TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO"

Transcrição

1 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

2 CLIMATIZAÇÃO PROGRAMA DE CLIMATIZAÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. PROPRIEDADES DO AR ATMOSFÉRICO 3. PSICROMETRIA 4. SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 5. CARGA TÉRMICA EM CLIMATIZAÇÃO 6. DISTRIBUIÇÃO DE AR 7. DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA 8. TERMOACUMULAÇÃO 9. RETROFIT EM AR CONDICIONADO

3 1.1 DESENVOLVIMENTO DA CLIMATIZAÇÃO Joseph McCreaty, criou e patenteou o que pode ser considerado o primeiro equipamento (Lavador de Ar); Willis Haviland Carrier, primeiro a conseguir controle de temperatura e umidade com sucesso ao instalar, um equipamento de ar condicionado numa gráfica baseado no lavador de ar que resfriou e saturou o ar até o ponto de orvalho;

4 1.1 DESENVOLVIMENTO DA CLIMATIZAÇÃO Carrier desenhou um equipamento especial para residências medindo 6 m de profundidade, 1,8m de largura e 2,1m de altura e o primeiro condicionador de ar hospitalar Desenvolvida por Willis Carrier a máquina de refrigeração centrífuga e o condicionador de ar teve o seu aparecimento em público; Durante a década de 20, com o advento do Dielene, o condicionador de ar tornouse mais acessível ao público em teatros, lojas de departamentos e outros prédios públicos.

5 1.1 DESENVOLVIMENTO DA CLIMATIZAÇÃO O Edifício Milam em San Antonio no estado do Texas, foi o primeiro edifício comercial; O Senado Americano; Os escritórios executivos da Casa Branca, Vagões Ferroviários pela ferrovia B&O, Ar condicionado em Arranha-Céus; Carrier Corporation desenvolveu a primeira produção seriada de unidades centrais para residências. Em 1958, Willis H. Carrier foi incluído no U.S. National Inventors Hall of Fame. Foi um merecido reconhecimento para o "Pai do Ar Condicionado". No Brasil -> > 1. Instalação > 1. Self contained Coldex (5 TR)

6 1.2 CONCEITOS DE CONDICIONAMENTO DE AR Segundo a ASHRAE: "Ar condicionado é o processo de tratamento do ar de modo a controlar simultâneamente a temperatura, a umidade, a pureza, a distribuição para atender as necessidades do recinto condicionado." Segundo a ABNT: "O condicionamento de ar, qualquer que seja, a finalidade a que se destine, implica preliminarmente, na limitação entre os seguintes valores préestabelecidos das grandezas discriminadas e representativas das condições que devem coexistir nos recintos, no período de tempo em que se considera a aplicação do processo: a) Temperatura do ar no termômetro de bulbo seco; b) Umidade relativa do ar; c) Movimentação do ar; d) Grau de pureza do ar; e) Nível de ruído admissível; f) Porcentagem ou volume de renovação do ar."

7 1.3 APLICAÇÕES DO CONDICIONAMENTO DE AR Ar Condicionado Industrial: Aquecimento Localizado, Resfriamento, Laboratórios Ambientais, Imprensa, Texteis, Processos de Alta Precisão e Salas Limpas, Produtos Fotográficos, Salas de Computadores, Usinas Geradoras de Potência, Museus, Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas, Controles de Ambientes para animais e plantas, Embalagem de produtos, Hospitais, Industrias Farmacêuticas, Microeletrônica, Eletrônica, Micromecânica, Ótica, Biotecnologia, Indústrias Alimentícias;

8 1.3 APLICAÇÕES DO CONDICIONAMENTO DE AR Ar Condicionado para Conforto Térmico: Residencial, Comercial, Veículos.

9 1.4 CONFORTO TÉRMICO Um entendimento das funções essenciais do organismo é básica para compreensão do condicionamento de ar para conforto.

10 1.4 CONFORTO TÉRMICO A figura, mostra o ábaco de conforto para verão e inverno da ASHRAE para ocupações contínuas durando mais que três horas e movimentação do ar de 0,08 a 0,13 m/s. Umidade Relativa 22 C 21 C

11 1.4 CONFORTO TÉRMICO METABOLISMO: Processo pelo qual o corpo converte a energia dos alimentos em calor e trabalho. M A C R E O desempenho de qualquer atividade física ou mental poder ser otimizado, desde que o ambiente proporcione condições de conforto.

12 1.4 CONFORTO TÉRMICO M A C R E

13 1.4 CONFORTO TÉRMICO M A C R E

14 1.4 CONFORTO TÉRMICO As condições recomendáveis de conforto dadas pela NBR-6401 são: tabela 1, condições internas para verão; tabela 2, condições internas para inverno; tabela 3, recomendações para aplicações de filtros de ar; tabela 4, ar exterior para renovação; tabela 5, níveis de ruído permissíveis da instalação. que as diferenças de temperatura de bulbo seco simultâneas entre dois pontos quaisquer de um recinto e tomadas à altura de 1,5 m do piso (nível de respiração) não devem ser superiores a 2 o C. as velocidades do ar nesse mesmo nível 1,5 m do piso devem estar compreendidas entre 0,025 a 0,25 m/s. manter pressão positiva no ambiente, através de uma admissão de ar externo maior que os efeitos de infiltração, visando a higienização do ar.

15 1.4 CONFORTO TÉRMICO O controle da qualidade do ar interior, é conseguido com a renovação e filtragem do ar por ventilação.

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos A carga térmica é a quantidade de calor

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos A distribuição de ar aos diversos ambientes a serem

Leia mais

Classificação de Tipos de Sistemas de Climatização

Classificação de Tipos de Sistemas de Climatização Classificação de Tipos de Sistemas de Climatização PME 2515 Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa do autor 1/45 Critérios

Leia mais

PROJETERM Projetos e Consultoria Ltda

PROJETERM Projetos e Consultoria Ltda PROJETO DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DO HCVL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARCIAIS - Rev. 4 Estas Especificações Técnicas versam sobre o Projeto de Ar Condicionado e Ventilação do Centro Cirúrgico, Centro

Leia mais

Instalações de Sistemas de Ar Condicionado Central, VRF, Ventilação, Exaustão.

Instalações de Sistemas de Ar Condicionado Central, VRF, Ventilação, Exaustão. Instalações de Sistemas de Ar Condicionado Central, VRF, Ventilação, Exaustão. SISTEMA DE AR CONDICIONADO VRF OU VRV Sistema VRF ou VRV:O VRV (Volume de refrigerante variável) ou VRF (do inglês variable

Leia mais

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos Workshop Climatização e Cogeração Abril de 2008 Ronaldo Andreos Cia de Gás de São Paulo Fone: (11) 4504-5238/5072 Cel.: (11) 9638-8907 e-mail: randreos@comgas.com.br Climatização (Ar Condicionado) Agenda

Leia mais

Conforto Humano. Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual.

Conforto Humano. Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual. 1 Conforto Humano 2 Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual. Conforto Térmico Interação Térmica entre o Corpo Humano e o Ambiente Radiação Convecção Ar ambiente Perda de Calor Sensível

Leia mais

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO QUANDO PRECISAMOS DE AR CONDICIONADO? DIAGRAMA BIOCLIMATICO DE GIVONI 30 30 zon Estratégias mais eficientes a 1 Conforto higrotérmico 10

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CLIMATIZAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CLIMATIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CLIMATIZAÇÃO DISCIPLINA: TM182 - REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Prof. RUDMAR SERAFIM MATOS, D. Sc. ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

1- Evolução da refrigeração e da climatização

1- Evolução da refrigeração e da climatização 1- Evolução da refrigeração e da climatização Damos o nome de REFRIGERAÇÃO ao processo de remoção do calor de um meio, a partir da redução da temperatura e da manutenção dessa condição por meios mecânicos

Leia mais

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO Lista de problemas número 1 Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO 1) Determinar as propriedades do R-134 nas seguintes condições: a) t = - 40 o C x = 1 b) p = 1 MPa t = 80 0 C c) p

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-184 VENTILAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-184 VENTILAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-184 VENTILAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos 1. INTRODUÇÃ ÇÃO 2. COMPONENTES DA VLE 3. SISTEMAS 4. PRINCÍPIOS

Leia mais

Carga Térmica Renovação e Infiltração de ar

Carga Térmica Renovação e Infiltração de ar Carga Térmica Renovação e Infiltração de ar PME 2515 - Ar Condicionado e Ventilação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos As tubulações de refrigerante representam uma parte

Leia mais

26/08/ Agosto/2012

26/08/ Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Refrigeração. 26/08/2012 2 Circuito Frigorifico O ciclo de refrigeração ou ciclo frigorífico é um ciclo termodinâmico que constitui o modelo matemático que define o funcionamento

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética. Sistemas de Refrigeração Parte II

SEL-0437 Eficiência Energética. Sistemas de Refrigeração Parte II SEL-0437 Eficiência Energética Sistemas de Refrigeração Parte II 1 Tópicos da Aula de Hoje Sistemas de ar condicionado Redução do consumo de energia elétrica Termoacumulação Exercícios 2 Sistemas de Ar

Leia mais

CAPÍTULO I. 1 Introdução Motivação

CAPÍTULO I. 1 Introdução Motivação CAPÍTULO I 1 Introdução. 1.1. Motivação A busca por melhores eficiências, menor consumo de energia e maior conforto é cada vez mais um objetivo perseguido por todos. Os fabricantes de veículos não são

Leia mais

Sistemas e Componentes III. Manutenção e Operação

Sistemas e Componentes III. Manutenção e Operação Sistemas e Componentes III Manutenção e Operação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa do autor 1/52 MANUTENÇÃO DO SISTEMA

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina EMC Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo

Universidade Federal de Santa Catarina EMC Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo Universidade Federal de Santa Catarina EMC 5472 - Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo EXERCÍCIOS SUPLEMENTARES DE CONDICIONAMENTO DE AR 01) Uma câmara frigorífica para resfriamento

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Refrigeração e Climatização CÂMPUS SÃO JOSÉ (RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 70 DE 13 DEZEMBRO DE 2016)

Curso Técnico Subsequente em Refrigeração e Climatização CÂMPUS SÃO JOSÉ (RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 70 DE 13 DEZEMBRO DE 2016) Curso Técnico Subsequente em Refrigeração e Climatização CÂMPUS SÃO JOSÉ (RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 70 DE 13 DEZEMBRO DE 2016) GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE Módulo 1 Carga horária total: 400h Unidade Curricular

Leia mais

Sistemas de Climatização e Componentes - I

Sistemas de Climatização e Componentes - I Sistemas de Climatização e Componentes - I PME 2515 - Ar Condicionado e Ventilação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES

ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES Henrique Matheus Engenheiro Eletricista formado pela Universidade Federal de

Leia mais

Fundação Educacional de Patos de Minas - FEPAM Mantenedora do Centro Universitário de Patos de Minas UNIPAM

Fundação Educacional de Patos de Minas - FEPAM Mantenedora do Centro Universitário de Patos de Minas UNIPAM 1 2º AVISO DE RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 06-2017 A Fundação Educacional de Patos de Minas, através da Comissão Permanente de Licitação, leva ao conhecimento dos interessados, que o Edital PREGÃO

Leia mais

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Climatização Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Efeitos do Movimento do Ar no Conforto de uma Pessoa Energia Solar Térmica

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO. CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL/PERÍODO MEC0954 Condicionamento de Ar 4ª/8º

PROGRAMA DE ENSINO. CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL/PERÍODO MEC0954 Condicionamento de Ar 4ª/8º PROGRAMA DE ENSINO UNIDADE UNIVERSITÁRIA: UNESP CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA CURSO: ENGENHARIA (Resolução UNESP nº 74/04 - Currículo: 4) HABILITAÇÃO: OPÇÃO: DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Engenharia Mecânica CÓDIGO

Leia mais

Anais do V Simpósio de Engenharia de Produção - SIMEP ISSN:

Anais do V Simpósio de Engenharia de Produção - SIMEP ISSN: INDICADORES DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADOS A CONDICIONADORES DE AR: ESTUDO DO PROJETO DO ESCRITÓRIO DE UMA FÁBRICA EM SUAPE-PE Allan Jayson Nunes de Melo, (UFPE), allan_jayson@hotmail.com Rafael Barbosa

Leia mais

A importância da ABNT NBR e a QUALIDADE DO AR INTERIOR

A importância da ABNT NBR e a QUALIDADE DO AR INTERIOR A importância da ABNT NBR 16401-1 e a QUALIDADE DO AR INTERIOR Validade: a partir de 04 / set / 2.008 NBR 16401-1 Projetos e Instalações NBR 16401-2 Parâmetros de Conforto Térmico NBR 16401-3 Qualidade

Leia mais

Projeto e seleção de um equipamento de ar condicionado para um vagão de passageiros de trem

Projeto e seleção de um equipamento de ar condicionado para um vagão de passageiros de trem 1 Projeto e seleção de um equipamento de ar condicionado para um vagão de passageiros de trem Daniel Cadario de Azevedo Centini daniel.cadario@gmail.com Prof. Dr. José Roberto Simões Moreira jrsimoes@usp.br

Leia mais

Março 1999 Projeto 02:

Março 1999 Projeto 02: Página 1 de 8 Março 1999 Projeto 02:135.01-004 Página 2 de 8 Página 3 de 8 Página 4 de 8 Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento Origem:

Leia mais

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características:

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: 6. SIMULAÇÃO 6.1. Pré-requisitos específicos 6.1.1. Programa de simulação O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: ser um programa para

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES REQUISITOS DE PROJETO PRELIMINARES GMG REQUISITOS PRELIMINARES O projeto da instalação de um

Leia mais

LANÇAMENTO AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. piso teto

LANÇAMENTO AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. piso teto LANÇAMENTO CASSETE piso teto QUALIDADE E SOFISTICAÇÃO EM HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO Linha SPLIT O novo grau de conforto. Cassete Apresentação Os aparelhos Cassete são discretos tanto por

Leia mais

RESFRIAMENTO DEDICADO DE AR EXTERNO (DOAS)

RESFRIAMENTO DEDICADO DE AR EXTERNO (DOAS) Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers RESFRIAMENTO DEDICADO DE AR EXTERNO (DOAS) Cristiano Rayer Brasil Midea Carrier 24/02/2016 - Rio de Janeiro Execução Implementação

Leia mais

Sistemas de Ar Condicionado Residenciais

Sistemas de Ar Condicionado Residenciais Eng. Dr. Fulvio Vittorino - IPT 1 Sistemas de Ar Condicionado Residenciais Eng. Dr. Fúlvio Vittorino IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Objetivo Processos e equipamentos mecânicos

Leia mais

PNEUMÁTICA DEFINIÇÃO:

PNEUMÁTICA DEFINIÇÃO: DEFINIÇÃO: PNEUMÁTICA Pneumática: (do grego pneumos com o significado de respiração) pode ser entendida como sendo o conjunto de todas as aplicações que utilizam a energia armazenada e transmitida pelo

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE

A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE SISTEMA SKYLUX PRISMÁTICO SISTEMA SKYLUX PRISMÁTICO DUPLO VENEZIANAS LUXVENT SISTEMA DE VENTILAÇÃO NATURAL EXHAUST SISTEMA SKYLUX ESTRUTURADO SISTEMA INTRALUX A SUSTENTABILIDADE AO SEU ALCANCE ENGENHARIA

Leia mais

SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2. Profa. Roberta S. Leone

SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2. Profa. Roberta S. Leone SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2 Profa. Roberta S. Leone SECAGEM Definição: Secagem é a remoção de pequenas quantidades de líquido, geralmente água, de um sólido. O objetivo é reduzir o teor

Leia mais

TEMPERATURA DE PROJETO PARA CONDICIONAMENTO DE AR UMA NOVA PROPOSTA

TEMPERATURA DE PROJETO PARA CONDICIONAMENTO DE AR UMA NOVA PROPOSTA TEMPERATURA DE PROJETO PARA CONDICIONAMENTO DE AR UMA NOVA PROPOSTA José R. Camargo - rui@engenh.mec.unitau.br Universidade de Taubaté - Departamento de Engenharia Mecânica Rua Daniel Danelli, s/n. - Jardim

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S TR A U

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 DESENVOLVIMENTO DA CLIMATIZAÇÃO

1 INTRODUÇÃO 1.1 DESENVOLVIMENTO DA CLIMATIZAÇÃO 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 DESENVOLVIMENTO DA CLIMATIZAÇÃO Os métodos para se conseguir o frio artificial e aplicá-lo aos processos produtivos, estocagem e conforto evoluíram, transformaram-se, foram abandonados

Leia mais

Já ouviu falar na Tecnologia Inverter?

Já ouviu falar na Tecnologia Inverter? Já ouviu falar na Tecnologia Inverter? Para garantir a melhor temperatura no ambiente, temos o condicionador de ar como grande aliado. Mas, principalmente nas épocas mais quentes do ano, quando o aparelho

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL. MINISTERIO DA EDyCAÇÃ~ 'UNIVERSIDADE FEDERAL RURÀL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUA ÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL. MINISTERIO DA EDyCAÇÃ~ 'UNIVERSIDADE FEDERAL RURÀL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUA ÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTERIO DA EDyCAÇÃ~ 'UNIVERSIDADE FEDERAL RURÀL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUA ÃO IDENTIFICACÃO CURSO{S) I DEPARTAMENTO Engenharia Mecânica I Dep. de Ciências Ambientais

Leia mais

Refrigeração e Ar Condicionado

Refrigeração e Ar Condicionado Refrigeração e Ar Condicionado Carga Térmica de Refrigeração Filipe Fernandes de Paula filipe.paula@engenharia.ufjf.br Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Faculdade de Engenharia Universidade

Leia mais

Tabela 3.37: Constantes da Equação

Tabela 3.37: Constantes da Equação C R = [(a) + (b X AU amb ) + (c X CT baixa ) + (d X α par ) + (e X PD/AU amb ) + (f X somb) + (g X CT cob ) + (h X Ab S ) + (i X SomA parext X CT par ) + (j X cob) + (k X U cob X α cob X cob X AU amb )

Leia mais

93 years. Tecnologia Inverter aplicada a Equipamentos de precisão. 20 anos Brasil

93 years. Tecnologia Inverter aplicada a Equipamentos de precisão. 20 anos Brasil O grupo Mitsubishi tem cerca de 144 anos de história 1945 Inicio da produção de ventiladores e exaustores. 1954 Criação a divisão de ar condicionado, criação do primeiro spltão japonês. 1956 Produção de

Leia mais

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Endereço completo. Complemento Bairro Cidade UF

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Endereço completo. Complemento Bairro Cidade UF ANEXO I PLANO DE MANUTENÇÃO, OPERAÇÃO E CONTROLE PMOC. 1 - Identificação do Ambiente ou Conjunto de Ambientes: Nome (Edifício/Entidade) Endereço completo N.º Complemento Bairro Cidade UF Telefone: Fax:

Leia mais

Destinado a hospitais, salas limpas e indústria alimentícia.

Destinado a hospitais, salas limpas e indústria alimentícia. Destinado a hospitais, salas limpas e indústria alimentícia. Quando limpo não é o suficiente, necessita ser puro. Aplicação em sistemas de ar condicionado para hospitais e áreas onde são realizados os

Leia mais

AR CONDICIONADO SOLAR

AR CONDICIONADO SOLAR ISO 9001 : 2008 Engenharia do Ar Condicionado De 07/05/2012 a 11/05/2012 Capítulo Especial sobre AR CONDICIONADO SOLAR Local: Hotel Windsor Guanabara Av. Presidente Vargas, 392 Centro Rio de Janeiro RJ

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

Carga Térmica. Definições. Métodos de Cálculo. Ferramentas de simulação. Normas. Condições externas e internas

Carga Térmica. Definições. Métodos de Cálculo. Ferramentas de simulação. Normas. Condições externas e internas Carga Térmica Definições Métodos de Cálculo Ferramentas de simulação Normas Condições externas e internas PME 2515 - Ar Condicionado e Ventilação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados -

Leia mais

Introdução a Engenharia Elétrica Apresentação do projeto temático

Introdução a Engenharia Elétrica Apresentação do projeto temático Introdução a Engenharia Elétrica -323100 Aula S2 Apresentação do projeto temático Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamentos da Engenharia Elétrica PCS Computação e Sistemas Digitais

Leia mais

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT TO EN M A Ç N LA CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM HARMONIA COM SEU AMBIENTE. QUALIDADE E AR CONDICIONADO LINHA SPLIT 00485mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:20:24 Cassete Apresentação

Leia mais

VELOCIDADES LIMITES NOS ELEMENTOS DE UM SISTEMA DE VENTILAÇÃO/CONDICIONAMENTO (E. C. da Costa, Física aplicada à construção, Edgard Blücher)

VELOCIDADES LIMITES NOS ELEMENTOS DE UM SISTEMA DE VENTILAÇÃO/CONDICIONAMENTO (E. C. da Costa, Física aplicada à construção, Edgard Blücher) VELOCIDADES LIMITES NOS ELEMENTOS DE UM SISTEMA DE VENTILAÇÃO/CONDICIONAMENTO (E. C. da Costa, Física aplicada à construção, Edgard Blücher) Tabela 1 NORMAS DA ABNT NB10 (1978) Velocidades para área total

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-82 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos 2.5 EXEMPLOS ILUSTRATIVOS Procedimentos para

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos REFRIGERAÇÃO PROGRAMA DE REFRIGERAÇÃO 1.

Leia mais

Unidade Intercambiadora de Calor Série YE

Unidade Intercambiadora de Calor Série YE Unidade Intercambiadora de Calor Série YE A unidade intercambiadora de calor Série YE foi desenvolvida para proporcionar o máximo conforto térmico em ambientes. Projetada para atender diferentes demandas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO DOD LAB DOD LAB DOCUMENTO DE OFICIALIZAÇÃO DE DEMANDAA PARA LABORATÓRIOS. Serviço Público Federal

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO DOD LAB DOD LAB DOCUMENTO DE OFICIALIZAÇÃO DE DEMANDAA PARA LABORATÓRIOS. Serviço Público Federal INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO DOD LAB DOD LAB DOCUMENTO DE OFICIALIZAÇÃO DE DEMANDAA PARA LABORATÓRIOS 1. INFORMAÇÃO DA NECESSIDADE DE ALTERAÇÃO/ADEQUAÇÃO DA INFRAESTRUTURA Pesquisador Responsável Escolha

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO

NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO ESTAS NORMAS SÃO PRODUZIDAS E REVISADAS POR (ABNT) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, ATRAVÉS DO COMITÊ BRASILEIRO Nº55 (CB 55) COM SEDE NA

Leia mais

Guia de produto. A escolha do melhor produto para cada aplicação

Guia de produto. A escolha do melhor produto para cada aplicação Ventilação Unidades de Tratamento de Ar Difusão Segurança contra Incêndio Chillers e bombas de calor Guia de produto A escolha do melhor produto para cada aplicação Guia de produto A escolha do melhor

Leia mais

Conforto Térmico e Bioclimatologia

Conforto Térmico e Bioclimatologia Conforto Térmico e Bioclimatologia Introdução ao Conforto Térmico A importância do estudo de conforto térmico está baseada principalmente em 3 fatores: A satisfação do homem ou seu bem estar em se sentir

Leia mais

Indústrias Tosi une fornecimento de água quente e gelada para edifícios verdes

Indústrias Tosi une fornecimento de água quente e gelada para edifícios verdes MERCADO 16 Indústrias Tosi une fornecimento de água quente e gelada para edifícios verdes Desenvolvimento de soluções sustentáveis para o HVAC-R brasileiro fortalece a expansão dos negócios da empresa

Leia mais

PHD 313 HIDRÁULICA E EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS

PHD 313 HIDRÁULICA E EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA PHD 313 HIDRÁULICA E EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS Aula 12: Instalações de Água Quente Prof. Miguel Gukovas Prof. Rodolfo S Martins Prof. Ronan Cleber Contrera PHD

Leia mais

DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES

DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS: UNISINOS INSTITUTO TECNOLÓGICO EM DESEMPENHO E CONSTRUÇÃO CIVIL NORMA DE DESEMPENHO E OS SISTEMAS VERTICAIS DE VEDAÇÃO DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES Prof. Dr. Bernardo

Leia mais

RENOVAÇÃO DE AR EM INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO

RENOVAÇÃO DE AR EM INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO PME 2515 AR CONICIONAO E VENTILAÇÃO RENOVAÇÃO E AR EM INSTALAÇÕES E AR CONICIONAO FONTE: NBR 16.401-3 INSTALAÇÕES E AR CONICIONAO SISTEMAS CENTRAIS E UNITÁRIOS PARTE 3: QUALIAE O AR INTERIOR São Paulo

Leia mais

5 CARGA TÉRMICA EM CLIMATIZAÇÃO

5 CARGA TÉRMICA EM CLIMATIZAÇÃO 48 5 CARGA TÉRMICA EM CLIMATIZAÇÃO A carga térmica é a quantidade de calor sensível e latente, que deve ser retirada (resfriamento) ou colocada (aquecimento) no recinto a fim de proporcionar as condições

Leia mais

Local de amostragem: Biblioteca Florestan Fernandes Pág. 10/19 Data da amostragem: 05/09/2016 Ordem de serviço/ano: 53966/2016.

Local de amostragem: Biblioteca Florestan Fernandes Pág. 10/19 Data da amostragem: 05/09/2016 Ordem de serviço/ano: 53966/2016. Local de amostragem: Biblioteca Florestan Fernandes Pág. 10/19 Laudo Conclusivo INTERPRETAÇAO DOS RESULTADOS. Análise de ar: Os resultados obtidos através dos ensaios de ar ambiental interior demonstraram

Leia mais

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça.

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. A perda de peso ou perda de umidade em uma carcaça dentro de uma câmara de resfriamento ocorre por duas situações: 1.

Leia mais

O QUE É A ENGENHARIA?

O QUE É A ENGENHARIA? O QUE É A ENGENHARIA? DEFINIÇÃO Engenharia é a aplicação do conhecimento científico, econômico, social e prático, com o intuito de inventar, desenhar, construir, manter e melhorar estruturas, máquinas,

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO

TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos REFRIGERAÇÃO SITE DE REFRIGERAÇÃO http://people.ufpr.br/~rudmar/refri/

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO DO EVAPORADOR DE UM APARELHO DE AR CONDICIONADO SPLIT COM GEOMETRIA OTIMIZADA

ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO DO EVAPORADOR DE UM APARELHO DE AR CONDICIONADO SPLIT COM GEOMETRIA OTIMIZADA ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO DO EVAPORADOR DE UM APARELHO DE AR CONDICIONADO SPLIT COM GEOMETRIA OTIMIZADA Tese inédita apresentada ao Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal do

Leia mais

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto ESTUDO DE CASO: CENPES II DA PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO Uma atitude ambiental inovadora na arquitetura brasileira Joana Gonçalves jocarch@usp.br Arquiteta Dra. Profa. FAU USP Pesquisadora do LABAUT/ FAU

Leia mais

BLOCO DE ENG. AGRONÔMICA INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL SANTA ROSA DO SUL/SC

BLOCO DE ENG. AGRONÔMICA INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL SANTA ROSA DO SUL/SC BLOCO DE ENG. AGRONÔMICA INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL SANTA ROSA DO SUL/SC MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO 1 ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Apresentação 3 Tabelas

Leia mais

PLANO DE CURSO DE EXTENSÃO (NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO / RECICLAGEM) DETALHAMENTO E EMENTA

PLANO DE CURSO DE EXTENSÃO (NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO / RECICLAGEM) DETALHAMENTO E EMENTA 1/5 PLANO DE CURSO DE EXTENSÃO (NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO / RECICLAGEM) 1. ÁREAS DO CONHECIMENTO Engenharia Elétrica / Engenharia Mecânica. 2. TÍTULO DO CURSO DETALHAMENTO E EMENTA INDUSTRIAIS / COMERCIAIS

Leia mais

Sistemas e Componentes II

Sistemas e Componentes II Sistemas e Componentes II Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa do autor 1 Serpentina de resfriamento e desumidificação

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 01 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil INST. HIDRÁULICAS AULA 01 7 semestre - Engenharia Civil EMENTA Elaborar projetos

Leia mais

Reabilitar ventilando!

Reabilitar ventilando! Reabilitar ventilando! João Marcelino www.homegrid.pt www.passivhaus.pt geral@homegrid.pt passivhausportuga@gmail.com #PassiveHouseParaTodos Índice 1. Passive House - conforto e qualidade do ar interior

Leia mais

Controle térmico em processos de conformação de plásticos

Controle térmico em processos de conformação de plásticos Controle térmico em processos de conformação de plásticos O controle preciso da temperatura é essencial na indústria de plásticos. Para cada aplicação e matéria-prima processada há uma solução de resfriamento

Leia mais

Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná etor de Tecnologia Departamento de ngenharia ecânica T-182 RFRGRAÇÃO CLATZAÇÃO Prof. Dr. Rudmar erafim atos 3. PCROTRA Quantos minutos sem ar? A vida humana se extinguiria

Leia mais

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle.

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. Portaria No 3523, de 28 de Agosto de 1998, Ministério da Saúde; Resolução ANVISA - RE No 174 de 24 de Outubro de 2000. Resolução ANVISA - RE No 09 de 16 de

Leia mais

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas ANEXO 3 DADOS RELATIVOS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas 1. Considerações gerais As edificações comerciais apresentam

Leia mais

Refrigeração e Ar Condicionado

Refrigeração e Ar Condicionado Refrigeração e Ar Condicionado Câmaras Frigoríficas Filipe Fernandes de Paula filipe.paula@engenharia.ufjf.br Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Faculdade de Engenharia Universidade Federal

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA Estratégias por TRY e Normais Climatológicas M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CARTA PSICROMÉTRICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA

Leia mais

Carga Térmica Pessoas e Iluminação

Carga Térmica Pessoas e Iluminação Carga Térmica Pessoas e Iluminação PME 2515 Ar Condicionado e Ventilação - Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa do autor

Leia mais

Refrigeração e Ar Condicionado

Refrigeração e Ar Condicionado Refrigeração e Ar Condicionado Introdução à refrigeração Filipe Fernandes de Paula filipe.paula@engenharia.ufjf.br Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Faculdade de Engenharia Universidade

Leia mais

A REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE AR CONDICIONADO

A REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE AR CONDICIONADO Anais Expoulbra 20 22 Outubro 2015 Canoas, RS, Brasil A REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE AR CONDICIONADO Eduardo P. Eidt Professor Mestre do Curso de Engenharia Mecânica da Universidade Luterana do Brasil - ULBRA,

Leia mais

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA Azinhaga do Torre do Fato 5C - 1600-299 Lisboa www.promee.pt geral@promee.pt projectos de engenharia de edifícios lda ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA EDIFÍCIOS DO DRIVING RANGE E CLUB HOUSE LISBOA INSTALAÇÕES

Leia mais

PNEUMÁTICA PNEUMÁTICA COMPARAÇÃO DESVANTAGENS VANTAGENS: Preparação; Compressibilidade; Potência; Escape de ar; Custo;

PNEUMÁTICA PNEUMÁTICA COMPARAÇÃO DESVANTAGENS VANTAGENS: Preparação; Compressibilidade; Potência; Escape de ar; Custo; PNEUMÁTICA PNEUMÁTICA É um sistema que torna possível a utilização do ar para geração de energia mecânica. SENAI CETEMP Mecânica Boa força Ótimas velocidades Ótima precisão Hidráulica Ótima força Baixas

Leia mais

MERCADO SUCROALCOOLEIRO. Redução de custos e de impactos ambientais

MERCADO SUCROALCOOLEIRO. Redução de custos e de impactos ambientais MERCADO SUCROALCOOLEIRO Redução de custos e de impactos ambientais SERVIÇOS DE ALTO VALOR AGREGADO OFERECIDOS AO MERCADO SUCROALCOOLEIRO SERVIÇOS DE ALTO VALOR AGREGADO PRESTADO AO MERCADO SUCROALCOOLEIRO

Leia mais

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada TMFA Termodinâmica Aplicada 1) Considere a central de potência simples mostrada na figura a seguir. O fluido de trabalho utilizado no ciclo é água e conhece-se os seguintes dados operacionais: Localização

Leia mais

O verão está por perto tenha certeza de que suas vacas não ficarão estressadas

O verão está por perto tenha certeza de que suas vacas não ficarão estressadas O verão está por perto tenha certeza de que suas vacas não ficarão estressadas Ines Rivelli e Dr. Phil Cardoso As principais funções dos sistemas de ventilação são remover o ar velho e úmido e trazer para

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DE BLOCOS CERÂMICOS DE VEDAÇÃO PARA SANTA ROSA E REGIÃO 1

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DE BLOCOS CERÂMICOS DE VEDAÇÃO PARA SANTA ROSA E REGIÃO 1 ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DE BLOCOS CERÂMICOS DE VEDAÇÃO PARA SANTA ROSA E REGIÃO 1 Reinaldo Giordani Fruck 2, Fernanda Andressa Cardoso Jusvick 3, Marcelle Engler Bridi 4. 1 Pesquisa

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética em Sistemas de Climatização

Gestão de Energia e Eficiência Energética em Sistemas de Climatização PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão de Energia e Eficiência Energética em Sistemas de Climatização Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Modalidade: Presencial 1 1 OBJETIVOS EDUCACIONAIS 1.1 OBJETIVO

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR 15575

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR 15575 Desempenho Térmico de edificações NBR 15575 Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + NBR 15575 + procedimentos de avaliação + prescritivo + simulação computacional + medição + prescritivo

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA

ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa do autor 1/66 ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA INFANTE SANTO, 66, 7º B ESQ Localidade LISBOA.

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA INFANTE SANTO, 66, 7º B ESQ Localidade LISBOA. Válido até 24/09/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA INFANTE SANTO, 66, 7º B ESQ Localidade LISBOA Freguesia ESTRELA Concelho LISBOA GPS 38.709710, -9.165900 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia

EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia EN-2416 Energia, meio ambiente e sociedade Necessidades humanas, estilos de vida e uso final da energia João Moreira UFABC Necessidades humanas e energia Existência humana - nas residências Movimento,

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DAS TABELAS DE ENTALPIA

GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DAS TABELAS DE ENTALPIA GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DAS TABELAS DE ENTALPIA Msc. José Antonio D. Barbosa Filho; Dr. Marco Aurélio N. da Silva; Zoot. Frederico Marcio C. Vieira; Dr. Iran José O. da Silva; Pesquisadores NUPEA/ESALQ/USP

Leia mais

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DA ESPESSURA DE ISOLANTE NECESSÁRIA A UMA APLICAÇÃO Volume III Curso

Leia mais

Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação Padre Anchieta TV Cultura.

Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação Padre Anchieta TV Cultura. XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO NO SISTEMA DE DETECÇÃO DE FUMAÇA DATA CENTER

INTERFERÊNCIA DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO NO SISTEMA DE DETECÇÃO DE FUMAÇA DATA CENTER INTERFERÊNCIA DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO NO SISTEMA DE DETECÇÃO DE FUMAÇA DATA CENTER TIPOS DE DETECTORES DE FUMAÇA ü Detector de fumaça fotoelétrico 1. Câmera ótica 2. Protetor 3. Caixa 4. Fotodiodo

Leia mais