Empresário Irregular:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresário Irregular:"

Transcrição

1 ... depois de estudarmos que o conceito de empresário encontra-se no artigo 966 do CC e que o conceito de empresa se extrai do conceito de empresário, vejamos agora a figura do empresário e da sociedade irregular. Empresário Irregular: Empresário irregular é aquele que explora determinada atividade empresarial sem cumprir com as suas obrigações legais específicas. O Art. 967 do CC diz que é obrigatória a inscrição do empresário no Registro Público de Empresas Mercantis da respectiva sede (leia-se Junta Comercial Estadual), antes do início de sua atividade. Como vimos o conceito de empresário esta expresso no artigo 966 do CC, e o conceitua como o exercente profissional de atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou serviços, não mencionando inscrito ou não no registro de empresas. O registro no órgão próprio (junta comercial do estado), não é da essência do conceito do empresário, por isso podemos ter o empresário irregular, que exerce a atividade empresarial como descrito no art. 966 do CC, mas não está devidamente inscrito e regularizado como manda o art. 967 do CC. O empresário não registrado não pode usufruir dos benefícios que o direito empresarial libera em seu favor. Consequências da irregularidade: NÃO CONSEGUIRÁ: Vender para a administração pública (participar de licitações); Contrair empréstimos bancários; Gozar dos benefícios do Dir. Empresarial (ex: Requerer recuperação judicial, ou ter seus livros autenticados no Registro de Empresa, valendo-se assim da eficácia probatória que a legislação processual atribui a esses instrumentos, no art. 379 do CPC) Sua empresa será informal e sonegadora de tributos. -> sem contar que o empresário irregular responderá por todas as obrigações contraídas Art. 973 do C.C. - Introdução ao Dir. Empresarial Página 1

2 Sociedade Empresária Irregular (Sociedade em Comum) ** Cópia do Código Civil SUBTÍTULO I Da Sociedade Não Personificada CAPÍTULO I Da Sociedade em Comum Art Enquanto não inscritos os atos constitutivos, reger-se-á a sociedade, exceto por ações em organização, pelo disposto neste Capítulo, observadas, subsidiariamente e no que com ele forem compatíveis, as normas da sociedade simples. A Sociedade em Comum é uma sociedade empresária de fato ou irregular que não está juridicamente constituída sendo, portanto uma sociedade não personificada e que não pode ser considerada uma pessoa jurídica. Para muitos doutrinadores, as sociedades de fato e as irregulares são a mesma coisa, contudo muitos as distinguem, pois as sociedades de fato não possuem ato constitutivo, enquanto que as sociedades irregulares possuem os atos constitutivos, porém sem estarem devidamente inscritos no órgão competente. A terminologia utilizada pelo Código para designar as pessoas jurídicas que não registram seu ato constitutivo é a de sociedades não personificadas. Essa sociedade prevista nos artigos 986 a 990, do Código Civil, apesar de irregular, procurou-se estabelecer normas de observância obrigatória, basicamente relativas ao aspecto patrimonial e à responsabilidade perante terceiros, sendo possível a aplicação subsidiária das normas relativas às sociedades simples (artigos 997 a 1.038, do Código Civil). Os sócios somente poderão provar, uns em relação aos outros, a existência da sociedade mediante documentos escritos, mas os terceiros podem prová-la de qualquer modo. (Art. 987 do CC) Responsabilidade solidária e ilimitadamente dos sócios pelas obrigações sociais, talvez a maior e principal consequência da irregularidade, significa que cada sócio responde com seu patrimônio pessoal pelo pagamento integral da dívida contraída em nome da sociedade, ou, em outras palavras, que o credor tem o direito de cobrá-la, no todo ou em parte, de um, alguns ou todos os sócios devedores a seu exclusivo critério. - Introdução ao Dir. Empresarial Página 2

3 O Código Civil em seu artigo 986 diz que o regime jurídico das sociedades simples se aplica subsidiariamente (e no que for compatível) às sociedades em comum (irregulares, de fato ou em formação). Portanto vejamos o que é a Sociedade Simples: Sociedade Simples: A sociedade de natureza Simples encontra guarida nos artigos 982 e 983 do Código Civil de 2002, e não deve ser jamais confundida com a sociedade em comum, pois apesar da sociedade simples NÃO SER considerada uma sociedade empresarial, ela é uma sociedade regular, devidamente registrada, porém seus atos (constituição, alteração e extinção) são registrados no Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas e não na Junta Comercial Estadual. As sociedades simples são aquelas que os sócios exercem a suas profissões, ou seja, a prestação de serviço tem natureza estritamente pessoal. O exemplo clássico é uma sociedade de médicos, em que os próprios profissionais realizam a atividade fim da sociedade, ou também, advogado, dentista, pesquisador, escritor, etc. Em razão disso, as cooperativas e associações também sempre serão sociedades simples. Como se pode depreender do exemplo acima citado, no caso da sociedade simples, a PESSOALIDADE dos sócios deve ter direta ligação com a atividade desenvolvida pela sociedade, o que não é o caso da atividade empresária pois uma de suas características se destaca a IMPESSOALIDADE do empresário. Diante dessa distinção, o registro das sociedades simples e empresárias também segue essa mesma diferenciação. Assim, são registradas na Junta Comercial as sociedades empresárias - em que prevalece a atividade empresarial e, subsequentemente, no Registro Civil de Pessoas Jurídicas, as simples, em que predomina a atividade pessoal dos sócios. - Introdução ao Dir. Empresarial Página 3

4 Então primeiramente lembrar que SOCIEDADE SIMPLES não é uma modalidade de Sociedade Empresária, devendo seu registro ser feito no Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas, portanto a Sociedade Simples é uma sociedade regularizada e personificada. Esse tipo de Sociedade ficará em segundo plano no nosso estudo, pois o que nos interessa são as Sociedades Empresárias, por isso é importante apenas saber a definição da Sociedade Simples para não confundi-la com a Sociedade em Comum, que é uma sociedade empresária só que irregular, não personificada, que gera obrigações aos seus sócios mesmo sem a devida inscrição legal do art.986 do CC. NÃO CONFUNDIR: SOCIEDADE SIMPLES ( Regular e Personificada, mas não é empresária) SOCIEDADE EM COMUM ou SOCIEDADE IRREGULAR ou SOCIEDADE DE FATO (Irregular e Não Personificada, mas é empresária) Princípio da Preservação da Empresa: Com o moderno princípio da preservação da empresa, há um reforço de sua função social, através da criação de mecanismos adequados para preservar a atividade empresarial. - Introdução ao Dir. Empresarial Página 4

5 QUESTÕES DE FIXAÇÃO: Assinale a opção incorreta. a) Tanto a sociedade irregular quanto a de fato compõem categorias de sociedade comum. b) Na sociedade em comum, os sócios, nas relações entre si ou com terceiros, somente por escrito podem provar a existência da sociedade, e também os terceiros deverão assim provar. c) Sociedade irregular é aquela cujo contrato social não está inscrito no registro próprio. d) Sociedade de fato é aquela que nem mesmo possui contrato social escrito Sobre empresário, assinale a correta: a) Equipara-se à empresário quem exerce profissão intelectual de natureza literária ou artística. b) Não é obrigatória a inscrição do empresário no Registro Público de Empresas Mercantis, antes do início de sua atividade. c) A inscrição do empresário poderá ser feita alternativamente ao registro Público de Empresas Mercantis ou no registro de Títulos e Documentos, porque possuem a mesma finalidade, que é dar publicidade dos atos. d) A pessoa legalmente impedida de exercer a atividade própria de empresário, mas mesmo assim a exerce responderá pelas obrigações contraídas. Gabarito: 1- B / 2- D - Introdução ao Dir. Empresarial Página 5

6 Os quatro perfis empresariais: perfil objetivo, subjetivo, institucional e funcional. Alguns doutrinadores, ao tratar sobre os perfis da empresa, leciona que o conceito poliédrico (ou seja vários lados) desenvolvido pelo italiano Alberto Asquini concebe quatro perfis à empresa, visualizando-a, como objeto de estudos, por quatro aspectos distintos, que são: a) perfil ou aspecto subjetivo; b) perfil ou aspecto objetivo; c) perfil ou aspecto funcional; e d) perfil ou aspecto corporativo ou institucional O aspecto subjetivo consiste no estudo da pessoa que exerce a empresa, ou seja, a pessoa natural (empresário individual) ou a pessoa jurídica (sociedade empresária) que exerce atividade empresarial. O aspecto objetivo ou patrimonial foca-se nas coisas utilizadas pelo empresário individual ou sociedade empresária no exercício de sua atividade. São todos os bens que instrumentalizam a vida negocial. Em suma, consiste no estudo da teoria do estabelecimento empresarial. Já o aspecto funcional, refere-se à dinâmica empresarial, isto é, a atividade própria do empresário ou da sociedade empresária, em seu cotidiano negocial. Nesse aspecto, empresa é entendida como exercício da atividade (complexo de atos que compõem a vida empresarial). Finalmente, o aspecto corporativo ou institucional estuda os colaboradores da empresa, empregados que, com o empresário, envidam esforços à consecução dos objetivos empresariais. Pelo fato do aspecto corporativo submeter-se às regras da legislação laboral no direito brasileiro, alguns doutrinadores (como Waldírio Bulgarelli) entendem que no Brasil, a Teoria Poliédrica da Empresa foi reduzida à Teoria Triédrica da Empresa, abrangendo tãosomente os perfis subjetivos, objetivo e funcional, que interessam à legislação civil que trata da atividade empresarial. - Introdução ao Dir. Empresarial Página 6

7 Exercício de Fixação: Para a Teoria da Empresa, adotada no Brasil com o Código Civil de 2002, é empresarial a atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. Será empresário, pois, aquele que exercer profissionalmente essa atividade. A respeito dessa teoria, é INCORRETO afirmar: a) O aspecto objetivo se refere à dinâmica empresarial, ou seja, à atividade própria do empresário ou da sociedade empresária, em seu cotidiano negocial, que nada mais é do que o complexo de atos que compõem a vida empresarial. b) Ela surgiu e foi desenvolvida na Itália, sendo um de seus expoentes Alberto Asquini. c) Como objeto de estudos, a empresa possui quatro perfis, de acordo com seus quatro aspectos distintos, que são o perfil ou aspecto subjetivo, o perfil ou aspecto objetivo, o perfil ou aspecto funcional e o perfil ou aspecto corporativo. d) No direito brasileiro o aspecto corporativo submete-se ao regramento da legislação trabalhista, daí por que Waldirio Bulgarelli prefere dizer que a Teoria Poliédrica da Empresa é reduzida, no Brasil, à Teoria Triédrica da Empresa, abrangendo tão somente os perfis subjetivo, objetivo e funcional, que interessam à legislação civil. Gabarito: A - Introdução ao Dir. Empresarial Página 7

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES CONCEITO Rubens Requião ensina que empresa é aquilo que o empresário ou a sociedade empresária faz, de forma que os efeitos da empresa não são senão

Leia mais

vamos agora estudar e classificar as empresas de acordo com o seu faturamento:

vamos agora estudar e classificar as empresas de acordo com o seu faturamento: Depois de estudar - a evolução do direito empresarial; - os conceitos de empregador, empresário e empresa; - O empresário e a sociedade empresária irregular (Diferente da Sociedade Simples); - A teoria

Leia mais

Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010).

Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010). Prof. Thiago Gomes Empresariais O que é uma sociedade? Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010). Qual o foco de nosso estudo? As sociedades cujo o objetivo é lucro para seus sócios.

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015. DIREITO EMPRESARIAL I Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015. Empresário Empresário é a pessoa que toma a iniciativa de organizar uma atividade econômica de produção ou circulação de bens ou serviços. Pode Ser

Leia mais

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack Direito Empresarial Aula 7 Empresário e estabelecimento empresarial Prof. Dr. Érico Hack PUCPR Evolução - Empresa Teoria subjetiva Corporações de ofício Teoria objetiva atos de comércio lista taxativa

Leia mais

Instituições de Direito FEA

Instituições de Direito FEA Instituições de Direito FEA MÓDULO II INTRODUÇÃO AO DIREITO EMPRESARIAL! Pessoa jurídica vs. Pessoa física! Personalidade jurídica! Registro dos atos constitutivos! Empresa e empresário! EIRELI e sociedade

Leia mais

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira As sociedades empresárias no Código Civil José Rodrigo Dorneles Vieira jrodrigo@portoweb.com.br 1. A LEGISLAÇÃO EMPRESARIAL: ANÁLISE GERAL 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPRESÁRIO Conceito de empresário A questão

Leia mais

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis AULA 5 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 5.1. Desconsideração da personalidade jurídica da empresa Em algumas situações, o patrimônio

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL A SOCIEDADE NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Art. 981. Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha,

Leia mais

A função social da empresa

A função social da empresa A função social da empresa Considerações iniciais A função social da empresa tem como fundamento fornecer a sociedade bens e serviços que possam satisfazer suas necessidades. A propriedade privada é um

Leia mais

Curso Direito Empresarial Administração

Curso Direito Empresarial Administração AULA 4 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 4.1. As sociedades empresárias A pessoa jurídica Sociedade empresária é um agrupamento

Leia mais

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais.

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Profissionais liberais que prestam os serviços de forma direta e profissionais

Leia mais

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES 1 TIPOS DE SOCIEDADES NO DIREITO BRASILEIRO SOCIEDADE EM COMUM não tem personalidade jurídica os sócios são ilimitadamente responsáveis SOCIEDADE SIMPLES atividades

Leia mais

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack Direito Empresarial Aula 6 Personalidade e direitos pessoa física e jurídica Prof. Dr. Érico Hack PUCPR Personalidade pessoas naturais Código Civil pessoa física sujeito de direitos e deveres Pessoas naturais

Leia mais

A Teoria da Empresa e sua aplicabilidade no Código Civil de O empresário:

A Teoria da Empresa e sua aplicabilidade no Código Civil de O empresário: AULA 2 - TEORIA DA EMPRESA EMPRESÁRIO - Teoria da Empresa - Código Civil Italiano de 1942: Na Itália, o Código civil de 1942 adota a teoria da empresa, sem, contudo ter formulado um conceito jurídico do

Leia mais

1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente:

1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente: DIREITO EMPRESARIAL 1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente: A) O juiz dissolve a sociedade, se acolher o pedido; B) Mesmo se acolhido o pedido,

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL 1. A recuperação extrajudicial é uma modalidade prevista na Lei Nº 11.101/2005, e pode ser adotada pelo empresário em dificuldade e com

Leia mais

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. EMPRESÁRIO... 3 1. Caracterizando o empresário... 3 1.1 Conceito... 3 1.2 Elementos essenciais de caracterização do empresário... 4 1.3 Classificação do empresário...

Leia mais

1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica:

1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica: 1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica: a) sociedade em nome coletivo b) sociedade em comandita simples c) sociedade de capital e indústria

Leia mais

1 Classificação das sociedades

1 Classificação das sociedades 1 Classificação das sociedades Qto à forma de exploração do objeto Qto à personificação Qto ao regime de constituição Qto à forma de constituição Qto à nacionalidade Qto ao capital Qto à responsabilidade

Leia mais

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ;

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ; x Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social Empresa : 1. empreendimento ; 2. organização econômica destinada à produção ou venda de mercadoria ou serviços,

Leia mais

LEGALE CURSO DE EXECUÇÃO TRABALHISTA. Sujeito Passivo / Grupo de Empresas / Sucessão

LEGALE CURSO DE EXECUÇÃO TRABALHISTA. Sujeito Passivo / Grupo de Empresas / Sucessão LEGALE CURSO DE EXECUÇÃO TRABALHISTA Sujeito Passivo / Grupo de Empresas / Sucessão Professor: Rogério Martir Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad Del Museo Social Argentino, Advogado

Leia mais

Direito Empresarial e Trabalhista

Direito Empresarial e Trabalhista Profa. Dra. Silvia Bertani Direito Empresarial e Trabalhista As sociedades organização formada por duas ou mais pessoas, por meio de um contrato com ou sem o registro, para o exercício de uma atividade

Leia mais

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS O contrato social é o regulador das relações obrigacionais entre os sócios, alicerçada na Constituição Federal, nas leis e nos princípios gerais do Direito, sendo os

Leia mais

Prefeitura do Município de Piracicaba Secretaria Municipal de Administração Departamento de Material e Patrimônio Divisão de Compras

Prefeitura do Município de Piracicaba Secretaria Municipal de Administração Departamento de Material e Patrimônio Divisão de Compras O, por intermédio da, comunica que, de acordo com o que dispõe a Lei Federal nº 8.666/93 e suas alterações, os Srs. Fornecedores da Prefeitura do Município de Piracicaba que desejarem se inscrever no CERTIFICADO

Leia mais

EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012.

EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012. EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - EXIGÊNCIAS PARA CONSTITUIÇÃO 2.1 - Nome Empresarial

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO ADMINISTRATIVO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO ADMINISTRATIVO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO ADMINISTRATIVO QUESTÃO 1 - Quanto aos princípios constitucionais da Administração Pública, assinale a alternativa correta. A. O princípio da supremacia

Leia mais

Direito Empresarial

Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

Provimento Nº.../2016. Dispõe sobre a Sociedade Individual de Advocacia

Provimento Nº.../2016. Dispõe sobre a Sociedade Individual de Advocacia Provimento Nº.../2016 Dispõe sobre a Sociedade Individual de Advocacia O CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 54, V, da Lei n 8.906,

Leia mais

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO 2014 SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS. SOCIEDADES EM COMUM. SOCIEDADES SIMPLES. SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO. SOCIEDADES EMPRESARIAIS CLASSIFICAÇÕES DAS SOCIEDADES QUANTO

Leia mais

CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA

CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA 1 CONCEITO DE SOCIEDADE Código Civil - Art. 981 Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício

Leia mais

Constituição de Pessoa Jurídica para a prestação de serviços personalíssimos. Rosana Oleinik Mestre e doutoranda PUC/SP

Constituição de Pessoa Jurídica para a prestação de serviços personalíssimos. Rosana Oleinik Mestre e doutoranda PUC/SP Constituição de Pessoa Jurídica para a prestação de serviços personalíssimos Rosana Oleinik Mestre e doutoranda PUC/SP Forma x conteúdo? Forma x conteúdo A forma é o que aparece ao interlocutor e pressupõe

Leia mais

A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias. Michele Schwan Advogada OAB/RS

A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias. Michele Schwan Advogada OAB/RS A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias Michele Schwan Advogada OAB/RS 86.749 As três modalidades de constituição de empresa mais utilizadas no Rio Grande do Sul, conforme a Junta

Leia mais

Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016.

Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016. Slide 1 EIRELI: Análise Legal e os Resultados Práticos Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016. Slide 2 Conteúdo Programático: - Análise Histórica da Introdução das EIRELI s no Direito Brasileiro; - Conceito

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 06 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PREPARATÓRIO XXII EXAME DE ORDEM

DIREITO EMPRESARIAL PREPARATÓRIO XXII EXAME DE ORDEM Prof. Ma Marina Zava de Faria FACE: Marina Zava INSTA: Marina Zava Periscope:@marinazava E-mail: profmarinazava@hotmail.com DIREITO EMPRESARIAL PREPARATÓRIO XXII EXAME DE ORDEM 1. CONCEITO: Modalidade

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães Matéria: Obrigações do empresário: O Regime Empresarial Registro: matrícula, arquivamento e autenticação Órgãos de Atuação: DNRC e Junta Comercial Escrituração:

Leia mais

Direito Empresarial

Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

COMENTÁRIOS DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS AO PROJETO DE ESTATUTOS

COMENTÁRIOS DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS AO PROJETO DE ESTATUTOS COMENTÁRIOS DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS AO PROJETO DE ESTATUTOS Relativamente aos comentários e alterações efetuados ao projeto de Estatutos da Ordem dos ROC apresentamse os seguintes comentários

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduação em Música. ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL

Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduação em Música. ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO l DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO, MANUTENÇÃO, SEDE E FORO Artigo 1º - Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória?

1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória? CADERNO DE EXERCÍCIOS 1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória? 2) Vale transporte pago em dinheiro, vale refeição pago em dinheiro, concessão de

Leia mais

Francisco Penante Jr. Direito Empresarial. 2ª edição Revista, ampliada e atualizada

Francisco Penante Jr. Direito Empresarial. 2ª edição Revista, ampliada e atualizada Francisco Penante Jr. 37 Direito Empresarial 2ª edição Revista, ampliada e atualizada 2017 capítulo 2 DO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL E DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA Leia a lei: Arts. 44,

Leia mais

UNIDADE 7 SOCIEDADE EM COMANDITA SIMPLES

UNIDADE 7 SOCIEDADE EM COMANDITA SIMPLES UNIDADE 7 SOCIEDADE EM COMANDITA SIMPLES 1 Profª. Roberta Siqueira/ Direito Empresarial II ATENÇÃO: Este material é meramente informativo e não exaure a matéria. Foi retirado da bibliografia do curso constante

Leia mais

Certificados de Crédito Cooperativo (CCC)

Certificados de Crédito Cooperativo (CCC) Certificados de Crédito Cooperativo (CCC) Conceito: título de crédito nominativo, transferível e de livre negociação, que representa promessa de pagamento em dinheiro e constitui título executivo extrajudicial.

Leia mais

SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL CAPÍTULO 1 Do Direito Comercial ao Direito Empresarial 3 1. Origem do Direito Comercial... 3 2. Teoria dos atos de comércio (sistema francês)... 4 3.

Leia mais

Pessoas Jurídicas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Pessoas Jurídicas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Pessoas Jurídicas Pessoas Jurídicas Pessoas jurídicas são entidades criadas para a realização de um fim e reconhecidas pela ordem jurídica como sujeitos de direitos e deveres. Pessoas Jurídicas Características:

Leia mais

Processo n /Comissão Nacional de Sociedades de Advogados

Processo n /Comissão Nacional de Sociedades de Advogados COMISSÃO NACIONAL DE SOCIEDADE S DE ADVOGADOS Processo n. 49.0000.2015.010104-0/Comissão Nacional de Sociedades de Advogados Assunto: Possibilidade de averbação, nos registros da OAB, da condição de sociedade

Leia mais

IMPACTOS CORPORATIVOS SOBRE AS ALTERAÇÕES DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Carolina Sayuri Nagai Calaf

IMPACTOS CORPORATIVOS SOBRE AS ALTERAÇÕES DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Carolina Sayuri Nagai Calaf IMPACTOS CORPORATIVOS SOBRE AS ALTERAÇÕES DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Carolina Sayuri Nagai Calaf O QUE MUDOU EM LINHAS GERAIS Parágrafo 5º, no art. 46: Execução Fiscal sempre será proposta no domicílio

Leia mais

Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa

Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa SUMÁRIO Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa... 17 1. Origens do Direito Empresarial.... 17 2. Autonomia do Direito Empresarial... 20 3. Fontes do Direito Empresarial... 21 4. Do Direito de Empresa...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SETOR DE LICITAÇÕES

PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SETOR DE LICITAÇÕES PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SETOR DE LICITAÇÕES EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO 009/2011 Secretaria Municipal de Administração Processos: 100094/2011 ROMILDO BOLZAN

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Cargo de confiança 1) A determinação do empregador para que

Leia mais

DA ADVOCACIA 1ª Parte

DA ADVOCACIA 1ª Parte Página1 1. O ADVOGADO Não é tarefa simples dissertar sobre o advogado. A profissão desperta paixões e ódios. Ao mesmo. Ao mesmo tempo em que se enaltece, de forma romântica e poética, aquele que tem por

Leia mais

ANEXO I MINUTA DE CONTRATO ADMINISTRATIVO

ANEXO I MINUTA DE CONTRATO ADMINISTRATIVO ANEXO I MINUTA DE CONTRATO ADMINISTRATIVO O MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA URTIGA-RS, pessoa jurídica de direito público, inscrito no CNPJ sob nº 90.483.082/0001-65, com sede na Avenida Professor Zeferino, n.

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS

CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS Pelo presente instrumento particular de contrato [Nome do Advogado], [nacionalidade], [estado civil], advogado(a), inscrito(a) na OAB/Ba sob n. [...], inscrito(a)

Leia mais

Direito Processual Civil Executivo. Programa

Direito Processual Civil Executivo. Programa Direito Processual Civil Executivo Programa Rui Pinto Duarte 2010/2011 I Aspectos Gerais 1. Noção de acção executiva 2. O princípio do dispositivo na acção executiva (3.º, 810 e 675-A) 3. Execução individual

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Empreendedorismo Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Unidades da Disciplina: As Empresas; Mortalidade, Competitividade e Inovação Empresarial; Empreendedorismo; Processo Empreendedor; Instituições de

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL, INVESTIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO

DIREITO EMPRESARIAL, INVESTIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO DIREITO EMPRESARIAL, INVESTIMENTO E INTERNACIONALIZAÇÃO Grupos societários e o regime legal das insolvências e recuperação de empresas Paulo Valério Relevância do tema no contexto da conferência a) Aspetos

Leia mais

Direito em ação, Brasilia, v.8 n.1, janeiro 2012

Direito em ação, Brasilia, v.8 n.1, janeiro 2012 167 DIREITO EMPRESARIAL 169 Tentativa de Superação da Responsabilidade Ilimitada do Empresário Individual como Forma de Fomentar a Economia. Amaury Walquer Ramos de Moraes* 1 Ruth Marlen da C. Pedrosa*

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Airton Roberto Rehbein Auditor Público MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS A Lei Federal 3.204/2015 alterou a

Leia mais

O CONTRATO DE SOCIEDADE

O CONTRATO DE SOCIEDADE O CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONCEITO DE CONTRATO contrato é o acordo de vontade de duas ou mais pessoas com a finalidade de adquirir, resguardar, modificar ou extinguir direitos. (Bevilacqua, 1916 p. 245)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Senhor Alexandre Leite)

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Senhor Alexandre Leite) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Senhor Alexandre Leite) Altera a Constituição das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, bem como insere o artigo 15-A no Novo

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Atos de comércio. Surge a teoria da empresa. Títulos de crédito: art CC e seguintes + lei 5474 e lei 7357

Atos de comércio. Surge a teoria da empresa. Títulos de crédito: art CC e seguintes + lei 5474 e lei 7357 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO PONTO 2: DIREITO COMERCIAL X EMPRESARIAL PONTO 3: ESPÉCIES DE EMPRESÁRIO E DESDOBRAMENTOS TEORIA GERAL DO DIR. SOCIETÁRIO: A LEGISLAÇÃO

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL. Exame de Ordem Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL

DIREITO EMPRESARIAL. Exame de Ordem Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PROFISSIONAL Um representante legal de cooperativa de crédito, com sede e principal estabelecimento localizados no Distrito Federal, voltada precipuamente para a realização de

Leia mais

O que é terceirização?

O que é terceirização? TERCEIRIZAÇÃO A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (8) o projeto de lei 4330/2004, que regulamenta contratos de terceirização no mercado de trabalho. Agora, o projeto será encaminhado diretamente

Leia mais

O aluno deverá consultar seu material didático a fim de responder ao seguinte caso concreto:

O aluno deverá consultar seu material didático a fim de responder ao seguinte caso concreto: ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL - CCJ0042 Título SEMANA 11 Descrição O aluno deverá consultar seu material didático a fim de responder ao seguinte caso concreto: Caso 1 : Procuração e Sociedade de Advogados

Leia mais

REUNIÃO TÉCNICA SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO: ASPECTOS CONTÁBEIS, SOCIETÁRIOS E TRIBUTÁRIOS

REUNIÃO TÉCNICA SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO: ASPECTOS CONTÁBEIS, SOCIETÁRIOS E TRIBUTÁRIOS REUNIÃO TÉCNICA SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO: ASPECTOS CONTÁBEIS, SOCIETÁRIOS E TRIBUTÁRIOS SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO 1) É UM CONTRATO PARTICULAR, NÃO REGISTRADO; 2) SÓ SRF CONHECE, A NÍVEL

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO CONTABILISTA O DIA A DIA NA CONTABILIDADE

GUIA PRÁTICO DO CONTABILISTA O DIA A DIA NA CONTABILIDADE GUIA PRÁTICO DO CONTABILISTA O DIA A DIA NA CONTABILIDADE Mário Sebastião de Azevedo Pereira Consultor empresarial que atua há mais de 20 anos nas áreas Contábil e Administrativa. É autor dos livros Excel

Leia mais

Roteiro de Aula- Int. trodução ao Direito Empresarial. econômicos, tais como: LSA, CDC, Lei de Locação Predial Urbana, entre outras.

Roteiro de Aula- Int. trodução ao Direito Empresarial. econômicos, tais como: LSA, CDC, Lei de Locação Predial Urbana, entre outras. AULA 01. CONCEITOS DE DIREITO EMPRESARIAL 1. Aspectos históricos Os povos da Antiguidade tinham como hábito produzir em sua casa, para consumo de sua família, todos os produtos necessários à sua subsistência,

Leia mais

Inscrição. COMO REQUERER: Protocolar obrigatoriamente na sede ou seccionais, o que segue.

Inscrição. COMO REQUERER: Protocolar obrigatoriamente na sede ou seccionais, o que segue. Inscrição Legalidade: A inscrição no CROSP é obrigatória pelas Leis Federais 5.965/73 e 6.839/80 e Consolidação CFO, após a realização da etapa anterior (1ª) e registros em Cartório/Junta Comercial deverão

Leia mais

COMUNICADO CORI/MG nº. 005/2016

COMUNICADO CORI/MG nº. 005/2016 Belo Horizonte, 20 de setembro de 2016. Senhor Oficial Registrador, Vimos através deste comunicado informar que em 16/09/2016, o Conselho Deliberativo do CORI aprovou, por unanimidade, as orientações abaixo

Leia mais

O DIREITO DAS OBRIGAÇÕES E SUAS RAMIFICAÇÕES NO CODIGO CIVIL BRASILEIRO

O DIREITO DAS OBRIGAÇÕES E SUAS RAMIFICAÇÕES NO CODIGO CIVIL BRASILEIRO O DIREITO DAS OBRIGAÇÕES E SUAS RAMIFICAÇÕES NO CODIGO CIVIL BRASILEIRO Maria Emiliana FRETES RESUMO: Tem por característica a Teoria Geral das Obrigações regimentar relações jurídicas de ordem patrimonial,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE SÃO PAULO. Inscrição

CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE SÃO PAULO. Inscrição Inscrição Legalidade: A inscrição no CROSP é obrigatória pelas Leis Federais 5.965/73 e 6.839/80 e Consolidação CFO, após a realização das etapas anteriores (1ª e 2ª) e registros em Cartório/Junta Comercial

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA De acordo com a Lei Federal 6.839/1980, é obrigatório o registro das entidades prestadoras de serviços nos órgãos competentes para a fiscalização.

Leia mais

PARECER JURÍDICO ANUIDADE CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA COBRANÇA - ISENÇÃO

PARECER JURÍDICO ANUIDADE CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA COBRANÇA - ISENÇÃO PARECER JURÍDICO ANUIDADE CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA COBRANÇA - ISENÇÃO Interessado: COSEMS-MG 1. Relatório Trata-se de consulta realizada por diversos municípios do FORUM REGIONAL acerca da legalidade

Leia mais

Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa

Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa RODOLFO VERMELHO Agente de Execução Cédula n.º 5357 Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa A Tramitação da Acção Executiva e a Probabilidade da Recuperação do Crédito 02 de Abril de

Leia mais

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS a EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS I) Dados cadastrais a) Razão Social: b) CNPJ: c) Inscrição Estadual: d) Inscrição Municipal: e) Endereço: f) Cidade:

Leia mais

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONTRATO DE SOCIEDADE 1 Elementos contratuais 2 Sociedades simples e empresárias 3 Sociedades não personificadas 4 Sociedade em comum 4.1 Patrimônio social e responsabilidade

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA NA JUSTIÇA DO TRABALHO

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA NA JUSTIÇA DO TRABALHO DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA NA JUSTIÇA DO TRABALHO Se negativa a providência supra, diante da responsabilidade dos sócios conforme artigos 592 e 596 do C.P.C c/c o inciso V do artigo 4º da

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Empresário no Direito Comercial Kledson Jose Pereira do Vale* 1. DIREITO EMPRESARIAL. Em 1808 nasce na França a teoria dos atos de comércio, época da Rev. Francesa. Nessa época

Leia mais

UNIDADE 2 CLASSIFICAÇÃO DAS SOCIEDADES

UNIDADE 2 CLASSIFICAÇÃO DAS SOCIEDADES UNIDADE 2 CLASSIFICAÇÃO DAS SOCIEDADES 1 Direito Empresarial II/ Profª Roberta Siqueira ATENÇÃO: Este material é meramente informativo e não exaure a matéria. Foi retirado da bibliografia do curso constante

Leia mais

Organograma do Direito de Empresa no Código Civil.

Organograma do Direito de Empresa no Código Civil. Organograma do Direito de Empresa no Código Civil www.mariacelesteadv.com.br CÓDIGO CIVIL (LEI 10.406/02) DO DIREITO DE EMPRESA Livro II, arts 966 a 1.195 SOCIEDADE - arts. 981 segs. EMPRESÁRIO - arts.966

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: / Av. Cel. Martiniano, 993 Centro COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: / Av. Cel. Martiniano, 993 Centro COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO EDITAL DE INSCRIÇÃO E/OU RENOVAÇÃO A na forma do art. 34, 1 da Lei n 8.666/93, torna público que para fornecimento de materiais e prestações de serviços ao Município de Caicó / RN, os interessados deverão

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A mercância e as principais obrigações do empresário Agnaldo Simões Moreira Filho[1] O presente artigo tratado direito empresarial, focando o estudo no conceito de empresário e nas

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE DIREITO CURRÍCULO PLENO BACHARELADO 1 CICLO/MÓDULO A Fundamental: (Direito, Política e Economia) Ciência Política 02 0 02 40 Economia e Negócios 04 0 04 80 Fundamentos do Direito Civil 04 0 04

Leia mais

PARADIGMAS DE CORREÇÃO

PARADIGMAS DE CORREÇÃO QUESTÃO 01 DIREITO CIVIL A conversão do negócio jurídico está previsto no art. 170 do Código Civil: Art. 170. Se, porém, o negócio jurídico nulo contiver os requisitos de outro, subsistirá este quando

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL 1. Sobre a chamada constitucionalização do Direito Civil, assinale a alternativa correta: A) A constitucionalização do Direito Civil preconiza,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARAS. Secretaria Municipal de Administração Coordenadoria de Compras Telefone: REPUBLICADO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARAS. Secretaria Municipal de Administração Coordenadoria de Compras Telefone: REPUBLICADO REPUBLICADO EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2010 PREÂMBULO Interessado: Secretaria Municipal de Comunicação Social e Institucional. Referência: Chamamento nº. 001/2010. Objeto resumido: Inscrição de

Leia mais

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO 1. Introdução O Estado Moçambicano encetou um processo de reformas legislativas e administrativas, visando dotar o País de leis

Leia mais

A RELATIVIZAÇÃO DA RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS DA SOCIEDADE LIMITADA E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO PRIVADO BRASILEIRO RESUMO

A RELATIVIZAÇÃO DA RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS DA SOCIEDADE LIMITADA E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO PRIVADO BRASILEIRO RESUMO A RELATIVIZAÇÃO DA RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS DA SOCIEDADE LIMITADA E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO PRIVADO BRASILEIRO 35 Alexandre Nogueira Falcão Mestre em Direito Empresarial. Professor do curso de Direito

Leia mais

Exercícios - ESAF Direito Empresarial Exercício Giovani Magalhães Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Exercícios - ESAF Direito Empresarial Exercício Giovani Magalhães Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Exercícios - ESAF Direito Empresarial Exercício Giovani Magalhães 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. AEP FISCAL: DIREITO EMPRESARIAL Questões Esaf Prof. Giovani

Leia mais

11/08/2016. Breve histórico do tratamento. GOVERNO: Federal Estadual Municipal. Tratamento diferenciado. Art. 179 GESTÃO DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

11/08/2016. Breve histórico do tratamento. GOVERNO: Federal Estadual Municipal. Tratamento diferenciado. Art. 179 GESTÃO DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS GESTÃO DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Breve histórico do tratamento Profa. MsC. Célia Regina Beiro da Silveira celiabeiro@expresso.com.br GOVERNO: Federal Estadual Municipal Tratamento diferenciado A Lei

Leia mais

ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS

ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS...(nome da Sociedade)... [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e

Leia mais

Considerações gerais sobre a EIRELI Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Omar Augusto Leite Melo*

Considerações gerais sobre a EIRELI Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Omar Augusto Leite Melo* Imprimir Enviar por E-mail Curtir 3 Compartilhe: Omar Augusto Leite Melo Advogado e Consultor Tributário. Pós Graduado em Direito Tributário pelo Centro de Extensão Universitária CEU de São Paulo. Professor.

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA AO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO PROF. GIL SANTOS

LEGISLAÇÃO APLICADA AO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO PROF. GIL SANTOS AULA 1 EXERCÍCIOS DEFINIÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO 1)Ao tratar das funções essenciais à justiça, estabelece a Constituição Federal, com relação ao Ministério Público, que: A) incumbe-lhe a defesa da ordem

Leia mais

1. Por meio deste aditamento, foram feitas as seguintes alterações: No referido edital no item Da Qualificação Econômico-Financeira

1. Por meio deste aditamento, foram feitas as seguintes alterações: No referido edital no item Da Qualificação Econômico-Financeira Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/03531 Objeto: Celesc Distribuição S.A. Aquisição de Alicate Terrômetro Digital e caixas de papelão para medidores. Data: 18/08/2015 1. Por meio deste aditamento,

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. Sujeitos do contrato de trabalho / empregador. Prof. Hermes Cramacon

DIREITO DO TRABALHO. Sujeitos do contrato de trabalho / empregador. Prof. Hermes Cramacon DIREITO DO TRABALHO Sujeitos do contrato de trabalho / empregador Prof. Hermes Cramacon Avulso Trabalhador portuário - Lei 12.815/2013. Trabalhador não portuário - Lei 12.023/2009. Conceito: Aquele que

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA DIVISÃO DE LICITAÇÃO, COMPRAS E ALMOXARIFADO.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA DIVISÃO DE LICITAÇÃO, COMPRAS E ALMOXARIFADO. DIVISÃO DE LICITAÇÃO, COMPRAS E ALMOXARIFADO. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSCRIÇÃO E REGISTRO NO QUADRO DE FORNECEDORES DESTA PREFEITURA Endereço: Av. Antonio Pires Pimentel, n 2015 CEP: 12.914.000 Bragança

Leia mais

Conselho Regional de Odontologia do Paraná

Conselho Regional de Odontologia do Paraná EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2017 Assunto: Inscrição de profissionais formados em comunicação, publicidade ou marketing com o intuito de constituir subcomissão técnica para contratação de agência

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRINHO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRINHO EDITAL Nº 005/2016 EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS PARA INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO NO CADASTRO DE FORNECEDORES DA. De conformidade com o disposto no artigo 34 da Lei Federal nº 8666, de

Leia mais