Plano de Actividades

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Actividades"

Transcrição

1 Plano de Actividades 2011 Elaboração: Equipa Técnica Coordenação: Aprovado por: Grupo Coordenador CML IEFP Fundação LIGA Revisto por: Data: 30/10/2010 Data: / / Data: / /

2 Índice Introdução 1. Objectivos Estratégicos 5 2. Objectivos Operacionais e Acções Correntes 6 3. Recursos 3.1. Humanos Equipamentos Financeiros Monitorização e Revisão 11 Anexos: Anexo 1: Previsão de Pessoas Alvo de Intervenção Anexo 2: Tabela dos Resultados Previstos 2011 Anexo 3: Orçamento

3 Introdução O presente plano de actividades decorre da análise dos dados da actividade da OED obtidos até Outubro de 2010 e da conjuntura ambiental em que esta actividade se desenvolve. Em primeiro lugar, há a referir que as condições económicas e legais, já salientadas no ano anterior, se mantêm em condições próximas e pouco acolhedoras face à integração profissional de pessoas com deficiência. Por um lado, a taxa de desemprego nacional mantém-se em níveis elevados e, por outro, a legislação de apoio à integração profissional de pessoas com deficiência viu diminuída a sua abrangência e as medidas previstas não se encontram ainda operacionalizadas. Este último factor conduziu a uma clara diminuição das contratações efectuadas por empresários que, ainda que abertos a esta ideia, não a viabilizam dado não terem incentivos financeiros para tal. Alguns aguardam mesmo a operacionalização das medidas para retomarem o contacto com o nosso serviço. Este cenário, a par dos parcos resultados de integração obtidos até à data, perspectiva dificuldades continuadas na integração desta população. Porém, perspectiva-se, positivamente, um incremento na integração de desempregados com maiores limitações, através da aplicação de, pelo menos, uma das medidas de emprego apoiado: enclave. Esta medida poderá constituir-se como uma resposta viável para pessoas que ainda que detendo competências profissionais, não cumprem todas as condições inerentes a uma integração autónoma em mercado competitivo de trabalho. Do ponto de vista dos empregadores, este parece-nos um quadro igualmente apelativo, na medida em que, tipicamente, em momentos de contenção económica e face a reais necessidades de contratação, o empresário tenderá a avançar para contratações apoiadas financeiramente e que tende a manter face ao bom desempenho profissional ou à existência de apoios continuados. Nos dez meses de actividade monitorizados (Janeiro a Outubro de 2010) verifica-se uma menor afluência de novos candidatos, comparativamente ao ano transacto, pelo que, também, a este nível são propostas medidas de inversão dos resultados, no sentido de o número de 3

4 novas inscrições aumentar, dando-se assim resposta a maior número de pessoas com deficiência e incapacidade desempregadas. Neste sentido, serão retomadas algumas das medidas de divulgação já usadas no passado, privilegiando-se as que se revelaram mais profícuas, nomeadamente, os contactos com entidades do domínio da saúde e da reabilitação, a par da formação profissional. Em 2011 perspectiva-se, ainda, a conclusão do processo de certificação da qualidade da Fundação LIGA, pelo que haverá uma maior disponibilidade para assumir outras tarefas, nomeadamente de divulgação da OED, já referidas. 4

5 1. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Considerando o cenário de emprego em Portugal, as características de empregabilidade da população com deficiência ou incapacidade que, habitualmente, procura o apoio da OED e os dados obtidos, até ao momento, com as actividades da OED, propõe-se a prossecução dos seguintes objectivos estratégicos, para A sua operacionalização será efectuada na rubrica seguinte e pretende, numa primeira linha de prioridade, dar resposta a dois resultados que se antecipam como deficitários face aos objectivos traçados para 2010, relativos ao número de novas inscrições e ao número de integrações profissionais. Objectivos Estratégicos 1. Aumentar o número de novos candidatos. 2. Aumentar o número de integrações profissionais em mercado competitivo e protegido/apoiado. 3. Melhorar a qualidade da prestação de serviços de apoio à colocação e acompanhamento pós-colocação. 5

6 2. OBJECTIVOS OPERACIONAIS Os objectivos operacionais, em seguida apresentados, decorrem dos objectivos estratégicos traçados e visam a sua obtenção através de acções nos domínios do apoio à colocação, marketing social e acompanhamento após a integração profissional de pessoas com deficiência e incapacidade. A par, mantemos a referência às metas traçadas para o presente ano, no que concerne às acções correntes que caracterizam estes domínios da intervenção da OED. Objectivos Operacionais Acções Metas 1.1. Aumentar o número de inscrições encaminhadas por entidades da área da saúde e reabilitação. Realização de reuniões de divulgação junto dos serviços de Medicina Física e de Reabilitação dos Hospitais da região de Lisboa; Realização de reuniões de divulgação junto de entidades convencionadas no domínio da saúde e da reabilitação Aumentar o número de inscrições encaminhadas por entidades de formação profissional. Divulgação de ofertas junto de entidades que desenvolvem formação profissional para pessoas com deficiência ou incapacidade Aumentar o número de pré-inscrições efectuadas a partir do site da OED. Disseminação do site da OED em reuniões de divulgação Aumentar o número total de inscrições. Recepção de inscrições resultante de todas as acções acima descritas. 110

7 2.1. Aumentar, face a 2010, o número de integrações profissionais em mercado competitivo de trabalho Promover a integração profissional pela via do estágio profissional Promover a integração profissional em emprego apoiado. Estabelecimento de contactos com empregadores: - Fax - Telefonema - Carta - - Reuniões de prospecção - Mediação Desenvolvimento de acções de acompanhamento a empregadores Melhorar o nível de satisfação das pessoas com deficiência e incapacidade apoiadas no suporte à integração profissional e/ou acompanhamento pós-colocação. Assegurar e monitorizar a qualidade da prestação de serviços, de acordo com as necessidades das pessoas com deficiência ou incapacidade, no âmbito do emprego. 70% 3.2. Melhorar o nível de satisfação dos empresários envolvidos nos processos de divulgação e de recrutamento e selecção de candidatos/trabalhadores. Assegurar e monitorizar a qualidade da prestação de serviços, de acordo com as necessidades de recrutamento e acompanhamento dos empresários. 70% 7

8 No âmbito das actividades desenvolvidas pela OED inserem-se, ainda, outras acções correntes, ou seja, adoptando um carácter de continuidade, servindo de suporte à obtenção dos objectivos estratégicos e operacionais traçados para 2011 e sendo elas próprias, igualmente, objecto de planeamento anual e previsional. As acções em seguida apresentadas, encontram-se organizadas em função dos processos-chave em que se inscrevem. Processo-Chave Acções Meta Apoio à Colocação Atendimento Recolha de informação psicossocial Recolha ulterior de informação psicossocial Avaliação funcional Encaminhamento Contacto com entidade de formação Contacto com centro de emprego Espaço In/Formação OED Entrevista de emprego Resposta a anúncio (jornal, net) Resposta a oferta de emprego Apoio na consulta de anúncios Retorno de resposta a anúncio Integração profissional Prospecção Contacto com empregadores Angariação de oferta de emprego Acompanhamento pós-colocação Análise de posto de trabalho Adaptação de posto de trabalho Acompanhamento à empresa Acompanhamento ao trabalhador Acompanhamento à família

9 No plano qualitativo, e no que concerne à procura de anúncios em jornal, acção inserida no processo de apoio à colocação de pessoas com deficiência e incapacidade, propõe-se a alteração da assinatura de jornal, com vista a uma maior adequação do tipo de trabalho publicitado ao perfil indiferenciado de candidatos que, maioritariamente, procura o suporte do nosso serviço. Em substituição do Diário de Notícias, proceder-se-á à assinatura do Correio da Manhã. Manter-se-á a assinatura do Jornal Expresso. 9

10 3. RECURSOS 3.1. Humanos A fim de dar resposta às lacunas evidenciadas, no ano anterior, na realização de acções de Espaço In/Formação OED dirigidas a surdos e na possibilidade de tradução integral de entrevistas de emprego com esta população, propõe-se a contratação, em regime de prestação de serviços, de uma intérprete de língua gestual portuguesa. Previsivelmente, serão apoiadas 3 sessões de Espaço In/Formação OED com surdos Equipamentos Neste âmbito, pretendemos apresentar junto da Fundação PT uma proposta de apetrechamento da OED com equipamento e software actualizado para avaliação da funcionalidade com cegos e amblíopes, estando o montante e tipo condicionado à disponibilidade desta entidade. Transita como objectivo de anos anteriores, a realização de obras de melhoria das instalações da OED por parte da CML (Pintura de paredes, colocação de chão de madeira e tecto falso). São de ressaltar as dificuldades de acessibilidade salientadas por alguns clientes da OED, nomeadamente no que concerne ao acesso exterior Financeiros Para análise deste ponto, recomenda-se a consulta detalhada de orçamento (Anexo 3). 10

11 4. MONITORIZAÇÃO E REVISÃO Com base nos procedimentos e instrumentos de monitorização existentes, pretende-se a verificação, no final do ano, dos seguintes níveis de desenvolvimento: - Aumento, em 5%, da taxa de execução média de actividades, face ao ano transacto; - Nível de satisfação global dos clientes igual ou superior a 70% (satisfeitos e muito satisfeitos). 11

12 Anexo 1 Previsão das Pessoas Alvo de Intervenção ACÇÃO CANDIDATOS TOTAL NOVOS TRANSITADOS Avaliação Encaminhamento Apoio à Colocação Acompanhamento Pós-Colocação

13 Anexo 2 Tabela de Resultados Previstos Actividade Resultado Inscrição 110 Atendimento (pessoal, telefónico, carta) 1651 Avaliação Psicossocial 101 Reavaliação Psicossocial 6 Avaliação Funcional 47 Encaminhamento 11 Contacto com Centro de Formação e outras entidades 129 Contacto com Centro de Emprego 180 Observação e Análise de Posto de Trabalho 7 Adaptação de Posto de Trabalho 3 Entrevista de Emprego 177 Colocação 63 Acompanhamento: Empregador Trabalhador Família 56 Contacto com Empregadores Fax 11 - Telefónico Carta Reunião de apresentação Mediação 666 Oferta de Emprego 164 Envio de Curriculum Vitae: Resposta a Anúncio Resposta a Oferta de Emprego 764 Apoio na Consulta de Anúncios 74 Feed-Back a Resposta a Anúncio 8 Reuniões de Divulgação 17 Pessoas alvo de intervenção

14 Anexo 3 Orçamento

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Plano de Actividades

Plano de Actividades Plano de Actividades 2012 Elaboração: Equipa Técnica Coordenação: Aprovado por: Grupo Coordenador CML IEFP IEFP FL Revisto por: Data: 23/09/2011 Data: 11/10/2011 Data: / / Índice Introdução 1. Objectivos

Leia mais

Plano de Actividades

Plano de Actividades Plano de Actividades 2010 Elaboração: Equipa Técnica Coordenação: Aprovado por: Grupo Coordenador CML IEFP Fundação LIGA Revisto por: Data: / / Data: / / Data: / / Índice Introdução 3 1. Objectivos 1.1.

Leia mais

Perfis de Integração Profissional

Perfis de Integração Profissional Perfis de Integração Profissional É actualmente reconhecida a importância da integração profissional da pessoa com deficiência, sendo crescente a discussão em torno dos factores que contribuem para o seu

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC)

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) 1. Missão A RCRC tem por missão facilitar o acesso a informação estratégica, em vários suportes, aproximar e criar interfaces entre

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas REGULAMENTO DA FORMAÇÃO 1 - MISSÃO, OBJECTIVOS, ESTRATÉGIA 1.1 - Missão O Departamento de Formação Permanente

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA

AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA AS POLÍTICAS DE RESPOSTA À CONJUTURA Aumentar a liquidez / crédito Política monetária Normalização sistema financeiro Expandir a procura Apoiar o emprego Investimento público Investimento privado Políticas

Leia mais

[RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE GERÊNCIA 2009] DRAFT

[RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE GERÊNCIA 2009] DRAFT FORMEM Federação Portuguesa de Centros de Formação Profissional e Emprego de Pessoas com Deficiência [RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE GERÊNCIA 2009] DRAFT Março de 2010 Índice Introdução XIII Jornadas

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) 1 Índice I Disposições Legais...3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente

Carta de Direitos e Deveres do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente CONTROLO DAS REVISÕES DO DOCUMENTO Versão Data Descrição Página(s) Próxima revisão 01 15.12.2009 Elaboração da 1ª versão do documento ----- Dezembro 2011 02 12.04.2010

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações

Leia mais

Resultados-Chave Relatório de Bolonha do ISCTE-IUL (2010/2011)

Resultados-Chave Relatório de Bolonha do ISCTE-IUL (2010/2011) Resultados-Chave Relatório de Bolonha do ISCTE-IUL (2010/2011) 1. O relatório sobre o grau de concretização do processo de Bolonha no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) relativo ao ano lectivo

Leia mais

Gomes Marcos, Alexandra Andreia. Rua da Floresta Lote 7 Paço, Aveiro, Portugal Telefone(s) Telemóvel: Fax(es) -

Gomes Marcos, Alexandra Andreia. Rua da Floresta Lote 7 Paço, Aveiro, Portugal Telefone(s) Telemóvel: Fax(es) - Europass- Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Rua da Floresta Lote 7 Paço, 3800-032 Aveiro, Portugal Telefone(s) +351 234310385 Telemóvel: 914151601 Fax(es) -

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FPDD ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Para além dos órgãos sociais definidos nos estatutos e das respetivas competências, ou seja, Assembleia

Leia mais

Questionário de Satisfação dos clientes da CPCJ de Silves

Questionário de Satisfação dos clientes da CPCJ de Silves Questionário de Satisfação dos clientes da CPCJ de Silves INDÍCE Pag. I Introdução 2 II - Método de Recolha e tratamento de dados 2 III - Perfil dos Clientes 3 IV Análise 3 V - Conclusões finais 14 VI

Leia mais

REGRAS E ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE SELECÇÃO E RECRUTAMENTO DOS ESTAGIÁRIOS NO ÃMBITO DA 1ª EDIÇÃO DO PEPAL

REGRAS E ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE SELECÇÃO E RECRUTAMENTO DOS ESTAGIÁRIOS NO ÃMBITO DA 1ª EDIÇÃO DO PEPAL REGRAS E ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE SELECÇÃO E RECRUTAMENTO DOS ESTAGIÁRIOS NO ÃMBITO DA 1ª EDIÇÃO DO PEPAL 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Decreto-lei n.º 326/99, de 18 de Agosto Institui o Programa de Estágios

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 28 de outubro de Série. Número 166

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 28 de outubro de Série. Número 166 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 28 de outubro de 2015 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 19/2015/M Aprova a Orgânica da Direção

Leia mais

Avenida Luís Bívar, Lisboa, Portugal. Tel: Regulamento Geral. Formação

Avenida Luís Bívar, Lisboa, Portugal. Tel: Regulamento Geral. Formação Avenida Luís Bívar, 85 1050-143 Lisboa, Portugal Tel: +351 21 781 62 82 Regulamento Geral Formação Última revisão Fevereiro 2011 Índice Índice 2 Introdução 3 Inscrições e Condições de Acesso 3 Funcionamento

Leia mais

ESTUDO DAS NECESSIDADES DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM PORTUGAL

ESTUDO DAS NECESSIDADES DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM PORTUGAL ESTUDO DAS NECESSIDADES DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM PORTUGAL Concurso para financiamento de projecto de investigação - I fase - REGULAMENTO Introdução O Conselho Directivo, na sua

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Correio(s) electrónico(s) Maria Neves Rua do Passal, Nº 46, 1º D, 9500-096 Ponta Delgada Telemóvel 936602762 / 926592751

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos 1966-2011 45 anos Melhoria da eficácia da triagem de resíduos hospitalares ao nível do produtor Fátima Gonçalves 15 de Abril de 2011 1 SUCH Associação de natureza privada sem fins lucrativos Mais de 40

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE FORMAÇÃO CONTÍNUA E CURSOS LIVRES DA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE FORMAÇÃO CONTÍNUA E CURSOS LIVRES DA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DO PORTO REGULAMENTO DOS CURSOS DE FORMAÇÃO CONTÍNUA E CURSOS LIVRES DA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO CAPÍTULO I Disposições Gerais 1 Os cursos de formação

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 II. PLANO DE ACTIVIDADES 4 2.1. FORMAÇÃO 4 2.1.1. Mestrado em Reabilitação Psicossocial Especialidade em Perturbação Mental 4 2.1.2.Publicação

Leia mais

Caracterização. Serve de base à preparação dos planos, das intervenções e do complemento de programação, nos quais está integrada.

Caracterização. Serve de base à preparação dos planos, das intervenções e do complemento de programação, nos quais está integrada. 6. AVALIAÇÃO Quadro regulamentar da avaliação do QCAIII De acordo com o Regulamento (CE) n.º 1260/1999 do Conselho, de 21 de Junho de 1999, que estabelece disposições gerais sobre os Fundos estruturais,

Leia mais

Relatório de auto-avaliação de desempenho 2008

Relatório de auto-avaliação de desempenho 2008 Relatório de auto-avaliação de desempenho 2008 Índice I Introdução 2 Avaliação do cumprimento dos objectivos 2.1. Identificação dos Objectivos Estratégicos 2.2. Apresentação dos resultados do QUAR 2.3.

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE AÇÃO 2013 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 7 PLANO DE ACÇÃO 2013...

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO CONHECIMENTO E EXCELÊNCIA À DISTÂNCIA DE UM CLIQUE

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO CONHECIMENTO E EXCELÊNCIA À DISTÂNCIA DE UM CLIQUE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO CONHECIMENTO E EXCELÊNCIA À DISTÂNCIA DE UM CLIQUE O QUE É O E-DYNAMIC.BIZ PRINCIPAIS PROBLEMAS OBSERVADOS PRINCIPAIS OBJECTIVOS DA PLATAFORMA COMPONENTES DA PLATAFORMA VANTAGENS

Leia mais

28 REVISORES AUDITORES

28 REVISORES AUDITORES Auditoria 28 REVISORES AUDITORES ABR/JUN 2009 José Miguel Rodrigues Membro Estagiário da OROC Auditoria SUMÁRIO Objectos da Auditoria Controlos -chaves Testes aos controlos Testes Substantivos Todas as

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA UNIDADE ORGÂNICA Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de Setembro, artigo 10.º

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA UNIDADE ORGÂNICA Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de Setembro, artigo 10.º UNIDADE ORGÂNICA: DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DIRIGENTE: LUCIANO COSTA CARVALHO DIAS DATA DE ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL: 24 DE FEVEREIRO DE 2014 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS OE I - Promover

Leia mais

Financiamento de Candidaturas. Regulamento

Financiamento de Candidaturas. Regulamento Financiamento de Candidaturas A Junta de Freguesia de Benfica (JFB), no âmbito da sua responsabilidade social e no âmbito da Comissão Social de Freguesia (CSF), irá apoiar financeiramente candidaturas

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana 3ª Reunião do GAL Alcabideche, DNA Cascais 07 de julho de 2015 ORDEM DE TRABALHOS Ponto de situação sobre

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

2. Grelha de análise dos critérios a considerar para a emissão de pareceres técnicos

2. Grelha de análise dos critérios a considerar para a emissão de pareceres técnicos REDE SO CIAL AMADO RA CLAS - Conselho Local de Acção Social Documento de apoio à emissão de pareceres técnicos por parte do CLAS. Introdução O Conselho Local da Acção Social da Amadora tem como uma das

Leia mais

LBA NEWS. Direito Laboral. Janeiro de 2017

LBA NEWS. Direito Laboral. Janeiro de 2017 LBA NEWS Direito Laboral Janeiro de 2017 Contactos: Manuel Lopes Barata - manuellb@lopesbarata.com Diogo Lopes Barata - diogolb@lopesbarata.com Catarina Correia Soares cataricacs@lopesbarata.com Esta informação

Leia mais

GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações

GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações Objectivo Para além da prática clínica como actividade principal, o GTMMI desenvolve também actividades no âmbito da formação contínua e pós-graduada. Este presente

Leia mais

Centro de Apoio Tecnológico às Escolas. [Estudo de Implementação] Ministério da Educação

Centro de Apoio Tecnológico às Escolas. [Estudo de Implementação] Ministério da Educação Centro de Apoio Tecnológico às Escolas [Estudo de Implementação] Ministério da Educação CATE Centro de Apoio Tecnológico às Escolas. Estudo de implementação. Ficha Técnica Título: CATE Centro de Apoio

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA 1. Preâmbulo Face ao actual modelo de profissionalização e aos imperativos de modernização organizacional, técnica

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO Área de intervenção Resultados escolares: promoção do sucesso e da excelência Objetivos Metas Atividades Indicadores Situação inicial Atingir em 95% os Elaboração dos PDI segundo Cumprimento

Leia mais

Audição sobre Centros de Emprego Protegido Comissão de Trabalho, Segurança Social e Administração Pública

Audição sobre Centros de Emprego Protegido Comissão de Trabalho, Segurança Social e Administração Pública ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DEFICIENTES Audição sobre Centros de Emprego Protegido Comissão de Trabalho, Segurança Social e Administração Pública 1. Introdução A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com

Leia mais

CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DE FLUXOS MIGRATÓRIOS DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E ADOPÇÃO DO RESPECTIVO REGULAMENTO

CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DE FLUXOS MIGRATÓRIOS DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E ADOPÇÃO DO RESPECTIVO REGULAMENTO CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DE FLUXOS MIGRATÓRIOS DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E ADOPÇÃO DO RESPECTIVO REGULAMENTO Os Ministros responsáveis pela segurança da Comunidade de Países de Língua

Leia mais

O concurso é uma iniciativa da DESTAC em parceria com a DOW Portugal, a SEMA e a Câmara Municipal de Estarreja.

O concurso é uma iniciativa da DESTAC em parceria com a DOW Portugal, a SEMA e a Câmara Municipal de Estarreja. PREÂMBULO O Concurso de Ideias é uma iniciativa promovida pela DESTAC em parceria com a DOW Portugal, a SEMA e a Câmara Municipal de Estarreja, com o objectivo estratégico de promover o Empreendedorismo

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Artigo 1º Do Objecto

Artigo 1º Do Objecto ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI Normas Regulamentares das Unidades Curriculares que integram a Profissional (IPP) da Licenciatura em Educação Básica Preâmbulo As alterações legislativas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ)

Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) O SGQ da Câmara Municipal segue o modelo da norma NP EN ISO 9001:2008 ilustrado pelo esquema transcrito a seguir. Melhoria contínua do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Propostas de Alteração à Lei da Saúde Ocupacional

Propostas de Alteração à Lei da Saúde Ocupacional CATEGORIA AUTORIA JUNHO 16 Comentários Técnicos Gabinete de Estudos e Contributos OPP Técnicos Propostas de Alteração à Lei da Saúde Ocupacional Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2016).

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS)

PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS) PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS) Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Despacho n.º 69/2009 de 31 Agosto -Ministra da Saúde Aprova o Modelo de

Leia mais

GFEC Sector de Inserção Profissional

GFEC Sector de Inserção Profissional GFEC Sector de Inserção Profissional Apresentado por Marta Craveiro FACULDADE DE LETRAS DA U.P. O Sector de Inserção Profissional dinamiza actividades de acompanhamento pré e pós inserção dos jovens na

Leia mais

REGULAMENTO dos PROGRAMAS MUNICIPAIS

REGULAMENTO dos PROGRAMAS MUNICIPAIS MUNICÍPIO DE MESÃO FRIO Câmara Municipal REGULAMENTO dos PROGRAMAS MUNICIPAIS de ATIVIDADES de FÉRIAS e de OCUPAÇÃO dos TEMPOS LIVRES 6 aos 18 anos - Programa Municipal de Atividades de Férias (AF 6/13)

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA. Chefe de Repartição de Assuntos Académicos, Estudantis e Mobilidade

TERMOS DE REFERÊNCIA. Chefe de Repartição de Assuntos Académicos, Estudantis e Mobilidade TERMOS DE REFERÊNCIA Chefe de Repartição de Assuntos Académicos, Estudantis e Mobilidade Conteúdo de trabalho Específico No âmbito da gestão dos Assuntos Académicos e Estudantis Em coordenação com as secretárias

Leia mais

PRÉMIOS HOSPITAL DO FUTURO 2012/2013 REGULAMENTO

PRÉMIOS HOSPITAL DO FUTURO 2012/2013 REGULAMENTO PRÉMIOS HOSPITAL DO FUTURO 2012/2013 REGULAMENTO Pólo Tecnológico de Lisboa, Mais Informações: 1600-546 Lisboa saude@groupvision.com Tel.: (+351) 217 162 483 Fax: (+351) 217 120 549 www.hospitaldofuturo.com

Leia mais

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Anexo Único Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Artigo 1º - Definição Um GABIP é uma estrutura de iniciativa municipal,

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO [DREER] A tem por missão assegurar a inclusão familiar, educacional e social de crianças, jovens e adultos com deficiência ou outras necessidades especiais.

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL O Departamento de Formação (D.F.) do SINTAP/, tem como objectivo principal dar Formação Profissional a todos os níveis aos trabalhadores da Administração

Leia mais

Experiência profissional. Curriculum Vitae Informação Pessoal

Experiência profissional. Curriculum Vitae Informação Pessoal Curriculum Vitae Informação Pessoal Nome: Ana Filipa da Silva Ramos Estiveira Morada: Avenida Dom Rodrigo da Cunha, nº 18, 1º Direito Sul, 1700-141 Lisboa, Portugal Telemóvel: 926 584 455 Correio electrónico:

Leia mais

REF.ª 17/2017_GECG_TSP RECRUTAMENTO DE UM TRABALHADOR PARA A CARREIRA DE TÉCNICO SUPERIOR PARA O GABINETE DE ESTUDOS E CONTROLO DE GESTÃO

REF.ª 17/2017_GECG_TSP RECRUTAMENTO DE UM TRABALHADOR PARA A CARREIRA DE TÉCNICO SUPERIOR PARA O GABINETE DE ESTUDOS E CONTROLO DE GESTÃO REF.ª 17/2017_GECG_TSP RECRUTAMENTO DE UM TRABALHADOR PARA A CARREIRA DE TÉCNICO SUPERIOR PARA O GABINETE DE ESTUDOS E CONTROLO DE GESTÃO A Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) pretende recrutar

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional CARTA DE MISSÃO Ministério da Defesa Nacional Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional 1. Missão do organismo As atribuições

Leia mais

Estrutura. 1. Enquadramento Objectivos Metodologia 7 4. Análise.. 11

Estrutura. 1. Enquadramento Objectivos Metodologia 7 4. Análise.. 11 Estrutura 1. Enquadramento.. 3 2. Objectivos.. 5 3. Metodologia 7 4. Análise.. 11 2 1. Enquadramento 3 De uma forma geral no Ensino Superior e, em particular no Ensino Superior Politécnico, a discussão

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

AVISO DE ABERTURA PARA CANDIDATURAS PROGRAMA DE INCUBAÇÃO ETAPA OFICINA DO EMPREENDEDOR (AVISO N.º 01)

AVISO DE ABERTURA PARA CANDIDATURAS PROGRAMA DE INCUBAÇÃO ETAPA OFICINA DO EMPREENDEDOR (AVISO N.º 01) AVISO DE ABERTURA PARA CANDIDATURAS PROGRAMA DE INCUBAÇÃO ETAPA OFICINA DO EMPREENDEDOR (AVISO N.º 01) DOMINGOS BRAGANÇA SALGADO, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE GUIMARÃES, FAZ SABER, em cumprimento

Leia mais

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio)

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DE QUALIDADE E AMBIENTE DE ACORDO COM OS REFERENCIAIS NORMATIVOS

Leia mais

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010 AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR Instituto de Seguros de Portugal 18 de Novembro de 2010 1 ÍNDICE 1. O INTERESSE DO CONSUMIDOR NA ACTUAÇÃO DO ISP 2. INICIATIVAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EVENTOS

AVALIAÇÃO DE EVENTOS AVALIAÇÃO DE EVENTOS Marketing, Publicidade e Relações Públicas /2008 AVALIAÇÃO DE EVENTOS A avaliação de um evento consiste no processo de observação, medição e acompanhamento crítico da sua implementação,

Leia mais

26 horas / De 05 a 09 de Outubro / De 4.ª Feira a Domingo / horas / De 10 a 21 de Outubro / 2.ª, 4.ª e 6.ª Feiras, das 19h00 às 22h00 / 150

26 horas / De 05 a 09 de Outubro / De 4.ª Feira a Domingo / horas / De 10 a 21 de Outubro / 2.ª, 4.ª e 6.ª Feiras, das 19h00 às 22h00 / 150 A ARQCOOP é uma instituição sem fins lucrativos e aposta em formação inovadora, prática e actualizada, melhorando conhecimentos e práticas profissionais e contribuindo para a sua empregabilidade ou desenvolvimento

Leia mais

ESTÁGIOS EMPREGO IEFP,I.P. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL DECLARAÇÃO DE EMPREGABILIDADE

ESTÁGIOS EMPREGO IEFP,I.P. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL DECLARAÇÃO DE EMPREGABILIDADE IEFP,I.P. MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ESTÁGIOS EMPREGO 1. DECLARAÇÃO DE EMPREGABILIDADE Para efeitos de candidatura à Medida Estágios Emprego, a entidade

Leia mais

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MISSÃO DA UNIDADE: Fomentar a atividade acadêmica, promover o intercâmbio da Universidade com órgãos públicos, empresas privadas e

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA)

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) (GAEIVA) O (GAEIVA) visa especialmente a integração dos estudantes, dá resposta às necessidades de aprendizagem no sentido de incrementar o sucesso escolar, e fornece apoio aos estudantes em termos de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP)

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) Grupo Estratégico de Recursos Humanos Cláudia Camelo Cristina Pimentão Pedro Cunha 2 ENQUADRAMENTO

Leia mais

O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra

O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra (Direção Intermédia de 2º Grau) Designação do Cargo: Áreas

Leia mais

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA)

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01/ SAMA/ 2008 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) CONCURSO GERAL E CONCURSO JUSTIÇA OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS Nos termos

Leia mais

RELATÓRIO SIADAP

RELATÓRIO SIADAP UNIDADE ORGÂNICA: DIRIGENTE: DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO LUCIANO COSTA CARVALHO DIAS DATA: 5 DE MARÇO DE 2012 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS OE I - PROMOVER A URBANIZAÇÃO PROGRAMADA E ARTICULADA

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO O presente regulamento explicita as competências, responsabilidades e funcionamento do Gabinete de Estudos e Planeamento. Artigo 1.º Definição e Finalidade

Leia mais

Iniciativa Novas Oportunidades. Julho de Av. 24 de Julho, nº Lisboa Telf.: Fax:

Iniciativa Novas Oportunidades. Julho de Av. 24 de Julho, nº Lisboa Telf.: Fax: Iniciativa Novas Oportunidades Julho de 2010 1 Índice A. Iniciativa Novas Oportunidades...3 B. A rede nacional de Centros Novas Oportunidades...4 C. Protocolos de cooperação no âmbito da Iniciativa Novas

Leia mais

28/05/2015 Candidaturas ecoxxi Programa ECOXXI - para a construção do Desenvolvimento Sustentável. Associação Bandeira Azul da Europa

28/05/2015 Candidaturas ecoxxi Programa ECOXXI - para a construção do Desenvolvimento Sustentável. Associação Bandeira Azul da Europa 28/5/215 Candidaturas ecoxxi 215 - Programa ECOXXI - para a construção do Desenvolvimento Sustentável. Associação Bandeira Azul da Europa Candidaturas Candidaturas a município ECOXXI 215 - Indicador 6

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas Resumo Nos Serviços Água, a Construbuild apresenta-se já como uma Referência a Nível deste sector. As actividades desenvolvidas nesta área relacionam-se fundamentalmente, com a Gestão de Equipamentos de

Leia mais

Plano de Intervenção Avaliadores

Plano de Intervenção Avaliadores Plano de Intervenção Avaliadores Apresentam-se algumas especificidades do processo SIADAP 2012 visando o esclarecimento da abordagem a prosseguir pelos Avaliadores. Para obter esclarecimentos adicionais

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Regulamento de Estágios 01.10.05 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Caracterização... 3 2 Candidatura... 3 2.1 Estágios organizados pelos estudantes... 3 2.1.1 Trabalhadores estudantes... 3 3 Colocação... 4

Leia mais

PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo:

PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo: PARA QUEM? PARA QUÊ? Público-Alvo: O SÁBADOS ACADÉMICOS destina-se aos Jovens que se encontram a frequentar as Escolas do Ensino Médio, em todo o Território Nacional Os candidatos aos SÁBADOS ACADÉMICOS

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional

Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional Formação Profissional O QUE DIZ A LEI Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional Contribuir para a elevação da produtividade e empregabilidade do trabalhador, nomeadamente proporcionando-lhe

Leia mais

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES Documento de trabalho para Discussão entre os trabalhadores, Conselho Técnico e Direcção 1 OBJECTIVO DO CÓDICO Organizar um quadro de referência

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

Plano de Atividades Intervenção Precoce

Plano de Atividades Intervenção Precoce Página 1 de 9 2018 Elaborado: Ângela Madureira Data: 31.01.2018 Aprovado: Conselho Administração Data:01.02.2018 Página 2 de 9 Introdução...3 Objetivos Estratégicos... 3 Descrição da IP...4 Plano de Atividades

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

Colégio de Medicina do Trabalho

Colégio de Medicina do Trabalho Colégio de Medicina do Trabalho As regras e documentos sugeridos têm como finalidade estabelecer alguns procedimentos a adotar para as três provas de avaliação final da formação da área de especialização

Leia mais

Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 023 Comunidade Empreende

Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 023 Comunidade Empreende Programa 2013 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 023 Comunidade Empreende Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais