ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS AÇÕES MOTORAS DE JOGADORES ATACANTES DA SEGUNDA DIVISÃO DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE CAMPO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS AÇÕES MOTORAS DE JOGADORES ATACANTES DA SEGUNDA DIVISÃO DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE CAMPO"

Transcrição

1 Recebido em: 19/03/2011 Emitido parece em: 18/04/2011 Artigo inédito ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS AÇÕES MOTORAS DE JOGADORES ATACANTES DA SEGUNDA DIVISÃO DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE CAMPO Paulo Roberto Andriola Freitas¹, Danilo Lopes Ferreira Lima¹, Ricardo Lima dos Santos¹, Rossman Prudente Cavalcante¹. RESUMO No decorrer dos anos, o futebol atingiu uma grande evolução, com isso a necessidade de estudos a respeito da modalidade se tornou crescente e natural, principalmente devido ao alto nível de performance exigido pelas equipes. Entre os vários fatores que influenciam no resultado final de uma partida de futebol destacam-se a aptidão física dos atletas, a qualidade técnica e a capacidade tática de cada um deles. O presente estudo, de caráter descritivo e abordagem quantitativa, teve como objetivo detectar o número e o tempo médio dos sprints realizados pelos jogadores atacantes de duas equipes de futebol na disputa de um campeonato nacional de 2ª divisão, bem como verificar possíveis correlações entre essas variáveis e as finalizações. Foram avaliados três jogos da equipe do Ceará e três da equipe do Fortaleza. Para a coleta dos dados foi utilizado uma câmera fotográfica/filmadora e um cronômetro digital. Após a análise dos resultados, foi possível verificar que a média do número de sprints nos seis jogos avaliados foi de 38,5 e a média de tempo por sprint nas partidas avaliadas foi de 2,1 segundos. Não houve qualquer correlação, avaliada pelo coeficiente de Pearson, entre o número e quantidade de sprints com o número e efetividade das finalizações durante os jogos avaliados. A importância do condicionamento físico para os atletas é inquestionável e irá tornar suas ações motoras durante o jogo mais efetivas, porém inúmeros fatores devem ser considerados quando se analisa aspectos técnicos e físicos simultaneamente. Palavras-chave: Futebol; sprints; finalizações. COMPARATIVE STUDY BETWEEN MOTOR ACTIONS OF FORWARD PLAYERS OF BRAZILIAN SOCCER SECOND DIVISION CHAMPIONSHIP ABSTRACT Over the years, football has reached a great evolution and therefore the need for studies, about the sport, became increasingly natural, mainly due to the high level of performance required by the teams. Among the various factors that influence the final outcome of a football match, the physical fitness of athletes, the technical quality and capacity of each tactic are the most important. This study is descriptive and quantitative approach aimed to detect the number and average length of sprints achieved by attacking players in two soccer teams in contention for a national championship in second division, as well as to verify possible correlations between these variables and the submissions. It was evaluated three games of Ceará s Team and Fortaleza s Team. To collect the data, it was used a camera and a digital timer. After analyzing the results, the average number of sprints evaluated in six games was 38.5 and the average time per sprint in startups evaluated was 2.1 seconds. There was no correlation assessed using Pearson's correlation between the number and amount of sprints at the number and effectiveness of submissions evaluated during the games. The physical conditioning importance, for athletes, is unquestionable and will make their motor actions during the game more effective, but several factors must be considered when analyzing the physical and technical aspects simultaneously. Keywords: Soccer; sprints; submissions. Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol.10, n.3, ISSN:

2 INTRODUÇÃO No decorrer dos anos, o futebol atingiu uma grande evolução, com isso a necessidade de estudos a respeito da modalidade se tornou crescente e natural, principalmente devido ao alto nível de performance exigido pelas equipes. Desta maneira, os fundamentos científicos pouco a pouco vêm substituindo o mito e subjetividade de muitas pessoas que ainda consideram a sorte e o azar como os únicos determinantes para os resultados finais dos jogos (CUNHA et al., 2001). Através da especificidade dos treinamentos em cada componente exigido no futebol, foi-se notando que os êxitos ou os fracassos nos resultados de uma equipe de alto nível estão totalmente relacionados com os detalhes trabalhados ou deixados de lado pelos treinadores. Sabe-se que o futebol é um esporte que possui uma ampla complexidade de fatores que influenciam no resultado final de uma partida, mas que dentre esses vários fatores, três estão sempre de alguma forma envolvidos: a aptidão física dos atletas, a qualidade técnica e a capacidade tática de cada um deles (LEITÃO et al., 2001). Dentre os fatores citados, talvez seja a preparação física o que mais tem evoluído. Os motivos incluem o grande número de pesquisas nesta área e a valorização crescente do condicionamento dos atletas para suportar as exigências físicas do esporte atual (BARROS; GUERRA, 2004). Para Godik (1996), o aumento das funções dos jogadores e os constantes deslocamentos, com ou sem a posse de bola, renderam uma denominação de jogadores universais. O futebol moderno exige esta universalidade dos jogadores por causa da diminuição de espaços em campo e devido à compactação e intensidade desse esporte ter aumentado. Também em função disso, o grau de movimentação destes atletas para fugir da marcação adversária e criar jogadas é mais elevado. As capacidades físicas necessárias para um jogador profissional são: força muscular, que ajuda nos contatos físicos; velocidade, que faz com que o jogador ganhe tempo e espaço dentro de campo para efetuar suas jogadas; flexibilidade que permite movimentos de grandes amplitudes e a resistência que permite conservar a coordenação dos movimentos durante o jogo e manter uma maior velocidade nos arranques e acelerações do primeiro ao ultimo minuto de jogo, ou seja, o futebol é considerado um esporte misto por incluir atividades aeróbias na maior parte do tempo e anaeróbias em tempo limitado (GODIK, 1996). De acordo com Shephard e Leatt (1987), aproximadamente 88% de uma partida de futebol é composta de estímulos predominantemente aeróbios e o restante (12%) envolve atividades anaeróbias de alta intensidade. Importa destacar que apesar da predominância de estímulos aeróbios, as ações decisivas neste esporte estão relacionadas ao reduzido tempo de fase anaeróbia, pois nelas estão as corridas em altas velocidades e os sprints, justamente as ações motoras responsáveis por iniciar a maior parte das jogadas com foco no gol. Sprints, de acordo com Gomes e Souza (2008), são corridas de curta distância em alta velocidade. Um programa de preparação física global deve incluir todas as capacidades físicas envolvidas na prática esportiva (GODIK, 1996). De acordo com vários autores, Bangsbo et al., 1991; Bangsbo 1992; Bangsbo 1994; DIP et al., 1993; Castagna e D Ottavio, 1999; Ekblom, 1986; Hawley et al., 1994; Hargreaves, 1994; Maughan e Leiper, 1994; Miyaget et al., 1999; Nicholas et al., 2000; Reilly, 1997; Rienzi et al., 2000; Shepard, 1999; Tumilty, 1993; Wisloff et al., 1998; Zeederberg et al.1996 (apud BARROS; GUERRA, 2004), um jogador de futebol percorre durante uma partida em média 10,8 quilômetros. Shepard (1990 apud BARROS; GUERRA 2004) afirma que ao fracionar a distância percorrida em campo, verifica-se que os jogadores caminham 3,2 quilômetros, 1,8 quilômetros são percorridos em ritmo de corrida leve e moderada e apenas 1 quilômetro em ritmo intenso (sprint). Em relação ao tempo total da partida de futebol, Barros e Guerra (2004) através da análise de estudos anteriores concluíram que jogadores profissionais ficam parados cerca de 17,1% do tempo total de jogo, andam em 40,4% do tempo, correm em baixa intensidade em 35% do tempo e correm em intensidade alta em apenas 8,1%. Outros autores afirmam que podem ser caracterizadas como exercícios de alta intensidade, ações motoras que correspondem a 5% do tempo total de uma partida de futebol (BANGSBO et al.1991; MUJIKA et al., 2000 apud BARROS; GUERRA 2004). Vale salientar que estes dados estão sujeitos a mudanças, pois a distância percorrida por um jogador está bastante relacionada a vários fatores, como a qualidade do oponente, considerações táticas, importância do jogo e, principalmente, a função desempenhada no campo. Além desses fatores a Coleção 70 Pesquisa em Educação Física - Vol.10, n.3, ISSN:

3 performance física depende da interação com outras capacidades: técnica, tática, psicológica, biotipológica e sócio-ambiental (GIACOMINI e GRECO, 2008). Na pequena porcentagem de posse de bola individual durante uma partida, estão incluídos os fundamentos técnicos imprescindíveis para um jogador de futebol, como o passe, o chute, o domínio e a condução de bola e as ações motoras responsáveis por estes fundamentos. Conforme Peixoto 2000 (apud GUIA et a., 2004) a técnica é um dos fatores do treino que maior importância tem no desempenho das atividades físicas e desportivas. A dúvida que permanece é se existe uma relação entre esforços de alta intensidade e a busca pelo gol. Este estudo tem por objetivos detectar o número e o tempo médio dos sprints realizados pelos jogadores atacantes de futebol na disputa de um campeonato nacional de 2ª divisão, bem como verificar possíveis correlações entre essas variáveis e as finalizações, ou seja, ações técnico-tácticas individuais que culminam o trabalho da equipe no processo ofensivo, cujo objetivo é o gol. Espera-se com este estudo estimular outros pesquisadores e estudiosos a investigar sobre o assunto e fornecer subsídios para que treinadores e profissionais que militam no futebol possam tomar decisões de treinamento mais específicas para as demandas físicas desse esporte. DESCRIÇÃO METODOLOGIA A presente pesquisa caracteriza-se como um estudo descritivo, baseado na observação direta, com abordagem quantitativa. Foram avaliados apenas os jogadores da posição de ataque das equipes do Ceará e do Fortaleza em seis jogos disputados na cidade de Fortaleza, durante o campeonato brasileiro de futebol da 2º divisão no ano de 2009, sendo três partidas da equipe do Fortaleza e três da equipe do Ceará, escolhidas de forma intencional (para atender os objetivos da pesquisa). Não foram observados jogos que aconteceram em outras cidades além de Fortaleza e foram excluídos da amostra jogadores de outras posições. A pesquisa foi realizada no Estádio de Futebol Plácido Aderaldo Castelo, (Castelão), localizado na avenida Alberto Carneiro com av. Paulino Rocha, s/nº, bairro Passaré, em Fortaleza, sendo feita a coleta de dados no período de setembro a outubro de 2009, pelo próprio pesquisador. O procedimento utilizado foi a filmagem exclusiva dos jogadores avaliados para que após os jogos, pudesse ser coletados os tempos e o número total de sprints realizados pelos atacantes em cada partida, além do número de finalizações de cada jogador. Foi utilizado como instrumento para a coleta de dados uma máquina fotográfica/filmadora, da marca Canon Power Shot A580 e um tripé de marca JLM Studio Systems de 1 metro de comprimento para evitar instabilidade das imagens capturadas. Para observar as imagens gravadas, o tempo de cada sprint foi cronometrado através de cronômetro digital da marca Casio. Os dados foram apresentados através dos valores médios em gráficos e correlacionados através do coeficiente estatístico de Pearson (r). RESULTADOS E DISCUSSÃO A média do número de sprints nos seis jogos foi de 38,5; sendo que a distribuição por jogo está apresentada na Figura 1. A média de tempo por sprint nas partidas avaliadas foi de 2,1 segundos (Figura 2). Segundo Gomes e Souza (2008), o controle de variáveis utilizadas durante o treinamento, como a quantidade e volume de sprints utilizados podem servir de modelo para determinar parâmetros de treinamento. Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol.10, n.3, ISSN:

4 Figura 1. Média do número de sprints por jogador atacante das equipes do Ceará e Fortaleza durante seis partidas da 2ª divisão do campeonato brasileiro de futebol, Ainda de acordo com Gomes e Souza (2008) são vários os fatores utilizados para diagnosticar a carga fisiológica ideal e a estruturação racional de um treinamento para jogadores de futebol. Os mesmos autores ainda consideram que além da distância total percorrida, o número de ações motoras de alta intensidade e o número de sprints são fundamentais. Conforme Bansgbo;Lindquist 1992 e Shepard, 1999 (apud AZAMBUJA 2009) a duração total de exercícios de alta intensidade durante um jogo entre profissionais é de cerca de 7 minutos, incluindo uma média de sprints com uma duração média de 2 segundos, ou seja, resultados similares aos encontrados nos seis jogos analisados neste estudo (Figura 2). Figura 2. Tempo médio dos sprints de cada jogador atacante das equipes do Ceará e Fortaleza durante seis partidas da 2ª divisão do campeonato brasileiro de futebol, Coleção 72 Pesquisa em Educação Física - Vol.10, n.3, ISSN:

5 Ao somar os tempos médios de todos os sprints de jogadores atacantes e transformar esse resultado em fração do tempo total da partida, conclui-se que em média nos três jogos do Ceará, 1,41% dos 90 minutos de duração de cada partida foram exclusivamente de sprints. No caso dos três jogos do Fortaleza, a média representou 1,54% do tempo total do jogo. Conforme Shephard e Leatt, 1987, apenas 12% do tempo total de uma partida envolve atividades anaeróbias de alta intensidade, incluindo corridas em alta velocidade e sprints. Para Barros;Guerra (2004), em relação ao tempo total da partida de futebol os jogadores correm em alta intensidade em apenas 8,1%. Já outros autores afirmam que os exercícios de alta intensidade correspondem a 5% do tempo total de uma partida de futebol (BANGSBO et al.1991; MUJIKA et al., 2000 apud BARROS; GUERRA 2004). A diversidade de resultados entre os estudos, incluindo esta pesquisa deve-se, provavelmente, à inclusão de outras ações motoras intensas além dos sprints e as amostras pertencentes à equipes de divisões diferentes. É importante salientar que todas variáveis dos exercícios de alta intensidade requer um treinamento específico, com isso em relação ao presente estudo, de acordo com Gomes (2010), existem inúmeras formas de se controlar a atividade competitiva do atleta de futebol, e normalmente o meio mais utilizado são as observações diretas, filmagens, para posterior análise de situações pré-determinadas como chutes, passes e etc. Sendo conhecido este tipo de controle como scouting. Conforme Gomes (2010), atualmente o controle da carga competitiva no futebol, tem como objetivo inicial coletar as informações sobre o volume e a distribuição dos jogos oficiais no ciclo anual de preparação dos jogadores. A partir da análise destas informações e o confronto com os volumes das atividades realizadas no treinamento é possível determinar as dimensões ótimas das cargas competitivas. O mesmo autor cita que o volume ótimo de jogos encontrados na pratica é de 55 a 65 jogos no ciclo anual de preparação, refletindo a carga competitiva de cada jogador através deste volume. Foi verificado que não há correlação entre as variáveis: número de finalizações e número de sprints por jogador (r=0,17), número e tempo médio dos sprints por jogador (r=0,14) e, finalmente número de finalizações e tempo médio dos sprints por jogador(r=0,38), ou seja parece que uma maior quantidade de sprints por partida e sprints mais longos não influenciam no número de finalizações que supostamente podem resultar em gol. Alguns estudiosos empreenderam tentativas no sentido de associar dimensões físicas e técnicas. Pereira (2004) confirmou que não houve nenhuma associação entre o desempenho da velocidade e indicadores técnicos. CONCLUSÃO Conforme os objetivos estabelecidos para o presente estudo e a partir das análises dos resultados, concluiu-se que a média do número de sprints nos seis jogos avaliados foi de 38,5 e a média de tempo por sprint nas partidas avaliadas foi de 2,1 segundos. Verificou-se também que não houve qualquer associação entre o número e quantidade de sprints com o número e efetividade das finalizações durante os jogos avaliados. A importância do condicionamento físico para os atletas é inquestionável e irá tornar suas ações motoras durante o jogo mais efetivas, porém inúmeros fatores devem ser considerados quando se analisa aspectos técnicos e físicos simultaneamente. A questão continua em pauta: Qual o real impacto da aptidão física dos jogadores de futebol no número e na qualidade das finalizações? É possível supor que os elementos que contribuem para o sucesso final de uma equipe de futebol são de difícil controle e continuam representando um grande desafio para os pesquisadores do treinamento esportivo. REFERÊNCIAS AZAMBUJA. L. O jogo de futebol Distâncias e intensidade das corridas em um jogo de futebol. Disponível em: <http://leandroazambuja.blogspot.com/2008/08/o-jogo-de-futebol.html> Acesso em: 11 Nov BARROS, T. L. de; GUERRA, I. Ciência do futebol. Barueri, SP: Manole Ltda, CUNHA, S. A; BINOTTO, M. R.; BARROS, R. M. L. de. Análise da variabilidade na medição de posicionamento tático no futebol. Revista paulista de Educação Física, São Paulo, v.15, n.2, p , jul./dez Coleção Pesquisa em Educação Física - Vol.10, n.3, ISSN:

6 GIACOMINI, D. S; GRECO, P. J. Comparação do conhecimento tático processual em jogadores de futebol de diferentes categorias e posições. Revista Portuguesa de Ciência do Desporto, Universidade do Porto, v.1, p , Janeiro/Abril, GODIK, M. A. Futebol: preparação dos futebolistas de alto nível. Rio de Janeiro: Grupo Palestra Sport, GOMES, A. C. Carga de treinamento nos esportes. 1. ed. Londrina: Sport Training, GOMES, A. C; SOUZA. J. Futebol: Treinamento desportivo de alto rendimento. Porto Alegre: Artmed, GUIA. N; FERREIRA. N; PEIXOTO.C. A eficácia do processo ofensivo em Futebol.O incremento do rendimento técnico-táctico. Lectures Educación Física y Deportes. Buenos Aires - Año 10 - N 79 - Diciembre de Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd79/tatico.htm> Acesso em: 15 Nov LEITÃO, R. A. A; GUERREIRO JUNIOR, F.C.; ZAGO, L.; MORAES, A.C. Análise da incidência de gols por tempo de jogo no Campeonato Brasileiro de 2001: Estudo comparativo entre as primeiras e últimas equipes da tabela de classificação. Universidade de Campinas UNICAMP Disponível em: Acesso em: 11 Set PEREIRA. J. L. Correlação entre desempenho técnico e variáveis fisiológicas em atletas de futebol. Curitiba, UFPr (mestrado), SHEPHARD, R. J.; LEATT, P. Carbohydrate and fluid needs of the soccer player. Sports Med, v. 4:p , Universidade de Fortaleza - UNIFOR Rua Pedro Rufino, nº 100, Ap: 103 Bl: B - Varjota Fortaleza/CE Coleção 74 Pesquisa em Educação Física - Vol.10, n.3, ISSN:

42 Revista Brasileira de Futsal e Futebol

42 Revista Brasileira de Futsal e Futebol 42 Revista Brasileira de Futsal e Futebol ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE GOLS NO CAMPEONATO PAULISTA 2009: SÉRIE A1, A2 e A3 Diego Ide Mascara 1,2, Leandro Calicchio 1, João Guilherme Cren Chimina 2, Antonio

Leia mais

Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL. Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN

Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL. Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN Autores Jeferson Tafarel Pereira do Rêgo Nickson Barbosa Marinho Péricles Roberto Silva Rodrigues Orientador: João

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7.

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7. 482 CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7. Pedro Emílio Drumond Moreira-UFMG Gibson Moreira Praça-UFVJM Pablo Juan Greco-UFMG pedrodrumondmoreira@hotmail.com

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 27 ANÁLISE DOS GOLS EM JOGOS DE FUTSAL SUB-17 NO CAMPEONATO ESTADUAL DE SÃO PAULO 2012 Jussiê de Melo de Campos 1,2 RESUMO Introdução: Atualmente o futsal é um jogo imprevisível por definição e são várias

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 131 ANÁLISE DE GOLS QUANTO A FORMA E LOCAL DA EQUIPE SUB-8 DO CLUBE DE REGATAS FLAMENGO NO CAMPEONATO ESTADUAL DA LIGA RIOFUTSAL, MÓDULO NOVOS TALENTOS DE 2012 Luiz Fernando A. Serpas Filgueiras 1 RESUMO

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 67 A INCIDÊNCIA DE GOLS NA FASE CLASSIFICATÓRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2010 NA ÁFRICA DO SUL Taciano Cestari Barrios Santos 1 RESUMO Introdução: O futebol é o esporte coletivo mais popular do Mundo. A

Leia mais

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE?

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? 980 O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? Felipe Ruy Dambroz - NUPEF/UFV João Vítor de Assis - NUPEF/UFV Israel Teoldo da Costa

Leia mais

INCIDÊNCIA DE GOLS RESULTANTES DE CONTRA-ATAQUES DE EQUIPES DE FUTSAL

INCIDÊNCIA DE GOLS RESULTANTES DE CONTRA-ATAQUES DE EQUIPES DE FUTSAL 16 INCIDÊNCIA DE GOLS RESULTANTES DE CONTRA-ATAQUES DE EQUIPES DE FUTSAL Rogério V. Marchi, Faculdade de Educação Física - VERIS/IBTA/METROCAMP, Campinas, São Paulo - Brasil Carlos E. O Silva, Faculdade

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 42 ANÁLISE DOS GOLS DE EQUIPES DA CATEGORIA SUB-15 EM PARTIDAS DE UM TORNEIO REGIONAL DE FUTSAL Augusto Luís da Silva Araújo 1 Nicolas Lawall Moreira 1 Helder Barra de Moura 2 Vinicius de Oliveira Damasceno

Leia mais

ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL

ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL José Cícero Moraes / UFRGS Daniel Perin / UFRGS Marcelo Francisco da Silva Cardoso Cardoso / UFRGS Alberto de Oliveira

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. CARACTERIZAÇÃO DO JOGO 6 2. REGRAS DO JOGO E REGULAMENTOS ESPECÍFICOS 4 3. MEIOS DE ENSINO DO JOGO 20 4. COMPONENTES

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 159 A 164 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 2ª ª Parte ARTIGO ORIGINAL EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 3 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA ORGANIZAÇÃO E CONDUÇÃO DO PROCESSO DE TREINO As Componentes da Carga de Treino A Carga...no esforço

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 327 ANÁLISE DOS GOLS SOFRIDOS E GOLS FEITOS PELA EQUIPE DE FUTSAL DE NOVA ITABERABA-SC CATEGORIA SUB-17 NO CAMPEONATO CATARINENSE 2013/2014 Ismael Schneider 1 Rogério da Cunha Voser 2 Patrícia Eloi Gomes

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Parametrização das Estruturas Tácticas em Jogos Desportivos Colectivos Investigação Aplicada à Equipa Campeã Nacional no Escalão

Leia mais

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA A capacidade do organismo de resistir à fadiga numa actividade motora prolongada. Entende-se por fadiga a

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

Departamento de Estatística

Departamento de Estatística Laboratório de Ciências - Aula 3 Departamento de Estatística 7 de Janeiro de 2014 Introdução Suponha que dispomos de um conjunto de dados, por exemplo, número de gols (ou número de impedimentos, chutes

Leia mais

FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE. CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas

FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE. CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas INTRODUÇÃO O futsal é uma modalidade em que ações apresentam grande imprevisibilidade e variabilidade, exigindo

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ANÁLISE DA POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE DIFERENTES

Leia mais

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA Análise do Tempo de Jogo e Tempo de Pausa, em função da alteração de uma regra de jogo (reinício de jogo após golo) Sequeira, P. & Alves, R. Instituto

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES TÉCNICAS EM SITUAÇÕES DE PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL COM SUPERIORIDADE NUMÉRICA

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES TÉCNICAS EM SITUAÇÕES DE PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL COM SUPERIORIDADE NUMÉRICA 1052 AVALIAÇÃO DAS AÇÕES TÉCNICAS EM SITUAÇÕES DE PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL COM SUPERIORIDADE NUMÉRICA Raphael Brito e Sousa/ CECA Pedro Emilio Drumond Moreira/ CECA Gibson Moreira Praça/ CECA Pablo Juan

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK *

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * Prof. Marcelo Augusti Técnico em Corridas de Fundo Especialização em Fisiologia do Exercício e Treinamento Desportivo

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 171 PERIODIZAÇÃO NO FUTEBOL: ANÁLISE DOS COMPONENTES DE TREINAMENTO DURANTE UM MACROCICLO DE EQUIPE PROFISSIONAL Lucas Henrique Martins Oaks 1 Emerson Silami Garcia 2 RESUMO Introdução: Devido à especificidade

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 27 INCIDÊNCIA TEMPORAL DOS GOLS NA COPA LIBERTADORES DA AMÉRICA Filipe Gomide Carelli 1 Welington Augusto Lelis David 1 Luma de Oliveira Comini 1 Ítalo Resende Bartole 1 Giovani Blasi Martino Lanna 2 RESUMO

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE PISTA

ESCOLA NACIONAL DE PISTA CONGRESSO INTERNACIONAL DE CICLISMO ESCOLA NACIONAL DE PISTA ANADIA, JULHO 2012 GABRIEL MENDES UVP-FPC RESUMO ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA O CONTEXTO OS OBJECTIVOS MODELO DE DESENVOLVIMENTO BASE DO SUCESSO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática

CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática Alexandre Andrade Gomes / UNI-BH Leonardo Henrique Silva Fagundes / UNI-BH Pablo Ramon Coelho de Souza / UNI-BH Alessandro

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO FUNDAMENTO ARREMESSOS NA LIGA NACIONAL MASCULINA DE HANDEBOL 1999

DIAGNÓSTICO DO FUNDAMENTO ARREMESSOS NA LIGA NACIONAL MASCULINA DE HANDEBOL 1999 MALAVASI, L, M.; LIMA, P. V.; KAMINISE, S. T. Diagnóstico do fundamento arremessos na Liga Nacional Masculina de Handebol 1999. Caderno de Educação Física: estudos e reflexões. Marechal Cândido Rondon,

Leia mais

ANÁLISE DO JOGO. Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr.

ANÁLISE DO JOGO. Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr. ANÁLISE DO JOGO Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr. TIPOS DE ANÁLISE QUANTITATIVA SCOUT QUALITATIVA METODOLOGIA OBSERVACIONAL ANÁLISE QUANTITATIVA SCOUT: Processo de recolha de informações acerca dos adversários

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETE

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETE A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETE RESUMO ESTELA KAMILA LORENZETTI LEMKE ELIZANGELA REGINA REIS FACULDADE CENTRO MATOGROSSENSE FACEM RUA RUI BARBOSA Nº 380 estela.personal@hotmail.com elizreis82@hotmail.com

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE ACTIVIDADE MOTORA DOS JOGADORES E DAS EQUIPAS PARTICIPANTES NO CAMPEONATO DO MUNDO DE FUTEBOL 2010

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE ACTIVIDADE MOTORA DOS JOGADORES E DAS EQUIPAS PARTICIPANTES NO CAMPEONATO DO MUNDO DE FUTEBOL 2010 UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE ACTIVIDADE MOTORA DOS JOGADORES E DAS EQUIPAS PARTICIPANTES NO CAMPEONATO DO MUNDO DE FUTEBOL 2010 DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009 Recebido em: 1/3/211 Emitido parece em: 23/3/211 Artigo inédito UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 29 Leandro

Leia mais

CAPÍTULO III METODOLOGIA

CAPÍTULO III METODOLOGIA CAPÍTULO III METODOLOGIA 1. Amostra Para a realização deste trabalho foram recolhidos dados de 4 jogos completos de Hóquei em Patins, relativos ao Campeonato Europeu de Juvenis, nos quais havia necessariamente

Leia mais

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga O papel do fisiologista é monitorar as variáveis fisiológicas que cercam o treinamento, permitindo avaliar o estado do atleta e realizar prognósticos

Leia mais

Análise de indicadores quantitativos de vitórias e derrotas na Copa do Mundo FIFA 2010

Análise de indicadores quantitativos de vitórias e derrotas na Copa do Mundo FIFA 2010 Artigo de Revisão ISSN: 1983-7194 Análise de indicadores quantitativos de vitórias e derrotas na Copa do Mundo FIFA 2010 Quantitative analysis of the teams winners and losers in World Cup FIFA 2010 Tempone,

Leia mais

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master Street Volei / Barra Music Nelso Kautzner Marques Junior kautzner123456789junior@gmail.com 2016 2 Índice Introdução, 3

Leia mais

SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO

SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO ORNIDES CINTRA KINDELÁN Resumo: o constante aperfeiçoamento das formas, das vias e dos métodos para o desenvolvimento do jogo de basquetebol

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 35 QUANTIFICAÇÃO DOS CRUZAMENTOS REALIZADOS POR 12 CLUBES QUE DISPUTARAM O CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL SÉRIE A DE A Arlindo Herculano da Silva Neto 1 RESUMO Introdução: O objetivo do estudo centrou-se

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 177 ANÁLISE E CARACTERIZAÇÃO DE ATLETAS E POSIÇÕES ATRAVÉS DAS AÇÕES COM BOLA NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL SERIE A 2013 Richard Dale Terrell Alves da Silva 1 Antonio Coppi Navarro 2 RESUMO O Futebol

Leia mais

5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG

5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG RELAÇÃO ENTRE A POTÊNCIA MÉDIA DA ARTICULAÇÃO DO OMBRO DOMINANTE E O TESTE

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

iii AGRADECIMENTOS Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

iii AGRADECIMENTOS Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. iii AGRADECIMENTOS Aos jogadores e comissão técnica das equipes Sub-13 e Sub-15 do E.C. Banespa. Ao Luiz Paes de Barros, companheiro de estudos sobre o futsal. Aos amigos do Grupo de Estudo e Pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação CARACTERIZAÇÃO DE UMA SIMULAÇÃO DE PROVA NA CANOAGEM SLALOM

8º Congresso de Pós-Graduação CARACTERIZAÇÃO DE UMA SIMULAÇÃO DE PROVA NA CANOAGEM SLALOM 8º Congresso de Pós-Graduação CARACTERIZAÇÃO DE UMA SIMULAÇÃO DE PROVA NA CANOAGEM SLALOM Autor(es) NATHALIA ARNOSTI VIEIRA Co-Autor(es) DENIS TEREZANI ALAN SCHIMDT MARCELO DE CASTRO CÉSAR ÍDICO LUIZ PELLEGRINOTTI

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 148 ANALISE DAS FINALIZAÇÕES NA FASE FINAL DA LIGA FUTSAL 2012 José Renato Bolsonaro 1 RESUMO Introdução: A finalização é um importante indicador de desempenho, um dos três princípios operacionais de ataque

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 180 EFEITO DA PERIODIZAÇÃO EM FORMA DE CARGAS SELETIVAS SOBRE QUATRO CAPACIDADES FÍSICAS AVALIADAS NA EQUIPE PRINCIPAL DE FUTSAL DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL Martin Leandro Enriquez 1 RESUMO

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL.

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. 1117 EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. Elton Ribeiro Resende /NUPEF - UFV Fernanda Lobato/NUPEF - UFV Davi Correia da Silva/NUPEF UFV Israel

Leia mais

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN versão eletrônica 442 CARACTERIZAÇÃO DO FUTEBOL: DISTÂNCIA PERCORRIDA, VO2MÁX E PERCENTUAL DE GORDURA DO FUTEBOLISTA: REVISÃO SISTEMÁTICA Icaro Soares Schultze 1,2, Rafaela Liberali 1 RESUMO Objetivo: Demonstrar o VO2máx

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO

EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO Larissa Resende Mendonça (UFMT), Alexandre Souza Nunes (UFMT),

Leia mais

SCOUT NO FUTEBOL: UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA

SCOUT NO FUTEBOL: UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA SCOUT NO FUTEBOL: UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA Prof. Dr. Laércio Luiz Vendite Instituto de Matemática e Estatística/UNICAMP Prof. Dr.Antonio Carlos de Moraes Mestranda Carolina Coluccio Vendite Faculdade de

Leia mais

CAPACIDADES MOTORAS:

CAPACIDADES MOTORAS: CAPACIDADES MOTORAS: Na área da Educação Física e do desporto, capacidades motoras são pressupostos dos movimentos que permitem que as qualidades inatas de uma pessoa, como um talento, ou um potencial

Leia mais

Fundamentos do TE 27/11/2012

Fundamentos do TE 27/11/2012 Unidade I Fundamentos do Esportivo Conceito de Conceito de Esportivo Processo Conceito de É um processo pelo qual se submete alguém à busca de melhoria de alguma coisa. Visa a melhoria pois envolve diversas

Leia mais

INICIAÇÃO AO FUTEBOL. Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO:

INICIAÇÃO AO FUTEBOL. Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO: INICIAÇÃO AO FUTEBOL Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO: O jogo de futebol não é feito apenas de fundamentos (movimentos técnicos), a relação com a bola é uma das competências essênciais

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 419 RELAÇÃO ENTRE O QUARTIL DE NASCIMENTO E A SELEÇÃO DE ATLETAS DE FUTEBOL EM CATEGORIAS DE BASE Harison Cleiton Feltrin 1 Joni Marcio de Farias 2 RESUMO A relação entre ano de nascimento e processo seletivo

Leia mais

LUCAS DE ALMEIDA KNOPF A RELEVÂNCIA DAS HABILIDADES TÉCNICA-COGNITIVAS NO FUTEBOL MODERNO: UMA REVISÃO DE LITERATURA.

LUCAS DE ALMEIDA KNOPF A RELEVÂNCIA DAS HABILIDADES TÉCNICA-COGNITIVAS NO FUTEBOL MODERNO: UMA REVISÃO DE LITERATURA. LUCAS DE ALMEIDA KNOPF A RELEVÂNCIA DAS HABILIDADES TÉCNICA-COGNITIVAS NO FUTEBOL MODERNO: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência

Leia mais

INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM

INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM ARTIGO ORIGINAL INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM Fábio Yuzo Nakamura 1,2 Thiago Oliveira Borges 1,2 Fabrício Azevedo Voltarelli 3 Luis Alberto Gobbo

Leia mais

COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA

COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA Francisco Henrique Moreira da Silva 1 ; Ricardo Lima dos Santos

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 18 ANÁLISE DE FATORES DETERMINANTES DO GOL NO FUTSAL FEMININO Gabriela Barreto David 1 Luan Merseburger Picanço 2 Felipe Fossati Reichert 2 RESUMO Introdução: O futsal vem se expandindo mundialmente. No

Leia mais

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008).

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008). PERIODIZAR é dividir de forma organizada o ciclo anual ou semestral de treinamento dos atletas, em períodos e etapas, buscando prepará-los para atingir objetivos pré-estabelecidos, na direção de encontrar

Leia mais

Ações e Mecanismos do Jogo Individual

Ações e Mecanismos do Jogo Individual MX JOGO INDIVIDUAL Ações e Mecanismos do Jogo Individual Primeiro Processo Análise e Recepção Controle e Seleção Segundo Processo Terceiro Processo Decisão e Ação Final Análise/Recepção O atleta está sem

Leia mais

ALUNO (A): Nº. 2- Quantos jogadores de handebol ficam na reserva? A. 5jogadores. B. 6jogadores. C. 7jogadores. D. 8jogadores. E. 9jogadores.

ALUNO (A): Nº. 2- Quantos jogadores de handebol ficam na reserva? A. 5jogadores. B. 6jogadores. C. 7jogadores. D. 8jogadores. E. 9jogadores. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 6º A, B, C DISCIPLINA:

Leia mais

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR Giovanna Pereira de Souza 1 Milena Cristina de Souza Lopes Bujato 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA Informação

EDUCAÇÃO FÍSICA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova 26 / 2016 3º Ciclo do Ensino Básico 3º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei nº139/2012, de 5 de julho Despacho normativo nº1-f/2016 de 5 de abril Despacho normativo

Leia mais

A influência do lançamento executado pelo goleiro no rendimento da equipe ao final do campeonato brasileiro série a 2011

A influência do lançamento executado pelo goleiro no rendimento da equipe ao final do campeonato brasileiro série a 2011 ISSN: 1983-7194 A influência do lançamento executado pelo goleiro no rendimento da equipe ao final do campeonato brasileiro série a 2011 The influence of release executed by the goalkeeper soccer field

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol

Revista Brasileira de Futsal e Futebol 72 QUANTIFICAÇÃO DA INCIDÊNCIA E EFICIÊNCIA DOS CONTRA-ATAQUES DA EQUIPE DO GRÊMIO RECREATIVO BARUERI CATEGORIA SUB 20 NO CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTSAL 2008 Gustavo Passos Pereira da Silva 1, Luciano Gomes

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 162 DETERMINAÇÃO DA EFICIÊNCIA COLETIVA OFENSIVA NO FUTSAL DE ALTO RENDIMENTO Otávio Nogueira Balzano 1 Werlayne Stuart Soares Leite 1 Rodolfo R. Santos 1 RESUMO O presente estudo tem como objetivo o desenvolvimento

Leia mais

PADRÕES DE OBTENÇÃO DE GOLS EM PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL EM IGUALDADE NUMÉRICA

PADRÕES DE OBTENÇÃO DE GOLS EM PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL EM IGUALDADE NUMÉRICA 875 PADRÕES DE OBTENÇÃO DE GOLS EM PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL EM IGUALDADE NUMÉRICA Gibson Moreira Praça UFVJM Pablo Juan Greco UFMG gibson_moreira@yahoo.com.br RESUMO Este estudo analisou os padrões de

Leia mais

Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte

Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte sandrosargentim@gmail.com Sandro Sargentim Entendendo a modalidade 1.Qual a característica da modalidade? 2.A modalidade é individual ou

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 32 RELAÇÃO ENTRE O PRIMEIRO GOL E O RESULTADO FINAL DO JOGO DE FUTSAL NA COPA DO MUNDO DE 2012 Werlayne Stuart Soares Leite 1 RESUMO Entre os muitos aspectos técnicos e táticos do comportamento dos jogadores,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA Fundada em 30-03-1925 www.afbeja.com FUTEBOL ENCONTRO DE ESCOLAS DE FORMAÇÃO 1. OBJETIVOS GERAIS 1.01. Possibilitar a todas as crianças da nossa Associação praticar futebol

Leia mais

14 Revista Brasileira de Futsal e Futebol

14 Revista Brasileira de Futsal e Futebol 14 Revista Brasileira de Futsal e Futebol AS MANOBRAS OFENSIVAS QUE ORIGINAM SITUAÇÕES DE GOLS NO FUTEBOL Elton Francisco Forgiarini 1, Rafaela Liberali 1, Roberto de Almeida 1 RESUMO O presente estudo

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 332 ANÁLISE DO DESEMPENHO DA SELEÇÃO ALEMÃ DE FUTEBOL NA COPA DO MUNDO FIFA 2014, REFERENTE AOS FUNDAMENTOS: DESARME, POSSE DE BOLA, PASSES COMPLETADOS E CHUTES A GOL, DURANTE OS 15 MINUTOS FINAIS E O

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FUTSAL NA RESISTÊNCIA AERÓBICA, VELOCIDADE, AGILIDADE E PRECISÃO DO CHUTE. 2 Faculdades Integradas Aparício Carvalho.

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FUTSAL NA RESISTÊNCIA AERÓBICA, VELOCIDADE, AGILIDADE E PRECISÃO DO CHUTE. 2 Faculdades Integradas Aparício Carvalho. INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FUTSAL NA RESISTÊNCIA AERÓBICA, VELOCIDADE, AGILIDADE E PRECISÃO DO CHUTE 1 Juarez Alves Neves Junior, 2 Andréa Cavalcante Lima, Leandro Silva. 1 Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 68 FUTEBOL: AVALIAÇÃO TÉCNICO/TÁTICA EM ATLETAS DE CATEGORIAS DE BASE Otávio Nogueira Balzano 1,2,3 George Washington Silva de Sousa 1,2,3 Ítalo Nunes Braga 1,2,3 Pedro Henrique Nascimento Morais 1,2,3

Leia mais

Modelos de análise do scout para o futebol baseado na copa das confederações de 2013

Modelos de análise do scout para o futebol baseado na copa das confederações de 2013 ISSN: 1983-7194 Modelos de análise do scout para o futebol baseado na copa das confederações de 2013 Model analysis of scout for soccer based on fifa confederations cup 2013 Santos MS 1 ; Mezêncio B 2

Leia mais

4. No caso em que seja necessário apontar um vencedor e no tempo regulamentar o jogo terminar empatado será aplicado o seguinte:

4. No caso em que seja necessário apontar um vencedor e no tempo regulamentar o jogo terminar empatado será aplicado o seguinte: Regulamento Técnico de Futsal 1. A competição será disputada na categoria masculina acima de 16 anos e feminina acima de 14 anos. Será permitida a inscrição de 6 atletas no mínimo e no máximo 8. 2. A competição

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE AS DIFERENTES POSIÇÕES DO FUTEBOL: CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO E CARACTERÍSTICAS ANTROPOMÉTRICAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE AS DIFERENTES POSIÇÕES DO FUTEBOL: CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO E CARACTERÍSTICAS ANTROPOMÉTRICAS CONSIDERAÇÕES SOBRE AS DIFERENTES POSIÇÕES DO FUTEBOL: CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO E CARACTERÍSTICAS ANTROPOMÉTRICAS COQUEIRO, Daniel Pereira 1 DA SILVEIRA, Igor Vinícius Carvalho 2 SGANZELLA, Paulo Luciano

Leia mais

APOSTILA JOGADORES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES

APOSTILA JOGADORES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES APOSTILA JOGADORES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES O JOGADOR PADRÃO APOSTILA PÁGINA 6 As onze PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DE UM BOM JOGADOR 1 - Sendo um jogo de conjunto, procurar sempre, e o mais rápido possível

Leia mais

Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015

Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015 Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015 INFANTIL REGULAMENTO: A Sub-diretoria de Futsal Infantil de Esportes do Jaraguá Clube Campestre realizará, no período de 30/08 a 14/11/2015.

Leia mais

A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010.

A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010. A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010. MARLON MENEZES DE ARRUDA (1), ANDERSON HENRIQUE SOUZA DE ALMEIDA (1), SARAH ABRAHÃO GOMES

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 16 ANÁLISE DO TEMPO DE POSSE DE BOLA E A SUA INFLUÊNCIA NO RESULTADO DOS JOGOS DO CAMPEONATO MUNDIAL DE FUTSAL Rafael Acosta Caetano 1 Rogério Cunha Voser 2 José Cícero Moraes 2 Marcelo Silva Cardoso 2

Leia mais

VELOCIDADE E ESTAFETAS III

VELOCIDADE E ESTAFETAS III VELOCIDADE E ESTAFETAS III 1. O Treino da Velocidade com Jovens Quando falamos de Velocidade é importante em primeiro lugar conhecer o conceito de movimento ciclíco, que correcponde a um movimento que

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ ANÁLISE E DISCUSSÃO DA RELAÇÃO DE GOLPES ENTRE PRATICANTES DE KARATE NA FAIXA ETÁRIA DE 18 A 35 ANOS E VETERANOS DE 41 A 45 NO CAMPEONATO

Leia mais

DIOGO PEDOTTI RODRIGUES DOS SANTOS FUTEBOL 7 UM NOVO CAMINHO NA FORMAÇÃO DE ATLETAS DE FUTEBOL

DIOGO PEDOTTI RODRIGUES DOS SANTOS FUTEBOL 7 UM NOVO CAMINHO NA FORMAÇÃO DE ATLETAS DE FUTEBOL DIOGO PEDOTTI RODRIGUES DOS SANTOS FUTEBOL 7 UM NOVO CAMINHO NA FORMAÇÃO DE ATLETAS DE FUTEBOL Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA DO REGIME PLUVIOMÉTRICO E DE SUA TENDÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DE PORTO DE PEDRAS, PALMEIRA DOS ÍNDIOS E ÁGUA BRANCA

ANÁLISE ESTATÍSTICA DO REGIME PLUVIOMÉTRICO E DE SUA TENDÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DE PORTO DE PEDRAS, PALMEIRA DOS ÍNDIOS E ÁGUA BRANCA ANÁLISE ESTATÍSTICA DO REGIME PLUVIOMÉTRICO E DE SUA TENDÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DE PORTO DE PEDRAS, PALMEIRA DOS ÍNDIOS E ÁGUA BRANCA Alaerte da Silva Germano 1, Rosiberto Salustino da Silva Júnior,

Leia mais

ANÁLISE DE JOGO NO FUTSAL ESCOLAR: situação e efetividade de finalização

ANÁLISE DE JOGO NO FUTSAL ESCOLAR: situação e efetividade de finalização ANÁLISE DE JOGO NO FUTSAL ESCOLAR: situação e efetividade de finalização Fabiola de Araujo Cabral / UFMG Gibson Moreira Praça / UFMG Camila de Souza Teixeira / UFMG Cristino Júlio Alves da Silva Matias

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Princípios do Treinamento - Métodos de Treinamento

Leia mais

Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010

Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010 Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010 Goles y partidos de la Copa del Mundo de Fútbol, 1930 a 2010 Goals and matches in Soccer World Cup, 1930 to 2010 Mestre em Ciência da Motricidade

Leia mais

Estrutura do Processo de Treino

Estrutura do Processo de Treino Estrutura do Processo de Treino http://www.cdnacional.pt/press.asp Índice do tema: 1- Passos Antecedentes à Elaboração de Planeamento de Treino; 2 Modelos de Periodização do Treino; 3 Organização das Estruturas

Leia mais

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO Angélica Weschenfelder Martim Bianco 1 Prof Orientador: Osvaldo Donizete Siqueira RESUMO A verificação das condições

Leia mais

PORTUGAL FOOTBALL SCHOOL. Capacitar e qualificar os agentes desportivos com vista à promoção e ao desenvolvimento do Futebol em Portugal

PORTUGAL FOOTBALL SCHOOL. Capacitar e qualificar os agentes desportivos com vista à promoção e ao desenvolvimento do Futebol em Portugal PORTUGAL FOOTBALL SCHOOL Capacitar e qualificar os agentes desportivos com vista à promoção e ao desenvolvimento do Futebol em Portugal TREINADORES ARBITRAGEM ÁRBITROS OBSERVADORES PRAIA FORMAÇÃO CONTÍNUA

Leia mais