INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO DE COMPRESSOR HERMÉTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO DE COMPRESSOR HERMÉTICO"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO DE COMPRESSOR HERMÉTICO Marelo Alexandre Real Mestre em Engenharia Meânia EESC USP, Eduardo A. G. Pereira Mestre em Engenharia Meânia PUC Rio, Luiz Carlos Feliio Proessor Doutor do Depto. de Engenharia Meânia, EESC-USP, Av. Trabalhador São-arlense, 400, , São Carlos, SP, Brasil, Resumo Medidas de pressão são amplamente empregadas em diversas áreas, omo em pesquisa e desenvolvimento. Na indústria de rerigeração, medidas de pressão são reqüentemente utilizadas no estudo de ompressores. O espaço limitado nesse equipamento pode requerer o uso de uros adaptadores para a montagem dos sensores de pressão. Em deorrênia do diâmetro do uro e da distânia entre o transdutor e a entrada de pressão, tem-se um sistema dinâmio de medida dierente do sistema onde o sensor é montado aeando o luido. Dois pontos importantes devem ser onsiderados quando se utilizam adaptadores: (i) a dierença entre as amplitudes da pressão do ilindro e da pressão que atua no sensor e (ii) a oorrênia de ase entre essas duas pressões. A literatura apresenta modelos matemátios para dimensionar esses uros objetivando ponderar e ompensar seus eeitos. Esses modelos não são ailmente empregados, pois dependem das propriedades do luido, omo densidade, visosidade e temperatura. Se o enômeno é rápido, omo em ompressores, a determinação das propriedades nas ondições de trabalho ia omprometida. Este trabalho apresenta importantes onsiderações a respeito da inluênia do uro adaptador no sinal de pressão. Experimentos mostram as medidas de pressão no ilindro de um ompressor hermétio, om e sem uro adaptador. O uro adaptador ausou erro na medida da pressão de até 6% nos pios e de até 5% na região de rápida variação de pressão. Os modelos apresentados na literatura não puderam ajudar no álulo teório para ompensar os eeitos do uro adaptador. Palavras-have: medida de pressão, sensor, uro onetor, sistemas de medidas. Introdução Idealmente, um sensor de pressão deve ser montado diretamente aeando a região onde se deseja realizar a medida. Em ertas situações isso não é possível em unção de atores omo a inluênia do sensor na vazão do luido, a temperatura, a ompatibilidade químia e as limitações do espaço ísio. Para realizar medições auradas de pressão é neessário onheer a resposta dinâmia dos sensores. A reqüênia natural do sensor deve ser muito maior que o onteúdo em reqüênia do sinal que se deseja medir. Em alguns atálogos, a reqüênia natural apresentada na espeiiação do transdutor reere-se à do diaragma. Portanto, esta pode não ser a verdadeira reqüênia natural do sistema de medida se or onsiderado o preenhimento da âmara do transdutor om luido. Desta orma, a dinâmia de uma medida de pressão é inlueniada pelo uso de uros ou tubos adaptadores. Para o aso mostrado na Figura 1, o transdutor de pressão pode estar orretamente alibrado e a reqüênia natural do sensor ser muito maior que o onteúdo em reqüênia que se deseja medir, porém, a introdução de um uro adaptador pode mudar ompletamente o resultado da medida.

2 0 REAL, PEREIRA & FELICIO Com o uro adaptador, um problema oi riado e não pode ser resolvido sem o onheimento das propriedades dinâmias do sistema, as quais podem ser obtidas através da alibração do sistema ou pela ombinação da alibração dinâmia do sensor e a elaboração de um modelo matemátio para quantiiar a inluênia do uro (Hjelmgren, 00). Alguns autores apresentam modelos e métodos para dimensionar esses uros om o objetivo de ponderar suas inluênias, visando ompensar seus eeitos. Esses modelos não são ailmente empregados, pois dependem das propriedades do luido envolvido na medida da pressão, omo densidade, visosidade e temperatura. Quando o evento monitorado é muito rápido, omo oorre dentro do ilindro dos ompressores, a determinação dos valores dessas propriedades nas reais ondições de trabalho ia omprometida. Neste estudo, pôde-se veriiar experimentalmente a inluênia do uro adaptador sobre a medida da pressão dentro do ilindro de um ompressor hermétio, observando que não oi possível azer a previsão satisatória dos eeitos por meio dos modelos teórios apontados pela literatura. Modelo do Furo Conetor No estudo da inluênia do uro onetor, os métodos propostos por Elson (197), Doebelin (1990) e Fligliola (000) oram veriiados. Para minimizar seu eeito, os autores pedem para que o uro onetor possua reqüênia natural muito maior que a reqüênia do sinal que se deseja medir. Os parâmetros onsiderados estão listados na Figura. Pressão Tubo/uro Sensor Figura 1 Furo adaptador entre a entrada de pressão e o transdutor. P a A L V L d A P m V Transdutor de pressão P a = pressão apliada P m = pressão medida L = omprimento do uro L = omprimento da âmara A - área da seção da âmara A = área da seção do uro V = A.L = volume da âmara V = A.L = volume do uro d = diâmetro do uro R = V /V = razão entre volumes v Figura Esquema básio do uro onetor utilizado na modelagem.

3 INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO... 1 No modelo apresentado por Elson (197), a reqüênia natural não amorteida do uro onetor é dada pela equação: ω n = V + 0,3905 V (1) Elson (197) apresenta também onsiderações sobre o amorteimento do sinal, mas não traz o equaionamento. Já Doebelin (1990) apresenta o equaionamento para a reqüênia natural não amorteida e para o oeiiente de amorteimento do uro adaptador, dadas pelas equações () e (3), respetivamente: 4V 1 16 µ + V ζ= ρ d (7) Assim, é possível empregar os modelos apresentados e enontrar a relação de amplitudes, RA(ω), e a ase, φ(ω), entre a pressão dentro do ilindro e a pressão medida pelo sensor, pelas equações (8) e (9), respetivamente: 1 RA( ω ) = 1 ω/ ω + ζω/ ω 1/ n n ( ) ( ) (8) ( π ) ( ) d / L V ω n = () ζω/ ω φω ( ) = tan 1 ( / ) 1 n ω ωn (9) ( ) 3µ V L / π ζ= 3 ρd em que: ρ = massa espeíia do luido; µ = visosidade do luido; = veloidade do som no luido. (3) Para um sistema ideal de medida, RA(ω) deve ter o valor unitário e φ(ω) ser igual a zero. Outro aspeto a ser onsiderado no uso do uro onetor é o atraso do sinal medido em unção do omprimento do uro. A onstante de tempo deste pode ser alulada pela equação (10). Doebelin (1990) traz uma inormação importante a ser onsiderada nas equações () e (3). Quando o volume do uro torna-se parte expressiva do volume total do sistema, as seguintes órmulas devem ser apliadas para a determinação de ω n e ζ: ω n = V 1 + V V 1 16 µ + V ζ= ρ d (4) (5) A literatura, entretanto, não quantiia qual perentual de volume do uro seria parte expressiva do volume total. Fligliola (000) apresenta as mesmas equações () e (3) apontadas por Doebelin (1990) para a situação em que o volume do uro não é parte onsiderável do sistema. Contudo, quando o volume do uro (V ) é muito maior que o volume da âmara (V ), o equaionamento apontado por Fligliola (000) é: ω n = 4V 1 + V (6) L τ= t (10) Metodologia Para veriiar experimentalmente a inluênia do uro adaptador no sinal de pressão na âmara de ompressão de um ompressor hermétio, oram utilizados os seguintes equipamentos: 1) Computador Dell dimension GX 80 Proessador Intel Pentium IV 3.0 Ghz, memória RAM 51 MB. ) Plaa de aquisição de sinais mara National Instruments modelo NI PCI bits, amostras/s. 3) Sotware Labview Versão 7.1 National Instruments para desenvolver o programa de aquisição e registro dos dados. 4) Condiionador de sinais omposto por: Chassi SCXI 1000 om módulo SCXI115 (Entrada Analógia) e bloo terminal SCXI 1313, módulo SCXI 1100 (Temperatura) om terminal bloo SCXI 130 e onetor 1180 (Feedthrough) om terminal SCXI ) Fonte de alimentação de 10VDC, mara Inon Modelo FA 10-1, usado para alimentação dos sensores de pressão. 6) Sensor de pressão mara Kulite modelo ETL-76M- 500A. 7) Sensor de desloamento angular, enoder, mara Heidenhain modelo ERN _1.

4 REAL, PEREIRA & FELICIO 8) Termopares tipo T mara Omega modelo EXFF-TT- 5 obre/onstantan. 9) Compressor hermétio utilizado em rerigeração doméstia. Em um ompressor hermétio oram posiionados dois sensores de pressão iguais, devidamente alibrados, para realizar medições simultâneas da pressão do ilindro. O primeiro sensor oi posiionado utilizando um uro adaptador (Figura 3) ujos detalhes da oneção do uro são mostrados na Figura 4. O segundo sensor oi posiionado diretamente no topo do pistão sem a utilização do uro. Portanto, oi possível omparar os sinais e veriiar a inluênia do uro. Ao eixo do ompressor oi aoplado um enoder inremental ontendo 000 traços e também um pulso de reerênia para disparar a aquisição dos sinais. A montagem do sensor de desloamento angular é muito importante para ter a orreta reerênia da posição angular do eixo de rotação do ompressor. Para a montagem, o primeiro passo oi oneionar um onetor para aoplar o enoder ao eixo. Em seguida, om o auxílio de um relógio omparador milesimal, oloouse o pistão na posição de ponto morto superior menor distânia entre o pistão e o abeçote. Com um osilosópio onetado ao sensor de desloamento angular girou-se o eixo do enoder até detetar o sinal de reerênia. Montouse o enoder ao adaptador travando-o por meio dos parausos de ixação do próprio sensor. O orpo do enoder também oi ixado junto ao onjunto meânio do ompressor. Após a montagem, oi reeita a veriiação do sinal. Essa instalação está ilustrada na Figura 5. Sensor de pressão posiionado no ilindro Furo onetor para a pressão do ilindro Figura 3 Posiionamento do sensor de pressão por meio do uro adaptador. Sensor de pressão 0, Ø5 Ø 1,5 7 Medidas em milímetros Figura 4 Caraterístias da onstrução do uro adaptador.

5 INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO... 3 Os testes oram exeutados em ondições predeterminadas, espeiiadas pela norma ANSI-ASHRAE em um alorímetro onstruído para trabalhar de aordo om a norma ANSI-ASHRAE Dessa maneira, oi possível estabeleer um padrão para a realização dos ensaios experimentais e, assim, garantir as ondições de teste para a realização das medidas. Com auxílio de um programa de omputador, desenvolvido utilizando sotware Labview, realizaram-se a aquisição e o tratamento dos sinais. A aquisição dos dados de pressão oi realizada pela plaa de aquisição de dados em unção do sinal do enoder, ou seja, o sample lok da plaa oi disparado pelo pulso do enoder, garantido assim o sinronismo entre os sensores e a posição angular do eixo de rotação. Para monitorar a temperatura, dois termopares oram posiionados, um na admissão e outro na desarga do ilindro de ompressão. Resultados Dois aspetos de undamental importânia devem ser levados em onsideração sobre a medida de pressão: a relação entre a pressão eetiva dentro do ilindro e a pressão na ae do sensor após perorrer o uro adaptador. Para enontrar analitiamente a relação entre a amplitude do sinal medido, a pressão real e a modiiação de ase, três parâmetros ísios neessitam ser onheidos: a veloidade do som, a densidade e a visosidade do luido rerigerante (R134a). Esses parâmetros oram determinados om auxílio de um sotware espeíio REFRIPOP. A grande diiuldade enontrada para a obtenção dessas inormações deve-se ao ato de a pressão e a temperatura não permaneerem ixas durante todo o ilo. Observando os modelos apresentados, veriia-se que tais parâmetros podem alterar a reqüênia natural e o amorteimento do sistema e, onseqüentemente, a relação de amplitudes e a ase do sinal. Os dados de entrada para a determinação desses valores oram a pressão no ilindro e a temperatura. Entretanto, os termopares não possuem respostas dinâmias suiientemente rápidas para realizarem a medida de temperatura dentro do ilindro. Desta maneira, a inormação de temperatura oi obtida utilizando as temperaturas de admissão e de desarga interpoladas pela isoterma extraída do gráio P V. Com os dados de pressão, temperatura e os modelos propostos, enontraram-se a reqüênia natural e o oeiiente de amorteimento para vários pontos durante o ilo, extraindo os valores máximo e mínimo. Assim, oi avaliada a inluênia desses valores na resposta do uro adaptador. A Figura 6 mostra a inluênia dessas reqüênias naturais máxima e mínima. Em unção das variações dos parâmetros e do modelo empregado, o máximo valor da reqüênia natural do sistema oi de aproximadamente 5438 Hz e o mínimo, de 39 Hz. Analisando o onteúdo em reqüênia do sinal da pressão no ilindro não há parelas signiiativas aima de 500 Hz. Dessa orma, pelos modelos apresentados, tem-se a indiação de que a inluênia do uro adaptador sobre essa medida seria mínima. A Figura 7 mostra a transormada de Fourier do sinal de pressão no ilindro medido pelo sensor posiionado no topo do pistão. Utilizando a equação (8) é possível veriiar que, quanto maior a reqüênia natural do uro adaptador, menor é a inluenia sobre o sinal medido. Utilizando os modelos apresentados oi alulada a alteração na amplitude do sinal devido à existênia do uro. Pode-se observar na Tabela 1 que, abaixo de 500 Hz, a inluênia do uro adaptador na amplitude do sinal medido apresenta alteração máxima de,4%. Foi empregado o amorteimento enontrado por Doebelin ao modelo de Elson para alular a relação de amplitudes, pois o autor não apresentou o equaionamento para alular o amorteimento no material onsultado. Enoder Relógio omparador Conetor Osilosópio Compressor Figura 5 Montagem e ajuste do sensor de desloamento angular (enoder).

6 4 REAL, PEREIRA & FELICIO Relação de amplitudes 3,0,8,6,4,,0 1,8 1,6 1,4 1, 1,0 0,8 ) 4498 Hz Doebelin ) 4997 Hz Doebelin 0,6 ) 4895 Hz Elson 0,4 ) 5438 Hz Elson ( 0, n ) 39 Hz Fligliola ) 3657 Hz Fligliola Freqüênia (Hz) Figura 6 Relação de amplitudes: resposta em reqüênia do uro onetor determinada pelos modelos. 1 0,9 0,8 Amplitude normalizada 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0, 0, Freqüênia (Hz) Figura 7 FFT (Fast Fourier Transorm) da pressão no ilindro. Uma análise semelhante oi eita para a ase do sinal de pressão, após perorrer o adaptador. A Figura 8 mostra as alterações da ase em unção da reqüênia, dadas pelos modelos. Pelos modelos, o sistema não apresenta amorteimento onsiderável. O maior ator de amorteimento enontrado no ilo oi de 0,0015. Os modelos indiam que a inluênia do uro adaptador sobre a ase do sinal é maior em reqüênias próximas à natural do sistema. Nesta situação, o erro da ase do sinal alulado pelo modelo seria desprezível para reqüênias abaixo de 500 Hz. A tereira araterístia estudada analitiamente para o sinal de pressão do ilindro oi o atraso na resposta do sensor devido ao omprimento do uro. A equação (10) mostra que o atraso no sinal é inversamente proporional à veloidade do som no luido rerigerante. A exemplo dos estudos da amplitude e da ase, oram levadas em onsideração as veloidades máxima e mínima de propagação do som dentro do ilo de ompressão. A veloidade máxima enontrada oi de 184,3 m/s e o valor mínimo, de 165,9 m/s. Utilizando a equação (10) obtém-se atraso máximo e mínimo de:

7 INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO... 5 Tabela 1 Alteração na amplitude do sinal medido em unção da reqüênia natural do adaptador. Autor Doebelin Elson Fligliola Freqüênia Alteração indiada pelo modelo na amplitude do sinal medido (%) natural 100 Hz 500 Hz 1000 Hz 1500 Hz 000 Hz 500 Hz (4498 Hz) 0,0 1,3 5, 1,5 6,4 44,7 (4997 Hz) 0,0 1,0 4, 9,9 19,1 33,4 (4895 Hz) 0,0 1,1 4,4 10,4 0,0 35,3 (5438 Hz) 0,0 0,9 3,5 8, 15,6 6,8 (39 Hz) 0,1,4 10, 6, 58,5 136, (3657 Hz) 0,1 1,9 8,1 0, 4,7 87,7 0, 0 0, Fase (º) 0,4 0,6 0, Freqüênia (Hz) Figura 8 Gráio da ase determinada pelo modelo para o sinal de pressão, após o uro adaptador. 0, 007 τ= = =3, segundos (para máximo); 184,3 0, 007 τ= = = 4, 10 5 segundos (para mínimo). 165,9 Para um ilo de ompressão de 60 Hz, tem-se 1/60 s = 0,0167 s por ilo de ompressão. Dividindo esse tempo por 360º, um giro ompleto do eixo, obtém-se: 0,0167s/360º = 4, segundos por grau de rotação do eixo. Dividindo as equações (8) e (9) pela equação (10), tem-se atraso mínimo de 0,8º para veloidade de 184,3 m/s e atraso máximo de 0,9º para veloidade de 165,9 m/s. Portanto, os atrasos determinados teoriamente são desprezíveis. As inormações obtidas por meio dos modelos podem ser omparadas om os dados experimentais. A Figura 9 mostra o gráio da pressão medida experimentalmente, e pode-se observar o eeito do uro onetor sobre o sinal. Como as medidas oram realizadas simultaneamente om um sensor no topo do pistão e outro após o uro adaptador, é possível omparar o omportamento das duas pressões medidas. Conorme se pode veriiar, os dados experimentais mostram que o uro onetor atenua em 6% o pio máximo de pressão registrado durante o ilo de ompressão. O modelo que apontou maior erro na amplitude oi de,4%, muito menor que o valor enontrado experimentalmente.

8 6 REAL, PEREIRA & FELICIO 100 Pressão (% P_máx ilindro) Sinal de pressão lido através do uro onetor Sinal de pressão lido no topo do pistão Posição do eixo ( ) Figura 9 Inluênia do uro adaptador sobre o sinal medido. Os transientes rápidos também são prejudiados pelo adaptador, que oasiona erro na medida de pressão de até 5% durante o retorno do pistão, momento em que o eixo de rotação está posiionado a 0 graus em relação à reerênia (ponto morto superior). Esse erro pode ser expliado pela ase e pelo amorteimento do sinal, mas pelos álulos teórios dos modelos eles são desprezíveis. A pressão medida pelo uro adaptador apresentou boa onordânia om o sinal real entre 60 e 300 graus angulares do eixo, justamente onde não oorrem mudanças brusas na pressão do ilindro. Conlusões Os resultados enontrados experimentalmente mostraram que o uso de adaptador aetou de orma signiiativa o resultado da medida. Fazendo uso do uro onetor para realizar as medidas de pressão dentro do ilindro de ompressão de um ompressor hermétio, oi enontrado erro de 6% na máxima pressão medida e erro de até 5% no valor da pressão, om relação à posição angular do eixo do ompressor. Essas divergênias enontradas nas medidas oorreram nos trehos de variações rápidas de pressão. Os modelos apontados pela literatura são de diíil apliação nos ensaios que envolvem o ilo de ompressão de máquinas alternativas, em unção das rápidas variações de pressão e temperatura durante o ilo. Estes atores promovem a alteração da veloidade do som, da densidade e da visosidade do luido e, onseqüentemente, não se pode deinir satisatoriamente o valor da reqüênia natural não amorteida e o ator de amorteimento do sistema. Com os modelos enontrados na literatura não oi possível azer a devida ompensação para orrigir o erro enontrado nesse tipo de ensaio. Isso não signiia que para outros experimentos esses modelos não possam ser apliados. Reomenda-se, portanto, evitar o uso de uros adaptadores de pressão nos monitoramentos de eventos rápidos, assim omo nas medições de pressão do ilindro de ompressores hermétios. Reerênias Bibliográias ANSI-ASRHAE Standard Methods o testing or rating positive displaement rerigerant ompressors and ondensing units. ANSI-ASRHAE Standard A standard alorimeter test method or low measurement o volatile rerigerant. BUCHHOLZ, A. B. Investigation o pressure transduer adapter dynamis. In: INTERNATIONAL COMPRESSOR CONFERENCE, Proeedings... Laayette, EUA: Purdue University, p DOEBELIN, E. Measurement systems: appliation and design. 3. ed. New York, EUA: MGraw-Hill Publishing CO, p e ELSON, J. P.; SOEDEL, W. Criteria or the design o pressure transduer adapter systems. In: INTERNATIONAL COMPRESSOR CONFERENCE, 197. Proeedings... Laayette, EUA: Purdue University, 197. p FLIGLIOLA, R. S.; BEASSLEY, D. E. Theory and design or mehanial measurements. 3. ed. Danvers, EUA: John Wiley and Sons In, 000. p , e HJELMGREN, J. Dynami measurement o pressure a literature survey. Suéia: Swedish National Testing and Researh Institute, 00.

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia de Controle e Automação 9ª Série Controle e Servomeanismos I A atividade prátia supervisionada (ATPS) é um proedimento metodológio de ensino-aprendizagem

Leia mais

Torção Deformação por torção de um eixo circular

Torção Deformação por torção de um eixo circular Torção Deformação por torção de um eixo irular Torque é um momento que tende a torer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o omprimento e o raio do eixo permaneerão

Leia mais

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Conreto Prof..S. Riardo Ferreira O traço Prof..S. Riardo Ferreira Fonte: Dario Dafio Eletrobras Furnas www.ement.org Traço 3/23 A expressão da proporção dos materiais omponentes de uma omposição partiular

Leia mais

PROCESSAMENTO DOS DADOS DE DIFRAÇÃO DE RAIOS X PARA MEDIÇÃO DE TENSÕES

PROCESSAMENTO DOS DADOS DE DIFRAÇÃO DE RAIOS X PARA MEDIÇÃO DE TENSÕES PROCESSAMENTO DOS DADOS DE DIFRAÇÃO DE RAIOS X PARA MEDIÇÃO DE TENSÕES J.T.Assis joaquim@iprj.uerj.br V.I.Monin monin@iprj.uerj.br Souza, P. S. Weidlih, M. C. Instituto Politénio IPRJ/UERJ Caixa Postal

Leia mais

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres 0 DOSAGE DE TRAÇOS DE ONRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO ÉTODO AI/ABP E ODELO PROPOSTO POR APITELI. Junio de atos Torres Garanhuns setembro de 2015 1 ONRETO DEFINIÇÃO onreto é basiamente o resultado

Leia mais

COEFICIENTES DE ATRITO

COEFICIENTES DE ATRITO Físia Geral I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protoolos das Aulas Prátias 003 / 004 COEFICIENTES DE ATRITO 1. Resumo Corpos de diferentes materiais são deixados, sem veloidade iniial, sobre um plano

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo de Madeira Torres. Ficha de Avaliação Diagnóstica de Física e Química A 2013/2014 Aluno: nº Data: Professor

Escola Secundária com 3º Ciclo de Madeira Torres. Ficha de Avaliação Diagnóstica de Física e Química A 2013/2014 Aluno: nº Data: Professor Esola Seundária om 3º Cilo de Madeira Torres. Fiha de Avaliação Diagnóstia de Físia e Químia A 203/204 Aluno: nº Data: Professor Grupo I. A figura mostra um esquema do iruito de Indianápolis, onde se realizam

Leia mais

LUCIANO CAETANO DO CARMO

LUCIANO CAETANO DO CARMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL LUCIANO CAETANO DO CARMO DUCTILIDADE DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL E DE ALTA RESISTÊNCIA REFORÇADAS

Leia mais

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO R. B. SANTOS 1, M.M. de F. SILVA e A. M. F. FILETI Universidade Estadual de Campinas, Faculdade

Leia mais

8 a Aula. Fundações por estacas

8 a Aula. Fundações por estacas Meânia dos Solos e Fundações PEF 522 8 a Aula Fundações por estaas Fundações por estaas Conreto Aço madeira 1 Capaidade de arga de estaas Q ult Q atrito lateral Q ult = Q atrito lateral + Q ponta Q ponta

Leia mais

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br Osmometria de Membrana Riardo Cunha Mihel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmihel@ima.ufrj.br O Fenômeno da Osmose * A osmose pode ser desrita omo sendo o resultado da tendênia do solvente em meslar-se

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO CAPITULO 1 - Introdução 1 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO O estado gasoso O estado gasoso é ertamente o estado de agregação sob o qual menos nos debruçamos, se pensarmos na observação que fazemos daquilo que nos

Leia mais

C) D) E) -2M. E = 100 05 + 0,5R, ou E = 50 + R. (1) E = 50 0,75 + 0,75R, ou E = 37,5 + R. (2)

C) D) E) -2M. E = 100 05 + 0,5R, ou E = 50 + R. (1) E = 50 0,75 + 0,75R, ou E = 37,5 + R. (2) 6ROXomR&RPHQWDGD3URYDGH)tVLFD TXHVW}HV. M e N são etores de módulos iguais ( M = N = M). O etor M é ixo e o etor N pode girar em torno do ponto O (eja igura) no plano ormado por M e N. endo R = M + N,

Leia mais

Instrumentação e Medidas

Instrumentação e Medidas Instrumentação e Medidas Licenciatura em Engenharia Electrotécnica Exame (Recurso) 11 de Junho de 01 Antes de começar o exame leia atentamente as seguintes instruções: Para além da calculadora, só é permitido

Leia mais

26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia

26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Universidade ederal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 200 Assoiação rasileira de Métodos Computaionais em Engenharia Aoplamento entre o Método dos Elementos de Contorno e o Método dos Elementos

Leia mais

Sistema de injecção HIT-RE 500 com varão nervurado

Sistema de injecção HIT-RE 500 com varão nervurado Sistema de injeção HIT-RE 500 om varão nervurado Caraterístias: Material: Varão nervurado: Cartuho: Dispensador: - material base: betão - sistema de injeção om elevada apaidade de arga - bom desempenho

Leia mais

19. SUSPENSÃO TRASEIRA

19. SUSPENSÃO TRASEIRA 19. SUSPENSÃO TRASEIRA INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 19-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 19-1 DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS 19-2 ES 19-7 GARFO TRASEIRO 19-11 ARTICULAÇÕES DA SUSPENSÃO PRÓ-LINK 19-11 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS DE RENDA VARIÁVEL USANDO RENDA FIXA E CONTRATOS FUTUROS DE BOLSA DE VALORES

CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS DE RENDA VARIÁVEL USANDO RENDA FIXA E CONTRATOS FUTUROS DE BOLSA DE VALORES SEEAD CONSTRUÇÃO DE CARTERAS DE RENDA VARÁVEL USANDO RENDA XA E CONTRATOS UTUROS DE BOLSA DE VALORES José Roberto Seurato (* José Roberto Seurato Junior (** RESUO O artigo trata da onstrução de uma arteira

Leia mais

Dica : Para resolver esse exercício pegue o arquivo pontosm.txt, na página do professor.

Dica : Para resolver esse exercício pegue o arquivo pontosm.txt, na página do professor. Colégio Ténio Antônio Teieira Fernandes Disiplina ICG Computação Gráfia - 3º Anos (Informátia) (Lista de Eeríios I - Bimestre) Data: 10/03/2015 Eeríios 1) Elabore um proedimento em C++ que passe os pares

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE TEMPERATURA E ENERGIA CINÉTICA DAS RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS. Luiz Carlos de Almeida

RELAÇÕES ENTRE TEMPERATURA E ENERGIA CINÉTICA DAS RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS. Luiz Carlos de Almeida RELAÇÕES ENRE EMPERAURA E ENERGIA CINÉICA DAS RADIAÇÕES ELEROMAGNÉICAS A atástroe do ultravioleta: Luiz Carlos de Almeida Na tentativa de resolução da emissão de um orpo negro aqueido, vários ientistas

Leia mais

Faculdade de Engenharia Química (FEQ) Departamento de Termofluidodinâmica (DTF) Disciplina EQ741 - Fenômenos de Transporte III

Faculdade de Engenharia Química (FEQ) Departamento de Termofluidodinâmica (DTF) Disciplina EQ741 - Fenômenos de Transporte III Fauldade de Engenharia Químia (FEQ) Departamento de Termofluidodinâmia (DTF) Disiplina EQ74 - Fenômenos de Transporte III Capítulo III Difusão Moleular em Estado Estaionário Professora: Katia Tannous Monitor:

Leia mais

AQUISIÇÃO DE MEDIDAS DE TEMPERATURA UTILIZANDO O SOFTWARE LABVIEW

AQUISIÇÃO DE MEDIDAS DE TEMPERATURA UTILIZANDO O SOFTWARE LABVIEW AQUISIÇÃO DE MEDIDAS DE TEMPERATURA UTILIZANDO O SOFTWARE LABVIEW Leonardo Luís Schneider Simon¹, Clivado de Oliveira² UFGD-FAEN, C. Postal 533, 79804-970 Dourados-MS, E-mail: leonardo.luisimon@hotmail.com

Leia mais

Guilherme Melo Professor Universidade de Brasília Brasília

Guilherme Melo Professor Universidade de Brasília Brasília Estudo teório-experimental da resistênia ao punçoamento de lajes ungiormes de betão armado om pilar de anto reentrante sem armadura de punçoamento Elaine Albuquerque* Estudante de Doutoramento Universidade

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Metodologia de Cálculo da Inércia Inflacionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados

Metodologia de Cálculo da Inércia Inflacionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados Metodologia de Cálulo da Inéria Inflaionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados I. Introdução Esta nota apresenta a metodologia usada atualmente para quantifiar o efeito, via inéria, da inflação

Leia mais

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB Teoria e Prátia na Engenharia Civil, n.12, p.81-91, Outubro, 08 Modelos para previsão do módulo de deformação longitudinal do onreto: NBR-6118 versus Models for prevision of the modulus of elastiity of

Leia mais

Teoria da Comunicação. Prof. Andrei Piccinini Legg Aula 09

Teoria da Comunicação. Prof. Andrei Piccinini Legg Aula 09 Teoria da Comuniação Pro. Andrei Piinini Legg Aula 09 Inrodução Sabemos que a inormação pode ser ransmiida aravés da modiiação das araerísias de uma sinusóide, hamada poradora do sinal de inormação. Se

Leia mais

Caracterização Banda Larga do Canal Rádio em Ambientes Urbanos através da TD-UTD

Caracterização Banda Larga do Canal Rádio em Ambientes Urbanos através da TD-UTD XX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES-SBT 3, -8 DE OUTUBRO DE 23, RIO DE JANEIRO, RJ Caraterização Banda Larga do Canal Rádio em Ambientes Urbanos através da TD-UTD Kleber L. Borges e Fernando J.

Leia mais

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Vestibular ITA 2016 MATEMÁTICA 01.

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Vestibular ITA 2016 MATEMÁTICA 01. POVA COMENTADA PELOS Vestibular ITA 6 Questão esposta: B POVA COMENTADA PELOS Vestibular ITA 6 I Verdadeira ( ) log log D( ) / Portanto, é resent resente II Verdadeira log / III Falsa Considere que ()

Leia mais

Ligações viga-pilar reforçadas pela colagem de laminados de PRFC em entalhes no concreto

Ligações viga-pilar reforçadas pela colagem de laminados de PRFC em entalhes no concreto BE2008 Enontro Naional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Ligações viga-pilar reforçadas pela olagem de laminados de PRFC em entalhes no onreto Tatiana de Cássia Sandra Freire

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Campus Regional de Resende

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Campus Regional de Resende Universidade do Estado do io de Janeiro ampus egional de esende Tratamentos ísio-químios de Águas Prof. esar Pereira MÓULO I 1. ALEIAS No estudo dos tratamento de águas para aldeiras, onentraremos nossa

Leia mais

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores 4. Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Ciruladores e Derivadores 4.1. INTRODUÇÃO E ste apítulo apresenta as araterístias básias dos abos oaxiais, guias de ondas, iruladores e derivadores. O onheimento do funionamento

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Departamento de Engenharia Químia e de Petróleo UFF Outros Aula Proessos 08 de Separação Malhas de Controle Realimentado (Feed-Bak) Diagrama de Bloos usto Prof a Ninoska Bojorge Controlador SUMÁRIO Bloo

Leia mais

A PRODUÇÃO DE MADEIRA DE CUSTO MÍNIMO

A PRODUÇÃO DE MADEIRA DE CUSTO MÍNIMO IPEF n.48/49, p.153-156, jan./dez.1995 NOTA TÉCNICA / TECHNICAL NOTE A PRODUÇÃO DE MADEIRA DE CUSTO MÍNIMO Frederio Pimentel Gomes 1 Carlos Henrique Garia Numerosos artigos e livros têm busado reomendar

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DE HARMÔNICOS E DESEQUILÍBRIOS EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DE HARMÔNICOS E DESEQUILÍBRIOS EM SISTEMAS DE POTÊNCIA V SBQEE 21 a 24 de agosto de 25 Belém Pará Brasil Código: BEL 11 7653 Tópio: Modelagem e Simulações PROGRAMA COMPTACONAL PARA AVALAÇÃO DE HARMÔNCOS E DESEQLÍBROS EM SSTEMAS DE POTÊNCA Kagan, N Smidt, H

Leia mais

Exame II. Citações e Notificações CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO. A preencher pelo formando:

Exame II. Citações e Notificações CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO. A preencher pelo formando: CURSO DE EMPREGADOS FORENSES DE AGENTE DE EXECUÇÃO Exame II Citações e Notifiações Duração: 1 hora 4 de Maio A preenher pelo formando: Nome do formando (ompleto e legível): Identifiação do Agente de Exeução:

Leia mais

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO MG CONTEXTO SOCIAL E PROFISSIONAL DA ENGENHARIA MECATRÔNICA AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS COMPONENTES: Guilherme Márcio Matheus Sakamoto Rafael

Leia mais

A aparição. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de logaritmo 2. Mostrar algumas aplicações e utilidades do logaritmo

A aparição. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de logaritmo 2. Mostrar algumas aplicações e utilidades do logaritmo A aparição Série Matemátia na Esola Ojetivos 1. Introduzir o oneito de logaritmo 2. Mostrar algumas apliações e utilidades do logaritmo A aparição Série Matemátia na Esola Conteúdos Logaritmo: álulo e

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física dei departamento de ísia Laboratórios de Físia www.dei.isep.ipp.pt Eeito Doppler om ultra-sons Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Físia Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades VOLUME QUÍMICA Resoluções das Atividades Sumário Capítulo 8 Propriedades oligativas II Criosopia e pressão osmótia...1 Capítulo 9 Termodinâmia Químia... Capítulo 10 Entalpia I Fatores que influeniam o

Leia mais

INTERSEÇÃO FOTOGRAMÉTRICA EM UM BANCO DE IMAGENS GEORREFERENCIADAS

INTERSEÇÃO FOTOGRAMÉTRICA EM UM BANCO DE IMAGENS GEORREFERENCIADAS INTERSEÇÃO FOTOGRAMÉTRIA EM UM BANO DE IMAGENS GEORREFERENIADAS Elivagner Barros de Oliveira 1 Riardo Luís Barbosa 1 Rodrigo Bezerra de Araújo Gallis 1 João Fernando ustódio da Silva Universidade Estadual

Leia mais

RESFRIAMENTO DE HORTALIÇAS COM A UTILIZAÇÃO DE VÁCUO

RESFRIAMENTO DE HORTALIÇAS COM A UTILIZAÇÃO DE VÁCUO RESFRIAMENTO DE HORTALIÇAS COM A UTILIZAÇÃO DE VÁCUO Shirley Mayumi Wakavaiachi 1, Diógenes Adriano Ferreira 2, Francisco Tadeu Degasperi 3 1 Aluna do Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA CTA São José

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS E DESEQUILIBRADOS

CIRCUITOS ELÉTRICOS CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS E DESEQUILIBRADOS E 0 RUTOS ELÉTROS RUTOS TRFÁSOS EQULRDOS E DESEQULRDOS RUTOS ELÉTROS RUTOS TRFÁSOS EQULRDOS E DESEQULRDOS maior parte das instalações elétricas domésticas e industriais é caracterizada por uma corrente

Leia mais

Curso de Data Mining

Curso de Data Mining Aula 7 - Os algoritmos SPIRIT Curso de Data Mining Sandra de Amo O esquema geral dos algoritmos SPIRIT é o seguinte: ETAPA 1 : Etapa do relaxamento R Calula-se o onjunto L das sequênias frequentes que

Leia mais

F809 Instrumentação para o Ensino

F809 Instrumentação para o Ensino F809 Instrumentação para o Ensino Coordenador: Prof. José J. Junazzi Relatório Final Projeto: Aplicação de Simulador Didático de Equilíbrio Mecânico Estático Aplicado ao Ensino Médio Data de finalização:

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Esola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.om.br Esola de Minas Brasil Ando, Eunie Sumie; Lopes Moreno Junior, Armando; Reis de Oliveira, Clayton Reforço à flexão de vigas em onreto armado

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

DO EMPÍRICO AO TEÓRICO: UM PLANO DE AULA PARA O ENSINO DO PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES NO ENSINO MÉDIO

DO EMPÍRICO AO TEÓRICO: UM PLANO DE AULA PARA O ENSINO DO PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES NO ENSINO MÉDIO DO EMPÍRICO AO TEÓRICO: UM PLANO DE AULA PARA O ENSINO DO PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES NO ENSINO MÉDIO Marta Maximo Pereira a [martamaximo@yahoo.com] a Instituto de Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

FISICA (PROVA DISCURSIVA)

FISICA (PROVA DISCURSIVA) FISICA (PROVA DISCURSIVA) Questão 1: A transmissão de energia elétria das usinas hidrelétrias para os entros onsumidores é feita através de fios metálios que transmitem milhares de watts. Como esses fios

Leia mais

Figura 1 Circuito RLC série

Figura 1 Circuito RLC série ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA Disciplina: Laboratório de Circuitos Elétricos Circuitos de Segunda Ordem. Objetivo Os circuitos elétricos

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 4: ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCENTES: Lucas

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI "A implementação do sistema SCADA usando Field Point e interface LabVIEW,

Leia mais

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

CONHECIMENTO ESPECÍFICO CONHECIMENTO ESPECÍFICO 6. O PID (Proporcional Integral Derivativo) é comumente usado na automação industrial para se encontrar um erro entre a entrada e a saída de um processo qualquer. Nesse processo,

Leia mais

APOSTILA ELÉTRICA-2 E ELETRÔNICA-1 MÓDULO - 2

APOSTILA ELÉTRICA-2 E ELETRÔNICA-1 MÓDULO - 2 AULA 3 FILTROS LPF HPF BPF TRAP As intererências entre sinais Filtro Passa-baixa LPF e passa-alta HPF Frequência de corte - Filtro passa-banda BPF Filtro Rejeita-aixa - TRAP FILTROS imã ixo, sendo que

Leia mais

Zimermann, H.R 1 ; Moraes, O.L.L 2 ; Acevedo, O.C 3.Fitzjarrald D.R 4 ; Sakai, R.K 5

Zimermann, H.R 1 ; Moraes, O.L.L 2 ; Acevedo, O.C 3.Fitzjarrald D.R 4 ; Sakai, R.K 5 COMPORTAMENTO DA UTILIZAÇÃO DE FILTRO DIGITAL NA ESTIMATIVA DA DENSIDADE ESPECTRAL DE ENERGIA TURBULENTA EM SÉRIES DE TEMPERATURA E COMPONENTE VERTICAL DO CAMPO DE VENTO. Zimermann, H.R 1 ; Moraes, O.L.L

Leia mais

EXERCíCIOS CAPÍTULOS 3 E 4

EXERCíCIOS CAPÍTULOS 3 E 4 EXERCíCIOS CAPÍTULOS E 4 1. Considere um sistema de omuniações em banda base analógio om AWGN. O anal não introduz distorção e a densidade espetral de potênia do ruído é N 0 /2 é igual a 10-9 W/Hz. O sinal

Leia mais

3 Bancada Experimental

3 Bancada Experimental Capítulo 3. Bancada Experimental -------------------------------------------------------------------- 29 3 Bancada Experimental Foi projetado e construído um aparato experimental para avaliar o desempenho

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES Cairo Rezende dos SANTOS; Paulo César M. MACHADO; Luiz Roberto LISITA Escola de Engenharia Elétrica e de Computação UFG cairorezende@hotmail.com,

Leia mais

Comportamento Inter-temporal de Consumo

Comportamento Inter-temporal de Consumo Comportamento Inter-temporal de Consumo... 1 A Restrição Orçamental do Consumidor... 2 As Preferênias Inter-temporais do Consumidor... 5 O Equilíbrio Inter-temporal do Consumidor... 6 O Estudo de Consequênias

Leia mais

Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas

Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas Alunos: Marcos Civiletti de Carvalho e Camila Schuina Orientador: Carlos Roberto Hall Barbosa

Leia mais

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Eudisley G. dos Anjos eudisley@les.ufpb.br Francisco A. Belo belo@les.ufpb.br Manuella D. C. Silva manuella@les.ufpb.br

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis - Ondas

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis - Ondas Exeríios de Aprofundamento 015 Fis - Ondas 1. (Makenzie 015) O gráfio aima representa uma onda que se propaga om veloidade onstante de 00 m / s. A amplitude (A), o omprimento de onda ( λ ) e a frequênia

Leia mais

3 Conceitos Fundamentais

3 Conceitos Fundamentais 3 Coneitos Fundamentais Neste aítulo são aresentados oneitos fundamentais ara o entendimento e estudo do omressor axial, assim omo sua modelagem termodinâmia 3 Máquinas de Fluxo As máquinas de fluxo odem

Leia mais

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica Roteiro de Laboratório: Pneumática Prof. Engº Felipe Amélio de Lucena Catanduva, 25 de julho de 2012. Sumário 1 Objetivo... 3 2 Estrutura para elaboração

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS DE ESTRUTURAS DE AÇO USANDO MÉTODOS NUMÉRICOS

DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS DE ESTRUTURAS DE AÇO USANDO MÉTODOS NUMÉRICOS CONSTRUMETAL 21 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro 21 DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS DE ESTRUTURAS DE AÇO USANDO MÉTODOS NUMÉRICOS Ricardo Ficanha

Leia mais

Análise da Confiabilidade de Oleodutos Corroídos Utilizando o Método de Monte Carlo

Análise da Confiabilidade de Oleodutos Corroídos Utilizando o Método de Monte Carlo Anais do CNMAC v. ISSN 984-8X Análise da Coniabilidade de Oleodutos Corroídos Utilizando o Método de Monte Carlo Roberto M. F. Squarcio Universidade Federal do araná - GMNE/CESEC 853-99, Caixa ostal 98,

Leia mais

Capítulo 37: Relatividade

Capítulo 37: Relatividade Albert Einstein Naseu em 14 de março de 1879 em Ulm, Alemanha Faleeu em 8 de abril de 1955 em Prineton, EUA Restrita: 195 Eeito Fotoelétrio: 195 Premio Nobel: 191 (Eeito Fotoelétrio) Geral: 1916 : É o

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ Alunos: Felipe Portes Lanes (PUC-Rio), Viviane Helena da

Leia mais

Resolvido por Jorge Lagoa, tendo em atenção os Critérios de Classificação do Exame.

Resolvido por Jorge Lagoa, tendo em atenção os Critérios de Classificação do Exame. 1. Na esola da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos alunos pela leitura. Um inquérito realizado inluía a questão seguinte. COTAÇÕES «Quantos livros leste desde o iníio do ano letivo?» As respostas

Leia mais

O GPS E A TEORIA DA RELATIVIDADE

O GPS E A TEORIA DA RELATIVIDADE O GPS E A TEORIA DA RELATIVIDADE JOSÉ NATÁRIO 1. Introdução Dos muitos milagres tenológios de que dispomos no séulo XXI, e que teriam sem dúvida pareido magia a gerações passadas, existe um que mudou ompletamente

Leia mais

ANALYTICAL METHODS IN VIBRATION. Leonard Meirovitch Capitulo 1

ANALYTICAL METHODS IN VIBRATION. Leonard Meirovitch Capitulo 1 ANALYTICAL METHODS IN VIBRATION Leonard Meirovith Capitulo Comportamento de sistemas Um sistema é definido omo uma montagem de omponentes atuando omo um todo. Os omponentes são lassifiados e definidos

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

ABINEE TEC 2007 FLUXO ÓTIMO APLICADO A INVERSORES DE FREQÜÊNCIA PARA ECONOMIA DE ENERGIA. Norton Petry Gerente de Desenvolvimento WEG Automação

ABINEE TEC 2007 FLUXO ÓTIMO APLICADO A INVERSORES DE FREQÜÊNCIA PARA ECONOMIA DE ENERGIA. Norton Petry Gerente de Desenvolvimento WEG Automação ABINEE TEC APLICADO A INVERSORES DE FREQÜÊNCIA PARA ECONOMIA DE ENERGIA Norton Petry Gerente de Desenvolvimento WEG Automação Minimização de perdas em motores de indução operando em baixas rotações Função

Leia mais

Fig. 1 Fenômeno da refração. Fonte: http://subaquaticos.files.wordpress.com/2010/01/bent_spoon.jpg?w=584

Fig. 1 Fenômeno da refração. Fonte: http://subaquaticos.files.wordpress.com/2010/01/bent_spoon.jpg?w=584 Profa. Dra. Silia M de Paula Refração da luz A refração da luz é um fenômeno que ertamente já foi preseniado por todos. Quando obseramos um talher oloado dentro de opo om água, a impressão que temos é

Leia mais

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil ESTRATÉGIAS DE CONTROLE PARA FORNO DE TRATAMENTO TÉRMICO A. A. Alcantara E. A. Tannuri (3) (1), (2) (1) Sun Metais Ltda. Rua Brasiliense, 79 Santo Amaro CEP 04729-110 - São Paulo - SP - alexaalcantara@gmail.com

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

PRESSÃO OSMÓTICA SOLUÇÕES DE POLÍMEROS

PRESSÃO OSMÓTICA SOLUÇÕES DE POLÍMEROS RECAPITULANDO: Exemplos de ténias para determinar: w de um polímero Visosimetria de soluções diluídas Osmometria de soluções n de um polímero PRESSÃO OSÓTICA SOLUÇÕES DE POLÍEROS Para soluções diluídas:

Leia mais

TE 060: PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO PROF: EVELIO M. G. FERNÁNDEZ LISTA DE EXERCÍCIOS N O. 2

TE 060: PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO PROF: EVELIO M. G. FERNÁNDEZ LISTA DE EXERCÍCIOS N O. 2 TE 6: PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO PROF: EVELIO M G FERNÁNDEZ LISTA DE EXERCÍCIOS N O Um sinal AM onvenional é dado por sam t A kamt os t modulador m(t) é um tom senoidal, isto é, mt A os t quando o sinal

Leia mais

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Alisson Kokot Engenheiro de Vendas - National Instruments Arquiteturas de medição condicionada Centralizada Distribuída Sala

Leia mais

Experiência VII (aulas 11 e 12) Cordas vibrantes

Experiência VII (aulas 11 e 12) Cordas vibrantes Experiência VII (aulas 11 e 12) Cordas vibrantes 1. Objetivos 2. Introdução 3. Arranjo experimental 4. Procedimento experimental 5. Análise de dados 6. Apêndice 7. Reerências 1. Objetivos Essa experiência

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS - - Fig. 3. Fig. 2

INFORMAÇÕES TÉCNICAS - - Fig. 3. Fig. 2 Fig. 1 02 Fig. 3 Fig. 2 03 INFORMAÇÃO TÉCNICA SOBRE VÁLVULAS DE PULSO 1 8 9 10 A ASCO possui uma ampla linha de válvulas de pulso para o mercado de filtros de manga com acessórios que permitem monitorar

Leia mais

Participar do processo de modernização industrial decorrente da Adoção de novas tecnologias, elegendo prioridades em nível nacional.

Participar do processo de modernização industrial decorrente da Adoção de novas tecnologias, elegendo prioridades em nível nacional. Sumário Introdução 5 omportamento do capacitor em A 6 Funcionamento do capacitor em A 6 Reatância capacitiva 8 Fatores que influenciam reatância capacitiva 9 Relação entre tensão ca, corrente ca e reatância

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas Aula 7 Sumário Conjunto de instruções Coneitos Instruções típias O onjunto de instruções Bibliografia: Cap. do livro de teto ses.. a. ISA Instrution Set Arhiteture Conjunto de instruções Alguns oneitos...

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável. Implementação do modelo de uma turbina eólica baseado no controle de torque do motor cc utilizando ambiente matlab/simulink via arduino Vítor Trannin Vinholi Moreira (UTFPR) E-mail: vitor_tvm@hotmail.com

Leia mais

1. Introdução. 2. Caracterização do Sistema de Recuperação de Calor Residual

1. Introdução. 2. Caracterização do Sistema de Recuperação de Calor Residual ANÁLISE ENERGOECONÔMICA DO APROVEITAMENTO DO BIOGÁS GERADO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE UM LATÍCINIO PARA A PRODUÇÃO COMPLEMENTAR DE ÁGUA GELADA Paper CIT04-0169 Iraídes Apareida de Castro

Leia mais

Filtros e equalizadores

Filtros e equalizadores Filtros e equalizadores É muito comum realizarmos o processamento de um sinal de áudio em unção de sua reqüência, isto acontece tanto nos iltros e equalizadores do canal de entrada de uma mesa de som quanto

Leia mais

3 Capacidade térmica à pressão constante

3 Capacidade térmica à pressão constante 4 3 Capaidade térmia à pressão onstante A apaidade térmia de um material qualquer representa a resistênia ao aumento de temperatura para uma dada quantidade de alor forneida. Quanto maior a apaidade térmia,

Leia mais

PROJETO DO EJETOR DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR JATO COMPRESSÃO DE VAPOR

PROJETO DO EJETOR DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR JATO COMPRESSÃO DE VAPOR PROJETO DO EJETOR DE UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO POR JATO COMPRESSÃO DE VAPOR Luiz Carlos Pereira VARGAS (1); Cleiton Rubens Formiga BARBOSA, (); Franiso de Assis Oliveira FONTES (3); Igor Marel Gomes ALMEIDA

Leia mais

DENIFIÇÕES EM RELAÇÃO À LEI DE PLANCK, À CONSTANTE DE BOLTZMANN E À CONSTANTE DE AVOGADRO.

DENIFIÇÕES EM RELAÇÃO À LEI DE PLANCK, À CONSTANTE DE BOLTZMANN E À CONSTANTE DE AVOGADRO. DENIFIÇÕES EM RELAÇÃO À LEI DE PLANCK, À CONSTANTE DE BOLTZMANN E À CONSTANTE DE AVOGADRO. Luiz Carlos de Almeida Na tentativa de resolução da emissão de um orpo negro aqueido, vários ientistas tentaram

Leia mais

MODELAGEM DO TRANSPORTE DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) NO INTERIOR DE COBERTURAS VEGETAIS NA BACIA AMAZÔNICA

MODELAGEM DO TRANSPORTE DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) NO INTERIOR DE COBERTURAS VEGETAIS NA BACIA AMAZÔNICA MODELAGEM DO TRANSPORTE DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO ) NO INTERIOR DE COBERTURAS VEGETAIS NA BACIA AMAZÔNICA Márcio A. S. Amazonas Universidade do Amazonas, Depto de Física, Av. General Rodrigo O.. Ramos,

Leia mais

Transmissor e Receptor Sintonizáveis com Processamento Óptico para Redes CDMA Ópticas com Assinatura Bipolar

Transmissor e Receptor Sintonizáveis com Processamento Óptico para Redes CDMA Ópticas com Assinatura Bipolar Transmissor e eeptor Sintonizáveis om Proessamento Óptio para edes CDMA Óptias om Assinatura Bipolar Eduardo isenbaum *, Celso de Almeida e Vitor oha de Carvalho esumo Uma nova arquitetura para o transmissor

Leia mais

3 Metodologia de calibração proposta

3 Metodologia de calibração proposta Metodologia de calibração proposta 49 3 Metodologia de calibração proposta A metodologia tradicional de calibração direta, novamente ilustrada na Figura 22, apresenta uma série de dificuldades e limitações,

Leia mais

LC428. Manual do Usuário

LC428. Manual do Usuário LC428 Manual do Usuário R 1.Descrição Geral: O conversor LC428 possui 8 entradas as quais podem ser projetadas para aceitar sensores tipo PT100, termopar, ou sinais padrão tipo 0 a 10V ou 4 a 20 ma e saída

Leia mais

Estabilidade no Domínio da Freqüência

Estabilidade no Domínio da Freqüência Estabilidade no Domínio da Freqüência Introdução; Mapeamento de Contornos no Plano s; Critério de Nyquist; Estabilidade Relativa; Critério de Desempenho no Domínio do Tempo Especificado no Domínio da Freqüência;

Leia mais