ANÁLISE E REDESENHO DO PROCESSO DE SUPRIMENTOS DE UMA USINA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL: Um estudo de caso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE E REDESENHO DO PROCESSO DE SUPRIMENTOS DE UMA USINA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL: Um estudo de caso"

Transcrição

1 ANÁLISE E REDESENHO DO PROCESSO DE SUPRIMENTOS DE UMA USINA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL: Um estudo de caso DE AZEVEDO, Daniel H. Carrara 1 AMORIN, Bruno Guimarães 2 PAULO, Márcio Luziano 3 BORGES, Ana Lúcia Araujo 4 BORGES, Bruno Souto s 5 RESUMO: Nas empresas atuais o processo de suprimentos tem se mostrado cada vez mais presente, pois, a logística empresarial tem atingido as empresas que se mostram carentes de qualidade e eficiência em seus processos. Este estudo tem como objetivo geral desenhar, analisar, identificar as rupturas e propor melhorias para o processo de aquisição de materiais e serviços da empresa que é objeto de estudo, uma indústria produtora de açúcar e álcool localizada no Triângulo Mineiro, através da utilização de ferramentas de qualidade como o FMEA, Ishikawa e 5W2H, e enfim, redesenhá-lo, assim como medir os resultados atingidos por meio dos indicadores de desempenho. Neste estudo serão apresentados os métodos utilizados para coleta dos dados, análise e tratamento desses dados. Os resultados alcançados são observados ao longo do processo de redesenho do sistema, que ainda está em execução, contudo, muitos dados consistentes são apresentados como, indicadores de desempenho, percentuais de redução de custos e despesas e aumento de qualidade no processo como um todo. Concluindo o estudo, pode-se afirmar que o processo de redesenho, aliado à ferramentas de qualidade permitem possibilidades de redução de custos, melhorias significativas em seus processos e vantagem competitiva, a partir do foco em resultados. Palavras-chave: Cadeia de suprimentos. Setor sucroalcooleiro. Ferramentas de qualidade. ABSTRACT: Companies in the current procurement process has proved more and more present, because the logistics business has hit businesses which are lacking in quality and efficiency in their processes. This study s general objective is to design, analyse, identify disruptions, and propose improvements to the process of purchasing materials and services company that is the object of study, an industry that produces sugar and ethanol located in the Minas Triangle, through the use of tools quality such as FMEA, Ishikawa and 5W2H, and finally, redraw it, and measure the results achieve through performance indicators. This study will present the methods used for data collection, analysis and processing. The results are observed throughout the process of resigning the system, which is still running, however, most consistent data are presented as performance indicators, percentage of reduction of costs and expenses and increase quality in the process as a whole. Completing the study, it can be said that the process of redesign, coupled with quality tools allow opportunities for cost reduction, significant improvement in its processes and competitive advantage, from the focus on results. Key words: Supply chain. Alcohol sector. Quality tools. 1 Daniel Humberto Carrara de Azevedo: Professor Especialista no Instituto Luterano de Ensino Superior ULBRA. 2 Bruno Guimarães Amorim: Especialista em Logística Empresarial pela Faculdade Pitágoras de Uberlândia. E- mail: 3 Márcio Luziano Paulo: Professor Especialista da União Educacional de Minas Gerais UNIMINAS. 4 Ana Lúcia Araujo Borges: Professora Mestre do Instituto Luterano de Ensino Superior ULBRA. 5 Bruno Souto Borges: Professor Especialista no Instituto Luterano de Ensino Superior ULBRA.

2 2 1 INTRODUÇÃO O processo de aquisição, que é um subprocesso do departamento de suprimentos, é iniciado quando há necessidade de algum material ou serviço para os departamentos, equipamentos e colaboradores de uma empresa. Assim, uma gestão eficaz da cadeia de suprimentos pode, além de reduzir os custos excedentes, proporcionar um maior nível de serviço aos clientes internos e externos, tornando-a extremamente competitiva. Contudo, muitas das organizações existentes no mercado atual não percebem a importância desse processo, e muitas vezes vêem seus lucros se esvaindo, ou seja, perdem a oportunidade de deixar de gastar e assim, maximizar seus resultdos, enfim, elas não conseguem identificar o gargalo. Necessitam de uma Gestão da Cadeia de Suprimentos. A justificativa de um estudo como o proposto é porque a empresa precisa otimizar seu processo de aquisição de materiais e serviços, a partir da análise e redesenho de seu processo. O objetivo geral consiste em desenhar, analisar, identificar as rupturas e propor melhorias para o processo de Aquisição de Materiais e Serviços da empresa que é objeto de estudo, uma indústria produtora de açúcar e álcool. Os objetivos específicos são os seguintes: elaborar o desenho do processo de aquisição de materiais e serviços; analisar o desenho e identificar as rupturas; classificar, utilizando a técnica de qualidade FMEA (Failure Mode and Effect Analysis), em português, Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial, o impacto dessas rupturas para o processo e para toda a organização; definir os indicadores de desempenho; propor, por meio de planos de ação, a resolução dessas rupturas; acompanhar o andamento dos planos de ação; verificar o ganho financeiro obtido com a minimização das rupturas e enfim, apresentar o processo redesenhado com todas as melhorias previstas. O método de abordagem utilizado foi o indutivo, aliado ao estatístico, ao quantitativo e ao qualitativo, pois, como afirma Christopher (2002), os custos logísticos não são transparentes, tampouco fáceis de medir. Por isso, foi necessária uma análise intensa sobre os dados já existentes do processo de suprimentos da empresa em questão. As técnicas de coleta de dados de observação direta extensiva, como indica Marconi e Lakatos (2001), foram: i. Desenho do Processo, no qual foi reunido um representante de cada área da empresa envolvida diretamente no processo de suprimentos da mesma para mapear o mesmo através de fluxograma; ii. Formulário de identificação dos pontos críticos do processo; foi elaborado por meio de um Brainstorming 4 estruturado, onde os participantes responderam às questões previamente definidas, ou seja, escolheram uma das alternativas; iii. Diagramação dos Ishikawas 5, que após definição dos pontos críticos na etapa anterior, os participantes, em grupos, conforme Matos (2004) estruturaram hierarquicamente as causas de determinado problema, no caso, os pontos críticos. Assim As causas que geram um efeito são agrupadas utilizando 6M: máquina, método, meio-ambiente, material, medidas e mão de obra, para identificar as causas de um efeito ou problema. (SARRIÉS, 2004 apud MATOS, 2004); 4 Termo emprestado do inglês ("tempestade de idéias") utilizado normalmente nas áreas de relações humanas e publicidade. É uma técnica desenvolvida para explorar a criatividade do indivíduo, colocando-a a serviço de seus objetivos. Fonte: < 5 O Diagrama de Ishikawa também conhecido como diagrama de espinha de peixe ou diagrama de causa e efeito, é utilizado para buscar origens das não conformidades e suas inter-relações em um processo (Montgomery, 1985 apud MATOS, 2004).

3 3 iv. Formulário de Indicadores de Desempenho, que trata da elaboração de uma relação com os pontos críticos que podem ser monitorados e que a eficiência do processo depende do cumprimento desses índices. Este artigo contempla informações essenciais para qualquer empresa com o intuito de avaliar as variáveis qualitativas e quantitativas com objetivo de otimizar as operações realizadas e de ampliar os contatos para fortalecer sua carteira de fornecedores. Na seqüência, expõem-se os seguintes tópicos: a revisão bibliográfica, o estudo de caso com os resultados e, finalmente, a conclusão. 2 REVISÃO DA LITERATURA A revisão literária aborda os temas centrais do estudo, que são: logística empresarial, gerenciamento da cadeia de suprimentos e a ferramenta de identificação e análise de falhas, denominada FMEA. 2.1 LOGÍSTICA A logística é praticada por muitos povos desde as civilizações antigas, onde na maioria das vezes as aldeias produziam além do que conseguiam consumir e havia necessidade de armazenar o excesso. Por outro lado, haviam peculiaridades nos costumes de cada aldeia ou cidadela e alguns produtos produzidos por uma aldeia às vezes não era encontrada em outra. Percebeu-se então uma possibilidade de apoveitamento desses materiais que ficavam estocados e na maioria das vezes eram deteriorados; associado às necessidades diversas de cada povo e cada aldeia, iniciaram-se as permutas, e para que essas acontecessem foram necessárias operações de transporte, negociação, compra e venda de materiais e armazengem de insumos e produtos acabados, a essas operações Ballou (2001) denomina Logística. Com a revolução industrial no século XIX e consequentemente a concretização do capitalismo, os cidadãos que outrora passavam desapercebidos pelas organizações, passaram a se situarem no centro de suas atenções. Conforme explica Ballou (2001), essa série de mudanças ocorridas no séculos XIX, fez com que as empresas voltassem os olhos para os cidadãos, que então passaram a ser chamados de clientes. Assim, a logística já começou a ganhar espaço nas empresas e na vida das pessoas, mesmo que desapercebida, pois como Ballou (2001) define logística: É o processo de planejamento, implementação e controle de fluxo eficiente e economicamente eficaz de matérias-primas, estoque em processo, produtos acabados e informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes (BALLOU, 2001, p. 21). 2.2 SUPRIMENTOS E GERENCIAMENTO DA CADEIA As empresas a todo o momento necessitam suprir suas necessidades. Para que se possa produzir algo, são necessários insumos, maquinários, mão-de-obra e etc. O departamento de suprimentos é aquele responsável pelo abastecimento de materiais da firma. Assim, o suprimento abrange a compra e a organização da movimentação de entrada de

4 4 materiais, peças e de produtos acabados dos fornecedores, para as fábricas ou montadoras, depósitos ou lojas de varejo. (BOWERSOX, 2001, p. 45) Pires (2004) define que, para o Supply Chain Council 6, uma Supply Chain (SC) abrange todos os esforços envolvidos na produção e liberação de um produto final, desde o (primeiro) fornecedor do fornecedor, até o (último) cliente do cliente. Quatro processos básicos definem esse esforço que são: planejar (plan), abastecer (source), fazer (make) e entregar (delivery). Ainda Pires (2004) relata que alguns autores da área preferem utilizar a expressão rede de suprimentos (supply network) ao invés de cadeia de suprimentos (Supply Chain), considerando que a cadeia não é simplesmente um elo entre fornecedores com tratamento um a um, mas sim uma rede de trabalho com múltiplos negócios e relacionamentos, podendo então ser tratado nos próprios clientes internos da organização. Assim, para Pires (2004), embasado no Global Supply Chain Fórum (GSCF), pode-se definir que: Supplay Chain Managemment (SCM) é a integração dos processos de negócios desde o usuário final até os fornecedores originais (primários) que providenciam produtos, serviços e informações que adicionam valor para os clientes e stakeholders 7. Com tantas vantagens competitivas, Pires (2004), visualiza a SCM como uma filosofia gerencial, no qual a integração das áreas envolvidas se torne participantes de todo processo logístico e que os objetivos se tornem comuns entre as áreas, fazendo com que haja uma sincronia mútua entre as partes, agregando valor ao cliente final. 2.3 MÉTODOS FMEA E ISHIKAWA Para se elaborar projetos, é necessário planejar os meios que serão colhidas informações pertinentes ao mesmo. Para Kyan (2001) apud Matos (2004), os benefícios da medição de desempenho podem surgir antes que os indicadores gerem as primeiras informações, pois o processo de desenvolvimento promove uma ampla visão da empresa e do seu ambiente, que resulta em um importante passo para a melhoria do desempenho global do negócio. O ato de medir o desempenho é um processo de negociação de interesse entre os Stakeholders da organização. A análise dos indicadores é um importante exercício para a identificação dos problemas na empresa. Matos (2004), usa métodos para gerenciar o processo de tomada de decisão, como por exemplo: FMEA e Diagrama de Ishikawa, no intuito de combater essas falhas FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) Segundo Moura (2000) apud Matos (2004), FMEA é: Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial, e foi desenvolvido pelas grandes empresas dos EUA no setor automobilístico como: Chrysler, Ford e General Motors para identificar e ajudar a eliminar problemas potenciais. Para Moura (2000) apud Matos (2004), o FMEA deve ser uma ação antes do evento, e não um exercício após o fato. A FMEA pode reduzir e eliminar falhas no processo antes que crie um problema ainda maior. A técnica aplicada corretamente é um processo interativo e que nunca acaba. 6 The Supply Chain Council <http://www.suplly-chain.com> 7 Palavra relativamente nova no mundo empresarial que representa o grupo de interessados no sucesso do negócio, como os proprietários, acionistas, funcionários, prestadores de serviços, beneficiários da renda e dos impostos gerados pelo negócio etc.

5 5 Matos (2004), é enfática ao expor que todo processo realizado dentro da empresa é formado por um conjunto de causas que provocam um ou mais efeitos, e o FMEA entra para identificar estes possíveis erros e analisar qual o impacto causado por estas falhas do produto ou processo, afim de corrigir através de planos de ação elaborados pela própria empresa. Conforme exposto por Teng & Ho (1996) apud Matos (2004), a técnica FMEA pode ser resumida em três passos: o primeiro identifica o potencial do modo de falha, o segundo é o efeito que essa falha pode causar e o terceiro identifica o quanto a falha pode afetar o funcionamento do produto. Para cada falha apontada é necessário atribuir índices de ocorrência, severidade e detecção, atuando numa escala de 1 a 5 dá para perceber quais pontos são mais críticos afim de corrigi-los primeiramente de acordo com o grau de importância. Ainda Matos (2004) define o critério ocorrência como sendo a freqüência de falhas. Já o índice de severidade reflete a gravidade do efeito da falha sobre o cliente. E o índice de detecção avalia a probabilidade de a falha ser detectada antes do produto chegar ao cliente. Segundo Matos (2004) após ter realizado estes critérios, o próximo passo é a avaliação das estimativas e o cálculo dos índice de risco que é feito pela multiplicação dos três indices Método Ishikawa Índice de Risco (IR)= Ocorrência(O) x Severidade(S) x Detecção(D) O Diagrama de Causas e Efeitos ou Diagrama de Ishikawa é uma relação entre o processo e o resultado do mesmo, esclarece Vieira (1999), em que esta ferramenta é utilizada para minimizar ou excluir falhas durante a operação, conforme visualizado na figura 1. Segundo Werkema (2006) a Espinha de Peixe, como também é conhecida, deve ser passada por seis etapas: i) Definir a característica da qualidade ou problema a se analisado. ii) Relacionar dentro de retângulos, como espinhas grandes, as causas primárias que afetam as características da qualidade ou o problema definido no item 1. iii) Relacionar como espinhas médias, as causas secundárias que afetam as causas primárias. iv) Relacionar as espinhas pequenas, as causas terciárias que afetam as causas secundárias. v) Identificar no diagrama as causas que parecem exercer um efeito mais significativo sobre a característica da qualidade ou problema. vi) Registrar outras informações que devem constar no diagrama: título, data da elaboração do diagrama, responsáveis pela elaboração do diagrama.

6 6 Figura 1: Diagrama de Ishikawa Fonte: Vieira (1999) apud Matos (2004) Para se ter um resultado positivo, Werkema (2006) cita o PDCA, que é uma ferramenta de qualidade capaz de gerenciar e auxiliar ao responsável pela tomada de decisão dentro de qualquer organização. O PDCA é conhecido como um ciclo de processos onde um indivíduo ou um grupo deles necessita Plan (planejar), Do (fazer), Check (verificar) e Action (agir). Para Werkema (2006) é o mesmo que identificar o problema, definir metas, colocar em prática, verificar o andamento e mensurar resultados. 3 ESTUDO DE CASO 3.1 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Este estudo foi feito através do atual processo de aquisição de materiais e serviços, análise e redesenho desse processo de uma indústria produtora de açúcar e álcool, situada no Triângulo Mineiro, no município de Araporã-MG, que faz fronteira com os municípios de Tupaciguara, Centralina, Canápolis e Monte Alegre ainda em Minas Gerais, e com o município de Itumbiara do Estado de Goiás; no período de julho de 2008 a agosto de A empresa opera com sua unidade matriz e não possui filiais produtivas. A empresa tem como matéria prima a cana de açúcar, que é colhida via processo manual e mecanizado e tranportada para a empresa por meio do modal rodoviário. A empresa processa em média sete mil toneladas de cana por dia, o que resulta na produção de onze mil sacas de açúcar ao dia e trezentos e quarenta metros cúbicos de álcool etílico anidro e hidratado por dia, totalizando durante toda a safra um milhão e novecentos mil sacas e sessenta e oito mil metros cúbicos respectivamente. A empresa trabalha em dois períodos distintos que merecem ser destacados: safra e entre-safra. O período de safra abrangem em torno de 8 meses, geralmente entre abril e novembro e o de entressafra 4 meses, de dezembro a março. Para realização do estudo, avaliou-se o processo de aquisição de materiais e serviços da referida empresa, a qual tem como responsável pelo processo em questão o setor de Suprimentos e são contracenantes a ele os departamentos: financeiro, informática, controle orçamentário, recursos humanos, agrícola, manutenção automotiva e industrial.

7 7 3.2 O PROCESSO DE SUPRIMENTOS ANTES DAS ALTERAÇÕES No início das atividades de desenho e mapeamento de falhas no atual processo da empresa, o departamento de suprimentos contava com um quadro de aproximadamente 30 colaboradores, dos níveis operacional, estratégico, de análise e coordenação. Suas principais atividades são: processamento de pedidos, negociações de compras, negociação e elaboração de contratos, recebimento de materiais, lançamento de notas fiscais, estocagem e controle de materiais no estoque, entrega aos clientes internos, expedição, coleta de materiais junto aos fornecedores e follow-up (acompanhamento) de compras. Todas essas atividades são visualizadas no fluxograma apresentado no apêndice A. O departamento de suprimentos possui clientes internos, que são aqueles que recebem o produto de seus processos, e esses, devem ser o foco principal do setor, contudo, esses mesmos clientes algumas vezes alertavam informalmente que haviam algumas rupturas no processo, tais como: atraso no processamento de pedidos e na entrega de materiais, falhas em alguns métodos de estocagem, a rotina de aprovação durante o processo era demasiadamente burocrática e redundante, o controle de saída de materiais também possuia fallhas entre outros. Assim, a diretoria da empresa, desejou conhecer o processo de suprimentos de uma forma mais específica e analisar a existência de pontos críticos nele. Para isso, foi constituída uma equipe e contratada uma empresa terceirizada para prestar consultoria no trabalho de análise desse processo. O fruto dessa primeira etapa do trabalho está demostrado no Apêndice A, onde se desenhou o fluxograma de trabalho atual para identificar os pontos críticos e rupturas no processo. 3.3 A IDENTIFICAÇÃO DAS FALHAS A próxima estapa do trabalho foi a identificação dos pontos críticos, que são aqueles que podem causar rupturas em todo o processo de suprimentos. Para a identificação desses pontos críticos, aconteceram reuniões com freqüência de duas vezes na semana, durante aproximadamente um mês, com os colaboradores do nível de supervisão, lideranças, analistas, compradores e pessoal da área de informática e demais departamentos ligados ao suprimentos, utilizando-se a técnica de "Brainstorming, não estruturado" onde todos os participantes opninam livremente. Sarriés (2004) apud Matos (2004) relata que no uso desse tipo de ferramenta os participantes são livres para contribuir com suas idéias, enquanto no "Brainstorming estruturado" essas idéias são colocadas em sequência determinada. Ainda Campos (2004) esclaresce que essa técnica faz com que os participantes fiquem menos constrangidos e assim contribuam mais. Após a identificação dos pontos críticos do processo utilizou-se o FMEA, onde foram relacionados esses pontos em ordem aleatória, logo os participantes da reunião de votação começaram a pontuar cada item desse processo em relação a sua potencial falha. Para isso, realizou-se uma análise quanto à ocorrência, severidade e detecção, com base na escala de 1 a 5, conforme indica Matos (2004). Em seguida, foi elaborada uma planilha que contém as atividades do processo, os pontos críticos, as pontuações para ocorrência, severidade e detecção e o índice de risco (IR), sendo esse último o produto dos três fatores anteriores que foram valorados pelos participantes da reunião de votação, na Tabela 1 são exemplificadas as cinco falhas que obtiveram o IR de maior valor.

8 8 Tabela 1: Os cinco maiores Índices de Risco do processo Atividade (Processo) Podemos melhorar corrigindo o(s): Ocorrência Severidade Detecção IR Departam ento Cadastro de Materiais Conferência de material e Atendimento ao Usuário Entrada de nota fiscal Follow Up Cadastro incompleto Materiais Não existe controle de qualidade no Recebimento Físico de Materiais Materiais Nota Fiscal em "mãos erradas" Materiais Atraso na entrega do material (Cof. Receb. OC) Impunidade Compras Follow Up Dificuldade de execução do follow-up Fonte: Dados da Empresa. Materiais e Compras Logo após a definição dos pontos críticos de falhas, outra reunião foi realizada com o grupo de redesenho e também foram convidados outros colaboradores diretamente ligados às atividades do suprimentos. Nessa reunião, foram desenhados os Diagramas de Ishikawa onde no retângulo designado ao efeito foram inseridos os problemas ou pontos críticos identificados no fluxograma do Apêndice A e na Tabela 1. Para o preenchimento do Ishikawa foram considerados os 6M s, que são método, material, mão-de-obra, meio ambiente, máquina e medidas, conforme visualizados na figura 1. A cada ponto crítico do processo, os participantes da reunião percorreram cada M questionado entre eles se para aquele efeito havia problemas de mão-de-obra, por exemplo, se para o efeito de cadastro imcompleto (tabela 1) faltava uma pessoa para fazer esse cadastro, ou se exisitia a pessoa mais faltava treinamento e assim por diante. Todas essas ramificações, os M s, convergem para a causa principal ou efeito. Seguidas todas essas etapas, as causas responsáveis por gerar as falhas foram monitoradas utilizando os indicadores de desempenho. Esse indicadores foram definidos em algumas reuniões mais restritas entre os coordenadores do projeto e a empresa terceirizada responsável pela consultoria do projeto, eles são constituídos pelos parâmetros presentes ao longo do fluxo de trabalho e que, sua variação, pode influenciar nos resultados e nas metas do processo redesenhado. Em paralelo, foram elaborado os planos de ação. Esses planos constituem a etapa "P" do ciclo PDCA, onde os problemas são identificados, as metas são definidas e os planos de ação elaborados para concretização dessas metas. 4 RESULTADOS O processo de Redesenho do Suprimentos da referida empresa ainda está em andamento e vários resultados ainda serão percebidos, contudo, os objetivos desse estudo foram atingidos. De início, pode-se afirmar que o processo foi desenhado, analisado, identificadas as rupturas, as melhorias propostas e os indicadores de desempenho criados, de acordo com os objetivos firmados. O desenho do processo antigo de suprimentos pode ser visualizado no apêndice A assim como os pontos críticos (rupturas) nele identificados e destacados. As melhorias propostas, os planos de ação, podem ser visualizadas através da Tabela 2, eles caracterizam as informações colhidas durante o trabalho que foram reunidas

9 9 para que as ações corretivas fossem executadas e se pudesse perceber qual o impacto no sistema como um todo. Tabela 2: Exemplos de Planos de Ação Atividade Efeito IR 6M Causa Ação Responsável Cadastro de Materiais Conferência de material e Atendimento ao Usuário Entrada de nota fiscal Entrada de nota fiscal Cadastro incompleto Nãoo existe controle de qualidade no Recebimento Físico de Materiais Nota Fiscal em "mãos erradas" Nota Fiscal em "mãos erradas" Fonte: Dados da empresa. 80 Mat 80 Maq 75 MA 75 Mat Falta sistema especializado em cadastro Não existe equipamento para controle (balança de precisão, talha, etc) Portaria 3 é unificada p/ entrada de caminhões de cana, 3º e funcionários. Software p/ liberação de entrada não atende. Implantar um Sistema especializado em cadastros de materiais. Adquirir equipamentos para Recebimento de Materiais Reativar a Portaria 002 para Recebimento de NF, Fornecedores com carros leves e carros de funcionários Adequar o Software de Liberação de Pesagem para entrada de Veículos em Geral, Inclusive fornecedores Coordenador Adm. Materiais Supervisor Segurança Supervisor de TI Observação - 3W - Fazer cotação do Sistema; - Solicitar aprovação da Diretoria; - Implantar sistema. - Fazer cotação; - Emitir solicitação de compra; - Instalar equipmentos. - Fazer mudança de portarias. - Identificar falhas e solicitar melhorias; - Testar. Data Limite 31/3/ /2/2010 Status Não Iniciado - No prazo Não Iniciado - No prazo 1/2/2009 Concluído 28/2/2009 Em andamento - Em atrazo Na elaboração dos planos de ação, foi utilizada a ferramenta da qualidade 5W2H (What, Why, Where, When, Who, How e How Much) em português, 4Q1POC (Quem, Quando, o Que, Quanto Custa, Por quê, Onde e Como), onde todas essas perguntas deveriam ser respondidas para que o Plano de Ação fosse confeccionado. Assim, criados os Planos de Ação e distribuídos para os responsáveis, foram criados os indicadores de desempenho, ou seja, os índices numéricos e percentuais para se medir quais resultados estão sendo atingidos com todas as mudanças e execução dos planos de ação. As principais variáveis desses indicadores são: índice, o indicador em si, medida (percentual, horas, reais e etc), as contantes atuais da empresa, os números de Benchmarking 8 interno e os números de Benchmarking externo assim como a meta proposta. Cada indicador impacta em um problema encontrado no desenho do suprimentos, o que nos ishikawas são chamados de efeitos. Problemas (efeitos), que podem ser visualizados no apêndice A, no final da legenda elencados como pontos críticos. Através do redesenho do processo, tem como resultado o Apêndice B, podem ser destacados alguns ganhos significativos para a empresa, como por exemplo: mudança na estrutura de pessoal do setor. Foi detectado um remanejamento de 20% no quadro de pessoal, o que representa 6 pessoas em diversos níveis do organograma. Outro resultado pertinente foi a integração do departamento de compras ao departamento de tráfego, sendo esse último criado a partir dos estudos realizados ao longo do processo, brainstormings entre outros. Esse departamento de tráfego tem trazido à empresa a confirmação da necessidade de criação de uma área de logística. Através do processo de redesenho, vários estudos de viabilidade foram 8 Benchmarking é um processo contínuo de comparação dos produtos, serviços e práticas empresariais entre os mais fortes concorrentes ou empresas reconhecidas como líderes. Fonte: <http://www.guiarh.com.br/>

10 10 elaborados, com levantamento dos custos necessários para melhorias físicas no setor, construção de prédios e etc. A criação de várias normas de procedimentos (NP) e procedimentos operacionais padrão (POP) escritos e documentados junto ao departamento de qualidade da empresa também merece ser destacados como resultado do redesenho do processo. Melhorias no software ERP - Enterprise Resource Planning - utilizado pela empresa podem ser destacadas, pois no redesenho do Apêndice A pode-se visualizar que esse apresentava pontos críticos no fluxo. Enfim, muitos resultados intangíveis poderiam ser discorrido exaustivamente ao longo desse estudo, pois todos esses resultados são perceptíveis no setor de suprimentos da empresa, o que traz aos processos relacionados a esse setor qualidade de trabalho e satisfação dos colaboradores a ele ligados assim como aos acionistas. 5 CONCLUSÃO No presente estudo foram apresentadas as ferramentas utilizadas no mapeamento, análise, desenho e redesenho do processo de suprimentos de uma empresa produtora de açúcar e álcool. Por meio dos objetivos específicos foi elaborado o desenho do processo de suprimentos da empresa e redesenho do mesmo através de análises, estudos de viabilidade, reuniões participativas de vários atores do processo assim como identificação e priorização das rupturas do mesmo. Vale destacar, que existem limitações no estudo devido aos resultados intangíveis não poder ser transcritos, embora sejam percebidos por toda a empresa. A execução dos planos de ação ainda está em andamento, assim, muitos resultados desse trabalho serão constatados futuramente. A mudança cultural exigida em processos como este, demandam um certo tempo, contudo, quando ela se concretiza, os resultados são extremamente recompensadores. Enfim, fica constatado que as ferramentas de qualidade e melhoria de processo são perfeitamente aplicáveis em processos de suprimentos e aquisição de materiais de indústrias produtoras de açúcar e álcool, assim como pode ser adaptado a outros processos de outras empresas; e que os resultados são no mínimo satisfatórios. Com muito trabalho, dedicação e perseverança a equipe de redesenho de processo da empresa conseguiu, embora parcialmente, atingir grande parte das metas propostas. 6 REFERÊNCIAS BALLOU, R. H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial. 4. Ed. Porto Alegre: Bookman, BOWERSOX, D.J.; CLOSS, D.J. Logística Empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. Tradução Equipe do Centro de Estudos em Logística, Adalberto Ferreira das Neves; coordenação da revisão técnica Paulo Fernando Fleury, Cesar Lavalle. 2. ed. São Paulo: Atlas, p. CAMPOS, Vicente Falconi. Gerenciamento da Rotina do Trabalho do Dia-A-Dia. 8. ed. Belo Horizonte: Indg Tecnologia e Serviços Ltda., p. CHRISTOPHER, Martin. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégias

11 11 para redução de custos e melhoria dos serviços. Tradução Francisco Roque Monteiro. 1. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p. CHRYSLER CORPORATION; FORD MOTOR COMPANY; GENERAL MOTORS CORPORATION. Análise de modo e efeitos de falha potencial (FMEA). Tradução de: MOURA, C. et al. [S.l.: s.n.] p. Tradução de: Analysis Techniques System Reliability Procedure for Failure Mode and Effects Analysis (FMEA) MARCONI, M.A.; LAKATOS, E.M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projetos e relatório, publicações e trabalhos científicos. 6. ed. São Paulo: Atlas, p. MATOS, Roselaine B Indicadores de desempenho para o beneficiamento de madeira serrada em empresas de pequeno porte: um estudo de caso. [Dissertação]. Piracicaba, SP : Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, p PIRES, S.R.I. Gestão da Cadeia de Suprimentos (Supply Chain Management): conceitos, estratégias, práticas e casos. São Paulo: Atlas, p. SARRIÉS, G. A.; LAI REYES, A. E; VICINO, S. R Qualidade total: diagrama de causa e efeito. Disponível em: <http://www.esalq.usp.br/qualidade>. Acesso em: 13 jun VIEIRA, S. Estatística para a qualidade: como avaliar com precisão a qualidade em produtos e serviços. Rio de Janeiro: Campus, p. WERKEMA, Maria C.C. Ferramentas estatísticas básicas para o gerenciamento de processos. Belo Horizonte: Werkema Editora Ltda., p.

12 APÊNDICE A Desenho do processo de Suprimentos da empresa em questão antes das mudanças feitas pelo estudo 12

13 13

14 14 16 Legenda Pontos críticos do desenho Item Pontos críticos (rupturas) s5 Falta de conhecimento do usuário da real necessidade s6 Cadastro incompleto e/ou incorreto s7 Falta precisão e rapidez no cadastro s8 Cadastro engessado s9 Requisição Manual s10 Demora na aprovação da requisição s11 Arquivar eletronicamente a RQ - Requisição - (pendentes de aprovação) s12 Deficiência na avaliação de fornecedores s13 Operacionalização excessiva dos compradores s14 Demora na aprovação da OC (Ordem de compra) s15 Desconhecimento do aprovador de alguns materiais s16 Atraso na entrega do material (Conferência no recebimento da OC) Impunidade s17 Possiblidade de trocar o fornecedor da OC s18 Nota Fiscal em "mãos erradas" s18 Notas Fiscais extraviadas s18 Distorção no custo (utilização do material em um mês e lançamento da NF em outro) s19 Autorização de divergências pelo comprador s20 Não atendimento do usuário (material em desacordo com o pedido) s21 Atraso no fechamento da contabilidade s22 Possiblidade de trocar o fornecedor da OC s23 Atraso na finalização pelos almoxarifados s24 Não existe controle de qualidade no Recebimento Físico de Materiais s25 Demora da Conferência do material pelo usuário s26 Materiais Comprados e não retirados no Almoxarifado s26 Demora da retirada de Mercadorias recebidas (aplicação direta -cc)

15 APÊNDICE B Processo de Suprimentos da Empresa redesenhado

16 16

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Analista de Negócio e Processos

Analista de Negócio e Processos Analista de Negócio e : Competências (Conhecimento, Habilidade e Atitude) Negociar Saber negociar Facilitar Ser um facilitador nato Analisar Comunicar Saber se comunicar com facilidade Solucionar Ter capacidade

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos Treinamento sobre Mapeamento de Processos O que é um processo? É um conjunto de atividades relacionadas que aplicadas às entradas ou inputs do

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG

Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos Márcio Roldão INDG ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL - INDG; NOVAS OPORTUNIDADES DE MELHORIA DOS RESULTADOS:

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR

DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR 1 DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR ENEXT CONSULTORIA: SÉRIE DE WHITE PAPERS Produzido por: Gabriel Lima As informações contidas neste White Paper são

Leia mais

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Tecnologia aplicada à Logística Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Logística Qual a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve a palavra LOGÍSTICA? Logística De cada 10 pessoas, pelo menos

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS 1 APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS Bruno Ricardo Duarte 1 João Koji Fujita Ribeiro de José Antonio Bueno 4 Renato Francisco Saldanha Silva 5 RESUMO O presente

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter Software de Compras Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter OutBuyCenter Software para o gerenciamento de compras integradas (eprocurement e supply chain), objetiva a rápida tramitação de compras

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE.

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. Ivan Santos de Lima Engenheiro Naval pela Universidade Federal do Rio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO PROVA DE CONHECIMENTO SOBRE O MR-MPS-SV 10/12/2012 4 HORAS DE DURAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO PROVA DE CONHECIMENTO SOBRE O MR-MPS-SV 10/12/2012 4 HORAS DE DURAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO PROVA DE CONHECIMENTO SOBRE O MR-MPS-SV 10/12/2012 4 HORAS DE DURAÇÃO EMAIL: (DEIXAR EM BRANCO) RESULTADO Q1 (0,5) Q2 (0,5) Q3 (1,0) Q4 (1,0) Q5 (1,0) TOTAL (10,0) Q6 (1,0) Q7 (2,0) Q8 (1,0) Q9 (1,0) Q10

Leia mais

Ferramenta de Gerenciamento

Ferramenta de Gerenciamento Ferramenta de Gerenciamento Yuri Franklin 1 Luis Fernando Nuss 2 yuri.fr@uol.com.br luisnuss@hotmail.com 1 Associação Educacional Dom Bosco (AEDB), Faculdade de Engenharia de Resende - Resende, RJ, Brasil

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente.

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente. Copyright 2015 PMtotal.com.br - Todos os direitos reservados PMI, Guia PMBOK, PMP, CAPM são marcas registradas do Project Management Institute, Inc Simulado de 20 questões para as provas CAPM e PMP do

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Auditoria Operacional Logística - uma metodologia para aumento da competitividade

Auditoria Operacional Logística - uma metodologia para aumento da competitividade Auditoria Operacional Logística - uma metodologia para aumento da competitividade José Carvalho de Ávila Jacintho Diretor no Grupo MANSERV. jose.jacintho@manserv.com.br Orlando Fontes Lima Jr. Coordenador

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Tatiane Goulart OLIVEIRA ¹; Estefânia Paula da SILVA²; Rodrigo Herman

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos

Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Beatriz Simone Dockhorn (FAHOR) bd000684@fahor.com.br Eliane

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Gestão de Compras

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Gestão de Compras Módulo Suprimentos Gestão de Compras Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Gestão de Compras. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com RESUMO Em razão da abertura de

Leia mais