AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS"

Transcrição

1 AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer a ordem jurídica na sociedade, porém, muitas vezes, a aplicação da condenação não era justa em sua proporção e não servia para coibir novos delitos, apenas punia. No Brasil, em tempos modernos, vemos que a forma de punir tem sido falha. A maior prova disso está em nosso sistema penitenciário que apenas funciona como instrumento de encarceramento e, portanto, não regenera, não reeduca e tão pouco efetua a ressocialização do infrator, fazendo com que saia com mais sequelas e ainda mais violento, como explica Haroldo Caitano da Silva (2009): Não é apenas difícil a recuperação no cárcere ou pelo cárcere. O propósito ressocializador mostra-se, simplesmente incompatível com a prisão. Se o encarceramento dessocializa, despersonifica e produz sequelas irremediáveis na mente do homem, o discurso ressocializador muito se aproxima do nonsense, do absurdo mesmo, beirando o ridículo. 31 Verificou-se que a pena privativa de liberdade é mais adequada para transgressores de menor potencial ofensivo, que não provocam uma desorganização social de grande repercussão. Isso, porque, quando inseridos em um sistema carcerário, tem acarretado, em muitos casos, o aumento da criminalidade do indivíduo, proporcionando a ele, mesmo que contra a sua vontade, a inserção em organizações criminais, criando assim a possibilidade deste indivíduo reincidir em crimes de grande prejuízo para a sociedade. A partir dessa visão de que o sistema penal não reabilita o criminoso, a busca por soluções alternativas, para penalizar o indivíduo, geraram não somente no Brasil, mas em muitos países que buscam um sistema penal racional e mais humano, uma corrente de ideias progressistas que visavam punir de forma justa de acordo com o delito cometido, com penas não privativas de liberdade. No Brasil, as penas alternativas à prisão surgiram em 1984, pela Lei 7.209, porém pouco 30 * Graduanda do 5º ano do Curso de Direito do Centro Universitário Barão de Mauá. com. 31 SILVA, Haroldo Caetano da. Ensaio sobre a pena de prisão, pg. 50. Curitiba: Juruá, MANUAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55

2 foi usado pelo fato de que não existia estrutura para a fiscalização do seu cumprimento. Somente em 1995, com o advento da Lei 9.099, iniciou-se a tendência valorativa destas penas e, em 1998, houve uma readequação, alterando, profundamente, alguns dispositivos do Código Penal com a Lei 9.714, que ficou conhecida como Lei de Penas e Medidas Alternativas. As penas alternativas poderão substituir as penas privativas de liberdade nas seguintes hipóteses previstas no artigo 41 do Código Penal: I - aplicada pena privativa de liberdade não superior a quatro anos e o crime não for cometido com violência ou grave ameaça à pessoa ou, qualquer que seja a pena aplicada, se o crime for culposo; II - o réu não for reincidente em crime doloso; III - a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade do condenado, bem como os motivos e as circunstâncias indicarem que essa substituição seja suficiente. As penas alternativas se diferenciam das penas privativas de liberdade por serem cumpridas na forma de prestação de serviços à comunidade, interdição temporária de alguns direitos, a proibição de exercer cargo público ou mandatos, nos quais foi eleito para essa função: a suspensão da habilitação para dirigir, a proibição de frequentar alguns lugares específicos, prestação em dinheiro em favor da vítima para sanar o dano que cometeu e prestação em dinheiro ou alimentos a entidades que exerçam atividades sociais. Para a sua concretização, todo o período que o indivíduo estiver dentro do programa deverá prestar contas às Centrais de Penas e Medidas Alternativas, que são instituições governamentais que fiscalizam e acompanham o comportamento do beneficiário. Enquanto as penas privativas de liberdade detêm o culpado e fazem com que ele se afaste do convívio social, aumentando a possibilidade do indivíduo cometer o mesmo crime ou outros de potencial ainda maior, marginalizando o indivíduo e não dando oportunidade de reconhecer o seu erro e de deixá-lo pagar de uma forma mais coerente com o tipo de ato ilícito que cometeu; as penas alternativas geram um gasto menor para a sociedade, reduz as chances de o infrator voltar a cometer crimes, não o retira do convívio social e com a sua família e não acarreta o abandono do emprego. Além do que, quando o infrator é beneficiário desta oportunidade, toda a sociedade ganha, pois permite que integre mão de obra em ações sociais, em entidades públicas e organizações não governamentais A busca por uma melhor punição não visa apenas o reconhecimento da dignidade humana, visa também que o infrator não reincida em práticas penais reprovadas pela sociedade. Na penalização alternativa, tem se verificado um baixo índice de reincidência criminal, por ter como característica a não retirada de seu apenado da sociedade e tentando, de forma gradativa, que este reconheça seu erro e não volte a delinquir, conforme adverte Geder Luiz Rocha Gomes: 56 MANUAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO

3 Paralelo a esse cenário, o que se tem verificado com relação àqueles indivíduos submetidos ao denominado sistema alternativo de penas, que possui uma filosofia de operacidade bastante distinta da empregada no cárcere, é uma externação inversa quanto ao fenômeno da reincidência 32. Um Estado Social Democrático de Direito, para a aplicação de penas, deve se preocupar com a dignidade da pessoa humana, como previsto em nossa Constituição Federal, e com a punição severa e justa que, de alguma forma, coíba a ocorrência de novos crimes. As penas alternativas, portanto, aplicadas a crimes de menor potencial ofensivo, garantem o respeito a essa dignidade, garantindo a recomposição do mal efetuado pelo criminoso e a possibilidade de puni-lo de forma consciente para que não reincida em outros crimes no futuro. BIBLIOGRAFIA BITENCOURT, Cezar R. Falência da penas de prisão: causas e alternativas. 2ª Ed. São Paulo: Saraiva, GOMES, Geder Luiz Rocha. A substituição da Prisão: legitimidade e adequação. Salvador: Jus Podivm, GOMES, Geder Luiz Rocha. A substituição da Prisão: legitimidade e adequação, p.194.salvador: Jus Podivm, JESUS, Damásio E. de. Penas Alternativas: anotações à Lei n de 25 de novembro de 1998, 2ª ed. São Paulo: Saraiva, LUZ, Orandir T. Aplicação de Penas Alternativas. Goiânia: AB, SILVA, Haroldo Caetano da. Ensaio sobre a pena de prisão. Curitiba: Juruá, GOMES, Geder Luiz Rocha. A substituição da Prisão: legitimidade e adequação, p.194.salvador: Jus Podivm, MANUAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 57

Comentários aos arts. 1º a 37 do Código Penal Militar, Decreto-lei 1001, de 1969.

Comentários aos arts. 1º a 37 do Código Penal Militar, Decreto-lei 1001, de 1969. 1 PAULO TADEU RODRIGUES ROSA Professor na Escola de Formação de Oficiais da PMMG Professor na Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos PMMG Mestre em Direito pela UNESP Juiz de Direito Titular

Leia mais

RESSOCIALIZAÇÃO OU CONTROLE SOCIAL Uma abordagem crítica da reintegração social do sentenciado

RESSOCIALIZAÇÃO OU CONTROLE SOCIAL Uma abordagem crítica da reintegração social do sentenciado RESSOCIALIZAÇÃO OU CONTROLE SOCIAL Uma abordagem crítica da reintegração social do sentenciado Alessandro BARATTA (Universidade de Saarland, R. F. A.) Alemanha Federal 1. Construção teórica A reforma dos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS CRIMINAIS

INSTITUTO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS CRIMINAIS INSTITUTO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS CRIMINAIS COMISSÃO DE CÓDIGO PENAL COMENTÁRIOS AO RELATÓRIO SENADOR PEDRO TAQUES EM FACE DO PLS Nº 236/12 2013 2 INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Ciências Criminais

Leia mais

SAÚDE E DIREITOS HUMANOS NAS PRISÕES

SAÚDE E DIREITOS HUMANOS NAS PRISÕES GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E SISTEMA PENITENCIÁRIO SUBSECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SUPERINTENDÊNCIA DE SAÚDE CONSELHO DA COMUNIDADE DA COMARCA DO RIO

Leia mais

A LEI MARIA DA PENHA E A SUA EFETIVIDADE

A LEI MARIA DA PENHA E A SUA EFETIVIDADE UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ ESCOLA SUPERIOR DE MAGISTRATURA DO CEARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO JUDICIÁRIA Antônia Alessandra Sousa Campos A LEI MARIA DA PENHA E A SUA EFETIVIDADE

Leia mais

UMA SOCIEDADE SEM PRISÕES?

UMA SOCIEDADE SEM PRISÕES? 1 UMA SOCIEDADE SEM PRISÕES? Petra Silvia Pfaller 1 RESUMO: Este artigo traz uma reflexão sobre uma sociedade sem prisões, abordando um breve histórico do sistema penitenciário, o aumento da violência

Leia mais

Violência e gênero A construção da mulher como vítima e seus reflexos no Poder Judiciário: a lei Maria da Penha como um caso exemplar

Violência e gênero A construção da mulher como vítima e seus reflexos no Poder Judiciário: a lei Maria da Penha como um caso exemplar Violência e gênero A construção da mulher como vítima e seus reflexos no Poder Judiciário: a lei Maria da Penha como um caso exemplar Alessandra de Andrade Rinaldi * Introdução Nos campos sócio-antropológico

Leia mais

Os Princípios Constitucionais Incidentes no Direito Penal Brasileiro

Os Princípios Constitucionais Incidentes no Direito Penal Brasileiro Os Princípios Constitucionais Incidentes no Direito Penal Brasileiro José Cirilo Cordeiro Silva 1 Elaine Glaci Fumagalli Errador Casagrande 2 Resumo Este trabalho tem como objetivo demonstrar a importância

Leia mais

Código Penal Português

Código Penal Português Código Penal Português LIVRO I Parte geral TÍTULO I Da lei criminal CAPÍTULO ÚNICO Princípios gerais Artigo 1º Princípio da legalidade 1 - Só pode ser punido criminalmente o facto descrito e declarado

Leia mais

A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO

A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO 2013 Psicóloga do Sistema Prisional Paulista. Especialista em Psicologia Jurídica (Brasil) Email: borgeskb@gmail.com RESUMO Este texto

Leia mais

CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940.

CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. CÓDIGO PENAL DECRETO-LEI N.º 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: PARTE GERAL Anterioridade

Leia mais

O ABANDONO AFETIVO DE IDOSOS POR SEUS FILHOS E A INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS

O ABANDONO AFETIVO DE IDOSOS POR SEUS FILHOS E A INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS 1 O ABANDONO AFETIVO DE IDOSOS POR SEUS FILHOS E A INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS Adriane Leitão Karam RESUMO Este trabalho traz uma análise do posicionamento jurisprudencial no Brasil com relação aos danos

Leia mais

Prisões privatizadas no Brasil em debate

Prisões privatizadas no Brasil em debate no Brasil em debate 2014 PASTORAL CARCERÁRIA NACIONAL no Brasil em debate São Paulo ASAAC 2014 CNBB Capa e projeto gráfico: Com-Arte Jr. ECA-USP Diagramação: Com-Arte Jr. ECA-USP no Brasil em debate/;

Leia mais

Observações sobre o crime de roubo 1

Observações sobre o crime de roubo 1 Observações sobre o crime de roubo 1 Hugo Nigro Mazzilli Promotor Público no Estado de São Paulo SUMÁRIO: A) Concurso em crimes de roubo (ns. 1/6) B) Roubo e outros crimes em concurso (ns. 7/11) C) Consumação

Leia mais

USUÁRIO OU TRAFICANTE? A SELETIVIDADE PENAL NA NOVA LEI DE DROGAS USER OR DRUG DEALER? THE SELECTIVITY IN CRIMINAL LAW OF NEW DRUGS

USUÁRIO OU TRAFICANTE? A SELETIVIDADE PENAL NA NOVA LEI DE DROGAS USER OR DRUG DEALER? THE SELECTIVITY IN CRIMINAL LAW OF NEW DRUGS USUÁRIO OU TRAFICANTE? A SELETIVIDADE PENAL NA NOVA LEI DE DROGAS USER OR DRUG DEALER? THE SELECTIVITY IN CRIMINAL LAW OF NEW DRUGS Nara Borgo Cypriano Machado RESUMO Este artigo volta-se a demonstrar

Leia mais

ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA DO BRASIL NA ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES NO SERVIÇO PÚBLICO

ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA DO BRASIL NA ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES NO SERVIÇO PÚBLICO ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA DO BRASIL NA ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES NO SERVIÇO PÚBLICO 1. Introdução O presente estudo objetiva identificar a estrutura legal e os mecanismos institucionais

Leia mais

PL 4.330, o Shopping Center Fabril: Dogville mostra a sua cara e as possibilidades de redenção

PL 4.330, o Shopping Center Fabril: Dogville mostra a sua cara e as possibilidades de redenção PL 4.330, o Shopping Center Fabril: Dogville mostra a sua cara e as possibilidades de redenção Jorge Luiz Souto Maior (*) Diante das manifestações de junho, sobretudo em razão da rapidez e da espontaneidade

Leia mais

Adolescentes em conflito com a lei

Adolescentes em conflito com a lei Série Jornalista Amigo da Criança Adolescentes em conflito com a lei Guia de referência para a cobertura jornalística Realização: ANDI Apoio: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Leia mais

ol. 71, nº 11, Novembro de 2007 Revista LTr. 71-11/1317 O DANO SOCIAL E SUA REPARAÇÃO Jorge Luiz Souto Maior (*) Importa compreender que os direitos

ol. 71, nº 11, Novembro de 2007 Revista LTr. 71-11/1317 O DANO SOCIAL E SUA REPARAÇÃO Jorge Luiz Souto Maior (*) Importa compreender que os direitos ol. 71, nº 11, Novembro de 2007 Revista LTr. 71-11/1317 O DANO SOCIAL E SUA REPARAÇÃO Jorge Luiz Souto Maior (*) Importa compreender que os direitos sociais são o fruto do compromisso firmado pela humanidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Edna Wauters A REINSERÇÃO SOCIAL PELO TRABALHO Curitiba 2003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Edna Wauters A REINSERÇÃO SOCIAL PELO TRABALHO Trabalho apresentado à Coordenadoria

Leia mais

A polícia prende, mas a Justiça solta

A polícia prende, mas a Justiça solta A polícia prende, mas a Justiça solta Herbert Toledo Martins Herbert Toledo Martins é doutor em Sociologia pelo IFCS/UFRJ, professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFRB e do Programa

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Crianças e adolescentes em situação de risco e suas relações com a instituição Conselho Tutelar Maria de Fátima Nunes Molaib* SUMÁRIO:INTRODUÇÃO ; Capítulo 1 A CRIANÇA, O ADOLESCENTE

Leia mais

Direito A APREENSÃO E PERÍCIA DA ARMA COMO REQUISITOS AUTORIZADORES DA INCIDÊNCIA DA MAJORANTE DO ART. 157 DO CP.

Direito A APREENSÃO E PERÍCIA DA ARMA COMO REQUISITOS AUTORIZADORES DA INCIDÊNCIA DA MAJORANTE DO ART. 157 DO CP. PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Direito A APREENSÃO E PERÍCIA DA ARMA COMO REQUISITOS AUTORIZADORES DA INCIDÊNCIA DA MAJORANTE DO ART. 157 DO CP. Autor: Murillo Furtado Clemens

Leia mais

A SÍNDROME DE ALIENAÇÃO PARENTAL NOS CASOS DE SEPARAÇÕES JUDICIAIS NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO

A SÍNDROME DE ALIENAÇÃO PARENTAL NOS CASOS DE SEPARAÇÕES JUDICIAIS NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1 A SÍNDROME DE ALIENAÇÃO PARENTAL NOS CASOS DE SEPARAÇÕES JUDICIAIS NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO Felipe Niemezewski da Rosa Orientador: Prof. Marcelo Vicentini 1 RESUMO A Síndrome de Alienação Parental

Leia mais

PRISÕES EM FLAGRANTE NA CIDADE DE SÃO PAULO

PRISÕES EM FLAGRANTE NA CIDADE DE SÃO PAULO PRISÕES EM FLAGRANTE NA CIDADE DE SÃO PAULO 1 Sumário Agradecimentos Apresentação 1. Por que olhar para as prisões em flagrante?...07 1.1 Os tipos de prisão provisória e a relevância das prisões em flagrante...08

Leia mais

Diretrizes para atuação e formação dos psicólogos do sistema prisional brasileiro

Diretrizes para atuação e formação dos psicólogos do sistema prisional brasileiro Ministério da Justiça Departamento Penitenciário Nacional - DEPEN Conselho Federal de Psicologia - CFP Diretrizes para atuação e formação dos psicólogos do sistema prisional brasileiro Brasília 2007 3

Leia mais

ESTADO MAIOR GERAL DIRETRIZ GERAL DE EMPREGO OPERACIONAL DA POLÍCIA MILITAR DO PARÁ. DGOp/PMPA

ESTADO MAIOR GERAL DIRETRIZ GERAL DE EMPREGO OPERACIONAL DA POLÍCIA MILITAR DO PARÁ. DGOp/PMPA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL POLÍCIA MILITAR DO PARÁ ESTADO MAIOR GERAL DIRETRIZ GERAL DE EMPREGO OPERACIONAL DA POLÍCIA MILITAR DO PARÁ DGOp/PMPA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE ESTATUTO DO IDOSO. Série E. Legislação de Saúde. 1.ª edição 2.ª reimpressão

MINISTÉRIO DA SAÚDE ESTATUTO DO IDOSO. Série E. Legislação de Saúde. 1.ª edição 2.ª reimpressão MINISTÉRIO DA SAÚDE ESTATUTO DO IDOSO Série E. Legislação de Saúde 1.ª edição 2.ª reimpressão Brasília DF 2003 2003. Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL POR ABANDONO AFETIVO DOS FILHOS NO DIREITO BRASILEIRO

A RESPONSABILIDADE CIVIL POR ABANDONO AFETIVO DOS FILHOS NO DIREITO BRASILEIRO A RESPONSABILIDADE CIVIL POR ABANDONO AFETIVO DOS FILHOS NO DIREITO BRASILEIRO Letícia Anna da Silva 1 Maria Fernanda Gugelmin Girardi 2 SUMÁRIO Introdução; 1 Família e princípios basilares do direito

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Protecção dos Direitos de Todos os Trabalhadores Migrantes e dos Membros das suas Famílias Preâmbulo

Convenção Internacional sobre a Protecção dos Direitos de Todos os Trabalhadores Migrantes e dos Membros das suas Famílias Preâmbulo Convenção Internacional sobre a Protecção dos Direitos de Todos os Trabalhadores Migrantes e dos Membros das suas Famílias Adoptada pela Resolução 45/158, de 18 de Dezembro de 1990, da Assembleia-Geral

Leia mais