Integração: contribuições de projeto de engenharia de produção à promoção do desenvolvimento local sustentável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Integração: contribuições de projeto de engenharia de produção à promoção do desenvolvimento local sustentável"

Transcrição

1 31 de Julho a 02 de Agosto de 2008 Integração: contribuições de projeto de engenharia de produção à promoção do desenvolvimento local sustentável Resumo Julia das Neves Dias (CEFET/RJ) Fernando Oliveira de Araujo (CEFET/RJ) As Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) têm como meta-diretriz a oferta à sociedade de atividades de ensino, pesquisa e extensão, de forma integrada e indissociável. O presente estudo, apoiado pelo Programa PIBIC/ CNPq e realizado no âmbito do Núcleo de Empreendedorismo e Tecnologias Sociais (NETS) do CEFET/RJ, analisa as contribuições da engenharia de produção para o estreitamento do fosso social de uma região menos favorecida da Baixada Fluminense (RJ). Para a identificação das características sócio-econômico-culturais e educacionais da região, foram realizadas pesquisas bibliográficas, entrevistas e parcerias com atores locais, além de levantamento de campo, no sentido da obtenção e análise de dados primários. Como desdobramentos da pesquisa, evidenciam-se, em adição a uma maior integração da IFES à região, a formalização de uma tecnologia social orientada ao fomento do comportamento empreendedor e o desenvolvimento de ações extensionistas estruturadas e conjuntas com diversos atores visando à sustentabilidade social local. Abstract The Federal Institutions of Superior Education (IFES) have as line of direction offer to the society activities of education, research and extension. The present study, supported for the Program PIBIC/CNPq and carried through in the scope of the Nucleus of

2 Entrepreneurship and Social Technologies (NETS) of the CEFET/RJ, analyzes the contributions of the industrial engineering for the nip of the social ditch of a less favored region of the Baixada Fluminense, Rio de Janeiro State. For the identification of the social-economic-cultural and educational characteristics of the region, beyond bibliographical research, interviews and partnerships with local actors had been carried through, in addition of a survey, in the direction of the attainment and analysis of primary data. As unfoldings of this research, they are proven, in addition to a bigger integration of the IFES to the region, the constitution of a social technology guided to the promotion of the entrepreneur behavior and the development of extension actions structuralized and joint with diverse actors aiming to the local social sustainability. Palavras-chaves: desenvolvimento local sustentável; indissociabilidade ensino-pesquisa-extensão; tecnologia social; comportamento empreendedor IV CNEG 2

3 1. INTRODUÇÃO 1.1. DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO-PROBLEMA A unidade de ensino descentralizada (UnED) de Nova Iguaçu do CEFET/RJ está situada na Unidade Regional de Governo (URG) de Vila de Cava. Esta URG é composta por seis bairros que se encontram em situação de extrema fragilidade social. Segundo um diagnóstico sócio-econômico-cultural local, elaborado por Dias & Araujo (2007), um dos principais problemas a ser enfrentado na região é a aparente inexistência de meios para geração de trabalho & renda para os moradores. A literatura disponível sobre a região é bastante escassa. Assim, a maioria das informações utilizada na análise e discussão deste artigo foi obtida através de pesquisa junto aos habitantes, por meio de questionários sócio-econômicos-culturais e entrevistas informais, semi-estruturadas. Os dados primários são alarmantes e ratificam a carência de recursos financeiros, educacionais e de infra-estrutura revelada pelas visitas de campo e entrevistas. No sentido do enfrentamento da situação de pobreza extrema evidenciada na região, buscou-se a constituição de uma rede de relacionamentos entre uma gama de instituições locais com o intuito de prover amplas discussões e reflexões acerca da realidade local, além de propor soluções baseadas em suas competências. A rede de instituições locais engloba o CEFET/RJ instituição federal de ensino, pesquisa e extensão, entidades paroquiais, centros comunitários da URG, ONGs locais, além de moradores voluntários. Fruto da interação destas instituições desenvolve-se uma tecnologia social (TS) como instrumento relevante para identificar, formalizar e compartilhar soluções éticas baseadas na horizontalidade e no diálogo entre atores, orientada em reduzir o fosso social da região. Acredita-se que há a possibilidade de reaplicar essa TS baseada no conhecimento local e acadêmico para outras comunidades, desde que haja o comprometimento das partes envolvidas. Nesse sentido, destaca-se a necessidade de as Universidades, através de atividades extensionistas, contribuírem para o desenvolvimento local sustentável. IV CNEG 3

4 1.2. OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Fomentar a reflexão teórica, no âmbito da Engenharia de Interesse Social 1, das possibilidades de contribuição da engenharia de produção, enquanto campo do conhecimento relevante à implementação de soluções dialógicas e viáveis orientadas à promoção do desenvolvimento local sustentável OBJETIVOS ESPECÍFICOS Compartilhar com as comunidades local e acadêmica, dados sócio-econômicoculturais e educacionais provenientes de levantamento de campo (survey) da região de Vila de Cava, município de Nova Iguaçu, Baixada Fluminense do Rio de Janeiro. Identificar possíveis conhecimentos, metodologias ou técnicas presentes na região, capazes de serem caracterizadas como tecnologias sociais, com possibilidade de replicação em outras comunidades. Suscitar a reflexão teórica e apresentar resultados práticos da contribuição da Engenharia de Produção na promoção do desenvolvimento local sustentável QUESTÕES-PROBLEMA Com base na descrição da situação-problema, almeja-se investigar: 1. Em que medida a aplicação de técnicas e conhecimentos específicos da engenharia de produção pode ser contributiva para fomentar soluções viáveis orientadas à promoção do desenvolvimento local sustentável? 2. A região estudada apresenta conhecimentos, metodologias ou técnicas capazes de serem caracterizadas como tecnologias sociais? 1 A Engenharia de Interesse Social (EIS) é uma linha de pesquisa multidisciplinar que visa analisar e direcionar as contribuições da engenharia no atendimento das necessidades sociais, em especial das comunidades mais carentes, fomentando a apropriação de soluções técnicas e/ ou tecnológicas para a promoção do desenvolvimento social sustentável. IV CNEG 4

5 3. O CEFET/RJ UnED/NI teria condições de contribuir para o fomento ao comportamento empreendedor de moradores da região de Vila de Cava visando à geração de trabalho & renda? 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1. TECNOLOGIAS SOCIAIS Na visão de Longo (1996), tecnologia é conjunto organizado de todos os conhecimentos científicos, empíricos ou intuitivos, empregados na produção e comercialização de bens e serviços. Inegavelmente, a evolução tecnológica destaca-se como um pilar notável do desenvolvimento, mas autores como Dagnino, Brandão & Novaes (2004) sinalizam que a tecnologia convencional (TC) desenvolvida e utilizada pela empresa privada de países centrais não é adequada à realidade dos países periféricos. Segundo os mesmos autores, a TC não tem conseguido resolver, podendo mesmo agravar, os problemas sociais e ambientais. Dagnino (2004) questiona até que ponto essa tecnologia convencional, assentada numa perspectiva de acumulação capitalista, poupa trabalho humano mais do que seria conveniente, considerando que o lucro das empresas depende de uma constante redução da mão-de-obra incorporada ao produto, ou do tempo de trabalho socialmente necessário para produzir mercadorias. Apesar do notável predomínio da TC, há, em menor escala, uma tecnologia em que as dimensões humanas e sociais estão em primeiro plano: a Tecnologia Social (TS). A TS consiste em uma tecnologia orientada à solução de problemas sociais, satisfazendo as necessidades básicas das pessoas de modo simples, com baixo custo de aplicação e uso intensivo de mão-de-obra. Para Dias, Mariano & Araujo (2008) a TS é capaz de satisfazer as necessidades básicas dos indivíduos, de forma simples, extensiva em recursos financeiros e intensiva na apropriação de mão-de-obra. Lassance & Pedreira (2004) revelam que a dimensão local (aplicam-se a pessoas, famílias, cooperativas, associações) das TSs, que a princípio seria uma vantagem, revela-se também uma dificuldade para que tais tecnologias sejam vistas em termos de um projeto nacional. Assim, sinaliza-se que as tecnologias sociais não devem ser vistas apenas como boas práticas, pois deixam de ser enxergadas no horizonte das políticas. IV CNEG 5

6 De forma complementar, os mesmo autores afirmam que há tecnologias que ao mesmo tempo são agrícolas, ecológicas, econômico-solidárias, promovem a segurança alimentar e representam modelo de negócio com planejamento de expansão; porém, justamente por serem multissetoriais, precisariam de um amplo leque de articulação entre as organizações da sociedade e várias áreas governamentais para garantir a plena realização de todas as suas dimensões. Bava (2004) considera que as tecnologias sociais, mais do que a capacidade de implementar soluções para determinados problemas, podem ser vistas como métodos e técnicas que permitam impulsionar processos de empoderamento das representações coletivas da cidadania para habilitá-las a disputar, nos espaços públicos, as alternativas de desenvolvimento que se originam das experiências inovadoras e que se orientem pela defesa dos interesses das maiorias e pela distribuição de renda. Rutkowski (2005) indica que o desenvolvimento dessas tecnologias ocorre através de metodologias participativas, associando conhecimentos populares e técnico-científicos, uma vez que para redirecionar os benefícios gerados pela ciência e tecnologia de maneira a contribuir para redução das desigualdades econômicas, sociais é fundamental que se conheçam as necessidades daqueles que serão os usuários das tecnologias. Essa indicação ressalta a importância do caráter participativo da TS e permite considerar a metodologia utilizada no projeto Integr Ação, discutido em tópicos subseqüentes, como uma tecnologia social. Assim, evidencia-se que é possível e necessário que as Universidades contribuam com o conhecimento técnico-científico voltado para o desenvolvimento das comunidades entorno, não somente através do ensino, mas também por meio de pesquisa e extensão PRÁTICAS EXTENSIONISTAS NO SENTIDO DO ESTREITAMENTO DO FOSSO SOCIAL DE REGIÕES MENOS FAVORECIDAS No que tange a produção de conhecimento científico e tecnológico, o FORPROEX (2006) evidencia a necessidade de se concretizar a indissociabilidade entre o ensino, a pesquisa e a extensão enquanto eixo de formação do estudante, sendo a implementação de medidas de flexibilização curricular um meio privilegiado para alcançá-la. Nesse sentido, é necessário que a Universidade não se limite em formar profissionais com excelência técnica, IV CNEG 6

7 mas também auxiliar no desenvolvimento da sociedade, considerando seu potencial para, através da educação, contribuir para proporcionar transformações sociais. As Universidades Públicas, por exemplo, através de atividade extensionista, devem e têm como missão desenvolver projetos que promovam o desenvolvimento local das comunidades entorno e fomentem a inclusão social de parcelas ditas fragilizadas da população. Por outro lado seria insuficiente a Universidade incentivar atividades de intervenção se os docentes e discentes não se conscientizassem da necessidade de promover o desenvolvimento local sustentável. Assim, é importante considerar que o pensamento dos engenheiros (e de outros profissionais também) do século XXI, possibilite uma visão mais solidária e abrangente da sociedade. Quanto à aderência aos propósitos extensionistas, destaca-se a relevância da Engenharia de Interesse Social (EIS) enquanto área de pesquisa multidisciplinar. Na prática, isso ocorre na medida em que a EIS promove a interconectividade entre distintos atores, com fins à interdisciplinaridade e o compartilhamento do conhecimento científico aplicado para a sociedade. A democratização do conhecimento é ratificada por Lessa (2005) que afirma que o Brasil do futuro deve incluir todos os brasileiros nos benefícios da sociedade moderna. De forma complementar, o autor destaca que o engenheiro como profissional do fazer 2 se sobressai por sua pluralidade e a adaptabilidade e pode contribuir para esse objetivo. Para que essa transformação possa ocorrer de forma sustentável a horizontalidade nos relacionamentos e o diálogo entre atores sociais são tidos como uma características essenciais da intervenção local NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO E TECNOLOGIAIS SOCIAIS NETS No sentido de contribuir para que o CEFET/RJ UnED/NI consolide-se como ator relevante para o encurtamento das distâncias sócio-econômicas e educacionais observadas, em geral, na Baixada Fluminense e, particularmente, na região entorno da Unidade Nova Iguaçu, um grupo de pesquisadores do Departamento de Engenharia de Produção da referida instituição implementa em 2007, o Núcleo de Empreendedorismo e Tecnologias Sociais (NETS). 2 A caracterização do engenheiro enquanto profissional do fazer é uma tipologia proposta por Lessa. IV CNEG 7

8 O NETS surge sob uma perspectiva dialógica e pluralista, orientada em contribuir para a cooperação entre docentes e discentes de todos os níveis de ensino 3 da UnED/NI, respeitando a tradição da Instituição, enquanto espaço para formação humana, científica e tecnológica e tendo compromisso irrestrito com a excelência no ensino, pesquisa e extensão. O referido núcleo visa atuar como agente catalisador do comportamento empreendedor nos âmbitos intra-universitário e comunitário, além de atuar como facilitador à identificação, desenvolvimento e replicação de tecnologias de interesse social. Iniciativas como o referido espaço acadêmico multidisciplinar orientado à prática do ensino, pesquisa e extensão, constituído por alunos, professores e pesquisadores comprometidos com o desenvolvimento local sustentável são evidências tangíveis de que as Instituições de Ensino Superior têm potencial para transformar a realidade social de comunidades menos favorecidas. Segundo Araujo (2007), o envolvimento dos alunos em iniciativas extensionistas cria um espaço diferenciado para a aprendizagem. Assim, para além do potencial de transformação da realidade local, o núcleo visa contribuir para o desenvolvimento acadêmico e de competência crítica dos discentes. 3. METODOLOGIA 3.1. CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA As características da pesquisa a ser desenvolvida neste trabalho são as seguintes: a. Análise descritiva dos atuais princípios e fundamentos referentes a: tecnologias sociais; políticas públicas em educação; práticas universitárias extensionistas; desenvolvimento sustentável; desenvolvimento humano; desenvolvimento local. b. Ampla pesquisa bibliográfica que ajude a formulação da relação de existência entre os conceitos associados à indissociabilidade ensino-pesquisa-extensão e desenvolvimento local sustentável. c. A pesquisa realizada se propõe formular uma relação entre os conceitos de IFES e as possibilidades de desenvolvimento local sustentável, via interação dialógica e horizontal com atores regionais relevantes. A pesquisa desenvolvida pode classificada, com base nos aspectos supracitados, em: a. Segundo a natureza: a pesquisa caracteriza-se como pesquisa básica posto que procura a aquisição de conhecimento da natureza sem finalidades práticas ou imediatas [Jung, 2003 #161]. 3 O CEFET/RJ oferece cursos de nível médio-técnico, além de bacharelados plenos em engenharia e pósgraduação stricto sensu. IV CNEG 8

9 b. Segundo os objetivos: pode ser caracterizada como uma pesquisa exploratória, devido ao fato que busca desenvolver, esclarecer e modificar conceitos e idéias existentes, tendo em vista a formulação de problemas mais precisos ou hipóteses pesquisáveis para estudos posteriores [SELLTIZ, C #174]. c. Segundo a abordagem: caracteriza-se parte como uma pesquisa qualitativa na medida em que (diagnóstico sócio-econômico-cultural e ambiental): [...] não procura enumerar e/ou medir os eventos estudados, nem emprega instrumental estatístico na análise dos dados. Parte de questões e focos de interesse mais amplos, que vão se definindo à medida que o estudo se desenvolve, procurando compreender os fenômenos segundo a perspectiva dos sujeitos, ou seja, dos participantes da situação em estudo. [MARTINS, G. de A #160] apud [Rodrigues, Maria das Graças Villela #40] Parte como pesquisa quantitativa, na medida em que se provê uma análise instrumental dos dados primários obtidos por meio de questionário especificamente desenvolvido d. Segundo os procedimentos: define-se como uma pesquisa bibliográfica, associada a um survey. Quanto ao primeiro procedimento, está elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos de periódicos de revistas, de dissertações de mestrado, além de material disponibilizado na Internet [Rodrigues, Maria das Graças Villela #40]. Em relação ao segundo procedimento, foi desenvolvido um questionário contendo perguntas abertas e fechadas, baseado na interação de atores locais, e inspirado em modelos oficiais de coleta e análise de dados para tratamento estatístico. Adicionalmente, foram realizadas visitas de campo orientadas e encontros mensais com habitantes, socialmente engajados, da comunidade estudada LIMITAÇÕES DO MÉTODO A pesquisa sofre influência de fatores subjetivos como a sensibilidade do grupo de pesquisa aos problemas enfrentados pela comunidade, além da proposta de intervenção adotado, que extrapola a prática assistencialista culturalmente impregnada na realidade local. Outro obstáculo identificado foi a escassez de publicações acerca da região estudada. Por fim, a coleta de dados só foi possível com o auxílio de parceiros locais, pois se diagnosticou que os pesquisadores sofreriam com a resistência cultural dos moradores. Mesmo com a ajuda das lideranças comunitárias o instrumento de pesquisa, como etapa de uma futura intervenção local foi acolhido com desconfiança pelos moradores, já que há um histórico de promessas políticas não cumpridas ETAPAS DA PESQUISA As etapas realizadas desde o início da pesquisa até a proposta do projeto Integr Ação, alaborado para fomentar o desenvolvimento local, estão sintetizadas na Tabela 01, abaixo Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Visitas de campo x x x x Reuniões com a comunidade x x x x x x x x x x IV CNEG 9

10 Formulação do instrumento de pesquisa x x x x x x x Estudos dirigidos x x x x x Coleta de dados x x x Análise de dados x x Elaboração de propostas para desenvolvimento local. Projeto Integr Ação x Formulação do material de divulgação e fichas de inscrição Período de inscrições x x Monitoramento das inscrições x x Preparação de recursos (equipe técnica, metodologia, ementa...) para os cursos Tabela 01 Cronograma do projeto de pesquisa e implementação do projeto Integr Ação x x x x x Os encontros periódicos com a comunidade revelaram-se indispensáveis para que o processo de desenvolvimento da proposta ocorresse de forma participativa. A dialogicidade e a horizontalidade são tidas como características básicas da intervenção local e a preservação da discussão transparente das finalidades do desenvolvimento são essenciais para que os moradores da comunidade sejam atores desse processo. 4. DISCUSSÃO Com a intenção de dar início ao processo de aproximação e reconhecimento da situação sócio-econômico e cultural da região entorno à Unidade de Ensino Descentralizada de Nova Iguaçu do CEFET/RJ, duas comunidades foram visitadas, com o apoio da Paróquia Santa Rita: Adrianópolis e Bairro Amaral. Ambas apresentam uma série de problemas sociais e ambientais. As visitas de campo aos bairros da região evidenciaram problemas de infra-estrutura notórios como a ausência de saneamento básico, resultando na presença de línguas negras nas ruas; o predomínio de vias não asfaltadas; a obtenção de parcela da energia elétrica através de ligações clandestinas e; o abastecimento débil de água que, em geral, é proveniente de poços artesianos. Outro ponto sensível a se observar é a precariedade do transporte público, uma vez que a linha de ônibus que deveria atender a comunidade não o faz regularmente. A questão se torna ainda mais agravante tendo em vista que a região não oferece postos de trabalho suficientes. Essa situação, portanto, cria uma demanda maior pelo transporte, já que a grande maioria dos moradores que trabalham, o fazem em municípios afastados da comunidade. Apesar da notável situação de pobreza das comunidades, a violência local é discreta e se restringe a eventuais brigas devido ao excesso etílico e/ ou consumo de drogas ilícitas. Os dados obtidos com o levantamento de campo Dias & Araujo (2007) indicam que a média de idade é 19 anos, e 38,98% dos habitantes situam-se na faixa etária de 15 a 20 anos. IV CNEG 10

11 Apesar desse grande percentual de jovens, 57,14% dos habitantes já têm filho e 43,08% moram com os cônjuges. A maioria da população, 88,14% possui residência própria quitada, e 67,27% das residências possuem quatro ou cinco moradores (Gráfico 01), dentre os quais, apenas um ou dois contribuem para a renda domiciliar. Gráfico 01 Número de co-residentes Fonte: Dias & Araujo (2007) No entanto, a faixa de renda da população concentra-se entre 1 e 2 salários mínimos e 20,69% ganham até 1 salário mínimo, o que evidencia a fragilidade econômica da região (Gráfico 02). Apenas 15,25% participam do bolsa-família, projeto de auxílio do Governo Federal. A ajuda do Estado existe, mas demonstra-se insuficiente para atender as necessidades de toda a população, pois, 47,46% afirmam não participar desse tipo de projeto por não terem sido contemplados. Figura 02 Estratificação de renda domiciliar da população local Fonte: Dias & Araujo (2007) Outro ponto nevrálgico tange a situação atual de trabalho dos moradores. O desemprego atinge quase metade dos moradores da comunidade, 49,15% e apenas 10,17% trabalham com carteira assinada (Gráfico 03). A insuficiente absorção do mercado de trabalho pode ser considerada um dos motivos para que a maioria da população (72,88%) declare ter IV CNEG 11

12 interesse em possuir negócio próprio. Ainda assim, apenas uma pequena parcela, 12,28%, possui ou já possuiu seu próprio negócio. Gráfico 03 Situação atual de trabalho da população local Fonte: Dias & Araujo (2007) Mais da metade dos habitantes, 58,18%, possui conhecimentos adquiridos informalmente ao longo da vida, São pessoas que sabem cozinhar, costurar, consertar aparelhos eletrônicos. Essas atividades já representaram uma fonte de renda para 59,38% dos moradores, e, 71,43% ainda utilizam esses conhecimentos para gerar renda. O Gráfico 04 se refere aos aspectos educacionais. 44,07% da população possui o ensino médio e, 88,89% dos moradores locais cursaram os estudos em escola pública. No entanto, apenas 21,82% dos entrevistados concluíram o nível de escolaridade e 36,36% continuam estudando. Gráfico 04 Nível de escolaridade da população local Fonte: Dias & Araujo (2007) O nível de escolaridade não foi completado por 41,82% dos moradores, dentre os quais 52,00% não puderam completá-lo devido à necessidade de trabalhar (Gráfico 05). Ainda IV CNEG 12

13 assim, é grande o número de respondentes que participaram de cursos de capacitação profissional, 50,85%. O curso mais procurado é Informática, 46,34%. Gráfico 05 Motivos alegados para não ter completado o nível de escolaridade Fonte: Dias & Araujo (2007) O diagnóstico ambiental revela que 100% das residências estão ligadas a rede elétrica e 93,10% recebem a coleta de lixo, no entanto 80,70% das residências não estão ligadas a rede coletora de esgoto (Gráfico 06) e 82,76% não estão ligadas a rede de abastecimento de água. Supostamente, a proximidade com a Reserva Biológica de Tinguá poderia estimular o extrativismo. No entanto, apenas 8,47% dos respondentes declararam realizar essa prática. Dentre estes, a maior parte, 80%, realizam extrativismo semanalmente, sendo que 75% retiram flora. Gráfico 06 Residências ligadas a rede coletora de esgoto Fonte: Dias & Araujo (2007) IV CNEG 13

14 Ainda nas questões ambientais, apenas 11,11% das residências reciclam, reutilizam e/ou reduzem algum tipo de resíduo sólido. Sendo 66,67% referente à prática da reciclagem e 40,00% referente ao resíduo sólido alumínio. Quanto à experiência comunitária, 62,71% acreditam que a comunidade tem potencial para se desenvolver. No entanto, 91,38% desconhecem a existência de qualquer projeto ou iniciativa local para geração de trabalho & renda, o que evidencia a carência de ações desse tipo (Gráfico 07). Gráfico 07 Existência de projetos ou iniciativas locais para gerar trabalho & renda Fonte: Dias & Araujo (2007) A receptividade e a viabilidade de implantação de um projeto social na região estão disponíveis nos dados referentes à disponibilidade e interesse de participação nesse tipo de ação, que representam 81,36% e 84,75%, respectivamente (Gráfico 08). Gráfico 08 Interesse de participação em um projeto social Fonte: Dias & Araujo (2007) IV CNEG 14

15 Quanto aos cursos que despertariam interesse, informática destaca-se com 18,49%. Geração de trabalho & renda e empreendedorismo é preferência de 20,16% dos habitantes. Esse resultado é justificável, pois, como citado anteriormente, a maioria dos habitantes, 72,88% demonstra interesse em ter negócio próprio, o que motivou a equipe de pesquisa a desenvolver um projeto de qualificação empreendedora da comunidade. Com o auxílio desses dados primários, nos meses de dezembro de 2007 e janeiro de 2008, elaborou-se propostas para promover o desenvolvimento da comunidade entorno do CEFET/RJ UnED/NI. Assim, evidenciada a carência da população local, desenvolveu-se uma proposta de projeto que visa uma maior integração da instituição com a comunidade. 5. CONCLUSÕES Os resultados do levantamento no entorno do CEFET/RJ UnED/NI, indicam que os bairros próximos a instituição encontram-se em situação de extrema fragilidade sócioeconômica. Com base nesses dados, entre os meses de novembro de 2007 e janeiro de 2008, pesquisadores do NETS desenvolveram a Metodologia (Tecnologia Social) Integr Ação. A tecnologia Integr Ação (Figura 01) se consiste em uma metodologia de intervenção orientada à promoção do desenvolvimento local sustentável. Apresenta como pilares fundamentais de sua constituição a horizontalidade, dialogicidade, responsabilidade social e ética dos atores envolvidos, englobando uma IFES, o setor produtivo, e organizações comunitárias, como ONGs e entidades paroquiais. IV CNEG 15

16 Etapa 01: Etapa 02: Desenvolvimento de relacionamentos com base Diagnóstico plural e na Horizontalidade, Dialogicidade, Transparência multidisciplinar da e Responsabilidade Sócio-Ambiental situação local Etapa 03: Programa Integr Ação de formação cidadã, baseada no fomento ao comportamento empreendedor, orientada à transformação social e à geração de trabalho & renda. As capacitações são desenvolvidas com base na metodologia CAV Ciclos de Aprendizagem Vivencial., inspirada na pedagogia da autonomia de Paulo Freire Etapa 04: Formação de cidadãos multiplicadores da metodologia, dotados de consciência crítica sócioambiental, com ampla capacidade de intervenção e transformação da comunidade ONGs Capacitações t1 t2 t3 t4 t5 Universidade Entidades Paroquiais Diagnóstico Sócio-Econômico- Ambiental e Cultural da Realidade Formação Contextual e Geral Empreendedorismo e Gestão Educação Ambiental para Geração de Trabalho & Renda Empreendedores de Interesse Social Cidadãos Tecnologia Integr Ação Núcleo de Empreendedorismo e Tecnologias Sociais (NETS) Figura 09 - Metodologia Integr Ação Fonte: NETS (2008) A tecnologia Integr Ação é uma metodologia replicável que apresenta-se como uma alternativa à geração de trabalho & renda, na medida em que se fomenta o comportamento empreendedor, através de um programa de capacitações de nove semanas destinado à comunidade. A estrutura do projeto Integr Ação: CEFET de portas abertas para a comunidade apresenta-se em três módulos integrados realizados em 6 (seis) horas de aula semanais ministradas através de dois encontros, durante 09 (nove) semanas, totalizando uma carga horária de 30 (trinta) horas de curso. Ao longo do projeto, serão oferecidos aos participantes conhecimentos nas áreas de Educação Ambiental e Empreendedorismo & Gestão, além de uma formação geral e contextual. Na primeira etapa entram 40 (quarenta) alunos, para o módulo de Formação Geral e Contextual, depois a turma é subdividida em duas e todos fazem dois cursos, alternadamente, conforme se pode observar na Tabela 02, abaixo. Capacitações 1s 2s 3s 4s 5s 6s 7s 8s 9s Formação contextual e geral ( ) Empreendedorismo e Gestão ( ) - Educação ambiental para trabalho & renda ( ) - Tabela 02 Estrutura dos cursos do programa Integr Ação IV CNEG 16

17 A comunidade participa ativamente de todas as etapas do projeto. Dessa forma, o diálogo e a transparência no relacionamento das partes visam compatibilizar as demandas sociais com as oportunidades oferecidas pelo projeto. Ao fornecer capacitação aos moradores, tenciona-se resgatar a sua dignidade e conscientizar que são vetores de transformação da realidade local. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS E SUGESTÕES DE INVESTIGAÇÕES FUTURAS No que tangem os resultados preliminares do diagnóstico da comunidade entorno do CEFET/RJ UnED/NI, destaca-se a importância da intervenção local estar baseada na dialogicidade, assegurando que o desenvolvimento local ocorra de forma horizontal. Nesse sentido, é importante não limitar a pesquisa à revisão de literatura. Visitas de campo, entrevistas com lideranças da região e um instrumento de pesquisa (questionário sócioeconômico e cultural) contribuíram na tentativa de traçar um perfil local mais próximo da realidade. Outro resultado relevante identificado foi a flexibilidade da engenharia de produção, enquanto campo do conhecimento capaz de utilizar os recursos técnicos de diversas áreas do conhecimento para fomentar soluções acerca de problemas reais da sociedade. Como sugestão de investigações futuras recomenda-se aplicar a Tecnologia Social Integr Ação em outras realidades e avaliar sua efetividade sócio-econômica e cultural para a promoção do desenvolvimento social sustentável. Aderente as premissas da Tecnologia Integr Ação é válido ressaltar a necessidade de a intervenção ocorrer de forma ética, privilegiando as práticas dialógicas, com a participação ativa da comunidade em questão. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBUQUERQUE, P.P. Autogestión. In: Antonio David Cattani (Organizador), pp.39-46, Altamira-OSDE-UNGS, Buenos Aires, Disponível em: <http://www.riless.org/biblioteca.shtml>. Acesso em: 30 nov ARAUJO, F.O. Proposta para formalização e implementação do Núcleo de Empreendedorismo e Tecnologias Sociais (NETS). Rio de Janeiro: Centro Federal de Educação tecnológica Celso Suckow da Fonseca, ASSEBURG, H.B. & GAIGER, L.I. A economia solidária e a redução das desigualdades, Disponível em: <http://www.ecosol.org.br/txt/desigualdades.pdf>. Acesso em: 29 nov IV CNEG 17

18 AZEVEDO, A. Inovação Tecnológica em Empreendimentos Autogestionários: Utopia ou Possibilidade?. In: IX Colóquio Internacional sobre Poder Local, Salvador, BARTHOLO, R. A Pirâmide, a Teia e as Falácias: Sobre modernidade industrial e desenvolvimento social. In: LIANZA & ADDOR Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. 1 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, BAVA, S.C. Tecnologia social e desenvolvimento local. In: FBB, Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro, BOBBIO, N; MATTEUCI, N & PASQUINO, G. Dicionário de Política; Vol.1 11 a. Edição. Editora Universidade de Brasília; São Paulo, BUARQUE DE HOLANDA, Sergio. Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Cia das Letras, 1995 DAGNINO R. A tecnologia social e seus desafios. In: FBB, Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro, DIAS, J.N; NASCIMENTO, A.M; ARAUJO, F.O. Autogestão em empreendimentos solidários: uma proposta de tecnologia social? Anais do IV Encontro Mineiro de Engenharia de Produção. Ouro Preto: FMEPRO, ; ARAUJO, F.O. Engenharia de Interesse Social: pesquisa e extensão da prática da engenharia de produção enquanto campo do conhecimento contributivo à promoção do desenvolvimento local sustentável. Relatório Parcial de Iniciação Científica. Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Rio de Janeiro: Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, ; BRANDÃO F.C. & NOVAES H.T. Sobre o marco analítico-conceitual da tecnologia social. In: FBB. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro, DORNELES, S.B. Autogestão: uma alternativa para o desenvolvimento regional. Disponível em: <http://www.urisantiago.br/nadri>. Acesso em: 30 nov EID,F. Descentralização do estado, economia solidária e políticas públicas: construção da cidadania ou reprodução histórica do assistencialismo? In: XI Congresso da Federação Internacional de Estudos sobre América Latina e Caribe FIEALC, Osaka, Japão, Série Sociedade Solidária - Vol & PIMENTEL, A. E. B. Planejamento do Desenvolvimento Local e Economia Solidária. In: LIANZA & ADDOR Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. 1 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, FORNARI JUNIOR, C.C.M.; ESTIVAL, K.G.S. & SILVA, E.E. Desenvolvimento de Tecnologias Sociais: Implantação de Cooperativa no Município de Ilhéus/BA. In: IV Encontro Nacional de Engenharia e Desenvolvimento Social, Rio de Janeiro, set/2007 FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro, IV CNEG 18

19 GAIGER, L.I. A economia popular solidária no horizonte do terceiro setor. In: Istr s fourth international conference, Dublin, GUERRA, A. C.; LIRA, R. G. B.; OLIVEIRA, B. A. M. & TOLEDO, D. A. C. Associação de Pequenos Produtores Rurais de Minduri: Um Exercício de Autogestão? In: IV Encontro Nacional de Engenharia e Desenvolvimento Social, Rio de Janeiro, set/2007. GUIMARÃES,V.N; KOROSUE, A. & CORRÊA, F.Z.M. Autogestão em Santa Catarina: uma tecnologia social emergente. Disponível em: <http://www.ocyt.org.co/esocite/ponencias_esocitepdf/civ1brs038.pdf>. Acesso em: 25 nov ITS, Reflexões sobre a construção do conceito de tecnologia social. In: FBB, Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. Fundação Banco do Brasil, Rio de Janeiro, RJ, JANNUZZI, P. M. Indicadores Sociais no Brasil. Campinas, SP: Editora Alínea, LASSANCE A.E. & PEDREIRA J.S. Tecnologias sociais e políticas públicas. In: FBB, Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro, LECHAT, N. M. P. As raízes históricas da economia solidária e seu aparecimento no Brasil, II Seminário de Incubadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares, Unicamp, São Paulo, LESSA, C., A Engenharia no Desenvolvimento Nacional. In: LIANZA, S. & ADDOR, F. (Orgs). Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. 1 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, LIANZA, S. & ADDOR, F. (Organizadores). Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. 1 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, & RUTKOWSKI, J.E. Sustentabilidade de empreendimentos solidários:que papel espera-se da tecnologia?. In: FBB. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro, LISBOA, A. M. Desordem do trabalho, economia popular e exclusão social. Algumas considerações. Disponível em: <http://www.ecosol.org.br/bib.htm>. Acesso em: 25 nov LONGO, W.P., Conceitos Básicos sobre Ciência e Tecnologia. Rio de Janeiro, FINEP, v.1. Disponível em: <http://www.finep.gov.br/o_que_e_a_finep/conceitos_ct.asp#indicet>. Acesso em: 10 fev MOREIRA, V.; BARBOSA, F.A. & FARIAS, I.Q. Empreendedorismo Social e Economia Solidária: Um Estudo de Caso da Rede de Desenvolvimento Local Integrado e Sustentável da Comunidade do Grande Bom Jardim. Disponível em: <http://www.unioeste.br/projetos/casulo/files/emp_soc_ec_sol.pdf>. Acesso em: 04 mar IV CNEG 19

20 NASCIMENTO, C. Autogestão e economia solidária. Temporaes: Universidade de São Paulo. Vol.1. São Paulo: Humanitas Publicações, Disponível em: <http://www.milenio.com.br/ifil/rcs/biblioteca/nascimento.htm>. Acesso em: 29 nov OLIVEIRA, R. Há Muito de Política na Decisão Técnica. In: LIANZA, S. & ADDOR, F. Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. 1 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, RATTNER, H. Economia solidária Por que?. In: Revista Espaço Acadêmico n 44, jan/2005. Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/044/44rattner.htm>. Acesso em: 09 fev RIBEIRO, A. C. T. O desenvolvimento local e a arte de resolver a vida. In: LIANZA, S. & ADDOR, F. Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. 1 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, RIBEIRO, L.C.Q. & SANTOS JUNIOR, L.A. Associativismo e participação social: tendências da organização popular no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Observatório de Políticas Urbanas: IPPUR: FASE, RUFINO, S. Engenharia e Autogestão: um processo em construção. IV Encontro Nacional de Engenharia e Desenvolvimento Social, Rio de Janeiro, set/2007. RUTKOWSKI, J.E. Rede de tecnologias sociais: pode a tecnologia proporcionar desenvolvimento social?. In: LIANZA, S & ADDOR,F. Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. 1 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, SILVA, C. R. O. Metodologia e Organização do projeto de pesquisa (Guia Prático). Cefet- CE, Disponível em: < Acesso em: 10 fev SINGER, P. Desenvolvimento capitalista e desenvolvimento solidário. Estudos avançados 18 (51), Políticas públicas para a Economia Solidária no Brasil. In: LIANZA, S. & ADDOR, F. Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. 1 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, Globalização e desemprego. SP: Contexto, In: LISBOA. Desordem do trabalho, economia popular e exclusão social. Algumas considerações.. & KRUPPA S.M.P. Senaes e a economia solidária democracia e participação ampliando as exigências de novas tecnologias sociais. In: FBB, Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro, TENÓRIO, F. G. (Re)Visitando o conceito de Gestão Social. In: LIANZA, S. & ADDOR, F. Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. 1 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, IV CNEG 20

INDISSOCIABILIDADE ENSINO- PESQUISA-EXTENSÃO: CONTRIBUIÇÕES DE PROJETO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO À PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL

INDISSOCIABILIDADE ENSINO- PESQUISA-EXTENSÃO: CONTRIBUIÇÕES DE PROJETO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO À PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL INDISSOCIABILIDADE ENSINO- PESQUISA-EXTENSÃO: CONTRIBUIÇÕES DE PROJETO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO À PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL Julia das Neves Dias (CEFET/RJ) julia_ndias@yahoo.com.br Fernando Oliveira

Leia mais

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania A prática consiste em democratizar o acesso à justiça aos catadores de materiais recicláveis dos lixões do Distrito Federal. O problema envolvendo a produção

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as atividades de incubação de empreendimentos produtivos. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i INTRODUÇÃO Entre as inúmeras formas de diálogo que a UFRB (Universidade

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

08 a 13 de Julho de 2012 UEFS Feira de Santana - BA

08 a 13 de Julho de 2012 UEFS Feira de Santana - BA PERCEPÇÃO PÚBLICA ACERCA DO SANEAMENTO BÁSICO NO BAIRRO PEDRA DO LORDE, JUAZEIRO BA. Roberta Daniela da Silva Santos (1) Anne Kallyne dos Anjos Silva (2) Simone do Nascimento Luz (3) Marcello Henryque

Leia mais

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA 12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA :: INTRODUÇÃO :: O Grupo Santander Brasil acredita que a educação é a principal ferramenta para construir um mundo sustentável e melhor. Por isso, investe

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

20 de junho de 2013.)

20 de junho de 2013.) 20 de junho de 2013.) Tecnologias Educacionais (G.E.N.T.E.) _ 2 _ > Rio de Janeiro 20 de junho de 2013 Proposta elaborada pelo IETS _Contextualização O projeto Ginásio Experimental de Novas Tecnologias

Leia mais

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação.

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação. 5 INTRODUÇÃO O terceiro setor é composto por uma grande diversidade de organizações do setor privado que realizam atividades para o público em geral, isto é, para a sociedade. Estas organizações não têm

Leia mais

ORIENTAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA A INCLUSÃO SOCIAL

ORIENTAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA A INCLUSÃO SOCIAL ORIENTAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA A INCLUSÃO SOCIAL VASCONCELOS, Arthur Henrique Pacífico 1 ; CASTIGLIONI, Gabriel Luis 2 ; SILVA, Flavio Alves 2 ; RODRIGUES, Adelino José Saraiva 3. 1 Estudante

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Neste capitulo será feita uma breve explanação da metodologia de pesquisa que serviu de fundamentação às definições apresentadas. Serão definidos: o objeto de estudo, as questões

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Angelica Raquel Negrele de Faria (UNICENTRO), Izamara de Oliveira Ferreira (UNICENTRO), Prof. Silvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais 1394 Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais X Salão de Iniciação Científica PUCRS Jonas Tarcisio Reis, Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010 Formando o aluno para a responsabilidade social Esther Carvalho Março 2010 Missão "Servir com excelência, por meio da educação, formando cidadãos éticos, solidários e competentes" Visão "Ser referência

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Sala Verde

Mostra de Projetos 2011. Projeto Sala Verde Mostra de Projetos 2011 Projeto Sala Verde Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Pontifícia Universidade

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Vendas PROEJA FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA São Luis

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327 PROPOSTA DE UMA TURMA DE MESTRADO PROFISSIONAL, PARA UMA FORMAÇÃO STRICTO SENSU DOS SERVIDORES DO INSTITUTO BRASÍLIA AMBIENTAL IBRAM (FORMATO MODULAR PRESENCIAL) Cristiana Saddy Martins Coordenadora da

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior?

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Patrícia P Gomes¹ Camilla M dos Santos 2 Erika M Ferreira 2 Resumo O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

QUADRO SÍNTESE PROPOSIÇÕES, EXEMPLOS e DIFICULDADES QUESTÃO PROPOSIÇÕES EXEMPLOS DIFICULDADES

QUADRO SÍNTESE PROPOSIÇÕES, EXEMPLOS e DIFICULDADES QUESTÃO PROPOSIÇÕES EXEMPLOS DIFICULDADES QUADRO SÍNTESE PROPOSIÇÕES, EXEMPLOS e DIFICULDADES QUESTÃO PROPOSIÇÕES EXEMPLOS DIFICULDADES 1 Quais são as possíveis estratégias pedagógicas que podem proporcionar uma formação emancipatória? Apontar

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE Cleudimar Pereira Dias Benvinda Barros Dourado (Orientadora) O Centro de Apoio Popular Estudantil do Tocantins

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva Mostra de Projetos 2011 Cozinha Escola Borda Viva Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC

III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC GRUPOS DE TRABALHO EIXO 01 ENSINO RELIGIOSO, PASTORAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL GT: ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA CATÓLICA Ementa: A identidade do ensino religioso

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Vendas FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Objetivos Metodologia

Objetivos Metodologia O Sistema de Gestão Ambiental como impulsor da Educação Ambiental: um estudo de caso em uma empresa do Polo Industrial de Manaus PIM a partir da percepção de seus colaboradores Ádria de Azevedo Araújo,

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado (

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Reunião Regional do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCEE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ciência, Tecnologia e Inovação Ciência (Conhecer) Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. Aprova o Regulamento do Programa Casulo Sócio-Tecnológico de Apoio e Desenvolvimento em Gestão Social, Inovação e sustentabilidade. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais