A CONDIÇÃO DOS HERDEIROS NO CASO DE FALECIMENTO DE SÓCIO DE SOCIEDADE LIMITADA Diego Richard Ronconi 1 1. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONDIÇÃO DOS HERDEIROS NO CASO DE FALECIMENTO DE SÓCIO DE SOCIEDADE LIMITADA Diego Richard Ronconi 1 1. Resumo"

Transcrição

1 A CONDIÇÃO DOS HERDEIROS NO CASO DE FALECIMENTO DE SÓCIO DE SOCIEDADE LIMITADA Diego Richard Ronconi 1 1. Resumo O presente artigo tem como objeto o inventário das quotas de sócio participante de Sociedade empresária Limitada, e como objetivo analisar a situação dos herdeiros de sócio participante desta espécie societária diante do inventário das quotas deixadas pelo de cujus, procurando-se, com fundamento da doutrina, na lei e na jurisprudência, responder às seguintes perguntas: falecendo o sócio com participação societária em Sociedade limitada, impõe a lei que seus herdeiros devam ingressar, como sócios da sociedade em que o falecido era participante? Havendo permissão do contrato social no sentido de que os herdeiros possam nela ingressar, há obrigatoriedade de que assumam a condição de sócios? Quais as conseqüências de os herdeiros ingressarem, ou não, na qualidade de sócios? Não querendo ingressar como sócios, há obrigação de que o contrato social seja alterado, colocando-os como sócios, em substituição do sócio falecido? Como se observará, nem sempre o fato de ser receber como herança participação de quota societária acarreta o imediato ingresso do herdeiro na sociedade empresária em que integrava o falecido. Também nem sempre o fato de ingressar como sócio em sociedade empresária acarreta vantagens, pois, desconhecendo os herdeiros o real estado em que se encontra a empresa, podem ser surpreendidos com conseqüências em seu patrimônio particular, inerentes à qualidade de sócios, que ignoravam. A fim de que não haja surpresas, é necessário, antes de tudo, o conhecimento das situações em cada uma de suas nuances, especialmente direcionadas ao reflexo nas condições pessoais dos herdeiros, situações estas que se compromete este artigo a identificar. Será tratado sobre situações de dissolução total e parcial de sociedades empresárias, sobre a identificação, no contrato social, da possibilidade de ingresso, ou não, de herdeiros na condição de sócios e quais as conseqüências de seu ingresso, ou não, na sociedade. Além disso, o estudo fará referência ao significado da chamada Apuração de Haveres, bem como dos elementos que a integram. Também será retratado sobre a Sobrepartilha, identificando o seu significado, objetivo e forma diante da legislação civil e processual civil, especialmente direcionada ao assunto da Apuração de Haveres do sócio falecido que era participante de Sociedade Limitada. Estas situações são comuns na prática jurídica cotidiana, não se atentando muitos profissionais do Direito (aqui se referindo a Advogados, Professores Universitários dos cursos de Direito, Membros do Ministério Público e Magistrados) para as conseqüências mediatas e imediatas do ingresso de herdeiros na condição de sócios de sociedades empresárias, especialmente no que diz respeito à Sociedade Limitada. 2. Introdução O inventário dos bens deixados por falecimento de alguém nem sempre se processa de forma tranqüila. Muitas vezes, em razão da dificuldade de divisão de certos bens, a resolução do processo resta demorada. Outras vezes, a dificuldade se encontra pelas conseqüências que o recebimento de certos bens podem trazer ao herdeiro beneficiado. Um exemplo desta situação se mostra quando se herdam quotas de sociedades empresárias. Para melhor acompanhar o raciocínio pretendido com este estudo, veja-se a seguinte situação: João, Mário e Cesar são sócios da empresa Bela Vida Indústria de Calçados Ltda. João tem 40% das quotas do capital social, Mário 40% e César, 20%. João faleceu e deixou 3 filhos: Marta, Maria e 1 Advogado, Mestre e Doutor em Ciência Jurídica. Professor dos Cursos de Graduação em Direito da Univali e da Faculdade de Direito de Joinville e de cursos de Pós-Graduação em Direito. autor das obras Falência e Recuperação de Empresas: análise da utilidade social de ambos os institutos (Itajaí: Editora da UNIVALI, 2002), A Arte da Guerra para Advogados: A filosofia de Sun Tzu aplicada à prática jurídica (Florianópolis: Momento Atual, 2005); A responsabilidade civil nos contratos de alienação fiduciária em garantia (no prelo), bem como de vários artigos publicados em revistas e periódicos especializados do País.

2 Carla, todas maiores e capazes civilmente. Dentre os diversos bens deixados pelo falecido, há necessidade de que sejam inventariadas, também, as quotas que João tinha na empresa. 2 Com o falecimento do sócio, os herdeiros entram, obrigatoriamente, como sócios da sociedade em que seu genitor (a) era participante? Se há permissão do contrato social da sociedade para que os herdeiros nela ingressem, há obrigatoriedade de que assumam a condição de sócios? Quais as conseqüências de os herdeiros ingressarem, ou não, na qualidade de sócios? Não querendo ingressar como sócios, há obrigação de que o contrato social seja alterado, colocando-os como sócios, em substituição do sócio falecido? Tais são os questionamentos que este estudo pretende responder. Utilizar-se-á, no desenvolvimento do artigo, o método indutivo e a técnica da pesquisa bibliográfica. A linha de pesquisa será Direito e Organizações Públicas e Privadas, tratando-se de tema relacionado ao Direito Civil e Empresárial (societário e sucessório). 3. A dissolução da sociedade empresária No direito brasileiro, há várias formas de dissolução da sociedade empresária, a qual pode ser total, ou parcial. Será total quando nenhum sócio mais desejar continuar a sociedade, ou pelas demais circunstâncias delineadas no artigo 1.033, do Código Civil 2, devendo ser devidamente dissolvida e encerrada. Já a dissolução parcial ocorre quando haja a saída de um ou alguns sócios, desejando os demais continuar a atividade. Nem sempre a dissolução da sociedade se dá por ato entre vivos, ou seja, todos os sócios estão vivos e um deles deseja sair, ou porque os demais determinem pela exclusão de um ou mais integrantes do quadro societário, continuando os demais. A dissolução pode ocorrer também por morte de um dos sócios, mais conhecida como liquidação de quota do sócio falecido, que é a hipótese tratada neste estudo. 4. A liquidação da quota de sociedade empresária por morte e a situação dos herdeiros O estudo pretende se concentrar na liquidação de quota por morte de sócio que faça parte do quadro societário de uma Sociedade Limitada, ou seja, na espécie de sociedade 2 Art Dissolve-se a sociedade quando ocorrer: I- o vencimento do prazo de duração, salvo se, vencido este e sem oposição de sócio, não entrar a sociedade em liquidação, caso em que se prorrogará por tempo indeterminado; II- o consenso unânime dos sócios; III- a deliberação dos sócios, por maioria absoluta, na sociedade de prazo indeterminado; IV- a falta de pluralidade de sócios, não reconstituída no prazo de 180 (cento e oitenta) dias; V- a extinção, n forma da lei, de autorização para funcionar.

3 3 empresária na qual a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas, mas todos respondem solidariamente pela integralização do capital social (art , do Código Civil). Conforme ensinam alguns juristas, a morte de sócio é uma das possibilidades de dissolução da sociedade. Nesta situação, conforme o artigo 1.028, III, do Código Civil: Art No caso de morte de sócio, liquidar-se-á sua quota, salvo: I- se o contrato dispuser diferentemente; II- se os sócios remanescentes optarem pela dissolução da sociedade; III- se, por acordo com os herdeiros, regular-se a substituição do sócio falecido. Ricardo Negrão 3 retrata, de forma mais específica, as possibilidades que se têm, no caso de morte de sócio, ensinando que: Falecido um dos sócios, e no silêncio do contrato social, podem os demais optar por: a) dissolver a sociedade (art , II); b) acordar, com os herdeiros, sua substituição no quadro social (art , III); ou c) pagar o valor da quota aos herdeiros, com base na situação patrimonial da sociedade, à data da resolução, que coincide com a do evento morte, verificada em balanço especialmente levantado (art ). Quando um dos sócios da sociedade empresária falece, suas quotas na sociedade devem ser inventariadas, obrigatoriamente, por determinação do artigo 993, II, do Código de Processo Civil, que assim determina: Art (...) Parágrafo único. O juiz determinará que se proceda: I (...) II a apuração de haveres, se o autor da herança era sócio de sociedade que não anônima.. Caso se trate de Sociedades Limitadas (portanto, não é o caso de Sociedades Anônimas), a apuração de haveres é medida que se impõe. À frente será melhor explicitado o significado de Apuração de Haveres e seus elementos. Coelho 4 : Na hipótese de morte de sócio de uma Sociedade Limitada, ensina Fábio Ulhoa c) Morte de sócio. Se falece o sócio da sociedade limitada, isto pode implicar a dissolução parcial desta. De fato, a participação societária, como os demais elementos do patrimônio do falecido, será atribuída, por sucessão causa mortis, a um herdeiro ou legatário, que nunca estão obrigados a fazer parte da sociedade limitada, seja ela de pessoas ou de capital. Têm eles direito, portanto, à apuração dos haveres de que decorre a dissolução parcial. Claro, se o sucessor do sócio morto quiser fazer parte da sociedade, e os sobreviventes concordarem, nada obriga a liquidação da quota. (...) 3 NEGRÃO, Ricardo. Manual de direito comercial e da empresa, p COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. 5. ed. São Paulo: Savaira, p v. 2.

4 Em suma, a morte de sócio só dissolve a limitada quando o sucessor não deseja entrar para a sociedade, ou, sendo ela de pessoas, os sobreviventes querem impedir o ingresso dele. Se o sucessor do sócio morto concorda em manter o investimento na empresa, e os sobreviventes concordam em tê-lo como sócio, a sociedade não se dissolve, nem sequer parcialmente. (...) (grifado). Assim, nada impõe a lei aos herdeiros, no sentido de que sejam, obrigatoriamente, sócios na sociedade cujas quotas sociais passam a herdar. Assim, caso não desejam os herdeiros substituir o sócio falecido, ocorrerá, simplesmente, a devolução do investimento realizado com a Apuração dos Haveres do sócio falecido, na forma definida no contrato social. Caso nada trate o contrato social a respeito da forma como ocorrerá a apuração da quota do sócio falecido, aplica-se a regra do artigo 1.031, do Código Civil: 4 Art Nos casos em que a sociedade se resolver em relação a um sócio, o valor da sua quota, considerada pelo montante efetivamente realizado, liquidar-seá, salvo disposição contratual em contrário, com base na situação patrimonial da sociedade, à data da resolução, verificada em balanço especialmente levantado. 1 o. O capital social sofrerá a correspondente redução, salvo se os demais sócios suprirem o valor da quota. 2 o. A quota liquidada será paga em dinheiro, no prazo de 90 (noventa) dias, a partir da liquidação, salvo acordo, ou estipulação contratual em contrário.. Reforçando o entendimento anteriormente retratado, no sentido das hipóteses de dissolução parcial da sociedade empresária, em especial em razão de morte de sócio, ensina Ricardo Negrão 5 : São três os casos de dissolução parcial de pleno direito, (...): a falência, a execução de credor particular do sócio e a morte deste sem ingresso de herdeiros ou previsão contratual para a circunstância ou não ocorrendo acordo com os herdeiros Nesses três episódios, há em comum a aplicação da regra prevista no art , 2 o : a quota será liquidada e paga em dinheiro, no prazo de noventa dias, contados a partir da liquidação, salvo acordo ou estipulação contratual em contrário (grifado). Adiante será tratado de forma mais detalhada como fica a situação dos herdeiros de sócio falecido, caso não ingressem na sociedade na qualidade de sócios. Passa-se, agora, à análise de duas situações completamente distintas e que acarretam conseqüências diversas: a) se os herdeiros ingressam como sócios em substituição do sócio falecido; b) se os herdeiros não ingressam como sócios, ao receberem as quotas do sócio falecido, preferindo a apuração de seus haveres na empresa. 5. A análise do Contrato Social sobre o ingresso dos herdeiros na qualidade de sócios 5 NEGRÃO, Ricardo. Manual de direito comercial e da empresa. 3. ed. São Paulo: Saraiva, v. 1. p. 369.

5 5 Antes de se identificar a opção dos herdeiros por seu ingresso na sociedade empresária na qualidade de sócios, em substituição ao sócio falecido, deve-se atentar, inicialmente, o contrato social da empresa. É neste instrumento que se observa se os demais sócios que continuam na atividade da empresa permitem que, com o falecimento do sócio, os seus herdeiros ingressem na qualidade também de sócios (identificando uma sociedade de capitais, não importando a condição pessoal dos sócios que nela ingressem), ou se, caso não permitam o ingresso dos herdeiros como sócios (sociedade de pessoas, onde a condição pessoal do sócio é fundamental), de que forma serão apurados os haveres do sócio falecido. Importa salientar que, neste último caso, como adiante se verá, os herdeiros sequer ingressarão como sócios na sociedade, apenas retirando as importâncias investidas pelo sócio falecido. 6. Conseqüências do ingresso dos herdeiros como sócios (em substituição ao sócio falecido) Como se tratou no item anterior, antes de pretenderem os herdeiros do sócio falecido ingressarem na sociedade, substituindo-o, devem observar se o contrato social assim o permite. Esta cláusula geralmente é identificada nos contratos sociais das empresas com a seguinte redação: Cláusula X. Em caso de falecimento de um dos sócios, a sociedade continuará com os sócios remanescentes, passando as quotas do de cujus para os herdeiros legais; 1 o. Até que se ultime no processo de inventário a partilha dos bens deixados pelo de cujus, incumbirá a(o) inventariante, para todos os efeitos legais a representação ativa e passiva dos interessados perante a sociedade; 2 o. Os herdeiros, através de seu (a) inventariante ou representante legal, poderão retirar-se da sociedade. A exemplo da cláusula acima citada, importante esclarecer que, caso o contrato social admita os herdeiros do sócio falecido como novos sócios, isto não se trata de obrigação, mas de faculdade. Caso não queiram permanecer como sócios, apenas retiram os valores deixados pelo sócio falecido, sem, no entanto, lhes poder ser atribuída a qualidade de sócios (esta situação será tratada no item a seguir). Assumindo os herdeiros a condição de novos sócios, em substituição do sócio falecido, aos mesmos se atribui todos os direitos e deveres da qualidade de sócio. Disto decorre a conseqüência determinada pelo artigo 1.025, do Código Civil, ou seja, O sócio, admitido em sociedade já constituída, não se exime das dívidas anteriores à admissão. Portanto, não ingressam os herdeiros somente no ativo da empresa (bens e direitos), anterior e posterior ao seu ingresso, mas também no passivo da empresa, ou seja, nas suas dívidas e demais obrigações,

6 6 anteriores e posteriores. Deve-se, por isso, antes de se optar pelo ingresso dos herdeiros na qualidade de sócio, conhecer a situação da empresa, a fim de que os herdeiros não sejam surpreendidos por dívidas que haviam sido contraídas pela empresa antes de sua admissão. Aliás, em se tratando de Sociedade Limitada, importa dizer que, se o capital social da empresa foi devidamente integralizado, e se, porventura, ocorrer a falência da empresa, o patrimônio particular dos sócios não podem ser atingidos por débitos da sociedade empresária, exceto por situações que decorram da falta de integralização do capital social, de responsabilidade tributária, previdenciária ou de desconsideração da personalidade jurídica da sociedade empresária (art. 50, do Código Civil). Deve-se atentar para a situação da autonomia, não só patrimonial da empresa, mas da separação de personalidade jurídica da sociedade empresária (pessoa jurídica), e da personalidade jurídica dos sócios que a compõe (pessoas físicas, ou naturais). Portanto, ser sócio de Sociedade Limitada não significa que, em faltando patrimônio da sociedade para cobrir seus débitos, imediatamente se ingressará no patrimônio particular dos sócios. 7. Conseqüências do não ingresso dos herdeiros na qualidade de sócios, preferindo a Apuração de Haveres do sócio falecido Como observado, se os herdeiros não querem continuar a participação societária como sócios, mas retirar as importâncias relativas às quotas que lhes passa a pertencer, com o inventário dos bens deixados pelo falecido, impõe-se o cálculo do valor das quotas pela forma chamada de Apuração de Haveres. Trata-se a Apuração de Haveres aqui identificada, da verificação judicial dos investimentos realizados pelo sócio falecido na empresa que tinha participação. Os sócios, ao integralizarem o capital social da empresa, ou seja, ao retirarem de seu patrimônio particular bens móveis ou imóveis para investimento nela, observam, geralmente, um crescimento ao longo do tempo, no sentido de que este seu investimento gere riquezas maiores do que aquelas inicialmente investidas. Desta forma, ao se retirar da empresa, seja na dissolução da sociedade empresária enquanto os sócios são vivos, ou em razão da morte de um dos sócios, surge a necessidade de se apurar qual a importância que o sócio retirante, ou seus herdeiros tem a retirar da sociedade (neste último caso, se os herdeiros não ingressarem como sócios da empresa).

7 7 Tal apuração leva em consideração TODOS os elementos que fazem parte do estabelecimento empresarial 6. Ricardo Negrão 7 organiza um quadro sobre tais bens, o qual aqui se repete: ELEMENTOS DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL BENS INCORPÓREOS BENS CORPÓREOS Exemplos: Exemplos: - sinais distintivos: nome comercial objetivo, título e - nos estabelecimentos industriais: terrenos, edifícios, insígnia do estabelecimento, marcas de produto ou construções, usinas, armazéns, máquinas, serviço, marcas de certificação, marcas coletivas; equipamentos, produtos abacados, matéria-prima etc.; - privilégios industriais: patentes de invenção e de - nas chamadas atividades intermediárias: modelos de utilidade, registro de desenhos mercadorias, instalações, mobiliário e utensílios; industriais; - nas empresas de transporte: veículos etc.; - obras literárias, artísticas ou científicas; - nas atividades bancárias: dinheiros, títulos. - ponto ou local da empresa; - direitos decorrentes dos contratos em geral; - créditos Conforme ensinamento de Ulderico Pires dos Santos, a Apuração de Haveres deve atender aos valores reais, e não aqueles contabilizados, pois este entendimento se apóia na teoria que condena o enriquecimento injusto ou sem causa, que se aplica à doutrina mercantil (RTJ, 72/645 e 57/472) 8. Para tanto, além dos demais elementos constantes no balanço patrimonial, balanço de resultado econômico da empresa e no balanço especialmente levantado 9, deve-se atentar, para a avaliação, ainda 10 : a) os lucros pendentes que não constam do último balanço feito ao tempo em que o de cujus ainda era vivo (RT 493/97-98); b) o processamento da Apuração de Haveres na forma de liquidação que aproxime da liquidação total, a fim de assegurar aos retirantes situação de igualdade na apuração de haveres (RE n º SP). A liquidação das sociedades, diante do Código Civil de 2002, se opera conforme os artigos a 1.112, enquanto o Código de Processo Civil, no art , VII, determina que tal liquidação se realiza em conformidade com os artigos 655 a 674, do Código de Processo Civil de 1939 (Decreto-lei n º 1.608, de 18 de setembro de 1939). 6 Conforme o artigo 1.142, do Código Civil: Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para exercício da empresa, por empresário, ou por sociedade empresária. 7 NEGRÃO, Ricardo. Manual de direito comercial e da empresa, p SANTOS, Ulderico Pires dos. Sucessão hereditária: doutrina, jurisprudência e prática. Rio de Janeiro: Forense, p art Nos casos em que a sociedade se resolver em relação a um sócio, o valor da sua quota, considerada pelo montante efetivamente realizado, liquidar-se-á, salvo disposição contratual em contrário, com base na situação patrimonial da sociedade, à data da resolução, verificada em balanço especialmente levantado. (grifado). 10 SANTOS, Ulderico Pires dos. Sucessão hereditária: doutrina, jurisprudência e prática, p. 35.

8 8 Observe-se, ainda, que, se os balanços (com base na situação patrimonial da sociedade, à data da resolução art , resolução esta que coincide com o evento morte do sócio 11 ), não foram aprovados pelo sócio falecido, não devem prevalecer para efeitos de Apuração de Haveres, conforme a súmula 265, do Supremo Tribunal Federal. É importante salientar que, na hipótese de os herdeiros não ingressarem na qualidade de sócios da empresa, em substituição ao sócio falecido, optando somente pela retirada dos haveres deste, não ingressam os herdeiros na qualidade de sócios. Portanto, diversamente do que foi tratado anteriormente, não têm a condição de sócios da empresa, mas de condôminos em bem que se pretende a divisão, na proporção das quotas deixadas pelo de cujus, apuradas em conformidade com a situação patrimonial da sociedade na época de seu falecimento. Para tanto, é necessário também esclarecer que, enquanto não se dissolver parcialmente a sociedade, entregando-se aos herdeiros o valor que têm direito, aos mesmos se dá o direito de proteção deste seu patrimônio por todas as formas, a fim de evitar a dilapidação do patrimônio ou de prejuízo à sociedade, inviabilizando o recebimento dos valores a que têm direito. Desta forma, diferentemente do disposto no artigo 1.025, que determina que não se exime o sócio, admitido em sociedade já constituída, das dívidas sociais anteriores à sua admissão, estes herdeiros não respondem pelas dívidas da empresa, haja vista não ingressarem na qualidade de sócios. Simplesmente pleiteiam a retirada dos valores pertencentes ao falecido na sociedade, se houver. Optando os herdeiros por não ingressarem na qualidade de sócios, parece não haver possibilidade de alteração do contrato social da Sociedade Limitada no sentido de admiti-los na empresa para, depois, pagar-lhes os haveres. Ora, caso ingressem no contrato social da empresa, em substituição ao falecido, estarão ingressando na qualidade de novos sócios, com os direitos e obrigações a ela inerentes, podendo-se refletir tais efeitos, inclusive, na condição de pessoa natural (pessoa física) dos sócios (como ocorre, comumente, com restrições pessoais de crédito, caso a empresa também seja devedora). Portanto, os herdeiros de sócio que tenha participação em Sociedade Limitada, os quais optam pela Apuração de Haveres das quotas, não ingressam na qualidade de sócios, nem mesmo podendo-se realizar a alteração do contrato social da sociedade no sentido de admitilos. 7. A Sobrepartilha das quotas deixadas pelo de cujus em Sociedade Limitada 11 c) pagar o valor da quota aos herdeiros, com base na situação patrimonial da sociedade, à data da resolução, que coincide com a do evento morte, verificada em balanço especialmente levantado (art ), in NEGRÃO, Ricardo. Manual de direito comercial e da empresa, p. 326.

9 9 Quando num inventário restar devidamente acordado sobre a divisão de bens entre os herdeiros, não havendo controvérsias entre os mesmos e, caso esta divisão não contravenha disposição legal, há possibilidade de homologação judicial. No entanto, se houver quotas de Sociedade Limitada a serem inventariadas, não desejando os herdeiros ingressarem na qualidade de sócios da empresa, é cabível a chamada sobrepartilha de bens. A sobrepartilha consiste na distribuição dos bens restantes no inventário aos herdeiros. Embora a partilha já esteja feita conforme o plano realizado pelos herdeiros, onde se dispõe a titularidade dos bens do inventário, haverá necessidade de se retirar da empresa os valores correspondentes à participação societária do de cujus na mesma. Caso não se realizada a sobrepartilha, a partilha referente aos bens que já estão certos quanto aos herdeiros poderia sofrer grande atraso, especialmente na expedição dos devidos formais aos devidos titulares. Por tal razão, ou seja, para evitar este atraso é que deve ser realizada a sobrepartilha das quotas do falecido. A Apuração de Haveres, na hipótese do caso presente, conforme o Código de Processo Civil, trata-se de Procedimento Especial de Jurisdição Contenciosa (Livro IV, Título I). Havendo outros sócios na Sociedade Empresária em que o falecido era sócio, deve-se respeitar o artigo 993, parágrafo único, II, do Código de Processo Civil 12. Desta forma, observa-se que, além de a Apuração de Haveres envolver litígio, trata-se, ainda, de um processo de liquidação morosa ou difícil. Aliás, conforme o artigo 2.021, do Código Civil, determina: art Quando parte da herança consistir em bens remotos do lugar do inventário, litigiosos, ou de liquidação morosa ou difícil, poderá proceder-se, no prazo legal, à partilha dos outros, reservando-se aqueles para uma ou mais sobrepartilhas, sob a guarda e a administração do mesmo ou diverso inventariante, e consentimento da maioria dos herdeiros. (grifado). Sobre tal situação, ensina Humberto Theodoro Junior 13 : Bens de liquidação difícil ou morosa são aqueles que se encontram em zonas remotas, longe da sede do inventário, e que, por isso, dependem de diligências e precatória de cumprimento demorado. São, ainda, aqueles que, por sua própria natureza, reclamam operações complexas, como, por exemplo, a liquidação de sociedade ou a apuração de haveres do morto em pessoa jurídica de que era sócio. (grifado). 12 art (...) Parágrafo único. O juiz determinará que se proceda: I- ao balanço do estabelecimento, se o autor da herança era comerciante em nome individual; II- a apuração de haveres, se o autor da herança era sócio de sociedade que não anônima. (grifado). 13 THEODORO JUNIOR, Humberto. Curso de direito processual civil. 17. ed. Rio de Janeiro: Forense, p v. 3.

10 10 Tal situação é também referenciada com fundamento nos artigos e , do Código de Processo Civil, lembrando-se que a guarda e administração dos bens sobrepartilhados ficarão sob a guarda e administração do mesmo inventariante ou diverso, consentindo também a maioria dos herdeiros. 8. Conclusão Assim, são estabelecidas as seguintes respostas aos questionamentos iniciais: a) falecendo o sócio com participação de quotas em Sociedade Limitada, não há obrigatoriedade pela legislação em vigor no sentido de que os herdeiros do sócio ingressem na qualidade de sócios. Isto se dá, ainda que o contrato social imponha que a sociedade deverá continuar com os herdeiros. Caso, no entanto, desejem os herdeiros ingressar em substituição ao sócio falecido na mesma sociedade, deverão analisar a possibilidade à luz do próprio contrato social, observando-se a sua permissão; b) se os herdeiros optarem por ingressar na sociedade em substituição ao sócio falecido, na qualidade de sócios, aos mesmos se atribui todos os direitos e deveres da qualidade de sócio, não se lhes atribuindo somente no ativo da empresa, mas também o passivo, inclusive relativo a dívidas anteriores. Podem, dependendo da situação deficitária da empresa, ainda ter alguns reflexos na sua condição pessoal, exemplificando-se, além da situação tratada anteriormente, com a impossibilidade de concessão de aval ou fiança, caso o contrato social vede tal situação aos sócios. Deve-se, por isso, antes de se optar pelo ingresso dos herdeiros na qualidade de sócio, conhecer a situação da empresa, a fim de que os herdeiros não sejam surpreendidos por dívidas que haviam sido contraídas pela empresa antes de sua admissão. c) optando os herdeiros por não ingressarem na qualidade de sócios, não se observa possível a alteração do contrato social da Sociedade Limitada, no sentido de admiti-los na empresa para, depois, pagar-lhes os haveres. Isto porque, caso ingressem no contrato social da empresa, estarão ingressando na qualidade de sócios, com os direitos e obrigações inerentes a esta qualidade, podendo-se refletir tais efeitos, inclusive, na condição de pessoa natural (pessoa física) dos sócios (como ocorre, comumente, com restrições pessoais de crédito, caso a empresa também seja 14 art Ficam sujeitos à sobrepartilha os bens: (...); III- litigiosos, assim como os de liquidação difícil ou morosa; Parágrafo único. Os bens mencionados nos ns. III e IV deste artigo serão reservados à sobrepartilha sob a guarda e administração do mesmo ou de diverso inventariante, a aprazimento da maioria dos herdeiros.. 15 art Observar-se-á na sobrepartilha dos bens o processo de inventário e partilha. Parágrafo único. A sobrepartilha correrá nos autos do inventário do autor da herança..

11 11 devedora). Assim, os herdeiros de sócio que tenha participação em Sociedade Limitada, que tenham optado pela Apuração de Haveres das quotas, não ingressam na qualidade de sócios, nem mesmo podendo-se realizar a alteração do contrato social da sociedade no sentido de admitilos.

O FALECIMENTO DO SÓCIO DE EMPRESA LIMITADA E A SUCESSÃO DE SUAS QUOTAS À LUZ DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

O FALECIMENTO DO SÓCIO DE EMPRESA LIMITADA E A SUCESSÃO DE SUAS QUOTAS À LUZ DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO O FALECIMENTO DO SÓCIO DE EMPRESA LIMITADA E A SUCESSÃO DE SUAS QUOTAS À LUZ DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO O falecimento do sócio de empresa limitada é matéria de grande interesse prático para qualquer sociedade

Leia mais

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas.

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas. RESUMO 1)Sociedade Limitada Continuação 1.1) Responsabilidade do sócio dentro da sociedade limitada. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita

Leia mais

TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES - GENERALIDADES:

TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES - GENERALIDADES: UNIDADE VI CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. PROFª: PAOLA SANTOS TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL

TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL Fulano de Tal, brasileiro, casado, advogado, inscrito na OAB/PR sob o nº 00.000, residente e domiciliado na Av....

Leia mais

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES DIREITO SOCIETÁRIO DIREITO SOCIETÁRIO Sociedade empresária/ Empresário individual Distinção entre a sociedade simples e a sociedade empresária objeto social art.982 CC/02 Duas exceções p.único do art.982

Leia mais

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas Administração Profa.: Barbara Mourão dos Santos Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial Pessoa jurídica Agrupamento de pessoas físicas e/ou jurídicas que tem o seu ato constitutivo

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS:

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS: DAS SOCIEDADES: CONCEITO: A sociedade empresária pode ser conceituada como a pessoa jurídica de direito privado não estatal, que explora empresarialmente seu objeto social ou a forma de sociedade por ações.

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO E CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA. CNPJ...

INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO E CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA. CNPJ... INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO E CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA. CNPJ... Por este instrumento particular e na melhor forma de direito, FULANO DE TAL, brasileiro, natural

Leia mais

Conceito de Empresário

Conceito de Empresário Conceito de Empresário Requisitos (Art. 966,caput,CC): a) Profissionalismo; b) Atividade Econômica; c) Organização; d) Produção/Circulação de bens/serviços; Não Empresário Requisitos (Art. 966, único,

Leia mais

CONTRATO SOCIAL COMO INSTRUMENTO DE CONSTITUIÇÃO DAS SOCIEDADES LIMITADAS

CONTRATO SOCIAL COMO INSTRUMENTO DE CONSTITUIÇÃO DAS SOCIEDADES LIMITADAS CONTRATO SOCIAL COMO INSTRUMENTO DE CONSTITUIÇÃO DAS SOCIEDADES LIMITADAS RENÊ GABRIEL JUNIOR Graduando do Centro Universitário São Camilo - ES INTRODUÇÃO O presente trabalho busca apresentar o contrato

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para o exercício da empresa, por empresário, ou sociedade empresária. Artigo 1.142 CC Estabelecimento

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 174 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA KATYLENE COLLYER PIRES DE FIGUEIREDO¹ Inspirada na Palestra dos Professores Leonardo Marques e Monica Gusmão. Está em vigor desde janeiro a Lei nº 12.441,

Leia mais

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas DIREITO SOCIETÁRIO As sociedades são classificadas como simples ou empresárias (art. 982, CC). As sociedades empresárias têm por objeto o exercício da empresa: as sociedades simples exercem uma atividade

Leia mais

TERCEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL DA SOCIEDADE: AVANTI EVENTOS LTDA CNPJ/MF N.º 05.565.240/0001-57 NIRE 412.0497127-0 folha 1 de 6

TERCEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL DA SOCIEDADE: AVANTI EVENTOS LTDA CNPJ/MF N.º 05.565.240/0001-57 NIRE 412.0497127-0 folha 1 de 6 folha 1 de 6 Os abaixo identificados e qualificados: 1) MARILIA SANTOS MAIA, brasileira, viúva, empresária, inscrita no CPF/MF sob n o 605.877.769-00, portadora da carteira de identidade RG nº. 874.820-0

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

A DISSOLUÇÃO TOTAL DA SOCIEDADE EMPRESÁRIA

A DISSOLUÇÃO TOTAL DA SOCIEDADE EMPRESÁRIA A DISSOLUÇÃO TOTAL DA SOCIEDADE EMPRESÁRIA Déborah Schlintwein 1 Tarcísio Vilton Meneghetti 2 SUMÁRIO Introdução; 1 Sociedades Contratuais; 1.1 Sociedades simples e empresárias; 2. Dissolução da Sociedade;

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 Pelo presente instrumento particular, atendendo as formalidades legais, SÓCIA 2; SÓCIO 2, resolvem constituir uma sociedade limitada,

Leia mais

SOCIEDADE EMPRESÁRIA

SOCIEDADE EMPRESÁRIA SOCIEDADE EMPRESÁRIA I-CONCEITO Na construção do conceito de sociedade empresária dois institutos jurídicos servem de alicerce: a pessoa jurídica e a atividade empresarial. Um ponto de partida, assim para

Leia mais

Penhora de Cotas INTRODUÇÃO

Penhora de Cotas INTRODUÇÃO Penhora de Cotas MÔNICA GUSMÃO Profª de Direito Comercial da EMERJ, da EMATRA, da AMPERJ, da FEMPERJ, FESUDEPERJ e dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação da UCAM INTRODUÇÃO Penhora de cotas por dívida

Leia mais

ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br

ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br A DESCONSIDERAÇÃO DA PESSOA JURÍDICA POR DÍVIDAS TRABALHISTAS ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br Apresentação Palestrante: Antonio Carlos Antunes Junior Pós-graduado

Leia mais

2ª ATIVIDADE: (TRABALHO MANUSCRITO): COMENTÁRIO LIVRE EM 10 LINHAS REFERENTE A UMA PESQUISA LEGISLATIVA.

2ª ATIVIDADE: (TRABALHO MANUSCRITO): COMENTÁRIO LIVRE EM 10 LINHAS REFERENTE A UMA PESQUISA LEGISLATIVA. MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. Vide dicas MDE: Material Didático Estácio. 1ª ATIVIDADE: Pesquisar um tema referente a matéria na biblioteca e redigir um artigo nos

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS

MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS NOME DO ADVOGADO, brasileiro, divorciado, advogado, inscrito na OAB/BA sob n ------, CPF.: -----------------------, residente e domiciliado nesta

Leia mais

AULA 04 QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO PARA SEGURANÇA DOS SÓCIOS? SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS OBJETO

AULA 04 QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO PARA SEGURANÇA DOS SÓCIOS? SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS OBJETO SOCIEDADES PERSONIFICADAS AULA 04 4.1 TIPOS SOCIETÁRIOS REGISTRO CIVIL DE PESSOAS JURÍDICAS OBJETO REGISTRO PÚBLICO EMPRESAS MERCANTIS SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.668, DE 25 DE JUNHO DE 1993. Dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos Fundos de Investimento Imobiliário e dá

Leia mais

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública requerer a falência do contribuinte empresário? Emerson Luiz Xavier Pereira 1 Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como

Leia mais

PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS

PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS (material preparado para reunião do Comitê Societário do CESA julho 2011) Autor: Renato Berger LIVRO I DA EMPRESA TÍTULO I

Leia mais

Processo de liquidação

Processo de liquidação Processo de liquidação Regra geral, a sociedade dissolvida entra imediatamente em liquidação, permitindo que se realizem as operações necessárias para que os bens sociais fiquem em condições de ser partilhados

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

SOCIEDADES COMERCIAIS

SOCIEDADES COMERCIAIS Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 11 SOCIEDADES COMERCIAIS Sociedade comercial é a pessoa jurídica de direito privado, nãoestatal, que tem por objeto social

Leia mais

Declaração de Espólio

Declaração de Espólio SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Conceito de Espólio 3. Declarações de Espólio 3.1. Declaração inicial 3.2. Declarações intermediárias 3.3. Declaração final 4. Declaração de Bens 5. Prazo para Apresentação

Leia mais

1. Legislação empresarial:

1. Legislação empresarial: 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Legislação empresarial PONTO 2: Conceitos de Direito Empresarial PONTO 3: Excluídos do Regime Jurídico Empresarial PONTO 4: Espécies de Empresário PONTO 5: Gênero de Sociedades

Leia mais

Usufruto e direitos reais de garantia

Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto O usufruto pode recair sobre todo o patrimônio do nu-proprietário ou sobre alguns bens, móveis ou imóveis, e abrange não apenas os bens em si mesmos, mas

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado Neste estudo, procuraremos trazer algumas considerações

Leia mais

RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL

RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATERIAL DIDÁTICO RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DIREITO COMERCIAL E LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA 3º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO..

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A sociedade limitada é o tipo societário de maior presença na economia brasileira.

Leia mais

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:...

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:... 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Registro PONTO 2: Incapacidade Superveniente PONTO 3: Sociedade Empresária 1. REGISTRO Para fazer o registro, a pessoa deve estar livre de qualquer impedimento ou proibição.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 759/2015

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 759/2015 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Referência Assunto PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 759/2015 : Mensagem SIAFI nº 2015/0458464, de 13/03/2015. Protocolo AUDIN-MPU

Leia mais

ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012

ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012 1 ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012 DIEGO BISI ALMADA Advogado, Consultor Empresarial, Professor

Leia mais

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA Introdução A sociedade decorre de um contrato entre pessoas que contribuem com bens e serviços para o exercício de determinada atividade visando a partilha de resultados. A Sociedade

Leia mais

O que é e qual sua finalidade?

O que é e qual sua finalidade? HOLDING Copyright Ody & Keller Advocacia e Assessoria Empresarial, 2014. Todos os direitos reservados. Versão: 01 (outubro de 2014) Este material tem caráter informativo, e não deve ser utilizado isoladamente

Leia mais

O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios

O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios O Novo Código de Processo Civil e a Cobrança dos rateios em Condomínios Jaques Bushatsky Setembro de 2015 Rateio das despesas: O Decreto nº 5.481, de 25/06/1928 possibilitou a alienação parcial dos edifícios

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI): BREVE ESTUDO E COMENTÁRIOS À LEI Nº 12.441/2011*

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI): BREVE ESTUDO E COMENTÁRIOS À LEI Nº 12.441/2011* EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI): BREVE ESTUDO E COMENTÁRIOS À LEI Nº 12.441/2011* Luís Rodolfo Cruz e Creuz** RESUMO: O objetivo deste artigo é realizar uma revisão crítica da

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

FERRAMENTAS PARA O EMPRESÁRIO SUPERAR A SITUAÇÃO DE CRISE ECONÔMICO-FINANCEIRA COM A NOVA LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS E FALÊNCIAS

FERRAMENTAS PARA O EMPRESÁRIO SUPERAR A SITUAÇÃO DE CRISE ECONÔMICO-FINANCEIRA COM A NOVA LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS E FALÊNCIAS FERRAMENTAS PARA O EMPRESÁRIO SUPERAR A SITUAÇÃO DE CRISE ECONÔMICO-FINANCEIRA COM A NOVA LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS E FALÊNCIAS Alexandre Cezar Florio. Líbia Cristiane Corrêa de Andrade e Florio.

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015

QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015 QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Há vários tipos de estruturas societárias possíveis; Análise da realidade de cada empresa; Objetivos dos

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm Page 1 of 9 Espólio - Contribuinte Falecido CONCEITO 085 O que é espólio? Espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações da pessoa falecida. É contribuinte distinto do meeiro, herdeiros e legatários.

Leia mais

* José Carlos Junqueira S. Meirelles

* José Carlos Junqueira S. Meirelles ALTERNATIVAS PARA A ADOÇÃO DE NOVOS MODELOS SOCIETÁRIOS PELOS CLUBES DE FUTEBOL - ADAPTAÇÃO DOS ESTATUTOS SOCIAIS ÀS DISPOSIÇÕES DO NOVO CÓDIGO CIVIL E DA LEI PELÉ * José Carlos Junqueira S. Meirelles

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI)

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) A EIRELI é uma nova forma de pessoa jurídica composta por uma só pessoa física. Os primórdios das pessoas jurídicas sempre estiveram ligados à ideia

Leia mais

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77 Nota do autor, xix 1 Empresa, 1 1 Empreender, 1 2 Noções históricas, 2 3 Teoria da empresa, 3 4 Registro, 8 4.1 Redesim, 10 4.2 Usos e práticas mercantis, 14 4.3 Empresário rural, 15 5 Firma individual,

Leia mais

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA RENOVA ENERGIA S.A. 1. Objetivo da Outorga de Opções 1.1. Este Plano

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

Prof. Marcelo Thimoti. Legislação Comercial

Prof. Marcelo Thimoti. Legislação Comercial Prof. Marcelo Thimoti Legislação Comercial 1 DIREITO COMERCIAL Sociedades Anônimas. 2 Sociedade Anônima (S/A) Sociedade com capital dividido em ações, livremente negociáveis, que limitam a responsabilidade

Leia mais

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE SUMÁRIO Capítulo 01 SOCIEDADES - CONSIDERAÇÕES GERAIS Capítulo 02 DA DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.1 DAS CAUSAS DE DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.2 DA DISSOLUÇÃO PARCIAL DA

Leia mais

Dissolução, Liquidação e Extinção da PJ

Dissolução, Liquidação e Extinção da PJ Dissolução, Liquidação e Extinção da PJ 001 O que se entende por extinção da pessoa jurídica? A extinção da firma individual ou de sociedade mercantil é o término da sua existência; é o perecimento da

Leia mais

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE:

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: 1. FULANO DE TAL, nacionalidade, naturalidade, estado civil (se casado indicar o regime de bens), categoria

Leia mais

MANUAL DE GARANTIAS 1

MANUAL DE GARANTIAS 1 MANUAL DE GARANTIAS 1 Para a obtenção do financiamento junto à FINEP deverão ser apresentadas Garantias Reais e Pessoais cumulativamente, exceto em caso de garantia por fiança bancária e demais casos de

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA A disciplina busca introduzir o aluno no âmbito do direito societário: abordando a sua evolução

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO... 15

Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Capítulo 1 DIREITO EMPRESARIAL... 17 1. Evolução histórica... 17 2. Evolução do Direito Comercial no Brasil... 18 3. Fontes... 21 4. Conceito e autonomia... 22 5. Questões...

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 14 PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 QUESTÃO 31 O Ativo representa um conjunto de: a) bens intangíveis. b) dinheiro na empresa. c) bens para investimento. d) bens e direitos da empresa. QUESTÃO 32 Um pagamento

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva INVENTÁRIO Dois sentidos para o mesmo vocábulo: Liquidação do acervo hereditário (registro, descrição, catalogação dos bens). Procedimento especial

Leia mais

OS PROBLEMAS NA ELABORAÇÃO DE CONTRATO SOCIAL DAS EMPRESAS DIANTE DO CÓDIGO CIVIL

OS PROBLEMAS NA ELABORAÇÃO DE CONTRATO SOCIAL DAS EMPRESAS DIANTE DO CÓDIGO CIVIL OS PROBLEMAS NA ELABORAÇÃO DE CONTRATO SOCIAL DAS EMPRESAS DIANTE DO CÓDIGO CIVIL Luiz Carlos de Souza 1 Resumo Antes de iniciar-se um empreendimento visando atender seus objetivos principais, que será

Leia mais

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS -------------------------------- [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem contem o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

pela Lei n.º 11.101, de 9 de Fevereiro de 2005, sendo aplicável ao empresário e à sociedade empresária.

pela Lei n.º 11.101, de 9 de Fevereiro de 2005, sendo aplicável ao empresário e à sociedade empresária. Recuperação de Empresas do Setor Educacional Thiago Graça Couto Advogado Associado da Covac Sociedade de Advogados, especialista em Direito Processual Civil pela Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Prof. Nelton T. Pellizzoni : Mestrando em Direitos Difusos, Universidade Metropolitana de Santos; Especialista em Direito Civil, Comercial

Leia mais

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência:

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: I. A ação

Leia mais

Responsabilidade do Adquirente pelas. Dívidas Tributárias e Trabalhistas da Sociedade Falida. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade do Adquirente pelas. Dívidas Tributárias e Trabalhistas da Sociedade Falida. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade do Adquirente pelas Dívidas Tributárias e Trabalhistas da Sociedade Falida Apresentação e Objetivos A presente aula tem por objetivo apresentar a Responsabilidade do Adquirente pelas Dívidas

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES DE NOTÁRIOS. CAPÍTULO I Disposições gerais

REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES DE NOTÁRIOS. CAPÍTULO I Disposições gerais REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES DE NOTÁRIOS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito 1 O presente diploma estabelece o regime jurídico aplicável às sociedades de notários. 2 As sociedades de notários

Leia mais

Direito Comercial. Estabelecimento Comercial

Direito Comercial. Estabelecimento Comercial Direito Comercial Estabelecimento Comercial 1. Noção Geral 2. Conceito 3. Natureza Jurídica 4. Estabelecimento x Patrimônio 5. Estabelecimento Principal e Filiais 6. Elementos Componentes do Estabelecimento

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Mate Gelado Refrescos Ltda. celebrou contrato de compra e venda com Águas Minerais da Serra S.A., pelo qual esta deveria fornecer 100 (cem) litros d água por dia

Leia mais

DA ESTRUTURA DO CONTRATO SOCIAL E DA RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS NAS SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESÁRIA SOB A LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL

DA ESTRUTURA DO CONTRATO SOCIAL E DA RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS NAS SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESÁRIA SOB A LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL DA ESTRUTURA DO CONTRATO SOCIAL E DA RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS NAS SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESÁRIA SOB A LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL Bruno Sacani Sobrinho e Bruno Montenegro Sacani * O presente artigo foi

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.655 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1.655 R E S O L V E U: 1 RESOLUÇÃO Nº 1.655 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em vista o disposto

Leia mais

PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO

PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO Ricardo Lacaz Martins 20/03/2012 Sumário da aula 1. Objetivos a serem alcançados com o Planejamento Sucessório 2. Regime de bens e sucessão

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento;

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento; RESOLUCAO 3.844 --------------- Dispõe sobre o capital estrangeiro no País e seu registro no Banco Central do Brasil, e dá outras providências. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Dissolução, Liquidação e Extinção da PJ 001 O que se entende por extinção da pessoa jurídica? A extinção da pessoa jurídica é o término da sua existência; é o perecimento

Leia mais

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO. Advogado: Marcelo Terra

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO. Advogado: Marcelo Terra PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO Advogado: Marcelo Terra 1. Objetivo do patrimônio de afetação O patrimônio de afetação se destina à consecução da incorporação correspondente e entrega das unidades imobiliárias

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA - X. 1. Histórico e regime jurídico:

SOCIEDADE LIMITADA - X. 1. Histórico e regime jurídico: SOCIEDADE LIMITADA - X 1. Histórico e regime jurídico: - Chamada anteriormente de sociedade por quotas de responsabilidade limitada, a sociedade limitada surgiu por atos legislativos, em atendimento aos

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA LTDA (ME/EPP)??? CNPJ

INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA LTDA (ME/EPP)??? CNPJ INSTRUMENTO PARTICULAR DE ALTERAÇÃO CONTRATUAL DE UMA SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA NOME DA EMPRESA LTDA (ME/EPP)??? CNPJ, brasileiro, maior, casado sob o regime de comunhão ------- -------de bens, empresário,

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PROFISSIONAL. 1 33. o Exame de Ordem Prova Prático-Profissional Direito Empresarial. UnB/CESPE OAB/RJ

DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PROFISSIONAL. 1 33. o Exame de Ordem Prova Prático-Profissional Direito Empresarial. UnB/CESPE OAB/RJ DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PROFISSIONAL Uma sociedade limitada é formada pelos sócios A, B e C, todos com idêntica participação societária. Constitui cláusula do contrato social que os sócios poderão ceder

Leia mais

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção. Estefânia Rossignoli

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção. Estefânia Rossignoli Leonardo de Medeiros Garcia Coordenador da Coleção Estefânia Rossignoli Formada em Direito pela UFJF Pós graduada em Direito Empresarial e Econômico pela UFJF Mestre em Direito Civil pela UERJ Professora

Leia mais