Cirurgia bariátrica e bulimia: quando o necessário se transforma em nada.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cirurgia bariátrica e bulimia: quando o necessário se transforma em nada."

Transcrição

1 Cirurgia bariátrica e bulimia: quando o necessário se transforma em nada. Patricia Gipsztejn Jacobsohn 1 Antes de mais nada este trabalho trata das aparentes ambiguidades. A começar pelo título. Como o que é necessário se transforma em nada? Como num mesmo trabalho iremos aproximar anorexia e obesidade? Mas a contemporaneidade é igualmente ambígua. Nunca antes a oferta de alimentos foi tanta e tão diversificada. E nunca antes se exigiu tanto corpos perfeitos, magros, malhados. Há o peso da gordura, mas também o peso da leveza. A gordura é realmente um fardo pesado numa sociedade que privilegia a magreza, a leveza, a velocidade, a mobilidade e a ação em detrimento da reflexão. Me dizia um paciente: Emagrecer para mim requer muito esforço. É muito pesado. Bem mais pesado dos que os meus 160 quilos. As cirurgias bariátricas (do latim: baros, peso e iatren, tratar) têm se popularizado. E cada vez mais estes pacientes têm chegado aos consultórios dos psicanalistas. Para alguns pacientes que recebemos a cirurgia não é fonte de conflitos, já outros vivenciam a cirurgia de forma bastante sofrida. No caso que apresento, um transtorno alimentar se anunciou com a chegada da cirurgia. Quero deixar claro que não é a maioria dos casos. Que a cirurgia quando bem indicada e acompanhada de um trabalho analítico é uma excelente ferramenta no combate a obesidade. Sem dúvida nenhuma propicia a estes pacientes uma vida melhor, longe do preconceito e discriminação a que foram alvo, às vezes pela vida toda. Uma obesidade que carrega a marca do sofrimento. Freqüentemente vistos como horrorosos, desleixados, largados, nojentos e fracos de caráter. Totalmente culpados pela sua doença. Desobedientes e transgressores de um mundo voltado a estética corporal e ao culto desmedido ao corpo perfeito. Não é de se estranhar, portanto, que alguns pacientes, comemorem todo ano o dia da cirurgia, como um aniversário. 1 Psicóloga e Psicanalista. Especialista em Psicoterapia Psicodinâmica da Pré-Adolescência e Adolescência pelo Instituto Sedes Sapientiae. Membro da CEPPAN. Membro do Departamento Formação em Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae.

2 Algumas questões são mais frequentemente presentes em pacientes operados. Claro que a reverberação psíquica de cada uma delas se efetua de maneira muito particular. Citando as duas de maior impacto, diria sobre a passagem da dieta líquida para a pastosa e sólida (efetuada nos primeiros meses da cirurgia) e a rápida e vertiginosa perda de peso. Com relação a primeira delas penso que muito mais do que o caráter regressivo que esta alimentação efetua nos pacientes (a analogia com a alimentação de um bebe é bastante óbvia: leite/papa/comida), o que acontece é que com a fabricação de um novo estômago e um novo jeito de se alimentar, transformam-se também as sensações corporais. Uma paciente conta que pergunta ao cirurgião no segundo mês de cirurgia o que era um arzinho que ela sentia que saia do estômago. Ao que o cirurgião responde: é fome, querida! Outra imagem obvia e familiar aos psicanalistas: a mãe que nomeia as sensações para seu pequeno bebê. Com relação a perda de peso rápida, posso dizer que além de ser difícil para o psiquismo acompanhar este novo desenho corporal, percebo que o peso perdido leva consigo a identidade destes pacientes. Por dentro (sensações corporais e imagem mental de si) e por fora (imagem no espelho) uma grande mudança se efetua. As indagações são muitas quando me deparo com sintomas anoréxicos ou bulímicos desenvolvidos depois da cirurgia. Do que se trata especificamente? Qual paralelo existe com as anoréxicas e bulímicas que recebemos? Existe alguma especificidade nestes casos? Algum manejo técnico específico? Para pensar estas questões, recorro a um caso clínico. Danuza é uma mulher interessante, de presença marcante com ideias firmes e fala macia. Tem 60 anos e dois filhos. Separou-se do marido há 15 anos quando começou a relacionar-se com uma mulher, com quem viveu por 12 anos. Atualmente tem namoros (homoafetivos) breves. Nas entrevistas preliminares tem como principal queixa o fato de estar engordando e vomitar diariamente. Freqüentemente mais de duas vezes ao dia. Tinha sido operada há 6 anos (Fobbi-Capella com anel) 2. Diz ter emagrecido quase 60 quilos, sendo que nos últimos 5 anos voltou a ganhar peso (por volta de 30 Kg). Diz ter verdadeiro pânico de voltar a engordar. 2 Atualmente há uma diversidade de técnicas cirúrgicas. Resumidamente tem-se as técnicas restritivas (que restringem a capacidade gástrica), técnicas disabsortivas (que reduzem a capacidade de absorção do intestino) e as chamadas técnicas mistas (como a Fobbi-Capella) que associam a restrição de ingestão alimentar com a disabsorção intestinal.

3 Fico intrigada frente aos vômitos. Na investigação clínica tento entender se teriam um sentido bulímico: como uma descarga da excitação pulsional,uma passagem ao ato. Procuro entender se tinham alguma relação com o medo de voltar a engordar, sendo um comportamento compensatório, como as purgações bulímicas. Ou estes vômitos eram reflexos de uma compulsão que entra em choque com uma contenção física, com a impossibilidade do comer? A distância em relação ao corpo era tamanha que a paciente era incapaz de discriminar. Não sabia se vomitava por estar empanturrada de comida ou pelo medo de engordar. Não percebia também quando estava com fome ou cheia de comer. O prazer com a comida era ainda algo distante. Ela dizia: Faço sempre a relação com uma máquina. Às vezes, aliás, me sinto uma máquina. Comer é abastecer pra não morrer. E ponto. Eu acredito que seu comportamento alimentar era quase mortífero. Dificilmente sentava-se para almoçar ou jantar. E pratica o que a nutrição convencionou chamar de grazzing, a famosa beliscadora, ingerindo pequenas quantidades de comida durante todo o dia. Neste caso comidas altamente calóricas. No exercício da clínica com pacientes anoréxicos e bulímicos percebo questões e conflitivas semelhantes às de Danuza. Assim como ela apresentam uma grande distância com relação ao corpo e as sensações corporais. Fome, cansaço, sono, por exemplo, são precariamente percebidos. Um psiquismo que parece não representar sensações corporais e que não inaugura a alteridade. Há constantemente uma confusão entre interioridade e exterioridade, entre o que vem de fora e o que vem de dentro. Os limites corporais são precários. Falta borda, contorno, pele. Maria Helena Fernandes nos diz (2006, p.139): Tudo se passa como se o corpo próprio não exercesse aí uma de suas funções que é colocar limite entre dentro e fora, exercendo assim o papel de fronteira entre o eu e o outro. A prática clínica tem demonstrado que uma característica marcante nos transtornos alimentares é o empobrecimento simbólico, da vida fantasmática e da atividade psíquica, o que muitas vezes leva a um prejuízo relacional e afetivo. O mundo interno é um país distante. Os objetos externos são pouco investidos e o eu fica superinvestido.não é exatamente o que percebo com esta paciente. Ela tem uma riqueza interna, uma boa capacidade de simbolização. Possui uma fala elaborativa, metafórica, além de um potencial criativo impressionante. Pinta quadros belíssimos e escreve maravilhosamente bem. Interessa-se por fotografias e literatura. Como exemplo trago aqui um poema, que ela me mostra no início de uma sessão:

4 Meus pensamentos giram tal qual este redemoinho que olho sem entender de joelho no chão busco respostas enquanto olho o vazio; O coração pulsa forte, tenho espasmos. As cores se misturam numa paleta fétida e formam um sinistro quadro abstrato; O necessário se transforma em nada; Cores de chocolate, cenoura, carne. De longe quem observa o quadro é gris. A dor na alma é maior que do estômago E os dedos viciados buscam o botão que ameniza o som. Pura sintonia. Perdi a conta de quantas vezes executei hoje este. 3 Saio em silêncio para que não me reconheçam através de meus passos. Não quero testemunhas para o crime que cometo contra eu mesma. Tenho medo de deixar vestígios, sinais, indicadores. A água que tudo purifica serve para lavar as lágrimas que em vão Tentam aliviar a culpa. Palavras sofridas. Os vômitos são usados como anestésicos para calar o sofrimento, como forma de alívio, mas a culpa traz o sofrimento psíquico de volta em cena. Obviamente a palavra esquecida chama a atenção de qualquer psicanalista. O que realmente ela executa? Que ato é este? Que determinações inconscientes ele carrega? É um forte grito por socorro. Também uma confissão de culpa, carregada de vergonha. Danuza se apresenta como a ovelha negra da família. Diz isto por ter assumido a sua homossexualidade e por ser o único caso na sua família. Mas penso que não só por isso. Ela é única da família com graduação universitária. Também não mora no mesmo bairro de toda a família. Foi, ainda, a única das mulheres a trabalhar fora. E sempre teve um trabalho atrelado a sua formação e em grandes centros empresariais ou ruas comerciais. É também a única a se interessar por programas culturais, literatura, artes e cinema. Ela tem como representação de figura materna uma mulher fraca, reprimida (sic), submissa. Fala de uma mãe muito pouco afetiva, com quem teve uma relação sempre distante e conflituosa. Diz nunca ter se sentido cuidada ou amparada. O olhar da mãe era sempre 3 Palavra que ela não consegue entender e também não consegue colocar nenhuma outra no lugar.

5 dirigido a um outro. Com o pai nutre uma relação de confiança e admiração. É com ele que está identificada. Freud parece situar a anorexia e os vômitos às fases pré-genitais da libido. (1892/93, 1893/1895,1905,1918) já que os sintomas são compreendidos pela via da histeria, do recalcamento do erotismo oral. Me pergunto se com Danuza é também disso que se trata. O que fica patente na história de Danuza é o ser do contra. Goza-se com o desafio. Desafia a castração, transformando escolha de objeto em identificação. Desafia também a cirurgia bariátrica quando engorda. Me parece que a questão é pós-edípica. A conflitiva está na convocação da genitalidade. Diferentemente da maioria dos pacientes gastroplastizados que já atendi, Danuza não é obesa desde a infância. Foi sempre magra, até casar-se. Casei e engordei. Teve dois filhos e em ambas as gestações engordou por volta de 25 kg, não voltando a emagrecer. Qual seria a representação psíquica da cirurgia? Acho que é uma questão importante e sem duvida central no processo analítico de alguns pacientes. A qualidade desta inscrição psíquica precisa ser trabalhada. Obviamente são múltipla representações, que variam de sujeito para sujeito. Mistérios e agruras do psiquismo. Configurações psíquica únicas, construídas de forma singular, partindo de constituições psíquicas diversas. Podemos aventar algumas possibilidades. Alguns pacientes, cansados da força imperiosa da própria pulsão, da adição e impulsividade que os leva a comer, podem enfrentar com a cirurgia um luto. Como um corte orgânico que deveria ser de ordem psíquica. Pode ser sentida como um corte edípico. O cirurgião, com o bisturi na mão, entra como a figura paterna que faz a contenção, que põe fim a folie a deux mãe e filha. Sou uma perdedora, perdi a guerra, não consegui, disse-me uma paciente. Com ela, fizemos um trabalho de desviar o caminho depressivo de que perdeu para a força de vontade. Tivemos longas e frutíferas conversas sobre a construção da sua obesidade, sobre a história que sua obesidade carregava. Em alguns pacientes que apresentam distúrbios da oralidade, o que se percebe é que o corpo sofrido carrega aquilo que a mente foi incapaz de processar, de simbolizar, de pensar. Angústias sem nome e sem representação afetiva, que ficam plainando no mundo mental, carecendo de significação. Uma vida imaginativa prejudicada que migra diretamente para o corpo. Corpo e mente, então, se misturam de forma indiscriminada. O que pode ocorrer em alguns casos é de esta indiscriminação dar margem para a fusão. Às vezes a fusão é com a mãe, outras com a comida, com bolsas, com álcool, etc. É esta fusão que dá o sentido de existência. O objeto da

6 compulsão é sempre tirânico. E de repente vem o bisturi! Algo imposto, uma contenção orgânica. A análise consiste, então, em matar o objeto tirânico ou, pelo menos, transformá-lo num objeto mais apaziguador. No caso de Danuza a representação psíquica da cirurgia está muito mais ligada a questão do desafio. Quando engorda e/ou quando ingere maior quantidade de alimentos que seu pequeno estômago é capaz de suportar, parece que a paciente desafia a função interditória da cirurgia. E não é um desafio somente ao seu corpo e a cirurgia, mas também a equipe médica e ao cirurgião como agentes castradores. Penso que o trabalho do analista nestes casos é muito delicado. É necessário paciência e sensibilidade. A vivência transferencial para estes pacientes pode ser muito ameaçadora, por vezes intrusiva. Pacientes que ora alimentam bem o analista, ora o deixam faminto, ora com água na boca. Interpretações que às vezes são aproveitadas, digeridas. Outras vezes são vomitadas e algumas vezes nem podem ser ouvidas. Analisar nestes casos é poder transformar o pensamento cru, gélido, carente de significação em palavras carregadas de afeto, nutritivas, ricas em calor, em sonhos possíveis, num sonhar produtivo. Um par analítico fecundo. Como eu já afirmei em outro trabalho (2011, p.99): a prática clínica pode ser encarada como uma aventura exploratória que requer da dupla analítica uma dose grande de coragem e disponibilidade. E do analista em particular, que seja um amante curioso da vida, do viver e da experiência humana. Bibliografia FERNANDES, M.H. Transtornos Alimentares. São Paulo: Casa do Psicólogo, (Coleção Clínica Psicanalítica). FREUD. S. ( ). Um caso de cura pelo hipnotismo. In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v.1.. ( ). Estudos sobre a histeria. In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v.2.. (1905). Fragmento da análise de um caso de histeria. In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v.7

7 . (1918). História de uma neurose infantil. In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v.17 JACOBSOHN, P.G. Atendendo adultos na perspectiva psicanalítica: conversando sobre a clínica. In: Teorias e técnicas de atendimento em consultório de psicologia. Berenice Carpgiani (org.). São Paulo: Vetor, 2011.

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária Renata de Leles Rodrigues Eliana Rigotto Lazzarini Resumo do trabalho: A proposta deste trabalho é articular

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

DISTÚRBIOS ALIMENTARES

DISTÚRBIOS ALIMENTARES CLÍNICA PEDIÁTRICA VER CRESCER DISTÚRBIOS ALIMENTARES Castelo Branco DISTÚRBIOS ALIMENTARES Conjunto de doenças provocadas por alterações significativas nos hábitos alimentares diários, tanto por ingestão

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. Prefácio Só as crianças têm segredos, Dos quais mais tarde já nem lembram! A dor talvez é um deles.

Leia mais

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade Thaís Cristina Simamoto* Thaís Silva Luiz* A obesidade mórbida é uma doença crônica metabólica que combina grandes chances de

Leia mais

DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA...

DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA... DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA... Autora: Cristiana Rodrigues Rua O objetivo deste trabalho é formular algumas hipóteses a partir do relato de uma psicoterapia

Leia mais

Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica.

Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica. Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica. REI, Vivian Anijar Fragoso [1] ; OLIVEIRA, Paula Batista Azêdo de

Leia mais

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br]

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] FONTE: CRP-RJ DEZEMBRO DE 2006 Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] Como funciona a terapia junguiana? A Análise junguiana está dentro da

Leia mais

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Este trabalho tem por intuito verificar quais as transformações sofridas pelos sintomas histéricos ao longo dos anos. Esta indagação se deve

Leia mais

PENSE. O Poder da Terapia Cognitiva para Emagrecer

PENSE. O Poder da Terapia Cognitiva para Emagrecer PENSE O Poder da Terapia Cognitiva para Emagrecer 1 A chave do sucesso Se você enfrentou dificuldades para emagrecer ou emagreceu e engordou novamente nos últimos tempos, você culpou a si mesmo (Sou muito

Leia mais

Doenças do Comportamento Alimentar. Filipe Pinheiro de Campos

Doenças do Comportamento Alimentar. Filipe Pinheiro de Campos NUTRIÇÃO e PATOLOGIAS ASSOCIADAS Doenças do Comportamento Alimentar Saúde e Bem Estar ATITUDES AMBIENTE FISIOLOGIA SAÚDE HEREDITARIEDADE ECONOMIA CULTURA ALIMENTAÇÃO 2 Implicações Clínicas Doenças por

Leia mais

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa)

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Edson Saggese Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria. Doutor em Ciências da Saúde pelo IPUB/UFRJ, psiquiatra, psicanalista,

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO Sandra Chiabi Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três namoradas. Contou que estava envolvido com as três, e uma delas pedira que

Leia mais

Laís, a fofinha. guia para pais. Walcyr Carrasco

Laís, a fofinha. guia para pais. Walcyr Carrasco ilustrações de Jean-Claude R. Alphen Guia para pais Laís, a fofinha Walcyr Carrasco série todos juntos Laís foi morar em outra cidade e, na nova escola, os colegas não param de lhe dar apelidos desagradáveis

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA...

DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA... DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA... INSTITUTO ABESO Dr. Jean Ricardo Nicareta Cirurgia do Aparelho Digestivo Cirurgia Bariátrica Endoscopia Digestiva GUARAPUAVA - PR PORQUE AS PESSOAS GANHARAM PESO

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais:

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais: Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL Declaração de cessão de direitos autorais: Eu Luciano Bregalanti Gomes, autor do trabalho intitulado O amor de transferência no trabalho

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CORPORAL NO TRATAMENTO DE DISTÚRBIOS DE IMAGEM CORPORAL NOS TRANSTORNOS ALIMENTARES

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CORPORAL NO TRATAMENTO DE DISTÚRBIOS DE IMAGEM CORPORAL NOS TRANSTORNOS ALIMENTARES 1 PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CORPORAL NO TRATAMENTO DE DISTÚRBIOS DE IMAGEM CORPORAL NOS TRANSTORNOS ALIMENTARES Alessandra de Camargo Costa Resumo Uma das características marcantes nos transtornos alimentares

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

A função psíquica do tocar A subjetividade do tocar A psicologia do tocar. Romero Magalhães

A função psíquica do tocar A subjetividade do tocar A psicologia do tocar. Romero Magalhães A função psíquica do tocar A subjetividade do tocar A psicologia do tocar Romero Magalhães 1 2 O toque de Ramona 3 Fui ao consultório do Dr. Belt para um check-up apenas algumas semanas de minha cirurgia.

Leia mais

ÁLCOOL. Verdades e Mitos

ÁLCOOL. Verdades e Mitos ÁLCOOL Verdades e Mitos ÁLCOOL Conceitos ÁLCOOL E BEBIDAS ALCOÓLICAS O álcool é uma substância designada de etanol ou álcool etílico e é o álcool que vulgarmente se utiliza em casa. As bebidas que possuem

Leia mais

O caso de Ellen West. Estudo Antropológico-clínico

O caso de Ellen West. Estudo Antropológico-clínico O caso de Ellen West. Estudo Antropológico-clínico Ana Cecília Magtaz Scazufca Em 1944, o psiquiatra suíço Ludwig Binswanger (1881-1966) publicou o caso de Ellen West. Estudo Antropológico-clínico. Descreve,

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Maria Cristina da Cunha Antunes Flávia Lana Garcia de Oliveira Introdução: O campo freudiano de orientação lacaniana trabalha segundo o axioma de que não há

Leia mais

Palavras-chave Transtornos alimentares, anorexia nervosa, obesidade, ansiedade, reeducação alimentar.

Palavras-chave Transtornos alimentares, anorexia nervosa, obesidade, ansiedade, reeducação alimentar. Geração Saúde II Episódio 6 Anorexia, uma doença silenciosa Resumo A personagem central deste episódio é Leila, uma adolescente em vias de desenvolver um transtorno alimentar. Ao se olhar no espelho, Leila

Leia mais

Aspectos emocionais e interdisciplinares

Aspectos emocionais e interdisciplinares Aspectos emocionais e interdisciplinares Obesidade Mórbida A obesidade mórbida é definida como aumento do peso corporal, às custas de tecido adiposo(gordura), 45kg acima do peso considerado ideal, ou Índice

Leia mais

O CÍRCULO PSICO-ORGÂNICO Conferência de Anne Fraisse traduzida por Silvana Sacharny em 07.05.07 IBAM Rio de Janeiro

O CÍRCULO PSICO-ORGÂNICO Conferência de Anne Fraisse traduzida por Silvana Sacharny em 07.05.07 IBAM Rio de Janeiro O CÍRCULO PSICO-ORGÂNICO Conferência de Anne Fraisse traduzida por Silvana Sacharny em 07.05.07 IBAM Rio de Janeiro Uma grande parceria de anos com a Escola Francesa de Análise Psico-Orgânica, a gente

Leia mais

Transformações na intimidade no século XXI

Transformações na intimidade no século XXI Transformações na intimidade no século XXI Sissi Vigil Castiel* A clínica de anos atrás era freqüentada principalmente por mulheres que vinham por desventuras amorosas, por não entenderem o que os homens

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO?

DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO? DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO? Mileni Araújo Servilla graduanda em Psicologia pela AEMS Alini Daniéli Viana Sabino Mestre em Ciências pela FFCLRP/USP Coordenadora e Docente do Curso de Psicologia

Leia mais

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS Marien Abou Chahine 1 Resumo Este artigo é resultado da mesa do IV Congresso de Psicologia da Unifil, cujo objetivo foi explanar sobre a prática da Psicanálise com

Leia mais

Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. *

Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. * Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. * Amarílio Campos 1 Tudo permite a natureza, por suas leis assassinas: O incesto e o estupro, o furto e o parricídio. Todos os prazeres de Sodoma, os jogos

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

Emagreça! Manual prático com informações atuais para emagrecer e melhorar a saúde. Dr. Waldirson Morais Coelho

Emagreça! Manual prático com informações atuais para emagrecer e melhorar a saúde. Dr. Waldirson Morais Coelho Emagreça! Manual prático com informações atuais para emagrecer e melhorar a saúde Dr. Waldirson Morais Coelho Emagreça! Manual prático com informações atuais para emagrecer... 3 2002. Coelho, Waldirson

Leia mais

Sumário. Apresentação, 7. 2. Distúrbios Funcionais, 31. 3. Defesas de Somatização, 69. 4. Manejo dos Sentimentos na Análise Psicodramática, 121

Sumário. Apresentação, 7. 2. Distúrbios Funcionais, 31. 3. Defesas de Somatização, 69. 4. Manejo dos Sentimentos na Análise Psicodramática, 121 Sumário Apresentação, 7 1. A Psiquiatria Clínica e a Psicoterapia, 9 Victor R. C. S. Dias 2. Distúrbios Funcionais, 31 Virgínia de Araújo Silva 3. Defesas de Somatização, 69 Celso Azevedo Augusto 4. Manejo

Leia mais

ENSAIO SOBRE AS ESCOLHAS: A DIFICULDADE DE FAZER FOCO, DE DIZER NÃO E DE ABRIR E FECHAR AS MÃOS

ENSAIO SOBRE AS ESCOLHAS: A DIFICULDADE DE FAZER FOCO, DE DIZER NÃO E DE ABRIR E FECHAR AS MÃOS 1 ENSAIO SOBRE AS ESCOLHAS: A DIFICULDADE DE FAZER FOCO, DE DIZER NÃO E DE ABRIR E FECHAR AS MÃOS Cristian Alencar RESUMO Diariamente as pessoas têm que fazer escolhas em suas vidas. No trabalho, nos relacionamentos,

Leia mais

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Camila Chudek Ribeiro 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A obesidade tem atingido níveis epidêmicos na atualidade.

Leia mais

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2 A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1 Selma Correia da Silva 2 Neste trabalho pretendemos discutir a articulação do discurso da Psicanálise com o discurso da Medicina, destacando

Leia mais

Resposta Técnica 02/2015

Resposta Técnica 02/2015 Resposta Técnica 02/2015 Data: 10/02/2015 Solicitante: Dr. Sérgio Henrique Cordeiro Caldas Fernandes Juiz de direito da 23ª Vara Cível Comarca de Belo Horizonte Processo: 1682880-83.2014.8.13.0024 Ré:

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Piaf: um hino ao amor, ou como transformar dor em arte

Piaf: um hino ao amor, ou como transformar dor em arte Piaf: um hino ao amor, ou como transformar dor em arte Piaf nasceu em 1915, durante a guerra e morreu com 48 anos, em 1963. Chamava-se Édith Giovanna Gassion. Seu primeiro nome foi dado em homenagem a

Leia mais

Caso da Maria. História Clínica Cognitivo-Comportamental. Joana Gonçalves. 7 de Março de 2008

Caso da Maria. História Clínica Cognitivo-Comportamental. Joana Gonçalves. 7 de Março de 2008 Estágio no Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do centro Hospitalar Cova da Beira História Clínica Cognitivo-Comportamental Caso da Maria 7 de Março de 2008 Joana Gonçalves Dados Biográficos: Nome:

Leia mais

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA TESTE DE ELENCO COM UMA CENA Por VINICIUS MOURA * Embora seja uma cena que contenha dois atores os candidatos serão avaliados individualmente. Os critérios de avaliação se darão a partir da performace

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA

MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA Lilian Aragão da Silva Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS liuzinhaaragao@yahoo.com.br Ana Virginia

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso: Nutrição Disciplina: Psicologia Aplicada à Nutrição Professor(es): Claudio Bastidas Martinez DRT: 113206-6 Código da Disciplina: 021.2603.6

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade.

O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade. O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade Maria Luiza de Assis Moura Ghirardi 1 Resumo A partir da escuta clínica de

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015

PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015 PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015 A existência de um padrão de beleza não é algo novo e sofreu modificações ao longo do tempo, de acordo com fatores históricos e culturais.

Leia mais

O pecado original. Introdução / 13

O pecado original. Introdução / 13 Introdução O pecado original Em 1934, uma jovem pediatra alemã chamada Hilde Bruch mudou- -se para os Estados Unidos, se instalou na cidade de Nova York e ficou impressionada, como escreveu mais tarde,

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1)

Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1) Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1) Introdução Após um percurso de mais de dez anos de pesquisa sobre trauma, violência, exclusão social, herança e transmissão da subjetividade o Grupo de trabalho

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Dieta engorda e é gatilho para transtorno alimentar, diz nutricionista

Dieta engorda e é gatilho para transtorno alimentar, diz nutricionista O fim de ano chega, e logo vem aquela preocupação com o ganho de peso provocado pelas delícias natalinas. Quando começar a dieta? Se depender da nutricionista Sophie Deram a resposta é: nunca! Na contramão

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - Curso: Nutrição Núcleo Temático: Nutrição Clínica Disciplina: Psicologia Aplicada à Nutrição Professor(es): Claudio Bastidas Martinez DRT:

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

Entrevista com Dr. Alcides de Souza

Entrevista com Dr. Alcides de Souza Entrevista com Dr. Alcides de Souza sexta-feira, fevereiro 04, 2011 http://nucleotavola.com.br/revista/entrevista-com-dr-alcides-de-souza/ por Lucas Arantes e Luis Fernando S. Souza-Pinto A entrevista

Leia mais

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO Lucy_de_Castro_O_Caso _Emma_uma ilustração_do_projeto 1 Emma_Projeto_Primeira_mentira_ O caso Emma ilustra o capítulo II do Projeto para uma Psicologia Científica, desenvolvido por Freud a partir de suas

Leia mais

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro 1 A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro A busca por esse trabalho teve inicio, quando de alguma forma, eu procurava encontrar explicações psicológicas,

Leia mais

ADOÇÃO. Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos.

ADOÇÃO. Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos. ADOÇÃO Filhos sem Pais e Pais sem Filhos: ambos precisam ser acolhidos. Edna G. Levy Nos dias de hoje, a adoção é exercida com maior naturalidade do que em tempos passados, em que havia a pecha da vergonha

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR Jane Kelly de Freitas Santos (apresentador) 1 Maria Cecília Braz Ribeiro de Souza (orientador) 2 1 Curso de Pedagogia

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

TÍTULO: O CONSUMISMO E A BUSCA DE FELICIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: O CONSUMISMO E A BUSCA DE FELICIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O CONSUMISMO E A BUSCA DE FELICIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA:

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO Fany Patrícia Fabiano Peixoto Orientadora: Eugenia Cordeiro Curvêlo RESUMO O termo psicossomática esclarece a organização

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Encontrando uma tábua de salvação, 13 O exercício do luto, 17 A folha de bordo cor de prata: uma pequena história, 19

Encontrando uma tábua de salvação, 13 O exercício do luto, 17 A folha de bordo cor de prata: uma pequena história, 19 Sumário Introdução, 11 Encontrando uma tábua de salvação, 13 O exercício do luto, 17 A folha de bordo cor de prata: uma pequena história, 19 Vencendo os obstáculos, 27 Pau e pedra, 31 Fortalecendo os laços,

Leia mais

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE Germano Quintanilha Costa Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund Freud, a infância se difundiu e se impôs à cultura

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais