AUP 270 Planejamento de Estruturas Urbanas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUP 270 Planejamento de Estruturas Urbanas"

Transcrição

1 AUP270 PlanejamentodeEstruturasUrbanas AintegraçãodaAmazônianoterritórionacional resultadosdaacumulaçãoentravadanaconformaçãoespacialdaregião Monografia1 o semestrede2010 JuliaSayegTranchesi

2 Estetrabalhopretendecomentarcomoaconfiguraçãodoterritório amazônicoéresultadodepolíticasdeproduçãodoespaçocomvistas areproduçãodasociedadedeelitebrasileira.seráaquianalisadaa produçãodoespaçocomofrutodomodeloeconômicodopaís,cuja baseéaacumulaçãoentravada,herançadenossaorigemcolonial. Apesardepôrfimàrelaçãocolônia metrópole,aindependênciafoi umprocessorealizadodemaneiraapromoveramanutençãoda ordemsocial.oprocesso,portanto,nãoresultounatransformaçãoda estruturaprodutivaeeconômicacolonial,mas,narealidade,garantiu asuacontinuidade. Essaafirmaçãoderivadofatoque,nomomentodaIndependência,em nomedoseureconhecimentocomopaísautônomo,obrasilassumiua enormedívidaqueportugaltinhacomainglaterra.issopossibilitoua continuaçãodaexpatriaçãodoexcedenteaquiproduzido,algoqueera pressupostodarelaçãocolônia metrópole.partedocapitalficaretida, paraoreinvestimentonaprodução(condiçãofundamentalpara garantiraexpatriação),noentanto,agrandepartedoexcedente produzidoéexpatriado.essaexpropriaçãoconstituiumentraveà acumulação,condiçãoquebeneficiaaselitesagrícolasformadasno períodocolonialeconservadascomaindependência,jáque a acumulaçãodesimpedidanomercadointernotantoinduziriaquanto requereriaoplenodesenvolvimentodasforçasprodutivaseem particularofortalecimentodaburguesia 1,oqueameaçariaa dominaçãodaselites. 1 DEAK,Csaba.AcumulaçãoEntravadanoBrasil.In.:DEAKeSCHIFFER(1999) Asociedadecolonialforjadaporforçasexternas(dametrópole)constituiu,na Independência,ascondiçõesdesuareproduçãosocialporsuasprópriasforças.Abase institucionaldessareproduçãoéoestado,criadoprecisamentecomestefim 2 Atravésdeentravesàacumulação,comoaexpatriaçãodoexcedente,o Estado,fundadonaIndependência,garante,noBrasil,areproduçãoda ordemsocial.tendocontrolesobreosmeiosdeorganização territorial,oestadoconstitui,aindahoje,elementofundamentalpara aproduçãodoespaçosegundoasdemandasdareproduçãosocial. Quantoàorganizaçãodoterritório,aspolíticasdeEstadoassumidas vãonosentidodemanteropaísfragmentado,desprovidodeinfra estrutura,condiçãoqueinteressaàselitesagrícolas,àquemnãoé necessáriaasuperaçãodeumainfraestruturaprecária,nemé benéficaafortificaçãodeummercadointernonacional.estacondição denãointegraçãodoespaçoperduradesdeostemposcoloniais, quandoeradeespecialinteresseàmetrópole,porimpossibilitara formaçãodeummercadointernobrasileiro,facilitandooseucontrole sobreoterritório. Assim,acondiçãodedesintegraçãodoterritóriobrasileiroperdura atéhoje:obrasilmantémseumodeloagroexportador,quenãoexigea formaçãodeummercadointernoe,apesardealgunsesforçospara superarestacondição,opaíscontinuaheterogêneoedesintegrado, emespecialnoqueconcerneàinserçãodaamazônianoterritório nacional. Nosdiversosmomentosemquehouveesforçosnosentidode estenderasbasesdaeconomia,entravesforamcriados,demodoa impossibilitarmudanças.quantoàregiãoamazônica,podemos 2 idem

3 explicitaristodeacordocomossucessoseinsucessos,avançose retrocessos,dealgumaspolíticasdegoverno. Aproduçãodoespaçonacional,segundoSimoneMartinoli,foi efetivamenteiniciadanosanos30,apósseremrompidososinteresses daeliteagrícolacomarevolução.comgetúliovargas,ocorreua centralizaçãodopoderdoestadoeaestruturaçãodoaparelho burocráticoestatal.foramelaboradosplanosdedesenvolvimento comvistasàintegraçãonacional,paradarimpulsoàindustrialização dopaíseformarummercadointernobrasileiro.quantoàregião amazônica,promoveuumapolíticadeassentamentoagrícolademodo agarantirumaocupaçãomenosrarefeitaemaisatreladaaosolodo queaocupaçãogeradapelasatividadesextrativistasque predominavamatéentão.oobjetivoprimeiroeragarantiradefesaea soberanianacional,mastambémeraalmejadaaexpansãodasforças produtivas. 3 JuscelinoKubitschekdeucontinuidadeaosplanosvoltadosparaa integraçãonacionalatravésdaaberturasderodoviasedaconstrução debrasília,queseconstituiugrandepassoparaaconsolidaçãoda integraçãodointeriordobrasil.abelém Brasíliafoiumaimportante viadeconexãodaregiãoamazônicaaorestodopaís,enquantoquea novacapitalfoiapreendidacomoplataformaparaaocupaçãoda Amazônia.JKeuprosseguimentoaosplanosdedesenvolvimento industrial.noentanto,diferentementedoqueocorreunogovernode GetúlioVargas,oPlanodeMetasdeJKnãoimpulsionavaaindústria nacional,masdavaincentivoàindustrializaçãoassociadaaocapital estrangeiro.acelera se,assim,aunificaçãodomercadointernocomo formadegarantiraexpansãodasindústrias.apesardaorientação desenvolvimentistadoplanodemetas,aoseassociaro 3 MARTINOLI(2004) desenvolvimentoaocapitalestrangeiro,foigeradoumnovoentraveà acumulação. 4 Quantoaoperíodomilitar,ogovernofoimarcadopeloforteprocesso decentralizaçãodopoder,duranteoqualforamdesenvolvidas políticasqueinterferiamemtodososâmbitosdaeconomiadopaís. ComrelaçãoàAmazônia,foramdesenvolvidosplanosmaisincisivos paraaregião,comomesmodiscursojáutilizadodanecessidadedese asseguraradefesaeasoberanianacionaisedeintegraraamazôniaà ummercadointernoemconstituição.paratanto,foramplanejadas algumasrodoviasqueligariamaregiãoaorestodobrasil.entreelasa Transamazônica,quecortariaaAmazôniadelesteaoeste,integrando aregiãoaosistemanacionaldetransportes.emtornodosprincipais eixos,planejava seaocupação,comespecialatençãoàinstalaçãode pólosdeproduçãoagrícoladegrandeporte. Apartirdadécadade1970,paratentardiminuirademandaporumareforma agrária,ogovernofederal,pormeiodoincra,crioualgunsprogramasdecolonização edesenvolvimentoregional,incentivandoaocupaçãoterritorialdasregiõescentro OesteeNorte,pormeiodaexpansãodasfronteirasagrícolas.Dentreeles,destaca seo ProgramadeIntegraçãoNacional(PIN),oqualseapoiounaaberturadegrandes rodoviasenainstalaçãodeagrovilasemmeioàflorestaamazônica,ecujaestratégia publicitáriaseestruturavabasicamenteemdoisslogans: Integrarparanãoentregar e IntegraroshomenssemterradoNordestecomasterrassemhomensda Amazônia 5 Amigraçãogeradapermitiuamanutençãodeumaestruturadepoder nonordeste,jáquepostergouaresoluçãodosconflitosgeradospelo modeloeconômico,pois,juntoaosnordestinosmigraram,também,os conflitossociaisqueestesenfrentavamnasuaregiãodeorigem(ver 4 Idem 5 MOREIRAeSENE(2005)

4 mapaemanexomigraçõesinternasnadécadade1970).aindahoje,a Amazôniaéumagrandeáreadesocupadaqueservecomofronteira paraaexpansãodaagropecuáriabrasileira,epostergaaresoluçãode conflitos. enquantoosistemaeconômicopudercrescerdeformahorizontal,dilatandosua fronteiraeintegrandoáreasquepassariamafuncionarcomoexportadorasdebens primários,ele[governobrasileiro]podedar seaoluxodepostergaro desenvolvimentoderegiõesproblemas 6 Hoje,aexpansãodafronteiraagrícolasobreoslimitesdaAmazônia Legalrepresentaamanutençãodomodeloagroexportadorque acompanhaopaís,commaioroumenorproximidade,desdeos temposcoloniais.nafaltadeumaestruturaquepossibiliteaexpansão domercadointerno,aregiãoamazônicavemsendoocupadade maneiraaperpetuarostatusquo.oarcododesmatamento esquematizadonomapaemanexoosmarcadoresdafrentepioneira indicaatendênciadeexpansãoagropecuárianosentidonoroeste. Emaisdadosconfirmamestapropensão.SegundooInstitutode PesquisaEconômicaAplicada,nadécadade1970aAmazôniaLegal eraresponsávelpor7%daproduçãonacionaldegrãos.jáem2006, estenúmerochegaaumquartodaproduçãonacional! Destamaneira,nafronteiraleste suldaamazônialegalexistecerta integraçãocomorestodopais,integraçãoestaquereproduzomodelo econômico.aqui,oquesevênãoéaintegraçãonecessáriaparaa transformaçãodacondiçãobrasileiradeacumulação,sendoquese perpetuaoantigomodeloagroexportadorcolonial,semcriaras condiçõesnecessáriasparaaformaçãodeummercadointerno.éuma 6 IANNI,Octavio.EstadoePlanejamentoEconômiconoBrasil.In.:MARTINOLI(2004) integraçãorelativa,quenãovisaaintegraçãorealdosmercados regionais. Seestaregiãoencontra serelativamenteintegradaaoespaço nacional,omesmonãopodemosdizerdaamazôniaocidental,que aindaapresentabaixastaxasdedesmatamentoeocupação.(vermapa emanexodensidadedepovoamento) SegundoSimoneMartinoli,osesforçosempreendidospelosgovernos entreosanos30e80serviramàconsolidaçãodaocupaçãodaregião demodoaconstituirascondiçõesnecessáriasàdefesaesoberania nacionais,especialmentecomrelaçãoàsáreasdefronteira.no entanto,naspalavrasdemartinoli, aexpansãodomercadonacional naamazônianãoocorreudeformageneralizadaouhomogênea,e tambémnãoalcançouoterritórioamazôniconasuatotalidade Segundoaautora,istoé,emparte,frutodaestruturaeconômica sobreaqualsefundaramosestadosamazônicas,estruturabaseadana própriainstituiçãodoestado.estacaracterísticadaexpansãodo mercadointernonaregiãoétambémresultadodos movimentosde avançoseretrocessosquecaracterizamomododeproduçãovigente, refletidosnoespaçonacionalpeladiferenciaçãoehomogeneizaçãodo espaço. 7 Ointeressepelacontinuaçãodanãointegraçãodaregiãoérefletivona ideologia preservacionista quesedifundeentrenós.a jogada empresarialdoclima,comodefendedavisf.noble,foiutilizada mundialmentecomomaneiradeafastarasatençõesdomovimentode justiçaglobal,deixandoesteàsombradaquiloquesetornouuma obsessãoclimáticaeambiental.domesmomodo,nobrasilesta 7 MARTINOLI(2004)

5 ideologiapreservacionistaéutilizadaparagarantirareprodução social,tornandoomeioambienteumobstáculoàqualqueriniciativa dedesenvolvimento.ideologiaestaqueseencontrabastante arraigadaespecialmentenoquedizrespeitoàamazônia. OtumultogeradopeloanúnciodaconstruçãodahidrelétricadeBelo Monte,aserimplementadanorioXingu,éumexemplorecenteda afirmaçãodestaideologia.emnomedapreservaçãoambiental(e tambémdorespeitocegoàsreservasindígenas),amídiaveiculouuma forteoposiçãoàconstruçãodausina,esquecendo se,simplesmente, depesar,naargumentação,odesenvolvimentoqueseriagerado. SeduranteoséculoXXaAmazôniafoienxergadacomooceleirodo mundo,quenoperíododeescassezseriaoúltimorefúgiohumano, hoje,comtodasasameaçasclimáticaseacrescentedevastaçãoda naturezatãodivulgada,pretende sedifundiridéiasemelhante:a Amazôniacomopulmãodomundo.Devidoaemissãodepoluentesde todasindústriasdorestodomundoeodesmatamentoocorridopara propiciarodesenvolvimentodeoutrospaíses,obrasildeveráter conservadaagrandeáreadeflorestaoriginalquerestaemseu território. Levadaaoextremo,esteideáriodeverialevaràpreservaçãototaldas mataseaausênciadeocupaçãoedeestruturaprodutivanaregião. EstaideologiaéapropriadanoBrasil,jáquecolocaemjogoquestões fundamentaisparaaperpetuaçãodaordemsocial. Devemosressaltarqueaideologiadapreservaçãoéagregadaa ideologiademodoaimpedirainstalaçãodeindústrias,ouparaa região,enquantonãoserealizaafiscalizaçãodasterrasagrícolas existentes.apesardaforçadestaideologia,afronteiraagrícola continuaaseexpandir,devastandomatasnativas,semque,no entanto,sejamconstruídasbarreirasefetivasparaassegurara proteçãoambiental.parecequequandoháreproduçãodomodelo econômicoapreservaçãosegueesquecida,masemmomentosemque esteéquestionado,logoaquelaérelembrada. Váriossãoosresultadosdoprosseguimentodetalmodeloeconômico. Acontinuaçãododesenvolvimentodeatividadesdeproduçãodebens primáriosousemielaboradoslevaàreduçãodaacumulaçãopossível, jáquepreçodestes,temcaídosistematicamentenomercadomundial, conformetendênciajápreconizaporestudiososnosanos60. 8 SegundoVioletaLoureiro,oatualmodelonãolevaráao desenvolvimentodaamazônia,poisaproduçãopretendidanãoinduz acriaçãodenovosempreendimentosquedecorramdos primeiros(apenasainfraestruturabásicaparaescoaraprodução),já quevisam,apenas,aexportaçãodebensemumestágioprimárioou semielaborado. Aautoratambémdestacaainadequaçãodasatividadesprodutivasàs especificidadesdaregião: atividadeseconômicastãodiversascomoa pecuária,aexploraçãomadeireira,amineração,agarimpageme outras,queapresentamdiferentesimpactossobreanatureza,vêm sendodesenvolvidaindiferentementesobreáreasdeflorestasdensas, nascentesemargensderios,regiõesdemanguezais,nasplanícies,em encostas,emsolosfrágeisounosrarossolosbemestruturados, provocandoenormeimpactoambiental.afaltadecuidadocomos diferentesecossistemasquecompõearegiãosãoprejudiciaisà acumulação,jáqueprovocadesnecessáriosdesperdíciosderecursos naturaise,conseqüentemente,decapital. 8 LOUREIRO(2002)

6 Adesvalorizaçãodabiodiversidadedaregiãotambémépercebidana baixaquantidadedepesquisasquelásedesenvolvem.dadaasua riquezaevariedadedemineiras,espéciesanimaisevegetais,a Amazôniatemgrandepotencial(quesegueesquecidopelaspolíticas deestado)paraodesenvolvimentotécnicoecientíficoemdiversas áreasdoconhecimento,comoafarmáciaeabiotecnologia,que poderiaserutilizadoparaafabricaçãodeprodutosacabados,como medicamentoseinseticidas. Noentanto,essepotencialnãotemsidodevidamenteexploradopelo governobrasileiro.aenormebiodiversidadedaregiãonãoé apreendidacomofontedeconhecimento,capazdetransformara produçãodebensprimáriosembensacabados,oqueagregariavalor elucroàprodução.apesardeseremconhecidosportodosinúmeros casosdepesquisaedepatentesdeempresasestrangeirasdeprodutos amazônicos,obrasilprosseguesempesquisadores.apesarde representar59%doterritórionaturale,claro,detodaasua reconhecidamegabiodiversidade,aamazônialegalcontava,em 2006,comapenas3,8%tinhadototaldepesquisadoresnacionais. AZonaFrancadeManaus,quepoderiafuncionarcomoumcentrode desenvolvimentotécnico,narealidade,nãofuncionacomotal. Entreguesaocapitalestrangeiro,asindústriasqueláseassentam recebemvantagenseisençõesfiscais.sãoprotegidasdacompetição,o queleva,porumlado,àpotencializaçãodeseuslucros,poroutro,ao desestímulodoprogressotécnico(jáquenãosãonecessáriosesforços técnicosecientíficosparatornaroprodutomaiscompetitivo). Aspotencialidadesdaregiãocontinuaminexploradas,enquantoa populaçãosofrecomamanutençãodeummodeloeconômicoque prolongaorebaixamentodoníveldesubsistênciadaforçade trabalho. Referênciasbibliográficas DEAK,Csaba.AcumulaçãoentravadanoBrasil.In.:DEAK,Csabae SCHIFFER,Sueli.OProcessodeurbanizaçãodoBrasil.SãoPaulo, Edusp/Fupam,1999 GRIESI,Beatriz.Reflexosdaacumulaçãoentravadanaregião amazônica.nosítio:www.fau.usp.br/cursos/graduacao/ arq_urbanismo/disciplinas/aup0270/6t alun/index.html LOUREIRO,VioletaRefkalefsky.Amazônia:umahistóriadeperdase danos,umfuturoa(re)construir.in.:estudosavançados(usp),vol.16, n o 45,2002 MARTINOLI,Simone.OEstadobrasileiroeoprocessodeproduçãodo espaçodoacre.tesededoutorado.faculdadedearquiteturae UrbanismodaUniversidadedeSãoPaulo.SãoPaulo,2004 MOREIRA,JoãoCarloseSENE,Eustáquiode.GeografiaGeraledo Brasil EspaçoGeográficoeGlobalização.EditoraScipione,2005 MORI,KláraKaiser.Centralizaçãoedescentralização.In.:Brasil: urbanizaçãoefronteiras.tesededoutorado.faculdadedearquitetura eurbanismodauniversidadedesãopaulo.sãopaulo,2006 NOBLE,David.Ajogadaempresarialdoclima.Nosítio: resistir.info/climatologia/climate_coup_p.html SERAFICO,JoséeSERAFICO,Marcelo.AZonaFrancadeManauseo capitalismonobrasil.in.:estudosavançados(usp),vol.19,n o 54,2005

7 Observaranãohomogeneidadedoterritórionacional,tantodopontodevistadaocupaçãoquantodainfra estruturadetransportes.aregiãoamazônicadiferedo restodopaísdadaasuabaixadensidadepopulacionaleausênciaderedetransportes.aocupaçãohumanasedásobretudojuntoaosistemadetransportes,oquena Amazôniasignificaaocupaçãoàsmargensdorios(Amazonas)edasrodovias(emespecialdaBelém BrasíliaedaCuiabá RioBranco) Fontedosmapas:THÉRY,Hervé;MELLO,NeliA.AtlasdoBrasil:DisparidadeseDinâmicasdoTerritório.SãoPaulo:EDUSP:ImprensaOficialdoEstadodeSãoPaulo,2005

8 NotararcododesmatamentonafronteiraLeste SuldaAmazôniaLegal. Juntoaisso,indicandoaexpansãoagrícola,aproduçãodesojacrescemuito nestaregiãosecomparadacomorestodopaís.étambémaíondese concentravaem1996aproporçãomáximadapopulaçãodemigrantes. Fontedomapa:THÉRY,Hervé;MELLO,NeliA.AtlasdoBrasil:Disparidadese DinâmicasdoTerritório.SãoPaulo:EDUSP:ImprensaOficialdoEstadodeSãoPaulo, 2005 MuitamigraçãoparaaAmazôniaLegalnadécadade70,migraçãoesta estimuladapelogovernomilitar. Fontedomapa:MOREIRA,JoãoCarloseSENE,Eustáquiode.GeografiaGeraledo Brasil EspaçoGeográficoeGlobalização.EditoraScipione,2005

6.1 Matriz Curricular Ciências Econômicas (turno noturno)

6.1 Matriz Curricular Ciências Econômicas (turno noturno) 6.1 Matriz Curricular Ciências Econômicas (turno noturno) Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Pró-Reitoria de Graduação (ESTRUTURA CURRICULAR 2010-2011) MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

COMENTÁRIOS TABELA 1 INDICADORES DE RECEITA NOMINAL DO SETOR DE SERVIÇOS, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES BRASIL - JANEIRO 2015

COMENTÁRIOS TABELA 1 INDICADORES DE RECEITA NOMINAL DO SETOR DE SERVIÇOS, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES BRASIL - JANEIRO 2015 COMENTÁRIOS No mês de janeiro de 2015, o setor de serviços registrou no Brasil um crescimento nominal de 1,6%, na comparação com igual mês do ano anterior, inferior às taxas dezembro (4,0% revisada) e

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2010

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2010 Contas Regionais do Brasil 2010 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 28,1 Indústria extrativa 3,0 Indústrias de transformação 16,2 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Conciliação Bancária em 30 de Novembro de 2015

Conciliação Bancária em 30 de Novembro de 2015 Banco: BANCO DO BRASIL S.A. Agência: 0247-X 1 448 556 1143 86 278 846 945 944 174 703 846 965 21/05/2012 18/04/2013 29/05/2013 30/11/2013 20/01/2014 27/03/2014 09/09/2014 20/10/2014 22/10/2014 20/02/2015

Leia mais

Como citar essa : Barbosa, GS. (1996). Perguntas na terapia familiar sistêmica: Um panorama histórico. Monografia apresentada no programa de Terapia

Como citar essa : Barbosa, GS. (1996). Perguntas na terapia familiar sistêmica: Um panorama histórico. Monografia apresentada no programa de Terapia Como citar essa : Barbosa, GS. (1996). Perguntas na terapia familiar sistêmica: Um panorama histórico. Monografia apresentada no programa de Terapia de Casal e Família na PUC-SP. Endereço de acesso: www.sobrare.com.br

Leia mais

8ª série Redes e Fluxos

8ª série Redes e Fluxos Marcos e Diamantino 5ª série Fundamentos 6ª série Brasil 7ª série Fronteiras 8ª série Redes e Fluxos Exemplos de abordagem temática Cartografia Geografia Física Cartografia A cartografia não é estudada

Leia mais

Matemática & Finanças: o homem que calculava e negociava

Matemática & Finanças: o homem que calculava e negociava : o homem que calculava e negociava 13 de novembro de 2006 Outline 1 2 3 Mercado de Capitais Negociação de títulos fungíveis. Um bem é fungível se pode ser facilmente trocado ou substituído por outro de

Leia mais

Linha 1: Estado, Território e Dinâmicas Sócio-ambientais na Amazônia. Linha 2: Produção Discursiva e Dinâmicas Sócio-Territoriais na Amazônia

Linha 1: Estado, Território e Dinâmicas Sócio-ambientais na Amazônia. Linha 2: Produção Discursiva e Dinâmicas Sócio-Territoriais na Amazônia Áreas de Concentração e Linhas de Pesquisa Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia Linhas de Pesquisa: Linha 1: Estado, Território e Dinâmicas Sócio-ambientais na Amazônia Investiga a região amazônica

Leia mais

A floresta de araucária é colocada no mercado da madeira

A floresta de araucária é colocada no mercado da madeira A floresta de araucária é colocada no mercado da madeira . Proprietários Capital Força Valor da Francisco Azevedo Muller Amazonas A. Marcondes Produção Nº. de operários 14:000$ 9 C. V. 10:000$000 5 18:000$

Leia mais

Por SUPERNOVA PROGRAMAÇÃO & DESIGN. SEO Básico para Sites 2015 SUPERNOVA

Por SUPERNOVA PROGRAMAÇÃO & DESIGN. SEO Básico para Sites 2015 SUPERNOVA Por SUPERNOVA PROGRAMAÇÃO & DESIGN SEO Básico para Sites 2015 SUPERNOVA Publicado por: SUPERNOVA PROGRAMAÇÃO & DESIGN Autores: Liz Albuquerque e Nicolas Medina 2 3 Sobre este Livro 4 SEO Básico para Sites

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Reunião Extraordinária Audiência Pública Comissão Nacional do Esporte

Reunião Extraordinária Audiência Pública Comissão Nacional do Esporte MINISTÉRIO DO ESPORTE Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social Reunião Extraordinária Audiência Pública Comissão Nacional do Esporte MINISTÉRIO DO ESPORTE Secretaria Nacional de

Leia mais

OLÍMPIO J. DE ARROXEIAS GALVÃO

OLÍMPIO J. DE ARROXEIAS GALVÃO I OLÍMPIO J. DE ARROXEIAS GALVÃO POLITICAS REGIONAIS NA UNIÃO EUROPEIA E LIÇÕES PARA O BRASIL 1 a Reimpressão Fortaleza Banco do Nordeste do Brasil 2012 Sumário LISTA DE ILUSTRAÇÃO 6 LISTA DE MAPAS. 7

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO Nº 14/2008, DE 25 DE JULHO DE 2008 Regulamenta o planejamento, acompanhamento e registro das Atividades Complementares, necessárias à integralização

Leia mais

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais

Coordenadores: Prof. Luis E. Aragón, Universidade Federal do Pará, Belém Prof. José Aldemir de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas, Manaus

Coordenadores: Prof. Luis E. Aragón, Universidade Federal do Pará, Belém Prof. José Aldemir de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas, Manaus ST7 - A Amazônia no cenário sul-americano Coordenadores: Prof. Luis E. Aragón, Universidade Federal do Pará, Belém Prof. José Aldemir de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas, Manaus Introdução Esta

Leia mais

Clima e sociedade: Rumo a um uso mais eficaz das informações de clima e tempo no Ceará

Clima e sociedade: Rumo a um uso mais eficaz das informações de clima e tempo no Ceará Clima e sociedade: Rumo a um uso mais eficaz das informações de clima e tempo no Ceará FUNCEME / IRI-Univ. Columbia / Univ. Arizona Janeiro de 2006 Renzo Taddei IRI-Univ. Columbia Terra em transe 2005

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 021/2012-CONSU/UEAP

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 021/2012-CONSU/UEAP UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 021/2012-CONSU/UEAP Aprova a matriz curricular do Curso de Especialização em Economia Verde. A Presidente do Conselho Superior

Leia mais

COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR

COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR Roteiro de Geografia - Professor: Vilson P. Rodrigues - 7 Ano B Primeiro Bimestre de 2010 Observações Gerais: Alunos e Senhores Pais de Alunos - O roteiro sempre estará

Leia mais

microproduções agrícolas e desenvolvimento sustentável em regiões periféricas

microproduções agrícolas e desenvolvimento sustentável em regiões periféricas microproduções agrícolas e desenvolvimento sustentável em regiões periféricas Luís Tibério Artur Cristóvão Sónia Abreu resumo: abstract: Territories. 5 microproduções agrícolas e desenvolvimento sustentável

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS Renata Pinto Dutra Ferreira Especialista Administração de Sistemas de Informação Instituto Presidente Tancredo de Almeida

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro FEVEREIRO DE 2014 BRASIL O saldo líquido de empregos formais em fevereiro deste ano foi de 260.823 em todo o país, segundo o Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

Cartilha de princípios

Cartilha de princípios Cartilha de princípios 2 MTST - Cartilha de princípios AS LINHAS POLÍTICAS DO MTST O MTST é um movimento que organiza trabalhadores urbanos a partir do local em que vivem: os bairros periféricos. Não é

Leia mais

CONCEITOS TERRITORIAIS. Prof. Rogério

CONCEITOS TERRITORIAIS. Prof. Rogério CONCEITOS TERRITORIAIS Prof. Rogério CONCEITOS TERRITORIAIS ORIGEM E FORMAÇÃO HISTÓRICA DO TERRITÓRIO: Final do século XV expansão marítima; Extração de recursos naturais; AMÉRICA PORTUGUESA: Domínio desde

Leia mais

Assimetrias Regionais

Assimetrias Regionais Assimetrias Regionais Um olhar sobre a pós-graduação brasileira Marcelo Viana Ciência, Tecnologia e Inovação Visões da Jovem Academia Concessão de bolsas de pós-graduação no país Distribuição de discentes

Leia mais

SISTEMA FOTOVOLTAICO DIESEL DE ARARAS RO ANEEL / UFSC / GUASCOR. Prof. Ricardo Rüther Universidade Federal de Santa Catarina

SISTEMA FOTOVOLTAICO DIESEL DE ARARAS RO ANEEL / UFSC / GUASCOR. Prof. Ricardo Rüther Universidade Federal de Santa Catarina SISTEMA FOTOVOLTAICO DIESEL DE ARARAS RO ANEEL / UFSC / GUASCOR Prof. Ricardo Rüther Universidade Federal de Santa Catarina Atlas de Irradiação Solar do Brasil Média anual da irradiação na Região Norte

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA AULA. Conteúdo: O Lixo nas Cidades

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA AULA. Conteúdo: O Lixo nas Cidades Conteúdo: O Lixo nas Cidades Habilidade: Identificar as principais consequências do manejo inadequado do lixo. Revisão Unidade 1: O Sujeito, Educação e Espaço Urbano. Apresentação da Unidade 2: O homem

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

Vários Brasis CONCEITOS A EXPLORAR COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. B iologia. Ecossistemas. Cadeias, pirâmides e teias alimentares.

Vários Brasis CONCEITOS A EXPLORAR COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. B iologia. Ecossistemas. Cadeias, pirâmides e teias alimentares. CONCEITOS A EXPLORAR B iologia Ecossistemas. Cadeias, pirâmides e teias alimentares. G eografia Domínios morfoclimáticos. Região e planejamento regional. Desenvolvimento sustentável e preservação ambiental.

Leia mais

Regras dos Jogos da Exposição Matemática em Jogo. Alquerque

Regras dos Jogos da Exposição Matemática em Jogo. Alquerque Regras dos Jogos da Exposição Matemática em Jogo Alquerque (Regras de Afonso X) Colocam-se as peças no tabuleiro (em número de 7 ou 12 para cada jogador), como na figura. Os jogadores jogam alternadamente,

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO POTRO FUTURO - 2015

FICHA DE INSCRIÇÃO POTRO FUTURO - 2015 FICHA DE INSCRIÇÃO POTRO FUTURO - 2015 POTRO FUTURO ABERTA Fone: (... )... E-mail... FICHA DE INSCRIÇÃO POTRO FUTURO - 2015 POTRO FUTURO AMADOR CAMPEONATO NACIONAL ABERTA JUNIOR Fone: (... )... E-mail...

Leia mais

QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI

QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI PESSOA JURÍDICA E PESSOA FÍSICA MARÇO/2015 Brasília - DF A KUSER S/A APRESENTA LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CORRETORES DE IMÓVEIS, IMOBILIÁRIAS E DEMAIS

Leia mais

MÍDIA IMPRESSA E INTERNET CLIPPING FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PIAUÍ-FIEPI

MÍDIA IMPRESSA E INTERNET CLIPPING FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PIAUÍ-FIEPI MÍDIA IMPRESSA E INTERNET CLIPPING FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PIAUÍ-FIEPI 17/09/2014 VEÍCULO: Portal AZ EDITORIA/SEÇÃO: Esporte Local DATA: 16/09/2014 13:59 Jogos do SESI: Piauienses voltam

Leia mais

ENCAMINHAMENTOS FINAIS Ao longo das discussões alguns encaminhamentos foram indicados em torno dos diferentes temas constantes da pauta.

ENCAMINHAMENTOS FINAIS Ao longo das discussões alguns encaminhamentos foram indicados em torno dos diferentes temas constantes da pauta. XXI Encontro Nacional do Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros de Educação ou Equivalentes das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) Campinas-SP/novembro/2005 No período 24 a 26 de

Leia mais

A NORMA ABNT 15450 : 2006 ACESSIBILIDADE DE PASSAGEIROS NO SISTEMA DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

A NORMA ABNT 15450 : 2006 ACESSIBILIDADE DE PASSAGEIROS NO SISTEMA DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO - SEMINÁRIO SOBRE ACESSIBILIDADE NOS TRANSPORTES COLETIVOS - A NORMA ABNT 15450 : 2006 ACESSIBILIDADE DE PASSAGEIROS NO SISTEMA DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Palestrante : Angela Costa Werneck de Carvalho Coordenadora

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

Energia nossa de cada dia

Energia nossa de cada dia Semana Estado de Jornalismo Ambiental Energia nossa de cada dia Alexandre Uhlig São Paulo, 4 de junho de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA BILINGUE E MULTICULTURAL NO BRASIL Educação Específica e Diferenciada

EDUCAÇÃO INDÍGENA BILINGUE E MULTICULTURAL NO BRASIL Educação Específica e Diferenciada EDUCAÇÃO INDÍGENA BILINGUE E MULTICULTURAL NO BRASIL Educação Específica e Diferenciada Processo Histórico Educação escolar diferenciada: uma história de curta duração... Constituição Federal de 1988 Brasil

Leia mais

Panoramas da Comunicação Digtal 3º período 2014/2. Lúcio Carvalho www.luciocarvalho.com

Panoramas da Comunicação Digtal 3º período 2014/2. Lúcio Carvalho www.luciocarvalho.com Panoramas da Comunicação Digtal 3º período 2014/2 Lúcio Carvalho www.luciocarvalho.com 1 30/07 Apresentação pessoal. Experiências com SEO. Experiência com portal. Experiência com web em pesquisas. Importância

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 26 DE OUTUBRO PALANQUE-PRAÇA SÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO. Componente Curricular: GEOGRAFIA Professor (a): MARIELI ANDRÉIA WISNIESKI Ano/ Série: 1º Turma: A e B Mês: FEVEREIRO

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO. Componente Curricular: GEOGRAFIA Professor (a): MARIELI ANDRÉIA WISNIESKI Ano/ Série: 1º Turma: A e B Mês: FEVEREIRO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano/ Série: 1º Turma: A e B 09/02 Recepcionar os alunos para o início Conhecer a dinâmica de trabalho da 10/02 Fixar e revisar conhecimentos já

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Análise de Links e Busca na Web

Análise de Links e Busca na Web Análise de Links e Busca na Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti PageRank O PageRank é uma espécie de fluido que circula pela rede Para uma rede com n nós, o PageRank é calculado da seguinte

Leia mais

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AUP0270 A Formação do Espaço Nacional Planejamento de Estruturas Urbanas e Regionais II Transportes e Impacto Ambiental na Região Amazônica

Leia mais

Os Herdeiros Pierre Bourdieu e Jean-Claude Passeron

Os Herdeiros Pierre Bourdieu e Jean-Claude Passeron Os Herdeiros Pierre Bourdieu e Jean-Claude Passeron A escola transforma as desigualdades sociais (culturais) em desigualdades escolares. Os estudantes mais favorecidos, não só devem ao meio de origem os

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE QUÍMICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na

Leia mais

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Painel: Inovação e Exploração de Fontes Locais de Conhecimento Bertha K. Becker Laget/UFRJ BNDES 30/11/2010 Problemática: Reconhecimento

Leia mais

A REPRODUÇÃO SOCIAL BRASILEIRA EM ALAGOAS: Notas históricas sobre a economia de acumulação entravada e a sociedade de elite no contexto alagoano

A REPRODUÇÃO SOCIAL BRASILEIRA EM ALAGOAS: Notas históricas sobre a economia de acumulação entravada e a sociedade de elite no contexto alagoano FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO Pós Graduação Estruturas ambientais urbanas Disciplina AUP 5840 O mercado e o Estado na organização da produção capitalista Monografia de conclusão 2012 Luiz Felipe

Leia mais

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA AS LICENCIATURAS NA AMAZÔNIA: NÃO HÁ ENSINO SEM PESQUISA E PESQUISA SEM ENSINO Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2171 C/H 102 Fundamentos e concepções sobre a organização curricular

Leia mais

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 90/2015 DE 08 DE SETEMBRO DE 2015. Regulamenta os trabalhos de graduação dos cursos superiores da Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente. O diretor da Faculdade

Leia mais

80 SÉRIE 2º CÓD AUPA301

80 SÉRIE 2º CÓD AUPA301 FACULDADE: LETRAS, ARTES, COMUNICAÇÃO E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO: Arquitetura e Urbanismo DISCIPLINA: Fundamentos de projeto de Arquitetura II ANO 2012 Currículo: C/ H ANUAL 80 SÉRIE 2º CÓD AUPA301 7

Leia mais

Ensino Médio 3ª Série.

Ensino Médio 3ª Série. Ensino Médio 3ª Série. Divisão e Dinâmica Regional Brasileira INTRODUÇÃO 1ª PARTE: DIVISÃO REGIONAL DO BRASIL 2ª PARTE: DINÂMICA REGIONAL BRASILEIRA Regionalização A divisão de um espaço ou território

Leia mais

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II BRASIL REGIONALIZAÇÕES QUESTÃO 01 - Baseado na regionalização brasileira, apresentados pelos dois mapas a seguir, é INCORRETO afirmar que: Mapa I Mapa II A B D C a. ( ) O mapa II apresenta a divisão do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 011/2006

RESOLUÇÃO Nº 011/2006 RESOLUÇÃO Nº 011/2006 Confere com original CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Informática aplicada à Educação, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE

Leia mais

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Painel Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saneamento Básico Zélia Bianchini Diretoria de Pesquisas 1 São Paulo, 08/10/2013

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 Isaac A. Coimbra Lou SEI/BA Lis Helena Borges Bolsista/IPEA Roberta Pimenta Bolsista/IPEA Brasília, Março de 2013 SUMÁRIO

Leia mais

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009.

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009. Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade Brasília, outubro de 2009. O uso do crack e cocaína: contexto e estratégias de cuidados à saúde PEDRO GABRIEL DELGADO Coordenação de

Leia mais

ESPAÇO NACIONAL E AMAZÔNIA A CONCEPÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO

ESPAÇO NACIONAL E AMAZÔNIA A CONCEPÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO Título da pesquisa O ESTADO BRASILEIRO E O PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ESPAÇO NO ACRE Simone Martinoli Madeira Campos ESPAÇO NACIONAL E AMAZÔNIA A CONCEPÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO TRABALHO PROGRAMADO 2 VERSÃO

Leia mais

ERETZ YISROEL: TERRITÓRIO E IDENTIDADE JUDAICA

ERETZ YISROEL: TERRITÓRIO E IDENTIDADE JUDAICA ERETZ YISROEL: TERRITÓRIO E IDENTIDADE JUDAICA ESPAÇO E CULTURA, UERJ, N. 6, JUL/DEZ DE 1998 ESPAÇO E CULTURA, UERJ, N. 6, JUL/DEZ DE 1998 ESPAÇO E CULTURA, UERJ, N. 6, JUL/DEZ DE 1998 ESPAÇO E CULTURA,

Leia mais

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 MS -Áreas/ coordenações -Programas específicos Núcleo: Coordenação técnicopolítica - Grupo de apoio técnico - Consultores regionais SES - Gestor Estadual - Grupos Técnicos

Leia mais

O Plano de Integração Nacional de 1970 e as rodovias na Amazônia: o caso da região amazônica na política de integração do território Nacional.

O Plano de Integração Nacional de 1970 e as rodovias na Amazônia: o caso da região amazônica na política de integração do território Nacional. O Plano de Integração Nacional de 1970 e as rodovias na Amazônia: o caso da região amazônica na política de integração do território Nacional. Aluno Bernardo Pacheco Loureiro N USP 4355431 AUP 270 A formação

Leia mais

Nova geração de políticas para o desenvolvimento sustentável

Nova geração de políticas para o desenvolvimento sustentável Nova geração de políticas para o desenvolvimento sustentável Helena M M Lastres Secretaria de Arranjos Produtivos e Inovativos e Desenvolvimento Local Rio de Janeiro, 1 de dezembro de 2010 Novas geração

Leia mais

Universidade Federal do Ceara UFC Centro de Ciências Agrárias Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Disciplina: Seminário IA

Universidade Federal do Ceara UFC Centro de Ciências Agrárias Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Disciplina: Seminário IA Fortaleza CE Janeiro/2013 Universidade Federal do Ceara UFC Centro de Ciências Agrárias Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Disciplina: Seminário IA Renata Nayara Câmara M. Silveira Engenheira

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS

PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS NOTAS METODOLÓGICAS A Pesquisa Mensal de Serviços - PMS tem por objetivo produzir indicadores que permitam o acompanhamento da evolução conjuntural do setor de serviços empresariais

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA NÚCLEO DE ENFERMAGEM

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA NÚCLEO DE ENFERMAGEM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DE VITÓRIA NÚCLEO DE ENFERMAGEM CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 56, de 6 de JUNHO de 06, publicado

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Currículo iniciado em 2015) ADMINISTRAÇÃO 102 h/a 1975 Breve histórico e fundamentos da administração. Perspectivas da administração: clássica,

Leia mais

UFU 2014 Geografia 2ª Fase

UFU 2014 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 1 (Geopolítica) A região representada no mapa conta com quase dois terços das reservas mundiais de petróleo. Nas últimas décadas, o controle sobre essas fontes de petróleo foi a principal causa

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR

COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR COLÉGIO ADVENTISTA DE CIDADE ADEMAR Roteiro de Geografia - Professor: Vilson P. Rodrigues - 7 Ano A Primeiro Bimestre de 2010 Observações Gerais: Alunos e Senhores Pais de Alunos - O roteiro sempre estará

Leia mais

CALENDÁRIO ACADÊMICO FATTEP 2015

CALENDÁRIO ACADÊMICO FATTEP 2015 CALENDÁRIO ACADÊMICO FATTEP 2015 JANEIRO 2015 MARÇO 2015 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 06 PCEB - Início do Programa Caminhão Escola Básico

Leia mais

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira É a divisão de um espaço ou território em unidades de área que apresentam características que as individualizam. A regionalização

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento socioeconômico. Ao sul do continente, estão países

Leia mais

TRABALHO COLABORATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE MATEMÁTICA

TRABALHO COLABORATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE MATEMÁTICA TRABALHO COLABORATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE MATEMÁTICA Sheila Salles 1 Unesp/Rio Claro shesalles@hotmail.com Dr. Laurizete Ferragut Passos 2 Unesp/Rio Claro laurizet@terra.com.br Público Alvo

Leia mais

COMUNIDADE NOVA ESPERANÇA - JORGE TEIXEIRA MANAUS/AM: A PRODUÇÃO E A REDE DE COMERCIALIZAÇÃO DE HORTALIÇAS

COMUNIDADE NOVA ESPERANÇA - JORGE TEIXEIRA MANAUS/AM: A PRODUÇÃO E A REDE DE COMERCIALIZAÇÃO DE HORTALIÇAS COMUNIDADE NOVA ESPERANÇA - JORGE TEIXEIRA MANAUS/AM: A PRODUÇÃO E A REDE DE COMERCIALIZAÇÃO DE HORTALIÇAS Martha Benfica do Nascimento 1 martha_benfica@hotmail.com Licenciatura Plena em Geografia Universidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Métricas empresariais

Métricas empresariais Métricas empresariais 1 Índice 1. Lista de Indicadores Setoriais Pág. 4 2. Métricas de Marketing Geral Pág. 5. Métricas de Propaganda Pág. 4. Métricas de Promoção Pág. 7 5. Métricas de Distribuição Pág.

Leia mais

Capítulo 2 Web 2.0 22

Capítulo 2 Web 2.0 22 2 Web 2.0 Uma vez que o presente trabalho está intensamente relacionado à Web 2.0 (muitas tecnologias da mesma são utilizadas pela equipe estudada, que precisam de melhorias), torna-se necessário entender

Leia mais

ANÁLISE DE RESULTADOS Nome do Cliente Março (2012)

ANÁLISE DE RESULTADOS Nome do Cliente Março (2012) ANÁLISE DE RESULTADOS Nome do Cliente Março (2012) SEO Otimização para mecanismos de busca Introdução SEO O dados que serão mostrados compreendem a informações apenas dos mecanismos de busca (orgânico)

Leia mais

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista ampliado

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista ampliado COMENTÁRIOS Em maio, o Comércio Varejista do País apresentou variações em relação ao mês anterior ajustadas sazonalmente, de 0,5% para o volume de vendas e de 1,0% para a receita nominal. Quanto à média

Leia mais

Fusos Horários do Brasil

Fusos Horários do Brasil CARTOGRAFIA Fusos Horários do Brasil Por causa de seu movimento de rotação, a Terra apresenta dias e noites. Como consequência, vários pontos da superfície do planeta apresentam diferença de horários.

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

Seminário: Inovação e Tecnologia no Desenvolvimento da Amazônia. 28 de Novembro de 2013

Seminário: Inovação e Tecnologia no Desenvolvimento da Amazônia. 28 de Novembro de 2013 Seminário: Inovação e Tecnologia no Desenvolvimento da Amazônia 28 de Novembro de 2013 PAINEL 1: Estratégias para a Inovação Necessidades e Demandas Futuras Conceituação Inovação é o resultado positivo

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

COMENTÁRIOS TABELA 1 INDICADORES DE RECEITA NOMINAL DO SETOR DE SERVIÇOS, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES BRASIL - MAIO 2015

COMENTÁRIOS TABELA 1 INDICADORES DE RECEITA NOMINAL DO SETOR DE SERVIÇOS, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES BRASIL - MAIO 2015 COMENTÁRIOS O setor de serviços registrou no Brasil, no mês de maio de 2015, um crescimento nominal de 1,1%, na comparação com igual mês do ano anterior, inferior às taxas de abril (1,7%) e março (6,1%),

Leia mais

Unidade Lec*va 3 População e território

Unidade Lec*va 3 População e território Unidade Lec*va 3 População e território As divisões geográficas de Orlando Ribeiro (1945): Norte Atlântico Noroeste Atlântico Beira Litoral Cordilheira Central Norte Transmontano Sul Mediterrâneo Estremadura

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Vendas e negociação de alta performance

Vendas e negociação de alta performance Palestra Vendas e negociação de alta performance Proposta técnica o Objetivo: Capacitar os participantes a desenvolverem padrões de comportamento e metodologia para um processo de vendas e negociação eficaz.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROVIMENTO DE UM CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERENAMBUCO,

Leia mais