Português: Língua de oportunidades. Números que falam

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Português: Língua de oportunidades. Números que falam"

Transcrição

1 Português: Língua de oportunidades Números que falam

2 Agenda 1 A CPLP enquanto mercado económico 2 Economia IDE Fiscalidade Plataformas lusófonas Conclusões Slide 2

3 Slide 3

4 Economia Características e crescimento prospetivo 5% 4% 3.31% 3% 2.35% Crescimento médio PIB da economia mundial e da CPLP 4.04% 2.60% 4.37% 4.46% 4.51% 4.49% 3.24% 3.40% 3.38% 3.54% CPLP Características População CPLP 2012, % da população mundial PIB 2012, % do PIB mundial Água disponível na CPLP 2012, % mundo % 3,68% 3,67% 13,53% Comércio CPLP (% Quota Mundial) CPLP Total do comércio mundial Exportações totais CPLP Importações totais CPLP % - Valor 2% US$ 927 mil milhões 1,9% US$ 449 mil milhões 2,1% US$ 478 mil milhões 2% Terra arável disponível na CPLP, % mundo 5,86% CPLP Fonte: FMI, análise PwC, 2014 Mundo Petróleo % da produção mundial, 2014 Crude % das reservas mundiais identificadas, % 1.5% Gás natural % das reservas mundiais identificadas 1.8% Fonte: FMI, Banco Mundial, EIA, 2015 Slide 4

5 Economia A CPLP enquanto mercado económico País Extensão Territorial (em km 2 ) População PIB 2015 (milhões de US$) 1 PIB per capita Inflação Nível de IDH 2013 Índice de Liberdade Económica (World rank 2015) Angola % Baixo 158 Brasil % Elevado 118 Cabo Verde % Médio 60 Guiné-Bissau % Baixo 145 Guiné Equatorial % Médio 173 Moçambique % Baixo 125 Portugal % São-Tomé e Príncipe Muito Elevado % Médio 136 Timor Leste % Médio 167 CPLP [1] Dados de 2015, FMI [2]. Dado que o PIB per capita não leva em conta níveis de educação e de saúde como dimensões mais próximas do desenvolvimento social, considerou-se o índice de Desenvolvimento Humano (IDH), calculado pela ONU/PNUD. Os resultados do IDH variam entre zero (na ausência completa de bem-estar social) e um (pleno desenvolvimento humano). O Índice de Liberdade Económica (Index of Economic Freedom) da Heritage Foundation e avalia a a liberdade para a relaização de negócios; no comércio fiscais; intervenção do governo; monetária; de investimentos; financeira; corrupção; trabalho; e direitos de propriedade. 64 Slide 5

6 PIB mihões USD Evolução do CARG Economia Evolução económica PIB e CAGR 2,500,000 USD 13.56% 13.17% 15.00% 2,000,000 USD 1,500,000 USD 1,000,000 USD 10.32% 5.18% 4.34% 7.78% 1.61% 6.24% 2.95% -0.12% 10.08% 3.80% 8.30% 10.00% 5.00% -0.59% 0.00% 500,000 USD -2.93% -5.96% -3.38% -1.26% -5.00% - USD % PIB 2010 PIB 2015 PIB 2020 CARG 10/15 CARG 15/20 Fonte: FMI, dados 2014 Slide 6

7 Economia Evolução da composição do PIB da CPLP por EM 1% 9% 6% Composição do PIB CPLP 9% 5% 9% 3% Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Guiné Equatorial Moçambique Fonte: FMI, cálculos PwC, dados % 85% 84% Portugal São-Tomé e Príncipe Timor Leste Slide 7

8 Comércio internacional Comunidades económicas regionais e a CPLP Indicador SADC União Europeia CPLP CEEAC Mercosul CEDEAO Exportações intrarregião (milhões US$, 2012) Exportações intrarregião (% no PIB da região, 2012) 4,09% 21,90% 0,62% 0,47% 2,10% 2,86% Exportações intrarregião (% das exportações mundiais, 2012) 0,15% 19,87% 0,09% 0,01% 0,37% 0,06% Crescimento anual médio das exportações intrarregião ( ) 6,66% -2,17% 8,12% 3,43% 4,50% 4,27% Fonte: Lusofonia Económica, AIP 2014 Dados 2012, Cálculo realizado pela PwC com base nos dados do UNCTAD, UNCTADstat Slide 8

9 Importações intra-cplp (% no total das importações intra-cplp) Comércio internacional Comércio intra-cplp 50% 45% Angola 40% 35% Portugal 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Brasil 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Exportações intra-cplp (% no total das exportações intra-cplp) Slide 9

10 País importador Economia Complementaridade das economias País exportador Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe Timor Leste Portugal Macau Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe Timor Leste Portugal Macau Fonte: Lusofonia Económica, AIP, Cálculo realizado pela PwC com base nos dados do UNCTAD, UNCTADstat O nível de complementaridade comercial das economias da CPLP é baixo, excetuando-se apenas o relacionamento entre Portugal e Angola. Apesar do baixo nível de complementaridade referido, a estrutura de importações de Portugal poderá potenciar o incremento das trocas com o Brasil (48 pts), Guiné-Bissau (38 pts), Moçambique (66 pts), São Tomé e Príncipe (51 pts) e Timor Leste (37 pts), a somar portanto ao elevado índice de complementaridade entre Portugal e Angola (83 pts e 80 pts), o qual revela uma relação potencial biunívoca para ambos países. Slide 10

11 Valor em milhões US$ Economia Oportunidades na Ajuda Pública ao Desenvolvimento Ajuda Pública ao Desenvolvimento para os países da CPLP 2,500 USD 2,071 USD 2,000 USD Angola 1,500 USD Brasil Cabo Verde 1,000 USD 826 USD Guiné Bissau Moçambique São Tomé & Príncipe 500 USD Timor-Leste Principais idiomas de publicação dos concursos públicos internacionais de APD 13% 29% 5% 53% Inglês Castelhano Francês Português - USD Fonte: DevBusiness.Com, setembro 2013 Fonte: OCDE, International Development Statistics, setembro de 2013 Slide 11

12 -3,227 USD -4,285 USD IDE milhões USD 2,734 USD 1,914 USD 1,018 USD 2,646 USD 48,506 USD 5,935 USD 3,114 USD 64,045 USD Investimento Direto Estrangeiro nos EM da CPLP Evolução 80,000 USD 70,000 USD 60,000 USD 50,000 USD Em 2013 o Brasil foi o 5º país do mundo que mais IDE atraiu, a seguir aos EUA, à China, Rússia e Hong Kong 40,000 USD 30,000 USD 20,000 USD 10,000 USD - USD -10,000 USD -20,000 USD IDE 2010 IDE 2011 IDE 2012 IDE 2013 Fonte: PwC, Dados UNCTAD, UNCTADstat 2014 Nota: Angola tem apresentado reservas aos dados da UNCTAD Slide 12

13 Paying Taxes na CPLP Principais indicadores Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Guiné Equatorial Moçambique Portugal São-Tomé e Príncipe Timor Leste Imposto sobre Lucro de Empresas Outras taxas e impostos Imposto sobre trabalho e contribuições sociais Taxa Total de Tributação Fonte: PwC, Paying Taxes, 2015 Ease of Doing Business, World Bank O indicador relativo à Taxa Total de Tributação mede a quantidade total de impostos e contribuições obrigatórias suportadas por uma empresa, no seu segundo ano de operações, em percentagem do seu lucro comercial. Os elementos do Paying Taxes 2015 reportam-se ao ano fiscal de Slide 13

14 Plataformas de bens, serviços e IDE EM s da CPLP e mercados regionais Conceito de Plataformas Visão: Promoção do desenvolvimento económico pela facilitação das trocas recíprocas Centros de facilitação de trocas comerciais, prestação de serviços e realização de investimentos diretos UE CEDEAO CEEAC ASEAN Outros aspetos relevantes: - infraestruturas logísticas, como portos, aeroportos, redes rodoviária, ferroviária e energética e TIC s - acordos internacionais, tributação, segurança social, legislação laboral Mercosul SADC Promoção da centralidade nacional entre a Europa e os países emergentes, com especial enfoque nos países membros da CPLP e no acesso aos respectivos mercados de integração regional, quer a nível dos bens e serviços (incluindo transporte e logística), quer ao nível de IDE, com implementação de medidas de competitividade económica Slide 14

15 Obrigado Jaime Carvalho Esteves PwC Tax Lead Partner PwC Government & Public Services Lead Partner Esta comunicação é de natureza geral e meramente informativa, não se destinando a qualquer entidade ou situação particular, e não substitui aconselhamento profissional adequado ao caso concreto. A PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. não se responsabilizará por qualquer dano ou prejuízo emergente de decisão tomada com base na informação aqui descrita. PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda Todos os direitos reservados. Neste documento, PwC refere-se a PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda, pertencente à network de entidades que são membros da PricewaterhouseCoopers International Limited, cada uma das quais é uma entidade legal autónoma e independente.

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP www.pwc.com/pt Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP Oportunidades maximizadas? Jaime Carvalho Esteves 19 de Março 2013 Agenda 1. Conceito de hub 2. Relevância da CPLP 3. Os mercados de

Leia mais

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011 www.pwc.com/pt : Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil Jaime Carvalho Esteves Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Agenda 1. Introdução 2. Investir em Angola e no Brasil

Leia mais

Lisboa. Jornadas de Fiscalidade 2017

Lisboa. Jornadas de Fiscalidade 2017 Lisboa Jornadas de Fiscalidade 2017 A tributação das indústrias extrativas Intervenção inicial: Jaime Carvalho Esteves (PwC) Cristina Teixeira (PwC) Gilles de Vignemont (PwC) Moderação: Jaime Carvalho

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appears e Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Angola Catarina Nunes Agenda Introdução 1 Ficha de Angola:

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2016 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

Hot topics fiscais Maria Antónia Torres

Hot topics fiscais Maria Antónia Torres www.pwc.pt Hot topics fiscais Maria Antónia Torres Agenda Hot topics fiscais 1. Estruturação fiscal pré-aquisição 2. Due diligence fiscal Hot topics fiscais de um processo de investimento no âmbito do

Leia mais

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um CRESCIMENTO DESENVOLVIMENTO PARCERIAS Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um espaço (CONFEDERAÇÃO

Leia mais

PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE PERTO DAS EMPRESAS PARA AS LEVAR MAIS LONGE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE AMBIENTE DE NEGÓCIOS 03 CULTURA DE NEGÓCIOS 04 O MERCADO 05-09 REACIONAMENTO ECONÓMICO BILATERAL 10-12 OPORTUNIDADES

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

Juntos vamos mais longe. Jorge Santos

Juntos vamos mais longe. Jorge Santos Angola Guiné-Bissau Portugal Brasil Guiné Equatorial São Tomé e Príncipe Cabo Verde Moçambique Timor-Leste Programa de Internacionalização Agronegócio CPLP Jorge Santos Presidente O programa de internacionalização

Leia mais

OE 2017 IRC. Catarina. Tax Director. Orçamento do Estado Proposta de Lei. Outubro 2016 PwC

OE 2017 IRC. Catarina. Tax Director. Orçamento do Estado Proposta de Lei. Outubro 2016 PwC OE 2017 IRC Catarina Gonçalves, Tax Director - Proposta de Lei PwC 1 Reporte de prejuízos fiscais Regras de utilização Critério FIFO é eliminado: revoga-se a regra que obriga à dedução ao lucro tributável

Leia mais

Convenções sobre Segurança Social

Convenções sobre Segurança Social www.pwc.com Convenções sobre Segurança Social Carla Matos 8 Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Porque surgem as convenções de Segurança Social? Processo de industrialização originou a deslocação

Leia mais

www.pwc.pt Moçambique Oportunidades no setor da engenharia e da construção Tiago Abade 23 outubro 2014

www.pwc.pt Moçambique Oportunidades no setor da engenharia e da construção Tiago Abade 23 outubro 2014 www.pwc.pt Oportunidades no setor da engenharia e da construção Tiago Abade Agenda 1 2 3 O impulso do setor energético e o impacto no setor da engenharia e construção e a SADC 4 Conclusões - Oportunidades

Leia mais

A CPLP: ATOR MULTIPOLAR NO MUNDO GLOBAL. Excelentíssimo Presidente da Direção do Círculo de Conexão Lusófona

A CPLP: ATOR MULTIPOLAR NO MUNDO GLOBAL. Excelentíssimo Presidente da Direção do Círculo de Conexão Lusófona Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Embaixador Murade Isaac Murargy A CPLP: ATOR MULTIPOLAR NO MUNDO GLOBAL Excelentíssimo Presidente da Direção do Círculo de Conexão Lusófona Dr. Francisco Murteira

Leia mais

Excelência, Senhor Vice-Primeiro Ministro de Portugal, Excelentíssimo Senhor Presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal,

Excelência, Senhor Vice-Primeiro Ministro de Portugal, Excelentíssimo Senhor Presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, Internacionalização das Economias Conferência AICEP Intervenção de S. Ex.ª o Senhor Embaixador Murade Isaac Murargy, Secretário Executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Lisboa 03

Leia mais

Prof. Doutora Maria Sousa Galito

Prof. Doutora Maria Sousa Galito PORTUGAL E AS RELAÇÕES ECONÓMICAS ENTRE OS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA Prof. Doutora Maria Sousa Galito Professora e Investigadora da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 21 Outubro

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

Apresentador: Jorge Correia

Apresentador: Jorge Correia SÃO TOME E PRINCIPE CENTRO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA OS PAÍSES DA SUB-REGIÃO AFRICANA E DA CPLP Apresentador: Jorge Correia Presidente da Câmara de Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços de São

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Os desafios da Gestão e da Qualidade do Ensino Superior nos Países e Regiões de Língua Portuguesa 15 de Novembro de 2011 Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Instituto Superior Técnico,

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO. Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global

CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO. Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global AGENDA Corporate governance no mundo A influência dos sistemas legais Sustentabilidade e corporate governance

Leia mais

Valor económico da língua portuguesa

Valor económico da língua portuguesa 1 Seminário Diplomático 2013 PROJETAR PORTUGAL Fundação Champalimaud, 4.1.2013 Valor económico da língua portuguesa jose.esperanca@iscte.pt 2 As línguas no mundo Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral

Leia mais

IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé).

IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé). IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé). O termo está vinculado à situação econômica e social das nações ricas ; Para atingir este estado, um país precisa de: 1. Controle

Leia mais

As Universidades Públicas e a Cooperação Internacional

As Universidades Públicas e a Cooperação Internacional As Universidades Públicas e a Cooperação Internacional António Rendas Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) Reitor da Universidade Nova de Lisboa Seminário Diplomático

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 www.pwc.pt/orcamentoestado Orçamento do Estado 2016 Proposta de Lei Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado para 2016 OE 2016 IRC Catarina Gonçalves, Tax Director 2 A importância do IRC Peso

Leia mais

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Crescimento e competitividade da economia moçambicana 2001-2010 João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Que padrão de crescimento Factores do crescimento e da competitividade (com enfoque macro ex

Leia mais

IX REUNIÃO DE MINISTROS DAS COMUNICAÇÕES DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Maputo, 19 de Agosto de Declaração de Maputo

IX REUNIÃO DE MINISTROS DAS COMUNICAÇÕES DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Maputo, 19 de Agosto de Declaração de Maputo IX REUNIÃO DE MINISTROS DAS COMUNICAÇÕES DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Maputo, 19 de Agosto de 2016 Declaração de Maputo Os Ministros das Comunicações da CPLP ou seus representantes, os

Leia mais

09/02/2014. Prévia. Quem comercializa com quem? O tamanho importa: o modelo de gravidade

09/02/2014. Prévia. Quem comercializa com quem? O tamanho importa: o modelo de gravidade Capítulo 2 Comércio mundial: uma visão geral Prévia Os maiores parceiros comerciais do Brasil e dos Estados Unidos Modelo de gravidade: a influência do tamanho de uma economia no comércio a distância e

Leia mais

Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto

Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto Lisbon Atlantic Conference 2013 Territorial and Neighboring Cooperation. Lisboa, 5 de Dezembro de 2013 Carlos Rocha Administrador

Leia mais

Risco do país: CC (AAA = risco menor; D = risco maior)

Risco do país: CC (AAA = risco menor; D = risco maior) Informação Geral sobre a Argentina Área (km 2 ): 2 737 000 Vice-presidente: Amado Boudou População (milhões hab.): 42,7 (estimativa 2014) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços

Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços Jorge Arbache UnB e BNDES FGV-SP 27/5/2014 As opiniões são do autor e não necessariamente refletem as visões do BNDES 1 Vivemos uma nova

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 www.pwc.pt/orcamentoestado Orçamento do Estado 2016 Proposta de Lei Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado para 2016 OE 2016 IVA Susana Claro, Partner 2 Taxas de IVA Taxa Intermédia Prestações

Leia mais

DESAFIOS DA LOGÍSTICA BRASILEIRA

DESAFIOS DA LOGÍSTICA BRASILEIRA DESAFIOS DA LOGÍSTICA BRASILEIRA ANTONIO CARLOS SOLERA TARANTINO TERRITÓRIO RIO 8,5 MILHÕES KM 2 BRASIL / VITORIA 27 ESTADOS / UNIDADES POPULAÇÃ ÇÃO O 190 MILHÕES HAB RIQUEZAS NATURAIS E MINERAIS ÁREA

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP ENTRE: A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI), com sede na Praça das Indústrias em Lisboa, 1300-307 Lisboa,

Leia mais

Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais

Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais www.pwc.com/pt Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais 13 de Março de 2012 Miguel Garoupa Puim AERLIS Agenda Tributação em Moçambique Aspectos fiscais do investimento português em Moçambique

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15 ÍNDICE Prefácio à presente edição 7 Prefácio à 3. 8 edição 9 Prefácio à 2.- edição 13 Prefácio à 1.* edição 15 1. Introdução e fases do crescimento português 19 Resumo 19 1.1. As fases do crescimento económico

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior

Provas de Acesso ao Ensino Superior Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 05 Exame de Economia Tempo para a realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: material de escrita, caneta

Leia mais

Nigéria - Caracterização Sócio Económico

Nigéria - Caracterização Sócio Económico Caracterização Sócio Económica Nigéria Maio 2009 Nigéria - Caracterização Sócio Económico A. Ficha Perfil Nigéria B. Contexto Social C. Enquadramento Económico D. Relações Comerciais Internacionais E.

Leia mais

Perspectivas do Comércio Exterior Brasileiro

Perspectivas do Comércio Exterior Brasileiro Reunião de Diretoria e Conselhos da Associação de Comércio Exterior do Brasil - AEB Perspectivas do Comércio Exterior Brasileiro Secretária de Comércio Exterior Ministério da Indústria, Comércio Exterior

Leia mais

AIP Fundação Lisboa, 8 de Junho de 2016

AIP Fundação Lisboa, 8 de Junho de 2016 AIP Fundação Lisboa, 8 de Junho de 2016 Asia Principais Dados Macroeconómicos PIB 109 USD PIB per capita USD PIB Tx Cres Taxa de Inflação Taxa de Desemprego População Milhões Coreia do Sul 1.410.4 27.970

Leia mais

Compras centralizadas. Instrumentos procedimentais especiais de contratação. Tiago Abade, Manager PwC

Compras centralizadas. Instrumentos procedimentais especiais de contratação. Tiago Abade, Manager PwC Compras centralizadas Instrumentos procedimentais especiais de contratação Tiago Abade, Manager PwC Agenda 1. Sistemas de procurement 2. Procedimento especiais de contratação 3. Sistema de aquisição dinâmico

Leia mais

Risco do país: B (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: José Eduardo dos Santos Tx. Câmbio: 1 EUR = 117,8535 AOA (janeiro 2015)

Risco do país: B (AAA = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: José Eduardo dos Santos Tx. Câmbio: 1 EUR = 117,8535 AOA (janeiro 2015) Informação Geral sobre Angola Área (km 2 ): 1 246 700 Vice-Presidente: Manuel Vicente População (milhões hab.): 22,1 (estimativa ) Risco de crédito: 5 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Luanda

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

O Impacto da Política Agrária em Moçambique

O Impacto da Política Agrária em Moçambique O Impacto da Política Agrária em Moçambique Dezembro de 2010 ORAM e ROSA Pesquisa realizada: Centro de Estudos Moçambicanos e Internacionais CEMO António Álvaro Francisco Hortêncio Sunde Manuel Lopes e

Leia mais

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor)

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor) OBSERVATÓRIO DO VINHO Análise de Mercados de Exportação EUA Canadá Brasil - Angola Mercados Internacionais de Vinho 1. Balança do Vinho Português 2. Exportações Terceiros de Vinho Português para Países

Leia mais

IRC e competitividade. António Martins Outubro de 2012

IRC e competitividade. António Martins Outubro de 2012 IRC e competitividade António Martins Outubro de 2012 1 1. Competitividade: uma perspetiva pessoal Capacidade de os agentes económicos venderem bens e serviços a preços que o consumidor julgue atrativos

Leia mais

Camarões - Síntese País

Camarões - Síntese País Informação Geral sobre os Camarões Área (km 2 ): 475 442 População (milhões hab.): 22,8 (estimativa Banco Mundial, 2014) Capital: Yaoundé Língua oficial: Francês e Inglês Chefe de Estado: Paul Biya Primeiro-Ministro:

Leia mais

ECONOMIAS EMERGENTES. OS BRIC, mas não só. O México é uma alternativa!

ECONOMIAS EMERGENTES. OS BRIC, mas não só. O México é uma alternativa! INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NO SEMINÁRIO «A CONCRETA E AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS PORTUGUESAS NO MERCADO MEXICANO» SOB

Leia mais

AGRICULTURA E SEGURANCA ALIMENTAR (Reuniao da ASSECA-PLP) Castro Camarada

AGRICULTURA E SEGURANCA ALIMENTAR (Reuniao da ASSECA-PLP) Castro Camarada AGRICULTURA E SEGURANCA ALIMENTAR (Reuniao da ASSECA-PLP) Castro Camarada 23-11-2014 CONTEUDO Dimensoes da Seguranca Alimentar Seguranca Alimentar em Africa e na CPLP O papel Fundamental da Agricultura

Leia mais

Perfil País. Moçambique

Perfil País. Moçambique Perfil País Moçambique Elaborado pela: Unidade de - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 613426.0202 Fax: +55 613426.0332 www.apexbrasil.com.br 1 Moçambique Indicadores Econômicos Crescimento do PIB

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Singapura - Síntese País

Singapura - Síntese País Informação Geral sobre Singapura Área (km 2 ): 710,2 Primeiro-Ministro: Lee Hsien Loong População (milhões hab.): 5,6 (2016) Risco de crédito: (*) Capital: Cidade de Singapura Risco do país: A (AAA = risco

Leia mais

Perspectivar os negócios de amanhã

Perspectivar os negócios de amanhã www.pwc.com/pt/tax/ma Perspectivar os negócios de amanhã O impacto das últimas medidas fiscais na actividade de M&A Management 2 PwC Clarificação dos conceitos de gratificação e de carácter regular para

Leia mais

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde 21 24 de março de 2016 Maputo, Moçambique A economia informal: conceitos,

Leia mais

Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior

Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior FGV/2017 Facilitação e Desburocratização do Comércio Exterior Abrão Miguel Árabe Neto Secretário de Comércio Exterior Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - CENÁRIO ATUAL Desafios à Competitividade

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Moçambique -Síntese País

Moçambique -Síntese País Informação Geral sobre Moçambique Área (km 2 ): 799 380 Primeiro-Ministro: Carlos Agostinho do Rosário População (milhões hab.): 26,4 (Banco Mundial 2014) Risco de crédito : 7 (1 = risco menor; 7 = risco

Leia mais

Hungria - Síntese País

Hungria - Síntese País Informação Geral sobre a Hungria Área (km 2 ): 93 030 Primeiro-Ministro: Viktor Orban População (milhões hab.): 9,82 (estimativa 2016) Risco de crédito: (*) Capital: Budapeste Risco do país: BB (AAA =

Leia mais

Antígua e Barbuda - Síntese País

Antígua e Barbuda - Síntese País Informação Geral sobre Antígua e Barbuda Área (km 2 ): 442,6 População (mil hab.): 93,6 (estimativa 2016) Capital: Saint John s Língua oficial: Inglês Chefe de Estado: Rainha Isabel II Primeiro-Ministro:

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO Josep-Francesc Valls Coordenador do Centro de Formação e Investigação em Turismo da UMa Professor Esade Business & Law School RESUMO 1. Posição de Portugal

Leia mais

Guiné Equatorial - Síntese País

Guiné Equatorial - Síntese País Informação Geral sobre a Guiné Equatorial Área (km 2 ): 28 051 População (mil hab.): 820,9 (2014) Capital: Malabo Língua oficial: Espanhol, Francês e Português Chefe de Estado: Teodoro Obiang Nguema Mbasogo

Leia mais

GRUPOS DE COLABORAÇÃO SETORIAIS PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO. NERBA; Bragança;

GRUPOS DE COLABORAÇÃO SETORIAIS PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO. NERBA; Bragança; GRUPOS DE COLABORAÇÃO SETORIAIS PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO NERBA; Bragança; 29.03.2017 GRUPOS DE COLABORAÇÃO SETORIAIS PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO CAPACITAÇÃO DAS PME PARA CONTACTOS INTERNACIONAIS NERBA;

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões prá(c (c)ticas Mais-valias, dividendos e juros sobre o capital próprio prio 8 de Março o de 2010 TAX Índice Breve enquadramento O ADT Portugal Brasil

Leia mais

Estatísticas da Globalização

Estatísticas da Globalização Estatísticas da Globalização 28-213 28 de março de 214 Indicadores da globalização revelam integração internacional da economia portuguesa No período 28-213, em particular a partir do ano 21, a economia

Leia mais

UE e os países de língua portuguesa.

UE e os países de língua portuguesa. UE e os países de língua portuguesa http://dossiers.eurocid.pt/lusofonia Índice Língua Demografia do português UE e língua portuguesa UE e países de língua portuguesa Dossiê eletrónico Língua ( ) todas

Leia mais

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016 Agenda Internacional da Indústria 22 de setembro de 2016 Apresentação 1. Panorama do Comércio Exterior Brasileiro 2. CNI 3. Área Internacional da CNI 4. Agenda Internacional da Indústria 5. Pesquisa Desafios

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES 2015 1 OS EIXOS DE ACTUAÇÃO DA ALER CONHECER Relatórios nacionais com informação técnica, económica e regulatória Repositório de informação com

Leia mais

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Memorando de Entendimento Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Considerando que a Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa doravante designada por

Leia mais

A Cooperação Portuguesa

A Cooperação Portuguesa FICHA TEMÁTICA A Cooperação Portuguesa Março de 2015 Política de Cooperação para o Desenvolvimento A Cooperação para o Desenvolvimento é um vetor chave da política externa portuguesa, que assenta num consenso

Leia mais

nº 2 Outubro 2009 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA

nº 2 Outubro 2009 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA nº 2 Outubro 29 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA MERCADOS DE EXPORTAÇÃO: EUA Canadá Brasil - Angola COMÉRCIO EXTERNO INDICE Balança do Vinho Português.. 3 Exportações

Leia mais

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015)

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015) Informação Geral sobre o Laos Área (km 2 ): 236 800 Primeiro-Ministro: Thongloun Sisoulith População (milhões hab.): 7,0 (estimativa 2015) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

ESPANHA Mercado Um parceiro de confiança /

ESPANHA Mercado Um parceiro de confiança / Mercado 1º cliente (25% de quota) e 1º fornecedor (cerca de 33%) Mais de 6.000 empresas portuguesas exportam para Espanha Portugal é o 5º cliente de Espanha (7%) e 8º fornecedor (quase 4%) Espanha vende

Leia mais

Acordo Ortográfico: por que foi aprovado?

Acordo Ortográfico: por que foi aprovado? L.E. Semana 4 Segunda Feira Acordo Ortográfico: por que foi aprovado? Considerações acerca da unificação pretendida pelo acordo ortográfico O que é o acordo ortográfico é um tratado internacional firmado

Leia mais

QUADRO 1 Quotizações Membros Efectivos & Associados

QUADRO 1 Quotizações Membros Efectivos & Associados QUADRO 1 Quotizações Membros Efectivos & Associados CIDADES 2005 2006 2007 Ano Adesão Portugal LISBOA 1.500,00 1.500,00 1.500,00 1985 GUIMARÃES 1.500,00 1.500,00 1.500,00 1990 Subtotal 3.000,00 3.000,00

Leia mais

O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise

O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise 3 de Outubro de 2013 Paulo Gaspar Tópicos Enquadramento O exemplo de outros Estados-membros Concretizar Um sistema fiscal competitivo

Leia mais

Impacto Económico da Língua Portuguesa. Prof. Doutora Maria Sousa Galito 09/01/2013

Impacto Económico da Língua Portuguesa. Prof. Doutora Maria Sousa Galito 09/01/2013 Impacto Económico da Língua Portuguesa da Prof. Doutora Maria Sousa Galito 09/01/2013 227,997 M Prof. Sousa Galito Centro de Investigação em Ciência Política e Relações Internacionais: www.ci-cpri.com

Leia mais

Desenvolvimento Local

Desenvolvimento Local Desenvolvimento Local Aula 3 Globalização e desenvolvimento local. Regiões ganhadoras e regiões perdedoras. Comparação entre regiões usando como indicador o Índice de dispersão do PIB per capita. Dinâmicas

Leia mais

MUDANÇAS NO CENÁRIO INTERNACIONAL X OPORTUNIDADES PARA O MERCADO LOCAL

MUDANÇAS NO CENÁRIO INTERNACIONAL X OPORTUNIDADES PARA O MERCADO LOCAL MUDANÇAS NO CENÁRIO INTERNACIONAL X OPORTUNIDADES PARA O MERCADO LOCAL BRASIL 7ª maior economia mundial 2ª maior da América Latina (Nom./PPP) 5º maior território Maior da América Latina 5ª maior população

Leia mais

As dores da jornada. Othon Almeida. Dezembro de Sócio-líder do CFO Program Brasil, Deloitte

As dores da jornada. Othon Almeida. Dezembro de Sócio-líder do CFO Program Brasil, Deloitte As dores da jornada Othon Almeida Sócio-líder do CFO Program Brasil, Deloitte Dezembro de 2014 O panorama econômico brasileiro mudou ao longo das décadas... 2015-2018:??????? 2011-2014: Esgotamento do

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Estrutura da Apresentação Panorama Mundial em 2015 Comércio Exterior Brasileiro em 2015 Comércio Exterior Catarinense em 2015 Resultados da Pesquisa Conclusões Panorama Mundial em 2015 Panorama Mundial

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

LUSOFONIA ECONÓMICA. RELATÓRIO FINAL INTEGRADO DOS GRUPOS DE TRABALHO Lisboa, 29 de maio de 2015

LUSOFONIA ECONÓMICA. RELATÓRIO FINAL INTEGRADO DOS GRUPOS DE TRABALHO Lisboa, 29 de maio de 2015 LUSOFONIA ECONÓMICA RELATÓRIO FINAL INTEGRADO DOS GRUPOS DE TRABALHO Glossário ACE Agrupamento Complementar de Empresas EM Estado Membro AEIE Agrupamento Europeu de Interesse Económico EMEF Empresa de

Leia mais

O Brasil frente à emergência da África: comércio e política comercial

O Brasil frente à emergência da África: comércio e política comercial O Brasil frente à emergência da África: comércio e política comercial Pedro da Motta Veiga Katarina P. da Costa Novembro 2011 1 A África se integra ao mundo Primeira década do século XXI: aprofundamento

Leia mais

Revista Internacional. em Língua. Portuguesa Turismo

Revista Internacional. em Língua. Portuguesa Turismo Revista Internacional em Língua Portuguesa Turismo III Série Nº 26 2013 Publicação anual da Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) European Reference Index for the Humanities (ERIH) da

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10)

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) IDH País Pontuação Esperança de vida (anos) Média de anos de Anos de esperados RNBpc PPC em USD 2008 Posição no RNBpc menos

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

URUGUAI. Comércio Exterior

URUGUAI. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

Paraguai - Síntese País

Paraguai - Síntese País Informação Geral sobre o Paraguai Área (km 2 ): 406 752 Risco de crédito: 5 (1 = risco menor; 7 = risco maior) População (milhões hab.): 6,8 ( 2016, estimativa FMI) Risco do país: BB (AAA = risco menor;

Leia mais

Comércio Internacional de Mercadorias da Guiné-Equatorial face ao mundo e no contexto da CPLP (2009 a 2013)

Comércio Internacional de Mercadorias da Guiné-Equatorial face ao mundo e no contexto da CPLP (2009 a 2013) Temas Económicos Número 27 Agosto de 2014 Comércio Internacional de Mercadorias da Guiné-Equatorial face ao mundo e no contexto da CPLP Walter Anatole Marques Rua da Prata, nº 8 1149-057 Lisboa Tel.: (351)

Leia mais

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio Camila Sande Especialista em Negociações CNA 16 de junho de 2016 Agronegócio consumo doméstico e exportação Exportação Consumo Doméstico

Leia mais