LICENCIAMENTO AMBIENTAL: UM PASSO (NECESSÁRIO) ADIANTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LICENCIAMENTO AMBIENTAL: UM PASSO (NECESSÁRIO) ADIANTE"

Transcrição

1 LICENCIAMENTO AMBIENTAL: UM PASSO (NECESSÁRIO) ADIANTE Frederico Bussinger Engenheiro e Economista Diretor-Presidente da Cia. Docas de São Sebastião e Diretor do Departamento Hidroviário de SP Cristão, servidor público e ambientalista praticante Diante de impasses, mais importante que procurar resolver o problema, é formulá-lo de forma diferente (Milenar provérbio chinês e grego) Nós somos o que fazemos. Mas, principalmente, o que fazemos para deixar de ser o que somos (Eduardo Galeano) RESUMO De um lado, executivos privados e públicos criticam os processos de licenciamento ambiental por postergarem e, às vezes, inviabilizarem a realização de investimentos. De outro, órgãos licenciadores e entidades ambientalistas acusam os empreendedores de buscar viabilizar empreendimentos irrecuperavelmente agressores do meio ambiente ou de apresentarem projetos que, ainda que plausíveis, não tratam adequadamente das questões ambientais. O mais provável é que tenhamos logrado estabelecer no Brasil um sistema com o pior dos dois mundos: A economia, a infra-estrutura, os serviços públicos (incluindo seus aspectos sociais) vêm, efetivamente, sendo prejudicados pelo sistema de licenciamento e fiscalização ambiental vigente sem que, em contrapartida, dele resulte uma eficaz e adequada defesa do meio ambiente. No entanto, alentadoramente, talvez estejamos (ou tenhamos que estar), no Brasil, no limiar de uma grande inflexão no tratamento dessa questão; algo que também ocorreu algumas vezes ao longo de quase século e meio da cultura da qualidade : Essa experiência tem contribuições importantes para tal potencial e necessária inflexão, no sentido de se atingir um ou mais dos seguintes objetivos: Aumento da previsibilidade do processo de licenciamento ambiental; redução dos prazos de tramitação; redução de re-trabalhos (tanto para os empreendedores como para os Poderes Públicos); e redução de custos (tanto para uns como para outros). Para tais fins, muito podem contribuir reconceituações, redução dos subjetivismos, homogeneização das abordagens, clareza na definição do órgão competente e simplificação do processo decisório. Palavras-chave: Licenciamento Ambiental; Visão Sistêmica; Desenvolvimento Sustentável. 1

2 ABSTRACT On the one hand, private and public executives criticize the environmental licensing process because it postpones and, sometimes, makes unpredictable the accomplishment of investments. On the other hand, environmental agencies and different environmentalist organizations accuse the entrepreneur of bringing forward projects that either can cause irreversible damages to the environment or don t deal adequately with important environmental aspects. It is likely that one has managed to establish in Brazil a system with the worst of both worlds: The economy, infrastructure and public services (including social aspects) have been obstructed by the current environmental licensing system, which, in turn, renders no effective or adequate protection to the environment itself. Fortunately, however, Brazil seems to be on the threshold of a major change in the way it deals with the issue, not different from what happened in the recent past to the so-called culture of quality. The new approach is likely to bring about important contributions to achieving one or more of the following goals: Increase the predictability of environmental licensing, reduce delays, reduce re-work (both to entrepreneurs and public authorities) and reduce costs (to both, too). To attain such goals one must be clear in defining the appropriate environmental licensing agency, in bypassing subjectivity and in looking for simpler and more uniform licensing processes. Key words: Environmental Licensing; Systemic View; Sustainable Development 2

3 INTRODUÇÃO Executivos privados e, mesmo, dirigentes públicos, empreendedores (para usar o termo legal e normativo) normalmente criticam os processos de licenciamento ambiental por postergarem e, às vezes, inviabilizarem a realização de investimentos; inclusive e principalmente em infra-estruturas e serviços públicos. Essa crítica abrange, quase que indiferentemente, licenciadores federais, estaduais e municipais. Por seu turno, órgãos licenciadores e entidades ambientalistas acusam os empreendedores de buscar viabilizar empreendimentos irrecuperavelmente agressores do meio ambiente ou de apresentarem projetos que, ainda que plausíveis, não tratam adequadamente das questões ambientais. O mais provável é que tenhamos logrado estabelecer no Brasil um sistema com o pior dos dois mundos: A economia, a infra-estrutura, os serviços públicos (incluindo seus aspectos sociais) vêm, efetivamente, sendo prejudicados pelo sistema de licenciamento e fiscalização ambiental vigente sem que, em contrapartida, dele resulte uma eficaz e adequada defesa do meio ambiente. Por quê? Há o que ser feito? Diante de impasses, mais importante que procurar resolver o problema, é formulá-lo de forma diferente dizem, de forma muito similar, um milenar provérbio chinês e outro grego. E, se chineses e gregos chegaram à mesma conclusão, aí deve haver sabedoria... QUALIDADE E MEIO AMBIENTE: Preliminarmente, o acumulado ao longo do último século e meio de evolução do tratamento da questão qualidade, com muitas afinidades com a ambiental, talvez aporte contribuições a este debate: A Revolução Industrial fez surgir as primeiras idéias e instrumentos de controle de qualidade como forma de evitar que a produção, em larga escala (por vezes envolvendo equipes de trabalho e, mesmo, plantas industriais distintas), gerasse produtos com características muito díspares, distintas do projetado/especificado. Os resultados dos primeiros tempos foram revolucionários, resultando em padrões de produção em muitos casos antes só alcançáveis por experientes artesãos, com suas produções limitadas. Com o passar do tempo foi-se percebendo que, apesar dos resultados positivos, em termos de qualidade dos produtos, o novo modelo/sistemática impunha custos elevados ao processo produtivo, visto que uma parte da produção acabava, inexoravelmente, sendo descartada. Para enfrentar esse novo desafio, gerentes e técnicos tiveram de mudar seu foco: De um controle fim de tubo, cujo escopo era o bem produzido (uma abordagem passa-não-passa ao final da linha de produção), o objeto de observação passou a ser, agora, o processo, o processo produtivo, na busca de se minimizar, antecipadamente, o percentual e o valor de produtos refugados. Essa fase já foi bem mais complexa, pois processos transcendem aspectos materiais: Envolvem pessoas, natureza, relações, técnicas, normas, etc. Após engatinhar por algum tempo, ela veio a ganhar grande impulso com as formulações de Walter A. Shewhart, na década de 1930 e, posteriormente, encontrou solo fértil e veio ser consagrada por Willian Edwards Deming, a partir da década de 50, no Japão, à época em busca de soerguer-se dos legados da II Guerra Mundial. A cultura da qualidade foi tão amplamente disseminada que acabou por merecer, a partir de dezembro de 1950, um prêmio anual, o Prêmio Deming, cuja cerimônia é ali evento nacional, inclusive transmitido pelas redes de rádio e televisão. Com base em formulações do Século XII (o método científico de três etapas, de Fracis Bacon: hipótese, experimento e avaliação), foi finalmente concebido um método iterativo cuja função básica é o auxílio no diagnóstico, análise e prognóstico de problemas. Ele é conhecido por 3

4 PDCA/PDSA (Ciclo de Shewhart, Ciclo da Qualidade ou Ciclo de Deming); sigla, em inglês, que expressa as quatro etapas do método: Planejar, executar, padronizar (verificar/estudar) e agir. Em alguns programas esse conceito básico é desdobrado no DMAIC (definir, medir, analisar, melhorar, controlar); mas sempre dentro do mesmo espírito iterativo e aperfeiçoador. A importância da dimensão humana nos processos levou à concepção e desenvolvimento dos conhecidos Círculos de Controle de Qualidade CCQ, seja com o objetivo de colher informações, experiências e idéias do chão da fábrica, seja para a ele levar e disseminar novos conceitos, técnicas e desafios. Já no final do Século XX um novo passo foi dado: A introdução do conceito de melhoria continua, elemento central das normas ISO da Série Aliás, tal conceito também veio a integrar as normas da Série (ambiental) e (segurança e saúde no trabalho). E, coerentemente com o conceito de iteratividade (retro-alimentação, melhoria continua), alguns conceitos destas acabaram por ser incorporados nas da Série 9.000, quando de sua revisão em como, p.ex. o de partes interessadas. O processo de desenvolvimento da cultura da qualidade, aqui sinteticamente descrito, veio a marcar, indelével e irreversivelmente, não só a evolução do processo produtivo, do modo de produção, como as relações fornecedor-cliente e, até, as relações no comércio internacional. E não seria exagero dizer-se que seus impactos atingiram, inclusive, diversos valores e aspectos das relações sociais dos tempos atuais; o meio ambiente, inclusive. 4

5 Ante evidentes e disseminados impactos ambientais, muitos deles com reversibilidade comprometida, seja por razões técnicas, econômicas, ambientais ou sociais, a segunda metade do Século XX testemunhou, em todo o mundo, o desenvolvimento de uma consciência ambiental. E, em seu último quartel, a efetivação de ações concretas, políticas, planos e instrumentos de defesa do meio ambiente: Poucos, lentamente, é verdade, mas inquestionavelmente foram grandes avanços! O Brasil, ainda que com algum retardo, veio a se incorporar a essa nova cultura. Concretamente, um dos instrumentos pioneiros para tanto foi o estabelecimento, por meio de lei (Lei Federal nº 6.938/81), de avaliações ambientais com o fim de autorizar, previamente, projetos de determinadas características, denominadas licenciamento ambiental ; processo este que veio a ser posteriormente subdividido em três etapas (Res. CONAMA 237/1997): Licença Prévia - LP, Licença de Instalação - LI e Licença de Operação - LO. Era de se esperar que, em função do desconhecimento da dimensão dos problemas e da dificuldade de prognósticos, os instrumentos criados fossem mais rígidos e/ou poucos claros. Desde então, diversos ajustes foram sendo introduzidos, aqui e acolá; alguns possibilitando a incorporação de novos conhecimentos científicos e tecnológicos, alem de maior clareza nas normas, outros nem tanto apenas resultado de prevalência de circunstanciais entendimentos ou interesses de pessoas ou grupos de interesses pontuais. Assim, como resultado, se é verdade que diversos avanços foram efetivados, é igualmente verdade que os novos mecanismos, que foram sendo estabelecidos, também geraram e acumularam efeitos colaterais que podem estar na raiz do quase-impasse atual. Enfrentá-lo e resolvê-lo é o desafio do momento. Por isso, talvez estejamos (ou tenhamos que estar), no Brasil, no limiar de uma grande inflexão no tratamento da questão ambiental; algo que também ocorreu algumas vezes ao longo de quase século e meio da cultura da qualidade. Arrolar alguns aspectos dessa tal potencial e necessária inflexão, e discuti-los preliminarmente, é o objetivo deste artigo. UMA PAUTA BÁSICA: Este texto discute licenciamento ambiental como um sistema (aqui no sentido conceitual, técnico, não da Lei n⁰ 6.938/81 o SISNAMA); entendendo que: O licenciamento ambiental é mais que um mero processo ; Variáveis e aspectos técnicos são apenas parte dos fundamentos das decisões; Os órgãos licenciadores não são as únicas instâncias decisoras; Das leis e normas não emerge clara a arquitetura dos processos decisórios. Ou seja, na prática, na vida real, convivemos no Brasil com um sistema de licenciamento ambiental complexo, com diversos componentes e etapas pouco claras, não raro subjetivismos em exigências e critérios de avaliação (e, portanto, possibilidade de fruição de interesses de forma não clara), heterogêneo, de pouca previsibilidade e de eficácia discutível. Além disso, com enormes margens para tornar-se menos dispendioso. A seguir são enunciadas e analisadas algumas propostas para que esse sistema dê um passo adiante, evolua. Entenda-se evolução, neste contexto, como alterações conceituais ou procedimentais que, norteados pela diretriz maior da Política Nacional do Meio Ambiente brasileira ( compatibilização do desenvolvimento econômico-social com a preservação da qualidade do meio ambiente e do equilíbrio ecológico - art. 4, 1 da lei ambiental básica, a Lei Federal nº 6.938/81), resulte em um ou mais dos seguintes objetivos: Aumento da previsibilidade do processo de licenciamento ambiental; 5

6 Redução dos prazos de tramitação; Redução de re-trabalhos (tanto para os empreendedores como para os Poderes Públicos); e Redução de custos (tanto para uns como para outros). Para tais fins, muito podem contribuir a redução dos subjetivismos, homogeneização das abordagens (ao menos por classes de empreendimentos ), clareza na definição do órgão competente e simplificação do processo decisório. O surpreendente e, até, paradoxal, como se verá, é que a maior parte dessas sugestões já consta das leis e normas brasileiras vigentes bastando, portanto, serem praticadas. Praticadas, entendase, como só, somente só: Sem complementos, superposições, redundâncias, alternativas ou subterfúgios que, em muitos casos, acaba por desfigurar um dado preceito ou procedimento, reduzindo sua eficácia ou, até mesmo, tornando-o inócuo. Em algumas dessas sugestões predominam aspectos conceituais, em outros técnicos e em outros processuais; e, nessa ordem, as ponderações e propostas estão organizadas em quatro blocos: 1) O PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO : "Oh! Liberdade, quantos crimes se cometem em teu nome", disse Madame Roland, militante de primeira-hora, pouco antes de ser guilhotinada em 1793 pelos Jacobinos, seus ex-companheiros da Revolução Francesa. Desde então, ao longo desses dois séculos, seu brado foi inúmeras vezes repetido ou parafraseado por poetas, filósofos, economistas, religiosos, historiadores e políticos quando diante de práticas que contradizem discursos dos mesmos protagonistas; de ações que se opõem a objetivos por eles declarados. Uma vez mais, e neste caso, esse alerta é bastante pertinente: Quantos erros, quantas oportunidades desperdiçadas, quantos (bons) projetos foram postergados ou inviabilizados pela aplicação equivocada do chamado princípio da precaução! Por sua importância e papel que desempenha na base conceitual das normas e suas aplicações, enfim, em todo o sistema, ele requer uma análise mais detida: a) Tal princípio é freqüentemente invocado para justificar posições ou decisões contrárias, vedadoras, impedidoras de intervenções ou da implementação de empreendimentos (no sentido da legislação e normas ambientais). Ou seja, como base para defesa de inações. A experiência indica, todavia, que, em inúmeros casos, a efetiva defesa ou preservação do meio ambiente (que o princípio da precaução declara objetivar) requer, ao contrário, ações. E mais: Ações para as quais o fator tempo é variável crítica! São casos em que o agir-se, o fazer-se, o realizar-se é imprescindível e, até, inadiável para procurar restabelecer-se uma situação pré-existente, para estabelecer-se uma funcionalmente equivalente ou para alcançar-se um novo equilíbrio sustentável; isso sabendo-se que ambiente ecologicamente equilibrado não é um conceito estático. b) Três pressupostos, ainda que implícitos, sustentam a convicção daqueles que assim utilizam o princípio: i) Que impacto é algo binário: Ou existe ou não! ii) Que, em todos os casos, há para os impactos uma relação causa-efeito determinística: Se hoje tal lei não é conhecida, um dia ela o será! iii) Que uma ação consuma determinados riscos; enquanto a inação os evita, os impede. Conceitual e tecnicamente, ao contrário: 6

7 A caracterização de um dado impacto, mesmo os impactos significativos (ou relevantes ), alem de sua mera eventual existência, envolve seus reflexos, abrangência, freqüência, temporalidade, reversibilidade e magnitude; alias, algo previsto, inclusive, na CONAMA n⁰ 001/86 (Tabela-1). Precaução é uma postura, uma atitude, uma estratégia de minimização de riscos, já constatada e comprovada a inevitabilidade deles. Ou seja, no trabalho, no trânsito, na aplicação da tecnologia e, se se quiser extrapolar, na vida, de uma maneira geral, não há segurança: O que nos resta fazer é procurar gerenciar a insegurança! Com relação às intervenções na natureza, até com mais razão: Quanto mais se avança no conhecimento dela, mais se constata que múltiplas variáveis se correlacionam com múltiplos resultados, cada vez mais longe de uma relação biunívoca e determinística. c) No plano jurídico, normalmente essa exegese (inação) do princípio da precaução é sustentado com base ou como decorrência do art. 225 da Constituição Federal brasileira; cujo conteúdo segue a linha de diretrizes da Declaração de Estocolmo de 1972 (Declaração sobre o Ambiente Humano) e, também, da Carta de Direitos e Deveres Econômicos dos Estados da ONU (Res. nº 3.281/74 - art. 30); posteriormente também incorporada à Declaração do Rio de Janeiro sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, da Eco-92. A tal conclusão talvez possa se chegar, com algum esforço, a partir da leitura isolada e parcial do caput do dispositivo constitucional: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações ). Mas a conclusão é diversa, no mínimo matizada, se lido o artigo como um todo: P.ex. O Inciso-I, do seu 1, alem da preservação, preve restauração e manejo para consecução do objetivo propugnado, para assegurar a efetividade desse direito. E, para surpresa de muitos, manejo de espécies e, até, de ecossistemas! d) Finalmente, quando o princípio da precaução é utilizado como antídoto ao desconhecimento, cabe sempre indagar: Desconhecimento da ciência mundial? Desconhecimento da comunidade científica brasileira? Desconhecimento do órgão licenciador? Desconhecimento de uma dada unidade do órgão? Ou desconhecimento do técnico? Identificá-lo é fundamental, para que oportunidades não sejam desperdiçadas, empreendimentos não sejam postergados ou inviabilizados por mera limitação pessoal ou organizacional. 2) VISÃO SISTÊMICA: Visão holística, análise sinérgica, e conceitos congêneres são presenças freqüentes em textos, exposições, pareceres, discursos e publicações sobre o tema. Essa é, certamente, a perspectiva e abordagem adequada, uma vez que: a) Há diversos bens e valores a serem tutelados; e b) As múltiplas inter-relações causa-efeito, geralmente complexas e probabilísticas, impõem visão e tratamento sistêmico. 7

8 Aliás, e como já visto, essa é justamente a orientação da lei ambiental básica brasileira, (Lei Federal nº 6.938/81). Seu art. 4º estabelece o objetivo maior da política nacional do meio ambiente: Art. 4º A Política Nacional do Meio Ambiente visará: I à compatibilização do desenvolvimento econômico-social com a preservação da qualidade do meio ambiente e do equilíbrio ecológico; Compatibilização é o conceito-chave desse dispositivo: Ele descarta qualquer ideia de antecedência, de prevalência, de sobreposição, de independência da preservação ambiental sobre o desenvolvimento econômico e sobre o desenvolvimento social. Muito mais pertinente a ideia de integração, coordenação, articulação; de solução de compromisso entre os três. E mais: A associação desse conceito com o escopo temporal, presente-futuro, tratado no item anterior, dão a essa compatibilização um carater dinâmico. Esse é justamente o conceito dominante de desenvolvimento sustentável, cristalizado na principal referência do tema, o relatório Nosso futuro Comum ("Relatório Brundtland"), da Comissão Mundial sobre o Desenvolvimento e o Meio Ambiente da ONU, de A prática usual no sistema brasileiro, no entanto, é bastante distinta: Não só a dimensão ambiental é geralmente tratada autarquicamente como, nela, de forma segmentada. Aliás, a própria nomenclatura utilizada o indica (e, como se sabe, as palavras têm força... ): Por que não designá-lo como mero licenciamento, ou licenciamento de impactos, ao invés de licenciamento ambiental? Por que não avaliação estratégica de impactos (como utilizado por diversas instituições e em diversos países) ao invés de avaliação ambiental estratégica? Isso mantido o mecanismo de licenciamento, algo talvez imexível nos dias atuais. Melhor seria, todavia, se os empreendimentos já fossem desenvolvidos com todos os cuidados ambientais necessários, na linha da garantia da qualidade : Mas isso é sonho para um futuro mais distante! Um registro faz-se necessário, por razão de justiça: Muitas vezes técnicos e dirigentes dos órgãos licenciadores entendem, concordam e desejam praticar esses conceitos; mas normas, procedimentos, instrumentos ou estruturas dos órgãos, interesses corporativos ou espadas de Dâmocles, principalmente da esfera judicial, que pairam sobre suas cabeças, o dificultam ou impedem. 3) METODOLOGIA ANALÍTICA: Duas premissas iniciais: a) Toda obra de infra-estrutura ou para prestação de serviços públicos provoca impactos. Aliás, quase é possivel generalizar-se: Toda ação, todo empreendimento humano provoca impactos, de uma forma ou de outra, em maior ou menor grau. Visto reversamente, poderse-ia questionar: Se não provocar impacto de qualquer natureza, qual sua razão de ser, de ocorrer? b) Serão exceções os casos em que, a par dos impactos negativos, não há, também, impactos positivos das ações e empreendimentos humanos; inclusive do ponto de vista ambiental. O art. 225 da Constituição Federal e o art. 4⁰ da Lei n⁰ 6.938/81, já discutidos, apontam para uma avaliação, uma análise conjunta, para compatibilização das dimensões ambiental, econômica e social do empreendimento. Alias, no plano conceitual e/ou metodológico, essa abordagem talvez poderia muito se beneficiar da aplicação daquela consagrada pelo mestre Miguel Reale, a Teoria Tridimensional do Direito, para quem este é visto, conjuntamente, como fato, valor e norma todos presentes nas dimensões em questão. 8

9 O mais indicado instrumento de análise para essa abordagem tridimensional dos impactos é a conhecida matriz integrada de impactos ; alias, depreendível os Incisos I e II do art. 6 da Resolução CONAMA 1/86: Ela organiza as três dimensões (ambiental, econômica e social), explicitando os impactos positivos e negativos. a) Seu resultado final, seu balanço é que deveria indicar a viabilidade ou não do dado empreendimento. b) Ela seria base para eventuais medidas mitigadoras necessárias, na linhas dos Incisos III e IV do art. 6 da Resolução CONAMA 1/86. c) E, de igual forma, de eventuais medidas compensatórias necessárias, na linha do art. 36 da Lei Federal n 9.985/00. O condicional é aqui utilizado porque há empreendimentos de evidente balanço ambientaleconômico-social positivo, significativamente positivo, para os quais seguem sendo exigidas, como condição sine qua non, mitagações ou compensações: Por que não aceitá-los e tratá-los, em si, como a própria mitigação ou compensação? A análise com a matriz integrada de impactos deve ser feita tanto para hipótese da implantação do empreendimento como na sua não implantação; é o que indica, p.ex. a Resolução CONAMA 1/86, em seu Art. 5 - Inciso I ; Art. 9º Inciso V. No entanto, do ponto de vista prático, salvo engano, inexistem no Brasil, como o há em outros países, exemplos de empreendimentos que foram considerados viáveis e foram liberados para 9

10 implantação ao se constatar que o balanço dos impactos negativos de sua não implantação era maior que o de sua implantação. A avaliação dos impactos, positivos e negativos, ambientais, econômicos e sociais devem ser feitos tanto para a dimensão local, como regional, nacional e, mesmo, global. É o que recomenda, p.ex., a Resolução CONAMA 1/86, em seu Art. 5º Inciso lll. Tanto quanto no cotejamento fazer x não-fazer, os impactos locais (ainda que tridimensionalmente enfocados) acabam normalmente por prevalecer, empanando as dimensões mais amplas. 4) PROCESSO DECISÓRIO: Objetivando maior equilíbrio e agilidade, redução de prazos e de custos do processo decisório, algumas medidas poderiam ser adotadas: a) Maior objetividade e padronização das análises: Tem-se que cada processo de licenciamento ambiental é uma peça de alfaiataria, um trabalho à la carte : O empreendedor apresenta um plano de trabalho, dentro de normas estabelecidas. O órgão licenciador o analisa e emite um termo de referência, com base no qual o relatório pertinente (EIA/RIMA, p.ex) será elaborado. Em diversos casos esse termo de referência só é finalizado após a emissão de autorizações específicas para coleta de flora e fauna, emitida por unidade diversa do órgão, coletas estas que devem ser feitas por organizações credenciadas. Uma vez recebido o relatório pertinente, seu conteúdo é conferido para orientar seu aceite (ou não caso em que novas etapas são estabelecidas). No caso de aceite, e havendo demanda (o que normalmente acontece) é(são) marcada(s) Audiência(s) Pública(s). A partir daí é feita uma nova análise de todo o processo: Re-trabalhos podem ser exigidos, na forma de novos dados, novas pesquisas, novas informações, etc., até que emerja a manifestação final do órgão licenciador. Certamente o nível de padronização poderia ser, em muito, elevado, de forma a reduzir etapas, prazos, esforços (do empreendedor e do próprio órgão licenciador) e custos. b) Análise multi-profissional: A maior parte das boas avaliações e relatórios de impacto ambiental acabam incluindo os tópicos analíticos anteriormente mencionados. Merece reflexão, entretanto, o significado de tais dados e informações e, principalmente, o peso delas nas decisões finais de viabilidade, mitigação e compensação. Sem demérito dos técnicos das áreas ambientais, certamente as três dimensões dos impactos (ambiental, econômico e social) seriam tratadas mais equilibradamente, de forma mais compatibilizadora, se fossem feitos por equipes multi-disciplinares. c) Ônus da prova : Emprestando tal conceito da cultura jurídica, pode-se dizer que o ônus da prova sempre cabe ao empreendedor. A ele cabe provar, na maioria das vezes tendo que utilizar dados primários (que requerem pesquisas específicas): Que o empreendimento não causa impactos, ou Que o balanço dos impactos é positivo, ou Que eles são reversíveis, mitigáveis ou compensáveis. Tal processo, normalmente, não é simples, nem rápido, nem barato, independentemente do porte do empreendimento. A aceitação de evidências de forma mais ampla, seja utilizando-se analogias, dados secundários (muitas vezes de análises similares e contíguas, como nos portos), ou argumentos teoricamente embasados, sem afetar os objetivos últimos dos licenciamentos ambientais, poderia simplificar sobremaneira os estudos e reduzir custos. 10

11 d) Pré-análise (de mérito): De novo emprestando conceito da cultura jurídica, agora da lei brasileira de licitações (Lei n 8.666/93), é certo que as lei e normas vigentes para licenciamento ambiental prevêm casos para os quais tais licenciamentos são inexigíveis. Mas, também, sem prejuízo dos objetivos últimos do processo, poderiam ser definidas normas para o enquadramento em dispensa de licenciamento, para casos que atendessem determinados pré-requisitos ou apresentassem determinadas evidências. Uma equipe multi-disciplinar poderia estar encarregada dessa pré-análise; algo na linha da formalmente necessária análise de urgência e relevância das Medidas Provisórias no Congresso Nacional, ou das avaliações expeditas utilizada pela Engenharia de Avaliação: Essa segunda triagem concentraria a atuação dos técnicos dos órgãos licenciadores (normalmente com recursos humanos e materiais limitados) aos casos efetivamente relevantes. e) Valorização dos órgãos licenciadores: Originalmente eles foram concebidos, criados e implantados para dar a última palavra sobre a viabilidade ambiental dos empreendimentos. Com o passar do tempo, todavia, vários outros órgãos passaram a participar desse processo decisório e a integrar o sistema de licenciamento ambiental. P.ex: Ao Ministério Público, como fiscal da lei, cabe zelar por que, nos casos cabíveis, tenha havido o pertinente processo de licenciamento, dentro das normas vigentes. Mas é difícil entender-se, que, através de seus instrumentos hábeis ( Ação Civil Pública, p.ex), o MP procure/possa definir o conteúdo dos Termos de Referência dos relatórios ambientais: A judicialização dos processos de licenciamnto, desde logo, amplia sobremaneira os prazos e custos dos processos. Mas há outras questões que merecem reflexão: O cotejamento das competências técnicas dos peritos X técnicos dos órgãos licenciadores (que os processos judiciais acabam provocando) e a própria segurança jurídica dos processos de licenciamento. Evidentemente que essa não é uma discussão simples, principalmente pelos poderes e pela autonomia que, gradativamente, conquistou os MPs após a Constituição Federal de 1988; e, de igual forma, outros órgãos-meio. Mas, certamente, é impossível querer-se tornar os processos de licenciamento ambiental mais eficazes, mais ágies e mais econômicos sem tratar de tais questões. 5) DO PLANEJAMENTO AO GERENCIAMENTO AMBIENTAL Ao que parece as atividades de licenciamento e de fiscalização concentram a maior parte, quase a totalidade, dos recursos e da atenção do Poder Público ao tema. Como se viu, foi assim, também, com a cultura da qualidade, desde a Revolução Industrial até ás primeiras décadas do Século XX. Na mesma linha da busca da eficácia, agilidade e economia, tratada nos tópicos anteriores, todavia, talvez estejamos no limiar de uma importante inflexão na área ambiental, dando mais ênfase ao planejamento e ao gerenciamento ambiental, da mesma forma como a cultura da qualidade evoluiu do controle da qualidade para a garantia da qualidade, para evitar que o ruim, que seria refugado, fosse produzido! CONCLUSÃO O mais provável é que tenhamos logrado estabelecer no Brasil um sistema com o pior dos dois mundos: A economia, a infra-estrutura, os serviços públicos (incluindo seus aspectos sociais) vêm, efetivamente, sendo prejudicados pelo sistema de licenciamento e fiscalização ambiental vigente sem que, em contrapartida, dele resulte uma eficaz e adequada defesa do meio ambiente. Enfrentar esse paradoxo e resolver o quase-impasse vigente, entre empreendedores e o sistema, é o desafio do momento. E isso não só é necessário como possível, demandando uma 11

12 grande inflexão no tratamento da questão ambiental; algo que também ocorreu algumas vezes ao longo de quase século e meio da cultura da qualidade. Alem dessa, a cultura jurídica e várias outras áreas do conhecimento podem contribuir com conceitos, abordagens e metodologias, e a introdução de novos mecanismos no processo decisório (maior objetividade e padronização das análises; análise multiprofissional; alteração no ônus da prova ; pré-análise (de mérito); valorização dos órgãos licenciadores), e uma maior ênfase no planejamento e gerenciamento ambiental (vis-à-vis do licenciamento), podem representar avanços importantes e trazer grandes ganhos em termos de aumento da previsibilidade do processo de licenciamento ambiental; redução dos prazos de tramitação, de retrabalhos (tanto para os empreendedores como para os Poderes Públicos) e de custos (tanto para uns como para outros). REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ABNT NBR ISO 9000:2000, Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário. ABNT NBR ISO 1401:2004, Sistemas de gestão ambiental Requisitos com orientações para uso. BRASIL. Constituição Federal, de 5 de Outubro de BRASIL. Lei Federal nº 6.938, de 31 de Agosto de Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2 set BRASIL. Lei Federal nº 8.666, de 21 de Junho de Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 22 de jun de 1993 e republicado no Diário Oficial da União, Brasília, 6 de jul de BRASIL. Lei Federal n 9.985, de 18 de Julho de Regulamenta o art. 225, 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 19 de jul BRASIL. Resolução CONAMA Nº 237, de 19 de Dezembro de Dispõe sobre a revisão e complementação dos procedimentos e critérios utilizados para o licenciamento ambiental. Diário Oficial da União, Brasília, 22 de dezembro de BRASIL. Resolução CONAMA Nº 1, de 23 de Janeiro de Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para a avaliação de impacto ambiental. Diário Oficial da União, Brasília, 17 de fevereiro de Declaração de Estocolmo de 1972 (Declaração sobre o Ambiente Humano) Carta de Direitos e Deveres Econômicos dos Estados da ONU (Res. nº 3.281/74 - art. 30) Declaração do Rio de Janeiro sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, da Eco

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Renováveis (Ibama), Ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL

PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL PAINEL : DESAFIOS DA GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL Severino Soares Agra Filho UFBA POLíTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Art 2º - A Política Nacional do Meio Ambiente tem

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Problema Questionamentos no Brasil a respeito dos conceitos de cumulatividade

Leia mais

RIO DE JANEIRO 2015. Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público

RIO DE JANEIRO 2015. Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público RIO DE JANEIRO 2015 Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público APL DE DADOS Resumo Esta é uma contribuição do ITS ao debate público sobre o anteprojeto

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 ( Do Sr. Alexandre Silveira)

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 ( Do Sr. Alexandre Silveira) PROJETO DE LEI Nº DE 2007 ( Do Sr. Alexandre Silveira) Regulamenta a Profissão de Técnico de Meio Ambiente. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º - Considera-se Técnico em Meio Ambiente aquele que se dedica

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

I ENCONTRO NACIONAL entre a ANEEL e o MINISTÉIRO PÚBLICO

I ENCONTRO NACIONAL entre a ANEEL e o MINISTÉIRO PÚBLICO I ENCONTRO NACIONAL entre a ANEEL e o MINISTÉIRO PÚBLICO Processo de Licenciamento Ambiental - Problemas e deficiências João Akira Omoto Procurador da República Brasília (DF) - 2003 LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Leia mais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais OS ACORDOS SETORIAIS E A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA: Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais X Seminário Nacional de Resíduos Sólidos Associação Brasileira de Engenharia

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental

Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental Documento Interno Texto base: Leoni Fuerst Preocupações referentes às questões relativas ao meio ambiente e a ecologia vêm se tornando crescentes

Leia mais

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 Gustavo Justino de Oliveira Pós Doutor em Direito Administrativo Universidade de Coimbra Professor de Direito

Leia mais

XXI Conferência Nacional dos Advogados

XXI Conferência Nacional dos Advogados DIFICULDADES RELACIONADAS AO E À AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. XXI Conferência Nacional dos Advogados Eng. Florestal MSc. Dr. Joesio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda.

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal UHE PCH Roberto Huet de Salvo Souza - I B A M A N Ú C L E O D E L I C E N C I A M E N T O A M B I E N T A L NLA/SUPES- RJ O que é licenciamento ambiental? Para que serve?

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL E LICENCIAMENTO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL E LICENCIAMENTO AMBIENTAL Prof MSc José Braz Damas Padilha http://www.faculdadefortium.com.br/jose_braz brazpadilha@gmail.com Biólogo (UFPR) Especialista em Sustentabilidade

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 026/2011

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 026/2011 Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS RECOMENDAÇÃO nº 026/2011 Ao INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS (IBAMA), Diretoria de Planejamento, Administração

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social Projeto de Implantação de Depósito de Celulose Klabin S.A Ref.: Condicionante para obtenção de Licença de Instalação Telêmaco Borba, 12 de janeiro

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre o Modelo de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA.

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 379, de 19/10/2006 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS MACEIÓ PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Maceió, 2013.

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS MACEIÓ PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Maceió, 2013. PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Maceió, 2013. SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1. HISTÓRICO DO GRUPO 2. DIREÇÃO 3. MISSÃO INSTITUCIONAL 4. VISÃO INSTITUCIONAL 5. FACULDADE PITÁGORAS 6. A COMISSÃO PRÓPRIA

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal

Leia mais

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil

Curso Agenda 21. Sugestão de leitura: História das relações internacionais do Brasil Módulo 3 Gestão ambiental no Brasil 1. Introdução No encontro Rio +10, o Brasil, saiu fortalecido globalmente, assumindo definitivamente um papel de liderança regional dentro da ONU. No plano nacional,

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência...

Leia mais

VII Encontro Amazônico de Agrárias

VII Encontro Amazônico de Agrárias VII Encontro Amazônico de Agrárias Segurança Alimentar: Diretrizes para Amazônia CONCESSÃO DE CRÉDITO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DO BANCO DA AMAZÔNIA RESUMO No Brasil, o setor bancário assume

Leia mais

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988:

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988: Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PIGIRS Arcabouço legal Constituição Federal de 1988: Artigo 225 Lei Federal Nº 11.445/2007 e Decreto Federal Nº 7.217/2010; Lei Federal Nº 12.305/2010

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

VAMOS CUIDAR DO BRASIL COM AS ESCOLAS FORMANDO COM-VIDA CONSTRUINDO AGENDA 21AMBIENTAL NA ESCOLA

VAMOS CUIDAR DO BRASIL COM AS ESCOLAS FORMANDO COM-VIDA CONSTRUINDO AGENDA 21AMBIENTAL NA ESCOLA VAMOS CUIDAR DO BRASIL COM AS ESCOLAS FORMANDO COM-VIDA CONSTRUINDO AGENDA 21AMBIENTAL NA ESCOLA COM-VIDA Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola Criado a partir das deliberações da I Conferência

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Novas modalidades que viabilizem as contratações públicas sustentáveis

Novas modalidades que viabilizem as contratações públicas sustentáveis Novas modalidades que viabilizem as contratações públicas sustentáveis Disseminar conhecimentos de boas práticas e reflexos das normas de sustentabilidade nos processos de contratação da Administração

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Etapas do planejamento e da elaboração de um estudo de impacto ambiental

Etapas do planejamento e da elaboração de um estudo de impacto ambiental Etapas do planejamento e da elaboração de um estudo de impacto ambiental Fernando Jakitsch Medina Izabela Márcia Coelho de Abreu Lucas de Araújo Cezar Introdução Projetos de engenharia ou aproveitamento

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA Silvio Burrattino MELHADO Engenheiro Civil, Professor da Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2, n 271, CEP 05508-900 São Paulo

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

O ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS COMO DECORRÊNCIA DA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS

O ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS COMO DECORRÊNCIA DA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS O ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS COMO DECORRÊNCIA DA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS A Legislação Brasileira, principalmente no que tange algumas Resoluções emitidas pelo CONAMA, em alguns casos referiu-se

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais