Lei do Inquilinato e solidariedade: litisconsórcio necessário ou facultativo?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lei do Inquilinato e solidariedade: litisconsórcio necessário ou facultativo?"

Transcrição

1 Lei do Inquilinato e solidariedade: litisconsórcio necessário ou facultativo? Regina Márcia Gerber Doutoranda em Lingüística pela UFSC/SC. Mestre em Teoria e Análise Lingüística. Aluna da 6ª fase de Direito da UNISUL/SC. Bolsista CNPq/Brasil. Publicado em 18/01/2008 Sumário: 1. Introdução; 2. Litisconsórcio; 3. A posição da doutrinária acerca do litisconsórcio: necessário ou facultativo?; 4. Reflexões finais; 5. Referências. 1. Introdução Ao estudar a Lei do Inquilinato foi possível verificar que, quando há mais de um inquilino, num contrato de locação de imóvel, há solidariedade entre eles. Tanto que, por exemplo, em caso de inadimplemento, todos responderiam solidariamente pelo feito, caracterizando assim um caso de litisconsórcio. Entretanto, do mesmo modo que é pacífico o entendimento de que, no caso de inadimplemento, os inquilinos solidários serem litisconsortes, não é pacífica a decisão quanto ao tipo de litisconsórcio: se necessário ou facultativo. Deste modo, para desenvolver este artigo, toma-se como objeto de estudo, esta divergência. Entretanto, sabe-se que, antes de entrar nesta questão é necessário apresentar, primeiro, conceitos acerca de litisconsórcio, bem como caracterizar tanto o necessário quanto o facultativo. Segundo, abordar a questão do inadimplemento e da solidariedade na Lei do Inquilinato. Em seguida, tratar da questão da divergência doutrinária e, por fim, apresentar reflexões finais sobre a questão inicial, já exposta no título deste material. Assim, passa-se a tratar do litisconsórcio, dedicando atenção especial à suas espécies: necessário e facultativo.

2 2. Litisconsórcio Normalmente a relação jurídica se estabelece através da angularização formada pelo autor, juiz e réu. Entretanto, em alguns casos, pode ocorrer que num dos pólos da relação, ou em ambos, atuem mais de uma pessoa. A esse fenômeno dá-se o nome de litisconsórcio[1] e, a esta pluralidade de pessoas, dá-se o nome de litisconsortes (PAULA, 2003; p ; DINAMARCO, 2002, p ; FERRAZ, 1979; p. 78; BARBI, 2002; MARQUEZ, 2001, p. 110). Deste modo, de maneira resumida, pode-se dizer que o litisconsórcio é o fenômeno processual que reúne dois ou mais litigantes num dos pólos da ação, com identidade de interesses e de atuação processual (PAULA, 2003, p. 225). Segundo Cândido Rangel Dinamarco, a admissão do litisconsórcio comporta a pressuposição de que cada um dos co-litigantes, ou todos quando o litisconsórcio é necessário, possui legitimidade para ocupar o pólo da relação jurídica a que tem direito (2002, p. 43). Esta imposição de legitimidade dos litigantes encontra-se expressa no artigo 6º do Código de Processo Civil: ninguém poderá pleitear, em nome próprio, direito alheio, salvo quando autorizado por lei (1973, p. 328). Assim, com referência ao objeto do processo, ou seja, à demanda posta em juízo, só poderá haver litisconsórcio se a todos e cada um tocar a qualidade que lhes autorize a condição do processo (DINAMARCO, 2002, p. 43). Jônatas Luiz Moreira de Paula, citando Enrico Tullio Liebman, informa que existem dois requisitos básicos, e essenciais, à formação do litisconsórcio: a conexão de ações, em razão do pedido ou da causa de pedir, e a obediência à competência, que não pode ser de forma alguma absolutamente incompetente (2003, p. 230). Por este motivo, os litisconsortes se unem, num só processo, em busca de um direito comum. De maneira resumida, pode-se dizer que o litisconsórcio pode ser ativo (quando há mais de um autor), passivo (quando há mais de um réu), misto ou recíproco (quando há mais de um autor e mais de um réu). Pode ser também inicial ou ulterior (de acordo com a pluralidade de litisconsortes no início ou em momento posterior da ação), bem como simples (ocorre quando a decisão pode ser diferente para cada litigante) ou unitário (ocorre quando a decisão deve ser igualitária para todos os litisconsortes). Além disso, pode ser necessário ou facultativo, as espécies que interessam para este estudo e que passo a tratar.

3 O litisconsórcio necessário ocorre quando a ação deve ser proposta, impreterivelmente, por dois ou mais litigantes. Deste modo, percebe-se que há uma obrigatoriedade e, esta, de acordo com o artigo 47 do Código de processo Civil (1973), deriva da lei ou da natureza da relação jurídica. Pode-se citar, como exemplos de litisconsórcio necessário, a citação obrigatória (1) de ambos os cônjuges nas ações que versem sobre direitos reais imobiliários (artigo 10, 1, I, Código de Processo Civil, 1973); (2) de todos os sócios, nos casos de dissolução de sociedades; (3) bem como de todos os credores do devedor insolvente (artigos 761 e 762, Código de Processo Civil, 1973). Assim sendo, caso o autor da ação não promova a citação de todos os litisconsortes, o processo será extinto sem julgamento do mérito, segundo parágrafo único do artigo 47 do Código de Processo Civil (1973). Celso Agrícola Barbi acrescenta que, o litisconsórcio necessário, é aquele que não pode ser dispensado, mesmo que todos os interessados estejam de acordo (2002, p. 191). O litisconsórcio facultativo ocorre quando é facultado às partes participarem ou não do litisconsórcio, de modo que, sua instauração fica subordinada à vontade das partes. Segundo Cândido Rangel Dinamarco, é o ato de iniciativa do processo que determinará soberanamente se o processo se fará entre só um autor e só um réu, ou entre três ou mais pessoas (2002, p. 67). Para ser facultativo o litisconsórcio não pode se encaixar nas condições previstas no artigo 47 do Código de Processo Civil (1973). O Código de Processo Civil (1973), em seu artigo 46, enumera quatro hipóteses de formação do litisconsórcio facultativo. A primeira, impresa no inciso I, determina que haverá litisconsórcio facultativo quando entre os litisconsortes houver comunhão de direitos ou de obrigações relativas à lide. Segundo Celso Agrícola Barbi, comunhão de obrigações existirá quando vários devedores o sejam em conjunto, quer solidariamente, quer em partes definidas. Tem-se o exemplo de várias pessoas que adquiriram uma coisa a prazo, responsabilizando-se cada uma por uma parte do preço, ou mesmo assumindo a posição de devedores solidários. Existe aí uma obrigação comum que pode ser exigida pelo credor. Se não houver solidariedade, o credor poderá cobrar de cada um a sua parte, em ações distintas; mas pode preferir cobrar de todos, reunindo suas diversas ações em um só processo. Da mesma forma, se houver solidariedade naquela dívida, tanto poderá o credor acionar cada um separadamente, como propor suas várias ações contra todos, ou alguns, em um só processo (2002, p. 196). A segunda, impresa no inciso II, estabelece que o litisconsórcio facultativo

4 será admitido quando os direitos e obrigações derivarem do mesmo fundamento de fato e de direito. Para Celso Agrícola Barbi, é importante observar que o inciso cuida de causa originadas do mesmo fato (idem factum), e não de fatos iguais (factum símile). São coisas diversas: estes últimos, ainda que iguais, não são o mesmo acontecimento. Dois incidentes iguais são sempre dois acidentes, e não o mesmo e único fato (2002, p. 196, grifos do autor). Como exemplo pode-se citar, de acordo com Jônatas Luiz Moreira de Paula, ação promovida por dois proprietários de veículos atingidos pelo acidente provocado pelo réu (2003, p. 233). A terceiro, impressa no inciso III, prevê o litisconsórcio facultativo quando houver conexão pelo objeto ou pela causa de pedir. Pode-se citar como exemplos: a) dois ou mais acionistas impugnam juntos a deliberação tomada em assembléia geral da sociedade anônima; ou quando os sócios de uma sociedade por cotas agem em condições idênticas; b) dois ou mais locatários demandam no mesmo processo contra o locador que os notificou de um aumento de aluguel, previsto no contrato por todos assinados; e c) dois ou mais credores propõem juntos ação declaratória de nulidade por fraude contra credores (CC, art. 166, VI), ou por simulação, fundada no art. 167 do Código Civil (BAPTISTA DA SILVA, 1991, p ). Por fim, a quarta, impressa no inciso IV, estipula que há litisconsórcio facultativo quando ocorre afinidade de questões por um ponto comum de fato ou de direito, ou seja, quando há fatos iguais, semelhantes (factum símile) que ocorrem, por exemplo, quando um proprietário rural entra com ações contra seus vizinhos porque estes soltam seus animais em sua fazenda, sem haver acordo prévio quanto a isso (COSTA apud BARBI, 2002, p. 199). Em seguida, passa-se a tratar do posicionamento da doutrina em relação ao litisconsórcio, se necessário ou facultativo, no caso de inadimplemento em contratos de locação, quando há solidariedade. 3. A posição da doutrinária acerca do litisconsórcio: necessário ou facultativo? O artigo 2 da Lei nº de 1991, a Lei do Inquilinato, preceitua que havendo mais de um locador ou mais de um locatário, presumem-se que são solidários, se o contrário não se estipulou. Assim, a princípio, não sendo estipulado o contrário no contrato, há

5 solidariedade e, esta, pode ocorrer tanto no pólo ativo como no passivo. Quanto à solidariedade ativa, pode-se dizer que é aquela onde há mais de um locador, exemplo: Pedro e João são locadores e Débora é a locatária de um apartamento. Considerando que o valor do aluguel seja R$ 600,00, caberia a qualquer um dos dois locadores cobrar o valor de Débora. Quanto à solidariedade passiva, pode-se dizer que é aquela onde há mais de um locatário, exemplo: Cláudia, João e Mateus são locatários e Laura é a locadora de uma casa de praia. Considerando que o valor do aluguel também seja R$ 600,00 e que Cláudia pagou o valor do aluguel sozinha, nesse caso, ela poderia se sob-rogar nos direitos do locatário e, através de uma ação de regresso, cobrar de João e Mateus a quota-parte deles. Nos exemplos acima, no que tange ao aspecto civil, não há problemas. Mas, se acrescentássemos uma condição de inadimplemento, no caso da solidariedade passiva, e, ocorrendo a falta de pagamento por parte dos locatários, Laura poderia propor uma ação de despejo. Neste caso, ela deveria propô-la contra um dos locatários ou contra todos? Seria caso de litisconsórcio passivo necessário ou facultativo? Nestes pontos, na doutrina, residem às controvérsias, ou seja, o problema não se coloca no plano civil, mas no processual e, por isso, as divergências levam a duas correntes. A primeira defende que o locador, nos casos de pluralidade subjetiva, poderá escolher contra quais dos locatários irá propor a ação de despejo, desde que não esteja estipulado, no contrato, cláusula diversa. Neste caso, o litisconsórcio aplicado seria o facultativo, em vista da solidariedade, podendo a ação de despejo ser promovida por um só dos locadores contra o locatário ou um só dos locatários. Isso também se aplica à cobrança por via autônoma de aluguéis, encargos e mais penalidades dirigida contra qualquer locatário, devedor solidário, de livre escolha do credor (AGUIAR, 1993, p. 25). Neste caso, poderia, igualmente, no pólo oposto, ser também aplicada uma ação que visasse cobrar perdas e danos, bem como aplicar penalidade, caso houvesse infração por parte dos locadores solidários. Segundo Sylvio Capanema de Souza, esta posição não é adotada apenas pelo Desembargador João Carlos Pestana de Aguiar, mas também pelo magistrado Dr. José Guy de Carvalho Pinto, por Gildo dos Santos, por Alcides Tomasetti e por Oswaldo Optiz e Silva Optiz (2001, p. 39). Neste caso, o litisconsórcio aplicado seria o facultativo. A segunda considera que, por causa da solidariedade passiva, pode-se cobrar o aluguel de cada um dos locatários, mas não demandar apenas contra um deles e

6 querer que os efeitos atinjam os demais, visto a questão ser processual (AURÉLIO, 2005, p. 4). Sobre esta questão, Maria Helena Diniz esclarece que esta solidariedade situa-se apenas no plano da obrigação ou da responsabilidade pecuniária. Deste modo, ocorrendo a ação de despejo e havendo vários locatários, deverá Laura propor a ação contra todos eles e não apenas contra um deles, pois visa declarar rescindida a locação, rompendo o vínculo contratual, e retomar prédio e não cobrar débitos, conservando-se o liame jurídico e a posse direta. Se todos participaram da formação da relação locatícia, todos deverão participar de sua ruptura (DINIZ, 1992, p. 39). 4. Reflexões finais Sendo assim, a partir do exposto, é possível verificar que, no tocante às questões referentes ao inadimplemento por parte de locatários de imóveis, há divergências entre os doutrinadores. Para uns, dentre eles, por exemplo, João Carlos Pestana de Aguiar (1993, p. 25), a solidariedade leva a interpretação de que o locatário pode propor a ação de despejo contra qualquer um dos locatários solidários. Para outros, como por exemplo, para Maria Helena Diniz (1992, p. 39), o fato de haver solidariedade não permite ao locador, deliberadamente, propor a ação de despejo somente contra um dos locatários, sendo-lhe, necessariamente obrigatório, em vista da solidariedade, propôla contra todos eles. Particularmente, considerando as questões levantadas, considero ser mais coerente a aplicação da segunda vertente, a de Maria Helena Diniz. Não me parece adequada a aplicação da primeira vertente pelo fato de parecer-me incoerente, numa ação que visa despejar vários locatários, e sendo todos solidários, propor a ação apenas contra um eles. Além disso, um fato que me parece crucial e muito importante, é que os efeitos da decisão do juiz irão atingir, necessariamente, a todos os locatários. Por isso mesmo, parece ser inquestionável a necessidade de aplicação do artigo 47 do Código de Processo Civil (1973), porque a sua não aplicação poderia acarretar extinção do processo. Referências

7 AGUIAR, João Carlos Pestana. Nova lei das locações comentada. Rio de Janeiro: Lumen Juris, AURÉLIO, Marco. Direito Civil. Diex-Ielf/extensivo Disponível em: <http://www.diex.com.br/material/int_trabalho/marco_15_07_05.pdf>. Acesso: 16 out BARBI, Celso Agrícola. Comentários ao código de processo civil, v. 1. Rio de Janeiro: Forense, BAPTISTA DA SILVA, Ovídio. Curso de processo civil, v. 1. 2ª ed. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris, DINAMARCO, Cândido Rangel. Litisconsórcio. 7ª ed. São Paulo: Malheiros, DINIZ, Maria Helena. Lei de locação de imóveis urbanos comentada. São Paulo: Saraiva, FERRAZ, Sérgio. Assistência litisconsorcial no direito processual civil: breves notas. São Paulo: Revista dos Tribunais,1979. LIMA, Gustavo Bayerl. Litisconsórcio e intervenção de terceiro. Geocities, Disponível em: <http://www.geocities.com/juristantum2000/dpc1.htm>. Acesso: 29 nov MARQUES, José Frederico de. Manual de Direito Processual Civil. 2ª ed. São Paulo: Millenium, PAULA, Jônatas Luiz Moreira de. Comentários ao Código de Processo Civil, v. 1: 1º ao 261. São Paulo: Manole, SOUZA, Sylvio Capanema de. A nova Lei do Inquilinato: comentários, jurisprudência, formulários e legislação. Rio de Janeiro: Forense, Da locação do imóvel urbano: direito e processo. Rio de Janeiro: Forense, [1] Litisconsórcio é uma palavra de origem latina que se compõe de três vocábulos: lis, litis: que significa processo, pleito; cum: que significa junção e sors, sortis: que significa quinhão, resultado ou sorte (LIMA, 2000, p. 1). Deste modo, pode-se dizer, que um processo comporta um litisconsórcio quando há a junção de várias pessoas com interesses comuns.

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS 1 INTERVENÇÃO DE TERCEIROS Trata-se de roteiro de um importantíssimo capítulo da disciplina Direito Processual Civil Processo de Conhecimento de modo a auxiliar os discentes na compreensão da matéria.

Leia mais

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na 1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na qual este reivindicava a propriedade do veículo adquirido

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Do litisconsórcio necessário passivo Angelito Dornelles da Rocha* RESUMO Trata-se do litisconsórcio de um fenômeno de pluralidade de partes, podendo constar tanto no pólo ativo quanto

Leia mais

Denunciação da Lide. Genésio Luís de Menezes Cibillo

Denunciação da Lide. Genésio Luís de Menezes Cibillo 1 Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Denunciação da Lide Genésio Luís de Menezes Cibillo Rio de Janeiro 2013 2 GENÉSIO LUIS DE MENEZES CIBILLO Denunciação da Lide Projeto de pesquisa apresentado

Leia mais

FAN - Faculdade Nobre. Modalidades de Obrigações II

FAN - Faculdade Nobre. Modalidades de Obrigações II FAN - Faculdade Nobre Modalidades de Obrigações II Obrigações Solidárias 1. Conceito: I. Solidariedade Ativa: (art. 267, CC). II. Solidariedade Passiva: (art. 275, CC). III. Solidariedade Mista: vontade

Leia mais

O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios

O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios Jaques Bushatsky Setembro de 2015 Rateio das despesas: O Decreto nº 5.481, de 25/06/1928 possibilitou a alienação parcial dos edifícios

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Disciplina Direito Civil III (Contratos I) Carga horária 90 horas/aula Créditos 5 Semestre letivo 4º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Disciplina Direito Civil III (Contratos I) Carga horária 90 horas/aula Créditos 5 Semestre letivo 4º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Civil III (Contratos I) Código PRI0054 Carga horária 90 horas/aula Créditos 5 Semestre letivo 4º II Ementário Teoria geral dos contratos. A formação do

Leia mais

REVISTA SABER ELETRÔNICO Ano 1 Vol. 1 Nov / Jun 2010 ISSN 2176-5588

REVISTA SABER ELETRÔNICO Ano 1 Vol. 1 Nov / Jun 2010 ISSN 2176-5588 A INTERVENÇÃO DE TERCEIRO NA AÇÃO CIVIL PÚBLICA Daniel Cervantes Angulo Vilarinho 1, Resumo: Pretendemos com este trabalho após um breve relato acerca da intervenção de terceiros nas ações coletivas, discutir

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE II ANAIS DO CURSO DE EXTENSÃO EM TEORIA DO DIREITO: A Tríplice perspectiva do Direito e a relação teórica, prática e ética. Cáceres: Unemat Editora, Vol.1. n. 01 (2013). ISSN 2317-3478 ASPECTOS IMPORTANTES

Leia mais

ÍNDICE. Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS...

ÍNDICE. Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS... ÍNDICE Esta oportunidade... Prefácio... PARTE I LOCAÇÃO DE IMÓVEL URBANO: CONCEITO, CARACTERES GERAIS E ELEMENTOS ESSEN CIA IS... XXI XXV I PARTE II CO M EN TÁ RIO S À L E I N. 8.245, DE 18 DE OUTUBRO

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos pertinentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei introduz alteração na Lei

Leia mais

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010 Apresentação: Leandro Ibagy Vitória, mar/2010 Ao proteger excessivamente o locatário, restringindo a reprise, ninguém mais se interessava adquirir imóveis para destiná-los a locação. Nível de aquisição

Leia mais

AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO

AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO CAETANO ERNESTO DA FONSECA COSTA Desembargador do TJ/RJ 1. OBJETIVO O que modestamente se pretende com este trabalho é alcançar maior celeridade à pretensão jurisdicional

Leia mais

Fiança não é aval. Entrega das chaves

Fiança não é aval. Entrega das chaves Para a maioria das pessoas, gera desconforto prestar fiança a amigos ou parentes. Não é pra menos. Ser a garantia da dívida de alguém é algo que envolve riscos. Antes de afiançar uma pessoa, é preciso

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO SEMANAL Nº XLIII- AN0 2010 DIREITO TRABALHISTA NOVAS MODALIDADES E POSTOS DE TRABALHO

INFORMATIVO JURÍDICO SEMANAL Nº XLIII- AN0 2010 DIREITO TRABALHISTA NOVAS MODALIDADES E POSTOS DE TRABALHO 1 INFORMATIVO JURÍDICO SEMANAL Nº XLIII- AN0 2010 DIREITO TRABALHISTA NOVAS MODALIDADES E POSTOS DE TRABALHO Com o avanço da globalização, o mundo contemporâneo se viu forçado a criar novas formas de trabalho,

Leia mais

Direito das Obrigações (8.ª Aula)

Direito das Obrigações (8.ª Aula) Direito das Obrigações (8.ª Aula) 1) Classificação das Obrigações V: Obrigações Solidárias Ao lado das obrigações divisíveis e indivisíveis, o Código Civil regulamenta também as chamadas obrigações solidárias,

Leia mais

PARECER Nº 001/JBBONADIO/2009. Assunto: Pedido de Inscrição de pessoa jurídica com a indicação de dois responsáveis técnicos.

PARECER Nº 001/JBBONADIO/2009. Assunto: Pedido de Inscrição de pessoa jurídica com a indicação de dois responsáveis técnicos. PARECER Nº 001/JBBONADIO/2009 Assunto: Pedido de Inscrição de pessoa jurídica com a indicação de dois responsáveis técnicos. Antes de tecer qualquer comentário acerca do assunto, vale lembrar que em 2004,

Leia mais

A DENUNCIAÇÃO DA LIDE NA EVICÇÃO RESUMO

A DENUNCIAÇÃO DA LIDE NA EVICÇÃO RESUMO 1 A DENUNCIAÇÃO DA LIDE NA EVICÇÃO Isabella Bogéa de Assis 1 Sumário: Introdução; 1 Denunciação da lide; 2 A evicção e sua garantia processual; 3 A denunciação da lide é obrigatória na evicção?; 3.1 Análise

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Cabe reconvenção em ação de despejo por falta de pagamento? Ceres Linck dos Santos* A ação de despejo é uma ação manejada pelo locador [01] contra o locatário que tem por objeto

Leia mais

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL PEÇA PROFISSIONAL José, brasileiro, por intermédio da Administradora de Imóveis Maranhão Ltda., sociedade civil, representada por Aluísio, contratou a locação da

Leia mais

Questões de Direito Civil

Questões de Direito Civil Questões de Direito Civil Sandro Gilbert Martins* Questão 1 (OAB/SP) Antônio comparece ao seu escritório e relata que está residindo, juntamente com sua família e com outras nove famílias, em um terreno

Leia mais

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS 1.1. Generalidades... 17 1.2. Conceito, requisitos e características... 37 1.3. Natureza jurídica do contrato de locação...

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

REPERCUSSÕES DA ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE IMÓVEL NA LOCAÇÃO

REPERCUSSÕES DA ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE IMÓVEL NA LOCAÇÃO REPERCUSSÕES DA ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE IMÓVEL NA LOCAÇÃO NELSON KOJRANSKI Ex-Presidente do Instituto dos Advogados de São Paulo 1.- LEASING IMOBILIÁRIO: A Lei n 9.514, de 20.11.97, que dispõe sobre o

Leia mais

Litisconsórcio Ativo na Recuperação Judicial

Litisconsórcio Ativo na Recuperação Judicial Litisconsórcio Ativo na Recuperação Judicial Por Rafael Avanzi Pravato* Pravato e Associados / 23.08.2012 O presente artigo surgiu de um caso concreto em que, diante de problemas economicofinanceiros,

Leia mais

RESPONSABILIDADE FINAL DO PAGAMENTO DOS ENCARGOS CONDOMINIAIS EM SHOPPING CENTERS

RESPONSABILIDADE FINAL DO PAGAMENTO DOS ENCARGOS CONDOMINIAIS EM SHOPPING CENTERS RESPONSABILIDADE FINAL DO PAGAMENTO DOS ENCARGOS CONDOMINIAIS EM SHOPPING CENTERS Inicialmente, destaca-se que, não há no ordenamento jurídico brasileiro norma específica que regule a importante atividade

Leia mais

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira - São Paulo, Brasil - 13 de agosto de 2010 MULTA CONTRATUAL Lei nº. 8.245/91 O locatário poderia devolver

Leia mais

Do Chamamento ao Processo

Do Chamamento ao Processo - INTERVENÇÃO DE TERCEIROS CONTINUAÇÃO (...) Do Chamamento ao Processo O chamamento ao processo configura-se por ser o instituto por meio do qual se permite que o devedor acionado em juízo convoque para

Leia mais

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas.

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas. RESUMO 1)Sociedade Limitada Continuação 1.1) Responsabilidade do sócio dentro da sociedade limitada. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita

Leia mais

É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único.

É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único. SOLIDARIEDADE PASSIVA É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único. Decorre da lei (art.154, 828,II) ou da vontade das partes.

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O contrato de locação em vista da lei do inquilinato Olívia Ricarte INTRODUÇÃO O contrato de locação é um dos mais importantes e também um dos mais utilizados na órbita contratual.

Leia mais

AINDA OS LITISCONSÓRCIOS NECESSÁRIO E UNITÁRIO

AINDA OS LITISCONSÓRCIOS NECESSÁRIO E UNITÁRIO AINDA OS LITISCONSÓRCIOS NECESSÁRIO E UNITÁRIO CARLOS EDUARDO ROSA DA FONSECA PASSOS 1. AS CRÍTICAS À REDAÇÃO DO ART. 47, CAPUT, DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Doutrinadores abalizados já expressaram seu

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito

UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito 563 UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito Rafael Arouca Rosa (UNESP) Introdução Dentre as mudanças propostas no anteprojeto do novo Código

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS É o ato de vontade que, por se conformar com os mandamentos da lei e a vocação do ordenamento jurídico, confere ao agente os efeitos por ele almejados. ELEMENTOS ESTRUTURAIS I -ESSENCIAIS

Leia mais

LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO ARBITRAMENTO DO ALUGUEL INTERPRETAÇÃO DOS ARTS. 3.º, PARÁGRAFO ÚNICO, E 6.º E PARÁGRAFOS DO DECRETO LEI N.º 4, DE 7 DE FEVEREIRO DE 1966 Sérgio

Leia mais

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL José Domingues Filho 1 SUMÁRIO RIO: 1. O problema. 2. Conceito de mérito 3. Defesa de mérito no processo de conhecimento. 4. Julgamento de mérito no processo de conhecimento.

Leia mais

o Projeto de Lei n. 4.185, de 2012, de autoria do Deputado Giovani Cherini (PDT/RS),

o Projeto de Lei n. 4.185, de 2012, de autoria do Deputado Giovani Cherini (PDT/RS), EXMO. SR. DR. PRESIDENTE ARNON VElMOVITSKY DA COMISSÃO DE DIREITO IMOBILIÁRIO (CDI) DO INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS (IAS). FREDERICO PRICE GRECHI, relator e membro da Comissão de Direito Imobiliário

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi PODER JUDICIÁRIO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii um mu um um um um mu mi mi Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL

PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL 1.1 FORMAÇÃO DE LITISCONSÓRCIO PASSIVO FACULTATIVO

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA TERCEIRIZAÇÃO NO PROCESSO DO TRABALHO: LEGITIMIDADE; CONDENAÇÃO SOLIDÁRIA OU SUBSIDIÁRIA E INTERVENÇÃO DE TERCEIROS.

IMPLICAÇÕES DA TERCEIRIZAÇÃO NO PROCESSO DO TRABALHO: LEGITIMIDADE; CONDENAÇÃO SOLIDÁRIA OU SUBSIDIÁRIA E INTERVENÇÃO DE TERCEIROS. 1 IMPLICAÇÕES DA TERCEIRIZAÇÃO NO PROCESSO DO TRABALHO: LEGITIMIDADE; CONDENAÇÃO SOLIDÁRIA OU SUBSIDIÁRIA E INTERVENÇÃO DE TERCEIROS. Em primeiro lugar, é importante recordar o que se entende por terceirização.

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA O projeto de pesquisa a ser apresentado para o Curso de Graduação da UNIÃO DAS FA- CULDADES DOS GRANDES LAGOS constitui-se de uma proposta de como o trabalho

Leia mais

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO DO SCPC Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PROTEÇÃO PROTEÇÃO AO AO CRÉDITO CRÉDITO

Leia mais

DA VIABILIDADE DO OFERECIMENTO DOS ALUGUÉIS VENCIDOS COMO CAUÇÃO PARA CONCESSÃO DE LIMINAR EM AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO

DA VIABILIDADE DO OFERECIMENTO DOS ALUGUÉIS VENCIDOS COMO CAUÇÃO PARA CONCESSÃO DE LIMINAR EM AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO DA VIABILIDADE DO OFERECIMENTO DOS ALUGUÉIS VENCIDOS COMO CAUÇÃO PARA CONCESSÃO DE LIMINAR EM AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO DÉCIO SEIJI FUJITA 1 RESUMO A atual Lei das Locações de Imóveis Urbanos

Leia mais

Númeração Única: 7965592-59.2005.8.13.0024 Relator:

Númeração Única: 7965592-59.2005.8.13.0024 Relator: Inteiro Teor Número do processo: 1.0024.05.796559-2/001(1) Númeração Única: 7965592-59.2005.8.13.0024 Relator: MÁRCIA DE PAOLI BALBINO Relator do Acórdão: MÁRCIA DE PAOLI BALBINO Data do Julgamento: 03/08/2006

Leia mais

A responsabilidade do inquilino pelo pagamento do IPTU Imposto Predial e Territorial Urbano, relativo ao imóvel locado.

A responsabilidade do inquilino pelo pagamento do IPTU Imposto Predial e Territorial Urbano, relativo ao imóvel locado. A responsabilidade do inquilino pelo pagamento do IPTU Imposto Predial e Territorial Urbano, relativo ao imóvel locado. RONALDO MARTON Consultor Legislativo da Área III Tributação, Direito Tributário MARÇO/2006

Leia mais

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações:

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: 1. Jurisdição internacional concorrente Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: I de alimentos, quando: a) o credor tiver domicílio ou residência no

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 6º SEMESTRE - NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL

Leia mais

CÓDIGO CIVIL 2002 CONDOMÍNIO GARAGEM ATUALIDADES

CÓDIGO CIVIL 2002 CONDOMÍNIO GARAGEM ATUALIDADES CÓDIGO CIVIL 2002 CONDOMÍNIO GARAGEM ATUALIDADES CÓDIGO CIVIL 2002: ART. 1339 - Os direitos de cada condômino às partes comuns são inseparáveis de sua propriedade exclusiva; são também inseparáveis das

Leia mais

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro APELAÇÃO CÍVEL N. 638896-9, DA COMARCA DE LONDRINA 2.ª VARA CÍVEL RELATOR : DESEMBARGADOR Francisco Pinto RABELLO FILHO APELANTE : MUNICÍPIO DE LONDRINA APELADO : ALESSANDRO VICTORELLI Execução fiscal

Leia mais

ARBITRAGEM NO CAMPO IMOBILIÁRIO LOCAÇÃO DE IMÓVEIS

ARBITRAGEM NO CAMPO IMOBILIÁRIO LOCAÇÃO DE IMÓVEIS ARBITRAGEM NO CAMPO IMOBILIÁRIO LOCAÇÃO DE IMÓVEIS ADEVANIR TURA Considerando que a Arbitragem cuida de bens disponíveis, a locação de imóveis se enquadra nesta modalidade. Assim, não podemos descaracterizar,

Leia mais

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2. 2 0 0 7 PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.164,95 2 - Recursos: A) interposição de qualquer recurso 1.042,37 3,8476 40,11 1.082,47 B)

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO...., brasileiro, casado, médico, portador da Cédula de Identidade RG nº... - SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob nº... com

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N.º 14.239

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N.º 14.239 PARECER N.º 14.239 CONTRATO DE LOCAÇÃO EM QUE A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA É LOCATÁRIA. PRORROGAÇÃO. DURAÇÃO DO CONTRATO. REVISÃO DO PARECER 10.391. O presente expediente, proveniente da Secretaria da Justiça

Leia mais

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Ao alugar um imóvel é necessário documentar a negociação por meio de um contrato, de preferência, escrito. O inquilino deve ler atentamente todas

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Civil II Departamento II: Direito Privado Docente Responsável: Prof. Dr. Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º Ano Objetivos:

Leia mais

MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS

MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS Por Paulo Caldas Paes* Manual Registrado na Fundação Biblioteca Nacional sob o nº 541.597, Livro 1030, Folha 315. 1.0- Apresentação do Manual: Tema de

Leia mais

1O contrato escrito de CONTRATO DE LOCAÇÃO. Locação Comercial

1O contrato escrito de CONTRATO DE LOCAÇÃO. Locação Comercial 1 CONTRATO DE LOCAÇÃO Locação Comercial A locação comercial pode ser entendida como a cessão de um imóvel para terceiro, que ali pretende montar seu negócio e que, para isso, remunerará o proprietário

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA RELAÇÃO DE EMPREGO A partir do momento em que o trabalho começou a existir, surgiram também as relações de emprego. Sob o ponto de vista do direito, a relação de emprego é um regramento jurídico que envolve

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DAS PESSOAS CASADAS NO PROCESSO CIVIL

A PARTICIPAÇÃO DAS PESSOAS CASADAS NO PROCESSO CIVIL A PARTICIPAÇÃO DAS PESSOAS CASADAS NO PROCESSO CIVIL Mariana Swerts Cunha 1 RESUMO O casamento é uma das mais importantes instituições sociais e seus efeitos repercutem em várias esferas do direito. O

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Jorge, professor de ensino fundamental, depois de longos 20 anos de magistério, poupou quantia suficiente para comprar um pequeno imóvel à vista. Para tanto, procurou

Leia mais

A garantia em dinheiro nas locações urbanas

A garantia em dinheiro nas locações urbanas Geraldo Beire Simões, advogado Rua do Carmo n 17, 9 andar - Centro - Rio de Janeiro RJ CEP 20.011-020 Tel/fax (21) 2222-9457 e-mail: geraldobeire@globo.com A garantia em dinheiro nas locações urbanas Geraldo

Leia mais

RESUMO. Um problema que esse enfrenta nesta modalidade de obrigação é a escolha do objeto.

RESUMO. Um problema que esse enfrenta nesta modalidade de obrigação é a escolha do objeto. RESUMO I - Obrigações Alternativas São aquelas que têm objeto múltiplo, de maneira que o devedor se exonera cumprindo apenas uma delas. Nasce com objeto múltiplo. Ex.: A se obriga a pagar a B objeto X

Leia mais

Sujeição passiva e responsabilidade tributária

Sujeição passiva e responsabilidade tributária Sujeição passiva e responsabilidade tributária O art. 121 do Código Tributário Nacional trata da sujeição passiva. Diz o artigo: Art. 121. Sujeito passivo da obrigação principal é a pessoa obrigada ao

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Processual Civil IV Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito Processual Civil PLANO DE ENSINO EMENTA Estudo relativo

Leia mais

GARANTIAS LOCATÍCIAS. 20 de março de 2012

GARANTIAS LOCATÍCIAS. 20 de março de 2012 GARANTIAS LOCATÍCIAS 20 de março de 2012 As MODALIDADES estão previstas no artigo 37 da Lei 8245/91, mantidas pela Lei 12.112/09: I caução; II fiança; III seguro de fiança locatícia; IV cessão fiduciária

Leia mais

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para o exercício da empresa, por empresário, ou sociedade empresária. Artigo 1.142 CC Estabelecimento

Leia mais

AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE

AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE AÇÕES POSSESSÓRIAS E LOCATÍCIAS PROF. ANDRE ROQUE VITÓRIA 4.9.2015 PARTE I AÇÕES POSSESSÓRIAS POSSE ASPECTOS DE DIREITO MATERIAL Conceito: Teoria subjetiva de Savigny (animus domini) Teoria objetiva de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual.

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 22 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Exceções No Direito Romano, exceção era no sentido amplo

Leia mais

1 - AÇÕES. Modelo: AÇÃO ANULATÓRIA DE DÉBITO FISCAL - DÍVIDA ATIVA ESTADUAL (PROCEDIMENTO ORDINÁRIO)

1 - AÇÕES. Modelo: AÇÃO ANULATÓRIA DE DÉBITO FISCAL - DÍVIDA ATIVA ESTADUAL (PROCEDIMENTO ORDINÁRIO) Modelo: AÇÃO ANULATÓRIA DE DÉBITO FISCAL - DÍVIDA ATIVA ESTADUAL (PROCEDIMENTO ORDINÁRIO) ESC.DIV.ATIVA EST. 1106-4 211,76 Recolhimento das custas referentes ao ato dos escrivães no valor de R$ 211,76,

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

DIREITO DE PREFERÊNCIA NA LEI 8.245/91

DIREITO DE PREFERÊNCIA NA LEI 8.245/91 DIREITO DE PREFERÊNCIA NA LEI 8.245/91 Luana Cristina Coutinho Orosco PLAÇA 1 RESUMO: O Direito de Preferência é um instituto da Lei de Locação, que gera proteção ao Locatário na alienação do imóvel para

Leia mais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais Espelho Civil Peça A peça cabível é PETIÇÃO INICIAL DE ALIMENTOS com pedido de fixação initio litis de ALIMENTOS PROVISÓRIOS. A fonte legal a ser utilizada é a Lei 5.478/68. A competência será o domicílio

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005)

Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005) LUCRO IMOBILIÁRIO PESSOA FÍSICA ISENÇÃO E TRIBUTAÇÃO PELO IMPOSTO DE VENDA NOVA GARANTIA DA LOCAÇÃO: FUNDO DE INVESTIMENTO INCORPORAÇÃO POSSE EM ÁREAS PÚBLICAS Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005)

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA: 1. TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO 2. PARTES NO PROCESSO DE EXECUÇÃO 3. COMPETÊNCIA 4. REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA REALIZAR QUALQUER EXECUÇÃO 5. FASE DE CUMPRIMENTO DE SENTENÇA 5.1 CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Altera e acrescenta dispositivos à Lei n o 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário Nacional. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o A Lei n o 5.172, de 25 de outubro

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL IV Período: 6 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA Teoria geral do direito falimentar. Processo falimentar: Fases do processo de falência. Administração

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 Altera a Resolução Normativa - RN 4, de 19 de abril de 2002, que dispõe sobre o parcelamento de débitos tributários e não tributários para com a

Leia mais

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante;

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante; Aula de 02/03/15 5. ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL - Conceito: corresponde ao conjunto de bens reunidos pelo empresário (individual ou sociedade empresária) para a realização de sua atividade econômica; -

Leia mais

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? A locação de imóveis sem as garantias tradicionais. Jaques Bushatsky

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? A locação de imóveis sem as garantias tradicionais. Jaques Bushatsky A locação de imóveis sem as garantias tradicionais. Jaques Bushatsky A Lei 12.112 de 09/12/2009 Aperfeiçoou a Lei 8.245/91. Manteve o bom espírito da lei de 1.991. Trouxe para o direito positivo, a experiência

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA Apresenta uma visão geral da responsabilidade tributária em conformidade com as modalidades previstas no CTN, art 129-138. Ana Carolina Fialho Barbosa Leal 1. Conceito Preliminarmente,

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO CIVIL II 3º período: 80h/a Aula: Teórica EMENTA Direito das obrigações. Obrigação. Obrigações de dar. Obrigações de fazer. Obrigações de não fazer. Obrigações alternativas. Obrigações

Leia mais

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima;

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima; Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 11 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: V- Transmissão das Obrigações: 1. Cessão de Crédito. V - Transmissão das Obrigações: 1. CESSÃO

Leia mais

(Do Sr. Julio Lopes) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Julio Lopes) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2006 (Do Sr. Julio Lopes) Institui a consignação em folha de pagamento de aluguéis residenciais. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Os servidores públicos e os empregados regidos

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador MARCO MACIEL

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador MARCO MACIEL PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 94, de 2003, de autoria do Senador AELTON FREITAS, que altera dispositivos

Leia mais

PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO

PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO PROCEDIMENTO SUMÁRIO e SUMARÍSSIMO 1. Procedimento Sumário e Sumaríssimo 1.1 Generalidades I. Processo de Conhecimento (artigo 272 Livro I): b) Comum: a.1) Ordinário (regra geral) a.2) Sumário (275) b)especiais

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CAPACIDADE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Murillo Sapia Gutier 1

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CAPACIDADE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Murillo Sapia Gutier 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE A CAPACIDADE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL Murillo Sapia Gutier 1 SUMÁRIO: 1. Conceito; 2. Capacidade de direito; 3. Capacidade de ser parte; 4. Capacidade Processual; 5. Capacidade postulatória;

Leia mais

RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL

RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATERIAL DIDÁTICO RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DIREITO COMERCIAL E LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA 3º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO..

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais