Sobre o sintético a priori e o necessário a posteriori

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sobre o sintético a priori e o necessário a posteriori"

Transcrição

1 Sobre o sintético a priori e o necessário a posteriori Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto

2 Problema central As descobertas científicas fundamentais são verdades necessárias ou contingentes? A água é H 2 O O peso atómico do ouro é 196,96654

3 Esclarecimento conceptual Necessidade / contingência Noções metafísicas sobre modos da verdade (e não sobre modos de conhecer verdades) Uma verdade é necessária quando não poderia ter sido falsa Uma verdade é contingente quando poderia ter sido falsa

4 Exemplos de verdades necessárias Verdades lógicas Se a neve é branca, é branca Verdades aritméticas 7+5=12 Verdades conceptuais Nenhum solteiro é casado

5 Exemplos de verdades contingentes Verdades históricas Platão era grego Verdades geográficas Em África, há um deserto imenso Outras verdades Nenhum solteiro é feliz

6 David Hume The contrary of every matter of fact is still possible; because it can never imply a contradiction, and is conceived by the mind with the same facility and distinctness, as if ever so conforming to reality. That the sun will not rise tomorrow is no less intelligible a proposition, and implies no more contradiction, than the affirmation, that it will rise. (An Enquiry Concerning Human Understanding, 1748, sec. IV, para. 21)

7 Teses centrais de Hume Todas as questões de facto (verdadeiras) são verdades contingentes Só as relações de ideias (verdadeiras) são verdades necessárias

8 Consequência da tese Como todas as verdades científicas, incluindo as fundamentais, são questões de facto, segue-se que todas as verdades científicas são contingentes A água é H 2 O, mas poderia não o ser O peso atómico do ouro é 196,96654, mas poderia não o ser

9 Kant contra Hume A física não pode ser sobre contingências do mundo, nomeadamente porque só há ciência do universal Kant pensava erradamente que o estritamente universal e o necessário eram a mesma coisa Em qualquer caso, é contra-intuitivo afirmar que a água poderia não ter sido H 2 O

10 Revolução coperniciana de Kant A nossa faculdade de conhecer regula-se pelos objectos Os objectos regulam-se pela nossa faculdade de conhecer

11 Antes de Kant Necessário Analítico A priori

12 A proposta de Kant Nem todos os juízos sintéticos são a posteriori Alguns juízos sintéticos são a priori Assim, as verdades científicas fundamentais podem ser sintéticas, mas necessárias porque Kant pensava que tudo o que era a priori era necessário

13 Consequência: idealismo O mundo dos fenómenos é uma projecção da faculdade humana de conhecer, e não uma realidade independente de nós

14 Necessário a posteriori em vez de sintético a priori A ALTERNATIVA KRIPKIANA A KANT

15 Distinções conceptuais Necessário / contingente Categorias metafísicas sobre o modo da verdade A priori / a posteriori Categorias epistémicas sobre o modo de conhecer a verdade Analítico / sintético Categorias semânticas sobre o modo como os significados estão concatenados

16 Primeiro passo Mesmo que todas as verdades necessárias sejam analíticas e conhecíveis a priori; Mesmo que todas as verdades contingentes sejam sintéticas e conhecíveis apenas a posteriori; Os conceitos são distintos

17 Segundo passo Teorema da lógica modal a = b (a = b) Se António Gedeão é Rómulo de Carvalho, então António Gedeão é necessariamente Rómulo de Carvalho

18 Terceiro passo Só podemos saber a posteriori que António Gedeão é Rómulo de Carvalho

19 Eis o necessário a posteriori 1. Se AG é RC, então AG é necessariamente RC. 2. AG é RC. Logo, AG é necessariamente RC.

20 Do trivial para o substancial 1. Se a água é H 2 O, a água é necessariamente H 2 O. 2. A água é H 2 O. Logo, a água é necessariamente H 2 O.

21 Comparação Trivial Se a = b, necessariamente a = b Trata-se de uma verdade lógica Substancial Se Fa, então necessariamente Fa. Trata-se de uma hipótese metafísica

22 Defesa da hipótese A hipótese metafísica orienta o trabalho científico Procuramos a composição química da água porque pensamos que isso é de algum modo fundamental, e não uma mera contingência

23 Kripke ou Kant? Necessário a posteriori Compatível com a ideia pré-teórica de que a realidade é independente do nosso conhecimento dela Há motivação independente para pensar que há verdades necessárias a posteriori Sintético a priori Conduz à ideia contraintuitiva de que a ciência não é sobre a realidade última, mas antes sobre a realidade tal como é para nós Não há motivação independente para pensar que há verdades sintéticas a priori

24 O argumento da negação e a inferência da possibilidade DOIS ERROS DE HUME

25 E os argumentos de Hume? Aceitemos Kant ou Kripke, é preciso explicar o que há de errado nos argumentos de Hume

26 O argumento da negação O contrário de toda a questão de facto é possível porque a sua negação não é uma contradição Motivação: quando negamos uma verdade lógica, obtemos uma contradição Por isso, dever-se-ia obter uma contradição sempre que se negasse qualquer verdade necessária

27 Refutação Só quando negamos verdades lógicas é que é de esperar obter uma contradição lógica Se uma verdade for necessária, mas não for logicamente necessária, não é de esperar que a sua negação seja uma contradição lógica

28 Exemplo Não é uma contradição lógica afirmar que António Gedeão não é Rómulo de Carvalho No entanto, António Gedeão é necessariamente Rómulo de Carvalho

29 A inferência da possibilidade É logicamente possível que p. Logo, é possível que p. O argumento é inválido. A possibilidade irrestrita não se segue da possibilidade lógica.

30 Circularidade Hume pressupõe que tudo o que é logicamente possível é possível Mas isso é o que ele quer demonstrar e por isso não pode pressupô-lo É trivial que as leis da física são logicamente contingentes O que queremos saber é se por isso são realmente contingentes

31 Possibilidades Possibilidade física Possibilidade metafísica Possibilidade lógica

32 Necessidades Necessidade lógica Necessidade metafísica Necessidade física

33 Conclusões Os argumentos originais de Hume não funcionam A solução de Kant implica uma forma de idealismo A solução de Kripke não implica qualquer forma de idealismo Sabemos hoje muito mais sobre o problema e as possibilidades de resposta do que sabiam Hume e Kant

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br 1 Immanuel Kant O jovem que completou a sua instrução escolar habituou- se a

Leia mais

O que é a Necessidade Metafísica?

O que é a Necessidade Metafísica? O que é a Necessidade Metafísica? Desidério Murcho King s College London desiderio.murcho@kcl.ac.uk Resumo: Podemos distinguir três grupos de verdades necessárias: as necessidades lógicas, físicas e metafísicas.

Leia mais

Possibilidade relativa

Possibilidade relativa Page 1 of 7 criticanarede.com ISSN 1749-8457 30 de Setembro de 2003 Metafísica e lógica filosófica Possibilidade relativa Três concepções Desidério Murcho Segundo a concepção de Bob Hale (1997) e Ian McFetridge

Leia mais

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE SUBUNIDADE 1: Introdução CONTEÚDOS OBJECTIVOS / COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS / RECURSOS T.L. AVALIAÇÃO Os objectivos

Leia mais

UMA DEFESA DO NECESSÁRIO A POSTERIORI

UMA DEFESA DO NECESSÁRIO A POSTERIORI Maria Bouça UMA DEFESA DO NECESSÁRIO A POSTERIORI Dissertação de Mestrado em Filosofia da Linguagem e da Consciência apresentada à Faculdade de Letras de Lisboa 1999 INTRODUÇÃO O tema desta dissertação

Leia mais

Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo

Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo Este texto é uma síntese da posição de Thomas Nagel da hipótese empírica da necessidade da identidade entre estados mentais e estado cerebrais. Se a aparência

Leia mais

A natureza da filosofia e o seu ensino

A natureza da filosofia e o seu ensino A natureza da filosofia e o seu ensino Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br Universidade Federal de Santa Catarina 12 de Dezembro de 2007 Idéias principais Compreender

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS

A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS O ESPÍRITO HUMANO PROCURA LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS AO MENOS POR DOIS MOTIVOS Porque lhe dão um certo tipo de compreensão do real Porque lhe oferecem esquemas

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ªEM TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Esta prova contém 05 questões

Leia mais

Metafísica Uma Introdução Contemporânea: O Necessário e o Possível

Metafísica Uma Introdução Contemporânea: O Necessário e o Possível Metafísica Uma Introdução Contemporânea: O Necessário e o Possível Michael J. Loux (U. Notre Dame) Continuação (3ª parte, envolvendo o cap. 5) do resumão de LOUX, M.J. (2002), Metaphysics A Contemporary

Leia mais

O argumento modal da consequência

O argumento modal da consequência O argumento modal da consequência Resumo Pedro Merlussi Universidade Federal de Santa Catarina Em An essay on free will, van Inwagen apresenta três argumentos formais a favor do incompatibilismo que são

Leia mais

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão.

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. Senso comum... aranha caranguejeira ou aranha-marrom? Epistemologia Moderna e Contemporânea EPISTEMOLOGIA investiga o conhecimento. limites. possibilidades.

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

Principais correntes e seus representantes

Principais correntes e seus representantes Teoria do Conhecimento A necessidade de procurar explicar o mundo dando-lhe um sentido e descobrindo-lhe as leis ocultas é tão antiga como o próprio Homem, que tem recorrido para isso quer ao auxílio da

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

A Matemática é Acerca de Quê? Michael Dummett

A Matemática é Acerca de Quê? Michael Dummett A Matemática é Acerca de Quê? Michael Dummett Das disciplinas intelectuais, as duas mais abstractas, filosofia e matemática, dão origem à mesma perplexidade: elas são acerca de quê? A perplexidade não

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 90 min Ano: 2013 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. A diferença entre ação e acontecimento

Leia mais

Lista de Exercícios 1: Soluções Fundamentos da Lógica Lógica Proposicional

Lista de Exercícios 1: Soluções Fundamentos da Lógica Lógica Proposicional UFMG/ICEx/DCC DCC111 Matemática Discreta Lista de Exercícios 1: Soluções Fundamentos da Lógica Lógica Proposicional Ciências Exatas & Engenharias 2 o Semestre de 2015 1. Construa a tabela da verdade para

Leia mais

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA O desenvolvimento das sociedades tem sido também materializado por um progresso acentuado no plano científico e nos diversos domínios

Leia mais

Ló gica. Para Concursos Públicos. Professor Luiz Guilherme

Ló gica. Para Concursos Públicos. Professor Luiz Guilherme Ló gica Para Concursos Públicos Professor Luiz Guilherme 2014 1 Lógica Para Concursos Públicos Proposição... 2 Valor Lógico das Proposições... 2 Axiomas da Lógica... 2 Tabela Verdade:... 3 Conectivos:...

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas

Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas Professor: Arthur Lima AULA 05: RESUMO Caro aluno, Para finalizar nosso curso, preparei um resumo de toda a teoria vista nas

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

Lógica Computacional. Argumentos válidos e sólidos. Métodos de Demonstração. Demonstrações formais. Regras de Inferência Igualdade

Lógica Computacional. Argumentos válidos e sólidos. Métodos de Demonstração. Demonstrações formais. Regras de Inferência Igualdade Lógica Computacional Argumentos válidos e sólidos Métodos de Demonstração Demonstrações formais Regras de Inferência Igualdade Não-consequências lógicas 6 Março 2013 Lógica Computacional 1 Argumentos Exemplo:

Leia mais

Representação do Conhecimento

Representação do Conhecimento UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Representação do Conhecimento Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Repescagem Segundo teste 0 de Julho de 004, 9:00H 0:0H Nome:

Leia mais

Exercícios de Lógica para Programação

Exercícios de Lógica para Programação Exercícios de Lógica para Programação Ana Cardoso-Cachopo Maio de 2014 CONTEÚDO 1 Conteúdo 1 Argumentos e Validade 5 2 Lógica Proposicional Sistema de Dedução Natural 17 3 Lógica Proposicional Tabelas

Leia mais

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Conceitos-chaves: Paradoxo sorites, Vagueza, Casos-fronteira, Teoria Epistêmica. 1. Introdução

Leia mais

O QUE FAZ OS RICOS RICOS

O QUE FAZ OS RICOS RICOS MARCELO MEDEIROS O QUE FAZ OS RICOS RICOS O OUTRO LADO DA DESIGUALDADE BRASILEIRA PRÉMIO DE MELHOR TESE DE DOUTORADO NO "CONCURSO CNPQ-ANPOCS DE OBRAS CIENTÍFICAS E TESES UNIVERSITÁRIAS EM CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 120 min Ano: 2014 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. Uma não ação é algo que A. Nos acontece.

Leia mais

A TEORIA DA CORRESPONDÊNCIA COMO MEIO DE SE CHEGAR À VERDADE (2012) 1

A TEORIA DA CORRESPONDÊNCIA COMO MEIO DE SE CHEGAR À VERDADE (2012) 1 A TEORIA DA CORRESPONDÊNCIA COMO MEIO DE SE CHEGAR À VERDADE (2012) 1 SIQUEIRA, Grégori Lopes 2 ; SILVA, Mitieli Seixas da 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA. 2 Acadêmico do Curso de Filosofia do Centro

Leia mais

SEMÂNTICA UMA ENTREVISTA COM JERRY FODOR

SEMÂNTICA UMA ENTREVISTA COM JERRY FODOR FODOR, Jerry. Semântica: uma entrevista com Jerry Fodor. ReVEL. Vol. 5, n. 8, 2007. Tradução de Gabriel de Ávila Othero e Gustavo Brauner. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. SEMÂNTICA UMA ENTREVISTA COM

Leia mais

Como se estuda filosofia?

Como se estuda filosofia? Como se estuda filosofia? Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Filosofia 1. Introdução Estas breves notas visam ajudar os estudantes a estudar melhor. Muitas das indicações

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

THE WEB OF BELIEF: UMA PERSPECTIVA DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 1. João Cachopo e Ana Cardoso

THE WEB OF BELIEF: UMA PERSPECTIVA DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 1. João Cachopo e Ana Cardoso THE WEB OF BELIEF: UMA PERSPECTIVA DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 1 João Cachopo e Ana Cardoso I would never die for my beliefs because I might be wrong. Bertrand Russell 1. Introdução Algumas das características

Leia mais

Breve Histórico do Raciocínio Lógico

Breve Histórico do Raciocínio Lógico Breve Histórico do Raciocínio Lógico Enquanto muitas culturas tenham usado complicados sistemas de raciocínio, somente na China, Índia e Grécia os métodos de raciocínio tiveram um desenvolvimento sustentável.

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Assinalar a alternativa correta: A) Com seu giro linguístico hermenêutico, Gadamer mostra que o processo hermenêutico é unitário,

Leia mais

O que Waismann poderia ter dito a Wittgenstein mas... (Parte 1)

O que Waismann poderia ter dito a Wittgenstein mas... (Parte 1) O que Waismann poderia ter dito a Wittgenstein mas... (Parte 1) Luiz Carlos Pereira PUC-Rio/UERJ Durante o período 1930 1931, Wittgenstein manteve várias conversas com Waismann e Schlick sobre a consistência

Leia mais

Aos Leitores. Os autores

Aos Leitores. Os autores Aos Leitores Com o presente volume de Razões em Jogo, conclui-se uma proposta de leitura do Programa de Introdução à Filosofia da actual Reforma Educativa. Esta interpretação volta a assumir claramente

Leia mais

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Teoria do conhecimento - David Hume e os limites do conhecimento Objetivos Compreender as principais escolas da teoria do conhecimento da modernidade. Discutir a

Leia mais

Estruturas Discretas INF 1631

Estruturas Discretas INF 1631 Estruturas Discretas INF 1631 Thibaut Vidal Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Rua Marquês de São Vicente, 225 - Gávea, Rio de Janeiro - RJ, 22451-900, Brazil

Leia mais

Mimese, imitação, cópia

Mimese, imitação, cópia Mimese, imitação, cópia Halliwell 2002 argumenta que por μίμησις nem Platão nem Aristóteles querem dizer simplesmente cópia ou imitação Imitatio é a tradução latina de μίμησις Nelson Goodman (1906-1998)

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat

Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat Introdução à Lógica Matemática Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat 1 Introdução O que é a Lógica? O que signi ca estudar Lógica? Qual a sua de nição? Ao iniciar

Leia mais

INSTRUÇÕES. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO VESTIBULAR DE INVERNO 2012 3 a etapa: QUÍMICA, MATEMÁTICA E FÍSICA

INSTRUÇÕES. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO VESTIBULAR DE INVERNO 2012 3 a etapa: QUÍMICA, MATEMÁTICA E FÍSICA 3 a etapa: Química, Matemática e Física Química 16 a 30 Matemática 31 a 45 Física 3 a etapa: QUÍMICA, MATEMÁTICA E FÍSICA 31 23 03 30 15 31 11 22 27 29 06 15 21 31 10 23 05 27 31 06 13 06 21 31 15 03 26

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA GABARITO 2ª Chamada Bim. DISCIPLINA: Fil. / Ing. / Esp. COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do

Leia mais

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis.

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis. David Ricardo David Ricardo nasceu em Londres, em 18 ou 19 de abril de 1772. Terceiro filho de um judeu holandês que fez fortuna na bolsa de valores, entrou aos 14 anos para o negócio do pai, para o qual

Leia mais

Por que Estudar Lógica?

Por que Estudar Lógica? 1 Por que Estudar Lógica? John W. Robbins A Trinity Foundation acabou de publicar 1 o livro-texto do Dr. Gordon Clark sobre lógica, designado para o uso de escolas secundárias, faculdades e seminários

Leia mais

DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO

DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO Ethel Menezes Rocha UFRJ/CNPq 1 Na Sexta Meditação, Descartes conclui seu argumento iniciado na Segunda Meditação em favor da distinção real

Leia mais

Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia

Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia Danilo Citro 1 Resumo: Com a Crítica da Faculdade do Juízo, Kant tem a intenção de estabelecer de algum modo uma ligação entre as duas

Leia mais

EXERCÍCIOS DE LÓGICA DE 1ª ORDEM

EXERCÍCIOS DE LÓGICA DE 1ª ORDEM QUANTIFICADORES EXERCÍCIOS DE LÓGICA DE 1ª ORDEM 1 {9.3} Tornar as frases verdadeiras. Abra Bozo s Sentences e Leibniz s World. Algumas das expressões não são wffs, algumas são wffs mas não são frases

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV O trabalho da Avaliação de Investimentos limita-se quase sempre a uma análise

Leia mais

O MODO ANALÍTICO DE FAZER FILOSOFIA O 'SINN' DE FREGE

O MODO ANALÍTICO DE FAZER FILOSOFIA O 'SINN' DE FREGE O MODO ANALÍTICO DE FAZER FILOSOFIA O 'SINN' DE FREGE Adriana Silva Graça Universidade de Lisboa Introdução O objectivo deste ensaio é o de elucidar o conceito muito difundido, mas nem sempre correctamente

Leia mais

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa MARIA LÚCIA AMARAL * Introdução 1. Agradeço muito o convite que me foi feito para participar neste colóquio luso-italiano de direito

Leia mais

Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia

Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia Lucas Nascimento Machado RESUMO Em nosso artigo, discutiremos a relação entre ceticismo e filosofia tal como ela se daria na conexão entre Hume,

Leia mais

A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO

A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO Nuno Ornelas Martins 2009 Covilhã, 2011 FICHA TÉCNICA Título: A Ética Kantiana e o Espírito do Cristianismo Autor: Nuno Ornelas Martins Colecção: Artigos LUSOSOFIA

Leia mais

Universidade Federal do ABC. BC 0004 Bases Epistemológicas da Ciência Moderna. Prof. Valter A. Bezerra. Prelúdio aos sistemas conceituais da ciência

Universidade Federal do ABC. BC 0004 Bases Epistemológicas da Ciência Moderna. Prof. Valter A. Bezerra. Prelúdio aos sistemas conceituais da ciência Universidade Federal do ABC BC 0004 Bases Epistemológicas da Ciência Moderna Prof. Valter A. Bezerra Prelúdio aos sistemas conceituais da ciência Proposições 54.42 e 54.43 do Vol. I do Principia Mathematica

Leia mais

Características do conhecimento científico

Características do conhecimento científico Características Racional Objetivo Factual Transcende os fatos Analítico Claro e preciso Comunicável Verificável Depende de investigação metódica Sistemático Acumulativo Falível Geral Explicativo Preditivo

Leia mais

O Introspeccionismo ainda não Considerado: O Caso de Edward Titchener

O Introspeccionismo ainda não Considerado: O Caso de Edward Titchener DOI: 10.5327/Z1982-1247201400010012 Resenha O Introspeccionismo ainda não Considerado: O Caso de Edward Titchener The Philosophical Background and Scientific Legacy of E. B. Titchener s Psychology: Understanding

Leia mais

Desenvolvimento moral da criança: semelhanças e distinções entre o pensamento de Kant e Piaget. Pôster

Desenvolvimento moral da criança: semelhanças e distinções entre o pensamento de Kant e Piaget. Pôster Desenvolvimento moral da criança: semelhanças e distinções entre o pensamento de Kant e Piaget Camila Costa Soufen Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: camilasoufen@gmail.com Cleiton José Senem

Leia mais

A DICOTOMIA FATO-VALOR E SEU COLAPSO: UM ESTUDO A PARTIR DE HILARY PUTNAM

A DICOTOMIA FATO-VALOR E SEU COLAPSO: UM ESTUDO A PARTIR DE HILARY PUTNAM A DICOTOMIA FATO-VALOR E SEU COLAPSO: UM ESTUDO A PARTIR DE HILARY PUTNAM Carlos Roberto Bueno Ferreira 1 Resumo: O presente artigo busca analisar a dicotomia entre fato e valor. A separação do que é meramente

Leia mais

Kripke sobre a possibilidade epistêmica e metafísica: As duas rotas para o necessário a posteriori 1

Kripke sobre a possibilidade epistêmica e metafísica: As duas rotas para o necessário a posteriori 1 160 Kripke sobre a possibilidade epistêmica e metafísica Kripke sobre a possibilidade epistêmica e metafísica: As duas rotas para o necessário a posteriori 1 SCOTT SOAMES (University of Southern California).

Leia mais

A linguagem matemática

A linguagem matemática A linguagem matemática Ricardo Bianconi 1 o Semestre de 2002 1 Introdução O objetivo deste texto é tentar explicar a linguagem matemática e o raciocínio lógico por trás dos textos matemáticos. Isto não

Leia mais

Lógica Binária. Princípios

Lógica Binária. Princípios Lógica Binária Lógica Binária Proposição é toda a expressão da qual faz sentido dizer que é verdadeira ou falsa. Cada proposição tem um e um só valor lógico, Verdadeiro (1) ou Falso (0). Princípios Princípio

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

Métodos de Investigação em Sistemas de Informação

Métodos de Investigação em Sistemas de Informação Métodos de Investigação em Sistemas de Informação Henrique O Neill Programa Doutoral em CTI ISCTE, 26 Novembro 2009 Henrique O'Neill 1/18 INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA O que é? Henrique O'Neill 2/18 1 Investigar

Leia mais

Metodologia e Redação Científica

Metodologia e Redação Científica Metodologia e Redação Científica INTRODUÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA 1.1. Bases e conceitos APRESENTAÇÃO AULAS GRADUAÇÃO PRATICANDO MATERIAL AUXILIAR Objetivo da Aula Introduzir os conceitos gerais da metodologia

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2015-2016 o 1ºSemestre Pensa que tem livre-arbítrio? Não sei, realmente não sei. E a razão pela qual não sei é que eu não sei o que significa

Leia mais

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agropecuária Prova do Processo Seletivo para o Mestrado

Leia mais

José Luiz de Morais. RACiOCÍNIO LÓGICO

José Luiz de Morais. RACiOCÍNIO LÓGICO RACIOCÍNIO LÓGICO José Luiz de Morais RACiOCÍNIO LÓGICO RACIOCÍNIO LÓGICO Prof José Luiz de Morais PROPOSIÇÕES Proposições Simples Proposições Simples Proposição simples átomo ou partícula atômica É a

Leia mais

Construção de tabelas verdades

Construção de tabelas verdades Construção de tabelas verdades Compreender a Lógica como instrumento da ciência e como estrutura formal do pensamento, conhecendo e compreendendo as operações com os principais conceitos proposicionais

Leia mais

PROVA TRIMESTRAL- 1ª Série EM

PROVA TRIMESTRAL- 1ª Série EM PROVA TRIMESTRAL- 1ª Série EM 17/08 Química B Aulas 16 a 18: Ligação covalente; aulas 23 e 24: Geometria Molecular; aulas 25 e 26: Polaridade molecular. 18/08 Literatura Livro: "Viagens na minha terra",

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Grice, o que é dito e o que é comunicado

Grice, o que é dito e o que é comunicado Grice, o que é dito e o que é comunicado Referências: Grice, Paul, Logic and conversation, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 22-40. Grice, Paul, Meaning,

Leia mais

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL Naillê de Moraes Garcia * RESUMO: Este artigo pretende fazer uma análise da crítica de Schopenhauer a fundamentação da moral kantiana.

Leia mais

Sumário. Prefácio, xix. INTRODUÇÃO, 1 1 Filosofia e o simbolismo da sabedoria, 1 2 Filosofia: entre reflexão e ação, 4

Sumário. Prefácio, xix. INTRODUÇÃO, 1 1 Filosofia e o simbolismo da sabedoria, 1 2 Filosofia: entre reflexão e ação, 4 Sumário Prefácio, xix INTRODUÇÃO, 1 1 Filosofia e o simbolismo da sabedoria, 1 2 Filosofia: entre reflexão e ação, 4 3 A urgência do pensar: a inserção contextual da filosofia na sociedade contemporânea,

Leia mais

Representação de Conhecimento. Lógica Proposicional

Representação de Conhecimento. Lógica Proposicional Representação de Conhecimento Lógica Proposicional Representação de conhecimento O que éconhecimento? O que érepresentar? Representação mental de bola Representação mental de solidariedade Símbolo como

Leia mais

II. DEFINIÇÕES INICIAIS 1

II. DEFINIÇÕES INICIAIS 1 -1- ELPO: Definições Iniciais [MSL] II. DEFINIÇÕES INICIAIS 1 No que se segue, U é um conjunto qualquer e X, Y,... são os subconjuntos de U. Ex.: U é um quadrado e X, Y e Z são três círculos congruentes

Leia mais

Boletim sobre o processo político em Moçambique

Boletim sobre o processo político em Moçambique Boletim sobre o processo político em Moçambique Boletim Eleitoral 2008 Número 23 18 de Janeiro de 2009 -------------------------------------------------------- Publicado com frequência durante o período

Leia mais

Problemas da filosofia da ciência. David Papineau. King's College London

Problemas da filosofia da ciência. David Papineau. King's College London Problemas da filosofia da ciência David Papineau King's College London A filosofia da ciência pode ser dividida em duas grandes áreas: a epistemologia da ciência e a metafísica da ciência. A epistemologia

Leia mais

Lógica para Computação Prof. Celso Antônio Alves Kaestner, D.E.E. celsokaestner (at) utfpr (dot) edu (dot) br Introdução Lógica para Computação (IF61B) Três citações extraídas de Logique: Méthodes pour

Leia mais

A LÓGICA DO RACIOCÍNIO MATEMÁTICO. GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior

A LÓGICA DO RACIOCÍNIO MATEMÁTICO. GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior A LÓGICA DO RACIOCÍNIO MATEMÁTICO GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior Aline Brum Ottes, UFSM, alinebrumottes@hotmail.com Ricardo Fajardo, UFSM, rfaj@ufsm.br Samuel Sonego Zimmermann,

Leia mais

O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular

O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular Universidade Clássica de Lisboa Faculdade de Letras Departamento Filosofia Mestrado SEMINÁRIO DE ORIENTAÇÃO I Ano lectivo 2004-2005 O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular

Leia mais

A Primeira Certeza Cartesiana Georges Dicker A assunção mais básica do Cogito é aquela que pode ser descrita pela teoria da substância.

A Primeira Certeza Cartesiana Georges Dicker A assunção mais básica do Cogito é aquela que pode ser descrita pela teoria da substância. A Primeira Certeza Cartesiana Georges Dicker A assunção mais básica do Cogito é aquela que pode ser descrita pela teoria da substância. Ela é uma resposta à questão filosófica o que é uma coisa? A fim

Leia mais

Raciocínio Lógico - Parte IV

Raciocínio Lógico - Parte IV Apostila escrita pelo professor José Gonçalo dos Santos Contato: jose.goncalo.santos@gmail.com Raciocínio Lógico - Parte IV Sumário 1. Argumentação... 1 2. Regras de Inferência... 2 3. Regras de inferência...

Leia mais

Aula 10 Testes de hipóteses

Aula 10 Testes de hipóteses Aula 10 Testes de hipóteses Na teoria de estimação, vimos que é possível, por meio de estatísticas amostrais adequadas, estimar parâmetros de uma população, dentro de certo intervalo de confiança. Nos

Leia mais

Identidade e Semelhança Por João Branquinho

Identidade e Semelhança Por João Branquinho Identidade e Semelhança Por João Branquinho 0. Introdução 1. Os diversos sentidos da cópula 2. Identidade numérica e identidade qualitativa 0. Introdução Nesta seccão inicial do Programa vamos tratar do

Leia mais

Capítulo 1 - Conectivos lógicos e quantificadores

Capítulo 1 - Conectivos lógicos e quantificadores Capítulo 1 - Conectivos lógicos e quantificadores A linguagem matemática usual combina o português com outros símbolos que têm um significado específico em Matemática. Neste capítulo 1 recordar-se-á, de

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE?

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? É importante deixar claro que este texto tratará do problema da verdade a partir de uma abordagem filosófica, mais especificamente esta problemática será

Leia mais

Lógica Formal e Booleana. Cálculo Proposicional

Lógica Formal e Booleana. Cálculo Proposicional Lógica Formal e Booleana Cálculo Proposicional lara.popov@ifsc.edu.br Charada: uma introdução ao uso de símbolos Um homem estava olhando uma foto, e alguém lhe perguntou: - De quem é esta foto? Ao que

Leia mais