ENSINO MÉDIO INTEGRADO- PARA QUÊ?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENSINO MÉDIO INTEGRADO- PARA QUÊ?"

Transcrição

1 Resumo ENSINO MÉDIO INTEGRADO- PARA QUÊ? Lana Jennyffer Santos Nazareth i Riane da Conceição Ferreira Freitas ii O objetivo deste artigo é discutir acerca do processo de implementação do ensino médio integrado na escola pública de Ensino Médio Integrado à Educação Profissional Professor Francisco da Silva Nunes, em Belém do Pará, que tem sido nosso lócus de estágio em docência proporcionado pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência- PIBID, do Curso de Pedagogia, da Universidade Federal do Pará UFPA e que está vinculado ao projeto da pesquisa Valorização e Qualificação de Profissionais para a Implementação do Ensino Médio Integrado nas Escolas de Educação Profissional do Pará, sob responsabilidade do Grupo de Estudos e Pesquisa em Trabalho e Educação GEPTE/IFPA. A perspectiva materialista histórico-dialético conduzirá nossas análises para discorrer sobre o Ensino Médio Integrado. Para tal, analisaremos dados coletados em campo que possam nos dizer quais modificações ocorreram na escola mediante as políticas de EMI; a concepção dos professores sobre tal política e as dificuldades enfrentadas diante da política integradora. Os dados foram coletados a partir de diagnose, análise de documentos da escola e entrevista semi estrutrada Se nos perguntávamos como tem ocorrido o processo de Ensino Médio Integrado na escola, bem como seus membros têm se articulado para favorecer práticas cada vez mais integradoras, concluímos que ainda há muitos problemas a serem superados, mas, no entanto, todos os membros da escola têm se empenhado para favorecer uma formação que leve o aluno para além da inserção no ensino superior ou no mercado de trabalho, mas que colabore com uma educação como totalidade social e nas múltiplas mediações históricas. Palavras - chaves: Ensino Médio Integrado; Políticas Públicas; Formação. INTRODUÇÃO A proposição do título Ensino Médio Integrado Para quê? a este artigo surgiu a partir da leitura do texto Educação Para quê? de Theodor Adorno, em que os autores discutem acerca da atual função da Educação. Ou, em suas palavras, para onde a educação deve conduzir? levando em consideração o objetivo educacional em um sentido amplo, no qual os diversos campos e veículos de educação sejam considerados. É estranho pensar que vivemos em uma realidade que para falarmos de educação seja necessário pensar para onde essa educação deve conduzir o indivíduo, quando a educação não deveria ter outro direcionamento a não o de contribuir para que o indivíduo se reconheça como sujeito histórico e social. Assim - por vivemos em uma sociedade capitalista - o ensino médio e ensino técnico não podem ser pensados sem considerar o contexto de estruturas históricas e determinadas situações históricas e de organização social na qual ele está inserido. Grabowski (2006) corrobora com a discussão e diz que:

2 [...] nossa história de desenvolvimento econômico e social, cultural e político, educacional e profissional constitui-se dentro de uma lógica reprodutora das desigualdades e dualidades estruturais, tais como: inclusão e exclusão social, trabalho manual para índios e escravos, trabalho livre e intelectual para as elites, escola acadêmica para poucos e educação profissional para os trabalhadores (p.07). Mediante a política integradora do ensino médio e ensino profissionalizante constante no Decreto 5154/2004-MEC, que regulamentou a Educação Profissional no Brasil,o qual determina que diretores, coordenadores e professores devem se mobilizar e trabalhar conjuntamente para contribuir com a ação integradora no interior da escola para que haja efetivação dessas diretrizes. Entretanto, os membros da escola não podem conseguir a efetivação dessa política sem a colaboração e o investimento do governo para as modificações necessárias que implicam a política integradora, tanto no relacionado às adaptações curriculares, organizacionais e arquitetônicas quanto no concernente à formação dos professores. 1. ALGUNS ASPECTOS HISTÓRICOS SOBRE AS POLÍTICAS DO ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONALIZANTE Ramos (2014) nos diz que desde 1971 vigorou, no Brasil, um modelo de formação que admitia dois percursos para alunos que vinham da educação secundária: É importante notar que a razão de ser do ensino médio esteve, ao longo de sua história, predominantemente centrada no mercado de trabalho, para que as pessoas viessem a ocupá-lo seja imediatamente após a conclusão do ensino médio, seja após a conclusão do ensino superior. Essas possibilidades determinavam o momento de ingresso no mercado de trabalho e a posição a ser ocupada na divisão social e técnica do trabalho. Enquanto vigorou o projeto nacional-desenvolvimentista e a certeza do pleno emprego, preparar para o mercado de trabalho era a principal finalidade da educação, tanto no ensino médio quanto no ensino superior (RAMOS, 2014, p. 02). O aluno deveria escolher entre uma formação propedêutica ou uma formação técnico-profissional. Entretanto, mesmo com essa divisão, todo o ensino médio estava centrado em torno do mercado de trabalho. Desde o surgimento do ensino profissionalizante em com o Decreto 7.566, o ensino profissionalizante, por estar dissociado do saber teórico, destinava-se a ensinar apenas saberes empíricos, não colaborando, assim, com uma formação integral que garantisse a participação dos trabalhadores quer seja nas decisões políticas quer seja na sua organização (TAVARES, 2013). Tal divisão torna-se mais fortemente demarcada na década de 30 e 40, segundo Rodrigues (2005), pela participação do empresariado no debate educacional - montando o Sistema S e elaborando metas para a sociedade - e com a

3 Reforma Capanema que marca fortemente a dualidade do ensino médio. Segundo Grabowski (2006): A reforma Capanema, em 1942, será o marco da institucionalização desta dualidade: para as elites, são criados os cursos médios de 2º ciclo, científico e clássico, com três anos de duração, sempre destinados a preparar os estudantes para o ensino superior e, para os trabalhadores instrumentais uma formação profissional em nível médio de 2º ciclo: o agrotécnico, o comercial técnico, o industrial técnico e o normal, que não davam acesso ao ensino superior (p.07). Como podemos ler, a Reforma Capanema cria uma dicotomia na educação. Enquanto uma educação no ensino se destinaria à preparação de alunos para o ensino superior, outra tinha a função de preparar instrumentalizar profissionalmente. A partir de 1997 a dualidade no ensino médio foi assegurada pelo Decreto n /97. Segundo o decreto, cursos e currículos de Ensino Médio deviam ser separados e independentes de cursos e currículos do ensino técnico. Somente em 2004, a escola passaria a lutar mais efetivamente contra esse tipo de formação mediante o Decreto n /04 que pediria pela integração do ensino médio e do ensino médio profissionalizante para que tal educação pudesse colaborar com uma formação mais integral. Segundo relatório do Ministério da Educação, o Decreto n /04, de modo a superar tal dicotomia de conhecimentos no ensino médio visa: [...] além de manter as ofertas dos cursos técnicos concomitantes e subseqüentes trazidas pelo Decreto no /97 teve o grande mérito de revogá-lo e de trazer de volta a possibilidade de integrar o ensino médio à educação profissional técnica de nível médio, agora, numa perspectiva que não se confunde totalmente com a educação tecnológica ou politécnica, mas que aponta em sua direção porque contém os princípios de sua construção (BRASIL, 2014, p. 27). Ramos (2014) atenta ainda, à LBD e seus parágrafos e artigos que ainda trazem o ensino médio separado da educação profissional. Ao ensino médio cabe assegurar a formação básica e deixa em aberto a possibilidade de uma formação técnica. Já a educação profissional deve estar ao acesso de todos e integrar educação, trabalho, ciência e tecnologia. Contudo, no artigo 22 da referida lei a educação básica tem a finalidade de aprimorar o indivíduo, isto implica (re) colocar o homem no centro do desenvolvimento da educação e, em seus artigos 35 e 36, o trabalho é tomado como princípio educativo. A partir da leitura das Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio, Ramos (2014) afirma que o mundo do trabalho e o exercício da cidadania devem está presente no currículo. No entanto, é preciso estar atento para que o trabalho não seja assumido como um princípio educativo na perspectiva do capital como no caso Parecer 15/98 em que a formação do individuo está em função do capital - mas na perspectiva do trabalhador.

4 Quando o trabalho é tomado como um princípio educativo na perspectiva do capital não há formação plena do educando já que a pedagogia espontaneísta e a pedagogia diretivoprofissionalizante imperam nas práticas formativas e não favorecem a reflexão e a autonomia. 2. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SOB A LÓGICA DO CAPITAL A pensarmos em formação e educação profissional e, por extensão da educação de forma geral, em uma sociedade capitalista que gira em torno do mercado e não contribui para a emancipação do indivíduo, subordinando educação e trabalho ao capital destacamos alguns momentos na dinâmica da sociedade que foram moldando as políticas educacionais destinadas ao ensino profissionalizante. Vale destacar que os diversos momentos da história do ensino médio e ensino profissionalizante, no Brasil, marcam a divisão de classes típicas de uma sociedade capitalista, destinando o ensino acadêmico para alguns e educação profissional para outros, de acordo com a classe em que cada grupo ocupa na sociedade. Segundo Araujo e Rodrigues (2014), nas décadas de 80 e 90 - tal como nas décadas de 30 e 40 - a reflexão e a autonomia não eram incentivas e a formação ainda restringia-se à processos de adaptação e de reprodução. Já nas décadas seguintes, em decorrência de novas necessidades do mercado, outra pedagogia ganhou espaço nas escolas profissionalizantes, a pedagogia das competências. Tal pedagogia é, pautada em referências racionalistas, devido ao caráter tecnicista e utilitário do conhecimento e em referência individualista, em decorrência a desvalorização de capacidade e comportamentos comuns a todos e neopragmáticas, já que sua perspectiva de formação era vinculada às demandas do mercado. Conforme os autores, o projeto do capital objetivava perpetuar a divisão social e técnica do trabalho na medida em que fornecia aos alunos do ensino profissional conhecimentos a serviço do capital, adaptando e mantendo os trabalhadores advindos do ensino profissionalizante, como garantia de mão de obra para o mercado. Em tal projeto o saber-fazer está em detrimento de sua totalidade, ou seja, de uma formação que estimule a autonomia de tais trabalhadores e que vá para além dos processos de adaptação. Ao enfatizar a individualidade, tal projeto rompe com a coletividade e enfraquece o grupo. A realidade torna-se muda a esses trabalhadores em decorrência do conhecimento fragmentado que lhe é proporcionado. Um saber que além de girar em torno dos interesses

5 mercadológicos, objetiva aumentar o lucro e, nas palavras dos autores, leva a [...] a robotização do ser humano (Araujo e Rodrigues, 2014, p. 53). Os autores dizem ainda que: [...] Não interessam, assim, os saberes reais dos trabalhadores na construção de uma proposta curricular voltada para a emancipação humana. Pelo contrário, cabem tão-somente os conhecimentos que maximizem os lucros, a operacionalidade do modo capitalista de ser. Mais uma vez, por meio dessa lógica encontra-se uma estratégia para a exploração do trabalho humano em todas as suas nuances, desde a força física até os conhecimentos resultantes de sua materialidade histórica (p. 57). De acordo com os autores, tanto as series metódicas de oficio quanto a pedagogia das competências originaram-se na divisão social do trabalho que impõem limites no processo de formação do individuo e, por tal, legitima a divisão técnica do trabalho já que atua somente no intuito de ajustar o individuo a realidade dada e fixa a dualidade da educação profissional e, por extensão, da educação brasileira. A educação profissional, ainda segundo Araujo e Rodrigues (2014), se constitui como um espaço em que empresários se empenham para garantir mão de obra qualificada, barata e que não ofereça nenhum risco ao avanço do capital ou modificação a realidade dada. O intuito de controlar o processo formativo por meio de uma pedagogia individualista é justamente de manter a formação em função do mercado, ou seja, de acordo com suas modificações e necessidades. Indicando que a necessidade do mercado determina o contexto de formação. Não se deve negar a função adaptadora da educação na sociedade, mas reconhecer o quanto ela tem se detido a tal função devido à dualidade educacional que não possibilita uma formação integral ao indivíduo. Dessa forma, Araujo e Rodrigues (2014) a construção de uma formação integral que promova integração entre formação intelectual-política e trabalho produtivo e que esteja em função dos trabalhadores se torna um desafio. A diretora do Departamento de Políticas do Ensino Médio do Ministério, denuncia que em 2003, dos 7,7 milhões de jovens (entre 15 e 19 anos) matriculados no ensino médio, apenas 2 milhões concluíram e que, desses que total de concluintes, menos de metade dos alunos deram continuidade ao estudo ingressando no ensino superior: O exame das condições atuais de oferta da educação média aos jovens impõe a necessidade de se repensar essa modalidade de educação. De acordo com dados do Censo Escolar, em 2003 cerca de 7,7 milhões de jovens entre 15 e 19 anos foram matriculados na rede pública de Ensino Médio, o que representa 42,7% da população nessa faixa etária. No entanto, do total de matrículas, apenas 9% foram efetuadas em cursos técnicos de nível médio. Ainda nesse mesmo ano, aproximadamente 2 milhões de jovens concluíram o Ensino Médio e, desses, 400 mil ingressaram no ensino superior. Dos 1 milhão e 600 mil restantes, somente 700 mil alunos cursaram o ensino técnico (LODI, 2006, p. 04).

6 Dados mais recentes mostram que em 2007 haviam 780,162 de jovens matriculados no ensino médio e em 2012 o número saltou para , indicando que houve aumento no número de matricula. Para a superação do referencial pragmatista e utilitarista que fornece uma formação dual e, portanto, parcial e que gira em função do capital, é necessário que o conhecimento esteja ao alcance de todos e que haja reflexão e modificação de nossas práticas e de procedimento relacionados à organização de currículo, de aprendizagem e de avaliação e de modo que a reflexão e a autonomia sejam incentivadas. Para além da superação, é imprescindível que a formação na educação profissional objetive a incorporação da cultura e que o indivíduo se forme unilateralmente, tirando o capital do centro do desenvolvimento. De acordo com Araújo e Rodrigues (2014, p. 61): [...] um projeto democrático de educação profissional deve pressupor um posicionamento frente à histórica dualidade da educação profissional brasileira, sendo necessária uma nova postura frente aos saberes, às práticas de ensinar e de aprender, aos procedimentos de organização curricular, aos procedimentos de avaliação, às estratégias de gestão e à organização dos tempos e espaços orientados pelas necessidades de ampliação, enfim das diferentes capacidades humanas, inclusive as de trabalho, de modo a promover a autonomia frente aos processos de trabalho e o projeto de uma sociedade democrática. O ENSINO MÉDIO INTEGRADO À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NA ESCOLA ESTADUAL FRANCISCO DA SILVA NUNES: um estudo de caso. Antes de iniciar a pesquisa na escola, o grupo do qual faço parte discutiu acerca de autores que debatiam a questão do ensino médio integrado e alguns aspectos referentes à nosso objeto de estudos. Como a bolsa era de iniciação a docência e nos, como pedagogos, não atuamos em sala de aula em escolas de ensino médio, nossas experiências se realizaram em torno da gestão e da coordenação pedagógica da escola. Nossas primeiras experiências dentro da escola tiveram o intuito de fazer uma diagnose. Para tal, foram estudados os documentos da escola, tais como o Projeto Político Pedagógico, Plano de Curso, Demonstrativo da infraestrutura física (imóvel), Demonstrativo da infraestrutura física (móveis e equipamentos), Demonstrativo dos sistemas de gestão, Projeto de Promoção de Acessibilidade e Atendimento Prioritário às Pessoas com Necessidades Especiais para que pudéssemos conhecer o quadro funcional da escola e sua estrutura. Desta forma, este relatório traz alguns resultados dessa diagnose bem como algumas ações desenvolvidas por mim e pelo grupo, desde nossa inserção na escola

7 estadual de ensino médio e ensino médio integrado Professor Francisco da Silva Nunes, como algumas entrevistas semi-estruturadas realizadas com a diretora e com a vicediretora; uma coordenadora pedagogia e com duas professoras que também atuam como coordenadores de curso na escola; organização da I Jornada Pedagógica 2014 da escola e a construção de projeto relacionado a alunos que estão em regime de progressão parcial. A Escola Estadual está localizada na Av. Santarém s/nº. Conj. Médici II. Marambaia Belém. PA e funciona há 43 anos com cursos profissionalizantes. Inicialmente a escola ofertava apenas cursos com especificidade na área da saúde como e, em 2009, passou apenas a ofertar o curso de técnico em enfermagem. Devido ao processo de implementação da Rede de Escolas Tecnológicas em 2009, foram implantados três novos curso: Técnico em Meio Ambiente, Técnico em Podologia e Técnico em Nutrição e Enfermagem. Em 2012 a escola iniciou o processo de atuar somente na área tecnológica e buscou a implantação de outros cursos a serem propostos junto à Secretaria de Estado de Educação do Pará SEDUC, sendo que somente teve autorização reconhecida como Escola Tecnológica em Em relação ao número de alunos, no ano de 2013 a escola contava com alunos matriculados nas diversas modalidades ofertadas que são respectivamente: PROEJA com 311 alunos; SUBSEQUENTE com 145 alunos e MÉDIO INTEGRADO com 547 alunos. A escola possui 20 salas de aula divididas em Bloco A, B e C e cinco laboratório (um de informática, um multidisciplinar, um de Nutrição, um de Enfermagem e um de Podologia). De acordo com o Projeto Político Pedagógico, a escola tem a missão de contribuir com a elevação da qualidade de formação dada aos alunos e com o desenvolvimento de programas de formação. A escola conta com 18(dezoito) professores da base comum, 14(quatorze) professores de disciplinas específicas do curso de técnico de Enfermagem, 10 (dez) professores disciplinas específicas do curso de técnico de Meio Ambiente, 06(seis) professores de disciplinas específicas do curso de técnico de Nutrição e 05(cinco) professores de disciplinas específicas do curso de técnico de Podologia. Quando questionada sobre sua concepção acerca do ensino médio integrado à educação profissional, a diretora afirma que a política é uma boa proposta. Entretanto, relata que a escola passa por problemas relacionados à falta de estrutura e de materias nos laboratórios: [...] a proposta de ensino médio integrado à educação profissionalizante é muito boa. O único problema é a questão de material, dos insumos que são necessários para essa proposta de ensino. Porque o profissional requer insumos. O

8 profissional do meio ambiente precisa de material para desenvolver atividades com os alunos; de enfermagem precisa ter um laboratório para desenvolver atividades com os alunos. Então o problema maior está na falta de estrutura adequada a um bom desempenho de trabalho e de garantia e boa formação. Quanto aos profissionais, a gente ver que eles são muito comprometidos; são interessados; vão atrás de proposta pedagógicas diferenciadas; levam os alunos para fazer visitação (DIRETORA). Podemos observar na fala da diretora que a política de ensino integrado encontra dificuldades em seu desenvolvimento na medida em que as escolas ainda não foram modificadas estruturamente para favorecer uma formação integral. Segundo Ciavata e Ramos (2013) o ensino médio integrado implica a compreensão do indivíduo e da educação como totalidade social e nas múltiplas dimensões: O ensino médio integrado tem nas expressões correlatas, ensino médio integrado à educação profissional e educação profissional integrada ao ensino médio, a ideia de uma educação que esteja além do simples objetivo propedêutico de preparar para o ensino superior ou apenas preparar para cumprir exigências funcionais ao mercado de trabalho. A ideia básica subjacente à expressão tem o sentido de inteiro, de completude, de compreensão das partes no seu todo ou da unidade no diverso, de tratar a educação como uma totalidade social, isto é, nas múltiplas mediações históricas que concretizam os processos educativos (CIAVATA; RAMOS; 2013 p. 01). A diretora da escola diz, ainda, que os professores da escola têm se dedicado para o sucesso do ensino médio integrado, no entanto, os entraves advêm da precariedade dos laboratórios e demais estruturas como fragilidade de alguns espaços na escola e de ventilação na sala de aula. Nas reuniões, diversos foram os depoimentos de alunos que mencionaram os problemas na formação profissional advindo da falta de estrutura e de recursos que acabam dificultando o processo de ensino-aprendizagem dos alunos, principalmente os alunos de enfermagem que já estão quase ao final do curso e ainda não foi possível uma aula prática no laboratório. Alguns professores, na escola, além de estarem em sala de aula assumem a coordenação dos cursos e realizam alguns encontros para integrar as disciplinas e socializar o desenvolvimento da turma. Conforme a coordenadora do curso de Podologia, no início do ano os professores da base comum se reúnem com os professores da base técnica para o processo de integração e para falar do andamento da turma e os conteúdos que foram trabalhados. Como podemos ler: O coordenador de curso é como se fosse uma ponte entre o aluno e o professor, entre o corpo administrativo. A gente é responsável por organizar a parte da matricula, acompanhar o professor para saber se ele está tento dificuldade, porque às vezes o professor trabalha aquela matéria dele fixa, mais ele tem dificuldade de relacionar com aquela área que ele esta trabalhando. [...] Então agente tem esse papel de acompanhar o professor, de fazer com que os professores consigam integrar as disciplina com aquele curso que ele esta trabalhando. Às vezes é complicado porque o professor trabalha com quatro

9 turmas e, cada curso tem que trabalhar com uma linguagem um pouco diferente, mesmo tema mais que tem que esta puxando para a área daquele aluno (COORDENADORA DO CURSO DE PODOLOGIA). O professor que assume a coordenação de curso que fica responsável pelo acompanhamento do trabalho dos demais professores, por acompanhar a relação dos professores com os alunos, bem como fazendo os demais processos necessários para o bom funcionamento do curso. Nas palavras da coordenadora de curso de meio ambiente: O coordenador de curso trabalha na construção da matriz curricular, planejamento do curso, processo de lotação de professor, acompanha a demanda, evasão e o desenvolvimento nos estágios dos alunos. Para que os professores se comuniquem sempre existe uma reunião para cada módulo, porém nem todos os profissionais aparecem na reunião o que fica ruim para decidir algo ou fazer o plano de aula (COORDENADORA DO CURSO DE MEIO AMBIENTE). A coordenação pedagógica tem atribuições semelhantes a do coordenador de curso, responsável por realizar a jornada pedagógica uma vez por semestre e reuniões sempre que necessário. O trabalho do Coordenador Pedagógico está organizando de acordo com a dinâmica da instituição escolar, muito em cima do que a escola executa enquanto planejamento para o semestre e essa rotina é atender o dia a dia. Há aquela rotina que, devido ao planejamento, a escola tem eventos para realizar dentro da escola. Tem as avaliações ao término de cada semestre, entrega de nota. Ou seja, ao longo de nossas observações, não verificamos nenhum projeto sendo desenvolvido pela coordenação pedagógica. Uma das coordenadoras pedagógicas nos diz: Nós temos duas atribuições distintas. Primeiro acompanhar o desenvolvimento das atividades do professor e acompanhar o dia-a-dia do aluno e o processo de aprendizagem do aluno. Basicamente são essas as duas linhas aqui na escola. Acompanhar o professor no planejamento das aulas, apoiando as atividades ao longo do semestre. Aqui a gente trabalha com o ensino técnico e nos organizamos para um semestre. Acompanhamos também o aluno no seu processo de aprendizagem e nas possíveis dificuldades que vão surgir, quer seja dificuldade nas disciplinas ou de adaptação à rotina da escola (COORDENADORA PEDAGOGICA). A coordenadora diz ainda que acompanhar o trabalho do professor não é difícil já que o quadro de professes não é muito grande. Contudo, a maior dificuldade da coordenação pedagógica é acompanhar o processo de ensino-aprendizagem dos alunos já que a escola conta com um número significativo de alunos matriculados. Com o intuito de melhorar o acompanhamento do aluno, a escola está num processo de construção do Conselho de Classe para ao final de cada semestre sentar e discutir os problemas dos alunos e otimizar as atividades. Outra dificuldade mencionada por todos os entrevistados é

10 a falta de estrutura nos laboratórios. Alguns alunos trazem material para os laboratórios para não prejudicar sua formação. Recentemente o Grêmio Estudantil reuniu os alunos em uma manifestação reivindicando ao governo investimento na escola, para que todos possam ter uma formação de qualidade. Entre algumas das atribuições da coordenação, segundo o Art. 60 do Regimento Da Escola Das Escolas Públicas Estaduais De Educação Básica (SEDUC), estão: I- Desenvolver atividades de construção do projeto político pedagógico, cuidando do seu acompanhamento e atualização periódica; II- Participar da elaboração dos planos dos cursos técnicos e de suas atualizações; III- Acompanhamento e avaliação das metas e diretrizes educacionais propostas pelo Plano de Desenvolvimento da Educação, diretrizes curriculares para a educação profissional e Ensino Médio; IV- Orientar o processo de elaboração dos Planos de Trabalho Docente junto ao coletivo de professores da unidade escolar; V- Orientar e articular o trabalho pedagógico coletivamente, envolvendo os coordenadores de ensino, de curso, docentes e discentes; VI- Promover e coordenar reuniões pedagógicas para reflexão e aprofundamento de temas relativos ao trabalho pedagógico, visando à qualidade de ensino; VII- Organizar a jornada dos professores da unidade escolar, de maneira a garantir que esse espaço-tempo seja de efetivo trabalho pedagógico; VIII. Analisar os dados do aproveitamento escolar com vistas a promover a aprendizagem de todos os alunos; [...] XV. Promover a construção de estratégias pedagógicas de superação de todas as formas de discriminação, preconceito e exclusão social; XVI. Coordenar a análise de projetos a serem inseridos no Projeto Político Pedagógicos; [...] XXII. Favorecer a formação investigativa e integral dos educandos, com o intuito de promover ações para o seu desenvolvimento integral; Outros problemas foram evidenciados nos momentos de Jornada Pedagógica que os bolsistas do PIBID ajudaram a organizar. Por exemplo, o grupo dos coordenadores afirmou sentir a necessidade de mais integração e articulação entre os próprios coordenadores, bem como a urgência de mais cooperação e colaboração entre eles e os professores e mais diálogos entre todos os membros da comunidade escolar. Um dos fatores que dificulta a formação de uma equipe engajada e coesa, segundo os coordenadores, é causado pela troca constante de profissionais que fazem parte da equipe de professores devido estes não serem do quadro de concursados da SEDUC, visto que eles são contratados de acordo com a demanda por curso. Compreendemos, entretanto, por meio de nossas discussões, que ao se pensar numa formação integral de indivíduo, devemos pensar em mudanças substanciais, que estejam

11 relacionadas ao currículo, às práticas e às metodologias utilizadas em sala de aula. Tal mudança está relacionada em como os professores interpretam as políticas públicas. Ainscow (1995) nos diz que é importante que os professores tenham presentes que os métodos são construções sociais que se baseiam e refletem ideologias que podem impedir-nos de compreender as implicações pedagógicas das relações de poder no seio da educação (p. 7) e que estes são a ação política relevante. Nisto está à importância de debater, no processo de educação, os obstáculos interpostos entre propostas discursivas, teorias e práticas visando a superação dos mesmos. 4. CONCLUSÃO Os dados coletados por meio da pesquisa realizada junto à escola indicam que há esforços no sentido de colaborar com a formação integral do aluno mediante um currículo integrado; uma gestão democrática que colaborou na formação do Grêmio estudantil e dedicação de professores e coordenadores para criação do Conselho de Classe para colaborar com a formação integral do aluno. Entretanto, a escola passa por alguns problemas, alguns advindos do descaso com a educação no Estado. Para a coordenadora pedagógica entrevistada, um dos maiores problemas, além da precariedade dos laboratórios, é a falta de um trabalho definido de cada coordenador pedagógico e um tempo para que os professores se dediquem em planejar suas aulas. Entretanto, não podemos deixar de mencionar a importância da escola está se movimento no intuito de propiciar aos seus alunos uma formação integral que objetiva tanto qualificálo para o trabalho quanto para participar politicamente na sociedade por meio da integração entre ciência, tecnologia e cultura. Nisto está à importância do ensino médio integrado. Segundo Grawbovski (2013): É por tudo isto que esta proposta de ensino integrado é uma proposta que necessariamente contempla: - a articulação entre conhecimento básico, conhecimento específico e conhecimento das formas de gestão e organização do trabalho, contemplando os conteúdos científicos, tecnológicos, sócio-históricos e das linguagens; - em decorrência, a articulação entre a gestão da educação básica, da educação dos trabalhadores e da educação superior, nos diferentes níveis: federal, estadual e municipal; - a participação efetiva dos que vivem do trabalho na construção das propostas educativas e das formas de sua organização e gestão (p.13). Se atualmente, apenas 45% dos jovens brasileiros concluem o ensino médio e, destes, 60% o fazem em condições precárias, nisto está a importância do ensino médio integrado e de políticas públicas que possibilitem uma educação para além dos processos de adaptação e de inclusão marginal. Tal proposta de ensino ao restabelecer os vínculos

A ATUAÇÃO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO EM BELÉM: o desafio de integrar.

A ATUAÇÃO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO EM BELÉM: o desafio de integrar. A ATUAÇÃO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO EM BELÉM: o desafio de integrar. Maria Nathália Cunha da Silva 1 Cristiane Nazaré Souza Moraes 2 João Paulo da Conceição Alves 3

Leia mais

REALIDADE DAS ESCOLAS MULTISSERIADAS FRENTE

REALIDADE DAS ESCOLAS MULTISSERIADAS FRENTE A REALIDADE DAS ESCOLAS MULTISSERIADAS FRENTE ÀS CONQUISTAS NA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL HAGE, Salomão Mufarrej UFPA GT: Educação Fundamental/ n.13 Agência Financiadora: CNPq Introdução Este texto apresenta

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR COLÉGIO ESTADUAL CHATEAUBRIANDENSE ENSINO MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL R. ESTADOS UNIDOS, 170 - JD. AMÉRICA ASSIS CHATEAUBRIAND

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo Andréia Ferreira dos SANTOS; Camilla Machado de SOUZA; Carmelita Brito de Freitas

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação Introdução A investigação e análise contidas neste trabalho tomam por

Leia mais

PROPOSTAS DE PLANO DE GESTÃO IFSP CAMPUS CATANDUVA - 2015-2017

PROPOSTAS DE PLANO DE GESTÃO IFSP CAMPUS CATANDUVA - 2015-2017 PROPOSTAS DE PLANO DE GESTÃO IFSP CAMPUS CATANDUVA - 2015-2017 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DO OBJETIVO A palavra viva é diálogo existencial. Expressa e elabora o mundo, em comunicação e colaboração.

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Contexto do Ensino Médio Ensino Médio Evolução das matrículas, 1991-2012 1991

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Mesa-redonda: Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Debatedores: Profª, mestranda em Letras (UFSM) e professora de ensino médio público estadual; e Profª Me. Tânia Maria

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO (versão preliminar) Brasília, setembro

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES

NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES CHAPA: InterAÇÃO: Equidade e Responsabilidade Propostas para a Gestão Junho/2013 a Junho/2017 UBERLÂNDIA 2013 1.0 APRESENTAÇÃO DO CANDIDATO Bacharel e Licenciado

Leia mais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais SENAI Missão: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da Indústria Brasileira. Linhas de atuação

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDRAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS MARCELO MENDES DOS SANTOS O Proeja no IFG: o processo seletivo para

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ALGUMAS PONDERAÇÕES

A IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ALGUMAS PONDERAÇÕES A IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ALGUMAS PONDERAÇÕES Inajara Ramos 1, Lislene Nagaroto 2, Luciana Alves 3, Vera Lúcia Catoto Dias 4, Ana Maria

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO LARSON, Sandra PUCPR. slarson@terra.com.br MATHEUSSI, Elisa Machado - PUCPR elisa.matheussi@pucpr.br Resumo Esta pesquisa objetiva discutir o projeto político

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

PERSPECTIVAS DE GESTORES SOBRE INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

PERSPECTIVAS DE GESTORES SOBRE INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PERSPECTIVAS DE GESTORES SOBRE INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Amanda Carlou Rosana Glat Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Programa de Pós - Graduação em Educação PROPED Rio de Janeiro Eixo

Leia mais

1º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional

1º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional Instituição: Lar Escola São Francisco - São Paulo - SP Categoria: Parceria Público/Privado Trabalho Serviço de Orientação e Empregabilidade Resumo do trabalho Case Janssen-Cilag O case Janssen-Cilag iniciou-se

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA E A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: NOVOS OLHARES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM EJA.

O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA E A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: NOVOS OLHARES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM EJA. O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA E A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: NOVOS OLHARES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM EJA. Regina Magna Bonifácio de ARAÚJO Professora e pesquisadora da

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Palavras-Chave: Formação de Professores, Institutos Federais, Curso de Pedagogia.

Palavras-Chave: Formação de Professores, Institutos Federais, Curso de Pedagogia. O PROCESSO FORMATIVO DO CURSO DE PEDAGOGIA NO CAMPUS PORTO ALEGRE DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL: APONTAMENTOS INICIAIS Josiane Carolina Soares Ramos do Amaral

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO Universidade Estadual de Campinas

FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO Universidade Estadual de Campinas Revisão do PLANES FEC 2011-2015 1. Apresentação 1.1 Metodologia A metodologia utilizada está fundamentada nos passos do planejamento estratégico sugerido pela Coordenadoria Geral da Universidade - CGU.

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL: MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS NA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL: MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS NA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO PÚBLICA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL: MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS NA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO PÚBLICA Adelaide Freitas da Silva Filha Graduanda em Pedagogia CEAD - UFPI Orientadora: Georgina Quaresma Lustosa Professora da

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo ANA EUGÊNIA NUNES DE ANDRADE Jornalista, professora do Curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo, da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE Alessandra Garcia Campos de Aguiar 1 alessandracampeche@gmail.com Melissa Weber de Oliveira

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE 399 A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE Maryana Barrêtto Pereira¹; Solange Mary Moreira Santos² e Kamilla de Fátima Magalhães

Leia mais

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas.

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. 1364 X Salão de Iniciação Científica PUCRS A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. FONTOURA, Maria Eugênia 1, PEREIRA, Débora Couto 1, LEBEDEFF, Tatiana 1, BASTOS, Amélia

Leia mais

:: Organização Pedagógica ::

:: Organização Pedagógica :: 1. DA GESTÃO DA ESCOLA :: Organização Pedagógica :: A gestão da escola é desenvolvida de modo coletivo com a participação de todos os segmentos nas decisões e encaminhamentos, oportunizando alternância

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação DOCUMENTO PARA SUBSIDIAR DISCUSSÃO NA AUDIÊNCIA PÚBLICA REGIONAL RECIFE 21/03/01. ANÁLISE DA VERSÃO PRELIMINAR DA PROPOSTA DE DIRETRIZES

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: SABERES E PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: SABERES E PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: SABERES E PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES 1 Luciane Rodrigues de Bitencourt- UPF/Brasil 2 Clóvia Marozzin Mistura UPF/Brasil 3 Luiz Marcelo Darroz UPF/Brasil

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

PIBID - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência

PIBID - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID é um programa de incentivo e valorização do magistério e de aprimoramento do processo de formação de docentes para a educação básica, vinculado

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Faculdade de Sorocaba AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Sorocaba Dezembro 2014 1 Faculdade

Leia mais

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Linha Direta INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Desmistificado, ensino técnico brasileiro passa a ser a possibilidade mais rápida de inserção no mercado de trabalho TECNOLOGIA

Leia mais

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Aprova a Política de Inclusão de Discentes com Necessidades Educacionais Especiais do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do Centro Universitário

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Projeto de Monitoria 2010/2011

Projeto de Monitoria 2010/2011 Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Campus Guarulhos Curso de Ciências Sociais Projeto de Monitoria 2010/2011 Ciências Sociais, Linguagens e Tecnologias: formação docente inicial e práticas de

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo Este trabalho é parte de uma pesquisa de natureza qualitativa

Leia mais

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 DECLARAÇÃO NACIONAL DO PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL Brasília, Brasil 14-16 setembro de 2010 Grupos 1 e 2 Tema: Inclusão Educativa Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 Exclusão de estudantes com deficiência

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da PROJETO FEIRA DE ITABAIANA: RELATOS DE UMA ATIVIDADE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR Crislaine Barreto de Gois (UFS) 1 Antônio Carlos Pinto Oliveira (UFS) Sérgio Matos Santos (UFS)

Leia mais

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES Morilo Aquino Delevati 1 Vanessa Lopes da Silva 2 Leandro Marcon Frigo 3 Resumo: A elaboração de oficinas está incorporada à formação inicial e continuada

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Ensino Médio e Profissional

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Ensino Médio e Profissional Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Ensino Médio e Profissional Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário

Leia mais

CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica

CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica 1 DEGEB Departamento de Desenvolvimento Curricular de Gestão da Educação Básica 2 CEFAF Centro de Ensino dos Anos Finais, Ensino Médio e Educação Profissional

Leia mais