Pressão Arterial e Factores de Risco Cardiovascular: Estudo de uma amostra do concelho de Coimbra

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pressão Arterial e Factores de Risco Cardiovascular: Estudo de uma amostra do concelho de Coimbra"

Transcrição

1 QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia Pediátrica Cardiologia Transdisciplinar e Saúde Mental em Cardiologia Cardiopatia Isquêmica Ciências Básicas Cirurgia Cardiovascular Cuidados Intensivos no Pósoperatório de Cirurgia Cardíaca Ecocardiografia Doençã de Chagas Doençãs Vasculares Cerebrais e Periféricas Enfermagem Cardiovascular Epidemiologia e Prevenção Cardiovascular Hemodinâmico - Intervencionismo Cardiovascular Hipertensão Arterial Insuficiência Cardíaca Outros Pressão Arterial e Factores de Risco Cardiovascular: Estudo de uma amostra do concelho de Coimbra Oliveira Frédéric M. de, Pereira T., Pocinho M., Figueiredo J., Conde J. A cada ano, falecem cerca de 10 milhões de pessoas devido a doenças cardio e cerebrovasculares [Ministério da Saúde, 2004b]. As doenças cardiovasculares continuam a ser a principal causa de morte nos países desenvolvidos / industrializados [Carrageta et al, 2006]. Em Portugal, as doenças cerebrovasculares e a doença isquémica cardíaca representam as principais causas de morbilidade, invalidez e mortalidade, bem como a terceira e quarta causas de anos de vida potencial perdidos [Ministério da Saúde, 2004ª]. Por outro lado, as doenças cardiovasculares são a principal causa de internamento hospitalar no nosso país [Ministério da Saúde, 2004b]. A elevada prevalência e incidência que a HTA apresenta em Portugal, bem como a sua baixa prevalência de hipertensos controlados (menos de 10%) e a baixa taxa de controlo, alertam para o seu potencial como FRCV [Macedo et al, 2005; Esperança, 2006]. A prevalência da HTA em Portugal é de 42,1%. Numa análise comparativa com outros países europeus, como a Espanha, Inglaterra, Suécia e Alemanha, para a faixa etária dos 35 aos 64 anos, a prevalência da HTA no nosso país apenas foi inferior à da Alemanha [Macedo, 2004*. omparando a taxa de controlo da HTA em Portugal com a de outros países do mundo, nomeadamente os EUA, Alemanha, Escócia, Canadá e Inglaterra, verifica-se que esta apenas é superior à taxa da Inglaterra [Junior & Silveira, 2005]. No entanto, para além da HTA, a Diabetes Mellitus, o Tabagismo e a Hipercolesterolémia constituem importantes FRCV [Vaz et al, 2005]. Todavia, ainda não existem dados epidemiológicos concretos acerca destes FRCV, uma vez que os resultados dos estudos existentes são escassos e inconclusivos [Carneiro et al, 2003; Macedo, 2004]. Métodos Na realização do estudo foram considerados todos os princípios éticos. Os dados para este estudo foram obtidos através de um inquérito (em anexo), da medição do peso e altura e da avaliação da PA, durante o mês de Abril de A altura foi avaliada em posição antropométrica, e registada em metros, com aproximação aos milímetros. O peso foi medido através de duas balanças digitais calibradas, e registado em kilogramas, com aproximação às 100 gramas. O IMC foi calculado a partir dos valores de peso e altura registados (IMC= peso/altura 2 ). A avaliação da PA efectuou-se pelo método auscultatório, através de três estetoscópios e três esfigmomanómetros de mercúrio calibrados, com braçais adequados. Efectuou-se uma avaliação da PA, na posição sentada e no braço direito. Para o tratamento estatístico dos dados recorreu-se ao software estatístico SPSS 13.0 (a análise estatística efectuou-se com o testes t de Student, ANOVA e com Qui-quadrado). Resultados A amostra deste estudo é constituída por 1999 indivíduos, de ambos os géneros (62,7% mulheres e 37,3% homens), entre os 18 e os 88 anos (gráfico 1), tendo o maior número de indivíduos entre 18 e 30 anos: 52,4%. A idade média foi de 39±20,5 anos.

2 Gráfico 1: Caracterização da amostra em função da idade A média do IMC foi de 24±4, onde para o IMC inferior a 25, o género feminino se apresentou em proporção significativamente superior ao género masculino, enquanto para IMC superior a 25, a relação foi inversa (gráfico 2). O IMC foi normal em 62,8% da amostra, enquanto que o excesso de peso e obesidade foram respectivamente de 28,4% e 8,8%. No que concerne aos componentes da PA, as suas médias foram: 121±16 mmhg para a Pressão Arterial Sistólica (PAS), 74±10 mmhg para a Pressão Arterial Diastólica (PAD), 47±13 mmhg para a Pressão de Pulso (PP), e 90±11 mmhg para a Pressão Arterial Média (PAM). O género masculino apresentou a PAS, a PAD, a PAM e a PP superiores ao género feminino, ao longo das faixas etárias (gráfico 2). Gráfico 2: Médias de Pressão Arterial Sistólica e Diastólica por género e por faixas etárias Os indivíduos do genro masculino entre os 18 e os 60 anos apresentaram a PAS, a PAD, a PAM e a PP significativamente superiores no género masculino (com excepção da PP dos 20 aos 40 anos, e dos 50 aos 60 anos). Entre os 60 e 70 anos, a PAS e a PP deixaram de ser significativamente superiores no género masculino. Após os 80 anos, todos os componentes da PA (PAS, PAD, PAM, PP) deixaram de ser significativamente superiores. A PAS foi o componente da PA que apresentou uma associação mais significativa com a idade (23,5%). Relativamente aos níveis de PA da amostra, cerca de 46,0% apresentaram níveis de PA compatíveis com pré-hipertensão, 32,6% apresentaram PA normal e 21,4% apresentaram níveis de

3 PA compatíveis com HTA. Em relação aos níveis de PA compatíveis com HTA (21,4%), a grande maioria apresentava-se entre os 70 e os 80 anos. A prevalência de fumadores foi de 21,9% (tabela 1). Tabela 1: Níveis de pressão arterial para o tabagismo em função do género A maioria dos fumadores (48,3%) apresentaram pré-hipertensão. No entanto, foram os fumadores com pressão arterial normal que se apresentaram em proporção significativamente superior em relação aos não fumadores. Relativamente à Hipercolesterolémia conhecida, a prevalência foi de 18,6% (tabela 2). Tabela 2: Níveis de pressão arterial nos indivíduos com hipercolesterolémia (conhecida) A maioria dos indivíduos com hipercolesterolémia (48,1%) apresentaram pré-hipertensão. No entanto, foram os indivíduos com hipercolesterolémia e com PA no estádio 1 da HTA que se apresentaram em proporção significativamente superior em relação aos indivíduos sem hipercolesterolémia com o nível de pressão arterial referido. Relativamente à Diabetes conhecida, prevalência foi de 2,8% (tabela 3).

4 Tabela 3: Níveis de pressão arterial nos diabéticos (conhecidos) A maioria dos diabéticos (48,2%) manifestaram pré-hipertensão. No entanto, foram os diabéticos com pressão arterial no estádio 1 e 2 da HTA que se apresentaram em proporção significativamente superior em relação aos não diabéticos. Relativamente à HTA conhecida, a prevalência foi de 16,9% (338 hipertensos), como se pode verificar na tabela 4. Tabela 4 : Níveis de pressão arterial nos hipertensos (conhecidos) Apenas 6,2% dos hipertensos evidenciaram PA normal, enquanto que 38,2% apresentaram préhipertensão e 55,6% evidenciaram HTA (39,9% no estadio 1 e 15,7% no estadio 2 da HTA). Os hipertensos no estadio 1 e 2 da HTA apresentaram-se em proporção significativamente superior em relação aos não hipertensos para os níveis de PA referidos. Também se verificou que, após os 50 anos, os hipertensos com PA no estadio 1 e 2 estiveram em proporção significativamente superior em relação aos normotensos. No que concerne a associações entre a HTA e os outros FRCV, a mais prevalente foi com a hipercolesterolémia (6,3%). Discussão Num estudo epidemiológico português realizado recentemente, a região centro foi das mais problemática em termos de HTA. A prevalência de HTA em Portugal foi de 42,1% (amostra: 5023 indivíduos, 45,5% de mulheres e 55,5% de homens, com idades entre os 18 e os 90 anos, e idade média de 46 anos). Todavia, a prevalência de HTA na região centro do país foi de 45,4% (51,6% no

5 género masculino e 40,4% no género feminino) [Macedo et al, 2005]. Deste modo, a comparação dos nossos resultados com este estudo epidemiológico deve efectuar-se com cautela, dadas as diferenças na constituição das amostras relativamente à idade e ao género, que no nosso estudo foram de 39±20,5 anos, com 62,7% de mulheres e 37,3% homens (1999 indivíduos). Relativamente à prevalência de HTA conhecida em Portugal, esta foi de 19,4%, ou seja, superior à encontrada no nosso estudo (16,9%). Todavia se esta analogia se efectuar para a região centro, os resultados são bem mais concordantes. A prevalência da HTA conhecida para esta região foi de 17,2%, o que difere de apenas 0,3% em relação ao nosso estudo (16,9%) (tabela 5). No nosso estudo a PAS foi o componente da PA que apresentou uma associação mais significativa com a idade (23,5%). O elevação progressiva da PAS ao longo da idade resulta de um processo fisiológico, onde ocorre aterosclerose e arteriosclerose (traduzem-se em rigidez e inelasticidade da parede artéria, que resultam no aumento das resistências vasculares periféricas). No nosso estudo, a prevalência de HTA conhecida nos géneros feminino e masculino foi semelhante (respectivamente 18,0% e 15,0%). Também se verificou que após os 50 anos (50 aos 88 anos), os hipertensos com PA no estadio 1 e 2 se apresentaram em proporção significativamente superior em relação aos normotensos. Tal facto é concordante com a literatura científica, uma vez que a idade constituiu inequivocamente um factor de risco para a HTA, evidenciando-se essencialmente na PAS e na PP. No género feminino essa elevação evidencia-se de modo mais abrupto a partir da faixa etária considerada (menopausa). No que concerne a estudos epidemiológicos portugueses relativos à Hipercolesterolémia, Tabagismo e Diabetes, as suas prevalências permanecem indeterminadas, uma vez que os estudos existentes são escassos e discordantes. A comparação entre os resultados do nosso estudo e os estudos epidemiológicos portugueses préexistentes deve ser interpretada com cautela (diferenças nas técnicas selecção da amostra, na representatividade e nas idades médias das amostras) (tabela 5). Tabela 5: Prevalências estimadas de FRCV em Portugal e no nosso estudo Aproximadamente 54% dos Portugueses desconhece ser hipertenso, tendo-se verificado que a maioria destes indivíduos era proveniente da região centro (59,2%). Deste modo se verifica que a região centro de Portugal é das mais problemáticas em termos de HTA. No que concerne à prevalência da hipercolesterolémia em Portugal, apenas se pode concluir que este FRCV é prevalente na nossa sociedade (Carneiro, 2003). Para um cut-off de 190 mg/dl, a prevalência de hipercolesterolémia foi de 63,8%, enquanto que para 200 mg/dl a prevalência foi de 56,7%, para 240 mg/dl foi de 31,7%, e para 250 mg/dl foi de 21,0%. A prevalência do nosso estudo foi mais baixa que a média destes estudos (18,6%). Sendo assim, apenas se pode estimar que a prevalência de hipercolesterolémia conhecida da região centro seja próxima dos 20%. Em relação aos níveis de PA nos indivíduos com hipercolesterolémia, os que apresentaram PA no estádio 1 da HTA (26,3%) estiveram em proporção significativamente superior em relação aos indivíduos sem hipercolesterolémia. Estes resultados alertam para o facto destes indivíduos, além de terem hipercolesterolémia apresentarem níveis de PA elevados, o que nos leva a supor que a prevalência real de hipertensos com hipercolesterolémia na região centro seja superior à encontrada no nosso estudo (determinada com base num inquérito). Os estudos portugueses apontam para que a prevalência de fumadores no nosso país varie entre os 12 e 30%. Os nossos resultados indicam que a prevalência de tabagismo foi de 21,9%, o que nos leva a estimar que esta seja superior a 20% para a região centro. A prevalência nacional de Diabetes também é desconhecida, embora se estime que esta varie entre os 5 e 9,9%. Uma vez que não existem estudos recentes acerca da prevalência de diabetes quer em Portugal ou na região centro, apenas se pode estimar que esta seja superior a 3% na região centro.

6 Em suma, apesar das limitações do nosso estudo e dos estudos epidemiológicos portugueses, os resultados obtidos assinalam a importância da epidemiologia dos FRCV, e o seu peso para a saúde pública. Os nossos resultados também evidenciaram os indivíduos com FRCV manifestaram níveis pressóricos elevados comparativamente aos indivíduos sem FRCV. Neste âmbito, os resultados do nosso estudo devem complementar os estudos epidemiológicos portugueses de FRCV (Hipertensão Arterial, Hipercolesterolémia, Diabetes e Tabagismo), nomeadamente os que são relativos à região centro. Referências 1. Carneiro, A.V.; Costa, J.; Borges, M.; Oliveira, E.; Gouveira, M. Incidência e Prevalência da Hipercolesterolémia em Portugal: Uma revisão sistemática da literatura. Parte II. Revista Portuguesa de Cardiologia 2005; 22 (5): Carrageta, M. Risco cardiovascular global. The British Journal of Cardiology, 2006; 2 (1): Esperança, I. O lugar dos antagonistas dos canais de cálcio no tratamento da hipertensão arterial. Postgraduate Medicine, (25): Joint National Committee on Prevention, Detection, Evaluation and Treatment of High Blood Pressure (2004). The Seventh Report of the Joint National Committee on Prevention, Detection, Evaluation and Treatment of High Blood Pressure. Journal of Hypertension [serial online] 2004 Set-Out [cited 2004 Dez. 20]; 2 (1): [6 ecrans]. Disponível em URL: 5. Junior, W.W.; Silveira, M.P.T. Hipertensão Arterial: um problema de todos. Nursing 2005, 81 (8): Macedo, M.E. Estudo da prevalência, tratamento e controlo da Hipertensão Arterial em Portugal. Anamnesis, 2004; 130 (13): Macedo, M.E. et al. Estudo da prevalência, tratamento e controlo da Hipertensão Arterial em Portugal. Porto. Gazela artes gráficas Lda Ministério da Saúde. Plano Nacional de Saúde ( ). Volume 1- Prioridades. Lisboa. Direcção- Geral da Saúde, 2004a). 9. Ministério da Saúde. Plano Nacional de Saúde ( ). Volume 2- Orientações estratégicas. Lisboa. Direcção-Geral da Saúde, 2004b). 10. Vaz, D.; Santos, L.; Carneiro, A.V. Factores de Risco: Conceitos e Implicações Práticas. Revista Portuguesa de Cardiologia, 2005; 24(1): Publicaçao: Outubro de 2007 Perguntas, sugestões e comentários serão respondidos pelo relator ou por expertos no assunto através da listagem de Hipertensão Arterial. Preencha os campos do formulário e clique no botão "Enviar" Perguntas, sugestões e comentários: Nome y Sobrenome: País: Argentina Endereço eletrônico ( ): Reiteração Endereço eletrônico ( ): Enviar Apagar CETIFAC - Bioingeniería UNER - Webmaster - HonCode - pwmc Actualización: 01-Oct-2007

Avaliação do Risco Cardiovascular

Avaliação do Risco Cardiovascular NUNO CORTEZ-DIAS, SUSANA MARTINS, ADRIANA BELO, MANUELA FIUZA 20 Abril 2009 Objectivos Avaliação do Risco Cardiovascular Padrões de Tratamento Impacto Clínico Síndrome Metabólica HTA Diabetes Mellitus

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

Na hipertensão arterial

Na hipertensão arterial Erros frequentes na prática clínica como evitá-los? Na hipertensão arterial - Novembro de 2013 - Liliana Marta Serviço de Cardiologia, Hospital de Santarém Hipertensão Arterial Importante problema de saúde

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana

Leia mais

Conhecer os doentes hipertensos de uma lista de utentes Que risco cardiovascular?

Conhecer os doentes hipertensos de uma lista de utentes Que risco cardiovascular? Conhecer os doentes hipertensos de uma lista de utentes Que risco cardiovascular? Sandra Soares Interna do 2º ano de Medicina Geral e Familiar Carla Mendes Interna do 3º ano de Medicina Geral e Familiar

Leia mais

Tema Livre. Caracterização de Pacientes com Angina Instável Internados em um Hospital Especializado de Fortaleza, Brasil

Tema Livre. Caracterização de Pacientes com Angina Instável Internados em um Hospital Especializado de Fortaleza, Brasil QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia

Leia mais

Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados

Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados VI Encontro Nacional das Ciências e Tecnologias da Saúde Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados Filipe Fernandes Escola Superior de Tecnologia da

Leia mais

PERFIL DOS PACIENTES ACIMA DE 60 ANOS CADASTRADOS NO HIPERDIA NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA-PB

PERFIL DOS PACIENTES ACIMA DE 60 ANOS CADASTRADOS NO HIPERDIA NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA-PB PERFIL DOS PACIENTES ACIMA DE 60 ANOS CADASTRADOS NO HIPERDIA NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA-PB Jéssica Oliveira Rodrigues. Universidade Federal de Campina Grande. Email: jessicar.o@hotmail.com Anna Flávia

Leia mais

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana Belo*, Manuela Fiuza Serviço de Cardiologia - Hospital de

Leia mais

Tema Livre. Adaptações Cardíacas em Atletas: Estudo Comparativo. QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC

Tema Livre. Adaptações Cardíacas em Atletas: Estudo Comparativo. QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia

Leia mais

Terapêutica de Ablação por Radiofrequência em Taquicardias por Reentrada Nodal Aurículo-Ventricular

Terapêutica de Ablação por Radiofrequência em Taquicardias por Reentrada Nodal Aurículo-Ventricular QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

Carga e Custos da Doença Atribuível ao Tabagismo em Portugal

Carga e Custos da Doença Atribuível ao Tabagismo em Portugal Carga e Custos da Doença Atribuível ao Tabagismo em Portugal Miguel Gouveia Centro de Estudos Aplicados, FCEE, Universidade Católica Portuguesa Margarida Borges, Luís dos Santos Pinheiro, João Costa, Sérgio

Leia mais

Castanheira J. y col. - Utilidade da Electrocardiografia na...

Castanheira J. y col. - Utilidade da Electrocardiografia na... QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia

Leia mais

5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL

5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL 5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL 5.1. Introdução A criação de sistemas de informação que permitam a recolha sistemática de dados de morbilidade e mortalidade é indispensável para o estudo e vigilância

Leia mais

MCOR - Excelência em Cardiologia MAPA DE 24 HORAS

MCOR - Excelência em Cardiologia MAPA DE 24 HORAS Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) 1 - Dados do Exame Nº do Exame Data de Instalação: 13/4/215 1:24 Término: 14/4/215 9:47 2 - Paciente Protocolo de Medições: Padrão

Leia mais

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem XXXII Congresso Português de Cardiologia Enf.ª Patrícia Alves UCIC CHVNGaia/Espinho,Epe Abril 2011 PATOLOGIA CARDIOVASCULAR Principal causa

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância

Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância Medida da Pressão Arterial na Infância Prof. Dra Marcia Camegaçava Riyuzo Disciplina de Nefrologia Pediátrica Departamento de Pediatria FMB - UNESP

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL ESTUDO POPULACIONAL NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS - MS

EPIDEMIOLOGIA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL ESTUDO POPULACIONAL NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS - MS EPIDEMIOLOGIA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL ESTUDO POPULACIONAL NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS - MS Daniela da Silva Garcia; Discente do curso de Fisioterapia das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS, e-mail:

Leia mais

A Hipertensão Arterial em Portugal 2013

A Hipertensão Arterial em Portugal 2013 A Hipertensão Arterial em Portugal 2013 Análise epidemiológica nos cui idados de Saúde Primários Mário Espiga Macedo Rui Cruz Ferreira A Hipertensão Arterial em Portugal 2013 Conflitos de interesse: Consultor

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR Março de 2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS... 3 3. ESTRATIFICAÇÃO INDIVIDUAL DE RISCO CARDIOVASCULAR... 4 4. CALCULE O SEU RISCO E DE SEUS

Leia mais

RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA

RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA Linhas de Pesquisa de Fisioterapia em Cardiologia RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA VI Simpósio de Fisioterapia em Cardiologia Fisiot. Espec. Cleusa Maria Richter INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA www.icca-rs.com.br

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais

COMO MEDIR A PRESSÃO ARTERIAL

COMO MEDIR A PRESSÃO ARTERIAL COMO MEDIR A PRESSÃO ARTERIAL REQUISITOS BÁSICOS PARA ADEQUADA AFERIÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL Tele-educação REDE DE TELEASSISTÊNCIA DE MINAS GERAIS Organizadores Edênia S. G. Oliveira Lidiane A. Pereira

Leia mais

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Registro Brasileiros Cardiovasculares REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Julho de 2011 Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Agosto

Leia mais

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017 Diagnóstico de Saúde Lourinhã Lourinhã 15 de Maio de 2017 A população do Concelho Homens Mulheres 2 Pirâmide etária da população residente em Lourinhã Fonte: INE, Últimos dados de 2013 A população do Concelho

Leia mais

Sessão Televoter Hipertensão

Sessão Televoter Hipertensão 2013 27 de Abril Sábado Sessão Televoter Hipertensão António Pedro Machado Carlos Rabaçal Joana Bordalo Hipertensão na gravidez Evolução da PA durante a gravidez em 6000 mulheres entre os 25 e os 34 anos

Leia mais

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde.

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde. 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Estado de Saúde Ana Clara Silva 1 M Barreto 2, V Gaio 2, AP Rodrigues 2, I Kislaya 2, L Antunes 2,

Leia mais

PRESSÃO ARTERIAL Fisiologia

PRESSÃO ARTERIAL Fisiologia PRESSÃO ARTERIAL Fisiologia PRESSÃO ARTERIAL Pressão arterial máxima ou sistólica (Ps) - pressão que corresponde a um volume máximo atingido no fim da fase de ejecção rápida. Pressão arterial mínima ou

Leia mais

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA).

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou

Leia mais

Introdução. Objectivos. Metodologia

Introdução. Objectivos. Metodologia A diabesidade em Portugal Uma análise do Estudo AMALIA João Sequeira Duarte Endocrinologista do Hospital Egas Moniz. Carlos Perdigão Professor de Cardiologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. Evangelista

Leia mais

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial Fisiologia da TA Tensão arterial é a força exercida pelo sangue, devido à pressão do coração, sobre as paredes de uma artéria. Tensão sistólica: pressão

Leia mais

Costa, V. y Col. - O Impacto da Hipertensão Arterial...

Costa, V. y Col. - O Impacto da Hipertensão Arterial... QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia

Leia mais

Kit do Cidadão. De que falamos quando falamos de coração? spc.pt

Kit do Cidadão. De que falamos quando falamos de coração? spc.pt Kit do Cidadão De que falamos quando falamos de coração? spc.pt /spcardiologia @spcardio FATORES DE RISCO A MAIORIA DAS PODE SER PREVENIDA SE OS FATORES DE RISCO FOREM IDENTIFICADOS E CONTROLADOS. COLESTEROL

Leia mais

Hipertensão Arterial e a Prevenção Quaternária

Hipertensão Arterial e a Prevenção Quaternária Hipertensão Arterial e a Prevenção Quaternária Luiz Henrique Picolo Furlan Especialista em Saúde Coletiva e Cardiologia Mestre em Medicina Interna MBA em Gestão em Saúde Potenciais conflitos de interesse

Leia mais

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril 2014 é í é A Diabetes em Portugal Prevalência elevada - 39,2% (20-79 anos) Diabetes ou Pré-Diabetes Aumento de 80% na incidência na última década Uma das principais

Leia mais

PERFIL DOS HIPERTENSOS IDOSOS DA EQUIPE 1 DA UNIDADE BÁSICA DA SAÚDE DA FAMÍLIA DE CAMPINA GRANDE

PERFIL DOS HIPERTENSOS IDOSOS DA EQUIPE 1 DA UNIDADE BÁSICA DA SAÚDE DA FAMÍLIA DE CAMPINA GRANDE PERFIL DOS HIPERTENSOS IDOSOS DA EQUIPE 1 DA UNIDADE BÁSICA DA SAÚDE DA FAMÍLIA DE CAMPINA GRANDE Felipe Matheus Neves Silva(1); Thiago Assis Ferreira Santiago (2) ; Larissa Nóbrega Rodrigues (3); Matheus

Leia mais

Viviana das Graças Ribeiro Lobo 1 Dirley Moreira dos Santos 2

Viviana das Graças Ribeiro Lobo 1 Dirley Moreira dos Santos 2 Modelo de Regressão Logística aplicado a dados do Setor de Ergometria e Reabilitação Cardíaca do HUAP-UFF: identificação de fatores associados à Hipertensão Arterial Viviana das Graças Ribeiro Lobo 1 Dirley

Leia mais

CAMPANHA EU SOU 12 POR 8 : UM PROJETO DA LIGA DE CARDIOLOGIA E ACADÊMICOS DE MEDICINA

CAMPANHA EU SOU 12 POR 8 : UM PROJETO DA LIGA DE CARDIOLOGIA E ACADÊMICOS DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RELATO DE EXPERIÊNCIA - COMPEEX 2011: CAMPANHA EU SOU 12 POR 8 : UM PROJETO DA LIGA DE CARDIOLOGIA E ACADÊMICOS DE MEDICINA AUTORES: BORGES, Walter Costa 1 ; GONDIM, Bruno

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY RESUMO PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY FERREIRA 1,Camila da Silva GUIMARÃES, Keyth 2, Sulamitta de Lima

Leia mais

Mais Complicações no Enfarte com Supradesnivelamento de ST na População Diabética: Porquê?

Mais Complicações no Enfarte com Supradesnivelamento de ST na População Diabética: Porquê? Mais Complicações no Enfarte com Supradesnivelamento de ST na População Diabética: Porquê? Maria João Correia, Margarida Resende, Maria Judite Oliveira, Luís Mourão em nome dos Investigadores do Registo

Leia mais

PERFIL E ESTRATIFICAÇÃO DE USUÁRIOS HIPERTENSOS DA UNIDADE DE SAUDE DA FAMÍLIA

PERFIL E ESTRATIFICAÇÃO DE USUÁRIOS HIPERTENSOS DA UNIDADE DE SAUDE DA FAMÍLIA PÓLO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMILIA PERFIL E ESTRATIFICAÇÃO

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Controlo e Adesão à Terapêutica Anti-hipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários da Região de Lisboa resultados preliminares do estudo DIMATCH-HTA Verónica Gómez, Milene

Leia mais

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO CONTROLE DA OBESIDADE E PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO Introdução Obesidade Brasil EPIDEMIA 40% em sobrepeso 12,7% adultos obesos

Leia mais

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS hjhjh O papel da atividade física Margarida Amorim Fernandes Rodrigues Siopa Orientador: Professor Pedro Manuel Vargues Aguiar Coorientadora: Doutora Mafalda

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

LIVRO DE ACTAS COORDENADORES: Maria Helena Pimentel Isabel Pinto Olívia Pereira

LIVRO DE ACTAS COORDENADORES: Maria Helena Pimentel Isabel Pinto Olívia Pereira COORDENADORES: Maria Helena Pimentel Isabel Pinto Olívia Pereira O6. PREVALÊNCIA DE SÍNDROME METABÓLICA NOS UTENTES DE UMA FARMÁCIA DO DISTRITO DE BRAGANÇA Lopes a* F., Lopes b*, M., Serra c, I., Pereira

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

8. DETERMINANTES DA SAÚDE

8. DETERMINANTES DA SAÚDE 8. DETERMINANTES DA SAÚDE 8.1. Introdução Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) as doenças crónicas não transmissíveis constituem hoje a principal causa de morbilidade e mortalidade calculando-se,

Leia mais

Núcleos Clínico-Cirúrgicos InCor

Núcleos Clínico-Cirúrgicos InCor Núcleos Clínico-Cirúrgicos InCor Conceito Estrutura composta por Unidades Clínicas, Cirúrgicas e de Diagnóstico do InCor que apresentam atividades afins. O objetivo da criação dos Núcleos é melhorar a

Leia mais

Hipertensão arterial, uma inimiga silenciosa e muito perigosa

Hipertensão arterial, uma inimiga silenciosa e muito perigosa Hipertensão arterial, uma inimiga silenciosa e muito perigosa A famosa pressão alta está associada a uma série de outras doenças, como o infarto do miocárdio, a insuficiência cardíaca e morte súbita, entre

Leia mais

Prevalência de Hipertensão Arterial na Cidade de Castelo Branco

Prevalência de Hipertensão Arterial na Cidade de Castelo Branco Prevalência de Hipertensão Arterial na Cidade de Castelo Branco SIMÕES CARLA*; COELHO PATRÍCIA**; ALEXANDRE PEREIRA**; PEREIRA TELMO*** RESUMO *Licenciada pela Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias Castelo

Leia mais

Introdução. Metodologia

Introdução. Metodologia Prevalência e caracterização da Hipertensão Arterial em Portugal. Implicações numa estratégia de Prevenção. Uma análise do Estudo AMALIA Carlos Perdigão Professor de Cardiologia da Faculdade de Medicina

Leia mais

Como medir a tensão arterial?

Como medir a tensão arterial? Como medir a tensão arterial? O diagnóstico precoce é importante! PORQUÊ? A hipertensão arterial é fator de risco significativo para: 1. Doença vascular cerebral (trombose e hemorragia cerebral) 2. Doença

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL: QUANDO INCAPACITA? Julizar Dantas

HIPERTENSÃO ARTERIAL: QUANDO INCAPACITA? Julizar Dantas HIPERTENSÃO ARTERIAL: QUANDO INCAPACITA? Julizar Dantas DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE Declaro não ter conflito de interesses. Currículo Lattes no site CNPQ (Plataforma Lattes) http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=k4434590a5

Leia mais

PRESSÃO ARTERIAL DE ADULTOS JOVENS ESCOLARES: implicações para a formação do enfermeiro

PRESSÃO ARTERIAL DE ADULTOS JOVENS ESCOLARES: implicações para a formação do enfermeiro PRESSÃO ARTERIAL DE ADULTOS JOVENS ESCOLARES: implicações para a formação do enfermeiro Janaine Gomes de Holanda Oliveira 1 Thereza Maria Magalhães Moreira 2 Vagner Rodrigues Silva Junior 3 Ítalo Lennon

Leia mais

RESPOSTAS PRESSÓRICAS APÓS A REALIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS DE FORÇA PARA BRAÇO E PERNA EM JOVENS NORMOTENSOS

RESPOSTAS PRESSÓRICAS APÓS A REALIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS DE FORÇA PARA BRAÇO E PERNA EM JOVENS NORMOTENSOS RESPOSTAS PRESSÓRICAS APÓS A REALIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS DE FORÇA PARA BRAÇO E PERNA EM JOVENS NORMOTENSOS Christoffer Novais de Farias Silva¹ Fabrício Galdino Magalhães² Raphael Martins Cunha³ PALAVRAS CHAVE:

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Ao longo deste capítulo, serão apresentados os resultados obtidos bem como a sua discussão, após o tratamento estatístico das variáveis envolvidas no

Leia mais

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA Rita de Cássia Sousa Silva (1); Daniele Fidelis de Araújo (1); Ítalo de Lima Farias (2); Socorro Malaquias dos Santos

Leia mais

AVALIAÇÃO SUBAGUDA DA PRESSÃO ARTERIAL EM IDOSAS HIPERTENSAS APÓS UMA AULA DE HIDROGINÁSTICA

AVALIAÇÃO SUBAGUDA DA PRESSÃO ARTERIAL EM IDOSAS HIPERTENSAS APÓS UMA AULA DE HIDROGINÁSTICA AVALIAÇÃO SUBAGUDA DA PRESSÃO ARTERIAL EM IDOSAS HIPERTENSAS APÓS UMA AULA DE HIDROGINÁSTICA Marcelo V. Noleto 1 Luan S. Galvão 2 Lara C. Medeiros 3 Camilla M. de Jesus 4 Palavras-chave: Hipertensão, hidroginástica,

Leia mais

LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS

LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS Nome da atividade: Estágio Supervisionado em Fisioterapia Cardiovascular Tipo de atividade: Disciplina de Graduação Responsáveis: Profª

Leia mais

Hipertensão arterial no município de Cianorte, estado do Paraná, Brasil

Hipertensão arterial no município de Cianorte, estado do Paraná, Brasil Hipertensão arterial no município de Cianorte, estado do Paraná, Brasil Rosangela Ziggiotti de Oliveira 1 * e Jarbas Leite Nogueira 2 1 Departamento de Medicina, Universidade Estadual de Maringá, Av. Colombo,

Leia mais

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ Praça Frei Aurélio 1397,Centro-Canindé-Ce CEP:62.700-000 Fone:(85)3343-1826 Fax:(85)3343-1838 E-mail:cnccaninde@yahoo.com.br RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Influência de um programa de exercícios aeróbios sobre níveis pressórios de indivíduos com Síndrome Metabólica Chane Basso Benetti;

Leia mais

Serviço de Cardiologia, Hospital do Espírito Santo de Évora. Serviço de Cardiologia, Hospital Distrital de Santarém

Serviço de Cardiologia, Hospital do Espírito Santo de Évora. Serviço de Cardiologia, Hospital Distrital de Santarém PREDITORES DE DOENÇA ARTERIAL CORONÁRIA SIGNIFICATIVA DO TRONCO COMUM E/OU DE 3 VASOS EM DOENTES COM ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO SEM ELEVAÇÃO DO SEGMENTO ST E SCORE GRACEDE BAIXO RISCO João Filipe Carvalho

Leia mais

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância?

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância? e Hipertensão arterial resistente (HAR): todo paciente com HAR deve fazer Polissonografia? Gleison Guimarães TE SBPT 2004/TE AMIB 2007 Área de atuação em Medicina do Sono pela SBPT - 2012 Profº Pneumologia

Leia mais

Controlo e Adesão à Terapêutica Antihipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários

Controlo e Adesão à Terapêutica Antihipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários Controlo e Adesão à Terapêutica Antihipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários Verónica Gómez, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Unidade

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DOS VALORES DA PRESSÃO ARTERIAL EM UMA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DOS VALORES DA PRESSÃO ARTERIAL EM UMA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA NOGUEIRA, M.S.; TAKAKURA, M.S.; ROBAZZI, M.L.C.C.; HAYASHIDA, M.; VEIGA, E.V. Contribuição ao estudo dos valores da pressão arterial em uma comunidade universitária. Rev Soc Cardiol ESP, v.1, p.5-8, 1993.

Leia mais

Comparação e Avaliação da Concordância entre Pressão Arterial Periférica (Casual e Ambulatorial) em Idosas Fisicamente Ativas

Comparação e Avaliação da Concordância entre Pressão Arterial Periférica (Casual e Ambulatorial) em Idosas Fisicamente Ativas Comparação e Avaliação da Concordância entre Pressão Arterial Periférica (Casual e Ambulatorial) em Idosas Fisicamente Ativas Andressa Moura Costa 1 (IC)*, Christoffer Novais de Farias Silva 2 (IC), Camilla

Leia mais

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia Distribuição da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Doenças do Aparelho Circulatório em Portugal Continental: Agregação Geográfica e Determinantes Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho

Leia mais

PREVALÊNCIA DE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA EM ADOLESCENTES DE ACORDO COM ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA

PREVALÊNCIA DE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA EM ADOLESCENTES DE ACORDO COM ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA PREVALÊNCIA DE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA EM ADOLESCENTES DE ACORDO COM ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA Caroline de Lima Malosti (PIBIC/Fundação Araucária), Regiane de Souza Antonio,

Leia mais

Hipertensão Arterial. Educação em saúde. Profa Telma L. Souza

Hipertensão Arterial. Educação em saúde. Profa Telma L. Souza Hipertensão Arterial Educação em saúde Profa Telma L. Souza Introdução Conceito Importância HAS DHEG Metas Estratégica Classificação de pressão Fatores de risco Tratamento Introdução Conceito Pressão arterial

Leia mais

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 198 a 212: tendência e padrões de sazonalidade Baltazar Nunes Departamento de Epidemiologia Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge IV Congresso

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA E DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM CRIANÇAS COM SOBREPESO/OBESIDADE

ASSOCIAÇÃO ENTRE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA E DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM CRIANÇAS COM SOBREPESO/OBESIDADE ASSOCIAÇÃO ENTRE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA E DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM CRIANÇAS COM SOBREPESO/OBESIDADE Martha Lye Borges Castro¹; Gustavo de Vasconcelos Ataíde²; Felipe Augusto Medeiros Porto Vieira³;

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL

HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL A pressão arterial VARIA de batimento a batimento do coração, ajustando-se às atividades desenvolvidas ao longo do dia. Tais variações são fisiológicas e imperceptíveis,

Leia mais

ANÁLISE DO CONSUMO DE EMBUTIDOS ASSOCIADOS À HIPERTENSÃO ARTERIAL EM MULHERES DE LIMOEIRO DO NORTE - CE

ANÁLISE DO CONSUMO DE EMBUTIDOS ASSOCIADOS À HIPERTENSÃO ARTERIAL EM MULHERES DE LIMOEIRO DO NORTE - CE ANÁLISE DO CONSUMO DE EMBUTIDOS ASSOCIADOS À HIPERTENSÃO ARTERIAL EM MULHERES DE LIMOEIRO DO NORTE - CE Taianne Michelle Silva de Souza 1, Ranieli Darly Freire Vieira 1, Márcia Vannusa Vieira 1,Paula Viviane

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Natália Ribeiro (PIBIC/CNPq/FA-UEM), Ana Paula Vilcinski

Leia mais

A PREVENÇÃO faz a diferença

A PREVENÇÃO faz a diferença 1 A prevalência do Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA), em Portugal, em pessoas com mais 65 anos é de 2,47%. Este valor sobe, no caso dos homens com mais de 65 anos e fumadores, para 4,7%. O AAA é a 12ª

Leia mais

Epidemiologia do Envelhecimento e da Dependência em Portugal

Epidemiologia do Envelhecimento e da Dependência em Portugal Epidemiologia do Envelhecimento e da Dependência em Portugal APDH Conversas de fim de tarde Viseu 2012 Carlos Matias Dias Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Departamento de Epidemiologia Universidade

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física Atividade Física e Hipertensão Disciplina Atividade Física e Saúde Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior Pressão Arterial A prevalência

Leia mais

HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO

HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO E NO NÍVEL DE SÓDIO CONSUMIDO POR HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NÃO IMIGRANTES, SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA?

Leia mais

[Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes]

[Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes] [Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes] Diabetes: Factos & Números, 2014 Epidemiologia da Diabetes Controlo e Tratamento da Diabetes Regiões e

Leia mais

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha CONHECIMENTOS E HÁBITOS ALIMENTARES CONSIDERANDO AS RECOMENDAÇÕES PARA HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NATIVOS SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA: DETERMINANTES DA ADESÃO ÀS

Leia mais

2. Diagnóstico e Classificação

2. Diagnóstico e Classificação 2. Diagnóstico e Classificação A medida da pressão arterial é o elemento-chave para o estabele cimento do diagnóstico da hipertensão arterial e a avaliação da eficácia do tratamento. 2.1. Medida da Pressão

Leia mais

doenças coronárias Factores de Risco

doenças coronárias Factores de Risco doenças coronárias Factores de Risco Com vista a maximizar o diagnóstico clínico-laboratorial, o Centro de Medicina Laboratorial Dr. Germano de Sousa, coloca à disposição um painel de parâmetros bioquímicos

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - CCEX COMISSÃO DE ENSINO INSTITUTO DO CORAÇÃO

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - CCEX COMISSÃO DE ENSINO INSTITUTO DO CORAÇÃO PROGRAMAS DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA 2018 DATA: 11 de DEZEMBRO DE 2017 1. Cirurgia Coronária 2. Endoscopia Respiratória Dia 11 Das 8h às 10h Sala 4-2ºandar Bloco I (Incor) Dia 11 às 08h InCor - Unidade

Leia mais

Simpósio Coração da Mulher: Antigo Desafio, Novos Conhecimentos. Anticoncepção. Nilson Roberto de Melo

Simpósio Coração da Mulher: Antigo Desafio, Novos Conhecimentos. Anticoncepção. Nilson Roberto de Melo Simpósio Coração da Mulher: Antigo Desafio, Novos Conhecimentos Anticoncepção Nilson Roberto de Melo Critérios Médicos de Elegibilidade para Métodos Anticoncepcionais (OMS) 3 4 Condição sem restrição para

Leia mais

Avaliação do risco cardiovascular numa população da zona Norte do País. Maria Manuela Amorim de Silva e Sousa

Avaliação do risco cardiovascular numa população da zona Norte do País. Maria Manuela Amorim de Silva e Sousa Avaliação do risco cardiovascular numa população da zona Norte do País Maria Manuela Amorim de Silva e Sousa Vila Nova de Gaia, 2012 ÍNDICE Siglas e Abreviaturas... iii Índice de Figuras, Gráficos e Tabelas...iv

Leia mais

Produção e gestão hospitalar: o caso das ciências laboratoriais

Produção e gestão hospitalar: o caso das ciências laboratoriais Escola Nacional de Saúde Pública Universidade Nova de Lisboa Produção e gestão hospitalar: o caso das ciências laboratoriais Sílvia Lopes Carlos Costa Modelos de Gestão na Saúde Implicações nas Ciências

Leia mais

Análise dos fatores de risco e prevalência de Hipertensão Arterial em estudantes do curso de Fisioterapia do Unisalesiano de Araçatuba-SP

Análise dos fatores de risco e prevalência de Hipertensão Arterial em estudantes do curso de Fisioterapia do Unisalesiano de Araçatuba-SP Análise dos fatores de risco e prevalência de Hipertensão Arterial em estudantes do curso de Fisioterapia do Unisalesiano de Araçatuba-SP Analysis of the risk factors and prevalence of arterial hypertension

Leia mais

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Camila Belonci Internato em Cirurgia Cardíaca Prof. Mário Augusto Cray da Costa Medicina UEPG Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Leia mais

COLESTEROL ALTO. Por isso que, mesmo pessoas que se alimentam bem, podem ter colesterol alto.

COLESTEROL ALTO. Por isso que, mesmo pessoas que se alimentam bem, podem ter colesterol alto. COLESTEROL ALTO Colesterol é uma substância essencial ao organismo, mas quando em excesso, pode prejudicar. Cerca de 40% da população tem colesterol alto. MAS O Colesterol Total não é o valor perigoso,

Leia mais

COMPOSIÇÃO CORPORAL: análise e comparação entre alunos do ensino fundamental do município de Muzambinho e Guaxupé

COMPOSIÇÃO CORPORAL: análise e comparação entre alunos do ensino fundamental do município de Muzambinho e Guaxupé 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG COMPOSIÇÃO CORPORAL: análise e comparação entre alunos do ensino fundamental

Leia mais

2 de Maio Sábado Sessão televoter Hipertensão Curso de MAPA

2 de Maio Sábado Sessão televoter Hipertensão Curso de MAPA 2015 2 de Maio Sábado Sessão televoter Hipertensão Curso de MAPA Ramon C Hermida Carlos Rabaçal António Pedro Machado Chronobiology International, 30(3): 355 410, (2013) Reclassificação da Pressão Arterial

Leia mais

Atividade Física e Cardiopatia

Atividade Física e Cardiopatia AF e GR ESPECIAIS Cardiopatia Atividade Física e Cardiopatia Prof. Ivan Wallan Tertuliano E-mail: ivantertuliano@anhanguera.com Cardiopatias Anormalidade da estrutura ou função do coração. Exemplos de

Leia mais

COMBATE À HIPERTENSÃO ARTERIAL NA COMUNIDADE DE DOURADOS

COMBATE À HIPERTENSÃO ARTERIAL NA COMUNIDADE DE DOURADOS COMBATE À HIPERTENSÃO ARTERIAL NA COMUNIDADE DE DOURADOS Diogo Chaves Borges Campos¹; Bruna Pedrozo Festa²; José Raul Espinosa Cacho³ UFGD/FCS Dourados-MS Email: diogocampos.medicina@yahoo.com.br ¹Bolsista

Leia mais