Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos Apresentação... 17

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 15. Apresentação... 17"

Transcrição

1 Sumário Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos Apresentação Parte I Teoria Geral das Agências Reguladoras e seu regime de pessoal Capítulo I Teoria Geral das Agências Reguladoras Organização da Administração Pública Administração Pública Direta Administração Pública Indireta Composição Características Autarquias Conceito Regime Jurídico Exemplos de autarquias Agências Reguladoras Origem Conceito e Natureza Jurídica Criação Extinção Disciplina jurídica Regime jurídico especial Atos administrativos Características das agências reguladoras Poder de polícia Agências reguladoras independentes e o controle de suas atividades Competência para julgamento de ações judiciais Causas cíveis em geral Causas envolvendo regime de pessoal Causas criminais

2 Ana Carolina de Alexandria Fernandes Lima Teoria da captura Agência executiva Agências reguladoras Agências executivas Legislação O meio para se qualificar a agência executiva Desqualificação da agência executiva Capítulo II Regime de Pessoal Lei Geral das Agências Reguladoras Lei nº de Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Art. 5º Art. 6º Art. 7º Art. 8º Art. 9º Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art

3 Sumário Art Art Art Art Art Art Art Art Parte II Agências Reguladoras em Espécie Agências Reguladoras em Espécie ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações a) Base constitucional b) Lei de criação c) Natureza jurídica d) Vinculação e) Sede f) Finalidade g) Instalação da ANATEL e seu regulamento h) Órgãos h.1) Conselho Diretor h.1.1) Competências h.1.2) Quarentena dos ex-dirigentes h.2) Conselho Consultivo h.2.1) Competências h.3) Procuradoria h.4) Corregedoria h.5) Biblioteca h.6) Ouvidoria i) Definições técnicas j) Competências k) Sanções k.1) Sanções administrativas k.2) Sanções penais l) Extinção da ANATEL ANP Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis a) Base constitucional

4 Ana Carolina de Alexandria Fernandes Lima b) Lei de criação c) Natureza jurídica d) Vinculação e) Sede f) Finalidade g) Órgãos g.1) Diretoria g.1.1) Competências g.1.2) Quarentena para o ex-diretor g.2) Procuradoria-Geral g.3) Superintendências de Processos Organizacionais h) Competências ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica a) Base constitucional b) Lei de criação c) Natureza jurídica d) Vinculação e) Sede f) Finalidade g) Órgãos g.1) Diretoria g.1.1) Competências g.1.2) Quarentena para o ex-diretor g.2) Ouvidor g.4) Superintendências de Processos Organizacionais h) Competências ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar a) Base constitucional b) Lei de criação c) Natureza jurídica d) Vinculação e) Sede f) Finalidade g) Órgãos g.1) Diretoria Colegiada g.1.1) Competências g.1.2) Perda do mandato dos dirigentes g.1.3) Quarentena para os ex-dirigentes g.2) Câmara de Saúde Suplementar g.3) Procuradoria

5 Sumário g.4) Corregedoria g.5) Ouvidoria g.6) Unidades especializadas de diferentes funções h) Competências. São competências da ANS i) Infração ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária a) Base constitucional b) Lei de criação c) Natureza jurídica d) Vinculação e) Sede f) Finalidade g) Instalação da ANVISA h) Órgãos h.1) Diretoria Colegiada h.1.1) Perda do mandato dos dirigentes h.1.2) Vedação aos dirigentes h.1.3) Quarentena para os ex-dirigentes h.1.4) Competências da Diretoria Colegiada h.2) Conselho Consultivo h.3) Procuradoria h.4) Corregedoria h.5) Ouvidoria h.6) Unidades especializadas incumbidas de diferentes funções i) Competências ANA Agência Nacional de Águas a) Base constitucional b) Lei de criação c) Natureza jurídica d) Vinculação e) Sede f) Finalidade g) Órgãos g.1) Diretoria Colegiada g.1.1) Perda do mandato dos dirigentes g.1.2) Vedação aos dirigentes g.1.3) Competência da Diretoria Colegiada g.2) Procuradoria-Geral g.3) Corregedoria h) Competências. São competências da ANA

6 Ana Carolina de Alexandria Fernandes Lima 7. ANCINE Agência Nacional do Cinema a) Base constitucional b) Ato de criação c) Natureza jurídica d) Vinculação e) Sede f) Finalidade g) Órgãos g.1) Diretoria Colegiada g.1.1) Vedação aos dirigentes g.1.2) Competência da Diretoria Colegiada g.2) Gabinete g.3) Ouvidoria-Geral g.4) Auditoria Interna g.5) Procuradoria-Geral g.6) Secretaria de Gestão Interna g.7) Superintendências h) Competências ANAC Agência Nacional de Aviação Civil a) Base constitucional b) Lei de criação c) Natureza jurídica d) Vinculação e) Sede f) Finalidade g) Instalação e regulamento da Agência h) Órgãos h.1) Diretoria h.1.1) Competências da Diretoria h.2) Procuradoria h.3) Ouvidoria h.4) Corregedoria h.5) Auditoria Interna h.6) Conselho Consultivo h.7) Superintendências h.8) Unidades Regionais especializadas i) Competências ANTT e ANTAQ Agência Nacional de Transportes Terrestres e Agência Nacional de Transportes Aquaviários

7 Sumário a) Base constitucional b) Lei de criação c) Natureza jurídica d) Vinculação e) Sede f) Finalidades g) Esferas de atuação g.1) ANTT g.2) ANTAQ h) Princípios gerais j) Órgãos j.1) ANTT j.1.1) Diretoria j.1.1.1) Perda do mandato dos dirigentes j.1.1.2) Vedações j.1.1.3) Impedimentos j.1.1.4) Quarentena para o ex-diretor j.1.2) Procuradoria-Geral j.1.3) Ouvidoria j.1.4) Corregedoria j.1.5) Auditoria Interna j.1.6) Superintendências de Processos Organizacionais j.1.7) Unidades Regionais j.2) ANTAQ j.2.1) Diretoria j.2.1.1) Perda do mandato dos dirigentes j.2.1.2) Vedações j.2.1.3) Impedimentos j.2.1.4) Quarentena para o ex-diretor j.2.2) Procuradoria-Geral j.2.3) Ouvidoria j.2.4) Corregedoria. É o órgão de fiscalização das atividades funcionais j.2.5) Auditoria Interna j.2.6) Superintendências de Processos Organizacionais j.2.7) Unidades Regionais k) Atribuições k.1) ANTT. A Lei n.º / k.2) ANTAQ

8 Ana Carolina de Alexandria Fernandes Lima ANEXOS Quadro Comparativo Geral das Principais Agências Reguladoras Federais Quadro Comparativo Dirigentes Quadros Descritivos com Referências aos Textos Legais Quadro I Prazo dos Mandatos dos Membros do Conselho Diretor Quadro II Recondução Quadro III Período de Quarentena dos Ex-dirigentes BIBLIOGRAFIA

AUTARQUIA CARGO QUANT. ESPECIAL

AUTARQUIA CARGO QUANT. ESPECIAL ANEXO I AUTARQUIA CARGO QUANT. ESPECIAL ANATEL Especialista em Regulação de Serviços Públicos de 720 Telecomunicações Técnico em Regulação de Serviços Públicos de Telecomunicações 485 Analista Administrativo

Leia mais

REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES ATIVOS ESPECIALISTAS AFINS DO GOVERNO FEDERAL - DEZEMBRO2007

REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES ATIVOS ESPECIALISTAS AFINS DO GOVERNO FEDERAL - DEZEMBRO2007 REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES ATIVOS ESPECIALISTAS AFINS DO GOVERNO FEDERAL - DEZEMBRO2007 GRUPO/CARREIRA/INSTITUIÇÃO CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DA PREVIDÊNCIA

Leia mais

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS ANER SEDE ANER SHIS QI 23 Conjunto 13 casa 19 Lago Sul Brasília - DF Entidade sem fins lucrativos,

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo

CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo CONHECENDO O AMBIENTE DA ORGANIZAÇÃO Macroambiente e Ambiente competitivo DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva.

Leia mais

Tabela de remuneração de NS corrigida

Tabela de remuneração de NS corrigida Tabela de remuneração de NS corrigida Ativo Nº Cargo Carreira Menor Maior 1 Delegado de Polícia Federal Polícia Federal Subsídio R$ 13.368,68 R$ 19.699,82 2 Perito Criminal Federal Polícia Federal Subsídio

Leia mais

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio)

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) $ PREÇOS X CUSTOS Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) CUSTO PREÇO Sobrevivência das empresas depende de redução de custos t C TEMPO

Leia mais

Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais

Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Brasília 22 Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais (Inclui o cumprimento do EDCL/RMS nº 22.307-7/DF que determinou a integralização dos 28,86%) Será reeditada quando houver modificação

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 A seguir veremos: Novas Modalidades de Administração no Brasil; Organização da Administração Pública; Desafios da Administração Pública.

Leia mais

Controle Social Sobre as Agências Reguladoras Federais: Os Canais de Participação dos Usuários

Controle Social Sobre as Agências Reguladoras Federais: Os Canais de Participação dos Usuários Controle Social Sobre as Agências Reguladoras Federais: Os Canais de Participação dos Usuários Autoria: Antonio Eduardo de Albuquerque Junior, Kaliane Caldas de Brito Machado, Gustavo Levi Tourinho Fernandes

Leia mais

PREFÁCIO... 15 TÍTULO I NOÇÕES INTRODUTÓRIAS

PREFÁCIO... 15 TÍTULO I NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Sumário 7 Sumário PREFÁCIO... 15 TÍTULO I NOÇÕES INTRODUTÓRIAS CAPÍTULO 1 NOÇÕES ESSENCIAIS DE DIREITO ECONÔMICO... 21 1. Introdução... 21 2. Direito econômico: origens históricas... 22 2.1. Evolução histórica

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. LEONARDO PICCIANI) Dispõe sobre a gestão, a organização e o controle social das Agências Reguladoras, acresce e altera dispositivos das Leis nº 9.472, de 16 de julho

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008 SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece critérios para a execução das atribuições legais da Secretaria de Previdência Complementar - SPC e da

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL: criação e mecanismos de participação cidadã

Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL: criação e mecanismos de participação cidadã XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL: criação e mecanismos de participação cidadã Roseli Coelho Fossari, Aragon Érico Dasso Junior (orientador) Centro Universitário

Leia mais

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Encontro Temático Estadual - CEPAM Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Paulo Fernando Cunha Albuquerque Superintendente de Assuntos Energéticos 16/04/2013 A ARSESP é uma Agência multi

Leia mais

Seminário: Institucionalização da Gestão do Conhecimento na Administração Pública: Estágio Atual e Desafios Futuros

Seminário: Institucionalização da Gestão do Conhecimento na Administração Pública: Estágio Atual e Desafios Futuros Seminário: Institucionalização da Gestão do Conhecimento na Administração Pública: Estágio Atual e Desafios Futuros Carlos Quandt, Ph.D. Professor Titular, Pontifícia Universidade Católica do Paraná Brasília,

Leia mais

Seminário Ouvidoria Pública: Participação Social e Gestão Pública. Ouvidorias no Setor Regulado: Práticas e Resultados ANEEL

Seminário Ouvidoria Pública: Participação Social e Gestão Pública. Ouvidorias no Setor Regulado: Práticas e Resultados ANEEL Seminário Ouvidoria Pública: Participação Social e Gestão Pública Ouvidorias no Setor Regulado: Práticas e Resultados ANEEL Aspectos Institucionais Ouvidoria Setorial, Ouvidoria Institucional e LAI Estrutura

Leia mais

As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação

As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação Maria Ivanúcia Lopes da Costa 1 Resumo: Com as privatizações chegando ao Brasil na década de 90, o Estado preparou-se

Leia mais

Organização Administrativa Administração Direta, Indireta e Entes de Cooperação. Professora: Paloma Braga

Organização Administrativa Administração Direta, Indireta e Entes de Cooperação. Professora: Paloma Braga Organização Administrativa Administração Direta, Indireta e Entes de Cooperação Professora: Paloma Braga Introdução Através da função administrativa, o Estado cuida da gestão de todos os seus interesses

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 05/2009

RECOMENDAÇÃO Nº 05/2009 Procedimento Administrativo Tutela Coletiva nº 1.34.030.000124/2009-41 RECOMENDAÇÃO Nº 05/2009 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições constitucionais

Leia mais

PARECER DO RELATOR DESIGNADO PARA MANIFESTAR-SE PELA COMISSÃO ESPECIAL INCUMBIDA DA APRECIAÇÃO DA MATÉRIA

PARECER DO RELATOR DESIGNADO PARA MANIFESTAR-SE PELA COMISSÃO ESPECIAL INCUMBIDA DA APRECIAÇÃO DA MATÉRIA 1 PARECER DO RELATOR DESIGNADO PARA MANIFESTAR-SE PELA COMISSÃO ESPECIAL INCUMBIDA DA APRECIAÇÃO DA MATÉRIA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 2.057, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei nº 2.633, de 2003;

Leia mais

Relação dos Representantes CBR Comitê Brasileiro de Regulamentação

Relação dos Representantes CBR Comitê Brasileiro de Regulamentação Relação dos Representantes CBR Comitê Brasileiro de Regulamentação Presidente do CBR Nelson Akio Fujimoto Secretário de Inovação Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Esplanada dos

Leia mais

Conteúdo de sala de aula.

Conteúdo de sala de aula. Assunto. Administração Pública I. Categoria. Conteúdo de sala de aula. III - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Mesmo sabendo que a expressão Administração Pública tem vários sentidos e formas de estudo, nesse momento

Leia mais

Interação Operacional entre Agências Reguladoras e Órgãos de Defesa da Concorrência

Interação Operacional entre Agências Reguladoras e Órgãos de Defesa da Concorrência Interação Operacional entre Agências Reguladoras e Órgãos de Defesa da Concorrência Maria Paula Dallari Bucci (DF) Palestra proferida no I Fórum Brasileiro sobre Agências Reguladoras, Brasília, 6 de abril

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO DIRETORIA-GERAL DE COORDENAÇÃO JUDICIÁRIA ORDEM DE SERVIÇO Nº 5, DE 3 DE JULHO DE 2006

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO DIRETORIA-GERAL DE COORDENAÇÃO JUDICIÁRIA ORDEM DE SERVIÇO Nº 5, DE 3 DE JULHO DE 2006 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO DIRETORIA-GERAL DE COORDENAÇÃO JUDICIÁRIA ORDEM DE SERVIÇO Nº 5, DE 3 DE JULHO DE 2006 O DIRETOR-GERAL DE COORDENAÇÃO JUDICIÁRIA, no uso da atribuição que lhe confere o art.

Leia mais

CAPítulo ii Regime de Pessoal LEI GErAL DAs AGênCIAs reguladoras LEI nº. 9.986 DE 18.07.2000 Art. 1º

CAPítulo ii Regime de Pessoal LEI GErAL DAs AGênCIAs reguladoras LEI nº. 9.986 DE 18.07.2000 Art. 1º Capítulo II Regime de Pessoal Lei Geral das Agências Reguladoras Lei nº. 9.986 de 18.07.2000 Art. 1º As Agências Reguladoras terão suas relações de trabalho regidas pela Consolidação das Leis do Trabalho,

Leia mais

Funções Institucionais

Funções Institucionais Advocacia-Geral da União Secretaria-Geral Coordenação-Geral de Documentação e Informação Subcomissão SIGA/AGU Comissão Permanente de Avaliação de Documentos - CAD Brasília Junho/2010 Funções Institucionais

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão SOF / SPI / DEST. Espelho da Despesa Plurianual 3,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 2,00

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão SOF / SPI / DEST. Espelho da Despesa Plurianual 3,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 2,00 Tipo Detalhamento: 1 - Demais Despesas Discricionárias Programa: 2119 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério de Minas e Energia 13E6 - Construção do Edifício Sede da ANEEL Tipo Projeto Localizador

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DA PROPOSTA DE NOVA HIERARQUIZAÇÃO DA CBHPM

ESTUDO DE IMPACTO DA PROPOSTA DE NOVA HIERARQUIZAÇÃO DA CBHPM RELATÓRIO FINAL: ESTUDO DE IMPACTO DA PROPOSTA DE NOVA HIERARQUIZAÇÃO DA CBHPM Responsável técnico: Marcelo Caldeira Pedroso Equipe de consultores: Arnaldo Mamoru Okamura Carla de Souza Dias São Paulo,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR 1 Maio de 2010 São Paulo (SP) LOGÍSTICA INTERNACIONAL Idéia inicial limitada a transporte: Local de Produção Local de Consumo

Leia mais

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA TÓPICOS INSTRUMENTOS LEGAIS APLICÁVEIS LEGISLAÇÃO: CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEIS, DECRETOS e RESOLUÇÕES FORMAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL DELIBERAÇÕES NORMATIVAS

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

PROJETO DE LEI. Cria cargos de provimento efetivo no âmbito da administração pública federal e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. Cria cargos de provimento efetivo no âmbito da administração pública federal e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Cria cargos de provimento efetivo no âmbito da administração pública federal e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Ficam criados, no quadro de pessoal da Agência

Leia mais

MARCELO DE SIQUEIRA FREITAS Procurador-Geral Federal

MARCELO DE SIQUEIRA FREITAS Procurador-Geral Federal ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA E PROVIMENTO DE CARGOS DE PROCURADOR FEDERAL DE 2ª CATEGORIA EDITAL Nº 24, DE 16 DE MAIO DE 2014

Leia mais

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS Gustavo Eccard Especialista em Regulação Portos, Saúde e Meio Ambiente Cargas Perigosas nos Portos Gustavo Henrique de Araújo Eccard Sumário 1. ANTAQ 2. Visão Integrada de Gerenciamento

Leia mais

I - matérias que decorram das competências finalísticas das autarquias e fundações públicas federais assessoradas pelos órgãos participantes;

I - matérias que decorram das competências finalísticas das autarquias e fundações públicas federais assessoradas pelos órgãos participantes; PORTARIA N ~.3 S,DE -10 DE J) r ~~ Jl'rlJ fz- o DE 2013 Constitui Grupos Permanentes no âmbito do Departamento de Consultoria da Procuradoria-Geral Federal. o PROCURADOR-GERAL FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

LISTA DE OUVIDORIAS PÚBLICAS

LISTA DE OUVIDORIAS PÚBLICAS LISTA DE OUVIDORIAS PÚBLICAS Agência Nacional de Águas - ANA Setor Policial, área 5, Quadra 3, Blocos "B", "L" e "M". Brasília-DF CEP:70610-200 PABX: (61) 2109-5400 / (61) 2109-5252 http://www2.ana.gov.br/paginas/default.aspx

Leia mais

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES Reestruturação do Setor de ESTRUTURA Transportes DE Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no, com

Leia mais

"XI - custo médio por beneficiário, por unidade orçamentária, por órgão e por Poder, dos gastos com: a) assistência médica e odontológica;"

XI - custo médio por beneficiário, por unidade orçamentária, por órgão e por Poder, dos gastos com: a) assistência médica e odontológica; Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICA AOS SERVIDORES, EMPREGADOS E SEUS DEPENDENTES Lei nº 10.707, de 30 de julho de 2003, Inciso

Leia mais

As Agências Reguladoras da Saúde e os Direitos Sociais

As Agências Reguladoras da Saúde e os Direitos Sociais As Agências Reguladoras da Saúde e os Direitos Sociais Roberto Passos Nogueira* As agências reguladoras 1 foram criadas, a partir de 1996, como resultado de uma confluência ocorrida entre a reforma do

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

AUDITORIA E REGULAÇÃO NO SUS SOLUÇÃO OU PROBLEMA? Sistema Nacional de Auditoria: Auditoria do SUS em Pernambuco e sua Evolução

AUDITORIA E REGULAÇÃO NO SUS SOLUÇÃO OU PROBLEMA? Sistema Nacional de Auditoria: Auditoria do SUS em Pernambuco e sua Evolução AUDITORIA E REGULAÇÃO NO SUS SOLUÇÃO OU PROBLEMA? Sistema Nacional de Auditoria: Auditoria do SUS em Pernambuco e sua Evolução O que é Auditoria? Na área da saúde, a Auditoria para alguns autores, a exemplo

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Atualizado em 27/10/2015 ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DESCENTRALIZAÇÃO E DESCONCENTRAÇÃO A administração pública exerce as suas competências

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

Este manual fornece informações sobre o conteúdo disponibilizado pela ANEEL através do sistema WAP, trazendo esses dados direto na tela do celular.

Este manual fornece informações sobre o conteúdo disponibilizado pela ANEEL através do sistema WAP, trazendo esses dados direto na tela do celular. ?..Apresentação Este manual fornece informações sobre o conteúdo disponibilizado pela ANEEL através do sistema WAP, trazendo esses dados direto na tela do celular. A navegação consiste na utilização das

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02)

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02) RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 (D.O.U. de 19/12/02) Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Técnico para a Autorização de Funcionamento de empresas interessadas em prestar serviços

Leia mais

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita 4º SEMINÁRIO PAULISTA DE PERÍCIA JUDICIAL 26 de agosto de 2011 O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Ao CREA-SP, instituído pelo Decreto Federal nº 23.569, de 11 de dezembro de 1933, e mantido pela Lei

Leia mais

Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016. Janeiro de 2015

Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016. Janeiro de 2015 Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016 Janeiro de 2015 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar É a agência reguladora do Governo Federal,

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre a criação do Conselho de Ética Pública e estabelece medidas de transparência e controle de atos de agentes políticos, dirigentes, empregados e servidores públicos.

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.4 Nº 53 Brasília - DF, 30 de dezembro de 2009 SUMÁRIO

BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.4 Nº 53 Brasília - DF, 30 de dezembro de 2009 SUMÁRIO BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.4 Nº 53 Brasília - DF, 30 de dezembro de 2009 SUMÁRIO I - DIRETORIA II - ÓRGÃOS DE ASSISTÊNCIA DIRETA E IMEDIATA À DIRETORIA DA ANAC a) Gabinete b) Assessoria Parlamentar

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

AGÊNCIAS REGULADORAS

AGÊNCIAS REGULADORAS 19 AGÊNCIAS REGULADORAS Ivana Nobre Bertolazo 1 Juliano Nishi Massahiro 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho é definir o que é autarquia, principalmente aquelas que possuem um regime especial como as agências

Leia mais

SEPARAÇÃO DE PODERES DO ESTADO

SEPARAÇÃO DE PODERES DO ESTADO SEPARAÇÃO DE PODERES DO ESTADO Plano horizontal diferenciação funcional (Legislativo, Executivo e Judiciário) Plano vertical ordens jurídicas especiais (União, Estados, DF e Municípios) Impõe limites e

Leia mais

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras Agências Executivas A Lei nº 9.649/98 autorizou o Poder Executivo a qualificar, como agência executiva aquela autarquia ou fundação pública que celebre contrato de gestão com o Poder Público. A referida

Leia mais

DESPACHO PC 9/2013 - MANDATO 2013/2017 SUBDELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DESPACHO PC 9/2013 - MANDATO 2013/2017 SUBDELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DESPACHO PC 9/2013 - MANDATO 2013/2017 SUBDELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS Tendo a Câmara Municipal procedido, em 21 de outubro de 2013, à delegação de competências nos termos permitidos pela Lei n.º 75/2013,

Leia mais

Pobres, mas cobiçadas

Pobres, mas cobiçadas Pobres, mas cobiçadas As agências reguladoras receberam neste ano menos de um quarto de seu orçamento. Por que, então, os partidos sempre querem indicar seus diretores? Isabel Clemente e Murilo Ramos Brasília

Leia mais

O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira

O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira SUPERVISÃO EDITORIAL JAIR LOT VIEIRA (Atualizada até a Lei nº 12.461, de 26 de julho de 2011) LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR E ALTERADORA

Leia mais

4.4.3 Competências das Ciset 117 4.4.4 Competências dos AECI 118 4.4.5 Outras considerações importantes 118 Capítulo V Auditoria no setor público

4.4.3 Competências das Ciset 117 4.4.4 Competências dos AECI 118 4.4.5 Outras considerações importantes 118 Capítulo V Auditoria no setor público Sumário Capítulo I Noções iniciais de controle interno e controle externo 1 1 Considerações iniciais sobre controle no Brasil 3 1.1 Controle interno no Brasil 4 1.1.1 Evolução do controle interno no Brasil

Leia mais

Tribunal de Contas da União Instituto Serzedello Corrêa

Tribunal de Contas da União Instituto Serzedello Corrêa Tribunal de Contas da União Instituto Serzedello Corrêa AS AGÊNCIAS REGULADORAS E SEUS PODERES ESPECIAIS NO AMBIENTE INSTITUCIONAL CONTEMPORÂNEO BRASILEIRO JOSÉ AUGUSTO MACIEL VIDIGAL Vitória, ES 2004

Leia mais

Fórum de Combate à Corrupção e lavagem de dinheiro no Estado de São Paulo FOCCOSP

Fórum de Combate à Corrupção e lavagem de dinheiro no Estado de São Paulo FOCCOSP Fórum de Combate à Corrupção e lavagem de dinheiro no Estado de São Paulo FOCCOSP Criação e objetivos O FOCCOSP foi criado por meio de protocolo de intenções assinado em 09 de dezembro de 2013 na sede

Leia mais

COMUNICADO SEGES Nº 02 Servidores públicos federais cada vez mais qualificados

COMUNICADO SEGES Nº 02 Servidores públicos federais cada vez mais qualificados COMUNICADO SEGES Nº 02 Servidores públicos federais cada vez mais qualificados Outubro de 2009 Brasília - DF MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Gestão - SEGES COMUNICADO SEGES

Leia mais

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais no âmbito do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO

Leia mais

Por Cleber Ferreira da Silva Filho Especialista em Regulação ANS Secretário Sindical RJ Sinagências Presidente da ASSETANS

Por Cleber Ferreira da Silva Filho Especialista em Regulação ANS Secretário Sindical RJ Sinagências Presidente da ASSETANS 1 Promoção da Economia e Prevenção de Atos de Corrupção nas Agências Reguladoras Federais pela Substituição dos Cargos Comissionados de Livre Nomeação e Exoneração por Funções de Confiança Por Cleber Ferreira

Leia mais

SUMÁRIO: AUDITORIA OPERACIONAL. AGÊNCIAS REGULADORAS DE INFRAESTRUTURA. AVALIAÇÃO DA GOVERNANÇA DA REGULAÇÃO. RECOMENDAÇÕES.

SUMÁRIO: AUDITORIA OPERACIONAL. AGÊNCIAS REGULADORAS DE INFRAESTRUTURA. AVALIAÇÃO DA GOVERNANÇA DA REGULAÇÃO. RECOMENDAÇÕES. GRUPO II CLASSE V Plenário TC 031.996/2013-2 Natureza: Relatório de Auditoria Entidades: Agência Nacional de Aviação Civil; Agência Nacional de Energia Elétrica; Agência Nacional de Telecomunicações; Agência

Leia mais

E D I T A L 1 7 3 / 2 0 1 5 R E T I F I C A O E D I T A L D E A B E R T U R A D E C O N C U R S O P Ú B L I C O N º 1 7 2 / 2 0 1 5

E D I T A L 1 7 3 / 2 0 1 5 R E T I F I C A O E D I T A L D E A B E R T U R A D E C O N C U R S O P Ú B L I C O N º 1 7 2 / 2 0 1 5 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA ESTADO DO PARANÁ E D I T A L 1 7 3 / 2 0 1 5 R E T I F I C A O E D I T A L D E A B E R T U R A D E C O N C U R S O P Ú B L I C O N º 1 7 2 / 2 0 1 5 O Prefeito Municipal

Leia mais

A Atuação do TCU no acompanhamento do setor de aviação civil: Desestatização e Regulação

A Atuação do TCU no acompanhamento do setor de aviação civil: Desestatização e Regulação A Atuação do TCU no acompanhamento do setor de aviação civil: Desestatização e Regulação 1ª Secretaria de Fiscalização de Desestatização e Regulação Carlos Modena Brasília, 4 de julho de 2012 Estrutura

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

ÍNDICE - 24/10/2005 Valor Econômico... 2 Brasil...2 Jornal de Santa Catarina (SC)... 4 Economia...4 Folha de Londrina (PR)... 5 Geral...

ÍNDICE - 24/10/2005 Valor Econômico... 2 Brasil...2 Jornal de Santa Catarina (SC)... 4 Economia...4 Folha de Londrina (PR)... 5 Geral... ÍNDICE - Valor Econômico...2 Brasil...2 Estudo sugere mudanças na estrutura das agências...2 Jornal de Santa Catarina (SC)...4 Economia...4 Países discutem ação mundial contra gripe das aves...4 Folha

Leia mais

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae)

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) Novos Modelos Organizacionais dos Municípios Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) 2 Características do modelo Autarquia em regime especial; Autonomia e independência decisória e decisão

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS Para incluir no site da ABRAP A Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro -, com sede própria localizada na Travessa do Ouvidor n 8, 3 andar,

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Dispõe sobre a Política de Segurança da Informação no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª. Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPIVARI DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LEI MUNICIPAL Nº 884, DE 19 DE AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal,

Leia mais

Estatuto. Idoso LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR E ESPECIAL

Estatuto. Idoso LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR E ESPECIAL Estatuto do Idoso LEI Nº 10.741, DE 1º DE OUTUBRO DE 2003 LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR E ESPECIAL O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira Supervisão Editorial jair lot vieira

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo REGULAÇÃO Santo André, 20 de abril de 2011 Conceitos Básicos: microeconomia/economia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO *Nº 005/2008. O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS faz saber que o

RESOLUÇÃO *Nº 005/2008. O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS faz saber que o RESOLUÇÃO *Nº 005/2008 Resolução publicada no DOE de 13/08/2008. *Errata, correção de numeração, no Doe de 14.10.08. Aprovada pela Lei Complementar nº 565 de 21 de julho de 2010, publicada no DOE de 22

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta 1 DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta O Estado, enquanto

Leia mais

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Cobertura assistencial Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Agência Nacional de Saúde Suplementar Marcos Regulatórios Lei 9656, de 03/06/1998 Dispõe sobre a regulamentação dos planos e seguros

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,DE 2015. (Do Sr. Eros Biondini)

PROJETO DE LEI Nº,DE 2015. (Do Sr. Eros Biondini) PROJETO DE LEI Nº,DE 2015 (Do Sr. Eros Biondini) Estabelece a obrigatoriedade de realização de Análise de Impacto Regulatório AIR pelas Agências Reguladoras no âmbito da Administração Federal. O Congresso

Leia mais

Comunicações. atendimento telefônico das agências reguladoras. Principais situações identifificadas

Comunicações. atendimento telefônico das agências reguladoras. Principais situações identifificadas atendimento telefônico das agências reguladoras As agências reguladoras dispõem, em regra, de canal para que os usuários dos serviços regulados possam se manifestar. Ainda que não exista norma federal

Leia mais

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos DEPEN DEPARTAMENTO DE ENSINO A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ivan da Silva Bié 2, Marcus Vinicius Silva Ferraz 3, Mariana Cardoso Mendes

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS PROJETO

Leia mais

Presidência darepública Casa Civil Governança Regulatória no Brasil: Aperfeiçoamentos e Desafios

Presidência darepública Casa Civil Governança Regulatória no Brasil: Aperfeiçoamentos e Desafios Presidência darepública Governança Regulatória no Brasil: Aperfeiçoamentos e Desafios Luiz Alberto dos Santos Subchefia de Análise e Acompanhamento de Políticas Governamentais Outubro de 2007 Governança

Leia mais

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço III Congresso Iberoamericano de Regulação Econômica Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço São Paulo-SP Junho de 2008 Alvaro A. P. Mesquita Sócio Sumário I. Objetivo II. III. IV. Regulação Papel

Leia mais

Unidade Organizacional Denominação Quant. Nível

Unidade Organizacional Denominação Quant. Nível Quadro Demonstrativo de Funções de Confiança da CLDF Unidade Organizacional Denominação Quant. Nível Gabinete do Presidente Gabinete do Vice-Presidente Gabinete do 1º Secretário Gabinete do 2º Secretário

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Processo nº 228.943-03/DER/2000-2º Volume DTM-SUP/DER-006-20/08/2003 Institui banco de dados digitalizado de DETERMINAÇÕES emitidas pela SUP. (1.

Processo nº 228.943-03/DER/2000-2º Volume DTM-SUP/DER-006-20/08/2003 Institui banco de dados digitalizado de DETERMINAÇÕES emitidas pela SUP. (1. Processo nº 228.943-03/DER/2000-2º Volume DTM-SUP/DER-006-20/08/2003 Institui banco de dados digitalizado de DETERMINAÇÕES emitidas pela SUP. (1.6) SENHORES CHEFE DE GABINETE, DIRETORES DE DEPARTAMENTO,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO Publicada no Boletim de Serviço de 30/03/2009 Publicada no e-dj1 de 30/03/2009 PODER JUDICIÁRIO 10.100.02 RESOLUÇÃO/PRESI 600-007 DE 13 DE MARÇO DE 2009 (*) Dispõe sobre o realinhamento administrativo

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014 Programa 0901 - Operações Especiais: Cumprimento de Sentenças Judiciais Número de Ações 227 Ação Orçamentária - Padronizada da União 0005 - Cumprimento de Sentença Judicial Transitada em Julgado (Precatórios)

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR OPERADO POR ENTIDADES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, QUE ADMINISTRAM PLANOS DE BENEFÍCOS CLASSIFICADAS EM: ENTIDADES ABERTES

Leia mais

As Agências Reguladoras no Brasil e os Desafios da Governança Regulatória

As Agências Reguladoras no Brasil e os Desafios da Governança Regulatória As Agências Reguladoras no Brasil e os Desafios da Governança Regulatória AUDIÊNCIA PÚBLICA P COMISSÃO DE INFRA-ESTRUTURA DO SENADO FEDERAL Luiz Alberto dos Santos Casa Civil da Presidência da República

Leia mais

Importância da Criação de um Marco Regulatório no Setor de Vigilância Sanitária para o Desenvolvimento da Regulação no Brasil

Importância da Criação de um Marco Regulatório no Setor de Vigilância Sanitária para o Desenvolvimento da Regulação no Brasil Importância da Criação de um Marco Regulatório no Setor de Vigilância Sanitária para o Desenvolvimento da Regulação no Brasil por Daniela Tahira Munhoz da Rocha* Curitiba 2009 1 Artigo Revista 5.indd 1

Leia mais