LABORATÓRIO INTEGRADO II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LABORATÓRIO INTEGRADO II"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO II Experiência 07: MOTOR TRIFÁSICO DE INDUÇÃO ENSAIOS: CURVAS DE CORRENTE E CONJUGADO CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO INVERSOR DE FREQUENCIA Prof. Norberto Augusto Júnior

2 1) Objetivo 2 Compreender e determinar as curvas características de Desempenho no Motor Trifásico de Indução (MTI) e da Corrente Absorvida e do Conjugado Motor desenvolvido pela rotação. 2) Introdução teórica O estator do MTI é basicamente constituído por um conjunto de bobinas idênticas, com eixos defasados no espaço de 120º e dispostas em núcleo de material ferromagnético, denominado de enrolamento trifásico. Quando as bobinas são percorridas pelo sistema trifásico de correntes, é produzido um campo magnético resultante, de módulo constante e que gira com a velocidade síncrona ns. O campo magnético do estator, Ø e é denominado de Campo Magnético Girante. Os enrolamentos podem ser realizados de modo a produzirem qualquer número de pólos e aos pares, Norte e Sul. A velocidade do Campo Girante Ø e é denominada de velocidade síncrona e determinada por: f ns = 120 p ns = rotação síncrona do campo girante; f = freqüência da rede de alimentação. No Brasil 60 hz; p = número de pólos do enrolamento. O rotor do MTI também é constituído de um núcleo de material ferromagnético no qual são alojadas barras longitudinais, todas em curto circuito (motor tipo gaiola ou barras) ou um enrolamento trifásico, semelhante ao do estator, e também em curto (motor tipo anéis ou de rotor bobinado). No enrolamento do rotor, ao ser submetido ao Campo Magnético Girante, são induzidas correntes que imersas no próprio campo magnético são sedes de forças tangenciais resultando no conjugado motor ou conjugado eletromagnético. 2.1) Funcionamento em vazio No regime de operação em vazio o conjugado da carga aplicado no eixo é nulo. Desprezando-se os conjugados de atrito e ventilação, o rotor gira na mesma velocidade angular que o campo girante. Neste caso, a f.e.m. e as correntes no enrolamento do rotor são nulas e, portanto também são nulos as correntes do rotor, as forças e o conjugado eletromagnético. Na operação em vazio, a corrente de cada fase do primário Io é constituída de duas parcelas, uma Im, corrente de magnetização e responsável pelo fluxo magnético. A outra Ip,

3 responsável pelas perdas no núcleo ferromagnético (Histerese e Foucault). O Campo Magnético Girante é a resultante do campo magnético senoidal e individual de cada corrente do estator na sua respectiva bobina. No momento da partida os valores de fase do rotor, indicam que a tensão induzida no rotor E2 é máxima, a reatância de dispersão Xd2, também é máxima e substancialmente maior que a resistência do rotor R2. Assim, durante a partida a corrente I2 é máxima, normalmente de 6 a 10 vezes a corrente nominal do MTI. As correntes do rotor desenvolvem o conjugado motor que sem carga acelera rapidamente o rotor para a rotação muito próxima da velocidade síncrona. Se o motor fosse ideal e não tivesse nenhuma perda de atrito e ventilação a velocidade seria exatamente igual a velocidade síncrona. No motor real as perdas de atrito e ventilação causam uma pequena redução na rotação que faz o campo girante do estator induzir uma pequena tensão no rotor, que causa as correntes induzidas, as forças tangenciais e por fim, o conjugado motor de vazio, suficiente para igualar o conjugado resistente de atrito e ventilação. Mesmo assim, em vazio é comum ser desprezado a pequena redução de velocidade, como também a corrente do rotor I2 é desprezível ) Operação com carga Na situação na qual uma carga é aplicada ao motor, por exemplo, uma bomba de recalque, a partida irá ocorrer desde que o conjugado motor de partida supere o conjugado resistente de partida e o conjugado resultante seja o conjugado de aceleração. Assim, o motor acelera ate atingir uma velocidade n r inferior a velocidade de sincronismo e tal que a tensão induzida no rotor cause correntes induzidas e que produzam forças que resultem no conjugado motor desenvolvido igual ao conjugado resistente Cr. Em carga a corrente I2 do rotor é superior ao valor em vazio e a interação dos campos magnéticos do estator e rotor produzem a corrente I 2 no estator que adicionada a corrente de vazio Io resulta na corrente absorvida em carga. Assim, para os MTI podemos escrever: Em vazio I1 Io; pois ns nr; o conjugado resistente de atrito e ventilação é desprezível. Em carga I1 = Io + I 2; A componente da corrente I 2 é portadora de potência ativa que transfere energia do estator para o rotor. Considerando n r a velocidade do rotor e no sentido do campo girante, seus condutores são submetidos a uma variação de campo com velocidade relativa (n s n r ) e, portanto a f.e.m. e corrente induzida terão freqüência:

4 f r = ( n n ) s r 120 Define-se escorregamento do MTI ao valor de: Assim podemos escrever que f r = ( n n ) s p s = r p = s f 120 ( n n ) s n s r 4 Os motores trifásicos de indução são classificados pela norma brasileiros ABNT NBR 7094 em cinco categorias: Categoria N: Conjugado de partida normal e baixo escorregamento. Constitui a maioria dos motores encontrados no mercado, utilizados nos acionamentos com baixo conjugado de parida, tais como: bombas, ventiladores e máquinas operatrizes. Categoria NY: Análogo ao da categoria N, todavia previsto para partida estrela/delta. Categoria H: Conjugado de partida alto, corrente de partida normal e baixo escorregamento. Utilizados em cargas que exigem maior conjugado de partida, tais como peneiras, transportadores carregados e moinhos. Categoria HY: Análogo ao da categoria H, todavia previsto para partida estrela/delta. Categoria D: Conjugado de partida alto, corrente de partida normal e alto escorregamento, normalmente s > 5%. São utilizados para acionamento de cargas com alto conjugado de partida, tais como prensas, elevadores e pontes rolantes. A figura abaixo ilustra o aspecto das curvas das três categorias de conjugado N, H e D As curvas características de corrente e conjugado motor do MTI em função da rotação podem ser sintetizadas na figura abaixo:

5 5 Tempo Máximo de Rotor Bloqueado ( t MRB ): é o tempo máximo que o motor poderá permanecer com as correntes de rotor e estator nos valores de partida ou arranque, suportando um acréscimo de aquecimento, logo após o funcionamento de regime, sob condições nominais e que não ultrapasse os limites de temperaturas de pico estabelecidos em normas.este tempo é determinado para cada motor e fornecido e garantido pelos fabricantes nas folhas de dados e catálogos. As Normas NEMA e IEC apresentam os limites de temperatura para essa condição de partida como segue: Classe Térmica Norma MG IEC 79.7 B 175º 185º F 200º 210º H 225º 235º Limites de pico de temperatura na partida e classe de isolação do motor Nas partidas realizadas com tensão reduzida a corrente e as perdas também são diminuídas. As perdas variam com a função quadrática da tensão ou da corrente de alimentação. Na hipótese que a energia dissipada seja preservada durante a partida, ou seja, a mesma energia é dissipado com partida de tensão plena ou com tensão reduzida, o tempo máximo de rotor bloqueado poderá ser aumentado como segue: t MRBR = t MRB. ( U n / U R ) 2 U n Tensão nominal do motor U R Tensão reduzida de partida

6 Os tempos de rotor bloqueado apresentadas em catálogos dos fabricantes de motores estão sempre referenciados à classe térmica B. Para os motores que apresentam limitações pelo tempo máximo de rotor bloqueado na classe de isolação B é possível substituir a classe térmica por outra de nível térmico superior, F ou H, e, portanto aumentar o tempo de rotor bloqueado. A construção é considerada especial e de preço de aquisição aumentado. 6 Tempo de Aceleração ( t A ): é o tempo necessário para o motor partir do repouso até atingir a rotação estável de operação. O tempo de aceleração é proporcional ao momento de inércia (J) do conjunto do rotor (MTI / Carga) e inversamente proporcional ao conjugado de aceleração (C AC = C M C R ). Recomenda-se que o tempo de aceleração seja limitado a 80% do tempo de rotor bloqueado. Conhecidas as equações do conjugado motor e do conjugado resistente determina-se o tempo de aceleração, t AC pela resolução da equação da mecânica para movimentos de rotação: dω Cac = Cm Cr = Jt dt Todavia, pela resolução do Tempo de Aceleração, t AC é determinado pode ser determinado pelos conjugados médios do motor e da carga e com a rotação nominal n nom pela expressão; tac = 2π Jt nnom 60 ( Cmac) = 2π Jt nnom 60 ( Cmm Cmr)

7 Data Sheet do MTI do Fabricante WEG - Motor tipo ARP de 15 HP 7 Curvas de Conjugado e Corrente do MTI do fabricante WEG tipo ARP de 15 HP Curvas de Desempenho do MTI do fabricante WEG tipo ARP de 15 HP

8 8 2.3) Circuito Equivalente O circuito equivalente do motor de indução referido ao estator (primário) é: Onde: V 1 = 4,44.f.N 1.Ø e E r = 4,44.s.f.N 2.Ø e a = N 1 / N 2 O circuito equivalente do motor e as equações gerais permitem uma análise completa das características dos MTI. Para uma determinada carga que implique a rotação nr ou escorregamento s determinase no circuito equivalente o valor de Z(s) e para uma tensão de alimentação V1 obtém-se a corrente I1 e em seguida os seguintes valores por fase: Potência de Entrada no Estator: P1 = V1. I1. cos ϕ 1 Potência Eletromagnética do Rotor: P2 = a 2. (R 2 / s). (I 2) 2 / a 2

9 Perdas no Ferro: P FE = Rp. I 2 p Perdas no Cobre do estator: 2 P CU1 = R1. I 1 Perdas no Cobre do rotor: 2 P CU2 = R 2. I 2 Potência Mecânica Desenvolvida no rotor: P mec = a 2. R 2. (1- s) / s. (I 2) 2 / a 2 Potência mecânica útil ou de saída Pmec = P mec Pa,v 9 Onde Pa,v é a potência de perdas de atrito e ventilação por fase, inerentes ao MTI, que é considerada constante para escorregamentos de até 5%. As perdas Pa,v não são simulas no circuito equivalente, estão englobadas na potência desenvolvida no rotor, P mec. A diferença (R 2 / s R 2 ).I 2 = R 2. (1 - s) / s. I 2 2 correspondem a potência mecânica desenvolvida no eixo do motor, onde R2 [ (1-s) / s] é uma resistência fictícia. O fator de potência do motor é determinado por Pmec = P 1 O rendimento é obtido de (%) 100 η P1 cosϕ 1 = V1 I1 3) Conversores CA/CA Inversores de Freqüência No passado, o controle de velocidade nos acionamentos que envolvia grande potencia foi realizado principalmente com os motores C.C. ou em alternativa, com menor rigor de precisão, através dos motores MTI de rotor bobinado, com a agravante de grande dispêndio de energia. Os motores de corrente alternada, especialmente o motor de indução, são construtivamente muito mais simples e robustos do que os motores de corrente contínua. Apresentam menores massas (20 a 40% a menores) para uma mesma potência, o que implica em custo menor de aquisição e de menores custos de manutenção preventiva e corretiva do que os motores C.C. equivalentes. Em termos de desempenho dinâmico, novas técnicas de controle, como o Inversor com controle vetorial, têm possibilitado aos motores C.A. apresentarem comportamento similar ao das máquinas C.C., eliminando, também neste aspecto, as vantagens inerentes aos motores C.C. de corrente contínua. Como desvantagens, apresentam aumento das perdas nas freqüências elevadas de comutação dos transistores de potência e interferências nas redes de alimentação e emissão eletromagnética que poderá interferir nos demais equipamentos sensíveis e instalados próximos aos inversores. As interferências são solucionadas com filtros de redes apropriados e blindagem dos cabos instalação dos inversores.

10 3.1) Princípio de Funcionamento 10 A técnica de controle de velocidade dos motores MTI fundamenta-se principalmente nas características deste tipo de motor possuir a velocidade síncrona proporcional à freqüência de alimentação N s frequencia ( rpm) = 120 e curva de Torque Motor x Escorregamento ser pólos praticamente constante, caso for fixado a relação de tensão de alimentação e freqüência, ou V K = f Para um determinado ajuste de velocidade de sincronismo (ou freqüência) a correção do escorregamento devido a variação do torque resistente é realizada automaticamente pelo inversor com o devido ajuste da freqüência. Os Conversores C.A./C.A.; ou Inversores de Freqüência, são fontes de tensão e freqüência variável, controladas de acordo com as necessidades do usuário. O Inversor de Freqüência possui quatro seções distintas: Retificador de Entrada; Barramento ou Link CC; Inversor de Saída; Circuito de Controle. Circuito de potência típico dos Inversores de Freqüência Conversor CA/CA 3.2) Retificador O retificador é o circuito que converte o sinal C.A. em sinal unidirecional, ou seja, contínuo C.C. Com essa finalidade, os diodos retificadores, não controlados, são

11 extensivamente utilizados. O retificador monofásico de meia-onda é o tipo mais simples e visto na figura abaixo. Nota-se que com o sinal senoidal na entrada (Vs), na carga (R), circulam apenas somente a parte positiva do sinal em função da condução do diodo D1 durante o semiciclo positivo, ou anodo positivo e catodo negativo, porém quando o anodo do diodo é negativo e o catodo positivo o sinal V L é nulo. As pontes retificadoras semi controladas com o componente tiristor -SCR - não são tratadas neste texto. 11 Retificador Trifásico de Onda Completa O retificador para os inversores de maiores potência é trifásico, mas os de pequenas potências são monofásicos. A tensão do Barramento ou Link CC é filtrada através de indutores e capacitores. 3.3) Filtro do Barramento C.C. A tensão de saída do retificador, embora seja unidirecional, é periódica, descontínua e contém componentes harmônicos. O retificador acoplado aos filtros é um processador de energia que fornece tensão de saída C.C. com quantidade mínima de conteúdo harmônico. Simultaneamente, é desejável manter a corrente de entrada de modo que o fator de potência seja aproximadamente unitário. A qualidade do processamento de energia do retificador requer a determinação do conteúdo harmônico da corrente de entrada e da corrente e tensão de saída. Na entrada, o filtro C.A., limita as harmônicas de corrente na rede de alimentação e também protege o Barramento CC das variações bruscas de tensão de alimentação. O filtro no Barramento C.C. reduz o valor da ondulação da tensão C.C. de saída, com a finalidade de permitir o perfeito controle do estágio Inversor.

12 3.4) Inversor de Freqüência 12 A finalidade do circuito inversor é converter a tensão do barramento ou link C.C. em tensão de saída C.A. simétrica em amplitude e freqüência controlada. A tensão de saída pode ser fixa ou variável e a freqüência também fixa ou variável. A tensão variável de saída pode ser obtida variando-se a amplitude da tensão C.C. de entrada e mantendo-se o ganho do inversor constante. Por outro lado, se a tensão C.C. de entrada for fixa e não-controlável, a tensão variável da saída é obtida pela variação do ganho do inversor e realizada pela técnica de controle PWM. A técnica de modulação PWM é a mais utilizada nos modernos Conversores C.A./C.A. O componente IGBT -(Insulated Gate Bipolar Transisistor) é um transistor de potência que pode ser entendido como uma chave com acionamento de abertura e fechamento totalmente controlados eletronicamente pela tensão aplicada ao gatilho Gate. i t + - v t Dreno Gate Fonte A figura exemplifica o funcionamento do IGBT e a constituição do semi ciclo de uma senóide, para carga constituída de resistor e indutor que é o comportamento do enrolamento do estator do motor MTI. I ( t ) I ( t ) Vab Vab 1 1 Geração do Semi ciclo positivo com a comutação da chave ou do IGBT

13 13 Geração do ciclo C.A. completo A modulação PWM, consiste de um sinal triangular de alta freqüência, de pelo menos 10 vezes do sinal que se deseja modular, e outro senoidal na freqüência que se deseja a tensão de saída. Quando o sinal triangular encontra o sinal senoidal o controle envia uma ordem para o transistor IGBT alternada de abertura ou fechamento. Controle de Abertura e Fechamento do IGBT Observe que na modulação PWM, intrinsecamente com aumento do período, ou diminuição da freqüência, a tensão fica reduzida. Ou ainda, a modulação PWM implica em tensão de alimentação do motor com fluxo e torque constante.

14 14 Ciclo Completo com a razão V/f = Constante, ou Fluxo e Torque Constantes. Os modernos IGBT s apresentam características de operação em tensões até V, freqüência de comutação (abertura e fechamento) de 80 KHz e Correntes até 600 A. Na figuras 08 está ilustrado o trem de pulsos gerados por uma modulação PWM para uma fonte monofásica. O mesmo princípio é aplicado para cargas trifásicas. 3.5) Controle da Tensão e da Freqüência Inversor de Freqüência Caso a relação entre a tensão e a freqüência da alimentação do motor for mantida V f constante, o fluxo de entreferro também permanece constante ( f = faseestator 4,44 N φ ) e demonstra-se que o torque máximo não se altera para valores de X e1 = 2x x f >> R e1, pois: 2 VF CM max = 3 ws 2 ( R X 2 e1 + R 1 Sc max = ( R R 2 1 ' X e 1

15 A figura mostra a característica Torque - Velocidade para uma alimentação com esta característica e velocidades abaixo da velocidade base Hz 48 Hz 60 Hz Torque da Bomba Torque do Motor 1080 rpm 1800 rpm 1440 rpm Característica Torque x Velocidade com controle de Tensão/Freqüência. Uma vez que a tensão nominal da máquina não deve ser excedida, este tipo de acionamento aplica-se para velocidades abaixo da velocidade base. 4) Parte Prática PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Anotar dados de placa, circuito elétrico, valores medidos e gráficos. 4.1) Dados de Placa: Motor Trifásico de Indução / Rotor Bobinado Potência: kw Rotação: rpm Tensões: V V V V Correntes: A A A A Ligações: YY Y Rotor: Tensão: V Corrente: A Ligação: Y Fases: Classe Térmica de Isolação:

16 4.2) Montar o conjunto MTI e Gerador C.C. Acionamento com Variac 16 a) Anotar o braço da alavanca: m b) Anotar a tara inicial do dinamômetro, com o conjunto MTI / GCC em repouso: kgf Nota: O motor está alimentado com 220 V, portanto está ligado em duplo delta ( ). Assim, as correntes de linha são as de fase multiplicadas por 3 e a tensão de linha é igual a tensão de fase, ou I L = 3. I F e V L = V F 4.2.1) Anotar e preencher os valores da tabela V 1 (V) I 1 (A) N 2 (rpm) F(kgf) P 1 (W) Q 1 (VAR) F.P. DHI DHT , , , , , , ) Determinar o Conjugado de Partida e o Conjugado Máximo com Tensão Reduzida Anotar o Braço da Alavanca (metros) Tensão Rotação I 1 (A) F (kgf) C M (N.m) Valores de Partida 110 V Rotor Bloqueado Valores p/ Conjugado Máximo 110 V

17 4.2.3) Determinar o Conjugado de Partida e o Conjugado Máximo com Tensão Nominal 17 Tensão Rotação I 1 (A) F (kgf) C M (N.m) Valores de Partida 220 V Rotor Bloqueado Valores p/ Conjugado Máximo 220 V 4.3) Montar o conjunto MTI e Gerador C.C. Acionamento com Inversor Notas: 1) O conjugado motor é determinado pela força medida no dinamômetro da carcaça do gerador c.c. em balanço multiplicado pelo braço da alavanca dessa força. 2) A resistência R de carga é ajustada para carga nominal de 3 kw e permanece constante durante todo o ensaio. 3) A carga do motor é ajustada pelo valor da corrente de excitação Iex do gerador CA Um aumento de Iex, implica em aumento de V CA e a potência entregue a carga é P R = V 2 CA / R ) PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 1) Notas: a) Anotar a tara inicial do dinamômetro, com o conjunto MTI/GCA em repouso: kgf b) Anotar o braço da alavanca: m

18 Obs: O motor está alimentado com 220 V, portanto está ligado em duplo delta ( ). Assim, as 18 correntes de linha são as de fase multiplicadas por 3 e a tensão de linha é igual a tensão de fase, ou I L = 3. I F e V L = V F O ensaio do motor é realizado com alimentação do motor através do inversor CFW 08 do fabricante WEG. O inversor permite a escolha de rotação de operação da freqüência de alimentação ) Familiarização com a IHM Interface - Homem Máquina

19 4.3.3) Observe e compreenda o funcionamento das funções básicas da HIM - Interface Homem Máquina ) Habilite e desabilite o Inversor pelas teclas I e O 4.3.2) Com o motor em vazio, ajuste a velocidade para as seguintes freqüências: 100 rpm, 500 rpm, 1000 rpm, 1500 rpm e 1800rpm ) Inverta o sentido de rotação ) - Com o Motor em repouso realize as seguintes operações para a familiarização da IMH Habilite P000 = 5 Habilite P100 = 10 s (Tempo de Aceleração); Habilite P101 = 20 s (Tempo de Desaceleração); Habilite P 202 = 0 Habilite P 202 = 0 (Controle Escalar linear); Habilite P 297 = 4 (Freqüência de Chaveamento = 5 khz) Habilite P 399 = 84,5 % (Rendimento do Motor) Habilite P 400 = 220 V (Tensão Nominal do Motor) Habilite P 401 = 8,8 A (Corrente Nominal do Motor) Habilite P 402 = 1700 rpm (Velocidade Nominal do Motor) Habilite P 403 = 60 Hz (Freqüência Nominal do Motor) Habilite P 404 = 8 (Potência Nominal do Motor = 3 c.v.) Habilite P 407 = 0,85 % (Fator de Potência Nominal do Motor) ) Coloque o motor em operação e registre os seguintes valores: 4.3.6) Freqüência nominal = 60 Hz ou Ns = rpm P 003 Corrente de Saída Carga 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 (A) P 002 Valor Proporcional a Freqüência (%) P 004 Tensão do Circuito Intermediário C.C. (V CC ) P 005 Freqüência de Saída do Motor (Hz) P 007 Tensão de Saída do Motor (V CA ) P 009 Força no Dinamômetro Kgf N2 Rotação do Motor - Tacômetro rpm P 1 Potência de Ativa W Q 1 Potência Reativa VAR F.P. Fator de Potência (A) DHI Distorção Harmônica de Corrente (%) DHT Distorção Harmônica de Tensão (%)

20 ) Freqüência nominal = 50 Hz ou Ns = rpm P 003 Corrente de Saída Carga 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 (A) P 002 Valor Proporcional a Freqüência (%) P 004 Tensão do Circuito Intermediário C.C. (V CC ) P 005 Freqüência de Saída do Motor (Hz) P 007 Tensão de Saída do Motor (V CA ) P 009 Força no Dinamômetro Kgf N2 Rotação do Motor - Tacômetro rpm P 1 Potência de Ativa W Q 1 Potência Reativa VAR F.P. Fator de Potência (A) DHI Distorção Harmônica de Corrente (%) DHT Distorção Harmônica de Tensão (%) Equações: 1) Cm( N. m) = 9,81 F( kgf ) braço( m) = π 2) Pmec( Watts) Cm( N. m) [2 n2( rpm)]/ 60 3) η = P P entrada ( Watts) ( Watts) saída = Pmec( Watts) P ( Watts) Eletrica 5) P Watts) = Pentrada ( Watts) = 3 VL I L cosϕ = 3 VF I F cosϕ 6) 1( P1 P1 cosϕ 1 = = 3 V I 3 V I ns n 7) s = n s L L F F

21 5) Relatório: 21 1) Apresentar os gráficos das Características de Corrente Absorvida e Conjugado motor pela rotação (1500 e 1800 rpm), com inversor e variac; 2) Apresentar as curvas de desempenho do MTI com os gráficos de Rendimento, Escorregamento, Fator de Potência Corrente Absorvida pela Potência Mecânica Uti, com variac e lnversor; 3) Apresentar e justificar a corrente de partida e o torque de partida; 4) O que é tempo de aceleração? O que é tempo de rotor bloqueado? Qual a sua importância? 5) Simular o motor do laboratório no aplicativo PSIM e com os parâmetros do circuito equivalente determinados nos ensaios de vazio e rotor bloqueado, considerando a tensão de fase de 220 V, f = 60 Hz e s = 5%. 6) Bibliografia Livro: Motor de Indução / Autor: Guilherme Filippo Filho / Editora Érica Livro: Fundamentos de Máquinas Elétricas / Autor: Vicent Del Toro / Editora Prentice Hall Manual WEG Inversor CWF 09 Site: Site:

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos:

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos: Introdução: Inversor de Freqüência: Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil, com isto uma

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

Motor de Indução de Corrente Alternada

Motor de Indução de Corrente Alternada Notas Técnicas Motores NT-1 Motor de Indução de Corrente Alternada Introdução O motor de indução ou assíncrono de corrente alternada tem sido o motor preferido da indústria desde o principio do uso da

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas.

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas. 3.3 Motores de Indução Trifásicos. 3.3.1 Campo Girante Trifásico. A Figura 3.17 apresenta o campo girante produzido por uma estrutura de dois e quatro pólos magnéticos. A Figura também destaca um núcleo

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores Objetivos da aula Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação estrela e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores. Medições

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS.

CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS. CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS. Arnaldo Lopes Leite¹, José Vinicius Wunderlich¹, Luiz Roberto Nogueira². UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) Departamento de Ensino de II Grau Coordenação do Curso Técnico de Eletrotécnica e Automação Industrial Disciplina: Prática de Laboratório

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO

GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO WEG AUTOMAÇÃO www.weg.com.br AUTORIA AUTORIA AUTORIA AUTORIA AUTORIA AUTORIA: Este Guia de Inversores de Freqüência foi escrito pelos M. Eng o.

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO

GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO ÍNDICE 2ª EDIÇÃO 1 INTRODUÇÃO 1.1 Sistemas de velocidade variável 11 1.2 Sistemas de variação de velocidade tradicionais 14 1.2.1 Variadores mecânicos

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES Introdução Um acionamento elétrico moderno é formado normalmente pela combinação dos seguintes elementos: MOTOR: converte energia elétrica em energia mecânica

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS Sumário Introdução... 3 Motores Elétricos... 4 Motores Assíncronos... 5 Estator... 6 Rotor... 8 Escorregamento, torque e velocidade.... 9 Eficiência e Perdas...

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

. analogamente. Np Ns. a = Ns

. analogamente. Np Ns. a = Ns - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Geradores de corrente alternada

Geradores de corrente alternada Geradores de corrente alternada Introdução: A função do gerador elétrico é bastante conhecida, converter energia mecânica em energia elétrica podendo esta ser alternada ou contínua. Um gerador de corrente

Leia mais

Motores CA. CFP Eliezer Vitorino Costa

Motores CA. CFP Eliezer Vitorino Costa Motores CA Motor Elétrico Definição: É uma máquina destinada a transformar energia elétrica em mecânica. Os motores elétricos em geral são divididos em dois grupos: Motores de Corrente contínua Motores

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

Elétrotécnica. Princípio de funcionamento das máquinas elétricas, rotativas e estáticas

Elétrotécnica. Princípio de funcionamento das máquinas elétricas, rotativas e estáticas Elétrotécnica Princípio de funcionamento das máquinas elétricas, rotativas e estáticas Princípio da Conservação de Energia O Princípio da Conservação da Energia diz que "a energia pode ser transformada

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Figura 7.1 Fluxo de energia em motores elétricos.

Figura 7.1 Fluxo de energia em motores elétricos. CAPÍTULO 7 MOTORES DE INDUÇÃO 7.1 INTRODUÇÃO ÀS MÁQUINAS ELÉTRICAS As máquinas elétricas podem ser classificadas em dois grupos: a) geradores, que transformam energia mecânica oriunda de uma fonte externa

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ART458-07 - CD - 6-07 - ÁG.: 1 ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS ERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo*, Ângelo Stano Júnior* Evandro Santos onzetto** Artigo publicado na

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Trifásico A verificação do desempenho,

Leia mais

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA ELETROTÉCNICA 1. INTRODUÇÃO : Este texto foi preparado procurando uma exposição na forma mais simples, apenas com a intenção de relembrar alguns conceitos fundamentais da eletricidade e do eletromagnetismo

Leia mais

26/08/2012 1 Agosto/2012

26/08/2012 1 Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/08/2012 2 MOTORES ELÉTRICOS Corrente Pulsante Corrente Alternada Corrente Contínua MOTOR DE PASSO (Step Motor ) RELUT. VARIÁVEL IMÃ PERMANENTE HÍBRIDO MOTOR

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

Motores eléctricos em sistemas de controlo

Motores eléctricos em sistemas de controlo Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26 1. Considere

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I QUALIDADE DE ENERGIA 1-Introdução ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Desde o princípio do método de transmissão de energia elétrica utilizando CA, ou ondas senoidais, o aparecimento de componentes harmônicas é um

Leia mais

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução Capítulo 3 Máquinas de corrente contínua Introdução A máquina de corrente contínua foi, durante muito tempo, a solução mais natural para problemas em que era imprescindível variar a velocidade durante

Leia mais

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA Geradores e motores A máquina é um motor quando transforma energia elétrica em energia mecânica. Quando transforma energia mecânica em energia elétrica, ela é um gerador.

Leia mais

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS Motor Elétrico: É um tipo de máquina elétrica que converte energia elétrica em energia mecânica quando um grupo de bobinas que conduz corrente é obrigado a girar por um campo

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

1. Noções fundamentais comum em contínua. Podem funcionar com velocidade ajustável entre amplos

1. Noções fundamentais comum em contínua. Podem funcionar com velocidade ajustável entre amplos 1 1. Noções fundamentais comum em contínua. Podem funcionar com velocidade ajustável entre amplos limites e se prestam a controles de grande flexibilidade e precisão. Por isso, seu uso é restrito a casos

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial 2013/ 2014 1 Motor de indução trifásico Máquina capaz de transformar energia elétrica em energia mecânica 2 Motor elétrico Noções fundamentais Máquina destinada

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA 1. INTRODUÇÃO A manutenção preditiva tem sido largamente discutida nos últimos anos, e sem dúvida é um procedimento moderno de gerenciamento, que comprovadamente vem diminuindo

Leia mais

Transformando energia em soluções. Guia de Aplicação de Inversores de Freqüência

Transformando energia em soluções. Guia de Aplicação de Inversores de Freqüência Transformando energia em soluções Guia de Aplicação de Inversores de Freqüência GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA WEG AUTOMAÇÃO www.weg.com.br AUTORIA AUTORIA AUTORIA AUTORIA AUTORIA AUTORIA:

Leia mais

Controle de Motores de Indução

Controle de Motores de Indução Controle de Motores de UERJ PROMINP Prof. José Paulo V. S. da Cunha Referência: Bose, B. K., Modern Power Electronics and AC Drives, Upper Saddle River: Prentice Hall PTR, 2001. Seções 5.3, 7.1, 7.2 e

Leia mais

Inversores de Freqüência

Inversores de Freqüência Inversores de Freqüência Teoria e Aplicações Claiton Moro Franchi Respostas dos Exercícios 1ª Edição 2008 - Editora Érica Ltda. Respostas dos Exercícios 1 Capítulo 1 1. Os inversores de freqüência são

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento VI SEREA Seminário Iberoamericano sobre Sistemas de Abastecimento Urbano de Água EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia

Leia mais

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9 MÁQUA 1 CAÍTULO 9 TRAFORMADOR O transformador é um componente utilizado para converter o valor da amplitude da tensão de uma corrente alternada. O transformador é uma máquina elétrica que transfere energia

Leia mais

Acionamento de Máquinas Elétricas de Indução. Diego Brito dos Santos Cesar Fábio da Conceição Cruz Thiago Timbó Matos

Acionamento de Máquinas Elétricas de Indução. Diego Brito dos Santos Cesar Fábio da Conceição Cruz Thiago Timbó Matos Acionamento de Máquinas Elétricas de Indução Diego Brito dos Santos Cesar Fábio da Conceição Cruz Thiago Timbó Matos Exercícios de Fixação Qual a importância de se manter a relação V/Hz constante e qual

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte

APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte Instituto Federal de Santa Catarina-Campus Joinville, Julho 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. ELE1005 Projeto de Graduação em Engenharia Elétrica

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. ELE1005 Projeto de Graduação em Engenharia Elétrica Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro ELE1005 Projeto de Graduação em Engenharia Elétrica Aplicação de Inversores de Freqüência em Motores Elétricos de CA. Autor: Douglas Machado Côrtes Orientador:

Leia mais

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética 1 de 9 CURSO Eletroeletrônica - DATA / / COMPONENTE ALUNO DOCENTE Eletromagnetismo Prof. Romeu Corradi Júnior [www.corradi.junior.nom.br] RA: Assunto: Resumo com comentários Eletromagnetismo Indução eletromagnética

Leia mais

Motores Síncronos. Notas Técnicas Motores NT-02. Introdução. Princípios Gerais de Operação

Motores Síncronos. Notas Técnicas Motores NT-02. Introdução. Princípios Gerais de Operação Notas Técnicas Motores NT-02 Motores Síncronos Introdução O motor síncrono é um tipo de motor elétrico muito útil e confiável com uma grande aplicação na indústria. Entretanto, pelo fato do motor síncrono

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

XI-015 - LABORATÓRIO DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO DE MOTORES DE INDUÇÃO DA SANEAGO

XI-015 - LABORATÓRIO DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO DE MOTORES DE INDUÇÃO DA SANEAGO XI-015 - LABORATÓRIO DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO DE MOTORES DE INDUÇÃO DA SANEAGO Renato Milhomem de Oliveira (1) Técnico Industrial em Eletrotécnica pela Escola Técnica

Leia mais

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 COMANDOS ELÉTRICOS ÍNDICE CONTATOR 1. Objetivo 2 2. Introdução Teórica 2 2.1. Contator 2 2.2. Contatos 3 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 2.4. Relé Bimetálico 4 3. Material Utilizado 5

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS O que é um Servomotor? O servomotor é uma máquina síncrona composta por uma parte fixa (o estator) e outra móvel (o rotor). O estator é bombinado como no motor elétrico convencional, porém, apesar de utilizar

Leia mais

Inversor de Freqüência

Inversor de Freqüência Descrição do Funcionamento. Inversor de Freqüência Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil,

Leia mais

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores...

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... COMANDOS ELÉTRICOS 3 SUMÁRIO I. Contator... 5 II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11 III. Motor Monofásico... 15 IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... 19 V. Inversão do Sentido de

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 9 Instalações para motores elétricos. Prof. JORGE LUIZ MORETTI

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

ELETRÔNICA. Alexandre Capelli

ELETRÔNICA. Alexandre Capelli Alexandre Capelli Há dois anos, aproximadamente, publicamos na Revista Saber Eletrônica uma série (composta por três artigos) sobre inversores de freqüência. Na época, as Revistas Mecatrônica Fácil e Mecatrônica

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE CONTROLE DE VELOCIDADE EM MOTORES DE INDUÇÃO

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE CONTROLE DE VELOCIDADE EM MOTORES DE INDUÇÃO 91 ISSN: 1984-3151 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE CONTROLE DE VELOCIDADE EM MOTORES DE INDUÇÃO ENERGY EFFICIENCY IN SPEED CONTROL SYSTEM FOR INDUCTION MOTORS Arlete Vieira da Silva; Elisangela do

Leia mais

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA.

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Motores elétricos Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Para melhor entender o funcionamento desse

Leia mais