Conhecimento e Práticas em Saúde Bucal Entre Usuários de Serviços Odontológicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conhecimento e Práticas em Saúde Bucal Entre Usuários de Serviços Odontológicos"

Transcrição

1 ISSN DOI: 0.03/ Cohecimeto e Práticas em Saúde Bucal Etre Usuários de Serviços Odotológicos Kowledge ad Oral Health Practices amog Detal Service Users Juliaa Aparecida de Campos LAWDER I Yasmie Bitecourt Emilio MENDES II Leila Cristia da SILVA II Daielle Kari D. ANDRADE II Luciaa Mikete ROCHA II Tatiaa Mattos ROGALLA II Cristia Berger FADEL III Márcia Helea BALDANI IV I Especialista em Saúde Coletiva pela Potifícia Uiversidade Católica do Paraá (PUC-PR), Curitiba/PR, Brasil. II Cirurgião-detista, graduada pela Uiversidade Estadual de Pota Grossa, Pota Grossa/PR, Brasil. III Mestre em Odotologia Social. Professora do Departameto de Odotologia da Uiversidade Estadual de Pota Grossa, Pota Grossa/PR, Brasil. IV Doutora em Saúde Pública. Professora do Departameto de Odotologia da Uiversidade Estadual de Pota Grossa, Pota Grossa/PR, Brasil. RESUMO Objetivo: Avaliar o cohecimeto e práticas em saúde bucal dos pacietes que procuram atedimeto o Curso de Odotologia da Uiversidade Estadual de Pota Grossa/PR, Brasil. Método: A amostra do tipo ão-probabilística compreedeu 200 pacietes que foram atedidos o período etre março e juho de As iformações foram coletadas por meio de um questioário semi-estruturado, cotedo pergutas relativas à capacidade de eumerar algus problemas bucais; cohecimeto sobre a etiologia e preveção da cárie detária; utilização de flúor; além da autopercepção das codições de saúde bucal e cuidados com os detes. Os dados foram aalisados com o uso do software SPSS.0 e os resultados descritos por freqüêcias absolutas e relativas. Para idetificar difereças sigificativas etre os grupos de pacietes utilizou-se o teste do Qui-quadrado. Resultados: A população foi composta predomiatemete por adultos, mulheres, com baixa escolaridade. A maioria dos idivíduos revelou cohecimeto sobre as pricipais patologias bucais, especialmete a cárie detária (60), a qual, para 7 dos etrevistados, pode ser evitada através do auto-cuidado. No etato, aproximadamete 3 ão revelou cohecimetos sobre cárie ou flúor, sedo que 37 ão acredita que os detes possam permaecer a cavidade bucal por toda a vida. Apeas 7, dos etrevistados associaram cárie com dieta alimetar. Verificou-se que uma percepção de pior saúde bucal está associada sigificativamete com o relato de preseça de cárie (p = 0,003). Coclusão: A maior parte da população possui cohecimetos sobre as codições bucais, e os meios para sua preveção e cotrole. No etato, idivíduos com meor escolaridade parecem ão estar sedo alcaçados pelas iformações dispoíveis, havedo a ecessidade de programas de educação em saúde voltados para este grupo populacioal. ABSTRACT Objective: To assess the kowledge ad oral health practices amog patiets attedig the Detal School of Pota Grossa State Uiversity, PR, Brazil. Method: The o-probabilistic sample icluded 200 patiets that came for detal treatmet betwee March ad Jue The data were collected usig a previously tested ad validated semistructured questioaire, arguig o the ability to specify some oral problems; kowledge of etiology ad prevetio of caries disease; fluoride use; ad self-perceptio of oral health coditios ad detal care. The data were aalyzed usig the SPSS.0 software ad the results were described as relative ad absolute frequecies. The chi-square test was used to idetify statistically sigificat differeces betwee the patiet groups. Results: The populatio cosisted maily of adult wome with low level of educatio. Most idividuals ackowledged the mai oral pathologies, especially detal caries (60), which, accordig to 7 of the iterviewees, ca be avoided by oral self-care. However, approximately 3 of the subjects did ot have ay kowledge of caries disease or fluoride use, ad 37 did ot believe that the teeth ca remai i the oral cavity util the ed of life. Oly 7. of the participats associated detal caries with diet. It was observed that worse oral health perceptio was sigificatly associated to the presece of caries (p = 0.003). Coclusio: The great majority of the study populatio kows about oral health coditios ad is aware of prevetio ad cotrol measures. However, idividuals with lower educatioal level seem to be out of the reach of the available iformatio ad health educatio programs directed to these people are required. DESCRITORES Saúde bucal; Educação em saúde bucal; Cárie detária. DESCRIPTORS Oral Health; Health Educatio, Detal; Detal Caries. Pesq Bras Odotoped Cli Itegr, João Pessoa, (3):32-326, set./dez

2 INTRODUÇÃO A cárie detária é a patologia mais comum da cavidade bucal, possuido etiologia complexa e multifatorial, que iclui microbiota, dieta, hospedeiro, além de fatores coadjuvates como socioecoômicos e ambietais. Embora os beefícios das mudaças de hábitos (higiee e dieta) sejam cohecidos pelo cirurgiãodetista, as iformações sobre saúde bucal aida são pouco divulgadas etre a população em geral. O que se verifica é que as atitudes relacioadas à saúde bucal são fortemete iflueciadas por valores, creças e práticas populares. Estudo prévio idetificou que o valor positivo que as pessoas etrevistadas atribuíam aos detes ão se refletia em boas práticas de saúde bucal, as quais eram iflueciadas pela creça popular de que ada poderia ser feito para modificar o fato de que os detes ão permaecem a cavidade bucal por toda a vida 2. Sabe-se que o ser humao molda seus hábitos, comportametos e atitudes coforme um cojuto de percepções sociais, sedo que estas eglobam suas creças, valores e expectativas 3. Sob este aspecto torase importate que o idivíduo coheça as patologias que acometem a cavidade bucal, bem como que se desevolva a percepção de risco de adoecimeto. Esta percepção de risco poderia ser defiida como sedo a habilidade de iterpretar uma situação de potecial dao à saúde ou à vida da pessoa, ou de terceiros, baseada em experiêcias ateriores e sua extrapolação para um mometo futuro, habilidade esta que varia de uma vaga opiião a uma firme covicção. Portato, é importate o esclarecimeto da população sobre o processo saúde-doeça bucal, efatizado a possibilidade de iterveção precoce e de cotrole dos problemas de saúde, os quais poderiam evitar ou miimizar tratametos restauradores e reabilitadores, uma vez que estes ão são capazes de restituir pleamete a saúde bucal. As atividades de educação em saúde mostram-se importates, a medida em que sua atuação possa, por meio da trasmissão de iformações e cohecimetos, cotribuir para a capacitação da população para a melhoria de sua saúde bucal,6. Uma vez educados e motivados os idivíduos torar-se-iam receptivos e cooperadores para com as medidas prescritas 7,. Para que as ações educativas possam realmete alcaçar seus objetivos é importate que sejam cohecidos os coceitos e atitudes sobre saúde bucal expressos pela população-alvo. A compreesão de saúde e doeça como feômeos sociais e biológicos vividos culturalmete demada o cohecimeto dos valores, atitudes e creças do grupo para o qual as ações de preveção, tratameto e/ou plaejameto serão direcioadas 9. Ações voltadas à educação em saúde, com êfase a autopercepção e auto-proteção, deveriam ser mais exploradas Diate do exposto, este estudo avaliou o cohecimeto popular e as práticas de saúde bucal dos pacietes atedidos o Curso de Odotologia da Uiversidade Estadual de Pota Grossa. METODOLOGIA Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Uiversidade Estadual de Pota Grossa/ UEPG (Parecer 23/2006). Foi realizado um estudo exploratório, com uma amostra de coveiêcia evolvedo os pacietes adolescetes e adultos que aguardavam a realização da triagem para o atedimeto odotológico, o período de março a juho de 2006, sedo icluídos os idivíduos que aceitaram participar e assiaram o Termo de Cosetimeto Livre e Esclarecido. As etrevistas foram realizadas por quatro pesquisadores previamete calibrados, utilizado um istrumeto semi-estruturado, evolvedo diversas dimesões do cohecimeto e práticas cotidiaas em saúde bucal, o qual foi orteado com base a literatura, sedo que o mesmo foi aida submetido à pré-teste para validação. O roteiro cotiha questões relativas à capacidade de eumerar algus problemas bucais; cohecimeto sobre a etiologia e preveção da cárie detária; utilização de flúor; além da autopercepção das codições de saúde bucal e cuidados a serem observados para que os detes permaeçam a cavidade bucal por toda a vida. Os dados coletados foram descritos por meio da estatística descritiva (freqüêcias absolutas e relativas). O teste do Qui-quadrado, com ível de sigificâcia de, foi utilizado a fim de verificar a associação etre as variáveis. A aálise dos dados foi processada pelo software SPSS for Widows versão.0 (SPSS Ic. Headquarters, Chicago, Illiois). RESULTADOS A amostra foi composta predomiatemete por adultos etre 20 e 9 aos de idade, mulheres, com baixa escolaridade, e reda familiar mesal etre 3 e salários míimos (Tabela ). A maioria dos idivíduos revelou cohecimeto sobre as pricipais patologias bucais (Tabela 2), sedo que a mais citada foi a cárie detária, seguida de gegivite e câcer bucal. No etato, pessoas (3,) ão souberam eumerar ehuma patologia, sedo que as meores proporções ocorreram etre os idivíduos com maior escolaridade (p = 0,00) e adultos (p = 0,002). Pesq Bras Odotoped Cli Itegr, João Pessoa, (3):32-326, set./dez. 200

3 Tabela. Distribuição da população estudada quato às características sócio-demográficas. Variável Idade 9 aos ou meos 20, 20 a 9 aos aos ou mais 3 7, Sexo Masculio 7 3, Femiio 29 6, Escolaridade Não estudou, fudametal icompleto 36,0 Fudametal completo/médio icompleto 9 7,0 Médio completo/superior 70 3,0 Reda mesal familiar 0 a salários míimos 29, a 3 salários míimos 99 0, Mais de 3 salários míimos 6 3, ,0 Tabela 2. Distribuição quato ao cohecimeto sobre problemas da boca e percepção sobre a própria saúde bucal. Quais os problemas da boca que você cohece? Cárie Gegivite Câcer Tártaro Afta, ferida Mau hálito Cisto, ifecção, caal, escurecimeto Placa, saburra Dor de dete Maloclusão (dete torto) Periodotite, piorréia, problemas a raiz Doeças cotagiosas (herpes, sapiho) Ausêcia de dete, falta de tratameto (exodotia, prótese) Hiperplasia, ichaço, tumores Como está a saúde da sua boca? Boa Regular Ruim Péssima Precisado de tratameto, em tratameto ,0 30, 2,0,0 3, 0,0 0,0,,,0 3, 26,0 3,0 9,0 3, 7, 3,0 00,0 A prevalêcia de cárie auto-referida foi alta, com 7 dos idivíduos afirmado possuírem detes afetados (Tabela 3). A maioria dos etrevistados respodeu que a cárie detária pode ser evitada por meio do autocuidado, pricipalmete através da escovação, e de visitas ao cirurgião-detista. Porém, 3 delas demostraram ão saber o que é a cárie, com associação iversamete proporcioal à escolaridade (p = 0,00). A maior parte dos idivíduos idetificou o papel do flúor (Tabela ), tato para evitar e preveir as cáries, quato para proteger e fortalecer os detes, sedo que ão soube respoder. Tabela 3. Distribuição quato ao cohecimeto e práticas relativas à cárie detária. Você tem cárie? 7 3 9,0 6 3,0 Sim Não Não tem detes O que é cárie? Dete estragado, poto preto, sujeira o dete, buraco o dete, dete podre Bicho o dete, bactérias, germes, vírus Falta de cuidados, higiee, escovação Dor o dete Tártaro Desgaste o dete O que fazer para ão ter cárie? Escovar os detes Cuidados com os detes Ir ao detista Usar fio detal Usar flúor Não comer muito doces Fazer tratameto os detes Usar exaguatório, bochechos Ode existe flúor? Pasta de dete Farmácia, mercado Água Detista Escolas Exaguatórios, bochechos Posto de saúde Nos detes Alimetos Para que serve o flúor? Evitar, preveir as cáries Proteger, fortalecer os detes Combater as bactérias Limpar os detes Para mal-hálito Para fazer bochechos Tratar os detes Clarear os detes Você usa o flúor? Sim Não Como usa o flúor? Pasta de dete Exaguatório, bochechos Água Detista , 3,0 3,0, 7, 3,0 7, 3,0 26,,,0 7,,,0, Tabela. Distribuição quato ao cohecimeto e utilização de flúor. 29, 2, 3, 0,0,0 3, 0, 3,,0 3 30,0,0,0, 0, 00,0 3 20,,0 0, Pesq Bras Odotoped Cli Itegr, João Pessoa, (3):32-326, set./dez

4 O detifrício foi a fote de flúor mais citada, seguido das soluções para bochechos e 3, idicaram a água de beber como fote de flúor. Na Tabela observa-se que 3 dos etrevistados acreditam que os detes ão permaecem a cavidade bucal por toda a vida. Este fato esteve associado à meor escolaridade, com maior freqüêcia etre os idivíduos que possuem esio fudametal ou médio icompleto (p = 0,0). Não foram idetificadas difereças sigificativas quato ao cohecimeto sobre durabilidade dos detes, cárie detária ou utilização de flúor etre grupos de idivíduos que relataram possuir e ão possuir cárie detária, porém ocorreu difereça a auto-percepção da codição de saúde bucal, com um úmero maior de pessoas do grupo sem cárie percebedo-a como boa (,3), em relação ao grupo com cárie (20,6) (Tabela 6). Tabela. Distribuição quato à cocepção de durabilidade dos detes. Os detes permaecem a boca por toda vida? 26 63,0 7 37,0 Sim Não Para que permaeçam, depede de que? Cuidado com os detes Escovar os detes Ir ao detista Tratar os detes Os detes caem Usar fio detal ,,,,,0 0, 3,0 Tabela 6. Distribuição quato à preseça ou ão de cárie detária, segudo percepção de saúde bucal, cohecimetos e práticas relacioadas aos detes. Pergutas* Com cárie Sem cárie Como está a saúde da sua boca? (p = 0,003) Boa 20,6,3, Regular 2 39, ,3 Ruim 2 2,37,3 32 9,2 Péssima 2,32 3,7 6, ,0 3 00, ,0 Detes permaecem a boca por toda a vida? (p = 0,7) Sim 9 6, ,9 6,62 Não 3, , 7 3,3 9 00, ,00 00,00 O que fazer para ão ter cárie? É preciso escovar os detes. (p = 0,03) Sim 0 7,3 30, ,7 Não 36 2,66, , , , ,00 Você usa flúor? (p = 0,69) Sim 7 0,3 20 7, 9,6 Não 73 9,66 2,6,3 7 00,0 3 00,0 2 00,0 DISCUSSÃO A distribuição dos idivíduos deste estudo, quato à escolaridade, reda e o maior úmero de idivíduos do sexo femiio foram semelhates a outros trabalhos,6. Verificou-se que existe um grupo de idivíduos, pricipalmete os de meor escolaridade, que ão apresetam cohecimetos a respeito dos problemas bucais (Tabelas 2 e 3), resultado que cocorda com com estudo previamete descrito. Este fato idica que os programas educativos, bem como as iformações dispoíveis os diversos espaços sociais, provavelmete ão são acessíveis a todos, havedo a ecessidade de programas educativos com coteúdo e liguagem adequados que busquem cotemplar essa faixa da população. A idetificação precoce das lesões cariosas, bem como o cohecimeto de seus fatores de risco, são importates para sua preveção. Verificou-se, este estudo, que, dos etrevistados associaram cárie com 32 o seu estágio mais avaçado (dete estragado, poto preto, sujeira o dete, buraco o dete, dete podre), cocordado com a literatura, 2. Este padrão de resposta reflete que a doeça parece ser associada, pricipalmete, com sesações como dor, sofrimeto, ivasão 2. A percepção da codição bucal e a importâcia dada a ela codicioam o comportameto do idivíduo, sedo que, a maioria das vezes, a razão para as pessoas ão procurarem o atedimeto odotológico é a ão idetificação de suas ecessidades 0. Apesar de grade parte dos etrevistados cosiderarem sua saúde bucal boa ou regular (Tabela 2), quado questioados sobre a preseça ou ão de cárie, apeas um úmero reduzido deles (9) se declararam livres da doeça. Com relação à percepção da própria saúde bucal, achados a literatura idicam que esta ão está relacioada com a idetificação da preseça da doeça, mas sim com a preseça de dor e descoforto 0,3. Reforçado esta afirmação idetificou-se difereça sigificativa (p = 0,003), quato à percepção de Pesq Bras Odotoped Cli Itegr, João Pessoa, (3):32-326, set./dez. 200

5 pior saúde bucal o grupo de idivíduos que relatou apresetar cárie detária em relação ao grupo que reportou ão apresetar a doeça. Para a maioria das pessoas, a cárie detária pode ser evitada por meio do auto-cuidado, pricipalmete através da escovação e de visitas ao cirurgião-detista, características semelhates a achados prévios. Quato às causas da doeça, o fato de ão escovar os detes ou escová-los iadequadamete foi mecioado por,9 das pessoas, resultado equivalete à literatura. Quato a este aspecto, apesar da grade êfase dada à preveção da cárie detal, atribui-se, ormalmete, maior destaque à higiee bucal e egligecia-se o papel dos outros fatores etiológicos evolvidos, como a dieta e a atuação dos microrgaismos. Um fator importate para o desevolvimeto da cárie é a dieta alimetar. Neste trabalho a dieta assumiu um papel secudário, sedo que apeas 7, citaram que ão comer muito doce seria importate para evitar a doeça. O cosumo de alimetos adoçados é iflueciado por uma variedade de fatores biológicos, psicológicos, sociais e ambietais. Possivelmete, a associação etre a igestão de açúcar e cárie esteja relacioada com aspectos culturais, uma vez que os doces são socialmete aceitáveis e estão ligados a demostrações de afeto, fatos que competem com as mesages educacioais relacioadas ao cosumo de açúcar e saúde bucal. Para 3 dos idivíduos, a perda detária é ievitável e os detes ão duram toda a vida. Outras pesquisas idetificaram esta aturalização da cárie 2 e da perda detária, a qual poderia ser explicada pelo fato de as doeças bucais mais freqüetes (cárie e doeça periodotal) ão serem letais e pela creça de que são comus a todos os seres humaos 2. Tal fato pode ser atribuído à prática odotológica tradicioal, caracterizada a êfase curativa e mutiladora, a qual costitui a vivêcia cocreta da maioria das pessoas com relação aos cuidados em saúde bucal. A percepção de perda ievitável dos detes idica a ecessidade de programas de saúde que cosiderarem a importâcia da desmistificação da perda detária como uma fatalidade ou como fato ievitável, ou até mesmo irrelevate para o bem-estar geral,2. De outra forma, as medidas prevetivas ão teriam setido, sob a ótica da população. O papel do flúor foi idetificado pela maioria dos pesquisados, sedo suas pricipais ações a preveção da cárie, a proteção e o fortalecimetos dos detes. Os detifrícios foram a fote mais citada de flúor, seguidos das soluções para bochechos. Estes achados codizem com a itesiva divulgação dos detifrícios a mídia, e com a utilização costate de bochechos fluoretados por criaças as escolas, o que faz com que estes meios sejam os mais amplamete recohecidos. Pesquisa aterior revelou que apeas dos etrevistados declararam que utilizavam flúor através da água, sedo que, este estudo, 3, dos etrevistados idetificaram a água de beber como fote de flúor e dos que declararam utilizarem flúor afirmaram que isto se dava através da água. Não se pode descartar, quato a este resultado ecotrado, que uma maior divulgação de iformações sobre as fotes de flúor para a população ocorra atualmete, devido ao icremeto da percepção da ecessidade de preveção da fluorose detária por parte dos profissioais da área odotológica. CONCLUSÃO A maioria da população estudada possui cohecimetos sobre as codições bucais, como a cárie detária, e os pricipais meios para sua preveção e cotrole. Observou-se aida que a perda detária é cosiderada como atural por boa parte dos idivíduos, além da existêcia de pessoas que ão têm acesso às iformações dispoíveis, pricipalmete os idivíduos com meor escolaridade. Estes achados idicam a ecessidade de programas e políticas de educação em saúde que sejam direcioados para este grupo populacioal. REFERÊNCIAS. Ferreira JMS. Cohecimeto de aluos cocluites de Pedagogia sobre saúde bucal. Iterface 200; 9(7): Misrachi CL, Sáez MS. Valores, creecias y practicas populares e relació a la salud oral. Cuad Méd Soc 99; 30: Campos EP. A doeça como expressão do processo de socialização. Rev Bras Med Psicossom 967; (2): Wiedema PM. Itroductio risk perceptio ad risk commuicatio. Jülich: Programme Group Humas Eviromet, Techology (MUT)/Research Cetre Jülich, Ufer B, Saliba O. Avaliação do cohecimeto popular e práticas cotidiaas em saúde bucal. Rev Saúde Pública 2000; 3(2): Frazão P, Marques DSC. Ifluêcia de agetes comuitários de saúde a percepção de mulheres e mães sobre cohecimetos de saúde bucal. Ciêcia & Saúde Coletiva 2006; (): Satos PA, Rodrigues JA, Garcia PPNS. Cohecimeto sobre a preveção de cárie e doeça periodotal e comportameto de higiee bucal de professores de esio fudametal. Ciec Odotol Bras 2003; 6(): Medeiros MID, Medeiros LADM, Almeida RVD, Padilha WWN. Cohecimeto e atitudes de professores de esio fudametal sobre saúde bucal: um estudo qualitativo. Pesq Bras Odotoped Cli Itegr 200; (2): Miayo MCS. O desafio do cohecimeto: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, Silva SRC, Ferades RAC. Autopercepção das codições de saúde bucal por idosos. Rev Saúde Pública 200; 3():-0.. Lee C, Rezaiamira N, Jeffcott E, Oberg D, Domoto P, Weistei P. Teachig parets at WIC cliics to examie their hegh caries-risk babies. ASDC J Det Child 99; 6(-6): Bardal PAP, Olympio KPK, Valle AAL, Tomita NE. Cárie detária em criaças como feômeo atural ou patológico: êfase a abordagem qualitativa. Ciêc Saúde Coletiva 2006; ():6-7. Pesq Bras Odotoped Cli Itegr, João Pessoa, (3):32-326, set./dez

6 3. Bortoli D, Locatelli FA, Fadel CB, Baldai MH. Associação etre percepção de saúde bucal e idicadores clíicos e subjetivos: estudo em adultos de um grupo de educação cotiuada da terceira idade. Publicatio 2003; 3-:-6.. Flores EMTL, Drehmer TM. Cohecimetos, percepções, comportametos e represetações de saúde e doeça bucal dos adolescetes de escolas públicas de dois bairros de Porto Alegre. Ciêcia & Saúde Coletiva 2003; (3): Freire MCM, Soares FF, Pereira MF. Cohecimetos sobre saúde detal, dieta e higiee bucal de criaças atedidas pela Faculdade de Odotologia da Uiversidade Federal de Goiás. J Bras Odotopediatr Odotol Bebê 2002; (2):9-9. Recebido/Received: /0/0 Revisado/Reviewed: 2/06/0 Aprovado/Approved: 0/07/0 Correspodêcia/Correspodece: Juliaa Aparecida de Campos Lawder Rua Marechal Deodoro, 32/Apto. 32 Cetro Pota Grossa/PR CEP: Pesq Bras Odotoped Cli Itegr, João Pessoa, (3):32-326, set./dez. 200

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Simone de Melo COSTA I Suely de Lima BRAGA II Mauro Henrique Nogueira Guimarães de ABREU III Paulo Rogério Ferreti BONAN IV

Simone de Melo COSTA I Suely de Lima BRAGA II Mauro Henrique Nogueira Guimarães de ABREU III Paulo Rogério Ferreti BONAN IV ISSN - 1519-0501 DOI: 10.4034/1519.0501.2008.0082.0014 Avaliação da Comprovação de Documetos Emitidos Durate o Atedimeto Odotológico e do Arquivameto das Radiografias os Protuários de Saúde da Uimotes,

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Uiversidade Federal de Mias Gerais Istituto de Ciêcias Exatas Departameto de Estatística Associação etre Variáveis Qualitativas - Teste Qui-Quadrado, Risco Relativo e Razão das Chaces (Notas de Aula e

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA RESUMO

EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA RESUMO EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA 9 ORIGINAL EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA HEALTH AND NUTRITION EDUCATION IN JOÃO PESSOA,, PAR ARAÍBA AÍBA,, BRAZIL Roberto Teixeira LIMA

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Conhecimentos de adolescentes sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis: subsídios para prevenção

Conhecimentos de adolescentes sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis: subsídios para prevenção Artigo Origial Cohecimetos de adolescetes sobre Doeças Sexualmete Trasmissíveis: subsídios para preveção Teeagers kowledge of Sexually Trasmitted Diseases: strategies for prevetio Coocimietos de adolescetes

Leia mais

O uso de questionários em trabalhos científicos

O uso de questionários em trabalhos científicos 1. Itrodução O uso de questioários em trabalhos cietíficos Um questioário é tão somete um cojuto de questões, feito para gerar os dados ecessários para se verificar se os objetivos de um projeto foram

Leia mais

A saúde bucal de adolescentes: aspectos de higiene, de cárie dentária e doença periodontal nas cidades de Recife, Pernambuco e Feira de Santana, Bahia

A saúde bucal de adolescentes: aspectos de higiene, de cárie dentária e doença periodontal nas cidades de Recife, Pernambuco e Feira de Santana, Bahia 55 A saúde bucal de adolescetes: aspectos de higiee, de cárie detária e doeça periodotal as cidades de Recife, Perambuco e Feira de Sataa, Bahia Oral health amog adolescets: aspects relatig to hygiee,

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: Universidade Federal da Paraíba Brasil

Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: Universidade Federal da Paraíba Brasil Pesquisa Brasileira em Odotopediatria e Clíica Itegrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Uiversidade Federal da Paraíba Brasil Aparecida de Campos LAWDER, Juliaa; Bitecourt Emilio MENDES, Yasmie; SILVA,

Leia mais

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL CHARLES THIBES SARMENTO RESUMO Tecioa-se aalisar a regressão múltipla como auxílio às políticas istitucioais as pesquisas

Leia mais

Cárie dentária em crianças menores de cinco anos na cidade de Teresina - PI

Cárie dentária em crianças menores de cinco anos na cidade de Teresina - PI REVISTA DE ODONTOLOGIA DA UNESP ARTIGO ORIGINAL Rev Odotol UNESP, Araraquara. maio/ju., 2010; 39(3): 143-149 2010 - ISSN 1807-2577 Cárie detária em criaças meores de cico aos a cidade de Teresia - PI Marcoeli

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Comparação da vulnerabilidade de estudantes da escola pública e particular em relação ao HIV

Comparação da vulnerabilidade de estudantes da escola pública e particular em relação ao HIV Comparação da vulerabilidade de estudates da escola pública e particular em relação ao HIV HIV vulerability compariso betwee public ad private high school studets Brigido Vizeu CAMARGO 1 Raquel Boh BERTOLDO

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Prevalência de diabetes mellitus em pacientes renais crônicos sob hemodiálise em Porto Alegre, Brasil

Prevalência de diabetes mellitus em pacientes renais crônicos sob hemodiálise em Porto Alegre, Brasil Artigo Origial Origial Article Prevalêcia de diabetes mellitus em pacietes reais crôicos sob hemodiálise em Porto Alegre, Brasil Prevalece of diabetes mellitus i chroic real failure patiets uder haemodialysis

Leia mais

Avaliação das Condições Estomatológicas de Pacientes Portadores de Hidrocefalia Congênita

Avaliação das Condições Estomatológicas de Pacientes Portadores de Hidrocefalia Congênita ISSN - 59-5 DOI:.44/59.5.28.8.4 Avaliação das Codições Estomatológicas de Pacietes Portadores de Hidrocefalia Cogêita Evaluatio of the Stomatological Coditios of Patiets with Cogeital Hydrocephaly Maria

Leia mais

ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALANÇO DE ONDAS LONGAS EM PIRACICABA, SP

ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALANÇO DE ONDAS LONGAS EM PIRACICABA, SP ESTIMATIVA DA EMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA E DO BALAÇO DE ODAS LOGAS EM PIRACICABA, SP Kare Maria da Costa MATTOS (1) ; Marcius Gracco Marcoi GOÇALVES (1) e Valter BARBIERI () (1) Aluos de Pós-graduação em

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milena de Souza

A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milena de Souza A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milea de Souza INTRODUÇÃO Um dos problemas causados pelo aumeto do processo de urbaização é a falta de seguraça, o qual limitou os espaços

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/2014 -

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/2014 - CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/014 - ESTE CADERNO DE PROVAS DESTINA-SE AOS CANDIDATOS AOS SEGUINTES CARGOS: Auxiliar de Saúde Soldador

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Educação integral e(m) tempo integral: Espaços no Programa Bairro-Escola, Nova Iguaçu RJ

Educação integral e(m) tempo integral: Espaços no Programa Bairro-Escola, Nova Iguaçu RJ UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Cetro de Ciêcias Humaas e Sociais CCH Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação Educação itegral e(m) tempo itegral: Espaços o Programa Bairro-Escola,

Leia mais

Jamile Marinho Bezerra de Oliveira 1 ; Lígia Oliveira Pinto 2 ; Nara Grazieli Martins Lima 2 ; Gilmara Celli Maia de Almeida 3

Jamile Marinho Bezerra de Oliveira 1 ; Lígia Oliveira Pinto 2 ; Nara Grazieli Martins Lima 2 ; Gilmara Celli Maia de Almeida 3 Artigo Origial Percepção dos Acadêmicos sobre o Câcer de Boca Artigo submetido em 31/1/13; aceito para publicação em 18/3/13 Câcer de Boca: Avaliação do Cohecimeto de Acadêmicos de Odotologia e Efermagem

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Eficácia de um programa de promoção da saúde em infantes de pré-escola na cidade de Anápolis, Goiás

Eficácia de um programa de promoção da saúde em infantes de pré-escola na cidade de Anápolis, Goiás 1891 Eficácia de um programa de promoção da saúde em ifates de pré-escola a cidade de Aápolis, Goiás Effectiveess of a health promotio i pre-school ifats program i the city of Aápolis, Goiás State TEMAS

Leia mais

1 Departamento de Saúde. Núcleo de Estudos e Pesquisas na

1 Departamento de Saúde. Núcleo de Estudos e Pesquisas na A RTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ART I C L E S Uso do cartão da criaça em Feira de Sataa, Bahia C h i l d re's care cards use i Feira de Sataa, Bahia Graciete Oliveira Vieira 1 TatiaadeOliveiraVieira2 Maria

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. MATEMÁTICA & EDUCAÇÃO: Uma Proposta Pedagógica no Ensino do Cálculo FERNANDA LAUREANO DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. MATEMÁTICA & EDUCAÇÃO: Uma Proposta Pedagógica no Ensino do Cálculo FERNANDA LAUREANO DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS MATEMÁTICA & EDUCAÇÃO: Uma Proposta Pedagógica o Esio do Cálculo FERNANDA LAUREANO DA SILVA FERNANDA LAUREANO DA SILVA MATEMÁTICA & EDUCAÇÃO: Uma Proposta Pedagógica

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Perfil socioeconômico dos idosos de Florianópolis: Análise comparativa dos estudos Perfil do Idoso 2002 e EpiFloripa Idoso 2009

Perfil socioeconômico dos idosos de Florianópolis: Análise comparativa dos estudos Perfil do Idoso 2002 e EpiFloripa Idoso 2009 DOI: 10.1590/1415-790X201400010015 Artigo origial / Origial Article Perfil socioecoômico dos idosos de Floriaópolis: Aálise comparativa dos estudos Perfil do Idoso 2002 e EpiFloripa Idoso 2009 Socioecoomic

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

Motivos de abandono do tratamento antirrábico humano pós-exposição em Porto Alegre (RS, Brasil)

Motivos de abandono do tratamento antirrábico humano pós-exposição em Porto Alegre (RS, Brasil) 57 Motivos de abadoo do tratameto atirrábico humao pós-exposição em Porto Alegre (RS, Brasil) Abado reasos of post-exposure huma ati-rabies treatmet i Porto Alegre (RS, Brazil) ARTIGO ARTICLE Rejae Dias

Leia mais

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA MARIANO YOSHITAKE Adelmo Ferado Ribeiro Schidler Júior Adriao Moitiho Pito Iracema Raimuda Brito das Neves Aselmo Teixeira Motes Resumo: O objetivo

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PÓS-CIRÚRGICOS DE TUMORES MALIGNOS DA CABEÇA E PESCOÇO

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PÓS-CIRÚRGICOS DE TUMORES MALIGNOS DA CABEÇA E PESCOÇO QUALIDADE DE VIDA 523 QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PÓS-CIRÚRGICOS DE TUMORES MALIGNOS DA CABEÇA E PESCOÇO QUALITY OF LIFE IN TREATED PATIENTS OF HEAD AND NECK CANCER Iara Bittate de OLIVEIRA 1 Beatriz

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Carga de doença por sífilis congênita em Santa Catarina, 2009* doi: 10.5123/S1679-49742014000400018

Carga de doença por sífilis congênita em Santa Catarina, 2009* doi: 10.5123/S1679-49742014000400018 Nota de pesquisa Carga de doeça por sífilis cogêita em Sata Cataria, 2009* doi: 10.5123/S1679-49742014000400018 Burde of disease due to cogeital syphilis i Sata Cataria State, Brazil, 2009 Karolie Bu Borba

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas.

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas. THE 9 th LATIN-AMERICAN CONGRESS ON ELECTRICITY GENERATION AND TRANSMISSION - CLAGTEE 2011 1 A ifluêcia dos fatores humaos os idicadores de O&M das usias termelétricas. Maria Alice Morato Ribeiro (1) (e-mail:

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DE GINÁSTICA LABORAL PELOS FUNCIONÁRIOS DE UM HOSPITAL PÚBLICO

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DE GINÁSTICA LABORAL PELOS FUNCIONÁRIOS DE UM HOSPITAL PÚBLICO AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DE GINÁSTICA LABORAL PELOS FUNCIONÁRIOS DE UM HOSPITAL PÚBLICO EVALUATION OF THE PRACTICAL OF LABOR GYMNASTICS FOR THE EMPLOYEES OF A PUBLIC HOSPITAL EVALUACIÓN DE LA PRÁCTICA DE GIMNASIA

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Apoio à amamentação no puerpério imediato Support to breast-feeding in the early puerperium

Apoio à amamentação no puerpério imediato Support to breast-feeding in the early puerperium Rev Ist Ciêc Saúde 2007; 25(3):221-8 Apoio à amametação o puerpério imediato Support to breast-feedig i the early puerperium Elaie de Jesus Pereira* Eliaa Cristia Pereira* Lucimara Ferreira da Silva* Miriam

Leia mais

Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa

Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Direito Humao à Educação Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Orgaização: Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Coordeação Editorial: Deise Carreira, Laura Bregeski Schühli e Salomão Ximees Autores:

Leia mais

Quem Apresenta Melhor Rendimento Escolar,Meninas ou Meninos?

Quem Apresenta Melhor Rendimento Escolar,Meninas ou Meninos? Quem Apreseta elhor Redimeto Escolar,eias ou eios? Lidamir Salete Casagrade arilia Gomes de Carvalho Resumo Este estudo faz parte de uma pesquisa maior que visa aalisar as relações de gêero a sala de aula

Leia mais

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP

Construção de um modelo para o preço de venda de casas residenciais na cidade de Sorocaba-SP Costrução de um modelo para o preço de veda de casas resideciais a cidade de Sorocaba-SP Recebido: 0/03/01 Aprovado: 5/09/01 Júlio César Pereira (UFSCar-SP/Brasil) - julio.pereira.ufscar@gmail.com, Rodovia

Leia mais

O perfil da violência contra crianças e adolescentes, segundo registros de Conselhos Tutelares: vítimas, agressores e manifestações de violência

O perfil da violência contra crianças e adolescentes, segundo registros de Conselhos Tutelares: vítimas, agressores e manifestações de violência 9 O perfil da violêcia cotra criaças e adolescetes, segudo registros de Coselhos Tutelares: vítimas, agressores e maifestações de violêcia The profile of violece agaist childre ad adolescets accordig to

Leia mais

Profa. Regina Maria Sigolo Bernardinelli. Estatística. Gestão Financeira / Gestão de Recursos Humanos / Logística / Marketing

Profa. Regina Maria Sigolo Bernardinelli. Estatística. Gestão Financeira / Gestão de Recursos Humanos / Logística / Marketing Profa. Regia Maria Sigolo Berardielli Estatística Gestão Fiaceira / Gestão de Recursos Humaos / Logística / Marketig REGINA MARIA SIGOLO BERNARDINELLI ESTATÍSTICA Esio a Distâcia E a D Revisão 09/008 LISTA

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E HÁBITOS SEDENTÁRIOS EM ESCOLARES NO SUL DO BRASIL PHYSICAL ACTIVITY AND SEDENTARY HABITS IN STUDENTS IN SOUTHERN BRAZIL

ATIVIDADE FÍSICA E HÁBITOS SEDENTÁRIOS EM ESCOLARES NO SUL DO BRASIL PHYSICAL ACTIVITY AND SEDENTARY HABITS IN STUDENTS IN SOUTHERN BRAZIL Recebido: 13/06/2013 Parecer emitido em: 14/07/2013 Artigo origial ATIVIDADE FÍSICA E HÁBITOS SEDENTÁRIOS EM ESCOLARES NO SUL DO BRASIL Paula Migo 1 ; Ricardo Rodrigo Rech 1,2 ; Ricardo Halper 2, 3 ; Simoa

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL Af-Revista :Layout 3/7/ :59 AM Page 39 PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO:

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O USO DE TÉCNICAS PROJETIVAS NA CONDUÇÃO DE PESQUISAS QUALITATIVAS EM MARKETING

REFLEXÕES SOBRE O USO DE TÉCNICAS PROJETIVAS NA CONDUÇÃO DE PESQUISAS QUALITATIVAS EM MARKETING Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 37 REFLEXÕES SOBRE O USO DE TÉCNICAS PROJETIVAS NA CONDUÇÃO DE PESQUISAS QUALITATIVAS EM MARKETING REFLEXÕES SOBRE O USO DE TÉCNICAS PROJETIVAS

Leia mais

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais *

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais * Aálise de Pobreza com Idicadores Multidimesioais: Uma Aplicação para Brasil e Mias Gerais * Helger Marra Lopes Paulo Brígido Rocha Macedo Aa Flávia Machado ' Palavras-chave: idicador de pobreza; pobreza

Leia mais

Aspectos de vida, trabalho e saúde de trabalhadores do setor de rochas ornamentais

Aspectos de vida, trabalho e saúde de trabalhadores do setor de rochas ornamentais 05 Aspectos de vida, trabalho e saúde de trabalhadores do setor de rochas orametais Aspects of life, work ad health amog laborers i the orametal stoe idustry TEMAS LIVRES FREE THEMES Marcela Almeida Baptistii

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS

APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGRAÇÃO TRAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS AT49-07 - CD 6-07 - PÁG.: APLICAÇÃO DO MÉTODO DE INTEGAÇÃO TAPEZOIDAL EM SISTEMAS ELÉTICOS J.. Cogo A.. C. de Oliveira IEE - EFEI Uiv. Taubaté Artigo apresetado o Semiário de Pesquisa EFEI 983 ESUMO Este

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger Tópicos de Mecâica Quâtica I Equações de Newto e de Hamilto versus Equações de Schrödiger Ferado Ferades Cetro de Ciêcias Moleculares e Materiais, DQBFCUL Notas para as aulas de Química-Física II, 010/11

Leia mais

Notas de Aula do Curso PGE950: Probabilidade

Notas de Aula do Curso PGE950: Probabilidade Notas de Aula do Curso PGE950: Probabilidade Leadro Chaves Rêgo, Ph.D. 2013.1 Prefácio Estas otas de aula foram feitas para compilar o coteúdo de várias referêcias bibliográficas tedo em vista o coteúdo

Leia mais

QUESTÃO 40 QUESTÃO 41 PROVA DE BIOLOGIA I

QUESTÃO 40 QUESTÃO 41 PROVA DE BIOLOGIA I 0 PROVA DE BIOLOGIA I QUESTÃO 40 O sedetarismo é um comportameto que, associado a fatores geéticos e dietas hipercalóricas, pode cotribuir para que um idivíduo se tore obeso ou se mateha com sobrepeso.

Leia mais

Programando em C++ Joel Saade. Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br

Programando em C++ Joel Saade. Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br Programado em C++ Joel Saade Novatec Editora Ltda. www.ovateceditora.com.br Programado em C++ Capítulo 1 Itrodução Este capítulo trata, de forma breve, a história de C e C++. Apreseta a estrutura básica

Leia mais

SEGUIMENTO DO ENFERMEIRO GRADUADO NA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP: SUA INSERÇÃO EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA

SEGUIMENTO DO ENFERMEIRO GRADUADO NA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP: SUA INSERÇÃO EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA SEGUIMENTO DO ENFERMEIRO GRADUADO NA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP: SUA INSERÇÃO EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA FOLLOWING UP OF THE NURSES GRADUATED AT THE SCHOOL OF NURSING OF THE UNIVERSITY OF SAO PAULO:

Leia mais