O valor da Auditoria Interna e imperativos para o sucesso.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O valor da Auditoria Interna e imperativos para o sucesso."

Transcrição

1 O valor da Auditoria Interna e imperativos para o sucesso. 29 de julho de 2011 Como Mensurar o Trabalho da Auditoria Interna e Demonstrar o Quanto a Área Agrega Valor para a Empresa Walter Batlouni Jr Diretor de Auditoria REDECARD CIA, CFSA, CCSA, MBA, CAMS, CPA-20, QA Revisor

2 Como Mensurar o Trabalho da Auditoria Interna e Demonstrar o Quanto a Área Agrega Valor para a Empresa Todas as informações oferecidas e opiniões emitidas nesta palestra vinculam-se ao exercício profissional do palestrante, não representando necessariamente o posicionamento de sua empregadora (REDECARD S/A).

3 Tópicos da Apresentação Definição e objetivos da Auditoria Interna Como é o processo de mensuração do trabalho Comunicação com a alta administração A função estratégica do auditor interno para auxílio na tomada de decisão e solução de problemas Como garantir a qualidade da Auditoria Interna Reconhecimento da alta administração pelo trabalho da área de auditoria interna Auditoria é um centro de custo ou de lucro? 3

4 Definição e objetivos da Auditoria Interna 4

5 Definição de Auditoria Interna Fonte: The Institute of Internal Auditors A Auditoria Interna é uma atividade independente e imparcial que presta serviços de avaliação e de consultoria e tem como propósito adicionar valor e melhorar as operações da organização. 5

6 Definição de Serviços de Consultoria Fonte: The Institute of Internal Auditors São atividades de serviço de assessoria prestadas ao cliente e cuja natureza e escopo são acordados com o mesmo, com o objetivo adicionar valor e melhorar as operações da organização. Exemplos: orientação, assessoria, facilitação, desenho de processo e treinamento. 6

7 Você me conhece? 7

8 Segundo o Código de Ética do The IIA, os profissionais da auditoria devem Executar seu trabalho com honestidade, responsabilidade e zelo profissional; 2. Realizar somente serviços para os quais possuam o necessário conhecimento, habilidades e experiência; 3. Realizar os serviços de auditoria em conformidade com as Normas para a Prática Profissional (Red Book); 4. Buscar, de forma contínua, melhorar sua proficiência, a eficácia e a qualidade de seus serviços. 8

9 Fatores Críticos de Sucesso MARCA PESSOAS INOVAÇÃO RELACIONAMENTO C/ CLIENTES EFICIÊNCIAS OPERACIONAIS ALIANÇAS HABILIDADE DE COMUNICAÇÃO 9

10 Como é o processo de mensuração do trabalho? 10

11 A importância dos indicadores 11

12 Indicadores x estratégia da organização Missão: por que a organização existe? Visão de futuro e objetivos: onde a organização quer chegar? Fatores críticos de sucesso: quais competências são necessárias? Indicadores: quais resultados são esperados de cada um dos indicadores? Metas e planos de ação: como devemos mobilizar recursos e pessoas? 12

13 Premissas ESPECÍFICO claros quanto aos objetivos e o que pretende medir MENSURÁVEL como serão medidos - as variações são importantes e merecem correção de rumo? ACEITÁVEL custo x benefício fáceis de produzir e compreender. Devem considerar aspectos imprescindíveis para controle e tomada de decisão REALISTA há recursos disponíveis para atingir estes resultados? TEMPORAL com qual frequência devem ocorrer as entregas?

14 Balanced Scorecard - Perspectivas FINANCEIRA Acionistas ou controladores EXTERNA Nossos clientes VISÃO DE FUTURO INTERNA Desempenho nos processos e recursos críticos INOVAÇÃO Sustentar a habilidade de mudar e evoluir 14

15 Exemplos de indicadores Cobertura das áreas de alto, médio e baixo risco Cumprimento do plano em termos de atividades e horas diretas Acompanhamento de pontos emitidos Utilização de ferramentas para maximizar resultados Prazo de emissão de relatórios Emissão de relatórios gerenciais Walter Batlouni Jr 15

16 Exemplos de indicadores Certificações dos auditores Desligamentos voluntários Cumprimento do orçamento e alocação de custos Sinergias com Auditores Externos (redução de honorários para a empresa) Quality Assurance 16

17 Tipos de Comunicação: Comunicação Reuniões de abertura e fechamento de trabalhos Reuniões de acompanhamento Participação em comitês ou grupos de discussão Reuniões estratégicas com o Comitê de Auditoria, Conselho de Administração e Diretorias Executivas Formalização dos conteúdos em atas para servirem como base geral de informação 17

18 Objetivos das reuniões: Comunicação Verificar o andamento dos negócios e projetos relevantes na organização Estabelecer uma canal aberto com a alta administração Inserir de forma construtiva a Auditoria no dia-a-dia das operações Torna-se uma fonte importante para redirecionamento de atividades 18

19 Papel estratégico Auxílio na tomada de decisão e solução de problemas Avaliação dos principais riscos do negócio e oferecer recomendações para sua melhoria Identificar oportunidades para redução de custos Verificar conformidade com regulamentações Ser um assessor de confiança da administração Auxiliar nos trabalhos das auditorias externas Desenvolver profissionais para assumir posições de liderança na empresa 19

20 Como garantir a qualidade da Auditoria Interna 20

21 Indicadores de qualidade O CAE deve desenvolver e manter um programa de qualidade que cubra todos os aspectos da atividade de auditoria e continuamente monitore sua eficiência; O programa inclui avaliações períodicas internas e/ou externas; Cada etapa do programa deve ser desenvolvida para auxiliar a auditoria a ser um órgão efetivo e que esteja em conformidade com os padrões do The IIA. Os resultados desses programas de qualidade devem ser comunicados à alta administração. 21

22 Objetivos do Quality Assurance Assegurar conformidade com International Standards for the Professional Practice of Internal Auditing, publicados pelo The IIA ; Verificar o atingimento das expectativas sobre a função de Auditoria expressas pelo Comitê Executivo, Conselho de Administração, alta administração e reguladores; Assegurar a integração da Auditoria Interna nas atividades da empresa e processo de governança, sem impactar na independência; Verificar o contínuo desenvolvimento, formação e especialização da equipe (conhecimento coletivo); Oferecer oportunidades para a melhoria da função de Auditoria. 22

23 Objetivos do Quality Assurance E, principalmente, determinar se o Departamento de Auditoria Interna agrega valor à organização 23

24 Etapas da avaliação Regulamento (1100) Linha de reporte (2400) Código de ética (1100/1200) Curriculum (1200) Ambiente de Quality Assurance (1300) Planejamento Anual (2000) Planejamento do trabalho (2200) Papéis de trabalho (2300) 24

25 Etapas da avaliação Relatório (2400) Avaliação (1200) Monitoramento (2500/2600) Informações gerenciais Ferramentas utilizadas Manuais (position papers) Melhores práticas 25

26 Análise do Ambiente Percepção do mandato da Auditoria Interna Escopo e cobertura do planejamento anual; Verifica se a Auditoria identifica foca nos maiores riscos para a organização. O relacionamento do grupo com as demais áreas da organização Utilidade, clareza e efetividade dos relatórios e comunicações Nível de conhecimento, experiência e habilidades demonstradas pelos funcionários 26

27 É fácil manter a certificação? Revisões anuais e/ou self-assessment Planos de ação e prazos para implementação Acompanhar publicações do The IIA Manter políticas de treinamento e certificação contínua Estar em consonância com o movimento da organização Agregar valor ao negócio sem, contudo, perder a independência 27

28 A importância das certificações As certificações são válidas mundialmente Denotam proeficiência na área Enriquecem o conhecimento individual Aumentam o valor do profissional Poderão ser obrigatórias no futuro para o exercício da função 28

29 Principais certificações The Certified Internal Auditor (CIA) Certification in Control Self-Assessment (CCSA) Certified Government Auditing Professional (CGAP) Certified Financial Services Auditor(CFSA) Certified Financial Systems Auditor (CISA) As certificações devem ser revalidadas a cada 2 anos (CPE) Walter Batlouni Jr 29

30 Audit Foundations Audit Charter 1000 Code of Ethics 1100/1200 Training Curriculum 1200 Quality Assurance Framework 1300 Annual Audit Planning 2000 Engagement Planning 2200 Orientation 2240 Fieldwork 2300 Reporting 2400 Evaluation 1200 Issue Tracking 2500/2600 Reporting to Audit Committee, Managing Board and BU Mngt 2400 Global Cockpit Auditor Assistant CAATs TRAC QuickPlace Group Audit Manual Position Papers / Project Audit Methodology / Country Audit Methodology Practice Advisories Group Audit Strategy 30

31 Reconhecimento da Alta Administração Oportunidade de movimentação horizontal ou vertical Inclusão da Auditoria em projetos importantes O departamento passa a ser visto como um parceiro, um importante agente de sustentação do ambiente de controles internos Investimentos em treinamentos Compensação financeira e premiação por desempenho 31

32 Auditoria como centro de lucro (1/2) PREMISSAS Clareza de objetivos, metas e estratégia Flexibilidade para mudanças Foco no valor agregado para a organização Mapeamento claro das situações que ofereçam risco Criação de condições para atratividade e retenção de profissionais Treinamento 32

33 Auditoria como centro de lucro (2/2) Atuação preventiva, antecipando-se a riscos Atuação de remediação (reduzindo perdas) Atenção ao orçamento e alocação de custos Aproveitamento tecnológico disponível Sinergias com Auditores Externos (redução de honorários para a empresa) Tabulação de resultados 33

34 34

35 Informações sobre o palestrante Carreira de 23 anos, sendo 21 em auditoria. Atualmente é Diretor de Auditoria da Redecard S/A. Foi responsável pelas áreas de Auditoria, Compliance e Controles Internos no Banco Caixa Geral, onde auxiliou na montagem das operações no Brasil. Desevolveu carreira de 20 anos no ABN AMRO onde além de larga experiência em auditorias no Brasil e Holanda, trabalhou no escritório regional para América Latina e Caribe quando foi encarregado de auditar 13 países. Foi responsável também pelas auditorias de Varejo, Risco, Financeira, Áreas de Suporte, Finanças (SOXA) e Transactional Banking para América Latina. Walter é economista formado pela PUC-SP, com pós graduação em Comércio Exterior pela Fecap e MBA em Finanças pelo IBMEC. Possui as certificações CIA, CCSA, CFSA e Revisor de Quality Assessment pelo "The Institute of Internal Auditors, além de ser especialista de Prevenção à Lavagem de Dinheiro (CAMS) e CPA-20 (ANBiD) Participou de Due Diligence para aquisição de vários bancos, dentre os quais dos Bancos Real, Sudameris, Bandepe, além dos processos de integração destes bancos. É membro da Comissão de Auditoria Interna e Compliance da Febraban e dos Comitês de Auditoria da Visanet, Visavale e Tokio Marine Real Vida e Previdência. 35

36 Obrigado por sua atenção!!! Contato Walter Batlouni Jr REDECARD S/A Fone:

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências atuais Quais competências necessitam de aprimoramento Como

Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências atuais Quais competências necessitam de aprimoramento Como 1ª Pesquisa Protiviti/Audibra sobre as Tendências da Auditoria Interna no Brasil Junho, 2010 Objetivo da Pesquisa Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências

Leia mais

Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE)

Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Diretriz Administrativa de Requisitos de Educação Profissional Continuada nº 4: 2011 Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Objetivo Este documento contém os requisitos

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL Diga-me como me medes que eu te digo como me comportarei Eliyahu Goldtratt Agenda Alinhamento

Leia mais

Imperativos para o Sucesso

Imperativos para o Sucesso 01 de julho de 2011 Imperativos para o Sucesso Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente Vice Presidente Diretor Diretor - Instituto dos Auditores Internos do Brasil - Federação Latino Americana de Auditores

Leia mais

Desafios na Implementação de uma Auditoria Contínua Efetiva

Desafios na Implementação de uma Auditoria Contínua Efetiva 21/06/13 Desafios na Implementação de uma Auditoria Contínua Efetiva Igor Estrada Gouvêa, CIA, CRMA Head de Auditoria Interna Qualicorp Soluções em Saúde Todas as informações fornecidas e opiniões emitidas

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS)

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS) Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA QUALITY ASSURANCE Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA Viviane Souza Miranda CCSA Diretora de Auditoria Interna Telefônica Vivo Índice

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS)

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS) Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

A Função de Controles Internos em Instituições Financeiras

A Função de Controles Internos em Instituições Financeiras Seminário IIA Brasil - Os Desafios da Auditoria Interna frente aos processos de Gestão de Riscos, Controles e Governança Corporativa Belém, 21 de junho de 2013 A Função de Controles Internos em Instituições

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 torna uma necessidade da empresa por: competitividade no mercado interno Competitividade no mercado externo Aumentar a

Leia mais

14/03/2014. A importância da aplicação de metodologia na geração de resultados em Auditoria Interna Como as certificações podem ajudar?

14/03/2014. A importância da aplicação de metodologia na geração de resultados em Auditoria Interna Como as certificações podem ajudar? 14/03/2014 A importância da aplicação de metodologia na geração de resultados em Auditoria Interna Como as certificações podem ajudar? Eduardo da Costa Azevedo Gerente Executivo de Auditoria Interna Tegma

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE E MELHORIA

PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE E MELHORIA PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE E MELHORIA Índice Sumário Executivo... 1 Introdução... 2 O que é Qualidade?... 2 Qualidade na Auditoria Interna... 2 Conformance ou Compliance?... 3 Inserindo Qualidade

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Auditoria da Tecnologia da Informação Auditoria da Tecnologia da Informação A Auditoria da TI é uma auditoria operacional, analisa a gestão

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

E FOLDER INSTITUCIONAL

E FOLDER INSTITUCIONAL E FOLDER INSTITUCIONAL Tel. 55 11 3862 1421 atendimento@bird.com.br www.bird.com.br A MEDIDA CERTA PARA EXECUTAR SUA ESTRATÉGIA DE T&D EM IDIOMAS benchmarking indicadores de resultados diagnósticos & desenvolvimento

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros 21 de junho de 2013 Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros Fernando Lage Sócio-Diretor KPMG Risk Advisory Services Definição A definição de Control Self Assessment (Auto

Leia mais

e no Mundo 19-10-2008 1

e no Mundo 19-10-2008 1 Resultados questionário IIA - CBOK 2006 Auditoria Interna em e no Mundo Orlando Sousa, CCSA Vice-Presidente do IPAI 19-10-2008 1 Evolução CBOK 1972/2006 10000 8000 6000 9366 4000 2000 0 1 1972 1985 2 75

Leia mais

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ISO 14001 - Sistemas de gestão ambiental Requisitos com orientações para uso 06 /10/ 2015 www.abnt.org.br Tópicos Processo de Normalização Histórico da

Leia mais

24/09/2013. COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna

24/09/2013. COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna 24/09/2013 COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna Luiz Claudio Diogo Reis, MTech, CISA, CRISC, COBIT (F), MCSO Luiz.reis@caixa.gov.br Auditor Sênior Caixa Econômica Federal Currículo

Leia mais

O sucesso na Interaçao com o Conselho

O sucesso na Interaçao com o Conselho 24-09-2013 14:45 O sucesso na Interaçao com o Conselho Jose Francisco Moraes QAIP Team Leader IIA Brasil ESTOU PREPARADO PARA: SER PROMOVIDO? Promovido = dar publicidade a uma imagem pessoal desejada Foco

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 I WORKSHOP FNCC Governança da TI Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 São Paulo, 22 de setembro de 2015 1 OBJETIVO Apresentar a Enigma

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Risk Audit Summit 28/04. Luciano Bordon Sócio - Advisory Grant Thornton. 2015 Grant Thornton International Ltd. All rights reserved.

Risk Audit Summit 28/04. Luciano Bordon Sócio - Advisory Grant Thornton. 2015 Grant Thornton International Ltd. All rights reserved. Risk Audit Summit 28/04 Luciano Bordon Sócio - Advisory Grant Thornton Empresas americanas objetivo da pesquisa foi de identificar como os departamentos de auditoria interna de empresas de grande porte

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz SENAC GO Gestão da Tecnologia da Informação Tópicos especiais em administração Professor Itair Pereira da Silva Alunos: Eduardo Vaz Jalles Gonçalves COBIT COBIT (CONTROL OBJETIVES FOR INFORMATION AND RELATED

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E DESAFIOS Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 Agenda 1. Compliance conceito e missão 2. Atuação de Compliance nas instituições 3. Ferramentas de Compliance 4. Auditoria e Compliance

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

Parecer do Comitê de Auditoria

Parecer do Comitê de Auditoria Parecer do Comitê de Auditoria 26/01/2015 Introdução Título do documento De acordo com o que estabelece o seu regimento interno, compete ao Comitê de Auditoria assegurar a operacionalização dos processos

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para:

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para: Manual da Qualidade A norma recomenda: o escopo do sistema de gestão da qualidade, incluindo detalhes e justificativas para quaisquer exclusões os procedimentos documentados estabelecidos para o sistema

Leia mais

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014 Auditoria Interna Planejamento Estratégico 2014 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 METODOLOGIA DO PLANEJAMENTO... 4 MISSÃO... 5 VISÃO... 5 VALORES... 5 ANÁLISE AMBIENTAL... 6 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 6 MACROPROCESSO

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA AUDITORIA INTERNA

NORMAS INTERNACIONAIS PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA AUDITORIA INTERNA NORMAS INTERNACIONAIS PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA AUDITORIA INTERNA INTRODUÇÃO A auditoria interna é uma atividade independente e objetiva que presta serviços de avaliação e de consultoria com o objetivo

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Curso e-learning ISO/IEC 20000 Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Este é um curso independente desenvolvido pelo TI.exames em parceria com a CONÊXITO CONSULTORIA que tem grande

Leia mais

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)?

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? 1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? Conceitualmente, o Balanced Scorecard, também conhecido como BSC, é um modelo de gestão que auxilia as organizações a traduzir a estratégia em objetivos operacionais

Leia mais

Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação

Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação Agenda Antes da Sefti Criação da Sefti O que já fizemos Trabalhos mais relevantes Resultados alcançados 2 Impacto da TI na gestão pública Criticidade

Leia mais

Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos

Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos Certificação Deloitte A Deloitte é referência mundial em soluções integradas em todas as indústrias e vem atendendo as demandas corporativas em

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União LOGO Sumário da Apresentação Origens... Um pouco sobre Governança O papel da Unidade

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

Auditoria com Foco em Riscos: a experiência do Banco Votorantim.

Auditoria com Foco em Riscos: a experiência do Banco Votorantim. Auditoria com Foco em Riscos: a experiência do Banco Votorantim. Wagner Roberto Pugliese - Certified Internal Auditor (CIA ) Certification in Control Self-Assessment (CCSA ) Banco Votorantim Diretor de

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Auditoria de TI agregando valor aos negócios - A visão pragmática da Governança de TI - Marcio Araujo, CGEIT Gerente de Governança de TI

Auditoria de TI agregando valor aos negócios - A visão pragmática da Governança de TI - Marcio Araujo, CGEIT Gerente de Governança de TI Auditoria de TI agregando valor aos negócios - A visão pragmática da Governança de TI - Marcio Araujo, CGEIT Gerente de Governança de TI Desafios do CIO Principais preocupações: Capacidade de entrega em

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Formação Profissional Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Assessoria de Gestão, Lda Controlo Interno e Auditoria Interna No actual contexto de crise, em que as organizações estão

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Formação e Certificação

Formação e Certificação Formação e Certificação Requisitos de CPE para CIAs Editado por Giovani Ehrhardt*. Traduzido por Ana Clara Sebastião Macedo Ventura. Resumo: Este artigo visa esclarecer os requisitos obrigatórios da Formação

Leia mais

Fundamentos de Auditoria Prof. Fred Sauer fsauer@gmail.com http://www.fredsauer.com.br

Fundamentos de Auditoria Prof. Fred Sauer fsauer@gmail.com http://www.fredsauer.com.br Fundamentos de Auditoria Prof. Fred Sauer fsauer@gmail.com http://www.fredsauer.com.br Tópicos 2. CONCEITOS E ORGANIZAÇÃO DA AUDITORIA 2.1 Conceitos básicos e natureza da auditoria 2.2 Equipe de auditoria

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

Conselho de Administração

Conselho de Administração O Instituto dos Auditores Internos do Brasil é uma entidade civil sem fins econômicos que tem como objetivo proporcionar informações que agreguem valor à carreira dos seus associados. Oferecemos conhecimento,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

Sobre o Grupo Pão de Açúcar. Participe do programa de Trainee 2011 do Grupo Pão de Açúcar!

Sobre o Grupo Pão de Açúcar. Participe do programa de Trainee 2011 do Grupo Pão de Açúcar! Participe do programa de Trainee 2011 do Grupo Pão de Açúcar! Venha fazer parte de uma empresa multiformato, composta por supermercados, hipermercados, lojas de produtos eletrônicos/eletrodoméstios, lojas

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Rumo a novos patamares

Rumo a novos patamares 10Minutos Auditoria Estudo sobre a Situação da Profissão de Auditoria Interna Rumo a novos patamares Destaques Os stakeholders estão menos satisfeitos com a contribuição da auditoria interna em áreas de

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves BPM Congress 27 e 28-11-2012 Palestrante: Ranussy Gonçalves O SEBRAE-MG Mais de 700 funcionários Orçamento para 2012 de mais de R$ 185 milhões 130 mil empresas atendidas em 2011 e 150 mil para 2012 O início

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira Governança Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira 1 Definição de Governança Governança Corporativa: É a Estrutura que identifica os objetivos de uma organização e de que forma pode-se

Leia mais