PROJETO TERAPÊUTICO FAMILIAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO TERAPÊUTICO FAMILIAR"

Transcrição

1 PROJETO TERAPÊUTICO FAMILIAR Cristiane de Freitas Paganoti Mariane Sanches Birocchi Priscila Giordano Talpo Pontifícia Universidade Católica de Campinas Faculdade de Medicina Disciplina Atenção à Saúde da Família 27 de Fevereiro de 2007

2 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

3 Cidade de Campinas * habitantes / área= 796,2km 2 ; *5 Distritos de Saúde Centros de Saúde Total = 47 C.S. 1 C.S para cada hab.

4

5 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

6 Distrito de Saúde Noroeste *Coordenadoria Lígia Aparecida Neaime de Almeida *Localização Rua José Rosolém nº 751, Jd. Londres; *Horário de Funcionamento segunda à sexta, das 7h às 17h30min; *Área de Abrangência 63,7km 2 ;

7 Distrito de Saúde Noroeste *Perfil Populacional: #população total hab.; #taxa de crescimento ,54 #pessoasxdomicílio 3,7 #razão x 1,0 #% indivíduos 65 anos 4,3 #mulheres

8 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

9 Centro de Saúde Integração *Coordenadoria Willian Hipólito Ferreira *Localização Rua Zoca, 161 Vila Castelo Branco; *Horário de Funcionamento segunda à sexta, das 7h às 21h; *Área de Abrangência 3,7km 2 Vila Castelo Branco, Parque dos Eucaliptos, Jardim Garcia, Jardim Londres, Vila Padre Manoel da Nóbrega, Favela Recanto dos Pássaros e Jardim Paulicéia.

10 Centro de Saúde Integração

11 Centro de Saúde Integração *Equipe de Trabalho: agente comunitário 12 nutricionista 1 auxiliar de enfermagem 6 operadores de equipamenauxiliar de enfermagem do PSF 14 tos médico e odontolócirurgião dentista 6 gicos 2 enfermeiro do PSF 3 psicólogo 3 enfermeiro 2 técnico de higiene dental 1 fisioterapeuta 3 TO 2 médico de saúde da família 2 médico geral comunitário 5 médico GO 2 médico pediatra 3 médico psiquiatra 2 médico 2

12 Centro de Saúde Integração *Instalações Físicas: clínicas básicas 8 clínicas especializadas 1 odontologia 1 outras salas não-médicas 4 sala de curativos 1 sala de serviços de enfermagem 3 sala de vacinação 1 sala de nebulização 1 sala de pequena cirurgia 1 sala de repouso/observação indiferenciado 1

13 Centro de Saúde Integração *Serviços Disponíveis: #consultas e especialidades; #serviços assistenciais; #grupos de orientação e terapêutica; #exames de apoio diagnóstico; #vigilância em saúde; #atividades externas; #outros serviços especializados; *Perfil Populacional: #população total hab.; #taxa de crescimento ,37 #pessoasxdomicílio 3,2

14 Centro de Saúde Integração #razão x 0,9 #% indivíduos 65 anos 8,0 #mulheres ; *Indicadores: #óbitos por sexo (2005) total 177 ( ); #óbitos infantis < 1 ano (2005) 7 #óbitos fetais (2005) 3 #óbitos por doença isquêmica do coração (2005) 26 #óbitos por AVC (2005) <60a 8 / 60a 8 #óbitos por neoplasia (2005) 38 #nº de homicídios (2005) 2

15 Centro de Saúde Integração

16 Grupos de ÍNDICE DE CONDIÇÃO DE VIDA (ICV) Grupo I Pior ICV Grupo II Grupo III Melhor ICV Florence 1,1 Itatinga 2,0 13 de Março 2,6 S. Domingos 1,3 S. Bárbara 2,0 J. Egideo 2,6 S. Marcos 1,3 Aeroporto 2,1 Sousas 2,6 V. Alegre 1,3 Anchieta 2,1 T. Neves 2,6 S. José 1,4 Ipê 2,1 V. Rica 2,6 S. Quirino 1,4 P Aquino 2,1 B. Geraldo 3,0 Ipaussurama 1,5 Capivari 2,3 C. Silva 3,1 Dic III 1,6 Esmeraldina 2,3 Eulina 3,1 Floresta 1,6 B. Vista 2,5 Paranapanem a 3,1 S. Cristóvão 1,6 Conceição 2,5 S. Odila 3,1 Dic I 1,8 Figueira 2,5 Centro 3,3 S. Mônica 1,8 Integração 2,5 F. Lima 3,3 O. Maia 1,9 Perseu 2,5 Aurélia 3,4 S. Lúcia 1,9 Taquaral 3,4 S. Vicente 1,9 Valença 1,9

17 % POPULAÇÃO MORADORA EM SUB-HABITA HABITAÇÃO, segundo áreas de abrangência dos Centros de Saúde, 1999 CS Resid. Pop 99 Pop Sub Hab % Pop Sub Habit S Domingos ,6 Integração ,7 Centro F Lima Aurélia C Silva Figueira B Vista de Marco J Egídio Itatinga Campinas ,2

18 % CHEFES DE FAMÍLIAS COM ATÉ 1 ANO DE INSTRUÇÃO, segundo áreas de abrangência dos Centros de Saúde, 1996 Distrito Campina s Código CS Resid S Mônica Integração F Lima Centro Fonte: IBGE, Contagem Populacional de 1996 SomaDeN29 (Total Chefes) SomaDeN77 (Sem ou - 1 ano) % 16,3 4,1 3,2 0,9 7,1

19 Taxa de CRESCIMENTO ANUAL, segundo áreas de abrangência dos Centros de Saúde, CS Resid. Taxa S Domingos 8,88 Integração -3,11 Campinas 1,42 Fonte: IBGE, Contagem Populacional de 1996

20 % Médio M de MÃES COM MENOS DE 20 ANOS DE IDADE, segundo residência nas áreas de abrangência dos Centros de Saúde. Campinas, C.S. < Total < Total < Total < 20 Média Total % S. Marcos ,1 Integração ,6 Aurélia ,4 Centro ,3 Campinas ,7 Fonte: SIM/SINASC - CoViSA

21 Coeficiente médio m de MORTALIDADE INFANTIL, segundo residência nas áreas de abrangência dos Centros de Saúde. Campinas, CS Resid Total Média NV99 CMI S Mônica ,0 Integração ,8 DIC I ,2 Taquaral ,0 Campinas ,0 (1) Por nascidos vivos Fonte : SIM/SINASC - CoViSA

22 Coeficiente médio m de MORTALIDADE POR HOMICÍDIOS, segundo residência nas áreas de abrangência dos Centros de Saúde. Campinas, CS Resid Total Médi a Pop 99 Coef Médio Itatinga ,6 Integração ,2 31 de Marco ,8 Campinas ,7 (1)Por habitantes Fonte : SIM CoViSA

23 Incidência média m de DESNUTRIÇÃO entre os menores de 5 anos, segundo residência nas áreas de abrangência dos Centros de Saúde. Campinas, Limite superior (por hab.) CS Resid Código Total Média Pop. 98 Inc. MédiaM Itatinga ,3 Integração ,7 C. Silva ,7 Aurélia ,6 Campinas ,3 (1)Por habitantes Fonte: SINAN-CoViSA

24 Incidência média m de TUBERCULOSE, segundo residência nas áreas de abrangência dos Centros de Saúde. Campinas, Limite superior (por hab) (1) Por habitantes Fonte: SINAN-CoViSA, 11/05/01 CS Resid Códi go Total Média Pop. 98 Inc. MédiaM Itatin ga ,7 Integ ração ,2 J. Egídi o ,0 Campinas ,8

25 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

26 Equipes - PSF *C.S Integração 3 equipes PSF Equipe Vermelha Equipe Azul EQUIPE AMARELA 1 médico de família 2 residentes de MFC 1 enfermeiro 1 dentista 3 auxiliares de enfermagem 1 aprimorando de TO 4 agentes comunitários 1 aprimorando de psico. 2 clínicos gerais 1 psiquiatra 1 GO 1 auxiliar de dentista

27 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

28 Equipamentos Sociais da Região #creches; #escolas; #Pastoral da Criança; #Comunidade Maria Mãe do Povo; #Praça dos Trabalhadores; #Casa de Cultura Tainã; #Centro Social Vila Pe. Manuel da Nóbrega; #Gira Vida; #PROGEN;

29 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

30 Bairro

31 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

32 Condições do Condomínio nio #lugar calmo, sem muito barulho; #vários prédios 4 andares cada, sem elevador; #maioria dos moradores são pessoas idosas; #sem iluminação externa;

33 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

34 Casa da Família

35 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

36 FAMILIOGRAMA Família

37 Família *Desejos: #ônibus com escada mais baixa; #pessoas que as tratem com mais carinho e que possam ajudar quando necessário;

38 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

39 Rede de Suporte Social

40 Promoção e Manutenção da Saúde do Idoso *População de idosos deverá duplicar em *Objetivos principais do cuidado desses pacientes: - manutenção da independência social; - manutenção da independência funcional; - manutenção das habilidades cognitivas; - redução da mortalidade prematura causada por doenças agudas ou crônicas; - extensão da expectativa de vida ativa; - melhora da qualidade de vida.

41 Promoção e Manutenção da Saúde do Idoso A Abordagem do paciente idoso é influenciada por: - ambiente onde o paciente vive; - relação médico-paciente e médico-familiares - a história clínica ( aspectos biológicos, psíquicos, funcionais e sociais) - exame físico.

42 Avaliação Funcional do Idoso Visão - Para avaliar essa função os pacientes devem ser perguntados sobre dificuldade para ler, assistir à televisão, dirigir ou desenvolver suas atividades comuns a vida diária pela falta de visão. Se responderem positivamente a essa dificuldade serão examinados com o cartão de Jaeger. Audição - Essa função pode ser testada com o teste do sussurro ( whisper). Se o paciente não escutar deve-se examinar seu conduto auditivo para afastar a possibilidade de cerume estar prejudicando a audição, se não houver existência de cerume, encaminhar para realização de audiometria.

43 Avaliação Funcional do Idoso Função dos Membros Superiores: - função proximal dos MMSS - posicionar ambas as mãos na parte posterior do pescoço. o. - capacidade de exercer função de pinça - essencial na manutenção da capacidade de vestir,banhar e comer. - habilidade de pegar e recolocar objetos sugere capacidade de escrever e manipular (sem disfunção distal dos MMSS).

44 Avaliação Funcional do Idoso Função dos Membros Inferiores: - Teste get up and go - paciente é convidado a levantar-se da cadeira, andar aproximadamente 3 metros, girar e retornar à sua cadeira e sentar-se novamente.

45 Avaliação Funcional do Idoso Teste de Estado Mental: - repita o nome de 3 objetos imediatamente e 3 minutos após s serem citados. - incapacidade - aplicação completa do teste de Folstein mini-mental mental para avaliação cognitiva.

46 Teste de Folstein mini-mental mental

47 Avaliação Funcional do Idoso Avaliação do Humor A depressão é um dos transtornos mentais mais comum no idoso( perdas funcionais e psicossociais). É essencial perguntar ao paciente durante a avaliação se ele se sente triste ou desanimado freqüentemente? entemente? Se a resposta for positiva, o paciente deverá ser testado com a Escala de Depressão Geriátrica.

48 ESCALA DE DEPRESSÃO GERIÁTRICA (YESAVAGE,1983)

49 Avaliação Funcional do Idoso Riscos de Acidentes Domiciliares - as condições do ambiente residencial podem aumentar o risco de quedas. - as quedas estão associadas a elevados índices de morbimortalidade,, redução da capacidade funcional e institucionalizações precoces. - Escadas, iluminação fraca, tapetes soltos aumentam o risco de quedas.

50 Avaliação Funcional do Idoso Riscos de Acidentes Domiciliares Deve-se considerar: - circunstância na qual ocorreu a queda; - uso de medicações - problemas médicos m agudos ou crônicos; - nível de mobilidade; - exame de visão; - marcha e equilíbrio; - função dos membros inferiores; - avaliação neurológica básica; b - avaliação cardiovascular.

51 Avaliação Funcional do Idoso Atividades Diárias Esse termo refere-se às s habilidades necessárias para manutenção independente das funções básicas b de tomar banho, alimentar- se, vestir-se, se, ir ao banheiro, locomover-se e caminhar. A avaliação dessas atividades tem por objetivo identificar pessoas em risco para quedas ou com necessidade de apoio ou suporte social.

52 Avaliação Funcional do Idoso Atividades da Vida Diária ( A ) Com facilidade ( B ) Com dificuldade ( C ) Com ajuda ( D ) Não realiza Higiene Pessoal ( ) Higiene oral ( ) Pentear-se ( ) Banho ( ) Uso de sanitário Alimentação ( ) Alimenta-se sozinho ( ) Serve-se sozinho Vestuário ( ) Veste-se se ( ) Despe-se se ( ) Calça a sapatos Mobilidade e Locomoção ( ) Caminha ( ) Sobe e desce escadas ( ) Deita-se ( ) Levanta-se ( ) Senta-se ( ) Passa da cama para a cadeira ( ) Anda pela casa Comunicação ( ) Fala ( ) Entende o que se fala ( ) Lê ( ) Escreve ( ) Telefona Atividades de Vida Prática ( ) Tarefas Domésticas. Realiza-as: as: Sim ( ) Não ( ) ( ) Atividades Externas. Realiza-as as Sim ( ) Não ( )

53 Avaliação Funcional do Idoso Continência Urinária ria Seu questionamento deve ser realizado de maneira direta e neutra por meio de uma simples questão: Você jáj perdeu urina ou sentiu-se molhado? Deve ser investigado: delírio, restrição da mobilidade, retenção urinária, ria, infeccão e medicamentos.

54 Avaliação Funcional do Idoso Nutrição O peso corporal é um sinal vital em geriatria. uma perda de peso de mais de 5 % em um mês ou mais de 10% em 6 meses é significativa. Causas freqüentes entes de anorexia e perdas de peso são: pobreza, isolamento social, depressão, demência,dor,imobilidade,refluxo gastresofágico,constipa gico,constipação, alcoolismo, medicamentos, problemas dentários, xerostomia,, alterações no reconhecimento de fome e sede e diminuição do paladar.

55 Avaliação Nutricional

56 Promoção em Saúde Exercícios cios FísicosF Nos idosos, a inatividade é um importante fator de risco para a perda da independência funcional. Idosos sedentários devem ser incentivados a aumentar sua atividade física.

57 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

58 Identificação Caso-Índice MS, 84 anos, sexo feminino, negra, natural de Araraquara e procedente de Campinas há 27 anos, solteira, sem filhos, religião africana, do lar. HPMA -Perda de sangue intestinal + anemia profunda há 4 anos; -anemia sulfato ferroso + ácido fólico + complexo B; -encaminhada ao proctologista há 3 anos; -Colonoscopia (2003) Doença Diverticular do Cólon; -HI: 2x/sem 1x/sem. #alterações nas características das fezes melena!! -diclofenaco X cimetidina; -perda maciça de sangue há 1 ano INTERNAÇÃO!!

59 #Internação: Caso-Índice -endoscopia + biópsia; -Hb: 7,6 / Ht: 29,9; -25/10/2006 Hb = 8,8; -1 concentrado de hemácias; -HD HDA? HDB doença diverticular? Neoplasia?

60 Caso-Índice -Atualmente HI de 1 evacuação por semana, com fezes de coloração enegrecida, odor normal e sem dificuldades para evacuar. No momento, nega enterroragia. Medicamentos em uso: - dipirona (30 gotas) se dor nos joelhos; - hidroclortiazida 25mg 1comprimido ao dia; - sulfato ferroso 2comprimidos 2 vezes ao dia; IDA Relata que manteve o peso desde a última consulta, sem alteração do apetite. Apresenta osteoartrose em ambos os joelhos e em ambas as mãos, com dor que piora ao repouso e melhora com o uso de paracetamol. Também apresenta edema em ambos os membros inferiores, que se mantém constante durante todo o dia, sem melhora; além de dificuldade na deambulação. *Hábito urinário nictúria há 3 meses

61 Caso-Índice Exame Físico *PA = 130x70mmHg FC = 82bpm (pulso radia palpável e simétrico) *BEG, Descorada ++, hidratada, acianótica, anictérica, afebril; *MMII edema até joelho em ambos os MMII, doloroso à compressão em dorso do pé E. Pulso pedioso palpável e simétrico; *Joelhos edemaciados, com presença de crepitações finas em ambos os joelhos e mais intensas no E; *Cárdio 2BRNF, sem sorpos audíveis; *Abdome flácido, globoso, indolor à palpação superficial e profunda, massa palpável em região periumbilical E de aproximadamente 15cm de diâmetro, de consistência fibroelástica, sem VCM e RHA (+); *Pulmão MV presente e simétrico, presença de estetores creptantes em ambas as bases; *Mãos presença de osteoartrose com desvio ulnar, degenerações mais proeminentes nas articulações metacarpofalangeanas; Resultado de Exames: *HMG (29/01/07) Hb = 6,6 / VCM = 88,5 / HCM 27,2

62 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Conduta curto prazo médio prazo longo prazo

63 *Lista de Problemas: Lista de Problemas 1)BIO: #Úlcera gástrica; #CA de cólon?? #Anemia ferropriva em tratamento; #Melena; #edema de MMII IVP? Postural? #ICC classe I; #HAS; #hérnia de parede abdominal; #osteoartrose de joelhos e mãos;

64 *Lista de Problemas: 2)PSICO: #falta de afeto; Lista de Problemas #discriminação; #sensação de abandono; #conformismo, humildade?; #labilidade emocional; 3)SOCIAL: #impossibilidade de acesso; #discriminação; #falta de recursos financeiros; #falta de estrutura física própria para idosos;

65 ZOOM Cidade de Campinas Distrito de Saúde Noroeste Centro de Saúde Integração PSF - Equipe Amarela Equipamentos Sociais da Região Bairro Condições do Condomínio Casa da Família Família Rede de Suporte Social Caso-índice Lista de problemas Condutas curto prazo médio prazo longo prazo

66 1)Curto Prazo: #HMG; Condutas #reorientação quanto à medicação; #colonoscopia; #tratamento da úlcera gástrica (omeprazol 20mg, 12/12h; alimentação adequada; evitar uso de AINEs); #HAS manter HCTZ 25mg ½cp/dia; orientações gerais; #ICC classe I paciente assintomática, portanto conduta expectante; #Insuficiência venosa periférica? membros inferiores elevados; uso crônico de meias elásticas; #Hérnia da parede abdominal expectante; #Osteoartrose de joelhos e mãos analgésicos para alívio da dor; caminhadas; uso de sapatilhas ou tênis confortáveis para diminuir impacto;

67 Condutas 2)Médio e Longo Prazo: #Paciente idoso de risco - segundo a OMS, grupos de idosos em situação de risco são: *muito idosos ( 80 anos); *os que vivem sozinhos; *mulheres idosas, sobretudo as viúvas ou solteiras; *os que vivem em instituições; *os que estão socialmente isolados; *os idosos sem filhos; *os que têm limitações sérias ou disfunções; *os casais de idosos quando um deles é incapacitado ou está muito doente; *os que contam com poucos recursos econômicos;

68 Condutas Sugestões *presença de um cuidador por um período determinado; *transporte particular; *políticas para mudança a na estrutura do transporte coletivo; *mudança a de domicílio casa térreat rrea; *melhorar a estrutura da casa;

69 O O que se opõe ao descuido e ao descaso é o cuidado. O cuidar é mais que um ato; é uma atitude. Portanto, abrange mais que um momento de atenção, de zelo e de desvelo. Representa uma atitude de ocupação, preocupação, de responsabilização e de envolvimento afetivo com o outro Leonardo Boff

Declinam as taxas de mortalidade por homicídio em Campinas

Declinam as taxas de mortalidade por homicídio em Campinas Declinam as taxas de mortalidade por homicídio em Campinas Depois de 15 anos de crescimento intenso, as taxas de homicídio do município de Campinas começaram a declinar. Tendo atingido o valor máximo em

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são:

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são: Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Unidade 02 Tópico 01 Avaliação do Idoso Introdução aos procedimentos de Avaliação Os objetivos dessa unidade são: Conhecer os procedimentos da avaliação;

Leia mais

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011 Dra. Bruna Castro Residente de Reumatologia da UNIFESP São Paulo 03/08/2011 S EVOLUÇÃO DISCUSSÃO IDENTIFICAÇÃO HDA AMP VAB, 33 anos, feminina, i branca, solteira, auxiliar de enfermagem, natural de Monte

Leia mais

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO:

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: OBJETIVO: Desenvolver e instrumentalizar as pessoas interessadas em se profissionalizar como cuidador de idosos. Estimular a reflexão em relação

Leia mais

CT03.22 - Departamento de Gestão Social - Dezembro/2012 Atualizada em Abril/2014 CARTA TÉCNICA

CT03.22 - Departamento de Gestão Social - Dezembro/2012 Atualizada em Abril/2014 CARTA TÉCNICA CARTA TÉCNICA Nome do Certificado: Laudo de Avaliação Sanitária - LAS ENTIDADES QUE DEVEM REALIZAR O CERTIFICADO: Todas as entidades, cujo consta na lista da Vigilância Sanitária, via anexo 1. ORGÃO RESPONSÁVEL

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

Capítulo Políticas públicas. Termo de Referência do setor Saúde. Políticas de Saúde

Capítulo Políticas públicas. Termo de Referência do setor Saúde. Políticas de Saúde Capítulo Políticas públicas Termo de Referência do setor Saúde Políticas de Saúde 1 Considerações gerais A Secretaria Municipal de Saúde de Campinas, gestora do Sistema Único de Saúde - SUS Campinas tem

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos Protocolos de Enfermagem IDENTIFICAÇÃO DE RISCO E PREVENÇÃO DE QUEDAS HEMORIO - 2010 1ª Ed. PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos Colaboradores: Ana Cristina Amorim

Leia mais

Curso Introdutório de Envelhecimento e Saúde do Idoso Dra. Priscila T.B. Bueno Coordenadora Médica do CRI Norte Temas Relacionados Enfoque geriátrico a respeito de: Senescência X Senilidade Is da Geriatria

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

ESCALAS DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE DE IDOSOS

ESCALAS DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE DE IDOSOS ESCALAS DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE DE IDOSOS I Identificação Nome: Como eu sou conhecido: Nº do Cartão do SUS: Documento de Identidade: Sexo: ( ) masculino ( ) feminino Data de Nascimento: / / Idade:

Leia mais

Foco Critérios de diagnóstico Dependente, não participa Necessita de ajuda de pessoa Necessita de equipamento Completamente independente

Foco Critérios de diagnóstico Dependente, não participa Necessita de ajuda de pessoa Necessita de equipamento Completamente independente Índice ANDAR... 2 ANDAR COM AUXILIAR DE MARCHA... 5 AUTOCONTROLO: CONTINÊNCIA URINÁRIA... 8 AUTOCONTROLO: CONTINÊNCIA INTESTINAL... 11 AUTOCUIDADO: ARRANJAR-SE... 13 AUTOCUIDADO: BEBER... 15 AUTOCUIDADO:

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA

ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA ESTUDO DIRIGIDO - PNEUMONIA Leia os dois casos clínicos abaixo e as perguntas que fizemos sobre eles. Mas não comece a responder ainda. Depois de analisar bem os dois casos, abra o texto Pneumonia Diretriz

Leia mais

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

Resoluções, conquistas e desafios

Resoluções, conquistas e desafios Eventos pré-congresso Cuidados Paliativos Conselhos e Associações de Classe Demências - diagnóstico diferencial TNT Geriatria - Abbott GeriatRio2013 - Programação Preliminar Como responder às demandas

Leia mais

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO Caros alunos, Estou encaminhando estes casos clínicos para estudo dirigido durante as supervisões. Em cada caso abaixo procure definir: 1. Hipóteses diagnósticas 2.

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007.

Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007. Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007. RECURSOS HUMANOS EM ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE E PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMILIA NÚCLEO DE ESTUDOS SOBRE AS PROFISSÕES EM ATENÇÃO

Leia mais

PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR

PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR Acadêmicas de Medicina Carla Andries Crês Lígia Garcia Leonel Marília Ikeda Serizawa Internato- Saúde da Família Docente- Profa Dra. Maria Alice A. Garcia CS Ipaussurama- 2009

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Intervenções de Enfermagem à pessoa submetida a amputação

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

QUEM É A PESSOA IDOSA?

QUEM É A PESSOA IDOSA? INTRODUÇÃO Líder, este caderno é seu, para cadastrar e acompanhar as pessoas idosas no domicílio. Ele contém os principais indicadores que nos levam a conhecer a realidade na qual vivem as pessoas, permitindo

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Momento II. ASF Região Sul. Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança. Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira

Momento II. ASF Região Sul. Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança. Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira Momento II ASF Região Sul Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira CICLO DE VIDA DA CRIANÇA O ciclo de vida da criança compreende um ser que vivencia

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

Estratégia Epidemiológica Gestão de Pacientes Crônicos. Diretor Médico do Hospital Quinta D Or

Estratégia Epidemiológica Gestão de Pacientes Crônicos. Diretor Médico do Hospital Quinta D Or Guilherme Villa Novembro de 2013 Estratégia Epidemiológica Gestão de Pacientes Crônicos Diretor Médico do Hospital Quinta D Or A Importância Social do Tema Long-term care services are needed by individuals

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

CASO CLÍNICO PRÁTICA EM SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO II QUEIXAS MAIS FREQÜENTES NO IDOSO - 03/06

CASO CLÍNICO PRÁTICA EM SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO II QUEIXAS MAIS FREQÜENTES NO IDOSO - 03/06 QUEIXAS MAIS FREQÜENTES NO IDOSO - 03/06 IDENTIFICAÇÃO: feminina, 68 anos, branca, casada, natural e procedente de Porto Alegre. QUEIXA PRINCIPAL: insônia HISTÓRIA DA DOENÇA ATUAL: Paciente refere que

Leia mais

Direção geral. Tem dores? Vamos agir juntos!

Direção geral. Tem dores? Vamos agir juntos! Direção geral Tem dores? Vamos agir juntos! Tem dores? Tem receio de sofrer por causa duma intervenção cirúrgica ou de um exame? Um dos seus familiares está preocupado com este problema? Este folheto informa-o

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

Tem dores? Vamos agir juntos! Gerir a dor é a nossa prioridade

Tem dores? Vamos agir juntos! Gerir a dor é a nossa prioridade Tem dores? Vamos agir juntos! Gerir a dor é a nossa prioridade Introdução Sabia isto? Estudos realizados demonstram que uma boa gestão da dor diminui as complicações da operação e favorece a recuperação.

Leia mais

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL 1. Consultoria I 2. Assessoria I Livre ADMINISTRATIVAS 3. Auditoria I manifestação 4. Planejamento

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê

PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê OS IDOSOS NA CIDADE DE SP IBGE Censo PAI Vila Esperança Sra. Shizuko restrita ao lar Caminhando no quintal com apoio da Acompanhante População:

Leia mais

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005)

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Mens JMA, Chavannes AW, Koes BW, Lubbers WJ, Ostelo RWJG, Spinnewijn WEM, Kolnaar BGM traduzido do original em

Leia mais

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo:

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo: ASPECTO DO FORMULÁRIO: ACESSIBILIDADE NA UNIDADE DE SAÚDE 1) SOBRE ACESSIBILIDADE NAS DEPENDÊNCIAS DA UNIDADE: a) A unidade tem acessibilidade em todos os ambientes? (i) Onde não há? b) Todas as entradas

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

Tabela 24 - Terminologia do código brasileiro de ocupação (CBO) Data de início de vigência. Código do Termo. Data de fim de implantação

Tabela 24 - Terminologia do código brasileiro de ocupação (CBO) Data de início de vigência. Código do Termo. Data de fim de implantação de 201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008 203015 Pesquisador em biologia de microorganismos e parasitas 26/09/2008 26/09/2008 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE Elaborado por: Ana Paula de Menezes Assistente Social da CASSIND APRESENTAÇÃO A internação domiciliar ou home care é compreendida como a instalação de uma estrutura

Leia mais

Meu bebê tem Doença Falciforme. O que fazer?

Meu bebê tem Doença Falciforme. O que fazer? HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Meu bebê tem Doença Falciforme. O que fazer? Um guia sobre Doença Falciforme para a família INTRODUÇÃO Este manual reflete a busca

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

Dietoterapia infantil I Avaliação nutricional da criança

Dietoterapia infantil I Avaliação nutricional da criança Dietoterapia infantil I Avaliação nutricional da criança Sávia Madalena Moura Vieira Elizabeth Machado Duarte Especialistas em Nutrição Clínica Setembro - 2008 Objetivos Ao fim desta discussão, deve estar

Leia mais

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE Monitoramento da mortalidade do município de Campinas BOLETIM DE MORTALIDADE Breve Histórico O projeto de monitoramento da mortalidade de Campinas foi iniciado

Leia mais

Ao Agente Comunitário de Saúde:

Ao Agente Comunitário de Saúde: : COMO IDENTIFICAR O IDOSO E O SEU CUIDADOR NA VISITA DOMICILIAR Pesquisadora CNPq Grupo de Pesquisa Epidemiologia do Cuidador Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Bolsista de Produtividade

Leia mais

Raniê Ralph Semiologia 2

Raniê Ralph Semiologia 2 06 de Agosto de 2007. Professor Luiz Sérgio Emery. Hemorragia Digestiva Evolução 75% cessam espontaneamente. 25% persistem ou recorrem. 10% a 30% de morte. Trata-se de uma doença grave. Epidemiologia 10%

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008. 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008. 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008

201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008. 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008. 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008 de 201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008 203015 Pesquisador em biologia de microorganismos e parasitas 26/09/2008 26/09/2008 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico Será solicitado que você coloque uma bata cirúrgica. Poderá receber um sedativo pela boca. Será então transferido para a mesa de operações. Você será submetido a uma anestesia peridural ou

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem Saúde da Criança e do Adolescente Ano letivo 2011 Série 3º Ano Carga Horária Total h/a T 90 h/a P 54 h/a En. Cl.

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS Mônica R. P. T. Macedo Nunes monica.nunes@campinas.sp.gov.br ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar consiste numa modalidade de atenção à saúde substitutiva

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Programa de Internação Domiciliar

Programa de Internação Domiciliar Programa de Internação Domiciliar SES - SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL SAS - SUBSECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIAPS - DIRETORIA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIA

Leia mais

Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades

Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades Anexo II Sistema concetual Estatísticas da Saúde e Incapacidades SAÚDE PÚBLICA ESTADO DE SAÚDE ACAMADO ANDAR ANOS DE VIDA SAUDÁVEL ATIVIDADE DE VIDA DIÁRIA ATIVIDADE INSTRUMENTAL DE VIDA DIÁRIA AUTO APRECIAÇÃO

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são:

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são: Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Unidade 03 Tópico 01 Avaliação Geriátrica Multidimensional Conceitos da AGM Os objetivos dessa unidade são: Conhecer as dimensões e preceitos da AGM; Reconhecer

Leia mais

CALENDÁRIO DA SAÚDE JANEIRO

CALENDÁRIO DA SAÚDE JANEIRO JANEIRO 02 - Dia do Sanitarista 04 - Dia do Hemofílico 14 - Dia do Enfermo 19 - Dia do Terapeuta Ocupacional 20 - Dia do Farmacêutico 24 - Dia Mundial do Hanseniano FEVEREIRO 05 - Dia Estadual do Médico

Leia mais

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Área Temática de Saúde Resumo

Leia mais

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS DESCRIÇÃO: Modalidade: Centro Dia para pessoa Idosa Serviço voltado para o atendimento, regime parcial, de pessoas idosas de 60 anos ou mais, de

Leia mais

Olá, amigo! Nós somos os seus rins e gostaríamos que nos conhecesse melhor!

Olá, amigo! Nós somos os seus rins e gostaríamos que nos conhecesse melhor! Olá, amigo! Nós somos os seus rins e gostaríamos que nos conhecesse melhor! É essencial que aprenda a nos manter saudáveis, porque o funcionamento de todos os órgãos do seu corpo, depende de nós! Estamos

Leia mais

PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) CUIDADOR DE IDOSOS

PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) CUIDADOR DE IDOSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS NOVA VENÉCIA Rodovia Miguel Curry Carneiro, 799 Santa Luzia 29830-000 Nova Venécia ES 27 3752-4300 PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E

Leia mais

Caso Clínico PET MEDICINA UFC. Adriana Façanha 6 de Agosto de 2008.

Caso Clínico PET MEDICINA UFC. Adriana Façanha 6 de Agosto de 2008. Caso Clínico PET MEDICINA UFC Adriana Façanha 6 de Agosto de 2008. Identificação: Paciente do sexo feminino, 69a,branca, casada, natural de Pernambuco, do lar. Queixa Principal: Dor em todo o corpo. HDA:

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE 1º PERÍODO MODULOS TEÓRICA PRATICA TOTAL TOTAL Módulo 0:Introdução ao Curso Médico 80 h 08 h - 88 h Módulo I: Atenção à Família e a Comunidade Módulo II: Concepção e Embriogênese Módulo III: Nutrição e

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxliar de Saúde 2014/2015

Curso Profissional de Técnico Auxliar de Saúde 2014/2015 1 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Formação Técnica Ano Lectivo 2014/2015 Planificação Anual de Higiene, Segurança e Cuidados Gerais Ano 3 - - Apresentação 15/09/14 Conhecer conteúdos, material

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA 4º ANO / 2012

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA 4º ANO / 2012 FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA CURSO DE CLÍNICA MÉDICA 4º ANO / 2012 Coordenação: Dra. Elina Lika Kikuchi Professor Responsável: Prof. Dr. Wilson Jacob Filho

Leia mais

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO MARÇO 04/03 Teórica Noções em Geriatria e Gerontologia - Histórico - Temas básicos: saúde, autonomia, independência, incapacidade e fragilidade - Epidemiologia do envelhecimento - Papel do cuidador - Qualidade

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Instituto Nacional de Amparo à Pesquisa Tecnológica, Inovação na Gestão Pública - INTS

Instituto Nacional de Amparo à Pesquisa Tecnológica, Inovação na Gestão Pública - INTS Instituto Nacional de Amparo à Pesquisa Tecnológica, Inovação na Gestão Pública - INTS Metodologia Pesquisa de opinião com a finalidade de avaliar demandas, anseios e a qualidade dos serviços prestados

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ QUESTÃO 01 O Agente Comunitário de Saúde tem como objetivo principal contribuir para a qualidade de vida das pessoas e da comunidade. Analise as opções abaixo e marque a alternativa incorreta: A) Conhecer

Leia mais

FORMAS DE ENVIO DOS CURRÍCULOS

FORMAS DE ENVIO DOS CURRÍCULOS FORMAS DE ENVIO DOS CURRÍCULOS Seguem abaixo formas de envio dos Currículos, para os candidatos aprovados para a Entrevista (2ª Fase). A lista com número de inscrição, nome e nota de todos os candidatos

Leia mais

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Atividades Administrativas 1. Consultoria I 2. Assessoria I 3. Auditoria I 4. Planejamento I 5. Supervisão I Livre negociação entre as partes a partir de 72,31

Leia mais

Dimensionamento de Recursos Humanos na Atenção Básica Campinas São Paulo

Dimensionamento de Recursos Humanos na Atenção Básica Campinas São Paulo Dimensionamento de Recursos Humanos na Atenção Básica Campinas São Paulo Secretaria Municipal de Saúde de Campinas Departamento de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde Coordenadora da Experiência em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE MEDICINA RESUMO DO PROJETO PRO-SAÚDE DO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE MEDICINA RESUMO DO PROJETO PRO-SAÚDE DO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE MEDICINA RESUMO DO PROJETO PRO-SAÚDE DO OBJETIVOS GERAIS Reorientar o processo de formação do curso de graduação em de medicina, de modo a oferecer a sociedade

Leia mais

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS! Tudo o que o gestor deve saber sobre fisioterapia e como implantá-la em seu município. Cura Diagnóstico Funcional Bem Estar Qualidade

Leia mais

Situação de saúde, utilização de serviços e qualidade da atenção em crianças e seus familiares nas regiões Sul e Nordeste do Brasil

Situação de saúde, utilização de serviços e qualidade da atenção em crianças e seus familiares nas regiões Sul e Nordeste do Brasil Universidade Federal de Pelotas Departamento de Medicina Social Ministério da Saúde SAS - DAB CAA Situação de saúde, utilização de serviços e qualidade da atenção em crianças e seus familiares nas regiões

Leia mais

Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados

Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados SIEXBRASIL: 17805 Área Temática Principal: Saúde Autores Professora Leani Souza Máximo Pereira - Doutora em Ciências Biológicas/UFMG

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL

EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL Chester Luiz Galvão Cesar Departamento de Epidemiologia Faculdade de Saúde Pública - USP A ESTRATÉGIA DA EPIDEMIOLOGIA E OS SERVIÇOS

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

www.ine.pt Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011

www.ine.pt Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011 Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011 Editor Instituto Nacional de Estatística, IP Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa, Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 844 04 01 Presidente do Conselho

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PRORROGAÇÃO. Avaliação Clínica

ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PRORROGAÇÃO. Avaliação Clínica ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PRORROGAÇÃO Critério Planserv para manutenção de AD (Soma): 8 Periodo: 01 à 31.08.2013. De acordo com o PAD ( x ) Sim ( ) Não Medicare curativos 3/3 dias Suporte Nutricional: ( x

Leia mais

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca:

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: Nós temos atitude, e você? O Câncer do Intestino pode ser prevenido com um teste simples e indolor que pode ser realizado em sua casa. O teste é GRATUITO oferecido

Leia mais