formar grupos e entregar uma atividade;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "formar grupos e entregar uma atividade;"

Transcrição

1 RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM DIVISÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Docente da Rede Pública de Ensino SP Resumo: O presente trabalho tem por objetivo relatar uma experiência de ensino sobre divisão via Resolução de Problemas com alunos das séries iniciais do Ensino Fundamental. Nesse relato são apresentadas as resoluções de alguns alunos, as discussões geradas a partir dessas resoluções e os encaminhamentos adotados no trabalho via Resolução de Problemas. Palavras-chave: Educação Matemática; Resolução de Problemas; Ensino Fundamental; Divisão. INTRODUÇÃO Nos últimos anos as escolas têm utilizado e dado ênfase ao trabalho com problemas em Matemática. Entretanto, na maioria das vezes, eles têm sido utilizados apenas como um meio de aplicação de um conteúdo matemático trabalho anteriormente e não como ponto de partida da atividade matemática. Quando utilizado para desencadear o processo de aprendizagem, o problema pode ser um convite à exploração, à discussão, de modo a organizar e auxiliar o aluno no processo de construção do conhecimento. Nesta perspectiva, o ponto de partida não são as definições que são apresentadas pelo professor, mas sim o problema, que pode ser sugerido tanto por ele como pelos alunos. Essa foi à perspectiva assumida ao se iniciar o trabalho com divisão (idéia de repartir em partes iguais) com alunos de uma turma do 3º ano do ciclo I do Ensino Fundamental de uma escola pública de Barra Bonita, interior de São Paulo, no ano de Mas como trabalhar com os alunos na perspectiva de Resolução de Problemas? Onuchic (1999) apresenta uma proposta básica para o trabalho com matemática por meio da Resolução de Problemas: formar grupos e entregar uma atividade; 1 Docente da Rede Pública de Ensino SP 1

2 durante a realização o professor assume o papel de observador, organizador, mediador. Lança questões, auxilia os alunos a superar dificuldades, acompanha as explorações e, quando necessário, resolve problemas secundários; quando os alunos terminam o trabalho, os resultados obtidos pelos diferentes grupos são anotados na lousa para que possam explicar suas resoluções e defender seus pontos de vista. os pontos de dificuldades encontrados pelos alunos devem ser novamente trabalhos para que posteriormente possa ser encontrado um consenso sobre o resultado pretendido. para sistematizar o trabalho realizado, faz-se uma síntese do que se objetivava aprender a partir do problema dado. As definições, as propriedades são colocadas nesse momento procurando sempre salientar o que de novo se construiu. Trabalhando nessa perspectiva professor e alunos são agentes ativos nos processos de ensino e de aprendizagem. O professor assume o papel de organizador, conselheiro e intermediário, pois proporciona materiais, textos, faz explanações, negocia prazos e cooperação entre os alunos, promove debates em relação aos resultados e em relação às estratégias utilizadas por eles. Já os alunos precisam mobilizar seus conhecimentos. Precisam interpretar o problema, testar hipóteses, elaborar estratégias de resolução, aplicálas e verificar se o resultado obtido o soluciona. Por meio da Resolução de Problemas, o aluno tem a oportunidade de ampliar os seus conhecimentos acerca de conceitos e procedimentos matemáticos bem como de ampliar a visão que têm dos problemas, da Matemática, do mundo em geral (BRASIL, p. 40), e os professores a oportunidade de possibilitar ao aluno um meio poderoso e muito importante de desenvolver sua própria compreensão (ONUCHIC, 1999, p.208). O TRABALHO COM DIVISÃO No ano de 2009 para iniciar o trabalho com divisão (idéia de repartir em partes iguais) com alunos de uma turma do 3º ano do ciclo I do Ensino Fundamental, optou-se por utilizar um problema como ponto de partida, ou seja, optou-se por trabalhar com a Resolução de Problemas. Para isso, procurou-se agir tendo como subsídio a proposta de Onuchic (1999). 2

3 A partir da metodologia definida e considerando um problema como qualquer situação que exija o pensar do indivíduo para solucioná-lo (DANTE, 1997, p.9), buscouse formular um que fizesse parte da realidade dos alunos e cujo contexto da situação não acabasse agindo como um distrator ou funcionasse como uma barreira para interpretar a situação (BOALER, 1993). Normalmente os professores costumam propor aos alunos problemas que envolvem o conteúdo que está sendo trabalhado em sala de aula. Frente a esses problemas os alunos buscam a palavra-chave que expressa a operação que deve ser utilizada para resolvê-lo. Na experiência aqui relatada, o conteúdo ainda não havia sido trabalhado e no problema formulado procurou-se não colocar uma palavra que pudesse expressar uma operação aritmética. A intenção ao apresentar o problema e trabalhá-lo via Resolução de Problemas era que os alunos elaborassem suas estratégias de resolução e que a partir dele fosse possível trabalhar o conteúdo ali submerso. Assim sendo, os alunos tiveram acesso ao seguinte problema: A professora do 3º ano quer realizar uma atividade com seus alunos. Para isso ela precisa organizar os 24 alunos da turma em grupos com a mesma quantidade de alunos. Quantos grupos ela pode formar e quantos alunos devem ficar em cada grupo? Vale salientar que antes de terem acesso ao problema, os alunos foram informados que trabalhariam em grupos e sobre como seria realizada a atividade. Tendo acesso ao problema os alunos, em grupos, começaram a trabalhar. Interagiam uns com os outros e tentavam resolvê-lo com os conhecimentos que possuíam. Tentavam utilizar estratégias diferentes de resolução: adição, multiplicação, desenhos, alguns contavam nos dedos, outros observavam a sala de aula para ver a formação dos grupos. Todos os grupos conseguiram obter uma solução para o problema. Enquanto trabalhavam, a professora observava os grupos, as tentativas de resolução de cada um, os incentivava a trocar idéias e a escrever o que pensavam. Quando algum grupo apresentava dificuldade, ela lançava algumas questões em relação a estratégia que estava sendo adotada ou fornecia orientações para que pudessem continuar a resolução. Após todos terminarem, as resoluções foram registradas na lousa para que pudessem ser explicadas. No início os alunos ficaram tímidos em expressar e explicar o 3

4 que haviam feito, mas com o incentivo da professora foram ganhando confiança e se sentiram mais à vontade para isso. As resoluções registradas foram às seguintes: Resolução 1: Figura 1: Resolução apresentada pelo grupo 1 Os alunos desse grupo explicaram que para resolver o problema tentaram formar grupos e que resolveram formar dois grupos para verificar quantos alunos ficariam em cada um. Quando questionados do porquê de não tentar formar outros grupos, os alunos disseram que como já haviam formados 2 grupos não precisariam formar outros, pois desse modo era possível a professora realizar a atividade na sala de aula. Os demais grupos validaram a resolução do grupo 1, entretanto um aluno ressaltou que era muita criança e pouco grupo, e em decorrência disso ficaria complicado realizar a atividade. Resolução 2: Figura 2: Resolução apresentada pelo grupo 2 4

5 Esse grupo apresentou várias respostas. Os alunos explicaram que pensaram nas tabuadas para ver qual o resultado que daria 24 e que a tabuada que pensassem seria o número de grupos que deveriam ser formados. Frente à resolução dos alunos a professora os questionou se poderiam dar outras respostas. Os alunos responderam que também haviam pensado em dois grupos de 12 alunos, mas como ficaram muitos alunos em cada grupo preferiram não colocar essa resposta. As resoluções foram aceitas e validadas pelos demais grupos. Resolução 3: Figura 3: Resolução apresentada pelo grupo 3 Durante o trabalho, os alunos do grupo 3 fizeram desenhos para representar os grupos e a quantidade de alunos que ficariam em cada um. Eles desenharam 8 grupos com 6 alunos em cada. Observando o trabalho dos alunos, a professora sugeriu que verificassem o número total de alunos representados no desenho. Depois de contarem e de lerem o problema algumas vezes, os alunos perceberam que estavam considerando mais crianças do que o indicado no problema. Após mais algum tempo, anotaram na folha de resolução a resposta 3x8=24. No momento da explicação os alunos disseram que queriam formar oito grupos e que pensavam que em cada grupo ficariam seis alunos. Mas depois perceberam que para essa quantidade de grupos deveriam considerar três alunos em cada um 5

6 Resolução 4: Figura 4: Resolução apresentada pelo grupo 4 Os alunos apresentaram duas respostas, tendo como base a mesma estratégia. Eles disseram que pensaram no número de alunos que ficaria em cada grupo e depois verificaram quantos grupos poderiam ser formados. Explicaram que na primeira pensaram em formar grupos de dois alunos. Assim, utilizando os dedos dos integrantes foram contando de dois em dois para saber quantos seriam os grupos. Já na segunda, disseram que decidiram que os grupos teriam 4 alunos e que fazendo marcações na folha encontrariam o número de agrupamentos. Além disso, explicaram que só depois que fizeram as representações dos grupos é que conseguiram pensar nas tabuadas. Quando questionados do motivo de só terem formados grupos de 2 e de 4 alunos, responderam que na hora era o que conseguiam pensar e que duas respostas eram suficientes para o problema. As resoluções foram validadas pelos demais alunos, mas alguns opinaram que a professora do problema não deveria formar 12 grupos de 2 e menos ainda 2 grupos de 12, como foi apresentado pelo grupo1, pois no primeiro caso ficariam poucos alunos nos grupos e no segundo, ficariam muitos e assim não seria bom para realizar a atividade. 6

7 Resolução 5: Figura 5: Resolução apresentada pelo grupo 5 O grupo explicou ter pensado que deveriam ser formados grupos com quatro alunos e que depois pensou em quantos grupos seriam formados. Para sistematizar esse pensamento, os alunos fizeram a multiplicação. A professora questionou a respeito do que os levou a pensar na formação de grupos com 4 alunos e não com mais alunos. Eles responderam que pensaram somente nessa quantidade de alunos porque acreditavam que assim seria melhor para a professora realizar a atividade em sala de aula. Com todas as resoluções na lousa os alunos foram questionados se haviam dúvidas ou alguma dificuldade para entender as resoluções. Os alunos disseram que não e que gostaram de realizar a atividade do modo como havia sido. Pôde-se perceber que ficaram satisfeitos por terem encontrado uma solução para o problema e também por conseguirem expressar o que haviam pensado. Em seguida, foram questionados se havia diferença entre as resoluções do grupo 2 e do grupo 5 e se havia qual era essa diferença. Os alunos olhavam e prestavam atenção nas resoluções. Os alunos disseram que não havia diferença, pois os dois grupos utilizaram multiplicações. A professora então explicou que o grupo 2 pensou na quantidade de grupos para depois pensar na quantidade de alunos em cada um e que o grupo 5 pensou primeiramente na quantidade de alunos e que depois na quantidade de grupos. Os alunos concordaram e falaram que os modos de pensar para resolver o problema foram diferentes. Depois da etapa de apresentação e discussão das resoluções, passou-se para a etapa de sistematização do que havia de novo para os alunos no problema. Os alunos foram questionados sobre isso e responderam que a adição, a multiplicação não era algo novo para eles já que sabiam. Alguns disseram que o novo estava em formar grupos. 7

8 Então, a professora aproveitou a colocação dos alunos para sistematizar a operação aritmética de divisão, mais especificamente a idéia da divisão de repartir em partes iguais. E a partir disso, pôde explorar a divisão exata e a não-exata, o algoritmo da divisão, entre outros aspectos desta operação. CONSIDERAÇÕES FINAIS A intenção ao escrever esse artigo foi a de compartilhar com outros professores as experiências do trabalho com alunos do ciclo I das séries iniciais do Ensino Fundamental mediante a Resolução de Problemas. Por meio dessa abordagem, os alunos puderam elaborar e utilizar suas próprias estratégias de resolução ao invés de apenas utilizar uma estratégia já conhecida. Além disso, puderam discutir, tomar decisões, confrontar idéias. A professora pôde acompanhar mais de perto o desenvolvimento do trabalho dos alunos, observar as tentativas de resolução de cada um, se questionar a respeito dos entendimentos deles sobre o problema. Também pôde perceber que no decorrer da atividade, os alunos foram se sentindo mais confiantes para expressar e explicar o que haviam feito, se tornando mais participativos. Desse modo, esse trabalho com os alunos pode ter sido o início de uma maior participação desses em sala de aula, para que se tornem mais questionadores e menos receptores passivos. REFERÊNCIAS BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : Matemática: ensino de quinta oitava série. Brasília : MEC/SEF, BOALER, J. The role of contexts in the Mathematics Classroom: do they make mathematics more real? For the Learning of Mathematics, v. 13, n.(2). p.12-17, Disponível em:< Stanford.edu/~joboaler/FLM_1993%20paper.doc>. Acesso: 14/06/07 DANTE, Luiz Roberto. Didática da Resolução de Problemas de Matemática. São Paulo: Ática, ONUCHIC, Lourdes de La Rosa. Ensino-Aprendizagem através da Resolução de Problemas. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Pesquisa em educação Matemática. São Paulo: Editora Unesp,

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 6º ANO NA RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PROBLEMATIZADAS ENVOLVENDO ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO COMO NÚMEROS NATURAIS: COMO PODEMOS INTERVIR?

DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 6º ANO NA RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PROBLEMATIZADAS ENVOLVENDO ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO COMO NÚMEROS NATURAIS: COMO PODEMOS INTERVIR? DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 6º ANO NA RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PROBLEMATIZADAS ENVOLVENDO ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO COMO NÚMEROS NATURAIS: COMO PODEMOS INTERVIR? Introdução Renata Karla da Silva Oliveira Universidade

Leia mais

Índice. 1. Representação Escrita dos Números Operações com Números Naturais...4. Grupo Módulo 14

Índice. 1. Representação Escrita dos Números Operações com Números Naturais...4. Grupo Módulo 14 GRUPO 5.4 MÓDULO 14 Índice 1. Representação Escrita dos Números...3 2. Operações com Números Naturais...4 2 1. REPRESENTAÇÃO ESCRITA DOS NÚMEROS Desde os primórdios da humanidade, o homem utiliza diferentes

Leia mais

PROBLEMATIZANDO FRAÇÕES: EXPERIÊNCIAS E REFLEXÕES

PROBLEMATIZANDO FRAÇÕES: EXPERIÊNCIAS E REFLEXÕES PROBLEMATIZANDO FRAÇÕES: EXPERIÊNCIAS E REFLEXÕES Camila Duarte de Araújo Bolsista PIBID 1 - UTFPR - Campus Cornélio Procópio mila.terto@hotmail.com Jéssica Fernanda da Cruz Silva Bolsista PIBID 1 - UTFPR

Leia mais

Práticas de leitura e de escrita auxiliando na interpretação e resolução de problemas 1

Práticas de leitura e de escrita auxiliando na interpretação e resolução de problemas 1 Práticas de leitura e de escrita auxiliando na interpretação e resolução de problemas 1 Müller, Ana Paula Krein 2, Martins, Silvana Neumann 3 Categoría 2. Trabajo de investigación (Concluido) Resumo Neste

Leia mais

O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS

O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS na Contemporaneidade: desafios e possibilidades O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS José Márcio da Silva Ramos Diniz Universidade Estadual

Leia mais

USANDO JOGOS NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES DO 1 GRAU

USANDO JOGOS NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES DO 1 GRAU ciedade Brasileira Educação na Contemporaneidade: desafios e possibilidades USANDO JOGOS NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES DO 1 GRAU Carla Antunes Fontes Instituto Federal, Ciência e Tecnologia Fluminense carlafontes@globo.com

Leia mais

Oficina Material Dourado. Grupo 4 Componentes: Fernanda Onofre, Taís Brito e Edvânia Menezes.

Oficina Material Dourado. Grupo 4 Componentes: Fernanda Onofre, Taís Brito e Edvânia Menezes. Oficina Material Dourado Grupo 4 Componentes: Fernanda Onofre, Taís Brito e Edvânia Menezes. O USO DO MATERIAL DOURADO COMO RECURSO DIDÁTICO PARA A COMPREENSÃO DO SISTEMA NUMÉRICO DECIMAL Grupo 4 Componentes:

Leia mais

UMA HISTÓRIA INFANTIL PARA O ESTUDO DA DIVISÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

UMA HISTÓRIA INFANTIL PARA O ESTUDO DA DIVISÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL UMA HISTÓRIA INFANTIL PARA O ESTUDO DA DIVISÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Diaine Susara Garcez da Silva diaine_garcez@yahoo.com.br Halana Garcez Borowsky halanagarcezborowsky@yahoo.com.br

Leia mais

TENTA ESTIMA TENTA Ana Caseiro Escola Superior de Educação de Lisboa

TENTA ESTIMA TENTA Ana Caseiro Escola Superior de Educação de Lisboa Resumo TENTA ESTIMA TENTA Ana Caseiro Escola Superior de Educação de Lisboa anac@eselx.ipl.pt Tenta estima tenta é uma tarefa de investigação que tanto pode ser explorada por alunos do 1º ciclo, no contexto

Leia mais

ADEDANHA MATEMÁTICA: UMA DIVERSÃO EM SALA DE AULA

ADEDANHA MATEMÁTICA: UMA DIVERSÃO EM SALA DE AULA ADEDANHA MATEMÁTICA: UMA DIVERSÃO EM SALA DE AULA Elizabethe Gomes Pinheiro Secretaria Municipal de Educação- Cabo Frio - RJ bethematica@hotmail.com Resumo: Este trabalho tem por objetivo mostrar um pouco

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ALUNOS DE 5ª E 6ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

ESTRATÉGIAS DE ALUNOS DE 5ª E 6ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ESTRATÉGIAS DE ALUNOS DE 5ª E 6ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Cíntia da Silva scintias@hotmail.com Luciano Ferreira lulindao66@hotmail.com RESUMO: Neste trabalho relatamos uma

Leia mais

Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. Luiz Roberto Dante

Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. Luiz Roberto Dante Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. Luiz Roberto Dante O que é um problema? Intuitivamente, todos nós temos uma ideia do que seja um problema. De maneira genérica, pode-se

Leia mais

Aplicação da propriedade distributiva da multiplicação em cálculos entre alunos do 5º ano do Ensino Fundamental

Aplicação da propriedade distributiva da multiplicação em cálculos entre alunos do 5º ano do Ensino Fundamental Home Índice Autores deste número Aplicação da propriedade distributiva da multiplicação em cálculos entre alunos do 5º ano do Ensino Fundamental Silvana D'Avino Resumo: Na Escola Vera Cruz adota-se como

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM ALUNOS DE QUINTA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

UMA EXPERIÊNCIA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM ALUNOS DE QUINTA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL UMA EXPERIÊNCIA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM ALUNOS DE QUINTA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL GT 01 Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Daiana Moraes UNIFRA daianamor2@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA MÚLTIPLOS E DIVISORES DE NÚMEROS NATURAIS UM ESTUDO NO QUINTO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS Principles and Standards for School Mathematics (2000) Este documento reforça a ênfase dada no anterior documento, da importância e da adequabilidade, às crianças mais

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca

Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca Escola Básica Diogo Bernardes Ano Escolar 2009/2010 Tema matemático: Geometria Nível de ensino: 1.º Ciclo- 1.º Ano Tópicos matemáticos: Orientação Espacial TAREFA:

Leia mais

Palavras-chave: Ensino Fundamental, Calculadora, Atividades Didáticas.

Palavras-chave: Ensino Fundamental, Calculadora, Atividades Didáticas. CALCULADORAS NAS AULAS DO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPLORANDO ESTE RECURSO DIDÁTICO Ilisandro Pesente Universidade Luterana do Brasil ilisandropesente@bol.com.br Clarissa de Assis Olgin Universidade Luterana

Leia mais

PROJETO: OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS

PROJETO: OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) ESCOLA MUNICIPAL HERMANN GMEINNER Bolsistas: Jacqueline Cristina de Medeiros Supervisora: Patrícia

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Lourinhã. Tarefa Divisores: abordagem no 1.º Ciclo. 4.º ano

Agrupamento de Escolas da Lourinhã. Tarefa Divisores: abordagem no 1.º Ciclo. 4.º ano Agrupamento de Escolas da Lourinhã Tarefa Divisores: abordagem no 1.º Ciclo 4.º ano VII Seminário das Escolas Híbridas 15 de março de 2012 Divisores: abordagem no 1.º Ciclo 4.º ano Aplicada no início de

Leia mais

O REFORÇO COMO DIREITO DE APRENDER OU COMO AÇÃO PALIATIVA DA ESCOLA FRENTE À SUA DIFICULDADE EM LIDAR COM AS DIFERENÇAS DE APRENDIZAGEM

O REFORÇO COMO DIREITO DE APRENDER OU COMO AÇÃO PALIATIVA DA ESCOLA FRENTE À SUA DIFICULDADE EM LIDAR COM AS DIFERENÇAS DE APRENDIZAGEM O REFORÇO COMO DIREITO DE APRENDER OU COMO AÇÃO PALIATIVA DA ESCOLA FRENTE À SUA DIFICULDADE EM LIDAR COM AS DIFERENÇAS DE APRENDIZAGEM Lethicia Ormedo Leite Canhete1; Liliane Thomaz dos Santos2; Almerinda

Leia mais

Números naturais. Conjunto de tarefas para o 5.º ano - 2.º ciclo. Autores: Professores das turmas piloto do 5. º ano de escolaridade

Números naturais. Conjunto de tarefas para o 5.º ano - 2.º ciclo. Autores: Professores das turmas piloto do 5. º ano de escolaridade Números naturais Conjunto de tarefas para o 5.º ano - 2.º ciclo Autores: Professores das turmas piloto do 5. º ano de escolaridade Ano Lectivo 2008 / 09 Setembro de 2009 Vamos arrumar caramelos Esta tarefa

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM-AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: UMA EXPERIÊNCIA PARA INTRODUÇÃO DO CONCEITO DE P.A.

ENSINO-APRENDIZAGEM-AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: UMA EXPERIÊNCIA PARA INTRODUÇÃO DO CONCEITO DE P.A. ISSN 2316-7785 ENSINO-APRENDIZAGEM-AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: UMA EXPERIÊNCIA PARA INTRODUÇÃO DO CONCEITO DE P.A. Mariana Lopes Dal Ri Instituto Federal Farroupilha Campus

Leia mais

OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO. Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2

OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO. Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2 OPERANDO NÚMEROS INTEIROS COM O ÁBACO Letícia Ramos Rodrigues 1 Tássia Oliveira de Oliveira 2 Resumo O aprendizado das operações fundamentais, sendo elas a adição, a subtração, a multiplicação e a divisão,

Leia mais

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA ATRIBUIÇÃO DE SIGNIFICADOS DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA ATRIBUIÇÃO DE SIGNIFICADOS DE CONCEITOS MATEMÁTICOS A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA ATRIBUIÇÃO DE SIGNIFICADOS DE CONCEITOS MATEMÁTICOS José Roberto Costa Júnior Universidade Estadual da Paraíba mathemajr@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Neste

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: REFLETINDO SOBRE O APRENDIZADO DE ALUNOS DE 5º E 6º ANO NO ENSINO DA MULTIPLICAÇÃO

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: REFLETINDO SOBRE O APRENDIZADO DE ALUNOS DE 5º E 6º ANO NO ENSINO DA MULTIPLICAÇÃO AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: REFLETINDO SOBRE O APRENDIZADO DE ALUNOS DE 5º E 6º ANO NO ENSINO DA MULTIPLICAÇÃO Geliaine Teixeira Malaquias Universidade Federal de Uberlândia geliainetm@gmail.com Vítor Martins

Leia mais

e um quadrado vermelho. O número sete precisaria outro símbolo porque não seria possível criá-lo através da multiplicação de outros primos, então foi

e um quadrado vermelho. O número sete precisaria outro símbolo porque não seria possível criá-lo através da multiplicação de outros primos, então foi PRODUTO DIDÁTICO O produto pedagógico produzido ao final desta dissertação será o novo segredo dos números, que recebeu este nome porque foi baseado no trabalho da professora Ester P. Grossi no ano de

Leia mais

Enquadramento no Programa da Disciplina

Enquadramento no Programa da Disciplina Enquadramento no Programa da Disciplina Tema: Álgebra. Tópico: Relações e regularidades. Subtópico: Proporcionalidade direta. Objetivos : Usar o raciocínio proporcional; Compreender os conceitos de razão,

Leia mais

UFRN PIBID Subprojeto PIBID-Pedagogia SEQUENCIAS DIDÁTICAS

UFRN PIBID Subprojeto PIBID-Pedagogia SEQUENCIAS DIDÁTICAS SEQUENCIAS DIDÁTICAS EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Para explorar outras formas de expressão... Produção textual através do texto de imagem por meio da obra: Ritinha Bonitinha - Eva Furnari. Apresentação

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA Nome: Nº 6ºAno Data: / /2016 Professores: Décio e Leandro Nota: (Valor 2,0) 1. Apresentação: Prezado aluno, A estrutura da recuperação bimestral paralela do Colégio

Leia mais

2. Objetivo Geral: Mostrar aos alunos que é possível expressar uma situação em linguagem matemática própria, formando a partir dai uma sentença.

2. Objetivo Geral: Mostrar aos alunos que é possível expressar uma situação em linguagem matemática própria, formando a partir dai uma sentença. Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Tipo do produto: Plano de Aula 1 IDENTIFICAÇÃO SUBPROJETO MATEMÁTICA/FECEA:

Leia mais

AS DIFICULDADES APRESENTADAS POR ALUNOS DO 7º ANO COM RELAÇÃO AO CONTEÚDO DE FRAÇÕES

AS DIFICULDADES APRESENTADAS POR ALUNOS DO 7º ANO COM RELAÇÃO AO CONTEÚDO DE FRAÇÕES AS DIFICULDADES APRESENTADAS POR ALUNOS DO 7º ANO COM RELAÇÃO AO CONTEÚDO DE FRAÇÕES André Rubens Lima Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho/Campus Ilha Solteira andre.rubens.7@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO DO MÊS NOVEMBRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO DO MÊS NOVEMBRO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

1- PROPOSTA METODOLÓGICA. desenvolver seu pensamento crítico para ser tornar um verdadeiro cidadão.

1- PROPOSTA METODOLÓGICA. desenvolver seu pensamento crítico para ser tornar um verdadeiro cidadão. 1- PROPOSTA METODOLÓGICA Não se pode educar com o simples objetivo de transmitir informações. Deve ser garantida ao aluno autonomia de pensamento, capacidade de tomar iniciativa e de desenvolver seu pensamento

Leia mais

FOLHAS DE ATIVIDADES PARA O ENSINO DE FUNÇÃO AFIM E QUADRÁTICA: CONCEITO E APLICAÇÕES

FOLHAS DE ATIVIDADES PARA O ENSINO DE FUNÇÃO AFIM E QUADRÁTICA: CONCEITO E APLICAÇÕES FOLHAS DE ATIVIDADES PARA O ENSINO DE FUNÇÃO AFIM E QUADRÁTICA: CONCEITO E APLICAÇÕES Roberta Angela da Silva UFSCar Universidade Federal de São Carlos zelinha83@yahoo.com.br Resumo: O conteúdo matemático

Leia mais

Lilian Esquinelato da SILVA UNESP ( ) Inocêncio Fernandes BALIEIRO FILHO UNESP

Lilian Esquinelato da SILVA UNESP ( ) Inocêncio Fernandes BALIEIRO FILHO UNESP SILVA, L. E.; BALIEIRO FILHO, I. F. Sobre as Dificuldades dos Alunos na (ISBN N. 978-85-98092-14-0) Eixo Temático: (E 7) SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS QUE RELACIONAM ÁLGEBRA

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-2 tipo D-3 Matemática (P-2) Ensino Fundamental 3º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos do 3

Leia mais

CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA. Rudinei José Miola

CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA. Rudinei José Miola CONEXÕES E REGULARIDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA Rudinei José Miola rmiola@positivo.com.br PARA INÍCIO DE CONVERSA ATIVIDADE MATEMÁTICA Por atividade matemática deve entender-se uma mescla entre tarefa,

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO II: O USO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E DO MATERIAL DOURADO NAS AULAS DE MATEMÁTICA.

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO II: O USO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E DO MATERIAL DOURADO NAS AULAS DE MATEMÁTICA. RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO II: O USO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E DO MATERIAL DOURADO NAS AULAS DE MATEMÁTICA. Pedro Marinho de Araújo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia

Leia mais

Matem tica INTRODU ÌO

Matem tica INTRODU ÌO Programação 1º- ao5º-ano INTRODU ÌO O material de Matemática parte do pressuposto de que a aprendizagem ocorre num processo de elaboração e reelaboração contínua de signifcados e não por meio de repetição

Leia mais

UMA PROPOSTA CONSTRUTIVISTA PARA O ENSINO DE NÚMEROS RACIONAIS POSITIVOS E SUAS OPERAÇÕES UTILIZANDO O MATERIAL COUSINIERE

UMA PROPOSTA CONSTRUTIVISTA PARA O ENSINO DE NÚMEROS RACIONAIS POSITIVOS E SUAS OPERAÇÕES UTILIZANDO O MATERIAL COUSINIERE Sociedade Brasileira de Matemática Matemática na Contemporaneidade: desafios e possibilidades UMA PROPOSTA CONSTRUTIVISTA PARA O ENSINO DE NÚMEROS RACIONAIS POSITIVOS E SUAS OPERAÇÕES UTILIZANDO O MATERIAL

Leia mais

RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA: OFICINAS SOBRE O CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS DESENVOLVIDAS DURANTE A DISCIPLINA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO B

RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA: OFICINAS SOBRE O CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS DESENVOLVIDAS DURANTE A DISCIPLINA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO B RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA: OFICINAS SOBRE O CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS DESENVOLVIDAS DURANTE A DISCIPLINA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO B Luís Felipe Gonçalves Carneiro Universidade Tecnológica Federal

Leia mais

O PLANEJAMENTO COLETIVO E A PRÁTICA EM UMA SALA DE AULA DO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ATIVIDADE SOBRE CONTAGEM

O PLANEJAMENTO COLETIVO E A PRÁTICA EM UMA SALA DE AULA DO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ATIVIDADE SOBRE CONTAGEM O PLANEJAMENTO COLETIVO E A PRÁTICA EM UMA SALA DE AULA DO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ATIVIDADE SOBRE CONTAGEM Débora Reis Pacheco Universidade Federal do Mato Grosso do Sul débora.rpacheco@gmail.com

Leia mais

Resolução de Problemas no Ensino de Matemática

Resolução de Problemas no Ensino de Matemática 10º Simpósio de Educação de Itaboraí Resolução de Problemas no Ensino de Matemática Prof. Mônica Mandarino (UNIRIO;UFRJ; Cesgranrio) 10 de agosto de 2012 Afinal, o que é PROBLEMA? Para alunos e professores,

Leia mais

4.3 A solução de problemas segundo Pozo

4.3 A solução de problemas segundo Pozo 39 4.3 A solução de problemas segundo Pozo Na década de noventa, a publicação organizada por Pozo [19] nos dá uma visão mais atual da resolução de problemas. A obra sai um pouco do universo Matemático

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA PLANO DE ENSINO

COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA PLANO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA PLANO DE ENSINO 1 - IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico Subsequente em Informática DISCIPLINA/ COMPONENTE CURRICULAR: Fundamentos Matemáticos para Informática ANO/

Leia mais

ESTUDANDO MATEMÁTICA VIA RESOLUÇÃO E EXPLORAÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS

ESTUDANDO MATEMÁTICA VIA RESOLUÇÃO E EXPLORAÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS ESTUDANDO MATEMÁTICA VIA RESOLUÇÃO E EXPLORAÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS Leonardo Silva Santos Mestrando em Ensino de Ciências e Educação Matemática/UEPB, leonardoufcg2@gmail.com RESUMO: Este artigo trata

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS COM A MATEMÁTICA

CONTRIBUIÇÕES DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS COM A MATEMÁTICA CONTRIBUIÇÕES DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS COM A MATEMÁTICA Daniele André da Silva Universidade Estadual da Paraíba daniandre2011@gmail.com RESUMO: O objetivo deste

Leia mais

Plano 4 Revisão de tabuada e operações (adição, subtração, multiplicação e divisão) 2016

Plano 4 Revisão de tabuada e operações (adição, subtração, multiplicação e divisão) 2016 ESCOLA EMEF PROFª MARIA MARGARIDA ZAMBON BENINI Plano 4 Revisão de tabuada e operações (adição, subtração, multiplicação e divisão) 2016 Bolsistas: Débora Chiarello e Natieli Melo Rodrigues Supervisora:

Leia mais

Uma Experiência Com Resolução de Problemas e Demonstração de Um Fato Matemático no Ensino Médio

Uma Experiência Com Resolução de Problemas e Demonstração de Um Fato Matemático no Ensino Médio Relato de Experiência Página Uma Experiência Com Resolução de Problemas e Demonstração de Um Fato Matemático no Ensino Médio Valmir Roberto Moretti 6 Resumo: Neste artigo descrevemos e analisamos uma atividade

Leia mais

PROEJETO ARBORIZAÇÃO, JARDINAGEM E HORTA COMUNIDADE BETEL: Contribuições Para a Formação Acadêmica

PROEJETO ARBORIZAÇÃO, JARDINAGEM E HORTA COMUNIDADE BETEL: Contribuições Para a Formação Acadêmica PROEJETO ARBORIZAÇÃO, JARDINAGEM E HORTA COMUNIDADE BETEL: Contribuições Para a Formação Acadêmica Fernanda S. Seger 1 Érika Lucatelli 2 RESUMO Este artigo propõe apresentar os resultados e discussões

Leia mais

UTILIZANDO O JOGO AVANÇANDO COM O RESTO PARA IDENTIFICAR AS DIFICULDADES COM A DIVISÃO. Educação Matemática nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental

UTILIZANDO O JOGO AVANÇANDO COM O RESTO PARA IDENTIFICAR AS DIFICULDADES COM A DIVISÃO. Educação Matemática nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental UTILIZANDO O JOGO AVANÇANDO COM O RESTO PARA IDENTIFICAR AS DIFICULDADES COM A DIVISÃO Geliaine Teixeira Malaquias 1 Vítor Martins do Carmo 2 Educação Matemática nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental

Leia mais

OS PROCESSOS INVESTIGATIVOS E A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS CONCRETOS NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

OS PROCESSOS INVESTIGATIVOS E A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS CONCRETOS NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA OS PROCESSOS INVESTIGATIVOS E A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS CONCRETOS NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Andressa Tais Diefenthäler², Isabel Koltermann Battisti³ ¹ Relato de Experiência. Eixo temático:

Leia mais

ATIVIDADES/LEM. As atividades de I a VI se voltam preferencialmente para estudantes do primeiro ciclo (1º ano ao 3º ano).

ATIVIDADES/LEM. As atividades de I a VI se voltam preferencialmente para estudantes do primeiro ciclo (1º ano ao 3º ano). As atividades aqui propostas têm o intuito de auxiliar. Podem ser vistas, apenas, como referência para os professores, de modo que necessitam de adaptações para as mais diversas realidades e ao nível de

Leia mais

Formação Continuada - Matemática AS OPERAÇÕES E SUAS DIFERENTES IDEIAS

Formação Continuada - Matemática AS OPERAÇÕES E SUAS DIFERENTES IDEIAS Formação Continuada - Matemática AS OPERAÇÕES E SUAS DIFERENTES IDEIAS Professores - 2º ano 5º encontro 19/10/2015 Coordenadora Pedagógica: Adriana da Silva Santi Leitura do texto: Jogos e resoluções de

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO A UTILIZAÇÃO DE JOGOS PARA COMPREENSÃO DAS OPERAÇÕES BÁSICAS ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO Cláudia Martins de Oliveira Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA claudia.moliveira@yahoo.com.br Caroline Lima de Oliveira

Leia mais

FORMULAÇÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: LIMITES E POSIIBILIDADES

FORMULAÇÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: LIMITES E POSIIBILIDADES FORMULAÇÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: LIMITES E POSIIBILIDADES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio GT 10 Mirian Raquel Alves da SILVA Universidade

Leia mais

ESTRUTURAS MULTIPLICATIVAS: TEORIA E PRÁTICA ENVOLVENDO PROPORÇÃO DUPLA E MÚLTIPLA

ESTRUTURAS MULTIPLICATIVAS: TEORIA E PRÁTICA ENVOLVENDO PROPORÇÃO DUPLA E MÚLTIPLA Sociedade Brasileira de na Contemporaneidade: desafios e possibilidades ESTRUTURAS MULTIPLICATIVAS: TEORIA E PRÁTICA ENVOLVENDO PROPORÇÃO DUPLA E MÚLTIPLA Valeria Conceição dos Santos Universidade Estadual

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DO 1º E 2º CICLOS. PLANO DE AULA ASSISTIDA (Síntese)

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DO 1º E 2º CICLOS. PLANO DE AULA ASSISTIDA (Síntese) PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DO 1º E 2º CICLOS PLANO DE AULA ASSISTIDA (Síntese) Formador: Dr. Miguel Silva Formanda: Conceição Aguiar Sernancelhe Fevereiro de 2007 Temas

Leia mais

JOGOS E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: UMA EXPERIÊNCIA NO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

JOGOS E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: UMA EXPERIÊNCIA NO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL JOGOS E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: UMA EXPERIÊNCIA NO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana Quimentão Passos* SEED/PR adrianaqpassos@gmail.com Edilaine Regina dos Santos** Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

OS DIFERENTES SIGNIFICADOS DE NÚMEROS RACIONAIS: um estudo das dificuldades apresentadas por alunos de 6º ano do Ensino Fundamental

OS DIFERENTES SIGNIFICADOS DE NÚMEROS RACIONAIS: um estudo das dificuldades apresentadas por alunos de 6º ano do Ensino Fundamental OS DIFERENTES SIGNIFICADOS DE NÚMEROS RACIONAIS: um estudo das dificuldades apresentadas por alunos de 6º ano do Ensino Fundamental Karolyne Camile Batista dos Santos karolynecamile19@gmail.com Elisa Fonseca

Leia mais

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: PROJETO AS PEGADAS DO DINOSSAURO

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: PROJETO AS PEGADAS DO DINOSSAURO APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: PROJETO AS PEGADAS DO DINOSSAURO Artur CARMELLO NETO, Faculdade de Ciências e Letras Unesp Araraquara-SP Formação de professores na perspectiva

Leia mais

USO DO ORIGAMI COMO FERRAMENTA METODOLÓGICA PARA AULAS DE MATEMÁTICA. Palavras-chave: Origami, Educação Matemática, Ferramenta Metodológica.

USO DO ORIGAMI COMO FERRAMENTA METODOLÓGICA PARA AULAS DE MATEMÁTICA. Palavras-chave: Origami, Educação Matemática, Ferramenta Metodológica. USO DO ORIGAMI COMO FERRAMENTA METODOLÓGICA PARA AULAS DE MATEMÁTICA Renato dos Santos Diniz Universidade Federal da Paraíba (UFPB) diniizmat@gmail.com Josyclesio Lima da Silva Universidade Estadual da

Leia mais

Problemas : Sistema de numeração decimal. Operações com números naturais (problemas) - Compreender o sistema de numeração decimal

Problemas : Sistema de numeração decimal. Operações com números naturais (problemas) - Compreender o sistema de numeração decimal Título da Sequência: Área Temática: Conteúdos: Problemas : Sistema de numeração decimal COLECÇÃO DE TURMA : TAMPINHAS Matemática Operações com números naturais (problemas) - Compreender o sistema de numeração

Leia mais

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O

SISTEMA ANGLO DE ENSINO G A B A R I T O SISTEMA ANGLO DE ENSINO Prova Anglo P-02 Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O 01. B 07. B 13. D 19. D 02. D 08. D 14. C 20. D 03. A 09. C 15. D 21. D 04. C 10. A 16. B 22. B 05. C 11. C 17. C 00 06. D 12. A

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL VISCONDE DE BOM RETIRO Plano de aula 3 maio de Atividades para o 1º ano do ensino médio

COLÉGIO ESTADUAL VISCONDE DE BOM RETIRO Plano de aula 3 maio de Atividades para o 1º ano do ensino médio COLÉGIO ESTADUAL VISCONDE DE BOM RETIRO Plano de aula 3 maio de 2015 Atividades para o 1º ano do ensino médio Bolsistas: Maiara Ghiggi, Guimara Bulegon e Viviane Polachini Supervisora: Raquel Marchetto

Leia mais

As diversas linguagens da Multiplicação

As diversas linguagens da Multiplicação As diversas linguagens da Multiplicação E.E. Profa. CLORINDA TRITTO GIANGIACOMO Sala 12 Sessão 2 Professoras Apresentadoras: Giane Feitoza do Amaral Mariane Gomes Cabral Realização: Foco O projeto As diversas

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Componente Curricular: Matemática II Curso: Técnico de Nível Médio Integrado em Informática Série/Período: 2º ano Carga Horária: 4 a/s - 160 h/a - 133 h/r

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE JUROS SOB A PERSPECTIVA DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

UMA ABORDAGEM DE JUROS SOB A PERSPECTIVA DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS UMA ABORDAGEM DE JUROS SOB A PERSPECTIVA DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Lucas Ferreira Gomes 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus de Cornélio Procópio (UTFPR-CP) lucasgomis@hotmail.com Luiz Marcos

Leia mais

ESTUDO DE GEOMETRIA JUNTO À PRÁTICA COTIDIANA: SEMELHANÇA DE TRIÂNGULOS COM OBJETOS RUDIMENTARES NO ALCANSE DE ALTURAS INACESSÍVEIS

ESTUDO DE GEOMETRIA JUNTO À PRÁTICA COTIDIANA: SEMELHANÇA DE TRIÂNGULOS COM OBJETOS RUDIMENTARES NO ALCANSE DE ALTURAS INACESSÍVEIS ESTUDO DE GEOMETRIA JUNTO À PRÁTICA COTIDIANA: SEMELHANÇA DE TRIÂNGULOS COM OBJETOS RUDIMENTARES NO ALCANSE DE ALTURAS INACESSÍVEIS Gilmara Gomes Meira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

ANÁLISE DE UMA PRÁTICA DOCENTE COM ALUNOS DO 6º ANO ENVOLVENDO A OPERAÇÃO DE MULTIPLICAÇÃO DE NÚMEROS RACIONAIS NA FORMA FRACIONÁRIA

ANÁLISE DE UMA PRÁTICA DOCENTE COM ALUNOS DO 6º ANO ENVOLVENDO A OPERAÇÃO DE MULTIPLICAÇÃO DE NÚMEROS RACIONAIS NA FORMA FRACIONÁRIA ANÁLISE DE UMA PRÁTICA DOCENTE COM ALUNOS DO 6º ANO ENVOLVENDO A OPERAÇÃO DE MULTIPLICAÇÃO DE NÚMEROS RACIONAIS NA FORMA FRACIONÁRIA RESUMO Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas reflexões da

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO ÁBACO ROMANO NO ENSINO DE ADIÇÃO NO CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS 1

A UTILIZAÇÃO DO ÁBACO ROMANO NO ENSINO DE ADIÇÃO NO CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS 1 A UTILIZAÇÃO DO ÁBACO ROMANO NO ENSINO DE ADIÇÃO NO CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS 1 Wilter Freitas IBIAPINA 1, John Andrew FOSSA 1, Liceu Luís de CARVALHO 1 1 Centro de Ciências Exatas e da Terra, Programa

Leia mais

1º período. Conhecer os algarismos que compõem o SND (0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9). Diferenciar algarismos e números.

1º período. Conhecer os algarismos que compõem o SND (0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9). Diferenciar algarismos e números. 1º período Os números naturais: Sistema de Numeração Decimal. (SND). Pág.30 a 32. Um pouco de história: sistema de numeração dos romanos. Pág. 33 a 35 Os números naturais. Pág. 36 e 37 Sistema de Numeração

Leia mais

Texto produzido a partir de interações estabelecidas como bolsistas do PIBID/UNIJUÍ 2

Texto produzido a partir de interações estabelecidas como bolsistas do PIBID/UNIJUÍ 2 ÁLGEBRA E FUNÇÕES NO CURRÍCULO DOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE A PARTIR DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR E DE DOCUMENTOS OFICIAIS 1 Maira Simoni Brigo 2, Bruna Maroso De Oliveira 3,

Leia mais

PROJETO: CONTANDO CENTAVOS

PROJETO: CONTANDO CENTAVOS PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Escola Municipal Hermann Gmeiner Disciplina: Matemática Docentes: João Batista de Oliveira Neto Damião Xavier de Medeiros PROJETO: CONTANDO

Leia mais

Licenciando do Curso de Matemática da UNIJUÍ, 3. Professora do Curso de Matemática da UNIJUÍ,

Licenciando do Curso de Matemática da UNIJUÍ, 3. Professora do Curso de Matemática da UNIJUÍ, A METODOLOGIA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE PLANO CARTESIANO COM OS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 THE METHODOLOGY PROBLEM SOLVING IN THE INTRODUCTION OF THE CARTESIAN PLAN

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do Componente Curricular: Matemática III Curso: Técnico de Nível Médio Integrado em Mineração Série/Período: 3º ano Carga Horária: 2 a/s - 80 h/a - 67

Leia mais

PLANOS DE AULAS. 2º BIMESTRE - AULA 01 - Data: 24/04/ Tempo de duração: 1 hora 40 TEMA DA AULA: CARACTERIZAÇÃO DA PERSONAGEM

PLANOS DE AULAS. 2º BIMESTRE - AULA 01 - Data: 24/04/ Tempo de duração: 1 hora 40 TEMA DA AULA: CARACTERIZAÇÃO DA PERSONAGEM ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES MONTEIRO DISCIPLINA: TEATRO / TURMA: 4º ANO D SUPERVISOR: FELIPE FAGUNDES BOLSISTAS: SUAME MEDEIROS / ILDISNEI MEDEIROS *Vale ressaltar que os demais bolsistas

Leia mais

EXPLORANDO ATIVIDADES DE VISUALIZAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DE FIGURAS NO ESPAÇO

EXPLORANDO ATIVIDADES DE VISUALIZAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DE FIGURAS NO ESPAÇO EXPLORANDO ATIVIDADES DE VISUALIZAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DE FIGURAS NO ESPAÇO Claudia Segadas (IM/UFRJ) - claudia@im.ufrj.br Fátima Regina da Silva (SME-RJ, CBNB) - reginasemerena@ig.com.br Márcia Moutinho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO DEPARTAMENTOS DE PEDAGOGIAA PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO DEPARTAMENTOS DE PEDAGOGIAA PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO DEPARTAMENTOS DE PEDAGOGIAA PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 2017 Disciplina: Matemática Nível: Ensino Fundamental Série: 2º Ano

Leia mais

PROPOSTA DIDÁTICA. 1) João tem R$ 84,30. Pedro tem R$ 31,50 a mais que João, e José tem R$ 54,25 a mais que Pedro. Quanto tem os três juntos?

PROPOSTA DIDÁTICA. 1) João tem R$ 84,30. Pedro tem R$ 31,50 a mais que João, e José tem R$ 54,25 a mais que Pedro. Quanto tem os três juntos? PROPOSTA DIDÁTICA 1. Dados de Identificação 1.1 Nome do bolsista: André da Silva Alves 1.2 Série/Ano/Turma: 6º e 7º anos 1.3 Tempo da aula: 2,5 horas 1.4 Conteúdo desenvolvido: Operações Fundamentais com

Leia mais

UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA

UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA GT 06 Formação de professores de matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Tarciane Fátima

Leia mais

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 1 INTRODUÇÃO 1.3. Os fundamentos pedagógicos da BNCC Compromisso com a formação e o desenvolvimento humano global (dimensões

Leia mais

DIÁRIO DE BORDO. Projeto Sustentabilidade, Literatura e Matemática

DIÁRIO DE BORDO. Projeto Sustentabilidade, Literatura e Matemática DIÁRIO DE BORDO Projeto Sustentabilidade, Literatura e Matemática Bruno Lopes Isabelly Cristina Mottin Polyanna Mondadori Santos Objetivos Compreender o conceito de porcentagem, indicando exemplos da sua

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB I Semana de Educação Matemática SEEMAT 25 a 29 de Maio de 2009

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB I Semana de Educação Matemática SEEMAT 25 a 29 de Maio de 2009 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB I Semana de Educação Matemática SEEMAT 5 a 9 de Maio de 009 MINI-CURSO: ÁLGEBRA FÁCIL COM CARTÕES Introdução: Ministrante: Márcia Azevedo Campos Saber ler

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do Componente Curricular: Matemática I Curso: Técnico de Nível Médio Integrado em Mineração Série/Período: 1º ano Carga Horária: 4 a/s - 160 h/a - 133

Leia mais

União... matrimonial?

União... matrimonial? Reforço escolar M ate mática União... matrimonial? Dinâmica 1 3ª Série 2º Bimestre DISCIPLINA SÉRIE CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 3ª Numérico Aritmético Probabilidade Aluno Primeira Etapa Compartilhar

Leia mais

EXPLORANDO OS RECURSOS DA CALCULADORA NO ENSINO FUNDAMENTAL

EXPLORANDO OS RECURSOS DA CALCULADORA NO ENSINO FUNDAMENTAL na Contemporaneidade: desafios e possibilidades EXPLORANDO OS RECURSOS DA CALCULADORA NO ENSINO FUNDAMENTAL Clarissa de Assis Olgin Prefeitura Municipal de Porto Alegre clarissa_olgin@yahoo.com.br Ilisandro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA PRODUTO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA PRODUTO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA PRODUTO DA DISSERTAÇÃO O JOGO DE PÔQUER: UMA SITUAÇÃO REAL PARA DAR SENTIDO AOS CONCEITOS

Leia mais

Formação PNAIC 2017/2018. Formadores Regionais 1º ao 3º ano

Formação PNAIC 2017/2018. Formadores Regionais 1º ao 3º ano Formação PNAIC 2017/2018 Formadores Regionais 1º ao 3º ano Objetivos Promover a interação e favorecer articulações entre formadores regionais e estaduais; Consolidar saberes referentes aos Direitos de

Leia mais

O estudo da Linguagem Matemática na sala de aula: uma abordagem através da Resolução de Problemas

O estudo da Linguagem Matemática na sala de aula: uma abordagem através da Resolução de Problemas O estudo da Linguagem Matemática na sala de aula: uma abordagem através da Resolução de Problemas Sabrina Aparecida Martins Vallilo 1 GD nº14 Resoluções de problemas Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

O Facebook como rede social de aprendizagem e ensino de língua inglesa

O Facebook como rede social de aprendizagem e ensino de língua inglesa O Facebook como rede social de aprendizagem e ensino de língua inglesa Adriena Casini da Silva Esta pesquisa foi desenvolvida no Curso de Línguas Aberto à Comunidade (CLAC), projeto de extensão voltado

Leia mais

O MOVIMENTO DE PROJÉTEIS E A SOLUÇÃO MECÂNICA DE PROBLEMAS

O MOVIMENTO DE PROJÉTEIS E A SOLUÇÃO MECÂNICA DE PROBLEMAS O MOVIMENTO DE PROJÉTEIS E A SOLUÇÃO MECÂNICA DE PROBLEMAS Luiz O. Q. Peduzzi Depto de Física UFSC Florianópolis - SC Introdução Uma atitude bastante comum entre professores que ministram disciplinas de

Leia mais

Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação

Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação CONCEPÇÕES DOS EDUCANDOS SOBRE A UTILIZAÇÃO DO LIVRO DIDÁTICO DE BIOLOGIA NA ESCOLA PÚBLICA Leandra Tamiris de Oliveira Lira-UFRPE Leonardo Barbosa

Leia mais

ENTREVISTA PROF. DR ELIO CARLOS RICARDO 1

ENTREVISTA PROF. DR ELIO CARLOS RICARDO 1 ENTREVISTA PROF. DR ELIO CARLOS RICARDO 1 Livre-docente de Ensino de Ciências e Matemática, Faculdade de Educação da USP. Entrevista concedida à TV SENAI/SC por ocasião de Formação continuada, no âmbito

Leia mais

CONCEITO DE VETOR - ENTENDIMENTO DE ACADÊMICOS DE ENGENHARIA 1. Viviane Roncaglio 2, Cátia Maria Nehring 3.

CONCEITO DE VETOR - ENTENDIMENTO DE ACADÊMICOS DE ENGENHARIA 1. Viviane Roncaglio 2, Cátia Maria Nehring 3. CONCEITO DE VETOR - ENTENDIMENTO DE ACADÊMICOS DE ENGENHARIA 1 Viviane Roncaglio 2, Cátia Maria Nehring 3. 1 Trabalho de Pesquisa desenvolvido no Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação nas Ciências.

Leia mais

Ariane da Silva Landgraf Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Ariane da Silva Landgraf Universidade Tecnológica Federal do Paraná EXPERIÊNCIA DE UMA AULA DE MATEMÁTICA BASEADA NA AUTONOMIA SEGUNDO PAULO FREIRE Tiago Ponciano Antunes Universidade Tecnológica Federal do Paraná tiago_ponciano27@hotmail.com Ariane da Silva Landgraf Universidade

Leia mais

CUBO MÁGICO: uma estratégia pedagógica utilizada nas aulas de matemática 1

CUBO MÁGICO: uma estratégia pedagógica utilizada nas aulas de matemática 1 CUBO MÁGICO: uma estratégia pedagógica utilizada nas aulas de matemática 1 Renata Cleiton Piacesi Corrêa 2 ; Vitoria Cardoso Batista 3 INTRODUÇÃO O ensinar e aprender a matemática nas salas de aula da

Leia mais

Diego Aparecido Maronese Matemática. Íria Bonfim Gaviolli Matemática

Diego Aparecido Maronese Matemática. Íria Bonfim Gaviolli Matemática Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Tipo do produto: Plano de Aula 1 IDENTIFICAÇÃO SUBPROJETO MATEMÁTICA/FECEA:

Leia mais

Como e quando os alunos utilizam o conceito de proporcionalidade Lúcia A. de A. Tinoco

Como e quando os alunos utilizam o conceito de proporcionalidade Lúcia A. de A. Tinoco Como e quando os alunos utilizam o conceito de proporcionalidade Lúcia A. de A. Tinoco A seguir temos o relato de uma experiência realizada com alunos da 7 a série trabalhando a noção de proporção e apresentando

Leia mais