PARECER - ARBITRAGEM E LITISCONSÓRCIO NECESSÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARECER - ARBITRAGEM E LITISCONSÓRCIO NECESSÁRIO"

Transcrição

1 PARECER - ARBITRAGEM E LITISCONSÓRCIO NECESSÁRIO Ada Pellegrini Grinover A CONSULTA Honra-me "X", encaminhando consulta, acompanhada de documentos com pedido de parecer, em nome de "A", relativamente a processo arbitral contra ela instaurado perante a Câmara de arbitragem "N" pela empresa "B". Diz "X" que o sistema "Y" constitui propriedade intelectual da empresa denominada "Z", empresa estrangeira que, em determinados territórios, licencia "máster franqueados" que, por seu turno, licenciam "franqueados". No Brasil, a mencionada "Z" licenciou a empresa "A" como máster franqueada. Essa, por sua vez, assinou contratos de franquia com a empresa "B". Posteriormente, prossegue "X", a "A" cedeu sua posição de máster franqueada à empresa "C". Dessa forma, "A" e "C" assinaram um "contrato de compra e venda" e a "C" firmou novo contrato de máster franquia com a "Z", tendo a "C" assumido as relações com os franqueados e passado a receber os pagamentos de royalties. Diz "X" que, passado aproximadamente um ano da supra referida cessão, a empresa "C" apresentou-se insolvente e acéfala. Foi então que a empresa "B" fez instaurar o processo arbitral, alegando, em síntese, ter a "A" descumprido várias de suas obrigações de franqueadora, não obstante o pagamento dos "royalties", e pleiteando a "revisão" dos contratos firmados com a "A" para que fosse "reformulada a equação econômica contratual", ficando também "assegurada a continuidade do negócio". Mais ainda, "alternativa e subsidiariamente" sic, a "B" postulou a "rescisão dos contratos de franquia firmados com a "A" " e a "condenação solidária da "A" " e da "C" "na obrigação de indenizá-la por todo o investimento feito na compra das franquias e no ressarcimento de todos os prejuízos derivados do inadimplemento das cláusulas e condições contratuais". Também pleiteou a requerente do processo arbitral a condenação da "A" a prestar contas relativamente aos valores arrecadados junto à rede franqueada e à 1

2 utilização dessa verba. Esclarece "X" que o processo arbitral foi requerido em confronto de "A" e "C", tendo apenas posteriormente a "B" requerido a "extensão do procedimento arbitral" em relação à "Z". A propósito, lembra "X", consta nos autos declaração assinada pela secretaria do Centro de Arbitragem, no sentido de que a cláusula compromissória só vincularia as partes que a firmaram, isto é, a "B" e a "A" (excluídas daí, nesse momento, as empresas "C" e "Z"). Além disso, a "B" ingressou perante o Poder Judiciário com ação cautelar inominada em face das empresas "A", "C" e "Z", obtendo constrição sobre bens de titularidade de "Z". No âmbito da arbitragem, informa a "X" que, em fase preliminar conciliatória, se obteve a celebração de um contrato gratuito por um ano, prorrogado por mais dois, além de um programa cooperado para recuperação da imagem. Contudo, divergência entre a "B" e a "Z" a propósito dos valores de subsídios levou à continuidade do processo arbitral. Feita a indicação dos árbitros, formalizado o compromisso e ofertadas pelas partes ("B" e "A") diferentes manifestações, sobreveio a sentença arbitral. Esta, em síntese, (i) reconheceu que a pretensão da "B" de rever os contratos, de alterar sua equação econômica e de assegurar sua continuidade não deveria ser acolhida, pois restara demonstrado haver "da parte da requerente renúncia à faculdade ofertada a todos os franqueados pela titular dos direitos de franquia ("Z") de novo Contrato de Franquia, com condições especiais de custo pelo prazo de um ano"; (ii) declarou "rescindidos os contratos de franquia como decorrência do ato ilícito praticado pela Requerida com o transpasse do estabelecimento de máster franqueadora", em violação ao contrato e à lei; (iii) condenou solidariamente as empresa "A", "C" e "Z" ao pagamento de indenização por "todos os prejuízos decorrentes", conforme quantificação ali procedida; (iv) condenou a "A" a prestar contas, em relação à requerente, em que fiquem identificados a origem e o destino dos recursos, acompanhados dos documentos que identifiquem os depositantes e os destinatários dos recursos", no prazo de trinta (30) dias, sob pena de multa diária de R$ 1.000,00 (um mil reais). 2

3 seguem. Assim sumariamente relatada a questão, a "X" formula os quesitos que QUESITOS 1 - A condenação solidária das empresas "A", "C" e "Z" poderia ser imposta sem que as duas últimas tivessem participado do processo arbitral? 2 - A sentença arbitral proferida preservou as garantias constitucionais do devido processo legal e do contraditório? 3 - Considerando que a medida cautelar ajuizada pela "B" de perante o Poder Judiciário foi dirigida às três empresas mencionadas no quesito anterior, inclusive com constrição de patrimônio, tal circunstância impõe a presença de todas elas no processo (principal) de arbitragem, em situação de litisconsórcio passivo necessário? 4 - Considerando a natureza das relações jurídicas mantidas entre as empresas mencionadas no quesito anterior, é possível afirmar a ocorrência de litisconsórcio passivo necessário unitário? 5 - Havendo litisconsórcio necessário (quer pela lei, quer pela natureza da relação jurídica), se um dos litisconsortes não está sujeito à arbitragem, é viável a solução da controvérsia pela arbitragem? 6 - É viável pleitear a nulidade da sentença arbitral perante o Poder Judiciário? Bem examinada a questão, inclusive pelos documentos que a instruem, passo a proferir meu parecer, que se cingirá, tanto quanto as indagações formuladas, às questões processuais postas nos autos. 3

4 PARECER I - ARBITRAGEM E GARANTIAS CONSTITUCIONAIS NO SISTEMA JURíDICO BRASILEIRO 1 A garantia do devido processo legal ( due process of law) na Constituição Federal brasileira: acesso à Justiça, ao contraditório e à ampla defesa. O processo civil moderno - quer seja instrumento de atuação da jurisdição estatal, quer seja meio de atuação da arbitragem - é banhado pela cláusula do devido processo legal, assegurada expressamente no ordenamento jurídico brasileiro pela Constituição da República (art. 5º, inciso LIV). Tal disposição, conforme já tive oportunidade de afirmar, deve ser vista e entendida não apenas sob o enfoque individualista da tutela de direitos subjetivos das partes, mas sobretudo como conjunto de garantias objetivas do próprio processo, como fator que legitima o exercício da jurisdição 1, quer estatal, quer arbitral. Assim é que "a expressão 'devido processo legal', oriunda da Magna Carta de 1215, indica o conjunto de garantias processuais a serem asseguradas à parte, para a tutela de situações que acabam legitimando o próprio processo". Do ponto de vista do autor, que pede, e do réu, que se defende, o 'devido processo legal' tutela a posição dos litigantes perante os órgãos jurisdicionais. Mas do ponto de vista do Estado, obrigado à prestação jurisdicional e sujeito passivo do direito de ação, esse mesmo conjunto de garantias vai legitimar toda a atividade jurisdicional. E mais: "Se de um lado o processo não será um verdadeiro processo enquanto não proteger as partes, no sentido de lhes dar a oportunidade de sustentarem suas razões, de produzirem sua defesa, de apresentarem suas provas, de influírem sobre a formação do convencimento do juiz, de outro lado a resposta jurisdicional, por sua vez, não será legítima, nem será resposta jurisdicional, enquanto não representar o coroamento de um processo que obedeça a essas garantias. Quer quando se considere o processo sob o ponto de vista da ação, movida pelo autor, e da defesa, oposta pelo réu; quer quando se o considere do ponto de vista do 1 Cf. CINTRA; GRINOVER; DINAMARCO. Teoria geral do processo. São Paulo: Malheiros, p. 82 e ss. 4

5 Estado, como jurisdição (atividade e exercício de função), o devido processo legal tutela, de um lado, o direito público subjetivo do autor e do réu, e, de outro lado, a própria jurisdição, legitimando-a." 2 (grifei) De forma análoga, Cândido Rangel Dinamarco ensinou que se impõe "ao juiz a observância da liberdade de conduta dos litigantes no processo e a efetiva disponibilidade dos meios processuais instituídos no sistema, tudo em aplicação da garantia constitucional do due process of law" 3, do qual decorre a exigência de que "a cada um dos sujeitos processuais sejam oferecidas oportunidades previamente conhecidas para a realização de atos do processo. O traçado do procedimento, como conjunto de atos ordenado, é por isso um dos aspectos do devido processo legal em sua projeção sobre o sistema do processo civil" 4 (grifei). Nesse contexto, tem relevo a garantia do acesso à Justiça. Na doutrina italiana mais recente, Comoglio-Ferri-Taruffo bem realçaram o alcance da garantia constitucional de acesso ao Judiciário inscrita no art. 24 da Constituição italiana, abrangente não apenas do poder do autor de aforar uma demanda (introduttiva), mas (i) do poder, derivado do outro, do demandante expor suas razões, isto é, " il potere di compiere nel processo tutte quelle attività (di allegazione, di deduzione, di argomentazione e di prova), le quale siano necessarie (o comunque utili) ao concreto ottenimento della richiesta tutela", e (ii) do direito de obter do órgão judicante "un provvedimento tecnicamente idoneo ad assicurare una tutela adeguata e effetiva alla situazione sostanziale azionata" 5. Segundo referidos autores, que bem refletem a mais moderna e correta concepção do direito de acesso à Justiça, a garantia de acesso inclui a inadmissibilidade, no plano técnico, de quaisquer "limites processuais internos" que, "attraverso forme condizionate di acesso alla giurisdizione, o com l'imposizione di termini incongrui e di oneri patrimoniali irragionevoli" tornem excessivamente 2 Cf. GRINOVER, Ada Pellegrini. O processo em sua unidade. Rio de Janeiro: Forense, v. II, p. 60/61. 3 Cf. DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de direito processual civil. 2. ed. São Paulo: Malheiros, v. I, p Cf. DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de direito processual civil. 2. ed. São Paulo: Malheiros, v. I, p Cf. COMOGLIO; FERRI; TARUFFO. Lezioni sul processo civile. Bologna: Il Mulino, p

6 difícil, se não impossível, " il concreto esercizio dei poteri di azione". Assim também a garantia afasta, em termos absolutos, "limites extraprocessuais" "in forza dei quali l'azione e le possibilità di tutela siano negativamente condizionate dal perseguimento di fini del tutto estranei al processo" e representa " l'inammissibilità relativa di quei limiti sostanziali esterni, che, subordinando al rispetto di incongruiu termini di decadenza l'instaurazione del giudizio, vengano a pregiudicare ab initio l'esercizio dell'azione, cosi da istituzionalizzare is rischio di un esito precostituito del processo" 6 (grifei). Na doutrina brasileira, de forma análoga, Cândido Rangel Dinamarco observou que o acesso à Justiça "não equivale a mero ingresso em juízo. A própria garantia constitucional da ação seria algo inoperante e muito pobre se se resumisse a assegurar que as pretensões das pessoas cheguem ao processo, sem garantir-lhes também um tratamento adequado. É preciso que as pretensões apresentadas aos juízes cheguem efetivamente ao julgamento de fundo, sem a exacerbação de fatores capazes de truncar o prosseguimento do processo." 7 (grifei) Nesse mesmo contexto, José Roberto Bedaque observou que "o direito de ação e o direito de defesa constituem aspectos inerentes à garantia de acesso à justiça, o que significa que todos têm direito à via constitucional de solução de litígios, livre de qualquer óbice que possa comprometer a eficácia do resultado pretendido por aqueles cujos interesses estejam amparados no plano constitucional". Assim, prossegue: "Assegurar o direito de ação no plano constitucional é garantir o acesso ao devido processo legal, ou seja, ao instrumento tal como concebido pela própria Constituição Federal. Entre os princípios inerentes ao processo, destacam-se o contraditório e a ampla defesa. Expressões diferentes para identificar o mesmo fenômeno: a necessidade de o sistema processual infraconstitucional assegurar às 6 Cf. COMOGLIO; FERRI; TARUFFO. Lezioni sul processo civile. Bologna: Il Mulino, p Cf. DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de direito processual civil. 2. ed. São Paulo: Malheiros, v. I, p. 114/115. 6

7 partes a possibilidade da mais ampla participação na formação do convencimento do juiz." 8 (grifei) Como já afirmei em sede doutrinária, "é inquestionável que é do contraditório que brota a própria defesa. Desdobrando-se o contraditório em dois momentos - a informação e a possibilidade de reação - não há como negar que o conhecimento, ínsito no contraditório, é pressuposto para o exercício da defesa" 9. Ainda anotei ser "clássico, entre nós, o conceito de Joaquim Canuto Mendes de Almeida, no sentido de constituir o contraditório expressão da ciência bilateral dos atos e termos do processo, com a possibilidade de contrariá-los", lembrando que, na Itália, La China também viu no contraditório, de um lado, "a necessária informação às partes e, de outro, a possível reação aos atos desfavoráveis. Informação necessária, reação possível" 10 (grifei). Segundo Nelson Nery Júnior, "o princípio do contraditório, além de fundamentalmente constituir-se em manifestação do princípio do Estado de Direito, tem íntima ligação com o da igualdade das partes e o do direito de ação, pois o texto constitucional, ao garantir aos litigantes o contraditório e a ampla defesa, quer significar que tanto o direito de ação, quanto o direito de defesa são manifestação do princípio do contraditório." 11 Assim, "por contraditório deve entender-se, de um lado, a necessidade de dar-se conhecimento da existência da ação e de todos os atos do processo às partes, e, de outro, a possibilidade de as partes reagirem aos atos que lhes sejam desfavoráveis" 12 (grifei). Consoante também observaram Rogério Lauria Tucci e José Rogério Cruz e Tucci, "ninguém pode ser privado da liberdade ou de seus bens, sem que se lhe propicie a produção de ampla defesa (nemo inauditus damnari potest), e, por via de consequência, esta só poderá efetivar-se em sua plenitude com o estabelecimento da participação ativa e contraditória dos sujeitos parciais em todos os atos e termos 8 Cf. BEDAQUE, José Roberto dos Santos. Garantia da amplitude de produção probatória. In: CRUZ E TUCCI, José Rogério. Garantias constitucionais do processo civil. São Paulo: RT, p. 169/ Cf. Novas tendências do direito processual. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p Cf. op. e loc. cit. 11 Cf. Princípios do processo civil na constituição federal. 3. ed. São Paulo: RT, p Cf. ob. cit., p

8 do processo" 13 (grifei). Nas palavras de José Carlos Barbosa Moreira, impõe-se que o contraditório se opere "não apenas formalmente, mas substancialmente", isto é, que sejam levadas em conta as possibilidades que cada parte terá, in concreto, de exercer os direitos inerentes ao contraditório, e que ao juiz se impõe assegurar, na realização dos atos instrutórios, as condições mais favoráveis, em princípio, à participação eficaz dos litigantes 14 (grifei). Como desdobramento das garantias acima examinadas, decorre a regra conhecida do direito processual segundo a qual a sentença produzida entre as partes, justa ou injusta, não deve atingir terceiros. Como narra Moacyr Amaral Santos, desde o Direito romano, estabelecida a litiscontestatio, estavam a ela obrigadas somente as partes, sabido que a decisão ali proferida não poderia atingir nem prejudicar terceiros: Cum res inter alios iudicata nullum aliis praeiudicium facient - a coisa julgada não produz nenhum prejuízo a terceiros (Ulpiano D ); res inter alios iudicata aliis non paeiudicare - a coisa julgada não prejudica terceiros (Mader D ); no oportet ex sententia sive iusta sive iniusta, pro alio habita alium pregravari - a sentença produzida entre as partes, seja justa ou injusta, não deve atingir terceiros (Paulo D ) 15. As Ordenações conservaram expressamente o princípio - "a sentença não aproveita nem empece mais que às pessoas entre que é dada" (Ord. Livro 3º, Título 81, pr.) - que hoje vem reproduzido no art. 472 do Código de Processo Civil: "A sentença faz coisa julgada às partes entre as quais é dada, não beneficiando nem prejudicando terceiros". Por outras palavras, os efeitos substanciais da sentença devem projetar-se apenas sobre aqueles entre os quais é dada, sem atingir terceiros que não fizeram parte do processo. O princípio de que o processo somente deve produzir efeitos entre as partes "é pacificamente admitido pela doutrina e pela jurisprudência como 'um dos mais sábios princípios da política judiciária' (João Monteiro)" 16, fundado "no mais 13. Constituição de 1988 e processo. São Paulo: Saraiva, p Cf. A garantia do contraditório na atividade de instrução. In: Temas de direito processual civil. 3. série, São Paulo: Saraiva, p Cf. Comentários ao código de processo civil. Rio de Janeiro: Forense, v. IV, p Cf. LIEBMAN, Enrico Tullio. Eficácia e autoridade da sentença. Rio de Janeiro: Forense, p

9 elementar sentimento de justiça", nas palavras de Moacyr Amaral Santos 17. A toda evidência, seria quando menos injusto sujeitar terceiros aos efeitos (e respectiva imutabilidade) de um dado provimento editado em processo do qual não participaram Como atesta Cândido Rangel Dinamarco, seria ilegítima, e chocar-se-ia contra a ordem constitucional, a imposição de efeitos a terceiros que não participaram do processo, sabido que é sempre "arbitrário o poder exercido sem a participação dos interessados" 20 (grifei). À luz do exposto, não se afigura legítimo - diante das cláusulas da ampla defesa, do contraditório e do devido processo legal (CF, art. 5º, LIV e LV) - submeter as partes aos efeitos de decisões proferidas em processos dos quais elas não participaram. 2 Processo arbitral e limites à convenção das partes: garantias constitucionais e regras de ordem pública. Nulidade do laudo arbitral por afronta a tais normas Não há dúvida de que a arbitragem é uma das mais importantes - se não a mais importante - das manifestações da autonomia da vontade no âmbito processual. Seus atributos de celeridade, combate ao ritualismo e preservação relativa do sigilo entre as partes, entre outros, revelam que o instituto se conforma à necessidade de uma resposta jurisdicional rápida. Contudo, é também universalmente reconhecido que as manifestações negociais em matéria processual - como a arbitragem - encontram limites nos direitos fundamentais e em normas de ordem pública, lembrando-se, na linha do quanto exposto, que as normas processuais se inserem nesse ramo do direito público e estão estritamente ligadas às normas constitucionais. 17 Cf. Comentários ao código de processo civil. Rio de Janeiro: Forense, v. IV, p. 486/ Cf. LIEBMAN, Enrico Tullio. Eficácia e autoridade da sentença. Rio de Janeiro: Forense, p No direito português, José Alberto dos Reis já havia apontado a impossibilidade (a intolerabilidade) de que a sentença produza efeitos contra quem não foi chamado a participar de sua formação (Cf. Código de processo civil anotado, v. I). 20 Cf. A instrumentalidade do processo. 5. ed. São Paulo: Malheiros, p

10 Como bem observou Carlos Alberto Carmona, "ao incentivar a utilização da justiça privada, ampliando o Estado o próprio conceito de jurisdição, o legislador não pretendeu abrir mão de um certo controle sobre a arbitragem. Com efeito, em todo o texto da Lei nº 9.307/1996 percebe-se a preocupação do legislador em evitar abusos e iniqüidades, garantindo-se às partes o devido processo legal (em sentido processual e em sentido material). Eis aí a limitação à autonomia concedida aos litigantes, que não poderão exceder as raias dos interesses que o Estado quer preservar, já que a garantia da igualdade, da legalidade e da supremacia da constituição são inerentes à democracia moderna." 21 (grifei) De forma semelhante, Antonio Corrêa assinalou que "também é causa de nulidade a transgressão aos princípios do art. 21 da lei especial". Segundo referido autor, "a nossa Constituição consagrou como garantia do cidadão o princípio do devido processo legal ou due process of law em processos judiciais ou administrativos. A arbitragem, como vimos lembrando, é um procedimento híbrido, que não está classificado como procedimento administrativo ou judicial, mas forma um título executivo extrajudicial. A lei, como corolário da garantia, trouxe também o devido processo para a arbitragem." 22 (grifei) Dentre essas garantias, avultam em importância aquelas já examinadas e pelas quais se assegura às partes o acesso à Justiça, o contraditório e a ampla defesa, com os correspondentes conteúdos e significados expostos anteriormente. Tais garantias devem estar presentes no processo arbitral, sendo rigorosamente certo que a validade da sentença dos árbitros está condicionada à rigorosa observância do devido processo legal. Isso não apenas pela supremacia das normas constitucionais, conforme já examinado, mas também porque, nos termos da legislação brasileira que regula a arbitragem, se reputa inválida a sentença arbitral proferida em desrespeito aos princípios de que trata o art. 21, 2º, daquele texto legal; precisamente princípios que integram o devido processo legal, tudo segundo já examinado. 21 Cf. CARMONA, Carlos Alberto. Arbitragem e processo. São Paulo: Atlas, p Cf. CORRÊA, Antonio. Arbitragem no direito brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, p

11 Conforme mais uma vez bem lembrou Carmona, "restaram fortalecidos os princípios básicos do devido processo legal, ao mesmo tempo em que a autonomia da vontade foi prestigiada, na medida em que fica a critério das partes a disciplina procedimental da arbitragem. A regra preconizada é a seguinte: as partes podem adotar o procedimento que bem entenderem desde que respeitem os princípios do contraditório, da igualdade das partes, da imparcialidade do árbitro e do seu convencimento racional." 23 (grifei) E ainda: "Como garantia máxima para as partes de que não serão submetidas a processo injusto, prevê a Lei sejam sempre respeitados os princípios do contraditório, da igualdade das partes, da imparcialidade do árbitro e do seu livre convencimento. Quanto ao contraditório, espera-se que os árbitros garantam às partes não só a dedução dos argumentos que tendam a favorecer suas pretensões, como também aqueles que impugnem os argumentos do adversário. Viola o princípio do contraditório, portanto, a decisão que leva em consideração apenas os argumentos de um dos litigantes, sem dar à parte contrária o direito de apresentar razões em sentido contrário. Garante o princípio a informação de todos os atos processuais, com a possibilidade de reação." 24 (grifei) Dessa forma, de acordo com observação de Joel Dias Figueira Júnior, "a sentença arbitral estará eivada de nulidade absoluta e, portanto, será atacável por meio de ação anulatória ajuizada pelo interessado perante o órgão do Poder Judiciário competente, quando [...] forem desrespeitados os princípios do contraditório, da igualdade das partes, da imparcialidade do árbitro e de seu livre convencimento ou, em outros termos, inobservado o devido processo legal. Sendo nula de pleno direito, a sentença arbitral maculada de qualquer desses vícios insanáveis não gera nenhum efeito no mundo jurídico. Por isso, pode ser impugnada através de ação autônoma de natureza declaratória aforada perante o 23 Cf. CARMONA, Carlos Alberto. Arbitragem e processo. São Paulo: Atlas, p Cf. CORRÊA, Antonio. Arbitragem no direito brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, p

12 órgão do Poder Judiciário ou, ainda, em embargos à execução de sentença, caso se trate de sentença arbitral condenatória não satisfeita espontaneamente." 25 (grifei) Assim, também, Humberto Theodoro Júnior consignou que "a garantia do devido processo legal com os consectários do contraditório e ampla defesa são, modernamente, direitos assegurados no plano constitucional, o mesmo ocorrendo com a exigência de motivação de todas as decisões judiciais (CF, arts. 5º, LIV e LV, e 93, IX). Por isso, qualquer que seja o procedimento a prevalecer no juízo arbitral esses preceitos fundamentais nunca poderão ser descurados pelo árbitros, sob pena de nulidade. A matéria é de ordem pública e não se sujeita à disponibilidade negocial na convenção de arbitragem. Sobre o tema, a lei brasileira é expressa: 'Serão sempre respeitados no procedimento arbitral os princípios do contraditório, da igualdade das partes, da impessoalidade do árbitro e de seu livre convencimento' (art. 21, 2º)." 26 (grifei) Edoardo Flavio Ricci, jurista italiano que examinou o sistema brasileiro, anotou que "a Lei nº 9.307, de , evidencia com particular destaque a necessidade de respeitar-se o princípio do contraditório na arbitragem. O art. 21, 2º, menciona que serão 'sempre respeitados, no procedimento arbitral, os princípios do contraditório'; e o art. 32 estabelece que a sentença arbitral é nula se 'forem desrespeitados os princípios de que trata o art. 21, 2º, desta lei'. Tem, portanto, razão a doutrina brasileira ao defender que o princípio do contraditório é uma das regras fundamentais do procedimento arbitral." 27 (grifei) A propósito, J. E. Carreira Alvim asseverou ser "também causa de nulidade o desrespeito aos princípios de que trata o art. 21, 2º, da Lei de Arbitragem, quais sejam, do contraditório, da igualdade das partes, da imparcialidade do árbitro e de seu livre convencimento" 28 ; no que é secundado por Álvaro Villaça Azevedo, para 25 Cf. FIGUEIRA JÚNIOR, Joel Dias. Manual da arbitragem. São Paulo: RT, p Cf. THEODORO JÚNIOR, Humberto. Arbitragem e terceiros - litisconsórcio fora do pacto arbitral - outras intervenções de terceiros. Revista de Direito Bancário, v. 14, p. 375, out Cf. RICCI, Edoardo Flavio. O contraditório na arbitragem de equidade. In: Lei de arbitragem brasileira. São Paulo: RT, p. 149/ Cf. ALVIM, J. E. Carreira. Tratado geral da arbitragem. Belo Horizonte: Mandamentos, p

13 quem, "no procedimento arbitral devem ser observados os mesmos princípios do procedimento judicial, tais como o do contraditório, o da igualdade das partes e o do livre convencimento do árbitro, como se assenta no 2º do art. 21" 29 (grifei). No Direito espanhol, Luis Muñoz Sabaté, embora ressaltando a operatividade como principal elemento das previsões processuais contratuais (por ele denominadas "ppc"), reconheceu que seus limites " lo constituyen los diferentes segmentos del marco constitucional, particularmente aquellos que se encuadram en el art. 24, CE, debiendo evitarse todo cuanto sea fruto de la resignación del débil frente al podereroso o la conculcación de los llamados derechos fundamentales" 30 (grifei). Nesse mesmo contexto, referido autor observa que " a constitucionalización del proceso civil significa respetar la proyección en él de los derechos fundamentales (principio de audiência, de contradicción, de oralidad, publicidad y motivación, evitar la indefesión, velar por el derecho a um Juez predeterminado etc.)" 31. Ainda no âmbito do Direito espanhol, Lluís Cabllol Angelats, tratando do que denominou de "efeito negativo da arbitragem" - entendido com o óbice que, pela arbitragem, se cria à atuação dos tribunais estatais, como decorrência da natureza jurisdicional da arbitragem e como consequência da autonomia da vontade que é instituidora do juízo arbitral - bem observou que limite dessa ordem está condicionado à tutela judicial effectiva. Assim, diz referido autor, "em lo que respecta su alcance el derecho a tutela judicial impide explicar el efecto negativo del arbitraje como si de una renuncia a la jurisicción estatal se tratara. Por definición los derechos fundamentales son irrenunciables. El ejercicio de las facultades inherentes a la autonomia de la voluntad no conlleva necessariamente la renuncia de derechos." 32 (grifei) Prosseguindo, diz Angelats que "en méritos del derecho fundamental de la tutela judicial el efecto negativo del arbitraje solo se mantiene y es exigible mientras sea 29 Cf. AZEVEDO, Álvaro Villaça. Arbitragem. Revista dos Tribunais, v. 753, p. 20, jul Cf. SABTÉ, Luis Muñoz. Las cláusulas procesales en la contratación privada. Barcelona: Bosch, p Cf. SABTÉ, Luis Muñoz. Las cláusulas procesales en la contratación privada. Barcelona: Bosch, p. 27/ Cf. ANGELATS, Lluís Cabllol. El tratamiento procesal de la excepción de arbitraje. Barcelona: Bosch, p. 44 e ss. 13

14 posible la resolución arbitral de litígio"; daí falar referido autor em uma "competencia subsdiaria de los tribunales sobre la cuestión litigiosa", que encontra fundamento precisamente na garantia de acesso prevista pelo art. 24 da Constituição espanhola. A intervenção estatal, portanto, aparece "por defecto", de tal sorte que os órgãos do Estado "solo entrarán a conocer de la cuestión de fondo en tanto no se invoque, no exista, o no se mantenga vigente la sumisión al arbitraje" 33 (grifei), isto é, quando não há tutela efetiva no âmbito arbitral. Portanto, sendo a arbitragem uma forma de solução de controvérsias na qual o árbitro desempenha função quando menos análoga ao do juiz (agente estatal), inegavelmente se aplica a garantia de acesso. Por outro lado, no processo arbitral também hão que se observar as garantias do contraditório e da ampla defesa. Assim, conforme lição de Carmona, "espera-se que os árbitros garantam às partes não só a dedução dos argumentos que tendam a favorecer suas pretensões como, também, aqueles que impugnem os argumentos do adversário. Viola o princípio do contraditório, portanto, a decisão que leva em consideração apenas os argumentos de um dos litigantes, sem dar à parte contrária o direito de apresentar razões em sentido contrário." 34 (grifei) E ainda, em outra passagem de sua obra: "O primeiro princípio invocado é o do contraditório, que através de seus dois momentos - informação e possibilidade de reação - permite que, durante todo o arco do processo arbitral, as partes possam produzir suas provas, aduzir suas razões e agir em prol de seus direitos, fazendo com que suas razões sejam levadas em conta pelo julgador ao decidir." 35 (grifei) Além de se submeter aos ditames da Constituição Federal, cujas regras teem absoluta supremacia perante os demais preceitos normativos contidos no ordenamento, a sentença a ser proferida pelos árbitros, para que seja válida e exequível no Brasil, também deve atentar para regras processuais cogentes e que, 33 Cf. ANGELATS, Lluís Cabllol. El tratamiento procesal de la excepción de arbitraje. Barcelona: Bosch, p. 49/ Cf. CARMONA, Carlos Alberto. Arbitragem e processo: um comentário à Lei nº 9.307/1996. São Paulo: Malheiros, p Cf. CARMONA, Carlos Alberto. Arbitragem e processo: um comentário à Lei nº 9.307/1996. São Paulo: Malheiros, p

15 portanto, escapam ao poder de disposição das partes; ainda que em se tratando de arbitragem. A arbitragem significa talvez a mais importante forma de convenção das partes em matéria processual. Em matéria de interesses patrimoniais disponíveis, podem as partes afastar a jurisdição estatal e atribuir a solução da controvérsia ao árbitro. Contudo, ainda que essa liberdade possa se estender às regras processuais aplicáveis ao processo arbitral, a autonomia da vontade não pode chegar ao ponto de afastar a aplicação de regras cogentes, imperativas e que, antes de tudo, tutelam a ordem pública. Configurando a arbitragem atividade que, como na jurisdição estatal, (i) opera mediante substituição das partes em conflito, (ii) tem por escopo a atuação da vontade concreta do direito objetivo aplicável, (iii) busca a pacificação social mediante a eliminação da controvérsia e (iv) vincula as partes, sendo apta à formação de título executivo (judicial, inclusive), há que se considerar que as regras processuais que se entendem cogentes para a jurisdição estatal, ao menos em princípio, também devem ser qualificadas como imperativas para a jurisdição arbitral, não havendo margem para sua alteração ou derrogação pela vontade das partes envolvidas. II - AS PARTES NO PROCESSO ARBITRAL 1 Limites subjetivos da convenção de arbitragem (e da sentença arbitral) No Direito brasileiro, o juízo arbitral, que constitui objeto da Lei nº 9.307/1996, é delineado, conforme já expusemos em doutrina, da seguinte forma: "a) convenção de arbitragem ( compromisso entre as partes ou cláusula compromissória inserida em contrato: lei cit., art. 3º); b) limitação aos litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis (art. 1º); c) restrições à eficácia da cláusula compromissória inserida em contratos de adesão (art. 4º, 2º); d) capacidade das partes (art. 1º); e) possibilidade de escolherem as partes as regras de direito material a serem aplicadas na arbitragem, sendo ainda admitido convencionar que esta 'se realize com base nos princípios gerais de direito, usos e 15

16 costumes e nas regras internacionais de comércio' (art. 2º, 2º e 3º); f) desnecessidade de homologação judicial da sentença arbitral (art. 31); g) atribuição a esta dos mesmos efeitos, entre partes, dos julgados proferidos pelo Poder Judiciário (valendo inclusive como título executivo, se for condenatória: art. 31); h) possibilidade de controle jurisdicional ulterior, a ser provocado pela parte interessada (art. 33, caput e ); i) possibilidade de reconhecimento e execução de sentenças arbitrais produzidas no exterior (arts. 34 e ss.). Mas os árbitros, não sendo investidos do poder jurisdicional estatal, não podem realizar a execução de suas próprias sentenças nem impor medidas coercitivas (art. 22, 4º)." 36 (grifei) Como visto, para a instituição da arbitragem é necessária uma convenção privada por meio da qual as partes pactuam submeter a decisão do conflito a um terceiro (árbitro). Tal convenção apresenta-se sob duas formas, verificadas em diferentes momentos da evolução da relação entre as partes: a cláusula compromissória e o compromisso arbitral. A cláusula compromissória consiste na previsão de que futuros e eventuais litígios envolvendo determinada relação serão resolvidos por meio da arbitragem. É uma avença prévia à existência do próprio conflito, pela qual as partes se comprometem a celebrar o compromisso arbitral e instituir o juízo arbitral quando da verificação de alguma divergência em relação ao negócio realizado. Já o compromisso arbitral é ato solene por meio do qual as partes instituem o juízo arbitral para decidir sobre o conflito verificado, definindo o(s) árbitro(s), seu âmbito de competência, o objeto do litígio, além de outros dados, como o prazo em que deve ser proferido o laudo arbitral e a autorização para julgamento por equidade. Nas palavras de Celso Agrícola Barbi, "a própria arbitragem como um todo tem natureza contratual, porquanto nasce da vontade das partes, que transacionam sob a forma de solução de um conflito sobre direitos patrimoniais disponíveis, com renúncia à processualidade estatal. Daí porque, inclusive, sua adoção de forma alguma viola o art. 5º, XXXV, da Constituição Federal. Conforme previsto no próprio art. 1º da lei, a arbitragem privada só se aplica a direitos patrimoniais disponíveis de pessoas capazes, posto que as partes valem-se da autonomia de suas vontades para retirar do Judiciário e 36 Cf. CINTRA; GRINOVER; DINAMARCO, op. cit., p

17 entregar a particulares a solução de seu conflito, de acordo com as regras que estipularem, para uma decisão que pode fundar-se inclusive na eqüuidade. O compromisso é ato fundamental dessa manifestação autônoma de vontades em submeter uma controvérsia identificada sobre direitos disponíveis à decisão provada. Assim, dentro do sistema previsto pelo CC e pelo CPC, só com o compromisso pode iniciar-se a arbitragem." 37 (grifei) Conquanto o Direito italiano apresente disciplina um pouco diversa do brasileiro em matéria de arbitragem (distinguindo-se o arbitrato rituale do arbitrato irrituale) 38, pode-se afirmar com Proto Pisani que: "Fonte dell'arbitrato rituale è un accordo con cui due o più parti convengono di fare decidere da arbitri una o più controversie. Tale accordo può essere stipulato quando la controvérsia è già insorta, ed in tal caso si chiama compromesso (art. 806), oppure prima, in occasione della stipulazione di un contratto, le parti possono convenire nello stesso contratto, o in atto separato, che le controversie future eventualmente nascenti dal contratto medesimo siano decise da arbitri, in tal caso si parla di clausola compromissoria (art. 808)." 39 (grifei) Nas palavras de Edoardo Ricci, "a admissibilidade da arbitragem fundamenta-se, sob o aspecto legal, no princípio da vontade das partes (art. 1º da Lei da Arbitragem). A contrariedade da vontade das partes é passível de argüição de nulidade da sentença como fundamento, por meio da interpretação integrativa com aplicação da Constituição" 40. Nesse contexto, é fácil perceber que a convenção de arbitragem encontra limite subjetivo nas pessoas que, declarando expressa vontade, submeteram-se a 37 Cf. BARBI, Celso Agrícola. Cumprimento judicial de cláusula compromissória na Lei nº 9.307/1996 e outras intervenções do Judiciário na arbitragem privada. Revista dos Tribunais, v. 749, p. 107, mar Veja-se, a respeito, FAZZALARI, Elio. Fondamenti dell'arbitrato. In: MOREIRA, José Carlos Barbosa (Coord.). Estudos de direito processual em memória de Luís Machado Guimarães. Rio de Janeiro: Forense, p. 151 e ss. 39 Cf. PISANI, Andréa Proto. Diritto processuale civile. Napoli: Jovene, p A mesma distinção, com referência à lei italiana e recentes reformas, pode ser encontrada em VERDE, Giovanni. Profili del processo civile. 4. ed. Napoli: Jovene, parte generale, p Cf. RICCI, Edoardo Flavio. A impugnação da sentença arbitral como garantia constitucional. In: Lei de arbitragem brasileira. São Paulo: RT, p. 73/74. 17

18 essa forma de solução de controvérsias, subscrevendo a cláusula compromissória e/ou o compromisso arbitral. É que, nas palavras de Carmona, "como acordo de vontades [a convenção de arbitragem], vincula as partes no que se refere a litígios atuais ou futuros, obrigando-as reciprocamente à submissão ao juízo arbitral; como pacto processual, seus objetivos são os de derrogar a jurisdição estatal, submetendo as partes à jurisdição dos árbitros." 41 (grifei) De forma semelhante, Joel Dias Figueira Júnior lembrou que "o legislador infraconstitucional adotou na Lei nº 9.307/1996 a doutrina mais moderna que procurava conciliar as teorias privatista (ou contratual) e publicista (ou jurisdicional), atribuindo ao instituto jurídico da arbitragem natureza sui generis, tendo em vista que nasce da vontade das partes (caráter privado obrigacional) para regular relações de ordem processual (caráter público)." Dessa forma, prosseguiu Figueira, "a cláusula compromissória pode ser inserida nos contratos conforme vontade das partes, onde convencionam e se comprometem a submeter à jurisdição privada os litígios porventura surgidos e decorrentes do próprio contrato em questão (art. 4º), de tal sorte que a cláusula compromissória reveste-se de natureza vinculante ou cogente, porquanto obrigatória entre os contratantes." 42 (grifei) Assim também Humberto Theodoro Júnior observou que "é de se ressaltar sempre que a justiça desempenhada pela arbitragem é originariamente uma justiça privada instituída pelos contratantes para excluir seus litígios da jurisdição pública. São eles, os contratantes, que afastam, nos termos do contrato, a função estatal e a substituem pela jurisdição de particulares que, nas circunstâncias negociais, assumem a missão de julgar." Daí porque essa limitação subjetiva naturalmente se projeta em relação à decisão do árbitro: "Porque se trata de uma renúncia ao direito de confiar seu litígio 41 Cf. CARMONA, Carlos Alberto. Arbitragem e processo. 2. ed. São Paulo: Atlas, p Cf. FIGUEIRA JÚNIOR, Joel Dias. Manual da arbitragem. São Paulo, RT, p

19 à justiça pública, a submissão ao juízo arbitral só obriga às partes que o contrataram" 43. quem Essa mesma lição se extrai do pensamento de J. E. Carreira Alvim, para "a sentença, como ato de autoridade do Estado, proferida por órgão-ente (juízo estatal) ou por órgão-pessoa (juízo arbitral), produz em geral efeitos para as partes as quais é dada, não beneficiando nem prejudicando terceiros; igual extensão tem a qualidade que ela adquire, traduzida no fenômeno a que se denomina de 'coisa julgada'." E ainda: "Entre as partes e seus sucessores, a sentença produz os mesmos efeitos da sentença proferida pelos órgãos do Poder Judiciário (art. 31, parte inicial, LA), não alcançando, porém, terceiros que não tenham sido parte na convenção arbitral, ou que não tenham, nessa qualidade, participado do processo." 44 (grifei) Aliás, limitação dessa ordem é rigorosamente harmônica com as garantias constitucionais antes examinadas, que impedem que alguém tenha sua esfera jurídica afetada, por decisão imutável, sem a oportunidade de ser ouvido. 2 Litisconsórcio necessário unitário Como se sabe, e já tivemos oportunidade de observar no âmbito doutrinário, o litisconsórcio "é um fenômeno de pluralidade de pessoas, em um só ou em ambos os polos conflitantes da relação jurídica processual" 45. A esse propósito, a conjugação de mais de um autor, ou mais de um réu, para litigar em um mesmo processo, pode ter origem em razões de conveniência e economia processual. É o chamado litisconsórcio facultativo, em que, de um modo geral, ao autor "cabe 43 Cf. THEODORO JÚNIOR, Humberto. Arbitragem e terceiros - litisconsórcio fora do pacto arbitral - outras intervenções de terceiros. Revista de Direito Bancário, v. 14, p. 373/374, out Cf. ALVIM, J. E. Carreira. Tratado geral da arbitragem. Belo Horizonte: Mandamentos, p. 453/ Cf. CINTRA; GRINOVER; DINAMARCO. Teoria geral do processo. São Paulo: Malheiros, p

20 deliberar sobre a formação do litisconsórcio ou coligando-se com outro ou outros para propor a ação, ou propondo a ação contra mais de um réu", conforme lição de José Frederico Marques 46. Nesses casos, a lei admite como possível (e, às vezes, até recomendável) a união das partes, em qualquer ou em ambos os polos do processo, mas não impõe - como condição de eficácia da sentença - que assim o seja. Em casos outros, é a própria lei que determina a obrigatoriedade de que diferentes autores ou diferentes réus sejam reunidos para a propositura da demanda ou para que suportem os efeitos da sentença. Trata-se do litisconsórcio necessário por força de lei, em que se estabelecem, de antemão, todos aqueles que necessariamente deverão compor o processo, independentemente da vontade do autor, ou de quem quer que seja. E há hipóteses em que, pela natureza da relação jurídica debatida, é necessária a participação de mais de um réu ou mais de um autor no processo. Nas ações que tenham por objeto uma relação plurilateral ou mesmo nas ações propostas por terceiros, que tenham por alvo relações bilaterais ou plurilaterais (p. ex., a anulação de um casamento, ajuizada pelo Ministério Público), a comunhão de interesses que justifica a reunião de pessoas em um mesmo polo, ensinou Amaral Santos, "se depreende da relação jurídica material posta em juízo. Quando esta é una e incindível quanto aos sujeitos ativos ou passivos, todos eles deverão necessariamente participar da relação processual, porquanto a sentença a todos atinge" 47 (grifei). Nesses casos, devem figurar no processo todos os que são titulares de um mesmo direito subjetivo ou de uma só obrigação 48, sendo a obrigatoriedade do litisconsórcio definida não pelo direito processual, mas pelo direito material em debate, que determina os titulares e os possíveis afetados pela sentença. É a estrutura interna da relação jurídica - um estado jurídico único - formada pela ligação entre várias pessoas, que torna, senão impossível, ao menos ilegítima a 46 Cf. MARQUES, José Frederico. Manual de direito processual civil. Campinas: Bookseller, v. I, p Cf. SANTOS, Moacyr Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil. São Paulo: Saraiva, v. II, p Cf. TORNAGHI, H. Comentários ao código de processo civil. São Paulo: RT, v. I, p

Garantias Constitucionais do Processo e Eficácia da Sentença Arbitral

Garantias Constitucionais do Processo e Eficácia da Sentença Arbitral Garantias Constitucionais do Processo e Eficácia da Sentença Arbitral José Rogério Cruz e Tucci - Professor Titular da Faculdade de Direito da USP. Ex- Presidente da Comissão de Pós-Graduação da Faculdade

Leia mais

UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito

UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito 563 UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito Rafael Arouca Rosa (UNESP) Introdução Dentre as mudanças propostas no anteprojeto do novo Código

Leia mais

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL José Domingues Filho 1 SUMÁRIO RIO: 1. O problema. 2. Conceito de mérito 3. Defesa de mérito no processo de conhecimento. 4. Julgamento de mérito no processo de conhecimento.

Leia mais

Site Jurídico S.O.S Estagiários (www.sosestagiarios.com) Trabalhos Prontos Gratuitos LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA

Site Jurídico S.O.S Estagiários (www.sosestagiarios.com) Trabalhos Prontos Gratuitos LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA Nos primórdios da sociedade romana, surgiu o instituto da arbitragem como forma de resolver conflitos oriundos da convivência em comunidade, como função pacificadora

Leia mais

AS REGRAS DE DIVISÃO DO ÔNUS DA PROVA DEVEM LI- MITAR OS PODERES INSTRUTÓRIOS DO JUIZ?

AS REGRAS DE DIVISÃO DO ÔNUS DA PROVA DEVEM LI- MITAR OS PODERES INSTRUTÓRIOS DO JUIZ? REVISTA DA ESMESE, Nº 04, 2003 - DOUTRINA - 117 AS REGRAS DE DIVISÃO DO ÔNUS DA PROVA DEVEM LI- MITAR OS PODERES INSTRUTÓRIOS DO JUIZ? Flávia Moreira Pessoa, Juíza do Trabalho Substituta (TRT 20ª Região),

Leia mais

Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação

Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação Jurisdição: é o poder de dizer o direito Ação: direto público subjetivo Processo: método de compor litígios Procedimento:

Leia mais

PERSONALIDADE JUDICIÁRIA DE ÓRGÃOS PÚBLICOS

PERSONALIDADE JUDICIÁRIA DE ÓRGÃOS PÚBLICOS PERSONALIDADE JUDICIÁRIA DE ÓRGÃOS PÚBLICOS JOSÉ DOS SANTOS CARVALHO FILHO O processo judicial, como instrumento do exercício da função existência de uma pretensão à qual é oposta pretensão contrária (resistência).

Leia mais

Denunciação da Lide. Genésio Luís de Menezes Cibillo

Denunciação da Lide. Genésio Luís de Menezes Cibillo 1 Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Denunciação da Lide Genésio Luís de Menezes Cibillo Rio de Janeiro 2013 2 GENÉSIO LUIS DE MENEZES CIBILLO Denunciação da Lide Projeto de pesquisa apresentado

Leia mais

PEDIDO DE REGISTRO DE MARCA E CONTROLE JURISDICIONAL RESUMO

PEDIDO DE REGISTRO DE MARCA E CONTROLE JURISDICIONAL RESUMO PEDIDO DE REGISTRO DE MARCA E CONTROLE JURISDICIONAL Antonio André Muniz de Souza Procurador Federal na Procuradoria Regional do INPI em São Paulo Pós-graduando em Propriedade Intelectual na Fundação Getúlio

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

Arbitragem. Respostas objetivas para soluções rápidas

Arbitragem. Respostas objetivas para soluções rápidas 2 8 8 9 9 9 10 10 10 11 11 11 12 12 12 12 13 Respostas objetivas para soluções rápidas O que é a? Como surgiu o Instituto da? A é constitucional? A sentença arbitral tem validade jurídica? Quais são as

Leia mais

A LEGITIMIDADE DAS DECISÕES JUDICIAIS NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO

A LEGITIMIDADE DAS DECISÕES JUDICIAIS NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO 19 A LEGITIMIDADE DAS DECISÕES JUDICIAIS NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Cleber Lúcio de Almeida* 1. Constitui objeto do presente ensaio o exame da legitimação das decisões judiciais no Estado Democrático

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

A apreciação das provas no processo do trabalho

A apreciação das provas no processo do trabalho A apreciação das provas no processo do trabalho Ricardo Damião Areosa* I. Introdução Segundo Aroldo Plínio Gonçalves, processualista mineiro e juiz do trabalho, Nulidade é a conseqüência jurídica prevista

Leia mais

COISA JULGADA INCONSTITUCIONAL

COISA JULGADA INCONSTITUCIONAL COISA JULGADA INCONSTITUCIONAL Por Marcelo Moura 1 1. Coisa Julgada - conceito Como ato estatal, imperativo, o pronunciamento jurisdicional definitivo produz os efeitos que a lei prescreve. Como um desses

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 6º SEMESTRE - NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL

Leia mais

SUPER PLUS Disciplina: Direito Processual Civil Tema: Ação e Processo Prof.: Rodrigo da Cunha Lima Freire Data: 21/02/2005.

SUPER PLUS Disciplina: Direito Processual Civil Tema: Ação e Processo Prof.: Rodrigo da Cunha Lima Freire Data: 21/02/2005. Doutrina 1. Conceito de ação AÇÃO. CONDIÇÕES DA AÇÃO. PROCESSO. PRESSUPOSTOS PROCESSUAIS 2. Teorias acerca da natureza jurídica da ação 2.1. Teoria civilista ou imanentista 2.2. Teoria da ação como direito

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL Ana Victoria de Paula Souza Souza, Ana Victoria de Paula. O tribunal de justiça do Estado de São Paulo e o julgamento por e-mail.

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 PLANO DE ENSINO TEORIA GERAL DO PROCESSO (JUR1060) CARGA HORÁRIA 60h/a (teórica) CRÉDITOS 4 2º semestre/2015-1 Professora Mestra Waleska Mendes Cardoso OBJETIVOS DA DISCIPLINA Compreender que a intervenção

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

SENTENÇA. Trata-se de ação movida por EQUIPAV S/A PAVIMENTAÇÃO, ENGENHARIA E COMÉRCIO em face do TRIBUNAL DE CONTAS DO DO ESTADO DE SÃO PAULO.

SENTENÇA. Trata-se de ação movida por EQUIPAV S/A PAVIMENTAÇÃO, ENGENHARIA E COMÉRCIO em face do TRIBUNAL DE CONTAS DO DO ESTADO DE SÃO PAULO. fls. 1 CONCLUSÃO Aos 20/10/2009, promovo estes autos à conclusão do(a) MMº(ª). Juiz(a) de Direito, desta 10ª Vara da Fazenda Pública, Dr(a). Eliana Adorno de Toledo Tavares, Eu,. (Ricardo Macedo Soares),

Leia mais

Regime Financeiro do Processo Civil

Regime Financeiro do Processo Civil Regime Financeiro do Processo Civil III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Nome do Aluno da Pós: Alexandre Schmitt da Silva Mello, Nome do Orientador: José Maria Rosa Tesheiner Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual.

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 22 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Exceções No Direito Romano, exceção era no sentido amplo

Leia mais

ONovo Código de Processo Civil (NCPC) parece ter-se posicionado

ONovo Código de Processo Civil (NCPC) parece ter-se posicionado A ARBITRAGEM NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (VERSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS DEP. PAULO TEIXEIRA) Fredie Didier Junior * ARBITRAGEM COMO ATIVIDADE JURISDICIONAL ONovo Código de Processo Civil (NCPC) parece

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO PRATICA JURIDICA II : FASE DE POSTULAÇÃO AILTON SILVA ANTUNES NILSON DE OLIVEIRA JUNIOR TITO MARÇAL DE OLIVEIRA PEREIRA LINHARES-ES

Leia mais

PROCEDIMENTO. Classificação do procedimento Comum: rito ordinário e rito sumário Especial: de jurisdição contenciosa e de jurisdição voluntária

PROCEDIMENTO. Classificação do procedimento Comum: rito ordinário e rito sumário Especial: de jurisdição contenciosa e de jurisdição voluntária Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 20 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles PROCEDIMENTO Conceito Corrente clássica: é uma forma material com que

Leia mais

ESPÉCIES DE TUTELA JURISDICIONAL

ESPÉCIES DE TUTELA JURISDICIONAL ESPÉCIES DE TUTELA JURISDICIONAL Maria Cristina Zainaghi Resumo: Neste trabalho pretendemos trazer, em breve relato, as espécies de provimento jurisdicionais, inclusive abordando as tutelas diferenciadas,

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

Tendências e técnicas do Novo Código de Processo Civil

Tendências e técnicas do Novo Código de Processo Civil Tendências e técnicas do Novo Código de Processo Civil Gilberto Andreassa Junior* Há poucos meses de iniciarmos uma nova perspectiva acerca dos assuntos relacionados ao direito processual civil, uma vez

Leia mais

Possibilitar ao estudante o conhecimento das noções básicas do processo civil, a partir do estudo sistematizado de seus principais institutos.

Possibilitar ao estudante o conhecimento das noções básicas do processo civil, a partir do estudo sistematizado de seus principais institutos. PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: DIREITO PROCESSUAL CIVIL I (D-20) Área: Ciências Sociais Período: Quarto Turno: matutino Ano: 2013.1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04 III. Pré-Requisito:

Leia mais

20ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLA-DF Proc. No. 00942-22.2010.5.10.0020 SENTENÇA

20ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLA-DF Proc. No. 00942-22.2010.5.10.0020 SENTENÇA I- RELATÓRIO: 20ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLA-DF Proc. No. 00942-22.2010.5.10.0020 SENTENÇA Vistos os autos. MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ajuizou ação civil pública em face de PETROBRÁS e PETROBRÁS DISTRIBUIDORA,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROCESSO TRT/SP Nº 0001785-11.2011.5.02.0008 RECURSO ORDINÁRIO DA 8ª VT DE SÃO PAULO RECORRENTE : SINTHORESP SIND. EMPREG. HOT. APART. HOTÉIS RECORRIDO : PARKGRILL RESTAURANTE LTDA. - EPP Da r. sentença

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS ANEXO 23 DO EDITAL 143/2011-PRH CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR NÃO-TITULAR DEPARTAMENTO DE DIREITO PRIVADO E PROCESSUAL Área de conhecimento: DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROGRAMA DE PROVA 1. Métodos alternativos

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1 Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para o Direito existem alguns princípios pelo qual, podemos destacar como base fundamental para estabelecer

Leia mais

OBRIGAÇÃO DE FAZER REFERENTE À ANOTAÇÃO DE CARTEIRA DE TRABALHO E SUA EXECUÇÃO ESPECÍFICA

OBRIGAÇÃO DE FAZER REFERENTE À ANOTAÇÃO DE CARTEIRA DE TRABALHO E SUA EXECUÇÃO ESPECÍFICA 113 OBRIGAÇÃO DE FAZER REFERENTE À ANOTAÇÃO DE CARTEIRA DE TRABALHO E SUA EXECUÇÃO ESPECÍFICA INTRODUÇÃO Márcio Toledo Gonçalves* As presentes linhas cuidam de brevíssimas considerações acerca da anotação

Leia mais

CURSO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM EMPRESARIAL ARBITRAGEM COMO MEIO DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS

CURSO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM EMPRESARIAL ARBITRAGEM COMO MEIO DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS 1 CURSO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM EMPRESARIAL ARBITRAGEM COMO MEIO DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS O presente trabalho tem por finalidade desenvolver um estudo sistematizado sobre a Arbitragem como meio de solução

Leia mais

i i min um um um mu um im 111111

i i min um um um mu um im 111111 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTiCA «REGISTRADO(A) SOB N ^ ACÓRDÃO iiiiiiiiimiii i i i min um um um mu um im 111111 ^3 *01193984* 2. 2 Vistos,

Leia mais

Lei do Inquilinato e solidariedade: litisconsórcio necessário ou facultativo?

Lei do Inquilinato e solidariedade: litisconsórcio necessário ou facultativo? Lei do Inquilinato e solidariedade: litisconsórcio necessário ou facultativo? Regina Márcia Gerber Doutoranda em Lingüística pela UFSC/SC. Mestre em Teoria e Análise Lingüística. Aluna da 6ª fase de Direito

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Do litisconsórcio necessário passivo Angelito Dornelles da Rocha* RESUMO Trata-se do litisconsórcio de um fenômeno de pluralidade de partes, podendo constar tanto no pólo ativo quanto

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

CURSO DE DIREITO. B. Quanto ao momento: principal ou adesivo. C. Quanto à fundamentação: livre ou vinculada

CURSO DE DIREITO. B. Quanto ao momento: principal ou adesivo. C. Quanto à fundamentação: livre ou vinculada CURSO DE DIREITO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MÓDULO: TÓPICOS GERAIS DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL II PROFª DRª MONICA LUCIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE DUARTE MARIZ-NÓBREGA EMENTA: Teoria Geral dos Recursos e

Leia mais

EXECUÇÃO DE SENTENÇAS PENAL, ARBITRAL E ESTRANGEIRA (ART. 475-N, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CPC) PROCESSO DE EXECUÇÃO OU EXECUÇÃO SINCRETIZADA (CUMPRIMENTO)?

EXECUÇÃO DE SENTENÇAS PENAL, ARBITRAL E ESTRANGEIRA (ART. 475-N, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CPC) PROCESSO DE EXECUÇÃO OU EXECUÇÃO SINCRETIZADA (CUMPRIMENTO)? 84 EXECUÇÃO DE SENTENÇAS PENAL, ARBITRAL E ESTRANGEIRA (ART. 475-N, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CPC) PROCESSO DE EXECUÇÃO OU EXECUÇÃO SINCRETIZADA (CUMPRIMENTO)? J.E. Carreira Alvim Doutor em Direito pela UFMG;

Leia mais

Na doutrina várias teorias buscam conceituar a jurisdição conceito divergente.

Na doutrina várias teorias buscam conceituar a jurisdição conceito divergente. Jurisdição - Unicidade 1 - CONCEITO: Na doutrina várias teorias buscam conceituar a jurisdição conceito divergente. JURISDIÇÃO - Poder de Dizer o Direito. Jurisdição é poder, é função, é atividade. Vedação

Leia mais

Devidamente intimados, os réus compareceram à audiência e apresentaram respostas.

Devidamente intimados, os réus compareceram à audiência e apresentaram respostas. 20ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA DF Proc. No. 01920-51.2009.5.10.0020 SENTENÇA I- RELATÓRIO: Vistos etc. SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DOS ESTADOS DOS PARANÁ E SANTA CATARINA impetrou ajuizou ação

Leia mais

VOTO. O SENHOR MINISTRO GILMAR MENDES Relator:

VOTO. O SENHOR MINISTRO GILMAR MENDES Relator: RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA VOTO O SENHOR MINISTRO GILMAR MENDES Relator: I - A Telemar Norte Leste S/A sustenta, nas razões do recurso extraordinário, a necessidade da inclusão da Agência Nacional

Leia mais

O Processo Trabalhista

O Processo Trabalhista Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão O Processo Trabalhista Princípios gerais do processo Constituição Federal de 1988; Código de Processo Civil (CPC). Princípios

Leia mais

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 08/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 675.505 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

A DEFESA NO PROCESSO DO TRABALHO (resumo da aula do Prof. Dr. Ari Possidonio Beltran de 25-08-2010) 1)- CONCEITO

A DEFESA NO PROCESSO DO TRABALHO (resumo da aula do Prof. Dr. Ari Possidonio Beltran de 25-08-2010) 1)- CONCEITO A DEFESA NO PROCESSO DO TRABALHO (resumo da aula do Prof. Dr. Ari Possidonio Beltran de 25-08-2010) 1)- CONCEITO O direito de ação sugere o direito de defesa - Art. 5 da CF; Garantias processuais constitucionais:

Leia mais

Sobre a necessidade de fundamentação das sentenças

Sobre a necessidade de fundamentação das sentenças Sobre a necessidade de fundamentação das sentenças José Carlos Fragoso 1. Não é infreqüente que nos deparemos no foro criminal com sentenças nulas, por absoluta ausência de fundamentação. Isto ocorre quando

Leia mais

16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA

16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA 16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA RECLAMANTE: SINDADOS-BA SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS E ÓRGÃOS PÚBLICOS DE PROCESSAMENTO

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

NOVAS REFLEXÕES SOBRE A PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Mauro Schiavi 1

NOVAS REFLEXÕES SOBRE A PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Mauro Schiavi 1 NOVAS REFLEXÕES SOBRE A PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO Mauro Schiavi 1 Segundo Pontes de Miranda 2, a prescrição é a exceção, que alguém tem, contra o que não exerceu, durante certo

Leia mais

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 O candidato deverá discorrer sobre os conceitos dos elementos do tipo penal (objetivos, normativos e subjetivos), dando os exemplos constantes no Código

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO 32 O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL Cristiano José Lemos Szymanowski 1 RESUMO A proposta deste trabalho estrutura-se na análise de dois temas que se conjugam, o Acesso à Justiça e a Efetividade

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

Administração Pública no século XXI. Modelos de organização administrativa e vinculação ao Direito ORGANIZAÇÃO DOS TRIBUNAIS

Administração Pública no século XXI. Modelos de organização administrativa e vinculação ao Direito ORGANIZAÇÃO DOS TRIBUNAIS Administração Pública no século XXI Modelos de organização administrativa e vinculação ao Direito ORGANIZAÇÃO DOS TRIBUNAIS Síntese Comparativa Local: Universidade Católica de Angola Data: 18 de Setembro

Leia mais

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES Tiago Ghellar Fürst A nova Lei de Falências e Recuperação Judicial, que entrou em vigor no dia 09.06.2005 (Lei 11.101/2005, publicada no DOU

Leia mais

Do Chamamento ao Processo

Do Chamamento ao Processo - INTERVENÇÃO DE TERCEIROS CONTINUAÇÃO (...) Do Chamamento ao Processo O chamamento ao processo configura-se por ser o instituto por meio do qual se permite que o devedor acionado em juízo convoque para

Leia mais

EMPRESAS DE PEQUENO PORTE. IMPOSSIBILIDADE DE DEMANDAREM NO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL. ABORDAGEM CONSTITUCIONAL

EMPRESAS DE PEQUENO PORTE. IMPOSSIBILIDADE DE DEMANDAREM NO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL. ABORDAGEM CONSTITUCIONAL EMPRESAS DE PEQUENO PORTE. IMPOSSIBILIDADE DE DEMANDAREM NO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL. ABORDAGEM CONSTITUCIONAL 9 FÁBIO COSTA SOARES 3 INTRODUÇÃO Trata-se de breve estudo sobre a norma do artigo 74 da Lei

Leia mais

Solidariedade ativa e extensão da coisa julgada (art. 274, Código Civil brasileiro) 1

Solidariedade ativa e extensão da coisa julgada (art. 274, Código Civil brasileiro) 1 Solidariedade ativa e extensão da coisa julgada (art. 274, Código Civil brasileiro) 1 Fredie Didier Jr. Professor-adjunto de Direito Processual Civil da Universidade Federal da Bahia. Mestre (UFBA) e Doutor

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 10, DE 20 DE JUNHO DE 2014

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 10, DE 20 DE JUNHO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 10, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Instala a Comissão de Mediação, Conciliação e Arbitragem da Superintendência Nacional de

Leia mais

CONCLUSÃO Em 27 de novembro de 2007 faço estes autos conclusos ao MM Juiz Federal Substituto da 6ª Vara de Guarulhos, Dr. Fabiano Lopes Carraro.

CONCLUSÃO Em 27 de novembro de 2007 faço estes autos conclusos ao MM Juiz Federal Substituto da 6ª Vara de Guarulhos, Dr. Fabiano Lopes Carraro. CONCLUSÃO Em 27 de novembro de 2007 faço estes autos conclusos ao MM Juiz Federal Substituto da 6ª Vara de Guarulhos, Dr. Fabiano Lopes Carraro. Técnico Judiciário RF 4363 AÇÃO CIVIL PÚBLICA Processo nº

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA (PR. DE LAS LEÑAS)

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA (PR. DE LAS LEÑAS) MERCOSUL/CMC/DEC. N 05/92 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA (PR. DE LAS LEÑAS) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção assinado

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA - PROTOCOLO DE LAS LEÑAS -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA - PROTOCOLO DE LAS LEÑAS - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA - PROTOCOLO DE LAS LEÑAS - Os Governos da República Argentina, da República Federativa do Brasil,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 Regulamenta o inciso IX do art. 114 da Constituição Federal, para dispor sobre competências da Justiça do Trabalho referentes

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE II ANAIS DO CURSO DE EXTENSÃO EM TEORIA DO DIREITO: A Tríplice perspectiva do Direito e a relação teórica, prática e ética. Cáceres: Unemat Editora, Vol.1. n. 01 (2013). ISSN 2317-3478 ASPECTOS IMPORTANTES

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Noções introdutórias e históricas.

Leia mais

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET Anexo Biblioteca Informa nº 2.301 O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DO MARCO CIVIL DA INTERNET Autores André Zonaro Giacchetta Ciro Torres Freitas Pamela Gabrielle Meneguetti Sócio e Associados da Área Contenciosa

Leia mais

EXECUÇÃO POR COERÇÃO PATRIMONIAL E A EFETIVIDADE DO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO

EXECUÇÃO POR COERÇÃO PATRIMONIAL E A EFETIVIDADE DO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS EXECUÇÃO POR COERÇÃO PATRIMONIAL E A EFETIVIDADE DO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO Isadora Albornoz Cutin. José Maria Rosa Tesheiner (orientador) Programa de pós-graduação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A iniciativa probatória do juiz Manuela Pazos Lorenzo 1.OBJETIVO O presente trabalho tem o objetivo de analisar criticamente o ponto de vista do autor José Roberto dos santos Bedaque

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.028.503 - MG (2008/0019188-3) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : A DE C A - MENOR IMPÚBERE : S M DE C : ANA LUISA BRANDÃO TEIXEIRA BANTERLI E OUTRO(S) : V G

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2012/2 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO II PROFESSOR: UDNO ZANDONADE TURMAS: 10 o CN UNIDADES

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão fls. 1 Autos n.º 0708777-72.2013.8.01.0001 Classe Ação Civil Pública Autor Defensoria Pública do Estado do Acre Réu Estado do Acre Decisão Trata-se de Ação Civil Pública, com pedido de tutela antecipada,

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Escola Paulista de Direito EPD Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito O NOVO CONCEIITO DE SENTENÇA Especialização: Direito Civil e Processual Civil Especializandos: Thiago Martinelli de Vergueiro

Leia mais

CONTRATOS INTERNACIONAIS

CONTRATOS INTERNACIONAIS FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE CONTRATOS INTERNACIONAIS HILTON DA SILVA - PROFESSOR DE DIREITO hiltonds@ig.com.br hilton@cavalcanteesilva.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS O contrato é o instrumento

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROJETO DE LEI Nº 8.046/2010, QUE INSTITUI O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

A DISTRIBUIÇÃO DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROJETO DE LEI Nº 8.046/2010, QUE INSTITUI O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A DISTRIBUIÇÃO DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROJETO DE LEI Nº 8.046/2010, QUE INSTITUI O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Arnaldo de A. Machado Júnior, advogado, especialista em direito processual civil pela

Leia mais

ARTIGO: AUDIÊNCIA TRABALHISTA

ARTIGO: AUDIÊNCIA TRABALHISTA ARTIGO: AUDIÊNCIA TRABALHISTA Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Audiência. Ato solene conduzido por magistrado. Princípios aplicáveis: irredutibilidade dos direitos do empregado, verdade real,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.080.614 - SP (2008/0176494-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito de família e das sucessões. Ação de reconhecimento de sociedade de fato, proposta por ex-companheiro

Leia mais

INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA

INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA 1 INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA Capítulo I Disposições gerais Art 1 o. Cabimento da

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

O PROJETO DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - PRINCÍPIOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS DO PROCESSO - PRIMEIRAS LEITURAS

O PROJETO DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - PRINCÍPIOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS DO PROCESSO - PRIMEIRAS LEITURAS 93 O PROJETO DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - PRINCÍPIOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS DO PROCESSO - PRIMEIRAS LEITURAS Luiz Ronan Neves Koury* Antes de proceder ao exame do tema deste trabalho, devo saudar a

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 501.512-4/4-00, da Comarca de SÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 501.512-4/4-00, da Comarca de SÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *01319002* Vistos, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE INSTRUMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DA 9ª REGIÃO FISCAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DA 9ª REGIÃO FISCAL MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DA 9ª REGIÃO FISCAL Solução de Consulta Interna nº: 1 SRRF09/Disit Data: 10 de fevereiro

Leia mais

R E L A T Ó R I O E V O T O

R E L A T Ó R I O E V O T O APELAÇÃO CÍVEL Nº 51186-96.2012.8.09.0137 (201290511861) RIO VERDE APELANTE: APELADO: DPVAT S/A RELATOR: CÂMARA: KATIUCIA SILVA DE OLIVEIRA MAIA SEGURADORA LÍDER DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO MARCUS DA COSTA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000329XX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX-42.2014.8.26.0565, da Comarca de São Caetano do Sul, em que é apelante LIBERTY INCORPORADORA LTDA, são

Leia mais

Bacharel em Direito pela Universidade Vila Velha (UVV). E-mail: rafael_1606@hotmail.com

Bacharel em Direito pela Universidade Vila Velha (UVV). E-mail: rafael_1606@hotmail.com Derecho y Cambio Social AS CONDIÇÕES DA AÇÃO E A ANÁLISE DE MÉRITO NO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO Gilberto Fachetti Silvestre 1 Guilherme Fernandes de Oliveira 2 Rafael Francisco Simões Cabral 3 Fecha de

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA CÍVEL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO SP O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO ADMINISTRATIVO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO ADMINISTRATIVO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO ADMINISTRATIVO Objetivos O presente curso tem por objetivo apresentar os princípios constitucionais do Direito Administrativo iniciando-se com um breve relato sobre

Leia mais

Os atos do juiz podem caracterizar-se como sentença, decisão interlocutória ou despacho. A nossa primeira questão trata da sentença.

Os atos do juiz podem caracterizar-se como sentença, decisão interlocutória ou despacho. A nossa primeira questão trata da sentença. CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 6 ATOS DAS PARTES E ATOS DO JUIZ. SENTENÇA E COISA JULGADA. Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá,

Leia mais

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU: I Relatório e factos provados A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário facultativo por

Leia mais

lllll!lllllllllllll!lllll1!l!lllll!illll!iiiií!ll! 1-01505007*

lllll!lllllllllllll!lllll1!l!lllll!illll!iiiií!ll! 1-01505007* TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA «., - - A a - REGISTRADO(A) SOB N y ACÓRDÃO., - mi I lllll!lllllllllllll!lllll1!l!lllll!illll!iiiií!ll! 1-01505007*.

Leia mais

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO PARTE 1 A TUTELA PROVISÓRIA PREVISTA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA CRÍTICA... 23 CAPÍTULO I TEORIA GERAL DA TUTELA

Leia mais