SEGURO RURAL BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURO RURAL BRASILEIRO"

Transcrição

1 SEGURO RURAL BRASILEIRO

2 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege o produtor rural contra as perdas causadas, principalmente, por efeitos climáticos adversos. Instrumento de Política. (Crédito e Comercialização)

3 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 FUNDAMENTOS DO SEGURO RURAL indenizar as perdas causadas pelas adversidades climáticas; instrumento para acessar o sistema financeiro; indutor do uso de tecnologia; mecanismo que contribui para o equacionamento do fluxo de caixa do produtor.

4 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 MODALIDADES OFERTADAS Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

5 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 RISCOS AGRÍCOLAS E INTRUMENTOS DE PROTEÇÃO Riscos Agrícolas Instrumentos de Proteção Preço Taxa de Juros Taxa de Câmbio Mercado Futuro e de Opções Políticas de Comercialização Agrícola Climáticos Seguro Pecuária Aquícola Florestal Ambientais Seguro de Responsabilidade Civil

6 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 TIPOS DE SEGUROS AGRÍCOLAS Danos: oferece garantias contra riscos específicos: geadas, granizo, etc. Produtividade: indeniza a diferença entre a produção garantida e a obtida, tomando-se como base um preço fixo. Produtividade com Garantia de Preço: garante a renda (produtividade x preço), na qual o preço é fixado na contratação da apólice. Índice ou Paramétrico: as indenizações são pagas em função do comportamento de uma variável pré-determinada: chuva, falta de chuva, temperatura, etc.

7 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 ESTRUTURA DO SEGURO RURAL NO BRASIL Programa de Subvenção SEGURO RURAL Mercado de Resseguro Fundo de Catástrofe

8 PROGRAMA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DE SEGURO RURAL PSR

9 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 OBJETIVOS Reduzir o custo do prêmio para o agricultor; Desenvolver a cultura do uso do seguro rural; Expandir a área coberta por seguro rural no país; Induzir o uso de tecnologias.

10 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 HISTÓRICO DO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO Lei de 2003 Decreto n de 2004 Comitê Gestor Interministerial do Seguro Rural MEMBROS MAPA SPA/MAPA MDA MF MF/STN MF/SUSEP MP Resoluções

11 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 ATORES ENVOLVIDOS PRODUTOR RURAL SEGURADORA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA Órgão fiscalizador

12 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 CONCESSÃO DA SUBVENÇÃO Produtor Rural Proposta de Seguro Seguradora Consulta Mapa (aprovação) Seguradora emite Apólice Transmite por meio eletrônico dados para o MAPA MAPA aprova e libera pagamento por meio da Seguradora Fiscalização

13 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 EXPECTATIVAS DO PROGRAMA Massificação do Seguro Rural; Elevação da área segurada (30%); Distribuição dos Efeitos dos Riscos Rurais; Redução do Valor do Prêmio;

14 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 Evolução PROGRAMA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL - PSR DEMANDA SEGURADORAS (R$ milhões) ORÇAMENTO APROVADO (R$ milhões) DISPONIBILIZADO (R$ milhões) VALORES UTILIZADOS (R$ milhões) CAPITAIS SEGURADOS (R$ milhões) ÁREA SEGURADA (milhões ha) (*) - 61,0 114,0 158,0 272,0 460,0 526,4 677,0 10,0 61,0 100,0 160,0 272,0 328,0 406,4 174,0 10,0 61,0 100,0 160,0 172,0 238,0 255,0-2,3 31,1 61,0 157,5 259,6 198,3 253, ,07 1,56 2,28 4,76 6,67 4,79 5,58 > 4,0 N PRODUTORES ATENDIDOS (unidade) VALOR MÉDIO SUBVENÇÃO - POR PRODUTOR (R$) 2.709, , , , , , ,08 - (*) Valores Estimados Fonte: DEGER/SPA/MAPA

15 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 N de Operações (Unidade) ESTADOS Área Segurada (ha) Importância Segurada (R$) Prêmio Total Arrecadado (R$) Subvenção Total (R$) Brasil Paraná Rio Grande do Sul São Paulo Santa Catarina Mato Grosso do Sul Minas Gerais Goiás Mato Grosso Bahia Piauí Tocantins Rondônia Maranhão Espírito Santo Distrito Federal Alagoas Sergipe Ceará Rio de Janeiro Paraíba Pará Permanbuco Em 28/12/2011 Fonte: DEGER/SPA

16 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 ATIVIDADE N de Operações (Unidade) Área Segurada (ha) Importância Segurada (R$) Prêmio Total Arrecadado (R$) Subvenção Total (R$) Total GRÃOS Total Soja Milho Trigo Arroz Milho Safrinha Outros (1) FRUTAS Total Uva Maçã Pêssego Ameixa Caqui Outros (2) LEGUMES E VERDURAS Total Tomate Cebola Café Outros (3) OUTROS Total Cana-de-açúcar Algodão (1) Feijão, Cevada e Canola (2) Nectarina, Tangerina, Melancia, Goiaba, Pêra, Kiwi, Figo, Laranja, Banana, Atemóia, Abacaxi e Melão (3) Alho, Pimentão, Chuchu, Batata, Repolho, Abobrinha, Alface, Vagem, Berinjela, Cenoura, Beterraba, Couve-Flor, Abóbora e Pepino

17 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 Apólices Contratadas 7% 5% 9% 5% 37% Paraná Rio Grande do Sul São Paulo Santa Catarina 14% Mato Grosso do Sul Minas Gerais 23% Demais Estados

18 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 ARROZ N de Operações (Unidade) Área Segurada (ha) Importância Segurada (R$) Prêmio Total Arrecadado (R$) Subvenção Total (R$) Total Brasil Modalidade Agrícola - 50% ARROZ Participação 5,5% 5,6% 8,5% 3,6% 3,3% Em 28/12/2011 Fonte: DEGER/SPA

19 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 Arroz N de Contratações x Taxa de Prêmio ,0% 3,6% 2,3% 2,4% 2,7% n de contratações taxa de prêmio

20 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 Distribuição das contratações

21 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 Arroz - Eventos PRINCIPAIS EVENTOS CLIMÁTICOS 7% 23% 38% 32% TROMBA D'ÁGUA CHUVA EXCESSIVA GRANIZO OUTROS EVENTOS

22 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 Seguro Rural safra 2012 Orçamento Aprovado: R$ 174 milhões Estimativas: Área Segurada: > 4 milhões de hectares Importância Segurada: > R$ 5 bilhões

23 CULTURAS, PERCENTUAIS E LIMITES DE SUBVENÇÃO PERCENTUAIS DE SUBVENÇÃO Modalidades de Seguro Grupos de culturas Percentuais de Subvenção % Limites em R$ Feijão, milho segunda safra e trigo. 70 Ameixa, aveia, canola, caqui, cevada, centeio, figo, kiwi, linho, maçã, nectarina, pêra, pêssego, sorgo, triticale e uva. 60 Algodão, arroz, milho e soja. 50 Agrícola Abacate, abacaxi, abóbora, abobrinha, alface, alho, amendoim, atemóia, banana, batata, berinjela, beterraba, cacau, café, cajú, cana-de-açúcar, cebola, cenoura, cherimóia, chuchu, couve-flor, ervilha, escarola (chicória), fava, girassol, goiaba, graviola, jiló, laranja, lichia, lima, limão e demais cítricos, mamão, mamona, mandioca, manga, maracujá, melancia, melão, morango, pepino, pimentão, pinha, quiabo, repolho, sisal, tangerina, tomate, vagem e demais hortaliças e legumes ,00 Pecuário ,00 De Florestas ,00 Aquicola ,00 VALOR MÁXIMO SUBVENCIONÁVEL ,00 Fonte: DEGER/SPA/MAPA

24 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 Próximos Passos Otimização da aplicação dos recursos da subvenção; Regionalização Estabelecimento de prioridades (culturas/região)

25 Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 Mais Informação

26 Matriz de Risco Agrícola

27 Diagrama do Projeto Matriz de Risco Agrícola identificar, quantificar e qualificar riscos de produção Definir correlação ISNA x produtividade Simular Diferentes Níveis de Risco e Produtividade Definir faixas de produtividade admitidas Definir faixas de ISNA admitidas Impactos no tempo (calendário de plantio) Impactos no espaço (território indicado) EMBRAPA MAPA dados históricos, modelagem

28 Passo 1: Correlacionar a produtividade potencial com nível de risco

29 Passo 2: Associar os níveis de risco ao longo do tempo para cada "pacote tecnológico" definido Pacotes Tecnológicos associados a uma determinada produtividade potencial Níveis de risco ao longo do ano

30 Passo 2: Associar os níveis de risco ao longo do tempo para cada "pacote tecnológico" definido

31 Passo 3: Definir o limite de risco assumido Períodos de plantio com menor exposição ao risco climático e maior potencial produtivo

32 Passo 3: Definir o limite de risco assumido Períodos de plantio com menor exposição ao risco climático e maior potencial produtivo

33 Passo 3: Definir o limite de risco assumido Períodos de plantio com menor exposição ao risco climático e maior potencial produtivo

34 Passo 4: Demonstrar no território o impacto para cada limite de risco definido Variação nos Locais Indicados ao plantio, considerando determinada exposição ao risco climático e potencial produtivo.

35 Avaliação da Aplicação de Recursos do PSR para a Cultura do Milho

36 Relevância Econômica da Cultura do Milho PIB, área plantada

37 Vulnerabilidade Climática para a Cultura de Milho Zoneamento, Proagro

38 Áreas Prioritárias rias para o PSR do Milho Vulnerabilidade Climática, Relevância Econômica

39 Relação Área Segurada e Área Plantada do Milho 2011 Área Segurada de 2011, Média M da Área Plantada - IBGE

40 Áreas Prioritárias rias para o PSR e Área Segurada do Milho

41 Área Segurada 2011 x PSR do Milho 2011

42 Diagrama do Projeto Matriz de Risco Monitoramento Simulador de Impactos

43 Matriz de Risco Agrícola identificar, quantificar e qualificar riscos de produção Informações Fenológicas Informações Climáticas Níveis de risco, produtividade e tecnologia EMBRAPA AGRITEMPO INMET EMBRAPA MAPA dados históricos, modelagem

44 Monitoramento de Risco Agrícola monitorar tendências, ajustar planejamento e apurar resultados Acompanhamento Climático Acompanhamento do Ciclo de Produção Informações de Seguro e Crédito (identificação de público-alvo) AGRITEMPO INMET CONAB MAPA (BNDES) dados em tempo real

45 Simulador de Impactos visão de cadeias, prognósticos Acompanhamento Climático Simulador do Ciclo de Produção Informações de Mercado AGRITEMPO INMET EMBRAPA MAPA dados históricos, modelagem

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL INSTRUMENTOS DE Minimização de Riscos I Proagro Mais II Seguro Privado. Coberturas: - Variações Climáticas - Preços - Índices III Cobertura Complementar

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SOCORRO PÚBLICO - ASPECTOS NEGATIVOS Elevado custo político Baixa eficiência econômica Elevado

Leia mais

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Organização das Cooperativas Brasileiras OCB Gerência de Apoio ao Desenvolvimento em Mercados GEMERC 1. INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro representa

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL - SEAB Apresentação Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Câmara Setorial de Seguros Brasília - DF Junho de 2013 Programa de Subvenção ao Prêmio de Base Legal Lei Estadual 16.166/2009

Leia mais

Avaliação do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural 2005 a 2012 1

Avaliação do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural 2005 a 2012 1 Avaliação do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural 2005 a 2012 1 José Alderir da Silva 2 Maria do Socorro Gondim Teixeira 3 Vinicius Gonçalves dos Santos 4 Resumo O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE SEGUROS DO AGRONEGÓCIO (CTSA) MAPA GT ESTUDO SEGURO RURAL Até onde avançamos PEDRO LOYOLA Economista FAEP Julho - 2012 1 2 3 4 5 6 7 Seguro Agrícola no Brasil Uma visão estratégica de

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

Programa de Seguro Rural Brasileiro. Aplicação de recursos com base em informações de risco climático

Programa de Seguro Rural Brasileiro. Aplicação de recursos com base em informações de risco climático Programa de Seguro Rural Brasileiro Aplicação de recursos com base em informações de risco climático Programa de Subvenção ao Prêmio do seguro Rural - PSR Evolução do Programa Estudo sobre Priorização

Leia mais

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado SEGURO RURAL PSR Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado O QUE É O PSR Apoio do Governo Federal ao produtor rural para contratação de apólice de seguro rural, por meio de subvenção econômica.

Leia mais

PROGRAMA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL 2006

PROGRAMA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL 2006 PROGRAMA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL 2006 Programa de ao Prêmio do Seguro Rural - PSR 2006 Subvenções Pagas por culturas/modalidades de seguro Total 21.779 100,0 1.560.349 100,0 2.869.325.774

Leia mais

Maçăs e Pêras CORES DA TERRA

Maçăs e Pêras CORES DA TERRA Maçăs e Pêras CORES DA TERRA 12 Maçă Mini Pequena Média Grande Super Extra I Super Extra II Escultural Escultural II Branca 5010 5003 5006 5009 6006 6055 31001 31026 Preta Verde 5032 5011 5031 5001 5030

Leia mais

Fernando Penteado Secretário Executivo

Fernando Penteado Secretário Executivo Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista O Banco do Agronegócio Familiar FEAP-BANAGRO Fernando Penteado Secretário Executivo Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista (FEAP) O que é o FEAP É um Fundo

Leia mais

Variabilidade da produção, volatilidade de preços e o comportamento do faturamento do mercado de soja no Paraná

Variabilidade da produção, volatilidade de preços e o comportamento do faturamento do mercado de soja no Paraná Variabilidade da produção, volatilidade de preços e o comportamento do faturamento do mercado de soja no Paraná Andreia Cristina de Oliveira Adami Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada e-mail:

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA SEGURO RURAL EVOLUÇÃO PSR 2005-2014 SITUAÇÃO 2015 ORÇAMENTO PSR 2016 NOVAS REGRAS 2016-2018 CONCLUSÕES

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12

Sugestão de Cardápio para o Jejum de 21 dias do MIESF12 ALMOÇO 1 Dia 2 Dia 3 Dia de ervas -Pão torrado -Mamão - fruta (melão) ou água de côco -Salada de folhas temperadas c/ azeite e orégano. -1 prato de sobremesa de legumes cozidos ou purê de batatas. - Arroz

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR P N A E 250 mil famílias poderão ser beneficiadas (estimativa) Cerca de R$1 bilhão 47 milhões de alunos da educação básica da rede pública GRANDE DESAFIO: AS

Leia mais

Boletim DATALUTA Artigo do mês II: setembro de 2015. ISSN 2177-4463

Boletim DATALUTA Artigo do mês II: setembro de 2015. ISSN 2177-4463 MERCADOS INSTITUCIONAIS COMO ALTERNATIVA PARA O FORTALECIMENTO DOS MERCADOS LOCAIS DE ALIMENTOS: O CASO DO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS (PAA) NO MUNICÍPIO DE TUPI PAULISTA/SP Valmir José de Oliveira

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins)

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) 1.1 Sobre o Projeto Contratante: ABPM- Associação Brasileira de Produtores de Maçãs Objetivo: Desenvolvimento de um projeto de Análise

Leia mais

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL S E G U R O S E G U R O Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro Aqüícola; Seguro de Florestas; Modalidades

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016.

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016. Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016. O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS

Leia mais

Camara Temática de Seguros Rurais

Camara Temática de Seguros Rurais Camara Temática de Seguros Rurais Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento 07.06.2011 Camara Temática Seguro Rural Agenda 1 - Legislação O seguro rural: setor, abrangência e legislação 2 - Modelo

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Culturas com Suporte Fitossanitário Insuficiente Câmara Setorial de Palma de Óleo 21 de Setembro de 2012

Culturas com Suporte Fitossanitário Insuficiente Câmara Setorial de Palma de Óleo 21 de Setembro de 2012 Culturas com Suporte Fitossanitário Insuficiente Câmara Setorial de Palma de Óleo 21 de Setembro de 2012 Culturas com Suporte Fitossanitário Insuficiente (CSFI) Desenvolvimento de novas moléculas Registro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA Porto Alegre - Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 O IRB-BRASIL RE COMO RESSEGURADOR E GESTOR DO FUNDO DE ESTABILIDADE DO SEGURO

Leia mais

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Lei 12.593/12 institui o PPA 2012-2015 Programa 2028 Defesa Agropecuária Objetivo 0570 Assegurar a qualidade dos

Leia mais

SETEMBRO 2015 - BERÇÁRIO

SETEMBRO 2015 - BERÇÁRIO Semana 1 01/09 02/09 03/09 04/09 Rosquinha Bolacha de água e sal; Bolacha maisena FERIADO MUNICIPAL Aniversário de Mogi das Cruzes 455 anos Manga; Pera; Maçã; desfiado cará, cenoura e ou Lima; abobrinha,

Leia mais

No Brasil, as frutas e

No Brasil, as frutas e FRUTAS E HORTALIÇAS: FONTE DE PRAZER E SAÚDE No Brasil, as frutas e hortaliças frescas são produzidas, em diferentes épocas do ano, por milhares de pequenos produtores, distribuídos por todo o país. A

Leia mais

Cardápio do Berçário I (4 Meses a 1 ano) 1ª Semana

Cardápio do Berçário I (4 Meses a 1 ano) 1ª Semana Cardápio do Berçário I (4 Meses a 1 ano) 1ª Semana Matinal Papinha de mamão Papinha de pêra Papinha de banana Papinha de manga Papinha de maçã Papinha de carne moída com, beterraba e couve Papinha de batata

Leia mais

LISTA DE SUBSTITUIÇÃO DOS ALIMENTOS

LISTA DE SUBSTITUIÇÃO DOS ALIMENTOS LISTA DE SUBSTITUIÇÃO DOS ALIMENTOS VEGETAIS FOLHOSOS CONSUMO À VONTADE Acelga, agrião, aipo, alface, alcachofra, almeirão, broto de bambu, cogumelo, couve, couve-de-bruxelas, escarola, mostarda, palmito,

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

Cardápio. Cardápio. 3 de agosto. 4 de agosto. 5 de agosto. 6 de agosto LANCHE MANHÃ ALMOÇO LANCHE TARDE. segunda-feira. terça-feira.

Cardápio. Cardápio. 3 de agosto. 4 de agosto. 5 de agosto. 6 de agosto LANCHE MANHÃ ALMOÇO LANCHE TARDE. segunda-feira. terça-feira. agosto Cardápio 2014 agosto Cardápio sujeito a 2015 alterações 3 de agosto Pão sírio com queijo branco e tomate. Creme de abacate. Iscas largas de carne grelhada ao molho roti. Picadinho de frango. Arroz

Leia mais

CARDÁPIO DA SEMANA. 2ª Feira (29/09) 3ª Feira (30/09) 4ª Feira (01/10) 5ª Feira (02/10) 6ª Feira (03/10) LANCHES (PERÍODOS MATUTINO E VESPERTINO)

CARDÁPIO DA SEMANA. 2ª Feira (29/09) 3ª Feira (30/09) 4ª Feira (01/10) 5ª Feira (02/10) 6ª Feira (03/10) LANCHES (PERÍODOS MATUTINO E VESPERTINO) 2ª Feira (29/09) 3ª Feira (30/09) 4ª Feira (01/10) 5ª Feira (02/10) 6ª Feira (03/10) Feriado Feriado Barquinha de minipão francês integral com mussarela e orégano Suco de manga Mamão com granola Soft roll

Leia mais

CEASAMINAS UNIDADE GRANDE BELO HORIZONTE CALENDÁRIO DA SAZONALIDADE DOS PREÇOS DE HORTIGRANJEIROS E CEREAIS /2015

CEASAMINAS UNIDADE GRANDE BELO HORIZONTE CALENDÁRIO DA SAZONALIDADE DOS PREÇOS DE HORTIGRANJEIROS E CEREAIS /2015 CEASAMINAS UNIDADE GRANDE BELO HORIZONTE CALENDÁRIO DA SAZONALIDADE DOS PREÇOS DE HORTIGRANJEIROS E CEREAIS - 2011/2015 HORT.FOLHAS,FLOR-HASTE ACELGA FO FO FO RE RE FR FR FR FR FR RE RE AGRIÃO FO FO FO

Leia mais

CARDÁPIO SEMANAL - 7 a 14 anos 02 a 06 de NOVEMBRO. Lanche da Manhã Biscoito de aveia e mel Tostex (queijo e peito de peru) Pão de forma com margarina

CARDÁPIO SEMANAL - 7 a 14 anos 02 a 06 de NOVEMBRO. Lanche da Manhã Biscoito de aveia e mel Tostex (queijo e peito de peru) Pão de forma com margarina CARDÁPIO SEMANAL - 7 a 14 anos 02 a 06 de NOVEMBRO 02/11/2015 03/11/2015 04/11/2015 05/11/2015 06/11/2015 Biscoito de aveia e mel Tostex (queijo e peito de peru) Pão de forma com margarina Cereal Matinal

Leia mais

Cardápio 04.05 até 08.05.2015

Cardápio 04.05 até 08.05.2015 Cardápio 04.05 até 08.05.2015 COLAÇÃO Pera Suco de acerola Goiaba Suco de uva Manga pepino/carne moída com proteína de soja/ Berinjela cozida/ /inhame cozido/arroz/feijão Salada de tomate e repolho/frango

Leia mais

Cardápio de Novembro 2015

Cardápio de Novembro 2015 03/nov 04/nov 05/nov 06/nov Biscoito passatempo sem recheio Maçã / thompson Suco de caju Biscoito de polvilho Suco de goiaba Biscoito leite e mel Maçã / Suco de tangerina Biscoito mini gergelim Banana

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA 1. Definição; 2. Antecedentes; 3. Elaboração; 4. Metodologia; 5. Utilidade; Departamento de Gestão de Risco Rural Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário

Leia mais

GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003

GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003 GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 R$ bilhões 1969 1971 1973 1975 1977 1979 1981 1983 1985

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

Carbo- Fibra Número do Umidade Energia Proteína Lipídeos Colesterol idrato Alimentar Cinzas Cálcio Magnésio Alimento Descrição do Alimento (%) (kcal)

Carbo- Fibra Número do Umidade Energia Proteína Lipídeos Colesterol idrato Alimentar Cinzas Cálcio Magnésio Alimento Descrição do Alimento (%) (kcal) Carbo- Fibra Número do Umidade Energia Proteína Lipídeos Colesterol idrato Alimentar Cinzas Cálcio Magnésio Alimento Descrição do Alimento (%) (kcal) (kj) (g) (g) (mg) (g) (g) (g) (mg) (mg) &HUHDLVÃHÃGHULYDGRVÃ

Leia mais

A FORÇA DO COMPRADOR NA ADOÇÃO DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS. Setembro de 2014

A FORÇA DO COMPRADOR NA ADOÇÃO DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS. Setembro de 2014 ANEXO V A FORÇA DO COMPRADOR NA ADOÇÃO DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Setembro de 2014 Algumas considerações Agricultura e abastecimento O desenvolvimento da agricultura é responsável pela evolução da humanidade.

Leia mais

Título da. Apresentação

Título da. Apresentação SITUAÇÃO ATUAL DO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTEGRADA PI-BRASIL Título da Coordenação de Produção Integrada da Cadeia Agrícola Apresentação Luzia Maria Souza Gisele Ventura Garcia Grilli Brasília-DF Setembro-2014

Leia mais

CARDÁPIO SEMANAL ALMOÇO MATER DEI OUTUBRO 2015 WEEKLY LUNCH MENU MATER DEI OCTOBER 2015

CARDÁPIO SEMANAL ALMOÇO MATER DEI OUTUBRO 2015 WEEKLY LUNCH MENU MATER DEI OCTOBER 2015 Segunda Terça Quarta Quinta 01 Sexta 02 Alface/couve Folhas Mistas abobrinha ralada tomate macarrão tricolor Grão de Bico Branco/ integral Branco/ integral carioca carioca Escalopinho ao molho madeira

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO CRÉDITO RURAL - 2004

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO CRÉDITO RURAL - 2004 Agrícola - CUSTEIO Lavoura ABACATE 57 1.229.660,94 900,99 ABACAXI 1.652 19.095.855,74 4.171,04 ABACAXI IRRIGADO 286 5.444.100,66 1.301,90 ABOBORA-MORANGA 439 2.221.087,69 1.630,91 ABOBORA-MORANGA IRRIGADA

Leia mais

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008 P R O A G R O Programa de Garantia da Atividade Agropecuária Deoclécio Pereira de Souza Rio Branco (AC) 22-07-2008 1 1.a S E G U R O A - M U N D O ANO > 1347 LOCAL > GÊNOVA - Itália FATO > 1º CONTRATO

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

CARDÁPIO JUNHO 2015. Sopa: Caldo verde ( alho, fubá, carne, óleo de soja, cebola, couve manteiga, tomate molho e ervas naturais)

CARDÁPIO JUNHO 2015. Sopa: Caldo verde ( alho, fubá, carne, óleo de soja, cebola, couve manteiga, tomate molho e ervas naturais) EXTERNATO SANTO ANTÔNIO 1ª SEMANA 01/06 (segunda-feira) 02/06 (terça-feira) 03/06 (quarta-feira) 04/06 (quinta-feira) 05/06 (sexta-feira) Leite com achocolatado Leite fermentado Iogurte CARDÁPIO JUNHO

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

(EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) Alface. Inhame cozido Frango acebolado

(EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) (EM CASA) Alface. Inhame cozido Frango acebolado CARDÁPIO EDUCAÇÃO INFANTIL (maiores de 2 anos) JUNHO/2015 Observações: A utilizada será sem lactose. Oferecer água durante todo dia. Não oferecer bebida durante o almoço ou jantar somente depois de no

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

CARDÁPIO INFANTIL 1ª SEMANA 04/05 A 08/05 SEGUNDA FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA

CARDÁPIO INFANTIL 1ª SEMANA 04/05 A 08/05 SEGUNDA FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA 1ª SEMANA 04/05 A 08/05 CARDÁPIO INFANTIL Suco uva Melancia picada Suco de manga picado Suco de pêssego Carne moída rica ( e Iscas de frango Bife de panela Moqueca capixaba Ensopado de frango vagem) Angu

Leia mais

especial SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA - Biscoito polvilho (sem leite e sem glúten) -Frutadaépoca -Bebidadesoja

especial SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA - Biscoito polvilho (sem leite e sem glúten) -Frutadaépoca -Bebidadesoja 1 09 a 13 03 04 a 08/05 29 06 a 03 07 24/08 a 28/08 19/10 a 23/10 14 12 a 18 12 - Suco de maracujá -Sucodeacerola - Suco de abacaxi - Alface crespa Cenoura - Ovos de codorna -Brócolis -Alfacelisa - Alface

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO DISTRITO FEDERAL CEASA-DF CEASA-DF

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO DISTRITO FEDERAL CEASA-DF CEASA-DF 2013 Boletim Mensal Abril CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO DISTRITO FEDERAL CEASA-DF CEASA-DF GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento Centrais de Abastecimento

Leia mais

Avaliação da Implementação do Programa de Subvenção do Prêmio do Seguro Rural

Avaliação da Implementação do Programa de Subvenção do Prêmio do Seguro Rural página Avaliação da Implementação do Programa de Subvenção do Prêmio do Seguro Rural Estela Alves de Medeiros 1 Resumo: O trabalho objetiva realizar avaliação da implantação do Programa de Subvenção do

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CL N o - 96 Brasília - DF, terça-feira, 21 de maio de 2013. Sumário PÁGINA Atos do Poder Executivo... 1 Presidência da República... 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento...

Leia mais

CARDÁPIO TO BE - JUNHO/2015

CARDÁPIO TO BE - JUNHO/2015 01/06 02/06 03/06 04/06 05/06 Manhã - Bebida Suco de laranja Suco de limão Achocolatado Pão de batata com requeijão Biscoito salgado com mel Bisnaguinha com margarina Sobremesa Maçã Banana Uva Prato principal

Leia mais

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF PRODUZINDO COM SEGURANÇA O Seguro da Agricultura Familiar - SEAF foi criado pelo Governo Federal para que o produtor possa desenvolver sua lavoura com segurança, atendendo

Leia mais

Cardápio 06.07 até 10.07.2015

Cardápio 06.07 até 10.07.2015 Cardápio 06.07 até 10.07.2015 COLAÇÃO Banana Suco de acerola Melão Suco de goiaba Maçã pepino/carne ao molho/ Abóbora cozida/ /batata e repolho/frango no molho/ cenoura cozida/ farofa de couve e ovos/arroz/feijão

Leia mais

Pão com queijo branco Salada de fruta + Biscoito de polvilho Bisnaguinha com geléia de morango + Maçã Pão de leite com margarina

Pão com queijo branco Salada de fruta + Biscoito de polvilho Bisnaguinha com geléia de morango + Maçã Pão de leite com margarina CARDAPIO SEMANAL - 2 a 6 anos 05 a 09 de OUTUBRO 05/10/2015 06/10/2015 07/10/2015 08/10/2015 Lanche da Manhã Bisnaguinha com queijo cremoso Cereal Matinal (Flocos de milho) Pão francês com margarina Pão

Leia mais

RELAÇÃO DE FATORES DE CORREÇÃO E ÍNDICE DE CONVERSÃO (COCÇÃO) DE ALIMENTOS

RELAÇÃO DE FATORES DE CORREÇÃO E ÍNDICE DE CONVERSÃO (COCÇÃO) DE ALIMENTOS RELAÇÃO DE FATORES DE CORREÇÃO E ÍNDICE DE CONVERSÃO (COCÇÃO) DE ALIMENTOS Elaboração: Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Nutrição UFPR 1 Abacate 1,14 1,34 1,33 1,68 1,46* Abacaxi 1,41 1,50 1,89 1,93*

Leia mais

Quantidade e Valor por Procedência dos Produtos - Estado/Município

Quantidade e Valor por Procedência dos Produtos - Estado/Município Quantidade e Valor por Procedência dos s - Estado/Município MINAS GERAIS 15.990 55.130,56 ITUETA 15.990 55.130,56 INHAME 15.840 54.986,12 LIMAO TAHITI 150 144,44 ESPÍRITO SANTO 15.893.194 36.463.630,09

Leia mais

Plano Abras Maior Apresentação maio/2013

Plano Abras Maior Apresentação maio/2013 Plano Abras Maior Apresentação maio/2013 Gestão Abras PLATAFORMA ABRAS 2013-2014 - 2014 SETOR HOJE PLATAFORMA ABRAS 2013-2014 Setor faturou R$ 242,9 bilhões em 2012 Supermercados respondem por 83,7% do

Leia mais

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais.

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. PA2 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. Abacaxi 8 7 6 5 4 3 2 1 199 1995 2 25 21 A produção nacional de abacaxi que vinha crescendo até 22 sofreu uma inflexão, voltou a subir

Leia mais

Cardápio Berçário - 2014

Cardápio Berçário - 2014 Data -- -- -- 02/01 03/01 Dia da semana Quinta Sexta Suco de maçã cozida Suco de melão Abóbora japonesa Abacate Banana nanica Data 06/01 07/01 08/01 09/01 10/01 Suco de melancia Suco de pera Suco de manga

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Cardápio. Cardápio. 1º de abril. 2 de abril. 3 de abril. 6 de abril. Comemoração de Pesach. Véspera de Pessach e feriado nacional.

Cardápio. Cardápio. 1º de abril. 2 de abril. 3 de abril. 6 de abril. Comemoração de Pesach. Véspera de Pessach e feriado nacional. agosto Cardápio 2014 abril 2015 1º de abril Pão francês integral. Ricota majericão e tomate cereja. Suco de melancia. Maçã. Espaguete alho e óleo. Bife empanado no forno. Frango de panela. Arroz integral/

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

Rua Roque Petrella,1146 Brooklin-São Paulo SP CEP.04581-051-Telefone (11) 5533.1026

Rua Roque Petrella,1146 Brooklin-São Paulo SP CEP.04581-051-Telefone (11) 5533.1026 PRIMEIRO DIA Somente Frutas Suco de frutas + 1 fruta Ex. suco de laranja com morango + 1{ mamão papaia DA MANHÃ 1 copo 250 ml Suco de melão + 1 fruta (ex. 1 ameixa ) Ex. Folhas de rúcula a vontade + 4

Leia mais

Eng. Agr. M.Sc. Waldemar Sanchez. Projetos Bayer para Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente (CSFI)

Eng. Agr. M.Sc. Waldemar Sanchez. Projetos Bayer para Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente (CSFI) Eng. Agr. M.Sc. Waldemar Sanchez Projetos Bayer para Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente (CSFI) Agenda Produtos / Culturas / Alvos Projetos Bayer: Investimentos & Prazos Bayer CropScience Visão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 Estabelece valores de referência para outorga de uso de recursos hídricos em corpos de água de domínio do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

Cardápio Refeição Semanal

Cardápio Refeição Semanal SEMANA 1 Segunda (30/05) Terça (31/05) Quarta (01/06) Quinta (02/06) Sexta (03/06) Espaguete ao Espaguetti ao sugo c/ manjericão Hambúrguer fitness (carne moída com aveia) Maminha ao molho madeira Kafta

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO CRÉDITO RURAL - 2008

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO CRÉDITO RURAL - 2008 5.1.1.4 - ATIVIDADE E FINALIDADE - ITEM - UNIDADE DA FEDERAÇÃO PRODUTOS (ITENS S) ACRE CUSTEIO Lavoura AMENDOIM 26 313.447,50 288,00 ARROZ DE SEQUEIRO 90 115.247,33 247,72 CUPUACU 1 180.00 135,00 FEIJAO

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO COMPOSIÇÃO NUTRICIONAL DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NO BRASIL: UMA ANÁLISE A PARTIR DE UMA AMOSTRA DE CARDÁPIOS - 2011

RESUMO EXECUTIVO COMPOSIÇÃO NUTRICIONAL DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NO BRASIL: UMA ANÁLISE A PARTIR DE UMA AMOSTRA DE CARDÁPIOS - 2011 RESUMO EXECUTIVO COMPOSIÇÃO NUTRICIONAL DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NO BRASIL: UMA ANÁLISE A PARTIR DE UMA AMOSTRA DE CARDÁPIOS - 2011 1 Objetivo e Metodologia O presente relatório apresenta os resultados da

Leia mais

UNIVERSAL KIDS. Quarta 03/06

UNIVERSAL KIDS. Quarta 03/06 Semana 1 01/06 02/06 03/06 04/06 05/06 Bolacha de Maisena; Biscoito de água e sal; Banana; Mamão; Manga; Maça; Sopa de Frango com Batata Cenoura (quando Sopa de Mandioquinha com iscas de fígado Sopa de

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL QUALIDADE DE VIDA. Nut. Dra. Adriana Flores CRN-3 6408

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL QUALIDADE DE VIDA. Nut. Dra. Adriana Flores CRN-3 6408 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL QUALIDADE DE VIDA Nut. Dra. Adriana Flores CRN-3 6408 Estética Saúde METABOLISMO 20 ANOS 30-35 ANOS 40-45 ANOS CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA ALIMENTOS TERMOGÊNICOS Gengibre Canela Pimenta

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

Receitas de Sucos. Sucos com Frutas. Suco de abacaxi e gengibre. Suco de laranja, amora e grapefruit. Batida de papaya e laranja

Receitas de Sucos. Sucos com Frutas. Suco de abacaxi e gengibre. Suco de laranja, amora e grapefruit. Batida de papaya e laranja Receitas de Sucos Sucos com Frutas Suco de abacaxi e gengibre 1 abacaxi médio bem maduro 1 colher de sopa de gengibre fresco picado 4 copos de água Lavar bem o abacaxi usando uma escova. Descascar com

Leia mais

ESCOLA INFANTIL PARAÍSO UNIDADE III JUNHO 2016 Cardápio sujeito a alterações de acordo com a disponibilidade dos alimentos

ESCOLA INFANTIL PARAÍSO UNIDADE III JUNHO 2016 Cardápio sujeito a alterações de acordo com a disponibilidade dos alimentos 01/06 02/06 03/06 LANCHE DA MANHÃ Banana Manga Goiaba Yakissoba de carne com legumes (macarrão cabelo anjo) Frango desfiado com tomate Guarnição ---- Milho refogado com Bolinho de peixe com batata doce

Leia mais

FRUTAS E HORTALIÇAS FONTE DE PRAZER E SAÚDE

FRUTAS E HORTALIÇAS FONTE DE PRAZER E SAÚDE FRUTAS E HORTALIÇAS FONTE DE PRAZER E SAÚDE O que são frutas e hortaliças? Consumimos diferentes partes da planta. Chamamos de fruta a maioria dos frutos maduros e de sabor doce, e de hortaliça as diferentes

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

AGB Doce. Programa Incentivo ao Uso Racional de Água na Agricultura (P22)

AGB Doce. Programa Incentivo ao Uso Racional de Água na Agricultura (P22) Programa Incentivo ao Uso Racional de Água na Agricultura (P22) Programa Incentivo ao Uso Racional de Água na Agricultura (P22) Objetivos: Identificar áreas críticas relacionadas ao uso de água para irrigação,

Leia mais

Seguro da Agricultura

Seguro da Agricultura Seguro da Agricultura SEAFFamiliar Produzindo com Segurança 2 I Cobertura Padrão do SEAF (a partir de julho de 2015) 4 Enquadramento... 5 Cobertura... 7 Vigência do amparo do SEAF... 9 Comprovação de

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS 04 de maio de 2009 RAZÃO DA POLÍTICA AGRÍCOLA CARACTERÍSTICA DA PRODUÇÃO Concentrada no tempo Consumo ao longo do ano Perecibilidade Baixo valor agregado Alta dispersão

Leia mais

PERÍODO DE 18 A 22/08/2014

PERÍODO DE 18 A 22/08/2014 CARDÁPIO BERÇÁRIO I 1ª FASE MATUTINO COLAÇÃO Papinha de Papinha de Papinha de Papinha de Maçã raspadinha 8H30 banana manga melão mamão legumes legumes legumes (abóbora legumes (mandioca, (mandioquinha,

Leia mais

MUNICIPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DIVISÃO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SEÇÃO DE SUPERVISÃO E ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

MUNICIPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DIVISÃO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SEÇÃO DE SUPERVISÃO E ALIMENTAÇÃO ESCOLAR 1ª SEMANA - 03/08/2015 À 07/08/2015 2ª 03/ago BISNAGUINHA ARROZ/FEIJÃO SOPA DE LENTILHA, COM REQUEIJÃO KIBE DE PEIXE FRUTA CARNE MOÍDA E LEGUMES BEBIDA LACTEA CENOURA REFOGADA (BATATA/CENOURA/ CHUCHU)

Leia mais