Fluxo de caixa: estrutura e importância dessa verdadeira bola de cristal para a empresa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fluxo de caixa: estrutura e importância dessa verdadeira bola de cristal para a empresa"

Transcrição

1 Fluxo de caixa: estrutura e importância dessa verdadeira bola de cristal para a empresa Lana M. Abi Sanabria Edison Luiz Leismann Elisângela Maria da Silva Marluci demozzi Resumo Pretende-se com este trabalho abordar os aspectos fundamentais do fluxo de caixa avaliando as alternativas de investimentos e as razões das mudanças da situação financeira da empresa, como é implantado e como funciona este importante controle para tomada de decisões. Ressaltando que todas as demonstrações financeiras, têm suas funções e suas importâncias, cada uma em seu tempo ou para uma determinada análise que se fará indispensável. Neste trabalho serão colocados somente os recursos que poderão ser usados como mapas de controle e que terão reflexo direto sobre o caixa da empresa. Palavras chave: Fluxo. Decisão. Mapas de controle. Análise. Informação. Abstract The aim of this work is address the key aspects of cash flow evaluating the investment alternatives and the reasons for the changes in financial position company, as it is located and how to control this important decision-making. Emphasizing that all financial statements have their functions and their importance, each one at a time or to a specific analysis that make itself indispensable. In this work will be placed only resources be used as control charts and that have direct bearing on the enterprise. Keywords: Flow. Decision. Control charts. Analysis. Information.

2 Introdução É importante ressaltar que todas as demonstrações financeiras têm suas funções e importâncias, cada uma em seu tempo ou para uma determinada análise que se fará indispensável. Como a maioria das empresas está passando por uma crise financeira, que abalou as melhores expectativas de qualquer empresário, será necessário procurar um sistema muito bem estruturado de fluxo de caixa para aperfeiçoar a tomada de decisão. Com este estudo procuramos demonstrar que toda empresa necessita de controles eficientes sobre entradas e saídas de valores em um determinado período de tempo, sendo indispensável para o gerenciamento da empresa independente do tamanho e do tipo de atividade econômica que poderá ser usado com segurança e auxiliará o empresário na tomada de decisões. Mostrar-se-á também a realidade da empresa a curto, médio e longo prazo e a importância da programação de pagamentos e recebimentos, demonstrando que dela depende todos os investimentos na empresa. No estudo de implantação e análise de fluxo de caixa por ser um trabalho de extrema importância para a empresa acreditamos que o maior problema seria sem dúvida a coleta de informações consistentes nos vários setores da empresa. Procurar-se-á mostrar de forma objetiva a maneira correta de se fazer um ótimo controle para a empresa englobando os diversos setores e suas particularidades, gerando uma perfeita sincronização de contas a pagar e a receber para fazer frente aos compromissos assumidos. Fluxo de caixa É uma poderosa ferramenta de controle financeiro usada pelo administrador que tem como principal objetivo a tomada de decisões, onde o mesmo deverá estar atento ao planejamento e controle dos recursos financeiros da empresa, mas sem deixar de considerar a solidez financeira da mesma. O fluxo de caixa da empresa consiste em implantar uma estrutura de informações útil, prática e econômica. A proposta é dispor de um mecanismo seguro para estimar os futuros ingressos e desembolsos de caixa na empresa. ZDANOWICZ (2004 p.125).

3 Objetivos do fluxo de caixa De acordo com Santos (2001 p.57) [...] o fluxo de caixa é um instrumento de planejamento financeiro, que tem por objetivo fornecer estimativas da situação de caixa da empresa em determinado período [...]. Ele funciona como uma verdadeira bola de cristal para que o administrador possa ter condições de prever déficit ou superávit no decorrer dos meses, fazendo um planejamento correto no caso de déficit, conversando com fornecedores solicitando prazos maiores e no caso de superávit poderá escolher a aplicação mais rentável possibilitando o planejamento de suas ações futuras ou acompanhamento do desempenho de real sua empresa. Além disso, oferece aos usuários informações relevantes sobre entradas e saídas possibilitando com isso dar transparência á situação financeira da empresa e auxiliar na tomada de decisões. O fluxo de caixa como ferramenta de controle permite aos administradores de uma empresa ter uma avaliação mais ampla da real capacidade de geração de caixa com o fim de honrarem compromissos e das necessidades de financiamentos além de demonstrarem a origem e o destino dos valores, isto é, onde estão sendo investidos. Vantagens Para Zdanowicz (2007p. 145) [...] o fluxo de caixa tem como objetivo fundamental projetar entradas e saídas de recursos financeiros para determinado período, visando à necessidade de captar empréstimos ou aplicar sobras de caixa de modo seguro [...]. Uma das principais vantagens seria criar condições para que os recebimentos e os pagamentos sigam critérios técnico-gerenciais e não fiscais, sendo considerado um dos principais instrumentos de análise e avaliação real de uma empresa, auxiliando a percepção sobre a movimentação dos recursos em um determinado período, planejar pagamentos em datas corretas evitando a inadimplência, ter um saldo de caixa para eventuais despesas, programar aplicações depois de verificado o tempo de sobra de caixa, equilibrar entradas e saídas, e por fim analisar empréstimo menos onerosos para eventual necessidade. A sua adoção como ferramenta gerencial proporciona ainda que a empresa tenha:

4 Um auto planejamento utilizando-o como base; Uma visão de curto e médio prazo; Um planejamento de investimentos; Capacidade de tomar decisões rápidas; Desvantagens Também de acordo com Zdanowicz (2007. p153) [...] o fluxo de caixa poderá apresentar algumas limitações, dependendo da forma como será utilizado e da importância que receber da direção e gerencia [...]. Suas principais limitações seriam o custo adicional para se manter um profissional capacitado e com conhecimento das atividades operacionais da empresa, a falta de habilidade do administrador para coordenar a equipe a fim de serem repassadas informações com consistência e confiabilidade. A falta de atenção, pois basta um erro e todo o fluxo estará comprometido, falta de apoio da alta direção no planejamento e controle financeiro, distorções de valores projetados. Planejamento de Fluxo de Caixa Na visão de Zdanowicz (2004.p 128) [...] como toda empresa tem mais de uma espécie de necessidade financeira, precisa ter estimativas com prazos variáveis, de acordo com as respectivas finalidades. Todo planejamento de caixa depende do tamanho e do ramo de atividade de uma empresa, deve-se levar em consideração o planejamento para dar continuidade a projetos que dependendo de como estará a situação financeira, poderão continuar, serem adiados ou abandonados de vez. Para isso existem três tipos de planejamentos de fluxos de caixa: O planejamento operacional que também de acordo com Zdanowicz (2004.p.128) [...] o modelo diário fornecerá a posição dos recursos em função do ingresso e desembolsos de caixa, constituindo-se em poderoso instrumento de planejamento e controle financeiro para a empresa. É aquele em que as entradas e saídas de caixa são projetadas para o mês, a semana ou o dia seguinte. É um controle preciso das disponibilidades a fim de

5 diminuir os encargos financeiros dos empréstimos e maximizar os rendimentos das aplicações. Este fluxo deverá ser atualizado diariamente fazendo-se a comparação entre previsto e realizado para evitarem-se possíveis falhas, ou gerando falta de recursos para o mesmo. O planejamento de curto prazo que ainda segundo Zdanowicz (2004.p128) [...] um programa de investimentos intensivo por parte de empresa, torna-se conveniente um planejamento mais detalhado, referente a um prazo menor [...]. Esse planejamento se dá quando a ocorrência do fluxo está dentro do plano anual de resultados, pois ele procura detalhar as entradas e saídas de dinheiro geradas pela atividade da empresa, e trabalha com relativo grau de certeza dos recebimentos e/ou pagamentos dentro do período. Para melhorar o fluxo de caixa em curto prazo é necessária a colaboração principalmente o departamento comercial que deverá vender o máximo possível a vista, evitando os clientes inadimplentes ou que paguem muito além do prazo e criando incentivos como descontos para clientes que antecipem seus pagamentos, para regularização de seus estoques. O planejamento em longo prazo onde Zdanowicz (2004.p. 177) nos esclarece que [...] é fundamental para as decisões de financiamento, o estabelecimento de linhas de crédito adequadas em longo prazo. Este fluxo compreende, geralmente, um planejamento de dois a cinco anos [...]. É quando a ocorrência de fluxos corresponde ao tamanho dos projetos de investimento e aos resultados em longo prazo (geralmente de cinco anos) que são recursos de terceiros, obtenção de empréstimos, pagamento do principal, e integralização de capital. Fica o fluxo de caixa em longo prazo sujeito a eventos estranhos ao conhecimento da empresa, podendo comprometer as previsões consideradas. Fatores que alteram os saldos de caixa Existem fatores internos que de acordo com Zdanowicz (1986, p 42) se dividem da seguinte forma: Alteração na política de vendas, decisões na área de produção, política de compras e política de pessoal. Essas decisões nem sempre são colocadas em prática juntas, pois na política de compra e vendas poderemos discutir os prazos de recebimento de duplicatas que

6 são uma das principais fontes de recursos do caixa, diminuição ou aumento de prazo de pagamentos e recebimentos, os juros recebidos ou pagos, dividendos recebidos de outras empresas, indenizações de seguros recebidas. Já nas decisões de área de produção teremos a política dos preços da matéria prima os prazos de entrega e pagamento o aumento ou diminuição de estoques de baixa rotatividade, a aquisição de novos equipamentos ou expansão da fábrica. E finalmente na política pessoal teremos o rodízio de funções com a demora no tempo de adaptação, política salarial, aumento ou diminuição do quadro funcional, treinamentos de pessoal. Além desses citados acima ainda teremos a integralização de capital que são os investimentos realizados pelos proprietários ou acionistas, mas somente se for em moeda corrente, empréstimos bancários e financiamentos oriundos de instituições financeiras, venda de itens do ativo permanente, recebimento menor que os prazos de pagamentos, excesso de imobilizados e a boa e fiel inflação. Os fatores externos (exógenos) estão relacionados com: a) Queda nas vendas por conta de uma redução na atividade econômica, - Não expandir o crédito, pois com a redução da atividade econômica, aumenta a inadimplência; - Redução do prazo médio dos recebimentos para aplicação em itens de maior rentabilidade; - Diminuir níveis de estoques; - Aplicações mais seguras nos níveis de produção (compra de matérias-primas, custos de mão de obra diretas e indiretas). b) Expansão da atividade econômica exerce pressão sobre a capacidade produtiva, gerando assim um aumento no volume de estoque, acréscimo das compras de matérias-primas, aumento das vendas, etc. c) Nos atrasos dos clientes deve-se fazer um controle rigoroso referente às duplicatas a receber e análise do prazo médio de recebimento efetivo. d) Concorrência nos preços e) Atraso nas entregas do produto f) Aumento nas alíquotas dos tributos e mudança nos prazos de recolhimentos. ZDANOWICZ (1986 p.42). As conseqüências dessas alterações do fluxo de caixa sem controle poderá gerar uma insuficiência crônica de caixa com captação de empréstimos e pagamentos de juros e correção monetária, maior sensibilidade diante das flutuações do mercado, atrasos de pagamentos de dívidas, concordatas, falências, redução nas atividades operacionais, contenção de custos.

7 O administrador deverá estar sempre atento a todas as mudanças tanto internas quanto externas para não gerar um fluxo com informações distorcidas. Também existem informações em que não há encaixe nem desembolso de valores que devem ser levadas em consideração na hora de fazer o fluxo para não serem colocadas no mesmo como: depreciações, amortizações e exaustão que são meras reduções do ativo, provisões duvidosas, estimativas de prováveis perdas de clientes, acréscimo ou diminuições de itens de investimentos pelo método de equivalência patrimonial, correção monetária onde poderá haver aumentos ou diminuições em itens de investimentos sem significar que houve vendas ou novas aquisições. Elaboração do fluxo de caixa De acordo com Zdanowicz (2004, 145) [...] deverão ser discriminados todos os valores a serem recebidos e pagos pela empresa. Quanto mais especificado for o fluxo de caixa, melhor será o controle [...]. A empresa precisa dispor de informações organizadas que permitam a visualização das contas a receber e a pagar e de todos os desembolsos, bem como de mapas auxiliares que vão mostrar a consistência, periodicidade, relevância dessas informações que dependerá da forma da empresa, de seu porte, disponibilidade financeira e a sua complexidade operacional. O fluxo é uma ferramenta de controle para o qual convergem os dados financeiros gerados em diversas áreas da empresa e por onde o administrador poderá programar suas compras e gastos bem como fixar prazos para vencimentos de suas dívidas em datas especificas garantindo assim os pagamentos dos mesmos sem desconto de duplicatas ou contratação de empréstimos bancários. Deve-se levar em conta ainda a projeção de vendas, considerando as vendas à vista e a prazo da empresa, estimativa das compras e condições de pagamentos, levantamento dos créditos a receber de clientes, determinação da periodicidade do fluxo de caixa, orçamento dos demais ingressos e desembolsos de caixa para o período, conhecimento de receitas e datas de entrada e despesas com data de vencimento, esses dados deverão ser os mais corretos possíveis, onde os seus responsáveis sejam conscientes da exatidão, clareza e confiabilidade quanto aos mapas de controle, data de entrega de dados e a responsabilidade das projeções, o comprometimento e treinamento do pessoal envolvido na implantação, a criação de

8 um manual como referência e o perfeito controle de documentos bancários servirão como apoio a implantação do mesmo. É muito importante considerar as oscilações que eventualmente venham a ocorrer onde será preciso fazer um ajuste dos valores projetados mostrando com isso a flexibilidade do fluxo de caixa, buscando maximização dos lucros, com um elevado grau de segurança, constituindo reservas para a empresa, obtendo uma maior liquidez nas aplicações dos excedentes não se esquecendo de fixar limites mínimos diários de caixa. Exemplo de fluxo de caixa implantado Para melhor entendimento demonstramos o fluxo de caixa dentro de uma Indústria de Alimentos em Nova Mutum no ano de 2009 e que realmente funciona como ferramenta de tomada de decisões. Ele é baseado em relatórios das contas á pagar e a receber, projeções de pagamentos, mapas de controle que não constam nos relatórios citados com valores aproximados e datas de pagamentos, controles bancários, previsões financeiras diárias e o fluxo propriamente dito com o fluxo previsto e o realizado. Projeções de pagamentos São todas as contas a pagar que não constam dos relatórios convencionais e que são muito importantes e devem ser levadas em consideração como: folha de pagamento, Inss, impostos(icms normal,icms substituição tributária, PIS,COFINS, IR), empréstimos bancários com valores relevantes que tem data fixa de pagamento, independente do mês, e que devem estar muito bem relacionados para se evitar de esquecer algum pagamento. Conforme figura abaixo:

9 Figura1- Projeções para Fluxo de Caixa DATAS DESCRIÇÃO VALORES 05 FOLHA PAGTO ,00 07 FGTS ,00 06 ICMS NORMAL ,00 09 ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIB ,00 15 PIS/COFINS 5.000,00 15 FINAMES ,00 20 INSS, FUNRURAL ,00 20 IMPOSTOS (IRRF,PIS) ,00 25 EMPRÉST BANC ,00 Fonte: Indústria Alimentos (2009) Controles de contratos Bancários Nos controles de contratos de Adiantamento de cambio deverão constar além da taxa de juros ao ano a data de vencimento, o valor em dólares com os respectivos valores em reais, a porcentagem de garantias em duplicatas e se será pago através de performance de Exportação que, nada mais é, que a compra do direito de exportação, de uma empresa exportadora para outra, realizada através de um Contrato de Compra de Performance de Exportação sempre que empresa compradora não possuir a mercadoria para embarcar ou de envio de documentos que são as notas fiscais de exportação. Tudo isso deverá ser atualizado diariamente conforme a variação do dólar e sempre que for pagamento de performance deveremos provisionar o valor antecipado ao vencimento do contrato com o banco além do prêmio da empresa e dos juros bancários.

10 Figura 2-Contratos de Acc BANCO BRADESCO- Limite U$ 2.500,000 CONTRAT O TAXA a.a CÂMBIO DATA VENCTO U$ TOTAL VL. REAIS Liquidad o 08/ ,00 % 30/03/ /07/ ,00 0 R$ ,0 0 Liquidad o 08/ ,00 % 30/03/ /08/ ,00 0 R$ ,0 0 Liquidad o 09/ ,00 % 1, /08/ /02/ ,00 0 R$ ,0 0 30%dupl 09/ ,50% 1, /09/ /03/ ,00 0 R$ ,0 0 30%dupl Fonte: Indústria Alimentos (2009) Podem-se fazer planilhas onde constem todos os empréstimos bancários, se forem Adiantamentos de Contratos de Cambio deverão ser atualizados diariamente em moeda forte e se for empréstimos em reais deverão ser divididos em parcelas conforme contrato e lançado as parcelas já com os juros atualizados. Figura 3- Contratos Capital de Giro BANCO BRASIL CCB CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO Limite R$ ,00 VALOR CONTRATO TAXAa.a VALOR PARCELA VALOR JUROS + CDI PAGO VENCTO 65544/09 8%+ CDI , , , ,90 07/12/ , , ,98 05/01/ ,74 05/02/ ,48 05/03/ ,16 05/04/10 Fonte: Indústria Alimentos (2009) ,32 05/05/10

11 Controles de compra de Matéria-Prima Também poderemos usar mapas de compra de matéria-prima que nos servirão de base para o fluxo previsto, onde devem constar os descontos de funrural se for produtores terceiros e desconto de capital social de forem associados além dos possíveis complementos ou devolução, os valores á serem pagos e as datas de vencimento. Todos estes controles deverão ser feitos diariamente, para evitar distorções no fluxo de caixa. Figura 4- Planilha Compra Suínos DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO SETOR: PCP Relatório Diário Abate Financeiro Data do Abate 01/dez Produtor N romaneio N Nota Fiscal Valor Desconto (Funrural) Desconto (Capital Social) Valor Pago Vencimento COOPERATIVA ASSOCIADO 981 R$ ,26 R$ 262,38 R$ ,88 15/01/10 ASSOCIADO R$ ,70 R$ 314,69 R$ ,01 15/01/10 ASSOCIADO R$ ,13 R$ 311,55 R$ ,58 15/01/10 ASSOCIADO R$ ,50 R$ 346,13 R$ ,38 15/01/10 ASSOCIADO R$ ,32 R$ 354,24 R$ ,08 15/01/10 Total R$ ,91 R$ 1.588,99 R$ ,92 TERCEIROS TERCEIROS R$ ,00 R$ 1.075,16 R$ ,84 16/12/09 TERCEIROS R$ ,00 R$ 404,48 R$ ,52 16/12/09 TERCEIROS R$ ,50 R$ 840,94 R$ ,56 09/12/09 Total Geral 01/12/09 R$ , ,58 R$ ,85 Fonte: Indústria Alimentos (2009) Controles Bancários Na parte operacional, que são os pagamentos e recebimentos de clientes, deverão ser coletadas todas as informações para começar a montagem do mesmo, usando-se de início um mapa auxiliar que seria um controle bancário onde se relacionam todos os bancos em planilhas separadas, isto é, cada banco tem uma planilha separada, onde são lançadas todas as despesas bancárias e os

12 recebimentos verificados nos extratos bancários impressos diariamente daquele banco, conforme abaixo: Figura 5- Modelo de Controle Bancário CONTROLE BANCÁRIO - BANCO DO BRASIL 14/09/09 22:42 DATA HISTÓRICO/DESCRIÇÃ O DÉBITO CRÉDITO SALDO BANCO SALDO A CONSIDERAR ,45 14/set Débito Férias ,18 14/set Débito tarifas 23,00 14/set Pagtos Diversos ,88 14/set Receb.Cobr ,00 14/set Depósito conta 950,60 SOMA , ,60 SALDO ATUAL ,99 Fonte: Indústria Alimentos (2009) Previsões Financeiras Para fazer a ligação de todas essas planilhas bancárias cria-se uma planilha principal com o nome de Previsão Financeira onde todas as outras estarão interligadas com os saldos finais de cada banco. Na parte superior desse mapa serão colocados todos os recebimentos diários e na parte inferior da planilha colocam-se os desembolsos que teremos que fazer em determinado dia como: pagamento de matéria prima que se divide em associados e terceiros, embalagens, secundários (usado na produção), diversas despesas, fretes impostos, folha de pagamento, juros bancários, pagamento de contratos, leasing, Finame, amortizações de empréstimos, projeções de investimentos, despesas com vendas e todos os pagamentos que irão ser feitos no dia e que diminuindo dos recebimentos teremos um saldo final diário, que seria o que ficaria em cada banco no final do dia para o dia seguinte conforme abaixo:

13 Figura 6- Previsões Financeiras PREVISÃO FINANCEIRA 14/09/2009 Saldo do Banco do Brasil ,83 Saldo do Banco Bradesco Lucas ,71 Saldo do Banco Bradesco Investimento- Lucas 5.223,41 Saldo da Sicredi Nova Mutum ,42 Saldo do Banco Daycoval 9.909,06 Saldo Banco Indusval Saldo do Banco Fibra 9.366, ,81 Saldo Banco HSBC Bank 6.266,65 Saldo Banco Real Abn Anro 4.981,84 Saldo da Caixa Ec.Federal 1.320,57 Saldo Banco Bradesco Pedágio 5.551, SALDO ATUAL/ DIA =============> , PAGAMENTOS DO DIA FORNECEDOR MATÉRIA-PRIMA ASSOCIADOS ,00 FORNECEDOR MATÉRIA-PRIMA TERCEIROS 5.000,00 FORNECEDOR MATÉRIA-PRIMA - MBL FORNECEDOR EMBALAGENS ,00 FORNECEDORES SECUNDARIOS 4.500,00 FORNECEDORES DIVERSOS ,00 FRETE ,00 RESCISÕES 2.450,00 AUXILIO EDUCAÇÃO ,00 TOTAL DOS PAGAMENTOS ================> = , SALDO DISPONIVEL (1+2-3) ,63 Fonte: Indústria Alimentos (2009) Nessa planilha os recebimentos dos clientes estão separados por bancos, pois no caso de inadimplência será mais fácil verificar e corrigir erros relacionados aos recebimentos de determinado banco como, por exemplo: o não envio de boletos pelos próprios bancos ou atraso no envio dos mesmos. Poderão ser colocados também os contratos de câmbios, ACC (Adiantamento sobre Contratos de Câmbio) que é a antecipação, em moeda nacional, de até 100% de sua exportação futura, podendo ser concedido

14 parcialmente para adequar o fluxo de caixa, enquanto se adquire matéria-prima para produzir e exportar. ACE (Adiantamento sobre Cambiais Entregues) que é a antecipação em moeda nacional o valor de contratos de exportação com mercadorias já embarcadas, câmbios prontos que são mercadorias vendidas ao exterior e recebidas normalmente através de depósitos bancários, além disso, teremos também os descontos de duplicatas caso necessitarmos. De acordo com Zdanowicz (2004, 136) [...] descontos e cauções de duplicatas é possível que a empresa mantenha com determinados bancos, faixas de desconto de duplicatas, que poderão ser fixas ou rotativas [...]. Baseado nisso toda empresa deverá observar um percentual de desconto com relação ao faturamento, destacando ainda que esse procedimento deva ser esporádico e não constante para não prejudicar a rentabilidade o que caracterizaria uma má administração. Não esquecendo que cada banco tem sua diferenciação quanto ao recebimento de cobranças, para alguns bancos o valor é creditado no dia seguinte outros necessitam de um dia á mais (D+1) para serem processadas e creditadas, sendo necessário ser deixado sempre um saldo de segurança caso a cobrança seja recebida em banco correspondente (valores que entram na compensação). Coloca-se em primeiro lugar o saldo inicial e após a soma de todos os recebimentos diários de cada banco descontando-se as tarifas e a seguir somam-se os recebimentos com o saldo anterior, tendo com isso um valor exato e real das disponibilidades, após vem a coluna dos pagamentos, onde separa-se por matériaprima,embalagens,secundários, diverso,fretes e despesas com recursos humanos e impostos. Somam-se todos os pagamentos colocando o saldo final e na próxima linha coloca-se o valor dos recebimentos menos os valores de pagamento com isso obtêm-se o saldo final que ficará disponível para o dia seguinte. Fluxos de caixa prévisto e realizado Uma das principais atividades de um bom administrador é a comparação entre o fluxo de caixa previsto e o fluxo de caixa realizado. O fluxo de caixa é o instrumento mais importante para o administrador financeiro, pois através dele, planeja as necessidades ou não de recursos financeiros a serem captados pela empresa. de acordo com a situação econômico-financeira da empresa ele irá

15 diagnosticar e prognosticar os objetivos máximos de liquidez e de rentabilidade para o período em apreciação, de forma quantificada em função das metas propostas. ZDANOWICZ (1992, p. 28) O principal objetivo é o de saber antecipadamente do montante de recursos financeiros e as médias de entradas e saídas visando um controle da real situação da empresa para saber antecipadamente onde deverá buscar recursos para poder fazer frente a eventuais necessidades financeiras em tempo hábil, pois é através das médias de pagamento e recebimentos diários que será possível estabelecer uma previsão mais aproximada da real situação da empresa para tomada de decisões. Fluxo de caixa previsto As empresas que mantém um fluxo de caixa previsto bem feito são as mais equilibradas financeiramente e apresentam as seguintes características: a) Há permanente equilíbrio entre os ingressos e os desembolsos de caixa; b) O capital próprio tende aumentar, em relação ao capital de terceiros; c) A rentabilidade do capital empregado é satisfatória; d) Menor necessidade de capital de giro; e) Há uma tendência para aumentar o índice de rotação de estoques; f) Os prazos médios de recebimentos e de pagamento tendem a estabilizar-se; g) Não há imobilizações excessivas de capital, nem ela é insuficiente para o volume necessário de produção e de comercialização; h) Não há falta de produtos prontos ou mercadorias para o atendimento das vendas. ZDANOWICZ (1986, p. 40). O fluxo previsto tem como principal objetivo informar como se comportará o fluxo de entradas e saídas de recursos financeiros em determinado período, pode ser projetado em curto prazo buscando identificar os excessos de caixa ou a escassez de recursos dentro de um período curto de tempo, traçando com isso uma adequação na política financeira com medidas para suprir as necessidades ou aplicar os excessos de caixa em longo prazo visando obter outras informações, como verificar a capacidade da empresa de gerar os recursos necessários para custear suas operações, determinar a necessidade de capital de giro no período, o índice de eficiência financeira da empresa que são os indicadores que expressam a relação entre as despesas operacionais da instituição e sua receita bancária, e por último determinar o grau de dependência de capitais de terceiros da empresa.

16 Fluxo de caixa Realizado De acordo com Gitman (1997 p.88) [...] a demonstração dos fluxos de caixa permite ao administrador financeiro e a outras pessoas interessadas analisar o passado e possivelmente o futuro de caixa da empresa. Sua principal finalidade é a de demonstrar como se comportam as entradas e as saídas de recursos financeiros da empresa em determinado período, além de propiciar análise de tendência, serve de base de comparativo entre os dois fluxos, possibilitando identificar os motivos das variações ocorridas, se ocorreram por falha de projeções ou por falhas de gestão, funciona como gerador de informações para o processo decisório e para o planejamento financeiro futuro. Exemplo de fluxo previsto e realizado em curto prazo e a diferença em percentual. Figura 7- Fluxo Previsto e Realizado MOVIMENTAÇÃO PREVISTO REALIZADO Percentual PREVISTO REALIZADO Percentual 1 - SALDO ANTERIOR , ,57 0% , ,76 148,26% 2 RECEBIMENTOS Banco indusval , ,02-14,84% Banco Daycoval , ,67 6,98% , ,43 0,42% Brasil 9.788,77 Banco Rural Emp , ,00 0,00% 115,12 Bradesco , ,49 7,70% , ,78 14,59% Sicredi , ,11 1,53% , ,16-2,69% SOMA , ,86 1,92% , ,02 39,28% 3 PAGAMENTOS Matéria-prima- Assoc , ,00 4,58% ,09 MOVIMENTAÇÃO PREVISTO REALIZADO Percentual PREVISTO REALIZADO Percentual Matéria-prima- Terceiros , ,76 0,00% , ,96-1,90% Matéria-prima- Mabella , ,37 0,12% 205,81 Fornecedores Embal , ,73-0,35% 3.654, ,98 0,00% Fornecedores Secun , ,98-0,06% 5.365, ,99 0,28% Fornecedores diversos , ,65-6,18% , ,15 31,84% Fretes , ,81 4,11% , ,38 64,95% Inss Folha , ,05 0,02% Imposto , ,55 6,39% Despesas com pessoal 4.126,96 64,55 Desp Bancárias 3.258, ,84 SOMA , ,10 0,33% , ,75 138,82% DISPONÍVEL ( ) , ,76 148,26% , ,27-43,42% Fonte: Indústria Alimentos (2009)

17 Analises de Fluxo de caixa De acordo com Silva (1995.p.26) [...] a análise financeira serve para avaliar decisões que foram tomadas pela empresa em épocas passadas, bem como fornece subsídio para o planejamento financeiro, visando o futuro. Essas análises são muito importantes, pois a empresa depende delas para verificar como foi no passado o comportamento da empresa quanto aos investimentos que foram feitos e como fará os próximos financiamentos de seus investimentos, se poderá fazer com recursos próprios, Finame ou com capital de terceiros e as formas de pagamentos dos mesmos. Está-se perdendo clientes ou não, a evolução das mercadorias produzidas dentro da empresas, isto é, se as mercadorias que produz são de qualidade e tem boa aceitação no mercado, se os prazos médio de recebimento não são maiores que os prazos de pagamentos, a desvalorização da moeda local, falência de clientes e o conseqüente não pagamento dos boletos bancários e outros fatores aleatórios que possam surgir. Dispor-se de recursos de captação de empréstimos bancários, negociação de prazos com fornecedores junto á clientes para antecipação de recebíveis. Temos dois tipos de analistas de fluxo de caixa, o analista externo que presta serviço para analisar o fluxo de caixa de uma empresa e que de acordo com Silva (2001.p. 421) [...] o analista externo á empresa não tem acesso aos pormenores relativos ao caixa, exceto quando se trata de analise de um projeto em longo prazo [...], e o analista interno que faz parte do quadro de funcionários da empresa e seria a pessoa que teria o conhecimento de todas as áreas e com isso estaria apto a realizar a comparação dos fluxos previstos e realizados diariamente controlando assim a movimentação bancária com boletins diários de caixas e bancos além do controle diário de pagamentos e recebimentos tendo por objetivo corrigir eventuais falhas, além do mais ele deverá ser desenvolvido de acordo com o ciclo operacional que é o tempo do período entre a data da compra de matéria prima até o recebimento de cliente ou o ciclo financeiro ou ciclo de caixa que é o tempo entre o pagamento ao fornecedor e o recebimento das vendas.

18 Formas de análise Quanto às formas de análises o autor nos fala: Não é raro encontrar a empresa em que a preocupação técnica é esmerada, com recursos técnicos adequados para projeção de valores e pouca (ou mesmo nenhuma) preocupação, mas abordagens são facilitadoras de processos e podem melhorar o entendimento do instrumento e sua melhor utilização. Como se poderá perceber muitos aspectos da análise podem ser feitos concomitantemente, de maneira unificada, ou mesmo durante a montagem dos dados; entretanto, por uma questão meramente didática, a análise foi separada em análise de consistência, análise comparativa e análise de otimização. (FREZATTI, 1997, p. 113) As análises de consistência são as que permitem verificar a consistência das informações se estão sendo corretamente utilizadas e interpretadas e os resultados alcançados, a adoção de um plano de contas detalhado e comparação dos resultados de vários períodos entre o previsto o realizado e o projetado, as análises comparativas tem como objetivo entender evolução do fluxo de caixa entre períodos comparando o mês e ano atual com o mesmo período no ano anterior e a melhor maneira de se comparar os períodos seria fazendo a conversão em moeda forte (dólar) ou pelo ajuste da inflação, e por último as análises de otimização onde se costuma fazer questionamentos de como melhorar o saldo do fluxo. Somente depois de ter feito a análise comparativa podemos fazer a análise de otimização considerando que existe consistência no fluxo elaborado é possível alternativa que permitam a empresa obter os melhores resultados na geração de caixa. De acordo com o autor durante a montagem de dados podem surgir questionamentos como: se o fluxo apresenta um longo tempo de saldo negativo onde o correto seria verificar o setor de compra e venda da empresa para evitar clientes inadimplentes, verificar prazos de pagamentos, ou antecipar recebimentos, a principal função de se fazer e usar o fluxo seria a mostra antecipada do déficit ou superávit possibilitando ao administrador tomar decisões antecipadas de como proceder. A principal necessidade de se fazer o fluxo previsto e realizado que seria analisar os fatos com antecedência, fazendo as comparações entre dois períodos iguais para acompanhar o comportamento da empresa, pois, dentro do processo decisório o fluxo de caixa diariamente atualizado e programado diminuiria consideravelmente os riscos de erros e a conseqüente falta de recursos,

19 possibilitando investimentos com prazos de pagamentos condizentes com a disponibilidade de valores presentes e a confiança nas informações prestadas aumentaria consideravelmente. Ainda de acordo com o mesmo autor poderia se estabelecer critérios de avaliação do fluxo onde a empresa deveria estabelecer metas de variação do fluxo de caixa realizado em relação ao previsto, por exemplo, se for diário a meta estaria num patamar menor de até 2,0%. Os responsáveis pela análise deveriam verificar quais as contas que exigem acompanhamento mais próximo; contas mais relevante em termos de saída de recursos; que tipo de controles e comparações deve ser efetuado para assegurar que a geração de caixa projetada esteja correta e finalmente como proceder em caso de excesso ou necessidade de caixa. Como melhorar o fluxo de caixa Negocie antecipadamente os prazos de recebimentos e pagamentos para obter mais consistência no fluxo de caixa; Ofereça descontos para pagamentos antecipados, descontos esses já previstos na negociação, e já provisionados; Crie um sistema de cadastro eficiente, coletando o maior número de informações do cliente, até mesmo solicitar a outras empresas informações desse cliente evitando com isso a inadimplência; É possível usar o sistema de permuta de serviços e mercadorias, isto é, se a empresa precisa fazer determinado serviço poderá permutar por mercadorias da própria empresa; Organização de estoques, pois dinheiro gasto em estoques é dinheiro parado, sem rendimentos, se poderá reduzir estoques ou não; Usar contratos de empréstimos bancários de longo prazo para fazer capital de giro como Acc, e contratos com entrega futura; Considerações Finais De acordo com o que foi pesquisado e descrito sobre o fluxo de caixa, podemos definir fluxo de caixa como uma bola de cristal usada com eficiência para se conseguir informações rápidas e precisas, na empresa em evidência ele é muito

20 usado para tomada de decisões com um grau de eficiência e consistência de informações muito eficazes onde cada detalhe faz uma grande diferença, com atualização e controles eficazes, recolhimento de informações em forma de planilhas e mapas de outros setores com confiança nas informações que é de muita importância para manter a empresa arrumada, e que pode ser decisivo para o sucesso ou o fracasso da decisão tomada. Observa-se que a princípio elabora-se um fluxo de caixa projetado, através de mapas auxiliares que servirão para compor o fluxo, com informações relevantes e que sejam confiáveis no qual deve ser especifico as entradas e saídas, após os pagamentos efetuados o fluxo de caixa deixa de ser projetado e passa a ser realizado. Isso servirá como base para a empresa fazer uma análise completa entre períodos. Através da análise de fluxo de caixa é possível identificar o ciclo de vida em que a empresa se encontra, auxiliando o gestor quanto à previsão de liquidez que é a capacidade da empresa de gerar recursos que podem rapidamente ser transformados em papel moeda ou solvência que é quando uma empresa tem condições de quitar suas dívidas. Por fim, percebemos que apesar de ser uma ferramenta com demonstrativos de qualidade e de fácil compreensão onde o maior beneficiado é o gestor da empresa, que permitem mensurar e acompanhar de forma eficaz e transparente a realidade das instituições a maioria dos pequenos e médios empresários deixam de utilizar esse valioso método para tomar as suas decisões, gerando com isso uma desconfiança para o mercado, pois o fluxo de caixa é um indicador importante onde demonstra como a empresa conseguirá quitar seus compromissos e que as empresas que não usam correm um grande risco de não terem controle sobre seus pagamentos e recebimentos gerando com isso certa instabilidade o que indica que este pode ser o motivo dessas empresas fecharem suas portas em tão pouco tempo. O fluxo de caixa é uma ferramenta de fácil acesso, onde os demonstrativos deverão de efetuados de acordo com o conhecimento do administrador sem seguir modelo padrão, sugere-se, no entanto que seja atualizado diariamente para não correr o risco de se perder informações.

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE FLUXO DE CAIXA Por: Adriana Sant Anna dos Santos Orientador Profº.: Luiz Claudio Lopes Alves D.Sc. Rio de Janeiro 2009 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Alexandre Prólico Szpyra 1 alexandre.prolico@battistella.com.br Everton Luiz do Nascimento 2 everton@tha.com.br Fabiano Salles de Andrade 3

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 1 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! 1- O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

FLUXO DE CAIXA IMPORTÂNCIA, COMPOSIÇÃO E APLICAÇÃO NAS EMPRESAS

FLUXO DE CAIXA IMPORTÂNCIA, COMPOSIÇÃO E APLICAÇÃO NAS EMPRESAS UNIGRANRIO - UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO CV & C - CONSULTORES ASSOCIADOS MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS FLUXO DE CAIXA IMPORTÂNCIA, COMPOSIÇÃO E APLICAÇÃO NAS EMPRESAS Fábio Castelo Branco Ponte de Araújo

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

FLUXO DE CAIXA -INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO E BASE DE APOIO AO PROCESSO DECISÓRIO Paulo Moreira da Rosa e Almir Teles da Silva

FLUXO DE CAIXA -INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO E BASE DE APOIO AO PROCESSO DECISÓRIO Paulo Moreira da Rosa e Almir Teles da Silva FLUXO DE CAIXA -INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO E BASE DE APOIO AO PROCESSO DECISÓRIO Paulo Moreira da Rosa e Almir Teles da Silva Introdução A crescente complexidade do processo administrativo

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos ÍNDICE Aplicativos TOTVS Smart Analytics 03 Controladoria 07 Financeiro 10 Materiais 11 Produção 15 Recursos Humanos 18 App Avaliação de Crédito Vl Limite Crédito Vl Limite Crédito Disponível Indica o

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I.

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 3 COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS Autor: Francisco Cavalcante Circular para: CAVALCANTE& ASSOCIADOS AOS NOSSOS LEITORES Up-To-Date

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL Renato Lopes da Silva (G UEM) Cristiani Passolongo Noveli (UEM) RESUMO O caixa da empresa é formado por seus ativos circulantes montantes depositados em contas bancárias

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com a felicidade do maior número possível de pessoas. Esta é a nossa missão! 1 Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com

Leia mais

Planejamento Financeiro Empresarial

Planejamento Financeiro Empresarial Planejamento financeiro empresarial 1 Planejamento Financeiro Empresarial Hinara Araújo Thé Prof: Héber Lavor Moreira E-mail: heber@peritocontador.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao planejamento financeiro

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

FLUXO DE CAIXA - FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

FLUXO DE CAIXA - FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Centro Universitário de Brasília FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADA - FASA CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: CONTABILIDADE GERENCIAL FLUXO DE CAIXA - FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL SILVESTRE QUEIROZ

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa Objetivo A demonstração dos fluxos de caixa identifica (a) as fontes de geração dos fluxos de entrada de caixa, (b) os itens de utilização de caixa durante

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Já Pensou em um Sistema de Gestão? Então Pense no GESTOR!

Já Pensou em um Sistema de Gestão? Então Pense no GESTOR! Já Pensou em um Sistema de Gestão? Então Pense no GESTOR! Conheça as vantagens de ter o sistema Gestor, como sua melhor ferramenta de trabalho! Clique sobre a imagem para mais detalhes Para mais detalhes

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

Fluxo de caixa nas organizações

Fluxo de caixa nas organizações Perquirere: Patos de Minas: UNIPAM, 8(2):259-270, dez. 2011 Fluxo de caixa nas organizações Dalila Gonçalves Rios Aluna da Pós-graduação em Gestão Empresarial, Graduada em Administração do Centro Universitário

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 COMO FAZER RAPIDAMENTE PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Projeção do Balanço, Resultado e do Caixa integrados Qual o melhor método para uma projeção rápida Finalidades

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: UM EFICIENTE INSTRUMENTO AUXILIADOR

FLUXO DE CAIXA: UM EFICIENTE INSTRUMENTO AUXILIADOR FLUXO DE CAIXA: UM EFICIENTE INSTRUMENTO AUXILIADOR LUANA PARDINHO BOINA Discente do Curso de Tecnologia em Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. EDNA MARIA DA SILVA COGGO Docente

Leia mais

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE DIAGNÓSTICO

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

versão 1.0 A Fórmula de 4 Passos Para Aumentar a Sua Produção e Receita

versão 1.0 A Fórmula de 4 Passos Para Aumentar a Sua Produção e Receita versão 1.0 A Fórmula de 4 Passos Para Aumentar a Sua Produção e Receita Sumário 1º Passo - Automatize Suas Atividades de Gestão... 5 Empresa do Grupo... 5 Banco... 5 Agência... 5 Conta Corrente... 5 Cliente...

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra. CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I Administração Financeira: uma visão geral. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.br) Introdução Todas as

Leia mais

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Custo financeiro alto CENÁRIO ATUAL Concorrência cada vez mais competitiva Consumidores que exigem maiores

Leia mais

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 DUDALINA S/A BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO DE 2014 (Valores expressos em milhares de reais) Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Administração. Alessandra de Almeida Rosa

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Administração. Alessandra de Almeida Rosa FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Administração Alessandra de Almeida Rosa A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NA GESTÃO FINANCEIRA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Pará de Minas 2013 1 Alessandra de Almeida

Leia mais

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico?

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico? COMO CONSTRUIR CENÁRIOS! O que é cenário macroeconômico?! Quais os elementos necessários para construção de cenários?! Etapas para elaboração de cenários macroeconômicos! Análise do comportamento das variáveis

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA EDITORA ATLAS Livro de Exercícios 9ª Edição VERSÃO DIGITAL (2010) SUMÁRIO Apresentação... 4 EXERCÍCIOS PROPOSTOS... 5 1 Introdução à administração

Leia mais