Eduardo Roberto Junqueira Guirnaraes (POC- Campinas & Faculdades Integr~ das Santo Tanas de Aquino- Uberaba) 1- Definisrao de Litotes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eduardo Roberto Junqueira Guirnaraes (POC- Campinas & Faculdades Integr~ das Santo Tanas de Aquino- Uberaba) 1- Definisrao de Litotes"

Transcrição

1 Eduardo Roberto Junqueira Guirnaraes (POC- Campinas & Faculdades Integr~ das Santo Tanas de Aquino- Uberaba) 1- Definisrao de Litotes Podem::>scbservar que 0 estudo das figuras tern side, caracteristicamente, descritivoo au seja, a preocupac;:ooe, no.rmal.irente, arrolar e definir as figuras. Isto e, descrever cada fato visto caro figura. Asslln ~ finiu-se t.arnb6n a litotes, caro sendo a figura que co.!! siste em dizer nenos para significar mais do que se di~ 2- A AbordagemConversacional 2.1- ConsideracrOesgerais Atual.Irente, uma abordagem que podemjs chamar de conversacional, para usar 0 tenro de Grice, tern indi cade a possibilidade de verern-se as figuras caro efeitos de sentide, interpretados de acordo cnn estas leis I que dirigem 0 a:mportairento lingtllstico I em relacrao cx::rn as situac;:oes Particulares de discurso. Cc:mJse sabe, e~ ta e uma posic;:aoque aborda 0 sentide de urnponto de vista intencional, ou seja, todo discurso e produzido cx::rnurnaintenc;:ao que 0 ouvinte procura depreender e, as

2 sim, encantra 0 sentido do IreSIIDo Grice (1975, po 71) d.3.alguns exemplos de cane sac produzidos efeitos de sentido (que ele chama irnplicaturas canversacionais) que tern sido chamadosde figuras 0 Por esta via Parece poder-se fazer, entao, urnest.l! do explicativo das figuras, ou seja, qual 0 Irecanism::> que as produz 0 Ducrot em Dire et ne pas Dire (1972) considera o problema dos efeitos de sentido no que ele charrouca.!! ponente retorica. Este elemento derivaria os diversos sentidos de urnenunciado a Partir de certas leis de di2., curso considerando-se suas si tua<;oesparticulares 0 A maneira ccm::>aborda 0 que se tern chamadc figuras e, no entanto, diversa da de Grice. Ele se caloca na posic;ao de quem fonnula leis especificas para as figuras que se quer explicar 0 Assim formula una lei de discurso que denanina litotes. Ducrot diz que a litotes "leva a interpretar urn enunciado cx:rrodizendo mais do que sua signifi~ao li teral" 0 Na verdade, quando se diz que a litotes "leva a interpretar 000 " fica urnvazioo Que lei e esta que "leva a interpretar "? Afinal, Ducrot nao fonnula a lei, ~ bora diga que esta seja sua fonnula!iaoo 0 que deverrosdi zer e que ha uma lei, nao fonnulada, que Ducrot chama de litotes, que leva a interpretar 0 sentido de urnenu!}, ciade c.c:irodizendo mais que seu sentide literal (que l~

3 va a uma.interpretar;ao Ii totica), Un outro aspecto a considerar na posir;ao Ducrot e que para ele a litotes seria 0 resultado da ar;ao desta lei, que ele charroude litotes, nuna situar;ao tal em que existam certas convenr;oessociais que l!:, verna interpretar;ao de acordo cerna lei de Ii totes. Entao, de acordo cern0 proprio Ducrot, ha oortas condir;oesgerais que estao presentes na interpretar;ao ca, mas que nao estao na lei da Ii totes. fonnular;ao da litotes leis tais de 1itOt! Seria interessante, tambem, observar caro a destoa. cernrelar;ao as outras duas fonnuladas por Ducrot. Para isso relent>remos aqui leis: a- lei da infonnatividade: "Charnarroslei da infonnati vidade umacondir;ao a qual esta submetida, por definir;ao, qualquer enunciar;ao que tenha por objetivo infonnar 0 ouvinte. Nao se pode, can efei to, alcanr;ar e~ se resultado a menos que 0 ouvinte desconher;a 0 fato que se The aponta" (Ducrot, 1977, p. 144). b- lei da exaustividade: "00. exige que 0 10 cutor de, sobre 0 terna de que fala, as inforrnar;oosmais fortes que possuir, e que sejam suscetiveis de interes sar 0 destinatario" (Ducrot, 1977, po 145)0 c- Litotes: "leva a interpretar urnemmciado cane dizendo mais do que sua significar;ao literal" (Ducrot, 1977, po 148). Nota-se, de inicio que a Ii totes e formulada

4 para urntipo de caso, enquanto que as duas pri.ireiras leis gerais sabre 0 canportairento linguisticoo Sac leis que dizem respei to a todas as enunciac;:ees0 Isto m::>s tra que ha, enta~, urndeslize t,earico de Ducrot, dando ao que chamoulei da litotes 0 rresmoestatuto que as outras duas leis 0 Esse cara:t.er Particularizador da formulac;:aoda Ii totes per Ducrot carrbina cxma considerac;:aoda li totces reo carro umalei, mas caro resultado da rela<;;ao de umalei em oontato can as s1tua<;;oesparticulares de dis Notarros, entao, que a maneira cano Ducrot tra ta a litotes apresenta problemas de tres ordens 0 19) Nao mega, de fate, a forroular a litotes 00 m::> lei, pois dizer que a Ii totes "leva a interpretar 0 0 0" e cane se ele estivesse dizendo que a litotes e umalei L i tal que leva a interpretar (a lei nao fica definida) 0 29) A pretensa lei deve contar can certas con di<i>es socials, que, estas siln, dirigem a interpretac;:ac litoticao 39) Ele formula 0 que seria a lei comolei ~ ticularizadora no oonjunto de leis gerais, deixando oo!!. sequenteroonte, corro valida, a hipetese de que cada fate considerado carro figura tern uma lei propria"

5 descartar tal posicrao porque: 19) Nao se trata, na verdade, de urnalei, ja que a propria fonnulac;ao de Ducrot desliza nessa que. ta~; 29) 0 que seria a lei da Ii totes e formulada CCIOC> lei. particularizadora no oonjunto de leis gerais sobre 0 CCl!p)rtamentoling(1istioo em geral; 39) Una posicrao explicativa deve fonnular urn ni3irerorestrito de leis sobre 0 carp:>rtamento linguist,!. co em geral que sejam capazes de explicar a infinidade de fatos que se e obrigado a abordar, ou seja, as dive, sas figuras devemser resul tado de urnni3m:!ropequeno de leis 0 Fonnular uma lei para cada figura e negar a poss.!. bilidade de se explicar 0 problema da variac;ao de senti doo Pelo que acabaridsde dizer, parece que a P sicrao entrevista em Grice Cleveser urncarninho a explo - rar no estudo das figuras. Tarem:>s,entao, sua formulacraodas leis conversacionais (rm.x:imas) e vejamos se ela e capaz de explicar a litotes tal ccm:> se sugeriu para outras figuras (Grice, 1975, po 71) 0 Assirn podemos ver tal sol~ao CXII10 generalizadora e explicativa, e nao, meramente, taxioncmica e descritiva. Leis Conversacionais: a- principios de Cooperac;ao: "Facrasua C'.oll

6 tribuis;:a.o oonversacional tal cx:m:> e requerida, no es~ gio ernque ela ocorre, pelo proposito acei to ou dire~ao da troca de fala na qual esta engajado" (po 67) 0 b- Lei da Quantidade: bol- "Fas;:asua contribui~ ta~ infonnativa quanta requerida (pelos pr0p5sitos presentes da troca) " b a 2- e possi velmante "nao fac;;:asua contri - buis;:aomais infonnativa que 0 requerldo" (po 67) c c- Lei da Qualidade: "procure fazer uma contribuis;:ao que seja verdadeira" col- "Nao diga 0 que voce acredita falso" 0 c.2- "Nao diga aquilo Para 0 qual voce precisa de evio.encia adequada ll (p0 67). d- Lei da Relas;:ao~"Seja re1evante" (po 67) 0 e- lei do rrodo: "Nao diz respeito ao que e di to (caro as categorias anteriores), mas, antes, caw 0 que e duo Cleveser dito" 0 e.l- Seja perspicuo (claro, mtido, lucido, breve, ordenado) II uma Exp1ica.<;:aoPossivel Conside:rareIIDsque 0 Quvinte e guiado na sua intel:pretas;:oo dos di versos enunciados pelas leis conver sacionais 0 Ele interpreta urnenunciado figuradamente quando ve, no loc:ut,or, 0 desrespeito, intencional, a urnadas leis.

7 Dirercos, entao, inicialrrente, que a Ii totes e urnefei to de sentido resul tante do desrespei to a lei da quantidade 0 0 ouvinte interpreta urnenunciado Ii toti carcente se reconhece no locutor 0 desrespeito a tal lel no dizendo Tarerros agora dois enlidciados. lac Seu fitho nao e inteligente. lb:- Seu filho nao e nada inteligente. Os dois enunciados podemser interpretados c 1'. - Seu fitho e retardado. Podemosdizer que ~ tern caro sentido lite teligente/ SuponhaIrosumasit~ao tal caro Sl: Sl: Una mae (x) c::onversacan outra (y).ambas consideram seus fithos ccm::>os nelhores do mundo, e sa hem as opinioes uma.da outra. EmSl' ao dizer lac ou lb., a mae estara di zenda, exp1icitarnente, rrenos do que de fato quereria d! zero E a mae (y) entendera lac e lb. caro dizendo 0 pior scbre seu fillio.

8 cio: lao pede ser interpretado, ern outras situa~s,s~ plesment.e 9 cx::m::> negando a int~ligencia, mas sem afir ~ roar 0 retardamentoo No entanto, isto nao acontere can 1b0' que sera sempre vista oaro afinnando 0 re'ta-xdam:mtoo Mas ist-e nao parece empecilho a que considererros 0 efeito litotico C<m) resultante da existencia de certas leis COIOC:l as que aciroa colocarros a o ouvinte interpreta. litoticarrente urn enunciado, cano ja disset!1os, ql1.andove desrespei to a lei. quantidadeo Assim inte:rpreta lao cano la~ se a relaetao da guant.idade can a situa.c;ao part,icular da 0 leva a pensar que 0 locutor;' des:respei tou tal lei 0 Assim jnr.erpret;a 0 enunciado caw dizendo mais do que fol di to explici~ teo Para 0 caso de lb 0' podenos dizer que ha cerms elerrentos na propria sintaxe de urnpnunciado que leva 0 ouvint~ a ver 0 desrespei to a \mjalei, neste ca so, a da quantidade, e, desta for.ma, ele inter.preta 0 enunciado pelo sentido figurado resultante de tal desres pei to, e nao pelo sentido literal 0 Poderros ver, t.airibem, que a rresma fun<;:ao que tern 0 ~ em ~ pede ser exereida par uma a=rta enton~ao (E l ) 0 Assim Ie '.~l)(e ~ ~ seu'. f'lh 10 0 nao ~ e~, m,.blgen ~ l' te sera entendido, necessariamant.e, cano afinnando 0 retar darrento da crian9aa Entao, tal entona9ao deve ser t.r.at~ da CcmJ 0 nadao Assim a enrona9ao E l e vista pelo ouv41

9 te caoo indicando que ele deve interpretar 0 enunciado a:m:.:> desrespei tando a lei da quantidade 0 Pelo que dissemos, podeiros afi!:mar que a litotes e uma figura que consiste em clizer rrenos do que reaj.irente se quer dizer 0 E a interpretac;ao do ~is e explicada pelas leis que dirigem 0 ccmportairento lingflistico em geral (leis conversacionais) 0 Especificando nethor, 0 ouvinte intexpreta. 0 enunciado cane dizendo ~ pois, ou a situa~ao, ou umarnarca sintatica gua!. quer, ou umarnarca entnnacional 0 leva a considerar que o locutor desrespei tou a lei da quantidade 0 Ha, no entanto, urnoutro problema a enfrent.ar 0 Tanem::>s os enunciados tos e certos prancos c 2a. CE;rt.DSpretos nao sac inteligentes 2bc Certos brancos nao sac inteligentes Obs: nossa at-en~ao agora e scb~e certos pr~ 2ao pede ser interpretado litoticamente c::aoc> 2a'~ Todos os pretos nao sac inteligentes de que, por exerrplo, 0 ouvinte da 2ao des sailia que seu locutor (urnbranco) e racistao No entanto, interpreta~ao semelhante nao parece ser possi vel para 2bc, nesmo que seu locutor seja urnnegro racista. Un enunciado cx:m::> ~ tern aparencia de afinna~ao baseada em observa~oes estatisticas. E podem::>s ver que isto nao e urnproblema so

10 da Ii totes 0 Observe-se que 3ao Todo preto e burro, embora nao respei te a lei da qualidade, pede ser di to e e interpretado caro umahipemole, enquant.o que 3b0 Todo branoo e burro e inacei tavel em qualquer si tua~o, pois nao pede ser vista CaID hiperboleo o problema para nos e que nao vernoscano <Jar as leis conversacionais capacidade explicati va sabre e., tes fatos 0 E nao se trata t.amt>emde certos trac;;:ossinta ticos ou entonacionais que rrostram a necessidade de se ver desrespei to a uma certa lel Considerarerros que ha na linguagem 0 que chamarerrosaqui certos trac;;:osideolo gicos que devem ser, tarrlbsn, ronsiderados no estudo das figuraso PodeIros concluir que uma abordagem oonversaci2, nal (logo intencional, nao formal) parece urn caminho poss! vel para ex:plicar, e nao siroplesrrente descrever, a litotes e por extensao as figuras em geral poclemjs di zer, cluir tarnl:>t?m, que a explicac;:ao de tais fenanenos deve i!!, a considerac;:ao do que chamanos trac;;:osideologioos:, E ooncluir mais: nao se pede, entao, estudar a lin~ gem sem considerar tais tra<;oso Resta, no entanto,o pr blema de caro enfrentar e tratar estes aspectos ideolo gicos 0

11 De outro lado, pu.clerrosver ca:ro as leis CO!!, versacionais podemexplicar fencrnenossintaticos e ent2 nacionaiso Mas 0 que aqui dissemjs nao e mais que 0 es bo<;:ode urntrabalho que deve ver a Ii totes entre as cli versas figuras e estas no conjunto da construc;rao geral de uma gramatica: fonologia (entonac;rao), sintaxe, seman tica (tratada do ponto de vista intencional) que preci sa alargar-se para inclulr aspectos ideologicos c Ducrot, 00 - Dire et ne pas Dire c Paris, Hermann, 1972 (Trad\J9aobrasi1eira: PrincIplos de semant.ica Ldngtllsticao Sao Paulo, Cultrix, 1977)c Grice, HoPe- "Logic and COnversation" 0 The Logic of Grarrmare California, Dickenson Publishing canpany -, 1975, po xx 8eminario do GEL Bauru, 1978

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Grice, o que é dito e o que é comunicado

Grice, o que é dito e o que é comunicado Grice, o que é dito e o que é comunicado Referências: Grice, Paul, Logic and conversation, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 22-40. Grice, Paul, Meaning,

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

- A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. latina. Nossos primeiros gramaticos optam por descrever

- A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. latina. Nossos primeiros gramaticos optam por descrever CLAUDI 0 PUC/Sp CAMPOS - A palavra isolada - morfologia - A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. - Considera~oes Nossa gramatica originou-se da gramatica latina. Nossos primeiros gramaticos optam

Leia mais

Profa. Lineide do lago Salvador M:>sca. Prof. Jose Luts Fiorin UNESP- Araraquara. Prof. Francisoo da Silva Borba UNESP- Araraquara

Profa. Lineide do lago Salvador M:>sca. Prof. Jose Luts Fiorin UNESP- Araraquara. Prof. Francisoo da Silva Borba UNESP- Araraquara Grupe>de trabatho: 0 Enaino cia Li7lf}Utatiaa naa FaauZciadea: Perapeativaa Atuais Participantes: Profa. Lineide do lago Salvador M:>sca Faculdades Integradas do ABC- Coordenadora Prof. Jose Luts Fiorin

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

o meu trabalho e resultante das reflexoes que

o meu trabalho e resultante das reflexoes que A APRENDIZAGEM DE LfNGUA PORTUGUESA NA 5~ S~- RIE DO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU: UMA EXPERIBNCIA E PRIN- CfPIOS PARA UMA PROPOSTA DE ENSINO. Esta comunicacao pretende expor as linhas gerais de minha dissertacao

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA

DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA A MÚSICA POSITIVISMO DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA Josegleide Elioterio dos Santos gleideelioterio@hotmail.com

Leia mais

O USO DO CONECTOR PORTANTO EM TEXTOS DE PAULO SANT ANA E MARTHA MEDEIROS

O USO DO CONECTOR PORTANTO EM TEXTOS DE PAULO SANT ANA E MARTHA MEDEIROS Introdução O USO DO CONECTOR PORTANTO EM TEXTOS DE PAULO SANT ANA E MARTHA MEDEIROS Fernanda Knecht 1 O presente trabalho tem como base a Teoria da Argumentação na Língua (doravante TAL), desenvolvida

Leia mais

E S T A T U T O D O C L U B E D E R E G A T A S B R A S I L

E S T A T U T O D O C L U B E D E R E G A T A S B R A S I L E S T A T U T O D O C L U B E D E R E G A T A S B R A S I L H I N O O F I C I A L J a y m e d e A l t a v i l a I A o r e m o! Po i s n o s s o n o r t e D e g l ó r i a s t r a ç a d o e s t á. F a ç

Leia mais

TINHA UM POEMA NA PROVA DE INGLES DO VESTIBULAR DA UNICAMP Josalba Ramalho Vieira(UFSC) Maria Viviane Costa Pinto(UNICAMP)'

TINHA UM POEMA NA PROVA DE INGLES DO VESTIBULAR DA UNICAMP Josalba Ramalho Vieira(UFSC) Maria Viviane Costa Pinto(UNICAMP)' TINHA UM POEMA NA PROVA DE INGLES DO VESTIBULAR DA UNICAMP Josalba Ramalho Vieira(UFSC) Maria Viviane Costa Pinto(UNICAMP)' A prova de ingl@s do vestibular da Unicamp em 1993 apresentou urnpoema de Emily

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

AMANIPULA~Ao EDITORIALISTA. Maria da Gra~a' Krieger. Insti. tuto de Letras. Porto Alegre. Universidade Federal do Rio

AMANIPULA~Ao EDITORIALISTA. Maria da Gra~a' Krieger. Insti. tuto de Letras. Porto Alegre. Universidade Federal do Rio AMANIPULA~Ao EDITORIALISTA. Maria da Gra~a' Krieger. Insti tuto de Letras. Porto Alegre. Universidade Federal do Rio Grande do SuI. o editorial, em especial, 0 jornalistico distingue-se dos textos de noticia,

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

CINQUENTA ANOS DA DESCOBERTA DA TRISSOMIA DO

CINQUENTA ANOS DA DESCOBERTA DA TRISSOMIA DO NESTE SEMESTRE DEMOS CONTINUIDADE AO TEMA GERADOR ADID VINTE A- NOS / CINQUENTA ANOS DA DESCOBERTA DA TRISSOMIA DO 21 E, JUNTAMENTE COM OS ALUNOS, RESOLVEMOS CRIAR ESTA REVISTA. ACREDITAMOS QUE A INTEGRAÇÃO

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

AUTORIDADE DA INFORMAÇÃO

AUTORIDADE DA INFORMAÇÃO AUTORIDADE DA INFORMAÇÃO Eduardo Guimarães DL-IEL/Labeurb - UNICAMP RESUMO: Este artigo traz uma análise da afirmação Se não está no Google, não existe, na relação com a pergunta Se não está no Google,

Leia mais

1º ANO A 06 07 2015 ATIVIDADE DE FÉRIAS

1º ANO A 06 07 2015 ATIVIDADE DE FÉRIAS 1º ANO A 06 07 2015 VAMOS RELEMBRAR ALGUMAS ATIVIDADES QUE APRENDEMOS DURANTE AS AULAS? LEIA E IDENTIFIQUE CADA SÍLABA DOS QUADROS ABAIXO, DEPOIS RECORTE E COLE UMA FIGURA QUE INICIE COM A SÍLABA E ESCREVA

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

o dicionirio tem se mostrado, em geral, de

o dicionirio tem se mostrado, em geral, de IDA HEKLER FACULDADE RENASCEN~A-SP o dicionirio tem se mostrado, em geral, de grande valia para as questoes relativas ao significado convencional. No entanto, ele carece de uma flexibilidade tal que Ihe

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Aula 5. Limites laterais. Para cada x real, de ne-se o valor absoluto ou m odulo de x como sendo ( jxj = x se x<0

Aula 5. Limites laterais. Para cada x real, de ne-se o valor absoluto ou m odulo de x como sendo ( jxj = x se x<0 Aula 5 Limites laterais Para cada x real, de ne-se o valor absoluto ou m odulo de x como sendo ( x se x jxj = x se x< Por exemplo, j p 2j = p 2, j+3j =+3, j 4j =4, jj =, j p 2j = p 2 (pois p 2 < ). Para

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

OS SISTEMAS TEMPORAlS EM "MOMENTO NUM CAFE", DE MANUEL BANDEIRA

OS SISTEMAS TEMPORAlS EM MOMENTO NUM CAFE, DE MANUEL BANDEIRA OS SISTEMAS TEMPORAlS EM "MOMENTO NUM CAFE", DE MANUEL BANDEIRA Vera Lucia Massoni XAVIER DA SILVA (Universidade Rio Preto) Estadual PaulistalSao Jose do ABSTRACT: In this paper we examine the temporal

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

PESQUISA PERFIL DO TURISTA

PESQUISA PERFIL DO TURISTA PESQUISA PERFIL DO TURISTA 1) Qual país de origem? Categoria em (%) Brasil 98,19 98,66 97,55 América Latina 0,86 0,55 1,28 Outros países 0,95 0,80 1,16 País de origem América La tina 1% Outros pa íses

Leia mais

Michel Pêcheux e a Análise de Discurso

Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Estudos da Língua(gem) Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Michel Pêcheux et l Analyse de Discours Eni P. ORLANDI * UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS (Unicamp)

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

AQUELE QUE DIZ O QUE NÃO DIZ UMA BIOBLIOGRAFIA DE OSWALD DUCROT

AQUELE QUE DIZ O QUE NÃO DIZ UMA BIOBLIOGRAFIA DE OSWALD DUCROT AQUELE QUE DIZ O QUE NÃO DIZ UMA BIOBLIOGRAFIA DE OSWALD DUCROT EDUARDO R. J. GUIMARÃES DL IEL / LABEURB UNICAMP Oswald Ducrot nasceu em Paris em 1930. Fez seus estudos na École Normale Supérieure de 1949

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Professora: Raquel de Lemos Tochetto PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Competências Linguagem oral, leitura e escrita. Objetivo geral:

Leia mais

DAI/DCTEC/DE-I/ 228 /692 (B46) (F37)

DAI/DCTEC/DE-I/ 228 /692 (B46) (F37) DAI/DCTEC/DE-I/ 228 /692 (B46) (F37) O Ministério das Relações Exteriores cumprimenta a Embaixada da França e tem a honra de acusar recebimento da nota número 1166, de 28 de setembro do corrente ano, cujo

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo)

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo) Questão Muito do pioneirismo das ideias de Saussure advém do fato de o autor ter sido o primeiro a mencionar a natureza social da língua, como se pode observar no seguinte excerto do Curso de Linguística

Leia mais

Universidade Estadual d Campinas/UNICAMP SP

Universidade Estadual d Campinas/UNICAMP SP Universidade Estadual d Campinas/UNICAMP SP Renovação de Credenciamento do Curso de Pos-Graduação em Engenharia Elétrica, em níveis de Mestrado e Doutorado Nilson Paulo I - RELATORIO 0 curso de pós-graduação

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara Denotação x Conotação Sentido denotativo: Meus alunos comeram uns doces. Sentido conotativo: Meus alunos são uns doces. Figuras

Leia mais

A Dimensão Pragmática em Textos Publicitários e Manchetes 1

A Dimensão Pragmática em Textos Publicitários e Manchetes 1 A Dimensão Pragmática em Textos Publicitários e Manchetes 1 Gustavo MENEGUSSO 2 Elias José MENGARDA 3 Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/Cesnors) Resumo Este artigo apresenta um conjunto de textos

Leia mais

A PJNCAO DO ORGAD ESPECIALIZADO m BJ3EJJHARJA DE SEGURANÇA. DO TRffiAU NAS INSTALAÇÕES NUCLEARES JOSÉ EDUARDO LBE SALVATORE

A PJNCAO DO ORGAD ESPECIALIZADO m BJ3EJJHARJA DE SEGURANÇA. DO TRffiAU NAS INSTALAÇÕES NUCLEARES JOSÉ EDUARDO LBE SALVATORE A PJNCAO DO ORGAD ESPECIALIZADO m BJ3EJJHARJA DE SEGURANÇA DO TRffiAU NAS INSTALAÇÕES NUCLEARES JOSÉ EDUARDO LBE SALVATORE A FUNCÀD DO ÓRGÃO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO NAS INSTALAÇÕES

Leia mais

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Álgebra Linear André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Janeiro/2006 Índice 1 Sistemas Lineares 1 11 Corpos 1 12 Sistemas de Equações Lineares 3 13 Sistemas equivalentes 4 14 Operações elementares

Leia mais

Canvas e Elevator Pitch: como uma organização cria, entrega e captura valor. Poli.Design

Canvas e Elevator Pitch: como uma organização cria, entrega e captura valor. Poli.Design Canvas e Elevator Pitch: como uma organização cria, entrega e captura valor Poli.Design Canvas O que e um Modelo de Nego cio? Um modelo de Nego cio descreve a lo gica que cada organizac a o cria, distribue

Leia mais

o assalto ao turno constitui, em geral, uma violagao do

o assalto ao turno constitui, em geral, uma violagao do A conversagao e uma atividade, basicamente, interaciona1. Quando dois inter10cutores mantem urn dia10go, ha uma n~ gociagao permanente; enquanto urn esta na condigao de ouvinte, o outro permanece como

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis Análise de sentido em provas de proficiência em Língua Inglesa para a seleção de cursos de mestrado e doutorado na UniRitter: Uma abordagem semântico-argumentativa. Marlon Machado Oliveira Rio Mestrando

Leia mais

A fome sob o paradigma da notícia: uma análise dos jornais Folha de S. Paulo e O Dia

A fome sob o paradigma da notícia: uma análise dos jornais Folha de S. Paulo e O Dia A fome sob o paradigma da notícia: uma análise dos jornais Folha de S. Paulo e O Dia Por Denise Paro Universidade Estadual Paulista (Unesp-Bauru) Mestranda em Comunicação deniseparo@uol.com.br Palavras

Leia mais

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A) NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO Gabriel Nascimento dos Santos (UESC) gabrielnasciment.eagle@hotmail.com Maria D Ajuda Alomba

Leia mais

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):33-41 Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Conselho Nacional de Saúde - Resolução 196/96 Pes qui sa Qu a li fi ca ção do pesquisador

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAl DA PARAiBA

UNIVERSIDADE ESTADUAl DA PARAiBA CRIADA PELA LEI N,O4.977, DE 11 DE OUTUBRO DE 1987 58100-001 - CAMPINA GRANDE - PARAI'BA FAX: 083) 341-4509 ESTABELECE NORMAS PARA FIXAc;AO, ALTERAc;XO E APLICAc;AO DOS REGIMES DE TRABALHO DOS DOCEN TES.

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES A du ra ção da pro va é de 2 ho ras. Escreva um texto argumentativo. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex to. Use as informações disponíveis

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

CAMARA lvlunicipal DE SAO JOSE DO RIO PRETO - SP

CAMARA lvlunicipal DE SAO JOSE DO RIO PRETO - SP CAMARA lvlunicipal DE SAO JOSE DO RIO PRETO - SP Rua Silva Jardim, 3357 - Centro CEP 1501 0-060. Fone: (1 7) 3214 77 77 - Fax: (1 7) 3214 7788 www.camarariopreto.com.br A P RF" '1;;;;111'jkJ""'\t6. "",,;c;7.~

Leia mais

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade.

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade. Apostila de Vetores 1 INTRODUÇÃO Fala, galera! Essa é a primeira apostila do conteúdo de Física I. Os assuntos cobrados nas P1s são: Vetores, Cinemática Uni e Bidimensional, Leis de Newton, Conservação

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL José Nuno Lacerda Fonseca Resumo Analisando vários indícios da existência de efeitos anti-sociais da actividade dos meios de comunicação social, reflecte-se

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

O CONTRATO DE COMUNICAÇÃO NAS PÁGINAS DE ABERTURA DAS OPERADORAS DE TELEFONIA MÓVEL

O CONTRATO DE COMUNICAÇÃO NAS PÁGINAS DE ABERTURA DAS OPERADORAS DE TELEFONIA MÓVEL O CONTRATO DE COMUNICAÇÃO NAS PÁGINAS DE ABERTURA DAS OPERADORAS DE TELEFONIA MÓVEL Renata dos Santos Mendes 1 Faculdade de Engenharia da Universidade do Estado de Minas Gerais Fundação Comunitária Educacional

Leia mais

Universidade de Sao Paulo Faculdade de Educa<;ao

Universidade de Sao Paulo Faculdade de Educa<;ao Universidade de Sao Paulo Faculdade de Educa

Leia mais

OPERADORES LÓGICOS E RELACIONAIS UDERSON LUIS

OPERADORES LÓGICOS E RELACIONAIS UDERSON LUIS Sumario: Este artigo descreve a manipulação dos dados de operadores lógicos relacionais, descrevendo a utilização destes operadores. Sobre o Autor: Uderson Luis Fermino, formado em Ciências da Computação

Leia mais

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA CAPÍTULO 1 AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA Talvez o conceito físico mais intuitivo que carregamos conosco, seja a noção do que é uma força. Muito embora, formalmente, seja algo bastante complicado

Leia mais

Canguru Matema tico sem Fronteiras 2013

Canguru Matema tico sem Fronteiras 2013 Canguru Matema tico sem Fronteiras 201 http://www.mat.uc.pt/canguru/ Destinata rios: alunos dos 12. ano de escolaridade Durac a o: 1h 0min Turma: Nome: Na o podes usar calculadora. Em cada questa o deves

Leia mais

Termoquímica. mica. Prof. Ms.. João Neto

Termoquímica. mica. Prof. Ms.. João Neto Termoquímica mica Prof. Ms.. João Neto H 2 O 2 NH 4 ClO 4 Prof. Ms. João Neto - Termoquímica 2 TERMOQUÍMICA: é o ramo da Química que tem por objetivo o estudo da energia associada a uma reação química.

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento Resumo O presente artigo pretende analisar as práticas e representações dos deputados portugueses

Leia mais

Universidade de Évora Mestrado em Ciências da Linguagem e da Comunicação. Plano de Estudos. «Tronco Comum» Ano 1, Semestre 1

Universidade de Évora Mestrado em Ciências da Linguagem e da Comunicação. Plano de Estudos. «Tronco Comum» Ano 1, Semestre 1 Universidade de Évora Mestrado em Ciências da Linguagem e da Comunicação Plano de Estudos «Tronco Comum» Ano 1, Semestre 1 QUADRO Nº 5 Créditos Observações 1 Ciências do Léxico Análise do Discurso Aquisição

Leia mais

UM PERCURSO PELA HISTÓRIA DA SEMÂNTICA DA ENUNCIAÇÃO

UM PERCURSO PELA HISTÓRIA DA SEMÂNTICA DA ENUNCIAÇÃO Artigo recebido até 15/01/2012 Aprovado até 15/02/2012 UM PERCURSO PELA HISTÓRIA DA SEMÂNTICA DA ENUNCIAÇÃO Ana Cláudia Fernandes Ferreira (Univás) anaclau@ymail.com Introdução O presente trabalho faz

Leia mais

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 Eládio Torret Rocha Ju iz de Direito do TJSC SUMÁRIO: 1. Intro du ção; 2. A im pren sa e a li mi ta

Leia mais

nao e significativo em si mesmo, mas e significativo em

nao e significativo em si mesmo, mas e significativo em OM BNFOQUB SOBRE A ORTOGRAFIA NOS 'l'extos DR 50 SE:1UB Sinclair Pozza Casemiro ( UNESP - Assis SP) Vamos apresentar a discu5sao de um aspecto, apenas urn aspecto. mas bastante significativo, da redacao

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Introdução Gabriela Fontana Abs da Cruz 1 Teoria e prática de ensino parecem estar muito distantes uma da outra, principalmente

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_2007_ 2A FASE. RESOLUÇÃO PELA PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_2007_ 2A FASE. RESOLUÇÃO PELA PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_007_ A FASE RESOLUÇÃO PELA PROFA MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Se Amélia der R$3,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia Se Maria

Leia mais

A history of child's rights in Portuguese speaking countries.

A history of child's rights in Portuguese speaking countries. Estudos Históricos (Rio de Janeiro), vol. 25, núm. 50, 2012, pp. 475-478. A history of child's rights in Portuguese speaking countries. Arend, Silvia Maria Favero. Cita: Arend, Silvia Maria Favero (2012).

Leia mais

N umeros Felizes e Sucess6es de Smarandache:

N umeros Felizes e Sucess6es de Smarandache: N umeros Felizes e Sucess6es de Smarandache: Digress6es com 0 Maple Delfim F. M. Torres delfim@mat.ua.pt Departamento de Nlatematica U niversidade de A veiro 3810-193 Avciro, Portugal Resumo Dando jus

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

VIMMINTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

VIMMINTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Sumário PARTE I FUNDAMENTOS Prefácio.......................................................... IX Prefácio à 2 a edição................................................. XI Capítulo 1 Fluxo Financeiro ou

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 LANGUAGE & LINGUISTIC IV IDE-PT202 THREE (3) HOURS

UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 LANGUAGE & LINGUISTIC IV IDE-PT202 THREE (3) HOURS UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 TITLE OF PAPER LANGUAGE & LINGUISTIC IV COURSE NUMBER IDE-PT202 TIME ALLOWED THREE (3) HOURS INSTRUCTIONS 1. ANSWER ALL QUESTIONS. 2. DO NOT WRITE

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

Manual de Montagem de Expe rimento utilizando placa Modelixino 2.6

Manual de Montagem de Expe rimento utilizando placa Modelixino 2.6 Manual de Montagem de Expe rimento utilizando placa ino 2.6 Est e m anual é uma referência para a conexão de component es, utiliz ando o M odelixino 2.6, ele apresent a uma idéia com a flexibilidade que

Leia mais

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL Miguel Correia Pinto e Manuel Mira Godinho Resumo Com os avanços nos domínios da biotecnologia registados nas décadas mais recentes, os conhecimentos

Leia mais

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET Nessa entrevista Simon Bouquet fala da importância de se retornar aos escritos originais

Leia mais