Exemplo de macro processos da empresa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exemplo de macro processos da empresa"

Transcrição

1 Módulo 3 Relação entre os processos e as áreas da empresa Ferramentas para análise dos processos do negócio: fluxogramas funcional e físico, análise de tempos, qualidade, custos e valor agregado Melhoria nos processos

2 Exemplo de macro processos da empresa Planejamento Estratégico Marketing Desenvolvimento de Produtos Cliente Vendas Planejamen to Compras Recebimento Almoxarifado Produção Inspeção Estoque Expedição Entrega Cliente Recursos Humanos Financeiro e Controladoria Manutenção Processos de Gestão TI Infra-instrutura Jurídico

3 Relação entre processos e áreas da empresa Processos Áreas Vend Eng Prod Qual Com Projeto E R E Lote Piloto E R E E Controle de Qualidade Desenv. Fornecedores E E R R E E E E R R Responsável E- Envolvido

4 Objetivos versus Processos Para identificar os processos críticos temos que avaliar aqueles que têm impacto direto na realização das estratégias e das metas da organização: PROCESSOS Prospecção de clientes Vendas Administração de vendas Planejamento Avaliação de fornecedores Desenvolvimento de fornecedores Cotação Compras Recebimento Inspeção de recebimento Armazenamento de matéria prima Desenvolvimento de processo de produção OBJETIVOS

5 Mapeamento de Processos Uma fotografia vale mais do que mil palavras. (Dito popular) Um fluxograma vale mais do que mil procedimentos escritos. (Harrington, 1993)

6 Ferramentas de análise dos processos do negócio A) O processo deve ser mapeado: 1A) Fluxograma Funcional - Seqüência de atividades e funções Turn TV On Does picture come on? Yes Is picture good? No Yes Is TV plugged in? No Plug in TV Does picture come on? No Yes Call TV repair man No 2A) Fluxo-cronograma - Seqüência de tipos de atividades, setores/funções e tempos de execução Yes Adjust knobs Watch program Yes Is picture good? No B) Em função das necessidades de melhoria, de forma geral já conhecidas, um ou mais dos métodos de análise a seguir podem ser realizados: 1B) Fluxograma Físico (Geográfico) - Seqüência física de atividades 2B) Tempo de Processamento x Tempo de Ciclo -Tempo de trabalho efetivo x Tempo total 3B) Análise da Qualidade dos Processos- Utilização das ferramentas da qualidade 4B) Análise Gerencial de Custos - Aplicação do ABC - Activity Based Costing 5B) Análise de Valor Agregado

7 1A) Fluxograma Funcional - seqüência de atividades e funções Exemplo 1: Venda de Combustíveis por Telemarketing O QUE É FEITO QUEM FAZ 1) Atender ao telefone ou ligar e falar com o responsável pelo posto. Call center 2) Se o cliente tiver cadastro: inserir nome do posto no sistema e puxar o cadastro, verificar com o cliente os dados do cadastro, atualizar se necessário. 3) Se o cliente não tiver cadastro e for compra com pagamento antecipado: cadastrar. O cliente deve enviar por fax ou cartão do CNPJ e a Inscrição Estadual. 4) Se o cliente não tiver cadastro e for compra com pagamento a prazo: programar visita de um assessor de vendas para realizar o cadastro e recolher a documentação necessária. Informar que a venda só pode ser realizada após cadastramento e definição do limite de crédito. 5) Cadastramento de clientes sem cadastro que querem comprar a prazo: Visita ao posto para avaliação e obtenção da documentação para análise de crédito. 6) Cadastramento de clientes sem cadastro que querem comprar a prazo: Análise e liberação de crédito 7) Clientes com cadastro e sem cadastro com compra antecipada: Verificar o limite de crédito. Perguntar qual o prazo de pagamento (até 20 dias). Oferecer os produtos gasolina, álcool e diesel e os preços para o prazo de pagamento solicitado pelo cliente. 8) Cliente quer negociar o preço de algum produto. Call Center consulta Supervisor Comercial que decide ou não pela concessão de desconto. Call center Call center Call center Assessor de vendas Assistente Financeiro Call center Supervisor Comercial 9) Tendo fechado o pedido cadastrar o pedido no sistema. Call Center

8 1A) Fluxograma Funcional - seqüência de atividades e funções Exemplo 2: Dar partida em um carro e sair dirigindo INÍCIO Motorista Pega a chave, abre a porta do carro, entra, senta no banco e fecha a porta Está em ponto morto? Sim Carro deve sair p/ frente ou p/ trás? Para trás Não Para frente Motorista Engata a ré, olha no espelho retrovisor verificando espaço de passagem Motorista Pisa na embreagem, coloca em ponto morto e dá a partida Motorista Engata a primeira, olha para frente verificando espaço de passagem Motorista Pisa no freio, coloca em ponto morto e espera o obstáculo sair Sim Não Há obstáculo? Motorista Solta a embreagem e sai dirigindo FIM

9 1A) Fluxograma Funcional - seqüência de atividades e funções Em um mapeamento neste modelo pode-se avaliar: Se todas as atividades necessárias estão sendo realizadas; Se a atividade é realizada pela função correta; Se a seqüência de atividades está correta; Se é a melhor maneira de fazer a atividade; Se critérios estão definidos onde necessário. Com figuras pode-se avaliar melhor: Tomadas de decisão; Ações paralelas e cruzamentos. O que não se consegue perceber com clareza neste modelo: Os tempos; Movimentações físicas; Documentos utilizados, além do próprio fluxo; Telas de software; Análise da qualidade do processo.

10 2A) Fluxo-cronograma - Seqüência de Tipos de Atividades, Setores/Funções e Tempos SETORES TIPOS DE ATIVIDADES / TEMPOS ENVOLVIDOS ENVOLVIDOS 1 DIA 2 DIAS 3 DIAS Atendimento/ Call Center Visita/ Assessor Comercial Análise de Crédito / Financeiro Planejamento da Entrega/Operações Entrega/ Frota Faturamento/ Financeiro

11 2A) Fluxo-cronograma - Seqüência de Tipos de Atividades, Setores/Funções e Tempos Em um mapeamento neste modelo pode-se avaliar: Se todas as atividades necessárias estão sendo realizadas; Se a atividade é realizada pela função correta; Se a seqüência de atividades está correta; Se é a melhor maneira de fazer a atividade; Se critérios estão definidos onde necessário; Tomadas de decisão; Ações paralelas e cruzamentos; Os tempos. O que não se consegue perceber com clareza neste modelo: Telas de software; Documentos utilizados, além do próprio fluxo; Movimentações físicas; Análise da qualidade do processo. Esses temas podem ser avaliados se a estrutura do mapeamento estiver em um software com hiperlinks

12 1B) Fluxograma Físico - processo recebimento, inspeção, estoque de produtos acabados e expedição Estoque de produtos Recebidos a serem inspecionados Almoxarifado de matéria prima partes e peças Embalagem e Expedição Escritório Estoque de produtos acabados Documentação recebimento Produtos recebidos Produtos acabado Documentação produto acabado/expedição

13 1B) Fluxograma Físico - processo empréstimo pessoal cliente banco Em um mapeamento neste modelo pode-se avaliar: Movimentações físicas; O que não se consegue perceber com clareza neste modelo: Se todas as atividades necessárias estão sendo realizadas; Se a atividade é realizada pela função correta; Se a seqüência de atividades está correta; Se é a melhor maneira de fazer a atividade; Se critérios estão definidos onde necessário; Os tempos; Documentos utilizados; Telas de software; Tomadas de decisão; Ações paralelas e cruzamentos; Análise da qualidade do processo.

14 2B) Comparação dos tempos de processamento e ciclo dos processo - fabricação de produto p/cliente ATIVIDADES DOS PROCESSOS Tempo de processo Dias Dias acumulados Tempo de ciclo Dias Dias acumulados 1. Confirmação do Pedido com Cliente 0,25 0, Envio do pedido para Planejamento de Produção 3. PCP prepara listas de materiais a serem adquiridos e sequência e tempos de produção. 4. Compras realiza as aquisições necessárias 0,25 0, , , Recebimento recebe, inspeciona e 0,5 7, armazena produtos adquiridos 6. Produção fabrica o produto 2 9, Logística armazena e realiza a expedição e entrega 2 11,5 4 27

15 2B) Comparação dos tempos de processamento e ciclo dos processo - fabricação de produto p/cliente Em um mapeamento neste modelo pode-se avaliar: Os tempos; Se todas as atividades necessárias estão sendo realizadas; Se a seqüência de atividades está correta; O que não se consegue perceber com clareza neste modelo: Se a atividade é realizada pela função correta; Movimentações físicas; Documentos utilizados, além do próprio fluxo; Telas de software; Tomadas de decisão; Ações paralelas e cruzamentos; Se é a melhor maneira de fazer a atividade; Se critérios estão definidos onde necessário; Análise da qualidade do processo.

16 3B) Análise da qualidade dos processos Pareto (exemplo) Processo de Compras A análise de Pareto classifica os problemas em ordem de gravidade e pode ser visualmente demonstrada na forma de um gráfico de barras, que é denominado diagrama de Pareto ou gráfico de Pareto; Este gráfico de barras pode ser elaborado à partir dos resultados de uma folha de verificação e nos auxilia a voltar a nossa atenção e esforços aos problemas verdadeiramente importantes; Podemos fazer um Diagrama de Pareto para a folha de verificação apresentada a seguir: Não Conformidades JAN. FEV. MAR. ABR. TOTAL Produto rejeitado no recebimento por não conformidade de produto Produto rejeitado no recebimento por erro na documentação l ll l l 5 lll llll ll llll 13 Especificação de produto errada l l 2 Queda do sistema de informática l l l l 4 Falta de aprovação na documentação ll lll lllll ll 12 Produto recebido após data prevista llll llllll llll llllll 20 TOTAL

17 3B) Análise da qualidade dos processos Pareto (exemplo) Na figura o eixo vertical esquerdo mostra o número de defeitos para cada tipo de defeito. O eixo horizontal relaciona os tipos de defeitos começando com aquele mais freqüente, à esquerda, e movimentando-se em direção ao menos freqüente, à direita. Nº DEFEITOS Receb. ALI NHA fora da MEN data TO Erro PON TUA docum. ÇÃO TIPO DE DEFEITO Queda PA RÁ Sistema GRA TI FOS TIPO DE DEFEITO

18 3B) Análise da qualidade dos processos Ishikawa (exemplo) Tipo de Compra Água Tipo Mét. medida Varejo Quantidade Especial Classe Tratamento Químico Encanada Potência de Calor Calor Quantidade de ar Importado Nacional Volume de Água Tempo Material Válvula Local de Produção Método de Lavagem Estrutura Ajuste de Temperatura

19 4B) Análise dos Custos dos Processos pelo ABC - Activity Based Costing Exemplo: Planilha de custos setor de vendas Salários + encargos R$ ,00 Despesas com combustível, R$ 6.000,00 1 supervisor + 5 vendedores pedágio, estacionamento Aluguel escritórios R$ 2.000,00 Material de propaganda e R$ 1.000,00 marketing Água + Luz + IPTU + R$ 1.000,00 Treinamentos R$ 1.000,00 Condomínio + internet Materiais e equipamentos de R$ 500,00 Depreciação R$ 500,00 escritório Aluguel de carros R$ 3.000,00 Outros R$ 1.000,00 TOTAL R$ ,00 Neste caso o maior valor despendido é com os salários de 1 supervisor e 5 vendedores; Precisa-se identificar os processos e atividades realizados pelos profissionais, importância e tempos gastos, para identificar onde custos podem ser reduzidos.

20 4B) Análise dos Custos dos Processos pelo ABC - Activity Based Costing Deve-se gerenciar as atividades para se obter redução de custos. Pela mudança das atividades que compõem um processo ou através de ações para reduzir a demanda por estas atividades é que o gerente pode exercer impacto eficaz e sustentável sobre os custos. Exemplo: Planilha de custos do processo de vendas Processo Horas por vendedor/ mês Horas supervisor/ mês Oportunidades Planejamento 4 16 estratégico de vendas Prospecção de clientes Analisar a logística das visitas para reduzir o tempo com percurso Elaboração de propostas Padronizar e informatizar para reduzir 30% das horas gastas Administração de contratos Contratar um administrativo de vendas e retirar esta tarefa dos vendedores Gestão de problemas Identificar os problemas priorizar e tratar os 3 maiores para reduzir em 50% as horas gastas TOTAL

21 5B) Análise do Valor Agregado Determinar quais atividades são EFETIVAMENTE NECESSÁRIAS para atender os requisitos e as expectativas do CLIENTE Tipos de Atividade: com ou sem valor agregado. Identifique a atividade e pergunte: 1) A atividade é necessária para realização do produto ou serviço que o cliente deseja receber ou para a existência da organização? 2) Se sim, a atividade tem valor agregado e deve ser mantida, mas melhorias possíveis devem ser realizadas. 3) Se não, a atividade não tem valor agregado e deve ser eliminada.

22 5B) Avaliação do Valor Agregado Restaurante - Processo atendimento ATIVIDADES REALIZADAS / VALOR DAS ATIVIDADES Atividade Importância de 1 a 5 Coordenação da disponibilidade de mesas 2 Condução do cliente até a mesa 3 Apresentação do cardápio 5 Indicação dos melhores pratos 3 Registro do pedido 5 Entrega do pedido na cozinha 5 Entrega do pedido na mesa 5 Monitoramento de novos pedidos 5 Fechamento da conta e emissão da NF 5 Limpeza e organização da mesa 3

23 A análise para melhoria dos processos deve ter como princípio básico Redução de não conformidades Eliminação de burocracia Eliminação de duplicidade Aumento de valor agregado Redução de custos Simplificação Redução do tempo de ciclo Melhoria da comunicação Padronização Parceria com fornecedores Informatização, automação e/ou mecanização

24 Melhoria dos processos Após a análise dos processos teremos uma grande quantidade de oportunidades de melhoria, e, neste momento, temos que responder as perguntas: Quais melhorias vamos implementar agora? Quais ficarão para um segundo momento e De quais devemos desistir? Primeiramente vamos eliminar aquelas que são inviáveis, para tal vamos considerar: Se temos orçamento suficiente; Se a competência para implementação dificilmente vai ser conseguida pela organização em curto ou médio tempo; O grau de importância para o sucesso da organização e o resultado financeiro. Depois vamos identificar as que devemos deixar para um segundo momento, para tal vamos considerar: Se a cultura atual da organização está ou não preparada para implementar a melhoria; O grau de importância para o sucesso da organização e o resultado financeiro. Então vamos identificar as melhorias que devemos implantar agora, considerando: Quão fáceis e rápidas elas são de serem implantadas; O grau de importância para o sucesso da organização e o resultado financeiro.

25 Melhoria dos processos Questão Temos orçamento suficiente? Temos competência para implementação? Qual o grau de importância para o sucesso da organização? Vai levar a resultado financeiro? A cultura atual da organização está preparada para implementar a melhoria? Quão fácil é a melhoria de ser implantada? Quão rápida é a melhoria de ser implantadas? Vai reduzir não conformidades? Melhoria A Melhoria B Melhoria N

26 Estrutura para gestão por processos Atualmente as empresas tem a estrutura piramidal, por departamentos. Dificilmente vamos conseguir implantar uma estrutura totalmente horizontal. É necessário desenvolver um meio termo que permita a gestão dos processos dentro do organograma existente. É necessário que a direção tome as decisões em função dos resultados dos processos. A solução encontrada é a mescla entre a estrutura funcional (piramidal) e a estrutura por processos. Teremos as chefias da estrutura funcional convivendo com os donos dos processos. As chefias gerenciam os recursos humanos e materiais. Os donos dos processos gerenciam os processos cuidando da seqüência de atividades dentro e fora do seu departamento e respondendo pelo resultado global do processo. Os donos dos processos são avaliados pelos indicadores de seus processos e seus superiores igualmente.

27 Exercício Indique se é Verdadeiro ou Falso: 1. ( ) Para identificar os processos críticos temos que avaliar aqueles que têm impacto direto na realização das estratégias e das metas da organização. 2. ( ) Os donos dos processos gerenciam os processos cuidando da seqüência de atividades dentro do seu departamento e respondendo pelo resultado global do processo. 3. ( ) Todas as melhorias identificadas devem ser implementadas. 4. ( ) São alguns dos aspectos que podemos identificar durante análise para melhoria de um processo: aumento de valor agregado, redução de custos, simplificação e redução do tempo de ciclo. 5. ( ) Quando analisamos o valor agregado de uma atividade terão valor apenas as atividades que contribuem diretamente para a realização e entrega do produto ao cliente. 6. ( ) Pareto e Ishikawa são ferramentas usualmente utilizadas para análise do valor agregado das atividades. 7. ( ) Um fluxo-cronograma é uma boa ferramenta para mapeamento de processos porque por meio dele podemos identificar entre outros aspectos: se todas as atividades necessárias estão sendo realizadas, se a atividade é realizada pela função correta e se a seqüência de atividades está correta.

28 Resposta do exercício Indique se é Verdadeiro ou Falso: 1. ( V ) Para identificar os processos críticos temos que avaliar aqueles que têm impacto direto na realização das estratégias e das metas da organização. 2. ( F ) Os donos dos processos gerenciam os processos cuidando da seqüência de atividades dentro (e fora) do seu departamento e respondendo pelo resultado global do processo. 3. ( F ) Todas as melhorias identificadas devem ser implementadas. 4. ( V ) São alguns dos aspectos que podemos identificar durante análise para melhoria de um processo: aumento de valor agregado, redução de custos, simplificação e redução do tempo de ciclo. 5. ( F ) Quando analisamos o valor agregado de uma atividade terão valor apenas as atividades que contribuem diretamente para a realização e entrega do produto ao cliente. 6. ( F ) Pareto e Ishikawa são ferramentas usualmente utilizadas para análise do valor agregado (da qualidade) das atividades. 7. ( V ) Um fluxo-cronograma é uma boa ferramenta para mapeamento de processos porque por meio dele podemos identificar entre outros aspectos: se todas as atividades necessárias estão sendo realizadas, se a atividade é realizada pela função correta e se a seqüência de atividades está correta.

29 Módulo 3 Fim

Ferramenta fluxograma para mapeamento de processos. Macro - Fluxo. Fluxo Detalhado. Diagrama de Blocos

Ferramenta fluxograma para mapeamento de processos. Macro - Fluxo. Fluxo Detalhado. Diagrama de Blocos Módulo 2 Módulo 2 Fluxograma utilizado para mapeamento e modelagem de processos, Exemplos, Exercício, Outras metodologias para mapeamento de processos e Como utilizar o software MS Visio Todos os direitos

Leia mais

Mapeamento e Modelagem de Processos e o BPM (Business Process Management)

Mapeamento e Modelagem de Processos e o BPM (Business Process Management) Curso e-learning Mapeamento e Modelagem de Processos e o BPM (Business Process Management) Tempo passado Custo da Atividade Proporção Rejeitada Sim Duração da Atividades Compilar Informação Preparar Relatório

Leia mais

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Curso e-learning As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Módulo5. Módulo 5. Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício

Módulo5. Módulo 5. Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício Módulo5 Módulo 5 Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES TÍTULO DO CARGO: Diretor Comercial Garantir as melhores condições de rentabilidade para a empresa, na prospecção, desenvolvimento, contratação de obras e serviços. Superior

Leia mais

Remuneração: R$ 1500,00 até 2000,00

Remuneração: R$ 1500,00 até 2000,00 TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO (4 HORAS) - CHAPECÓ/SC Benefícios: Refeitório Transporte Plano de Saúde da Unimed Descrição: Treinamentos (de acordo com a necessidade da empresa). 2- Verificação de elaboração

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 COMPETITIVIDADE Rentabilidade Fluxo de caixa Crescimento de mercado GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 2 FOCO EM RESULTADOS Gestão dos processos associados

Leia mais

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Precision. A sua Solução de Gestão Empresarial. Características do Sistema: Principais Recursos:

Precision. A sua Solução de Gestão Empresarial. Características do Sistema: Principais Recursos: A sua Solução de Gestão Empresarial O Precision é a solução de Gestão Empresarial de baixo custo que a Maggiore Sistemas disponibiliza para pequenas e médias empresas. Desenvolvido e comercializado em

Leia mais

Título: Controle de Estoque (componente de especificação)

Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Palavras-chave: estoque, inventário, controle Autoria e data: Marcelo Pessôa 02 de junho de 2014 Versão: 1.0 Tecnologia: Independe de tecnologia

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

TOTVS Vendas e Faturamento Visão Geral

TOTVS Vendas e Faturamento Visão Geral TOTVS Vendas e Faturamento Visão Geral 08/08/2012 Sumário Sumário... 2 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 Objetivos do Treinamento... 3 2 Faturamento... 4 3 Controle de Vendas... 5 4 Fluxo Entidades X Processos...

Leia mais

Manual do Usuário Sistema ERP - Albatroz

Manual do Usuário Sistema ERP - Albatroz Manual do Usuário Sistema ERP - Albatroz Módulo Caixa Super Revisão: 2011.01 Data: 01/01/2011 SISTEMA ERP - ALBATROZ Manual do Usuário Sumário 1 MÓDULO CAIXA SUPER...3 1.1 Acesso ao módulo...3 1.2 Tela

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Gerencial Software MANUAL DO USUÁRIO 1

Gerencial Software MANUAL DO USUÁRIO 1 MANUAL DO USUÁRIO 1 SUMÁRIO Tela de Login... 3 Telas de Atualização e Informação... 3 Cadastro de Clientes... 7 Cadastro de Grupos... 7 Cadastro de Subgrupos... 8 Cadastro de Fornecedores... 8 Cadastro

Leia mais

Módulo 2. 2ª. Ferramenta: Diagrama Ishikawa (Espinha de Peixe) 3ª. Ferramenta: Folha de Verificação Exercícios

Módulo 2. 2ª. Ferramenta: Diagrama Ishikawa (Espinha de Peixe) 3ª. Ferramenta: Folha de Verificação Exercícios Módulo 2 2ª. Ferramenta: Diagrama Ishikawa (Espinha de Peixe) 3ª. Ferramenta: Folha de Verificação Exercícios 2ª. Ferramenta: Diagrama de Ishikawa Finalidade: Explorar e indicar todas as causas possíveis

Leia mais

PROCEDIMENTOS ITAKE TELECOM

PROCEDIMENTOS ITAKE TELECOM PROCEDIMENTOS ITAKE TELECOM Conceito Geral Comercial ao pós vendas. Comercial Efetuado contato com cliente. Coletar dados. E fazer o estudo de caso para entender as necessidades do cliente. Verificar viabilidade

Leia mais

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos Treinamento sobre Mapeamento de Processos O que é um processo? É um conjunto de atividades relacionadas que aplicadas às entradas ou inputs do

Leia mais

PROCEDIMENTOS ITAKE PROCEDIMENTOS ITAKE TELECOM

PROCEDIMENTOS ITAKE PROCEDIMENTOS ITAKE TELECOM PROCEDIMENTOS ITAKE TELECOM 1 Conceito Geral Comercial ao pós vendas. Comercial Efetuado contato com cliente. Coletar dados. E fazer o estudo de caso para entender as necessidades do cliente. Verificar

Leia mais

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro. A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para crescerh@crescerh.com.br e/ou realizar cadastro no site Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

Leia mais

Vendedor Externo - Chapecó/SC Tipo de contrato: Remuneração: Benefícios: Descrição: Turno: Requisitos: Ref.:

Vendedor Externo - Chapecó/SC Tipo de contrato: Remuneração: Benefícios: Descrição: Turno: Requisitos: Ref.: Vendedor Externo - Chapecó/SC Fixo de 900,00, ajuda de custo, comissão de 8% sobre as vendas, diária de 70,00. Descrição: Vendedor externo. Fará viagens para o interior de São Paulo e interior de Minas

Leia mais

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS Hoje, mais do que nunca, o conhecimento é o maior diferencial de uma organização, mas somente quando administrado e integrado com eficácia. Para melhor atender os seus

Leia mais

SOFTWARE PROFIT 2011.

SOFTWARE PROFIT 2011. apresenta o SOFTWARE PROFIT 2011. GESTÃO COMERCIAL O software PROFIT é um programa direcionado ao gerenciamento integrando de empresas de pequeno e médio porte, compreendendo todo o processo de negócio,

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI A) Área de Administração Geral ÁREAS E ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estagiário desta área de interesse deverá participar de atividades essenciais de uma empresa, tais como: marketing, produção,

Leia mais

TREINAMENTOS DEAK IN COMPANY

TREINAMENTOS DEAK IN COMPANY A DEAK Sistemas define como Treinamentos Básicos In Company a apresentação dos diversos módulos que compõem o ERP aos usuários. O Objetivo é apresentar cada módulo do ERP através de suas telas, campos

Leia mais

Salário á combinar. Turno: Indiferente Tipo de Contrato: Indiferente Cidade: Chapecó Estado: SC Vagas: 1 Benefícios

Salário á combinar. Turno: Indiferente Tipo de Contrato: Indiferente Cidade: Chapecó Estado: SC Vagas: 1 Benefícios Vagas Abertas * Os interessados deverão se cadastrar pelo site http://mdrh.com.br/ ou obter maiores informações através do telefone: (49) 3323-5804/ 9969b 9059. Faturamento - Referencia: 4 Descrição: Preferencialmente

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement.

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement. Professor:José Alves Disciplina:SIG/ Atividade Nota Nome Aluno(a) Nºs Exercícios SIG 1) Defina, com suas palavras, o que é ERP? 2) Marque V para as afirmações verdadeiras em relação a um ERP e F para as

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

TPABuffet - Principais Funcionalidades

TPABuffet - Principais Funcionalidades Todo evento de sucesso tem como base uma empresa sólida e organizada. Foi pensando nisso que a TPA Informática desenvolveu uma ferramenta completa e funcional: O TPA Buffet é um software de gestão de negócios

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Oportunidades Para sucesso!

Oportunidades Para sucesso! Operador Produção - Chapecó/SC Remuneração: R$ 765.00 Descrição: Auxilia do processo de extrusão e maquinas. 3 primeiros meses trabalho no horário 13:20 as 22:00 Após os 3 meses no horário 21:00 as 05:00

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

INTERESSADOS DEVERÃO CADASTRAR CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR MAIS INFORMAÇÕES TELEFONE 49-3323 5804

INTERESSADOS DEVERÃO CADASTRAR CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR MAIS INFORMAÇÕES TELEFONE 49-3323 5804 Gerente Administrativo - Chapecó/SC Tipo de contrato: Indiferente Descrição: Atuará na área administrativa/ financeira na negociação com bancos, controle de contas, liberação de pagamentos,financiamentos.

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Módulo 6. Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos

Módulo 6. Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos Módulo 6 Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos A organização traduzindo a missão em resultados Missão Por que existimos?

Leia mais

OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. PARA PROCESSAR O GRANDE VOLUME DE DADOS GERADOS E TRANSFORMÁ-LOS EM INFORMAÇÕES VÁLIDAS

OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. PARA PROCESSAR O GRANDE VOLUME DE DADOS GERADOS E TRANSFORMÁ-LOS EM INFORMAÇÕES VÁLIDAS O ADMINISTRADOR EM SUAS TAREFAS DIÁRIAS AJUSTA DADOS OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. 1.EXCESSO DE DADOS DISPENSÁVEIS 2. ESCASSEZ DE DADOS RELEVANTES NECESSITA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

1. Estruturação da Matriz Orçamentária. O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá

1. Estruturação da Matriz Orçamentária. O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá Nos processos tradicionais, quando um executivo prepara o orçamento do departamento sob sua responsabilidade, age como somente o seu centro

Leia mais

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO SELECIONA: Farmacêutico Descrição: Para responder tecnicamente pela distribuição dos medicamentos, auxiliar os representantes nas orientações necessárias, auxiliar os clientes, fornecer treinamentos quanto

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

ÁREA: CONTÁBIL / FISCAL / ADM / RH / ECONOMIA / PUBLICIDADE

ÁREA: CONTÁBIL / FISCAL / ADM / RH / ECONOMIA / PUBLICIDADE ÁREA: CONTÁBIL / FISCAL / ADM / RH / ECONOMIA / PUBLICIDADE AUX. ADMINISTRATIVO Escolaridade: Superior em Administração, Ciências Contábeis e/ou áreas afins Experiência: Necessário experiência com lançamentos

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA

CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO I e II Orientações aos Alunos Julho de 2010 NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Supervisionado I e II são disciplinas integrantes

Leia mais

Automação do Processo de Vendas Case Vitória Diesel

Automação do Processo de Vendas Case Vitória Diesel Automação do Processo de Vendas Case Vitória Diesel Empresa Vitória Diesel Resultados Cenário Ambiente Necessidades Processos Objetivos Dealer Prime Solução Benefícios CASE VITÓRIA DIESEL Empresa Vitória

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

IF-718 Análise e Projeto de Sistemas

IF-718 Análise e Projeto de Sistemas Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Especificação de Requisitos do Software Sistema de Gerenciamento de Restaurantes IF-718 Análise e Projeto de Sistemas Equipe: Jacinto Filipe -

Leia mais

PLANO DE CURSO PERFIL PROFISSIONAL

PLANO DE CURSO PERFIL PROFISSIONAL NOME DO CURSO 1522 - AUXILIAR ADMINISTRATIVO OCUPAÇÃO ASSISTENTE ADMINISTRATIVO MODALIDADE 21 - QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL BÁSICA - FORM. INICIAL CBO 4110100 CARGA HORÁRIA TOTAL 240 h OBJETIVO GERAL Executar

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Introdução: Você deverá demonstrar viabilidade financeira deste Business Case de uma solução para a melhoria na Gestão do Estoque de Produtos Acabados da empresa CELTA. Conteúdo: 1. Declaração do Problema

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Dicas de vendas para postos de combustível

Dicas de vendas para postos de combustível Dicas de vendas para postos de combustível Ao visitar um cliente em potencial, apresente-se e apresente sua empresa e produtos (Bom dia, meu nome é Tiago, sou representante comercial da Moura Informática,

Leia mais

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 O sistema T-Car-Win está sendo atualizado para a versão 1.15.5. Esta versão tem o objetivo de agregar as seguintes funcionalidades ao sistema: Possibilidade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

www.nextrans.com.br blog.nextrans.com.br twitter.com/nextrans

www.nextrans.com.br blog.nextrans.com.br twitter.com/nextrans www.nextrans.com.br blog.nextrans.com.br twitter.com/nextrans Mais este desafio Cliente Nextrans (Cliente Nextrans) (Cliente Nextrans) (Cliente Nextrans) (Cliente Nextrans) Nós é que agradecemos a oportunidade

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

GIOVANNO DA SILVA NEIVA gsn1977@gmail.com

GIOVANNO DA SILVA NEIVA gsn1977@gmail.com CURRICULUM VITAE Nome : Giovanno da Silva Neiva Idade: 36 anos Estado Civil: Casado Fone : 4199379882 Meus Pontos Fortes: grande facilidade em trabalhar com equipe, fácil comunicação, competência para

Leia mais

Objetivo da Metodologia. Introdução a Gestão por Processos

Objetivo da Metodologia. Introdução a Gestão por Processos Objetivo da Metodologia Introdução a Gestão por Processos IV SIMTEC 31/10/2012 Agenda Objetivo da Metodologia Gestão por Processos: Por que na UNICAMP? Visão Sistêmica da Organização e os Processos Exemplos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SISTEMA HOTELEIRO. Deseja-se modelar um sistema para um pequeno hotel que atenda aos seguintes. requisitos:

SISTEMA HOTELEIRO. Deseja-se modelar um sistema para um pequeno hotel que atenda aos seguintes. requisitos: GERAIS Desenha um diagrama de classes com relacionamentos, nomes de papéis e multiplicidade para as seguintes situações: - Uma pessoa pode ser casada com outra pessoa. - Uma disciplina é pré-requisito

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte

Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte DESAFIOS DA INDÚSTRIA Eng. Jardel Lemos do Prado jardel.prado@adeptmec.com Eng. Rafael B. Mundim mundim@ita.br SUMÁRIO Histórico 1900-2000 Definição do Gerenciamento

Leia mais

Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha

Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha A VH2C adota como principio básico de gestão a simplificação dos processos, para que as pessoas os entendam e executem com maior precisão e satisfação.

Leia mais

Lista de exercícios - MER

Lista de exercícios - MER Lista de exercícios - MER Teoria: 1. Quais as fases do desenvolvimento do ciclo de vida de um banco de dados? Explique cada uma delas. 2. Quais os componentes de um DER? Defina-os. 3. Como podemos classificar

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

AULA 2 Marketing de Serviços

AULA 2 Marketing de Serviços AULA 2 Marketing de Serviços Categorias de serviços Uma das formas de se classificar serviços é baseada na natureza dos processos pelos quais os serviços são criados e entregues. Um processo é um método

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Sistema de Custos ABC. As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção

Sistema de Custos ABC. As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção Sistema de Custos ABC 85 As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção 86 80% 70% 60% 50% 40% As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção

Leia mais

Mural de Vagas. Os interessados devem entrar em contato, através do telefone 3259-0508 para agendar entrevista

Mural de Vagas. Os interessados devem entrar em contato, através do telefone 3259-0508 para agendar entrevista AUXILIAR DE LIMPEZA FEMININO Experiência em carteira. Região da Faria Lima. Salário R$690,00 + VT+ VR + VA. Necessário disponibilidade de horário, inclusive aos finais de semana e horário noturno. AUXILIAR

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DISCIPLINA Aplicações de Sistemas de Prof. Wagner Däumichen Barrella Aplicações de Sistemas de Vínculo Administração-Tecnologia Administração e Tecnologia Revolução

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Quanto cu$ta implantar um Call Center

Quanto cu$ta implantar um Call Center 1 Quanto cu$ta implantar um Call Center Antes de respondermos a essa pergunta, é importante sabermos qual é a cultura da empresa com relação aos clientes, se os colaboradores estão habituados a prestar

Leia mais

Gestão por Processos Interfuncionais. eduardo.meirelles@dinaco-sa.com.br

Gestão por Processos Interfuncionais. eduardo.meirelles@dinaco-sa.com.br Gestão por Processos Interfuncionais eduardo.meirelles@dinaco-sa.com.br Dinaco Especialidades Químicas Fundada em 1937 DINamarca Agencias & COmissões Pioneira na introdução de produtos no mercado brasileiro

Leia mais

Planejamento logístico,

Planejamento logístico, gestão empresarial - Gerenciamento de Ferramentas Planejamento logístico, ótimo caminho para a redução de custos AB Sandvik Coromant Fundamental para a redução dos custos de estoque e de produção, processo

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

GESTÃO ADMINISTRATIVA

GESTÃO ADMINISTRATIVA GESTÃO ADMINISTRATIVA A Andrade s Consultoria em Gestão Empresarial é uma empresa que desenvolve projetos de consultoria customizados de acordo com as necessidades de cada cliente. Nossos projetos são

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: 100 ADMINISTRADOR ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Reportar-se ao Diretor de Gestão, de quem recebe orientação e supervisão; Redigir documentos e ter domínio de ferramentas de informática; Efetuar

Leia mais

Apresentação Análise Essencial Projeto Implantação do Sistema Treinamento Suporte Técnico

Apresentação Análise Essencial Projeto Implantação do Sistema Treinamento Suporte Técnico Apresentação Um projeto de informatização tem como principal função analisar as características da empresa e apontar os pontos onde são necessários controles informatizados, fazendo uma análise junto à

Leia mais

- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo

- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo - Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo PRINCIPAIS ÁREAS P/ DIMENSIONAMENTO DA FÁBRICA 1. Centros de produção

Leia mais

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER ASSISTENTE DE DEPARTAMENTO PESSOAL Salário a combinar São Bernardo do Campo/SP Atribuições: Atendimento aos clientes, organização

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais