CAPÍTULO 4 INTEGRAÇÃO DA REGIÃO: PARANÁ, BRASIL E MERCOSUL. Jandir Ferrera de Lima

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 4 INTEGRAÇÃO DA REGIÃO: PARANÁ, BRASIL E MERCOSUL. Jandir Ferrera de Lima"

Transcrição

1 CAPÍTULO 4 INTEGRAÇÃO DA REGIÃO: PARANÁ, BRASIL E MERCOSUL Jandir Ferrera de Lima

2 INTRODUÇÃO A integração regional e seus impactos, na Região Oeste do Paraná, devem ser analisados por alguns prismas distintos. Um referente à integração local, envolvendo as áreas internacionais mais próximas da Região. No caso seria a Região frente à economia do nordeste argentino e do sudeste paraguaio, o que envolve uma discussão sobre o papel da fronteira. Um segundo elemento norteador de uma discussão a respeito da integração regional seria referente ao papel da Região, no Brasil. Neste sentido, seria cabível analisar a integração da Região com os estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Neste caso, o papel da economia desta Região, em relação aos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e do centro industrial brasileiro, caracterizado pelo Estado de São Paulo. Um terceiro enfoque seria a integração da Região Oeste do Paraná no Mercosul, ou seja, na Bacia do Prata. Como tratar da Bacia do Prata envolve uma série de elementos geopolíticos, será enfocado apenas o aspecto econômico da integração. De certa forma, o segundo elemento receberá um tratamento mais apurado neste documento, no que tange a situação Paraná-Brasil. Por isso, este Capítulo concentrar-se-á apenas no primeiro e no terceiro tópicos. Evidentemente que todo e qualquer arranjo de integração passa pelo crivo do Governo Federal, já que o mesmo é o norteador e gerenciador da política econômica e, assim, dos acertos internacionais. Por isso, ao se discutir a integração do Paraná com o Mercosul, indiretamente está se relacionando acertos oriundos, muitas vezes, de articulações surgidas na esfera federal. Frente a estes aspectos, este capítulo se divide em duas seções principais. A primeira trata do Paraná no Mercosul, ou seja, na Bacia do Prata e a segunda, do Paraná junto aos seus vizinhos de fronteira. Como a Região Oeste do Paraná possui um pólo agroindustrial forte e consolidado, deter-se-á nos impactos da integração junto à agroindústria e à agropecuária.

3 A REGIÃO OESTE DO PARANÁ E O PRATA Discutir a integração regional da Região Oeste do Paraná envolve uma discussão sobre a Bacia do Prata, que é composta pelos rios que deságuam no estuário do rio do Prata, sendo que os rios Paraguai, Uruguai e Paraná, são os mais importantes. Na realidade, a Bacia do Prata, localizada no MAPA 4.1, é uma Região histórica e geograficamente definida, cujo projeto de exploração econômica data do período do descobrimento do Brasil. MAPA 4.1 BACIA DO PRATA Por isso, o Sul do Brasil, o Uruguai, o Paraguai, o Sul da Bolívia e a Argentina, até o século XIX, foram um projeto dos impérios português e espanhol, com uma raiz de exploração comum, procurando a transferência de riqueza a favor das metrópoles. No entanto, após a independência dos países do Prata e sua suposta hegemonia política e econômica, a forma de exploração mudou de feição em detrimento de interesses que estão geograficamente situados em regiões distintas destes países. Com isso, a própria ocupação da Região Oeste do Paraná e a forma como foi explorada refletem diretamente estas questões históricas. Num momento, situado na segunda metade do século XIX, houve a organização de grupos locais que exploravam a madeira, a erva-mate e a existência de supostas riquezas minerais nos leitos

4 157 dos rios. Estes grupos eram formados por argentinos e paraguaios, sendo que estes últimos, em sua maioria, constituíam a mão-de-obra ocupada na transformação dos recursos naturais. Os argentinos constituíam um grupo dominante, controlador dos capitais e das empresas que geriam as atividades econômicas na Região. A sede destes capitais se situava em Buenos Aires. Assim, se verificou uma série de interesses de grupos portenhos, ao norte da República Argentina, de certa forma drenando recursos que eram transferidos a Europa, via Buenos Aires. A forma de exploração da mão-de-obra paraguaia, por capitais argentinos, mudou de configuração no final do século XIX e no inicio do século XX, com as definições das fronteiras brasileiras, através da chancelaria do Barão de Rio Branco e da entrada de militares brasileiros nesta área. A ocupação por brasileiros e a expulsão dos grupos argentinos teve seu ponto culminante na década de 1920, através do movimento tenentista, e sua consolidação com o governo Vargas e sua política de ocupar os espaços vazios, principalmente a Oeste do Brasil, onde A questão política com a Argentina lhe colocava como um suposto inimigo no Cone Sul, a ameaçar a hegemonia brasileira na América do Sul. Este fato serviu de elemento delineador de uma política de ocupação e colonização da Região Oeste Paraná por colonos oriundos do Sul do Brasil, trazidos por empresas colonizadoras e madeireiras. A forma como estes colonos se organizaram para produzir, a estrutura de suas propriedades e as cidades que surgiram dos assentamentos, traçaram o perfil do que é a Região Oeste na atualidade e seus municípios mais dinâmicos. Conseqüentemente, traça a situação geoeconômica da Região em relação aos seus vizinhos e o seu perfil produtivo, que formou uma base de exportação assentada durante estes últimos anos na produção de trigo, milho, soja e na agroindustrialização de carnes, principalmente frangos e suínos. 4.3 A ESTRUTURA PRODUTIVA DO OESTE PARANAENSE NO PRATA O perfil competitivo da economia da Região Oeste do Paraná no Prata e, conseqüentemente, no Mercosul, deve-se a forma como foi estruturado seu aparelho produtivo e, principalmente, o perfil dos custos de produção e de transportes para colocar suas mercadorias junto aos consumidores dos outros países.

5 158 Evidentemente, esse perfil muda a cada ano, na medida em que vão se incorporando novas técnicas de produção, novas tecnologias, novos processos de diversificação e se viabilizando ramais e formas de transporte, que tornam o preço das mercadorias e sua competitividade mais em conta na Região e fora dela. No entanto, na atualidade, alguns destes elementos devem ser prioritários, já que há nos produtos mais sensíveis a competição no Cone Sul. Entre eles, pode-se destacar os cereais (milho, trigo, arroz, cevada), lácteos (leite, queijo), frutas temperadas (uva, pêssego, pêra, ameixa, maçã, entre outros), hortícolas (alho, batata, cebola), carnes (bovina e couros) e oleoginosas (soja e girassol). Essa sensibilidade fica patente ao observa-se o QUADRO 4.1, em que são apresentados os custos de alguns produtos. QUADRO CUSTO DE ALGUNS PRODUTOS NO MERCOSUL (EM US$/TONELADA) PAÍSES PRODUTO Brasil Argentina Paraguai Uruguai Soja 149,07 131,35 173,49 191,26 Trigo 169,73 71,40 198,25 84,40 Milho 113,56 75,47 99,57 82,18 Cebola 102,00 59,02 146,59 - Alho 533,39 425,18-425,12 Algodão 774,00-725,33 - Carne Bovina 882,99 417,88-811,41 Frangos 665,34 768, Suínos 739,21 733,53 771,96 - FONTE: PERONDI (1997). Pelo QUADRO 4.1, pode-se verificar diferenças exorbitantes de custos para produtos que são produzidos no Brasil. Nota-se diferenças de custos em mais de 40% para o milho brasileiro em relação aos outros países e, em mais de 50% para o trigo e a cebola. Na produção de carne bovina esta diferença fica acima de 60%. A agropecuária na Região Oeste do Paraná não possui uma estrutura de custos muito diferente da média brasileira, apesar das suas características geográficas permitirem uma mecanização mais intensiva, melhorando a sua posição relativa na produção de soja. Como a soja brasileira é um produto típico de exportação, o impacto da concorrência dos países do Cone Sul sobre a Região é mais modesto, não podendo se afirmar o mesmo do trigo, cuja estrutura produtiva vem perdendo espaço para outras culturas no decorrer do tempo.

6 159 Sendo assim, em relação à produção de alimentos in natura, a Região sente mais os efeitos da concorrência sobre a produção de cebola, batata e hortícolas, esta última com um crescimento de 70% na sua importação nos últimos anos. Sem contar no caso do leite, cujos ganhos de escala na Argentina e no Uruguai lhes possibilita vantagens absolutas e comparativas sobre a produção paranaense. Já no caso do algodão, a sua importação dos países do Mercosul, feita pelo Estado do Paraná, em especial do Paraguai e da Argentina, declinaram em torno de 35% nos três últimos anos, o que se reflete na expansão da área plantada e no incentivo concedido aos seus produtores. Por outro lado, no segmento de carnes, a Região Oeste do Paraná recebeu investimentos diretos do grupo Macri e de algumas cooperativas em joint venture com grupos estrangeiros, para exploração deste segmento, principalmente no abate de frangos. Além dos investimentos deste grupo, algumas cooperativas da Região se estruturaram para a construção de plantas industriais para exploração desta atividade, o que demonstra um melhor potencial produtivo da Região sobre os parceiros do Cone Sul neste segmento. Em todo caso, a melhoria das condições de competitividade da agropecuária da Região em muito depende dos rumos da política agrícola do Governo Federal e das possíveis salvaguardas que venham a ser firmadas junto ao Tratado de Assunção (1991), que instituiu o Mercosul. No entanto, o setor industrial da Região conseguiu encontrar mercado para boa parte de sua produção. Um exemplo é o caso das fecularias, cuja produção em grande parte é exportada para Argentina, especificamente para o pólo industrial de Córdoba. Além disso, a mudança na política cambial brasileira, em janeiro de 1999, contribuiu para a melhoria dos termos de troca dos produtos industrializados brasileiros, transformando a Região numa rota de comércio promissor para o escoamento da produção de outros centros do Brasil. Deve-se ressaltar, ainda, conforme JESUS (1999), que nesta década alguns gêneros industriais conseguiram melhorar seu posicionamento frente às exportações do Paraná para o Mercosul, entre eles estão os têxteis, cuja evolução no intercâmbio comercial foi de 43%; bebidas, com uma evolução de 0,81%. Por outro lado, até o inicio de 1999, antes da mudança na política cambial, alguns gêneros encontravam-se numa situação frágil, entre eles o de

7 160 produtos alimentares, com uma evolução negativa no intercâmbio em torno de 23%; o vestuário, com 24%, o mobiliário com 8%. Como estes gêneros possuem uma estrutura produtiva bem diversificada na Região, serve como referência sobre a concorrência que pode ser enfrentada pela Região no intercâmbio comercial. Em todo caso, a mudança no câmbio deve ter barateado em torno de 30% os produtos brasileiros, o que pode significar uma melhoria no intercâmbio comercial a favor da Região para os próximos meses, desde que suas mercadorias estejam adequadas aos padrões internacionais de qualidade e o Brasil consiga manter e melhorar sua posição frente aos diversos acordos comerciais bilaterais que vem desenvolvendo nos últimos anos, em especial com a Argentina. 4.4 O OESTE PARANAENSE E A INTEGRAÇÃO MEDITERRÂNEA A Região Oeste do Paraná está próxima a uma área sui generis no Cone Sul, que é a Região mediterrânea do rio Paraná em áreas internacionais, conforme pode se observar no MAPA 4.2. MAPA 4.2 A REGIÃO MEDITERRÂNEA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARANÁ Oeste do Paraná Nordeste Argentino A Região Oeste e as áreas em cor amarela e laranja no MAPA 4.2 são muito similares, com exceção da língua. Isto se deve em parte a sua formação histórica e a características

8 161 geográficas. O Nordeste argentino e o Sudeste paraguaio são regiões de clima tropicais, cujo eixo produtivo em muito se aproxima das atividades agropecuárias brasileiras. Isto tem levado a uma proximidade nas relações comerciais de ambas as regiões. Isso se acentua em áreas de divisa seca, como é o caso do Sudoeste e do Oeste catarinense, facilitando a entrada e o intercâmbio de mercadorias e pessoas. Essas relações levam a se pensar a possibilidade de uma integração intra-mercosul, alavancada nos municípios da Região, principalmente pelo interesse das municipalidades de Corrientes e Posadas (Argentina), Ciudad de Leste (Paraguai), Cascavel e Foz do Iguaçu (Brasil), cujo Fórum Permanente dos Municípios do Mercosul poderá vir a tornar-se um elemento aglutinador destes interesses. As possibilidades desta integração da região mediterrânea se acentuarão com a queda total das barreiras alfandegárias, a melhoria na estrutura dos transportes, principalmente no tocante a implementação da hidrovia, aumento da capacidade de escoamento dos ramais ferroviários e rodoviários na Região e a com a defesa dos seus interesses junto aos centros de decisão do Mercosul. Para isso, faz-se necessário o desenvolvimento de um programa binacional de desenvolvimento fronteiriço, objetivando potencializar a capacidade produtiva da Região, estabelecer novas formas de complementação produtiva e elaborar estratégias conjuntas de comercialização e produção. 4.5 O OESTE DO PARANÁ E A REGIÃO SUL A história da Região Oeste do Paraná está atrelada ao dos movimentos migratórios oriundos do Sul do Brasil, em especial do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A formação cultural e a forma de exploração econômica característica desta Região é um fato marcante na organização das propriedades dos colonos de origem germânica e italiana em seus locais de origem. Por isso, a estrutura de propriedade da terra refletiu tanto os interesses das colonizadoras quanto à forma de organização dos pioneiros.

9 162 Ressalta-se, ainda, que até a década de 1980, a Região Oeste do Paraná foi fronteira de ocupação agropecuária com a incorporação de novas terras ao cultivo de grãos e a criação de animais, o que marca um fluxo migratório acentuado em períodos recentes. Sendo assim, os laços familiares e culturais fazem com que a população tenha uma certa identidade com os povos do extremo sul, guardando características muito semelhantes. Por outro lado, em termos econômicos, o parque agroindustrial de aves e suínos tornou-se um comprador de insumos, principalmente de Santa Catarina, criando um intercâmbio comercial importante com as regiões Oeste e Sudoeste catarinense. 4.6 O OESTE DO PARANÁ E O SUDESTE DO BRASIL Com o avanço do pólo automobilístico no Paraná e a nova fase de investimentos industriais que o Estado vem passando, demonstra uma nova reordenação das atividades produtivas que dantes estavam concentradas no Estado de São Paulo. Por isso, a proximidade da Região com a Argentina e o Paraguai, além de servir de caminho ao extremo Sul do País, pode abrir um leque de oportunidades capitaniada pela sua posição geográfica. No entanto, isto irá depender de uma série de fatores, entre eles: um projeto integrado de desenvolvimento fronteiriço que implique em garantias e vantagens aos novos investimentos na Região, a melhoria na infra-estrutura de transportes e possibilidades de diversificação na base produtiva que implique em melhoria no emprego e na renda. Neste aspecto se visualizariam questões ligadas a projetos de turismo, melhoria dos indicadores sociais e avanços na política agrícola de forma a beneficiar os produtores da Região. Deve-se ressaltar ainda, que outro elemento importante neste processo de integração é a própria hidrovia.

10 CARACTERIZAÇÃO DA HIDROVIA DA BACIA DO RIO PARANÁ Na estrutura hidroviária da Bacia do Prata, a hidrovia do rio Paraná assume uma importância vital, já que os principais rios do Prata deságuam nela, que encontra seu fluxo final no rio do Prata, entre os portos de Buenos Aires e Montevidéu. Os dois principais eixos hidroviários da Bacia do Rio Paraná, de vital importância para o Brasil, são os da hidrovia Paraguai - Paraná e Tietê - Paraná. Isto se apresenta pela integração da grande região industrial de São Paulo, com insumos do Paraguai e gás natural da Bolívia, que poderão favorecer um novo modelo de desenvolvimento regional concentrado numa crescente tecnologia de indústrias avançadas num conjunto de cidades que no caso da Região Oeste do Paraná poderão vir a ser, entre elas, Cascavel, Medianeira e Toledo. Essa prerrogativa, torna clara a importância geopolítica que a estrutura hidroviária do rio Paraná assume frente ao seu aproveitamento econômico. Para MINVIELLE (1994), a avaliação da hidrovia, no espaço que envolve, pode considerar três situações, sustentadas numa interpretação geopolítica argentina: 1. Com as transformações mundiais e a internacionalização constante do capital, há uma necessidade de reflexão no bloco latino-americano, com a prerrogativa de se integrar para sobreviver; 2. A integração é uma necessidade clara que se acentua no dia-a-dia; 3. A integração no mercado mundial e a política macroeconômica de estabilização dos países do Cone Sul, criam uma necessidade imanente de aumentar e melhorar as exportações, causando uma necessidade de modernização e ganhos de qualidade no parque fabril, e a expansão das fronteiras agropecuárias em direção ao interior do continente; Assim, a integração por hidrovias coloca o Brasil em posição privilegiada, já que a infra-estrutura disponível ao longo do rio Paraná, tanto em represamento de águas, quanto na implementação dos corredores de exportação possibilitou ao mesmo, ganhos em termos de custo de transporte e integração espacial. Os corredores de exportação se concentram numa estrutura rodoviária e ferroviária, que é incrementada com a hidrovia ao longo do rio Paraná. A integração ferroviária pode ser visualizada no MAPA 4.3.

11 MAPA 4.3 INTEGRAÇÃO FERROVIÁRIA MATO GROSSO - PARANÁ 164

12 165 Pelo MAPA 4.3, pode-se observar o eixo de integração que a ferrovia representa. Neste aspecto, as obras da Ferroeste em Guaíra, integrando a microrregião de Toledo via trazer novo dinamismo a Região, desde que se consiga vencer as dificuldades no escoamento a partir de Guarapuava, na Região Centro-Oeste do Estado, cuja capacidade de transporte da malha ferroviária até o porto de Paranaguá é menor em virtude dos acidentes geográficos e a infra-estrutura atual. Por isso, poderá tornar-se um gargalo na expansão da capacidade de transporte. Isto vem a confirmar a necessidade da infra-estrutura de integração que norteia o processo de crescimento e desenvolvimento regional, e sua conseqüente interação com os pólos industriais. Essa interação mantém a coesão dos agentes econômicos regionais em torno de um pólo. No caso da região norte e nordeste da Argentina, pela sua proximidade com a Região Oeste do Paraná e a Região Oeste de Santa Catarina, no Brasil, fazendo com que a mesma se acerque mais economicamente destas regiões brasileiras, um planejamento em termos de infra-estrutura específica a integração destas áreas se faz preeminente. Isto se justifica porque logo que uma região se adianta em relação à outra, há uma tendência ao incremento das suas atividades, concentrando o processo de crescimento e desenvolvimento em detrimento às outras. O que coloca o Paraná e São Paulo numa situação privilegiada, em termos de dinâmica industrial, frente os parceiros do Cone Sul. Para MYRDAL (1965), após iniciar o processo de crescimento em determinadas regiões, ocorre um movimento de fluxo de capitais, mercadorias e mão-de-obra para ampará-lo. A ocorrência deste fato, tende a minar impulsos dinâmicos nas regiões periféricas ou semi-estagnadas, em favor da região em arrancada. Isto acontece porque a Região em questão já possui uma estrutura de transportes e comunicação melhoradas, níveis mais altos de educação e uma comunhão mais dinâmica de idéias e valores - todos os quais tendem a robustecer as forças para a difusão centrífuga da expansão econômica ou remover os obstáculos ao seu funcionamento (Myrdal, 1965, p.34). Como o rio Paraná é um rio internacional, os impulsos em termos de ganhos às empresas instaladas às suas margens, o tornam um pólo de integração, cuja característica principal é estar situada em uma região - fronteira, fomentando as relações comerciais num âmbito de integração.

13 166 No momento que esta integração propicia grandes benefícios, fomentam-se os projetos de sua internalização no centro dos Estados que compõem o bloco regional. Com isto, a hidrovia Tietê - Paraná, é o grande alavancador do eixo de interiorização da dinâmica gerada pela hidrovia do Mercosul ao grande parque industrial do interior paulista, principalmente quando o Porto de Santos é o ponto de embarque para o mercado europeu. De acordo com o Departamento Hidro-Aero-Ferroviário (1985), do Governo do Estado do Paraná, desde 1865 desenvolvem-se trabalhos referentes à viabilidade da navegação no rio Paraná e afluentes, visando uma integração viária no sentido leste-oeste. As seguintes hidrovias formam a Bacia Hidrográfica do Rio Paraná, em território brasileiro (DHAF, 1985): Paraná - Desde a foz do rio Iguaçu até a confluência dos rios Grande e Paranaíba, com aproximadamente 808 km; Paranapanema - Desde sua foz até o Salto Grande, com aproximadamente 421 km. O Paranapanema abrange km 2 no Estado do Paraná, formando a fronteira com o Estado de São Paulo, numa extensão de 329 km; Tietê - Desde sua foz até Mogi das Cruzes, com aproximadamente com km; Pardo - Desde sua foz até o porto da Barra, com aproximadamente 170 km; Ivinheima - Desde sua foz até a confluência com o rio Brilhante, com aproximadamente 270 km; Brilhante - Desde sua foz até Porto Brilhante, com aproximadamente 79 km; Inhanduí - Desde sua foz até Porto Tupi, com aproximadamente 67 km; Paranaíba - Desde sua foz até Escada Grande, com aproximadamente 787 km; Iguaçu - Desde sua foz até Curitiba, com aproximadamente 1020 km. O rio Iguaçu abrange a maior bacia hidrográfica do interior do Estado do Paraná, com cerca de km 2 (MAACK,1981) Piracicaba - Desde sua foz até Paulínia, com aproximadamente 182 km. Numa boa parte destes rios, principalmente o Paraná e o Tietê, foram executadas obras de represamento de águas, formando lagos que possibilitaram a formação de excelentes vias navegáveis, se estendendo inclusive pelas vias secundárias.

14 167 As hidrovias secundárias, em muitos casos sem acréscimos de custos de construção e manutenção, proporcionam a aproximação de cidades, vilas, distritos industriais, sedes de fazendas, rodovias e ferrovias, portos fluviais e marítimos, com grandes reduções de custos operacionais no transporte de cargas (DHAF, 1985, p.02). Com isso, a importância da estrutura de navegação, como eixo de integração do espaço territorial, torna-se mais preeminente, principalmente nas regiões Sudeste e Sul do Brasil. Apesar da importância dos rios citados anteriormente, os rios Tietê e Paraguai assumem um maior significado dentro da estrutura de navegação da Bacia Hidrográfica do Paraná. O primeiro, por estar estrategicamente situado em áreas de grande potencial industrial; o segundo, por ser um rio internacional, em cujo trajeto são escoados os minérios e produtos da República do Paraguai e da Bolívia, além de boa parte da produção mineral e agrícola dos estados do centro-oeste brasileiro.

15 168 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARROYO, M. & SCARLATO, F. C. (Org.). Globalização e espaço Latino-Americano. 2 ed. São Paulo: Hucitec-Anpur, DEPARTAMENTO HIDRO-AERO-FERROVIÁRIO(DHAF). O que há de planejamento e estudos do transporte hidroviário interior no Estado do Paraná. Curitiba: (DAHF). Mimeog., JESUS, G. E. O impacto do Mercosul na Indústria Paranaense. monografia de graduação. Toledo (PR): Depto. de Economia - UNIOESTE, MAACK, R. Geografia física do Estado do Paraná. Rio de Janeiro: J.O. Editora, MINVIELLE, S. E. Integração e hegemonia na Bacia do Prata. Novas estratégias do discurso geopolítico argentino ( ). - In: ARROYO, M. & SCARLATO, F. (org.), op.cit., MYRDAL, G. Teoria econômica e regiões subdesenvolvidas. Rio de Janeiro: Saga, PERONDI, J. A agricultura paranaense no Mercosul. monografia de graduação. Toledo (PR): Depto. de Economia - UNIOESTE, 1997.

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Geografia/Profª Carol

Geografia/Profª Carol Geografia/Profª Carol Recebe essa denominação porque parte dos territórios dos países platinos que constituem a região é banhada por rios que compõem a bacia hidrográfica do Rio da Prata. Países: Paraguai,

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA SÉRIE: 7º ANO PROFESSOR: MAGDA e ROSI

Leia mais

Questão 25 Questão 26

Questão 25 Questão 26 Questão 25 Questão 26 O gráfico representa o uso de mão-de-obra de crianças e adolescentes no Brasil em 1998. Os gráficos IeIIrepresentam a taxa de desemprego e os índices migratórios na Irlanda, na década

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária Dr. Adalmir José de Souza Abril de 2007 A Hidropolítica já é um dos temas mais importantes no mundo, numa humanidade que se projeta, os cursos

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto:

TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto: INTERLIGAÇÃO DAS HIDROVIAS TIETÊ-PARANÁ E PARANÁ-PRATA COM A TRANSPOSIÇÃO DA REPRESA DE ITAIPU, MEDIANTE A CONSTRUÇÃO DE PORTOS INTERMODAIS E ESTRUTURAS COMPLEMENTARES

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Organização da Aula Geografia Econômica Mundial

Organização da Aula Geografia Econômica Mundial Organização da Aula Geografia Econômica Mundial Aula 5 Blocos econômicos e infraestrutura Comércio exterior e suas necessidades Prof. Diogo Labiak Neves Diferenciações espaciais e suas interferências Blocos

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): EDVALDO DE OLIVEIRA Valor da Prova: 40 pontos Orientações

Leia mais

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil.

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. Marque com um a resposta correta. 1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. I. A região Nordeste é a maior região do país, concentrando

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 Sobre as rochas que compõem

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA:

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: INFORMAÇÕES SOBRE A CORÉIA DO SUL Com a rápida recuperação da crise

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

O mosaico americano. Na hora do almoço, Paulo reserva alguns minutos para ler o jornal. Naquele dia, Paulo leu uma notícia que o deixa preocupado.

O mosaico americano. Na hora do almoço, Paulo reserva alguns minutos para ler o jornal. Naquele dia, Paulo leu uma notícia que o deixa preocupado. A UU L AL A O mosaico americano Nesta aula estudaremos as tentativas de integração econômica entre países da América Latina. Vamos analisar as diferenças e semelhanças existentes entre esses países que

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

A PRESENÇA DAS EMPRESAS MULTINACIONAIS NO INTERIOR PARANAENSE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

A PRESENÇA DAS EMPRESAS MULTINACIONAIS NO INTERIOR PARANAENSE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES A PRESENÇA DAS EMPRESAS MULTINACIONAIS NO INTERIOR PARANAENSE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Jaqueline Pereira de Souza Larissa Aparecida Gonsalves Carlos Horen Graduandos em Geografia junto a Universidade Estadual

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE Prof. Clésio 1 O MEIO NATURAL E OS IMPACTOS AMBIENTAIS A região Centro- Oeste é formada pelos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Ocupa cerca

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de Hidrografia Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de água. É uma área e, como tal, mede-se em

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II ORIENTE MÉDIO -Região marcada por vários conflitos étnicos, políticos e religiosos. -Costuma-se considerar 18 países como pertencentes ao Oriente

Leia mais

Trabalho Online DISCIPLINA: GEOGRAFIA. PROFESSOR: FELIPE VENTURA 3º ANO - EM TURMA: 3101 2º Bimestre DATA: / / Nota: 1-5

Trabalho Online DISCIPLINA: GEOGRAFIA. PROFESSOR: FELIPE VENTURA 3º ANO - EM TURMA: 3101 2º Bimestre DATA: / / Nota: 1-5 Trabalho Online NOME: Nº: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: FELIPE VENTURA 3º ANO - EM TURMA: 3101 2º Bimestre DATA: / / Nota: 1. (Fuvest 2009) O processo de desconcentração industrial no Brasil vem sendo

Leia mais

Economia de Santa Catarina A economia de Santa Catarina é diversificada, no território são desenvolvidas atividades econômicas no ramo da indústria, extrativismo (animal, vegetal e mineral), agricultura,

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 4,0 ) Comparar os sistemas de transportes da Região Norte com os da Região Centro-Oeste, concluindo sobre as medidas

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

CAP. 1 BRASIL: FORMAÇÃO TERRITORIAL. Prof. Clésio

CAP. 1 BRASIL: FORMAÇÃO TERRITORIAL. Prof. Clésio CAP. 1 BRASIL: FORMAÇÃO TERRITORIAL Prof. Clésio 1 MOBILIDADE DAS FORNTEIRAS Tratado de Tordesilhas (1494) 2.800.000 km² Trecho oriental da América do Sul Brasil atual 8.514.876,5 km² 47,3% da superfície

Leia mais

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia Bernardo Campolina Universidade Federal do Tocantins Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades para o Brasil BNDES Rio de

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano C Montanhas Rochosas

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Professora Erlani. Apostila 4 Capítulo 1

Professora Erlani. Apostila 4 Capítulo 1 Apostila 4 Capítulo 1 Os EUA possuem vizinhos muito diferentes. Ao norte, o Canadá, a maior parte da população é de origem anglo saxônica. Ao sul, o México, país latino-americano, de colonização espanhola.

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano D Montanhas Rochosas

Leia mais

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C Questão 25 No Brasil, no período 1990-91 a 2003-04, a produção de grãos apresentou crescimento de 125%, enquanto a área plantada aumentou apenas 24%, conforme mostra o gráfico. BRASIL _ ÁREA PLANTADA E

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=590200&page=24 Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada 1º ano Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada A origem da Terra; A origem dos continentes; A teoria da deriva dos continentes; A teoria das placas tectônicas; Tempo geológico; A estrutura

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007. Grade de Correção da Prova de Geografia

Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007. Grade de Correção da Prova de Geografia Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007 Grade de Correção da Prova de Geografia 1. Introdução A prova caracteriza-se por seu propósito em medir a capacidade de raciocínio do candidato, expressa

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado 2 GEOGRAFIA 01 No Paraná, a Mata de Araucária,

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 O episódio sobre a exploração

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 0 ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: 0/06/0 Nota: Professor(a): EDVALDO DE OLIVEIRA Valor da Prova: 0 pontos Orientações gerais:

Leia mais

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira É a divisão de um espaço ou território em unidades de área que apresentam características que as individualizam. A regionalização

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2011

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2011 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2011 PROF. FERNANDO NOME N o 9 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP. Gestão Territorial

Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP. Gestão Territorial Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP Piracicaba (SP), 10 de outubro de 2012 Ocupação e Uso do Solo: Gestão Territorial Claudio Spadotto e Equipe O território i rural é alterado por expansão, concentração,

Leia mais

Oceania. *Melanésia constituem ilhas localizadas mais próximas da Austrália onde predominam povos de pele escura, de grupos negróides.

Oceania. *Melanésia constituem ilhas localizadas mais próximas da Austrália onde predominam povos de pele escura, de grupos negróides. Oceania Vamos estudar nessa aula um continente formado por uma grande quantidade de ilhas: a Oceania. Esse continente possui uma área de 8.480.354 Km_ com uma população total de pouco mais de 30 milhões

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista.

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista. Diagnóstico Regional O objetivo do diagnóstico regional é identificar as principais características: econômicas e sociais da região, bem como salientar as diferenças e semelhanças entre as 29 regiões do

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

R E L E V O RELEVO ASPECTOS FÍSICOS COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA 27/05/2014. 1 - montanhas 2 - planícies. 3 - planaltos. Setentrional Ocidental.

R E L E V O RELEVO ASPECTOS FÍSICOS COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA 27/05/2014. 1 - montanhas 2 - planícies. 3 - planaltos. Setentrional Ocidental. Alaska Havaí Canadá Estados Unidos Setentrional Ocidental COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA ASPECTOS FÍSICOS 1 - montanhas 2 - planícies 3 - planaltos 1 2 3 R E L E V O RELEVO 1 1) Bacia do Ártico: sofre limitação

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

Brasil e América do Sul

Brasil e América do Sul Brasil e América do Sul Brasil Linha do equador Tropico de Capricórnio O Brasil é o quinto país mais extenso e populoso do mundo. É a sétima maior economia mundial. É um país capitalista à apresenta propriedade

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais