoso Estevam PALS Suporte Avançado de Vida Pediátrico Objetivos 1. Entender as diferenças de manifestação das causas de parada cardiorrespiratória nas crianças em relação aos adultos. 2. Compreender

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) 1 - OBJETIVO Este protocolo tem por objetivo padronizar o atendimento à parada cardiorrespiratória (PCR), para um atendimento rápido e organizado,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 26/2013 CT PRCI n 100.501 e Ticket n 277.654, 284.557, 287.513, 290.344, 295.869.

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 26/2013 CT PRCI n 100.501 e Ticket n 277.654, 284.557, 287.513, 290.344, 295.869. PARECER COREN-SP 26/2013 CT PRCI n 100.501 e Ticket n 277.654, 284.557, 287.513, 290.344, 295.869. Ementa: Cardioversão, Desfibrilação e Uso do DEA 1. Do fato Questiona-se quanto à permissão do Enfermeiro

Leia mais

A Parada cardiorespiratória em assistolia

A Parada cardiorespiratória em assistolia CAPÍTULO 142 A Parada cardiorespiratória em assistolia Paulo Cézar Medauar Reis * Introdução A isquemia do miocárdio secundária a degeneração arterioesclerótica das artérias coronárias é das doenças mais

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS PARA TRABALHADORES DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA COM ÊNFASE EM REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR: UMA DISCUSSÃO. RESUMO

PRIMEIROS SOCORROS PARA TRABALHADORES DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA COM ÊNFASE EM REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR: UMA DISCUSSÃO. RESUMO PRIMEIROS SOCORROS PARA TRABALHADORES DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA COM ÊNFASE EM REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR: UMA DISCUSSÃO. Maria Luiza Guzzo Vist 1 Telma Picheth 2 RESUMO O artigo avalia o modelo de ensino de

Leia mais

CURSO ATUALIZA PÓS-GRADUAÇÃO EM EMERGÊNCIA EDIMAR PEREIRA BARRETO LEANDRO MACEDO DE ALENCAR

CURSO ATUALIZA PÓS-GRADUAÇÃO EM EMERGÊNCIA EDIMAR PEREIRA BARRETO LEANDRO MACEDO DE ALENCAR CURSO ATUALIZA PÓS-GRADUAÇÃO EM EMERGÊNCIA EDIMAR PEREIRA BARRETO LEANDRO MACEDO DE ALENCAR REANIMAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA PEDIÁTRICA: AVANÇOS NO SUPORTE BÁSICO DE VIDA EM PEDIATRIA Salvador - BA 2011

Leia mais

Salvar Cursos e Treinamentos Educacionais Ltda. - ME. CNPJ: 06.814.425/0001-10

Salvar Cursos e Treinamentos Educacionais Ltda. - ME. CNPJ: 06.814.425/0001-10 SALVAR Salvar Cursos e Treinamentos Educacionais Ltda. - ME. Rua Nazira Mattar de Freitas, 550, Monte Castelo, Cep: 36081230, Juiz de Fora, MG. Tel: 32 3082-6687 / 32 8864-9970 CENTER TRAINING ASHI # 139.430

Leia mais

BLS Basic Life Support SBV - Suporte Básico de Vida para Profissionais da Saúde

BLS Basic Life Support SBV - Suporte Básico de Vida para Profissionais da Saúde BLS Basic Life Support SBV - Suporte Básico de Vida para Profissionais da Saúde Centro de Ensino, Treinamento e Simulação-CETES-HCor A simulação aplicada ao ensino em saúde é uma técnica destinada a substituir

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA REANIMAÇÃO CÁRDIO RESPIRATÓRIA NO ADULTO Enf. KEYLA CRISTIANE DO NASCIMENTO Dr. MARIO COUTINHO GRAU DE URGÊNCIA A Parada Cárdio-Respiratória (PCR) é uma urgência

Leia mais

Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual. Marcelo De Carli Cardiologista

Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual. Marcelo De Carli Cardiologista Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual Marcelo De Carli Cardiologista 26/11/2011 14:00 às 14:40 Parada cardiorrespiratória Aula baseada nos manuais de Suporte Básico de Vida e de Suporte Avançado

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA

CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Profª Msc. Andreia Coutinho Profº Dr. Christian Negeliskii CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Objetivos: - Reconhecer uma PCR;

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO Autora: Aline D Eliz Schroeder Orientador: Profº Ms. André Luiz Hoffmann RESUMO Este artigo tem por objetivo realizar através da revisão

Leia mais

Faculdade Redentor. Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência

Faculdade Redentor. Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência Faculdade Redentor Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência Parada Cardiorrespiratória e a Atuação do Enfermeiro no Atendimento Intra-Hospitalar Autores: Ana Carolina Lili de Oliveira Profª. Msc.

Leia mais

A Cidade em Defesa da Vida

A Cidade em Defesa da Vida A Cidade em Defesa da Vida Hospitais de Excelência A SERVIço DO SUS C A D E R N O D O C U R S O A Cidade em Defesa da Vida Hospitais de Excelência A SERVIço DO SUS C A D E R N O D O C U R S O Ficha Catalográfica

Leia mais

Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Descrever as principais causas de obstrução das vias aéreas; 2. Demonstrar os passos da assistência

Leia mais

Curso de Emergências Cardiorespiratórias

Curso de Emergências Cardiorespiratórias SBC Salvando Vidas Curso de Emergências Cardiorespiratórias A SBC é uma instituição que está habilitada pela American Heart Association (AHA) - importante entidade americana na área de doenças cardiológicas

Leia mais

Centro de Ensino, Treinamento e Simulação CETES-HCor.

Centro de Ensino, Treinamento e Simulação CETES-HCor. CURSO- ADVANCED CARDIOLOGIC LIFE SUPPORT FOR EXPERIENCED PROVIDER (ACLS-EP) SUPORTE AVANÇADO DE VIDA CARDIOVASCULAR PARA PROVEDORES EXPERIENTES (SAVC-EP) Centro de Ensino, Treinamento e Simulação CETES-HCor.

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS ASHI

PRIMEIROS SOCORROS ASHI PRIMEIROS SOCORROS ASHI Alteração de Protocolo A American Heart Association é uma entidade americana responsável por grande parte dos protocolos de primeiros socorros e emergências médicas que são utilizados

Leia mais

Especialidade: Clinica Médica Responsável: Sergio de Vasconcellos Baldisserotto; Maristela Beck

Especialidade: Clinica Médica Responsável: Sergio de Vasconcellos Baldisserotto; Maristela Beck PROTOCOLO ASSISTENCIAL CLÍNICO PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Especialidade: Clinica Médica Responsável: Sergio de Vasconcellos Baldisserotto; Maristela Beck Código: PACL 013 PC Data: 12/2014 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DO PROTOCO BLS POR ALUNOS CONCLUINTES DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM *

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DO PROTOCO BLS POR ALUNOS CONCLUINTES DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM * Science in Health 2010 set-dez; 1(3): 121-7 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DO PROTOCO BLS POR ALUNOS CONCLUINTES DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM * EVALUATION OF THE KNOWLEDGE OF THE STUDENTS OF GRADUATION IN NURSING

Leia mais

Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09

Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09 Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09 A EMPRESA A RIO EMERGÊNCIA treinamentos trata-se de uma empresa educacional, voltada ao ensino

Leia mais

DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) EM INSTALAÇÕES DE SAÚDE E CONDICIONAMENTO FÍSICO

DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) EM INSTALAÇÕES DE SAÚDE E CONDICIONAMENTO FÍSICO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) EM INSTALAÇÕES DE SAÚDE E CONDICIONAMENTO FÍSICO POSICIONAMENTO OFICIAL COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA E ASSOCIAÇÃO AMERICANA DO CORAÇÃO Em 1998, a Associação

Leia mais

ACLS Advanced Cardiologic Life Support SAVC - Suporte Avançado de Vida em Cardiologia

ACLS Advanced Cardiologic Life Support SAVC - Suporte Avançado de Vida em Cardiologia ACLS Advanced Cardiologic Life Support SAVC - Suporte Avançado de Vida em Cardiologia Centro de Ensino, Treinamento e Simulação-CETES-HCor A simulação aplicada ao ensino em saúde é uma técnica destinada

Leia mais

ACLS Advanced Cardiologic Life Support SAVC - Suporte Avançado de Vida em Cardiologia

ACLS Advanced Cardiologic Life Support SAVC - Suporte Avançado de Vida em Cardiologia ACLS Advanced Cardiologic Life Support SAVC - Suporte Avançado de Vida em Cardiologia Centro de Ensino, Treinamento e Simulação-CETES-HCor A simulação aplicada ao ensino em saúde é uma técnica destinada

Leia mais

Heart Saver AED Salva Corações DEA

Heart Saver AED Salva Corações DEA Heart Saver AED Salva Corações DEA Centro de Ensino, Treinamento e Simulação-CETES-HCor A simulação aplicada ao ensino em saúde é uma técnica destinada a substituir experiências de pacientes reais por

Leia mais

PALS Pediatric Advanced Life Support SAVP Suporte Avançado de Vida em Pediatria

PALS Pediatric Advanced Life Support SAVP Suporte Avançado de Vida em Pediatria PALS Pediatric Advanced Life Support SAVP Suporte Avançado de Vida em Pediatria Centro de Ensino, Treinamento e Simulação-CETES-HCor A simulação aplicada ao ensino em saúde é uma técnica destinada a substituir

Leia mais

Máscara Laríngea. Utilização por Enfermeiros em Situação de Paragem Cardiorrespiratória

Máscara Laríngea. Utilização por Enfermeiros em Situação de Paragem Cardiorrespiratória Máscara Laríngea Utilização por Enfermeiros em Situação de Paragem Cardiorrespiratória Máscara Laringea Objectivos: Demonstrar os benefícios da utilização de mascara laríngea pelos enfermeiros num contexto

Leia mais

Cardiac arrest in children

Cardiac arrest in children Simpósio: EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS Capítulo VII Par arada ada cardíaca em crianças Cardiac arrest in children Alessandra Kimie Matsuno RESUMO Este texto apresenta uma revisão da epidemiologia, das causas,

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA: CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DO CORPO DE BOMBEIROS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA: CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DO CORPO DE BOMBEIROS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR artigo - article PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA: CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DO CORPO DE BOMBEIROS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR CARDIORESPIRATORY ARREST: PROFESSIONAL KNOWLEDGE OF THE FIRE DEPARTMENT IN

Leia mais

Reconhecimento da parada cardiorrespiratória em adultos: nível de conhecimento dos enfermeiros de um pronto-socorro municipal da cidade de São Paulo

Reconhecimento da parada cardiorrespiratória em adultos: nível de conhecimento dos enfermeiros de um pronto-socorro municipal da cidade de São Paulo Rev Inst Ciênc Saúde 2008;26(2):183-90 Reconhecimento da parada cardiorrespiratória em adultos: nível de conhecimento dos enfermeiros de um pronto-socorro municipal da cidade de São Paulo Recognition of

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO - ES

CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO - ES 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO - ES Alice Soares Lugon Alicesl_5@hotmail.com Acadêmica de enfermagem 7º período do Centro Universitário São Camilo-ES Vanessa Ap.Mendes dos Santos Vanessa_mendes2015@hotmail.com

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES CURRICULARES NOME: ATENDIMENTO PRE-HOSPITALAR E PRIMEIROS SOCORROS

CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES CURRICULARES NOME: ATENDIMENTO PRE-HOSPITALAR E PRIMEIROS SOCORROS CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES CURRICULARES NOME: ATENDIMENTO PRE-HOSPITALAR E PRIMEIROS SOCORROS Código: Carga horária: 45 HORAS (30 TEÓRICAS E 15 HORAS PRÁTICAS) Créditos: 03 Período do curso: PRIMEIRO

Leia mais

Faculdade Redentor. Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência. Atuação do Enfermeiro a Frente a Parada Cardiorrespiratória Intra-Hospitalar

Faculdade Redentor. Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência. Atuação do Enfermeiro a Frente a Parada Cardiorrespiratória Intra-Hospitalar Faculdade Redentor Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência Atuação do Enfermeiro a Frente a Parada Cardiorrespiratória Intra-Hospitalar Autores: Angelita Monsores Corrêa Prof. Msc. Ivanete da R.

Leia mais

REVISÃO DE LITERATURA: REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR

REVISÃO DE LITERATURA: REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR REVISÃO DE LITERATURA: REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR Maressa Ribeiro GUIMARÃES 1 Leandro Henrique MOREIRA 2 Ricardo Hernane L.G de OLIVEIRA 3 Sérgio Ricardo MAGALHÃES 4 1 Acadêmica do curso de Medicina da

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI nº 100.547 Tickets nº 280.023, 280.980, 281.285, 281.909, 284.347, 284.740, 285.789, 288.464, 291.884, 295.419, 297.886. Ementa: Carro de emergência: composição, responsabilidade

Leia mais

7 Módulo suporte básico de vida e primeiros socorros

7 Módulo suporte básico de vida e primeiros socorros 7 Módulo suporte básico de vida e primeiros socorros Cristina Malzoni Ferreira Mângia Anelise Del Vecchio Gessullo Gisele Limongeli Gurgueira Rita Simone Lopes SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros

Leia mais

CAPÍTULO 9 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

CAPÍTULO 9 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR CAPÍTULO 9 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR 1. Histórico A reanimação tem sido uma aspiração humana há séculos. No século passado a reanimação foi uma prática comum na Europa, pela técnica de rolar vítimas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.905/73 PARECER COREN/SC Nº 018/CT/2013 Assunto: Solicitação de parecer técnico sobre a legalidade da realização por profissional Enfermeiro do procedimento de colocação de máscara laríngea. I - Do Fato Trata-se

Leia mais

Ressuscitação Cárdio- Pulmonar-Cerebral

Ressuscitação Cárdio- Pulmonar-Cerebral Ressuscitação Cárdio- Pulmonar-Cerebral Fabio Guimarães de Miranda Especialista em Medicina Intensiva AMIB Chefe do CTI do Hospital dos Servidores do Estado ANM 08/03/2010 Após a RCPC Durante a RCPC???

Leia mais

SUPORTE BÁSICO DE VIDA

SUPORTE BÁSICO DE VIDA Um livro por SUPORTE BÁSICO DE VIDA Í Ú Leonardo Clément A versão mais recente desse e-book será enviada periodicamente por e-mail para os seguidores do IBRAPH www.ibraph.com.br Este livro é fornecido

Leia mais

Exame Primario - ABCD da VIDA (a partir de 2010, se tornou CAB, exceto para afogamento) Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman

Exame Primario - ABCD da VIDA (a partir de 2010, se tornou CAB, exceto para afogamento) Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Page 1 of 18 Exame Primario - ABCD da VIDA (a partir de 2010, se tornou CAB, exceto para afogamento) Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático

Leia mais

Destaques das Diretrizes da

Destaques das Diretrizes da Destaques das Diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE Índice Principais questões enfrentadas por todos os socorristas 1 RCP de adulto por socorrista leigo 3 SBV para profissionais

Leia mais

O Desafio: Simplificar o Treinamento em Ressuscitação e Melhorar sua Eficácia

O Desafio: Simplificar o Treinamento em Ressuscitação e Melhorar sua Eficácia Currents in Emergency Cardiovascular Care Aspectos mais Relevantes das Diretrizes da American Heart Association sobre Ressuscitação Cardiopulmonar e Atendimento Cardiovascular de Emergência Esta edição

Leia mais

Basic life support training in a

Basic life support training in a CAPACITAÇÃO EM SUPORTE BÁSICO DE VIDA... Granzotto et al. Capacitação em suporte básico de vida em um hospital universitário RESUMO Basic life support training in a university hospital Introdução: A ressuscitação

Leia mais

Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa

Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa Este programa poderá ser revisto sempre que o INEM, IP. o considere necessário Página 1 de 21 Índice Enquadramento 3 A importância da Desfibrilhação

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

First. Creating Confidence to Care CURSOS

First. Creating Confidence to Care CURSOS Emergency First Response Creating Confidence to Care CURSOS Por que Emergency First Response? Emergency First Response (EFR ) é uma das empresas mais importantes no mundo em treinamento de ressuscitação

Leia mais

V. Nadkarni, M.F. Hazinski, D. Zideman, J. Kattwinkel, L. Quan, R. Bingham, A. Zarittsky, J. Bland, E. Kramer, J. Tiballs

V. Nadkarni, M.F. Hazinski, D. Zideman, J. Kattwinkel, L. Quan, R. Bingham, A. Zarittsky, J. Bland, E. Kramer, J. Tiballs 0021-7557/98/74-03/175 Jornal de Pediatria Copyright 1998 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 74, Nº3, 1998 175 ARTIGO ESPECIAL Suporte de vida em pediatria: parecer consultivo

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia em Terapia Intensiva Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia em Terapia Intensiva Trabalho de Conclusão de Curso RAFAELA DA SILVA LIMA Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia em Terapia Intensiva Trabalho de Conclusão de Curso REFLEXÃO ACERCA DOS EFEITOS SINTOMATOLÓGICOS NOS PACIENTES

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA O SUPORTE BÁSICO DE VIDA: UMA EXPERIÊNCIA COM AUXILIARES DE ENFERMAGEM NO AMBIENTE EXTRA-HOSPITALAR

CAPACITAÇÃO PARA O SUPORTE BÁSICO DE VIDA: UMA EXPERIÊNCIA COM AUXILIARES DE ENFERMAGEM NO AMBIENTE EXTRA-HOSPITALAR CAPACITAÇÃO PARA O SUPORTE BÁSICO DE VIDA: UMA EXPERIÊNCIA COM AUXILIARES DE ENFERMAGEM NO AMBIENTE EXTRA-HOSPITALAR Cristiane Aparecida Ferreira Bonetti Curso de Graduação em Enfermagem, Universidade

Leia mais

Suporte Básico de Vida em Pediatria

Suporte Básico de Vida em Pediatria CAPÍTULO 154 Suporte Básico de Vida em Pediatria Vera Coelho Teixeira * A função do atendimento pré-hospitalar é reduzir a morbidade e mortalidade depois de parada cardiorrespiratória. Muito já foi feito

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO TÉCNICO-CIENTÍFICO DO ENFERMEIRO SOBRE AS NOVAS DIRETRIZES DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR

NÍVEL DE CONHECIMENTO TÉCNICO-CIENTÍFICO DO ENFERMEIRO SOBRE AS NOVAS DIRETRIZES DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR Rev Cien Escol Estad Saud Publ Cândido Santiago-RESAP. 2015; 1(1):13 13-32 ISSN: 13 NÍVEL DE CONHECIMENTO TÉCNICO-CIENTÍFICO DO ENFERMEIRO SOBRE AS NOVAS DIRETRIZES DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR LEVEL OF

Leia mais

ESPECIAL PARA TODOS BETO SOARES/ESTÚDIO BOOM. Emergência OUTUBRO / 2008 Emergência OUTUBRO / 2008

ESPECIAL PARA TODOS BETO SOARES/ESTÚDIO BOOM. Emergência OUTUBRO / 2008 Emergência OUTUBRO / 2008 ESPECIAL RESSUSCITAÇÃO PARA TODOS BETO SOARES/ESTÚDIO BOOM 20 20 Emergência OUTUBRO / 2008 OUTUBRO / 2008 Diretrizes de RCP aumentam os requisitos de especialização para profissionais de saúde e simplificam

Leia mais

Suporte Básico de Vida e Ressuscitação Cardiopulmonar em adultos: conceitos atuais e novas recomendações

Suporte Básico de Vida e Ressuscitação Cardiopulmonar em adultos: conceitos atuais e novas recomendações Artigo Original VICTORELLI G; RAMACCIATO JC; ANDRADE ED; RANALI J; MOTTA RHL Suporte Básico de Vida e Ressuscitação Cardiopulmonar em adultos: conceitos atuais e novas recomendações Recebido em: Mai/2013

Leia mais

O CONHECIMENTO DO CUIDADOR DE IDOSOS SOBRE O SUPORTE BÁSICO DE VIDA FRENTE À PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA

O CONHECIMENTO DO CUIDADOR DE IDOSOS SOBRE O SUPORTE BÁSICO DE VIDA FRENTE À PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Revista F@pciência, Apucarana PR, ISSN 1984-2333, v.8, n.12 p.114 131, 2011 114 O CONHECIMENTO DO CUIDADOR DE IDOSOS SOBRE O SUPORTE BÁSICO DE VIDA FRENTE À PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA RESUMO PITONI, M.

Leia mais

reanimação cardiopulmonar

reanimação cardiopulmonar Análise de vídeos do YouTube sobre suporte básico de vida e reanimação cardiopulmonar 335 Comunicação Científica Análise de vídeos do YouTube sobre suporte básico de vida e reanimação cardiopulmonar Analysis

Leia mais

Suporte Básico de Vida Pediátrico

Suporte Básico de Vida Pediátrico Manual do Curso de Suporte Básico de Vida Pediátrico para Não Profissionais de Saúde Manual do Curso de Suporte Básico de Vida Pediátrico para Não Profissionais de Saúde 1ª Edição Autor Paula Neutel Fotografias

Leia mais

Destaques das Diretrizes da

Destaques das Diretrizes da Destaques das Diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE Índice Principais questões enfrentadas por todos os socorristas 1 RCP de adulto por socorrista leigo 3 SBV para profissionais

Leia mais

SUPORTE AVANÇADO DE VIDA E AS NOVAS DIRETRIZES DA AMERICAN HEART ASSOCIATION 2010: UM LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO

SUPORTE AVANÇADO DE VIDA E AS NOVAS DIRETRIZES DA AMERICAN HEART ASSOCIATION 2010: UM LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO Artigo de Revisão SUPORTE AVANÇADO DE VIDA E AS NOVAS DIRETRIZES DA AMERICAN HEART ASSOCIATION 2010: UM LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO ADVANCED LIFE SUPPORT AND NEW GUIDELINES OF THE AMERICAN HEART ASSOCIATION

Leia mais

Pronto Atendimento no Esporte

Pronto Atendimento no Esporte Centro de Treinamento Autorizado Pronto Atendimento no Esporte Artur Padão Gosling Obter ajuda qualificada Preservar a vida PRIMEIRO ATENDIMENTO Funções do Socorrista Minimizar a dor e o agravamento das

Leia mais

Introdução SUCESSO vs. TEMPO

Introdução SUCESSO vs. TEMPO Pedro Bettencourt Formador de Socorrismo; Formação em Gestão de Catástrofes; Membro E.E.R.T. (Equipa de resposta e Intervenção de Urgência da CEDEAO); Formação em Sistemas de Comunicação ( Utilização do

Leia mais

O Papel do Acesso público a Desfibrilação na cadeia de Sobrevivência da Parada Cardíaca fora do Hospital.

O Papel do Acesso público a Desfibrilação na cadeia de Sobrevivência da Parada Cardíaca fora do Hospital. O Papel do Acesso público a Desfibrilação na cadeia de Sobrevivência da Parada Cardíaca fora do Hospital. Joseph P. Ornato, MD, FACP, FACC, FACEP Introdução Ocorrem aproximadamente 400-460,000 mortes súbitas

Leia mais

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita Arritmias Cardíacas e Morte Súbita SOBRAC Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas www.sobrac.org (Marco Paulo Tomaz Barbosa) Qual o órgão mais importante do corpo humano? Claro que EU sou o mais Importante!!!

Leia mais

PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA EM ADULTO - PCR

PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA EM ADULTO - PCR Protocolo: Nº 48 Elaborado por: Paulo Calaça Arlen Ramos Ubiratam Lopes Wilhma Castro Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Claudio Câmara Manoel E. Macedo Ubiratam Lopes Wilhma Castro Antônio Cedrim PARADA

Leia mais

Suporte Básico de Vida e Socorros de Emergência

Suporte Básico de Vida e Socorros de Emergência Suporte Básico de Vida e Socorros de Emergência Brasília-DF, 2011. Elaboração: Marta Peres Sobral Rocha Colaboração: Carlos Alcantara Produção: Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração

Leia mais

DESFIBRILAÇÃO EXTERNA AUTOMÁTICA TICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA SOBRAL FERNANDA COSTA PAPH

DESFIBRILAÇÃO EXTERNA AUTOMÁTICA TICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA SOBRAL FERNANDA COSTA PAPH DESFIBRILAÇÃO EXTERNA AUTOMÁTICA TICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA SOBRAL FERNANDA COSTA PAPH Introdução O tempo entre a perda de consciência até a desfibrilação é o principal fator

Leia mais

AALS Anaphylaxis and Asthma Life Support

AALS Anaphylaxis and Asthma Life Support AALS Anaphylaxis and Asthma Life Support Centro de Ensino, Treinamento e Simulação CETES-HCor A simulação aplicada ao ensino em saúde é uma técnica destinada a substituir experiências de pacientes reais

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Atualização em reanimação cardiopulmonar: uma revisão para o clínico*

Atualização em reanimação cardiopulmonar: uma revisão para o clínico* MEDICINA DE URGÊNCIA Atualização em reanimação cardiopulmonar: uma revisão para o clínico* Update on cardiopulmonary resuscitation: a review for the internist Fernando Sabia Tallo 1, Roberto de Moraes

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

OMISSÃO DE SOCORRO SEGUNDO A RESOLUÇÃO 311/2007 (CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM)

OMISSÃO DE SOCORRO SEGUNDO A RESOLUÇÃO 311/2007 (CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM) 1. URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Conceito Formal: Segundo o Conselho Federal de Medicina, em sua Resolução CFM n 1451, de 10/03/1995, temos: Urgência: ocorrência imprevista de agravo à saúde com ou sem risco potencial

Leia mais

Retificação de TEXTOS e QUESTÕES DE PRIMEIROS SOCORROS do Grupo 3 CMS conforme

Retificação de TEXTOS e QUESTÕES DE PRIMEIROS SOCORROS do Grupo 3 CMS conforme Retificação de TEXTOS e QUESTÕES DE PRIMEIROS SOCORROS do Grupo 3 CMS conforme orientações da ANAC. Informamos que as questões relacionadas estão disponíveis nos simulados do nosso site. PAG 106 Parada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO DE PARADA CARDÍACA FIBRILAÇÃO VENTRICULAR / TAQUICARDIA VENTRICULAR SEM PULSO ASSISTOLIA

Leia mais

Avaliação de vídeos sobre suporte básico de vida (SBV) publicados no youtube

Avaliação de vídeos sobre suporte básico de vida (SBV) publicados no youtube Artigo Original Avaliação de vídeos sobre suporte básico de vida (SBV) publicados no youtube Evaluation of Basic Life Support (BLS) videos published on YouTube Recebido em 27/05/15 Aprovado em 01/07/15

Leia mais

Inicie a disciplina apresentando o objetivo geral e os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Primeiros

Inicie a disciplina apresentando o objetivo geral e os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Primeiros Inicie a disciplina apresentando o objetivo geral e os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Primeiros Socorros 1, neste material. 93 Para iniciar uma discussão

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 026/CT/2015/PT Assunto: Atendimento pré-hospitalar de provável óbito pelo técnico de enfermagem orientador pelo médico regulador. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado ao Coren/SC,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Curso de Extensão ASSISTÊNCIA AO PACIENTE GRAVE PARA TÉCNICOS EM ENFERMAGEM PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Docentes: Thiago Christel Truppel, Adriano Yoshio Shimbo, Giulianno Tkaczuk de Souza, Cleberson Ribeiro

Leia mais

Tomada de decisão do enfermeiro frente a uma parada cardiorrespiratória

Tomada de decisão do enfermeiro frente a uma parada cardiorrespiratória Tomada de decisão do enfermeiro frente a uma parada cardiorrespiratória Fábia Elaine da Silva Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Maria Cristina Sanna Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Parada cardíaca ou parada cardiorrespiratória (PCR) é a cessação súbita da circulação sistêmica e da respiração. As principais causas

Leia mais

PARECER COREN-SP 010/2014 CT PRCI n 102.599/2012 Ticket n 283.293/ 340.032/ 346.940/ 340.291/ 345.362

PARECER COREN-SP 010/2014 CT PRCI n 102.599/2012 Ticket n 283.293/ 340.032/ 346.940/ 340.291/ 345.362 PARECER COREN-SP 010/2014 CT PRCI n 102.599/2012 Ticket n 283.293/ 340.032/ 346.940/ 340.291/ 345.362 Ementa: Reanimação Neonatal pelo Enfermeiro. 1. Do fato Profissional questiona se o Enfermeiro sem

Leia mais

Treinamento Orientado em Ressuscitação Pediátrica (TORPed).

Treinamento Orientado em Ressuscitação Pediátrica (TORPed). Treinamento Orientado em Ressuscitação Pediátrica (TORPed). Carla Ramalho de Assis 1, Lúcio Flávio Peixoto de Lima 2, Marcos Minamoto Miyabe 3, Ivan Torres Pisa 4, Werther Brunow de Carvalho 5, Daniel

Leia mais

Compressões torácicas contínuas realizadas por leigos antes e após treinamento*

Compressões torácicas contínuas realizadas por leigos antes e após treinamento* Artigo Original Compressões torácicas contínuas realizadas por leigos antes e após treinamento* Continues chest performed by lay people before and after training Renan Gianotto Oliveira 1, Maria Margarita

Leia mais

Pós-Graduação a distância

Pós-Graduação a distância Pós-Graduação a distância Programa Saúde da Família Suporte Básico de Vida e Socorro de Emergência Jorge Nascimento Sumário Suporte e treinamento básico em emergência... 5 Doença Cardiovascular e Parada

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Instruções para Uso Treinador de AED

Instruções para Uso Treinador de AED Instruções para Uso Treinador de AED NÚMERO DA PEÇA Direitos Autorais 2007 Cardiac Science Corporation. Todos os direitos reservados. O Treinador do Desfibrilador Externo Automático (AED) é um dispositivo

Leia mais

DESTAQUES. da American Heart Association 2015. Atualização das Diretrizes de RCP e ACE

DESTAQUES. da American Heart Association 2015. Atualização das Diretrizes de RCP e ACE DESTAQUES da American Heart Association 2015 Atualização das Diretrizes de RCP e ACE Índice Introdução....................................................... 1 Questões Éticas..................................................

Leia mais

Conhecimento de acadêmicos de Enfermagem frente à parada cardiorrespiratória. Knowledge of nursing students face to cardiorespiratory arrest

Conhecimento de acadêmicos de Enfermagem frente à parada cardiorrespiratória. Knowledge of nursing students face to cardiorespiratory arrest 85 Conhecimento de acadêmicos de Enfermagem frente à parada cardiorrespiratória Knowledge of nursing students face to cardiorespiratory arrest Juliana Araújo Pereira Gomes 1 Márcia Ribeiro Braz 2 Artigo

Leia mais

T!"!#$!#$%&'()#(*#$&$+,!-##)!'*)#$,&.*/)!'*"!#0$12%#$

T!!#$!#$%&'()#(*#$&$+,!-##)!'*)#$,&.*/)!'*!#0$12%#$ 2 APCD SAÚDE JUL AGO SET 2010 PROCEDIMENTOS Emergências médicas em ambiente odontológico T!"!#$!#$%&'()#(*#$&$+,!-##)!'*)#$,&.*/)!'*"!#0$12%#$ e pessoal de escritório, devem estar preparados para situações

Leia mais

O maior e mais bem equipado centro de treinamentos para Brigadistas, Socorristas e Segurança do Trabalho.

O maior e mais bem equipado centro de treinamentos para Brigadistas, Socorristas e Segurança do Trabalho. O maior e mais bem equipado centro de treinamentos para Brigadistas, Socorristas e Segurança do Trabalho. BRIGADA DE INCÊNDIO - NR 23 Lei federal nº 6514/77, da Portaria nº 3214/78 através da NR 23; NBR

Leia mais

Bolsas em Harvard para pesquisador brasileiro

Bolsas em Harvard para pesquisador brasileiro Bolsas em Harvard para pesquisador brasileiro Já estão abertas as inscrições para as bolsas de pós-doutorado em cardiologia da Harvard Medical School, oferecidas através de convênio com a SBC. Serão até

Leia mais