A GESTÃO EM SUAS MÃOS FERRAMENTA DE ANÁLISE DE RISCOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO EM SUAS MÃOS FERRAMENTA DE ANÁLISE DE RISCOS"

Transcrição

1 A GESTÃO EM SUAS MÃOS FERRAMENTA DE ANÁLISE DE RISCOS

2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. SOFTWARE 3. PROCESSO FERRAMENTAS 4. SUMÁRIO EXECUTIVO 5. RELATÓRIO PROJETO INTEGRADO 6. FUNCIONALIDADES 7. CONTATO

3 1. APRESENTAÇÃO O que é o Risk Vision 3.0? O RISK VISION 3.0 é um Software que utiliza o processo de Gestão de Riscos, e é aderente ao Método Brasiliano de Análise de Riscos Corporativos, alinhado com a ISO É uma FERRAMENTA de fácil utilização, auto-explicativa, com interface usuário de extrema facilidade. Seu layout favorece a navegação dando opções de utilização e emprego, e agilidade na impressão de relatórios dos estudos elaborados.

4 1. APRESENTAÇÃO Por que utilizar o Risk Vision 3.0? Com as diversas ferramentas utilizadas no Software, o RISK VISION 3.0 facilita a defesa dos estudos e interpretações do que deve ser implementado nas organizações, auxiliando os gestores nas tomadas de decisão. Quem deve utilizar o Risk Vision 3.0? O RISK VISION 3.0 é destinado a consultores, empresas de serviços, indústrias, estudantes, gerentes, coordenadores e supervisores.

5 2. SOFTWARE O Risk Vision 3.0 é uma ferramenta flexível, de fácil instalação, e possui um sistema plug and play para utilização e proteção. 2.1 Sistema Banco de dados FIREBIRD 2.0 Desenvolvido em Linguagem Delphi Utiliza Sistema de Proteção HASP Pro Instalação local no diretório (C:)

6 2.2 Requisitos para o Sistema Sistemas Operacionais Windows XP, Vista, 7 e 8. Processador de 1GHz 1 GB de Memória 50MB de HD livre Entrada USB Leitor de CD-ROM

7 2.3 Conteúdo da Embalagem 1 CD de instalação contendo o manual de usuário 1 HASP Pro USB

8 3. PROCESSO - FERRAMENTAS O software oferece ao usuário uma sequência lógica de trabalho através da Metodologia Brasiliano em conformidade com a Norma ABNT NBR ISO No decorrer do processo o usuário terá a sua disposição diversas ferramentas que auxiliarão nas tomadas de decisão, todas aderentes a Norma ISO

9 3.1 Objetivo do Relatório Possibilita que o usuário descreva quais serão os principais tópicos abordados no estudo

10 3.2 Comunicação e Consulta Possibilita que o usuário descreva como foi a comunicação entre as partes interessadas no projeto

11 3.3 Contexto Estratégico Possibilita que o usuário descreva em qual contexto a empresa está inserida

12 3.4 Impacto no Negócio - BIA O BIA - Business Impact Analysis - é uma ferramenta utilizada para identificar os processos mais críticos no contexto empresarial, sejam eles de uma determinada área, setor, unidade, ou mesmo da organização como um todo. Além de identificar rapidamente a criticidade dos processo, permite uma rápida visualização do nível de cada um deles, auxiliando o gestor nas tomadas de decisão. Identificação dos Processos Críticos Matriz de Processos Críticos

13 3.4.1 Identificação dos Processos Críticos Permite identificar e avaliar os processos de forma prática, mostrando seu nível de criticidade

14 3.4.2 Matriz de Processos Críticos Permite a visualização macro e ordenada de todos os processos identificados e listados

15 3.5 Análise Situacional Possibilita que o usuário descreva as atividades do processo e associe fatores de riscos e controles a cada atividade

16 3.6 Fluxograma do Processo Permite que o usuário anexe até dez fluxogramas mapeados do seu processo, no formato.jpeg

17 3.7 Identificação dos Riscos Nessa parte do processo é possível identificar tanto os Riscos, como os Fatores causadores de cada um deles. Com ferramentas utilizadas internacionalmente, como o Diagrama de Causa e Efeito e a Matriz Swot, é possível organizar e analisar os Fatores de Riscos de forma correta e prática. Listagem, Definição e Classificação dos Riscos Utilizando a ferramenta Impacto Cruzado, é possível enxergar a Interconectividade dos Riscos e dos Fatores de Riscos, o quanto cada um pode afetar o outro. Identificação dos Fatores de Riscos Matriz Swot Fatores de Riscos Comuns Impacto Cruzado Matriz de Impacto Cruzado

18 3.7.1 Listagem, Definição e Classificação dos Riscos Permite listar, definir e classificar os riscos

19 3.7.2 Identificação dos Fatores de Riscos Identifica e organiza os fatores de riscos pelo Diagrama de Causa e Efeito (Diagrama de Ishikawa)

20 3.7.3 Identificação da Motricidade Matriz Swot Através da Matriz SWOT é possível identificar a criticidade de cada Fator de Risco

21 3.7.4 Matriz Swot Magnitude X Importância Permite visualizar de maneira gráfica os a criticidade dos fatores de riscos

22 3.7.5 Fatores de Riscos Comuns Possibilita ao usuário visualizar os fatores comuns motrizes dos riscos identificados

23 3.7.6 Impacto Cruzado Com essa ferramenta é possível mensurar o quanto um risco ou fator de risco interfere em outro

24 3.7.7 Matriz de Impacto Cruzado Permite uma visualização rápida dos riscos ou fatores de riscos que tem mais impacto sobre outros

25 3.8 Análise de Riscos - Inerente Calcula a probabilidade e o impacto dos riscos sem considerar os controles existentes

26 3.9 Avaliação de Riscos - Inerente O objetivo da Avaliação dos Riscos - Inerente é fornecer ao usuário, de forma rápida e visual, a criticidade dos riscos avaliados, sem levar em consideração os controles existentes no processo. Possibilita também que o usuário enxergue de forma estratégica, qual o Nível de Risco do contexto empresarial, auxiliando nas tomadas de decisão. Matriz de Riscos - Inerente Nível de Riscos - Inerente

27 3.9.1 Matriz de Riscos - Inerente Permite a visualização do risco em seu determinado quadrante e qual o seu respectivo nível de tratamento

28 3.9.2 Nível de Riscos - Inerente Possibilita a visualização estratégica do nível de risco do contexto em análise

29 3.10 Associação de Controles Permite associar os controles identificados aos fatores de riscos e riscos do processo

30 3.11 Controles e Walkthrough Permite fazer um passo a passo no processo para confirmar a eficácia dos controles existentes

31 3.12 Análise de Riscos - Residual Calcula a probabilidade e o impacto dos riscos existentes considerando a eficácia dos controles

32 3.13 Avaliação de Riscos - Residual O objetivo da Avaliação de Riscos - Residual é apresentar os resultados obtidos levando em consideração os controles identificados no processo. Dessa maneira é possível visualizar se os riscos tiveram a probabilidade de acontecer diminuída, ou se há necessidade de implementar um plano de ação. Matriz de Riscos - Residual Nível de Riscos - Residual

33 Matriz de Riscos - Residual Permite a visualização dos riscos considerando os a eficácia dos controles

34 Nível de Riscos - Residual Possibilita a visualização estratégica do nível de criticidade considerando a eficácia dos controles

35 3.14 Respostas aos Riscos Plano de Ação O objetivo desta etapa, é propor soluções para mitigar os riscos, permitindo definir as etapas a serem executadas e atacar as causas dos problemas, seguindo o padrão 5W2H. Possibilita também que o usuário identifique quais Fatores de Riscos devem ser priorizados, diminuindo perdas, e aumentando o tempo de resposta no tratamento. Matriz de Priorização de Riscos Plano de Ação Priorização das Ações Matriz de Priorização de Ações

36 Matriz de Priorização de Riscos Permite visualizar o cruzamento da motricidade versus a criticidades dos riscos, criando outro indicador de prioridade

37 Plano de Ação Permite definir quais medidas devem ser tomadas para tratar os fatores de riscos

38 Priorização das Ações Considerando o esforço de implementação versus o benefício estimado, é possível enxergar a prioridade de tratamento do fator de risco

39 Matriz de Priorização das Ações Permite a visualização das ações em seus determinados quadrantes de prioridade

40 3.15 Análise de Riscos Projeção Futura Calcula a probabilidade e o impacto dos riscos existentes considerando a implantação das ações propostas

41 3.16 Avaliação de Riscos Projeção Futura O objetivo da Avaliação de Riscos Projeção Futura é apresentar os resultados obtidos levando em consideração a implantações das ações propostas no plano. Dessa maneira é possível visualizar uma projeção dos riscos caso as ações sejam realizadas. Matriz de Riscos Projeção Futura Nível de Riscos Projeção Futura

42 Matriz de Riscos Projeção Futura Permite a visualização dos riscos considerando a implantação das ações

43 Nível de Riscos Projeção Futura Possibilita a visualização estratégica do nível de criticidade considerando a implantação das ações

44 3.17 Aprovação e Coleta de Dados - Conclusão Permite o cadastro dos participantes ou responsáveis que participaram do processo

45 4. SUMÁRIO EXECUTIVO Para possibilitar uma visão mais executiva do estudo, o software permite visualizar em uma única tela os riscos em seus respectivos quadrantes da matrizes das análises inerente, residual e projeção futura, associados aos seus níveis de riscos. Permite enxergar também a eficácia dos controles avaliados e ações que foram propostas no plano de ação para tratar os fatores de riscos.

46 4. SUMÁRIO EXECUTIVO 4.1 Sumário Executivo Visualização geral dos riscos com suas criticidades, níveis de riscos, eficácia dos controles e ações propostas

47 5. RELATÓRIO Para possibilitar ainda mais agilidade na visualização e defesa dos estudos realizados, o Projeto Integrado disponibiliza para o usuário, em formato de relatório, todo o processo de elaboração do estudo, desde os objetivos até a Conclusão final. Essa ferramenta permite a visualização, impressão do estudo, e ainda salvá-lo no formato.pdf em qualquer local do computador. Projeto Integrado

48 5.1 Projeto Integrado Permite selecionar partes do relatório para impressão ou visualização

49 5.1 Projeto Integrado Visualiza, Imprime e Salva os estudos elaborados

50 6. FUNCIONALIDADES Banco de Dados de Riscos Banco de Dados de Fatores de Riscos Banco de Dados de Classificação dos Riscos Banco de Dados de Controles Banco de Dados de Categoria dos Controles Check List para Coleta de Dados Importa e Exporta os estudos em formato.xml

51 7. CONTATO FERRAMENTA DE ANÁLISE DE RISCOS Alfredo Zanella Gerente da Divisão de Consultoria Tecnologia da Informação Telefone: Site: DISTRIBUIÇÃO DESENVOLVIMENTO E SUPORTE

Copyright Brasiliano & Associados Gestão de Riscos Corporativos 2013 SOFTWARE

Copyright Brasiliano & Associados Gestão de Riscos Corporativos 2013 SOFTWARE SOFTWARE SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. SOFTWARE 3. CARACTERÍSTICAS 4. PARAMETRIZAÇÃO 5. FERRAMENTAS 6. DASHBOARD EXECUTIVO 7. CLIENTES DA CONSULTORIA B&A 8. CONTATO 1. APRESENTAÇÃO SOFTWARE GRC BM O GRC-BM

Leia mais

SGP+Formulários do PMO

SGP+Formulários do PMO SGP+Formulários do PMO Janeiro 2017 Objetivo Manual de utilização dos formulários do PMO contemplado no projeto de Implantação do PMO Corporativo. Formulários: Canvas; Termo de Abertura do Projeto; Plano

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 10 13/5/2016 Informação

Leia mais

Palestra Interconectividade de Risco. São Paulo, 09 de novembro de 2017

Palestra Interconectividade de Risco. São Paulo, 09 de novembro de 2017 V Workshop PPI Divisão Patrimonial Industrial do Departamento Jurídico Palestra Interconectividade de Risco São Paulo, 09 de novembro de 2017 Especialista Sandra Alves, MBS, CPSI Diretora de Relacionamento

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA Curso de Auditoria Interna, Controle Interno e Gestão de Riscos carga-horária: 16 horas OBJETIVO Fornecer aos participantes o conhecimento básico e bases técnicas e práticas fundamentais para que possam

Leia mais

De Olho na Pista. Documento de Arquitetura. De Olho na Pista Documento de Arquitetura Data: 23/03/2013. AJA Software

De Olho na Pista. Documento de Arquitetura. De Olho na Pista Documento de Arquitetura Data: 23/03/2013. AJA Software AJA Software www.ajasoftware.wordpress.com De Olho na Pista Documento de Arquitetura Confidencial De Olho na Pista, 2013 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Metas e Restrições da Arquitetura 3 3. Padrão da Arquitetura

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI do MEC

Planejamento Estratégico de TI do MEC Planejamento Estratégico de TI do MEC Merched Cheheb de Oliveira Diretor Diretoria de Tecnologia da Informação Secretaria Executiva Ministério da Educação MEC E mail: merched.oliveira@mec.gov.br Outubro

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÍNDICE 1. GERENCIAMENTO DE RISCO 3 2. DEFINIÇÃO DE RISCO DE MERCADO 3 3. ANÁLISE DE RISCO DE MERCADO 3 4. ESTRUTURA PARA O GERENCIAMENTO DOS RISCOS 4 5. ESTRUTURA

Leia mais

Roteiro de Certificação Participante de Liquidação(PL)

Roteiro de Certificação Participante de Liquidação(PL) 7/4/2010 SINCAD SISTEMA INTEGRADO DE CADASTRO BM&F BOVESPA Roteiro de Certificação Participante de Liquidação(PL) Versão: 1.0.1 Última modificação: 20/06/2013 Contato CTC Centro de Testes e Certificação

Leia mais

Poder Judiciário Federal Justiça Eleitoral do Ceará. Planejamento Estratégico Plano de Gestão de Riscos

Poder Judiciário Federal Justiça Eleitoral do Ceará. Planejamento Estratégico Plano de Gestão de Riscos Poder Judiciário Federal Justiça Eleitoral do Ceará Planejamento Estratégico 2015-2020 Plano de Gestão de Riscos Versão 1.0 Aprovado pelo COE na 7ª RAE, 27/08/2015 Justiça Eleitoral do Ceará Plano de Gestão

Leia mais

Uma ferramenta para Gestão de Projetos integrada ao Plano de Gestão da Universidade

Uma ferramenta para Gestão de Projetos integrada ao Plano de Gestão da Universidade Uma ferramenta para Gestão de Projetos integrada ao Plano de Gestão da Universidade Fernando Pires Barbosa¹, Geferson Dallanora¹, Marcius Fonseca¹, Marcelo Tiezerin¹, Marcelo Lopes Kroth¹ ¹Centro de Processamento

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Analista de 3.0 Análise Corporativa: Analise Corporativa Esta a área de conhecimento descreve as atividades de análise de negócio necessárias para identificar uma necessidade do negócio, problema ou oportunidade.

Leia mais

Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO

Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO 5.3.3.4 Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO 101 5.3.4 Definição das Classes - Módulo Pedagógico 5.3.4.1 Classe GrupoCurso A classe GrupoCurso

Leia mais

Project Builder: Apoio a Gestão de Projetos do Nível G ao C do MPS.BR

Project Builder: Apoio a Gestão de Projetos do Nível G ao C do MPS.BR Project Builder: Apoio a Gestão de Projetos do Nível G ao C do MPS.BR Bernardo Grassano 1, Analia Irigoyen Ferreiro Ferreira 2, Mariano Montoni 3 1 Project Builder Av. Rio Branco 123, grupo 612, Centro

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Corporativos

Gerenciamento de Riscos Corporativos Gerenciamento de Riscos Corporativos Nosso objetivo Auxiliar organizações na implantação de medidas para a sistematização de práticas relacionadas à governança, controles internos e gestão de riscos, visando

Leia mais

AUDITORIAS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

AUDITORIAS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PS 04 3 Gestão Diretor Administrativo 17/04/2017 1 1. OBJETIVO Sistematizar o processo de planejamento, realização e análise das Auditorias Internas do Sistema de Gestão da Qualidade. 2. APLICAÇÃO Todos

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: Restrições para Uso: POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Acesso Controle Livre Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável

Leia mais

Sistema Mobi-Lar Engenharia de Software

Sistema Mobi-Lar Engenharia de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA - CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO V Sistema Mobi-Lar Engenharia de Software

Leia mais

Cursos / Treinamentos

Cursos / Treinamentos Cursos / Treinamentos Carga Horária 1 Estatística Básica em Todos os Níveis. 16 Horas 2 Estatística Avançada. 60 Horas 3 Formação de Auditores Internos da Qualidade. 32 Horas 4 Controle Estatístico de

Leia mais

ResponseCard AnyWhere Desktop Guia do Usuário

ResponseCard AnyWhere Desktop Guia do Usuário ResponseCard AnyWhere Desktop Guia do Usuário Requisitos do sistema o Processador Intel ou AMD com 600 MHz (1 GHz ou mais recomendado) o 256 MB RAM (256 MB ou mais de RAM disponível recomendado) o Disco

Leia mais

Customização e Implantação da Solução Project Explorer para CNI Versão em Espanhol

Customização e Implantação da Solução Project Explorer para CNI Versão em Espanhol Customização e Implantação da Solução Project Explorer para CNI Versão em Espanhol Brasília 06/11/2008 CDIS Empresa especializada em desenvolvimento de sistemas e consultoria em gerência de projetos SUMÁRIO

Leia mais

PLANILHA PARA SELEÇÃO DE OPORTUNIDADES DE MELHORIAS E/OU PROBLEMAS - PRIORIZAÇÃO Oportunidades de Melhoramentos e/ou Problemas Parâmetros de Avaliação

PLANILHA PARA SELEÇÃO DE OPORTUNIDADES DE MELHORIAS E/OU PROBLEMAS - PRIORIZAÇÃO Oportunidades de Melhoramentos e/ou Problemas Parâmetros de Avaliação PLANILHA PARA SELEÇÃO DE OPORTUNIDADES DE MELHORIAS E/OU PROBLEMAS - PRIORIZAÇÃO Oportunidades de Melhoramentos e/ou Problemas Parâmetros de Avaliação Significativo Não 1 2 3 4 5 Sim Crônico Não 1 2 3

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

Documento de Requisitos SISTEMA DE APOIO À ESCRITA (SAPES)

Documento de Requisitos SISTEMA DE APOIO À ESCRITA (SAPES) 1. Introdução 1.1 Propósito Documento de Requisitos SISTEMA DE APOIO À ESCRITA (SAPES) O propósito deste documento de especificação de requisitos é definir os requisitos do sistema SAPES - Sistema de Apoio

Leia mais

RECURSOS HUMANOS. Introdução ao Benner RH. Núcleo da Solução

RECURSOS HUMANOS. Introdução ao Benner RH. Núcleo da Solução RECURSOS HUMANOS Introdução ao Benner RH Núcleo da Solução Sumário Introdução... 4 Módulos do Sistema Benner Recursos Humanos.... 5 Apresentação do Sistema.... 6 Gerenciamento de atualizações... 8 Gerenciamento

Leia mais

Nova. Tecnologia em Atendimento. Manual do usuário

Nova. Tecnologia em Atendimento. Manual do usuário Nova Tecnologia em Atendimento Manual do usuário Índice Introdução Arquitetura e Requisitos de Software Tela de Login Página Principal Acesso Fácil Funções Básicas Utilizando Filtros Solicitação de Serviço

Leia mais

ITQ Inform Pagamentos. Manual do Usuário Atualizado em: Fevereiro /

ITQ Inform Pagamentos. Manual do Usuário Atualizado em: Fevereiro / ITQ Inform Pagamentos Manual do Usuário Atualizado em: Fevereiro / 2016 http://www.itquality.com.br Sumário Objetivo do documento...3 Introdução...3 Características do Sistema...3 Requisitos mínimos do

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Aula N : 11 Tema:

Leia mais

Manual de Utilização. Versão 01 - Rev. 01/2014 PCOP

Manual de Utilização. Versão 01 - Rev. 01/2014 PCOP Manual de Utilização Versão 01 - Rev. 01/2014 PCOP Índice Índice... 2 Introdução ao sistema... 3 Divisão do sistema COMPORTAMENTOS... 4 PERFIS... 5 PERFIL - ADMINISTRADOR... 6 Vamos Começar? NAVEGADORES

Leia mais

Veja alguns exemplos onde você pode utilizar a análise SWOT de forma direta:

Veja alguns exemplos onde você pode utilizar a análise SWOT de forma direta: Nesse artigo falaremos sobre: Uso da SWOT para estratégias específicas Importância dos planos de ação Exemplo 1 Lançamento de uma linha nova de produtos ou serviços Exemplo 2 Expansão da empresa Transforme

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE LICITAÇÃO - PROCESSO N.º 30/2017 PREGÃO PRESENCIAL N.º 22/2017

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE LICITAÇÃO - PROCESSO N.º 30/2017 PREGÃO PRESENCIAL N.º 22/2017 RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE LICITAÇÃO - PROCESSO N.º 30/2017 PREGÃO PRESENCIAL N.º 22/2017 Tendo em vista a identificação de informação incorreta no descritivo do item, fica-se retificado o edital, nos seguintes

Leia mais

EGIS FUNCIONALIDADES BÁSICAS

EGIS FUNCIONALIDADES BÁSICAS EGIS FUNCIONALIDADES BÁSICAS 1. ACESSO AO SISTEMA 2. PORTAL 3. CADEIA DE VALORES 4. MÓDULOS HABILITADOS 5. CONSULTAS 6. GRID E SUAS FUNCIONALIDADES 7. NAVIGATOR / BARRA DE NAVEGAÇÃO 8. SELEÇÃO DO PERÍODO

Leia mais

Boletim Técnico Indicadores Gerenciais Produto Requisito Data da publicação País(es) Banco(s) de Dados

Boletim Técnico Indicadores Gerenciais Produto Requisito Data da publicação País(es) Banco(s) de Dados Indicadores erenciais Produto : Microsiga Protheus - Controle de Lojas - Versão 11 Requisito : 002674 Data da publicação : 23/05/14 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Esta melhoria depende de

Leia mais

1ª Reunião Subgrupo Gestão do CSC

1ª Reunião Subgrupo Gestão do CSC 1ª Reunião Subgrupo Gestão do CSC 27 de Setembro de 2016 Empresas Participantes Equipe de Melhoria Contínua 80% das empresas respondentes possuem equipe de melhoria contínua no CSC. São elas: Biosev, Grupo

Leia mais

RECONET Registro de Contrato de Financiamento de Veículos

RECONET Registro de Contrato de Financiamento de Veículos Manual do Usuário RECONET Registro de Contrato de Financiamento de Veículos equipe-documentacao@procergs.rs.gov.br Data: 10/2012 Versão do sistema: 1.0 Este documento foi produzido por Av. Voluntários

Leia mais

6. DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO (DIAGRAMA DE ISHIKAWA)

6. DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO (DIAGRAMA DE ISHIKAWA) 6. DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO (DIAGRAMA DE ISHIKAWA) Este diagrama torna possível a rápida identificação de todas as causas relacionadas a um determinado problema (efeito) e sua imediata correlação com

Leia mais

16 ANOS Avaliação das Práticas da Manutenção Avaliação das Práticas da Manutenção. Base para o Projeto de Melhoria Contínua

16 ANOS Avaliação das Práticas da Manutenção Avaliação das Práticas da Manutenção. Base para o Projeto de Melhoria Contínua Avaliação das Práticas da Manutenção Base para o Projeto de Melhoria Contínua Avaliação das Práticas da Manutenção (APM) Base para o Projeto de Melhoria Contínua JWB Engenharia: Empresa nacional de consultoria

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

Manual de Utilização do software Colacril Office para criação e impressão de etiquetas. Manual de Utilização

Manual de Utilização do software Colacril Office para criação e impressão de etiquetas. Manual de Utilização Manual de Utilização do software Colacril Office para criação e impressão de etiquetas. Manual de Utilização Conteúdo Colacril Office... 3 Instalação do Colacril... 3 Inicialização do Colacril Office...

Leia mais

Projeto de Algoritmos

Projeto de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução aos Sistemas Computacionais Prof. Ernani Viriato de Melo / Reginaldo Costa http://www.ernani.eti.br http://reginaldofazu.blogspot.com 2º Semestre - 2008 Conceitos Básicos

Leia mais

Projeto de Sistemas; Projeto Orientado a Objetos; Estruturação em Camadas; Projeto Orientado a Objetos em Camadas; Um Exemplo Ilustrativo.

Projeto de Sistemas; Projeto Orientado a Objetos; Estruturação em Camadas; Projeto Orientado a Objetos em Camadas; Um Exemplo Ilustrativo. ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO Projeto Orientado a Objetos AULA 04 Projeto de Sistemas; Projeto Orientado a Objetos; Estruturação em Camadas; Projeto Orientado a Objetos em Camadas;

Leia mais

Dashboard Funcional. Gestão da Demanda. Gestão do Ambiente Corporativo. Gestão de Desempenho

Dashboard Funcional. Gestão da Demanda. Gestão do Ambiente Corporativo. Gestão de Desempenho Portal RH V 2.00 Dashboard Funcional Gestão da Demanda Gestão do Ambiente Corporativo Gestão de Desempenho Dashboard Funcional Gestão de Informações de Colaboradores Consulta On-line de Salários e Benefícios

Leia mais

Software de Desenho 3D

Software de Desenho 3D Software de Desenho 3D para Fabricantes de Mobiliário (standard e por medida) - Cozinhas, Roupeiros, Salas de Banho, Quartos, Salas, Expositores, Escritórios,... Revendedores de Mobiliário Decoradores

Leia mais

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS Prof. Fabiano Papaiz IFRN O RUP recomenda as seguintes práticas que devem ser utilizadas no desenvolvimento de um software: 1. Desenvolver de forma iterativa

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA ABORDAGENS POLICIAIS MILITAR DE SANTA CATARINA NA REGIONAL DE BLUMENAU. Elaine Starke. Orientador: Wilson P.

SISTEMA ESPECIALISTA ABORDAGENS POLICIAIS MILITAR DE SANTA CATARINA NA REGIONAL DE BLUMENAU. Elaine Starke. Orientador: Wilson P. SISTEMA ESPECIALISTA EM TÁTICAS T TICAS DE ABORDAGENS POLICIAIS APLICADO À POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA NA REGIONAL DE BLUMENAU Elaine Starke Orientador: Wilson P. Carli Seqüência da Apresentação

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRADO EM EMPRESARIAL CLIENTE UFPE - QUADRANTE B ESTUDO ANÁLISE DE RISCO Emitido em: 28/06/2013 SUMÁRIO 1. LISTAGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO (RFQ) Nº JOF /2016 ERRATA 02. Com referência ao processo em epígrafe, segue errata 02 que deverá ser considerada:

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO (RFQ) Nº JOF /2016 ERRATA 02. Com referência ao processo em epígrafe, segue errata 02 que deverá ser considerada: JOF - JOINT OPERATIONS FACILITY SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO (RFQ) Nº JOF-0162-29944/2016 ERRATA 02 Brasília, 28 de setembro de 2016. Senhores(as): Com referência ao processo em epígrafe, segue errata 02 que

Leia mais

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF OBJETIVO Apresentar os conceitos, os princípios, a estrutura e o processo para gerenciamento de riscos em organiza

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO CORPORATIVA

VIRTUALIZAÇÃO CORPORATIVA VIRTUALIZAÇÃO CORPORATIVA O modelo de virtualização corporativa utilizando o sistema Xen Server sera demostra novamente com o uso da ferramente virtual box de forma que, seja possível a demostração dos

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Office Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 1 1.1 - Objetivo... 1 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II - Requisitos

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

POLÍTICA AMBIENTAL CTM - FARMANGUINHOS POLÍTICA AMBIENTAL

POLÍTICA AMBIENTAL CTM - FARMANGUINHOS POLÍTICA AMBIENTAL Identificação: DSMS 06 POLÍTICA AMBIENTAL CTM - FARMANGUINHOS Aprovação: 04/05/2013 POLÍTICA AMBIENTAL Política Ambiental do Instituto de Tecnologia em Fármacos, unidade de Jacarepaguá, onde são fabricados

Leia mais

Qual é o nível de maturidade do seu ambiente de telefonia?

Qual é o nível de maturidade do seu ambiente de telefonia? Qual é o nível de maturidade do seu ambiente de telefonia? C L I Q U E E A C E S S E C A N A L T E L E C O M. C O M. B R Introdução.... 3 Ambiente de telefonia com maturidade baixa ou nenhuma.... 4 Ambiente

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 FUNCIONALIDADES Visualização do Plano Estratégico do Grupo Hospitalar Conceição... 3

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 FUNCIONALIDADES Visualização do Plano Estratégico do Grupo Hospitalar Conceição... 3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 FUNCIONALIDADES... 3 Visualização do Plano Estratégico do Grupo Hospitalar Conceição... 3 Visualização/Edição de Status e Parecer... 4 Visualização/Inserção de Encaminhamentos...

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA UFRGS: MOODLE INSTITUCIONAL. Maira Bernardi 1

A IMPLEMENTAÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA UFRGS: MOODLE INSTITUCIONAL. Maira Bernardi 1 A IMPLEMENTAÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA UFRGS: MOODLE INSTITUCIONAL Maira Bernardi 1 Este artigo descreve o Moodle institucional (http://moodleinstitucional.ufrgs.br), um

Leia mais

CURSO DE ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS E GESTÃO DE RISCOS

CURSO DE ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS E GESTÃO DE RISCOS Objetivos Este curso foi estruturado para prover conhecimento sobre como abordar riscos e elaborar as estratégias empresariais da sua organização! E mais: Proporcionar a oportunidade de conhecer os requisitos

Leia mais

Gerência de Projetos de Software. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC.

Gerência de Projetos de Software. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC dovicchi@inf.ufsc.br http://www.inf.ufsc.br/~dovicchi Programa Projetos e Metodologias Tipos e abordagens Organização Estimativas de Esforço e Gerência de Riscos

Leia mais

POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS

POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Página 1 / 7 Revisão 00 Elaborado em: 14/03/2017 Válido até: 14/03/2018 1. OBJETIVO O processo de Gestão de Riscos Corporativos tem como objetivo garantir a identificação

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO. Processo de implantação e atendimento do Suporte Técnico

SUPORTE TÉCNICO. Processo de implantação e atendimento do Suporte Técnico 1 SUPORTE TÉCNICO Processo de implantação e atendimento do Suporte Técnico Histórico de Alterações Revisão Data Autor Principais Alterações 1 08/09/15 Rafael Anselmo Criação do documento 2 05/12/16 Rafael

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Alexandre Feustel Baehr

Alexandre Feustel Baehr Alexandre Feustel Baehr Sequência da Apresentação Introdução e Objetivos Fundamentação teórica Especificações da ferramenta Desenvolvimento e Operacionalidade da ferramenta Resultados e Discussões Conclusões

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS ÍNDICE 1. Objetivo... 3 2. Metodologias Adotadas... 4 2.1. Metodologia para Estruturar o Processo... 4 2.2. Metodologia para Definir como Identificar os

Leia mais

IT LOG 80 Datalogger. Manual do Usuário. Rua Fernandes Vieira, 156 Belenzinho - São Paulo/S.P CEP:

IT LOG 80 Datalogger. Manual do Usuário. Rua Fernandes Vieira, 156 Belenzinho - São Paulo/S.P CEP: IT LOG 80 Datalogger Manual do Usuário Rua Fernandes Vieira, 156 Belenzinho - São Paulo/S.P CEP: 03059-023 Tel: (55 11) 3488-0200 Fax:(55 11) 3488-0208 vendas@instrutemp.com.br www.instrutemp.com.br Registrador

Leia mais

O SIGAA como Ferramenta de Ensino: A turma virtual. Prof. Gleydson de A. F. Lima Superintendência de Informática/UFRN

O SIGAA como Ferramenta de Ensino: A turma virtual. Prof. Gleydson de A. F. Lima Superintendência de Informática/UFRN O SIGAA como Ferramenta de Ensino: A turma virtual Prof. Gleydson de A. F. Lima Superintendência de Informática/UFRN Por que a Turma Virtual? Crescimento do uso de tecnologias de informática como apoio

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 da da [incompleto] termos Após a elaboração da proposta de, é importante definir qual será tempo estimado implementar a. Neste estudo de caso, a informação sobre estimativa de tempo esta na Demanda de

Leia mais

ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A. CNPJ / Companhia Aberta NIRE

ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A. CNPJ / Companhia Aberta NIRE ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A. CNPJ 61.532.644/0001-15 Companhia Aberta NIRE 35300022220 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 4 DE MAIO DE 2017 DATA, HORA E LOCAL: em 4 de

Leia mais

Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico

Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico Secretaria de Estado da Administração - SEA Gestão de Pessoas Sistemas administrativos Gestão de Materiais e Serviços Gestão Patrimonial Ouvidoria Gestão de Tecnologia

Leia mais

Claudemir Oribe

Claudemir Oribe P-25 - Como Escolher o Melhor Método de Avaliação para cada Tipo de Treinamento Claudemir Oribe claudemir@qualypro.com.br 31 3391-7646 Claudemir Oribe Consultor e Instrutor de T&D e Problem Solving Coordenador

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

Manual do Usuário do Integrador de Notícias de Governo

Manual do Usuário do Integrador de Notícias de Governo Manual do Usuário do Integrador de Notícias de Governo 1 Manual do Usuário Integrador de Notícias de Governo Envolvidos: Secretaria Executiva do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (SE/MPOG)

Leia mais

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 1/5 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 0000536 - André Delgado- SEGURANCA Danielle Souza; Oscar Zuccarelli; HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA REV. ALTERAÇÕES Atualização do item 2.2 - Solicitar

Leia mais

Documento de Visão versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Cliente: São José Agroindustrial Representante do

Documento de Visão versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Cliente: São José Agroindustrial Representante do Documento de Visão versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Cliente: São José Agroindustrial Representante do cliente: Paulo José de Souza 1 Histórico de Revisão Data Versão

Leia mais

Introdução a Tecnologia da Informação

Introdução a Tecnologia da Informação Introdução a Tecnologia da Informação Informática Básica Software de apresentação Prof. Jonatas Bastos Power Point p Faz parte do pacote Microsoft Office; p Software com muitos recursos para construção

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Educação GUIA DE REFERÊNCIA. CRIAÇÃO DE TURMAS - SIGEDUC

Sistema Integrado de Gestão da Educação  GUIA DE REFERÊNCIA. CRIAÇÃO DE TURMAS - SIGEDUC http://sigeduc.rn.gov.br GUIA DE REFERÊNCIA CRIAÇÃO DE TURMAS - SIGEDUC http://sigeduc.rn.gov.br Resumo Este documento apresenta instruções de como realizar a criação de turmas e alocação de estudantes

Leia mais

WINTHOR UPGRADE VERSÃO 2

WINTHOR UPGRADE VERSÃO 2 PROCEDIMENTOS PARA MANTER ROTINAS ATUALIZADAS WINTHOR UPGRADE VERSÃO 2 ATUALIZADOR DE VERSÃO MODELO FECHADO A PC Sistemas orienta neste documento que a atualização das rotinas deve ser realizada em AMBIENTE

Leia mais

Por Carolina de Moura 1

Por Carolina de Moura 1 O desenvolvimento sistemático para a gestão de risco na empresa envolve um processo evolutivo. Nos últimos anos tenho testemunhado um forte interesse entre organizações, e as suas partes interessadas,

Leia mais

Modelo de Gestão de Riscos em Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) Bruno Silva Auditor Interno

Modelo de Gestão de Riscos em Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) Bruno Silva Auditor Interno Modelo de Gestão de Riscos em Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) Bruno Silva Auditor Interno Estrutura da Apresentação I. Introdução Objetivos Definições II. Por que propor um modelo de gestão

Leia mais

Documento de Especificação de Sistema IngreSys

Documento de Especificação de Sistema IngreSys Documento de Especificação de Sistema IngreSys Projeto Autor(es) Projeto Integrador II Roberto Socanti Santos Tariana de Jesus Gomes Leite Versão / Data 0.3 / 10 de agosto de 2016 Histórico de Versões

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SOFTWARE

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SOFTWARE 1 WSAuto MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SOFTWARE CFC-B 2 INTRODUÇÃO O WSauto é o mais novo sistema de gerenciamento de CFC-B, foi criado pela empresa S MARQUES INFORMÁTICA LTDA ME, e lançado o seu primeiro modulo

Leia mais

Projeto Integrador II. Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML (livro de Eduardo Bezerra)

Projeto Integrador II. Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML (livro de Eduardo Bezerra) Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML (livro de Eduardo Bezerra) Prof. Arliones Hoeller Prof. Eraldo Silveira e Silva arliones.hoeller@ifsc.edu.br eraldo@ifsc.edu.br 1 Cap.4 Modelagem de

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM FRAUD RISK ASSESSMENT

CURSO DE EXTENSÃO EM FRAUD RISK ASSESSMENT CURSO DE EXTENSÃO EM FRAUD RISK ASSESSMENT OBJETIVO: O objetivo central deste curso é formar quadros especializados na detecção, controle e prevenção da fraude em processos. DIFERENCIAL DO CURSO: O curso

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: IFE - Brasília Objeto:

Leia mais

FIXO (11) Vivo (11) Tim (11) Claro (11) OI (11) Sistema Descomplicado CNPJ

FIXO (11) Vivo (11) Tim (11) Claro (11) OI (11) Sistema Descomplicado CNPJ INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Sankhya Web Connection. Versão: 02 Criado em: 28/03/2017

Sankhya Web Connection. Versão: 02 Criado em: 28/03/2017 0 de 14 Em alguns navegadores de internet, vem se tornando complicado o uso de plugins (um plugin ou módulo de extensão é um programa de computador usado para adicionar funções a outros programas maiores,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Requisitos do Sistema Introdução O que são requisitos de um software? Serviços (funcionalidades) de um software e restrições

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO ERP

SISTEMA DE GESTÃO ERP SISTEMA DE GESTÃO ERP DEFINIÇÃO, CONCEITUAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE BPM E TÉCNICAS DE MODELAGEM DE PROCESSOS Walison de Paula Silva Agenda BPM MODELAGEM DE PROCESSOS Sistemas de Gestão ERP BPM - Business

Leia mais

O que é um sistema operativo multi tarefa

O que é um sistema operativo multi tarefa Evolução do windows O que é um sistema operativo multi tarefa Sistema Operativo Multi-tarefa Um sistema operacional Multi-tarefa permite repartir a utilização do processador entre várias tarefas aparentemente

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DESCRIÇÃO DO PROJETO

PLANO DE TRABALHO DESCRIÇÃO DO PROJETO DESCRIÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Modernização e ampliação dos recursos de tecnologia da informação das Organizações de Segurança Pública da Bahia Período de execução Início Término 12/05 12/06 Identificação

Leia mais

AMBIENTE DIDÁTICO GRÁFICO PARA A COMPREENSÃO DE LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Rodrigo Ferreira da Silva

AMBIENTE DIDÁTICO GRÁFICO PARA A COMPREENSÃO DE LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Rodrigo Ferreira da Silva AMBIENTE DIDÁTICO GRÁFICO PARA A COMPREENSÃO DE LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Rodrigo Ferreira da Silva rodrigoferreira2002@hotmail.com Klaus Schlünzen Junior klaus@prudente.unesp.br Universidade Estadual Paulista

Leia mais

CRITÉRIOS DA USABILIDADE Um auxílio à qualidade do software

CRITÉRIOS DA USABILIDADE Um auxílio à qualidade do software CRITÉRIOS DA USABILIDADE Um auxílio à qualidade do software Simone Vasconcelos Silva Professora de Informática do CEFET Campos Mestre em Engenharia de Produção pela UENF RESUMO Um produto de software de

Leia mais

Manual de Instalação da Leitora para cartão e-cpf e Instrução para assinatura digital (SGP-e)

Manual de Instalação da Leitora para cartão e-cpf e Instrução para assinatura digital (SGP-e) SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO - SEA Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico Manual de Instalação da Leitora para cartão e-cpf e Instrução para assinatura digital (SGP-e) SUMÁRIO 1- Qual o objetivo

Leia mais

i-guide Software de Apoio à Metodologia Competency-Based Interviews PEDRO CAMARA & ASSOCIADOS - CONSULTORES EM GESTÃO, LDA

i-guide Software de Apoio à Metodologia Competency-Based Interviews PEDRO CAMARA & ASSOCIADOS - CONSULTORES EM GESTÃO, LDA i-guide Software de Apoio à Metodologia Competency-Based Interviews PEDRO CAMARA & ASSOCIADOS - CONSULTORES EM GESTÃO, LDA Av. 5 de Outubro, 115-3º B - 1050-052 Lisboa Telefone. 21 797 11 41 Fax. 21 797

Leia mais

Fixo (41) Vivo (41) Tim (41) Claro (41) OI (41) Sistema Descomplicado CNPJ

Fixo (41) Vivo (41) Tim (41) Claro (41) OI (41) Sistema Descomplicado CNPJ INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Empresa: Gustavo Salvaterra Ren - ME CNPJ:

Empresa: Gustavo Salvaterra Ren - ME CNPJ: Edital de Pregão Presencial Nº 03/06 Ata da Sessão Pública do Pregão Presencial Processo: 0000059/06. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CÂMARA MUNICIPAL DE GRAMADO Reuniram-se no dia 05/05/06, às 4h, na CÂMARA

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A1 DATA 10/09/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A1 DATA 10/09/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A1 DATA 10/09/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: 1. Considere as afirmações a seguir:

Leia mais

-Periféricos -Dispositivos de Entrada/Saída - Unidade de medida. Gustavo Catarino da Costa Wilson Coelho Neto Paulo Wesley Fogaça

-Periféricos -Dispositivos de Entrada/Saída - Unidade de medida. Gustavo Catarino da Costa Wilson Coelho Neto Paulo Wesley Fogaça -Periféricos -Dispositivos de Entrada/Saída - Unidade de medida Gustavo Catarino da Costa Wilson Coelho Neto Paulo Wesley Fogaça O que é o Computador? Máquina composta de partes eletrônicas e eletromecânicas

Leia mais

UM POUCO SOBRE NÓS A HISTÓRIA DA OZ TECHNOLOGY COMEÇOU HÁ 14 ANOS, TEMPO SUFICIENTE PARA SE TORNAR UMA DAS MAIORES ESPECIALISTAS DA ÁREA:

UM POUCO SOBRE NÓS A HISTÓRIA DA OZ TECHNOLOGY COMEÇOU HÁ 14 ANOS, TEMPO SUFICIENTE PARA SE TORNAR UMA DAS MAIORES ESPECIALISTAS DA ÁREA: UM POUCO SOBRE NÓS A HISTÓRIA DA OZ TECHNOLOGY COMEÇOU HÁ 14 ANOS, TEMPO SUFICIENTE PARA SE TORNAR UMA DAS MAIORES ESPECIALISTAS DA ÁREA: CONVÊNIOS HOMOLOGADOS NFC-E, NF-E, SAT MAIS DE 5.000 PDVS INSTALADOS

Leia mais