Inspeção Industrial Através de Visão Computacional. Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inspeção Industrial Através de Visão Computacional. Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador"

Transcrição

1 Inspeção Industrial Através de Visão Computacional Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador

2 Roteiro da apresentação 1 Introdução 2 Fundamentação teórica 3 Desenvolvimento do Trabalho 4 Conclusão

3 Introdução Controle de qualidade Inspeção manual Tarefa repetitiva; Esforço físico; Falta de precisão; Efetividade da inspeção declina; Alta rotatividade.

4 Introdução Inspeção automatizada Auxiliam ou substituem a inspeção humana; Vantagens evidenciadas quando a inspeção exige precisão e velocidade.

5 Introdução Arquitetura

6 Introdução Objetivo Disponibilizar um sistema de software para inspeção automatizada de produtos. O sistema deve: Analisar características de embalagens; Detectar defeitos nas embalagens; Classificar as embalagens como aprovadas ou reprovadas.

7 Roteiro da apresentação 1 Introdução 2 Fundamentação teórica 3 Desenvolvimento do Trabalho 4 Conclusão

8 Fundamentação teórica Processamento de imagem Empregado na extração de informações de uma imagem, para posterior análise e tomada de decisão a cerca de um produto.

9 Fundamentação teórica Processamento de imagem Segmentação por Limiarização

10 Fundamentação teórica Processamento de imagem Segmentação pela Detecção de bordas Operador gradiente de Sobel:

11 Fundamentação teórica Processamento de imagem Descritores de imagem Os descritores são conjuntos de números, gerados para descrever uma forma; Os descritores podem não reconstituir completamente a forma descrita, mas devem ser suficientes para discriminar diferentes formas.

12 Fundamentação teórica Processamento de imagem Descritores de Fourier s ( k) = x( k) + jy( k) para k = 0,1,2,,N-1 onde N é a quantidade de pontos da fronteira.

13 Fundamentação teórica Processamento de imagem Descritores de Fourier - Transformadas Transformada discreta de Fourier: a( u) = 1 N N 1 k = 0 s( k) j 2πuk / N para u = 0,1,2,,N 1 onde N é a quantidade de pontos da fronteira.

14 Fundamentação teórica Processamento de imagem

15 Fundamentação teórica Processamento de imagem Descritores de Fourier - Propriedades Invariância quanto translação: ignorar o primeiro coeficiente obtido Invariância quanto à rotação: ( u) a 2 b 2 r u u a = +

16 Fundamentação teórica Redes Neurais Artificiais Surgidas como uma tentativa de simular o funcionamento do cérebro. Possuem a vantagem de que a função de decisão é obtida através de treinamento.

17 Fundamentação teórica Redes Neurais Artificiais O Neurônio Artificial Entradas; Pesos sinápticos; Função de ativação; Função de transferência.

18 Fundamentação teórica Redes Neurais Artificiais Rede de Neurônios

19 Fundamentação teórica Redes Neurais Artificiais Fases do projeto de uma rede neural artificial Definição; Treinamento; Utilização.

20 Fundamentação teórica Redes Neurais Artificiais Perceptron Multicamadas Trata-se do modelo mais implementado dentre todas as arquiteturas. Possui, além da capacidade de abstração, a capacidade de generalização.

21 Roteiro da apresentação 1 Introdução 2 Fundamentação teórica 3 Desenvolvimento do Trabalho 4 Conclusão

22 Desenvolvimento do trabalho Requisitos O protótipo de sistema deve analisar imagens de produtos com o objetivo de detectar defeitos de produção nos mesmos; O protótipo deve possuir independência quanto ao produto inspecionado; O protótipo deve realizar as análises em tempo real.

23 Desenvolvimento do trabalho Especificação Diagramas de Caso de Uso Configurar inspeção Usuário Configurar inspeção Inspecionar produto Sistema de captura Inspecionar produto Sistema de descarte

24 Desenvolvimento do trabalho Especificação Diagrama de Classes de processamento e análise de imagens

25 C Q u a d r o ( fr o m In s p e t o r ) m _ f T e m p o A n a l i s e : f l o a t m _ b R e s u l t a d o A n a l i s e : b o o l C V i s G r a y B y t e I m a g e I l u s t r a r A n a l i s e s D e t a l h e ( ) I l u s t r a r A n a l i s e s ( ) I s S u b Q u a d r o D e f i n i d o ( ) S e r i a l i z a r ( ) A n a l i s a r ( ) C o n f i g u r a r D i s p o s i t i v o C o n t e x t o ( ) G r a v a r I m a g e m ( ) C a r r e g a r I m a g e m ( ) G e t S u b Q u a d r o S e l e c i o n a d o ( ) A d i c i o n a r S u b Q u a d r o ( ) V e r i f i c a r B o r d a S u b Q u a d r o ( ) R e m o v e r S u b Q u a d r o S e l e c i o n a d o ( ) S e l e c i o n a r S u b Q u a d r o ( ) E x i b i r S u b Q u a d r o s ( ) E x i b i r I m a g e m ( ) S e t C o o r d e n a d a s S Q S e l e c i o n a d o ( ) S e t Q u a d r o ( ) G e t R e s u l t a d o A n a l i s e ( ) G e t T e m p o A n a l i s e ( ) G e t I n f o A n a l i s e ( ) G e t C o o r d e n a d a s S Q S e l e c i o n a d o ( ) G e t T i p o S u b Q u a d r o S e l e c i o n a d o ( ) I s S u b Q u a d r o S e l e c i o n a d o ( ) G e t R e t a n g u l o ( ) I s I m a g e m C a r r e g a d a ( ) C Q u a d r o ( ) < < v i r t u a l > > ~ C Q u a d r o ( ) < < s t r u c t > > C S u b Q u a d r o F o r m a C C o m p o n e n t e C o n e x o ( f r o m I n s p e t o r ) ( f r o m I n s p e t o r ) x : i n t y : i n t r c A r e a : C R e c t a r e a : l o n g C C o m p o n e n t e C o n e x o ( ) R e d e N e u r a l 0.. n < < s tr u c t> > C C l a s se C o m p o E q u iv a l e n te ( f ro m I ns p e to r) i d C l a s s e : i n t C P o n t a ( f r o m I n s p e to r ) i d : i n t m _ i Q t d D e s c r i t o r e s : i n t m _ b V a r i a n c i a E s c a l a : b o o l m _ b V a r i a n c i a R o t a c a o : b o o l m _ b V a r i a n c i a T r a n s l a c a o : b o o l m _ l C o n t o r n o : C A r r a y < C P o i n t, C P o i n t > * D e t e c t a r A l v o ( ) G e t T a m a n h o C o n t o r n o ( ) I l u s t r a r R e c o n s t r u c a o ( ) G e t V a r i a n c i a E s c a l a ( ) S e t V a r i a n c i a E s c a l a ( ) G e t V a r i a n c i a R o t a c a o ( ) S e t V a r i a n c i a R o t a c a o ( ) G e t V a r i a n c i a T r a n s l a c a o ( ) S e t V a r i a n c i a T r a n s l a c a o ( ) G e t Q u a n t i d a d e D e s c r i t o r e s ( ) S e t Q u a n t i d a d e D e s c r i t o r e s ( ) D e s c r e v e r F o r m a ( ) C o p i a r S u b Q u a d r o ( ) P r e p a r a r A n a l i s e ( ) G e r a r P a r e s T r e i n a m e n t o ( ) A n a l i s a r ( ) I d e n t i f i c a r C o m p o n e n t e s C o n e x o s ( ) G e t P o s M a i o r C o m p o C o n e x o ( ) E x i b i r S u b Q u a d r o ( ) I l u s t r a r A n a l i s e ( ) C S u b Q u a d r o F o r m a ( ) C S u b Q u a d r o F o r m a ( ) < < v i r t u a l > > ~ C S u b Q u a d r o F o r m a ( ) T D F ( ) T D F I n v e r s a ( ) n C I m a g e m B y t e ( fr o m In s p e to r ) G e r a r C o n t o r n o ( ) F i l t r a r S o b e l ( ) G e r a r N e g a t i v o ( ) C h e c k R a n g e ( ) A g r u p a r V i z i n h a n c a 8 ( ) G e t H i s t o g r a m a ( ) C o n f i g u r a r D i s p o s i t i v o C o n t e x t o ( ) < < s t a t i c > > C I m a g e m B y t e : : C o n f i g u r a r D i s p o s i t i v o C o n t e x t o ( ) B i n a r i z a r ( ) C I m a g e m B y t e ( ) C I m a g e m B y t e ( ) < < v i r t u a l > > ~ C I m a g e m B y t e ( ) U n i r C l a s s e s E q u i v a l e n t e s ( ) A d i c i o n a r C l a s s e ( ) C h e c k E l e m e n t o s C l a s s e E q u i v a l e n t e ( ) C h e c k N o v o C o m p o n e n t e ( ) R e n u m e r a r C o m p o Q u a d r o ( ) C S u b Q u a d r o ( fr o m In s p e t o r ) m _ C o o r d e n a d a s : C R e c t m _ i T i p o A n a l i s e : i n t m _ b R e s u l t a d o A n a l i s e : b o o l m _ f T e m p o A n a l i s e : f l o a t m _ i L i m i a r : i n t L i m i a r i z a r I m a g e m ( ) G e t H i s t o g r a m a S Q ( ) < < v i r t u a l > > A n a l i s a r ( ) E x i b i r I m a g e m S u b Q u a d r o ( ) < < v i r t u a l > > I l u s t r a r A n a l i s e ( ) < < v i r t u a l > > E x i b i r S u b Q u a d r o ( ) S e t L i m i a r ( ) S e t I m a g e m B a s e ( ) S e t C o o r d e n a d a s ( ) < < v i r t u a l > > C o p i a r S u b Q u a d r o ( ) G e t I n f o A n a l i s e ( ) G e t L i m i a r ( ) G e t A l t u r a ( ) G e t R e s u l t a d o ( ) G e t T e m p o A n a l i s e ( ) G e t T i p o A n a l i s e ( ) G e t C o o r d e n a d a s ( ) G e t L a r g u r a ( ) C S u b Q u a d r o ( ) C S u b Q u a d r o ( ) C S u b Q u a d r o ( ) < < v i r t u a l > > ~ C S u b Q u a d r o ( ) C h e c k R a n g e ( ) < < v i r t u a l > > G e r a r I n f o A n a l i s e ( ) < < s t r u c t > > P a r T r e i n a m e n t o ( f r o m I n s p e t o r ) E n t r a d a S a i d a

26 Desenvolvimento do trabalho Especificação Diagramas de classes da rede neural

27 CRed e S e te n tra da s() T rein arred e() P rop aga r() Ge tsaida s() CRed e() <<virtual>> ~CRede () Re tro pro pa ga re rro() Ca lcula rerroqu adratico () Re conh ece r() CCam ad aentra da (from Inspetor) 1 0..n CC am a da O cu lta (from Inspetor) 1 CCam ad asaida (from Inspetor) Se tentrad as() CCa m a da E ntrad a() <<virtu al>> ~CCa m a da E ntrad a() Se tentrad as() Aju starpeso s() Ca lcul a rerrode rivativo Qu a dra tico() GetNeu ron ios() CCa m a da O cu lta () CCa m a da O cu lta () CCa m a da O cu lta () ~CCam ad aoculta() S ete n tra da s() A justa rp e sos() CalcularE rroderiva tivoqu adratico () G e tne uro nio s() CCam ad asaid a() <<virtua l>> ~CCam ad asaida () CCam ad abase (from Inspetor) m _fs aidas : CA rray<d ou ble,do ub le> A tivar() <<virtual>> SetEntrad as() G e ts a ida s() CCam ad abase() <<virtual>> ~CCam ad aba se() 1..n CNeu ro nio (from Insp eto r) m _ fs a ida : d ou ble <<virt ua l> > A ti va r() G ets a ida ( ) CNeu ro nio () <<virt ua l> > ~C Neu r on io... () CNeu ron iop rocessa m e nto (from Inspetor) m _ fe ntr ad as : CA rray<d ou bl e,do ub le> m _ fp esos : CA rra y< do ub le,d ou bl e> m _ fe rro De rivati v oq ua d ra t ico : do ub le S et Entr ad as() A tivar() G e tp e sos( ) A ju starp esos() G e te rro De riva t ivoq ua drat ico () S et Er ro De ri v at ivoq ua dr ati co () CN eu ro nio P ro ce ssa m en to () <<virt ua l> > ~C Neu r on io Pr oc essa ment o( ) Cal cu la rs igm oid e() G e ra r Ra ndo mi co () CNe uro nioentra da (fro m Inspeto r) m_ fe nt ra da : do ub le Se te nt rad a( ) Ati va r() CN eu ro ni oe nt rada () << virtual> > ~C Neu ro ni o E ntr ad a(...)

28 Desenvolvimento do trabalho Implementação - Ferramentas Microsoft Visual C++ 6 Microsoft Vision SDK Disponibiliza tipos específicos para imagens; Compartilhamento de memória entre objetos; Acesso otimizado; Rotinas para aquisição.

29 Desenvolvimento do trabalho Implementação - Resultados Embalagem Spray Presença e correta posição do bico; Presença e correta posição do gatilho; Alinhamento, presença e correta posição do sistema de borrifo.

30 Desenvolvimento do trabalho Implementação - Resultados Tubo plástico Presença da tampa; Integridade do tubo.

31 Desenvolvimento do trabalho Implementação - Resultados Para os dois casos de teste foram obtidos resultados positivos, através da seguinte configuração: - Utilização de 18 descritores de Fourier; - 18 neurônios na camada oculta da rede neural; - Aproximadamente 450 amostras utilizadas no treinamento da rede;

32 Roteiro da apresentação 1 Introdução 2 Fundamentação teórica 3 Desenvolvimento do Trabalho 4 Conclusão

33 Desenvolvimento do trabalho Conclusão O trabalho atingiu os objetivos; Suficiência da análise de forma.

34 Extensões Criação de um framework de aplicação voltado para sistemas de software de inspeção industrial; Especialização do protótipo para uma classe de produtos, com análises específicas aos mesmos; Extensão do protótipo desenvolvido com o objetivo de incluir ao mesmo os outros subsistemas que compõe um sistema de inspeção automatizada.

INSPEÇÃO INDUSTRIAL ATRAVÉS DE VISÃO

INSPEÇÃO INDUSTRIAL ATRAVÉS DE VISÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO INSPEÇÃO INDUSTRIAL ATRAVÉS DE VISÃO COMPUTACIONAL MAURÍCIO EDGAR STIVANELLO BLUMENAU

Leia mais

INSPEÇÃO INDUSTRIAL ATRAVÉS DE VISÃO

INSPEÇÃO INDUSTRIAL ATRAVÉS DE VISÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO INSPEÇÃO INDUSTRIAL ATRAVÉS DE VISÃO COMPUTACIONAL MAURÍCIO EDGAR STIVANELLO BLUMENAU

Leia mais

Sistema de Rastreamento de Objetos Através de Múltiplas Câmeras

Sistema de Rastreamento de Objetos Através de Múltiplas Câmeras Sistema de Rastreamento de Objetos Através de Múltiplas Câmeras André Luís Beling da Rosa (UFRGS) prof. Dalton S. dos Reis (FURB) prof. Paulo C. R. Gomes (IFC) prof. Mauricio E. Stivanello (UFSC) Voltando

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV. Luiz Lustosa Vieira, Dr. Ministério do Planejamento

AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV. Luiz Lustosa Vieira, Dr. Ministério do Planejamento AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DOS CONVENENTES NO SICONV Luiz Lustosa Vieira, Dr Ministério do Planejamento O Ministério do Planejamento visando facilitar o acesso aos recursos disponibilizados pelo Orçamento

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Aplicações Práticas com Redes Neurais Artificiais em Java

Aplicações Práticas com Redes Neurais Artificiais em Java com em Java Luiz D Amore e Mauro Schneider JustJava 2009 17 de Setembro de 2009 Palestrantes Luiz Angelo D Amore luiz.damore@metodista.br Mauro Ulisses Schneider mauro.schneider@metodista.br http://blog.mauros.org

Leia mais

José Maurício Nunes Garcia ( )

José Maurício Nunes Garcia ( ) José Maurício Nunes Garcia (1767-1830) ântico de Zacarias PM 0 Edição: Antonio amos coro, órgão (choir, organ) 12. Antonio amos licenciado ara Musica Brasilis, Rio de Janeiro, 2017 ântico de Zacarias Benedictus

Leia mais

ér co pe pa as le so se al tr on ro pr arc lie ond ase ete ole es ima ine red air o ca re uta mito K iro tei K bj or d orei ali tr tio seg as o em ocr at co arc h ong ab chl

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

SISTEMA DE VISÃO INTELIGENTE. Segmento de Alimentos e Bebidas

SISTEMA DE VISÃO INTELIGENTE. Segmento de Alimentos e Bebidas SISTEMA DE VISÃO INTELIGENTE Segmento de Alimentos e Bebidas 1 Sistemas de Visão para Alimentos e Bebidas Sistemas de Visão são equipamentos automáticos que utilizam câmeras de vídeo para capturar imagens

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS DEPARTAMENTO DE GEOFÍSICA Curso 3ª Idade Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente Vinicius Rafael Neris dos Santos

Leia mais

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Sumário 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais; 2- Processos de Treinamento; 2COP229 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais -Arquitetura:

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

Tendências da Análise de Negócios e do IIBA

Tendências da Análise de Negócios e do IIBA Tendências da Análise de Negócios e do IIBA Moderador Os webinars em português são uma iniciativa do IIBA e do IIBA Brasília Chapter. Contam com a colaboração voluntária de profissionais de AN de todo

Leia mais

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini Redes Neurais Profa. Flavia Cristina Bernardini Introdução Cérebro & Computador Modelos Cognitivos Diferentes Cérebro Computador Seqüência de Comandos Reconhecimento de Padrão Lento Rápido Rápido Lento

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA TREINAMENTO AUDITIVO DE MÚSICOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO JME

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA TREINAMENTO AUDITIVO DE MÚSICOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO JME PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA TREINAMENTO AUDITIVO DE MÚSICOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO JME Orientando: Marcelo Ricardo Kestring Orientador: Paulo César Rodacki Gomes Roteiro da Apresentação Introdução

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

CONTROLAR O PONTEIRO DO MOUSE UTILIZANDO O MOVIMENTO DE UM OLHO CAPTURADO ATRAVÉS DE UMA CÂMERA INFRAVERMELHA FIXA

CONTROLAR O PONTEIRO DO MOUSE UTILIZANDO O MOVIMENTO DE UM OLHO CAPTURADO ATRAVÉS DE UMA CÂMERA INFRAVERMELHA FIXA CONTROLAR O PONTEIRO DO MOUSE UTILIZANDO O MOVIMENTO DE UM OLHO CAPTURADO ATRAVÉS DE UMA CÂMERA INFRAVERMELHA FIXA Eduardo Henrique Sasse Acadêmico Paulo César Rodacki Gomes - Orientador Introdução Roteiro

Leia mais

Sistema de Rastreamento de Objetos Através de Múltiplas Câmeras

Sistema de Rastreamento de Objetos Através de Múltiplas Câmeras Sistema de Rastreamento de Objetos Através de Múltiplas Câmeras André Luís Beling da Rosa 1, Dalton Solano dos Reis 1, Paulo César Rodacki Gomes 1,3, Mauricio Edgar Stivanello 2 1 Departamento de Sistemas

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

Aprendizagem de Máquina

Aprendizagem de Máquina Aprendizagem de Máquina Alessandro L. Koerich Programa de Pós-Graduação em Informática Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Horários Aulas Sala [quinta-feira, 7:30 12:00] Atendimento Segunda

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Sensores de Imagem ivu

Sensores de Imagem ivu Sensores de Imagem ivu www.bannerengineering.com.br Sensor de Visão ivu com interface integrada Sensor de imagem para inspeções de aprovação/rejeição ou leitura de código de barras Interface Gráfica do

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

Reconhecimento de marcas de carros utilizando Inteligência Artificial. André Bonna Claudio Marcelo Basckeira Felipe Villela Lourenço Richard Keller

Reconhecimento de marcas de carros utilizando Inteligência Artificial. André Bonna Claudio Marcelo Basckeira Felipe Villela Lourenço Richard Keller Reconhecimento de marcas de carros utilizando Inteligência Artificial André Bonna Claudio Marcelo Basckeira Felipe Villela Lourenço Richard Keller Motivação Análise estatística das marcas de carros em

Leia mais

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Definições Básicas 1.Um arquivo é uma unidade lógica de informação criado por processos. As informações podem representar instruções e dados de qualquer tipo [1]. Exemplo de arquivos.

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Introdução Projeto de Arquitetura (Cap 11 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Até agora, estudamos: Os

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

Diagrama de Seqüência

Diagrama de Seqüência Diagrama de Seqüência Características Básicas É um diagrama de interação e considera aspectos dinâmicos; Define como os objetos colaboram; Ênfase na ordenação temporal; Captura o comportamento de um cenário

Leia mais

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL 1 OBJETIVOS 1. Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento e sistemas para gestão do conhecimento? 2. Quais são as aplicações

Leia mais

P PÓ P. P r r P P Ú P P. r ó s

P PÓ P. P r r P P Ú P P. r ó s P PÓ P P r r P P Ú P P r ó s P r r P P Ú P P ss rt çã s t à rs r t t r rt s r q s t s r t çã r str ê t çã r t r r P r r Pr r r ó s Ficha de identificação da obra elaborada pelo autor, através do Programa

Leia mais

BIOSYS: sistema de captura e armazenamento de imagens para exames oftalmológicos em biomicroscópios - Fase 1 1

BIOSYS: sistema de captura e armazenamento de imagens para exames oftalmológicos em biomicroscópios - Fase 1 1 BIOSYS: sistema de captura e armazenamento de imagens para exames oftalmológicos em biomicroscópios - Fase 1 1 Hélton José Oliveira Fernandes 2 ; Paulo Cesar Rodacki Gomes 3 INTRODUÇÃO O presente descreve

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Desempenho Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Fundamentos de Organização de Computadores Desempenho Avaliação de Desempenho

Leia mais

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento do trabalho Conclusão Extensões

Leia mais

Índice alfabético. página: 565 a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z. procura índice imprimir última página vista anterior seguinte

Índice alfabético. página: 565 a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z. procura índice imprimir última página vista anterior seguinte Í é á: 565 á é í ú á í é á: 566 A A é, 376 A, 378 379 A á, 146 147 A, 309 310 A á, 305 A ( ), 311 A, 305 308 A á B, 470 A á, 384 385 A,, ç Bç, 338 340 A é, 337 Aé, 333 A, 410 419 A K, 466 A, 123 A, 32

Leia mais

Integração avançada entre sistemas de movimento e visão

Integração avançada entre sistemas de movimento e visão Integração avançada entre sistemas de movimento e visão Marcelo Costa Engenheiro de Vendas Telles Soares Engenheiro de Campo Agenda Benefícios da integração Tipos de integração e exemplos MOVIMENTO VISÃO

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Instituto de Informática UFRGS Carlos Eduardo Ramisch Cartão: 134657 INF01017 Redes Neurais e Sistemas Fuzzy Porto Alegre, 16 de outubro de 2006.

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

DE PESSOAL DE NÍVEL N. Brasília, Março de 2010 Ministério da Educação

DE PESSOAL DE NÍVEL N. Brasília, Março de 2010 Ministério da Educação Brasília, Março de 2010 I Conferência da ANAMBA e Encontro Regional Americano do EMBA COUNCIL São Paulo, 08 a 10 de março de 2010 A AVALIAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO TÓPICOS O SNPG e a necessidade

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Visão Geral do RUP Rational Unified Process Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Resumo do Artigo de Krutchen O que é o RUP? 6 Práticas Comprovadamente Efetivas Desenvolvimento Interativo Gestão de Requisitos

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

APLICAÇÃO WEB PARA CONSULTA DE ITINERÁRIOS DE TRANPORTE PÚBLICO COM VISUALIZAÇÃO NO GOOGLE MAPS

APLICAÇÃO WEB PARA CONSULTA DE ITINERÁRIOS DE TRANPORTE PÚBLICO COM VISUALIZAÇÃO NO GOOGLE MAPS APLICAÇÃO WEB PARA CONSULTA DE ITINERÁRIOS DE TRANPORTE PÚBLICO COM VISUALIZAÇÃO NO GOOGLE MAPS Acadêmica: Kelly Cristina Boeck Orientador: Prof. Dalton Solano dos Reis, M.Sc FURB Universidade Regional

Leia mais

LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO. T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res

LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO. T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res T í t u l o I I D o P ro v i m e n t o, Va c â n c i a, R e m o

Leia mais

CERTIDÃO POSITIVA COM EFEITOS DE NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO

CERTIDÃO POSITIVA COM EFEITOS DE NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO 05/02/2015 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Procuradoria Geral da Fazenda Nacional CERTIDÃO POSITIVA COM EFEITOS DE NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

3. REDES DE CAMADA ÚNICA

3. REDES DE CAMADA ÚNICA 3. REDES DE CAMADA ÚNICA Perceptron Forma mais simples de RN Utilizado para classificação de padrões (linearmente separáveis) Consiste em um único neurônio, com pesos sinápticos ajustáveis e bias 3.1 Funções

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL Capítulo 10 GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL 10.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento e sistemas para gestão do conhecimento?

Leia mais

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Coordenação Profa Carla Alessandra Lima Reis Prof Rodrigo Quites Reis http://www.processode Roteiro Introdução Elementos Motivadores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Renato Maia Silva. Redes Neurais Artificiais aplicadas à Detecção de Intrusão em Redes TCP/IP. Dissertação de Mestrado

Renato Maia Silva. Redes Neurais Artificiais aplicadas à Detecção de Intrusão em Redes TCP/IP. Dissertação de Mestrado Renato Maia Silva Redes Neurais Artificiais aplicadas à Detecção de Intrusão em Redes TCP/IP Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Rejane de Barros Araújo rdebarros_2000@yahoo.com.br

Leia mais

UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias

UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias Departamento de Sistemas e Computação FURB Curso de Ciência da Computação Trabalho de Conclusão de Curso 2013/2 UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias Acadêmico: Jackson Krause

Leia mais

Palavra. puxa. menina menina

Palavra. puxa. menina menina menina menina menino menino sapato sapato bota bota uva uva mamã mamã leque leque casa casa janela janela telhado telhado escada escada chave chave galinha galinha gema gema rato rato cenoura cenoura girafa

Leia mais

A revolucionária inspeção de objetos estranhos em linhas de garrafas não retornáveis!

A revolucionária inspeção de objetos estranhos em linhas de garrafas não retornáveis! A revolucionária inspeção de objetos estranhos em linhas de garrafas não retornáveis! A indústria de bebidas geralmente não usa um inspetor de garrafas vazias antes da enchedora para linhas de vidro não

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

Apresentação final do Trabalho de Conclusão -Novembro 2002. Autenticação On-line de assinaturas utilizando Redes Neurais. Milton Roberto Heinen

Apresentação final do Trabalho de Conclusão -Novembro 2002. Autenticação On-line de assinaturas utilizando Redes Neurais. Milton Roberto Heinen Apresentação final do Trabalho de Conclusão -Novembro 2002 Autenticação On-line de assinaturas utilizando Redes Neurais Milton Roberto Heinen miltonrh@ig.com.br Motivação Falta de segurança dos sistemas

Leia mais

SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas. integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES

SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas. integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES Sistemas de visão Visão geral da linha de produtos Série SIMATIC VS720A - As câmeras inteligentes

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS Curso: Informática Disciplina: Redes Neurais Prof. Fernando Osório E-mail: osorio@exatas.unisinos.br EXEMPLO DE QUESTÕES DE PROVAS ANTIGAS 1. Supondo que

Leia mais

RENATO DE FREITAS LARA. Departamento de Ciência da Computação - Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) - Barbacena - MG Brasil

RENATO DE FREITAS LARA. Departamento de Ciência da Computação - Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) - Barbacena - MG Brasil RECONHECIMENTO DE CADEIAS DE NÚMEROS NAS ETIQUETAS IDENTIFICADORAS DOS BLOCOS DE AÇO, UTILIZANDO PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS E REDES NEURAIS ARTIFICIAIS RENATO DE FREITAS LARA Departamento de Ciência

Leia mais

MLP (Multi Layer Perceptron)

MLP (Multi Layer Perceptron) MLP (Multi Layer Perceptron) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Roteiro Rede neural com mais de uma camada Codificação de entradas e saídas Decorar x generalizar Perceptron Multi-Camada (MLP -

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s PROGRAM A + V IDA P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s D ro g a s da S ec reta ria de S a úde R ec COSTA ife JOÃO do MARCELO Coordenação Clínica do CAPS AD Eulâmpio Cordeiro SMS-PCR (DSIV) Coordenação

Leia mais

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES Aluno: André Luis Becker Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl. Mestre Orientador, FURB Roteiro da Apresentação Introdução;

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Inspeção Defeitos dos Software Classificação dos Erros Técnica de Leitura Ad-hoc Checklist Exercício Inspeção Inspeção de Software Definição É um método de análise estática

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Fábio R. R. Padilha Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ Rua São Francisco, 5 - Sede Acadêmica, 987-,

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Redes Neurais Artificiais Prof. Wilian Soares João Vitor Squillace Teixeira Ciência da Computação Universidade

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

Localização de placas em imagens de veículos. Resumo

Localização de placas em imagens de veículos. Resumo Localização de placas em imagens de veículos Geovane Hilário Linzmeyer Curso de Inteligência Computacional Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, dezembro de 2005 Resumo Um dos maiores problemas

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 01/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI I FINALIDADE Instituir a Metodologia

Leia mais

Inteligência Artificial. Redes Neurais Artificiais

Inteligência Artificial. Redes Neurais Artificiais Curso de Especialização em Sistemas Inteligentes Aplicados à Automação Inteligência Artificial Redes Neurais Artificiais Aulas Práticas no Matlab João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Matlab Objetivos:

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

Preciso De Ti (Diante do Trono)

Preciso De Ti (Diante do Trono) Pres e (inte d Trn) rrnj r MRCLO MINL úvids, sugestões, cntt: mrcelminl@yh.cm.br Srn ndnte /F# /F# lt Tenr Bss rárárá rá rárá 6 1.Pre 4/6 s Pre s d Teu 2.Nã ss_esque cer que i zes Teu 1.Pre s Pre s d 2.Nã

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 6 Favor colocar

Leia mais

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida 27 de maio de 2014 O que é a Neural Networw Toolbox? A Neural Network Toolbox fornece funções e aplicativos para a modelagem de sistemas não-lineares complexos que não são facilmente modelados com uma

Leia mais